SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
11. Papéis de Trabalho
Roteiro do nosso trabalho
Conceito de Documentação de Auditoria
Tipos de papéis de trabalho
Finalidades
Objetivo
Guarda e Sigilo
Organização e Identificação
Evidência do Trabalho Realizado
Faculdade Maurício de Nassau 1
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Documentação de auditoria é o registro dos procedimentos de
auditoria executados, da evidência de auditoria relevante obtida e das
conclusões alcançadas pelo auditor.
“Usualmente utiliza-se a expressão “Papéis de Trabalho”.
(NBC TA 230, item 6)
Faculdade Maurício de Nassau 2
Conceituação
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Os papéis de trabalho constituem a documentação preparada pelo auditor
ou fornecida a este na execução da auditoria.
Eles integram um processo organizado de registro de evidências de
auditoria, através de informações fixadas em suporte de: papel, fotografias,
filmes, arquivos eletrônicos ou outros meios que assegurem o objetivo a
que se destinam.
Faculdade Maurício de Nassau 3
Conceituação
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 4
Permanentes - papéis de trabalho de caráter permanente são os
utilizados em mais de uma auditoria.
Correntes – papéis de trabalho que são os utilizados na auditoria em
curso.
Tipos de papéis de trabalho
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 5
Tipos de papéis de trabalho
A pasta ou arquivo permanente, normalmente, pode conter:
 Cópia dos relatórios anteriores com as respectivas respostas dos
clientes
 Registro de reuniões com a alta administração
 Comentário dos auditores sobre assuntos importantes, excluídos do
programa de auditoria devido ao objetivo específico do exame
 Diversos:
Organogramas, contratos, fluxogramas, informações financeiras
históricas, resumo de horas despendidas no exame, diretrizes,
instruções, atas de reunião, entre outros
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 6
Finalidades
A documentação de auditoria, que atende às exigências da NBC TA 230,
fornece:
(a) evidência do embasamento do auditor para uma conclusão
quanto ao cumprimento do objetivo da Auditoria; e
(b) evidência de que a auditoria foi planejada e executada em
conformidade com as normas de auditoria e exigências legais e
regulamentares aplicáveis.
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 7
Objetivo
Os papéis de trabalho têm por objetivo:
 Apresentar registro dos exames realizados
 Demonstrar os objetivos, o escopo, a metodologia e os critérios de amostragem
 Evidenciar a realização do trabalho que embasou as conclusões e as
recomendações
 Fornecer informações relevantes ao planejamento de futuras auditorias
 Registrar a evidência de reexame da supervisão do trabalho realizado
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 8
Objetivo
Os papéis de trabalho têm por finalidade:
 Apresentar na justiça as evidências do trabalho realizado, caso seja movido uma
ação contra o auditor
 Defesa da conduta ético profissional do auditor e da firma de Auditoria junto a sua
entidade de classe
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 9
 A documentação de auditoria deve ser completada em até 60 dias após a
data do relatório;
 Deve ser guardada no mínimo por 5 anos da data do relatório do auditor*
 A propriedade dos papéis de trabalho é do auditor e da firma de auditoria
 O acesso a terceiros somente ocorrerá com expressa autorização da
entidade auditada ou para cumprimento de dever legal (ordem administrativa
ou judicial)
Guarda e Sigilo
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 10
Os papéis de trabalho constituem o elo entre o trabalho de campo e
o relatório de auditoria. Devido à importância e utilização, a
preparação dos papéis de trabalho deve ser orientada pelos
critérios a seguir
Organização e Identificação
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 11
Concisão – devem ser claros, de forma que todos entendam sem
necessidade de explicações da pessoa que os elaborou;
Objetividade – com objetivos claros, de forma que se entenda
aonde o auditor quer chegar;
Limpeza – os papéis devem estar limpos, de maneira a não
prejudicar o seu entendimento;
Organização e Identificação
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 12
Lógica – os papéis devem ser elaborados de forma lógica de
raciocínio, na sequência natural do objetivo a ser atingido;
Completude – conter todas as informações julgadas necessárias
para fundamentar a opinião do auditor, quando da realização do
relatório e parecer
Organização e Identificação
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 13
As atividades de uma auditoria consistem na aplicação dos
procedimentos de auditoria para a obtenção de evidência de
auditoria adequada e suficiente, para formar uma opinião sobre as
demonstrações contábeis.
Evidência do Trabalho Realizado
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 14
A evidência de auditoria eficaz deve ser:
 Suficiente e apropriada para atender aos objetivos de auditoria:
Suficiência relaciona-se com a extensão dos procedimentos
executados e, propriedade relaciona-se com a natureza e época
de aplicação dos procedimentos
 Obtida com eficiência, isto é, ao menor custo
 Oferecer informações que permitam aumentar o valor do serviço
de auditoria para os clientes
Evidência do Trabalho Realizado
NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4
AUDITORIA OPERACIONAL
Faculdade Maurício de Nassau 15
ATTIE, William. AUDITORIA: conceitos e aplicações. 6 ed. São Paulo: Atlas,
2011.
CFC. Conselho Federal de Contabilidade. Normas brasileiras de contabilidade:
NBC TA – de auditoria independente; NBC TA estrutura conceitual e NBC TA
200 a 810. Brasília: CFC, 2012 (NBC TA 230).
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Auditoria de inventários
Auditoria de inventáriosAuditoria de inventários
Auditoria de inventáriosfabioavela
 
3 Auditoria - Normas
3   Auditoria - Normas3   Auditoria - Normas
3 Auditoria - NormasBolivar Motta
 
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De AuditoriaTécnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De AuditoriaMarlon de Freitas
 
153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdfLucas Ferreira
 
12 - NBC TA 500 - Evidência de Auditoria
12 - NBC TA 500 - Evidência de Auditoria12 - NBC TA 500 - Evidência de Auditoria
12 - NBC TA 500 - Evidência de AuditoriaMoore Stephens Brasil
 
NBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de Auditoria
NBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de AuditoriaNBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de Auditoria
NBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de AuditoriaMoore Stephens Brasil
 
Aula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdfAula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdfSheilaCortes2
 
Auditoria contábil - situações práticas
Auditoria contábil - situações práticasAuditoria contábil - situações práticas
Auditoria contábil - situações práticasKarla Carioca
 
Auditoria no contexto de sistemas de informação computadorizados
Auditoria no contexto de sistemas de informação computadorizadosAuditoria no contexto de sistemas de informação computadorizados
Auditoria no contexto de sistemas de informação computadorizadosUniversidade Pedagogica
 
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações ContábeisMoore Stephens Brasil
 

Mais procurados (20)

Aula 4 - 3 Auditoria Fiscal
Aula 4 - 3 Auditoria FiscalAula 4 - 3 Auditoria Fiscal
Aula 4 - 3 Auditoria Fiscal
 
Auditoria de inventários
Auditoria de inventáriosAuditoria de inventários
Auditoria de inventários
 
3 Auditoria - Normas
3   Auditoria - Normas3   Auditoria - Normas
3 Auditoria - Normas
 
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De AuditoriaTécnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
 
153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf
 
12 - NBC TA 500 - Evidência de Auditoria
12 - NBC TA 500 - Evidência de Auditoria12 - NBC TA 500 - Evidência de Auditoria
12 - NBC TA 500 - Evidência de Auditoria
 
NBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de Auditoria
NBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de AuditoriaNBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de Auditoria
NBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de Auditoria
 
Aula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdfAula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdf
 
Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.
Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.
Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.
 
Dicionário de Auditoria
Dicionário de AuditoriaDicionário de Auditoria
Dicionário de Auditoria
 
Auditoria contábil - situações práticas
Auditoria contábil - situações práticasAuditoria contábil - situações práticas
Auditoria contábil - situações práticas
 
Aulas 7 e 8 - 6 Auditoria: Controle Interno
Aulas 7 e 8 -  6 Auditoria: Controle InternoAulas 7 e 8 -  6 Auditoria: Controle Interno
Aulas 7 e 8 - 6 Auditoria: Controle Interno
 
Aula 20 - 13. O Parecer de Auditoria
Aula 20 - 13. O Parecer de AuditoriaAula 20 - 13. O Parecer de Auditoria
Aula 20 - 13. O Parecer de Auditoria
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
 
Auditoria Contábil
Auditoria Contábil Auditoria Contábil
Auditoria Contábil
 
Controlo interno
Controlo internoControlo interno
Controlo interno
 
Auditoria no contexto de sistemas de informação computadorizados
Auditoria no contexto de sistemas de informação computadorizadosAuditoria no contexto de sistemas de informação computadorizados
Auditoria no contexto de sistemas de informação computadorizados
 
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de AuditoriaAulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
 
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
 
Etapas auditoria
Etapas auditoriaEtapas auditoria
Etapas auditoria
 

Destaque

Auditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidadesAuditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidadesClaudia Marinho
 
Auditoria contas a_receber
Auditoria contas a_receberAuditoria contas a_receber
Auditoria contas a_receberClaudia Marinho
 
Aulas 15 - 9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
Aulas 15 -  9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...Aulas 15 -  9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
Aulas 15 - 9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos AnalíticosMoore Stephens Brasil
 
Apostila auditoria
Apostila auditoriaApostila auditoria
Apostila auditoriaLuiz Junior
 
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...Secretaria de Estado da Tributação do RN
 

Destaque (16)

Papéis de trabalho do auditor
Papéis de trabalho do auditorPapéis de trabalho do auditor
Papéis de trabalho do auditor
 
Aula 16 - 10 Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeis
Aula 16 - 10  Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeisAula 16 - 10  Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeis
Aula 16 - 10 Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeis
 
Auditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidadesAuditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidades
 
Auditoria contas a_receber
Auditoria contas a_receberAuditoria contas a_receber
Auditoria contas a_receber
 
Aulas 15 - 9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
Aulas 15 -  9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...Aulas 15 -  9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
Aulas 15 - 9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
 
Slides da apresentação: Tributação do ICMS na atividade das Cooperativas
Slides da apresentação:   Tributação do ICMS na atividade das CooperativasSlides da apresentação:   Tributação do ICMS na atividade das Cooperativas
Slides da apresentação: Tributação do ICMS na atividade das Cooperativas
 
16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
 
Apostila auditoria
Apostila auditoriaApostila auditoria
Apostila auditoria
 
Auditoria de estoques
Auditoria de estoquesAuditoria de estoques
Auditoria de estoques
 
Aula 6 - 5 Auditoria de Sistemas
Aula 6 - 5 Auditoria de SistemasAula 6 - 5 Auditoria de Sistemas
Aula 6 - 5 Auditoria de Sistemas
 
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
 
Aula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Aula 1 - Origem e evolução da AuditoriaAula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Aula 1 - Origem e evolução da Auditoria
 
Aula 3 - 2 Auditoria Contábil
Aula 3 - 2 Auditoria ContábilAula 3 - 2 Auditoria Contábil
Aula 3 - 2 Auditoria Contábil
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Amostragem em auditoria
Amostragem em auditoriaAmostragem em auditoria
Amostragem em auditoria
 
Check list auditoria
Check list auditoriaCheck list auditoria
Check list auditoria
 

Semelhante a Aula 17 - 11. Papéis de Trabalho

Auditoria Alfacastelo _ Moisés Bagagi
Auditoria Alfacastelo _ Moisés BagagiAuditoria Alfacastelo _ Moisés Bagagi
Auditoria Alfacastelo _ Moisés BagagiMoises Bagagi
 
Auditoria governamental aula 2
Auditoria governamental aula 2Auditoria governamental aula 2
Auditoria governamental aula 2Felipe Souza
 
Como_fazer_uma_boa_auditoria.ppt
Como_fazer_uma_boa_auditoria.pptComo_fazer_uma_boa_auditoria.ppt
Como_fazer_uma_boa_auditoria.pptsandra468841
 
Como fazer uma_boa_auditoria
Como fazer uma_boa_auditoriaComo fazer uma_boa_auditoria
Como fazer uma_boa_auditoriaOicram Santos
 
Como fazer uma boa auditoria
Como fazer uma  boa auditoriaComo fazer uma  boa auditoria
Como fazer uma boa auditoriaFabio Cristiano
 
Slide Auditoria - 2a. unidade -Aula (1).ppt
Slide Auditoria - 2a. unidade  -Aula (1).pptSlide Auditoria - 2a. unidade  -Aula (1).ppt
Slide Auditoria - 2a. unidade -Aula (1).pptZoraide6
 
Slide 02.1 Auditoria1 - 2a. unidade (1).ppt
Slide 02.1 Auditoria1 - 2a.  unidade (1).pptSlide 02.1 Auditoria1 - 2a.  unidade (1).ppt
Slide 02.1 Auditoria1 - 2a. unidade (1).pptZoraide6
 
Psq 00x auditorias-internas_modelo_v00
Psq 00x auditorias-internas_modelo_v00Psq 00x auditorias-internas_modelo_v00
Psq 00x auditorias-internas_modelo_v00Marcos Henrique
 
auditoriasinternas.pptx
auditoriasinternas.pptxauditoriasinternas.pptx
auditoriasinternas.pptxZE RIKI
 
Normas de auditoria reduzida
Normas de auditoria reduzidaNormas de auditoria reduzida
Normas de auditoria reduzidaclaudio guimaraes
 

Semelhante a Aula 17 - 11. Papéis de Trabalho (20)

Auditoria Alfacastelo _ Moisés Bagagi
Auditoria Alfacastelo _ Moisés BagagiAuditoria Alfacastelo _ Moisés Bagagi
Auditoria Alfacastelo _ Moisés Bagagi
 
Ua 4
Ua 4Ua 4
Ua 4
 
Auditoria governamental aula 2
Auditoria governamental aula 2Auditoria governamental aula 2
Auditoria governamental aula 2
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Como_fazer_uma_boa_auditoria.ppt
Como_fazer_uma_boa_auditoria.pptComo_fazer_uma_boa_auditoria.ppt
Como_fazer_uma_boa_auditoria.ppt
 
Auditoria de Software.ppt
Auditoria de Software.pptAuditoria de Software.ppt
Auditoria de Software.ppt
 
Como fazer uma_boa_auditoria
Como fazer uma_boa_auditoriaComo fazer uma_boa_auditoria
Como fazer uma_boa_auditoria
 
Como fazer uma boa auditoria
Como fazer uma  boa auditoriaComo fazer uma  boa auditoria
Como fazer uma boa auditoria
 
Resolução cfc nº
Resolução cfc nºResolução cfc nº
Resolução cfc nº
 
Slide Auditoria - 2a. unidade -Aula (1).ppt
Slide Auditoria - 2a. unidade  -Aula (1).pptSlide Auditoria - 2a. unidade  -Aula (1).ppt
Slide Auditoria - 2a. unidade -Aula (1).ppt
 
Slide 02.1 Auditoria1 - 2a. unidade (1).ppt
Slide 02.1 Auditoria1 - 2a.  unidade (1).pptSlide 02.1 Auditoria1 - 2a.  unidade (1).ppt
Slide 02.1 Auditoria1 - 2a. unidade (1).ppt
 
Auditoria da qualidade
Auditoria da qualidadeAuditoria da qualidade
Auditoria da qualidade
 
Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001
 
Auditoria iso 90011
Auditoria iso 90011Auditoria iso 90011
Auditoria iso 90011
 
pratica auditoria
pratica auditoriapratica auditoria
pratica auditoria
 
Nbc t 11
Nbc t 11Nbc t 11
Nbc t 11
 
Psq 00x auditorias-internas_modelo_v00
Psq 00x auditorias-internas_modelo_v00Psq 00x auditorias-internas_modelo_v00
Psq 00x auditorias-internas_modelo_v00
 
auditoriasinternas.pptx
auditoriasinternas.pptxauditoriasinternas.pptx
auditoriasinternas.pptx
 
Normas de auditoria reduzida
Normas de auditoria reduzidaNormas de auditoria reduzida
Normas de auditoria reduzida
 
Auditoria Contábil
Auditoria ContábilAuditoria Contábil
Auditoria Contábil
 

Mais de Secretaria de Estado da Tributação do RN

Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de ApocalipseCurso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de ApocalipseSecretaria de Estado da Tributação do RN
 
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...Secretaria de Estado da Tributação do RN
 

Mais de Secretaria de Estado da Tributação do RN (11)

Mordomia Cristã do Tesouro
Mordomia Cristã do TesouroMordomia Cristã do Tesouro
Mordomia Cristã do Tesouro
 
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de ApocalipseCurso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
 
UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdf
UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdfUMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdf
UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdf
 
Interpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdf
Interpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdfInterpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdf
Interpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdf
 
Apocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdf
Apocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdfApocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdf
Apocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdf
 
Teologia do Pacto
Teologia do PactoTeologia do Pacto
Teologia do Pacto
 
Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.
Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.
Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.
 
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
 
Palestra educação financeira - Preparação para a Aposentação
Palestra educação financeira - Preparação para a  Aposentação Palestra educação financeira - Preparação para a  Aposentação
Palestra educação financeira - Preparação para a Aposentação
 
Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]
 
Educação fiscal e evolução do índice de participação dos municípios
Educação fiscal e evolução do índice de participação dos municípiosEducação fiscal e evolução do índice de participação dos municípios
Educação fiscal e evolução do índice de participação dos municípios
 

Aula 17 - 11. Papéis de Trabalho

  • 1. 11. Papéis de Trabalho
  • 2. Roteiro do nosso trabalho Conceito de Documentação de Auditoria Tipos de papéis de trabalho Finalidades Objetivo Guarda e Sigilo Organização e Identificação Evidência do Trabalho Realizado Faculdade Maurício de Nassau 1
  • 3. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Documentação de auditoria é o registro dos procedimentos de auditoria executados, da evidência de auditoria relevante obtida e das conclusões alcançadas pelo auditor. “Usualmente utiliza-se a expressão “Papéis de Trabalho”. (NBC TA 230, item 6) Faculdade Maurício de Nassau 2 Conceituação
  • 4. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Os papéis de trabalho constituem a documentação preparada pelo auditor ou fornecida a este na execução da auditoria. Eles integram um processo organizado de registro de evidências de auditoria, através de informações fixadas em suporte de: papel, fotografias, filmes, arquivos eletrônicos ou outros meios que assegurem o objetivo a que se destinam. Faculdade Maurício de Nassau 3 Conceituação
  • 5. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 4 Permanentes - papéis de trabalho de caráter permanente são os utilizados em mais de uma auditoria. Correntes – papéis de trabalho que são os utilizados na auditoria em curso. Tipos de papéis de trabalho
  • 6. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 5 Tipos de papéis de trabalho A pasta ou arquivo permanente, normalmente, pode conter:  Cópia dos relatórios anteriores com as respectivas respostas dos clientes  Registro de reuniões com a alta administração  Comentário dos auditores sobre assuntos importantes, excluídos do programa de auditoria devido ao objetivo específico do exame  Diversos: Organogramas, contratos, fluxogramas, informações financeiras históricas, resumo de horas despendidas no exame, diretrizes, instruções, atas de reunião, entre outros
  • 7. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 6 Finalidades A documentação de auditoria, que atende às exigências da NBC TA 230, fornece: (a) evidência do embasamento do auditor para uma conclusão quanto ao cumprimento do objetivo da Auditoria; e (b) evidência de que a auditoria foi planejada e executada em conformidade com as normas de auditoria e exigências legais e regulamentares aplicáveis.
  • 8. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 7 Objetivo Os papéis de trabalho têm por objetivo:  Apresentar registro dos exames realizados  Demonstrar os objetivos, o escopo, a metodologia e os critérios de amostragem  Evidenciar a realização do trabalho que embasou as conclusões e as recomendações  Fornecer informações relevantes ao planejamento de futuras auditorias  Registrar a evidência de reexame da supervisão do trabalho realizado
  • 9. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 8 Objetivo Os papéis de trabalho têm por finalidade:  Apresentar na justiça as evidências do trabalho realizado, caso seja movido uma ação contra o auditor  Defesa da conduta ético profissional do auditor e da firma de Auditoria junto a sua entidade de classe
  • 10. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 9  A documentação de auditoria deve ser completada em até 60 dias após a data do relatório;  Deve ser guardada no mínimo por 5 anos da data do relatório do auditor*  A propriedade dos papéis de trabalho é do auditor e da firma de auditoria  O acesso a terceiros somente ocorrerá com expressa autorização da entidade auditada ou para cumprimento de dever legal (ordem administrativa ou judicial) Guarda e Sigilo
  • 11. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 10 Os papéis de trabalho constituem o elo entre o trabalho de campo e o relatório de auditoria. Devido à importância e utilização, a preparação dos papéis de trabalho deve ser orientada pelos critérios a seguir Organização e Identificação
  • 12. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 11 Concisão – devem ser claros, de forma que todos entendam sem necessidade de explicações da pessoa que os elaborou; Objetividade – com objetivos claros, de forma que se entenda aonde o auditor quer chegar; Limpeza – os papéis devem estar limpos, de maneira a não prejudicar o seu entendimento; Organização e Identificação
  • 13. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 12 Lógica – os papéis devem ser elaborados de forma lógica de raciocínio, na sequência natural do objetivo a ser atingido; Completude – conter todas as informações julgadas necessárias para fundamentar a opinião do auditor, quando da realização do relatório e parecer Organização e Identificação
  • 14. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 13 As atividades de uma auditoria consistem na aplicação dos procedimentos de auditoria para a obtenção de evidência de auditoria adequada e suficiente, para formar uma opinião sobre as demonstrações contábeis. Evidência do Trabalho Realizado
  • 15. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 14 A evidência de auditoria eficaz deve ser:  Suficiente e apropriada para atender aos objetivos de auditoria: Suficiência relaciona-se com a extensão dos procedimentos executados e, propriedade relaciona-se com a natureza e época de aplicação dos procedimentos  Obtida com eficiência, isto é, ao menor custo  Oferecer informações que permitam aumentar o valor do serviço de auditoria para os clientes Evidência do Trabalho Realizado
  • 16. NORMAS DE AUDITORIA – AULA 4 AUDITORIA OPERACIONAL Faculdade Maurício de Nassau 15 ATTIE, William. AUDITORIA: conceitos e aplicações. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2011. CFC. Conselho Federal de Contabilidade. Normas brasileiras de contabilidade: NBC TA – de auditoria independente; NBC TA estrutura conceitual e NBC TA 200 a 810. Brasília: CFC, 2012 (NBC TA 230). REFERÊNCIAS