SlideShare uma empresa Scribd logo
Sejam bem-vindos!
FISIOTERAPIA NEUROLÓGICA
PROF. JESIEL R. DE OLIVEIRA
E-mail: jesiel.barross@gmail.com
2022.1-
II UNID.
Acidente
Vascular
Encefálico
(AVE)
“Comprometimento neurológico
focal (ou às vezes global), de
ocorrência súbita e duração de
mais de 24 horas (ou que causa
morte) e provável origem
vascular.
”
AVE -
CONCEITO
Definição da OMS
Sinônimos: Derrame Cerebral; Ictus Cerebral; AVC; Acidente
Cerebrovascular; Apoplexia Cerebrovascular; Icto
Cerebral, Infarto cerebral.
A definição padrão da OMS
exclui:
•Ataque transitório isquêmico (AIT), que é definido
como sintomas neurológicos focais mas com
duração inferior a 24 horas
•Hemorragia Subdural
•Hemorragia Epidural
•Intoxicação
•Sintomas Causados Por Traumatismo.
Epidemiologi
a
• Terceira maior causa de morte. Uma das maiores causas de
sequelas permanentes que geram limitação funcional e
afastamento do trabalho
• Atinge 16 milhões de pessoas ao redor do globo a cada ano,
destas 6 milhões morrem.
• Incidência aumenta com a idade, principalmente após os 55 anos
• Homens negros e história familiar aumenta as chances.
• Cerca de 31% de pessoas que sofrem AVE morrem dentro de 1
ano
Epidemiologi
a
• No Brasil, são registradas cerca de 68 mil mortes por
AVC anualmente. Um número ligeiramente inferior ao
registrado no ano anterior: 68,9 mil. A doença
representa a primeira causa de morte e incapacidade
no País, o que gera grande impacto econômico e
social.
Fatores de risco
Fisiopatologia
Tecido Nervoso
(Neurônios e Cél. da Glia)
AVE
Irrigação sanguínea
constante
Danos Cerebrais
irreversíveis
Fisiopatologia
AVE
Liberação de
elementos
químicos
Necrose e
acúmulo de
líquido
cerebral
Aumento da PIC
e deterioração
neurológica
Irrigação
sanguínea
abundante e
diversificada
anatomicament
e
Círculo de
Willis
AULA AVC.pptx.pdf
Comprometimento da artéria
cerebral anterior
Sinais e Sintomas
Hemiparesia contralateral de MMII (MMSS são menos afetados)
Comprometimento mental (confusão, amnésia)
Comprometimento sensorial (MMII)
Comprometimento da artéria
cerebral média
Sinais e Sintomas
Hemiparesiacontralateral de facee MMSS (MMII são
menos afetados)
Comprometimento sensorial (face, MMSS e MMII)
Afasia de Broca ou de Wernicke
Déficits perceptivos (negligência unilateral, apraxias,
desorganização espacial, dificuldade na percepção de
profundidade)
Hemianopsia Homônima
Comprometimento da artéria
carótida interna
Artéria cerebral anterior
(direita e esquerda)
Artéria cerebral média
(direita e esquerda)
Artéria carótida interna OCLUSÃO
COMPLET
A
Infarto maciço
Edema cerebral
extenso
COMA E
MORTE
Uma OCLUSÃO INCOMPLETA pode provocar uma mescla
dos sintomas da artéria cerebral anterior e/ou média.
Comprometimento da artéria
cerebral posterior
Sinais e Sintomas
Hemiparesiacontralateral de facee MMII (MMSS são
menos afetados)
Movimentos involuntários: tremor de intenção,
hemibalismo (mov. inv. abrupto)
Hemianopsia Homônima e Prosopagnosia (inabilidade
de reconhecer)
Comprometimento da
artéria basilar
Artérias posteriores
(D/E)
Artéria basilar Ponte, ouvido interno e cerebelo
Lesões nesta
artéria são
GRAVÍSSIMAS!
Tetraplegia progressiva, cefaléia
occipital, diplopia, coma e, com
freqüência, morte
Síndrome do
cativeiro ou
encarceramento
(locked-in):
Localizadas na
Ponte: tetraplegia,
consciência e
sensibilidade
preservadas, olhar
vertical como
único mov.volunt.
FISIOPATOLOGIA
- Perda dos movimentos
voluntários (hemi, para,
tetra ou monoparesia);
- Paralisia/paresia contra
lateral a lesão e metade
inferior da face.
Síndrome de Libertação:
- Hipertonia elástica e
eletiva;
- Hiperreflexia profunda;
- Sinal de Babinski;
- Automatismos;
- Sincinesias.
FISIOPATOLOGIA
Tipos de
AVE
Acidente Vascular
Cerebral
Oclusão
Vascular 80
% dos
Hemorragia
20 % dos
• Ataque isquêmico
transitório (AIT)
▪ Interrupção temporária de suprimento
de sangue para o cérebro
▪ Sintomas não duram mais do que 24
horas
▪ Sem dano cerebral
residual ou disfunção neurológica
permanente
▪ Suscetibilidade do infarto
cerebral
(AVEI) – Uso de A.A.S. para prevenção
▪ Não é considerado pela OMS um AVE
• Acidente vascular encefálico isquêmico
(AVEI)
cerebral (arritmias, ↓débito
▪ Causas: episódios oclusivos, êmbolos, trombos,
cardíaco,
overdose de medicações
hipertensivas,
↓perfusão
hipotensão,
etc.)
▪ Quadro clínico:Depende do local e da extensão
da lesão
Tipos de
AVE
Tipos de
AVE
• Hemorrágico (AVEH)
▪ Comum em paciente hipertenso
▪ Pode ser intracerebral ou subaracnóideo
▪ Quadro clínico: Início com forte cefaléia e
vômitos (50% dos casos), perda de
consciência, ↑PIC, hemiplegia, déficits
sensoriais profundos
▪ Prognóstico inicial grave, mas
recuperação pode ocorrer bem quando o
hematoma é reabsorvido (↓destruição
neuronal que AVEI)
Enfraqueciment
o das paredes
arteriais
Microaneurismas
rompem-se
Extravassamento
de sangue
Tipos de
AVE
• Hemorragia subaracnóidea (HSA)
▪ Sangramento no espaço subaracnóide (ruptura
de aneurisma saculado no círculo de Willis)
▪ Local mais comum: artéria comunicante
posterior
▪ Pouco comum em jovens
▪ Hipertensão e doença vascular ⇨ ↑ tamanho
do aneurisma e ruptura
Tipos de
AVE
• Hemorragia
subaracnóidea (HSA)
▪ Quadro clínico:Cefaléia súbita e
intensa, vômitos e rigidez cervical,
perda de consciência, óbito nas 1as
horas (10%) ou nas duas 1ª semanas
(40%), hemiplegia
▪ Angiografia (investigação precoce) e
cirurgia (grampear o aneurisma e
evitar novos sangramentos)
Tipos de
AVE
Sintomas iniciais
Outros:
• Dores de
cabeça súbita e
fortes, sem
causa
conhecida
• Tontura,
instabilidade ou
quedas súbitas
sem explicação
+ sinais citados.
Iniciar imediatamente
tratamento de
emergência!!!
• Tomografia Computadorizada:
- Tipo do AVC e do território envolvido
- AVC isquêmico usualmente observa-se apagamento de
sulcos
- Imagens hiperdensas, correspondendo à
transformação hemorrágica
DIAGNÓSTICO
•Punção de LCR:
-Aspiração do Líquido Cefalorraquidiano
-É realizada para a medição da pressão
do líquido cefalorraquidiano (LCR)
• RNM:
- completa colaboração do paciente
DIAGNÓSTICO
•Angiografia:
-Auxiliam muito na decisão da terapêutica,
-Difusão e perfusão que permitem melhor definir
a área de penumbra potencialmente recuperável
AULA AVC.pptx.pdf
Tratamento
• Clínico
o Suporte cardiorrespiratório
o Controle da HAS e outras doenças
associadas
o Manter débito cardíaco suficiente
o Tratar hipertensão intracraniana
o Controlar crises e infecções
o Anticoagulantes para evitar coágulos
o Profilaxia contra TVP (medicações
específicas – ex: Warfarin)
Tratamento
• Cirúrgico
oDrenagem ventricular externa
(derivação-shunts)
o Clipagem ou embolizaçãode
aneurismas
SINAIS CLÍNICOS
Inicialmente fase flácida
(horas, dias, semanas)
Fase Espástica
(músculos antigravitacionais)
HEMIPLEGIA - AVC
SINAIS CLÍNICOS
• Funções motoras
• Equilíbrio e coordenação
• Percepção sensitiva
• Orientação espacial
• Memória
• Cognição
• Comportamento
• Habilidades Funcionais:
Trocas posturais prejudicadas
• Linguagem:
Afasia de Brocá e afasia de
Wernicke
compreensão
Expressão
Formação de palavras
• Funções perceptivas:
Esquema corporal
prejudicado Negligência
Apraxias
Comportamento mental:
Alterações de
memória Labilidade
emocional
Demência
Padrão Hemiplégico Típico:
- Cabeça inclinada para o
lado afetado e rodada para
o lado oposto;
- Ombro elevado, em adução
e RI;
- Escápula em retração e
cintura escapular em
depressão;
- Cotovelo fletido e
antebraço pronado;
- Punho fletido e em
desvio ulnar;
- Dedos fletidos e
polegar aduzido
CARACTERÍSTICAS FUNCIONAIS
- Rotação e flexão
lateral do tronco para o
lado afetado;
- Pelve plégica elevada
e rodada para trás;
- Quadril estendido,
aduzido e em RI;
- Joelho hiperestendido;
- Tornozelo
plantiflexionado
;
- Tíbio-társica
supinada
e invertida.
Avaliação
Neurofuncional
Avaliar é atribuir valor
e para isto temos que,
além conhecer a
técnica
avaliativa,
dimensioná-la.
AULA AVC.pptx.pdf
Instrumentos Avaliativos
• Escala de Ashworth (avalia tônus muscular);
• Índice de Barthel (avalia independência
funcional e mobilidade);
• Índice de Katz (independência nas AVD’s);
• ‘Scale for Contraversive Pushing’ – SCP
(avalia a percepção corporal).
AULA AVC.pptx.pdf
Tratamento
Fisioterapêutico
Mecanismo de Neuroplasticidade
Recuperação celular após lesão:
Após a morte de neurônios, o SN
promove a recuperação por meio de
alterações de sinapses específicas, da
reorganização funcional do SNC e de
alterações na liberação de
neurotransmissores em resposta
à atividade neural.
Engrama
“Padrões aprendidos e
armazenados no córtex”
Impressão deixada nos centros nervosos
pelos acontecimentos vivenciados, ativa
ou passivamente, pelo indivíduo.
Corresponde à fixação de uma
lembrança.
Os engramas são passíveis de evocação,
de recordação espontânea no sono ou
vigília ou, ainda, de associação com
eventos atuais, podendo levar o indivíduo
a um comportamento automático, reflexo
ou voluntário.
O engrama é uma recordação
espontânea no sono ou vigília.
Não somos máquinas passivas de
processamento, mas, sim , organismos
constituídos para a interação com o mundo.
Gazzaniga, Ivry, Mangun.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoçoExame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoço
pauloalambert
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
pauloalambert
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Jucie Vasconcelos
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
Iapes Ensino
 
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva MuñozSemiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) . Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) .
Dani Drp
 
C O M A
C O M AC O M A
AVC- Acidente Vascular Cerebral
AVC- Acidente Vascular CerebralAVC- Acidente Vascular Cerebral
AVC- Acidente Vascular Cerebral
Criis Maranhão
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
Wandenice Serra
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
Flávia Salame
 
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICAPARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
Camilla Bringel
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
Ágatha Mayara
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Matheus Oliveira
 
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxiaRevisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
Fisioterapeuta
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
j2012p
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
janinemagalhaes
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
pauloalambert
 
Síndrome piramidal
Síndrome piramidalSíndrome piramidal
Síndrome piramidal
Dr. Rafael Higashi
 

Mais procurados (20)

Exame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoçoExame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoço
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
 
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva MuñozSemiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) . Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) .
 
C O M A
C O M AC O M A
C O M A
 
AVC- Acidente Vascular Cerebral
AVC- Acidente Vascular CerebralAVC- Acidente Vascular Cerebral
AVC- Acidente Vascular Cerebral
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICAPARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
 
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxiaRevisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Síndrome piramidal
Síndrome piramidalSíndrome piramidal
Síndrome piramidal
 

Semelhante a AULA AVC.pptx.pdf

Acidente vascular encefálico parte1
Acidente vascular encefálico parte1Acidente vascular encefálico parte1
Acidente vascular encefálico parte1
Jumooca
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
Carolina Yume
 
Acidente vascular-cerebral-cesar-iwata1
Acidente vascular-cerebral-cesar-iwata1Acidente vascular-cerebral-cesar-iwata1
Acidente vascular-cerebral-cesar-iwata1
Naldo Castro
 
Aula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptxAula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptx
JuniorRamos97
 
Neuroliga ave clínico
Neuroliga ave clínicoNeuroliga ave clínico
Neuroliga ave clínico
neuroliga-nortemineira
 
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologia
Dr. Rafael Higashi
 
Anatomia vascularização arterial encefálica e avc
Anatomia vascularização arterial encefálica e avcAnatomia vascularização arterial encefálica e avc
Anatomia vascularização arterial encefálica e avc
luzienne moraes
 
Prevenção do AVC
Prevenção do AVC   Prevenção do AVC
Prevenção do AVC
cesanto
 
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
NgelaNascimento11
 
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adultoSaúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
WerbertCosta1
 
Acidente vascular cerebral final
Acidente vascular cerebral finalAcidente vascular cerebral final
Acidente vascular cerebral final
Sofia Pinho
 
Mielopatia cervical
Mielopatia cervicalMielopatia cervical
Mielopatia cervical
DrRuben Cardenas
 
vascular.pptx
vascular.pptxvascular.pptx
vascular.pptx
RafaelLoureno59
 
Perturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrioPerturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrio
Paulo Alambert
 
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Renato Almeida
 
C2 avc
C2 avcC2 avc
AULA 19- AVE- AVE é uma lesão do neurônio motor superior, que resulta em perd...
AULA 19- AVE- AVE é uma lesão do neurônio motor superior, que resulta em perd...AULA 19- AVE- AVE é uma lesão do neurônio motor superior, que resulta em perd...
AULA 19- AVE- AVE é uma lesão do neurônio motor superior, que resulta em perd...
Rodrigo Lima
 
17ª aula doenças circulatórias Silvio
17ª aula   doenças circulatórias Silvio17ª aula   doenças circulatórias Silvio
17ª aula doenças circulatórias Silvio
Prof Silvio Rosa
 
Seminário de neurociencias final
Seminário de neurociencias   finalSeminário de neurociencias   final
Seminário de neurociencias final
Marcos Peixoto
 
PATOLOGIAS DO SISTEMA NERVOSO, AVC,ESCLEROSE
PATOLOGIAS DO SISTEMA NERVOSO, AVC,ESCLEROSEPATOLOGIAS DO SISTEMA NERVOSO, AVC,ESCLEROSE
PATOLOGIAS DO SISTEMA NERVOSO, AVC,ESCLEROSE
MarianaAraujo66924
 

Semelhante a AULA AVC.pptx.pdf (20)

Acidente vascular encefálico parte1
Acidente vascular encefálico parte1Acidente vascular encefálico parte1
Acidente vascular encefálico parte1
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
 
Acidente vascular-cerebral-cesar-iwata1
Acidente vascular-cerebral-cesar-iwata1Acidente vascular-cerebral-cesar-iwata1
Acidente vascular-cerebral-cesar-iwata1
 
Aula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptxAula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptx
 
Neuroliga ave clínico
Neuroliga ave clínicoNeuroliga ave clínico
Neuroliga ave clínico
 
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologia
 
Anatomia vascularização arterial encefálica e avc
Anatomia vascularização arterial encefálica e avcAnatomia vascularização arterial encefálica e avc
Anatomia vascularização arterial encefálica e avc
 
Prevenção do AVC
Prevenção do AVC   Prevenção do AVC
Prevenção do AVC
 
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
 
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adultoSaúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
 
Acidente vascular cerebral final
Acidente vascular cerebral finalAcidente vascular cerebral final
Acidente vascular cerebral final
 
Mielopatia cervical
Mielopatia cervicalMielopatia cervical
Mielopatia cervical
 
vascular.pptx
vascular.pptxvascular.pptx
vascular.pptx
 
Perturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrioPerturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrio
 
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)
 
C2 avc
C2 avcC2 avc
C2 avc
 
AULA 19- AVE- AVE é uma lesão do neurônio motor superior, que resulta em perd...
AULA 19- AVE- AVE é uma lesão do neurônio motor superior, que resulta em perd...AULA 19- AVE- AVE é uma lesão do neurônio motor superior, que resulta em perd...
AULA 19- AVE- AVE é uma lesão do neurônio motor superior, que resulta em perd...
 
17ª aula doenças circulatórias Silvio
17ª aula   doenças circulatórias Silvio17ª aula   doenças circulatórias Silvio
17ª aula doenças circulatórias Silvio
 
Seminário de neurociencias final
Seminário de neurociencias   finalSeminário de neurociencias   final
Seminário de neurociencias final
 
PATOLOGIAS DO SISTEMA NERVOSO, AVC,ESCLEROSE
PATOLOGIAS DO SISTEMA NERVOSO, AVC,ESCLEROSEPATOLOGIAS DO SISTEMA NERVOSO, AVC,ESCLEROSE
PATOLOGIAS DO SISTEMA NERVOSO, AVC,ESCLEROSE
 

Mais de ssuser7da808

APS- Fisioterapia Pediatrica.pptx
APS- Fisioterapia Pediatrica.pptxAPS- Fisioterapia Pediatrica.pptx
APS- Fisioterapia Pediatrica.pptx
ssuser7da808
 
Aula 02 Semiologia 1.pptx
Aula 02 Semiologia 1.pptxAula 02 Semiologia 1.pptx
Aula 02 Semiologia 1.pptx
ssuser7da808
 
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdfAula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
ssuser7da808
 
TRAUMANOIDOSO_20220906210334.pdf
TRAUMANOIDOSO_20220906210334.pdfTRAUMANOIDOSO_20220906210334.pdf
TRAUMANOIDOSO_20220906210334.pdf
ssuser7da808
 
Guia-prático-aplicado-à-fisioterapia-aquática.pdf
Guia-prático-aplicado-à-fisioterapia-aquática.pdfGuia-prático-aplicado-à-fisioterapia-aquática.pdf
Guia-prático-aplicado-à-fisioterapia-aquática.pdf
ssuser7da808
 
97-E-book-434-1-10-20181025.pdf
97-E-book-434-1-10-20181025.pdf97-E-book-434-1-10-20181025.pdf
97-E-book-434-1-10-20181025.pdf
ssuser7da808
 
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
ssuser7da808
 

Mais de ssuser7da808 (7)

APS- Fisioterapia Pediatrica.pptx
APS- Fisioterapia Pediatrica.pptxAPS- Fisioterapia Pediatrica.pptx
APS- Fisioterapia Pediatrica.pptx
 
Aula 02 Semiologia 1.pptx
Aula 02 Semiologia 1.pptxAula 02 Semiologia 1.pptx
Aula 02 Semiologia 1.pptx
 
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdfAula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
 
TRAUMANOIDOSO_20220906210334.pdf
TRAUMANOIDOSO_20220906210334.pdfTRAUMANOIDOSO_20220906210334.pdf
TRAUMANOIDOSO_20220906210334.pdf
 
Guia-prático-aplicado-à-fisioterapia-aquática.pdf
Guia-prático-aplicado-à-fisioterapia-aquática.pdfGuia-prático-aplicado-à-fisioterapia-aquática.pdf
Guia-prático-aplicado-à-fisioterapia-aquática.pdf
 
97-E-book-434-1-10-20181025.pdf
97-E-book-434-1-10-20181025.pdf97-E-book-434-1-10-20181025.pdf
97-E-book-434-1-10-20181025.pdf
 
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
 

AULA AVC.pptx.pdf

  • 1. Sejam bem-vindos! FISIOTERAPIA NEUROLÓGICA PROF. JESIEL R. DE OLIVEIRA E-mail: jesiel.barross@gmail.com 2022.1- II UNID.
  • 3. “Comprometimento neurológico focal (ou às vezes global), de ocorrência súbita e duração de mais de 24 horas (ou que causa morte) e provável origem vascular. ” AVE - CONCEITO Definição da OMS Sinônimos: Derrame Cerebral; Ictus Cerebral; AVC; Acidente Cerebrovascular; Apoplexia Cerebrovascular; Icto Cerebral, Infarto cerebral.
  • 4. A definição padrão da OMS exclui: •Ataque transitório isquêmico (AIT), que é definido como sintomas neurológicos focais mas com duração inferior a 24 horas •Hemorragia Subdural •Hemorragia Epidural •Intoxicação •Sintomas Causados Por Traumatismo.
  • 5. Epidemiologi a • Terceira maior causa de morte. Uma das maiores causas de sequelas permanentes que geram limitação funcional e afastamento do trabalho • Atinge 16 milhões de pessoas ao redor do globo a cada ano, destas 6 milhões morrem. • Incidência aumenta com a idade, principalmente após os 55 anos • Homens negros e história familiar aumenta as chances. • Cerca de 31% de pessoas que sofrem AVE morrem dentro de 1 ano
  • 6. Epidemiologi a • No Brasil, são registradas cerca de 68 mil mortes por AVC anualmente. Um número ligeiramente inferior ao registrado no ano anterior: 68,9 mil. A doença representa a primeira causa de morte e incapacidade no País, o que gera grande impacto econômico e social.
  • 8. Fisiopatologia Tecido Nervoso (Neurônios e Cél. da Glia) AVE Irrigação sanguínea constante Danos Cerebrais irreversíveis
  • 9. Fisiopatologia AVE Liberação de elementos químicos Necrose e acúmulo de líquido cerebral Aumento da PIC e deterioração neurológica
  • 12. Comprometimento da artéria cerebral anterior Sinais e Sintomas Hemiparesia contralateral de MMII (MMSS são menos afetados) Comprometimento mental (confusão, amnésia) Comprometimento sensorial (MMII)
  • 13. Comprometimento da artéria cerebral média Sinais e Sintomas Hemiparesiacontralateral de facee MMSS (MMII são menos afetados) Comprometimento sensorial (face, MMSS e MMII) Afasia de Broca ou de Wernicke Déficits perceptivos (negligência unilateral, apraxias, desorganização espacial, dificuldade na percepção de profundidade) Hemianopsia Homônima
  • 14. Comprometimento da artéria carótida interna Artéria cerebral anterior (direita e esquerda) Artéria cerebral média (direita e esquerda) Artéria carótida interna OCLUSÃO COMPLET A Infarto maciço Edema cerebral extenso COMA E MORTE Uma OCLUSÃO INCOMPLETA pode provocar uma mescla dos sintomas da artéria cerebral anterior e/ou média.
  • 15. Comprometimento da artéria cerebral posterior Sinais e Sintomas Hemiparesiacontralateral de facee MMII (MMSS são menos afetados) Movimentos involuntários: tremor de intenção, hemibalismo (mov. inv. abrupto) Hemianopsia Homônima e Prosopagnosia (inabilidade de reconhecer)
  • 16. Comprometimento da artéria basilar Artérias posteriores (D/E) Artéria basilar Ponte, ouvido interno e cerebelo Lesões nesta artéria são GRAVÍSSIMAS! Tetraplegia progressiva, cefaléia occipital, diplopia, coma e, com freqüência, morte Síndrome do cativeiro ou encarceramento (locked-in): Localizadas na Ponte: tetraplegia, consciência e sensibilidade preservadas, olhar vertical como único mov.volunt.
  • 17. FISIOPATOLOGIA - Perda dos movimentos voluntários (hemi, para, tetra ou monoparesia); - Paralisia/paresia contra lateral a lesão e metade inferior da face.
  • 18. Síndrome de Libertação: - Hipertonia elástica e eletiva; - Hiperreflexia profunda; - Sinal de Babinski; - Automatismos; - Sincinesias. FISIOPATOLOGIA
  • 20. • Ataque isquêmico transitório (AIT) ▪ Interrupção temporária de suprimento de sangue para o cérebro ▪ Sintomas não duram mais do que 24 horas ▪ Sem dano cerebral residual ou disfunção neurológica permanente ▪ Suscetibilidade do infarto cerebral (AVEI) – Uso de A.A.S. para prevenção ▪ Não é considerado pela OMS um AVE
  • 21. • Acidente vascular encefálico isquêmico (AVEI) cerebral (arritmias, ↓débito ▪ Causas: episódios oclusivos, êmbolos, trombos, cardíaco, overdose de medicações hipertensivas, ↓perfusão hipotensão, etc.) ▪ Quadro clínico:Depende do local e da extensão da lesão Tipos de AVE
  • 22. Tipos de AVE • Hemorrágico (AVEH) ▪ Comum em paciente hipertenso ▪ Pode ser intracerebral ou subaracnóideo ▪ Quadro clínico: Início com forte cefaléia e vômitos (50% dos casos), perda de consciência, ↑PIC, hemiplegia, déficits sensoriais profundos ▪ Prognóstico inicial grave, mas recuperação pode ocorrer bem quando o hematoma é reabsorvido (↓destruição neuronal que AVEI) Enfraqueciment o das paredes arteriais Microaneurismas rompem-se Extravassamento de sangue
  • 23. Tipos de AVE • Hemorragia subaracnóidea (HSA) ▪ Sangramento no espaço subaracnóide (ruptura de aneurisma saculado no círculo de Willis) ▪ Local mais comum: artéria comunicante posterior ▪ Pouco comum em jovens ▪ Hipertensão e doença vascular ⇨ ↑ tamanho do aneurisma e ruptura
  • 24. Tipos de AVE • Hemorragia subaracnóidea (HSA) ▪ Quadro clínico:Cefaléia súbita e intensa, vômitos e rigidez cervical, perda de consciência, óbito nas 1as horas (10%) ou nas duas 1ª semanas (40%), hemiplegia ▪ Angiografia (investigação precoce) e cirurgia (grampear o aneurisma e evitar novos sangramentos)
  • 26. Sintomas iniciais Outros: • Dores de cabeça súbita e fortes, sem causa conhecida • Tontura, instabilidade ou quedas súbitas sem explicação + sinais citados. Iniciar imediatamente tratamento de emergência!!!
  • 27. • Tomografia Computadorizada: - Tipo do AVC e do território envolvido - AVC isquêmico usualmente observa-se apagamento de sulcos - Imagens hiperdensas, correspondendo à transformação hemorrágica DIAGNÓSTICO •Punção de LCR: -Aspiração do Líquido Cefalorraquidiano -É realizada para a medição da pressão do líquido cefalorraquidiano (LCR)
  • 28. • RNM: - completa colaboração do paciente DIAGNÓSTICO •Angiografia: -Auxiliam muito na decisão da terapêutica, -Difusão e perfusão que permitem melhor definir a área de penumbra potencialmente recuperável
  • 30. Tratamento • Clínico o Suporte cardiorrespiratório o Controle da HAS e outras doenças associadas o Manter débito cardíaco suficiente o Tratar hipertensão intracraniana o Controlar crises e infecções o Anticoagulantes para evitar coágulos o Profilaxia contra TVP (medicações específicas – ex: Warfarin)
  • 31. Tratamento • Cirúrgico oDrenagem ventricular externa (derivação-shunts) o Clipagem ou embolizaçãode aneurismas
  • 32. SINAIS CLÍNICOS Inicialmente fase flácida (horas, dias, semanas) Fase Espástica (músculos antigravitacionais)
  • 33. HEMIPLEGIA - AVC SINAIS CLÍNICOS • Funções motoras • Equilíbrio e coordenação • Percepção sensitiva • Orientação espacial • Memória • Cognição • Comportamento
  • 34. • Habilidades Funcionais: Trocas posturais prejudicadas • Linguagem: Afasia de Brocá e afasia de Wernicke compreensão Expressão Formação de palavras
  • 35. • Funções perceptivas: Esquema corporal prejudicado Negligência Apraxias Comportamento mental: Alterações de memória Labilidade emocional Demência
  • 36. Padrão Hemiplégico Típico: - Cabeça inclinada para o lado afetado e rodada para o lado oposto; - Ombro elevado, em adução e RI; - Escápula em retração e cintura escapular em depressão; - Cotovelo fletido e antebraço pronado; - Punho fletido e em desvio ulnar; - Dedos fletidos e polegar aduzido CARACTERÍSTICAS FUNCIONAIS - Rotação e flexão lateral do tronco para o lado afetado; - Pelve plégica elevada e rodada para trás; - Quadril estendido, aduzido e em RI; - Joelho hiperestendido; - Tornozelo plantiflexionado ; - Tíbio-társica supinada e invertida.
  • 37. Avaliação Neurofuncional Avaliar é atribuir valor e para isto temos que, além conhecer a técnica avaliativa, dimensioná-la.
  • 39. Instrumentos Avaliativos • Escala de Ashworth (avalia tônus muscular); • Índice de Barthel (avalia independência funcional e mobilidade); • Índice de Katz (independência nas AVD’s); • ‘Scale for Contraversive Pushing’ – SCP (avalia a percepção corporal).
  • 42. Mecanismo de Neuroplasticidade Recuperação celular após lesão: Após a morte de neurônios, o SN promove a recuperação por meio de alterações de sinapses específicas, da reorganização funcional do SNC e de alterações na liberação de neurotransmissores em resposta à atividade neural.
  • 43. Engrama “Padrões aprendidos e armazenados no córtex” Impressão deixada nos centros nervosos pelos acontecimentos vivenciados, ativa ou passivamente, pelo indivíduo. Corresponde à fixação de uma lembrança. Os engramas são passíveis de evocação, de recordação espontânea no sono ou vigília ou, ainda, de associação com eventos atuais, podendo levar o indivíduo a um comportamento automático, reflexo ou voluntário. O engrama é uma recordação espontânea no sono ou vigília.
  • 44. Não somos máquinas passivas de processamento, mas, sim , organismos constituídos para a interação com o mundo. Gazzaniga, Ivry, Mangun.