SlideShare uma empresa Scribd logo
Centro Tecnológico da ULBRA Instituído pelo parecer CEED nº  420/99 Comunidade Evangélica Luterana “São Paulo” Unidade de Ensino Martinho Lutero Curso Técnico em Meio Ambiente NBR 9001:2008 Auditoria Interna  Gestão da Qualidade  - Prof° : John Würdig
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],0 1 2 3 4 5 6 7 8
4. Sistema de Gestão da Qualidade  4.1. Requisitos gerais  4.2.Requisitos de documentação  4.2.1. Generalidades  4.2.2.Manual da Qualidade 4.2.3.Controle de Documentos  4.2.4.Controle de Registros 5. Responsabilidade da Direção  5.1. Comprometimento da direção  5.2. Foco no cliente  5.3.Política da qualidade  5.4.1.Objetivos da qualidade  5.4.2. Planejamento do SGQ  5.5. Responsabilidade, autoridade e comunicação  5.5.1. Responsabilidade e autoridade  5.5.2. Representante da Direção  5.5.3. Comunicação interna  5.6. Análise rítica pela Direção  5.6.1. Generalidades  5.6.2. Entrada da análise Crítica  5.6.3. Saída da Análise Crítica  6. Gestão de Recursos  6.1. Gestão de recursos  6.2. Recursos Humanos  6.2.1.Generalidades  6.3. Infra-estrutura  6.4. Ambiente de Trabalho
7. Realização do Produto  7.1. Planejamento da realização do trabalho  7.2. Processos relacionados ao cliente  7.2.1. Determinação dos requisitos relativos ao produto  7.2.2. Análise crítica dos requisitos relativos ao produto 7.2.3. Comunicação ao cliente  7.3. Projeto e desenvolvimento    7.3.1. Planejamento de projeto e desenvolvimento  7.3.2. Entradas de projeto e desenvolvimento 7.3.3. Saídas de projeto e desenvolvimento  7.3.4. Análise crítica de projeto e desenvolvimento  7.3.5. Verificação de projeto e desenvolvimento  7.3.6. Validação de projeto e desenvolvimento  7.3.7. Controle e alterações de projeto e desenvolvimento    7.4. Aquisição  7.4.1. Processo de aquisição  7.4.2. Informações de aquisição  7.4.3. Verificação de produto adquirido    7.5. Produção e prestação de serviço 7.5.1. Controle de produção e prestação de serviço  7.5.2. Validação de processos de produção e prestação de serviços  7.5.3. Identificação e rastreabilidade  7.5.4. Propriedade do Cliente  7.5.5. Preservação do produto    7.6. Controle de equipamentos e monitoramento e medição
8. Medição, análise e melhoria  8.1.   Generalidades  8.2. Monitoramento /medição  8.2.1. Satisfação do Cliente  8.2.3. Monitoramento e medição de processos  8.2.4. Monitoramento e medição do produto    8.3. Controle de produto não conforme  8.4. Análise de dados  8.5. Melhoria  8.5.1.Melhoria Contínua  8.5.1.Ação Corretiva  8.5.2 Ação Preventiva
[object Object],Humano Técnica  Auditoria  Motivação Conflitos  Feedback Mudança comportamental
O que é uma auditória ? Uma auditoria é uma avaliação ou exame imparcial das práticas e resultados de uma organização, relacionados aos requisitos de uma série de padrões e/ou objetivos mensuráveis.   Uma auditoria de Sistema de Gestão da Qualidade é definida pela ISO 9000 como:  “  Processo sistemático, documentado e independente, para obter evidência da auditoria e avaliá-la objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria são entendidos.”
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PRINCÍPIOS DA AUDITORIA  CONDUTA ÉTICA: o fundamento do profissionalismo.  APRESENTAÇÃO JUSTA:  a obrigação de reportar com veracidade e exatidão. DEVIDO CUIDADO PROFISSIONAL: a aplicação de diligência e julgamento na auditoria. INDEPENDÊNCIA:  a base para a imparcialidade da auditoria e objetividade das conclusões de auditoria. ABORDAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIA: o método racional de alcançar conclusões de auditoria confiáveis e reproduzíveis em um processo sistemático de auditoria.
OBJETIVOS DA AUDITORIA  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Benefícios das auditorias de SGQ  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Existem outros tipos de auditoria?  ACREDITADORES  INMETRO  ANSI-RAB  UKAS  CERTIFICADORES  BSI  BVQI  DNV   ORGANIZAÇÃO  FORNECEDOR  CLIENTE  CREDENCIAMENTO  CERTIFICAÇÃO
QUANTO A APLICAÇÃO DA AUDITORIA  Sistema  Processo Produto      Avaliar a adequação a requisitos da norma e a conformidade das atividades de um SGQ.       Verificar se o respectivo processo é adequado e se está sendo cumprido .       Verificar se os operadores dão qualificados e certificados para execução das atividades realizadas se necessário . Ver item 6.2.2        Exame completo de uma amostra do produto         Indica a qualidade do que está indo para o cliente          Verifica o grau de satisfação do usuário (feita junto ao cliente)
Quanto ao tipo de auditoria:   Adequação   Conformidade  TIPOS DE AUDITORIAS EXTERNAS   Auditoria de Pré-certificação: Antecipa o status do SGQ frente a norma e permite os ajustes necessários para a finalização do sistema.   Auditoria de certificação: Avalia se o SGQ está implementado de acordo com a NBR ISO 9001:2008.   Auditoria de manutenção: realizada para verificar se o SGQ contínua implementado na empresa.   Auditoria de follow-up: Decorrente de pendências encontradas em outras auditorias.  Auditoria Especial: Decorrente de mudanças significativas no SGQ de uma organização certificada.  Auditoria de Re-certificação: Planejada levando em conta a maturidade e performance do sistema.
CARACTERÍSTICAS DO AUDITOR  Principais aspectos para a qualificação de auditores internos:  ( NBR ISO 19011)  Educação/ Escolaridade   treinamento / 16 hs – amostragem  Experiência : A empresa deve determinar o nível de experiência necessária, para qualificação de seus auditores internos.”  A NBR ISO 19011 sugere 4 anos de experiência profissional na área, 4 auditorias com um total de  20 dias. No entanto está em uma norma de referência.  Lembrete: Auditor – Pessoa com competência  para realizar uma auditoria  Especialista: pessoa que fornece conhecimento ou experiência específicos para a equipe de auditoria.
Qual o perfil do auditor?
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],-Princípios, procedimentos e técnicas de auditoria.  -Sistema de gestão e documentos de referência -Situação organizacional  -Leis, regulamentos e outros requisitos -Métodos e técnicas relacionados com a qualidade  -Processos, produtos e/ou serviços .
 cumprir com o cronograma pré-estabelecido;  Olhar as não conformidades da área do período anterior   Solicitar uma acompanhante da área  Executar o processo de avaliação, evitando desvios decorrentes de distrações, comentários sobre o seu setor ou de terceiros.   Empenhar-se   Reagir, efetivamente em situações de tensão  Chegar a conclusões geralmente aceitáveis baseadas nas observações da avaliação;   Permanecer fiel a uma conclusão, baseada em provas objetivas.  O auditor deve:
O auditor deve:  Utilizar os sentidos,  Criar um bom clima  Tempo  Escrever o relatório  Esclarecer dúvidas dos auditados  Contribuir com sugestões ou recomendações  Basear-se em provas objetivas e discutir com o auditado Relatar obstáculos Respeitar os fatores incontroláveis  TODA A OBSERVAÇÃO REINCIDENTE VIRA EVIDÊNCIA , OU SEJA.........?
Planejamento das auditorias  Preparação da auditoria Resultados da auditoria  Acompanhamento do pós-auditoria  Execução da auditoria  P D C A  P (Plan)  - P lanejamento  Identificar  : Problema ou Meta  Análise : Características do Problema ou da Meta  Plano De Ação:  Traçar as estratégias e ações para resolver o Problema ou atingir a Meta.   D (Do) -  Fazer  Execução : Colocar o Plano de Ação em prática (treinamento e implantação das fases)  C (Check)  -  Avaliar  Verificação :  Se os resultados esperados foram atingidos e por que.  A (Action)  Ação corretiva  Padronização : Normatizar o que está funcionando.  Conclusão : Revisar as atividades e planejamento para trabalho futuro.  Caso ainda não esteja no nível aceitável, seguir para o Plan, (planejamento)
Preparando-se para Auditoria  Verificar o item 8.2.2. Da ISO 9001 Criação de um plano de auditoria interna da empresa Comunicação do programa de auditoria ao auditado Preparo do checklist ou outras ferramentas para auditoria  Revisão dos documentos da qualidade do SGQ O processo de auditoria envolve 3 passos:   Preparação    Auditoria    Relatório e follow-up. O papel e responsabilidades os auditores internos  Responsável pela identificação dos problemas da qualidade e pelas oportunidade de melhoria, relatando suas descobertas para gerência e fazendo o follow-up nas ações tomadas para corrigir estas áreas.
Responsabilidades dos auditor-líder   Se a auditoria interna requer uma equipe de auditores, um membro da equipe deve ser designado para ser o auditor-líder Criação de um plano de auditoria   ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Exemplo: Plano de auditoria interna para 2009. Será que este plano é o ideal?  Um plano de auditoria baseado em processos/funções focaliza onde a auditoria vai acontecer e quando.  Tal plano inclui a lista de todos os processos que afetam a qualidade do produto e as datas de quando a auditoria está planejada para cada um desses processos. É necessário notar que todos os elementos da ISO aplicáveis devem ser incluídos na auditoria de cada departamento. Departamento = processo  Elemento da ISO 9001 Data da auditoria  4 Sistema de gestão da qualidade Janeiro 5 Responsabilidade da direção  Fevereiro 6 Gestão de recursos  Fevereiro 7 Realização do produto  Março e  abril  8 Medição, análise e melhoria  Maio
Programação Auditoria interna da qualidade 2007/01 Processo /área Contabilidade TI Marketing Segurança Controle de estoques Responsável            Data da auditoria            Horário início  14 h 30 9 h 14 h 10 h 14 h 30  Tempo de duração  02:00 03:00 02:00 01:00 02:00 Auditor líder           Auditor acompanhante            Itens aplicáveis a cada área/processo 4.1 X X X X X 4.2.1.           4.2.2.           4.2.3 X X X X X 4.2.4. X X X X X 5.1           5.2.           5.3. X X X X X 5.4.1.                                               8.5.1 X X X X X 8.5.2. X X X X X 8.5.3. X X X X X
Programa de auditoria  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
I – Local : xxx II- Norma:  III – Equipe de auditoria:  Auditor Líder: Auditor: Observador:  IV- Agenda: dia/hora  8h/ 8h30 min – Reunião de abertura  8h30min/9h30min. – Revisão de documentos  9h30min/12hs30 min.- Entrevista para verificação da implantação  12h30min/ 13h 30min- almoço  13h30min/16hs- Entrevistas para verificação de implantação  16h/17h- Reunião de auditores  17h 18h- Fechamento do dia ou reunião de fechamento
Desenvolvimento de um  checklist A)Documentação – Existem procedimentos da qualidade documentados?  Os procedimentos são adequados  B )Implementação = Existe um casamentos entre os procedimentos e a prática.  C) Registros- Os registros relevantes estão disponíveis quando solicitados? Atender no mínimo aos registros citados na norma.  Como desenvolver um  checklist  baseado nos elementos da ISO  Simplesmente pegue cada frase/parágrafo da norma e transforme em pergunta? Ex:  ISO 9001 Elemento 5.5.3.  Perguntas do checklist  A alta direção deve assegurar o estabelecimento de processos de comunicação apropriados na organização 9 quadro, intranet, circulares, reuniões, e-mail, ou seja, meios de comunicar os objetivos) e a realização da comunicação relativa à eficácia do SGQ.           Processos para a comunicação interna foram estabelecidos ?         È realizada a comunicação relativa à eficácia do SGQ?
Como desenvolver um checklist baseado em processos/departamentos/função 1° identifique o que vai ser auditado?  Então, pegue cada frase relevante dos procedimentos do departamento e o converta em pergunta. Depois faça um alista das pessoas que você quer entrevistar durante a auditoria. Ex: Inspetor  Finalmente, selecione e liste as perguntas que você vai fazer a cada um, baseando-se na responsabilidade e autoridade daquela pessoa.  Revisão de documentos do SGQ A revisão da documentação da qualidade da área a ser auditada atende, pelo menos, a três princípios chave: Você se familiarizara com o procedimento e com as atividades da área; será capaz de determinar a conformidade com os requisitos da Norma ISSO, verificando se a documentação do SGQ preenche todos os itens requeridos pela Norma ISSO e será capaz de identificar as áreas que possam necessitar uma maior atenção durante a auditoria (problemas em potencial ou áreas para melhoria).
Seção 3 – AUDITANDO  Evidência: que não oferece dúvida, que se compreende prontamente, dispensando demonstração, claro .  Evidência objetiva: informações e dados quantitativos ou qualitativos utilizados para demonstrar as razões de uma avaliação. Interferência: tirar conclusão, deduzir pelo raciocínio. ?acho.... Conforme a 9001 – Evidência objetiva: “ Dados que apoiam a existência ou veracidade de alguma coisa.”  NOTA: A evidência objetiva pode ser obtida através de observação, medição, ensaio outros meios até como utilizando uma entrevista.  NÃO -CONFORMIDADE  “ Não atendimento de um requisito”
Processo de auditoria  A reunião de abertura é a oportunidade para você e a gerencia: Se familiarizarem com os papéis e as expectativas de cada um  Esclarecer dúvidas, resultados e alterações no Processo de Auditoria  A agenda deve :  Apresentação das pessoas O auditor líder explicar o propósito e a forma da auditoria O auditado apresentar o contato  Perguntas e respostas  Tour pelo local  Coletando evidência objetiva:  A evidência objetiva é um fato observável ou um exemplo concreto que substancia informações que, de outro modo, seria subjetivas. O seu ponto de vista subjetivo, ou de outra pessoa, não se constitui em evidência objetiva.
Revisão de documentos versus registros  Exemplo: O procedimento de compra P 103-2 indica um registro através do qual o gerente de compras aprova, por escrito, todos os pedidos de compra. Examine aleatoriamente vários registros de pedidos de compra para comprovar se a assinatura do Gerente de Comprar está afixada em todos eles conforme o determinado. Para substanciar que os requisitos especificados nos documentos estejam sendo seguidos, examine os registros que provêem tal evidência.
Observação de práticas versus procedimentos documentados Observe algumas operações ou atividades na prática. Anote o que está sendo feito. Procure não- conformidades entre atividades que você está observando e os procedimentos documentados.  Peça ao auditado explicações / esclarecimentos, se necessários. Compare o que você vê com as especificações delineadas no procedimentos para aquela operação ou atividade.  Exemplo:  O método usado na inspeção final da ordem nº 2478 não estava de acordo com a IT- 210.5 VER. B A IT requer uma verificação dimensional após o tratamento térmico e , depois o exame não destrutivo.  Foi observado que somente o teste com partículas magnéticas estava sendo feito
Você entrevista as pessoas para:  *Certificar-se de que elas entendem os requisitos da qualidade; *Fazê-las descrever um processo;  *Fazê-las explicar um requisito  Como entrevistar o auditado ?  Quem deve responder as perguntas ?  Fazer perguntas abertas ou fechadas?  4Q1POC ?
Que procedimentos você utiliza quando desempenha esta operação?  Quem está autorizado a receber e despachar produtos da área de armazenamento?  Como você aprendeu esta função?
A reunião de encerramento – Depois de terminada a auditoria, você deve fazer uma reunião de encerramento com o auditado. O Propósito dessa reunião é:  Prover a gerência com um sumário dos resultados da auditoria;  Relatar observações específicas e não- conformidades encontradas  Responder a qualquer pergunta que o auditado possa fazer.  Agenda de reunião de encerramento  Reunião formal  Avaliação do objetivo e alcance da Auditoria, impressões gerais sobre o status do SGQ, NC, conclusões e recomendações para os próximos passos. (ações corretivas em andamento), respostas do auditado; respostas do auditado, as NC devem serem apresentadas na hora da auditoria, mas não necessita detalhar as NC, dar feedback de melhorias e pontos positivos.
Seção 4 – Relatando os resultados da auditoria  ,[object Object],[object Object],[object Object],Relatório da auditoria – é o documento que você prepara após a auditoria, no qual você informa, por escrito, o resumo dos resultados da mesma, as conclusões e os itens da ação. Não deve conter qualquer informação que possa vir como um surpresa para o auditado.  RA- registro formal  AL – é o responsável pela organização, conteúdo e distribuição do relatório.
Introdução:  - Propósito da auditoria; do relatório, datas da auditoria; nomes dos membros da equipe; descrição da auditoria; áreas cobertas, departamento / função e nome dos contatos; checklist das perguntas feitas e referências dos documentos do SGQ.  Conteúdo do RA  Redação da não-conformidade  E P I nunciar o fato constatado, de forma clara e compreensível – NC  recisar, através de evidências ?(fatos, dados, documentos, informações) que dão veracidade à informação.  dentificar a referência encontrada como válida como válida e desenvolver um breve relato sobre o requisito (item normativo/ documentação da organização)
Exemplo de NC – Foram evidenciados vários documentos sem análise crítica .  NC  Evidência objetiva  Referência  Ausência de análise crítica de contrato.  Evidencia-se nas confirmações de pedidos nºs A32, A 45, A16, mantidas no setor de vendas.  Conforme requerido no procedimento nº P – 003 – “Vendas Diretas”, os resultados das análises críticas são registrados em campo específica-o da confirmação de pedido.
Ex . 1 – versão incompleta:  “ Os padrões de embalagem não foram controlados adequadamente”.  Que padrões de embalagem? De que maneira não eram controlados? Por que isto é um problema? O que estava incorreto?  Não conformidade – Falha no controle de embalagens.  Evidência objetiva: No depósito de despacho nº 2 foram encontradas embalagens de produtos para entrega nacional com etiqueta na cor amarela, as quais deveriam serem utilizadas em produtos para exportação.  Ex: Caixa 37492 – etiqueta amarela, porém endereçada a uma empresa de São Paulo  Caixa 38345 – etiqueta amarela, porém, endereçada a uma empresa de Minas Gerais.  Referência: Conforme requerido no Procedimento nº PP 01/06 Ver. 05 – “Controle de embalagens.”
Resultados da auditoria : Sumário geral da exposição de assuntos; pontos fortes observados; áreas para melhorar, NC e observações; itens de ação; conclusão e sugestões para fallow-up.  Apêndices: check list preenchidos; cópias dos pedidos para ação corretiva – NC submetida ao auditor; programa de follow-up.  Inclusões e exclusões - ???  NC - Correção  - ação tomada para eliminar o efeito de uma NC identificada.  AC- Ação tomada para eliminar a causa de uma NC indentificada ou uma situação indesejável.  AP –Ação tomada para eliminar a causa de uma NC potencial prevenindo sua ocorrência.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Claudio Bernardi Stringari
 
Solda aula 2 - simbologia
Solda   aula 2 - simbologiaSolda   aula 2 - simbologia
Solda aula 2 - simbologia
Roberto Villardo
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidade
Sandra Silva
 
Redação de Não Conformidades
Redação de Não ConformidadesRedação de Não Conformidades
Redação de Não Conformidades
Templum Consultoria Online
 
Template - Diagrama de Escopo
Template - Diagrama de EscopoTemplate - Diagrama de Escopo
Template - Diagrama de Escopo
EloGroup
 
Iso9000..
Iso9000..Iso9000..
Iso9000..
rehcah
 
Tubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de TubulaçãoTubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de Tubulação
Alessandro Baqueiro Dórea
 
Ebook ITIL Na Prática
Ebook ITIL Na PráticaEbook ITIL Na Prática
Ebook ITIL Na Prática
Fernando Palma
 
Auditoria da qualidade
Auditoria da qualidadeAuditoria da qualidade
Auditoria da qualidade
Andressa Ribeiro
 
G9 check list para ai da iso 9001 2000 - generico
G9   check list para ai da  iso 9001 2000 - genericoG9   check list para ai da  iso 9001 2000 - generico
G9 check list para ai da iso 9001 2000 - generico
Ana Paula Valente Da Silva
 
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICASilva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
Carlinhos .
 
Apresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Apresentação Cadeia Cliente X FornecedorApresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Apresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Rubia Soraya Rabello
 
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
elliando dias
 
Check List ISO 9001-2015 - Rev.0 - GSG.docx
Check List ISO 9001-2015 - Rev.0 - GSG.docxCheck List ISO 9001-2015 - Rev.0 - GSG.docx
Check List ISO 9001-2015 - Rev.0 - GSG.docx
Dandara30
 
Presentation iso17025new
Presentation iso17025newPresentation iso17025new
Presentation iso17025new
Mariana Luabo
 
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
Luciano Moreira
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Adeildo Caboclo
 
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de ProcessosOMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
Euller Barros
 
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Claudio Bernardi Stringari
 
Nr 13 laudos de vasos de pressao
Nr 13 laudos de vasos de pressaoNr 13 laudos de vasos de pressao
Nr 13 laudos de vasos de pressao
antonio jose fraga geraldes
 

Mais procurados (20)

Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
 
Solda aula 2 - simbologia
Solda   aula 2 - simbologiaSolda   aula 2 - simbologia
Solda aula 2 - simbologia
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidade
 
Redação de Não Conformidades
Redação de Não ConformidadesRedação de Não Conformidades
Redação de Não Conformidades
 
Template - Diagrama de Escopo
Template - Diagrama de EscopoTemplate - Diagrama de Escopo
Template - Diagrama de Escopo
 
Iso9000..
Iso9000..Iso9000..
Iso9000..
 
Tubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de TubulaçãoTubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de Tubulação
 
Ebook ITIL Na Prática
Ebook ITIL Na PráticaEbook ITIL Na Prática
Ebook ITIL Na Prática
 
Auditoria da qualidade
Auditoria da qualidadeAuditoria da qualidade
Auditoria da qualidade
 
G9 check list para ai da iso 9001 2000 - generico
G9   check list para ai da  iso 9001 2000 - genericoG9   check list para ai da  iso 9001 2000 - generico
G9 check list para ai da iso 9001 2000 - generico
 
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICASilva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
 
Apresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Apresentação Cadeia Cliente X FornecedorApresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Apresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
 
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
 
Check List ISO 9001-2015 - Rev.0 - GSG.docx
Check List ISO 9001-2015 - Rev.0 - GSG.docxCheck List ISO 9001-2015 - Rev.0 - GSG.docx
Check List ISO 9001-2015 - Rev.0 - GSG.docx
 
Presentation iso17025new
Presentation iso17025newPresentation iso17025new
Presentation iso17025new
 
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
 
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de ProcessosOMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
 
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
 
Nr 13 laudos de vasos de pressao
Nr 13 laudos de vasos de pressaoNr 13 laudos de vasos de pressao
Nr 13 laudos de vasos de pressao
 

Destaque

DDMX Fleet Expert - Auditoria Digital de Frotas
DDMX Fleet Expert - Auditoria Digital de FrotasDDMX Fleet Expert - Auditoria Digital de Frotas
DDMX Fleet Expert - Auditoria Digital de Frotas
Grupo PAREX
 
Whitepaper | Auditoria Cobranças Importações e Fretes | LPartner
Whitepaper | Auditoria Cobranças Importações e Fretes | LPartner Whitepaper | Auditoria Cobranças Importações e Fretes | LPartner
Whitepaper | Auditoria Cobranças Importações e Fretes | LPartner
ClauberLuiz
 
123
123123
02 infraero relatorio auditoria gestao
02 infraero   relatorio auditoria gestao 02 infraero   relatorio auditoria gestao
02 infraero relatorio auditoria gestao
William Massalino
 
Auditoria de Processos
Auditoria de ProcessosAuditoria de Processos
Auditoria de Processos
Rafael Esnarriaga
 
153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf
Lucas Ferreira
 
Relatório final auditoria
Relatório final auditoriaRelatório final auditoria
Relatório final auditoria
Giacomo Nunes
 
Memória de aula 05 segurança e auditoria de sistemas - organizando a segurança
Memória de aula 05   segurança e auditoria de sistemas - organizando a segurançaMemória de aula 05   segurança e auditoria de sistemas - organizando a segurança
Memória de aula 05 segurança e auditoria de sistemas - organizando a segurança
Paulo Garcia
 
Auditoria na Gestão de Pessoas
Auditoria na Gestão de PessoasAuditoria na Gestão de Pessoas
Auditoria na Gestão de Pessoas
Dominus Auditoria
 
Relatorio auditoria ambiental
Relatorio auditoria ambientalRelatorio auditoria ambiental
Relatorio auditoria ambiental
Consult Ambiente
 
Auditoria interna de ti 2
Auditoria interna de ti 2Auditoria interna de ti 2
Auditoria interna de ti 2
MIGUEL_VILACA
 
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCsNBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
Moore Stephens Brasil
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
Karenn Paty
 
A importância da auditoria no departamento pessoal
A importância da auditoria no departamento pessoalA importância da auditoria no departamento pessoal
A importância da auditoria no departamento pessoal
B&R Consultoria Empresarial
 
Check list auditoria
Check list auditoriaCheck list auditoria
Check list auditoria
coliveira1408
 
Pedro fonseca no10_cef2
Pedro fonseca no10_cef2Pedro fonseca no10_cef2
Pedro fonseca no10_cef2
pedrojorgepintofonseca
 
Slides auditoria crepaldi
Slides auditoria   crepaldiSlides auditoria   crepaldi
Slides auditoria crepaldi
Percione B V Soares
 
Auditoriateorica
AuditoriateoricaAuditoriateorica
Auditoriateorica
Anderson Silva
 
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
Brasilio da Silva
 
Projeto de intervenção
Projeto de intervençãoProjeto de intervenção
Projeto de intervenção
Fábio de Oliveira Matos
 

Destaque (20)

DDMX Fleet Expert - Auditoria Digital de Frotas
DDMX Fleet Expert - Auditoria Digital de FrotasDDMX Fleet Expert - Auditoria Digital de Frotas
DDMX Fleet Expert - Auditoria Digital de Frotas
 
Whitepaper | Auditoria Cobranças Importações e Fretes | LPartner
Whitepaper | Auditoria Cobranças Importações e Fretes | LPartner Whitepaper | Auditoria Cobranças Importações e Fretes | LPartner
Whitepaper | Auditoria Cobranças Importações e Fretes | LPartner
 
123
123123
123
 
02 infraero relatorio auditoria gestao
02 infraero   relatorio auditoria gestao 02 infraero   relatorio auditoria gestao
02 infraero relatorio auditoria gestao
 
Auditoria de Processos
Auditoria de ProcessosAuditoria de Processos
Auditoria de Processos
 
153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf
 
Relatório final auditoria
Relatório final auditoriaRelatório final auditoria
Relatório final auditoria
 
Memória de aula 05 segurança e auditoria de sistemas - organizando a segurança
Memória de aula 05   segurança e auditoria de sistemas - organizando a segurançaMemória de aula 05   segurança e auditoria de sistemas - organizando a segurança
Memória de aula 05 segurança e auditoria de sistemas - organizando a segurança
 
Auditoria na Gestão de Pessoas
Auditoria na Gestão de PessoasAuditoria na Gestão de Pessoas
Auditoria na Gestão de Pessoas
 
Relatorio auditoria ambiental
Relatorio auditoria ambientalRelatorio auditoria ambiental
Relatorio auditoria ambiental
 
Auditoria interna de ti 2
Auditoria interna de ti 2Auditoria interna de ti 2
Auditoria interna de ti 2
 
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCsNBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
A importância da auditoria no departamento pessoal
A importância da auditoria no departamento pessoalA importância da auditoria no departamento pessoal
A importância da auditoria no departamento pessoal
 
Check list auditoria
Check list auditoriaCheck list auditoria
Check list auditoria
 
Pedro fonseca no10_cef2
Pedro fonseca no10_cef2Pedro fonseca no10_cef2
Pedro fonseca no10_cef2
 
Slides auditoria crepaldi
Slides auditoria   crepaldiSlides auditoria   crepaldi
Slides auditoria crepaldi
 
Auditoriateorica
AuditoriateoricaAuditoriateorica
Auditoriateorica
 
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
 
Projeto de intervenção
Projeto de intervençãoProjeto de intervenção
Projeto de intervenção
 

Semelhante a Auditoria iso 90011

Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001
José Alberto Bezerra da Silva
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
Beto Briscese
 
Etapas auditoria
Etapas auditoriaEtapas auditoria
Etapas auditoria
Anne Bezerra
 
Revisão geral ISO 9001
Revisão geral ISO 9001Revisão geral ISO 9001
Revisão geral ISO 9001
Rogério Souza
 
Flyer_Detalhada_SGQ_2010
Flyer_Detalhada_SGQ_2010Flyer_Detalhada_SGQ_2010
Flyer_Detalhada_SGQ_2010
CONSULTOR e FORMADOR DE COMPETÊNCIAS
 
Modelo Operacional de Parceiros
Modelo Operacional de ParceirosModelo Operacional de Parceiros
Modelo Operacional de Parceiros
CONSULTOR e FORMADOR DE COMPETÊNCIAS
 
auditoriasinternas.pptx
auditoriasinternas.pptxauditoriasinternas.pptx
auditoriasinternas.pptx
ZE RIKI
 
Gestão da Qualidade e do Ambiente
Gestão da Qualidade e do AmbienteGestão da Qualidade e do Ambiente
Gestão da Qualidade e do Ambiente
zbam
 
Copia di iso 9001 2000 - slides - curso
Copia di iso 9001   2000 - slides - cursoCopia di iso 9001   2000 - slides - curso
Copia di iso 9001 2000 - slides - curso
paolo grosso
 
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Cesar Gonçalves
 
Cap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.pptCap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.ppt
DanielCosta900514
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
ANDREINAMOREIRA2
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
UERN
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
TacianoBalardin1
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
João Rafael Lopes
 
Aula SGA / SGQ / SGI
Aula   SGA / SGQ / SGI Aula   SGA / SGQ / SGI
Aula SGA / SGQ / SGI
fabiofm
 
ISO9001
ISO9001ISO9001
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
Vanessa Cristina Dos Santos
 
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
ConceitosdebsicosdequalidadedesoftwareConceitosdebsicosdequalidadedesoftware
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
Heuder Rodrigues de Sena
 

Semelhante a Auditoria iso 90011 (20)

Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Etapas auditoria
Etapas auditoriaEtapas auditoria
Etapas auditoria
 
Revisão geral ISO 9001
Revisão geral ISO 9001Revisão geral ISO 9001
Revisão geral ISO 9001
 
Flyer_Detalhada_SGQ_2010
Flyer_Detalhada_SGQ_2010Flyer_Detalhada_SGQ_2010
Flyer_Detalhada_SGQ_2010
 
Modelo Operacional de Parceiros
Modelo Operacional de ParceirosModelo Operacional de Parceiros
Modelo Operacional de Parceiros
 
auditoriasinternas.pptx
auditoriasinternas.pptxauditoriasinternas.pptx
auditoriasinternas.pptx
 
Gestão da Qualidade e do Ambiente
Gestão da Qualidade e do AmbienteGestão da Qualidade e do Ambiente
Gestão da Qualidade e do Ambiente
 
Copia di iso 9001 2000 - slides - curso
Copia di iso 9001   2000 - slides - cursoCopia di iso 9001   2000 - slides - curso
Copia di iso 9001 2000 - slides - curso
 
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)
 
Cap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.pptCap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.ppt
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
 
Aula SGA / SGQ / SGI
Aula   SGA / SGQ / SGI Aula   SGA / SGQ / SGI
Aula SGA / SGQ / SGI
 
ISO9001
ISO9001ISO9001
ISO9001
 
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
 
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
ConceitosdebsicosdequalidadedesoftwareConceitosdebsicosdequalidadedesoftware
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
 

Auditoria iso 90011

  • 1. Centro Tecnológico da ULBRA Instituído pelo parecer CEED nº 420/99 Comunidade Evangélica Luterana “São Paulo” Unidade de Ensino Martinho Lutero Curso Técnico em Meio Ambiente NBR 9001:2008 Auditoria Interna Gestão da Qualidade - Prof° : John Würdig
  • 2.
  • 3. 4. Sistema de Gestão da Qualidade 4.1. Requisitos gerais 4.2.Requisitos de documentação 4.2.1. Generalidades 4.2.2.Manual da Qualidade 4.2.3.Controle de Documentos 4.2.4.Controle de Registros 5. Responsabilidade da Direção 5.1. Comprometimento da direção 5.2. Foco no cliente 5.3.Política da qualidade 5.4.1.Objetivos da qualidade 5.4.2. Planejamento do SGQ 5.5. Responsabilidade, autoridade e comunicação 5.5.1. Responsabilidade e autoridade 5.5.2. Representante da Direção 5.5.3. Comunicação interna 5.6. Análise rítica pela Direção 5.6.1. Generalidades 5.6.2. Entrada da análise Crítica 5.6.3. Saída da Análise Crítica 6. Gestão de Recursos 6.1. Gestão de recursos 6.2. Recursos Humanos 6.2.1.Generalidades 6.3. Infra-estrutura 6.4. Ambiente de Trabalho
  • 4. 7. Realização do Produto 7.1. Planejamento da realização do trabalho 7.2. Processos relacionados ao cliente 7.2.1. Determinação dos requisitos relativos ao produto 7.2.2. Análise crítica dos requisitos relativos ao produto 7.2.3. Comunicação ao cliente 7.3. Projeto e desenvolvimento   7.3.1. Planejamento de projeto e desenvolvimento 7.3.2. Entradas de projeto e desenvolvimento 7.3.3. Saídas de projeto e desenvolvimento 7.3.4. Análise crítica de projeto e desenvolvimento 7.3.5. Verificação de projeto e desenvolvimento 7.3.6. Validação de projeto e desenvolvimento 7.3.7. Controle e alterações de projeto e desenvolvimento   7.4. Aquisição 7.4.1. Processo de aquisição 7.4.2. Informações de aquisição 7.4.3. Verificação de produto adquirido   7.5. Produção e prestação de serviço 7.5.1. Controle de produção e prestação de serviço 7.5.2. Validação de processos de produção e prestação de serviços 7.5.3. Identificação e rastreabilidade 7.5.4. Propriedade do Cliente 7.5.5. Preservação do produto   7.6. Controle de equipamentos e monitoramento e medição
  • 5. 8. Medição, análise e melhoria 8.1. Generalidades 8.2. Monitoramento /medição 8.2.1. Satisfação do Cliente 8.2.3. Monitoramento e medição de processos 8.2.4. Monitoramento e medição do produto   8.3. Controle de produto não conforme 8.4. Análise de dados 8.5. Melhoria 8.5.1.Melhoria Contínua 8.5.1.Ação Corretiva 8.5.2 Ação Preventiva
  • 6.
  • 7. O que é uma auditória ? Uma auditoria é uma avaliação ou exame imparcial das práticas e resultados de uma organização, relacionados aos requisitos de uma série de padrões e/ou objetivos mensuráveis. Uma auditoria de Sistema de Gestão da Qualidade é definida pela ISO 9000 como: “ Processo sistemático, documentado e independente, para obter evidência da auditoria e avaliá-la objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria são entendidos.”
  • 8.
  • 9. PRINCÍPIOS DA AUDITORIA CONDUTA ÉTICA: o fundamento do profissionalismo. APRESENTAÇÃO JUSTA: a obrigação de reportar com veracidade e exatidão. DEVIDO CUIDADO PROFISSIONAL: a aplicação de diligência e julgamento na auditoria. INDEPENDÊNCIA: a base para a imparcialidade da auditoria e objetividade das conclusões de auditoria. ABORDAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIA: o método racional de alcançar conclusões de auditoria confiáveis e reproduzíveis em um processo sistemático de auditoria.
  • 10.
  • 11. Existem outros tipos de auditoria? ACREDITADORES INMETRO ANSI-RAB UKAS CERTIFICADORES BSI BVQI DNV ORGANIZAÇÃO FORNECEDOR CLIENTE CREDENCIAMENTO CERTIFICAÇÃO
  • 12. QUANTO A APLICAÇÃO DA AUDITORIA Sistema Processo Produto     Avaliar a adequação a requisitos da norma e a conformidade das atividades de um SGQ.      Verificar se o respectivo processo é adequado e se está sendo cumprido .       Verificar se os operadores dão qualificados e certificados para execução das atividades realizadas se necessário . Ver item 6.2.2        Exame completo de uma amostra do produto        Indica a qualidade do que está indo para o cliente        Verifica o grau de satisfação do usuário (feita junto ao cliente)
  • 13. Quanto ao tipo de auditoria:  Adequação  Conformidade TIPOS DE AUDITORIAS EXTERNAS  Auditoria de Pré-certificação: Antecipa o status do SGQ frente a norma e permite os ajustes necessários para a finalização do sistema.  Auditoria de certificação: Avalia se o SGQ está implementado de acordo com a NBR ISO 9001:2008.  Auditoria de manutenção: realizada para verificar se o SGQ contínua implementado na empresa.  Auditoria de follow-up: Decorrente de pendências encontradas em outras auditorias.  Auditoria Especial: Decorrente de mudanças significativas no SGQ de uma organização certificada.  Auditoria de Re-certificação: Planejada levando em conta a maturidade e performance do sistema.
  • 14. CARACTERÍSTICAS DO AUDITOR Principais aspectos para a qualificação de auditores internos: ( NBR ISO 19011)  Educação/ Escolaridade  treinamento / 16 hs – amostragem  Experiência : A empresa deve determinar o nível de experiência necessária, para qualificação de seus auditores internos.” A NBR ISO 19011 sugere 4 anos de experiência profissional na área, 4 auditorias com um total de 20 dias. No entanto está em uma norma de referência. Lembrete: Auditor – Pessoa com competência para realizar uma auditoria Especialista: pessoa que fornece conhecimento ou experiência específicos para a equipe de auditoria.
  • 15. Qual o perfil do auditor?
  • 16.
  • 17.  cumprir com o cronograma pré-estabelecido;  Olhar as não conformidades da área do período anterior  Solicitar uma acompanhante da área  Executar o processo de avaliação, evitando desvios decorrentes de distrações, comentários sobre o seu setor ou de terceiros.  Empenhar-se  Reagir, efetivamente em situações de tensão  Chegar a conclusões geralmente aceitáveis baseadas nas observações da avaliação;  Permanecer fiel a uma conclusão, baseada em provas objetivas. O auditor deve:
  • 18. O auditor deve: Utilizar os sentidos, Criar um bom clima Tempo Escrever o relatório Esclarecer dúvidas dos auditados Contribuir com sugestões ou recomendações Basear-se em provas objetivas e discutir com o auditado Relatar obstáculos Respeitar os fatores incontroláveis TODA A OBSERVAÇÃO REINCIDENTE VIRA EVIDÊNCIA , OU SEJA.........?
  • 19. Planejamento das auditorias Preparação da auditoria Resultados da auditoria Acompanhamento do pós-auditoria Execução da auditoria P D C A P (Plan) - P lanejamento Identificar : Problema ou Meta Análise : Características do Problema ou da Meta Plano De Ação: Traçar as estratégias e ações para resolver o Problema ou atingir a Meta. D (Do) - Fazer Execução : Colocar o Plano de Ação em prática (treinamento e implantação das fases) C (Check) - Avaliar Verificação : Se os resultados esperados foram atingidos e por que. A (Action) Ação corretiva Padronização : Normatizar o que está funcionando. Conclusão : Revisar as atividades e planejamento para trabalho futuro. Caso ainda não esteja no nível aceitável, seguir para o Plan, (planejamento)
  • 20. Preparando-se para Auditoria Verificar o item 8.2.2. Da ISO 9001 Criação de um plano de auditoria interna da empresa Comunicação do programa de auditoria ao auditado Preparo do checklist ou outras ferramentas para auditoria Revisão dos documentos da qualidade do SGQ O processo de auditoria envolve 3 passos:  Preparação  Auditoria  Relatório e follow-up. O papel e responsabilidades os auditores internos Responsável pela identificação dos problemas da qualidade e pelas oportunidade de melhoria, relatando suas descobertas para gerência e fazendo o follow-up nas ações tomadas para corrigir estas áreas.
  • 21.
  • 22. Exemplo: Plano de auditoria interna para 2009. Será que este plano é o ideal? Um plano de auditoria baseado em processos/funções focaliza onde a auditoria vai acontecer e quando. Tal plano inclui a lista de todos os processos que afetam a qualidade do produto e as datas de quando a auditoria está planejada para cada um desses processos. É necessário notar que todos os elementos da ISO aplicáveis devem ser incluídos na auditoria de cada departamento. Departamento = processo Elemento da ISO 9001 Data da auditoria 4 Sistema de gestão da qualidade Janeiro 5 Responsabilidade da direção Fevereiro 6 Gestão de recursos Fevereiro 7 Realização do produto Março e abril 8 Medição, análise e melhoria Maio
  • 23. Programação Auditoria interna da qualidade 2007/01 Processo /área Contabilidade TI Marketing Segurança Controle de estoques Responsável           Data da auditoria           Horário início 14 h 30 9 h 14 h 10 h 14 h 30 Tempo de duração 02:00 03:00 02:00 01:00 02:00 Auditor líder           Auditor acompanhante           Itens aplicáveis a cada área/processo 4.1 X X X X X 4.2.1.           4.2.2.           4.2.3 X X X X X 4.2.4. X X X X X 5.1           5.2.           5.3. X X X X X 5.4.1.                                               8.5.1 X X X X X 8.5.2. X X X X X 8.5.3. X X X X X
  • 24.
  • 25. I – Local : xxx II- Norma: III – Equipe de auditoria: Auditor Líder: Auditor: Observador: IV- Agenda: dia/hora 8h/ 8h30 min – Reunião de abertura 8h30min/9h30min. – Revisão de documentos 9h30min/12hs30 min.- Entrevista para verificação da implantação 12h30min/ 13h 30min- almoço 13h30min/16hs- Entrevistas para verificação de implantação 16h/17h- Reunião de auditores 17h 18h- Fechamento do dia ou reunião de fechamento
  • 26. Desenvolvimento de um checklist A)Documentação – Existem procedimentos da qualidade documentados? Os procedimentos são adequados B )Implementação = Existe um casamentos entre os procedimentos e a prática. C) Registros- Os registros relevantes estão disponíveis quando solicitados? Atender no mínimo aos registros citados na norma. Como desenvolver um checklist baseado nos elementos da ISO Simplesmente pegue cada frase/parágrafo da norma e transforme em pergunta? Ex: ISO 9001 Elemento 5.5.3. Perguntas do checklist A alta direção deve assegurar o estabelecimento de processos de comunicação apropriados na organização 9 quadro, intranet, circulares, reuniões, e-mail, ou seja, meios de comunicar os objetivos) e a realização da comunicação relativa à eficácia do SGQ.          Processos para a comunicação interna foram estabelecidos ?        È realizada a comunicação relativa à eficácia do SGQ?
  • 27. Como desenvolver um checklist baseado em processos/departamentos/função 1° identifique o que vai ser auditado? Então, pegue cada frase relevante dos procedimentos do departamento e o converta em pergunta. Depois faça um alista das pessoas que você quer entrevistar durante a auditoria. Ex: Inspetor Finalmente, selecione e liste as perguntas que você vai fazer a cada um, baseando-se na responsabilidade e autoridade daquela pessoa. Revisão de documentos do SGQ A revisão da documentação da qualidade da área a ser auditada atende, pelo menos, a três princípios chave: Você se familiarizara com o procedimento e com as atividades da área; será capaz de determinar a conformidade com os requisitos da Norma ISSO, verificando se a documentação do SGQ preenche todos os itens requeridos pela Norma ISSO e será capaz de identificar as áreas que possam necessitar uma maior atenção durante a auditoria (problemas em potencial ou áreas para melhoria).
  • 28. Seção 3 – AUDITANDO Evidência: que não oferece dúvida, que se compreende prontamente, dispensando demonstração, claro . Evidência objetiva: informações e dados quantitativos ou qualitativos utilizados para demonstrar as razões de uma avaliação. Interferência: tirar conclusão, deduzir pelo raciocínio. ?acho.... Conforme a 9001 – Evidência objetiva: “ Dados que apoiam a existência ou veracidade de alguma coisa.” NOTA: A evidência objetiva pode ser obtida através de observação, medição, ensaio outros meios até como utilizando uma entrevista. NÃO -CONFORMIDADE “ Não atendimento de um requisito”
  • 29. Processo de auditoria A reunião de abertura é a oportunidade para você e a gerencia: Se familiarizarem com os papéis e as expectativas de cada um Esclarecer dúvidas, resultados e alterações no Processo de Auditoria A agenda deve : Apresentação das pessoas O auditor líder explicar o propósito e a forma da auditoria O auditado apresentar o contato Perguntas e respostas Tour pelo local Coletando evidência objetiva: A evidência objetiva é um fato observável ou um exemplo concreto que substancia informações que, de outro modo, seria subjetivas. O seu ponto de vista subjetivo, ou de outra pessoa, não se constitui em evidência objetiva.
  • 30. Revisão de documentos versus registros Exemplo: O procedimento de compra P 103-2 indica um registro através do qual o gerente de compras aprova, por escrito, todos os pedidos de compra. Examine aleatoriamente vários registros de pedidos de compra para comprovar se a assinatura do Gerente de Comprar está afixada em todos eles conforme o determinado. Para substanciar que os requisitos especificados nos documentos estejam sendo seguidos, examine os registros que provêem tal evidência.
  • 31. Observação de práticas versus procedimentos documentados Observe algumas operações ou atividades na prática. Anote o que está sendo feito. Procure não- conformidades entre atividades que você está observando e os procedimentos documentados. Peça ao auditado explicações / esclarecimentos, se necessários. Compare o que você vê com as especificações delineadas no procedimentos para aquela operação ou atividade. Exemplo: O método usado na inspeção final da ordem nº 2478 não estava de acordo com a IT- 210.5 VER. B A IT requer uma verificação dimensional após o tratamento térmico e , depois o exame não destrutivo. Foi observado que somente o teste com partículas magnéticas estava sendo feito
  • 32. Você entrevista as pessoas para: *Certificar-se de que elas entendem os requisitos da qualidade; *Fazê-las descrever um processo; *Fazê-las explicar um requisito Como entrevistar o auditado ? Quem deve responder as perguntas ? Fazer perguntas abertas ou fechadas? 4Q1POC ?
  • 33. Que procedimentos você utiliza quando desempenha esta operação? Quem está autorizado a receber e despachar produtos da área de armazenamento? Como você aprendeu esta função?
  • 34. A reunião de encerramento – Depois de terminada a auditoria, você deve fazer uma reunião de encerramento com o auditado. O Propósito dessa reunião é: Prover a gerência com um sumário dos resultados da auditoria; Relatar observações específicas e não- conformidades encontradas Responder a qualquer pergunta que o auditado possa fazer. Agenda de reunião de encerramento Reunião formal Avaliação do objetivo e alcance da Auditoria, impressões gerais sobre o status do SGQ, NC, conclusões e recomendações para os próximos passos. (ações corretivas em andamento), respostas do auditado; respostas do auditado, as NC devem serem apresentadas na hora da auditoria, mas não necessita detalhar as NC, dar feedback de melhorias e pontos positivos.
  • 35.
  • 36. Introdução: - Propósito da auditoria; do relatório, datas da auditoria; nomes dos membros da equipe; descrição da auditoria; áreas cobertas, departamento / função e nome dos contatos; checklist das perguntas feitas e referências dos documentos do SGQ. Conteúdo do RA Redação da não-conformidade E P I nunciar o fato constatado, de forma clara e compreensível – NC recisar, através de evidências ?(fatos, dados, documentos, informações) que dão veracidade à informação. dentificar a referência encontrada como válida como válida e desenvolver um breve relato sobre o requisito (item normativo/ documentação da organização)
  • 37. Exemplo de NC – Foram evidenciados vários documentos sem análise crítica . NC Evidência objetiva Referência Ausência de análise crítica de contrato. Evidencia-se nas confirmações de pedidos nºs A32, A 45, A16, mantidas no setor de vendas. Conforme requerido no procedimento nº P – 003 – “Vendas Diretas”, os resultados das análises críticas são registrados em campo específica-o da confirmação de pedido.
  • 38. Ex . 1 – versão incompleta: “ Os padrões de embalagem não foram controlados adequadamente”. Que padrões de embalagem? De que maneira não eram controlados? Por que isto é um problema? O que estava incorreto? Não conformidade – Falha no controle de embalagens. Evidência objetiva: No depósito de despacho nº 2 foram encontradas embalagens de produtos para entrega nacional com etiqueta na cor amarela, as quais deveriam serem utilizadas em produtos para exportação. Ex: Caixa 37492 – etiqueta amarela, porém endereçada a uma empresa de São Paulo Caixa 38345 – etiqueta amarela, porém, endereçada a uma empresa de Minas Gerais. Referência: Conforme requerido no Procedimento nº PP 01/06 Ver. 05 – “Controle de embalagens.”
  • 39. Resultados da auditoria : Sumário geral da exposição de assuntos; pontos fortes observados; áreas para melhorar, NC e observações; itens de ação; conclusão e sugestões para fallow-up. Apêndices: check list preenchidos; cópias dos pedidos para ação corretiva – NC submetida ao auditor; programa de follow-up. Inclusões e exclusões - ??? NC - Correção - ação tomada para eliminar o efeito de uma NC identificada. AC- Ação tomada para eliminar a causa de uma NC indentificada ou uma situação indesejável. AP –Ação tomada para eliminar a causa de uma NC potencial prevenindo sua ocorrência.