Anatomia do sistema nervoso periférico

2.468 visualizações

Publicada em

Aula 3 da disciplina Anatomia Humana I (UEPA/Marabá, Biomedicina, 2015)

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.468
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anatomia do sistema nervoso periférico

  1. 1. Neuroanatomia do SNP Neuroanatomia II Prof. Dr. Caio Maximino Marabá/PA - 2015
  2. 2. Neuroanatomia do SNP Topografia vertebromedular ● As raízes aferentes e eferentes formam segmentos medulares, organizados em relação com os processos espinhosos das vértebras: – Entre os níveis das vértebras C2 e T10, adiciona-se 2 ao número do processo espinhoso da vértebra e têm-se o número do segmento medular subjacente – Aos processos espinhosos das vértebras T11 e T12 correspondem os cinco segmentos lombares – O processo espinhoso de L1 correspondem aos cinco segmentos sacrais ● Funcionalmente, os segmentos medulares inervam miótomos e dermátomos Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  3. 3. Neuroanatomia do SNP Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  4. 4. Neuroanatomia do SNP Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  5. 5. Neuroanatomia do SNP Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  6. 6. Neuroanatomia do SNP Terminações nervosas sensoriais ● Classificação morfológica – Especiais (neuroepitélio) ● Células ciliadas internas ● Fotorreceptores ● Papilas gustativas ● Epitélio olfatório – Gerais ● Livres (perdem sua bainha de mielina na terminação) ● Encapsulados (ramificação da extremidade do axônio no interior de uma cápsula conjuntiva) – Corpúsculos de Meissner (tato e pressão) – Corpúsculos de Ruffini (tato e pressão) – Corpúsculos de Vater-Paccini (sensibilidade vibratória) – Fusos neuromusculares (retroalimentação para o tônus muscular) – Órgãos neurotendinosos de Golgi (informam ao SNC a tensão exercida pelo m) Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  7. 7. Neuroanatomia do SNP Terminações nervosas sensoriais ● Classificação fisiológica – Quimiorreceptores – Sensíveis a estímulos químicos (i.e., concentração); p. ex., odorantes, estímulos gustatórios, concentração de O2 circulante – Osmorreceptores – Sensíveis à variação de pressão osmótica – Fotorreceptores – Sensíveis à luz – Termorreceptores – Sensíveis à temperatura – Nociceptores – Sensíveis à lesão tecidual, causando a sensação subjetiva de dor – Mecanorreceptores – Sensíveis a estímulos mecânicos; p. ex., céls ciliadas, órgão de Corti, barorreceptores, fusos neuromusculares, órgãos neurotendinosos, receptores cutâneos Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  8. 8. Neuroanatomia do SNP Terminações nervosas sensoriais ● Classificação anatômica (Sherrington) – Exteroceptores – Localizam-se na superfície do corpo; ativados por agentes externos – Visceroceptores – Localizados nas vísceras e vasos; dão origem a sensações viscerais pouco localizadas – Proprioceptores – Localizados nos músculos, tendões, ligamentos e cápsulas articulares; regulam a atividade muscular consciente ou inconscientemente Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  9. 9. Neuroanatomia do SNP Terminações nervosas efetoras ● Somáticas – Terminam na placa motora – Liberam acetilcolina ● Viscerais – Terminam em glândulas, m liso ou m cardíaco – Liberam acetilcolina (parassimpático), noradrenalina (simpático), ou outro neurotransmissor (NANC) Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  10. 10. Neuroanatomia do SNP Nervos espinhais cervicais: Ramos dorsais Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA ● Nervo suboccipital (A14.2.02.007): emerge superior ao arco posterior do atlas e inferior à artéria vertebral; inerva os mm retos posteriores maior e menor da cabeça, oblíquos superior e inferior e semi-espinhal da cabeça ● Nervo occipital maior e menor (A14.2.02.008 & A14.2.02.017): ramos medial e lateral do segundo ramo; emergem entre o arco posterior do atlas e a lâmina do axis; inervam a pele do couro cabeludo até o vértice do crânio, m. semi-espinhal (medial), mm. esplênio, longuíssimo da cabeça (lateral) ● Terceiro nervo occipital (A14.2.02.009): emerge idem; inerva a pele da parte inferior da região occipital ● Ramos dos cinco nervos inferiores tbm dividem-se em medial e lateral – Mediais inervam mm. semi-espinhal do pescoço, semi-espinhal da cabeça, multífido, e interespinhais – Laterais inervam os mm. iliocostal do pescoço, longuíssimo do pescoço e longuíssimo da cabeça
  11. 11. Neuroanatomia do SNP Ramos dorsais cervicais Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Netter, 2000
  12. 12. Neuroanatomia do SNP Nervos espinhais cervicais: Plexo cervical (A14.2.02.012) Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA ● Formado pelos ramos ventrais dos 4 nn. cervicais superiores ● Inerva alguns músculos do pescoço, diafragma e áreas da pele na cabeça, pescoço e tórax ● Cada ramo anastomosa-se como subsequente, formando 3 alças de convexidade lateral das quais derivam os ramos das partes superficial e profunda ● Parte superficial: Constituída por fibas sensoriais; feixe que aparece na borda posterior do m esternocleidomastóideo, inervando pele da região circunvizinha, pavilhão da orelha, pele do pescoço, e região próxima à clavícula ● Parte profunda: fibras motoras; inervam musculatura ântero-lateral do pescoço e diafragma; forma a alça cervical e o nervo frênico.
  13. 13. Neuroanatomia do SNP Nervos espinhais cervicais: Ramos dorsais Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA ● Nervo suboccipital (A14.2.02.007): emerge superior ao arco posterior do atlas e inferior à artéria vertebral; inerva os mm retos posteriores maior e menor da cabeça, oblíquos superior e inferior e semi-espinhal da cabeça ● Nervo occipital maior e menor (A14.2.02.008 & A14.2.02.017): ramos medial e lateral do segundo ramo; emergem entre o arco posterior do atlas e a lâmina do axis; inervam a pele do couro cabeludo até o vértice do crânio, m. semi-espinhal (medial), mm. esplênio, longuíssimo da cabeça (lateral) ● Terceiro nervo occipital (A14.2.02.009): emerge idem; inerva a pele da parte inferior da região occipital ● Ramos dos cinco nervos inferiores tbm dividem-se em medial e lateral – Mediais inervam mm. semi-espinhal do pescoço, semi-espinhal da cabeça, multífido, e interespinhais – Laterais inervam os mm. iliocostal do pescoço, longuíssimo do pescoço e longuíssimo da cabeça
  14. 14. Neuroanatomia do SNP Ramos do plexo cervical Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Netter, 2000
  15. 15. Neuroanatomia do SNP Ramos do plexo cervical ● Alça cervical – Raíz superior: atinge o nervo hipoglosso quando este desce do pescoço – Raíz inferior: desce alguns centímetros lateralmente à veia jugular interna, curvando-se depois para a frente e anatomosando-se com a raiz superior – Emite ramos que inervam todos os mm infra-hióideos ● Nervo frênico: – Formado por fibras motoras que deriva de C3-C5 – Desce pela frente do m escaleno anterior – Percorre o pericárdio e se distribui no diafragma ● Com exceção do 1º ramo, todos dividem-se em partes ascendentes e descendentes ● As partes se unem em alças comunicantes Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  16. 16. Neuroanatomia do SNP Nervo frênico (A14.2.02.028) Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Netter, 2000
  17. 17. Neuroanatomia do SNP Ramos do plexo cervical ● Superficiais ascendentes – Nervo occipital menor (C2): Inerva a pele da região posterior ao pavilhão da orelha – Nervo auricular magno (C2 e C3): Ramo anterior inerva a pele da face sobre a glândula parótida, comunicando-se com o nervo facial; ramo posterior inerva a pele sobre o processo mastóideo e sobre o dorso do pavilhão da orelha – Nervo transverso do pescoço (C2 e C3): Ramo ascendente forma um plexo com o ramo cervical do nervo facial; os ramos descendentes inervam pele do pescoço até a parte inferior do esterno Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA ● Superficiais descendentes – Nervos supraclaviculares mediais (C3 e C4): Inervam a pele até a linha mediana, parte inferior da segunda costela e articulação esternoclavicular – Nervos supraclaviculares intermédios: Inervam a pele sobre os m peitoral maior e deltóide – Nervos supraclaviculares laterais: Inervam a pele das partes superiores e posteriores do ombro
  18. 18. Neuroanatomia do SNP Ramos do plexo cervical ● Ramos profundos – Séries mediais – Comunicam-se com o hipoglosso, vago e simpático – Ramos musculares inervam os mm reto lateral da cabeça (C1, retor anterior da cabeça (C1 e C2), longo da cabeça (C1-C3), longo do pescoço (C2-C4), raiz inferior da alça cervical (C2 e C3), infra-hióideos e nervo frênico (C3-C5) ● Ramos profundos – Séries laterais – Comunicam-se com as raízes espinhais do nervo acessório (C2-C4) no m esternocleidomastóideo, trígono posterior do pescoço e parte posterior do trapézio – Ramos musculares distribuiídos para os m, esternocleidomastóideo (C2- C4), trapézio (C2 e C3), levantador da escápula (C3 e C4) e escaleno médio (C3 e C4) Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  19. 19. Neuroanatomia do SNP Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Ramos do plexo cervical Netter, 2000
  20. 20. Neuroanatomia do SNP Nervos espinhais torácicos: Ramos dorsais ● Dividem-se em medial e lateral ● Cada ramo medial corre entre a articulação e as margens mediais do ligamento costo-transversário superior e o m intertransversal ● Cada ramo lateral corre no intervalo entre o ligamento e o m intertransversal e então inclina-se posteriormente sobre o lado medial do m levantador da costela Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  21. 21. Neuroanatomia do SNP Ramos dorsais dos espinhais torácicos Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Netter, 2000
  22. 22. Neuroanatomia do SNP Ramos dorsais dos espinhais torácicos Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Netter, 2000
  23. 23. Neuroanatomia do SNP Plexo braquial (A14.2.03.001) ● Inerva os membros superiores ● Formado por ramos anteriores de C5-C8 e de T1. ● Localização lateral à coluna cervical; situa-se entre os mm escalenos anterior e médio, posterior e lateralmente ao m esternocleidomastoideo Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  24. 24. Neuroanatomia do SNP Plexo braquial Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Netter, 2000
  25. 25. Neuroanatomia do SNP Plexo braquial Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Netter, 2000
  26. 26. Neuroanatomia do SNP Nervos torácicos ● 12 pares de ramos ventrais dos nervos torácicos ● NÃO FORMAM PLEXOS ● Quase todos situados entre as costelas (intercostais); 12º abaixo da última costela Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  27. 27. Neuroanatomia do SNP Nervos torácicos Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Netter, 2000
  28. 28. Neuroanatomia do SNP Nervos espinhais lombares: Ramos dorsais ● Passam para trás em posição medial aos mm intertransversários, dividindo-se em ramos medial e lateral ● Ramos mediais correm próximo dos processos articulares das vértebras, terminando no m multífido ● Os 3 superiores dão origem aos nn cutâneos que inervam a pele da região glútea Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  29. 29. Neuroanatomia do SNP Nervos espinhais lombares: Plexo lombar (A14.2.07.002) ● Situado na parte posterior do m psoas maior ● Formado pelos ramos ventrais de L1-L3 e pela maior parte de L4, assim como um ramo anastomótico de T12 ● L1 recebe o ramo de T12 e depois fornece 3 ramos, o n íleo-hipogástrico, o n íleo-inguinal e a raiz superior do n genitofemoral ● L2 se trifurca, dando origem à raiz inferior do n genitofemoral, à raiz superior do n cutâneo lateral da coxa, e à raiz superior do n femoral ● L3 origina a raiz inferior do n cutâneo lateral da coxa, a raiz média do n femoral, e a raiz superior do n obturatório ● L4 origina o ramo anastomótico a L5 e depois se bifurca na raiz inferior do n femoral e raiz inferior do n obturatório Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  30. 30. Neuroanatomia do SNP Plexo lombar Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  31. 31. Neuroanatomia do SNP Nervos espinhais sacrais: Plexos ventrais Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA ● Os ramos ventrais dos n sacrais e coccígeos forma os plexos de mesmo nome. Os ramos ventrais dos 4 sacrais superiores penetram na pelve através dos forames sacrais anteriores, o quinto nervo penera entre o sacro e o cóccix, e os coccígeos abaixo do cóccix ● Cada ramo ventral recebe um ramo comunicante cinzento proveniente de um g simpático correspondente ● Os ramos viscerais eferentes provém de S2-S4 como nervos esplâncnicos pélvicos que contém fibras parassimpáticas ● O plexo sacral tem organização simples – Tronco lombossacral – ramo anastomótico de L4 une-se com L5; o tronco se une com S1 e depois de S2- S4 – Ramos colaterais após atravessar o forame isquiático maior; se resolvem no nervo isquiático. – Ramos para os m da região glútea: n glúteo superior (L4, L5, S1) e inferior (L5, S1, S2) – Ramos sensititvos para a região glútea: n cutâneo posterior – Ramos para o períneo: n pudendo (S2-S4)
  32. 32. Neuroanatomia do SNP Plexo lombossacral (A14.2.07.001) Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  33. 33. Neuroanatomia do SNP Plexo coccígeo (A14.2.07.044) Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA ● Formado por – Pequeno ramo descendente do ramo ventral de S4 – Ramos ventrais de S5 – Nervo coccígeo ● Inerva a pele da região do cóccix
  34. 34. Neuroanatomia do SNP Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Par craniano Origem aparente no encéfalo Origem aparente no crânio Função I – N. olfatório A14.2.01.005 Bulbo olfatório Lâmina crivosa do osso etmóide Sensorial II – N. óptico A14.2.01.006 Quiasma óptico Canal óptico Sensorial III – N. oculomotor A14.2.01.007 Sulco medial do pedúnculo cerebral Fissura orbital superior Motor IV – N. troclear A14.2.01.011 Véu medular superior Fissura orbital superior Motor V – N. trigêmeo A14.2.01.012 Entre a ponte e o pedúnculo cerebelar médio Fissura orbital superior (oftálmico); forame redondo (maxilar); forame oval (mandibular) Duas VI – N. abducente A14.2.01.098 Sulco bulbo-pontino Fissura orbital superior Motor VII – N. facial A14.2.01.099 Sulco bulbo-pontino (lateral ao VI) Forame estilomastóideo Duas VIII – N. vestibulococlear A14.2.01.121 Sulco bulbo-pontino (lateral ao VIII) Penetra no osso temporal pelo meato acústico interno Sensorial IX – N. glossofaríngeo A14.2.01.135 Sulco lateral posterior do bulbo Forame jugular Duas X – N. vago A14.2.01.153 Sulco lateral posterior do bulbo Forame jugular Duas XI – N. acessório A14.2.01.184 Sulco lateral posterior do bulbo Forame jugular Motor XII – N. hipoglosso A14.2.01.191 Sulco lateral anterior do bulbo Canal do hipoglosso Motor
  35. 35. Neuroanatomia do SNP Nervos cranianos Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA II III IV
  36. 36. Neuroanatomia do SNP Nervos cranianos Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA VI II III IV V VII VIII
  37. 37. Neuroanatomia do SNP Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Nervos cranianos
  38. 38. Neuroanatomia do SNP Par de nervos Achados clínicos I – Olfatório Anosmia II – Óptico Cegueira/anormalidades do campo visual, perda da constrição pupilar III – Oculomotor Pupila dilatada; ptose; perda de reflexo fotomotor normal; olho move-se para baixo inferior e lateralmente IV – Troclear Incapacidade de olhar para baixo quando o olho é abduzido V – Trigêmeo Perda da sensibilidade tátil e dolorosa na região inervada pelas 3 divisões; perda da função motora dos mm da mastigação no lado da lesão VI – Abducente Incapacidade para o movimento lateral do olho VII - Facial Paralisia dos mm faciais abaixo do olho; sensibilidade gustatória anormal nos 2 terços anteriores da língua; conjuntivas secas; paralisia dos mm faciais contralaterais abaixo do olho VIII - Vestibulococlear Perda auditiva unilteral progressiva e tinido na orelha IX - Glossofaríngeo Perda da gustação no terço posterior da língua e da sensibilidade no palato mole X - Vago Desvio do palato mole com desvio da úvula para o lado normal; paralisia da prega vocal XI – Acessório Paralisia do m esternocleidomastóideo e trapézio XII – Hipoglosso Atrofia dos mm ipsilaterais da língua e desvio para o lado afetado Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  39. 39. Neuroanatomia do SNP Nervos cranianos observáveis na órbita Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA II III IV V VI
  40. 40. Neuroanatomia do SNP Nervo trigêmeo Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Oftálmico (V1 ) Maxilar (V2 ) Mandibular (V3 ) Gânglio trigeminal
  41. 41. Neuroanatomia do SNP Organização do nervo facial Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA a – ramo temporal b – ramos zigomáticos c – ramos bucais d – ramo marginal da mandíbula
  42. 42. Neuroanatomia do SNP Nervos glossofaríngeo, vago e hipoglosso Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA IX X X XII
  43. 43. Neuroanatomia do SNP Organização geral do SNA ● Neurônios, gânglios e plexos situados na cabeça, tórax, abdome e pélvis, assim como as conexões axonais desses neurônios ● Inervam glândulas de secreção exócrina, coração, m liso de paredes de vasos e órgãos do trato GI, sistema respiratório e geniturinário, mm da íris e corpo ciliar ● Junto com as vias motoras somáticas que inervam os mm esqueléticos e vias neuroendócrinas, são a forma como o SNC manda comandos para o resto do corpo Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  44. 44. Neuroanatomia do SNP Divisões do SNA Receptor ionotrópico; despolarização rápida Receptores metabotrópicos; despolarização lenta, efeitos celulares Inibição pré- sináptica recíproca Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  45. 45. Neuroanatomia do SNP SNC SNA→ ● Os nrns pré-ganglionares para o SNA se localizam no tronco encefálico e em regiões da medula espinhal. ● A saída simpática é controlada pelo bulbo raquidiano, ponte e hipotálamo (n. paraventricular, n. ventromedial). ● A saída parassimpática é controlada pelo bulbo, ponte e hipotálamo lateral Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  46. 46. Neuroanatomia do SNP Sistema nervoso simpático (A14.3.01.001) Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  47. 47. Neuroanatomia do SNP Ramo simpático: Medula espinhal e gânglios ● Os corpos celulares dos neurônios pré-ganglionares do ramo simpático estão localizados nas colunas de células intermediolaterais ● Os corpos celulares dos neurônios pós-ganglionares estão em dois lugares – Gânglios paravertebrais – Ligam-e para formar as cadeias simpáticas direita e esquerda – Gânglios pré-vertebrais – Situam-se nos pexs que circundam a origem dos ramos pricipais da aorta abdominal Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Moore e Dalley, 2001
  48. 48. Neuroanatomia do SNP Cursos tomados pelas fibras motoras simpáticas ● As fibras pré-ganglionares seguem 1 de 3 caminhos possíveis 1)Entram no gânglio paravertebral e fazem sinapse com o neurônio pós-ganglionar 2)Sobem e descem no tronco simpático para fazer sinapse em um gânglio paravertebral superior ou inferior 3)Passam através do tronco simpático sem fazer sinapse, percorrendo até um gânglio pré-vertebral Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA Moore e Dalley, 2001
  49. 49. Neuroanatomia do SNP Sistema nervoso parassimpático (A14.3.02.001) Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA
  50. 50. Neuroanatomia do SNP Sistema nervoso parassimpático Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA ● Corpos celulares do neurônio pré-ganglionar em duas regiões – Efluxo parassimpático craniano: Substância cinzenta do tronco encefálico; fibras saem pelos nervos cranianos III, VII, IX e X – Efluxo parassimpático sacral: Substância cinzenta de S2-S4; fibras saem pelas raízes anteriores dos nervos S2- S4 e nervos esplâncnicos pélvicos ● Inervação das vísceras torácica e abdominal pelo nervo vago
  51. 51. Neuroanatomia do SNP Funções gerais do SNA Nervos cranianos Nervos espinhais Segmentos medulares SNA

×