SlideShare uma empresa Scribd logo
Vigilância Epidemiológica
e Vigilância Sanitária
Prof. Me. Antonio Elielton de Paiva Silva
Retomando Conhecimentos
• Processo Saúde Doença.
• Saúde Pública.
• Diagnóstico Comunitário x Diagnóstico
Clínico.
• Indicadores de Saúde.
• Transição demográfica, epidemiológica e
nutricional.
CONSTITUIÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO
BRASIL (1988)
o SEÇÃO II – DA SAÚDE
• Art. 196. A SAÚDE é direito de todos e dever do
Estado, garantido mediante políticas sociais e
econômicas que visem a redução do risco de doenças
e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário
às ações e serviços para sua promoção, proteção e
recuperação.
CONSTITUIÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO
BRASIL (1988)
o SEÇÃO II – DA SAÚDE
• Art. 199. A assistência à saúde é livre à iniciativa
privada.
• Parágrafo 1º. As instituições privadas poderão
participar de forma complementar do sistema
único de saúde, segundo diretrizes deste,
mediante contrato de direito público ou
convênio, tendo preferência as entidades
filantrópicas e as sem fins lucrativos.
SUS
SISTEMA
ÚNICO DE
SAÚDE
A vigilância em saúde constitui um processo
contínuo e sistemático de coleta,
consolidação, análise e disseminação de
informações sobre eventos relacionados à
saúde, visando o planejamento e a
implementação de medidas de saúde
pública, incluindo a regulação, intervenção e
atuação em condicionantes e determinantes
da saúde, para a proteção e promoção da
saúde da população, prevenção e controle de
riscos, agravos e doenças.
Articulação com demais ações
e serviços do SUS:
INTEGRALIDADE
Descentralização e
reorganização dos
serviços e práticas no
nível local
Articulação entre as
vigilâncias
Considerar
contribuições de
outras disciplinas
• Promoção da Saúde
• Ações laboratoriais
• Análise de situação
de saúde
Atuação Transversal
A política e as diretrizes da Vigilância em
Saúde no SUS
Vigilância em Saúde
o Há relação forte entre cada uma das
vigilâncias:
Epidemiológica
Sanitária
Nutricional
Saúde do Trabalhador
Saúde Ambiental
o E a análise de situação da Saúde e a
Promoção da Saúde.
VIGIAR (Dicionário)
• Estar atento a; observar atentamente.
• Olhar por; velar.
• Estar atento ou desperto.
• Fazer a verificação de; controlar,
fiscalizar.
• Ficar de guarda, de sentinela; estar
alerta.
• Estar ou ficar prevenido; acautelar-se,
precaver-se.
• Tomar conta de; cuidar.
Vigilância Epidemiológica
• Doenças transmissíveis e os fatores de risco.
• Doenças crônicas não transmissíveis e os fatores
de risco.
• Agravos à saúde.
Vigilância Sanitária
• Produtos de consumo.
• Prestação de serviços.
• Meio ambiente; saúde do trabalhador;
portos, aeroportos e fronteiras.
Vigilância Epidemiológica (VE)
Vigilância Epidemiológica
o Lei Orgânica 8080/90
• Conjunto de atividades que proporciona
informação indispensável para conhecer,
detectar e prever qualquer mudança que possa
ocorrer nos condicionantes do processo saúde-
doença com a finalidade de recomendar,
oportunamente, medidas que levem à
prevenção e/ou controle das doenças e agravos.
Objetivo Principal da Vigilância Epidemiológica
Fornecer orientação técnica permanente para...
...tem a responsabilidade de decidir sobre a execução
de ações de controle de doenças e agravos...
Tornando disponíveis para
esse fim, informações
atualizadas sobre a
ocorrência dessas doenças e
agravos...
...bem como dos fatores que
a condicionam, numa área
geográfica ou população
definida.
Constitui-se importante instrumento:
• Para o planejamento, a organização e a operacionalização dos
serviços de saúde.
• Para a normatização de atividades técnicas afins.
OBJETIVOS
Detectar,
precocemente, o
aparecimento das
doenças sob
vigilância e realizar
intervenção
oportuna
Estar alerta,
permanentement
e e para a
ocorrência de
doenças e
agravos no
território
Recomendar as
estratégias de
detecção de casos
Conhecer e
acompanhar o
comportamento
epidemiológico de
doenças e de
agravos
Realizar a
investigação
epidemiológica
Detectar epidemias
Recomendar e
implementar as
medidas de
prevenção,
controle ou de
erradicação
Avaliar as medidas
de prevenção e o
controle das
doenças e dos
agravos sob
vigilância
Promoção das
ações de controle
indicadas
Dar subsídios para
o Planejamento
em Saúde no SUS
FUNÇÕES
Análise e
interpretação dos
dados processados
Coleta de dados
Processamento dos
dados coletados
Avaliação da
eficácia e
efetividade das
medidas adotadas
Recomendação das
medidas de
controle
apropriadas
Promoção das
ações de controle
indicadas
Divulgação de
informações
pertinentes
Objetivo da Vigilância Epidemiológica
• O objetivo principal é fornecer orientação
técnica permanente para os profissionais de saúde,
que têm a responsabilidade de decidir sobre a
execução de ações de controle de doenças e agravos,
tornando disponíveis, para esse fim, informações
atualizadas sobre a ocorrência dessas doenças e
agravos, bem como dos fatores que a condicionam,
numa área geográfica ou população definida.
• E ainda, constitui-se importante instrumento para o
planejamento, a organização e a operacionalização
dos serviços de saúde, como também para a
normatização de atividades técnicas afins.
Objetivos da Vigilância Epidemiológica
• Estar alerta, permanentementee de modo
responsável, para a ocorrência de doenças e agravos
no território.
• Conhecer e acompanhar o comportamento
epidemiológico de doenças e de agravos.
• Detectar, precocemente, o aparecimento das doenças
sob vigilância e realizar intervenção oportuna.
• Recomendar as estratégias de detecção de casos.
• Realizar a investigação epidemiológica.
• Detectar epidemias.
Objetivos da Vigilância Epidemiológica
• Controlar as cadeias de transmissão de doenças.
• Recomendar e implementar as medidas de prevenção,
controle ou de erradicação.
• Recomendar e implementaros programasde controlede
doenças.
• Avaliar as medidas de prevenção e o controle das
doenças e dos agravos sob vigilância.
• Produzir, consolidar e analisar os dados.
• Divulgar as informações.
• Dar subsídios para o Planejamento em Saúde no SUS.
• Coleta de dados.
• Processamento dos dados coletados.
• Análise e interpretação dos dados processados.
• Recomendação das medidas de controle
apropriadas.
• Promoção das ações de controle indicadas.
• Avaliação da eficácia e efetividade das medidas
adotadas.
• Divulgação de informações pertinentes.
Funções da Vigilância Epidemiológica
Atividades da VE
• 1º Coletar dados.
• 2º Investigar e analisar os dados  Gerar informação.
• 3º Elaborar recomendações.
• 4º Divulgar para a instâncias competentes.
INFORMAÇÃO - DECISÃO - AÇÃO
o Dado (valor quantitativo) é diferente de informação
(conhecimento obtido a partir do dado exige
interpretação).
o A INFORMAÇÃO é atividade meio e não fim da VE.
Atividades da VE – Coleta
• Coleta de dados demográficos, de morbidade
e mortalidade, de serviços (dados de
unidades de saúde, de laboratórios de
análise, etc , de profissionais de saúde, leigos,
imprensa etc...
• Monitoramento da qualidade dos dados
(treinamento e supervisão dos profissionais e
dos mecanismos de coleta).
Sistemas de informação
• Sistema de Informação sobre Mortalidade
– SIM.
• Sistema de Informação de Nascidos Vivos
– SINASC.
• Sistema de Informação do Programa Nacional
de Imunização – SI-PNI.
• Sistema de Informação de Agravos de
Notificação – SINAN.
Sistema de Informação de Agravos de
Notificação Compulsória
• Notificação compulsória (caso
suspeito ou confirmado).
• Pode ser feita de forma passiva ou ativa.
• Possui diferentes níveis – Nacional, Estadual,
Municipal e Local.
• Calendário epidemiológico.
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdf
Lista Nacional de Notificação Compulsória de
Doenças, Agravos e Eventos de Saúde Pública
o O conjunto de eventos considerados de
maior relevância para o país
• Doenças sujeitas ao Regulamento Sanitário
Internacional: varíola, febre amarela, peste e
cólera.
• Doenças vinculadas ao Programa Nacional de
Imunização: poliomielite, sarampo, tétano,
difteria, coqueluche, raiva, febre tifóide e doença
meningocócica.
• Outras doenças e agravos controláveis.
Lista Nacional de Notificação Compulsória
de Doenças, Agravos e Eventos de Saúde
Pública
• Ministério da Saúde
• PORTARIA Nº 264 – 17/02/2020
Lista de Notificação Compulsória
o Exemplos:
• Acidente de trabalho com
exposição a material biológico.
• Síndrome Respiratória Aguda Grave
associada a Coronavírus.
• Sarampo.
• Dengue.
• Óbito materno.
• Violência doméstica.
Atividades da VE – Investigação e Análise
• Investigação epidemiológica para, por
exemplo, detectar fontes de infecção.
• Consolidação e análise dos dados
Atividades da VE
• Recomendações de medidas de controle e
elaboração de normas técnicas (ex.:
vacinas).
• Divulgação das informações para instâncias
competentes e população.
Aplicações mais freqüentes do Método
Epidemiológico na Vigilância em Saúde
• Descrever o espectro clínico das doenças e sua
história natural.
• Identificar fatores de risco em grupos de
indivíduos que apresentam maior probabilidade de
serem acometidos por determinados eventos.
• Prever tendências.
• Avaliar o quanto os serviços de saúde respondem aos
problemas e necessidades das populações.
• Verificar o impacto de estratégias de
intervenção, assim como as características de
acesso e disponibilidade dos serviços de saúde.
Análise da Situação de Saúde
o Diagnósticos de Saúde
• Acompanhamento e análise sistemática da evolução
de indicadores demográficos, sociais, econômicos e de
saúde, para melhor compreensão dos determinantes
das condições de saúde da população (processo saúde-
doença).
o Avaliação de serviços
• A avaliação de serviços de saúde pode ser feita de
diversas formas, mas, de maneira geral, leva em conta o
acesso da população aos serviços, a cobertura oferecida e
os resultados alcançados.
Sistema de Vigilância Epidemiológica
• Atividades e atribuições definidas para os
três níveis de atuação do SUS (atenção
primária, atenção secundária e atenção
terciária).
• Finalidade apresentar orientações técnicas,
para as instâncias que têm a responsabilidade
de decidir e executar ações de controle de
doenças e de agravos, com a disponibilização
de informações atualizadas sobre a
ocorrência de doenças ou de agravos à saúde.
VE - Lei 8080/90*
• "O conjunto de ações que proporcionam o
conhecimento, a detecção ou prevenção de
qualquer mudança nos fatores determinantes
e condicionantes de saúde individual ou
coletiva, com a finalidade de recomendar e
adotar as medidas de prevenção e controle
das doenças e agravos".
*Brasil. Lei8080 de set/1990 - Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção
e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços
correspondentes e dá outras providências
Vigilância Sanitária (VISA)
Vigilância Sanitária
• Os produtos que consumimos e
os serviços que usamos
favorecem à nossa saúde?
• Ou trazem riscos?
Constituição do Brasil (1988)
Art. 200. Ao Sistema Único de Saúde compete,
além de outras atribuições, nos termos da lei:
I. Controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e
substâncias de interesse para a saúde e
participar da produção de medicamentos,
equipamentos, imunobiológicos,
hemoderivados e outros insumos;
II. Executar as ações de vigilância sanitária e
epidemiológica, bem como as de saúde do
trabalhador;
Constituição do Brasil (1988)
IV. Participar da formulação da política e da execução
das ações de saneamento básico;
...
VI. Fiscalizar e inspecionar alimentos, compreendido o
controle de seu teor nutricional, bem como
bebidas e águas para consumo humano;
VII. Participar do controle e fiscalização da produção,
transporte, guarda e utilização de substâncias e
produtos psicoativos, tóxicos e radioativos;
VIII. Colaborar na proteção do meio ambiente,
nele compreendido o do trabalho.
Sistema Nacional de Vigilância
Sanitária
• Municipal
• Estadual
• Nacional
• Deve haver complementaridade das ações
dos três níveis de governo.
Vigilância Sanitária – Lei nº 8.080/90
“Um conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou
prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários
decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de
bens e da prestação de serviços de interesse da saúde
abrangendo:
I.– o controle de bens de consumo que, direta ou
indiretamente, se relacionem com a saúde,
compreendidas todas as etapas e processos, da produção
ao consumo; e,
II.– o controle da prestação de serviços que se relacionam
direta ou indiretamente com a saúde.”
...
Missão da Vigilância Sanitária
• Promover e proteger a saúde da população por
meio de ações integradas e articuladas de
coordenação, informação, normatização,
capacitação, educação, apoio técnico,
fiscalização, supervisão e avaliação em
Vigilância Sanitária.
Áreas de Abrangência da Vigilância
Sanitária
• Alimentos
• Medicamentos
• Produtos
• Serviços
Ações Prioritárias
• Cadastramento.
• Ação educativa em Vigilância Sanitária.
• Inspeção Sanitária.
• Comércio de Alimentos.
• Drogarias / Ervanárias e Postos de
Medicamentos.
• Creches e estabelecimentos de atenção pré-
escolar (creche, pré-escola, berçário).
• Estabelecimentos de Ensino Fundamental.
• Estações Rodoviárias e Ferroviárias.
• Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e/ou
desinfecção de poços/caixas d’água, conservação de
ambientes, capina química, esgotamento sanitário.
• Distribuidora de Produtos Saneantes.
• Institutos de Beleza sem Responsabilidade Médica
(manicure, pedicure, barbearia, sauna e congêneres).
• Estabelecimentos de Massagem.
• Academia de ginástica, musculação, condicionamento
físico, clubes e congêneres, inclusive parques aquáticos.
• Estabelecimentos comerciais e/ou de distribuição e/ou
transporte de produtos veterinários e/ou agrotóxicos.
Estratégias de Ação da Vigilância
Sanitária
• Regulamentação dos procedimentos de serviços e
produtos de interesse da saúde.
• Comunicação e Educação em Saúde.
• Articulação e Integração com diversos órgãos que
atuam direta ou indiretamente com a saúde.
• Inspeção/ Fiscalização.
OMS e OPAS
• A Organização Mundial de Saúde (OMS) é
uma das agências originais das Nações Unidas
– constituída formalmente em 07/04/1948.
• A Organização Pan-Americana da Saúde
(OPAS) é um organismo internacional de
saúde pública dedicado a melhorar as
condições de saúde dos países das Américas –
criada em 1902.
o Os ACS e ACE são membros
importantes no contexto das
vigilâncias, pois, por trabalharem
mais próximo da comunidade, podem
não apenas criar vínculos mais
facilmente, como também detectar
oportunamente as mudanças nos
fatores determinantes e
condicionantes da saúde da
comunidade.
• Identificação na suspeição de
doenças e agravos e seu controle.
• Orientações aos cidadãos, como
por exemplo o armazenamento de
medicamentos e outros produtos
dentro das residências e seu
adequado descarte. Saber
orientar sobre calendário de
vacinas.
• Divulgação dos sinais e sintomas
das doenças no território.
• No encaminhamento de
indivíduos suspeitos
• e seus contatos.
• Identificação de ações no
ambiente necessárias para evitar
a ocorrência de doenças e
agravos, podendo auxiliar na
articulação e adoção de
estratégias intersetoriais para
eliminação ou redução dos riscos
e danos.
Referências
• BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988.
Artigos 196 a 200. Disponível em:
http://conselho.saude.gov.br/web_sus20anos/20anossus/legislacao/const
ituicaofederal.pdf.
• BRASIL. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº
8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do
Sistema Único de Saúde – SUS, o planejamento da saúde, a assistência à
saúde e a articulação interfederativa e dá outras providências. Disponível
em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-
2014/2011/decreto/d7508.htm.
• BRASIL. Lei n° 8.080 de, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as
condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a
organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras
providências. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
Paula Brustolin Xavier
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
Doenças Infecciosas em idosos
Doenças Infecciosas em idososDoenças Infecciosas em idosos
Doenças Infecciosas em idosos
Centro Universitário Ages
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
Wanderson Oliveira
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Mario Gandra
 
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e EndemiaSurto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
Flávio Rocha
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
Claudio Luis Venturini
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Ghiordanno Bruno
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Doenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosasDoenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosas
flavialoli
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia
Samuel J. Tacuana
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
resenfe2013
 
Acidentes por Material Biológico
Acidentes por Material BiológicoAcidentes por Material Biológico
Acidentes por Material Biológico
Professor Robson
 

Mais procurados (20)

Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
Doenças Infecciosas em idosos
Doenças Infecciosas em idososDoenças Infecciosas em idosos
Doenças Infecciosas em idosos
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e EndemiaSurto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Doenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosasDoenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosas
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
 
Acidentes por Material Biológico
Acidentes por Material BiológicoAcidentes por Material Biológico
Acidentes por Material Biológico
 

Semelhante a AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdf

Vigilancia
VigilanciaVigilancia
Vigilancia
Rodrigo Bruno
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
Denise Selegato
 
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].pptTema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Eliezer48
 
Vigilância em Saúde.pptx
Vigilância em Saúde.pptxVigilância em Saúde.pptx
Vigilância em Saúde.pptx
FilipeSoares571612
 
AULA 6_HSP283_VE VS_2020.pdf
AULA 6_HSP283_VE VS_2020.pdfAULA 6_HSP283_VE VS_2020.pdf
AULA 6_HSP283_VE VS_2020.pdf
QuevellinSantos
 
Vigilância em Saúde
Vigilância em SaúdeVigilância em Saúde
Vigilância em Saúde
claudia alzuguir
 
Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
jurunet
 
Vigilância Epidemiológica cleide.pptx
Vigilância Epidemiológica cleide.pptxVigilância Epidemiológica cleide.pptx
Vigilância Epidemiológica cleide.pptx
Edimir Alves
 
Aula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdf
Aula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdfAula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdf
Aula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdf
Giza Carla Nitz
 
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e EpidemiasInvestigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Vitória Giovanna
 
Abertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em Saúde
Abertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em SaúdeAbertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em Saúde
Abertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em Saúde
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Atribuições da Vigilância Epidemiológica no enfrentamento das doenças crônica...
Atribuições da Vigilância Epidemiológica no enfrentamento das doenças crônica...Atribuições da Vigilância Epidemiológica no enfrentamento das doenças crônica...
Atribuições da Vigilância Epidemiológica no enfrentamento das doenças crônica...
BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação
 
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAAULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
ArtthurPereira2
 
Saúde coletiva
Saúde coletivaSaúde coletiva
Saúde coletiva
anamariafernandes23
 
vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
Gladyanny Veras
 
Modulo 5 -_investigação_de_eventos
Modulo 5 -_investigação_de_eventosModulo 5 -_investigação_de_eventos
Modulo 5 -_investigação_de_eventos
Vanessa Espirito Santo
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
NgelaNascimento11
 
leon22.pptx
leon22.pptxleon22.pptx
leon22.pptx
RaquelDaCosta7
 
Programa de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculosePrograma de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculose
Antônio Silva
 
Concurso_Nacional_Unificado_CNU_Bloco_5_Resumao_de_Politicas_Publicas Saúde e...
Concurso_Nacional_Unificado_CNU_Bloco_5_Resumao_de_Politicas_Publicas Saúde e...Concurso_Nacional_Unificado_CNU_Bloco_5_Resumao_de_Politicas_Publicas Saúde e...
Concurso_Nacional_Unificado_CNU_Bloco_5_Resumao_de_Politicas_Publicas Saúde e...
drivepraconcursos24
 

Semelhante a AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdf (20)

Vigilancia
VigilanciaVigilancia
Vigilancia
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
 
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].pptTema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
 
Vigilância em Saúde.pptx
Vigilância em Saúde.pptxVigilância em Saúde.pptx
Vigilância em Saúde.pptx
 
AULA 6_HSP283_VE VS_2020.pdf
AULA 6_HSP283_VE VS_2020.pdfAULA 6_HSP283_VE VS_2020.pdf
AULA 6_HSP283_VE VS_2020.pdf
 
Vigilância em Saúde
Vigilância em SaúdeVigilância em Saúde
Vigilância em Saúde
 
Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
 
Vigilância Epidemiológica cleide.pptx
Vigilância Epidemiológica cleide.pptxVigilância Epidemiológica cleide.pptx
Vigilância Epidemiológica cleide.pptx
 
Aula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdf
Aula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdfAula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdf
Aula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdf
 
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e EpidemiasInvestigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
 
Abertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em Saúde
Abertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em SaúdeAbertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em Saúde
Abertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em Saúde
 
Atribuições da Vigilância Epidemiológica no enfrentamento das doenças crônica...
Atribuições da Vigilância Epidemiológica no enfrentamento das doenças crônica...Atribuições da Vigilância Epidemiológica no enfrentamento das doenças crônica...
Atribuições da Vigilância Epidemiológica no enfrentamento das doenças crônica...
 
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAAULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
Saúde coletiva
Saúde coletivaSaúde coletiva
Saúde coletiva
 
vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
 
Modulo 5 -_investigação_de_eventos
Modulo 5 -_investigação_de_eventosModulo 5 -_investigação_de_eventos
Modulo 5 -_investigação_de_eventos
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
 
leon22.pptx
leon22.pptxleon22.pptx
leon22.pptx
 
Programa de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculosePrograma de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculose
 
Concurso_Nacional_Unificado_CNU_Bloco_5_Resumao_de_Politicas_Publicas Saúde e...
Concurso_Nacional_Unificado_CNU_Bloco_5_Resumao_de_Politicas_Publicas Saúde e...Concurso_Nacional_Unificado_CNU_Bloco_5_Resumao_de_Politicas_Publicas Saúde e...
Concurso_Nacional_Unificado_CNU_Bloco_5_Resumao_de_Politicas_Publicas Saúde e...
 

Mais de Antonio Elielton

INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA.pdf
INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA.pdfINTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA.pdf
INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA.pdf
Antonio Elielton
 
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptxAULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
Antonio Elielton
 
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptxAULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
Antonio Elielton
 
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdfAULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
Antonio Elielton
 
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptxAULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
Antonio Elielton
 
Curso Básico VISAT Ourinhos out_2019.pptx
Curso Básico VISAT Ourinhos out_2019.pptxCurso Básico VISAT Ourinhos out_2019.pptx
Curso Básico VISAT Ourinhos out_2019.pptx
Antonio Elielton
 
Folder alimentação na gestação
Folder alimentação na gestaçãoFolder alimentação na gestação
Folder alimentação na gestação
Antonio Elielton
 

Mais de Antonio Elielton (7)

INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA.pdf
INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA.pdfINTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA.pdf
INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA.pdf
 
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptxAULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
 
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptxAULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
 
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdfAULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE - TRABALHADOR E AMBIENTAL .pdf
 
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptxAULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EM SAÚDE.pptx
 
Curso Básico VISAT Ourinhos out_2019.pptx
Curso Básico VISAT Ourinhos out_2019.pptxCurso Básico VISAT Ourinhos out_2019.pptx
Curso Básico VISAT Ourinhos out_2019.pptx
 
Folder alimentação na gestação
Folder alimentação na gestaçãoFolder alimentação na gestação
Folder alimentação na gestação
 

Último

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 

Último (6)

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 

AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdf

  • 1. Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária Prof. Me. Antonio Elielton de Paiva Silva
  • 2. Retomando Conhecimentos • Processo Saúde Doença. • Saúde Pública. • Diagnóstico Comunitário x Diagnóstico Clínico. • Indicadores de Saúde. • Transição demográfica, epidemiológica e nutricional.
  • 3. CONSTITUIÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL (1988) o SEÇÃO II – DA SAÚDE • Art. 196. A SAÚDE é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doenças e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.
  • 4. CONSTITUIÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL (1988) o SEÇÃO II – DA SAÚDE • Art. 199. A assistência à saúde é livre à iniciativa privada. • Parágrafo 1º. As instituições privadas poderão participar de forma complementar do sistema único de saúde, segundo diretrizes deste, mediante contrato de direito público ou convênio, tendo preferência as entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos.
  • 6. A vigilância em saúde constitui um processo contínuo e sistemático de coleta, consolidação, análise e disseminação de informações sobre eventos relacionados à saúde, visando o planejamento e a implementação de medidas de saúde pública, incluindo a regulação, intervenção e atuação em condicionantes e determinantes da saúde, para a proteção e promoção da saúde da população, prevenção e controle de riscos, agravos e doenças. Articulação com demais ações e serviços do SUS: INTEGRALIDADE Descentralização e reorganização dos serviços e práticas no nível local Articulação entre as vigilâncias Considerar contribuições de outras disciplinas • Promoção da Saúde • Ações laboratoriais • Análise de situação de saúde Atuação Transversal A política e as diretrizes da Vigilância em Saúde no SUS
  • 7. Vigilância em Saúde o Há relação forte entre cada uma das vigilâncias: Epidemiológica Sanitária Nutricional Saúde do Trabalhador Saúde Ambiental o E a análise de situação da Saúde e a Promoção da Saúde.
  • 8. VIGIAR (Dicionário) • Estar atento a; observar atentamente. • Olhar por; velar. • Estar atento ou desperto. • Fazer a verificação de; controlar, fiscalizar. • Ficar de guarda, de sentinela; estar alerta. • Estar ou ficar prevenido; acautelar-se, precaver-se. • Tomar conta de; cuidar.
  • 9. Vigilância Epidemiológica • Doenças transmissíveis e os fatores de risco. • Doenças crônicas não transmissíveis e os fatores de risco. • Agravos à saúde. Vigilância Sanitária • Produtos de consumo. • Prestação de serviços. • Meio ambiente; saúde do trabalhador; portos, aeroportos e fronteiras.
  • 11. Vigilância Epidemiológica o Lei Orgânica 8080/90 • Conjunto de atividades que proporciona informação indispensável para conhecer, detectar e prever qualquer mudança que possa ocorrer nos condicionantes do processo saúde- doença com a finalidade de recomendar, oportunamente, medidas que levem à prevenção e/ou controle das doenças e agravos.
  • 12. Objetivo Principal da Vigilância Epidemiológica Fornecer orientação técnica permanente para... ...tem a responsabilidade de decidir sobre a execução de ações de controle de doenças e agravos... Tornando disponíveis para esse fim, informações atualizadas sobre a ocorrência dessas doenças e agravos... ...bem como dos fatores que a condicionam, numa área geográfica ou população definida. Constitui-se importante instrumento: • Para o planejamento, a organização e a operacionalização dos serviços de saúde. • Para a normatização de atividades técnicas afins.
  • 13. OBJETIVOS Detectar, precocemente, o aparecimento das doenças sob vigilância e realizar intervenção oportuna Estar alerta, permanentement e e para a ocorrência de doenças e agravos no território Recomendar as estratégias de detecção de casos Conhecer e acompanhar o comportamento epidemiológico de doenças e de agravos Realizar a investigação epidemiológica Detectar epidemias Recomendar e implementar as medidas de prevenção, controle ou de erradicação Avaliar as medidas de prevenção e o controle das doenças e dos agravos sob vigilância Promoção das ações de controle indicadas Dar subsídios para o Planejamento em Saúde no SUS
  • 14. FUNÇÕES Análise e interpretação dos dados processados Coleta de dados Processamento dos dados coletados Avaliação da eficácia e efetividade das medidas adotadas Recomendação das medidas de controle apropriadas Promoção das ações de controle indicadas Divulgação de informações pertinentes
  • 15. Objetivo da Vigilância Epidemiológica • O objetivo principal é fornecer orientação técnica permanente para os profissionais de saúde, que têm a responsabilidade de decidir sobre a execução de ações de controle de doenças e agravos, tornando disponíveis, para esse fim, informações atualizadas sobre a ocorrência dessas doenças e agravos, bem como dos fatores que a condicionam, numa área geográfica ou população definida. • E ainda, constitui-se importante instrumento para o planejamento, a organização e a operacionalização dos serviços de saúde, como também para a normatização de atividades técnicas afins.
  • 16. Objetivos da Vigilância Epidemiológica • Estar alerta, permanentementee de modo responsável, para a ocorrência de doenças e agravos no território. • Conhecer e acompanhar o comportamento epidemiológico de doenças e de agravos. • Detectar, precocemente, o aparecimento das doenças sob vigilância e realizar intervenção oportuna. • Recomendar as estratégias de detecção de casos. • Realizar a investigação epidemiológica. • Detectar epidemias.
  • 17. Objetivos da Vigilância Epidemiológica • Controlar as cadeias de transmissão de doenças. • Recomendar e implementar as medidas de prevenção, controle ou de erradicação. • Recomendar e implementaros programasde controlede doenças. • Avaliar as medidas de prevenção e o controle das doenças e dos agravos sob vigilância. • Produzir, consolidar e analisar os dados. • Divulgar as informações. • Dar subsídios para o Planejamento em Saúde no SUS.
  • 18. • Coleta de dados. • Processamento dos dados coletados. • Análise e interpretação dos dados processados. • Recomendação das medidas de controle apropriadas. • Promoção das ações de controle indicadas. • Avaliação da eficácia e efetividade das medidas adotadas. • Divulgação de informações pertinentes. Funções da Vigilância Epidemiológica
  • 19. Atividades da VE • 1º Coletar dados. • 2º Investigar e analisar os dados  Gerar informação. • 3º Elaborar recomendações. • 4º Divulgar para a instâncias competentes. INFORMAÇÃO - DECISÃO - AÇÃO o Dado (valor quantitativo) é diferente de informação (conhecimento obtido a partir do dado exige interpretação). o A INFORMAÇÃO é atividade meio e não fim da VE.
  • 20. Atividades da VE – Coleta • Coleta de dados demográficos, de morbidade e mortalidade, de serviços (dados de unidades de saúde, de laboratórios de análise, etc , de profissionais de saúde, leigos, imprensa etc... • Monitoramento da qualidade dos dados (treinamento e supervisão dos profissionais e dos mecanismos de coleta).
  • 21. Sistemas de informação • Sistema de Informação sobre Mortalidade – SIM. • Sistema de Informação de Nascidos Vivos – SINASC. • Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização – SI-PNI. • Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN.
  • 22. Sistema de Informação de Agravos de Notificação Compulsória • Notificação compulsória (caso suspeito ou confirmado). • Pode ser feita de forma passiva ou ativa. • Possui diferentes níveis – Nacional, Estadual, Municipal e Local. • Calendário epidemiológico.
  • 24. Lista Nacional de Notificação Compulsória de Doenças, Agravos e Eventos de Saúde Pública o O conjunto de eventos considerados de maior relevância para o país • Doenças sujeitas ao Regulamento Sanitário Internacional: varíola, febre amarela, peste e cólera. • Doenças vinculadas ao Programa Nacional de Imunização: poliomielite, sarampo, tétano, difteria, coqueluche, raiva, febre tifóide e doença meningocócica. • Outras doenças e agravos controláveis.
  • 25. Lista Nacional de Notificação Compulsória de Doenças, Agravos e Eventos de Saúde Pública • Ministério da Saúde • PORTARIA Nº 264 – 17/02/2020
  • 26. Lista de Notificação Compulsória o Exemplos: • Acidente de trabalho com exposição a material biológico. • Síndrome Respiratória Aguda Grave associada a Coronavírus. • Sarampo. • Dengue. • Óbito materno. • Violência doméstica.
  • 27. Atividades da VE – Investigação e Análise • Investigação epidemiológica para, por exemplo, detectar fontes de infecção. • Consolidação e análise dos dados
  • 28. Atividades da VE • Recomendações de medidas de controle e elaboração de normas técnicas (ex.: vacinas). • Divulgação das informações para instâncias competentes e população.
  • 29. Aplicações mais freqüentes do Método Epidemiológico na Vigilância em Saúde • Descrever o espectro clínico das doenças e sua história natural. • Identificar fatores de risco em grupos de indivíduos que apresentam maior probabilidade de serem acometidos por determinados eventos. • Prever tendências. • Avaliar o quanto os serviços de saúde respondem aos problemas e necessidades das populações. • Verificar o impacto de estratégias de intervenção, assim como as características de acesso e disponibilidade dos serviços de saúde.
  • 30. Análise da Situação de Saúde o Diagnósticos de Saúde • Acompanhamento e análise sistemática da evolução de indicadores demográficos, sociais, econômicos e de saúde, para melhor compreensão dos determinantes das condições de saúde da população (processo saúde- doença). o Avaliação de serviços • A avaliação de serviços de saúde pode ser feita de diversas formas, mas, de maneira geral, leva em conta o acesso da população aos serviços, a cobertura oferecida e os resultados alcançados.
  • 31. Sistema de Vigilância Epidemiológica • Atividades e atribuições definidas para os três níveis de atuação do SUS (atenção primária, atenção secundária e atenção terciária). • Finalidade apresentar orientações técnicas, para as instâncias que têm a responsabilidade de decidir e executar ações de controle de doenças e de agravos, com a disponibilização de informações atualizadas sobre a ocorrência de doenças ou de agravos à saúde.
  • 32. VE - Lei 8080/90* • "O conjunto de ações que proporcionam o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças e agravos". *Brasil. Lei8080 de set/1990 - Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências
  • 34. Vigilância Sanitária • Os produtos que consumimos e os serviços que usamos favorecem à nossa saúde? • Ou trazem riscos?
  • 35. Constituição do Brasil (1988) Art. 200. Ao Sistema Único de Saúde compete, além de outras atribuições, nos termos da lei: I. Controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e substâncias de interesse para a saúde e participar da produção de medicamentos, equipamentos, imunobiológicos, hemoderivados e outros insumos; II. Executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, bem como as de saúde do trabalhador;
  • 36. Constituição do Brasil (1988) IV. Participar da formulação da política e da execução das ações de saneamento básico; ... VI. Fiscalizar e inspecionar alimentos, compreendido o controle de seu teor nutricional, bem como bebidas e águas para consumo humano; VII. Participar do controle e fiscalização da produção, transporte, guarda e utilização de substâncias e produtos psicoativos, tóxicos e radioativos; VIII. Colaborar na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho.
  • 37. Sistema Nacional de Vigilância Sanitária • Municipal • Estadual • Nacional • Deve haver complementaridade das ações dos três níveis de governo.
  • 38. Vigilância Sanitária – Lei nº 8.080/90 “Um conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação de serviços de interesse da saúde abrangendo: I.– o controle de bens de consumo que, direta ou indiretamente, se relacionem com a saúde, compreendidas todas as etapas e processos, da produção ao consumo; e, II.– o controle da prestação de serviços que se relacionam direta ou indiretamente com a saúde.” ...
  • 39. Missão da Vigilância Sanitária • Promover e proteger a saúde da população por meio de ações integradas e articuladas de coordenação, informação, normatização, capacitação, educação, apoio técnico, fiscalização, supervisão e avaliação em Vigilância Sanitária.
  • 40. Áreas de Abrangência da Vigilância Sanitária • Alimentos • Medicamentos • Produtos • Serviços
  • 41. Ações Prioritárias • Cadastramento. • Ação educativa em Vigilância Sanitária. • Inspeção Sanitária. • Comércio de Alimentos. • Drogarias / Ervanárias e Postos de Medicamentos. • Creches e estabelecimentos de atenção pré- escolar (creche, pré-escola, berçário). • Estabelecimentos de Ensino Fundamental. • Estações Rodoviárias e Ferroviárias.
  • 42. • Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e/ou desinfecção de poços/caixas d’água, conservação de ambientes, capina química, esgotamento sanitário. • Distribuidora de Produtos Saneantes. • Institutos de Beleza sem Responsabilidade Médica (manicure, pedicure, barbearia, sauna e congêneres). • Estabelecimentos de Massagem. • Academia de ginástica, musculação, condicionamento físico, clubes e congêneres, inclusive parques aquáticos. • Estabelecimentos comerciais e/ou de distribuição e/ou transporte de produtos veterinários e/ou agrotóxicos.
  • 43. Estratégias de Ação da Vigilância Sanitária • Regulamentação dos procedimentos de serviços e produtos de interesse da saúde. • Comunicação e Educação em Saúde. • Articulação e Integração com diversos órgãos que atuam direta ou indiretamente com a saúde. • Inspeção/ Fiscalização.
  • 44. OMS e OPAS • A Organização Mundial de Saúde (OMS) é uma das agências originais das Nações Unidas – constituída formalmente em 07/04/1948. • A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) é um organismo internacional de saúde pública dedicado a melhorar as condições de saúde dos países das Américas – criada em 1902.
  • 45. o Os ACS e ACE são membros importantes no contexto das vigilâncias, pois, por trabalharem mais próximo da comunidade, podem não apenas criar vínculos mais facilmente, como também detectar oportunamente as mudanças nos fatores determinantes e condicionantes da saúde da comunidade.
  • 46. • Identificação na suspeição de doenças e agravos e seu controle. • Orientações aos cidadãos, como por exemplo o armazenamento de medicamentos e outros produtos dentro das residências e seu adequado descarte. Saber orientar sobre calendário de vacinas. • Divulgação dos sinais e sintomas das doenças no território. • No encaminhamento de indivíduos suspeitos • e seus contatos. • Identificação de ações no ambiente necessárias para evitar a ocorrência de doenças e agravos, podendo auxiliar na articulação e adoção de estratégias intersetoriais para eliminação ou redução dos riscos e danos.
  • 47. Referências • BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988. Artigos 196 a 200. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/web_sus20anos/20anossus/legislacao/const ituicaofederal.pdf. • BRASIL. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde – SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011- 2014/2011/decreto/d7508.htm. • BRASIL. Lei n° 8.080 de, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm.