SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 2 - O ESTADO E DOMINAÇÃO DE ACORDO COM KARL MARX, WEBER E DURKHEIM
Marx compreende o Estado como uma relação entre a infra-estrutura e a superestrutura. A infra-estrutura é a base
econômica, ou melhor, é o conjunto das relações de produção que corresponde a um passado determinado do
desenvolvimento das forças produtivas. Já a superestrutura tem como parte principal o Estado que é constituído pelas
instituições jurídicas e políticas e por determinadas formas de consciência social (ideologia). Para Marx o Estado como
superestrutura que é, depende da sociedade civil compreendida como a base econômica e é na sociedade civil que se
formam as classes sociais e onde são também revelados os antagonismos de classe que são inconciliáveis na visão
marxiana. O Estado é resultado de um determinado grau de desenvolvimento econômico que está ligado à divisão da
sociedade em classes, sendo que, para Marx, o Estado nasce da luta de classes.
Na visão de Marx o Estado é o aparelho ou conjunto de aparelhos cuja principal função é tentar impedir que o
antagonismo de classe degenere em luta. Entretanto, este mesmo Estado não se atém a mediar os interesses das classes
opostas, mas acaba por contribuir e reforçar a manutenção do domínio da classe dominante sobre a classe dominada.
Temos aqui, portanto, a dominação de uma classe sobre as outras, ou seja, o poder organizado de uma classe para oprimir
uma outra, sendo o Estado a expressão dessa dominação de classe.
O Estado para Weber é definido como uma comunidade humana que pretende o monopólio do uso legitimo da força física
dentro de determinado território (WEBER, 1991). O Estado assim é a única fonte do direito de uso à violência e se
constitui numa “relação de homens dominando homens” e essa relação é mantida por meio da violência considerada
legítima. Segundo nosso autor, para que um Estado exista é necessário que um conjunto de pessoas obedeça à autoridade
alegada pelos detentores do poder no referido Estado e por outro lado, para que os dominados obedeçam é necessário que
os detentores do poder possuam uma autoridade reconhecida como legítima. Dessa forma, observamos que para Weber
existem dois elementos essenciais que constituem o Estado: a autoridade e a legitimidade. Desses dois elementos Weber
apresenta três tipos puros de dominação legítima, cada um deles gerando diferentes categorias de autoridade. Esses tipos
são classificados como puros porque só podem ser encontrados isolados no nível da teoria, combinando-se quando
observados em exemplos concretos.
Para Durkheim os grupos secundários são de grande importância por duas razões essenciais. A primeira delas, é que esses
grupos são mais diretamente responsáveis pela educação do indivíduo, por forjar sua identidade. A segunda razão diz
respeito ao papel que desempenham como contrapeso à força do Estado e como mediadores dos interesses mais
específicos dos indivíduos que representam. Dessa forma, os grupos secundários seriam aqueles que equilibrariam o
poder do Estado e este teria como uma de suas funções legitimar e garantir o individualismo, ou seja, seria o Estado quem
afirmaria e faria respeitar os direitos do indivíduo. Segundo Durkheim, a nossa individualidade moral é um produto do
Estado, pois, é ele que “tende a assegurar a individuação mais completa que o estado social permita. Longe de ser o tirano
do indivíduo, ele é quem resgata o indivíduo da sociedade” (DURKHEIM, 2002:96). Por outro lado, Durkheim não
descartava a idéia do Estado absolutista, pois, para ele o Estado se torna absolutista na medida em que os agrupamentos
secundários, que deveriam intervir entre o Estado e o indivíduo, não estão plenamente desenvolvidos nas sociedades
modernas (GIDDENS, 1998).
O Estado para Durkheim não seria o detentor de um poder executivo, mas sim deliberativo. A sua principal tarefa é ser
um órgão cuja responsabilidade é elaborar certas representações que deveriam ser aprovadas pela coletividade, dessa
forma, seria ele quem deveria legislar para formular as normas e o ethos do conjunto da sociedade.
Em suma, Durkheim defende a idéia de que o indivíduo é produto da sociedade como um todo e sua existência só se
torna real mediante a atuação do Estado. Entretanto, é somente com um equilíbrio de forças entre os grupos secundários e
o Estado que o indivíduo pode existir de fato, afinal, “é desse conflito de forças sociais que nascem as liberdades
individuais” (DURKHEIM, 2002:8).
BELLAMY, Richard. Liberalismo e sociedade moderna. São Paulo: Editora da UNESP, 1994. p. 107-195
Weber. In: GERTS, René E. (org) Max Weber e Karl Marx. São Paulo: Hucitec, 1994.
BIRNBAUM, Norman. Interpretações conflitantes sobre a gênese do capitalismo: Marx e Capítulo IV, p. 9-119.
DURKHEIM, Émile Davi. Lições de sociologia: a moral, o direito e o Estado. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
GIDDENS, Anthony. Política, sociologia e teoria social: encontros com o pensamento social clássico e contemporâneo.
São Paulo: Editora da UNESP, 1998.
MARX, Karl. Introdução a uma Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. In: Temas de Ciências Humanas n. 2. São Paulo:
Grijalbo, 1977.
MARX, Karl. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Edições Mandacaru, 1990.
MARX, Karl. As lutas de classe na França. In: Textos. São Paulo: Alfa-Ômega, s.d. Volume 3.
ATIVIDADE PARA CONSOLIDAR O CONHECIMENTO
1. Após uma leitura atenciosa do texto acima,que tal elaborarum quadro com as principais ideias sobre o conceito
de ESTADO, elaboradas pelos autores: Marx, Weber e Durkheim?
Marx Weber Durkheim
2. UEM (2011) - Sobre o conceito de Estado Moderno defendido pelo sociólogo alemão Max Weber, assinale o que for
correto.
a) Estado deve ser definido estritamente em relação a sua divisão geográfica.
b) A característica fundamental do Estado é o monopólio do uso da “força legítima” dentro de um determinado território.
c) Autoridade estatal ocorre da combinação entre o emprego da força física e sua legitimidade junto aos cidadãos.
d) O Estado é um instrumento de dominação da classe dos proprietários pela Classe .
e) A força legítima do estado é praticada pelos trabalhadores, baseadas em normas racionalmente estabelecidas.
3. UEL (2011) - Considere os trechos a seguir.
A classe operária não pode apossar-se simplesmente da maquinaria de Estado já pronta e fazê-la funcionar para os
seus próprios objetivos. (MARX, Karl. A revolução antes da revolução. São Paulo: Expressão Popular, 2008, p.399.)
Também do ponto de vista histórico, contudo, o “progresso” a caminho do Estado regido e administrado segundo um
direito burocrático e racional e regras pensadas racionalmente, atualmente, está intimamente ligado ao moderno
desenvolvimento capitalista. (WEBER, Max. Parlamento e governo na Alemanha reordenada: crítica política do
funcionalismo e da natureza dos partidos. Petrópolis: Vozes, 1993, p.43.)
Com base nos trechos, compare as concepções clássicas de Estado formuladasnas obras de Karl Marx e Max Weber.
_________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________
4. (UEMA) Assinale a alternativa que corresponde ao conceito de “Dominação Legítima”, formulada pelo sociólogo
alemão Max Weber.
a) Capacidade de impor a própria vontade dentro de uma relação social.
b) Capacidade de liderar numa determinada situação social.
c) Probabilidade de impor a sua vontade numa determinada situação social.
d) Probabilidade de operar através de atos ou uso da violência.
e) Probabilidade de encontrar obediência a um determinado mandato.
5. (UEL-2004) Leia o poema.
"Sinto no meu corpo/ a dor que angustia/ a lei ao meu redor/ a lei que eu não queria. Estado violência/ Estado
hipocrisia/ a lei que não é minha/A lei que eu não queria(...)” Titãs. In. Cabeça Dinossauro. 1986
A letra revela posicionamentos comuns a certo meio do poder social do homem em sociedade. Qual meio,
respectivamente, do poema faz referência?
a) Uma relação do homem com a natureza, neste caso, "a lei ao meu redor".
b) Uma relação entre pessoas, neste caso, a influência nítida do meio econômico, no qual o homem exerce o poder
ilimitado sobre o corpo humano.
c) Um poder político que se utiliza da posse dos meios de coerção social, expresso no poder judiciário, que representa
ouso da força física, da violência.
d) Uma atitude progressista, visto que as leis atendem as necessidades dos trabalhadores.
e) Uma relação entre pessoas, assim, leva-se em consideração a situação histórica atual, quando a lei, poder político,
amparem todos os casos, os conflitos existentes.
6. (UFSC- 2010)Na análise de Karl Marx sobre o Estado burguês, identifique se são verdadeiras (V) ou falsas (F) as
afirmativas a seguir:
( ) O Estado é produto das lutas de classes – Classe dominante e dominada.
( ) O Estado representa a todos os membros da sociedade de modo igualitário. Ele é o defensor do bem comum.
( ) O Estado representa diferenciadamente a sociedade e as classes sociais que a compõem.
( ) Para Marx,o poder do Estado independe da vida em sociedade. Ele (o Estado) está acima dos interesses particulares.
( ) O Estado burguês é um aparelho que existe para manter a ordem capitalista vigente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
Marcela Marangon Ribeiro
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
maynara marques
 
Poder e política
Poder e políticaPoder e política
Poder e política
Edenilson Morais
 
Sociologia direitosa humanos e cidadania
Sociologia   direitosa humanos e cidadaniaSociologia   direitosa humanos e cidadania
Sociologia direitosa humanos e cidadania
Gustavo Soares
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
roberto mosca junior
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
João Marcelo
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
Portal do Vestibulando
 
Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
Alison Nunes
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e LockeOs contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Rogerio Terra
 
Aula 2 Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 2  Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 2  Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 2 Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
Roberto Izoton
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
marifonseca
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
Lucio Braga
 
Aula 15 sociologia contemporânea
Aula 15   sociologia contemporâneaAula 15   sociologia contemporânea
Aula 15 sociologia contemporânea
professorleo1989
 
Cidadania e Política
Cidadania e PolíticaCidadania e Política
Cidadania e Política
Brenda Grazielle
 
Atividade filme a onda
Atividade filme a ondaAtividade filme a onda
Atividade filme a onda
João William Silva
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
Mauricio Serafim
 
Aula desigualdade social e jean jacques rousseau
Aula   desigualdade social e jean jacques rousseauAula   desigualdade social e jean jacques rousseau
Aula desigualdade social e jean jacques rousseau
João Parastchuk
 

Mais procurados (20)

Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
 
Poder e política
Poder e políticaPoder e política
Poder e política
 
Sociologia direitosa humanos e cidadania
Sociologia   direitosa humanos e cidadaniaSociologia   direitosa humanos e cidadania
Sociologia direitosa humanos e cidadania
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e LockeOs contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e Locke
 
Aula 2 Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 2  Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 2  Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 2 Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
 
Aula 15 sociologia contemporânea
Aula 15   sociologia contemporâneaAula 15   sociologia contemporânea
Aula 15 sociologia contemporânea
 
Cidadania e Política
Cidadania e PolíticaCidadania e Política
Cidadania e Política
 
Atividade filme a onda
Atividade filme a ondaAtividade filme a onda
Atividade filme a onda
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
 
Aula desigualdade social e jean jacques rousseau
Aula   desigualdade social e jean jacques rousseauAula   desigualdade social e jean jacques rousseau
Aula desigualdade social e jean jacques rousseau
 

Semelhante a Aula 2 O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe Assunção

AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE ESTADO - Simulado 3º ano - Sociologia ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE ESTADO - Simulado 3º ano - Sociologia  ...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE ESTADO - Simulado 3º ano - Sociologia  ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE ESTADO - Simulado 3º ano - Sociologia ...
Prof. Noe Assunção
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Elena Zarate
 
Classicos sociologia sociedade
Classicos sociologia sociedadeClassicos sociologia sociedade
Classicos sociologia sociedade
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Gramsci e o estado
Gramsci e o estadoGramsci e o estado
Gramsci e o estado
Davi Islabao
 
Teorias sociologicas classicas
Teorias sociologicas classicasTeorias sociologicas classicas
Teorias sociologicas classicas
Beatriz Gonçalves
 
Poder e o estado
Poder e o estadoPoder e o estado
Poder e o estado
Vinicius_32Hashtag
 
Questão 01
Questão 01Questão 01
Questão 01
Janny Castro
 
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.pptTGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
dramagnoliaaleixoadv
 
29082022221926Marx.pptx
29082022221926Marx.pptx29082022221926Marx.pptx
29082022221926Marx.pptx
MelissaVicente8
 
Estado e mercado power point
Estado e mercado power pointEstado e mercado power point
Estado e mercado power point
saaah10
 
Estado e mercado power point
Estado e mercado power pointEstado e mercado power point
Estado e mercado power point
saaah10
 
O Poder e o Estado
O Poder e o EstadoO Poder e o Estado
O Poder e o Estado
Prof. Noe Assunção
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
Jairo Ramos
 
Max weber livro
Max weber livroMax weber livro
Max weber livro
pagodes
 
Ciência política
Ciência políticaCiência política
Ciência política
Tiane Menezes
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
rose soratto
 
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
andrea almeida
 
Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1
Douglas Gregorio
 
Marx governo
Marx governoMarx governo
Marx governo
Martin Klein
 
Sociologia - Pensamentos sobre o estado
Sociologia - Pensamentos sobre o estadoSociologia - Pensamentos sobre o estado
Sociologia - Pensamentos sobre o estado
Filllipe
 

Semelhante a Aula 2 O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe Assunção (20)

AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE ESTADO - Simulado 3º ano - Sociologia ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE ESTADO - Simulado 3º ano - Sociologia  ...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE ESTADO - Simulado 3º ano - Sociologia  ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE ESTADO - Simulado 3º ano - Sociologia ...
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Classicos sociologia sociedade
Classicos sociologia sociedadeClassicos sociologia sociedade
Classicos sociologia sociedade
 
Gramsci e o estado
Gramsci e o estadoGramsci e o estado
Gramsci e o estado
 
Teorias sociologicas classicas
Teorias sociologicas classicasTeorias sociologicas classicas
Teorias sociologicas classicas
 
Poder e o estado
Poder e o estadoPoder e o estado
Poder e o estado
 
Questão 01
Questão 01Questão 01
Questão 01
 
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.pptTGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
 
29082022221926Marx.pptx
29082022221926Marx.pptx29082022221926Marx.pptx
29082022221926Marx.pptx
 
Estado e mercado power point
Estado e mercado power pointEstado e mercado power point
Estado e mercado power point
 
Estado e mercado power point
Estado e mercado power pointEstado e mercado power point
Estado e mercado power point
 
O Poder e o Estado
O Poder e o EstadoO Poder e o Estado
O Poder e o Estado
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Max weber livro
Max weber livroMax weber livro
Max weber livro
 
Ciência política
Ciência políticaCiência política
Ciência política
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
 
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
 
Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1
 
Marx governo
Marx governoMarx governo
Marx governo
 
Sociologia - Pensamentos sobre o estado
Sociologia - Pensamentos sobre o estadoSociologia - Pensamentos sobre o estado
Sociologia - Pensamentos sobre o estado
 

Mais de Prof. Noe Assunção

ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe AssunçãoATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe AssunçãoCHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe AssunçãoATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docxATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
Prof. Noe Assunção
 
AULA O LIBERALISMO.docx
AULA O LIBERALISMO.docxAULA O LIBERALISMO.docx
AULA O LIBERALISMO.docx
Prof. Noe Assunção
 
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docxFILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
Prof. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docxAVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
Prof. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docxAVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
Prof. Noe Assunção
 
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe AssunçãoQueimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Prof. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Atividade clandestinas1
Atividade clandestinas1Atividade clandestinas1
Atividade clandestinas1
Prof. Noe Assunção
 
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe AssunçãoAtividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe AssunçãoDocumentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 

Mais de Prof. Noe Assunção (20)

ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe AssunçãoATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
 
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe AssunçãoCHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe AssunçãoATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
 
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docxATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
 
AULA O LIBERALISMO.docx
AULA O LIBERALISMO.docxAULA O LIBERALISMO.docx
AULA O LIBERALISMO.docx
 
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docxFILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
 
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docxAVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
 
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docxAVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
 
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe AssunçãoQueimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
 
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
 
Atividade clandestinas1
Atividade clandestinas1Atividade clandestinas1
Atividade clandestinas1
 
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe AssunçãoAtividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
 
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe AssunçãoDocumentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 

Aula 2 O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe Assunção

  • 1. AULA 2 - O ESTADO E DOMINAÇÃO DE ACORDO COM KARL MARX, WEBER E DURKHEIM Marx compreende o Estado como uma relação entre a infra-estrutura e a superestrutura. A infra-estrutura é a base econômica, ou melhor, é o conjunto das relações de produção que corresponde a um passado determinado do desenvolvimento das forças produtivas. Já a superestrutura tem como parte principal o Estado que é constituído pelas instituições jurídicas e políticas e por determinadas formas de consciência social (ideologia). Para Marx o Estado como superestrutura que é, depende da sociedade civil compreendida como a base econômica e é na sociedade civil que se formam as classes sociais e onde são também revelados os antagonismos de classe que são inconciliáveis na visão marxiana. O Estado é resultado de um determinado grau de desenvolvimento econômico que está ligado à divisão da sociedade em classes, sendo que, para Marx, o Estado nasce da luta de classes. Na visão de Marx o Estado é o aparelho ou conjunto de aparelhos cuja principal função é tentar impedir que o antagonismo de classe degenere em luta. Entretanto, este mesmo Estado não se atém a mediar os interesses das classes opostas, mas acaba por contribuir e reforçar a manutenção do domínio da classe dominante sobre a classe dominada. Temos aqui, portanto, a dominação de uma classe sobre as outras, ou seja, o poder organizado de uma classe para oprimir uma outra, sendo o Estado a expressão dessa dominação de classe. O Estado para Weber é definido como uma comunidade humana que pretende o monopólio do uso legitimo da força física dentro de determinado território (WEBER, 1991). O Estado assim é a única fonte do direito de uso à violência e se constitui numa “relação de homens dominando homens” e essa relação é mantida por meio da violência considerada legítima. Segundo nosso autor, para que um Estado exista é necessário que um conjunto de pessoas obedeça à autoridade alegada pelos detentores do poder no referido Estado e por outro lado, para que os dominados obedeçam é necessário que os detentores do poder possuam uma autoridade reconhecida como legítima. Dessa forma, observamos que para Weber existem dois elementos essenciais que constituem o Estado: a autoridade e a legitimidade. Desses dois elementos Weber apresenta três tipos puros de dominação legítima, cada um deles gerando diferentes categorias de autoridade. Esses tipos são classificados como puros porque só podem ser encontrados isolados no nível da teoria, combinando-se quando observados em exemplos concretos. Para Durkheim os grupos secundários são de grande importância por duas razões essenciais. A primeira delas, é que esses grupos são mais diretamente responsáveis pela educação do indivíduo, por forjar sua identidade. A segunda razão diz respeito ao papel que desempenham como contrapeso à força do Estado e como mediadores dos interesses mais específicos dos indivíduos que representam. Dessa forma, os grupos secundários seriam aqueles que equilibrariam o poder do Estado e este teria como uma de suas funções legitimar e garantir o individualismo, ou seja, seria o Estado quem afirmaria e faria respeitar os direitos do indivíduo. Segundo Durkheim, a nossa individualidade moral é um produto do Estado, pois, é ele que “tende a assegurar a individuação mais completa que o estado social permita. Longe de ser o tirano do indivíduo, ele é quem resgata o indivíduo da sociedade” (DURKHEIM, 2002:96). Por outro lado, Durkheim não descartava a idéia do Estado absolutista, pois, para ele o Estado se torna absolutista na medida em que os agrupamentos secundários, que deveriam intervir entre o Estado e o indivíduo, não estão plenamente desenvolvidos nas sociedades modernas (GIDDENS, 1998). O Estado para Durkheim não seria o detentor de um poder executivo, mas sim deliberativo. A sua principal tarefa é ser um órgão cuja responsabilidade é elaborar certas representações que deveriam ser aprovadas pela coletividade, dessa forma, seria ele quem deveria legislar para formular as normas e o ethos do conjunto da sociedade. Em suma, Durkheim defende a idéia de que o indivíduo é produto da sociedade como um todo e sua existência só se torna real mediante a atuação do Estado. Entretanto, é somente com um equilíbrio de forças entre os grupos secundários e o Estado que o indivíduo pode existir de fato, afinal, “é desse conflito de forças sociais que nascem as liberdades individuais” (DURKHEIM, 2002:8). BELLAMY, Richard. Liberalismo e sociedade moderna. São Paulo: Editora da UNESP, 1994. p. 107-195 Weber. In: GERTS, René E. (org) Max Weber e Karl Marx. São Paulo: Hucitec, 1994. BIRNBAUM, Norman. Interpretações conflitantes sobre a gênese do capitalismo: Marx e Capítulo IV, p. 9-119. DURKHEIM, Émile Davi. Lições de sociologia: a moral, o direito e o Estado. São Paulo: Martins Fontes, 2002. GIDDENS, Anthony. Política, sociologia e teoria social: encontros com o pensamento social clássico e contemporâneo. São Paulo: Editora da UNESP, 1998. MARX, Karl. Introdução a uma Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. In: Temas de Ciências Humanas n. 2. São Paulo: Grijalbo, 1977. MARX, Karl. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Edições Mandacaru, 1990. MARX, Karl. As lutas de classe na França. In: Textos. São Paulo: Alfa-Ômega, s.d. Volume 3.
  • 2. ATIVIDADE PARA CONSOLIDAR O CONHECIMENTO 1. Após uma leitura atenciosa do texto acima,que tal elaborarum quadro com as principais ideias sobre o conceito de ESTADO, elaboradas pelos autores: Marx, Weber e Durkheim? Marx Weber Durkheim 2. UEM (2011) - Sobre o conceito de Estado Moderno defendido pelo sociólogo alemão Max Weber, assinale o que for correto. a) Estado deve ser definido estritamente em relação a sua divisão geográfica. b) A característica fundamental do Estado é o monopólio do uso da “força legítima” dentro de um determinado território. c) Autoridade estatal ocorre da combinação entre o emprego da força física e sua legitimidade junto aos cidadãos. d) O Estado é um instrumento de dominação da classe dos proprietários pela Classe . e) A força legítima do estado é praticada pelos trabalhadores, baseadas em normas racionalmente estabelecidas. 3. UEL (2011) - Considere os trechos a seguir. A classe operária não pode apossar-se simplesmente da maquinaria de Estado já pronta e fazê-la funcionar para os seus próprios objetivos. (MARX, Karl. A revolução antes da revolução. São Paulo: Expressão Popular, 2008, p.399.) Também do ponto de vista histórico, contudo, o “progresso” a caminho do Estado regido e administrado segundo um direito burocrático e racional e regras pensadas racionalmente, atualmente, está intimamente ligado ao moderno desenvolvimento capitalista. (WEBER, Max. Parlamento e governo na Alemanha reordenada: crítica política do funcionalismo e da natureza dos partidos. Petrópolis: Vozes, 1993, p.43.) Com base nos trechos, compare as concepções clássicas de Estado formuladasnas obras de Karl Marx e Max Weber. _________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________ 4. (UEMA) Assinale a alternativa que corresponde ao conceito de “Dominação Legítima”, formulada pelo sociólogo alemão Max Weber. a) Capacidade de impor a própria vontade dentro de uma relação social. b) Capacidade de liderar numa determinada situação social. c) Probabilidade de impor a sua vontade numa determinada situação social. d) Probabilidade de operar através de atos ou uso da violência. e) Probabilidade de encontrar obediência a um determinado mandato. 5. (UEL-2004) Leia o poema. "Sinto no meu corpo/ a dor que angustia/ a lei ao meu redor/ a lei que eu não queria. Estado violência/ Estado hipocrisia/ a lei que não é minha/A lei que eu não queria(...)” Titãs. In. Cabeça Dinossauro. 1986 A letra revela posicionamentos comuns a certo meio do poder social do homem em sociedade. Qual meio, respectivamente, do poema faz referência? a) Uma relação do homem com a natureza, neste caso, "a lei ao meu redor". b) Uma relação entre pessoas, neste caso, a influência nítida do meio econômico, no qual o homem exerce o poder ilimitado sobre o corpo humano. c) Um poder político que se utiliza da posse dos meios de coerção social, expresso no poder judiciário, que representa ouso da força física, da violência. d) Uma atitude progressista, visto que as leis atendem as necessidades dos trabalhadores. e) Uma relação entre pessoas, assim, leva-se em consideração a situação histórica atual, quando a lei, poder político, amparem todos os casos, os conflitos existentes. 6. (UFSC- 2010)Na análise de Karl Marx sobre o Estado burguês, identifique se são verdadeiras (V) ou falsas (F) as afirmativas a seguir: ( ) O Estado é produto das lutas de classes – Classe dominante e dominada. ( ) O Estado representa a todos os membros da sociedade de modo igualitário. Ele é o defensor do bem comum. ( ) O Estado representa diferenciadamente a sociedade e as classes sociais que a compõem. ( ) Para Marx,o poder do Estado independe da vida em sociedade. Ele (o Estado) está acima dos interesses particulares. ( ) O Estado burguês é um aparelho que existe para manter a ordem capitalista vigente.