SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Cibercultura
Alan Vasconcelos
Ed. UEMG
UM HISTÓRICO
2
Um histórico
Cibercultura vem da cibernética, uma teoria da comunicação que trata das
relações de comunicação e do controle do feedback (resposta).
São sistemas de troca de informação entre homens e máquinas.
A palavra CYBER vem do grego kybernetes, que significa timoneiro, piloto
Um histórico
Teoria cibernética nasce nos anos 40 por Norbert Wiener
Anos 50
Após a 2ª Grande Guerra, sistemas de defesa são automatizados.
Anos 60
Com o surgimento dos computadores, os primeiros estudos sobre os sistemas
informatizados e a comunicação.
Anos 70
Invenção do microprocessador, o que permitiu a criação dos computadores de
mesa
Anos 80
Jovens da contracultura criam em suas garagens os primeiros computadores
domésticos ou pessoais (PC)
Um histórico
Internet
Anos 60
EUA, por meio da ARPA (Advanced Research Projects Agency), cria a ARPANET com a
finalidade de proteger informações militares.
Anos 70
A coexistência pacífica entre EUA e Rússia, o governo americano “libera” o acesso à
ARPANET para pesquisadores de universidades. Não só os pesquisadores como também
os alunos e os amigos dos alunos, tiveram acesso aos estudos já empreendidos e
somaram esforços para aperfeiçoá-los.
Paralelamente, a França já tinha uma rede de pesquisa criada por Louis Pouzin
Anos 80
Jovens da contracultura, sob a utopia de se criar um ambiente de informação livre, alteram
a ARPANET de forma a se parecer com a Internet de hoje.
Um histórico
Internet
Anos 80
Em 1988 a internet já ligava universidades brasileiras às americanas.
Em 1989, é criada a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), que seria a espinha
dorsal (backbone) da internet brasileira.
Anos 90
O cientista Tim Berners-Lee, do CERN, criou a World Wide Web em 1992.
Um histórico
Weaving the dream
“Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço
de uso comunitário onde compartilha-se informações de
trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very
short personal history). Como desenvolvedores Web criando
sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos
este sonho em realidade.”
DIRETRIZES - web
Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
A WEB É UMA REDE DE PESSOAS
Internet vs web
Internet é, basicamente, a infraestrutura da Web
Internet vs web
Internet é, basicamente, a infraestrutura da Web
Internet vs web
Internet é, basicamente, a infraestrutura da Web
http://www.cablemap.info/
Hipertexto
Vannevar Bush
1890 - 1974
O conceito que originou a Web.
Hipertexto
O Memex
Hipertexto
O Memex foi uma máquina imaginada para auxiliar a memória e guardar conhecimentos.
Bush anunciou-a em 1945, no célebre artigo intitulado As We May Think.
A partir da ideia de que a soma dos conhecimentos aumentava em um ritmo prodigioso,
e não encontrava contrapartida em relação à evolução dos meios de armazenamento
e acesso aos dados.
Observando o funcionamento da mente humana, segundo ele, operando sempre por meio
de associações, Bush imaginou e descreveu de maneira detalhada uma máquina capaz de
estocar montanhas de informação, para posterior e rápida recuperação. Tal engenho,
concebido para suprir as "falhas da memória humana" através de recursos mecânicos, é
considerado o precursor do conceito de hipertexto.
Hipertexto
 Rede semântica relacionada a uma temática central e
estruturada de modo não seqüencial permitindo acesso
não linear às informações
 Informações são dispostas em telas conectadas com
outras telas formando uma rede (encadeamento)
 Usuários definem seu próprio caminho de acesso
(trilhas)
Hipertexto
Aplicações:
•Hypertext fiction
•WWW
•Documentos de texto eletrônico como Word, Powerpoint, etc
Hipertexto
Screenshot of the original NeXT web browser in 1993
http://info.cern.ch/
Hipertexto
Weaving the dream
“Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço
de uso comunitário onde compartilha-se informações de
trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very
short personal history). Como desenvolvedores Web criando
sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos
este sonho em realidade.”
Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
Weaving the dream
“Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço
de uso comunitário onde compartilha-se informações de
trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very
short personal history). Como desenvolvedores Web criando
sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos
este sonho em realidade.”
DIRETRIZES - web
Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
A WEB É UMA REDE DE PESSOAS
E ONDE ENTRA
A CULTURA?
22
Weaving the dream
“Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço
de uso comunitário onde compartilha-se informações de
trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very
short personal history). Como desenvolvedores Web criando
sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos
este sonho em realidade.”
DIRETRIZES - web
Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
A WEB É UMA REDE DE PESSOAS
(De novo?!)
Weaving the dream
“Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço
de uso comunitário onde compartilha-se informações de
trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very
short personal history). Como desenvolvedores Web criando
sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos
este sonho em realidade.”
DIRETRIZES - web
Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
A WEB É UMA REDE DE PESSOAS
(De novo?!)
SIM!!
Onde tem gente, tem cultura.
Onde entra a cultura nisso?
Por Pierre Levý:
CIBERESPAÇO: é o novo meio de comunicação que surge da interconexão
mundial dos computadores.
CIBERCULTURA: conjunto de técnicas (materiais e intelectuais) de práticas,
de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem
juntamente com o crescimento do ciberespaço.
TÉCNICA: uma técnica é produzida dentro de uma cultura, e uma sociedade
encontra-se condicionada por sua técnica.
COMUNIDADE VIRTUAL: grupo de pessoas se correspondendo
mutuamente por meio de computadores interconectados.
Onde entra a cultura nisso?
Segundo Pierre Lévy (1993:17) a cibercultura é o
“conjunto de técnicas (materiais e intelectuais) de práticas, de
atitudes, de modos de pensamento e de valores que se
desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço.
[...]
Enfatizo mais uma vez que esse uso do ciberespaço não deriva
automaticamente da presença de equipamentos materiais, mas
exige igualmente uma profunda reforma das mentalidades, dos
modos de organização e dos hábitos políticos.”
Onde entra a cultura nisso?
Onde entra a cultura nisso?
Onde entra a cultura nisso?
Onde entra a cultura nisso?
Onde entra a cultura nisso?
Onde entra a cultura nisso?
Onde entra a cultura nisso?
Onde entra a cultura nisso?
Onde entra a cultura nisso?
Onde entra a cultura nisso?
Meu ponto de partida, e não estou sozinho nesta
conjuntura, é que no final do século XX vivemos
um desses raros intervalos na história.
Um intervalo cuja característica é a transformação
de nossa “cultura material” pelos mecanismos de
um novo paradigma tecnológico que se organiza
em torno da tecnologia da informação.
Manuel Castells – A sociedade em rede
Virtual x Real x Físico?
“
37
Referências
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 8ª ed. São Paulo: Paz e terra, 1999, vol.1.
GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.
GOMEZ, Margarita Victoria. Cibercultura, formação e atuação docente em rede. Brasília: Liber Livro,
2010.
HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.
LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed.34, 1999.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Narrativas Transmidiáticas
Narrativas TransmidiáticasNarrativas Transmidiáticas
Narrativas TransmidiáticasTiago Lopes
 
Inteligência Artificial
Inteligência ArtificialInteligência Artificial
Inteligência ArtificialAmanda Nalesso
 
O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?Aline Corso
 
A Cibercultura no Cotidiano
A Cibercultura no CotidianoA Cibercultura no Cotidiano
A Cibercultura no CotidianoLiscagnolato
 
Introducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da CiberculturaIntroducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da Ciberculturagabizago
 
Paradigma midiológico
Paradigma midiológicoParadigma midiológico
Paradigma midiológicoLaércio Góes
 
Narrativas transmídia em um mundo digital
Narrativas transmídia em um mundo digitalNarrativas transmídia em um mundo digital
Narrativas transmídia em um mundo digitalLuiz Agner
 
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao finalAula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao finalGilberto Campos
 
Cibercultura e Sistemas de Informação
Cibercultura e Sistemas de InformaçãoCibercultura e Sistemas de Informação
Cibercultura e Sistemas de InformaçãoMariano Pimentel
 
Cultura Digital - conceitos rápidos
Cultura Digital - conceitos rápidosCultura Digital - conceitos rápidos
Cultura Digital - conceitos rápidosAndré Pase
 
Henry Jenkins - Cultura da Convergência
Henry Jenkins - Cultura da ConvergênciaHenry Jenkins - Cultura da Convergência
Henry Jenkins - Cultura da ConvergênciaMarco Anuschek
 
Panorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das ComunicaçãoPanorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das ComunicaçãoMarcelo Freire
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasAndreia Regina Moura Mendes
 
Cultura de Mídias e Cultura Digital
Cultura de Mídias e Cultura DigitalCultura de Mídias e Cultura Digital
Cultura de Mídias e Cultura DigitalDaniel Dutra
 

Mais procurados (20)

Narrativas Transmidiáticas
Narrativas TransmidiáticasNarrativas Transmidiáticas
Narrativas Transmidiáticas
 
Inteligência Artificial
Inteligência ArtificialInteligência Artificial
Inteligência Artificial
 
O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?
 
A Cibercultura no Cotidiano
A Cibercultura no CotidianoA Cibercultura no Cotidiano
A Cibercultura no Cotidiano
 
Introducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da CiberculturaIntroducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da Cibercultura
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
 
Paradigma midiológico
Paradigma midiológicoParadigma midiológico
Paradigma midiológico
 
Narrativas transmídia em um mundo digital
Narrativas transmídia em um mundo digitalNarrativas transmídia em um mundo digital
Narrativas transmídia em um mundo digital
 
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao finalAula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
 
Aula 5 midias sociais
Aula 5   midias sociaisAula 5   midias sociais
Aula 5 midias sociais
 
Cibercultura e Sistemas de Informação
Cibercultura e Sistemas de InformaçãoCibercultura e Sistemas de Informação
Cibercultura e Sistemas de Informação
 
Cultura Digital - conceitos rápidos
Cultura Digital - conceitos rápidosCultura Digital - conceitos rápidos
Cultura Digital - conceitos rápidos
 
Aula 9B_Estudos Culturais Ingleses
Aula 9B_Estudos Culturais InglesesAula 9B_Estudos Culturais Ingleses
Aula 9B_Estudos Culturais Ingleses
 
Slide cibercultura
Slide ciberculturaSlide cibercultura
Slide cibercultura
 
Cultura Digital
Cultura DigitalCultura Digital
Cultura Digital
 
Henry Jenkins - Cultura da Convergência
Henry Jenkins - Cultura da ConvergênciaHenry Jenkins - Cultura da Convergência
Henry Jenkins - Cultura da Convergência
 
Panorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das ComunicaçãoPanorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das Comunicação
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
 
Cultura de Mídias e Cultura Digital
Cultura de Mídias e Cultura DigitalCultura de Mídias e Cultura Digital
Cultura de Mídias e Cultura Digital
 

Semelhante a Cibercultura

Cibercultura e a Inteligência Coletiva - Leandro Wanderley
Cibercultura e a Inteligência Coletiva - Leandro WanderleyCibercultura e a Inteligência Coletiva - Leandro Wanderley
Cibercultura e a Inteligência Coletiva - Leandro WanderleyLeandro Couto
 
Gestão de Crises de Imagem na Web - Intercom Norte 2014
Gestão de Crises de Imagem na Web - Intercom Norte 2014Gestão de Crises de Imagem na Web - Intercom Norte 2014
Gestão de Crises de Imagem na Web - Intercom Norte 2014Alynne Cid
 
Cyborg - Do Homo Sapiens ao Homo Bytes
Cyborg - Do Homo Sapiens ao Homo BytesCyborg - Do Homo Sapiens ao Homo Bytes
Cyborg - Do Homo Sapiens ao Homo BytesIvonisio Mosca
 
Cibercultura e Sistemas de Informação
Cibercultura e Sistemas de InformaçãoCibercultura e Sistemas de Informação
Cibercultura e Sistemas de InformaçãoMariano Pimentel
 
Aula 1 - MBA estratégico de Marketing Digital Universidade Veiga de Almeida -...
Aula 1 - MBA estratégico de Marketing Digital Universidade Veiga de Almeida -...Aula 1 - MBA estratégico de Marketing Digital Universidade Veiga de Almeida -...
Aula 1 - MBA estratégico de Marketing Digital Universidade Veiga de Almeida -...Elis Monteiro
 
Comunidades virtuais: activismo e militancia num novo espaco publico
Comunidades virtuais: activismo e militancia num novo espaco publicoComunidades virtuais: activismo e militancia num novo espaco publico
Comunidades virtuais: activismo e militancia num novo espaco publicoInês Amaral
 
OFICINA DE TWITTER AREALVA 17.11.2011
OFICINA DE TWITTER AREALVA 17.11.2011OFICINA DE TWITTER AREALVA 17.11.2011
OFICINA DE TWITTER AREALVA 17.11.2011Jose Luiz Goldfarb
 
Introdução a cultura digital
Introdução a cultura digitalIntrodução a cultura digital
Introdução a cultura digitalAline Corso
 

Semelhante a Cibercultura (20)

Seminario cibercultura 1
Seminario cibercultura 1Seminario cibercultura 1
Seminario cibercultura 1
 
Concurso do Senado
Concurso do SenadoConcurso do Senado
Concurso do Senado
 
Cibercultura e a Inteligência Coletiva - Leandro Wanderley
Cibercultura e a Inteligência Coletiva - Leandro WanderleyCibercultura e a Inteligência Coletiva - Leandro Wanderley
Cibercultura e a Inteligência Coletiva - Leandro Wanderley
 
Gestão de Crises de Imagem na Web - Intercom Norte 2014
Gestão de Crises de Imagem na Web - Intercom Norte 2014Gestão de Crises de Imagem na Web - Intercom Norte 2014
Gestão de Crises de Imagem na Web - Intercom Norte 2014
 
Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03
Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03
Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03
 
Novas Tecnologias e Mídia Digital
Novas Tecnologias e Mídia DigitalNovas Tecnologias e Mídia Digital
Novas Tecnologias e Mídia Digital
 
Cyborg - Do Homo Sapiens ao Homo Bytes
Cyborg - Do Homo Sapiens ao Homo BytesCyborg - Do Homo Sapiens ao Homo Bytes
Cyborg - Do Homo Sapiens ao Homo Bytes
 
Cibercultura e Sistemas de Informação
Cibercultura e Sistemas de InformaçãoCibercultura e Sistemas de Informação
Cibercultura e Sistemas de Informação
 
Aula02 midia digital
Aula02 midia digitalAula02 midia digital
Aula02 midia digital
 
CCM cultura e internet
CCM cultura e internet CCM cultura e internet
CCM cultura e internet
 
Aula1 2012-1
Aula1   2012-1Aula1   2012-1
Aula1 2012-1
 
Aula 1 - MBA estratégico de Marketing Digital Universidade Veiga de Almeida -...
Aula 1 - MBA estratégico de Marketing Digital Universidade Veiga de Almeida -...Aula 1 - MBA estratégico de Marketing Digital Universidade Veiga de Almeida -...
Aula 1 - MBA estratégico de Marketing Digital Universidade Veiga de Almeida -...
 
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentosPpcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
 
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentosPpcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
 
Comunidades virtuais: activismo e militancia num novo espaco publico
Comunidades virtuais: activismo e militancia num novo espaco publicoComunidades virtuais: activismo e militancia num novo espaco publico
Comunidades virtuais: activismo e militancia num novo espaco publico
 
Aula teoria da comunicacao castells
Aula teoria da comunicacao castellsAula teoria da comunicacao castells
Aula teoria da comunicacao castells
 
OFICINA DE TWITTER AREALVA 17.11.2011
OFICINA DE TWITTER AREALVA 17.11.2011OFICINA DE TWITTER AREALVA 17.11.2011
OFICINA DE TWITTER AREALVA 17.11.2011
 
Gestão do Conhecimento
Gestão do ConhecimentoGestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento
 
Introdução a cultura digital
Introdução a cultura digitalIntrodução a cultura digital
Introdução a cultura digital
 
Aula1 2012-2
Aula1   2012-2Aula1   2012-2
Aula1 2012-2
 

Mais de Alan Vasconcelos

Design Universal - Os 7 Principios
Design Universal - Os 7 PrincipiosDesign Universal - Os 7 Principios
Design Universal - Os 7 PrincipiosAlan Vasconcelos
 
Design Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostilDesign Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostilAlan Vasconcelos
 
MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - UsabilidadeMPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - UsabilidadeAlan Vasconcelos
 
Ergo2 aula-14 Avaliação Heurística
Ergo2 aula-14 Avaliação HeurísticaErgo2 aula-14 Avaliação Heurística
Ergo2 aula-14 Avaliação HeurísticaAlan Vasconcelos
 
Mta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design UniversalMta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design UniversalAlan Vasconcelos
 
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaMta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaAlan Vasconcelos
 
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDEMta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDEAlan Vasconcelos
 
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. AcessibilidadeMTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. AcessibilidadeAlan Vasconcelos
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoAlan Vasconcelos
 
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User StoriesUsabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User StoriesAlan Vasconcelos
 
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicasUsabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicasAlan Vasconcelos
 
Usabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: PersonasUsabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: PersonasAlan Vasconcelos
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoAlan Vasconcelos
 
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípiosUsabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípiosAlan Vasconcelos
 
Usabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 IntroduçãoUsabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 IntroduçãoAlan Vasconcelos
 
Aula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicosAula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicosAlan Vasconcelos
 

Mais de Alan Vasconcelos (20)

Design Universal - Os 7 Principios
Design Universal - Os 7 PrincipiosDesign Universal - Os 7 Principios
Design Universal - Os 7 Principios
 
Design Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostilDesign Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostil
 
MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - UsabilidadeMPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
 
Ergo2 aula-14 Avaliação Heurística
Ergo2 aula-14 Avaliação HeurísticaErgo2 aula-14 Avaliação Heurística
Ergo2 aula-14 Avaliação Heurística
 
Mta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design UniversalMta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design Universal
 
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaMta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
 
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDEMta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
 
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. AcessibilidadeMTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. Introdução
 
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User StoriesUsabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
 
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicasUsabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
 
Usabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: PersonasUsabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: Personas
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
 
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípiosUsabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
 
Usabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 IntroduçãoUsabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 Introdução
 
Aula 10--revisao
Aula 10--revisaoAula 10--revisao
Aula 10--revisao
 
Aula 07 - Web
Aula 07 - WebAula 07 - Web
Aula 07 - Web
 
Aula 04 - Prototipação
Aula 04 - PrototipaçãoAula 04 - Prototipação
Aula 04 - Prototipação
 
Aula 06 - variabilidade
Aula 06 - variabilidadeAula 06 - variabilidade
Aula 06 - variabilidade
 
Aula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicosAula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicos
 

Último

Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxMartin M Flynn
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 

Último (20)

Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 

Cibercultura

  • 3. Um histórico Cibercultura vem da cibernética, uma teoria da comunicação que trata das relações de comunicação e do controle do feedback (resposta). São sistemas de troca de informação entre homens e máquinas. A palavra CYBER vem do grego kybernetes, que significa timoneiro, piloto
  • 4. Um histórico Teoria cibernética nasce nos anos 40 por Norbert Wiener Anos 50 Após a 2ª Grande Guerra, sistemas de defesa são automatizados. Anos 60 Com o surgimento dos computadores, os primeiros estudos sobre os sistemas informatizados e a comunicação. Anos 70 Invenção do microprocessador, o que permitiu a criação dos computadores de mesa Anos 80 Jovens da contracultura criam em suas garagens os primeiros computadores domésticos ou pessoais (PC)
  • 5. Um histórico Internet Anos 60 EUA, por meio da ARPA (Advanced Research Projects Agency), cria a ARPANET com a finalidade de proteger informações militares. Anos 70 A coexistência pacífica entre EUA e Rússia, o governo americano “libera” o acesso à ARPANET para pesquisadores de universidades. Não só os pesquisadores como também os alunos e os amigos dos alunos, tiveram acesso aos estudos já empreendidos e somaram esforços para aperfeiçoá-los. Paralelamente, a França já tinha uma rede de pesquisa criada por Louis Pouzin Anos 80 Jovens da contracultura, sob a utopia de se criar um ambiente de informação livre, alteram a ARPANET de forma a se parecer com a Internet de hoje.
  • 6. Um histórico Internet Anos 80 Em 1988 a internet já ligava universidades brasileiras às americanas. Em 1989, é criada a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), que seria a espinha dorsal (backbone) da internet brasileira. Anos 90 O cientista Tim Berners-Lee, do CERN, criou a World Wide Web em 1992.
  • 8. Weaving the dream “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” DIRETRIZES - web Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web A WEB É UMA REDE DE PESSOAS
  • 9. Internet vs web Internet é, basicamente, a infraestrutura da Web
  • 10. Internet vs web Internet é, basicamente, a infraestrutura da Web
  • 11. Internet vs web Internet é, basicamente, a infraestrutura da Web http://www.cablemap.info/
  • 12. Hipertexto Vannevar Bush 1890 - 1974 O conceito que originou a Web.
  • 14. Hipertexto O Memex foi uma máquina imaginada para auxiliar a memória e guardar conhecimentos. Bush anunciou-a em 1945, no célebre artigo intitulado As We May Think. A partir da ideia de que a soma dos conhecimentos aumentava em um ritmo prodigioso, e não encontrava contrapartida em relação à evolução dos meios de armazenamento e acesso aos dados. Observando o funcionamento da mente humana, segundo ele, operando sempre por meio de associações, Bush imaginou e descreveu de maneira detalhada uma máquina capaz de estocar montanhas de informação, para posterior e rápida recuperação. Tal engenho, concebido para suprir as "falhas da memória humana" através de recursos mecânicos, é considerado o precursor do conceito de hipertexto.
  • 15. Hipertexto  Rede semântica relacionada a uma temática central e estruturada de modo não seqüencial permitindo acesso não linear às informações  Informações são dispostas em telas conectadas com outras telas formando uma rede (encadeamento)  Usuários definem seu próprio caminho de acesso (trilhas)
  • 16. Hipertexto Aplicações: •Hypertext fiction •WWW •Documentos de texto eletrônico como Word, Powerpoint, etc
  • 18. Screenshot of the original NeXT web browser in 1993 http://info.cern.ch/
  • 20. Weaving the dream “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
  • 21. Weaving the dream “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” DIRETRIZES - web Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web A WEB É UMA REDE DE PESSOAS
  • 22. E ONDE ENTRA A CULTURA? 22
  • 23. Weaving the dream “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” DIRETRIZES - web Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web A WEB É UMA REDE DE PESSOAS (De novo?!)
  • 24. Weaving the dream “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” DIRETRIZES - web Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web A WEB É UMA REDE DE PESSOAS (De novo?!) SIM!! Onde tem gente, tem cultura.
  • 25. Onde entra a cultura nisso? Por Pierre Levý: CIBERESPAÇO: é o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial dos computadores. CIBERCULTURA: conjunto de técnicas (materiais e intelectuais) de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço. TÉCNICA: uma técnica é produzida dentro de uma cultura, e uma sociedade encontra-se condicionada por sua técnica. COMUNIDADE VIRTUAL: grupo de pessoas se correspondendo mutuamente por meio de computadores interconectados.
  • 26. Onde entra a cultura nisso? Segundo Pierre Lévy (1993:17) a cibercultura é o “conjunto de técnicas (materiais e intelectuais) de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço. [...] Enfatizo mais uma vez que esse uso do ciberespaço não deriva automaticamente da presença de equipamentos materiais, mas exige igualmente uma profunda reforma das mentalidades, dos modos de organização e dos hábitos políticos.”
  • 27. Onde entra a cultura nisso?
  • 28. Onde entra a cultura nisso?
  • 29. Onde entra a cultura nisso?
  • 30. Onde entra a cultura nisso?
  • 31. Onde entra a cultura nisso?
  • 32. Onde entra a cultura nisso?
  • 33. Onde entra a cultura nisso?
  • 34. Onde entra a cultura nisso?
  • 35. Onde entra a cultura nisso?
  • 36. Onde entra a cultura nisso? Meu ponto de partida, e não estou sozinho nesta conjuntura, é que no final do século XX vivemos um desses raros intervalos na história. Um intervalo cuja característica é a transformação de nossa “cultura material” pelos mecanismos de um novo paradigma tecnológico que se organiza em torno da tecnologia da informação. Manuel Castells – A sociedade em rede Virtual x Real x Físico? “
  • 37. 37 Referências CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 8ª ed. São Paulo: Paz e terra, 1999, vol.1. GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989. GOMEZ, Margarita Victoria. Cibercultura, formação e atuação docente em rede. Brasília: Liber Livro, 2010. HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992. LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed.34, 1999.