SlideShare uma empresa Scribd logo
1
CLASSICISMOCLASSICISMO
2
 As transformações
culturais iniciadas com o
Humanismo consolidaram-se
durante o chamado Renasci-
mento, designação do período compreendido de
meados do século XV ao final do século XVI.
 Com as descobertas ultramarinas, os horizontes
geográficos expandiram-se e novos povos e
produtos tornaram-se conhecidos no Velho Mundo
(Europa).
3
 comércio beneficiou-se dessas novidades, o
acúmulo de bens e de dinheiro tornou-se mais
viável, as operações bancárias mais frequentes,
inclusive a prática de empréstimos para
investimentos, anunciando o capitalismo.
 A imprensa viabilizava a popularização da
leitura, a disseminação de notícias e de novas
teorias, proporcionando contato cultural com
novas civilizações, encurtando distâncias.
4
 A nobreza incentivava as letras e as artes:
várias obras produzidas na Antiguidade
Clássica foram traduzidas e publicadas
difundindo-se as ideias de escritores e de
filósofos gregos ou romanos que valorizaram a
razão e o raciocínio lógico como meio para se
chegar ao conhecimento e à verdade dos fatos.
5
 Em meados do século XVI, o astrônomo Nicolau
Copérnico divulgou a teoria heliocêntrica, na qual
demonstrou que o Sol era o centro do Universo, e
não mais a Terra como pregava o geocentrismo de
Ptolomeu (astrônomo grego). Essa teoria,
confirmada por Galileu Galilei, redimensionou
totalmente a noção de Universo e foi vista como
uma afronta aos dogmas da doutrina cristã.
Sistema geocêntrico. Sistema heliocêntrico.
6
 A Igreja ainda debatia-se com as ideias
disseminadas por Martinho Lutero, que criticava a
venda das indulgências (a venda do perdão de
Deus em moeda corrente) e outras práticas do
catolicismo. Martinho Lutero fundou uma
dissidência cristã que encontrou respaldo em
países como Alemanha e Inglaterra. Já Portugal,
Espanha e Itália continuaram fiéis aos preceitos da
Igreja Católica; a França dividiu-se. A essa cisão
da fé cristã deu-se o nome de Reforma
Protestante.
7
 Declínio da concepção teocêntrica medieval e a
plenitude da concepção antropocêntrica.
 Convenciona-se empregar o termo Renascimento
para designar genericamente o período, e
Classicismo para denominar o estilo de época.
BACO e ARIADNE
Ticiano
8
Como surgiram os nomes dos continentes
9
Europa, Ásia, Oceania e África são nomes
inspirados em figuras da mitologia grega. Europa
era uma ninfa muito bela que despertou os amores
de Zeus, o deus dos deuses, que a raptou. A Ásia e a
Oceania têm uma relação de parentesco. Oceania
vem de Oceano, deus dos rios, e Ásia é o nome da
filha de Oceano e mãe das fontes e dos rios.
África é uma deusa com porte oriental que tem
um chifre numa mão e um escorpião na outra.
América deriva do nome Américo Vespúcio (1454-
1512), navegador florentino que enviou a Lorenzo di
Mediei um mapa no qual as terras do nordeste
brasileiro, supostamente
10
descobertas por Vespúcio, são designadas como
Terra Americi, isto é, Terra de Américo. Essa
designação generalizou-se e, para combinar com os
nomes dos outros continentes, todos femininos,
Américo tornou-se América.
Já as palavras ártico e antártica, que designam as
regiões mais geladas do planeta, têm a seguinte
origem: ártico deriva do latim arcticus, através do
grego arktikos, que vem de arktos ("urso"). No
hemisfério norte, vê-se a constelação da Ursa. E para
compor a palavra antártico, bastou colocar o prefixo
anti-, que dá idéia de oposição: anti + ártico.
Portanto, antártico é o oposto de ártico.
11
O Renascimento, importante movimento de
renovação científica e cultural ocorrido na Europa
durante os séculos XV e XVI, é considerado o
marco inicial da era moderna.
Sua base encontra-se no crescimento gradativo
da burguesia comercial e das atividades
econômicas entre as cidades européias. Esse
desenvolvimento estimulou a vida urbana e o
surgimento de um novo homem, cujo valor já não
se apoiava no nome de família, mas no prestígio
12
adquirido por seu próprio esforço e talento.
• O aperfeiçoamento da imprensa facilitou a
difusão de novas ideias, contribuindo para o
enriquecimento do ambiente cultural. As
expedições oceânicas, por sua vez, alargaram a
visão do homem europeu, pondo-o em contato
com povos de culturas diferentes. O
desenvolvimento da matemática e do método
experimental propiciaram o surgimento das bases
da ciência moderna.
13
O desenvolvimento da
economia burguesa torna-se
tema de pinturas. O homem
está compenetrado, pensando
cuidadosamente as moedas.
Seu rosto tem uma expressão
honesta. Para reforçar a
aparência de seriedade, o
pintor mostra a mulher
folheando um livro religioso.
O banqueiro e sua mulher, do pintor
flamengo Quentin Metsys(1465-1530).
Em cima da mesa, o espelho, habilmente pintado,
traz o mundo exterior para dentro da casa.
14
•A arte renascentista ou arte clássica caracteriza-
se pela retomada dos ideais greco-latinos.
A ARTE RENASCENTISTA ou CLÁSSICAA ARTE RENASCENTISTA ou CLÁSSICA
ARTES PLÁSTICASARTES PLÁSTICAS
• Os artistas renascentistas conceberam a arte em
termos de experiências ou valores humanos.
Idealizaram e priorizaram o homem e suas formas
físicas, tendo como inspiração seres e deuses da
mitologia greco-latina, que são símbolos de
sentimentos, atitudes e de conceitos humanos.
O Nascimento de Vênus. Sandro Botticelli (1445-1510)
15
Durante o Renascimento, o canto gregoriano entrou
em declínio e, nos séculos XV e XVI, a música
polifônica passou a conviver com uma nova prática,
a música instrumental -obra composta para ser
executada apenas por instrumentos, sem letra para
ser cantada.
MÚSICAMÚSICA
Da retomada dos valores greco-latinos resultam as
principais características da literatura clássica.
Dentre elas podemos destacar:
LITERATURALITERATURA
16
CARACTERÍSTICAS DA LITERATURACARACTERÍSTICAS DA LITERATURA
NO CLASSICISMONO CLASSICISMO
 antropocentrismo
 Racionalismo
 Presença da mitologia greco-romana
 Equilíbrio, clareza e linearidade
Universalismo
Valorização da beleza
 Neoplatonismo
17
 O Classicismo se inicia em Portugal no ano de
l527. O marco cronológico inicial desse período é a
volta de Francisco de Sá de Miranda à Portugal,
após passar seis anos na Itália, introduzindo, assim,
novos conceitos de arte e um novo ideal de poesia,
dentre elas o soneto e o verso de medida nova - os
decassílabos.
 Esse estilo de época também é conhecido por
Quinhentismo, uma vez que predominou durante
todo o século XVI (1527-1581)
CLASSICISMO PORTUGUÊS (1527-1581)CLASSICISMO PORTUGUÊS (1527-1581)
18
Camões conheceu pelo menos
três continentes, frequentou palácios
e tabernas, ocupou cargos
públicos de caráter burocrático e militar.
 Serviu na Marinha portuguesa –
na Batalha de Ceuta foi ferido e perdeu o olho direito.
Foram dezessete anos de exílio nas colônias da
África e da Ásia. Em 1568, foi encontrado em
Moçambique, tentando retornar a Portugal. Regressou a
Lisboa em 1569.
LUÍS VAZ DE CAMÕESLUÍS VAZ DE CAMÕES
(1525?-1580)(1525?-1580)
19
A obra de Camões abrange três vertentes
fundamentais do período: a poesia épica / lírica e o
teatro.
20
TeatroTeatro
Anfitriões, El-Rei Seleuco e Auto do Filodemo
Principais obrasPrincipais obras
Poesia épicaPoesia épica
Os Lusíadas (1572)
Poesia líricaPoesia lírica
Rimas (1595)
21
 Nesse poema, inspirado nas epopeias clássicas, em
especial Eneida, Camões relata a partir de fatos reais
a saga do povo português, tendo como eixo a viagem
de Vasco da Gama às Índias.
 O poema está dividido em dez cantos, com
estrofes compostas de oito versos decassílabos (as
estrofes de oito versos são chamadas de oitavas). No
total, são 8.816 versos, distribuídos em 1.102
estrofes, com uma rigorosa disposição de rimas:
abababcc.
A POESIA ÉPICA - OS LUSÍADASA POESIA ÉPICA - OS LUSÍADAS
22
 Os Lusíadas apresentam a mesma estrutura da
epopéia greco-latina:
 Proposição. O poeta antecipa os temas a serem
desenvolvidos: a viagem de Vasco da Gama às
Índias e a história de Portugal. Compreende as
três primeiras estrofes do Canto 1.
 Invocação. Camões invoca as Tágides, ninfas
mitológicas que habitam o Rio Tejo, para que elas
lhe forneçam inspiração para executar o poema.
Compreende as estrofes 4 e 5 do Canto 1.
23
 Dedicatória ou oferecimento. O poeta oferece a
epopeia a Dom Sebastião, rei de Portugal - na época
com apenas 12 anos. Inicia-se na 6ª estrofe do Canto l
e estende-se até a 18ª.
 Narração. Ocupa a maior parte do poema. Inicia-se
na 19ª estrofe do Canto 1 e estende-se até a 144a. do
Canto X. Consiste no relato de peripécias da viagem e
de episódios da história de Portugal.
 Epílogo (ou conclusão). Parte formada pelas 12
últimas estrofes da epopeia. O poeta mostra-se
pessimista em relação ao futuro de Portugal,
lamentando a pátria, que já apresentava sinais de
decadência. Predomina o tom melancólico e profético.
24
Camões produziu poemas líricos de primeira
grandeza reunidos e publicados sob o título de
Rimas, em 1595, quinze anos após a morte do poeta.
 Esteticamente o autor soube conciliar a tradição
medieval com as inovações clássicas - escreveu
éclogas (poesia pastoril), odes (poesia de tom
elogioso), elegias (poesias de tom melancólico),
canções, redondilhas, oitavas e sonetos. Além
disso, Camões antecipou vários temas barrocos.
A POESIA LÍRICAA POESIA LÍRICA
25
 Dentre os temas da lírica camoniana, destacam-se
o amor, o desconcerto do mundo e a efemeridade
da vida e dos bens materiais, as três grandes
causas da angústia existencial do ser humano.
O AMORO AMOR
 Na poesia camoniana, observa-se uma forte
influência do neoplatonismo, doutrina que retoma
os princípios do filósofo grego Platão, mesclado à
influência cristã. Leia a seguir os principais pontos
da teoria platônica e da neoplatônica.
26
 A Doutrina das Ideias é o ponto fundamental da
teoria de Platão. O filósofo afirmava haver um único
ideal de perfeição a ser atingido por toda a
humanidade. Esse "ideal" ou essa 'forma" existiria
independentemente da vontade humana, como algo
absoluto; existiria em si, como essência, fixo na
natureza das coisas.
 Esse "mundo das ideias, ou das formas perfeitas,
ou ainda mundo inteligível" era algo a ser buscado
neste mundo que Platão chamou de sensível. O que
guiaria o homem nessa busca seria a memória
residual que sua alma eterna retinha daquele universo
essencial, inquieta por readquirir a harmonia, o
equilíbrio perfeito.
27
 O neoplatonismo tem como ponto fundamental a
crença de que tudo emana de um Uno (facilmente
identificado com Deus) numa cadeia hierárquica de
emanações que tem como primeiro elo a alma do
universo e como último, a carne. Esta deveria,
portanto, ser desprezada, não apenas por ser a mais
reles das emanações desse Uno divino e perfeito,
como também pelo fato de a carne ser a responsável
pela separação entre o homem e o divino. A
retomada da unidade original entre o homem e Deus
era o mais alto objetivo a ser alcançado. Foi uma
corrente filosófica extremamente popular.
28
 Em vários poemas de Camões verificam-se essas
influências. O neoplatonismo camoniano é inferido
sobretudo na noção de amor: a mulher, ser que
desperta o amor no homem, é tida como um
instrumento de contemplação da própria divindade e,
portanto, colocada em um plano superior, distante
do mundo real.
 O amor, em muitos poemas, é concebido como
ideia (mundo inteligível), mas também como desejo
carnal (mundo sensível). Assim, da impossibilidade
de conciliar essas duas noções de amor resulta um
conflito entre o desejo físico e a espiritualização do
amor, que se revela na linguagem por meio de
antíteses e paradoxos.
Prof. Claudia Ribeiro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Andriane Cursino
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
Andréia Peixoto
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de Informação
Colégio Santa Luzia
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Colégio Santa Luzia
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Bruna Wagner
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Cláudia Heloísa
 
O barroco
O barrocoO barroco
Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01
murilotome
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
Cláudia Heloísa
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Andriane Cursino
 

Mais procurados (20)

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de Informação
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 

Destaque

Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
guesta61019
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Josue Jorge Cruz
 
Renascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e HumanismoRenascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e Humanismo
complementoindirecto
 
Classicismo videoaula
Classicismo  videoaulaClassicismo  videoaula
Classicismo videoaula
ADRIANA BORDINHÃO VICIOLI
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
CrisBiagio
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Adeildo Júnior
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
ISJ
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Lucas pk'
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Andrezza Cameski
 
Humanismo aula 1
Humanismo aula 1Humanismo aula 1
Humanismo aula 1
MatheusLeandro2012
 
Humanismo -slides
Humanismo  -slidesHumanismo  -slides
Humanismo -slides
Aparecida Mallagoli
 
Pdf literatura
Pdf literaturaPdf literatura
Pdf literatura
EMSNEWS
 
Classicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismoClassicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismo
Ronaldo Assis
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Renascimento e Humanismo
Renascimento e HumanismoRenascimento e Humanismo
Renascimento e Humanismo
Dalton Lopes Reis Jr.
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Pedro Andrade
 
Humanismo2.0
Humanismo2.0Humanismo2.0
Humanismo2.0
Francisco
 
Aula 10 renascimento e humanismo
Aula 10   renascimento e humanismoAula 10   renascimento e humanismo
Aula 10 renascimento e humanismo
Profdaltonjunior
 
Literatura Portuguesa
Literatura PortuguesaLiteratura Portuguesa
Literatura Portuguesa
Paula Fialho Silva
 

Destaque (20)

Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Renascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e HumanismoRenascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e Humanismo
 
Classicismo videoaula
Classicismo  videoaulaClassicismo  videoaula
Classicismo videoaula
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Humanismo aula 1
Humanismo aula 1Humanismo aula 1
Humanismo aula 1
 
Humanismo -slides
Humanismo  -slidesHumanismo  -slides
Humanismo -slides
 
Pdf literatura
Pdf literaturaPdf literatura
Pdf literatura
 
Classicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismoClassicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Renascimento e Humanismo
Renascimento e HumanismoRenascimento e Humanismo
Renascimento e Humanismo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Humanismo2.0
Humanismo2.0Humanismo2.0
Humanismo2.0
 
Aula 10 renascimento e humanismo
Aula 10   renascimento e humanismoAula 10   renascimento e humanismo
Aula 10 renascimento e humanismo
 
Literatura Portuguesa
Literatura PortuguesaLiteratura Portuguesa
Literatura Portuguesa
 

Semelhante a Classicismo

Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
António Cunha
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
heleira02
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
José Ferreira
 
Mapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoMapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismo
Julimac
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
Gabriel Andrade
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
Thani Almeida
 
Amanda e Even1m9 - Classicismo
Amanda e Even1m9 - ClassicismoAmanda e Even1m9 - Classicismo
Amanda e Even1m9 - Classicismo
Ntevaiaescola
 
Cap06 classicismo
Cap06 classicismoCap06 classicismo
Cap06 classicismo
whybells
 
Camões - contextualização
Camões - contextualizaçãoCamões - contextualização
Camões - contextualização
Rosalina Simão Nunes
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimento
greghouse48
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Teresa Pombo
 
O renascimento ou classicismo 1º ano
O renascimento ou classicismo  1º anoO renascimento ou classicismo  1º ano
O renascimento ou classicismo 1º ano
Colégio Santa Luzia
 
Classicismo!
Classicismo!Classicismo!
Classicismo!
Arieli Bis Sobbis
 
Renascimento e Humanismo Definições e Curiosidades Ocultismo na Renascença
Renascimento e Humanismo Definições e Curiosidades Ocultismo na RenascençaRenascimento e Humanismo Definições e Curiosidades Ocultismo na Renascença
Renascimento e Humanismo Definições e Curiosidades Ocultismo na Renascença
CRAFTA
 
CLASSICISMO
CLASSICISMOCLASSICISMO
CLASSICISMO
marianna65
 
Seminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtfSeminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtf
anigoncalves
 
Classicismo.pptx
Classicismo.pptxClassicismo.pptx
Classicismo.pptx
ssuser36fc8b
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
Vítor Santos
 
3 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp023 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp02
Cibeli Soares Leite
 

Semelhante a Classicismo (20)

Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Mapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoMapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismo
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
 
Amanda e Even1m9 - Classicismo
Amanda e Even1m9 - ClassicismoAmanda e Even1m9 - Classicismo
Amanda e Even1m9 - Classicismo
 
Cap06 classicismo
Cap06 classicismoCap06 classicismo
Cap06 classicismo
 
Camões - contextualização
Camões - contextualizaçãoCamões - contextualização
Camões - contextualização
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimento
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
 
O renascimento ou classicismo 1º ano
O renascimento ou classicismo  1º anoO renascimento ou classicismo  1º ano
O renascimento ou classicismo 1º ano
 
Classicismo!
Classicismo!Classicismo!
Classicismo!
 
Renascimento e Humanismo Definições e Curiosidades Ocultismo na Renascença
Renascimento e Humanismo Definições e Curiosidades Ocultismo na RenascençaRenascimento e Humanismo Definições e Curiosidades Ocultismo na Renascença
Renascimento e Humanismo Definições e Curiosidades Ocultismo na Renascença
 
CLASSICISMO
CLASSICISMOCLASSICISMO
CLASSICISMO
 
Seminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtfSeminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtf
 
Classicismo.pptx
Classicismo.pptxClassicismo.pptx
Classicismo.pptx
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
 
3 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp023 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp02
 

Mais de Claudia Ribeiro

Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Claudia Ribeiro
 
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Claudia Ribeiro
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Claudia Ribeiro
 
Arte
ArteArte
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
Claudia Ribeiro
 
Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016
Claudia Ribeiro
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
Claudia Ribeiro
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Claudia Ribeiro
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
Claudia Ribeiro
 
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialAdjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Claudia Ribeiro
 

Mais de Claudia Ribeiro (10)

Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
 
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
 
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialAdjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
 

Último

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

Classicismo

  • 2. 2  As transformações culturais iniciadas com o Humanismo consolidaram-se durante o chamado Renasci- mento, designação do período compreendido de meados do século XV ao final do século XVI.  Com as descobertas ultramarinas, os horizontes geográficos expandiram-se e novos povos e produtos tornaram-se conhecidos no Velho Mundo (Europa).
  • 3. 3  comércio beneficiou-se dessas novidades, o acúmulo de bens e de dinheiro tornou-se mais viável, as operações bancárias mais frequentes, inclusive a prática de empréstimos para investimentos, anunciando o capitalismo.  A imprensa viabilizava a popularização da leitura, a disseminação de notícias e de novas teorias, proporcionando contato cultural com novas civilizações, encurtando distâncias.
  • 4. 4  A nobreza incentivava as letras e as artes: várias obras produzidas na Antiguidade Clássica foram traduzidas e publicadas difundindo-se as ideias de escritores e de filósofos gregos ou romanos que valorizaram a razão e o raciocínio lógico como meio para se chegar ao conhecimento e à verdade dos fatos.
  • 5. 5  Em meados do século XVI, o astrônomo Nicolau Copérnico divulgou a teoria heliocêntrica, na qual demonstrou que o Sol era o centro do Universo, e não mais a Terra como pregava o geocentrismo de Ptolomeu (astrônomo grego). Essa teoria, confirmada por Galileu Galilei, redimensionou totalmente a noção de Universo e foi vista como uma afronta aos dogmas da doutrina cristã. Sistema geocêntrico. Sistema heliocêntrico.
  • 6. 6  A Igreja ainda debatia-se com as ideias disseminadas por Martinho Lutero, que criticava a venda das indulgências (a venda do perdão de Deus em moeda corrente) e outras práticas do catolicismo. Martinho Lutero fundou uma dissidência cristã que encontrou respaldo em países como Alemanha e Inglaterra. Já Portugal, Espanha e Itália continuaram fiéis aos preceitos da Igreja Católica; a França dividiu-se. A essa cisão da fé cristã deu-se o nome de Reforma Protestante.
  • 7. 7  Declínio da concepção teocêntrica medieval e a plenitude da concepção antropocêntrica.  Convenciona-se empregar o termo Renascimento para designar genericamente o período, e Classicismo para denominar o estilo de época. BACO e ARIADNE Ticiano
  • 8. 8 Como surgiram os nomes dos continentes
  • 9. 9 Europa, Ásia, Oceania e África são nomes inspirados em figuras da mitologia grega. Europa era uma ninfa muito bela que despertou os amores de Zeus, o deus dos deuses, que a raptou. A Ásia e a Oceania têm uma relação de parentesco. Oceania vem de Oceano, deus dos rios, e Ásia é o nome da filha de Oceano e mãe das fontes e dos rios. África é uma deusa com porte oriental que tem um chifre numa mão e um escorpião na outra. América deriva do nome Américo Vespúcio (1454- 1512), navegador florentino que enviou a Lorenzo di Mediei um mapa no qual as terras do nordeste brasileiro, supostamente
  • 10. 10 descobertas por Vespúcio, são designadas como Terra Americi, isto é, Terra de Américo. Essa designação generalizou-se e, para combinar com os nomes dos outros continentes, todos femininos, Américo tornou-se América. Já as palavras ártico e antártica, que designam as regiões mais geladas do planeta, têm a seguinte origem: ártico deriva do latim arcticus, através do grego arktikos, que vem de arktos ("urso"). No hemisfério norte, vê-se a constelação da Ursa. E para compor a palavra antártico, bastou colocar o prefixo anti-, que dá idéia de oposição: anti + ártico. Portanto, antártico é o oposto de ártico.
  • 11. 11 O Renascimento, importante movimento de renovação científica e cultural ocorrido na Europa durante os séculos XV e XVI, é considerado o marco inicial da era moderna. Sua base encontra-se no crescimento gradativo da burguesia comercial e das atividades econômicas entre as cidades européias. Esse desenvolvimento estimulou a vida urbana e o surgimento de um novo homem, cujo valor já não se apoiava no nome de família, mas no prestígio
  • 12. 12 adquirido por seu próprio esforço e talento. • O aperfeiçoamento da imprensa facilitou a difusão de novas ideias, contribuindo para o enriquecimento do ambiente cultural. As expedições oceânicas, por sua vez, alargaram a visão do homem europeu, pondo-o em contato com povos de culturas diferentes. O desenvolvimento da matemática e do método experimental propiciaram o surgimento das bases da ciência moderna.
  • 13. 13 O desenvolvimento da economia burguesa torna-se tema de pinturas. O homem está compenetrado, pensando cuidadosamente as moedas. Seu rosto tem uma expressão honesta. Para reforçar a aparência de seriedade, o pintor mostra a mulher folheando um livro religioso. O banqueiro e sua mulher, do pintor flamengo Quentin Metsys(1465-1530). Em cima da mesa, o espelho, habilmente pintado, traz o mundo exterior para dentro da casa.
  • 14. 14 •A arte renascentista ou arte clássica caracteriza- se pela retomada dos ideais greco-latinos. A ARTE RENASCENTISTA ou CLÁSSICAA ARTE RENASCENTISTA ou CLÁSSICA ARTES PLÁSTICASARTES PLÁSTICAS • Os artistas renascentistas conceberam a arte em termos de experiências ou valores humanos. Idealizaram e priorizaram o homem e suas formas físicas, tendo como inspiração seres e deuses da mitologia greco-latina, que são símbolos de sentimentos, atitudes e de conceitos humanos. O Nascimento de Vênus. Sandro Botticelli (1445-1510)
  • 15. 15 Durante o Renascimento, o canto gregoriano entrou em declínio e, nos séculos XV e XVI, a música polifônica passou a conviver com uma nova prática, a música instrumental -obra composta para ser executada apenas por instrumentos, sem letra para ser cantada. MÚSICAMÚSICA Da retomada dos valores greco-latinos resultam as principais características da literatura clássica. Dentre elas podemos destacar: LITERATURALITERATURA
  • 16. 16 CARACTERÍSTICAS DA LITERATURACARACTERÍSTICAS DA LITERATURA NO CLASSICISMONO CLASSICISMO  antropocentrismo  Racionalismo  Presença da mitologia greco-romana  Equilíbrio, clareza e linearidade Universalismo Valorização da beleza  Neoplatonismo
  • 17. 17  O Classicismo se inicia em Portugal no ano de l527. O marco cronológico inicial desse período é a volta de Francisco de Sá de Miranda à Portugal, após passar seis anos na Itália, introduzindo, assim, novos conceitos de arte e um novo ideal de poesia, dentre elas o soneto e o verso de medida nova - os decassílabos.  Esse estilo de época também é conhecido por Quinhentismo, uma vez que predominou durante todo o século XVI (1527-1581) CLASSICISMO PORTUGUÊS (1527-1581)CLASSICISMO PORTUGUÊS (1527-1581)
  • 18. 18 Camões conheceu pelo menos três continentes, frequentou palácios e tabernas, ocupou cargos públicos de caráter burocrático e militar.  Serviu na Marinha portuguesa – na Batalha de Ceuta foi ferido e perdeu o olho direito. Foram dezessete anos de exílio nas colônias da África e da Ásia. Em 1568, foi encontrado em Moçambique, tentando retornar a Portugal. Regressou a Lisboa em 1569. LUÍS VAZ DE CAMÕESLUÍS VAZ DE CAMÕES (1525?-1580)(1525?-1580)
  • 19. 19 A obra de Camões abrange três vertentes fundamentais do período: a poesia épica / lírica e o teatro.
  • 20. 20 TeatroTeatro Anfitriões, El-Rei Seleuco e Auto do Filodemo Principais obrasPrincipais obras Poesia épicaPoesia épica Os Lusíadas (1572) Poesia líricaPoesia lírica Rimas (1595)
  • 21. 21  Nesse poema, inspirado nas epopeias clássicas, em especial Eneida, Camões relata a partir de fatos reais a saga do povo português, tendo como eixo a viagem de Vasco da Gama às Índias.  O poema está dividido em dez cantos, com estrofes compostas de oito versos decassílabos (as estrofes de oito versos são chamadas de oitavas). No total, são 8.816 versos, distribuídos em 1.102 estrofes, com uma rigorosa disposição de rimas: abababcc. A POESIA ÉPICA - OS LUSÍADASA POESIA ÉPICA - OS LUSÍADAS
  • 22. 22  Os Lusíadas apresentam a mesma estrutura da epopéia greco-latina:  Proposição. O poeta antecipa os temas a serem desenvolvidos: a viagem de Vasco da Gama às Índias e a história de Portugal. Compreende as três primeiras estrofes do Canto 1.  Invocação. Camões invoca as Tágides, ninfas mitológicas que habitam o Rio Tejo, para que elas lhe forneçam inspiração para executar o poema. Compreende as estrofes 4 e 5 do Canto 1.
  • 23. 23  Dedicatória ou oferecimento. O poeta oferece a epopeia a Dom Sebastião, rei de Portugal - na época com apenas 12 anos. Inicia-se na 6ª estrofe do Canto l e estende-se até a 18ª.  Narração. Ocupa a maior parte do poema. Inicia-se na 19ª estrofe do Canto 1 e estende-se até a 144a. do Canto X. Consiste no relato de peripécias da viagem e de episódios da história de Portugal.  Epílogo (ou conclusão). Parte formada pelas 12 últimas estrofes da epopeia. O poeta mostra-se pessimista em relação ao futuro de Portugal, lamentando a pátria, que já apresentava sinais de decadência. Predomina o tom melancólico e profético.
  • 24. 24 Camões produziu poemas líricos de primeira grandeza reunidos e publicados sob o título de Rimas, em 1595, quinze anos após a morte do poeta.  Esteticamente o autor soube conciliar a tradição medieval com as inovações clássicas - escreveu éclogas (poesia pastoril), odes (poesia de tom elogioso), elegias (poesias de tom melancólico), canções, redondilhas, oitavas e sonetos. Além disso, Camões antecipou vários temas barrocos. A POESIA LÍRICAA POESIA LÍRICA
  • 25. 25  Dentre os temas da lírica camoniana, destacam-se o amor, o desconcerto do mundo e a efemeridade da vida e dos bens materiais, as três grandes causas da angústia existencial do ser humano. O AMORO AMOR  Na poesia camoniana, observa-se uma forte influência do neoplatonismo, doutrina que retoma os princípios do filósofo grego Platão, mesclado à influência cristã. Leia a seguir os principais pontos da teoria platônica e da neoplatônica.
  • 26. 26  A Doutrina das Ideias é o ponto fundamental da teoria de Platão. O filósofo afirmava haver um único ideal de perfeição a ser atingido por toda a humanidade. Esse "ideal" ou essa 'forma" existiria independentemente da vontade humana, como algo absoluto; existiria em si, como essência, fixo na natureza das coisas.  Esse "mundo das ideias, ou das formas perfeitas, ou ainda mundo inteligível" era algo a ser buscado neste mundo que Platão chamou de sensível. O que guiaria o homem nessa busca seria a memória residual que sua alma eterna retinha daquele universo essencial, inquieta por readquirir a harmonia, o equilíbrio perfeito.
  • 27. 27  O neoplatonismo tem como ponto fundamental a crença de que tudo emana de um Uno (facilmente identificado com Deus) numa cadeia hierárquica de emanações que tem como primeiro elo a alma do universo e como último, a carne. Esta deveria, portanto, ser desprezada, não apenas por ser a mais reles das emanações desse Uno divino e perfeito, como também pelo fato de a carne ser a responsável pela separação entre o homem e o divino. A retomada da unidade original entre o homem e Deus era o mais alto objetivo a ser alcançado. Foi uma corrente filosófica extremamente popular.
  • 28. 28  Em vários poemas de Camões verificam-se essas influências. O neoplatonismo camoniano é inferido sobretudo na noção de amor: a mulher, ser que desperta o amor no homem, é tida como um instrumento de contemplação da própria divindade e, portanto, colocada em um plano superior, distante do mundo real.  O amor, em muitos poemas, é concebido como ideia (mundo inteligível), mas também como desejo carnal (mundo sensível). Assim, da impossibilidade de conciliar essas duas noções de amor resulta um conflito entre o desejo físico e a espiritualização do amor, que se revela na linguagem por meio de antíteses e paradoxos. Prof. Claudia Ribeiro