SlideShare uma empresa Scribd logo
13. Relatórios de auditoria
Introdução 
ConceituaçãodeRelatóriodeAuditoria 
TiposdeRelatório 
Técnicadeelaboração 
Roteiro do trabalho 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 1
“Auditoresocupamposiçãoprivilegiada,porentenderofuncionamentodeváriasorganizaçõesesaberdequeformaelasutilizamrecursosparaatingirseusobjetivos. 
PessoaseorganizaçõesquecontratamserviçosdeAsseguração(Auditoriaououtro)desejamteracessoaesseconhecimento. 
Odesafioécompartilharesseconhecimentodeformaque:(i)ajudemosclientesaatingirseusobjetivose,(ii)mantenhamaindependência.” 
(BOYNTON, 2002, p.38) 
Introdução 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 2
Cadeia de Valor da Contabilidade 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 3 
BOYNTON, 2002
DessaformaEmpresárioseadministradores, normalmente,supõemqueoauditor,depoisdedispenderalgumtempoexaminandosuaorganização,possaofereceralgomaisdoqueumsimplesparecerdeAuditoria. 
Introdução 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 4
Considerandoacircunstânciaexpostanoslideanterior,oauditordeveestaratentoparalevantarpontosefornecerrecomendaçõesconstrutivasvisadopropiciar: 
Maiorcontrolesobreseusativos 
AprimorarosControlesInternos 
Melhoriadaqualidadeesegurançadesuasinformações 
MelhoriadaspráticasContábeiseAdministrativas 
Reduçãodecustos 
Reduzirriscoseaproveitaroportunidades 
Aumentarodesempenhoeconômico(oslucro) 
Introdução 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 6
Orelatórioéoinstrumentotécnicopeloqualoauditorcomunicaouapresentaosresultadosdostrabalhosrealizados, seuscomentários,observações,conclusões,opiniõeserecomendações,alémdasprovidênciasnecessáriasquedevemsertomadaspelaadministração. 
Conceito 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 7
Relatórioopinião(ParecerdeAuditoria) 
Decarátergeraldestinadoaserpublicado. 
Tipos de Relatório 
Público Interno 
Público Externo 
Lançamentosdeajustesoureclassificações 
DecaráterespecíficodirigidoaoórgãoencarregadopelaelaboraçãodasDemonstraçõesContábeis. 
Relatório(Carta)deRecomendações 
DecarátergeraldirigidoàAdministraçãodaentidade.
Lançamentosdeajustesoureclassificações 
Duranteodecorredostrabalhosoauditor,eventualmente,podedescobrirerros,omissõeseirregularidadesnosdadoscontábeisquerequeiramcorreçõesporpartedaentidadeauditada.Então,preparapapéisdetrabalhodemonstrandotaisincorreçõeseaofinalapresentaediscuteocomsetorcontábileestabeleceformalmenteoprazoparasua implementação. 
Tipos de Relatório 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 8
Relatórioderecomendações 
Relatórioqueapresentaumaexposiçãofundamentadadecomentáriosdeformaconclusiva,comdescriçãodefatospositivosenegativosdemaiorimportânciadenominadosde:Constatações,achados,observações,pontosdeAuditoria.AEssesfatosidentificadosduranteocursonormaldostrabalhossãosugeridaserecomendadasassoluçõespertinentes. 
Tipos de Relatório 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 9
Introdução 
Nomedaempresaauditada 
Períododaauditoria 
Declaraçãodequeoexamefoirealização,deacordocomasnormasdeauditoriageralmenteaceitas,visandoaemissãodeumparecersobreasdemonstraçõescontábeis. 
Técnica de elaboração do Relatório Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 10
Corpodorelatório 
Relatodeformasistematizadadecadapontocontendo: 
ProcedimentoemusoouSituaçãofáticaconstatada 
Influênciasouconsequênciasdecorrentes 
ComentárioseRecomendações 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 11
Modelodeintrodução 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 12
Procedimentoemusoousituaçãofáticaconstatada 
Identificaçãodasrazõesfundamentaisquelevaramàocorrênciadosfatos.Asquaisrespondempelosmotivosdeterminantesdaocorrênciadedesempenhoinadequadoounão.Dacorretaidentificaçãodascausasdependeaadequadaelaboraçãoderecomendaçõesconstrutivas. 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 13
Exemplosdeconstatações 
Faltaderodíziodeempregados-Desconhecimentoinconscientedenormas-Tempoinsuficienteparaarealizaçãodatarefa-Faltadecapacitaçãoe/oucomunicação-Negligênciaoudescuido- Normasinadequadas,inexistentes,obsoletasouimpraticáveis- Faltaderecursoshumanos,materiaisoufinanceiros-Faltadesupervisãoadequada-Fragilidadesnoscontrolesinternos. 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 14
Influênciaouconsequência 
Identificaçãodetalhadadosefeitosprovocadospelofatoocorrido,quedemonstramanecessidadedeaçõescorretivasemrespostaaosproblemasidentificados.Semprequepossível,deveserexpressaaconsequênciaquantificadamoeda(R$). 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 15
Influênciaouconsequência 
Asconsequênciasmaistípicassão: 
Usoantieconômicoouineficientedosrecursoshumanos, materiaisoufinanceiros-Perdaspotenciaisdereceitas-Violaçãodedisposiçõeslegais-Gastosindevidos-Relatóriosinúteisimprecisos-Controleinadequadodosrecursosouatividades- Insegurançanarealizaçãodostrabalhos 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 16
Recomendações 
Propostasparaaregularizaçãodasituaçãoencontrada,seaplicável.Apósadiscussãodosachadoseaentregadorelatóriodeauditoria,oauditordeveacompanharaaceitaçãodesuasrecomendações,demodoagarantiraeficáciadoseutrabalho. 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 17
Acompanhamentoemonitoramento 
Afasedoacompanhamentooumonitoramentonormalmenteérealizadanotranscursodaauditoriasubsequente,nafasedoplanejamento,econsistenaaçãoproativadoauditor, objetivandocontribuirparaoaprimoramentodasoperaçõesdoauditado. 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 18
Exemplificação 
CAIXAEBANCOS 
Existia,em31/12/20x1,nacontacorrentedoBcodoBrasilS.A., umsaldodeR$10.000.000semsermovimentadonosúltimos4meses.Casoessenumeráriotivessesidoaplicadoaumataxademercado,paraoperíododetemporeferenteàsuanão-utilização, aempresateriaobtidoumrendimentoadicionaldeR$2.000,00. 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 19
Exemplificação 
CAIXAEBANCOS 
Recomendamosquesejamacompanhadasasfolgasdecaixa, nosentidodequeosrecursosemexcessoàsnecessidadesnormaissejamdevidamenteaplicados. 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 20
Exemplificação 
CAIXAEBANCOS 
Verificamos,durantenossotestedasreconciliaçõesbancárias,aexistênciadeavisosdedébitosantigoslançadospelobanco,masnãoregistradospelaempresa.Comoconsequência,astransaçõesnãoestãosendocontabilizadasemseuperíododecompetência. 
Recomendamosquesejamtomadasmedidasmaisrigorosasjuntoàredebancáriaparaobtençãodessesavisosdedébitos. 
Técnica de elaboração 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 21
ATTIE,William.Auditoria:teoriaeprática.6ed.SãoPaulo:Atlas, 2011.(Capítulo25–FinalizaçãodoTrabalho) 
BOYNTOV,C.W.;JOHSON,R.N.;KELL,W.G.Auditoria.SãoPaulo:Atlas,2002. 
Universidade da Amazônia –UNAMA. Aula Nº 14 –Relatório de Auditoria. Disponível em: http://arquivos.unama.br/nead/gol/gol_ cont_8mod/auditoria/pdf/aula14(25).pdf 
REFERÊNCIAS 
Faculdade Maurício de Nassau - Prof. Saulo Campos 22

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 14 - 9 Normas de Auditoria
Aula 14 - 9 Normas de AuditoriaAula 14 - 9 Normas de Auditoria
Aula 14 - 9 Normas de Auditoria
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCsNBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
Moore Stephens Brasil
 
Aula 17 - 11. Papéis de Trabalho
Aula 17 - 11. Papéis de TrabalhoAula 17 - 11. Papéis de Trabalho
Aula 17 - 11. Papéis de Trabalho
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Aula 20 - 13. O Parecer de Auditoria
Aula 20 - 13. O Parecer de AuditoriaAula 20 - 13. O Parecer de Auditoria
Aula 20 - 13. O Parecer de Auditoria
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Aula 16 - 10 Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeis
Aula 16 - 10  Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeisAula 16 - 10  Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeis
Aula 16 - 10 Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeis
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - GabaritosExercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
GJ MARKETING DIGITAL
 
Etapas auditoria
Etapas auditoriaEtapas auditoria
Etapas auditoria
Anne Bezerra
 
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de AuditoriaAulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Aula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Aula 1 - Origem e evolução da AuditoriaAula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Aula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Auditoria contábil - situações práticas
Auditoria contábil - situações práticasAuditoria contábil - situações práticas
Auditoria contábil - situações práticas
Karla Carioca
 
Auditoria de inventários
Auditoria de inventáriosAuditoria de inventários
Auditoria de inventários
fabioavela
 
Auditoria interna
Auditoria internaAuditoria interna
Auditoria interna
Gilson Sena
 
Auditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidadesAuditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidades
Claudia Marinho
 
Slides auditoria crepaldi
Slides auditoria   crepaldiSlides auditoria   crepaldi
Slides auditoria crepaldi
Percione B V Soares
 
Aula 5 - 4 Auditoria Interna
Aula 5 - 4 Auditoria InternaAula 5 - 4 Auditoria Interna
Aula 5 - 4 Auditoria Interna
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
3 Auditoria - Normas
3   Auditoria - Normas3   Auditoria - Normas
3 Auditoria - Normas
Bolivar Motta
 
Exemplo de relatório de auditoria interna
Exemplo de relatório de auditoria internaExemplo de relatório de auditoria interna
Exemplo de relatório de auditoria interna
Hélio René Lopes da Rocha
 
Aula 4 - 3 Auditoria Fiscal
Aula 4 - 3 Auditoria FiscalAula 4 - 3 Auditoria Fiscal
Aula 4 - 3 Auditoria Fiscal
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Plano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria TipoPlano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria Tipo
instituto monitor
 
Teoria da contabilidade 1 - slid -
Teoria da contabilidade   1  - slid -Teoria da contabilidade   1  - slid -
Teoria da contabilidade 1 - slid -
Gis Viana de Brito
 

Mais procurados (20)

Aula 14 - 9 Normas de Auditoria
Aula 14 - 9 Normas de AuditoriaAula 14 - 9 Normas de Auditoria
Aula 14 - 9 Normas de Auditoria
 
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCsNBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
 
Aula 17 - 11. Papéis de Trabalho
Aula 17 - 11. Papéis de TrabalhoAula 17 - 11. Papéis de Trabalho
Aula 17 - 11. Papéis de Trabalho
 
Aula 20 - 13. O Parecer de Auditoria
Aula 20 - 13. O Parecer de AuditoriaAula 20 - 13. O Parecer de Auditoria
Aula 20 - 13. O Parecer de Auditoria
 
Aula 16 - 10 Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeis
Aula 16 - 10  Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeisAula 16 - 10  Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeis
Aula 16 - 10 Planejamento da Auditoria de demonstrações contábeis
 
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - GabaritosExercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
 
Etapas auditoria
Etapas auditoriaEtapas auditoria
Etapas auditoria
 
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de AuditoriaAulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
 
Aula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Aula 1 - Origem e evolução da AuditoriaAula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Aula 1 - Origem e evolução da Auditoria
 
Auditoria contábil - situações práticas
Auditoria contábil - situações práticasAuditoria contábil - situações práticas
Auditoria contábil - situações práticas
 
Auditoria de inventários
Auditoria de inventáriosAuditoria de inventários
Auditoria de inventários
 
Auditoria interna
Auditoria internaAuditoria interna
Auditoria interna
 
Auditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidadesAuditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidades
 
Slides auditoria crepaldi
Slides auditoria   crepaldiSlides auditoria   crepaldi
Slides auditoria crepaldi
 
Aula 5 - 4 Auditoria Interna
Aula 5 - 4 Auditoria InternaAula 5 - 4 Auditoria Interna
Aula 5 - 4 Auditoria Interna
 
3 Auditoria - Normas
3   Auditoria - Normas3   Auditoria - Normas
3 Auditoria - Normas
 
Exemplo de relatório de auditoria interna
Exemplo de relatório de auditoria internaExemplo de relatório de auditoria interna
Exemplo de relatório de auditoria interna
 
Aula 4 - 3 Auditoria Fiscal
Aula 4 - 3 Auditoria FiscalAula 4 - 3 Auditoria Fiscal
Aula 4 - 3 Auditoria Fiscal
 
Plano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria TipoPlano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria Tipo
 
Teoria da contabilidade 1 - slid -
Teoria da contabilidade   1  - slid -Teoria da contabilidade   1  - slid -
Teoria da contabilidade 1 - slid -
 

Semelhante a Aula 19 - 13. Relatórios de Auditoria

Fraudes e erros mba trevisan - marcos assi
Fraudes e erros   mba trevisan - marcos assiFraudes e erros   mba trevisan - marcos assi
Fraudes e erros mba trevisan - marcos assi
MASSI Consultoria e Treinamento
 
Sistemas de Informação Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações
Sistemas de Informação Fator de Vantagem Competitiva para as OrganizaçõesSistemas de Informação Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações
Sistemas de Informação Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações
Impacta Eventos
 
Relatório de estágio curricular modulo 1
Relatório de estágio curricular modulo 1Relatório de estágio curricular modulo 1
Relatório de estágio curricular modulo 1
daviepsudesc
 
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
SMART CONSULTORIA JR. - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC
 
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
Impacta Eventos
 
Palc
PalcPalc
Universidade anhanguera relatorio parcial i
Universidade anhanguera relatorio parcial iUniversidade anhanguera relatorio parcial i
Universidade anhanguera relatorio parcial i
Junior Pereira
 
Silo.tips erros e-fraudes-em-auditoria-e-o-posicionamento-do-auditor
Silo.tips erros e-fraudes-em-auditoria-e-o-posicionamento-do-auditorSilo.tips erros e-fraudes-em-auditoria-e-o-posicionamento-do-auditor
Silo.tips erros e-fraudes-em-auditoria-e-o-posicionamento-do-auditor
AlmiroBoavidaNhancal
 
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: Oportunidades de Negócios em uma Indústria de Expl...
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO:  Oportunidades de Negócios em uma Indústria de Expl...PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO:  Oportunidades de Negócios em uma Indústria de Expl...
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: Oportunidades de Negócios em uma Indústria de Expl...
Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
Auditoria operacional de recursos humanos
Auditoria operacional de recursos humanosAuditoria operacional de recursos humanos
Auditoria operacional de recursos humanos
JULIO GUIMARÃES
 
Controles internos mba trevisan 2010
Controles internos   mba trevisan 2010Controles internos   mba trevisan 2010
Controles internos mba trevisan 2010
MASSI Consultoria e Treinamento
 
Festival 2019 - Desafios e Aprendizados
Festival 2019 - Desafios e AprendizadosFestival 2019 - Desafios e Aprendizados
Festival 2019 - Desafios e Aprendizados
ABCR
 
Percepção..
Percepção..Percepção..
Percepção..
Pedro Luiz Saldanha
 
OAB - SEGURANÇA CORPORATIVA - Guia de Referência
OAB - SEGURANÇA CORPORATIVA - Guia de ReferênciaOAB - SEGURANÇA CORPORATIVA - Guia de Referência
OAB - SEGURANÇA CORPORATIVA - Guia de Referência
Symantec Brasil
 

Semelhante a Aula 19 - 13. Relatórios de Auditoria (14)

Fraudes e erros mba trevisan - marcos assi
Fraudes e erros   mba trevisan - marcos assiFraudes e erros   mba trevisan - marcos assi
Fraudes e erros mba trevisan - marcos assi
 
Sistemas de Informação Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações
Sistemas de Informação Fator de Vantagem Competitiva para as OrganizaçõesSistemas de Informação Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações
Sistemas de Informação Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações
 
Relatório de estágio curricular modulo 1
Relatório de estágio curricular modulo 1Relatório de estágio curricular modulo 1
Relatório de estágio curricular modulo 1
 
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
 
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
Palestra “A Auditoria como ferramenta na Gestão de Riscos”
 
Palc
PalcPalc
Palc
 
Universidade anhanguera relatorio parcial i
Universidade anhanguera relatorio parcial iUniversidade anhanguera relatorio parcial i
Universidade anhanguera relatorio parcial i
 
Silo.tips erros e-fraudes-em-auditoria-e-o-posicionamento-do-auditor
Silo.tips erros e-fraudes-em-auditoria-e-o-posicionamento-do-auditorSilo.tips erros e-fraudes-em-auditoria-e-o-posicionamento-do-auditor
Silo.tips erros e-fraudes-em-auditoria-e-o-posicionamento-do-auditor
 
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: Oportunidades de Negócios em uma Indústria de Expl...
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO:  Oportunidades de Negócios em uma Indústria de Expl...PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO:  Oportunidades de Negócios em uma Indústria de Expl...
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: Oportunidades de Negócios em uma Indústria de Expl...
 
Auditoria operacional de recursos humanos
Auditoria operacional de recursos humanosAuditoria operacional de recursos humanos
Auditoria operacional de recursos humanos
 
Controles internos mba trevisan 2010
Controles internos   mba trevisan 2010Controles internos   mba trevisan 2010
Controles internos mba trevisan 2010
 
Festival 2019 - Desafios e Aprendizados
Festival 2019 - Desafios e AprendizadosFestival 2019 - Desafios e Aprendizados
Festival 2019 - Desafios e Aprendizados
 
Percepção..
Percepção..Percepção..
Percepção..
 
OAB - SEGURANÇA CORPORATIVA - Guia de Referência
OAB - SEGURANÇA CORPORATIVA - Guia de ReferênciaOAB - SEGURANÇA CORPORATIVA - Guia de Referência
OAB - SEGURANÇA CORPORATIVA - Guia de Referência
 

Mais de Secretaria de Estado da Tributação do RN

Mordomia Cristã do Tesouro
Mordomia Cristã do TesouroMordomia Cristã do Tesouro
Mordomia Cristã do Tesouro
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de ApocalipseCurso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdf
UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdfUMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdf
UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdf
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Interpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdf
Interpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdfInterpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdf
Interpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdf
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Apocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdf
Apocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdfApocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdf
Apocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdf
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Teologia do Pacto
Teologia do PactoTeologia do Pacto
Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.
Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.
Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Palestra educação financeira - Preparação para a Aposentação
Palestra educação financeira - Preparação para a  Aposentação Palestra educação financeira - Preparação para a  Aposentação
Palestra educação financeira - Preparação para a Aposentação
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Slides da apresentação: Tributação do ICMS na atividade das Cooperativas
Slides da apresentação:   Tributação do ICMS na atividade das CooperativasSlides da apresentação:   Tributação do ICMS na atividade das Cooperativas
Slides da apresentação: Tributação do ICMS na atividade das Cooperativas
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Educação fiscal e evolução do índice de participação dos municípios
Educação fiscal e evolução do índice de participação dos municípiosEducação fiscal e evolução do índice de participação dos municípios
Educação fiscal e evolução do índice de participação dos municípios
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Aulas 15 - 9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
Aulas 15 -  9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...Aulas 15 -  9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
Aulas 15 - 9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Aula 6 - 5 Auditoria de Sistemas
Aula 6 - 5 Auditoria de SistemasAula 6 - 5 Auditoria de Sistemas
Aula 6 - 5 Auditoria de Sistemas
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 

Mais de Secretaria de Estado da Tributação do RN (15)

Mordomia Cristã do Tesouro
Mordomia Cristã do TesouroMordomia Cristã do Tesouro
Mordomia Cristã do Tesouro
 
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de ApocalipseCurso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
Curso de Teologia Reformada - Módulo IV -Escatologia_O MilÊnio de Apocalipse
 
UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdf
UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdfUMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdf
UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE MORDOMIA.pdf
 
Interpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdf
Interpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdfInterpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdf
Interpretando Narrativas biblicas_texto revisado.pdf
 
Apocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdf
Apocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdfApocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdf
Apocalipse 7 - A Igreja Selada - Texto da aula.pdf
 
Teologia do Pacto
Teologia do PactoTeologia do Pacto
Teologia do Pacto
 
Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.
Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.
Como ler e interpretar as narrativas bíblicas.
 
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
AUDITORIA FISCAL: UMA APLICAÇÃO DA LEI DE NEWCOMB-BENFORD ÀS SÉRIES DE RECOLH...
 
Palestra educação financeira - Preparação para a Aposentação
Palestra educação financeira - Preparação para a  Aposentação Palestra educação financeira - Preparação para a  Aposentação
Palestra educação financeira - Preparação para a Aposentação
 
Slides da apresentação: Tributação do ICMS na atividade das Cooperativas
Slides da apresentação:   Tributação do ICMS na atividade das CooperativasSlides da apresentação:   Tributação do ICMS na atividade das Cooperativas
Slides da apresentação: Tributação do ICMS na atividade das Cooperativas
 
Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]
 
Educação fiscal e evolução do índice de participação dos municípios
Educação fiscal e evolução do índice de participação dos municípiosEducação fiscal e evolução do índice de participação dos municípios
Educação fiscal e evolução do índice de participação dos municípios
 
Aulas 15 - 9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
Aulas 15 -  9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...Aulas 15 -  9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
Aulas 15 - 9 Normas de Auditoria - Estrutura Conceitual de Trabalhosde Asseg...
 
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
Aulas 11, 12 e 13 - 8 testes de superavaliação e de subavaliação e demonstraç...
 
Aula 6 - 5 Auditoria de Sistemas
Aula 6 - 5 Auditoria de SistemasAula 6 - 5 Auditoria de Sistemas
Aula 6 - 5 Auditoria de Sistemas
 

Aula 19 - 13. Relatórios de Auditoria