SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
INDICADORES DE SAÚDE
MORBIDADE E
MORTALIDADE

Prof.ª Cícera Patrícia
Morbidade e Mortalidade
Morbidade ou Morbilidade:
é a taxa de portadores de
determinada doença em relação à população total
estudada, em determinado local e em
determinado momento. A quantificação das
doenças ou cálculo das taxas e coeficientes de
morbidade e morbimortalidade são tarefas
essenciais para Vigilância epidemiológica e

Morbidade e Mortalidade


controle das doenças que, por sua vez
para fins de organização dos serviços de
saúde e intervenção nos níveis de saúde
publica podem ser divididas em doenças
transmissíveis e Doenças e Agravos Não
Transmissíveis - DANTs.
Morbidade e Mortalidade


A palavra morbilidade provém da palavra latina
morbus, que significa
tanto doença física, enfermidade,
como doença do espírito,paixão. A medida de
morbidade é um dos temas centrais
da epidemiologia, sendo que sua obtenção
apresenta diferentes graus de dificuldade.
Também é a taxa de portadores de
determinadas doenças em relação ao número
de habitantes sãos em determinado local ou em
determinado doente.
Morbidade e Mortalidade


Morbidade:

Variável característica das comunidades de seres vivos, refere-se
ao conjunto dos indivíduos que adquiriram doenças num dado
intervalo de tempo. Denota-se morbidade ao comportamento das
doenças e dos agravos à saúde em uma população exposta.


Coeficiente de morbidade:

Relação entre o número de casos de uma doença e a população
exposta a adoecer. Discriminado em coeficiente de incidência e
coeficiente de prevalência. Muito útil para o objetivo de controle de
doenças ou de agravos, bem como para estudos de análise do tipo
causa/efeito.

Coeficiente de Morbidade = Nº de casos de uma
doença x 10n
População
Morbidade e Mortalidade
Incidência:
Termo que em epidemiologia traduz a idéia
de intensidade com que acontece a
morbidade em uma população.

Morbidade e Mortalidade
Coeficiente de incidência:
Constitui medida do risco de doença ou agravo,
fundamentalmente nos estudos da etiologia de
doenças agudas e crônicas. É a razão entre o
número de casos novos de uma doença que ocorre
em uma coletividade, em um intervalo de tempo
determinado, e a população exposta ao risco de
adquirir referida doença no mesmo período,
multiplicando-se o resultado por potência de 10, que
é a base referencial da população.

Morbidade e Mortalidade
Prevalência:
Casuística de morbidade que se destaca por seus
valores maiores do que zero sobre os eventos de
saúde ou não-doença. É termo descritivo da força
com que subsistem as doenças nas coletividades.

Morbidade e Mortalidade
Coeficiente de prevalência:
Coeficiente que mede a força com que subsiste a
doença na coletividade. Expressa-se como a
relação entre o número de casos conhecidos de
uma dada doença e a população, multiplicando-se o
resultado pela base referencial da população, que é
potência de 10, usualmente 1.000, 10.000 ou
100.000.
CMP = Nº de casos conhecidos de uma
dada doença x 1.000
População

Morbidade e Mortalidade
Esperança de vida:
É o termo técnico utilizado em estatística vital
para designar “O número médio de anos que
ainda restam para serem vividos pelos
indivíduos que sobrevivem até a idade
considerada, pressupondo-se que as
probabilidades de morte que serviram para o
cálculo continuem as mesmas”.

Morbidade e Mortalidade
Mortalidade :
Variável característica das comunidades de seres
vivos, refere-se ao conjunto dos indivíduos que
morreram num dado intervalo de tempo.
 Coeficiente de mortalidade :
Relação entre a frequência absoluta de óbitos e o
número dos expostos ao risco de morrer. Pode ser
geral, quando inclui todos os óbitos e toda a
população da área em estudo, e pode ser
específico por idade, sexo, ocupação, causa, etc...

Morbidade e Mortalidade
Letalidade:
Entende-se como o maior ou menor poder que
uma doença tem de provocar a morte das
pessoas. Obtém-se a letalidade calculando-se a
relação entre o número de óbitos resultantes de
determinada causa e o número de pessoas que
foram realmente acometidas pela doença, com o
resultado expresso em percentual. A letalidade
da escabiose é nula, e a da raiva é de 100%,
havendo uma extensa gama de porções
intermediárias entre esses extremos.

Morbidade e Mortalidade
Coeficiente de letalidade:
Coeficiente resultante da relação entre o
número de óbitos decorrentes de determinada
causa e o número de pessoas que foram
realmente acometidas pela doença,
expressando-se sempre em percentual. È um
indicador útil para avaliar a virulência de um
determinado bioagente

Morbidade e Mortalidade
Mortalidade infantil:
Termo para designar todos os óbitos de
crianças menores de 1ano, ocorridos em
determinada área, em dado período de
tempo.
 Mortalidade neonatal:
Referente aos óbitos de menores de 28 dias
de idade (até 27 dias).
Sinônimo: mortalidade infantil precoce.

Morbidade e Mortalidade
Mortalidade pós-neonatal:
Compreende os óbitos ocorridos no período
que vai do 28 dia de vida até o 12 mês, antes
de a criança completar 1ano de idade.
Sinônimo: mortalidade tardia.

Epidemia, Endemia e Pandemia





Endemia:
É uma doença localizada em um espaço
limitado denominado “faixa endêmica”. Isso
quer dizer que, endemia é uma doença que se
manifesta apenas numa determinada região,
de causa local.
Para entender melhor: endemia é qualquer
doença que ocorre apenas em um
determinado local ou região, não atingindo
nem se espalhando para outras comunidades.
Epidemia, Endemia e Pandemia




Enquanto a epidemia se espalha por outras
localidades, a endemia tem duração continua
porém, restrito a uma determinada área.
No Brasil, existem áreas endêmicas. A título de
exemplo, pode ser citada a febre amarela comum
Amazônia. No período de infestação da doença,
as pessoas que viajam para tal região precisam
ser vacinadas. A dengue é outro exemplo de
endemia, pois são registrados focos da doença
em um espaço limitado, ou seja, ela não se
espalha por toda uma região, ocorre apenas onde
há incidência do mosquito transmissor da doença.
Epidemia, Endemia e Pandemia



Epidemia
É uma doença infecciosa e transmissível que
ocorre numa comunidade ou região e pode se
espalhar rapidamente entre as pessoas de
outras regiões, originando um surto
epidêmico. Isso poderá ocorrer por causa de
um grande desequilíbrio (mutação) do agente
transmissor da doença ou pelo surgimento de
um novo agente (desconhecido).
Epidemia, Endemia e Pandemia




A gripe aviária, por exemplo, é uma doença
“nova” que se iniciou como surto epidêmico.
Assim, a ocorrência de um único caso de uma
doença transmissível (ex.: poliomielite) ou o
primeiro caso de uma doença até então
desconhecida na área (ex.: gripe do frango)
requerem medidas de avaliação e
uma investigação completa, pois, representam
um perigo de originarem uma epidemia.
Com o tempo e um ambiente estável a ocorrência
de doença passa de epidêmica para endêmica e
depois para esporádica.
Epidemia, Endemia e Pandemia





Pandemia
A pandemia é uma epidemia que atinge grandes
proporções, podendo se espalhar por um ou mais
continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras
mortes ou destruindo cidades e regiões inteiras.
Para entender melhor: quando uma doença existe
apenas em uma determinada região é considerada
uma endemia (ou proporções pequenas da doença
que não sobrevive em outras localidades). Quando a
doença é transmitida para outras populações, infesta
mais de uma cidade ou região, denominamos
epidemia.
Epidemia, Endemia e Pandemia
Porém, quando uma epidemia se alastra de forma
desequilibrada se espalhando pelos continentes, ou
pelo mundo, ela é considerada pandemia.
 De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a
pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma
nova doença à população, quando o agente infecta os
humanos, causando doença séria ou quando o
agente esparrama facilmente e sustentavelmente
entre humanos.
 Os critérios de definição de uma pandemia são os
seguintes: a doença ou condição além de se espalhar
ou matar um grande número de pessoas, deve ser
infecciosa.
Epidemia, Endemia e Pandemia






Para saber mais: o câncer (responsável por inúmeras
mortes) não é considerado uma pandemia porque
não uma é doença infecciosa, ou seja, não é
transmissível.
Exemplos de Pandemias
AIDS, tuberculose, peste, gripe asiática, gripe
espanhola, tifo, etc.
É importante saber que: o vírus ebola e outras
doenças rapidamente letais como a febre de Lassa,
febre de Vale de Racha, vírus de Marburg, e a febre
de hemorragia boliviana são doenças altamente
contagiosas e mortais com o potencial teórico de se
tornar pandemias no futuro.
Reflexão
As vezes Deus não muda as
circunstancias, por que ele esta
usando as circunstancias para
mudar você. Seja como as ondas
do mar, que mesmo quebrando
contra os obstáculos, sempre
encontra forças para recomeçar!

Pense nisso!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 

Semelhante a MORBIDADE E MORTALIDADE

O que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, riscoO que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, risco
Ricardo Alexandre
 
Riscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologiaRiscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologia
Carlos Amade
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 

Semelhante a MORBIDADE E MORTALIDADE (20)

EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
 
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
 
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptxepidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
Medidas
MedidasMedidas
Medidas
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
 
AULÃO BIOLOGIA SIMULADO.pdf
AULÃO BIOLOGIA SIMULADO.pdfAULÃO BIOLOGIA SIMULADO.pdf
AULÃO BIOLOGIA SIMULADO.pdf
 
O que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, riscoO que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, risco
 
Aula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritivaAula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritiva
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
Aula 14
 
7ª AULA Epidemiologia.ppt
7ª AULA Epidemiologia.ppt7ª AULA Epidemiologia.ppt
7ª AULA Epidemiologia.ppt
 
Modelagm de Epidemias
Modelagm de EpidemiasModelagm de Epidemias
Modelagm de Epidemias
 
Riscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologiaRiscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologia
 
Viroses
VirosesViroses
Viroses
 
Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...
Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...
Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 

Último

4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
FLAVIA LEZAN
 

Último (20)

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 

MORBIDADE E MORTALIDADE

  • 1. INDICADORES DE SAÚDE MORBIDADE E MORTALIDADE Prof.ª Cícera Patrícia
  • 2. Morbidade e Mortalidade Morbidade ou Morbilidade: é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento. A quantificação das doenças ou cálculo das taxas e coeficientes de morbidade e morbimortalidade são tarefas essenciais para Vigilância epidemiológica e 
  • 3. Morbidade e Mortalidade  controle das doenças que, por sua vez para fins de organização dos serviços de saúde e intervenção nos níveis de saúde publica podem ser divididas em doenças transmissíveis e Doenças e Agravos Não Transmissíveis - DANTs.
  • 4. Morbidade e Mortalidade  A palavra morbilidade provém da palavra latina morbus, que significa tanto doença física, enfermidade, como doença do espírito,paixão. A medida de morbidade é um dos temas centrais da epidemiologia, sendo que sua obtenção apresenta diferentes graus de dificuldade. Também é a taxa de portadores de determinadas doenças em relação ao número de habitantes sãos em determinado local ou em determinado doente.
  • 5. Morbidade e Mortalidade  Morbidade: Variável característica das comunidades de seres vivos, refere-se ao conjunto dos indivíduos que adquiriram doenças num dado intervalo de tempo. Denota-se morbidade ao comportamento das doenças e dos agravos à saúde em uma população exposta.  Coeficiente de morbidade: Relação entre o número de casos de uma doença e a população exposta a adoecer. Discriminado em coeficiente de incidência e coeficiente de prevalência. Muito útil para o objetivo de controle de doenças ou de agravos, bem como para estudos de análise do tipo causa/efeito. Coeficiente de Morbidade = Nº de casos de uma doença x 10n População
  • 6. Morbidade e Mortalidade Incidência: Termo que em epidemiologia traduz a idéia de intensidade com que acontece a morbidade em uma população. 
  • 7. Morbidade e Mortalidade Coeficiente de incidência: Constitui medida do risco de doença ou agravo, fundamentalmente nos estudos da etiologia de doenças agudas e crônicas. É a razão entre o número de casos novos de uma doença que ocorre em uma coletividade, em um intervalo de tempo determinado, e a população exposta ao risco de adquirir referida doença no mesmo período, multiplicando-se o resultado por potência de 10, que é a base referencial da população. 
  • 8. Morbidade e Mortalidade Prevalência: Casuística de morbidade que se destaca por seus valores maiores do que zero sobre os eventos de saúde ou não-doença. É termo descritivo da força com que subsistem as doenças nas coletividades. 
  • 9. Morbidade e Mortalidade Coeficiente de prevalência: Coeficiente que mede a força com que subsiste a doença na coletividade. Expressa-se como a relação entre o número de casos conhecidos de uma dada doença e a população, multiplicando-se o resultado pela base referencial da população, que é potência de 10, usualmente 1.000, 10.000 ou 100.000. CMP = Nº de casos conhecidos de uma dada doença x 1.000 População 
  • 10. Morbidade e Mortalidade Esperança de vida: É o termo técnico utilizado em estatística vital para designar “O número médio de anos que ainda restam para serem vividos pelos indivíduos que sobrevivem até a idade considerada, pressupondo-se que as probabilidades de morte que serviram para o cálculo continuem as mesmas”. 
  • 11. Morbidade e Mortalidade Mortalidade : Variável característica das comunidades de seres vivos, refere-se ao conjunto dos indivíduos que morreram num dado intervalo de tempo.  Coeficiente de mortalidade : Relação entre a frequência absoluta de óbitos e o número dos expostos ao risco de morrer. Pode ser geral, quando inclui todos os óbitos e toda a população da área em estudo, e pode ser específico por idade, sexo, ocupação, causa, etc... 
  • 12. Morbidade e Mortalidade Letalidade: Entende-se como o maior ou menor poder que uma doença tem de provocar a morte das pessoas. Obtém-se a letalidade calculando-se a relação entre o número de óbitos resultantes de determinada causa e o número de pessoas que foram realmente acometidas pela doença, com o resultado expresso em percentual. A letalidade da escabiose é nula, e a da raiva é de 100%, havendo uma extensa gama de porções intermediárias entre esses extremos. 
  • 13. Morbidade e Mortalidade Coeficiente de letalidade: Coeficiente resultante da relação entre o número de óbitos decorrentes de determinada causa e o número de pessoas que foram realmente acometidas pela doença, expressando-se sempre em percentual. È um indicador útil para avaliar a virulência de um determinado bioagente 
  • 14. Morbidade e Mortalidade Mortalidade infantil: Termo para designar todos os óbitos de crianças menores de 1ano, ocorridos em determinada área, em dado período de tempo.  Mortalidade neonatal: Referente aos óbitos de menores de 28 dias de idade (até 27 dias). Sinônimo: mortalidade infantil precoce. 
  • 15. Morbidade e Mortalidade Mortalidade pós-neonatal: Compreende os óbitos ocorridos no período que vai do 28 dia de vida até o 12 mês, antes de a criança completar 1ano de idade. Sinônimo: mortalidade tardia. 
  • 16. Epidemia, Endemia e Pandemia    Endemia: É uma doença localizada em um espaço limitado denominado “faixa endêmica”. Isso quer dizer que, endemia é uma doença que se manifesta apenas numa determinada região, de causa local. Para entender melhor: endemia é qualquer doença que ocorre apenas em um determinado local ou região, não atingindo nem se espalhando para outras comunidades.
  • 17. Epidemia, Endemia e Pandemia   Enquanto a epidemia se espalha por outras localidades, a endemia tem duração continua porém, restrito a uma determinada área. No Brasil, existem áreas endêmicas. A título de exemplo, pode ser citada a febre amarela comum Amazônia. No período de infestação da doença, as pessoas que viajam para tal região precisam ser vacinadas. A dengue é outro exemplo de endemia, pois são registrados focos da doença em um espaço limitado, ou seja, ela não se espalha por toda uma região, ocorre apenas onde há incidência do mosquito transmissor da doença.
  • 18. Epidemia, Endemia e Pandemia   Epidemia É uma doença infecciosa e transmissível que ocorre numa comunidade ou região e pode se espalhar rapidamente entre as pessoas de outras regiões, originando um surto epidêmico. Isso poderá ocorrer por causa de um grande desequilíbrio (mutação) do agente transmissor da doença ou pelo surgimento de um novo agente (desconhecido).
  • 19. Epidemia, Endemia e Pandemia   A gripe aviária, por exemplo, é uma doença “nova” que se iniciou como surto epidêmico. Assim, a ocorrência de um único caso de uma doença transmissível (ex.: poliomielite) ou o primeiro caso de uma doença até então desconhecida na área (ex.: gripe do frango) requerem medidas de avaliação e uma investigação completa, pois, representam um perigo de originarem uma epidemia. Com o tempo e um ambiente estável a ocorrência de doença passa de epidêmica para endêmica e depois para esporádica.
  • 20. Epidemia, Endemia e Pandemia    Pandemia A pandemia é uma epidemia que atinge grandes proporções, podendo se espalhar por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes ou destruindo cidades e regiões inteiras. Para entender melhor: quando uma doença existe apenas em uma determinada região é considerada uma endemia (ou proporções pequenas da doença que não sobrevive em outras localidades). Quando a doença é transmitida para outras populações, infesta mais de uma cidade ou região, denominamos epidemia.
  • 21. Epidemia, Endemia e Pandemia Porém, quando uma epidemia se alastra de forma desequilibrada se espalhando pelos continentes, ou pelo mundo, ela é considerada pandemia.  De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença à população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente esparrama facilmente e sustentavelmente entre humanos.  Os critérios de definição de uma pandemia são os seguintes: a doença ou condição além de se espalhar ou matar um grande número de pessoas, deve ser infecciosa.
  • 22. Epidemia, Endemia e Pandemia    Para saber mais: o câncer (responsável por inúmeras mortes) não é considerado uma pandemia porque não uma é doença infecciosa, ou seja, não é transmissível. Exemplos de Pandemias AIDS, tuberculose, peste, gripe asiática, gripe espanhola, tifo, etc. É importante saber que: o vírus ebola e outras doenças rapidamente letais como a febre de Lassa, febre de Vale de Racha, vírus de Marburg, e a febre de hemorragia boliviana são doenças altamente contagiosas e mortais com o potencial teórico de se tornar pandemias no futuro.
  • 23. Reflexão As vezes Deus não muda as circunstancias, por que ele esta usando as circunstancias para mudar você. Seja como as ondas do mar, que mesmo quebrando contra os obstáculos, sempre encontra forças para recomeçar! Pense nisso!