SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
ANHANGUERA EDUCACIONAL S.A.
Faculdade Anhanguera de Taboão da Serra
Curso de Administração de Empresas
5º semestre - 2014
ATPS
ESTRUTURA E ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS
Alunas:
Alicia Mattos Tena Agra RA: 4575875168
Dilma Alves S. Araújo RA: 3819668351
Bruna Eugênio RA: 1299909964
Tatiana Lacerda Moura RA 8524948618
Tutora presencial: Ariana Oliveira Matos de Araújo
“ESTRUTURA E ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS.”
Trabalho exigido como complemento avaliativo da
disciplina de Estrutura e Analise das Demonstrações
Financeiras do curso Bacharel em Administração, da
Universidade Anhanguera – UNIDERP, pólo Taboão
da Serra- São Paulo.
São Paulo
2014
SUMÁRIO
Introdução
Analise Horizontal
Analise Vertical
Balanço Patrimonial da Empresa ROMI.
Analise das possíveis causas e variações
Estrutura, Liquidez, Rentabilidade e Dependência Bancária
A importância do Método Dupont
Calculo da rentabilidade do ativo pelo método Dupont
Apuração dos indicadores de insolvência
Saldos contábeis em 31/12/2008
PMRV - Prazo Médio de Recebimento das Vendas Indústria ROMI S/A
Ciclo Operacional Indústria ROMI S/A.
Ciclo Financeiro Indústria ROMI S/A .
Relatório
Conclusão
Referencia Bibliográfica
1 - Introdução
A Análise das Demonstrações Financeiras transforma os dados em informações úteis para os
interessados, sócios ou acionistas, fornecedores, instituições financeiras e o governo.
A análise das Demonstrações Financeiras compreende um exame detalhado dos diversos
componentes, conhecidos como contas, fazendo um comparativo entre si ou em relação a
outros integrantes como um todo.
Uma análise para ser mais eficiente, deve se basear em mais de um exercício social, é
recomendável a comparação de no mínimo três exercícios sociais, para observar a tendência
dos indicadores.
O presente estudo tem como finalidade analisar as demonstrações financeiras da Industrias
ROMI S.A. publicadas comparando balanço de 2007 e 2008.
Este desafio dedica-se a elaborar e interpretar os índices financeiros propostos, analisando as
contas e envolvendo os métodos de cálculo que consiste em relacionar as contas do balanço,
analisando o desempenho econômico-financeiro da empresa.
I – Análise Horizontal
Demonstra a evolução das contas patrimoniais e de resultado dentro de uma série de
exercícios.
Através desta técnica é possível avaliar e acompanhar a evolução das Receitas e das Despesas
bem como dos investimentos realizados.
II – Análise Vertical
Permite determinar a participação relativa de cada conta no grupo total. A análise vertical
demonstra a estrutura econômico-financeira da empresa.
Balanço Patrimonial da empresa Romi.
EMPRESA - ROMI
Balanço
Patrimonial-
2007/2008
31/12/2008 % 31/12/2007 % 31/12/2008 % 31/12/2007 %
Análise
Horizonta
l
Controlador
a
Controlador
a
Consolidad
o
Consolidad
o
Ativo Circulante
Caixa 109.915 6,90% 170.665 12,79% 135.224 8,13% 189.010 14,09% -28,46%
Títulos Mantidos para Negociação 37.932 2,38% 105.270 7,89% 53.721 3,23% 111.512 8,31% -51,82%
Duplicatas à Receber 57.675 3,62% 57.639 4,32% 77.463 4,66% 62.888 4,69% 23,18%
Valores a receber - Repasse Finame
fabricante 306.892 19,25% 223.221 16,72% 306.892 18,45% 223.221 16,64% 37,48%
Partes Relacionadas 24.214 1,52% 19.107 1,43% 0 0,00% 0 0,00%
Estoque 238.045 14,94% 169.547 12,70% 285.344 17,16% 183.044 13,64% 55,89%
Imposto e Contribuição à Recuperar 15.089 0,95% 11.118 0,83% 17.742 1,07% 11.537 0,86% 53,78%
Imposto de Renda e Contribuição
Social Diferidos 3.243 0,20% 2.149 0,16% 3.243 0,20% 2.149 0,16% 50,91%
Outros Créditos 2.884 0,18% 3.348 0,25% 7.247 0,44% 3.479 0,26% 108,31%
Total Circulante 795.889 49,93% 762.064 57,10% 886.876 53,33% 786.840 58,64% 12,71%
Não Circulante
Realizavél a longo Prazo
Duplicatas à Receber 1.098 0,07% 1.149 0,09% 1.686 0,10% 1.149 0,09% 46,74%
Valores à Receber Repasse Finame 479.371 30,08% 409.896 30,71% 479.371 28,83% 409.896 30,55% 16,95%
Partes Relacionadas 12.476 0,78% 0 0,00% 0 0,00% 0 0,00%
Imposto e Contribuição à Recuperar 14.164 0,89% 5.391 0,40% 18.245 1,10% 5.391 0,40% 238,43%
Imposto de Renda e Contribuição
Social Diferidos 9.488 0,60% 5.867 0,44% 9.488 0,57% 5.867 0,44% 61,72%
Outros Créditos 5.102 0,32% 2.928 0,22% 5.405 0,33% 2.928 0,22% 84,60%
Inv. em controladas, incluindo ágio e
deságio 39.384 2,47% 24.915 1,87% 0 0,00% 0 0,00%
Outros investimentos 984 0,06% 984 0,07% 3.163 0,19% 1.935 0,14% 63,46%
Imobilizado, líquido 229.324 14,39% 121.500 9,10% 252.171 15,16% 127.731 9,52% 97,42%
Intangível 6.574 0,41% 0 0,00% 6.574 0,40% 0 0,00%
Total Não Circulante 797.965 50,07% 572.630 42,90% 776.103 46,67% 554.897 41,36% 39,86%
Total do Ativo 1.593.854 100,00% 1.334.694 100,00% 1.662.979 100,00% 1.341.737 100,00% 19,32%
EMPRESA - ROMI
Balanço Patrimonial-2007/2008
31/12/2008 % 31/12/2007 % 31/12/2008 % 31/12/2007 %
Análise
Horizonta
l
Controlador
a
Controlador
a
Consolidad
o
Consolidad
o
Passivo E Patrimônio Líquido
Circulante
Financiamentos 21.151 1,33% 29.459 2,21% 26.375 1,59% 29.498 2,20% -10,59%
Financiamentos - Finame fabricante 270.028 16,94% 192.884 14,45% 270.028 16,24% 192.884 14,38% 40,00%
Fornecedores 21.218 1,33% 24.795 1,86% 31.136 1,87% 25.193 1,88% 23,59%
Salários e encargos sociais 32.045 2,01% 35.927 2,69% 33.845 2,04% 35.934 2,68% -5,81%
Impostos e contribuições a recolher 5.321 0,33% 7.500 0,56% 7.357 0,44% 8.013 0,60% -8,19%
Adiantamentos de clientes 12.813 0,80% 9.702 0,73% 14.082 0,85% 9.702 0,72% 45,15%
Dividendos e juros sobre o capital
próprio 11.552 0,72% 2.234 0,17% 11.777 0,71% 2.375 0,18% 395,87%
Participações a pagar 4.500 0,28% 4.400 0,33% 4.500 0,27% 4.400 0,33% 2,27%
Outras contas a pagar 4.937 0,31% 4.262 0,32% 15.044 0,90% 4.524 0,34% 232,54%
Provisão para passivo descoberto -
contr. 614 0,04% 0 0,00% 0 0,00% 0 0,00%
Partes relacionadas 1.357 0,09% 549 0,04% 0 0,00% 0 0,00%
Total do Circulante 385.536 24,19% 311.712 23,35% 414.144 24,90% 312.523 23,29% 32,52%
NÃO CIRCULANTE 0 0 0 0
Exigível a longo prazo: 0 0 0 0
Financiamentos 67.939 0 49.144 0 68.943 0 49.306 0 39,83%
Financiamentos - Finame fabricante 453.323 28,44% 348.710 26,13% 453.323 27,26% 348.710 25,99% 30,00%
Impostos e contribuições a recolher 3.578 0,22% 1.896 0,14% 3.578 0,22% 1.896 0,14% 88,71%
Provisão para passivos eventuais 2.073 0,13% 1.659 0,12% 2.073 0,12% 1.659 0,12% 24,95%
Outras contas a pagar 2.162 0,14% 0 0,00% 9.626 0,58% 0 0,00%
Deságio em controladas 0 0,00% 0 0,00% 29.513 1,77% 4.199 0,31% 602,86%
Total do não circulante 529.075 33,19% 401.409 30,07% 567.056 34,10% 405.770 30,24% 39,75%
Participação Minotária 0 0,00% 0 0,00% 2.536 0,15% 1.871 0,14% 35,54%
Patrimônio Líquido 0,00% 0,00% 0,00% 0,00%
Capital social 489.973 30,74% 489.973 36,71% 489.973 29,46% 489.973 36,52% 0,00%
Reserva de capital 2.052 0,13% 2.052 0,15% 2.052 0,12% 2.052 0,15% 0,00%
Ajustes de avaliação patrimonial 349 0,02% 968 0,07% 349 0,02% -968 -0,07% -136,05%
Reserva de lucros 187.567 11,77% 130.516 9,78% 187.567 11,28% 130.516 9,73% 43,71%
679.243 42,62% 621.573 46,57% 679.243 40,84% 623.444 46,47% 8,95%
TOTAL DO PASSIVO E DO PATR.
LÍQUIDO 1.593.854 100,00% 1.334.694 100,00% 1.662.979 99,85% 1.341.737 100,00% 23,94%
Analises das possíveis causas e variações
Na vendas observa-se que a Receita Operacional Líquida consolidada apresentou um
crescimento de 10,1%, em comparação a 2007. Este crescimento deve-se ao desempenho
geral de suas operações e pelo desempenho positivo da atividade industrial no Brasil nos nove
primeiros meses de 2008.
Nos custos dos produtos vendidos A análise horizontal feita no ano de 2007 o custo dos
produtos vendidos apresentou um valor de R$ 359.903,00, tendo um Nas Contas Patrimoniais
Quanto aos Juros sobre o Capital Próprio, creditados aos acionistas ao longo de 2008, líquidos
de IRRF e imputáveis aos dividendos mínimos obrigatórios do exercício social de 2008,
foram de R$ 35,5 milhões e corresponde a 31,4% do lucro líquido do exercício. Ao
observarmos o circulante de 2007 para 2008 a conta “Outros Créditos” aumentou para
108,31% e a teve menor relevância foi a de Títulos Mantidos para Negociação, com redução
de 51,82%. O Ativo não circulante apresentou a conta Impostos e contribuições a recuperar o
de maior percentual com 238,43 % e o menor foi o de Valores a receber-repasse Finame
fabricante, com 16,95% de aumento, No Passivo circulante o aumento de 395,87% na conta
Dividenda e juros sobre o capital próprio, foram o maior e o menor na conta Financiamento
com redução de 10,59%. No Passivo não circulante o Deságio em controladas teve um salto
de 602,86% e a “Provisão para passivos eventuais um aumento de 24,95%. No Patrimônio
Líquido com 43,71% a “Reserva de lucros foi a mais alta e a menor foi os Ajustes de
avaliação patrimonial com uma redução de 63,95%.”
Estrutura,Liquidez,Rentabilidade e Dependência Bancária
a)INDICE | INDICE | FORMULA | INTERPRETAÇÃO 2008 /2007
Estrutura de capital | Participação de capitais de terceiros | Capitais terceiros / passivo total
x100 | 981.200/1662.979 X 100 = 59% | 718.293/1341.737 X 100 = 53% |
| Composição de endividamento | PC/capitais terceiros x 100 | 414.144/981.200 x 100 = 42% |
312.523/718.293 x 100 =43% |
| Imobilização do PL | AP/PL x 100 | 261.908/1662.979 x 100 = 15% | 350.872/1341.737 x
100 = 26% |
| Imobilização dos recursos não correntes | AP/PL+ELP x 100 | 261.908/2.230.035 x 100 =
11,7% | 350.872/1.747.507 x 100 = 20% |
Liquidez | Liquidez geral | AC+RLP/PC+ELP 886.876+514.195/414.144+567.056=1,42% |
786.840+425.231/312.523+405.770 =0,16% Liquidez Corrente | AC/PC |
886.876/414.144=2,14 | 786.840/312.523=2,51 |
| Liquidez seca | AC - estoques/PC | 886.876 – 285.344 /414.144= 1,45 | 786.840 – 183.044 /
312.523= 1,93
Rentabilidade | Giro do ativo | Vendas liquidas/ativo total | 696.124/1.662.979 = 0,41 |
631.988/1.341.737 = 0,47 |
| Margem liquida | Lucro liq/vendas liq x 100 | 112.953/696.124 x 100 = 16,22% |
124.219/631.988 x 100 = 19,66% |
| Rentabilidade do ativo | Lucro liq/Ativo Total x100 | 112.953/1.662979 x 100 = 6,79% |
124.219/134.737
x 100 = 9,26% |
| Rentabilidade do PL | Lucro Liq/PL Medio x 100 | 112.953/650.408 x 100 = 17% |
b) Segundo Stephen Kanitz acredita-se que as empresa obtém um lucro de 50% no mínimo,
porém esta não é a realidade de muitas empresas até mesmo as consideradas grandes. Com
um custo de produto alto que envolve mão-de-obra, matéria prima, fornecedores e
principalmente Impostos que no Brasil é recolhido em media 52% da renda de uma empresa.
Entendemos que 2,3% podem ser muito embutidos no preço do produto, mas pouco em vista
do que é investido.
Analisando a rentabilidade dos exercícios 2008/2007 vemos que não passa 17%.
Liquidez Geral
Para cada 1,00 de Obrigações Totais a empresa conta com 1,42 em 2008 e 0,16 em 2007 para
recursos totais.
Liquidez Corrente.
Para cada 1,00 de obrigações em curto prazo a empresa conta com 2,14 em 2008 e 2,51 em
2007 em recursos que se transformarão em dinheiro em curto prazo.
Liquidez Seca
Para cada 1,00 em obrigações a empresa conta com 1,45 em 2008 e 1,93 em 2007 para
cumprir os compromissos de curto prazo.
A composição de endividamento chega a quase 45% e as imobilizações a quase 30%, produto
parado sem lucratividade e/ou retorno imediato. No caso dos imobilizados a empresa conta
com 40% para retornos líquidos, muito pouco para uma empresa. Muitas empresas acabam
fechando por falta de informação, acreditam que terão um lucro bem maior.
A importância do Método Dupont
O Método Dupont tem sido por muitos anos, usado pelos administradores financeiros como
uma estrutura para analisar as demonstrações financeiras e avaliar a situação financeira da
empresa. O Método Dupont funde a DRE e o BP em duas medidas-sínteses da lucratividade:
a taxa de retorno sobre o ativo total ROA e a taxa de retorno sobre o patrimônio líquido ROE.
Inicialmente, o Método Dupont reúne a margem líquida, a qual mede a lucratividade sobre as
vendas, com o giro do ativo total, que indica o quão eficientemente a empresa utilizou seus
ativos na geração das vendas.
Na fórmula do Método Dupont, o produto desses dois índices resulta na taxa do retorno sobre
o ativo total (ROA):
ROA = margem líquida x giro do ativo total
Substituindo os termos apropriados na equação e simplificando seus resultados, temos:
ROA = (lucros líquidos depois do IR / vendas) x (vendas / ativo total) = lucro líquido depois
do IR / ativo total
A fórmula do Método Dupont permite à empresa decompor seu retorno em dois componentes:
Lucro sobre vendas e eficiência no uso dos ativos. Normalmente, uma empresa com baixa
margem líquida tem um alto giro do ativo total, o que resulta em retornos razoavelmente bons
sobre o ativo total. O mesmo costuma ocorrer com a situação inversa.
A fórmula modificada do Método Dupont relaciona a taxa de retorno sobre o ativo total ROA
à taxa de retorno sobre o patrimônio líquido ROE. Essa última é obtida multiplicando-se o
ROA pelo MAF – multiplicador de alavancagem financeira. O MAF é dado pela razão ativo
total pelo patrimônio líquido:
ROE = ROA X MAF
Substituindo os correspondentes termos na equação e simplificando seus resultados na
fórmula dada anteriormente, temos:
ROE = (lucro líquido depois do I R / ativo total) x (ativo total / patrimônio líquido) = lucro
líquido depois do I R / patrimônio líquido
2007:
Passivo Operacional – 97.391
Passivo financeiro – 620.398
Patrimônio – 623.948
2008:
Passivo Operacional – 153.290
Passivo Financeiro – 818.669
Patrimônio – 691.020
Fórmula:
Ativo Líquido = Ativo Total – Passivo Operacional
2007: Ativo Líquido = 1.341.737 – 97.391 = 1.244.346
2008: Ativo Líquido = 1.662.979 – 153.290 = 1.509.689
Fórmula:
Giro: Vendas Líquidas
Ativo Líquido
2007: 761.156 = 0,61
1.244.346
2008: 836.625 = 0,55
1.509.689
Fórmula:
Margem: Lucro Líquido
Vendas Líquidas
2007: 124.219 = 0,16 ( x 100 = 16,32 % )
781.156
2008: 113.853 = 0,14 ( x 100 = 13,50 )
836.625
Fórmula:
Rentabilidade do Ativo ( Método Dupont ) = ( Giro x Margem )
2007: 0,61 x 0,16 = 0,10 ( x 100 = 10% )
2008: 0,55 x 0,14 = 0,08 ( x 100 = 8% )
Modelo Stephen Kanitz
Escala para medir a possibilidade de insolvência
Fórmula: Lucro Líquido x 0,05
Patrimônio Líquido
2007: 124.219 = 0,05 = 0,01
621.573
2008: 112.953 = 0,166292 x 0,05 = 0,01
679.243
Fórmula 2: Ativo Circulante + ANC x 1,65
Passivo Circulante + PNC
2007: 786.840 + 554.897 = 1.341.737 = 1,87 x 1,65 = 3,08
312.523 + 405.770 718.293
2008: 886.676 + 776.103 = 1.662.979 = 1.69 x 1,65 = 2,80
414.144 + 567.056 981.200
Fórmula 3: Ativo Circulante – Estoques x 3,55
Passivo Circulante
2007: 786.840 – 183.044 = 603.796 = 1.932.005 x 3,55 = 6,86
312.523 312.523
2008: 886.876 – 285.334 = 601.532 = 1.452470 x 3,55 = 5,16
414.144 414.144
Fórmula 4: Ativo Circulante x 1,06
Passivo Circulante
2007: 786.840 = 2.517.702 x 1.06 = 2,67
312.523
2008: 886.876 = 2.141.467 x 1,06 = 2,27
414.144
Fórmula 5: Exigível Total x 0,33
Patrimônio Líquido
2007: 312.523 + 405.770 = 718.293 = 1.155.605 x 0,33 = 0,38
621.573 621.573
2008: 414.144 + 567.056 = 981.200 = 1.444.549 x 0,33 = 0,48
679.243 679.243
Apuração dos indicadores de insolvência
Utilizando a fórmula correspondente podemos verificar que:
No ano de 2007:
0,01 + 3,08 + 6,86 – 2,67 – 0,38 = 6,9
A empresa se encontra em estado de solvência.
No ano de 2008:
0,01 + 2,80+ 5,16 – 2,27 – 0,48 = 5,22
A empresa se encontra em estado de solvência.
Saldos contábeis em 31/12/2008
NCG = Necessidade de Capital Líquido
Indústria ROMI S/A
NCG = Necessidade de Capital Líquido
NCG = PL(679.243) -[(RLP(514.195) + AP(261.908)]=-96.860
|CCL = NCG(-96.860) + ELP(569.592)=472.732
NCG = 886.876-414.144 = 472.732
PMRE - Prazo Médio de Rotação dos Estoques
Indústria ROMI S/A
PMRE - Prazo Médio de Rotação dos Estoques ||PMRE = Estoques/CMV x DP
PMRE = 285.344/416.550 x 360 =
246,61
PMRV - Prazo Médio de Recebimento das Vendas Indústria ROMI S/A
PMRV - Prazo Médio de Recebimento das Vendas
PMRV = Duplicatas a receber / Receita Bruta de VendasxDP.
PMRV = 77.463/836.625 x 360 =33,33
Indústria ROMI S/A
PMPC - Prazo Médio de Recebimento das Compras
PMPC = Fornecedores / Compras x DP
PMPC = 31.136 / 518.850 x 360 =21,60
Ciclo Operacional Indústria ROMI S/A
CO = Ciclo Operacional
CO = PMRE + PMRV
CO = 246,61 + 33,33 =279,94
Ciclo Financeiro Indústria ROMI S/A
CF = Ciclo Financeiro
CF = PMRE + PMRV - PMPC
CF = 246,61 + 33,33 - 21,60 =258,34
Relatório
De acordo com a análise dos índices econômicos e financeiros da Indústria ROMI S/A em
2007 e 2008, bem como a interpretação da Análise Vertical e Horizontal do Balanço
Patrimonial e da DRE, apresentamos a seguir, um relatório sobre a evolução financeira da
empresa nesse período, e destacamos as seguintes informações:
A participação de Capitais de Terceiros em 2008 foi de: 59,16%.
No índice de Liquidez Geral para o ano foi de 1,42 para cada 1,00.
O Grau de Imobilização do Patrimônio Líquido mostra que em 2008 a empresa investiu:
35,56%.
O Índice da Margem Líquida mostra que em 2008 foi de 16,23%.
O percentual apurado na Rentabilidade do Patrimônio Líquido indica que a empresa em 2008
remunerou o capital investido pelos sócios em 17,37%.
Já os índices de Financiamento do Ativo demonstram quem em 2008, a participação das
instituições de crédito no financiamento do Ativo representou: 49,23%.
A respeito da Análise Vertical do Ativo, passivo da DRE, podemos verificar que o Ativo
Circulante aumentou 12,71%, o que representa 53,33% do total do Ativo.
Constatamos que a Margem de Lucro Liquido do Exercício diminuiu em 9,07%, ocasionada
principalmente com as percas com a variação cambial, em seguida pelo aumento das despesas
administrativas.
Em relação ao Passivo, o circulante aumentou 32%, acrescido em particular por
financiamento – Finame fabricante e em seguida por Dividendos e Juros sobre capital próprio.
Concluímos que a empresa Indústria ROMI S/A encontra-se em boa situação financeira,
apresentado entre os dois períodos analisados, uma ótima evolução, tendo tido os
investimentos realizados pesados sobre seu endividamento e ativo circulante, porém não
afetaram sua liquidez e foram necessários para alavancarem na expansão de novos mercados e
novos clientes.
Conclusão
Aprendemos na prática a ler e interpretar as informações contábeis publicadas pelas empresas,
em especiais as S/A, através de seu Balanço Patrimonial e sua Demonstração do Resultado do
Exercício, fazendo um comparativo em 2 exercícios e a elaborar sua Análise Vertical e
Horizontal de seu BP e sua DRE, a calcular seus índices de: estrutura, liquidez, rentabilidade,
dependência bancária, aprendemos a importância do método DUPONT e calculamos o grau
de solvência/insolvência da empresa, concluindo com a verificação dos prazos médios da
empresa e seu ciclo operacional e financeiro.
Tudo isso se fez necessário para que pudéssemos elaborar um relatório que demonstrasse a
realidade econômica e financeira da empresa de extrema importância para a empresa, seus
clientes, fornecedores e sociedade em geral, pois através desse resumo é possível tomar
decisões, compreender melhore as modificações ocorridas e fazer melhorias para que se
consiga sempre melhorar não só seu resultado, mas tornar a empresa mais eficiente.
Referencias Bibliográficas
AZEVEDO, Marcelo Cardoso de. Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras. PLT –
nº. 469.
http://sare.unianhanguera.edu.br/index.php/anudo/article/viewArticle/750>. - acesso em: 27
out. 2011.
http://www.kanitz.com/veja/lucro.asp> - Acesso em: 27 out. 2011.
http://sare.unianhanguera.edu.br/index.php/anudo/article/viewArticle/750> - acesso em: 27
out. 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05contacontabil
 
Atps estrutura e análise das demonstrações financeiras
Atps   estrutura e análise das demonstrações financeirasAtps   estrutura e análise das demonstrações financeiras
Atps estrutura e análise das demonstrações financeirasMai Reginato
 
Analise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasAnalise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasIsabel Castilho
 
Atps analise de investimento
Atps analise de investimentoAtps analise de investimento
Atps analise de investimentoMai Reginato
 
A2 cco5 estrutura_e_analise_das_demonstracoes_financeiras_tema_revisao
A2 cco5 estrutura_e_analise_das_demonstracoes_financeiras_tema_revisaoA2 cco5 estrutura_e_analise_das_demonstracoes_financeiras_tema_revisao
A2 cco5 estrutura_e_analise_das_demonstracoes_financeiras_tema_revisaopgr_net
 
Analise vertical e horizontal
Analise vertical e horizontalAnalise vertical e horizontal
Analise vertical e horizontalapostilacontabil
 
Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeirasCcnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeirascapitulocontabil
 
Analise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeisAnalise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeisapostilacontabil
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCadernos PPT
 
Análise econômico financeira - cocamar
Análise econômico financeira  - cocamarAnálise econômico financeira  - cocamar
Análise econômico financeira - cocamarRogerio Souza
 
Demonstrações financeiras
Demonstrações financeirasDemonstrações financeiras
Demonstrações financeirasCIRINEU COSTA
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeisfontouramail
 
Analise financeira
Analise financeira Analise financeira
Analise financeira Thelma Lopes
 
Analise das demonstr finance
Analise das demonstr financeAnalise das demonstr finance
Analise das demonstr financeapostilacontabil
 
Indices de liquidez analise
Indices de liquidez analiseIndices de liquidez analise
Indices de liquidez analiseGleidbraga
 
Análise economica financeira
Análise economica financeiraAnálise economica financeira
Análise economica financeiraDelza
 
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeirosAnálise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeirosM2M Escola de Negócios
 

Mais procurados (19)

Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05
 
Atps estrutura e análise das demonstrações financeiras
Atps   estrutura e análise das demonstrações financeirasAtps   estrutura e análise das demonstrações financeiras
Atps estrutura e análise das demonstrações financeiras
 
Analise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasAnalise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações Financeiras
 
Atps analise de investimento
Atps analise de investimentoAtps analise de investimento
Atps analise de investimento
 
A2 cco5 estrutura_e_analise_das_demonstracoes_financeiras_tema_revisao
A2 cco5 estrutura_e_analise_das_demonstracoes_financeiras_tema_revisaoA2 cco5 estrutura_e_analise_das_demonstracoes_financeiras_tema_revisao
A2 cco5 estrutura_e_analise_das_demonstracoes_financeiras_tema_revisao
 
Analise vertical e horizontal
Analise vertical e horizontalAnalise vertical e horizontal
Analise vertical e horizontal
 
Apostila financeira
Apostila financeiraApostila financeira
Apostila financeira
 
Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeirasCcnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras
 
Analise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeisAnalise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeis
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise Financeira
 
Análise econômico financeira - cocamar
Análise econômico financeira  - cocamarAnálise econômico financeira  - cocamar
Análise econômico financeira - cocamar
 
Demonstrações financeiras
Demonstrações financeirasDemonstrações financeiras
Demonstrações financeiras
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeis
 
Analise financeira
Analise financeira Analise financeira
Analise financeira
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Analise das demonstr finance
Analise das demonstr financeAnalise das demonstr finance
Analise das demonstr finance
 
Indices de liquidez analise
Indices de liquidez analiseIndices de liquidez analise
Indices de liquidez analise
 
Análise economica financeira
Análise economica financeiraAnálise economica financeira
Análise economica financeira
 
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeirosAnálise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
 

Destaque

Modelo artigo atps
Modelo artigo atpsModelo artigo atps
Modelo artigo atpsrickemii
 
Projeto tcc-faculdade de pedagogia-2014
Projeto tcc-faculdade de pedagogia-2014Projeto tcc-faculdade de pedagogia-2014
Projeto tcc-faculdade de pedagogia-2014Andre Silva
 
Manual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionadoManual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionadoADRIANA BECKER
 
Desafio profissional pronto
Desafio profissional prontoDesafio profissional pronto
Desafio profissional prontoCleuza Carus
 
Desafio profissional 2014
Desafio profissional 2014Desafio profissional 2014
Desafio profissional 2014Fernando santos
 
Cead 20131 administracao_pa_-_administracao_-_estagio_supervisionado_ii_-_nr_...
Cead 20131 administracao_pa_-_administracao_-_estagio_supervisionado_ii_-_nr_...Cead 20131 administracao_pa_-_administracao_-_estagio_supervisionado_ii_-_nr_...
Cead 20131 administracao_pa_-_administracao_-_estagio_supervisionado_ii_-_nr_...Ricardo Almeida
 
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pgDesafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pglivialemos
 
Atps tecnicas de negociacao - modelo 2013
Atps   tecnicas de negociacao - modelo 2013Atps   tecnicas de negociacao - modelo 2013
Atps tecnicas de negociacao - modelo 2013Cristina Martins
 
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014Alisson Martins
 
Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)
Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)
Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)Vanessa Dias
 
TCC - Análise Financeira do Banco Panamericano - contabilidade - 2012
TCC - Análise Financeira do Banco Panamericano -  contabilidade - 2012TCC - Análise Financeira do Banco Panamericano -  contabilidade - 2012
TCC - Análise Financeira do Banco Panamericano - contabilidade - 2012Paulo R. Gama e Silva
 
Desafio profissional ii
Desafio profissional iiDesafio profissional ii
Desafio profissional iiThais Soares
 
Modelo tcc anhanguera
Modelo tcc anhangueraModelo tcc anhanguera
Modelo tcc anhangueraSonia Macedo
 
Relatório final prointer I Mayk Ravandiere
Relatório final   prointer I Mayk RavandiereRelatório final   prointer I Mayk Ravandiere
Relatório final prointer I Mayk RavandiereMayk Ravandiere
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1joseesade
 
Modelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNTModelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNTMicheli Wink
 

Destaque (20)

Modelo artigo atps
Modelo artigo atpsModelo artigo atps
Modelo artigo atps
 
Projeto tcc-faculdade de pedagogia-2014
Projeto tcc-faculdade de pedagogia-2014Projeto tcc-faculdade de pedagogia-2014
Projeto tcc-faculdade de pedagogia-2014
 
Trabalho Final Gc
Trabalho Final GcTrabalho Final Gc
Trabalho Final Gc
 
Manual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionadoManual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionado
 
Desafio profissional pronto
Desafio profissional prontoDesafio profissional pronto
Desafio profissional pronto
 
Capa do trabalho processo do cuidar 2
Capa do trabalho processo do cuidar 2Capa do trabalho processo do cuidar 2
Capa do trabalho processo do cuidar 2
 
Desafio profissional 2014
Desafio profissional 2014Desafio profissional 2014
Desafio profissional 2014
 
Cead 20131 administracao_pa_-_administracao_-_estagio_supervisionado_ii_-_nr_...
Cead 20131 administracao_pa_-_administracao_-_estagio_supervisionado_ii_-_nr_...Cead 20131 administracao_pa_-_administracao_-_estagio_supervisionado_ii_-_nr_...
Cead 20131 administracao_pa_-_administracao_-_estagio_supervisionado_ii_-_nr_...
 
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pgDesafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
 
Atps tecnicas de negociacao - modelo 2013
Atps   tecnicas de negociacao - modelo 2013Atps   tecnicas de negociacao - modelo 2013
Atps tecnicas de negociacao - modelo 2013
 
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
 
Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)
Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)
Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)
 
TCC - Análise Financeira do Banco Panamericano - contabilidade - 2012
TCC - Análise Financeira do Banco Panamericano -  contabilidade - 2012TCC - Análise Financeira do Banco Panamericano -  contabilidade - 2012
TCC - Análise Financeira do Banco Panamericano - contabilidade - 2012
 
Desafio profissional ii
Desafio profissional iiDesafio profissional ii
Desafio profissional ii
 
Modelo tcc anhanguera
Modelo tcc anhangueraModelo tcc anhanguera
Modelo tcc anhanguera
 
Desafio profissional ped3
Desafio profissional ped3Desafio profissional ped3
Desafio profissional ped3
 
Desafio profissional
Desafio profissionalDesafio profissional
Desafio profissional
 
Relatório final prointer I Mayk Ravandiere
Relatório final   prointer I Mayk RavandiereRelatório final   prointer I Mayk Ravandiere
Relatório final prointer I Mayk Ravandiere
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1
 
Modelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNTModelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNT
 

Semelhante a Atps estrutura e analise das demonstrações financeiras

2015 04-02 - 2014 call - base ca. - sem anexos - cópia
2015 04-02 - 2014 call  - base ca. - sem anexos - cópia2015 04-02 - 2014 call  - base ca. - sem anexos - cópia
2015 04-02 - 2014 call - base ca. - sem anexos - cópiaForjasTaurus
 
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2 (4)
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2 (4)Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2 (4)
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2 (4)brpharma
 
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2brpharma
 
Analise demonstracoes contabeis dcs
Analise demonstracoes contabeis dcsAnalise demonstracoes contabeis dcs
Analise demonstracoes contabeis dcsapostilacontabil
 
Analise demonstracoes contabeis dcs
Analise demonstracoes contabeis dcsAnalise demonstracoes contabeis dcs
Analise demonstracoes contabeis dcsadmcontabil
 
Estudo de viabilidade economica escola particular com concessão de bolsas e d...
Estudo de viabilidade economica escola particular com concessão de bolsas e d...Estudo de viabilidade economica escola particular com concessão de bolsas e d...
Estudo de viabilidade economica escola particular com concessão de bolsas e d...CG - Choque de Gestao
 
Analise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeisAnalise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeisadmcontabil
 
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call portArezzori
 
Estácio: Apresentação dos Resultados do 2T16
Estácio: Apresentação dos Resultados do 2T16Estácio: Apresentação dos Resultados do 2T16
Estácio: Apresentação dos Resultados do 2T16Estácio Participações
 
Brph apresentação call 2 t14 (pt) (1)
Brph apresentação call 2 t14 (pt) (1)Brph apresentação call 2 t14 (pt) (1)
Brph apresentação call 2 t14 (pt) (1)brpharma
 
4T13 Arezzo
4T13 Arezzo4T13 Arezzo
4T13 ArezzoArezzori
 
Atps estruturaeanlisedasdemonstraesfinanceiras-130427161607-phpapp01 (1)
Atps estruturaeanlisedasdemonstraesfinanceiras-130427161607-phpapp01 (1)Atps estruturaeanlisedasdemonstraesfinanceiras-130427161607-phpapp01 (1)
Atps estruturaeanlisedasdemonstraesfinanceiras-130427161607-phpapp01 (1)Marli Santiago Santos
 
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v32 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3Arezzori
 
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v32 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3Arezzori
 
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v32 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3Arezzori
 
Apresentação SABE Invest
Apresentação SABE InvestApresentação SABE Invest
Apresentação SABE InvestMarcelo Dias
 
Lojas Americanas - Apresentação Comentários
Lojas Americanas - Apresentação Comentários Lojas Americanas - Apresentação Comentários
Lojas Americanas - Apresentação Comentários cesarmattos
 

Semelhante a Atps estrutura e analise das demonstrações financeiras (20)

2015 04-02 - 2014 call - base ca. - sem anexos - cópia
2015 04-02 - 2014 call  - base ca. - sem anexos - cópia2015 04-02 - 2014 call  - base ca. - sem anexos - cópia
2015 04-02 - 2014 call - base ca. - sem anexos - cópia
 
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2 (4)
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2 (4)Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2 (4)
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2 (4)
 
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2
Brph apresentação call 4 t13 (pt) v2
 
Analise demonstracoes contabeis dcs
Analise demonstracoes contabeis dcsAnalise demonstracoes contabeis dcs
Analise demonstracoes contabeis dcs
 
Analise demonstracoes contabeis dcs
Analise demonstracoes contabeis dcsAnalise demonstracoes contabeis dcs
Analise demonstracoes contabeis dcs
 
3T14
3T143T14
3T14
 
Estudo de viabilidade economica escola particular com concessão de bolsas e d...
Estudo de viabilidade economica escola particular com concessão de bolsas e d...Estudo de viabilidade economica escola particular com concessão de bolsas e d...
Estudo de viabilidade economica escola particular com concessão de bolsas e d...
 
Analise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeisAnalise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeis
 
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
 
Estácio: Apresentação dos Resultados do 2T16
Estácio: Apresentação dos Resultados do 2T16Estácio: Apresentação dos Resultados do 2T16
Estácio: Apresentação dos Resultados do 2T16
 
Analise verical
Analise vericalAnalise verical
Analise verical
 
Análise das Demonstrações Contábeis - B2W
Análise das Demonstrações Contábeis - B2WAnálise das Demonstrações Contábeis - B2W
Análise das Demonstrações Contábeis - B2W
 
Brph apresentação call 2 t14 (pt) (1)
Brph apresentação call 2 t14 (pt) (1)Brph apresentação call 2 t14 (pt) (1)
Brph apresentação call 2 t14 (pt) (1)
 
4T13 Arezzo
4T13 Arezzo4T13 Arezzo
4T13 Arezzo
 
Atps estruturaeanlisedasdemonstraesfinanceiras-130427161607-phpapp01 (1)
Atps estruturaeanlisedasdemonstraesfinanceiras-130427161607-phpapp01 (1)Atps estruturaeanlisedasdemonstraesfinanceiras-130427161607-phpapp01 (1)
Atps estruturaeanlisedasdemonstraesfinanceiras-130427161607-phpapp01 (1)
 
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v32 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
 
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v32 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
 
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v32 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
2 t13 arezzo_apresentacao_call port v3
 
Apresentação SABE Invest
Apresentação SABE InvestApresentação SABE Invest
Apresentação SABE Invest
 
Lojas Americanas - Apresentação Comentários
Lojas Americanas - Apresentação Comentários Lojas Americanas - Apresentação Comentários
Lojas Americanas - Apresentação Comentários
 

Último

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 

Último (20)

treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 

Atps estrutura e analise das demonstrações financeiras

  • 1. ANHANGUERA EDUCACIONAL S.A. Faculdade Anhanguera de Taboão da Serra Curso de Administração de Empresas 5º semestre - 2014 ATPS ESTRUTURA E ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Alunas: Alicia Mattos Tena Agra RA: 4575875168 Dilma Alves S. Araújo RA: 3819668351 Bruna Eugênio RA: 1299909964 Tatiana Lacerda Moura RA 8524948618 Tutora presencial: Ariana Oliveira Matos de Araújo
  • 2. “ESTRUTURA E ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS.” Trabalho exigido como complemento avaliativo da disciplina de Estrutura e Analise das Demonstrações Financeiras do curso Bacharel em Administração, da Universidade Anhanguera – UNIDERP, pólo Taboão da Serra- São Paulo. São Paulo 2014
  • 3. SUMÁRIO Introdução Analise Horizontal Analise Vertical Balanço Patrimonial da Empresa ROMI. Analise das possíveis causas e variações Estrutura, Liquidez, Rentabilidade e Dependência Bancária A importância do Método Dupont Calculo da rentabilidade do ativo pelo método Dupont Apuração dos indicadores de insolvência Saldos contábeis em 31/12/2008 PMRV - Prazo Médio de Recebimento das Vendas Indústria ROMI S/A Ciclo Operacional Indústria ROMI S/A. Ciclo Financeiro Indústria ROMI S/A . Relatório Conclusão Referencia Bibliográfica
  • 4. 1 - Introdução A Análise das Demonstrações Financeiras transforma os dados em informações úteis para os interessados, sócios ou acionistas, fornecedores, instituições financeiras e o governo. A análise das Demonstrações Financeiras compreende um exame detalhado dos diversos componentes, conhecidos como contas, fazendo um comparativo entre si ou em relação a outros integrantes como um todo. Uma análise para ser mais eficiente, deve se basear em mais de um exercício social, é recomendável a comparação de no mínimo três exercícios sociais, para observar a tendência dos indicadores. O presente estudo tem como finalidade analisar as demonstrações financeiras da Industrias ROMI S.A. publicadas comparando balanço de 2007 e 2008. Este desafio dedica-se a elaborar e interpretar os índices financeiros propostos, analisando as contas e envolvendo os métodos de cálculo que consiste em relacionar as contas do balanço, analisando o desempenho econômico-financeiro da empresa.
  • 5. I – Análise Horizontal Demonstra a evolução das contas patrimoniais e de resultado dentro de uma série de exercícios. Através desta técnica é possível avaliar e acompanhar a evolução das Receitas e das Despesas bem como dos investimentos realizados. II – Análise Vertical Permite determinar a participação relativa de cada conta no grupo total. A análise vertical demonstra a estrutura econômico-financeira da empresa.
  • 6. Balanço Patrimonial da empresa Romi. EMPRESA - ROMI Balanço Patrimonial- 2007/2008 31/12/2008 % 31/12/2007 % 31/12/2008 % 31/12/2007 % Análise Horizonta l Controlador a Controlador a Consolidad o Consolidad o Ativo Circulante Caixa 109.915 6,90% 170.665 12,79% 135.224 8,13% 189.010 14,09% -28,46% Títulos Mantidos para Negociação 37.932 2,38% 105.270 7,89% 53.721 3,23% 111.512 8,31% -51,82% Duplicatas à Receber 57.675 3,62% 57.639 4,32% 77.463 4,66% 62.888 4,69% 23,18% Valores a receber - Repasse Finame fabricante 306.892 19,25% 223.221 16,72% 306.892 18,45% 223.221 16,64% 37,48% Partes Relacionadas 24.214 1,52% 19.107 1,43% 0 0,00% 0 0,00% Estoque 238.045 14,94% 169.547 12,70% 285.344 17,16% 183.044 13,64% 55,89% Imposto e Contribuição à Recuperar 15.089 0,95% 11.118 0,83% 17.742 1,07% 11.537 0,86% 53,78% Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos 3.243 0,20% 2.149 0,16% 3.243 0,20% 2.149 0,16% 50,91% Outros Créditos 2.884 0,18% 3.348 0,25% 7.247 0,44% 3.479 0,26% 108,31% Total Circulante 795.889 49,93% 762.064 57,10% 886.876 53,33% 786.840 58,64% 12,71% Não Circulante Realizavél a longo Prazo Duplicatas à Receber 1.098 0,07% 1.149 0,09% 1.686 0,10% 1.149 0,09% 46,74% Valores à Receber Repasse Finame 479.371 30,08% 409.896 30,71% 479.371 28,83% 409.896 30,55% 16,95%
  • 7. Partes Relacionadas 12.476 0,78% 0 0,00% 0 0,00% 0 0,00% Imposto e Contribuição à Recuperar 14.164 0,89% 5.391 0,40% 18.245 1,10% 5.391 0,40% 238,43% Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos 9.488 0,60% 5.867 0,44% 9.488 0,57% 5.867 0,44% 61,72% Outros Créditos 5.102 0,32% 2.928 0,22% 5.405 0,33% 2.928 0,22% 84,60% Inv. em controladas, incluindo ágio e deságio 39.384 2,47% 24.915 1,87% 0 0,00% 0 0,00% Outros investimentos 984 0,06% 984 0,07% 3.163 0,19% 1.935 0,14% 63,46% Imobilizado, líquido 229.324 14,39% 121.500 9,10% 252.171 15,16% 127.731 9,52% 97,42% Intangível 6.574 0,41% 0 0,00% 6.574 0,40% 0 0,00% Total Não Circulante 797.965 50,07% 572.630 42,90% 776.103 46,67% 554.897 41,36% 39,86% Total do Ativo 1.593.854 100,00% 1.334.694 100,00% 1.662.979 100,00% 1.341.737 100,00% 19,32% EMPRESA - ROMI Balanço Patrimonial-2007/2008 31/12/2008 % 31/12/2007 % 31/12/2008 % 31/12/2007 % Análise Horizonta l Controlador a Controlador a Consolidad o Consolidad o Passivo E Patrimônio Líquido Circulante Financiamentos 21.151 1,33% 29.459 2,21% 26.375 1,59% 29.498 2,20% -10,59% Financiamentos - Finame fabricante 270.028 16,94% 192.884 14,45% 270.028 16,24% 192.884 14,38% 40,00% Fornecedores 21.218 1,33% 24.795 1,86% 31.136 1,87% 25.193 1,88% 23,59% Salários e encargos sociais 32.045 2,01% 35.927 2,69% 33.845 2,04% 35.934 2,68% -5,81% Impostos e contribuições a recolher 5.321 0,33% 7.500 0,56% 7.357 0,44% 8.013 0,60% -8,19% Adiantamentos de clientes 12.813 0,80% 9.702 0,73% 14.082 0,85% 9.702 0,72% 45,15% Dividendos e juros sobre o capital próprio 11.552 0,72% 2.234 0,17% 11.777 0,71% 2.375 0,18% 395,87% Participações a pagar 4.500 0,28% 4.400 0,33% 4.500 0,27% 4.400 0,33% 2,27% Outras contas a pagar 4.937 0,31% 4.262 0,32% 15.044 0,90% 4.524 0,34% 232,54% Provisão para passivo descoberto - contr. 614 0,04% 0 0,00% 0 0,00% 0 0,00% Partes relacionadas 1.357 0,09% 549 0,04% 0 0,00% 0 0,00% Total do Circulante 385.536 24,19% 311.712 23,35% 414.144 24,90% 312.523 23,29% 32,52% NÃO CIRCULANTE 0 0 0 0 Exigível a longo prazo: 0 0 0 0 Financiamentos 67.939 0 49.144 0 68.943 0 49.306 0 39,83% Financiamentos - Finame fabricante 453.323 28,44% 348.710 26,13% 453.323 27,26% 348.710 25,99% 30,00%
  • 8. Impostos e contribuições a recolher 3.578 0,22% 1.896 0,14% 3.578 0,22% 1.896 0,14% 88,71% Provisão para passivos eventuais 2.073 0,13% 1.659 0,12% 2.073 0,12% 1.659 0,12% 24,95% Outras contas a pagar 2.162 0,14% 0 0,00% 9.626 0,58% 0 0,00% Deságio em controladas 0 0,00% 0 0,00% 29.513 1,77% 4.199 0,31% 602,86% Total do não circulante 529.075 33,19% 401.409 30,07% 567.056 34,10% 405.770 30,24% 39,75% Participação Minotária 0 0,00% 0 0,00% 2.536 0,15% 1.871 0,14% 35,54% Patrimônio Líquido 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% Capital social 489.973 30,74% 489.973 36,71% 489.973 29,46% 489.973 36,52% 0,00% Reserva de capital 2.052 0,13% 2.052 0,15% 2.052 0,12% 2.052 0,15% 0,00% Ajustes de avaliação patrimonial 349 0,02% 968 0,07% 349 0,02% -968 -0,07% -136,05% Reserva de lucros 187.567 11,77% 130.516 9,78% 187.567 11,28% 130.516 9,73% 43,71% 679.243 42,62% 621.573 46,57% 679.243 40,84% 623.444 46,47% 8,95% TOTAL DO PASSIVO E DO PATR. LÍQUIDO 1.593.854 100,00% 1.334.694 100,00% 1.662.979 99,85% 1.341.737 100,00% 23,94% Analises das possíveis causas e variações Na vendas observa-se que a Receita Operacional Líquida consolidada apresentou um crescimento de 10,1%, em comparação a 2007. Este crescimento deve-se ao desempenho geral de suas operações e pelo desempenho positivo da atividade industrial no Brasil nos nove primeiros meses de 2008. Nos custos dos produtos vendidos A análise horizontal feita no ano de 2007 o custo dos produtos vendidos apresentou um valor de R$ 359.903,00, tendo um Nas Contas Patrimoniais Quanto aos Juros sobre o Capital Próprio, creditados aos acionistas ao longo de 2008, líquidos de IRRF e imputáveis aos dividendos mínimos obrigatórios do exercício social de 2008, foram de R$ 35,5 milhões e corresponde a 31,4% do lucro líquido do exercício. Ao observarmos o circulante de 2007 para 2008 a conta “Outros Créditos” aumentou para 108,31% e a teve menor relevância foi a de Títulos Mantidos para Negociação, com redução de 51,82%. O Ativo não circulante apresentou a conta Impostos e contribuições a recuperar o de maior percentual com 238,43 % e o menor foi o de Valores a receber-repasse Finame fabricante, com 16,95% de aumento, No Passivo circulante o aumento de 395,87% na conta Dividenda e juros sobre o capital próprio, foram o maior e o menor na conta Financiamento com redução de 10,59%. No Passivo não circulante o Deságio em controladas teve um salto
  • 9. de 602,86% e a “Provisão para passivos eventuais um aumento de 24,95%. No Patrimônio Líquido com 43,71% a “Reserva de lucros foi a mais alta e a menor foi os Ajustes de avaliação patrimonial com uma redução de 63,95%.” Estrutura,Liquidez,Rentabilidade e Dependência Bancária a)INDICE | INDICE | FORMULA | INTERPRETAÇÃO 2008 /2007 Estrutura de capital | Participação de capitais de terceiros | Capitais terceiros / passivo total x100 | 981.200/1662.979 X 100 = 59% | 718.293/1341.737 X 100 = 53% | | Composição de endividamento | PC/capitais terceiros x 100 | 414.144/981.200 x 100 = 42% | 312.523/718.293 x 100 =43% | | Imobilização do PL | AP/PL x 100 | 261.908/1662.979 x 100 = 15% | 350.872/1341.737 x 100 = 26% | | Imobilização dos recursos não correntes | AP/PL+ELP x 100 | 261.908/2.230.035 x 100 = 11,7% | 350.872/1.747.507 x 100 = 20% | Liquidez | Liquidez geral | AC+RLP/PC+ELP 886.876+514.195/414.144+567.056=1,42% | 786.840+425.231/312.523+405.770 =0,16% Liquidez Corrente | AC/PC | 886.876/414.144=2,14 | 786.840/312.523=2,51 | | Liquidez seca | AC - estoques/PC | 886.876 – 285.344 /414.144= 1,45 | 786.840 – 183.044 / 312.523= 1,93 Rentabilidade | Giro do ativo | Vendas liquidas/ativo total | 696.124/1.662.979 = 0,41 | 631.988/1.341.737 = 0,47 | | Margem liquida | Lucro liq/vendas liq x 100 | 112.953/696.124 x 100 = 16,22% | 124.219/631.988 x 100 = 19,66% | | Rentabilidade do ativo | Lucro liq/Ativo Total x100 | 112.953/1.662979 x 100 = 6,79% | 124.219/134.737 x 100 = 9,26% | | Rentabilidade do PL | Lucro Liq/PL Medio x 100 | 112.953/650.408 x 100 = 17% | b) Segundo Stephen Kanitz acredita-se que as empresa obtém um lucro de 50% no mínimo, porém esta não é a realidade de muitas empresas até mesmo as consideradas grandes. Com um custo de produto alto que envolve mão-de-obra, matéria prima, fornecedores e
  • 10. principalmente Impostos que no Brasil é recolhido em media 52% da renda de uma empresa. Entendemos que 2,3% podem ser muito embutidos no preço do produto, mas pouco em vista do que é investido. Analisando a rentabilidade dos exercícios 2008/2007 vemos que não passa 17%. Liquidez Geral Para cada 1,00 de Obrigações Totais a empresa conta com 1,42 em 2008 e 0,16 em 2007 para recursos totais. Liquidez Corrente. Para cada 1,00 de obrigações em curto prazo a empresa conta com 2,14 em 2008 e 2,51 em 2007 em recursos que se transformarão em dinheiro em curto prazo. Liquidez Seca Para cada 1,00 em obrigações a empresa conta com 1,45 em 2008 e 1,93 em 2007 para cumprir os compromissos de curto prazo. A composição de endividamento chega a quase 45% e as imobilizações a quase 30%, produto parado sem lucratividade e/ou retorno imediato. No caso dos imobilizados a empresa conta com 40% para retornos líquidos, muito pouco para uma empresa. Muitas empresas acabam fechando por falta de informação, acreditam que terão um lucro bem maior. A importância do Método Dupont O Método Dupont tem sido por muitos anos, usado pelos administradores financeiros como uma estrutura para analisar as demonstrações financeiras e avaliar a situação financeira da empresa. O Método Dupont funde a DRE e o BP em duas medidas-sínteses da lucratividade: a taxa de retorno sobre o ativo total ROA e a taxa de retorno sobre o patrimônio líquido ROE. Inicialmente, o Método Dupont reúne a margem líquida, a qual mede a lucratividade sobre as vendas, com o giro do ativo total, que indica o quão eficientemente a empresa utilizou seus ativos na geração das vendas. Na fórmula do Método Dupont, o produto desses dois índices resulta na taxa do retorno sobre o ativo total (ROA): ROA = margem líquida x giro do ativo total
  • 11. Substituindo os termos apropriados na equação e simplificando seus resultados, temos: ROA = (lucros líquidos depois do IR / vendas) x (vendas / ativo total) = lucro líquido depois do IR / ativo total A fórmula do Método Dupont permite à empresa decompor seu retorno em dois componentes: Lucro sobre vendas e eficiência no uso dos ativos. Normalmente, uma empresa com baixa margem líquida tem um alto giro do ativo total, o que resulta em retornos razoavelmente bons sobre o ativo total. O mesmo costuma ocorrer com a situação inversa. A fórmula modificada do Método Dupont relaciona a taxa de retorno sobre o ativo total ROA à taxa de retorno sobre o patrimônio líquido ROE. Essa última é obtida multiplicando-se o ROA pelo MAF – multiplicador de alavancagem financeira. O MAF é dado pela razão ativo total pelo patrimônio líquido: ROE = ROA X MAF Substituindo os correspondentes termos na equação e simplificando seus resultados na fórmula dada anteriormente, temos: ROE = (lucro líquido depois do I R / ativo total) x (ativo total / patrimônio líquido) = lucro líquido depois do I R / patrimônio líquido
  • 12. 2007: Passivo Operacional – 97.391 Passivo financeiro – 620.398 Patrimônio – 623.948 2008: Passivo Operacional – 153.290 Passivo Financeiro – 818.669
  • 13. Patrimônio – 691.020 Fórmula: Ativo Líquido = Ativo Total – Passivo Operacional 2007: Ativo Líquido = 1.341.737 – 97.391 = 1.244.346 2008: Ativo Líquido = 1.662.979 – 153.290 = 1.509.689 Fórmula: Giro: Vendas Líquidas Ativo Líquido 2007: 761.156 = 0,61 1.244.346 2008: 836.625 = 0,55 1.509.689 Fórmula: Margem: Lucro Líquido Vendas Líquidas 2007: 124.219 = 0,16 ( x 100 = 16,32 % ) 781.156 2008: 113.853 = 0,14 ( x 100 = 13,50 ) 836.625 Fórmula: Rentabilidade do Ativo ( Método Dupont ) = ( Giro x Margem ) 2007: 0,61 x 0,16 = 0,10 ( x 100 = 10% ) 2008: 0,55 x 0,14 = 0,08 ( x 100 = 8% ) Modelo Stephen Kanitz Escala para medir a possibilidade de insolvência
  • 14. Fórmula: Lucro Líquido x 0,05 Patrimônio Líquido 2007: 124.219 = 0,05 = 0,01 621.573 2008: 112.953 = 0,166292 x 0,05 = 0,01 679.243 Fórmula 2: Ativo Circulante + ANC x 1,65 Passivo Circulante + PNC 2007: 786.840 + 554.897 = 1.341.737 = 1,87 x 1,65 = 3,08 312.523 + 405.770 718.293 2008: 886.676 + 776.103 = 1.662.979 = 1.69 x 1,65 = 2,80 414.144 + 567.056 981.200 Fórmula 3: Ativo Circulante – Estoques x 3,55 Passivo Circulante 2007: 786.840 – 183.044 = 603.796 = 1.932.005 x 3,55 = 6,86 312.523 312.523 2008: 886.876 – 285.334 = 601.532 = 1.452470 x 3,55 = 5,16 414.144 414.144 Fórmula 4: Ativo Circulante x 1,06 Passivo Circulante 2007: 786.840 = 2.517.702 x 1.06 = 2,67 312.523
  • 15. 2008: 886.876 = 2.141.467 x 1,06 = 2,27 414.144 Fórmula 5: Exigível Total x 0,33 Patrimônio Líquido 2007: 312.523 + 405.770 = 718.293 = 1.155.605 x 0,33 = 0,38 621.573 621.573 2008: 414.144 + 567.056 = 981.200 = 1.444.549 x 0,33 = 0,48 679.243 679.243 Apuração dos indicadores de insolvência Utilizando a fórmula correspondente podemos verificar que: No ano de 2007: 0,01 + 3,08 + 6,86 – 2,67 – 0,38 = 6,9 A empresa se encontra em estado de solvência.
  • 16. No ano de 2008: 0,01 + 2,80+ 5,16 – 2,27 – 0,48 = 5,22 A empresa se encontra em estado de solvência. Saldos contábeis em 31/12/2008 NCG = Necessidade de Capital Líquido Indústria ROMI S/A NCG = Necessidade de Capital Líquido NCG = PL(679.243) -[(RLP(514.195) + AP(261.908)]=-96.860 |CCL = NCG(-96.860) + ELP(569.592)=472.732 NCG = 886.876-414.144 = 472.732 PMRE - Prazo Médio de Rotação dos Estoques Indústria ROMI S/A PMRE - Prazo Médio de Rotação dos Estoques ||PMRE = Estoques/CMV x DP PMRE = 285.344/416.550 x 360 = 246,61 PMRV - Prazo Médio de Recebimento das Vendas Indústria ROMI S/A PMRV - Prazo Médio de Recebimento das Vendas PMRV = Duplicatas a receber / Receita Bruta de VendasxDP. PMRV = 77.463/836.625 x 360 =33,33 Indústria ROMI S/A PMPC - Prazo Médio de Recebimento das Compras PMPC = Fornecedores / Compras x DP
  • 17. PMPC = 31.136 / 518.850 x 360 =21,60 Ciclo Operacional Indústria ROMI S/A CO = Ciclo Operacional CO = PMRE + PMRV CO = 246,61 + 33,33 =279,94 Ciclo Financeiro Indústria ROMI S/A CF = Ciclo Financeiro CF = PMRE + PMRV - PMPC CF = 246,61 + 33,33 - 21,60 =258,34
  • 18. Relatório De acordo com a análise dos índices econômicos e financeiros da Indústria ROMI S/A em 2007 e 2008, bem como a interpretação da Análise Vertical e Horizontal do Balanço Patrimonial e da DRE, apresentamos a seguir, um relatório sobre a evolução financeira da empresa nesse período, e destacamos as seguintes informações: A participação de Capitais de Terceiros em 2008 foi de: 59,16%. No índice de Liquidez Geral para o ano foi de 1,42 para cada 1,00. O Grau de Imobilização do Patrimônio Líquido mostra que em 2008 a empresa investiu: 35,56%. O Índice da Margem Líquida mostra que em 2008 foi de 16,23%. O percentual apurado na Rentabilidade do Patrimônio Líquido indica que a empresa em 2008 remunerou o capital investido pelos sócios em 17,37%. Já os índices de Financiamento do Ativo demonstram quem em 2008, a participação das instituições de crédito no financiamento do Ativo representou: 49,23%. A respeito da Análise Vertical do Ativo, passivo da DRE, podemos verificar que o Ativo Circulante aumentou 12,71%, o que representa 53,33% do total do Ativo. Constatamos que a Margem de Lucro Liquido do Exercício diminuiu em 9,07%, ocasionada principalmente com as percas com a variação cambial, em seguida pelo aumento das despesas administrativas. Em relação ao Passivo, o circulante aumentou 32%, acrescido em particular por financiamento – Finame fabricante e em seguida por Dividendos e Juros sobre capital próprio. Concluímos que a empresa Indústria ROMI S/A encontra-se em boa situação financeira, apresentado entre os dois períodos analisados, uma ótima evolução, tendo tido os investimentos realizados pesados sobre seu endividamento e ativo circulante, porém não afetaram sua liquidez e foram necessários para alavancarem na expansão de novos mercados e novos clientes.
  • 19. Conclusão Aprendemos na prática a ler e interpretar as informações contábeis publicadas pelas empresas, em especiais as S/A, através de seu Balanço Patrimonial e sua Demonstração do Resultado do Exercício, fazendo um comparativo em 2 exercícios e a elaborar sua Análise Vertical e Horizontal de seu BP e sua DRE, a calcular seus índices de: estrutura, liquidez, rentabilidade, dependência bancária, aprendemos a importância do método DUPONT e calculamos o grau de solvência/insolvência da empresa, concluindo com a verificação dos prazos médios da empresa e seu ciclo operacional e financeiro. Tudo isso se fez necessário para que pudéssemos elaborar um relatório que demonstrasse a realidade econômica e financeira da empresa de extrema importância para a empresa, seus clientes, fornecedores e sociedade em geral, pois através desse resumo é possível tomar decisões, compreender melhore as modificações ocorridas e fazer melhorias para que se consiga sempre melhorar não só seu resultado, mas tornar a empresa mais eficiente.
  • 20. Referencias Bibliográficas AZEVEDO, Marcelo Cardoso de. Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras. PLT – nº. 469. http://sare.unianhanguera.edu.br/index.php/anudo/article/viewArticle/750>. - acesso em: 27 out. 2011. http://www.kanitz.com/veja/lucro.asp> - Acesso em: 27 out. 2011. http://sare.unianhanguera.edu.br/index.php/anudo/article/viewArticle/750> - acesso em: 27 out. 2011.