SlideShare uma empresa Scribd logo
Professor Sebastião Guimarães




         E se o Treinamento não for bem avaliado?
Págin a 2

                                                                T&G    TREINAMENTO                  Página 2
  Página 2




                                                         E Se o Treinamento
                                                        Não For Bem Avaliado?

                                                 Identificar falhas é um dos principais objetivos que
                                               devemos ter quando avaliamos os resultados do
                                               treinamento.
                                                 Identificando falhas podemos, com relativa facilidade,
                                               melhorar o desenvolvimento dos programas de
                                               treinamento, de acordo com as diretrizes da norma NBR
                                               ISO 10015 (1)
                                                 É preciso, portanto, mudar nossos paradigmas e gostar
                                               das más notícias, conforme nos ensina Bill Gates (2):


                                                      É bom quando as más notícias se espalham.

Sebastião Guimarães:                             Você não vai poder reagir adequadamente se não
                                                 tomar conhecimento exato e imediato das notícias
                                                 decepcionantes.
Consultor com cursos de
especialização em Qualidade                      As pessoas afetadas precisam perguntar: “O que
                                                 aconteceu realmente? Quais são os fatos? “ Elas
Total pela The George                            precisam fazer uma análise cuidadosa da situação
Washington University.                           ocorrida.

                                                 Conforme, também, nos ensina o Professor Chip Heath
É professor do curso de                        (3), precisamos nos livrar da armadilha que é nossa
pós-graduação da Universidade                  propensão para o otimismo:

São Judas - "Gestão pela                         Más notícias têm que circular
Qualidade em Alimentos" e
                                                 Muitas más notícias têm povoado o mundo dos
professor convidado da Fea/                      negócios ultimamente. E, quase todas, são responsa-
Unicamp.                                         bilidade de líderes que as ignoram - até que elas se
                                                 transformem em notícias piores ainda. O que você não
Foi chefe de treinamento da
                                                 sabe e não quer saber pode e vai prejudicá-lo.
Mercedes Benz e gerente do
programa - Qualidade Total do                    Por que os executivos insistem em ignorar os
                                                 problemas ?
Sebrae/SP
                                                  “As pessoas e as organizações têm uma propensão
E-mail:                                          para o otimismo”, diz Chip       Heath, professor da
guimaraes@tgtreinamento.com.br                   Stanford Business School, que estuda o tema.

É permitida a reprodução e distribuição           Portanto, se o treinamento for mal avaliado. Ótimo!
gratuita, desde que previamente autorizada e       Vamos aproveitar a oportunidade para melhorá-lo.
citada a fonte:                                  Afinal, esta é uma das atribuições dos profissionais de
                                                                   Recursos Humanos.
Professor Sebastião Guimarães—
T&G Treinamento—www.tgtreinamento.com.br       1. Norma ABNT NBR ISO 10015:2001 – Gestão da Qualidade –
                                               Diretrizes para treinamento. Esta norma pode ser aquirida em
                                               www.abnt.org.br
                                               2. Excerto de um artigo de Bill Gates - Jornal Folha de S.Paulo
                                               3. Excertos de um texto de Scott Kirsner/Fastcompany -
                                               Revista Exame Edição 775 - páginas 118 e 119
Página 3                    PROFESSOR      SEBASTIÃO       GUIMARÃES




            Avaliação da Eficácia do Treinamento
             De Acordo com a Norma ISO 10015

  Nas empresas, onde o RH é estratégico, o treinamento é eficiente e eficaz, porque seu resultado é medido e
avaliado. Como afirmam Kaplan e Norton, “medir é importante; o que não é medido não é gerenciado”.

A seguir,descrevemos os principais recursos para avaliar o treinamento:

1. Avaliação REAÇÃO
O objetivo deste tipo de avaliação, como o próprio nome diz, é avaliar a reação do participante, para saber qual é
o valor percebido por ele.

Kirkpatrick justifica esta avaliação afirmando: ―[...] se os participantes não reagem de forma favorável,
provavelmente não estarão motivados a aprender. Reação positiva e satisfação, pode não assegurar o
aprendizado, mas reação negativa certamente reduz a possibilidade de aprendizado.‖

Geralmente, os formulários de avaliação, têm muitas questões; mas, conforme nos sugere Peter Drucker, para
ouvir o treinando (que é cliente do treinamento), bastam duas perguntas:

                       1ª - O que você achou deste curso ?
                       2ª - Que sugestão você nos dá para melhorarmos este curso ?

É recomendável que os profissionais de RH, atendam às diretrizes das normas de gestão e procurem, já na
avaliação de reação, avaliar a eficácia do treinamento. É preciso deixar de solicitar ao treinando sua opinião
sobre a sala, sobre o coffe break ou sobre outros questões de pouca relevância e procurar, realmente, saber se o
treinamento foi ou não eficaz.

2. Avaliação de APRENDIZAGEM
Esta avaliação mede o conhecimento ou a habilidade adquirida pelo treinando, com relação ao que foi ensinado.

Através de pré e pós teste, feito por escrito ou oralmente, é possível verificar se o processo ensino/aprendizagem
foi eficaz.


3. Avaliação da MUDANÇA DE COMPORTAMENTO
Para avaliar mudança de comportamento de um profissional, é preciso observá -lo durante um período
relativamente longo. Com a devida orientação do pessoal de RH, os gestores da empresa poderão avaliar o
treinamento dado às suas equipes de trabalho para verificar se foi válido ou não.

4. Avaliação de RESULTADOS através de INDICADORES
Os indicadores são os melhores recursos para avaliar os resultados do treinamento.

Empresas internacionais de consultoria, já identificaram mais de 900 indicadores para avaliar resultados do
treinamento. Mas, é conveniente lembrar a questão da objetividade. Vale mais utilizar poucos indicadores, mas
que sejam os mais precisos possíveis.

―Um indicador é uma medida que é utilizada para rastrear e mostrar o desempenho de um determinado elemento
a partir da avaliação (mensuração) dos itens deste elemento‖ (1).

―Indicador é o parâmetro que medirá a diferença entre a situação desejada e a situação atual, ou seja, ele
indicará um problema‖ (2).

―Os indicadores são os parâmetros representativos dos processos que permitem quantificá -los, e têm como
objetivo facilitar a compreensão de determinada situação, através da apresentação de um reflexo da realidade,
possibilitando uma base comum para a tomada de decisão‖ (3).
T&G   TREINAMENTO                                              Página 4




A fim de que as conclusões obtidas através da sua análise sejam válidas, um indicador deve ser:

- Representativo: seus resultados devem servir de base para tomada de decisões;
- De fácil entendimento: deve ser a representação clara do que se deseja medir;
- Confiável: Deve ser gerado a partir de informações verídicas (4).

IMPORTANTE: O(s) indicador(es) para avaliar resultados de treinamento deve(m) ser escolhido(s) pelo gestor,
antes de o treinamento ser desenvolvido.

Veja, a seguir, alguns indicadores que podem ser utilizados, com mais freqüência, para avaliar resultados do
treinamento:

FATURAMENTO PER CAPITA:
Também chamado de riqueza criada por empregado ou de produtividade, este é um dos melhores indicadores
para medir a eficácia das empresas e, conseqüentemente, os processos de treinamento e desenvolvimento do
seu pessoal.

A revista EXAME para classificar as Melhores e Maiores Empresas do Brasil, utiliza, entre outros, o indicador
riqueza criada por empregado, definido-o assim:

       RIQUEZA CRIADA POR EMPREGADO é o total da riqueza criada pela empresa dividido pela média
       aritmética do número de empregados, sem levar em conta eventuais serviços terceirizados. Serve para
       indicar a produtividade dos trabalhadores e a contribuição média de cada um na riqueza gerada pela
       empresa.

Este indicador é, também, muito útil para comparar sua empresa com outras empresas do mesmo ramo/setor.

Exemplo:

  Faturamento da empresa             N° de empregados            Faturamento per capita
      R$ 10 000 000,00                      1000                       R$ 10.000,00


           Faturamento per capita                        Faturamento per capita
                da empresa                         das empresas do mesmo ramo/setor
               R$ 10.000,00 *                                R$ 9.500,00 *
* Neste caso, a produtividade da empresa está acima da média do ramo/setor.

 Será que o treinamento e desenvolvimento de pessoal afetam a produtividade? Claro que afetam. É, portanto,
de suma importância que o RH explicite e avalie suas ações para provar que elas realmente agregam valor.

CUSTO D0 TURNOVER
Custos diretos e indiretos com desligamento de pessoal, podem atingir vários dígitos em se tratando de
executivos ou profissionais especializados.

A saída voluntária de um executivo custa em média um ano de seu salário, conforme cálculo da consultoria
internacional - INFOHRM. (5)

Ao utilizar indicador baseado em turnover lembre-se:

―Empresas, com taxas de turnover muito baixas (< 3 %), são, geralmente, organizações estáticas. O excesso
de estabilidade pode ser um problema, pois pode dificultar a implementação de mudanças na empresa. É tão
ruim taxas de turnover muito altas, quanto muito baixas”.(6)
Página 5                    PROFESSOR     SEBASTIÃO      GUIMARÃES




O cálculo do índice de rotatividade de pessoal é baseado no volume de entradas e saídas de pessoal em determi-
nado período, e em termos percentuais. O período pode ser mensal, trimestral, semestral ou anual.


                 (A + D) : 2
Fórmula:        ___________ X 100 = ....        %
                     EM


A= Admissões de pessoas, dentro do período considerado (Entrada)
D= Desligamento de pessoas (Tanto por iniciativa da empresa como por iniciativa dos empregados)
no período considerado (Saídas).
EM= Efetivo médio do período.        É obtido pela soma dos efetivos existentes no início e no final do
período, dividida por dois.
Exemplo: A= 2      B= 4        EM= 20   Turnover= 15%


HORAS TREINAMENTO (H/T):
O indicador Horas Treinamento (h/t) é muito utilizado pelos profissionais de RH. Mas atenção! O indicador h/t
quando analisado isoladamente, só mede o ―esforço do RH‖. Indica se os profissionais de RH trabalharam muito
ou pouco, desenvolvendo treinamento.

Um procedimento recomendável é comparar o indicador h/t com o indicador de produtividade ou outro que a
organização considerar relevante.

De acordo com a pesquisa Hewitt/Valor, a média anual de h/t por empregado das empresas dos Estados Unidos e
Ásia foi de 30 horas, da Europa, 36, e do Brasil, 37,5 No mesmo período pesquisado a Petrobras atingiu a média
de 130 h/t e a Renner, 150 (7).

É considerada empresa em nível de excelência em treinamento, aquela que atinge a média de 100 h/t por
empregado.

Diretores, gerentes, consultores e outros profissionais do conhecimento, devem ter 160 h/t, por ano, para
atingirem o nível de excelência. Devem, portanto, dispor do equivalente a um mês por ano para se reciclar.
Nesse caso, a reciclagem pode ser através de cursos, seminários, palestras, leitura/estudo, visitas a feiras e
exposições e outras atividades de benchmarking.


Vejamos, agora, o que nos diz Neyde Vernieri Lopes sobre a questão da quantidade de treinamento (8):

        Para responder à questão se “a quantidade de treinamento influencia o alcance das metas”, temos de
        considerar dois tipos de variáveis: independentes e dependentes. Variável independente é aquela que
        causa efeito na outra,

        Por exemplo, o número de horas de treinamento (variável independente) influencia o número de
        metas alcançadas (variável dependente)? Obtendo um coeficiente alto de correlação positiva próxima a
        + 1, 0,90, por exemplo, é possível concluir que o número de horas de treinamento influencia o alcance
        das metas, isto é, as duas variáveis possuem uma relação de casualidade. Uma correlação baixa,
        próxima a zero, 0,10, por exemplo, indicaria que não existe relação entre o número de horas de
        treinamento e o alcance das metas.

        O cálculo da correlação linear (9) será útil à medida que outras circunstâncias forem eliminadas (...),
        como, por exemplo, introdução do pagamento de um incentivo financeiro para aqueles que cumprirem
        100% das metas negociadas. Nesse caso, fica difícil determinar qual das duas variáveis, o treinamento
        ou o incentivo, exerceu maior influência sobre os resultados.
T&G   TREINAMENTO                                                    Página 6




A seguir, vejamos o que nos diz Milioni (10) sobre os indicadores referentes às horas de treinamento:

       Homens/hora/treinamento/ano (clássico)
       Indicador clássico da gestão da Educação Empresarial, serve como uma leitura geral do montante, em
       horas, do volume de treinamento executado em um ano ... Este indicador é obtido dividindo-se o volume
       bruto em horas de treinamento pelo número de colaboradores da empresa.

       Para potencializar os resultados desse indicador, Milione aconselha atualizá-lo todos os dias e compará-lo
       com empresas e entidades aceitas como referencial das melhores práticas de Treinamento e Desenvolvi-
       mento. A atualização diária permite uma leitura em tempo real do andamento e tendências do sistema de
       Gestão de Pessoas, matéria de suma importância nos dias em que vivemos, nos quais a informação de
       ontem pode ser inútil. E, quando comparado com as fontes de referência, esse indicador contribui
       bastante para as análises e tomadas de decisão.

       Homens/hora/treinamento/ano (enfoque atual)
       Indicador mais atual que fornece a mesma leitura do anterior, porém considerando como base de cálculo
       a população efetivamente treinada. Este indicador é obtido dividindo-se o volume bruto em horas de trei-
       namento pelo número de colaboradores da empresa que, efetivamente, receberam treinamento durante
       o período considerado.

       Homens/hora/treinamento/ano (por extrato organizacional)
       Indicador que permite a leitura das horas de treinamento recebidas por um determinado extrato organi-
       zacional (por exemplo: gestores, pessoal de apoio, pessoal de vendas, pessoal operacional). Este indica-
       dor é obtido dividindo-se o volume total de horas de treinamento realizado pelo número de colaboradores
       treinados de um determinado extrato organizacional.

Claudemir Oribe (11) respondendo a nossa consulta, diz o seguinte:

       Algumas empresas que atuam em ambientes muito dinâmicos, como é o caso das empresas do segmento
       de tecnologia e telecomunicações, precisam de um volume de horas muito superior àquelas organizações
       que atuam em segmentos de ciclo de negócio mais longo, como o caso de mineradoras e empresas de
       reflorestamento. Tenho um cliente em Belo Horizonte - empresa de água e saneamento, que tem como
       meta 40 h/t por funcionário e o benchmarking neste segmento é a Sanepar (Paraná) que desenvolve
       aproximadamente 60 h/t por funcionário.
       Outro aspecto que pode influenciar o volume de horas é o momento em que a organização, ou negócio,
       se encontra. Negócios que se encontram num momento amadurecido, normalmente requerem um volu-
       me de horas menor pois os acionistas querem "rentabilizar" os investimentos feitos anteriormente. Por
       outro lado, se um determinado negócio está recebendo um fluxo muito grande de investimentos (imagine
       uma indústria automotiva quando lança um carro novo), provavelmente haverá um grande volume de
       treinamento que se estabiliza depois de um tempo.

ATITUDES DOS EMPREGADOS E O DESEMPENHO DA EMPRESA:
A edição especial ―As melhores empresas para você trabalhar” – publicada regularmente pela revista EXAME, tem
demonstrado que as melhores empresas para os empregados são, também, as melhores em lucratividade e pro-
dutividade.

Um ―case‖ bastante divulgado, em 1998 (12) relatava que:

       Após diversos estudos, os profissionais da Sears chegaram á seguinte conclusão, com relação ao índice
       que mede a atitude dos empregados:

       Melhorias de Cinco Pontos nas atitudes dos empregados levam a um aumento de 1.3 pontos na satisfa-
       ção dos clientes, o que, por sua vez, resulta em aumento de 0,5 % nas receitas.

Pesquisa da ISR (13) revela que companhias que possuem colaboradores comprometidos apresentam melhores
resultados financeiros. A descoberta mais importante foi a diferença de quase 52 % no aumento do lucro opera-
cional ao longo de um ano, entre companhias com colaboradores altamente comprometidos versus companhias
cujos colaboradores tiveram baixos índices de comprometimento.
Companhias de alto comprometimento tiveram um aumento de 19,2 %, enquanto companhias de baixo compro-
metimento tiveram uma redução de 32,7 % no lucro operacional ao longo do período em estudo.

Conforme disse o diretor-executivo do Hay Group, Vicente Gomes, as grandes empresas nacionais e internacio-
nais já perceberam a importância de um bom ambiente de trabalho para a produtividade. 70% dos resultados
Página 7                    PROFESSOR      SEBASTIÃO      GUIMARÃES




dos negócios são influenciados por uma boa gestão do clima organizacional. (14)

RESULTADOS DO TREINAMENTO DA FORÇA DE VENDAS
Se o treinamento previsto é para vendedores e promotores de venda, podemos escolher, entre outros, os seguin-
tes indicadores para avaliar o resultado:novos cliente em relação à carteira de clientes atuais; vendas mês a
mês, comparadas com as vendas atuais ou com as vendas dos meses do ano anterior; visitas realizadas – verso
– pedidos; investimento em promoções e em outros esforços de venda – verso – retorno obtido.

O importante, como sempre, é escolher os indicadores que realmente sejam adequados para avaliar os resulta-
dos esperados.


REMUNERAÇÃO TOTAL/FATURAMENTO:

Este indicador é freqüentemente solicitado, e é bastante fácil de entender por quê. Uma alteração em seu nível
pode significar aumento ou diminuição de produtividade.

Planos de remuneração por desempenho têm sido utilizados para impulsionar este indicador.          Treinamento,
também, pode afetá-lo.

CUSTO SAÚDE:

O custo de saúde é uma das principais preocupações em nível mundial, nacional e regional.

Faça uma análise para identificar como o plano de saúde está sendo utilizado, e determine o custo por emprega-
do. Com certeza surgirão algumas oportunidades de reestruturar esse plano, para reduzir custo e melhorar o
atendimento.

Este indicador pode ser utilizado para mensurar treinamento cujo objetivo seja assegurar a saúde e segurança do
empregado. Ao fazer os cálculos, considere também neste indicador o absenteísmo, custo com acidentes de
trabalho, atestados médicos e doenças ocupacionais. Este indicador é muito fértil, e pode justificar muitas ações
de RH que tenham como objetivos a redução de custos.

ROI - INDICADOR PARA MEDIR O RETORNO DO INVESTIMENTO

O ROI (Return On Investiment) é considerado o processo mais eficaz para medir o resultado do investimento em
treinamento.

Estrategicamente podemos ter dois procedimentos ao utilizar o ROI: utilizá-lo para medir todas as atividades de
treinamento ou somente para medir alguns programas selecionados, por serem mais importantes ou por
receberem maior investimento.

A primeira providência para se calcular o ROI é fazer um levantamento dos custos. Para tanto, a empresa deve
ter um plano de contas e, sempre que possível, um programa informatizado que facilite a coleta de dados e
informações sobre os custos do treinamento.

Para fazer o levantamento dos custos, temos duas opções: A primeira é levantar todos os custos diretos e
indiretos que estejam relacionados com as atividades de treinamento. Nesse caso, será relativamente fácil obter
os dados na ―contabilidade‖, quando a empresa é organizada por ―centros de custo‖. É possível chegar a
detalhes calculando, por exemplo, as horas ―não trabalhadas‖ dos treinandos, os salários dos profissionais de RH/
T&D e todas os outros custos da área – total ou rateado.

Algumas empresas têm o chamado custo por pessoa empregada que inclui, sob a forma de rateio, salários,
impostos, taxas de luz, água e outras despesas. Com este custo, devidamente definido, fica fácil calcular o custo
do pessoal envolvido no treinamento.

A segunda opção é considerar somente os custos diretos. Esse procedimento é facilmente viabilizado,
principalmente quando a empresa terceiriza o treinamento. Nesse caso, a planilha de custos do treinamento pode
ter somente os seguintes itens:

Pagamento a terceiros, dos serviços de desenvolvimento do treinamento e com a produção de recursos
instrucionais.
Pagamento de despesas com transporte e hospedagem; se houver.
T&G   TREINAMENTO                                                Página 8




 É bom deixar claro que a melhor planilha de custos é aquela que atende as necessidades e objetivos da
empresa, e que, para fins de controle e comparação, sua estrutura não seja alterada.

  A segunda providência, para calcular o ROI, é identificar os Benefícios do Treinamento, o que muitas vezes é
complexo.

  Há empresas que calculam os custos do retrabalho, os custo da prevenção e outros custos da não qualidade. O
valor correspondente à diminuição desses custos é um resultado que pode ser atribuído ao treinamento ou a
outras ações de melhoria.

  A grande dificuldade está em verificar até que ponto o treinamento é responsável pelos resultados alcançados.
Por exemplo: Após o treinamento dos vendedores houve um aumento nas vendas – vendeu-se R$ 100.000,00 a
mais. Acontece que, na mesma ocasião, foi feito outro investimento em ―promoção de vendas‖ ou então o maior
concorrente faliu. Nesse caso, podemos considerar o aumento das vendas como resultado exclusivo do
treinamento? É claro que não!

Para solucionar dificuldades como esta, temos duas opções:

1ª - Avaliar os resultados qualitativos e quantitativos
Podemos, por exemplo, considerar como resultado ―quantitativo‖, do treinamento de vendedores, a conquista de
50 novos clientes. Como resultado “qualitativo”, a melhoria da imagem da empresa, o nível de satisfação dos
clientes e muitos outros melhorias.

2ª - Avaliar o retorno do investimento, através do ROI
Se a intenção da empresas for realmente avaliar o retorno do investimento, o melhor recurso é o ROI, mesmo
havendo dificuldade para identificar, com maior precisão, o que gerou os resultados. Em muitos casos, a partir
dos dados qualitativos e quantitativos, podemos facilmente calcular ou estimar o retorno do investimento.

Leia, a seguir, o que nos ensina o Dr. Jac Fitz-enz (15), sobre o princípio “ceteris paribus”, que devemos levar
em consideração, quando avaliamos o resultado do treinamento:

       O objetivo de um esforço de avaliação, válido e confiável, que atribui um valor específico ao resultado de
       um programa de treinamento é simplesmente este: demonstra que há uma provável correlação entre o
       evento de treinamento e uma subseqüente mudança de qualidade, produtividade, vendas ou serviço.

       A metodologia deveria implicar o seguinte: „Dadas as condições estabelecidas, e assumindo que os outros
       fatores são iguais, o efeito observado é, muito provavelmente, resultado do treinamento‟.

       Antes de começar a censurar previamente o assunto, observe que o princípio de ceteris paribus ( todo o
       resto sendo igual) é a fundamentação básica para todas as tentativas de „prova‟. E é precisamente a
       pressuposição que sustenta todos os planejamentos de negócios e sua conseqüente avaliação.

Recursos utilizados para isolar os efeitos do treinamento
Para verificar ―o quanto‖ foi o resultado do treinamento, podemos utilizar os seguintes recursos:

Estimativa de Retorno do Investimento
Estimativa de Retorno do investimento é uma das formas mais confiáveis para se isolar os efeitos do treinamen-
to.

Para maior objetividade na apuração dos resultados e de suas causas, é recomendável consultar os gestores, das
áreas em questão, e os profissionais que foram treinados. Essa consulta pode ser feita em reunião com todos os
envolvidos no processo, para se chegar a um consenso. Isto é relativamente fácil, para as empresas que têm
como norma avaliar seus objetivos estratégicos.

Nas reuniões de avaliação, todos os gestores podem ser consultados, utilizando, por exemplo, o seguinte
questionário:
Página 9                     PROFESSOR      SEBASTIÃO    GUIMARÃES




                               AVALIAÇÃO DO RETORNO DO INVESTIMENTO EM TREINAMENTO

    Após o treinamento dos vendedores, registramos um aumento de 10 % nas vendas, equivalente a
    R$ 100.000,00. Você atribui este resultado ao treinamento? Que outros fatores ou atividades
    influíram nos resultados? Em que porcentagem?
                                       Influíram nos resultados                                    %

    1. Treinamento

    2.

    3.

    Parecer:                                                                   Total       100

                                                                                                   %


Grupos de controle
A abordagem mais precisa para isolar o impacto de um treinamento é o uso de grupos de controle. Esta aborda-
gem envolve a comparação entre a participação de um grupo que participa do treinamento e um grupo de con-
trole, que não participa do treinamento.


Linha de Tendência
O método consiste na representação gráfica de uma linha de tendência para projetar o futuro, usando dados his-
tóricos de desempenho como base. Depois que o evento acontece, o desempenho em relação ao que havia sido
desenhado na linha de tendência pode ser atribuído ao treinamento, de uma forma bastante sensata.


Linha de tendência


Marcos Antônio L. de Oliveira (16) comentando sobre a exatidão da medição, diz o seguinte: “Nem sempre a
precisão é essencial. É melhor ter alguma medição, mesmo não tão precisa, do que não ter nenhuma”

Considerando o exposto, e de acordo com a boa técnica, devemos calcular o ROI da seguinte forma:

        Calcular os Benefícios do treinamento *
        Calcular os Custos
        Subtrair os Custos dos Benefícios
        Dividir o Benefício Líquido pelo Custo

         * ATENÇÃO: As estatísticas provam que o resultado de um treinamento eficaz pode ser observado durante 6
         meses. Quando isto ocorre, deve-se considerar o total dos benefícios ocorridos nesses 6 meses.


EXEMPLO: Benefício: R$ 165.000,00             Custo: R$ 25.000,00 ROI: 5,6


Conclusão: Para cada real investido no treinamento, houve um retorno de R$ 5,60.
De acordo com a norma ISO 10015, a Avaliação dos Resultados do Treinamento é o 4º estágio do Ciclo do
Treinamento. O melhor retorno do investimento em treinamento depende, portanto, do correto desenvolvimento
dos estágios anteriores.

NOTA: À semelhança do ROI existe um indicador conhecido como Relação Beneficio Custo. Utilizando o mesmo
exemplo acima, veja como utilizar o RBC:

a) - Calcular o total de benefícios obtidos com o treinamento.
b) - Calcular o total dos custos.
c) - Dividir o total de benefícios pelo total de custos.

O total de benefícios com o treinamento de 10 vendedores foi de R$ 165.000,00 e o total de custos R$ 25.000,00.
Logo, RCB = 6,6 O benefício foi 6,6 vezes o custo.
T&G   TREINAMENTO                                                      Página 10




Finalizando, é bom deixar claro o que nos ensina Brian E. Becker, Mark A. Huselied e Dave Ulrich (17):


          O processo de mensuração não é um fim em si mesmo. Ele tem valor apenas se seus resultados
          fornecerem contribuições significativas para decisões subsequentes e/ou se contribuírem para a maior
          eficácia da avaliação de desempenho.




1. Guia de orientação do UNCTAD – United Nations Conference On Trade And Development para indicadores de ecoeficiência.
    Disponível em: http://www.biotech.com.br/site/default.asp?secao=artigo03. Acesso em 30 de Abril de 2007
2. Oliveira, Marcos Antônio Lima de. Projeto: Indicadores de Desempenho. Apostila fornecida. 2005
3. Oliveira, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento Estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 22.ed. 2. reimpressão
    – São Paulo: Atlas, 2006.

4. Teixeira, Rute Borges e Júnior, Ismael Emílio Oliveira – Confiabilidade de indicadores de treinamento. Disponível em:
http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2007_TR580439_9735.pdf Acesso em 12 de dezembro de 2009
5. Peter Howes – Chief Executive Officer –INFOHRM PTY LTD – in workshop A – The future of Human Capital Analytics –
    IQPC -24/05/07
6. Luiz Augusto P.M.Simão – Mensuração – Gerenciando o conhecimento nas organizações – Revista ”Falando de
    Qualidade” – nº 138 – Editora epse.
7. Pesquisa Hewitt/Valor – 2007 As melhoresna gestão de pessoas, Revista Valor Carreira, Dezembro 2008
8. Lopes, Neyde Vernieri – Gestão estratégica de desempenho: otimizando o capital humano das organizações – Rio de Janei-
    ro: Qualitymark, 2009 – pág. 205.
9. Cálculo de correlação – Consulta feita dia 08//01/2010 em :
http://w3.ufsm.br/adriano/aulas/coreg/Aula%2001%20Correla%E7ao%20Linear.pdf
10. Milioni, B. Indicadores para gestão de treinamento e desenvolvimento, Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvi-
    mento- ABTD São Paulo 2005. pp. 58-64.
11. Claudemir Oribe – Qualipro – claudemir@qualypro.com.br12. The Employee – Customer Profit Chain at Sears – in ―Havard
    Business-Revie‖, Jan-Feb 199813. Disponível em: < www.isrinsight.com.br > Acesso em 04/10/06
14. Fonte: http://www.administradores.com.br/noticias
    bom_ambiente_de_trabalho_e_cada_vez_mais_valorizado_como_identificalo/15062
    Consultado em 25/04/08
15. Excerto do artigo da revista Training Magazine – Yes ... you can weight training‟s value do Dr. Jac Fitz-enz – 1994.
16. Marcos Antonio Lima de Oliveira- Certified Quality Engineer - ASQ/US Diretor da Qualitas Treinamento e Consultoria.
17. Brian E. Becker, Mark A. Huselied e Dave Ulrich - Gestão Estratégica de Pessoas com ―Scorecard‖.Rio de Janeiro 3
    Ed.Campus 2001 pág. 142
E.book gratuito: NORMA ISO 10015
  Disponibilizamos para os profissionais de
         RH e de T&D, o e.book:
                Norma ISO 10015—
                Gestão da qualidade
          Diretrizes para treinamento.
            Em Busca da Eficácia em
                      Treinamento
Para acessar a agenda de cursos e
palestras:
www.tgtreinamento.com.br
treinamento@tgtreinamento.com.br
Para falar com o Professor
Sebastião Guimarães:
guimaraes@tgtreinamento.com.br
Informações: 11 9952-0803
Solicitar artigos e fotos na Assessoria
de Imprensa:
www.fadaceleste.com.br/
saladeimprensa.htm
Jornalista Responsável: Claudia Sou-
za— MTB 50644/SP
Tels: 11 6218-9688 / 9803-3384—
tgtreinamento@hotmail.com
AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
Camilo Almendra
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
Eduardo Cardoso
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
Sonia Rodrigues
 
Postura e imagem profissional sebrae 01-11-2011
Postura e imagem profissional   sebrae 01-11-2011Postura e imagem profissional   sebrae 01-11-2011
Postura e imagem profissional sebrae 01-11-2011
filipebrito
 
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃOTÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
Priscila Cembranel
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
HP Safety Engenharia
 
exemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamentoexemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamento
itapissuma
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
Wandick Rocha de Aquino
 
Treinamento Organizacional
Treinamento OrganizacionalTreinamento Organizacional
Treinamento Organizacional
Daniela Gomes dos Santos
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Luis Paulo Barros
 
Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)
Isabel Grazina
 
Aula 2.2 administração cientifica
Aula 2.2  administração cientificaAula 2.2  administração cientifica
Aula 2.2 administração cientifica
Jose Angelo Ferreira
 
Atendimento ao cliente 1
Atendimento ao cliente 1Atendimento ao cliente 1
Atendimento ao cliente 1
Nice Person
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
Nome Sobrenome
 
Absenteismo e Indicadores
Absenteismo  e  IndicadoresAbsenteismo  e  Indicadores
Absenteismo e Indicadores
HuggardCaine
 
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
GAC CURSOS ONLINE
 
Evolução do RH, Cenários, Diagnóstico e Planejamento estratégico de RH
Evolução do RH, Cenários, Diagnóstico e Planejamento estratégico de RHEvolução do RH, Cenários, Diagnóstico e Planejamento estratégico de RH
Evolução do RH, Cenários, Diagnóstico e Planejamento estratégico de RH
Adelia Araujo
 
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
Geisa Duarte
 
DEPARTAMENTO PESSOAL
DEPARTAMENTO PESSOALDEPARTAMENTO PESSOAL
DEPARTAMENTO PESSOAL
IDCE - Escola de Negócios
 
introdução à gestão da qualidade
introdução à gestão da qualidadeintrodução à gestão da qualidade
introdução à gestão da qualidade
elliando dias
 

Mais procurados (20)

Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
 
Postura e imagem profissional sebrae 01-11-2011
Postura e imagem profissional   sebrae 01-11-2011Postura e imagem profissional   sebrae 01-11-2011
Postura e imagem profissional sebrae 01-11-2011
 
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃOTÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
exemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamentoexemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamento
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
 
Treinamento Organizacional
Treinamento OrganizacionalTreinamento Organizacional
Treinamento Organizacional
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
 
Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)
 
Aula 2.2 administração cientifica
Aula 2.2  administração cientificaAula 2.2  administração cientifica
Aula 2.2 administração cientifica
 
Atendimento ao cliente 1
Atendimento ao cliente 1Atendimento ao cliente 1
Atendimento ao cliente 1
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
Absenteismo e Indicadores
Absenteismo  e  IndicadoresAbsenteismo  e  Indicadores
Absenteismo e Indicadores
 
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
 
Evolução do RH, Cenários, Diagnóstico e Planejamento estratégico de RH
Evolução do RH, Cenários, Diagnóstico e Planejamento estratégico de RHEvolução do RH, Cenários, Diagnóstico e Planejamento estratégico de RH
Evolução do RH, Cenários, Diagnóstico e Planejamento estratégico de RH
 
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
 
DEPARTAMENTO PESSOAL
DEPARTAMENTO PESSOALDEPARTAMENTO PESSOAL
DEPARTAMENTO PESSOAL
 
introdução à gestão da qualidade
introdução à gestão da qualidadeintrodução à gestão da qualidade
introdução à gestão da qualidade
 

Destaque

Avaliacao treinamento-on-the-job
Avaliacao treinamento-on-the-jobAvaliacao treinamento-on-the-job
Avaliacao treinamento-on-the-job
teresa08
 
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
Claudemir Oribe
 
Curso como medir a Eficácia de Treinamento
Curso como medir a Eficácia de TreinamentoCurso como medir a Eficácia de Treinamento
Curso como medir a Eficácia de Treinamento
Daniel de Carvalho Luz
 
Avaliação de competências 360 graus
Avaliação de competências 360 grausAvaliação de competências 360 graus
Avaliação de competências 360 graus
Alexandre Luiz Costa
 
Trabalho de Conclusão de Curso Antonio Quirino Gomes
Trabalho de Conclusão de Curso   Antonio Quirino Gomes Trabalho de Conclusão de Curso   Antonio Quirino Gomes
Trabalho de Conclusão de Curso Antonio Quirino Gomes
Antonio Quirino
 
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - QualidadeISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
gomesmpb
 
Procedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoProcedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e Qualificação
Marcos Abreu
 
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
Ane Costa
 
Como medir-a-eficacia-dos-programas-de-treinamento-e-desenvolvimento
Como medir-a-eficacia-dos-programas-de-treinamento-e-desenvolvimentoComo medir-a-eficacia-dos-programas-de-treinamento-e-desenvolvimento
Como medir-a-eficacia-dos-programas-de-treinamento-e-desenvolvimento
Negrao Alexandre
 

Destaque (9)

Avaliacao treinamento-on-the-job
Avaliacao treinamento-on-the-jobAvaliacao treinamento-on-the-job
Avaliacao treinamento-on-the-job
 
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
 
Curso como medir a Eficácia de Treinamento
Curso como medir a Eficácia de TreinamentoCurso como medir a Eficácia de Treinamento
Curso como medir a Eficácia de Treinamento
 
Avaliação de competências 360 graus
Avaliação de competências 360 grausAvaliação de competências 360 graus
Avaliação de competências 360 graus
 
Trabalho de Conclusão de Curso Antonio Quirino Gomes
Trabalho de Conclusão de Curso   Antonio Quirino Gomes Trabalho de Conclusão de Curso   Antonio Quirino Gomes
Trabalho de Conclusão de Curso Antonio Quirino Gomes
 
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - QualidadeISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
 
Procedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoProcedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e Qualificação
 
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
 
Como medir-a-eficacia-dos-programas-de-treinamento-e-desenvolvimento
Como medir-a-eficacia-dos-programas-de-treinamento-e-desenvolvimentoComo medir-a-eficacia-dos-programas-de-treinamento-e-desenvolvimento
Como medir-a-eficacia-dos-programas-de-treinamento-e-desenvolvimento
 

Semelhante a AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTO

O ENVOLVIMENTO DOS TREINANDOS
O ENVOLVIMENTO DOS TREINANDOSO ENVOLVIMENTO DOS TREINANDOS
O ENVOLVIMENTO DOS TREINANDOS
Sebastião Guimarães
 
15 administração (treinamento e avaliação)
15   administração (treinamento e avaliação)15   administração (treinamento e avaliação)
15 administração (treinamento e avaliação)
Elizeu Ferro
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
Valéria Braga
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
Taluana Maron
 
4 Uma Reflexao a Fim De Otimizar os PFP
4 Uma Reflexao a Fim De Otimizar os PFP4 Uma Reflexao a Fim De Otimizar os PFP
4 Uma Reflexao a Fim De Otimizar os PFP
Angelo Peres
 
AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO.pdf
AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO.pdfAVALIAÇÃO DE TREINAMENTO.pdf
AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO.pdf
JaniSantos8
 
Recursos humanos 7 ações decisivas para empresas de sucesso
Recursos humanos  7 ações decisivas para empresas de sucessoRecursos humanos  7 ações decisivas para empresas de sucesso
Recursos humanos 7 ações decisivas para empresas de sucesso
Instituto Mestria - Palestras e Treinamentos
 
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarialTreinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
Ana Couto
 
A HORA E A VEZ DO TREINAMENTO
A HORA E A VEZ DO TREINAMENTOA HORA E A VEZ DO TREINAMENTO
A HORA E A VEZ DO TREINAMENTO
Sebastião Guimarães
 
Artigo como montar um plano de treinamento
Artigo como montar um plano de treinamento Artigo como montar um plano de treinamento
Artigo como montar um plano de treinamento
Nilson Caldeira
 
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTONORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
Sebastião Guimarães
 
Artigo hbr
Artigo hbrArtigo hbr
Artigo hbr
Carol Schwartz
 
BSC - Balance Score Card
BSC - Balance Score CardBSC - Balance Score Card
BSC - Balance Score Card
Wagner Gonsalez
 
Iso10015 oquetodogestortemquesaber
Iso10015 oquetodogestortemquesaberIso10015 oquetodogestortemquesaber
Iso10015 oquetodogestortemquesaber
Sebastião Guimarães
 
Como quantificar resultados na área de RH
Como quantificar resultados na área de RHComo quantificar resultados na área de RH
Como quantificar resultados na área de RH
INSTITUTO MVC
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
Valéria Braga
 
Treinamento De Seguranca
Treinamento De SegurancaTreinamento De Seguranca
Treinamento De Seguranca
Santos de Castro
 
Avaliação de Desempenho
Avaliação de DesempenhoAvaliação de Desempenho
Avaliação de Desempenho
Foco Soluções Inteligentes
 
O Guia do Profissional de Recursos Humanos
O Guia do Profissional de Recursos HumanosO Guia do Profissional de Recursos Humanos
O Guia do Profissional de Recursos Humanos
Solides Tecnologia
 
Rerutamento e seleção
Rerutamento e seleçãoRerutamento e seleção
Rerutamento e seleção
Giovana Pizzutti da Silva Kulzer
 

Semelhante a AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTO (20)

O ENVOLVIMENTO DOS TREINANDOS
O ENVOLVIMENTO DOS TREINANDOSO ENVOLVIMENTO DOS TREINANDOS
O ENVOLVIMENTO DOS TREINANDOS
 
15 administração (treinamento e avaliação)
15   administração (treinamento e avaliação)15   administração (treinamento e avaliação)
15 administração (treinamento e avaliação)
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
4 Uma Reflexao a Fim De Otimizar os PFP
4 Uma Reflexao a Fim De Otimizar os PFP4 Uma Reflexao a Fim De Otimizar os PFP
4 Uma Reflexao a Fim De Otimizar os PFP
 
AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO.pdf
AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO.pdfAVALIAÇÃO DE TREINAMENTO.pdf
AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO.pdf
 
Recursos humanos 7 ações decisivas para empresas de sucesso
Recursos humanos  7 ações decisivas para empresas de sucessoRecursos humanos  7 ações decisivas para empresas de sucesso
Recursos humanos 7 ações decisivas para empresas de sucesso
 
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarialTreinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
 
A HORA E A VEZ DO TREINAMENTO
A HORA E A VEZ DO TREINAMENTOA HORA E A VEZ DO TREINAMENTO
A HORA E A VEZ DO TREINAMENTO
 
Artigo como montar um plano de treinamento
Artigo como montar um plano de treinamento Artigo como montar um plano de treinamento
Artigo como montar um plano de treinamento
 
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTONORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
 
Artigo hbr
Artigo hbrArtigo hbr
Artigo hbr
 
BSC - Balance Score Card
BSC - Balance Score CardBSC - Balance Score Card
BSC - Balance Score Card
 
Iso10015 oquetodogestortemquesaber
Iso10015 oquetodogestortemquesaberIso10015 oquetodogestortemquesaber
Iso10015 oquetodogestortemquesaber
 
Como quantificar resultados na área de RH
Como quantificar resultados na área de RHComo quantificar resultados na área de RH
Como quantificar resultados na área de RH
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
Treinamento De Seguranca
Treinamento De SegurancaTreinamento De Seguranca
Treinamento De Seguranca
 
Avaliação de Desempenho
Avaliação de DesempenhoAvaliação de Desempenho
Avaliação de Desempenho
 
O Guia do Profissional de Recursos Humanos
O Guia do Profissional de Recursos HumanosO Guia do Profissional de Recursos Humanos
O Guia do Profissional de Recursos Humanos
 
Rerutamento e seleção
Rerutamento e seleçãoRerutamento e seleção
Rerutamento e seleção
 

Mais de Sebastião Guimarães

Flow
FlowFlow
Flow
FlowFlow
PARA O RH NÃO HÁ MAIS DÚVIDA
PARA O RH NÃO HÁ MAIS DÚVIDAPARA O RH NÃO HÁ MAIS DÚVIDA
PARA O RH NÃO HÁ MAIS DÚVIDA
Sebastião Guimarães
 
GESTÃO DA QUALIDADE
GESTÃO DA QUALIDADEGESTÃO DA QUALIDADE
GESTÃO DA QUALIDADE
Sebastião Guimarães
 
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDECHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
Sebastião Guimarães
 
RH EM FRASES
RH EM FRASESRH EM FRASES
RH EM FRASES
Sebastião Guimarães
 
RH COMO RECURSO ESTRATÉGICO
RH COMO RECURSO ESTRATÉGICORH COMO RECURSO ESTRATÉGICO
RH COMO RECURSO ESTRATÉGICO
Sebastião Guimarães
 
RESPONSABILIDADES SOBRE GESTÃO DE PESSOAS
RESPONSABILIDADES SOBRE GESTÃO DE PESSOASRESPONSABILIDADES SOBRE GESTÃO DE PESSOAS
RESPONSABILIDADES SOBRE GESTÃO DE PESSOAS
Sebastião Guimarães
 
O NOVO RH E SEUS PROFISSIONAIS
O NOVO RH E SEUS PROFISSIONAISO NOVO RH E SEUS PROFISSIONAIS
O NOVO RH E SEUS PROFISSIONAIS
Sebastião Guimarães
 
INDICADOR DE HORAS DE TREINAMENTO
INDICADOR DE HORAS DE TREINAMENTOINDICADOR DE HORAS DE TREINAMENTO
INDICADOR DE HORAS DE TREINAMENTO
Sebastião Guimarães
 
ENSINAR A ENSINAR e APRENDER A APRENDER
ENSINAR A ENSINAR e APRENDER A APRENDERENSINAR A ENSINAR e APRENDER A APRENDER
ENSINAR A ENSINAR e APRENDER A APRENDER
Sebastião Guimarães
 
BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PESSOAS
BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PESSOASBOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PESSOAS
BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PESSOAS
Sebastião Guimarães
 
A educação a distância e a Norma ISO 10015
A educação a distância e a Norma ISO 10015A educação a distância e a Norma ISO 10015
A educação a distância e a Norma ISO 10015
Sebastião Guimarães
 

Mais de Sebastião Guimarães (13)

Flow
FlowFlow
Flow
 
Flow
FlowFlow
Flow
 
PARA O RH NÃO HÁ MAIS DÚVIDA
PARA O RH NÃO HÁ MAIS DÚVIDAPARA O RH NÃO HÁ MAIS DÚVIDA
PARA O RH NÃO HÁ MAIS DÚVIDA
 
GESTÃO DA QUALIDADE
GESTÃO DA QUALIDADEGESTÃO DA QUALIDADE
GESTÃO DA QUALIDADE
 
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDECHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
 
RH EM FRASES
RH EM FRASESRH EM FRASES
RH EM FRASES
 
RH COMO RECURSO ESTRATÉGICO
RH COMO RECURSO ESTRATÉGICORH COMO RECURSO ESTRATÉGICO
RH COMO RECURSO ESTRATÉGICO
 
RESPONSABILIDADES SOBRE GESTÃO DE PESSOAS
RESPONSABILIDADES SOBRE GESTÃO DE PESSOASRESPONSABILIDADES SOBRE GESTÃO DE PESSOAS
RESPONSABILIDADES SOBRE GESTÃO DE PESSOAS
 
O NOVO RH E SEUS PROFISSIONAIS
O NOVO RH E SEUS PROFISSIONAISO NOVO RH E SEUS PROFISSIONAIS
O NOVO RH E SEUS PROFISSIONAIS
 
INDICADOR DE HORAS DE TREINAMENTO
INDICADOR DE HORAS DE TREINAMENTOINDICADOR DE HORAS DE TREINAMENTO
INDICADOR DE HORAS DE TREINAMENTO
 
ENSINAR A ENSINAR e APRENDER A APRENDER
ENSINAR A ENSINAR e APRENDER A APRENDERENSINAR A ENSINAR e APRENDER A APRENDER
ENSINAR A ENSINAR e APRENDER A APRENDER
 
BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PESSOAS
BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PESSOASBOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PESSOAS
BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PESSOAS
 
A educação a distância e a Norma ISO 10015
A educação a distância e a Norma ISO 10015A educação a distância e a Norma ISO 10015
A educação a distância e a Norma ISO 10015
 

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTO

  • 1. Professor Sebastião Guimarães E se o Treinamento não for bem avaliado?
  • 2. Págin a 2 T&G TREINAMENTO Página 2 Página 2 E Se o Treinamento Não For Bem Avaliado? Identificar falhas é um dos principais objetivos que devemos ter quando avaliamos os resultados do treinamento. Identificando falhas podemos, com relativa facilidade, melhorar o desenvolvimento dos programas de treinamento, de acordo com as diretrizes da norma NBR ISO 10015 (1) É preciso, portanto, mudar nossos paradigmas e gostar das más notícias, conforme nos ensina Bill Gates (2): É bom quando as más notícias se espalham. Sebastião Guimarães: Você não vai poder reagir adequadamente se não tomar conhecimento exato e imediato das notícias decepcionantes. Consultor com cursos de especialização em Qualidade As pessoas afetadas precisam perguntar: “O que aconteceu realmente? Quais são os fatos? “ Elas Total pela The George precisam fazer uma análise cuidadosa da situação Washington University. ocorrida. Conforme, também, nos ensina o Professor Chip Heath É professor do curso de (3), precisamos nos livrar da armadilha que é nossa pós-graduação da Universidade propensão para o otimismo: São Judas - "Gestão pela Más notícias têm que circular Qualidade em Alimentos" e Muitas más notícias têm povoado o mundo dos professor convidado da Fea/ negócios ultimamente. E, quase todas, são responsa- Unicamp. bilidade de líderes que as ignoram - até que elas se transformem em notícias piores ainda. O que você não Foi chefe de treinamento da sabe e não quer saber pode e vai prejudicá-lo. Mercedes Benz e gerente do programa - Qualidade Total do Por que os executivos insistem em ignorar os problemas ? Sebrae/SP “As pessoas e as organizações têm uma propensão E-mail: para o otimismo”, diz Chip Heath, professor da guimaraes@tgtreinamento.com.br Stanford Business School, que estuda o tema. É permitida a reprodução e distribuição Portanto, se o treinamento for mal avaliado. Ótimo! gratuita, desde que previamente autorizada e Vamos aproveitar a oportunidade para melhorá-lo. citada a fonte: Afinal, esta é uma das atribuições dos profissionais de Recursos Humanos. Professor Sebastião Guimarães— T&G Treinamento—www.tgtreinamento.com.br 1. Norma ABNT NBR ISO 10015:2001 – Gestão da Qualidade – Diretrizes para treinamento. Esta norma pode ser aquirida em www.abnt.org.br 2. Excerto de um artigo de Bill Gates - Jornal Folha de S.Paulo 3. Excertos de um texto de Scott Kirsner/Fastcompany - Revista Exame Edição 775 - páginas 118 e 119
  • 3. Página 3 PROFESSOR SEBASTIÃO GUIMARÃES Avaliação da Eficácia do Treinamento De Acordo com a Norma ISO 10015 Nas empresas, onde o RH é estratégico, o treinamento é eficiente e eficaz, porque seu resultado é medido e avaliado. Como afirmam Kaplan e Norton, “medir é importante; o que não é medido não é gerenciado”. A seguir,descrevemos os principais recursos para avaliar o treinamento: 1. Avaliação REAÇÃO O objetivo deste tipo de avaliação, como o próprio nome diz, é avaliar a reação do participante, para saber qual é o valor percebido por ele. Kirkpatrick justifica esta avaliação afirmando: ―[...] se os participantes não reagem de forma favorável, provavelmente não estarão motivados a aprender. Reação positiva e satisfação, pode não assegurar o aprendizado, mas reação negativa certamente reduz a possibilidade de aprendizado.‖ Geralmente, os formulários de avaliação, têm muitas questões; mas, conforme nos sugere Peter Drucker, para ouvir o treinando (que é cliente do treinamento), bastam duas perguntas: 1ª - O que você achou deste curso ? 2ª - Que sugestão você nos dá para melhorarmos este curso ? É recomendável que os profissionais de RH, atendam às diretrizes das normas de gestão e procurem, já na avaliação de reação, avaliar a eficácia do treinamento. É preciso deixar de solicitar ao treinando sua opinião sobre a sala, sobre o coffe break ou sobre outros questões de pouca relevância e procurar, realmente, saber se o treinamento foi ou não eficaz. 2. Avaliação de APRENDIZAGEM Esta avaliação mede o conhecimento ou a habilidade adquirida pelo treinando, com relação ao que foi ensinado. Através de pré e pós teste, feito por escrito ou oralmente, é possível verificar se o processo ensino/aprendizagem foi eficaz. 3. Avaliação da MUDANÇA DE COMPORTAMENTO Para avaliar mudança de comportamento de um profissional, é preciso observá -lo durante um período relativamente longo. Com a devida orientação do pessoal de RH, os gestores da empresa poderão avaliar o treinamento dado às suas equipes de trabalho para verificar se foi válido ou não. 4. Avaliação de RESULTADOS através de INDICADORES Os indicadores são os melhores recursos para avaliar os resultados do treinamento. Empresas internacionais de consultoria, já identificaram mais de 900 indicadores para avaliar resultados do treinamento. Mas, é conveniente lembrar a questão da objetividade. Vale mais utilizar poucos indicadores, mas que sejam os mais precisos possíveis. ―Um indicador é uma medida que é utilizada para rastrear e mostrar o desempenho de um determinado elemento a partir da avaliação (mensuração) dos itens deste elemento‖ (1). ―Indicador é o parâmetro que medirá a diferença entre a situação desejada e a situação atual, ou seja, ele indicará um problema‖ (2). ―Os indicadores são os parâmetros representativos dos processos que permitem quantificá -los, e têm como objetivo facilitar a compreensão de determinada situação, através da apresentação de um reflexo da realidade, possibilitando uma base comum para a tomada de decisão‖ (3).
  • 4. T&G TREINAMENTO Página 4 A fim de que as conclusões obtidas através da sua análise sejam válidas, um indicador deve ser: - Representativo: seus resultados devem servir de base para tomada de decisões; - De fácil entendimento: deve ser a representação clara do que se deseja medir; - Confiável: Deve ser gerado a partir de informações verídicas (4). IMPORTANTE: O(s) indicador(es) para avaliar resultados de treinamento deve(m) ser escolhido(s) pelo gestor, antes de o treinamento ser desenvolvido. Veja, a seguir, alguns indicadores que podem ser utilizados, com mais freqüência, para avaliar resultados do treinamento: FATURAMENTO PER CAPITA: Também chamado de riqueza criada por empregado ou de produtividade, este é um dos melhores indicadores para medir a eficácia das empresas e, conseqüentemente, os processos de treinamento e desenvolvimento do seu pessoal. A revista EXAME para classificar as Melhores e Maiores Empresas do Brasil, utiliza, entre outros, o indicador riqueza criada por empregado, definido-o assim: RIQUEZA CRIADA POR EMPREGADO é o total da riqueza criada pela empresa dividido pela média aritmética do número de empregados, sem levar em conta eventuais serviços terceirizados. Serve para indicar a produtividade dos trabalhadores e a contribuição média de cada um na riqueza gerada pela empresa. Este indicador é, também, muito útil para comparar sua empresa com outras empresas do mesmo ramo/setor. Exemplo: Faturamento da empresa N° de empregados Faturamento per capita R$ 10 000 000,00 1000 R$ 10.000,00 Faturamento per capita Faturamento per capita da empresa das empresas do mesmo ramo/setor R$ 10.000,00 * R$ 9.500,00 * * Neste caso, a produtividade da empresa está acima da média do ramo/setor. Será que o treinamento e desenvolvimento de pessoal afetam a produtividade? Claro que afetam. É, portanto, de suma importância que o RH explicite e avalie suas ações para provar que elas realmente agregam valor. CUSTO D0 TURNOVER Custos diretos e indiretos com desligamento de pessoal, podem atingir vários dígitos em se tratando de executivos ou profissionais especializados. A saída voluntária de um executivo custa em média um ano de seu salário, conforme cálculo da consultoria internacional - INFOHRM. (5) Ao utilizar indicador baseado em turnover lembre-se: ―Empresas, com taxas de turnover muito baixas (< 3 %), são, geralmente, organizações estáticas. O excesso de estabilidade pode ser um problema, pois pode dificultar a implementação de mudanças na empresa. É tão ruim taxas de turnover muito altas, quanto muito baixas”.(6)
  • 5. Página 5 PROFESSOR SEBASTIÃO GUIMARÃES O cálculo do índice de rotatividade de pessoal é baseado no volume de entradas e saídas de pessoal em determi- nado período, e em termos percentuais. O período pode ser mensal, trimestral, semestral ou anual. (A + D) : 2 Fórmula: ___________ X 100 = .... % EM A= Admissões de pessoas, dentro do período considerado (Entrada) D= Desligamento de pessoas (Tanto por iniciativa da empresa como por iniciativa dos empregados) no período considerado (Saídas). EM= Efetivo médio do período. É obtido pela soma dos efetivos existentes no início e no final do período, dividida por dois. Exemplo: A= 2 B= 4 EM= 20 Turnover= 15% HORAS TREINAMENTO (H/T): O indicador Horas Treinamento (h/t) é muito utilizado pelos profissionais de RH. Mas atenção! O indicador h/t quando analisado isoladamente, só mede o ―esforço do RH‖. Indica se os profissionais de RH trabalharam muito ou pouco, desenvolvendo treinamento. Um procedimento recomendável é comparar o indicador h/t com o indicador de produtividade ou outro que a organização considerar relevante. De acordo com a pesquisa Hewitt/Valor, a média anual de h/t por empregado das empresas dos Estados Unidos e Ásia foi de 30 horas, da Europa, 36, e do Brasil, 37,5 No mesmo período pesquisado a Petrobras atingiu a média de 130 h/t e a Renner, 150 (7). É considerada empresa em nível de excelência em treinamento, aquela que atinge a média de 100 h/t por empregado. Diretores, gerentes, consultores e outros profissionais do conhecimento, devem ter 160 h/t, por ano, para atingirem o nível de excelência. Devem, portanto, dispor do equivalente a um mês por ano para se reciclar. Nesse caso, a reciclagem pode ser através de cursos, seminários, palestras, leitura/estudo, visitas a feiras e exposições e outras atividades de benchmarking. Vejamos, agora, o que nos diz Neyde Vernieri Lopes sobre a questão da quantidade de treinamento (8): Para responder à questão se “a quantidade de treinamento influencia o alcance das metas”, temos de considerar dois tipos de variáveis: independentes e dependentes. Variável independente é aquela que causa efeito na outra, Por exemplo, o número de horas de treinamento (variável independente) influencia o número de metas alcançadas (variável dependente)? Obtendo um coeficiente alto de correlação positiva próxima a + 1, 0,90, por exemplo, é possível concluir que o número de horas de treinamento influencia o alcance das metas, isto é, as duas variáveis possuem uma relação de casualidade. Uma correlação baixa, próxima a zero, 0,10, por exemplo, indicaria que não existe relação entre o número de horas de treinamento e o alcance das metas. O cálculo da correlação linear (9) será útil à medida que outras circunstâncias forem eliminadas (...), como, por exemplo, introdução do pagamento de um incentivo financeiro para aqueles que cumprirem 100% das metas negociadas. Nesse caso, fica difícil determinar qual das duas variáveis, o treinamento ou o incentivo, exerceu maior influência sobre os resultados.
  • 6. T&G TREINAMENTO Página 6 A seguir, vejamos o que nos diz Milioni (10) sobre os indicadores referentes às horas de treinamento: Homens/hora/treinamento/ano (clássico) Indicador clássico da gestão da Educação Empresarial, serve como uma leitura geral do montante, em horas, do volume de treinamento executado em um ano ... Este indicador é obtido dividindo-se o volume bruto em horas de treinamento pelo número de colaboradores da empresa. Para potencializar os resultados desse indicador, Milione aconselha atualizá-lo todos os dias e compará-lo com empresas e entidades aceitas como referencial das melhores práticas de Treinamento e Desenvolvi- mento. A atualização diária permite uma leitura em tempo real do andamento e tendências do sistema de Gestão de Pessoas, matéria de suma importância nos dias em que vivemos, nos quais a informação de ontem pode ser inútil. E, quando comparado com as fontes de referência, esse indicador contribui bastante para as análises e tomadas de decisão. Homens/hora/treinamento/ano (enfoque atual) Indicador mais atual que fornece a mesma leitura do anterior, porém considerando como base de cálculo a população efetivamente treinada. Este indicador é obtido dividindo-se o volume bruto em horas de trei- namento pelo número de colaboradores da empresa que, efetivamente, receberam treinamento durante o período considerado. Homens/hora/treinamento/ano (por extrato organizacional) Indicador que permite a leitura das horas de treinamento recebidas por um determinado extrato organi- zacional (por exemplo: gestores, pessoal de apoio, pessoal de vendas, pessoal operacional). Este indica- dor é obtido dividindo-se o volume total de horas de treinamento realizado pelo número de colaboradores treinados de um determinado extrato organizacional. Claudemir Oribe (11) respondendo a nossa consulta, diz o seguinte: Algumas empresas que atuam em ambientes muito dinâmicos, como é o caso das empresas do segmento de tecnologia e telecomunicações, precisam de um volume de horas muito superior àquelas organizações que atuam em segmentos de ciclo de negócio mais longo, como o caso de mineradoras e empresas de reflorestamento. Tenho um cliente em Belo Horizonte - empresa de água e saneamento, que tem como meta 40 h/t por funcionário e o benchmarking neste segmento é a Sanepar (Paraná) que desenvolve aproximadamente 60 h/t por funcionário. Outro aspecto que pode influenciar o volume de horas é o momento em que a organização, ou negócio, se encontra. Negócios que se encontram num momento amadurecido, normalmente requerem um volu- me de horas menor pois os acionistas querem "rentabilizar" os investimentos feitos anteriormente. Por outro lado, se um determinado negócio está recebendo um fluxo muito grande de investimentos (imagine uma indústria automotiva quando lança um carro novo), provavelmente haverá um grande volume de treinamento que se estabiliza depois de um tempo. ATITUDES DOS EMPREGADOS E O DESEMPENHO DA EMPRESA: A edição especial ―As melhores empresas para você trabalhar” – publicada regularmente pela revista EXAME, tem demonstrado que as melhores empresas para os empregados são, também, as melhores em lucratividade e pro- dutividade. Um ―case‖ bastante divulgado, em 1998 (12) relatava que: Após diversos estudos, os profissionais da Sears chegaram á seguinte conclusão, com relação ao índice que mede a atitude dos empregados: Melhorias de Cinco Pontos nas atitudes dos empregados levam a um aumento de 1.3 pontos na satisfa- ção dos clientes, o que, por sua vez, resulta em aumento de 0,5 % nas receitas. Pesquisa da ISR (13) revela que companhias que possuem colaboradores comprometidos apresentam melhores resultados financeiros. A descoberta mais importante foi a diferença de quase 52 % no aumento do lucro opera- cional ao longo de um ano, entre companhias com colaboradores altamente comprometidos versus companhias cujos colaboradores tiveram baixos índices de comprometimento. Companhias de alto comprometimento tiveram um aumento de 19,2 %, enquanto companhias de baixo compro- metimento tiveram uma redução de 32,7 % no lucro operacional ao longo do período em estudo. Conforme disse o diretor-executivo do Hay Group, Vicente Gomes, as grandes empresas nacionais e internacio- nais já perceberam a importância de um bom ambiente de trabalho para a produtividade. 70% dos resultados
  • 7. Página 7 PROFESSOR SEBASTIÃO GUIMARÃES dos negócios são influenciados por uma boa gestão do clima organizacional. (14) RESULTADOS DO TREINAMENTO DA FORÇA DE VENDAS Se o treinamento previsto é para vendedores e promotores de venda, podemos escolher, entre outros, os seguin- tes indicadores para avaliar o resultado:novos cliente em relação à carteira de clientes atuais; vendas mês a mês, comparadas com as vendas atuais ou com as vendas dos meses do ano anterior; visitas realizadas – verso – pedidos; investimento em promoções e em outros esforços de venda – verso – retorno obtido. O importante, como sempre, é escolher os indicadores que realmente sejam adequados para avaliar os resulta- dos esperados. REMUNERAÇÃO TOTAL/FATURAMENTO: Este indicador é freqüentemente solicitado, e é bastante fácil de entender por quê. Uma alteração em seu nível pode significar aumento ou diminuição de produtividade. Planos de remuneração por desempenho têm sido utilizados para impulsionar este indicador. Treinamento, também, pode afetá-lo. CUSTO SAÚDE: O custo de saúde é uma das principais preocupações em nível mundial, nacional e regional. Faça uma análise para identificar como o plano de saúde está sendo utilizado, e determine o custo por emprega- do. Com certeza surgirão algumas oportunidades de reestruturar esse plano, para reduzir custo e melhorar o atendimento. Este indicador pode ser utilizado para mensurar treinamento cujo objetivo seja assegurar a saúde e segurança do empregado. Ao fazer os cálculos, considere também neste indicador o absenteísmo, custo com acidentes de trabalho, atestados médicos e doenças ocupacionais. Este indicador é muito fértil, e pode justificar muitas ações de RH que tenham como objetivos a redução de custos. ROI - INDICADOR PARA MEDIR O RETORNO DO INVESTIMENTO O ROI (Return On Investiment) é considerado o processo mais eficaz para medir o resultado do investimento em treinamento. Estrategicamente podemos ter dois procedimentos ao utilizar o ROI: utilizá-lo para medir todas as atividades de treinamento ou somente para medir alguns programas selecionados, por serem mais importantes ou por receberem maior investimento. A primeira providência para se calcular o ROI é fazer um levantamento dos custos. Para tanto, a empresa deve ter um plano de contas e, sempre que possível, um programa informatizado que facilite a coleta de dados e informações sobre os custos do treinamento. Para fazer o levantamento dos custos, temos duas opções: A primeira é levantar todos os custos diretos e indiretos que estejam relacionados com as atividades de treinamento. Nesse caso, será relativamente fácil obter os dados na ―contabilidade‖, quando a empresa é organizada por ―centros de custo‖. É possível chegar a detalhes calculando, por exemplo, as horas ―não trabalhadas‖ dos treinandos, os salários dos profissionais de RH/ T&D e todas os outros custos da área – total ou rateado. Algumas empresas têm o chamado custo por pessoa empregada que inclui, sob a forma de rateio, salários, impostos, taxas de luz, água e outras despesas. Com este custo, devidamente definido, fica fácil calcular o custo do pessoal envolvido no treinamento. A segunda opção é considerar somente os custos diretos. Esse procedimento é facilmente viabilizado, principalmente quando a empresa terceiriza o treinamento. Nesse caso, a planilha de custos do treinamento pode ter somente os seguintes itens: Pagamento a terceiros, dos serviços de desenvolvimento do treinamento e com a produção de recursos instrucionais. Pagamento de despesas com transporte e hospedagem; se houver.
  • 8. T&G TREINAMENTO Página 8 É bom deixar claro que a melhor planilha de custos é aquela que atende as necessidades e objetivos da empresa, e que, para fins de controle e comparação, sua estrutura não seja alterada. A segunda providência, para calcular o ROI, é identificar os Benefícios do Treinamento, o que muitas vezes é complexo. Há empresas que calculam os custos do retrabalho, os custo da prevenção e outros custos da não qualidade. O valor correspondente à diminuição desses custos é um resultado que pode ser atribuído ao treinamento ou a outras ações de melhoria. A grande dificuldade está em verificar até que ponto o treinamento é responsável pelos resultados alcançados. Por exemplo: Após o treinamento dos vendedores houve um aumento nas vendas – vendeu-se R$ 100.000,00 a mais. Acontece que, na mesma ocasião, foi feito outro investimento em ―promoção de vendas‖ ou então o maior concorrente faliu. Nesse caso, podemos considerar o aumento das vendas como resultado exclusivo do treinamento? É claro que não! Para solucionar dificuldades como esta, temos duas opções: 1ª - Avaliar os resultados qualitativos e quantitativos Podemos, por exemplo, considerar como resultado ―quantitativo‖, do treinamento de vendedores, a conquista de 50 novos clientes. Como resultado “qualitativo”, a melhoria da imagem da empresa, o nível de satisfação dos clientes e muitos outros melhorias. 2ª - Avaliar o retorno do investimento, através do ROI Se a intenção da empresas for realmente avaliar o retorno do investimento, o melhor recurso é o ROI, mesmo havendo dificuldade para identificar, com maior precisão, o que gerou os resultados. Em muitos casos, a partir dos dados qualitativos e quantitativos, podemos facilmente calcular ou estimar o retorno do investimento. Leia, a seguir, o que nos ensina o Dr. Jac Fitz-enz (15), sobre o princípio “ceteris paribus”, que devemos levar em consideração, quando avaliamos o resultado do treinamento: O objetivo de um esforço de avaliação, válido e confiável, que atribui um valor específico ao resultado de um programa de treinamento é simplesmente este: demonstra que há uma provável correlação entre o evento de treinamento e uma subseqüente mudança de qualidade, produtividade, vendas ou serviço. A metodologia deveria implicar o seguinte: „Dadas as condições estabelecidas, e assumindo que os outros fatores são iguais, o efeito observado é, muito provavelmente, resultado do treinamento‟. Antes de começar a censurar previamente o assunto, observe que o princípio de ceteris paribus ( todo o resto sendo igual) é a fundamentação básica para todas as tentativas de „prova‟. E é precisamente a pressuposição que sustenta todos os planejamentos de negócios e sua conseqüente avaliação. Recursos utilizados para isolar os efeitos do treinamento Para verificar ―o quanto‖ foi o resultado do treinamento, podemos utilizar os seguintes recursos: Estimativa de Retorno do Investimento Estimativa de Retorno do investimento é uma das formas mais confiáveis para se isolar os efeitos do treinamen- to. Para maior objetividade na apuração dos resultados e de suas causas, é recomendável consultar os gestores, das áreas em questão, e os profissionais que foram treinados. Essa consulta pode ser feita em reunião com todos os envolvidos no processo, para se chegar a um consenso. Isto é relativamente fácil, para as empresas que têm como norma avaliar seus objetivos estratégicos. Nas reuniões de avaliação, todos os gestores podem ser consultados, utilizando, por exemplo, o seguinte questionário:
  • 9. Página 9 PROFESSOR SEBASTIÃO GUIMARÃES AVALIAÇÃO DO RETORNO DO INVESTIMENTO EM TREINAMENTO Após o treinamento dos vendedores, registramos um aumento de 10 % nas vendas, equivalente a R$ 100.000,00. Você atribui este resultado ao treinamento? Que outros fatores ou atividades influíram nos resultados? Em que porcentagem? Influíram nos resultados % 1. Treinamento 2. 3. Parecer: Total 100 % Grupos de controle A abordagem mais precisa para isolar o impacto de um treinamento é o uso de grupos de controle. Esta aborda- gem envolve a comparação entre a participação de um grupo que participa do treinamento e um grupo de con- trole, que não participa do treinamento. Linha de Tendência O método consiste na representação gráfica de uma linha de tendência para projetar o futuro, usando dados his- tóricos de desempenho como base. Depois que o evento acontece, o desempenho em relação ao que havia sido desenhado na linha de tendência pode ser atribuído ao treinamento, de uma forma bastante sensata. Linha de tendência Marcos Antônio L. de Oliveira (16) comentando sobre a exatidão da medição, diz o seguinte: “Nem sempre a precisão é essencial. É melhor ter alguma medição, mesmo não tão precisa, do que não ter nenhuma” Considerando o exposto, e de acordo com a boa técnica, devemos calcular o ROI da seguinte forma:  Calcular os Benefícios do treinamento *  Calcular os Custos  Subtrair os Custos dos Benefícios  Dividir o Benefício Líquido pelo Custo * ATENÇÃO: As estatísticas provam que o resultado de um treinamento eficaz pode ser observado durante 6 meses. Quando isto ocorre, deve-se considerar o total dos benefícios ocorridos nesses 6 meses. EXEMPLO: Benefício: R$ 165.000,00 Custo: R$ 25.000,00 ROI: 5,6 Conclusão: Para cada real investido no treinamento, houve um retorno de R$ 5,60. De acordo com a norma ISO 10015, a Avaliação dos Resultados do Treinamento é o 4º estágio do Ciclo do Treinamento. O melhor retorno do investimento em treinamento depende, portanto, do correto desenvolvimento dos estágios anteriores. NOTA: À semelhança do ROI existe um indicador conhecido como Relação Beneficio Custo. Utilizando o mesmo exemplo acima, veja como utilizar o RBC: a) - Calcular o total de benefícios obtidos com o treinamento. b) - Calcular o total dos custos. c) - Dividir o total de benefícios pelo total de custos. O total de benefícios com o treinamento de 10 vendedores foi de R$ 165.000,00 e o total de custos R$ 25.000,00. Logo, RCB = 6,6 O benefício foi 6,6 vezes o custo.
  • 10. T&G TREINAMENTO Página 10 Finalizando, é bom deixar claro o que nos ensina Brian E. Becker, Mark A. Huselied e Dave Ulrich (17): O processo de mensuração não é um fim em si mesmo. Ele tem valor apenas se seus resultados fornecerem contribuições significativas para decisões subsequentes e/ou se contribuírem para a maior eficácia da avaliação de desempenho. 1. Guia de orientação do UNCTAD – United Nations Conference On Trade And Development para indicadores de ecoeficiência. Disponível em: http://www.biotech.com.br/site/default.asp?secao=artigo03. Acesso em 30 de Abril de 2007 2. Oliveira, Marcos Antônio Lima de. Projeto: Indicadores de Desempenho. Apostila fornecida. 2005 3. Oliveira, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento Estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 22.ed. 2. reimpressão – São Paulo: Atlas, 2006. 4. Teixeira, Rute Borges e Júnior, Ismael Emílio Oliveira – Confiabilidade de indicadores de treinamento. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2007_TR580439_9735.pdf Acesso em 12 de dezembro de 2009 5. Peter Howes – Chief Executive Officer –INFOHRM PTY LTD – in workshop A – The future of Human Capital Analytics – IQPC -24/05/07 6. Luiz Augusto P.M.Simão – Mensuração – Gerenciando o conhecimento nas organizações – Revista ”Falando de Qualidade” – nº 138 – Editora epse. 7. Pesquisa Hewitt/Valor – 2007 As melhoresna gestão de pessoas, Revista Valor Carreira, Dezembro 2008 8. Lopes, Neyde Vernieri – Gestão estratégica de desempenho: otimizando o capital humano das organizações – Rio de Janei- ro: Qualitymark, 2009 – pág. 205. 9. Cálculo de correlação – Consulta feita dia 08//01/2010 em : http://w3.ufsm.br/adriano/aulas/coreg/Aula%2001%20Correla%E7ao%20Linear.pdf 10. Milioni, B. Indicadores para gestão de treinamento e desenvolvimento, Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvi- mento- ABTD São Paulo 2005. pp. 58-64. 11. Claudemir Oribe – Qualipro – claudemir@qualypro.com.br12. The Employee – Customer Profit Chain at Sears – in ―Havard Business-Revie‖, Jan-Feb 199813. Disponível em: < www.isrinsight.com.br > Acesso em 04/10/06 14. Fonte: http://www.administradores.com.br/noticias bom_ambiente_de_trabalho_e_cada_vez_mais_valorizado_como_identificalo/15062 Consultado em 25/04/08 15. Excerto do artigo da revista Training Magazine – Yes ... you can weight training‟s value do Dr. Jac Fitz-enz – 1994. 16. Marcos Antonio Lima de Oliveira- Certified Quality Engineer - ASQ/US Diretor da Qualitas Treinamento e Consultoria. 17. Brian E. Becker, Mark A. Huselied e Dave Ulrich - Gestão Estratégica de Pessoas com ―Scorecard‖.Rio de Janeiro 3 Ed.Campus 2001 pág. 142
  • 11. E.book gratuito: NORMA ISO 10015 Disponibilizamos para os profissionais de RH e de T&D, o e.book: Norma ISO 10015— Gestão da qualidade Diretrizes para treinamento. Em Busca da Eficácia em Treinamento Para acessar a agenda de cursos e palestras: www.tgtreinamento.com.br treinamento@tgtreinamento.com.br Para falar com o Professor Sebastião Guimarães: guimaraes@tgtreinamento.com.br Informações: 11 9952-0803 Solicitar artigos e fotos na Assessoria de Imprensa: www.fadaceleste.com.br/ saladeimprensa.htm Jornalista Responsável: Claudia Sou- za— MTB 50644/SP Tels: 11 6218-9688 / 9803-3384— tgtreinamento@hotmail.com