SlideShare uma empresa Scribd logo
O arcadismo é uma
escola literária surgida
na Europa no século XVIII, também
denominada
de setecentismo ou neoclassicismo
. O nome "arcadismo" é uma
referência à Arcádia, região
campestre
do Peloponeso, na Grécia
antiga, tida como ideal de
inspiração poética.
A principal característica desta
escola é a exaltação da natureza e
de tudo o que lhe diz respeito. Por
essa razão muitos poetas do
arcadismo
adotaram pseudônimos de
pastores gregos ou latinos.
Caracteriza-se ainda pelo recurso
a esquemas rítmicos mais
graciosos.
O século XVIII, também referido como “Século das Luzes”, representa
uma fase de importantes transformações no campo da cultura
europeia. Na Inglaterra e na França forma-se uma burguesia que passa
a dominar economicamente o Estado, através de um intenso comércio
ultramarino e da multiplicação de estabelecimentos
bancários, assenhoreando-se mesmo de uma parte da atividade
agrícola. Paralelamente, a antiga Nobreza arruína-se, e o Clero, com as
suas intermináveis polêmicas, traz o descrédito às questões
teológicas. Em toda a Europa a influência do
pensamento Iluminista burguês se alastra.
Esse período de renovação cultural que se caracteriza, em linhas
gerais, pela valorização da Ciência e do espírito racionalista. O método
experimental desenvolve-se; a análise crítica dos valores sociais e
religiosos aguça-se, provocando polêmicas; há uma grande confiança
na capacidade do homem em promover o progresso social (crença em
que o bem-estar coletivo só pode advir da razão), e a tendência de
libertar o universo cultural da influência da religião acentua-se cada
vez mais.
Contexto histórico-social
Características do Arcadismo
O arcadismo constitui-se numa forma de literatura mais simples, opondo-se
aos exageros e rebuscamentos do Barroco, expresso pela expressão latina
"inutilia truncat" ("cortar o inútil"). Os temas também são simples e
comuns aos seres humanos, como o amor, a morte, o casamento, a solidão.
As situações mais freqüentes apresentam um pastor abandonado pela
amada, triste e queixoso. É a "aurea mediocritas" ("mediocridade
áurea"), que simboliza a valorização das coisas cotidianas, focalizadas
pela razão.
Os autores retornam aos modelos clássicos da Antiguidade greco-latina e
aos renascentistas, razão pela qual o movimento é também conhecido
como neoclássico. Os seus autores acreditavam que a Arte era uma cópia
da natureza, refletida através da tradição clássica. Por isso a presença
da mitologia pagã, além do recurso a frases latinas.
Inspirados na frase do escritor latino Horácio "fugere urbem" ("fugir da
cidade"), e imbuídos da teoria do "bom selvagem" de Jean-Jacques
Rousseau, os autores árcades voltam-se para a natureza em busca de uma
vida simples, bucólica, pastoril, do "locus amoenus", do refúgio ameno em
oposição aos centros urbanos dominados pelo Antigo Regime, pelo
absolutismo monárquico.
Cumpre salientar que essa busca
configurava apenas um estado
de espírito, uma posição política
e ideológica, uma vez que esses
autores viviam nos centros
urbanos e, burgueses que
eram, ali mantinham os seus
interesses econômicos. Por isso
justifica falar-se em "fingimento
poético" no arcadismo fato que
transparece no uso dos
pseudônimos pastoris.
Além disso, diante da efemeridade da
vida, defendem o "carpe diem", pelo
qual o pastor, ciente da brevidade do
tempo, convida a sua pastora a gozar
o momento presente.
Quanto à forma, usavam muitas vezes
sonetos com versos
decassílabos, rima optativa e a
tradição da poesia épica.
O arcadismo em Portugal
Em Portugal, o arcadismo iniciou-se
oficialmente em 1756,com a fundação da
“Arcádia Lusitana”, entidade em que se
reuniam intelectuais e artistas para
discutirem Arte.
A “Arcádia Lusitana” tinha por lema a
frase latina "Inutilia truncat" ("acabe-se
com as inutilidades"), que vai caracterizar
todo o movimento no país. Visavam com
isto erradicar os exageros, o
rebuscamento, e a extravagância
preconizados pelo Barroco, retornando a
uma literatura simples.
Manuel Maria Barbosa du
Bocage
António Dinis da Cruz e
Silva
Correia GarçãoMarquesa de Alorna
O arcadismo no Brasil
No Brasil, vive-se o momento histórico da decadência do ciclo da
mineração e da transferência do centro político do Nordeste
(Salvador, na Bahia) para o Rio de Janeiro.
Aqui o marco inaugural do arcadismo deu-se em 1768 com a fundação
da “Arcádia Ultramarina”, em Vila Rica, e a publicação de “Obras
Poéticas”, de Cláudio Manuel da Costa. Embora não chegue a constituir
um grupo nos moldes das arcádias europeias, constituem a primeira
geração literária brasileira.
Entre as características do movimento no Brasil, destacam-se a
introdução de paisagens tropicais, como em Caramuru, valorização da
história colonial, o início do nacionalismo e da luta pela independência e
a colocação da colônia como centro das atenções.
Cláudio Manuel da Costa Freire Santa Rita Durão
Basílio da Gama
O Arcadismo foi um movimento
literário que ocorreu em diversos
países da Europa. Porém, o
modelo Neoclassicista de
Arcadismo que o Brasil possuiu foi
importado de Portugal. O
Arcadismo aqui começa em
1768, com a publicação de Obras
Poéticas, de Cláudio Manuel da
Costa. O movimento dura
até1836, quando do início do
Romantismo.
As principais características
árcades são a presença e a
descrição da natureza, o amor
não-idealizado pela mulher, a vida
campestre e bucólica, uso de
pseudônimos... Os poemas
possuem métrica, já que
obedecem ao modelo Clássico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Ivana Mayrink
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
Andréia Peixoto
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Mara Virginia
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Fábio Guimarães
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
Slides de Tudo
 
O barroco
O barrocoO barroco
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Colégio Santa Luzia
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
arcadismo pdf.pdf
arcadismo pdf.pdfarcadismo pdf.pdf
arcadismo pdf.pdf
Sil Queiroz
 
Marília de Dirceu
Marília de DirceuMarília de Dirceu
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Walace Cestari
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf
geroboaosouza
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
UFMA, IFMA
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
alinesantana1422
 

Mais procurados (20)

Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
arcadismo pdf.pdf
arcadismo pdf.pdfarcadismo pdf.pdf
arcadismo pdf.pdf
 
Marília de Dirceu
Marília de DirceuMarília de Dirceu
Marília de Dirceu
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 

Destaque

Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
martinsramon
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Castells redes indignac_2012
Castells redes indignac_2012Castells redes indignac_2012
Castells redes indignac_2012
Venialgo Rossi Patricia
 
Barroco e arcadismo no Brasil
Barroco e arcadismo no BrasilBarroco e arcadismo no Brasil
Barroco e arcadismo no Brasil
Diana Oitabem
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Poesia El Shaday
Poesia El ShadayPoesia El Shaday
Poesia El Shaday
Luis Eduardo Guerra
 
Arcadismo brasil
Arcadismo   brasilArcadismo   brasil
Arcadismo brasil
ISJ
 
Arcadismo em Portugal
Arcadismo em PortugalArcadismo em Portugal
Arcadismo em Portugal
Francisco
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
Mari Concurseira
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
José Ricardo Lima
 
Resumo: Barroco e Arcadismo
Resumo: Barroco e ArcadismoResumo: Barroco e Arcadismo
Resumo: Barroco e Arcadismo
William Santos
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
joelson1
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Wallinhas Souza
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Hevelyn Braga
 
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Pedro Andrade
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Sandra Alves
 
A arte do neoclassicismo
A arte do neoclassicismoA arte do neoclassicismo
A arte do neoclassicismo
terceiromotivo2012
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Rui Neto
 

Destaque (20)

Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Castells redes indignac_2012
Castells redes indignac_2012Castells redes indignac_2012
Castells redes indignac_2012
 
Barroco e arcadismo no Brasil
Barroco e arcadismo no BrasilBarroco e arcadismo no Brasil
Barroco e arcadismo no Brasil
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Poesia El Shaday
Poesia El ShadayPoesia El Shaday
Poesia El Shaday
 
Arcadismo brasil
Arcadismo   brasilArcadismo   brasil
Arcadismo brasil
 
Arcadismo em Portugal
Arcadismo em PortugalArcadismo em Portugal
Arcadismo em Portugal
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
 
Resumo: Barroco e Arcadismo
Resumo: Barroco e ArcadismoResumo: Barroco e Arcadismo
Resumo: Barroco e Arcadismo
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
A arte do neoclassicismo
A arte do neoclassicismoA arte do neoclassicismo
A arte do neoclassicismo
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 

Semelhante a Arcadismo

O arcadismo
O arcadismoO arcadismo
O arcadismo
Juan Santana
 
Arcadismo - Estilo Iluminista
Arcadismo - Estilo IluministaArcadismo - Estilo Iluminista
Arcadismo - Estilo Iluminista
Tays Souza
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Lilian Flamino
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Andriane Cursino
 
Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02
Gabriel Toledo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Daniel Brito
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
guesta61019
 
Arcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no Brasil
Arcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no BrasilArcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no Brasil
Arcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no Brasil
VanessaGloria8
 
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdfarcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
Eduarda799337
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
Tio Pablo Virtual
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
Gabriel Andrade
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire 1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire
Péricles Penuel
 
O arcadismo – capítulo 10 2
O arcadismo – capítulo 10 2O arcadismo – capítulo 10 2
O arcadismo – capítulo 10 2
franchinialice
 
O arcadismo – capítulo 10
O arcadismo – capítulo 10 O arcadismo – capítulo 10
O arcadismo – capítulo 10
franchinialice
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Anjo da Luz
 
Literatura arcadismo
Literatura  arcadismoLiteratura  arcadismo
Literatura arcadismo
Ma Hildebrand de Araujo
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
António Cunha
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Adeildo Júnior
 
Marco cronologico arcadismo
Marco cronologico arcadismoMarco cronologico arcadismo
Marco cronologico arcadismo
Rafael Machado
 

Semelhante a Arcadismo (20)

O arcadismo
O arcadismoO arcadismo
O arcadismo
 
Arcadismo - Estilo Iluminista
Arcadismo - Estilo IluministaArcadismo - Estilo Iluminista
Arcadismo - Estilo Iluminista
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no Brasil
Arcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no BrasilArcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no Brasil
Arcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no Brasil
 
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdfarcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire 1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire
 
O arcadismo – capítulo 10 2
O arcadismo – capítulo 10 2O arcadismo – capítulo 10 2
O arcadismo – capítulo 10 2
 
O arcadismo – capítulo 10
O arcadismo – capítulo 10 O arcadismo – capítulo 10
O arcadismo – capítulo 10
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Literatura arcadismo
Literatura  arcadismoLiteratura  arcadismo
Literatura arcadismo
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Marco cronologico arcadismo
Marco cronologico arcadismoMarco cronologico arcadismo
Marco cronologico arcadismo
 

Mais de Rodolfo Ferreira de Oliveira

Preconceito Linguístico
Preconceito LinguísticoPreconceito Linguístico
Preconceito Linguístico
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
O olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da ÁfricaO olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da África
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Marie Curie
Marie CurieMarie Curie
Estrelas
EstrelasEstrelas
Fungos
FungosFungos
Café
CaféCafé
Origem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humanoOrigem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humano
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Cabo Verde
Cabo VerdeCabo Verde
Conhecimento Empírico
Conhecimento EmpíricoConhecimento Empírico
Conhecimento Empírico
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Globalização Política
Globalização PolíticaGlobalização Política
Globalização Política
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Feitorias
FeitoriasFeitorias
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
As Leis de Newton
As Leis de NewtonAs Leis de Newton
As Leis de Newton
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Células tronco embrionárias
Células tronco embrionáriasCélulas tronco embrionárias
Células tronco embrionárias
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Tecido Conjuntivo
Tecido ConjuntivoTecido Conjuntivo
Tecido Conjuntivo
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Unidade
UnidadeUnidade

Mais de Rodolfo Ferreira de Oliveira (20)

Preconceito Linguístico
Preconceito LinguísticoPreconceito Linguístico
Preconceito Linguístico
 
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
 
O olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da ÁfricaO olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da África
 
Marie Curie
Marie CurieMarie Curie
Marie Curie
 
Estrelas
EstrelasEstrelas
Estrelas
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Café
CaféCafé
Café
 
Origem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humanoOrigem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humano
 
Cabo Verde
Cabo VerdeCabo Verde
Cabo Verde
 
Conhecimento Empírico
Conhecimento EmpíricoConhecimento Empírico
Conhecimento Empírico
 
Globalização Política
Globalização PolíticaGlobalização Política
Globalização Política
 
Feitorias
FeitoriasFeitorias
Feitorias
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
 
As Leis de Newton
As Leis de NewtonAs Leis de Newton
As Leis de Newton
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
 
Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Gametogênese
 
Células tronco embrionárias
Células tronco embrionáriasCélulas tronco embrionárias
Células tronco embrionárias
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Raça e etnia
 
Tecido Conjuntivo
Tecido ConjuntivoTecido Conjuntivo
Tecido Conjuntivo
 
Unidade
UnidadeUnidade
Unidade
 

Último

Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 

Arcadismo

  • 1.
  • 2. O arcadismo é uma escola literária surgida na Europa no século XVIII, também denominada de setecentismo ou neoclassicismo . O nome "arcadismo" é uma referência à Arcádia, região campestre do Peloponeso, na Grécia antiga, tida como ideal de inspiração poética. A principal característica desta escola é a exaltação da natureza e de tudo o que lhe diz respeito. Por essa razão muitos poetas do arcadismo adotaram pseudônimos de pastores gregos ou latinos. Caracteriza-se ainda pelo recurso a esquemas rítmicos mais graciosos.
  • 3. O século XVIII, também referido como “Século das Luzes”, representa uma fase de importantes transformações no campo da cultura europeia. Na Inglaterra e na França forma-se uma burguesia que passa a dominar economicamente o Estado, através de um intenso comércio ultramarino e da multiplicação de estabelecimentos bancários, assenhoreando-se mesmo de uma parte da atividade agrícola. Paralelamente, a antiga Nobreza arruína-se, e o Clero, com as suas intermináveis polêmicas, traz o descrédito às questões teológicas. Em toda a Europa a influência do pensamento Iluminista burguês se alastra. Esse período de renovação cultural que se caracteriza, em linhas gerais, pela valorização da Ciência e do espírito racionalista. O método experimental desenvolve-se; a análise crítica dos valores sociais e religiosos aguça-se, provocando polêmicas; há uma grande confiança na capacidade do homem em promover o progresso social (crença em que o bem-estar coletivo só pode advir da razão), e a tendência de libertar o universo cultural da influência da religião acentua-se cada vez mais. Contexto histórico-social
  • 4. Características do Arcadismo O arcadismo constitui-se numa forma de literatura mais simples, opondo-se aos exageros e rebuscamentos do Barroco, expresso pela expressão latina "inutilia truncat" ("cortar o inútil"). Os temas também são simples e comuns aos seres humanos, como o amor, a morte, o casamento, a solidão. As situações mais freqüentes apresentam um pastor abandonado pela amada, triste e queixoso. É a "aurea mediocritas" ("mediocridade áurea"), que simboliza a valorização das coisas cotidianas, focalizadas pela razão. Os autores retornam aos modelos clássicos da Antiguidade greco-latina e aos renascentistas, razão pela qual o movimento é também conhecido como neoclássico. Os seus autores acreditavam que a Arte era uma cópia da natureza, refletida através da tradição clássica. Por isso a presença da mitologia pagã, além do recurso a frases latinas. Inspirados na frase do escritor latino Horácio "fugere urbem" ("fugir da cidade"), e imbuídos da teoria do "bom selvagem" de Jean-Jacques Rousseau, os autores árcades voltam-se para a natureza em busca de uma vida simples, bucólica, pastoril, do "locus amoenus", do refúgio ameno em oposição aos centros urbanos dominados pelo Antigo Regime, pelo absolutismo monárquico.
  • 5. Cumpre salientar que essa busca configurava apenas um estado de espírito, uma posição política e ideológica, uma vez que esses autores viviam nos centros urbanos e, burgueses que eram, ali mantinham os seus interesses econômicos. Por isso justifica falar-se em "fingimento poético" no arcadismo fato que transparece no uso dos pseudônimos pastoris. Além disso, diante da efemeridade da vida, defendem o "carpe diem", pelo qual o pastor, ciente da brevidade do tempo, convida a sua pastora a gozar o momento presente. Quanto à forma, usavam muitas vezes sonetos com versos decassílabos, rima optativa e a tradição da poesia épica.
  • 6. O arcadismo em Portugal Em Portugal, o arcadismo iniciou-se oficialmente em 1756,com a fundação da “Arcádia Lusitana”, entidade em que se reuniam intelectuais e artistas para discutirem Arte. A “Arcádia Lusitana” tinha por lema a frase latina "Inutilia truncat" ("acabe-se com as inutilidades"), que vai caracterizar todo o movimento no país. Visavam com isto erradicar os exageros, o rebuscamento, e a extravagância preconizados pelo Barroco, retornando a uma literatura simples.
  • 7. Manuel Maria Barbosa du Bocage António Dinis da Cruz e Silva Correia GarçãoMarquesa de Alorna
  • 8. O arcadismo no Brasil No Brasil, vive-se o momento histórico da decadência do ciclo da mineração e da transferência do centro político do Nordeste (Salvador, na Bahia) para o Rio de Janeiro. Aqui o marco inaugural do arcadismo deu-se em 1768 com a fundação da “Arcádia Ultramarina”, em Vila Rica, e a publicação de “Obras Poéticas”, de Cláudio Manuel da Costa. Embora não chegue a constituir um grupo nos moldes das arcádias europeias, constituem a primeira geração literária brasileira. Entre as características do movimento no Brasil, destacam-se a introdução de paisagens tropicais, como em Caramuru, valorização da história colonial, o início do nacionalismo e da luta pela independência e a colocação da colônia como centro das atenções.
  • 9. Cláudio Manuel da Costa Freire Santa Rita Durão Basílio da Gama
  • 10. O Arcadismo foi um movimento literário que ocorreu em diversos países da Europa. Porém, o modelo Neoclassicista de Arcadismo que o Brasil possuiu foi importado de Portugal. O Arcadismo aqui começa em 1768, com a publicação de Obras Poéticas, de Cláudio Manuel da Costa. O movimento dura até1836, quando do início do Romantismo. As principais características árcades são a presença e a descrição da natureza, o amor não-idealizado pela mulher, a vida campestre e bucólica, uso de pseudônimos... Os poemas possuem métrica, já que obedecem ao modelo Clássico.