SlideShare uma empresa Scribd logo
E. E. Professor João Cruz
Nomes: Gabriel de Andrade - N° 16
Luiz Filipe - N° 24
Professora: MS Maria Piedade Teodoro da Silva
Arcadismo
 O Arcadismo (ou Neoclassicismo) surge em 1756 com a fundação da Arcádia
Lusitana: movimento de reação ao Barroco. O Arcadismo procurava
restabelecer o equilíbrio, a harmonia e a simplicidade da literatura renascentista,
rompida pelo período da contrarreforma protestante. Com a proposta de
eliminar os rebuscamentos e os ornamentos exagerados da estética barroca, o
poeta árcade baseia-se nos preceitos do Iluminismo (movimento filosófico de
bases racionalistas e antirreligiosas).
 O movimento literário do século XVIII desponta em meio a momentos
marcantes da história mundial. Como o Iluminismo (movimento cultural da elite
europeia que visava ao esclarecimento – século das Luzes –, levando ao espírito
enciclopédico: difusão do conhecimento); a Independência dos Estados
Unidos(1776); a Revolução Francesa (1789), que pregava os princípios de
liberdade, igualdade e fraternidade; a Inconfidência Mineira (1789), movimento
que busca a independência do Brasil em relação a Portugal; a Economia:
desenvolvimento industrial e comercial; o Despotismo esclarecido do Marquês
de Pombal; e a Fundação da Arcádia Lusitana (1756 – Academia Literária de
Portugal).
Arcadismo
 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
 Segundo o crítico Alfredo Bosi, em seu livro História Concisa da Literatura
Brasileira (São Paulo: editora Cultrix, 2006), houve dois momentos do Arcadismo
no Brasil:
 a) poético: com o retorno à tradição clássica com a utilização dos seus modelos e a
valorização da natureza e da mitologia.
 b) ideológico: influenciado pela filosofia presente no Iluminismo, que traduz a
crítica da burguesia culta aos abusos da nobreza e do clero.
Bucolismo/Pastoralismo: a poesia árcade retrata uma natureza tranquila e serena,
procurando o “Lócus Amoenus”, um refúgio calmo que se contrastava com os
centros urbanos monárquicos. O burguês culto buscava na natureza o oposto da
aristocracia.
Arcadismo
 Aurea Mediocritas: os poetas, autointitulados pastores, exaltavam a vida simples,
equilibrada, espontânea e humildade. Para ser feliz, bastava estar em comunhão com a
natureza.
 Pseudônimos pastoris: o fingimento poético (simulação de sentimentos fictícios) é
marcado pela utilização dos pseudônimos pastoris. Como pastores, os poetas, em sua
maioria burgueses que vivam nos centros urbanos, realizavam o ideal da mediocridade
dourada (aurea mediocritas).
 Carpe diem: significa aproveitar o dia, viver o momento com grande intensidade. Foi a
atitude assumida pelos poetas-pastores, que acreditavam que o tempo não parava e, por
isso, deveria ser vivido plenamente em todos os sentidos.
 Fugere Urbem: os árcades buscavam uma vida simples, próxima da natureza, longe das
confusões urbanas. A modernização das cidades trazia os problemas dos conglomerados
urbanos. A alternativa era mudar-se para os prados e campos.
Arcadismo
 Inutilia Truncat/Objetivismo: as inutilidades eram cortadas. A linguagem era
depurada, sem exageros ou o rebuscamento da poesia barroca. Os poetas árcades
eram contidos em sua expressão poética.
 Universalismo: os árcades não compactuam com o individualismo. Tratam dos
temas de maneira geral ou universal.
 Principais autores do Arcadismo:
Manuel Maria Barbosa du BOCAGE (português) – poeta de transição entre o
Arcadismo e o Pré-Romantismo.
No Brasil, temos Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, Basílio da
Gama, Santa Rita Durão, Silva Alvarenga.
Barroco
 O Barroco foi um período do século XVI marcado pela crise dos valores
Renascentistas, gerando uma nova visão de mundo através de lutas religiosas e
dualismos entre espírito e razão. O movimento envolve novas formas de
literatura, arte e até filosofia. No campo religioso, a Reforma (1517) contestou
as práticas da Igreja Católica e propôs uma nova relação entre Deus e os
homens.
 Uma das propostas desse movimento foi a tradução da Bíblia para os idiomas
nacionais, abrindo caminho para novas interpretações das Escrituras, deixando a
Igreja dividida e enfraquecida. O poder central da Igreja teve que reagir
rapidamente. Em 1563 tem início a Contrarreforma, que tinha como objetivo
combater a expansão do protestantismo e recuperar os domínios perdidos.
Portanto, a Europa do século XVII reflete a crise religiosa do século anterior. O
homem europeu se vê dividido entre duas forças opostas: o antropocentrismo e
o teocentrismo. O Barroco é a estética que reflete essa tensão, ou seja, o embate
entre a fé e a razão, entre espiritualismo e materialismo.
Barroco
 ARTE BARROCA
 O Barroco tem manifestações nas artes plásticas, na música e na literatura. Cada
esfera artística tem sua maneira de expressar a dualidade do homem barroco e sua
tentativa de fundir valores contraditórios, como o gosto pelas coisas terrenas e a
salvação pela fé.
 Na escultura, as dobras são agudas, as roupas costumam ser esvoaçantes e as figuras
possuem um certo tom dramático. Uma das esculturas mais conhecidas do período
é Êxtase de Santa Teresa, feita por Bernini.
 A arquitetura barroca é lembrada pelo excesso de ornamentação. O estilo foi muito
utilizado na construção de igrejas. O exemplo abaixo é da Basílica de Santiago de
Compostela.
 Na música de estilo barroco era comum o uso da polifonia e do contraponto. Um dos
representantes mais importantes foi Vivaldi, responsável pela composição dos
concertos "As quatro estações".
Barroco
 Literatura: uso de antíteses, paradoxos e inversões
 “Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
Depois da Luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas e alegrias.”
A Inconstância das Coisas do Mundo (Gregório de Matos)
Classicismo
 Classicismo, ou Quinhentismo (século XV) é o nome dado ao período
literário que surgiu na época do Renascimento (Europa séc. XV a XVI). Um
período de grandes transformações culturais, políticas e econômicas.
 Vários foram os fatores que levaram a tais transformações, dentre eles a
crise religiosa (era a época da Reforma Protestante, liderada por Lutero), as
grandes navegações (onde o homem foi além dos limites da sua terra) e a
invenção da Imprensa que contribuiu muito para a divulgação das obras de
vários autores gregos e latinos (cultura clássica) proporcionando mais
conhecimento para todos.
 Foi na arte renascentista que o antropocentrismo atingiu a sua plenitude,
agora, era o homem que passava a ser evidenciado, e não mais Deus.
 A arte renascentista se inspirava no mundo greco-romano (Antiguidade
Clássica) já que estes também eram antropocêntricos.
Classicismo
 Características do Classicismo
 Racionalismo: a razão predomina sobre o sentimento, ou seja, a
expressão dos sentimentos era controlada pela razão.
 Universalismo: os assuntos pessoais ficaram de lado e as verdades
universais (de preocupação universal) passaram a ser privilegiadas.
 Perfeição formal: métrica, rima, correção gramatical, tudo isso passa
a ser motivo de atenção e preocupação.
 Presença da mitologia greco-latina
 Humanismo: o homem dessa época se liberta dos dogmas da Igreja e
passa a se preocupar com si próprio, valorizando a sua vida aqui na
Terra e cultivando a sua capacidade de produzir e conquistar. Porém,
a religiosidade não desapareceu por completo.
Classicismo
 Principais Autores e Obras
 - Luís Vaz de Camões
 Um dos maiores nomes da Literatura Universal, e certamente, o maior nome
da Literatura Portuguesa.
 Escreveu poesias (líricas e épicas) e peças teatrais, porém sua obra mais
conhecida e consagrada é a epopéia “Os Lusíadas” considerada uma obra-
prima.
 Essa obra é dividida em 10 partes (cantos) com 8816 versos distribuídos em
1120 estrofes e narra a viagem de Vasco da Gama às Índias enfatizando
alguns momentos importantes da história de Portugal.
 Outros escritores existiram, porém não tiveram tanto destaque quanto
Camões, são eles: Sá de Miranda, Bernardim Ribeiro e Antonio Ferreira.
 O Classicismo terminou em 1580, com a passagem de Portugal ao domínio
espanhol e também com a morte de Camões.
Humanismo
 O humanismo foi uma época de transição entre a Idade Média e o Renascimento.
 Como o próprio nome já diz, o ser humano passou a ser valorizado.
 Foi nessa época que surgiu uma nova classe social: a burguesia. Os burgueses não
eram nem servos e nem comerciantes.
 Com o aparecimento desta nova classe social foram aparecendo as cidades e muitos
homens que moravam no campo se mudaram para morar nestas cidades, como
consequência o regime feudal de servidão desapareceu.
 Foram criadas novas leis e o poder parou nas mãos daqueles que, apesar de não
serem nobres, eram ricos.
 O “status” econômico passou a ser muito valorizado, muito mais do que o título de
nobreza.
 As Grandes Navegações trouxeram ao homem confiança de sua capacidade e
vontade de conhecer e descobrir várias coisas. A religião começou a decair (mas não
desapareceu) e o teocentrismo deu lugar ao antropocentrismo, ou seja, o homem
passou a ser o centro de tudo e não mais Deus.
 Os artistas começaram a dar mais valor às emoções humanas.
 É bom ressaltar que todas essas mudanças não ocorreram do dia para a noite.
Humanismo
 Algumas manifestações
 - Teatro
 O teatro foi a manifestação literária onde ficavam mais claras as características
desse período.
 Gil Vicente foi o nome que mais se destacou, ele escreveu mais de 40 peças.
 Sua obra pode ser dividida em 2 blocos:
 Autos: peças teatrais cujo assunto principal é a religião.
 “Auto da alma” e “Trilogia das barcas” são alguns exemplos.
 Farsas: peças cômicas curtas. Enredo baseado no cotidiano.
 “Farsa de Inês Pereira”, “Farsa do velho da horta”, “Quem tem farelos?” são
alguns exemplos.
Humanismo
 Poesia
 Em 1516 foi publicada a obra “Cancioneiro Geral”, uma coletânea de
poemas de época.
 O cancioneiro geral resume 2865 autores que tratam de diversos assuntos
em poemas amorosos, satíricos, religiosos entre outros.
 Prosa
 Crônicas: registravam a vida dos personagens e acontecimentos históricos.
 Fernão Lopes foi o mais importante cronista(historiador) da época, tendo
sido considerado o “Pai da História de Portugal”. Foi também o 1º cronista
que atribuiu ao povo um papel importante nas mudanças da história, essa
importância era, anteriormente atribuída somente à nobreza.
 Obras
 “Crônica d’El-Rei D. Pedro”
 “Crônica d’El-Rei D. Fernando”
 “Crônica d’El-Rei D. João I”
Modernismo
 O modernismo foi um movimento literário e artístico do início do séc. XX, cujo
objetivo era o rompimento com o tradicionalismo (parnasianismo, simbolismo e a
arte acadêmica), a libertação estética, a experimentação constante e, principalmente,
a independência cultural do país. Apesar da força do movimento literário
modernista a base deste movimento se encontra nas artes plásticas, com destaque
para a pintura.
 No Brasil, este movimento possui como marco simbólico a Semana de Arte
Moderna, realizada em 1922, na cidade de São Paulo, devido ao Centenário da
Independência. No entanto, devemos lembrar que o modernismo já se mostrava
presente muito antes do movimento de 1922. As primeiras mudanças na cultura
brasileira que tenderam para o modernismo datam de 1913 com as obras do
pintor Lasar Segall; e no ano de 1917, a pintora Anita Malfatti , recém-chegada
da Europa, provoca uma renovação artística com a exposição de seus quadros. A
este período chamamos de Pré-Modernismo (1902-1922), no qual se destacam
literariamente, Lima Barreto, Euclides da Cunha, Monteiro Lobato e Augusto dos
Anjos; nesse período ainda podemos notar certa influência de movimentos
anteriores como realismo/naturalismo, parnasianismo e simbolismo.
Modernismo
 A partir de 1922, com a Semana de Arte Moderna tem início o que chamamos de Primeira Fase
do Modernismo ou Fase Heróica (1922-1930), esta fase caracteriza-se por um maior
compromisso dos artistas com a renovação estética que se beneficia pelas estreitas relações
com as vanguardas européias (cubismo, futurismo, surrealismo, etc.), na literatura há a criação
de uma forma de linguagem, que rompe com o tradicional, transformando a forma como até
então se escrevia; algumas dessas mudanças são: a Liberdade Formal (utilização do verso
livre, quase abandono das formas fixas – como o soneto, a fala coloquial, ausência
de pontuação, etc.), a valorização do cotidiano, a reescritura de textos do passado, e diversas
outras; este período caracteriza-se também pela formação de grupos do movimento
modernista: Pau-Brasil, Antropófago, Verde-Amarelo, Grupo de Porto Alegre e Grupo
Modernista-Regionalista de Recife.
 Na década de 30, temos o início do período conhecido como Segunda Fase do
Modernismo ouFase de Consolidação (1930-1945), que é caracterizado pelo predomínio da
prosa de ficção. A partir deste período, os ideais difundidos em 1922 se espalham e se
normalizam, os esforços anteriores para redefinir a linguagem artística se une a um forte
interesse pelas temáticas nacionalistas, percebe-se um amadurecimento nas obras dos autores
da primeira fase, que continuam produzindo, e também o surgimento de novos poetas, entre
eles Carlos Drummond de Andrade.
Modernismo
 Temos ainda a Terceira Fase do Modernismo (1945- até 1960); alguns
estudiosos consideram a fase de 1945 até os dias de hoje como Pós-
Modernista, no entanto, as fontes utilizadas para a confecção deste artigo,
tratam como Terceira Fase do Modernismo o período compreendido entre
1945 e 1960 e como Tendências Contemporâneas o período de 1960 até os
dias de hoje. Nesta terceira fase, a prosa dá sequência às três tendências
observadas no período anterior – prosa urbana, prosa intimista e
prosa regionalista, com uma certa renovação formal; na poesia temos a
permanência de poetas da fase anterior, que se encontram em constante
renovação, e a criação de um grupo de escritores que se autodenomina
“geração de 45”, e que buscam uma poesia mais equilibrada e séria, sendo
chamados de neoparnasianos.
 Principais representantes do Pré-Modernismo e do Modernismo no Brasil:
 Pintura: Anita Malfatti, Lasar Segall, Di Cavalcanti, Tarsila do
Amaral, Candido Portinari, Rego Monteiro, Alfredo Volpi;
Modernismo
 Literatura: Euclides da Cunha, Monteiro Lobato, Lima Barreto, Augusto dos
Anjos, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Alcântara Machado, Manuel
Bandeira, Cassiano Ricardo, Carlos D. de Andrade, Cecília
Meireles, Vinicius de Morais, Murilo Mendes, Graciliano Ramos, Rachel de
Queiroz,Jorge de Lima, José Lins do Rego, Thiago de Mello, Ledo
Ivo, Ferreira Gullar, João Cabral de Melo Neto, Clarice
Lispector, Guimarães Rosa, Olavo Bilac, Menotti Del Picchia, Guilherme
de Almeida, Ronald de Carvalho, Ribeiro Couto, Raul Bopp, Graça Aranha,
Murilo Leite, Mário Quintana, Jorge Amado, Érico Veríssimo;
 Escritores do Modernismo e suas obras
 Música: Alberto Nepomuceno, Heitor Villa-Lobos e Guiomar de Novais;
 Escultura: Victor Brecheret;
 Teatro: Benedito Ruy Barbosa, Nelson Rodrigues;
 Arquitetura: Lúcio Costa, Oscar Niemayer;
Fontes:
 http://educacao.globo.com/literatura/assunto/movim
entos-literarios.html
 http://www.infoescola.com/movimentos-literarios/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Luciene Gomes
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Fabio Junior Sarti
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
colveromachado
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Marcimária Xavier
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Francis Paula
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Andriane Cursino
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 

Mais procurados (20)

Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 

Destaque

Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Gonçalves Dias
Gonçalves DiasGonçalves Dias
Gonçalves Dias
Marina Canever Pagliosa
 
Arcadismo (1768 1836)
Arcadismo (1768   1836)Arcadismo (1768   1836)
Arcadismo (1768 1836)
Dai Pinheiro
 
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Julia Maldonado Garcia
 
Gonçalves Dias
Gonçalves DiasGonçalves Dias
Gonçalves Dias
Alexandre Rodrigues Nunes
 
Iracema slide pronto
Iracema   slide prontoIracema   slide pronto
Iracema slide pronto
Emanuelle Frazão
 
Alvares de Azevedo - Macário
Alvares de Azevedo - MacárioAlvares de Azevedo - Macário
Alvares de Azevedo - Macário
Amanda Almeida Resende
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
Lany da Silva
 
Oswald de andrade
Oswald de andrade Oswald de andrade
Oswald de andrade
Anabel Aguiar
 
Palazzo rucellai
Palazzo rucellaiPalazzo rucellai
Palazzo rucellai
vikashsaini78
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
UFMA, IFMA
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Thalles Yvson
 
Apresentação Modernismo Brasileiro
Apresentação Modernismo BrasileiroApresentação Modernismo Brasileiro
Apresentação Modernismo Brasileiro
Kleiner Paulo Geraldi
 
Análise de macário, de álvares de azevedo
Análise de macário, de álvares de azevedoAnálise de macário, de álvares de azevedo
Análise de macário, de álvares de azevedo
ma.no.el.ne.ves
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
Cristina Medina
 
Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017
VIVIAN TROMBINI
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
rillaryalvesj
 
Gregório de Matos Guerra
Gregório de Matos GuerraGregório de Matos Guerra
Gregório de Matos Guerra
aluna1f
 
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Arcadismo
ArcadismoArcadismo

Destaque (20)

Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Gonçalves Dias
Gonçalves DiasGonçalves Dias
Gonçalves Dias
 
Arcadismo (1768 1836)
Arcadismo (1768   1836)Arcadismo (1768   1836)
Arcadismo (1768 1836)
 
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
 
Gonçalves Dias
Gonçalves DiasGonçalves Dias
Gonçalves Dias
 
Iracema slide pronto
Iracema   slide prontoIracema   slide pronto
Iracema slide pronto
 
Alvares de Azevedo - Macário
Alvares de Azevedo - MacárioAlvares de Azevedo - Macário
Alvares de Azevedo - Macário
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
 
Oswald de andrade
Oswald de andrade Oswald de andrade
Oswald de andrade
 
Palazzo rucellai
Palazzo rucellaiPalazzo rucellai
Palazzo rucellai
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Apresentação Modernismo Brasileiro
Apresentação Modernismo BrasileiroApresentação Modernismo Brasileiro
Apresentação Modernismo Brasileiro
 
Análise de macário, de álvares de azevedo
Análise de macário, de álvares de azevedoAnálise de macário, de álvares de azevedo
Análise de macário, de álvares de azevedo
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
 
Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
 
Gregório de Matos Guerra
Gregório de Matos GuerraGregório de Matos Guerra
Gregório de Matos Guerra
 
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Gregório de matos
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 

Semelhante a Movimentos Literários

Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
CindiaAianaFariaLima1
 
O arcadismo
O arcadismoO arcadismo
O arcadismo
Juan Santana
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Daniel Brito
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Andriane Cursino
 
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdfarcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
Eduarda799337
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
guesta61019
 
1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire 1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire
Péricles Penuel
 
Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02
Gabriel Toledo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Lilian Flamino
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Adeildo Júnior
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
Maria Cristina Almeida
 
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Ma_rcia
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Fernando Augusto
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
Kátia Silva da Costa
 
Estilos literarios
Estilos literariosEstilos literarios
Estilos literarios
Débora Martins
 
Estilos literarios
Estilos literariosEstilos literarios
Estilos literarios
Débora Martins
 
Cap06 classicismo
Cap06 classicismoCap06 classicismo
Cap06 classicismo
whybells
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Claudia Ribeiro
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
Thani Almeida
 

Semelhante a Movimentos Literários (20)

Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
 
O arcadismo
O arcadismoO arcadismo
O arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdfarcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
arcadismo-140117180813-phpapp01.pdf
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire 1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire
 
Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
 
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
 
Estilos literarios
Estilos literariosEstilos literarios
Estilos literarios
 
Estilos literarios
Estilos literariosEstilos literarios
Estilos literarios
 
Cap06 classicismo
Cap06 classicismoCap06 classicismo
Cap06 classicismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
 

Último

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

Movimentos Literários

  • 1. E. E. Professor João Cruz Nomes: Gabriel de Andrade - N° 16 Luiz Filipe - N° 24 Professora: MS Maria Piedade Teodoro da Silva
  • 2. Arcadismo  O Arcadismo (ou Neoclassicismo) surge em 1756 com a fundação da Arcádia Lusitana: movimento de reação ao Barroco. O Arcadismo procurava restabelecer o equilíbrio, a harmonia e a simplicidade da literatura renascentista, rompida pelo período da contrarreforma protestante. Com a proposta de eliminar os rebuscamentos e os ornamentos exagerados da estética barroca, o poeta árcade baseia-se nos preceitos do Iluminismo (movimento filosófico de bases racionalistas e antirreligiosas).  O movimento literário do século XVIII desponta em meio a momentos marcantes da história mundial. Como o Iluminismo (movimento cultural da elite europeia que visava ao esclarecimento – século das Luzes –, levando ao espírito enciclopédico: difusão do conhecimento); a Independência dos Estados Unidos(1776); a Revolução Francesa (1789), que pregava os princípios de liberdade, igualdade e fraternidade; a Inconfidência Mineira (1789), movimento que busca a independência do Brasil em relação a Portugal; a Economia: desenvolvimento industrial e comercial; o Despotismo esclarecido do Marquês de Pombal; e a Fundação da Arcádia Lusitana (1756 – Academia Literária de Portugal).
  • 3. Arcadismo  PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS  Segundo o crítico Alfredo Bosi, em seu livro História Concisa da Literatura Brasileira (São Paulo: editora Cultrix, 2006), houve dois momentos do Arcadismo no Brasil:  a) poético: com o retorno à tradição clássica com a utilização dos seus modelos e a valorização da natureza e da mitologia.  b) ideológico: influenciado pela filosofia presente no Iluminismo, que traduz a crítica da burguesia culta aos abusos da nobreza e do clero. Bucolismo/Pastoralismo: a poesia árcade retrata uma natureza tranquila e serena, procurando o “Lócus Amoenus”, um refúgio calmo que se contrastava com os centros urbanos monárquicos. O burguês culto buscava na natureza o oposto da aristocracia.
  • 4. Arcadismo  Aurea Mediocritas: os poetas, autointitulados pastores, exaltavam a vida simples, equilibrada, espontânea e humildade. Para ser feliz, bastava estar em comunhão com a natureza.  Pseudônimos pastoris: o fingimento poético (simulação de sentimentos fictícios) é marcado pela utilização dos pseudônimos pastoris. Como pastores, os poetas, em sua maioria burgueses que vivam nos centros urbanos, realizavam o ideal da mediocridade dourada (aurea mediocritas).  Carpe diem: significa aproveitar o dia, viver o momento com grande intensidade. Foi a atitude assumida pelos poetas-pastores, que acreditavam que o tempo não parava e, por isso, deveria ser vivido plenamente em todos os sentidos.  Fugere Urbem: os árcades buscavam uma vida simples, próxima da natureza, longe das confusões urbanas. A modernização das cidades trazia os problemas dos conglomerados urbanos. A alternativa era mudar-se para os prados e campos.
  • 5. Arcadismo  Inutilia Truncat/Objetivismo: as inutilidades eram cortadas. A linguagem era depurada, sem exageros ou o rebuscamento da poesia barroca. Os poetas árcades eram contidos em sua expressão poética.  Universalismo: os árcades não compactuam com o individualismo. Tratam dos temas de maneira geral ou universal.  Principais autores do Arcadismo: Manuel Maria Barbosa du BOCAGE (português) – poeta de transição entre o Arcadismo e o Pré-Romantismo. No Brasil, temos Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, Basílio da Gama, Santa Rita Durão, Silva Alvarenga.
  • 6. Barroco  O Barroco foi um período do século XVI marcado pela crise dos valores Renascentistas, gerando uma nova visão de mundo através de lutas religiosas e dualismos entre espírito e razão. O movimento envolve novas formas de literatura, arte e até filosofia. No campo religioso, a Reforma (1517) contestou as práticas da Igreja Católica e propôs uma nova relação entre Deus e os homens.  Uma das propostas desse movimento foi a tradução da Bíblia para os idiomas nacionais, abrindo caminho para novas interpretações das Escrituras, deixando a Igreja dividida e enfraquecida. O poder central da Igreja teve que reagir rapidamente. Em 1563 tem início a Contrarreforma, que tinha como objetivo combater a expansão do protestantismo e recuperar os domínios perdidos. Portanto, a Europa do século XVII reflete a crise religiosa do século anterior. O homem europeu se vê dividido entre duas forças opostas: o antropocentrismo e o teocentrismo. O Barroco é a estética que reflete essa tensão, ou seja, o embate entre a fé e a razão, entre espiritualismo e materialismo.
  • 7. Barroco  ARTE BARROCA  O Barroco tem manifestações nas artes plásticas, na música e na literatura. Cada esfera artística tem sua maneira de expressar a dualidade do homem barroco e sua tentativa de fundir valores contraditórios, como o gosto pelas coisas terrenas e a salvação pela fé.  Na escultura, as dobras são agudas, as roupas costumam ser esvoaçantes e as figuras possuem um certo tom dramático. Uma das esculturas mais conhecidas do período é Êxtase de Santa Teresa, feita por Bernini.  A arquitetura barroca é lembrada pelo excesso de ornamentação. O estilo foi muito utilizado na construção de igrejas. O exemplo abaixo é da Basílica de Santiago de Compostela.  Na música de estilo barroco era comum o uso da polifonia e do contraponto. Um dos representantes mais importantes foi Vivaldi, responsável pela composição dos concertos "As quatro estações".
  • 8. Barroco  Literatura: uso de antíteses, paradoxos e inversões  “Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, Depois da Luz se segue a noite escura, Em tristes sombras morre a formosura, Em contínuas tristezas e alegrias.” A Inconstância das Coisas do Mundo (Gregório de Matos)
  • 9. Classicismo  Classicismo, ou Quinhentismo (século XV) é o nome dado ao período literário que surgiu na época do Renascimento (Europa séc. XV a XVI). Um período de grandes transformações culturais, políticas e econômicas.  Vários foram os fatores que levaram a tais transformações, dentre eles a crise religiosa (era a época da Reforma Protestante, liderada por Lutero), as grandes navegações (onde o homem foi além dos limites da sua terra) e a invenção da Imprensa que contribuiu muito para a divulgação das obras de vários autores gregos e latinos (cultura clássica) proporcionando mais conhecimento para todos.  Foi na arte renascentista que o antropocentrismo atingiu a sua plenitude, agora, era o homem que passava a ser evidenciado, e não mais Deus.  A arte renascentista se inspirava no mundo greco-romano (Antiguidade Clássica) já que estes também eram antropocêntricos.
  • 10. Classicismo  Características do Classicismo  Racionalismo: a razão predomina sobre o sentimento, ou seja, a expressão dos sentimentos era controlada pela razão.  Universalismo: os assuntos pessoais ficaram de lado e as verdades universais (de preocupação universal) passaram a ser privilegiadas.  Perfeição formal: métrica, rima, correção gramatical, tudo isso passa a ser motivo de atenção e preocupação.  Presença da mitologia greco-latina  Humanismo: o homem dessa época se liberta dos dogmas da Igreja e passa a se preocupar com si próprio, valorizando a sua vida aqui na Terra e cultivando a sua capacidade de produzir e conquistar. Porém, a religiosidade não desapareceu por completo.
  • 11. Classicismo  Principais Autores e Obras  - Luís Vaz de Camões  Um dos maiores nomes da Literatura Universal, e certamente, o maior nome da Literatura Portuguesa.  Escreveu poesias (líricas e épicas) e peças teatrais, porém sua obra mais conhecida e consagrada é a epopéia “Os Lusíadas” considerada uma obra- prima.  Essa obra é dividida em 10 partes (cantos) com 8816 versos distribuídos em 1120 estrofes e narra a viagem de Vasco da Gama às Índias enfatizando alguns momentos importantes da história de Portugal.  Outros escritores existiram, porém não tiveram tanto destaque quanto Camões, são eles: Sá de Miranda, Bernardim Ribeiro e Antonio Ferreira.  O Classicismo terminou em 1580, com a passagem de Portugal ao domínio espanhol e também com a morte de Camões.
  • 12. Humanismo  O humanismo foi uma época de transição entre a Idade Média e o Renascimento.  Como o próprio nome já diz, o ser humano passou a ser valorizado.  Foi nessa época que surgiu uma nova classe social: a burguesia. Os burgueses não eram nem servos e nem comerciantes.  Com o aparecimento desta nova classe social foram aparecendo as cidades e muitos homens que moravam no campo se mudaram para morar nestas cidades, como consequência o regime feudal de servidão desapareceu.  Foram criadas novas leis e o poder parou nas mãos daqueles que, apesar de não serem nobres, eram ricos.  O “status” econômico passou a ser muito valorizado, muito mais do que o título de nobreza.  As Grandes Navegações trouxeram ao homem confiança de sua capacidade e vontade de conhecer e descobrir várias coisas. A religião começou a decair (mas não desapareceu) e o teocentrismo deu lugar ao antropocentrismo, ou seja, o homem passou a ser o centro de tudo e não mais Deus.  Os artistas começaram a dar mais valor às emoções humanas.  É bom ressaltar que todas essas mudanças não ocorreram do dia para a noite.
  • 13. Humanismo  Algumas manifestações  - Teatro  O teatro foi a manifestação literária onde ficavam mais claras as características desse período.  Gil Vicente foi o nome que mais se destacou, ele escreveu mais de 40 peças.  Sua obra pode ser dividida em 2 blocos:  Autos: peças teatrais cujo assunto principal é a religião.  “Auto da alma” e “Trilogia das barcas” são alguns exemplos.  Farsas: peças cômicas curtas. Enredo baseado no cotidiano.  “Farsa de Inês Pereira”, “Farsa do velho da horta”, “Quem tem farelos?” são alguns exemplos.
  • 14. Humanismo  Poesia  Em 1516 foi publicada a obra “Cancioneiro Geral”, uma coletânea de poemas de época.  O cancioneiro geral resume 2865 autores que tratam de diversos assuntos em poemas amorosos, satíricos, religiosos entre outros.  Prosa  Crônicas: registravam a vida dos personagens e acontecimentos históricos.  Fernão Lopes foi o mais importante cronista(historiador) da época, tendo sido considerado o “Pai da História de Portugal”. Foi também o 1º cronista que atribuiu ao povo um papel importante nas mudanças da história, essa importância era, anteriormente atribuída somente à nobreza.  Obras  “Crônica d’El-Rei D. Pedro”  “Crônica d’El-Rei D. Fernando”  “Crônica d’El-Rei D. João I”
  • 15. Modernismo  O modernismo foi um movimento literário e artístico do início do séc. XX, cujo objetivo era o rompimento com o tradicionalismo (parnasianismo, simbolismo e a arte acadêmica), a libertação estética, a experimentação constante e, principalmente, a independência cultural do país. Apesar da força do movimento literário modernista a base deste movimento se encontra nas artes plásticas, com destaque para a pintura.  No Brasil, este movimento possui como marco simbólico a Semana de Arte Moderna, realizada em 1922, na cidade de São Paulo, devido ao Centenário da Independência. No entanto, devemos lembrar que o modernismo já se mostrava presente muito antes do movimento de 1922. As primeiras mudanças na cultura brasileira que tenderam para o modernismo datam de 1913 com as obras do pintor Lasar Segall; e no ano de 1917, a pintora Anita Malfatti , recém-chegada da Europa, provoca uma renovação artística com a exposição de seus quadros. A este período chamamos de Pré-Modernismo (1902-1922), no qual se destacam literariamente, Lima Barreto, Euclides da Cunha, Monteiro Lobato e Augusto dos Anjos; nesse período ainda podemos notar certa influência de movimentos anteriores como realismo/naturalismo, parnasianismo e simbolismo.
  • 16. Modernismo  A partir de 1922, com a Semana de Arte Moderna tem início o que chamamos de Primeira Fase do Modernismo ou Fase Heróica (1922-1930), esta fase caracteriza-se por um maior compromisso dos artistas com a renovação estética que se beneficia pelas estreitas relações com as vanguardas européias (cubismo, futurismo, surrealismo, etc.), na literatura há a criação de uma forma de linguagem, que rompe com o tradicional, transformando a forma como até então se escrevia; algumas dessas mudanças são: a Liberdade Formal (utilização do verso livre, quase abandono das formas fixas – como o soneto, a fala coloquial, ausência de pontuação, etc.), a valorização do cotidiano, a reescritura de textos do passado, e diversas outras; este período caracteriza-se também pela formação de grupos do movimento modernista: Pau-Brasil, Antropófago, Verde-Amarelo, Grupo de Porto Alegre e Grupo Modernista-Regionalista de Recife.  Na década de 30, temos o início do período conhecido como Segunda Fase do Modernismo ouFase de Consolidação (1930-1945), que é caracterizado pelo predomínio da prosa de ficção. A partir deste período, os ideais difundidos em 1922 se espalham e se normalizam, os esforços anteriores para redefinir a linguagem artística se une a um forte interesse pelas temáticas nacionalistas, percebe-se um amadurecimento nas obras dos autores da primeira fase, que continuam produzindo, e também o surgimento de novos poetas, entre eles Carlos Drummond de Andrade.
  • 17. Modernismo  Temos ainda a Terceira Fase do Modernismo (1945- até 1960); alguns estudiosos consideram a fase de 1945 até os dias de hoje como Pós- Modernista, no entanto, as fontes utilizadas para a confecção deste artigo, tratam como Terceira Fase do Modernismo o período compreendido entre 1945 e 1960 e como Tendências Contemporâneas o período de 1960 até os dias de hoje. Nesta terceira fase, a prosa dá sequência às três tendências observadas no período anterior – prosa urbana, prosa intimista e prosa regionalista, com uma certa renovação formal; na poesia temos a permanência de poetas da fase anterior, que se encontram em constante renovação, e a criação de um grupo de escritores que se autodenomina “geração de 45”, e que buscam uma poesia mais equilibrada e séria, sendo chamados de neoparnasianos.  Principais representantes do Pré-Modernismo e do Modernismo no Brasil:  Pintura: Anita Malfatti, Lasar Segall, Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Candido Portinari, Rego Monteiro, Alfredo Volpi;
  • 18. Modernismo  Literatura: Euclides da Cunha, Monteiro Lobato, Lima Barreto, Augusto dos Anjos, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Alcântara Machado, Manuel Bandeira, Cassiano Ricardo, Carlos D. de Andrade, Cecília Meireles, Vinicius de Morais, Murilo Mendes, Graciliano Ramos, Rachel de Queiroz,Jorge de Lima, José Lins do Rego, Thiago de Mello, Ledo Ivo, Ferreira Gullar, João Cabral de Melo Neto, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Olavo Bilac, Menotti Del Picchia, Guilherme de Almeida, Ronald de Carvalho, Ribeiro Couto, Raul Bopp, Graça Aranha, Murilo Leite, Mário Quintana, Jorge Amado, Érico Veríssimo;  Escritores do Modernismo e suas obras  Música: Alberto Nepomuceno, Heitor Villa-Lobos e Guiomar de Novais;  Escultura: Victor Brecheret;  Teatro: Benedito Ruy Barbosa, Nelson Rodrigues;  Arquitetura: Lúcio Costa, Oscar Niemayer;