UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA           RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL INTEGRADA EM SAÚDE               DISCIPLINA DE ...
Conceito A vigilância em saúde tem por objetivo a observação e análise  permanente da situação de saúde da população, art...
Constituição Federal Art. 200 - Ao sistema único de saúde compete, além deoutras atribuições, nos termos da lei:I - contro...
Constituição Estadual - RS Art. 243 - Ao Sistema Único de Saúde no âmbito do Estado, alémde suas atribuições inerentes, in...
Lei 8080 – 19 setembro 1990 CAPÍTULO IDos Objetivos e AtribuiçõesArt. 6º Estão incluídas ainda no campo de atuação do Sist...
O Centro Estadual de Vigilânciaem Saúde
O Centro Estadual de Vigilânciaem Saúde
Município, Estado, HUSM   EXPOSIÇÃO DOS TRÊS  EIXOS NA PRÓXIMA AULA* Luciane Ramos (SMS)   * Helena Noal (HUSM)     * Lour...
Sites SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE RS – CENTRO ESTADUAL DE                 VIGILÂNCIA EM SAÚDE                  www.saude....
Sistemas de Informação:Criando Bancos de Dados:- Dados numéricos;- Primários e Secundários;- Disponibilidade (criação?)- G...
Sistemas de Informação:       SIM                          Censo-IBGE     SINASC                            PNAD     SINAN...
SIM – Mortalidade                 Nome               Endereço              Causa básica           Causas associadas       ...
Óbitos por aids em números absolutos, segundo sexo.            Município do Rio de Janeiro - 1995 a 1999.   Óbitos   1600 ...
SINASC – Nascidos Vivos              Data de Nascimento                     Sexo                Peso ao nascer        Tipo...
SINAN – Agravos de NotificaçãoSaúde amplia lista de doenças denotificação compulsória – 44:- Acidentes com animais peçonhe...
SINAN – Agravos de Notificação   Distribuição espacial dos municípios com pelo menos   um caso de aids registrado. Brasil
SIH– Internação Hospitalar                     Hospital:          Razão social, natureza jurídica,                    ende...
SIA– Ambulatorial         Totalização dos procedimentos        ambulatoriais realizados em cada                unidade de ...
SIAB– Atenção Básica         Acompanhamento das atividades          de Atenção básica, em especial         Programa agente...
IBGE – Censo                    10 anos        Domicílio: localização, tamanho,          água, luz, esgoto, lixo etc.     ...
IBGE – PNAD           Semelhante ao censo         Detalhamento de trabalho,              rendimento etc.            Suplem...
FONTES DE DADOS:- Físicas- On-line
Na Prática ...
www.datasus.gov.br
www.saude.rs.gov.br
www.ibge.gov.br
www.pnud.org.br
Atualidadese Possibilidades      emVigilância em Saúde
Experiências Brasil afora ...                       Rio de                       Janeiro SES-RS
Experiências Brasil afora ...        Rio de        Janeiro                  Alagoas          Natal-RN
Experiências Brasil afora ...             Curitiba                        Santos
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Vigilância em saúde
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Vigilância em saúde

24.692 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Vigilância em saúde

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL INTEGRADA EM SAÚDE DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA E VIGILÂNCIA I e IIVIGILÂNCIA EM SAÚDE- Fundamentos - jessyesm@hotmail.com
  2. 2. Conceito A vigilância em saúde tem por objetivo a observação e análise permanente da situação de saúde da população, articulando-se em um conjunto de ações destinadas a controlar determinantes, riscos e danos à saúde de populações que vivem em determinados territórios, garantindo a integralidade da atenção, o que inclui tanto a abordagem individual como coletiva dos problemas de saúde. Abrange as ações de vigilância, promoção, prevenção e controle de doenças e agravos à saúde. Deve estar cotidianamente inserida em todos os níveis de atenção da saúde. A partir de saberes e práticas da epidemiologia, da análise de situação de saúde e dos determinantes sociais da saúde.
  3. 3. Constituição Federal Art. 200 - Ao sistema único de saúde compete, além deoutras atribuições, nos termos da lei:I - controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e substâncias deinteresse para a saúde eparticipar da produção de medicamentos, equipamentos,imunobiológicos, hemoderivados eoutros insumos;II - executar as ações de vigilânciasanitária e epidemiológica, bem comoas de saúde do trabalhador;
  4. 4. Constituição Estadual - RS Art. 243 - Ao Sistema Único de Saúde no âmbito do Estado, alémde suas atribuições inerentes, incumbe, na forma da lei:VII - realizar a vigilância sanitária,epidemiológica, toxicológica efarmacológica;
  5. 5. Lei 8080 – 19 setembro 1990 CAPÍTULO IDos Objetivos e AtribuiçõesArt. 6º Estão incluídas ainda no campo de atuação do Sistema Único de Saúde-SUS:I - a execução de ações:a) de vigilância sanitária;b) de vigilância epidemiológica;c) de saúde do trabalhador; ed) de assistência terapêutica integral, inclusivefarmacêutica.IV - a vigilância nutricional e orientação alimentar;
  6. 6. O Centro Estadual de Vigilânciaem Saúde
  7. 7. O Centro Estadual de Vigilânciaem Saúde
  8. 8. Município, Estado, HUSM EXPOSIÇÃO DOS TRÊS EIXOS NA PRÓXIMA AULA* Luciane Ramos (SMS) * Helena Noal (HUSM) * Lourdes (4ªCRS)
  9. 9. Sites SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE RS – CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE www.saude.rs.gov.br AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA www.anvisa.gov.br NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR – HUSM http://jararaca.ufsm.br/websites/nveh/
  10. 10. Sistemas de Informação:Criando Bancos de Dados:- Dados numéricos;- Primários e Secundários;- Disponibilidade (criação?)- Gerenciamento e Análises;- Publicação dos resultados;- “Correr pra galera”;
  11. 11. Sistemas de Informação: SIM Censo-IBGE SINASC PNAD SINAN SIH-SUS SIAB SIA-SUS Cadastro de Estabelecimentos de Saúde
  12. 12. SIM – Mortalidade Nome Endereço Causa básica Causas associadas Idade Sexo Local de ocorrência
  13. 13. Óbitos por aids em números absolutos, segundo sexo. Município do Rio de Janeiro - 1995 a 1999. Óbitos 1600 1469 1400 1267 1200 1000 931 778 800 681 600 420 395 364 400 305 303 200 0 1995 1996 1997 1998 1999
  14. 14. SINASC – Nascidos Vivos Data de Nascimento Sexo Peso ao nascer Tipo de parto (normal, cesárea) Idade da mãe Idade gestacional No. consultas de pré-natal Endereço da mãe No. Filhos
  15. 15. SINAN – Agravos de NotificaçãoSaúde amplia lista de doenças denotificação compulsória – 44:- Acidentes com animais peçonhentos;- Atendimento anti-rábico;- Intoxicações exógenas por substânciasquímicas, incluindo agrotóxicos e metaispesados;- Sífilis adquirida;- Síndrome do Corrimento Uretral Masculino.
  16. 16. SINAN – Agravos de Notificação Distribuição espacial dos municípios com pelo menos um caso de aids registrado. Brasil
  17. 17. SIH– Internação Hospitalar Hospital: Razão social, natureza jurídica, endereço Paciente: Nome, endereço, sexo, idade Internação: Diagnóstico principal e secundário Procedimento médico Duração Óbito Gasto
  18. 18. SIA– Ambulatorial Totalização dos procedimentos ambulatoriais realizados em cada unidade de saúde Cadastro dos estabelecimentos Razão social, natureza jurídica, endereço, procedimento, valor No. de profissionais por especialidade, salas por turno, leitos
  19. 19. SIAB– Atenção Básica Acompanhamento das atividades de Atenção básica, em especial Programa agentes comunitários (PACS) e Programa de Saúde da Família (PSF) Cadastro das famílias - caracterização das pessoas, domicílio, saneamento etc. Indicadores de grupos de risco - crianças < 2 anos, gestantes, hipertensos, diabéticos, pessoas com tuberculose ou hanseníase. Indicadores produção - cobertura, notificação de agravos, óbitos, hospitalizações etc.
  20. 20. IBGE – Censo 10 anos Domicílio: localização, tamanho, água, luz, esgoto, lixo etc. Indivíduo: sexo, idade, religião, cor, raça Famílias: tamanho, relação parentesco Educação: alfabetização, escolaridade Mão-de-obra: ocupação, carteira de trabalho, desemprego, rendimento Fecundidade: no. filhos/mulher
  21. 21. IBGE – PNAD Semelhante ao censo Detalhamento de trabalho, rendimento etc. Suplemento saúde Necessidade, acesso e utilização de serviços de saúde Gastos com saúde Plano de saúde
  22. 22. FONTES DE DADOS:- Físicas- On-line
  23. 23. Na Prática ...
  24. 24. www.datasus.gov.br
  25. 25. www.saude.rs.gov.br
  26. 26. www.ibge.gov.br
  27. 27. www.pnud.org.br
  28. 28. Atualidadese Possibilidades emVigilância em Saúde
  29. 29. Experiências Brasil afora ... Rio de Janeiro SES-RS
  30. 30. Experiências Brasil afora ... Rio de Janeiro Alagoas Natal-RN
  31. 31. Experiências Brasil afora ... Curitiba Santos

×