SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
A SALA DE IMUNIZAÇÃO

  Enfa. Camila Marques da Silva Oliveira
Enfermeira Especialista em Saúde da Família e Comunidade
              Membro do LAPRACS - UECE




                Fortaleza, 11 de maio de 2012
•A história da imunização se confunde com a
história da saúde coletiva.
• Risco, vulnerabilidade, e práticas de
prevenção e promoção da saúde.
•Revolta da vacina às avessas no século XXI.
•Estratégia de apropriação da saúde.
•Programa Nacional de Imunização, 1973;
•Características: segurança, integralidade,
universalidade, territorialidade, equidade,
participação social. Parece com alguma coisa
que a gente conhece?
•Os últimos casos de poliomielite no Brasil
foram registrados em 1989.
•A orientação do PNI não é fiscalizar,
caçar culpados, mas analisar, trocar
informações, tomar providências para
corrigir.
•A meta operacional básica do PNI é
vacinar 100% das crianças menores de 1
ano com todas as vacinas indicadas no
calendário básico.
FUNDAMENTOS DE IMUNOLOGIA
• IMUNIDADE:
• A) natural;
• B) adquirida; de forma ativa ou passiva.

• RESPOSTA IMUNE:
• A) fatores relacionados às vacinas;
• B) fatores relacionados ao próprio organismo.
FUNDAMENTOS DE IMUNOLOGIA

• RESPOSTA IMUNE:
• A) mecanismos inespecíficos: resposta
  superficiais (da superfície);
• B) mecanismos específicos: resposta aprimorada
  antígeno anticorpo.
CONCEITUANDO

• “Vacinação é conseguida através da
  administração de antígenos preparados com
  uma suspensão de agentes infecciosos ou partes
  deles convenientemente processados com a
  finalidade de induzir o receptor ao
  desenvolvimento de um estado imunitário
  específico protetor e relativamente duradouro.”
  (Moreira, 2004)
AGENTES IMUNIZANTES
• Bactéria ou vírus vivo atenuado;
• Vírus inativo;
• Bactérias mortas;
• Componentes de antígenos purificados e/ou
  modificados química ou geneticamente.
• Líquido de suspensão: água destilada;
• Conservantes, estabilizadores, antibióticos e
  adjuvantes.
ORIGEM
• INSTITUTO BUTANTAN
• FIOCRUZ/ BIOMANGUINHOS;
• NOVARTIS;
• GSK.
• Cada empresa se responsabiliza pelo controle de
  qualidade, seguindo os padrões da OMS, WHO e
  MS.
• Conservação pela extensa Rede de Frio.
CONTRA-INDICAÇÕES GERAIS

•   Imunodeficiência congênita ou adquirida;
•   Neoplasias malignas;
•   Corticoterapia prolongada;
•   Ver cada vacina para avaliar as contra-indicações
    específicas.
ADIAMENTO DA VACINAÇÃO

•   Doenças agudas febris graves;
•   Transplantes de medula;
•   Terapia imunossupressora;
•   Uso de imunoglobulina;
•   Vacina contra febre amarela.
FALSAS CONTRA-INDICAÇÕES
•   Doenças benignas comuns;
•   Desnutrição;
•   Vacina contra raiva em andamento;
•   Doença neurológica estável;
•   Antecedente familiar de convulsão;
•   Uso de corticóide por terapia curta;
•   Prematuridade ou baixo peso ao nascer, exceto
    BCG;

                                     (OPAS, 2003)
ATENÇÃO

• Não há limite superior de idade para aplicação
  de vacina, COM EXCEÇÃO para DTP e DT
  infantil, cujo limite é 6 anos, 11 meses e 29 dias.
• HIV positivo: é possível aplicar todas as vacinas
  do PNI, implica dizer, carga viral baixa e alta
  contagem de linfócito CD4. Exceção: BCG
  contra-indicada;
• AIDS: evitar vacinas de vírus vivo

                                       (Opas, 2003)
EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAIS
• Estão relacionados a:
• A) situação de saúde do paciente no momento da
  aplicação;
• B) técnica asséptica de aplicação;
• C) instrumentalização;

• Vigilância e monitoramento.


                                   (Brasil, 2001)
REDE DE FRIO

• Rede de Frio – A rede de frio do Brasil interliga
  os municípios brasileiros em uma complexa rede
  de armazenamento, distribuição e manutenção
  de vacinas em temperaturas adequadas nos
  níveis nacional, estadual e municipal e local.

• Rede de Frio local – manter a temperatura dos
  imunobiológicos entre 2ºc e 8ºc. De quem é a
  responsabilidade?
REDE DE FRIO
• Cuidados básicos:
• A) fazer a leitura correta da temperatura da
  geladeira no termômetro externo no início e no
  fim da jornada;
• B) não permitir armazenamento de quaisquer
  outros materiais, sequer na porta;
• C) verificar constantemente a vedação da
  geladeira;
• D) uso de tomada exclusiva para cada geladeira.
REDE DE FRIO
• Caixa térmica:
• A) retirar as baterias de gelo e aguardar 20
  minutos pela retirada da “névoa”;
• B) organizar o espaço da caixa para que seja
  possível a circulação do ar frio.
• C) instalar o fio do termômetro externo;
• D) trocas as baterias na metade da jornada de
  trabalho.


                                    (Brasil, 2001)
REDE DE FRIO
• Quando os equipamentos deixam de funcionar
  por motivo de corte de energia elétrica ou
  defeito, as portas das geladeiras deverão
  permanecer fechadas até que a situação se
  normalize ou até que se verifique o tipo de
  problema. Quando o problema perdurar por um
  período maior que 6 horas ou quando não for
  possível prever sua duração deve-se tomar
  algumas providências pois este fato pode
  inutilizar os produtos imunobiológicos.
                                      (Brasil, 2001)
REDE DE FRIO
• Esse prazo de seis horas só deve ser tolerado
  caso se tenha controle diário de temperatura
  através do mapa de controle da temperatura.

• Caso o defeito não seja identificado ou não
  solucionado, esses imunobiológicos deverão ser
  transferidos para outro refrigerador com
  controle adequado de temperatura.
                                         (Brasil, 2001)
ASPECTOS OPERACIONAIS

• Vias de administração;
• Agulhas e seringas mais utilizadas;
• Organização do espaço de trabalho.
ASPECTOS OPERACIONAIS

• A sala de vacinas deverá ser utilizada
  somente para conservação e aplicação
  dos mesmos. Não é permitido que
  nesta mesma sala se realizem outros
  procedimentos como curativos,
  inalações, alimentação, aplicação de
  outros medicamentos injetáveis.
ASPECTOS OPERACIONAIS
ASPECTOS OPERACIONAIS
• Cuidados com o lixo na sala de vacinação:
• A) atenção redobrada ao descarte de perfuro-
  cortantes;
• B) verificação do dia do recolhimento do lixo
  perfuro-cortante por empresa especializada;
• C) uso do saco de lixo leitoso (material
  infectante).
CALENDÁRIOS DE VACINAÇÃO

• SBIM
• MINISTÉRIO DA SAÚDE
• Preenchimento uniformizado do cartão de
  imunização (criança, adolescente, adulto e idoso);
• Observação dos tipos de cartão de cartão da
  criança;
• Observação dos grupos especiais.
CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS

• BCG;
• HEPATITE B;
     A) quarta dose do prematuro;
     B) vacinação do adolescente;
     C) dosagem diferenciada do adulto.
• TETRA (DTP+Hib)
• VOP; duas gotinhas que fizeram a diferença;
• TRIVIRAL ou SCR;
CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS

•   DTP;
•   DTPa; indicação específica;
•   PNEUMOCÓCICA 10-VALENTE;
•   MENINGOCÓCICA C;
•   ROTA-VÍRUS;
•   INFLUENZA SAZONAL + H1N1.
CENTRO DE REFERÊNCIA EM
       IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

•   Dupla infantil;
•   Tríplice acelular;
•   Hepatite A;
•   Varicela;
•   Pneumo 23 valente;
•   Penta (DTP+Hib+pólio)
ASPECTOS ÉTICOS

• O atendimento à clientela;
• O trabalho em equipe;
• A socialização do conhecimento;
• A segurança da informação dispensada;
• A contribuição com a saúde pública
  brasileira.
Referência bibliográficas
• Moreira, T.M.M., Enfermagem em saúde
  coletiva II. Imunização. Mimeo, 2004. 7p.
• Brasil, Ministério da Saúde. Manual de
  Procedimentos para Vacinação. Aranda et
  al. 4. ed. – Brasília, 2001. 316 p.
• Toscano, C., Kosim, L., Cartilha de vacinas:
  para quem quer mesmo saber das coisas.
  Brasília. Organização Pan-Americana da Saúde,
  2003. 40p.
MEUS AGRADECIMENTOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasilkellyschorro18
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxWellingtonTeixeira24
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIAAna Carolina Costa
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaGhiordanno Bruno
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaMario Gandra
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunizaçãoLucas Matos
 
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde ColetivaRede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde ColetivaEnfº Ícaro Araújo
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherFernanda Marinho
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)ivanaferraz
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúdeRicardo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Imunização
Imunização Imunização
Imunização
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunização
 
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde ColetivaRede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Pp sobre imunização 2
Pp sobre imunização 2Pp sobre imunização 2
Pp sobre imunização 2
 
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
 

Semelhante a Imunização

Sala de-vacina
Sala de-vacinaSala de-vacina
Sala de-vacinaYane Silva
 
Aula 5 imunobiológicos Bilato correia eleoterio
Aula 5 imunobiológicos Bilato correia eleoterioAula 5 imunobiológicos Bilato correia eleoterio
Aula 5 imunobiológicos Bilato correia eleoterioBilatoCorreiaEleoter
 
PROTEÇÃO E SEGURANÇA DAS VACINAS.pptx
PROTEÇÃO E SEGURANÇA DAS VACINAS.pptxPROTEÇÃO E SEGURANÇA DAS VACINAS.pptx
PROTEÇÃO E SEGURANÇA DAS VACINAS.pptxElaineParenteLustosa1
 
Sp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupeSp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupeIsmael Costa
 
Aula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoAula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoIsmael Costa
 
AULA 6 - Cuidados na administração vacinas
AULA 6 - Cuidados na administração vacinasAULA 6 - Cuidados na administração vacinas
AULA 6 - Cuidados na administração vacinasBilatoCorreiaEleoter
 
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdfAULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdfAlefySantos2
 
PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptxPNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptxtaliso
 
Covid-19: prevenção e abordagem em Mães e Recém-nascidos em Maternidades / SBP
Covid-19: prevenção e abordagem em Mães e Recém-nascidos em Maternidades / SBP Covid-19: prevenção e abordagem em Mães e Recém-nascidos em Maternidades / SBP
Covid-19: prevenção e abordagem em Mães e Recém-nascidos em Maternidades / SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda GraveProtocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda GraveFarmacêutico Digital
 
Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01Kelly Praxedes
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emClaysson Xavier
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaNathy Oliveira
 
ICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de VacinasICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de VacinasRicardo Portela
 
Decreto lei 95 criticas 22.05.15
Decreto lei 95 criticas 22.05.15Decreto lei 95 criticas 22.05.15
Decreto lei 95 criticas 22.05.15salgadokk
 

Semelhante a Imunização (20)

Sala de-vacina
Sala de-vacinaSala de-vacina
Sala de-vacina
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 
Aula 5 imunobiológicos Bilato correia eleoterio
Aula 5 imunobiológicos Bilato correia eleoterioAula 5 imunobiológicos Bilato correia eleoterio
Aula 5 imunobiológicos Bilato correia eleoterio
 
PROTEÇÃO E SEGURANÇA DAS VACINAS.pptx
PROTEÇÃO E SEGURANÇA DAS VACINAS.pptxPROTEÇÃO E SEGURANÇA DAS VACINAS.pptx
PROTEÇÃO E SEGURANÇA DAS VACINAS.pptx
 
Eventos Adversos Pós-vacinação
Eventos Adversos Pós-vacinaçãoEventos Adversos Pós-vacinação
Eventos Adversos Pós-vacinação
 
Sp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupeSp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupe
 
Aula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoAula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo Estado
 
AULA 6 - Cuidados na administração vacinas
AULA 6 - Cuidados na administração vacinasAULA 6 - Cuidados na administração vacinas
AULA 6 - Cuidados na administração vacinas
 
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdfAULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
 
PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptxPNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
 
2_CADEIA DE FRIO.ppt
2_CADEIA DE FRIO.ppt2_CADEIA DE FRIO.ppt
2_CADEIA DE FRIO.ppt
 
Covid-19: prevenção e abordagem em Mães e Recém-nascidos em Maternidades / SBP
Covid-19: prevenção e abordagem em Mães e Recém-nascidos em Maternidades / SBP Covid-19: prevenção e abordagem em Mães e Recém-nascidos em Maternidades / SBP
Covid-19: prevenção e abordagem em Mães e Recém-nascidos em Maternidades / SBP
 
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda GraveProtocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
 
Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
 
Uso de Antibióticos em Neonatologia: menos é mais!
Uso de Antibióticos em Neonatologia: menos é mais!Uso de Antibióticos em Neonatologia: menos é mais!
Uso de Antibióticos em Neonatologia: menos é mais!
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
ICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de VacinasICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
 
Decreto lei 95 criticas 22.05.15
Decreto lei 95 criticas 22.05.15Decreto lei 95 criticas 22.05.15
Decreto lei 95 criticas 22.05.15
 
Vacinação em tempos de COVID-19
Vacinação em tempos de COVID-19Vacinação em tempos de COVID-19
Vacinação em tempos de COVID-19
 

Imunização

  • 1. A SALA DE IMUNIZAÇÃO Enfa. Camila Marques da Silva Oliveira Enfermeira Especialista em Saúde da Família e Comunidade Membro do LAPRACS - UECE Fortaleza, 11 de maio de 2012
  • 2. •A história da imunização se confunde com a história da saúde coletiva. • Risco, vulnerabilidade, e práticas de prevenção e promoção da saúde. •Revolta da vacina às avessas no século XXI. •Estratégia de apropriação da saúde.
  • 3. •Programa Nacional de Imunização, 1973; •Características: segurança, integralidade, universalidade, territorialidade, equidade, participação social. Parece com alguma coisa que a gente conhece? •Os últimos casos de poliomielite no Brasil foram registrados em 1989.
  • 4. •A orientação do PNI não é fiscalizar, caçar culpados, mas analisar, trocar informações, tomar providências para corrigir. •A meta operacional básica do PNI é vacinar 100% das crianças menores de 1 ano com todas as vacinas indicadas no calendário básico.
  • 5.
  • 6. FUNDAMENTOS DE IMUNOLOGIA • IMUNIDADE: • A) natural; • B) adquirida; de forma ativa ou passiva. • RESPOSTA IMUNE: • A) fatores relacionados às vacinas; • B) fatores relacionados ao próprio organismo.
  • 7. FUNDAMENTOS DE IMUNOLOGIA • RESPOSTA IMUNE: • A) mecanismos inespecíficos: resposta superficiais (da superfície); • B) mecanismos específicos: resposta aprimorada antígeno anticorpo.
  • 8. CONCEITUANDO • “Vacinação é conseguida através da administração de antígenos preparados com uma suspensão de agentes infecciosos ou partes deles convenientemente processados com a finalidade de induzir o receptor ao desenvolvimento de um estado imunitário específico protetor e relativamente duradouro.” (Moreira, 2004)
  • 9. AGENTES IMUNIZANTES • Bactéria ou vírus vivo atenuado; • Vírus inativo; • Bactérias mortas; • Componentes de antígenos purificados e/ou modificados química ou geneticamente. • Líquido de suspensão: água destilada; • Conservantes, estabilizadores, antibióticos e adjuvantes.
  • 10. ORIGEM • INSTITUTO BUTANTAN • FIOCRUZ/ BIOMANGUINHOS; • NOVARTIS; • GSK. • Cada empresa se responsabiliza pelo controle de qualidade, seguindo os padrões da OMS, WHO e MS. • Conservação pela extensa Rede de Frio.
  • 11. CONTRA-INDICAÇÕES GERAIS • Imunodeficiência congênita ou adquirida; • Neoplasias malignas; • Corticoterapia prolongada; • Ver cada vacina para avaliar as contra-indicações específicas.
  • 12. ADIAMENTO DA VACINAÇÃO • Doenças agudas febris graves; • Transplantes de medula; • Terapia imunossupressora; • Uso de imunoglobulina; • Vacina contra febre amarela.
  • 13. FALSAS CONTRA-INDICAÇÕES • Doenças benignas comuns; • Desnutrição; • Vacina contra raiva em andamento; • Doença neurológica estável; • Antecedente familiar de convulsão; • Uso de corticóide por terapia curta; • Prematuridade ou baixo peso ao nascer, exceto BCG; (OPAS, 2003)
  • 14. ATENÇÃO • Não há limite superior de idade para aplicação de vacina, COM EXCEÇÃO para DTP e DT infantil, cujo limite é 6 anos, 11 meses e 29 dias. • HIV positivo: é possível aplicar todas as vacinas do PNI, implica dizer, carga viral baixa e alta contagem de linfócito CD4. Exceção: BCG contra-indicada; • AIDS: evitar vacinas de vírus vivo (Opas, 2003)
  • 15. EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAIS • Estão relacionados a: • A) situação de saúde do paciente no momento da aplicação; • B) técnica asséptica de aplicação; • C) instrumentalização; • Vigilância e monitoramento. (Brasil, 2001)
  • 16. REDE DE FRIO • Rede de Frio – A rede de frio do Brasil interliga os municípios brasileiros em uma complexa rede de armazenamento, distribuição e manutenção de vacinas em temperaturas adequadas nos níveis nacional, estadual e municipal e local. • Rede de Frio local – manter a temperatura dos imunobiológicos entre 2ºc e 8ºc. De quem é a responsabilidade?
  • 17.
  • 18.
  • 19. REDE DE FRIO • Cuidados básicos: • A) fazer a leitura correta da temperatura da geladeira no termômetro externo no início e no fim da jornada; • B) não permitir armazenamento de quaisquer outros materiais, sequer na porta; • C) verificar constantemente a vedação da geladeira; • D) uso de tomada exclusiva para cada geladeira.
  • 20. REDE DE FRIO • Caixa térmica: • A) retirar as baterias de gelo e aguardar 20 minutos pela retirada da “névoa”; • B) organizar o espaço da caixa para que seja possível a circulação do ar frio. • C) instalar o fio do termômetro externo; • D) trocas as baterias na metade da jornada de trabalho. (Brasil, 2001)
  • 21. REDE DE FRIO • Quando os equipamentos deixam de funcionar por motivo de corte de energia elétrica ou defeito, as portas das geladeiras deverão permanecer fechadas até que a situação se normalize ou até que se verifique o tipo de problema. Quando o problema perdurar por um período maior que 6 horas ou quando não for possível prever sua duração deve-se tomar algumas providências pois este fato pode inutilizar os produtos imunobiológicos. (Brasil, 2001)
  • 22. REDE DE FRIO • Esse prazo de seis horas só deve ser tolerado caso se tenha controle diário de temperatura através do mapa de controle da temperatura. • Caso o defeito não seja identificado ou não solucionado, esses imunobiológicos deverão ser transferidos para outro refrigerador com controle adequado de temperatura. (Brasil, 2001)
  • 23. ASPECTOS OPERACIONAIS • Vias de administração; • Agulhas e seringas mais utilizadas; • Organização do espaço de trabalho.
  • 24. ASPECTOS OPERACIONAIS • A sala de vacinas deverá ser utilizada somente para conservação e aplicação dos mesmos. Não é permitido que nesta mesma sala se realizem outros procedimentos como curativos, inalações, alimentação, aplicação de outros medicamentos injetáveis.
  • 26. ASPECTOS OPERACIONAIS • Cuidados com o lixo na sala de vacinação: • A) atenção redobrada ao descarte de perfuro- cortantes; • B) verificação do dia do recolhimento do lixo perfuro-cortante por empresa especializada; • C) uso do saco de lixo leitoso (material infectante).
  • 27. CALENDÁRIOS DE VACINAÇÃO • SBIM • MINISTÉRIO DA SAÚDE • Preenchimento uniformizado do cartão de imunização (criança, adolescente, adulto e idoso); • Observação dos tipos de cartão de cartão da criança; • Observação dos grupos especiais.
  • 28. CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS • BCG; • HEPATITE B; A) quarta dose do prematuro; B) vacinação do adolescente; C) dosagem diferenciada do adulto. • TETRA (DTP+Hib) • VOP; duas gotinhas que fizeram a diferença; • TRIVIRAL ou SCR;
  • 29. CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS • DTP; • DTPa; indicação específica; • PNEUMOCÓCICA 10-VALENTE; • MENINGOCÓCICA C; • ROTA-VÍRUS; • INFLUENZA SAZONAL + H1N1.
  • 30. CENTRO DE REFERÊNCIA EM IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS • Dupla infantil; • Tríplice acelular; • Hepatite A; • Varicela; • Pneumo 23 valente; • Penta (DTP+Hib+pólio)
  • 31. ASPECTOS ÉTICOS • O atendimento à clientela; • O trabalho em equipe; • A socialização do conhecimento; • A segurança da informação dispensada; • A contribuição com a saúde pública brasileira.
  • 32. Referência bibliográficas • Moreira, T.M.M., Enfermagem em saúde coletiva II. Imunização. Mimeo, 2004. 7p. • Brasil, Ministério da Saúde. Manual de Procedimentos para Vacinação. Aranda et al. 4. ed. – Brasília, 2001. 316 p. • Toscano, C., Kosim, L., Cartilha de vacinas: para quem quer mesmo saber das coisas. Brasília. Organização Pan-Americana da Saúde, 2003. 40p.