Vigilância Epidemiológica aula 4

1.273 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.273
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
47
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vigilância Epidemiológica aula 4

  1. 1. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA
  2. 2. Histórico  Passou a ser aplicado na década de 50  Designava uma série de atividades subsequentes à etapa de ataque da Campanha de Erradicação da Malária  Basicamente tratava-se da observação de casos suspeitos ou confirmados
  3. 3. Histórico  O principal objetivo aqui era a vigilância de pessoas, com base em isolamento e quarentena – individual  Não coletivo
  4. 4. Histórico - MUDANÇAS       Década de 60 Programa de Erradicação da Varíola (CEV) Novos conceitos Não havia realização de uma fase de ataque Vacinação em massa – coletivo Êxito – Erradicação da Varíola em escala mundial
  5. 5. Histórico  No Brasil a CEV (1966-1973) tornou-se o marco das ações de vigilância  Ajudou a disseminar informação (boletim epidemiológico quinzenal)  Outro êxito: erradicação da poliomielite 1980 - 1994
  6. 6. Histórico  1975 – Sistema nacional de Vigilância Epidemiológica (SNVE) que obriga: Notificação de doenças transmissíveis selecionadas  Hoje o SUS incorporou SNVE
  7. 7. Dias atuais  Vigilância Epidemiológica: Conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção dos fatores determinantes de saúde individual e coletiva
  8. 8. Propósitos e funções da VE  Fornecer orientação técnica aos profissionais de saúde  Organizar, planejar a operacionalização dos serviços de saúde  Recomendar medidas de controle  Avaliar a eficácia das medidas adotadas  Divulgação de informações pertinentes
  9. 9. Uma grande função da VE  COLETA DE DADOS E INFORMAÇÕES
  10. 10. Informação para ação  A informação precisa ter qualidade  Ser capaz de subsidiar um processo dinâmico de planejamento, avaliação, manutenção e aprimoramento das ações  A informação é alimentada por DADOS
  11. 11. Tipos de dados  1- Dados demográficos, ambientais e socioeconômicos Permite quantificar grupos populacionais Relatar aqui: sexo, idade, raça, domicílio, escolaridade, ocupação
  12. 12. Tipos de dados  2 – Dados de Morbidade Distribuição de casos para os portadores de infecção ou de patologias como também sequelas. Oriundos da notificação de casos, serviços ambulatoriais e hospitalares e investigações epidemiológicas
  13. 13. Tipos de dados  Dados de Mortalidade Indica a letalidade de uma doença Provenientes das declarações de óbitos SIM – Sistema de Informação de Mortalidade – governo federal
  14. 14. Tipos de dados  Notificação de surto e epidemias Possibilita a constatação de qualquer indicio de elevação do numero de casos de uma patologia. A VE precisa estar bem estruturada
  15. 15. Tipos de dados  Nascidos vivos Declaração de nascido vivo Preenchida para cada nascido vivo no Brasil
  16. 16. Tipos de dados  Utilização do SINAN (sistema de informação de agravos e notificação)  Site do MS
  17. 17. FIM

×