SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Esp. Vinicius Biulchi
Paracatu – MG
2016
• Bruna Lays
• Fabiana Santos
• Isadora Clara
• Mikaelly Ferreira
• Welisson Porto
Paracatu – MG
2016
Introdução
22/11/2016Doença de Alzheimer
3
A Doença de Alzheimer é uma doença do cérebro, degenerativa, isto é,
que produz atrofia, progressiva, com início mais frequente após os 65
anos, que produz a perda das habilidades de pensar, raciocinar,
memorizar, que afeta as áreas da linguagem e produz alterações no
comportamento.
Quando e como acontece o Alzheimer?
O Alzheimer é caracterizado, histopatologicamente, pela perda sináptica
e pela morte neuronal nas regiões cerebrais responsáveis pela função
cognitivas, incluindo o córtex cerebral, o hipocampo, e o estriado ventral.
As características histopatológicas presentes no parênquima cerebral dos
pacientes portadores do Alzheimer incluem depósitos fibrilares amiloidais
localizados nas paredes dos vasos sanguíneos e o acumulo de filamentos
anormais da proteína TAU e consequente formação de novelos
neurofibrilares (NFT), e perda neuronal e sináptica, ativação da glia e
inflamação.
22/11/2016Doença de Alzheimer
4
Quando e como acontece o Alzheimer?
Pode-se ter a certeza do diagnostico só se for obtida por meio do exame
microscópico do tecido cerebral do afetado após o seu falecimento. Antes
disso, esse exame não é indicado, pois pode apresentar riscos ao paciente.
Na pratica o diagnostico do Alzheimer é clinico, isso depende da
avaliação feita pelo medico, que saberá a partir de exames e da historia
do paciente, e qual a principal hipótese pelo surgimento do Alzheimer.
22/11/2016Doença de Alzheimer
5
O que o Alzheimer causa?
No Alzheimer, os neurônios e suas conexões se degeneram e morrem,
causando a atrofia cerebral e declínio global na função mental. Apesar já
possuir termos reconhecidos por diversos fatores de risco, a causa exata
do mal de Alzheimer ainda é um mistério para todos.
22/11/2016Doença de Alzheimer
6
Pode se dizer que o acumulo nos
neurônios de uma proteína chamada beta
AMILOIDE e outra chamada TAU, que se
da o fator responsável pelo
desencadeamento da doença.
O que o
Alzheimer causa?
22/11/2016Doença de Alzheimer
7
22/11/2016Doença de Alzheimer
8
• Estágio Inicial
• Estágio Intermediário
• Estágio Avançado
 Ter problemas com a propriedade da fala (problemas de linguagem).
 Ter perda significativa de memória – particularmente das coisas que acabam de
acontecer.
 Não saber a hora ou o dia da semana.
 Ficar perdida em locais familiares.
 Ter dificuldade na tomada de decisões.
 Ficar inativa ou desmotivada.
 Apresentar mudança de humor, depressão ou ansiedade.
 Reagir com raiva incomum ou agressivamente em determinadas ocasiões.
 Apresentar perda de interesse por hobbies e outras atividades.
22/11/2016Doença de Alzheimer
9
O estágio inicial raramente é percebido. Parentes e amigos
(e, às vezes, os profissionais) veem isso como "velhice",
apenas uma fase normal do processo do envelhecimento.
Como o começo da doença é gradual, é difícil ter certeza
exatamente de quando a doença começa. A pessoa pode:
 Pode ficar muito desmemoriada, especialmente com eventos recentes e nomes das
pessoas.
 Pode não gerenciar mais viver sozinha, sem problemas.
 É incapaz de cozinhar, limpar ou fazer compras.
 Pode ficar extremamente dependente de um membro familiar e do cuidador.
 Necessita de ajuda para a higiene pessoal, isto é, lavar-se e vestir-se.
 A dificuldade com a fala avança.
 Apresenta problemas como perder-se e de ordem de comportamento, tais como
repetição de perguntas, gritar, agarrar-se e distúrbios de sono.
 Perde-se tanto em casa como fora de casa.
 Pode ter alucinações (vendo ou ouvindo coisas que não existem).
22/11/2016Doença de Alzheimer
10
Como a doença progride, as limitações ficam mais claras e
mais graves. A pessoa com demência tem dificuldade com
a vida no dia a dia e:
 Ter dificuldades para comer.
 Ficar incapacitada para comunicar-se.
 Não reconhecer parentes, amigos e objetos familiares.
 Ter dificuldade de entender o que acontece ao seu redor.
 É incapaz de encontrar o seu caminho de volta para a casa.
 Ter dificuldade para caminhar.
 Ter dificuldade na deglutição.
 Ter incontinência urinária e fecal.
 Manifestar comportamento inapropriado em público.
 Ficar confinada a uma cadeira de rodas ou cama.
22/11/2016Doença de Alzheimer
11
O estágio avançado é o mais próximo da total dependência
e da inatividade. Distúrbios de memória são muito sérios e
o lado físico da doença torna-se mais óbvio. A pessoa
pode:
Fisiopatologia
A Doença de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa que
macroscopicamente há atrofia predominante cortical. Microscopicamente,
há a diminuição de neurônios e de sinapses. Na DA, a morte neuronal
aparece como um fator independente, assim como consequência da
agregação anormal de proteínas. A presença de proteínas anômalas na
DA podem desencadear o estresse oxidativo, que leva à injuria
mitocondrial. Em seguida ocorreria a falência das mitocôndrias que levaria
a perda sináptica e morte celular.
22/11/2016Doença de Alzheimer
12
Fisiopatologia
Outro fator que caracteriza a fisiopatologia da Doença de Alzheimer, é o
acúmulo de Proteínas Beta Amiloides (AB) que é um polipeptídio de 42 a
43 aminoácidos, hidrolisada pela proteína PPA e expressada em todos os
neurônios. Mesmo com sua atuação desconhecida, a AB pode servir como
um receptor para um ligante não identificado.
22/11/2016Doença de Alzheimer
13
Quando ocorre a DA, há o aumento dessa
AB devido a uma clivagem proteolítica, que
diminui sua concentração e
consequentemente afeta sua função de
hidrolisar a AB fica defasada.
Tratamento Farmacológico
O primeiro nível é a terapêutica específica, que reverte todos os
processos patofisiológicos que levam à demência e à morte neuronal,
O segundo é a abordagem profilática, que tem como objetivo atrasar
a demência ou prevenir que ocorra agravamento;
22/11/2016Doença de Alzheimer
14
A Doença de Alzheimer tem um tratamento farmacológico que
pode ser dividido em quatro níveis:
Tratamento Farmacológico
O terceiro é o tratamento sintomático, que restaura todas as
capacidades cognitivas, mesmo que temporariamente, as habilidades
funcionais e o comportamento dos portadores de demência;
E o ultimo nível é a terapêutica complementar, que busca o tratamento
de distúrbios e doenças não cognitivas como depressão, agressividade,
psicose e outras.
22/11/2016Doença de Alzheimer
15
A abordagem
fisioterapêutica
no paciente com
a Doença de
Alzheimer
22/11/2016Doença de Alzheimer
16
A abordagem fisioterapêutica no paciente
com a Doença de Alzheimer
A fisioterapia busca evitar possíveis
quedas com a fortificação dos músculos
do paciente, prevenir os danos motores e
possibilitar a independência. A fisioterapia
faz com que o portador da Doença de
Alzheimer se torne mais ativo, evitando
assim, o aparecimento de escaras por
pressão ou infecções respiratórias por
permanecerem muito tempo deitados.
22/11/2016Doença de Alzheimer
17
Escaras por pressão? Úlceras...
Em pacientes com Alzheimer?
22/11/2016Doença de Alzheimer
18
22/11/2016Doença de Alzheimer
19
A abordagem fisioterapêutica no paciente com
a Doença de Alzheimer
O apoio da família do paciente é fundamental para que a pessoa tenha
bons resultados no tratamento da doença. Tarefas diárias como ler e
escrever se tornam atividades difíceis e progressivamente o paciente com
Doença de Alzheimer vai perdendo a capacidade de coordenação, de
executar tarefas motoras simples, como se vestir, tomar banho ou se
alimentar, com a piora dos sintomas, o paciente passa a não reconhecer
seus amigos e familiares.
22/11/2016Doença de Alzheimer
20
22/11/2016Doença de Alzheimer
21 O apoio da família do paciente é fundamental...
A abordagem fisioterapêutica no paciente com
a Doença de Alzheimer
O papel da fisioterapia é proporcionar
autonomia à pessoa com Mal de Alzheimer e
trabalhar o funcionamento do sistema
respiratório, que são fala, respiração, expansão
e mobilidade torácica.
22/11/2016Doença de Alzheimer
22
A abordagem fisioterapêutica no paciente com
a Doença de Alzheimer
22/11/2016Doença de Alzheimer
23
Benefícios da fisioterapia no paciente com Alzheimer
• Ajudar o indivíduo a movimentar-se mais livremente, mantendo
alguma autonomia e mobilidade para se mexer na cama, sentar ou
andar, por exemplo;
• Evitar que os músculos fiquem presos e atrofiados, que trazem
dores;
• Permitir a amplitude das articulações, para realizar as tarefas do dia-
a-dia;
• Evitar quedas e fraturas;
• Evitar dor nos músculos, ossos e tendões, que causam desconforto e
mal-estar.
Referências
22/11/2016Doença de Alzheimer
24
 ABRAZ-Associação Brasileira de Alzheimer. Disponível em: <http://abraz.org.br/sobre-
alzheimer/o-que-e-alzheimer>. Acesso em: 29 out. 2016.
 SERENIKI, Adriana; VITAL, Maria Aparecida Barbato Frazão. A doença de Alzheimer:
aspectos fisiopatológicos e farmacológicos. Curitiba, 2007. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/rprs/v30n1s0/v30n1a02s0.pdf>. Acesso em: 29 out. 2016
 Md. Saúde. Alzheimer. PINHEIRO, Pedro. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em:
<http://www.mdsaude.com/2011/03/mal-alzheimer.html> . Acesso em: 31 out. 2016.
 OLIVEIRA, Maria de Fátima; et al. Doença de Alzheimer. 2005. Disponível em:
<http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0032.PDF> . Acesso em: 31 out. 2016.
 ABRAZ. Alzheimer. Set2015. Disponível em: <http://abraz.org.br/sobre-
alzheimer/diagnostico> . Acesso em: 31 out. 2016.
Referências
22/11/2016Doença de Alzheimer
25
 SERENIKI, Adriana; VITAL, Maria Aparecida Barbato Frazão. A doença de Alzheimer:
aspectos fisiopatológicos e farmacológicos. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do
Sul, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rprs/v30n1s0/v30n1a02s0.pdf>.
Acesso em: 31 out. 2016.
 FORLENZA, Orestes V. Tratamento farmacológico da doença de Alzheimer. Revista
Psiquiatria Clínica. São Paulo, 2005 n.3, v.32, p.137-148. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/rpc/v32n3/a06v32n3>. Acesso em: 31 out. 2016.
 Fisioterapia para Alzheimer. Tua Saúde. PINHEIRO, Michelle da Costa. Jun, 2016. Rio de
Janeiro. Disponível em: <https://www.tuasaude.com/fisioterapia-para-alzheimer/>.
Acesso em 21 de out. 2016.
 Kottke, Frederic J.; Lehmann, Justus F. Tratado de Medicina Física e Reabilitação de
Krusen.. 4 Ed. São Paulo: Manole ,1994.
• Bruna Lays
• Fabiana Santos
• Isadora Clara
Paracatu – MG
2016
• Mikaelly Ferreira
• Welisson Porto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alzheimer - Uma Abordagem Humanizada
Alzheimer - Uma Abordagem HumanizadaAlzheimer - Uma Abordagem Humanizada
Alzheimer - Uma Abordagem Humanizada
Enfº Ícaro Araújo
 
Doença de alzheimer
Doença de alzheimerDoença de alzheimer
Doença de alzheimer
Anderson Santana
 
Esclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slidesEsclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slides
kmillaalves
 
Alzheimer ppt
Alzheimer pptAlzheimer ppt
Alzheimer ppt
Adrianne Mendonça
 
Mal de alzheimer
Mal de alzheimerMal de alzheimer
Mal de alzheimer
Aline Lima
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
DNAses
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
Vinicius Lopes
 
Doença de de parkinson
Doença de de parkinsonDoença de de parkinson
Doença de de parkinson
Isadora Oliveira
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Dr. Rafael Higashi
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
agemais
 
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESMESíndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Doença alzheimer
Doença alzheimerDoença alzheimer
Doença alzheimer
Isolete Bagatoli
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Andressa Macena
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Eryco Azevedo
 
Demencia
DemenciaDemencia
Demencia
1Rafael
 
Aula 1 alzheimer
Aula 1   alzheimerAula 1   alzheimer
Aula 1 alzheimer
Daniel Ribeiro
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Alzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementaresAlzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementares
Luciana Mateus
 
Esclerose multipla
Esclerose multiplaEsclerose multipla
Esclerose multipla
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Doença de parkison
Doença de parkisonDoença de parkison
Doença de parkison
hihdidushd
 

Mais procurados (20)

Alzheimer - Uma Abordagem Humanizada
Alzheimer - Uma Abordagem HumanizadaAlzheimer - Uma Abordagem Humanizada
Alzheimer - Uma Abordagem Humanizada
 
Doença de alzheimer
Doença de alzheimerDoença de alzheimer
Doença de alzheimer
 
Esclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slidesEsclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slides
 
Alzheimer ppt
Alzheimer pptAlzheimer ppt
Alzheimer ppt
 
Mal de alzheimer
Mal de alzheimerMal de alzheimer
Mal de alzheimer
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Doença de de parkinson
Doença de de parkinsonDoença de de parkinson
Doença de de parkinson
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
 
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESMESíndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 
Doença alzheimer
Doença alzheimerDoença alzheimer
Doença alzheimer
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Demencia
DemenciaDemencia
Demencia
 
Aula 1 alzheimer
Aula 1   alzheimerAula 1   alzheimer
Aula 1 alzheimer
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Alzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementaresAlzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementares
 
Esclerose multipla
Esclerose multiplaEsclerose multipla
Esclerose multipla
 
Doença de parkison
Doença de parkisonDoença de parkison
Doença de parkison
 

Semelhante a Doença de Alzheimer

Projeto famec criativa
Projeto famec criativaProjeto famec criativa
Projeto famec criativa
GraziSantos13
 
Doença de alzheimer
Doença de alzheimerDoença de alzheimer
Doença de alzheimer
Filipe Leal
 
Alzheimer
Alzheimer Alzheimer
Alzheimer
KarolaineSantos
 
Ng3-Doença de Alzheimer
Ng3-Doença de AlzheimerNg3-Doença de Alzheimer
Ng3-Doença de Alzheimer
AT
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Tatiane Ghisi Mendes
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
1193433844 alzheimer
1193433844 alzheimer1193433844 alzheimer
1193433844 alzheimer
Pelo Siro
 
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causas
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causasDoença de alzheimer na fisioterapia suas causas
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causas
RenataPinto44
 
SEMINÁRIO PATOLOGIAS DOENÇA DE ALZHEIMER -20.05.pptx
SEMINÁRIO PATOLOGIAS DOENÇA DE ALZHEIMER -20.05.pptxSEMINÁRIO PATOLOGIAS DOENÇA DE ALZHEIMER -20.05.pptx
SEMINÁRIO PATOLOGIAS DOENÇA DE ALZHEIMER -20.05.pptx
DangioWilliam
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
Pedui
 
doença de alzheimer.pptx
doença de alzheimer.pptxdoença de alzheimer.pptx
doença de alzheimer.pptx
SilviaLouro2
 
Demência: Alzheimer & Parkinson
Demência: Alzheimer & ParkinsonDemência: Alzheimer & Parkinson
Demência: Alzheimer & Parkinson
Helena13dias
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Doença de alzheimer
Doença de alzheimerDoença de alzheimer
Doença de alzheimer
BrendaMello7
 
Demência de Alzheimer HD
Demência de Alzheimer HDDemência de Alzheimer HD
Demência de Alzheimer HD
Jorge Almeida
 
OSTEOPOROSE - QUEDA -PRINCIPAIS SIND - EXATO.pptx
OSTEOPOROSE - QUEDA -PRINCIPAIS SIND - EXATO.pptxOSTEOPOROSE - QUEDA -PRINCIPAIS SIND - EXATO.pptx
OSTEOPOROSE - QUEDA -PRINCIPAIS SIND - EXATO.pptx
VivianePereira485260
 
Apresentação Alzheimer
Apresentação AlzheimerApresentação Alzheimer
Apresentação Alzheimer
Sérgio Franco - CDPI
 
Apresentação alzheimer
Apresentação alzheimerApresentação alzheimer
Apresentação alzheimer
Laboratório Sérgio Franco
 
Alzheimer grupo 1.docx
Alzheimer grupo 1.docxAlzheimer grupo 1.docx
Alzheimer grupo 1.docx
IsabelCristinaAlmeid5
 
demecia em idosos grupo 2.docx
demecia em idosos grupo 2.docxdemecia em idosos grupo 2.docx
demecia em idosos grupo 2.docx
IsabelCristinaAlmeid5
 

Semelhante a Doença de Alzheimer (20)

Projeto famec criativa
Projeto famec criativaProjeto famec criativa
Projeto famec criativa
 
Doença de alzheimer
Doença de alzheimerDoença de alzheimer
Doença de alzheimer
 
Alzheimer
Alzheimer Alzheimer
Alzheimer
 
Ng3-Doença de Alzheimer
Ng3-Doença de AlzheimerNg3-Doença de Alzheimer
Ng3-Doença de Alzheimer
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
 
1193433844 alzheimer
1193433844 alzheimer1193433844 alzheimer
1193433844 alzheimer
 
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causas
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causasDoença de alzheimer na fisioterapia suas causas
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causas
 
SEMINÁRIO PATOLOGIAS DOENÇA DE ALZHEIMER -20.05.pptx
SEMINÁRIO PATOLOGIAS DOENÇA DE ALZHEIMER -20.05.pptxSEMINÁRIO PATOLOGIAS DOENÇA DE ALZHEIMER -20.05.pptx
SEMINÁRIO PATOLOGIAS DOENÇA DE ALZHEIMER -20.05.pptx
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
 
doença de alzheimer.pptx
doença de alzheimer.pptxdoença de alzheimer.pptx
doença de alzheimer.pptx
 
Demência: Alzheimer & Parkinson
Demência: Alzheimer & ParkinsonDemência: Alzheimer & Parkinson
Demência: Alzheimer & Parkinson
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
 
Doença de alzheimer
Doença de alzheimerDoença de alzheimer
Doença de alzheimer
 
Demência de Alzheimer HD
Demência de Alzheimer HDDemência de Alzheimer HD
Demência de Alzheimer HD
 
OSTEOPOROSE - QUEDA -PRINCIPAIS SIND - EXATO.pptx
OSTEOPOROSE - QUEDA -PRINCIPAIS SIND - EXATO.pptxOSTEOPOROSE - QUEDA -PRINCIPAIS SIND - EXATO.pptx
OSTEOPOROSE - QUEDA -PRINCIPAIS SIND - EXATO.pptx
 
Apresentação Alzheimer
Apresentação AlzheimerApresentação Alzheimer
Apresentação Alzheimer
 
Apresentação alzheimer
Apresentação alzheimerApresentação alzheimer
Apresentação alzheimer
 
Alzheimer grupo 1.docx
Alzheimer grupo 1.docxAlzheimer grupo 1.docx
Alzheimer grupo 1.docx
 
demecia em idosos grupo 2.docx
demecia em idosos grupo 2.docxdemecia em idosos grupo 2.docx
demecia em idosos grupo 2.docx
 

Mais de Welisson Porto

Distrofia Muscular
Distrofia MuscularDistrofia Muscular
Distrofia Muscular
Welisson Porto
 
Doação de Órgãos
Doação de ÓrgãosDoação de Órgãos
Doação de Órgãos
Welisson Porto
 
Síndrome dos Ovários Policísticos
Síndrome dos Ovários PolicísticosSíndrome dos Ovários Policísticos
Síndrome dos Ovários Policísticos
Welisson Porto
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
Welisson Porto
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
Welisson Porto
 
Fisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato FuncionalFisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato Funcional
Welisson Porto
 
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e GeriátricasPrimeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Welisson Porto
 
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
Welisson Porto
 
Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)
Welisson Porto
 
Obesidade na Adolescência
Obesidade na AdolescênciaObesidade na Adolescência
Obesidade na Adolescência
Welisson Porto
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
Welisson Porto
 
Meningite Bacteriana
Meningite BacterianaMeningite Bacteriana
Meningite Bacteriana
Welisson Porto
 
Refluxo Gastroesofágico
Refluxo GastroesofágicoRefluxo Gastroesofágico
Refluxo Gastroesofágico
Welisson Porto
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
Welisson Porto
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Welisson Porto
 
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das TecnologiasTranstornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Welisson Porto
 
Parto Humanizado
Parto HumanizadoParto Humanizado
Parto Humanizado
Welisson Porto
 

Mais de Welisson Porto (17)

Distrofia Muscular
Distrofia MuscularDistrofia Muscular
Distrofia Muscular
 
Doação de Órgãos
Doação de ÓrgãosDoação de Órgãos
Doação de Órgãos
 
Síndrome dos Ovários Policísticos
Síndrome dos Ovários PolicísticosSíndrome dos Ovários Policísticos
Síndrome dos Ovários Policísticos
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Fisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato FuncionalFisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato Funcional
 
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e GeriátricasPrimeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
 
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
 
Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)
 
Obesidade na Adolescência
Obesidade na AdolescênciaObesidade na Adolescência
Obesidade na Adolescência
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Meningite Bacteriana
Meningite BacterianaMeningite Bacteriana
Meningite Bacteriana
 
Refluxo Gastroesofágico
Refluxo GastroesofágicoRefluxo Gastroesofágico
Refluxo Gastroesofágico
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
 
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das TecnologiasTranstornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
 
Parto Humanizado
Parto HumanizadoParto Humanizado
Parto Humanizado
 

Último

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 

Último (8)

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 

Doença de Alzheimer

  • 1. Prof. Esp. Vinicius Biulchi Paracatu – MG 2016
  • 2. • Bruna Lays • Fabiana Santos • Isadora Clara • Mikaelly Ferreira • Welisson Porto Paracatu – MG 2016
  • 3. Introdução 22/11/2016Doença de Alzheimer 3 A Doença de Alzheimer é uma doença do cérebro, degenerativa, isto é, que produz atrofia, progressiva, com início mais frequente após os 65 anos, que produz a perda das habilidades de pensar, raciocinar, memorizar, que afeta as áreas da linguagem e produz alterações no comportamento.
  • 4. Quando e como acontece o Alzheimer? O Alzheimer é caracterizado, histopatologicamente, pela perda sináptica e pela morte neuronal nas regiões cerebrais responsáveis pela função cognitivas, incluindo o córtex cerebral, o hipocampo, e o estriado ventral. As características histopatológicas presentes no parênquima cerebral dos pacientes portadores do Alzheimer incluem depósitos fibrilares amiloidais localizados nas paredes dos vasos sanguíneos e o acumulo de filamentos anormais da proteína TAU e consequente formação de novelos neurofibrilares (NFT), e perda neuronal e sináptica, ativação da glia e inflamação. 22/11/2016Doença de Alzheimer 4
  • 5. Quando e como acontece o Alzheimer? Pode-se ter a certeza do diagnostico só se for obtida por meio do exame microscópico do tecido cerebral do afetado após o seu falecimento. Antes disso, esse exame não é indicado, pois pode apresentar riscos ao paciente. Na pratica o diagnostico do Alzheimer é clinico, isso depende da avaliação feita pelo medico, que saberá a partir de exames e da historia do paciente, e qual a principal hipótese pelo surgimento do Alzheimer. 22/11/2016Doença de Alzheimer 5
  • 6. O que o Alzheimer causa? No Alzheimer, os neurônios e suas conexões se degeneram e morrem, causando a atrofia cerebral e declínio global na função mental. Apesar já possuir termos reconhecidos por diversos fatores de risco, a causa exata do mal de Alzheimer ainda é um mistério para todos. 22/11/2016Doença de Alzheimer 6 Pode se dizer que o acumulo nos neurônios de uma proteína chamada beta AMILOIDE e outra chamada TAU, que se da o fator responsável pelo desencadeamento da doença.
  • 7. O que o Alzheimer causa? 22/11/2016Doença de Alzheimer 7
  • 8. 22/11/2016Doença de Alzheimer 8 • Estágio Inicial • Estágio Intermediário • Estágio Avançado
  • 9.  Ter problemas com a propriedade da fala (problemas de linguagem).  Ter perda significativa de memória – particularmente das coisas que acabam de acontecer.  Não saber a hora ou o dia da semana.  Ficar perdida em locais familiares.  Ter dificuldade na tomada de decisões.  Ficar inativa ou desmotivada.  Apresentar mudança de humor, depressão ou ansiedade.  Reagir com raiva incomum ou agressivamente em determinadas ocasiões.  Apresentar perda de interesse por hobbies e outras atividades. 22/11/2016Doença de Alzheimer 9 O estágio inicial raramente é percebido. Parentes e amigos (e, às vezes, os profissionais) veem isso como "velhice", apenas uma fase normal do processo do envelhecimento. Como o começo da doença é gradual, é difícil ter certeza exatamente de quando a doença começa. A pessoa pode:
  • 10.  Pode ficar muito desmemoriada, especialmente com eventos recentes e nomes das pessoas.  Pode não gerenciar mais viver sozinha, sem problemas.  É incapaz de cozinhar, limpar ou fazer compras.  Pode ficar extremamente dependente de um membro familiar e do cuidador.  Necessita de ajuda para a higiene pessoal, isto é, lavar-se e vestir-se.  A dificuldade com a fala avança.  Apresenta problemas como perder-se e de ordem de comportamento, tais como repetição de perguntas, gritar, agarrar-se e distúrbios de sono.  Perde-se tanto em casa como fora de casa.  Pode ter alucinações (vendo ou ouvindo coisas que não existem). 22/11/2016Doença de Alzheimer 10 Como a doença progride, as limitações ficam mais claras e mais graves. A pessoa com demência tem dificuldade com a vida no dia a dia e:
  • 11.  Ter dificuldades para comer.  Ficar incapacitada para comunicar-se.  Não reconhecer parentes, amigos e objetos familiares.  Ter dificuldade de entender o que acontece ao seu redor.  É incapaz de encontrar o seu caminho de volta para a casa.  Ter dificuldade para caminhar.  Ter dificuldade na deglutição.  Ter incontinência urinária e fecal.  Manifestar comportamento inapropriado em público.  Ficar confinada a uma cadeira de rodas ou cama. 22/11/2016Doença de Alzheimer 11 O estágio avançado é o mais próximo da total dependência e da inatividade. Distúrbios de memória são muito sérios e o lado físico da doença torna-se mais óbvio. A pessoa pode:
  • 12. Fisiopatologia A Doença de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa que macroscopicamente há atrofia predominante cortical. Microscopicamente, há a diminuição de neurônios e de sinapses. Na DA, a morte neuronal aparece como um fator independente, assim como consequência da agregação anormal de proteínas. A presença de proteínas anômalas na DA podem desencadear o estresse oxidativo, que leva à injuria mitocondrial. Em seguida ocorreria a falência das mitocôndrias que levaria a perda sináptica e morte celular. 22/11/2016Doença de Alzheimer 12
  • 13. Fisiopatologia Outro fator que caracteriza a fisiopatologia da Doença de Alzheimer, é o acúmulo de Proteínas Beta Amiloides (AB) que é um polipeptídio de 42 a 43 aminoácidos, hidrolisada pela proteína PPA e expressada em todos os neurônios. Mesmo com sua atuação desconhecida, a AB pode servir como um receptor para um ligante não identificado. 22/11/2016Doença de Alzheimer 13 Quando ocorre a DA, há o aumento dessa AB devido a uma clivagem proteolítica, que diminui sua concentração e consequentemente afeta sua função de hidrolisar a AB fica defasada.
  • 14. Tratamento Farmacológico O primeiro nível é a terapêutica específica, que reverte todos os processos patofisiológicos que levam à demência e à morte neuronal, O segundo é a abordagem profilática, que tem como objetivo atrasar a demência ou prevenir que ocorra agravamento; 22/11/2016Doença de Alzheimer 14 A Doença de Alzheimer tem um tratamento farmacológico que pode ser dividido em quatro níveis:
  • 15. Tratamento Farmacológico O terceiro é o tratamento sintomático, que restaura todas as capacidades cognitivas, mesmo que temporariamente, as habilidades funcionais e o comportamento dos portadores de demência; E o ultimo nível é a terapêutica complementar, que busca o tratamento de distúrbios e doenças não cognitivas como depressão, agressividade, psicose e outras. 22/11/2016Doença de Alzheimer 15
  • 16. A abordagem fisioterapêutica no paciente com a Doença de Alzheimer 22/11/2016Doença de Alzheimer 16
  • 17. A abordagem fisioterapêutica no paciente com a Doença de Alzheimer A fisioterapia busca evitar possíveis quedas com a fortificação dos músculos do paciente, prevenir os danos motores e possibilitar a independência. A fisioterapia faz com que o portador da Doença de Alzheimer se torne mais ativo, evitando assim, o aparecimento de escaras por pressão ou infecções respiratórias por permanecerem muito tempo deitados. 22/11/2016Doença de Alzheimer 17
  • 18. Escaras por pressão? Úlceras... Em pacientes com Alzheimer? 22/11/2016Doença de Alzheimer 18
  • 20. A abordagem fisioterapêutica no paciente com a Doença de Alzheimer O apoio da família do paciente é fundamental para que a pessoa tenha bons resultados no tratamento da doença. Tarefas diárias como ler e escrever se tornam atividades difíceis e progressivamente o paciente com Doença de Alzheimer vai perdendo a capacidade de coordenação, de executar tarefas motoras simples, como se vestir, tomar banho ou se alimentar, com a piora dos sintomas, o paciente passa a não reconhecer seus amigos e familiares. 22/11/2016Doença de Alzheimer 20
  • 21. 22/11/2016Doença de Alzheimer 21 O apoio da família do paciente é fundamental...
  • 22. A abordagem fisioterapêutica no paciente com a Doença de Alzheimer O papel da fisioterapia é proporcionar autonomia à pessoa com Mal de Alzheimer e trabalhar o funcionamento do sistema respiratório, que são fala, respiração, expansão e mobilidade torácica. 22/11/2016Doença de Alzheimer 22
  • 23. A abordagem fisioterapêutica no paciente com a Doença de Alzheimer 22/11/2016Doença de Alzheimer 23 Benefícios da fisioterapia no paciente com Alzheimer • Ajudar o indivíduo a movimentar-se mais livremente, mantendo alguma autonomia e mobilidade para se mexer na cama, sentar ou andar, por exemplo; • Evitar que os músculos fiquem presos e atrofiados, que trazem dores; • Permitir a amplitude das articulações, para realizar as tarefas do dia- a-dia; • Evitar quedas e fraturas; • Evitar dor nos músculos, ossos e tendões, que causam desconforto e mal-estar.
  • 24. Referências 22/11/2016Doença de Alzheimer 24  ABRAZ-Associação Brasileira de Alzheimer. Disponível em: <http://abraz.org.br/sobre- alzheimer/o-que-e-alzheimer>. Acesso em: 29 out. 2016.  SERENIKI, Adriana; VITAL, Maria Aparecida Barbato Frazão. A doença de Alzheimer: aspectos fisiopatológicos e farmacológicos. Curitiba, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rprs/v30n1s0/v30n1a02s0.pdf>. Acesso em: 29 out. 2016  Md. Saúde. Alzheimer. PINHEIRO, Pedro. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: <http://www.mdsaude.com/2011/03/mal-alzheimer.html> . Acesso em: 31 out. 2016.  OLIVEIRA, Maria de Fátima; et al. Doença de Alzheimer. 2005. Disponível em: <http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0032.PDF> . Acesso em: 31 out. 2016.  ABRAZ. Alzheimer. Set2015. Disponível em: <http://abraz.org.br/sobre- alzheimer/diagnostico> . Acesso em: 31 out. 2016.
  • 25. Referências 22/11/2016Doença de Alzheimer 25  SERENIKI, Adriana; VITAL, Maria Aparecida Barbato Frazão. A doença de Alzheimer: aspectos fisiopatológicos e farmacológicos. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rprs/v30n1s0/v30n1a02s0.pdf>. Acesso em: 31 out. 2016.  FORLENZA, Orestes V. Tratamento farmacológico da doença de Alzheimer. Revista Psiquiatria Clínica. São Paulo, 2005 n.3, v.32, p.137-148. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rpc/v32n3/a06v32n3>. Acesso em: 31 out. 2016.  Fisioterapia para Alzheimer. Tua Saúde. PINHEIRO, Michelle da Costa. Jun, 2016. Rio de Janeiro. Disponível em: <https://www.tuasaude.com/fisioterapia-para-alzheimer/>. Acesso em 21 de out. 2016.  Kottke, Frederic J.; Lehmann, Justus F. Tratado de Medicina Física e Reabilitação de Krusen.. 4 Ed. São Paulo: Manole ,1994.
  • 26. • Bruna Lays • Fabiana Santos • Isadora Clara Paracatu – MG 2016 • Mikaelly Ferreira • Welisson Porto