SlideShare uma empresa Scribd logo
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
 Ou Apoplexia, quando é estabelecido de maneira persistência
uma disfunção neurológica, que dura mais de 24h e resulta de ruptura
do suprimento sanguíneo para o cérebro, indicando o infarto em lugar da
isquemia;
 Acidente vascular cerebral ou encefálico, popularmente conhecido
como “derrame”, é o resultado da insuficiência do suprimento sangüíneo
a uma determinada área do cérebro.
 Os AVC’s podem ser isquêmicos e hemorrágicos.
 AVC ISQUÊMICO: Falta de circulação numa área do cérebro provocada por
obstrução de uma ou mais artérias. Em geral ocorre em pessoas mais velhas, com
comorbidades ( HAS, DM, fumantes, problemas vasculares);
 AVC HEMORRÁGICO: Sangramento cerebral provocado pelo rompimento de
uma artéria ou vaso sanguíneo, em virtude de HAS, doenças hematológicas ou
traumatismos. Podem ocorrer em pessoas mais jovens e a evolução é mais grave.
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
 Oclusão parcial ou completa de um vaso sanguíneo cerebral resultante da
trombose cerebral ou embolia;
 Isquemia relacionada ao fluxo sanguíneo diminuído para uma área do cérebro
secundário a doença sistêmica
 Hemorragia que ocorre fora da dura-máter, no espaço subaracnóide ou no espaço
intracerebral;
 Os fatores de risco de: HAS, DM, obesidade, estenose de carótica, tabagismo...
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
 Variam conforme a área cerebral afetada, ocasionando geralmente sintomas
múltiplos
 Cefaléia súbita
 Dormência ( parestesia), fraqueza (paralisia) ou perda da capacidade motora
( plegia)
 Disfagia
 Afasia
 Dificuldade visuais
 Capacidade cognitivas alteradas
 Déficit de auto-cuidado
 Perda repentina da força muscular e/ou da visão;
 Dificuldade de comunicação oral;
 Tonturas;
 Formigamento num dos lados do corpo;
 Alterações da memória.
Algumas vezes, esses sintomas podem ser transitórios - Ataque
Isquêmico Transitório (AIT). Nem por isso deixam de exigir cuidados
médicos imediatos.
Perda repentina da força muscular e/ou da visão;
Dificuldade de comunicação oral;
Tonturas;
Formigamento num dos lados do corpo;
Alterações da memória.
Dor de cabeça;
Edema cerebral;
Aumento da pressão intracraniana;
Náuseas e vômitos;
Déficits neurológicos semelhantes aos provocados pelo
acidente vascular isquêmico.
 Pneumonia por aspiração;
 Espasticidade (contraturas);
 TVP – Tromboso Venosa Profunda: É a formação de um trombo nas grandes
veias da perna no nível ou acima do joelho (ex.veias poplítea, femoral e ilíaca)
 TEP - Tromboembolismo Pulmonar: é a impactação de um trombo no leito
arterial pulmonar
 Pós-AVC: distúrbios psiquiátricos ( depressão, transtorno bipolar e outros).
 USG DE CARÓTIDAS
 TC DE CRÂNIO
 ANGIOGRAFIA CEREBRAL
 RNM
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
 Suporte hemodinâmico;
 Terapia tromboembolítica e vasodilatadores;
 Controle da PIC;
 Anticoagulação após hemorragia excluída;
 Programa de reabilitação – Fisioterapia, Fono e T.O.;
 Uso de antidepressivos;
 Repouso absoluto
INDICAÇÃO DO USO DO
TROMBOLÍTICO:
1.Acidente Vascular Cerebral
Isquêmico
2.Infarto Agudo do Miocárdio
3.Embolia Pulmonar Maciça
Avaliação neurológica rigorosa e criteriosa;
Monitorar as funções intestinais e da bexiga;
Monitorar a eficácia da terapia com anticoagulante;
Avaliação psicossocial e auto-cuidado.
 Risco de lesão relacionado aos déficits neurológicos;
 Mobilidade física comprometida;
 Processos de raciocínio alterado;
 Comunicação verbal comprometida;
 Déficit nos cuidados pessoais;
 Nutrição alterada para menos que as necessidades corporais;
 Eliminação urinária e fecal comprometida.
Prevenção de quedas e lesões;
Prevenção de complicações da imobilidade;
Facilitação da comunicação e independência ;
Promovendo ingesta oral prejudicada;
Educação e manutenção da saúde.
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
É a inflamação das meninges, as membranas que revestem o
cérebro e medula espinhal.
Os organismos patogênicos atravessam a barreira
hematoencefálica,
Podem ser bacterianas ou virais
Período de incubação – 3 a 10 dias
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
 Incidência de 3:100.000 casos/ ano por Streptococcus pneumoniae;
 Outros agentes: Neisseria meningitides, Escherechia coli...
 As meningites por criptococos e Cândida são infecções oportunistas >
AIDS;
 Adquirida em hospital, através das neurocirurgias;
 Pacientes com sinusite, otite média aguda, pneumonia, alcoolismo,
cirrose...
Cefaléia
Febre
Estado mental alterado > confusão mental;
Erupções purpúricas ou petéquias;
Fotofobia;
Rigidez de nuca ou fontanela abaulada (RN);
Sinais de Kernig ( incapaz de estender o joelho) e Brudzinski
Má alimentação, padrões respiratórios alterados e inquietação
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Sinal de Brudzinski
 Surdez, déficit de aprendizagem, espasticidade, paresia
(crianças);
 Aumento da PIC- Pressão Intracraniana;
 Convulsões;
 Coma e morte.
Exames Laboratoriais: HC (leucócitos);
Hemoculturas;
Análise de LCR (punção lombar);
TC e RNM
Isolamento – quarto separado – máscara, avental e luvas em contato
com secreção.
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
É farmacológico e específico para cada agente etiológico
(bactérias/ vírus/fungos);
Farmacoterapia para sintomáticos;
Obter história de infecções recentes, como infecção
respiratória;
Avaliar estado neurológico;
Avaliar sinais de irritação meníngea.
Isolamento
 Hipertermia relacionada ao processo infeccioso e edema cerebral;
 Risco de déficit de volume hídrico relacionado à febre e à ingesta diminuída;
 Perfusão tecidual cerebral alterada que se relaciona ao processo infeccioso e ao
edema cerebral;
 Dor ligada a irritação meníngea;
 Mobilidade física comprometida relacionada ao repouso prolongado no leito
 Redução da febre e dor;
 Manter o equilíbrio hídrico;
 Atentar para a perfusão cerebral;
 Promovendo o retorno ao melhor nível de funcionamento;
 Orientações de cuidado e auto-cuidado;
 Educação e manutenção da saúde;
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Dor de cabeça é um sintoma da patologia subjacente,
queixa mais comum entre as pessoas;
Muitas cefaléias crônicas são cefaléias de tensão/
contração muscular, cefaléias migranosas ou cefaléias em
salva;
As cefaléias graves agudas podem ser sintomas de
doenças neurológicas.
TENSÃO/ CONTRAÇÃO MUSCULAR
a) Ocorre devido a irritação das terminações nervosas sensíveis da
cabeça, mandíbula e pescoço decorrente da contração muscular
prolongada na face, cabeça e pescoço;
b) Os fatores anteriores : fadiga, estresse e má postura.
MIGRANOSA (ENXAQUECA)
a) Hiperatividade do neurotransmissor serotonina;
b) Predisposição familiar;
c) Consiste em vasoespasmos inicial, em seguida dilatação das
artérias cerebrais;
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
SALVA
a) Geralmente unilaterais, recidivantes;
b) Mais freqüente em homens;
c) A liberação aumentada de histamina resulta em
vasodilatação;
Tração-inflamação: devido infecção, como meningites, encefalites,
aumenta a PIC...
Arterite temporal: atribuída a distúrbios auto-imune;
Inflamação da parede arterial, pode resultar em perda da visão (n.
oftálmico).
Cefaléia sinusal: resulta da inflamação de um ou mais seios
paranasais.
Característica da dor
Escotomas
hemianópsia (perda parcial ou completa da visão em uma das
metades do campo visual de um ou ambos olhos )
Parestesias;
Náuseas, vômito e fotofobia;
Hiperemia ocular, dificuldade de mobilização do ocular;
Prostração...
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
R-x do crânio e face;
 RNM;
VHS( Velocidade de hemossedimentação)
 Medicamentos;
 Suporte de O2 a 100%;
 Anti-histamínicos e descongestionantes;
 Corticosteróides;
 Analgésicos, ansiolíticos e relaxantes musculares...
 Tratamentos paliativos.
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
 Técnica de relaxamento;
 Terapia cognitiva;
 Estilo de vida (alimentos, exercícios físicos, sono...);
 Repouso em ambiente calmo;
 Atentar crises de abstinência de tabaco, álcool, cafeína e comida
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
História de sintomas relacionados, fatores que
desencadeiam, grau da dor e medicamentos utilizados;
Realizar exame neurológico completo;
Avaliar estado emocional.
Dor relacionada à cefaléia;
Adequação individual ineficaz ligada à dor crônica e/ou
incapacidade
Controle da dor;
Promover e estimular cuidado e auto-cuidado
Educação e manutenção da saúde
 Uma mulher, 55 anos, estava trabalhando na fábrica de calçados e apresentou
início súbito de perda de força, sensibilidade, dificuldade visual, dificuldade
de falar, cefaleia intensa, desequilíbrio e tontura. Estes são sinais de:
 A) Hipoglicemia.
 B) Cetoacidose Diabética.
 C) Acidente Vascular Cerebral (AVC).
 D) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM).
 Dentre os diversos fatores de risco, para a ocorrência de acidente vascular
cerebral (AVC), podemos citar :
 A) hipóxia, ataxia e disfagia
 B) hipertensão, hipercolesterolemia e tabagismo.
 C) diabetes, cardiopatia e intubação orotraqueal.
 D) alcoolismo, hipotensão e ventilação mecânica.
 E) hipertensão, taquicardia e cefaléia intensa
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto
Saúde do adulto exame neurológico do adulto

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Saúde do adulto exame neurológico do adulto

Acidente vascular cerebral final
Acidente vascular cerebral finalAcidente vascular cerebral final
Acidente vascular cerebral final
Sofia Pinho
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
Reinaldo Souza
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
Paulo Matias
 
Aula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptxAula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptx
JuniorRamos97
 
CEFALEIA.pptx
CEFALEIA.pptxCEFALEIA.pptx
CEFALEIA.pptx
GabrielPintoMalowa
 
Aula 2 AVC TCE.pdf
Aula 2 AVC TCE.pdfAula 2 AVC TCE.pdf
Aula 2 AVC TCE.pdf
CaioMenezes21
 
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptxAula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
JordevBarbosa
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
Anderson Santana
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
Anderson Santana
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
Universidade Federal Fluminense
 
Traumatismo Cranioencefálico.pdf
Traumatismo Cranioencefálico.pdfTraumatismo Cranioencefálico.pdf
Traumatismo Cranioencefálico.pdf
ssuser2e66ec
 
avc.ppt
avc.pptavc.ppt
Doença cerebrovascular
Doença cerebrovascularDoença cerebrovascular
Doença cerebrovascular
Bianca Oliveira
 
AVC
AVCAVC
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & EmergênciaTrauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
jessica sanielly
 
Hidrocefalia congênita
Hidrocefalia congênitaHidrocefalia congênita
Hidrocefalia congênita
Marcus César Petindá Fonseca
 
AULA AVC.pptx.pdf
AULA AVC.pptx.pdfAULA AVC.pptx.pdf
AULA AVC.pptx.pdf
ssuser7da808
 
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançadaIv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
ctisaolucascopacabana
 
AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptxAGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
MIRIAN FARIA
 

Semelhante a Saúde do adulto exame neurológico do adulto (20)

Acidente vascular cerebral final
Acidente vascular cerebral finalAcidente vascular cerebral final
Acidente vascular cerebral final
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
 
Aula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptxAula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptx
 
CEFALEIA.pptx
CEFALEIA.pptxCEFALEIA.pptx
CEFALEIA.pptx
 
Aula 2 AVC TCE.pdf
Aula 2 AVC TCE.pdfAula 2 AVC TCE.pdf
Aula 2 AVC TCE.pdf
 
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptxAula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
 
Traumatismo Cranioencefálico.pdf
Traumatismo Cranioencefálico.pdfTraumatismo Cranioencefálico.pdf
Traumatismo Cranioencefálico.pdf
 
avc.ppt
avc.pptavc.ppt
avc.ppt
 
Doença cerebrovascular
Doença cerebrovascularDoença cerebrovascular
Doença cerebrovascular
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & EmergênciaTrauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
 
Hidrocefalia congênita
Hidrocefalia congênitaHidrocefalia congênita
Hidrocefalia congênita
 
AULA AVC.pptx.pdf
AULA AVC.pptx.pdfAULA AVC.pptx.pdf
AULA AVC.pptx.pdf
 
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançadaIv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
 
AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptxAGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
 

Mais de WerbertCosta1

Effects of Measles in Adulthood Case Report by Slidesgo.pptx
Effects of Measles in Adulthood Case Report by Slidesgo.pptxEffects of Measles in Adulthood Case Report by Slidesgo.pptx
Effects of Measles in Adulthood Case Report by Slidesgo.pptx
WerbertCosta1
 
45345.ppt4444444444444444444444444444444444444444444444
45345.ppt444444444444444444444444444444444444444444444445345.ppt4444444444444444444444444444444444444444444444
45345.ppt4444444444444444444444444444444444444444444444
WerbertCosta1
 
cepeti-cepeti-suporte-neurologico2-449dc8e2.pptx
cepeti-cepeti-suporte-neurologico2-449dc8e2.pptxcepeti-cepeti-suporte-neurologico2-449dc8e2.pptx
cepeti-cepeti-suporte-neurologico2-449dc8e2.pptx
WerbertCosta1
 
Aula enfermagem do trabalho - Universidade UEMA 2022
Aula enfermagem do trabalho - Universidade UEMA 2022Aula enfermagem do trabalho - Universidade UEMA 2022
Aula enfermagem do trabalho - Universidade UEMA 2022
WerbertCosta1
 
Slides Notificação MS.ppt Saúde Públicaa
Slides Notificação MS.ppt Saúde PúblicaaSlides Notificação MS.ppt Saúde Públicaa
Slides Notificação MS.ppt Saúde Públicaa
WerbertCosta1
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
WerbertCosta1
 
8346834.ppt
8346834.ppt8346834.ppt
8346834.ppt
WerbertCosta1
 

Mais de WerbertCosta1 (7)

Effects of Measles in Adulthood Case Report by Slidesgo.pptx
Effects of Measles in Adulthood Case Report by Slidesgo.pptxEffects of Measles in Adulthood Case Report by Slidesgo.pptx
Effects of Measles in Adulthood Case Report by Slidesgo.pptx
 
45345.ppt4444444444444444444444444444444444444444444444
45345.ppt444444444444444444444444444444444444444444444445345.ppt4444444444444444444444444444444444444444444444
45345.ppt4444444444444444444444444444444444444444444444
 
cepeti-cepeti-suporte-neurologico2-449dc8e2.pptx
cepeti-cepeti-suporte-neurologico2-449dc8e2.pptxcepeti-cepeti-suporte-neurologico2-449dc8e2.pptx
cepeti-cepeti-suporte-neurologico2-449dc8e2.pptx
 
Aula enfermagem do trabalho - Universidade UEMA 2022
Aula enfermagem do trabalho - Universidade UEMA 2022Aula enfermagem do trabalho - Universidade UEMA 2022
Aula enfermagem do trabalho - Universidade UEMA 2022
 
Slides Notificação MS.ppt Saúde Públicaa
Slides Notificação MS.ppt Saúde PúblicaaSlides Notificação MS.ppt Saúde Públicaa
Slides Notificação MS.ppt Saúde Públicaa
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
 
8346834.ppt
8346834.ppt8346834.ppt
8346834.ppt
 

Último

1º Simulado ENARE 2024 (100 questões de Legislação do SUS).pdf
1º Simulado ENARE 2024 (100 questões de Legislação do SUS).pdf1º Simulado ENARE 2024 (100 questões de Legislação do SUS).pdf
1º Simulado ENARE 2024 (100 questões de Legislação do SUS).pdf
limagomesmariadaconc
 
Exercícios sobre Riscos Psicossociais no Trabalho
Exercícios sobre Riscos Psicossociais no TrabalhoExercícios sobre Riscos Psicossociais no Trabalho
Exercícios sobre Riscos Psicossociais no Trabalho
Miguel Lopes
 
Os Riscos psicossociais no trabalho!!!!!
Os Riscos psicossociais no trabalho!!!!!Os Riscos psicossociais no trabalho!!!!!
Os Riscos psicossociais no trabalho!!!!!
Miguel Lopes
 
Fluxograma adesiva na odontologia para a clínica
Fluxograma adesiva na odontologia para a clínicaFluxograma adesiva na odontologia para a clínica
Fluxograma adesiva na odontologia para a clínica
Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
 
Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
PaulaAndrade240290
 
Cuidad_Paliat_Temos_que_convers_22220pdf
Cuidad_Paliat_Temos_que_convers_22220pdfCuidad_Paliat_Temos_que_convers_22220pdf
Cuidad_Paliat_Temos_que_convers_22220pdf
SheylaAlves6
 
aula 1 urgência e emergência enfermagem.
aula 1 urgência e emergência enfermagem.aula 1 urgência e emergência enfermagem.
aula 1 urgência e emergência enfermagem.
larifacs
 

Último (7)

1º Simulado ENARE 2024 (100 questões de Legislação do SUS).pdf
1º Simulado ENARE 2024 (100 questões de Legislação do SUS).pdf1º Simulado ENARE 2024 (100 questões de Legislação do SUS).pdf
1º Simulado ENARE 2024 (100 questões de Legislação do SUS).pdf
 
Exercícios sobre Riscos Psicossociais no Trabalho
Exercícios sobre Riscos Psicossociais no TrabalhoExercícios sobre Riscos Psicossociais no Trabalho
Exercícios sobre Riscos Psicossociais no Trabalho
 
Os Riscos psicossociais no trabalho!!!!!
Os Riscos psicossociais no trabalho!!!!!Os Riscos psicossociais no trabalho!!!!!
Os Riscos psicossociais no trabalho!!!!!
 
Fluxograma adesiva na odontologia para a clínica
Fluxograma adesiva na odontologia para a clínicaFluxograma adesiva na odontologia para a clínica
Fluxograma adesiva na odontologia para a clínica
 
Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
 
Cuidad_Paliat_Temos_que_convers_22220pdf
Cuidad_Paliat_Temos_que_convers_22220pdfCuidad_Paliat_Temos_que_convers_22220pdf
Cuidad_Paliat_Temos_que_convers_22220pdf
 
aula 1 urgência e emergência enfermagem.
aula 1 urgência e emergência enfermagem.aula 1 urgência e emergência enfermagem.
aula 1 urgência e emergência enfermagem.
 

Saúde do adulto exame neurológico do adulto

  • 3.  Ou Apoplexia, quando é estabelecido de maneira persistência uma disfunção neurológica, que dura mais de 24h e resulta de ruptura do suprimento sanguíneo para o cérebro, indicando o infarto em lugar da isquemia;  Acidente vascular cerebral ou encefálico, popularmente conhecido como “derrame”, é o resultado da insuficiência do suprimento sangüíneo a uma determinada área do cérebro.  Os AVC’s podem ser isquêmicos e hemorrágicos.
  • 4.  AVC ISQUÊMICO: Falta de circulação numa área do cérebro provocada por obstrução de uma ou mais artérias. Em geral ocorre em pessoas mais velhas, com comorbidades ( HAS, DM, fumantes, problemas vasculares);  AVC HEMORRÁGICO: Sangramento cerebral provocado pelo rompimento de uma artéria ou vaso sanguíneo, em virtude de HAS, doenças hematológicas ou traumatismos. Podem ocorrer em pessoas mais jovens e a evolução é mais grave.
  • 6.  Oclusão parcial ou completa de um vaso sanguíneo cerebral resultante da trombose cerebral ou embolia;  Isquemia relacionada ao fluxo sanguíneo diminuído para uma área do cérebro secundário a doença sistêmica  Hemorragia que ocorre fora da dura-máter, no espaço subaracnóide ou no espaço intracerebral;  Os fatores de risco de: HAS, DM, obesidade, estenose de carótica, tabagismo...
  • 10.  Variam conforme a área cerebral afetada, ocasionando geralmente sintomas múltiplos  Cefaléia súbita  Dormência ( parestesia), fraqueza (paralisia) ou perda da capacidade motora ( plegia)  Disfagia  Afasia  Dificuldade visuais  Capacidade cognitivas alteradas  Déficit de auto-cuidado
  • 11.  Perda repentina da força muscular e/ou da visão;  Dificuldade de comunicação oral;  Tonturas;  Formigamento num dos lados do corpo;  Alterações da memória. Algumas vezes, esses sintomas podem ser transitórios - Ataque Isquêmico Transitório (AIT). Nem por isso deixam de exigir cuidados médicos imediatos.
  • 12. Perda repentina da força muscular e/ou da visão; Dificuldade de comunicação oral; Tonturas; Formigamento num dos lados do corpo; Alterações da memória.
  • 13. Dor de cabeça; Edema cerebral; Aumento da pressão intracraniana; Náuseas e vômitos; Déficits neurológicos semelhantes aos provocados pelo acidente vascular isquêmico.
  • 14.  Pneumonia por aspiração;  Espasticidade (contraturas);  TVP – Tromboso Venosa Profunda: É a formação de um trombo nas grandes veias da perna no nível ou acima do joelho (ex.veias poplítea, femoral e ilíaca)  TEP - Tromboembolismo Pulmonar: é a impactação de um trombo no leito arterial pulmonar  Pós-AVC: distúrbios psiquiátricos ( depressão, transtorno bipolar e outros).
  • 15.  USG DE CARÓTIDAS  TC DE CRÂNIO  ANGIOGRAFIA CEREBRAL  RNM
  • 17.  Suporte hemodinâmico;  Terapia tromboembolítica e vasodilatadores;  Controle da PIC;  Anticoagulação após hemorragia excluída;  Programa de reabilitação – Fisioterapia, Fono e T.O.;  Uso de antidepressivos;  Repouso absoluto
  • 18. INDICAÇÃO DO USO DO TROMBOLÍTICO: 1.Acidente Vascular Cerebral Isquêmico 2.Infarto Agudo do Miocárdio 3.Embolia Pulmonar Maciça
  • 19. Avaliação neurológica rigorosa e criteriosa; Monitorar as funções intestinais e da bexiga; Monitorar a eficácia da terapia com anticoagulante; Avaliação psicossocial e auto-cuidado.
  • 20.  Risco de lesão relacionado aos déficits neurológicos;  Mobilidade física comprometida;  Processos de raciocínio alterado;  Comunicação verbal comprometida;  Déficit nos cuidados pessoais;  Nutrição alterada para menos que as necessidades corporais;  Eliminação urinária e fecal comprometida.
  • 21. Prevenção de quedas e lesões; Prevenção de complicações da imobilidade; Facilitação da comunicação e independência ; Promovendo ingesta oral prejudicada; Educação e manutenção da saúde.
  • 23. É a inflamação das meninges, as membranas que revestem o cérebro e medula espinhal. Os organismos patogênicos atravessam a barreira hematoencefálica, Podem ser bacterianas ou virais Período de incubação – 3 a 10 dias
  • 25.  Incidência de 3:100.000 casos/ ano por Streptococcus pneumoniae;  Outros agentes: Neisseria meningitides, Escherechia coli...  As meningites por criptococos e Cândida são infecções oportunistas > AIDS;  Adquirida em hospital, através das neurocirurgias;  Pacientes com sinusite, otite média aguda, pneumonia, alcoolismo, cirrose...
  • 26. Cefaléia Febre Estado mental alterado > confusão mental; Erupções purpúricas ou petéquias; Fotofobia; Rigidez de nuca ou fontanela abaulada (RN); Sinais de Kernig ( incapaz de estender o joelho) e Brudzinski Má alimentação, padrões respiratórios alterados e inquietação
  • 29.  Surdez, déficit de aprendizagem, espasticidade, paresia (crianças);  Aumento da PIC- Pressão Intracraniana;  Convulsões;  Coma e morte.
  • 30. Exames Laboratoriais: HC (leucócitos); Hemoculturas; Análise de LCR (punção lombar); TC e RNM Isolamento – quarto separado – máscara, avental e luvas em contato com secreção.
  • 32. É farmacológico e específico para cada agente etiológico (bactérias/ vírus/fungos); Farmacoterapia para sintomáticos;
  • 33. Obter história de infecções recentes, como infecção respiratória; Avaliar estado neurológico; Avaliar sinais de irritação meníngea. Isolamento
  • 34.  Hipertermia relacionada ao processo infeccioso e edema cerebral;  Risco de déficit de volume hídrico relacionado à febre e à ingesta diminuída;  Perfusão tecidual cerebral alterada que se relaciona ao processo infeccioso e ao edema cerebral;  Dor ligada a irritação meníngea;  Mobilidade física comprometida relacionada ao repouso prolongado no leito
  • 35.  Redução da febre e dor;  Manter o equilíbrio hídrico;  Atentar para a perfusão cerebral;  Promovendo o retorno ao melhor nível de funcionamento;  Orientações de cuidado e auto-cuidado;  Educação e manutenção da saúde;
  • 37. Dor de cabeça é um sintoma da patologia subjacente, queixa mais comum entre as pessoas; Muitas cefaléias crônicas são cefaléias de tensão/ contração muscular, cefaléias migranosas ou cefaléias em salva; As cefaléias graves agudas podem ser sintomas de doenças neurológicas.
  • 38. TENSÃO/ CONTRAÇÃO MUSCULAR a) Ocorre devido a irritação das terminações nervosas sensíveis da cabeça, mandíbula e pescoço decorrente da contração muscular prolongada na face, cabeça e pescoço; b) Os fatores anteriores : fadiga, estresse e má postura.
  • 39. MIGRANOSA (ENXAQUECA) a) Hiperatividade do neurotransmissor serotonina; b) Predisposição familiar; c) Consiste em vasoespasmos inicial, em seguida dilatação das artérias cerebrais;
  • 41. SALVA a) Geralmente unilaterais, recidivantes; b) Mais freqüente em homens; c) A liberação aumentada de histamina resulta em vasodilatação;
  • 42. Tração-inflamação: devido infecção, como meningites, encefalites, aumenta a PIC... Arterite temporal: atribuída a distúrbios auto-imune; Inflamação da parede arterial, pode resultar em perda da visão (n. oftálmico). Cefaléia sinusal: resulta da inflamação de um ou mais seios paranasais.
  • 43. Característica da dor Escotomas hemianópsia (perda parcial ou completa da visão em uma das metades do campo visual de um ou ambos olhos ) Parestesias; Náuseas, vômito e fotofobia; Hiperemia ocular, dificuldade de mobilização do ocular; Prostração...
  • 45. R-x do crânio e face;  RNM; VHS( Velocidade de hemossedimentação)
  • 46.  Medicamentos;  Suporte de O2 a 100%;  Anti-histamínicos e descongestionantes;  Corticosteróides;  Analgésicos, ansiolíticos e relaxantes musculares...  Tratamentos paliativos.
  • 48.  Técnica de relaxamento;  Terapia cognitiva;  Estilo de vida (alimentos, exercícios físicos, sono...);  Repouso em ambiente calmo;  Atentar crises de abstinência de tabaco, álcool, cafeína e comida
  • 50. História de sintomas relacionados, fatores que desencadeiam, grau da dor e medicamentos utilizados; Realizar exame neurológico completo; Avaliar estado emocional.
  • 51. Dor relacionada à cefaléia; Adequação individual ineficaz ligada à dor crônica e/ou incapacidade
  • 52. Controle da dor; Promover e estimular cuidado e auto-cuidado Educação e manutenção da saúde
  • 53.  Uma mulher, 55 anos, estava trabalhando na fábrica de calçados e apresentou início súbito de perda de força, sensibilidade, dificuldade visual, dificuldade de falar, cefaleia intensa, desequilíbrio e tontura. Estes são sinais de:  A) Hipoglicemia.  B) Cetoacidose Diabética.  C) Acidente Vascular Cerebral (AVC).  D) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM).
  • 54.  Dentre os diversos fatores de risco, para a ocorrência de acidente vascular cerebral (AVC), podemos citar :  A) hipóxia, ataxia e disfagia  B) hipertensão, hipercolesterolemia e tabagismo.  C) diabetes, cardiopatia e intubação orotraqueal.  D) alcoolismo, hipotensão e ventilação mecânica.  E) hipertensão, taquicardia e cefaléia intensa