SlideShare uma empresa Scribd logo
GESTÃO DE CUSTOS




UNIDADE 01
INTRODUÇÃO
ADMINSTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE CUSTOS

Observar a MP 449/08 e Lei 11.941/09
Ativo Circulante
Ativo Não Circulante – Realizável LP, Investimento, Imobilizado, Intangível

Passivo Circulante
Passivo Não Circulante
Patrimônio Líquido

Não existe mais Ativo Permanente, nem Ativo Diferido

01.01 Conceitos e campo de ação
Custos são medidas monetárias dos sacrifícios financeiros com os quais uma organização, uma
pessoa ou um governo, têm de arcar a fim de atingir seus objetivos, sendo considerados esses ditos
objetivos, a utilização de um produto ou serviço qualquer, utilizados na obtenção de outros bens ou
serviços.
Custos Conceitos:

Afim de se aprofundar no assunto se faz necessário ressaltar alguns conceitos, tais como:

- Custo: É o valor de bens e serviços consumidos na produção de outros bens e serviços. São os
gastos relacionados aos produtos.
- Despesa: É o valor dos bens ou serviços não relacionados diretamente com a produção de outros
bens ou serviços consumidos em um determinado período. Valores gastos para obter receita
- Gasto: É o valor dos bens ou serviços adquiridos. Pode se converter em custo ou despesas
- Desembolso: É o pagamento resultante das aquisições de bens ou serviços.
- Perda: É o valor dos bens ou serviços consumidos de forma anormal e involuntária.
- Desperdício: É o consumo intencional, e não direcionado à produção de um bem ou serviço.
- Investimento: bens e direitos registrados no ativo das empresas.
01.02 Classificação e as fases dos custos

Podemos dividir os custos em dois grupos:

1) Custos primários (voluntários).

1.1)”Custo dos Fatores”: pagamento aos fornecedores dos fatores da produção.

1.2)”Custo de Uso”:
a) Utilização de bens adquiridos de outros empresários.
b) Depreciação do capital fixo (equipamentos).


2) Custos suplementares (involuntários).

2.1)”Custo de Obsolescência”: O equipamento com o passar do tempo perde seu valor, devido ao
desgaste natural das máquinas ou á existência de equipamentos mais modernos. Isso diminui o
capital, porém é previsto pelo empresário, o que provoca nas indústrias um aumento de custos com
equipamentos obsoletos. Com isso há um “desinvestimento”, que é quando a empresa desativa os
equipamentos de produção danificados ou ultrapassados.

2.2)”Custo Fortuito” (involuntário): O capital pode ser reduzido por uma série de fatores. Por isso
deve-se reconhecer a redução do capital e do patrimônio da empresa. Nossa legislação prevê o
acontecimento de tais ocorrências, permitindo a regularização de seus registros contábeis, para que
seja retratada a verdadeira situação econômico-financeira da empresa.

Custos de Produção

Viabilidade financeira:

A análise financeira inicia-se pela definição do volume de produção que a empresa pretende
fabricar;
Depois, calcula-se o investimento físico;
definem-se e calculam-se os custos fixos;
estimam-se os custos variáveis;
projetam-se os custos totais;
identificam-se os custos de comercialização e a margem de lucro;
calcula-se o preço de venda;
apuram-se as receitas e os resultados operacionais;
projeta-se o investimento inicial;
e, para finalmente, analisar a viabilidade financeira do empreendimento.



Tem por objetivos a análise financeira:

*Identificar o investimento físico e financeiro;
*Estimar o volume de produção;
*Definir os custos dos materiais diretos e da mão-de-obra;
*Calcular os custos fixos e de produção;
*Projetar as receitas operacionais;
*Montar a tabela de resultados operacionais;
*Conhecer o valor do investimento inicial;
Para realizar uma análise é importante

*Conhecer o tamanho do mercado consumidor para projetar o volume de produção;
*Ter noção clara dos preços, prazos de entrega e de pagamento dos insumos a serem utilizados no
processo produtivo, para determinar o custo médio de processamento e comercialização dos
produtos;
*Concepção clara do negócio para determinar e orçar o montante de investimentos físicos e
financeiros;
*Fazer o mapeamento do mercado e quais os preços médios dos concorrentes potenciais;

Volume de produção e investimento fixo é o ponto de partida do planejamento financeiro é a
definição de quanto irá ser produzido, não sendo uma definição aleatória,

- depende do mercado que se pretende atingir,
- da disponibilidade de matéria-prima
- da concorrência,
- também avaliando com cuidado a disponibilidade de capital próprio e de terceiros,
- calcular, custo de investimento quanto será preciso gastar na montagem da empresa, ou seja, custo
das máquinas, equipamentos, ferramentas, veículos, móveis, utensílios, imóveis tudo que compõem
o investimento fixo.

O que e quanto produzir Para definir o volume de produção é preciso considerar:

*A capacidade nominal de produção das máquinas, equipamentos e instalações além dos recursos
financeiros;
*Disponibilidade de matérias- primas, materiais secundários e embalagens;
*Mão-de-obra disponível;

Custos diretos estão relacionados com a produção e a venda,

Os custos da empresa envolvem materiais diretos, esses materiais são:

- as matérias-primas,
- materiais secundários,
- embalagens,
- mão- de- obra direta,
- salários e encargos sociais destes ligados diretamente a produção.

Mão- de obra direta são os operários que estão diretamente ligados ao volume de produção, já que o
administrativo não interfere a produtividade se sua jornada de trabalho for diferente do operário.

Custos Fixos Os custos fixos são aqueles que ocorrem independentemente da produção ou das
vendas.

Os custos fixos anuais da empresa são as despesas de manutenção necessárias para manter o
funcionamento da mesma. Sendo denominados também de custos de funcionamento ou custos de
estrutura. Geralmente estes custos são compostos pelos salários e encargos sociais do pessoal
administrativo, aluguéis, pró-labore dos sócios, materiais de limpeza e profissionais como
contadores, advogados etc. Gastos com depreciação, seguro e manutenção e seguros são calculados
utilizando-se percentuais definidos em lei que incidem sobre o valor de cada bem.

Custos finais de produção (CP) O custo de produção é, portanto, igual a soma dos custos dos
materiais diretos como o rateio dos custos fixos e dos custos da mão- de obra. Assim para saber o
quanto realmente vai custar produzir basta somar três itens: materiais diretos (MD), mão–de–obra
direta (MO) e custo fixo (CF) e dividir o volume de produção (VP), ou seja:CP = (MD+ MO+ CF) /
VP Os rateios são calculados proporcionalmente ás quantidades fabricadas de cada produto. O
custo anual de produção ocorre da soma do custo dos materiais diretos para o mesmo produto com o
rateio do custo de mão-de-obra direta e o rateio do custo fixo. E, finalmente, para calcular o custo
unitário de produção, basta dividir o custo anual de produção pela quantidade fabricada de cada
produto, assim o custo unitário de produção é obtido pelo custo mensal de produção dividido pela
quantidade anual de produção.



01.03 Composição dos custos de produção e dos produtos - mercadoria - serviços vendidos
(CPV,CMV e CSV)

APURAÇÃO DO CUSTO DAS VENDAS

        SÓ SE APURA OS CUSTOS DOS PRODUTOS EFETIVAMENTE VENDIDOS

1. CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS – CMV
A apuração do custo das mercadorias vendidas está diretamente relacionada aos estoques da
empresa, pois representa a baixa efetuada nas contas dos estoques por vendas realizadas no período.


O custo das mercadorias vendidas pode ser apurado através da equação:

                                        CMV = EI + C - EF

Onde:
CMV = Custo das Mercadorias Vendidas
EI = Estoque Inicial
C = Compras
EF = Estoque Final (inventário final)

                                           Exercícios;
   1- Calcular o valor de compras, sabendo-se que o Estoque em x1 é R$ 200.000,00 o Estoque
      final é R$ 170.000,00 e o custo da mercadoria vendida é de R$ 86.000,00.
   2- Calcular o custo de mercadoria vendida, onde o estoque inicial é R$50.000,00, e o estoque
      final é de R$ 60.000,00 e foi efetuado R$ 30.000,00 de compras.


2. CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS – CPV

No caso de produtos (bens produzidos por uma indústria), a fórmula é semelhante ao CMV:

                                CPV = EI + (In + MO + GGF) – EF

Onde:

CPV = Custo dos Produtos Vendidos
EI = Estoque Inicial
In = Insumos (matérias primas, materiais de embalagem e outros materiais) aplicados nos produtos
vendidos
MO = Mão de Obra Direta aplicada nos produtos vendidos
GGF = Gastos Gerais de Fabricação (aluguéis, energia, depreciações, mão de obra indireta, etc.)
aplicada nos produtos vendidos
EF = Estoque Final (inventário final)
COMPOSIÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO
O § 1º do art. 13 do Decreto-Lei 1.598/77 dispõe que o custo de produção dos bens ou serviços
vendidos compreenderá, obrigatoriamente:
1) o custo de aquisição de matérias-primas e quaisquer outros bens ou serviços aplicados ou
consumidos na produção, observado o disposto neste artigo;
2) o custo do pessoal aplicado na produção, inclusive de supervisão direta, manutenção e guarda das
instalações de produção;
3) os custos de locação, manutenção e reparo e os encargos de depreciação dos bens aplicados na
produção;
4) os encargos de amortização diretamente relacionados com a produção;
5) os encargos de exaustão dos recursos naturais utilizados na produção.


3. CUSTO DOS SERVIÇOS VENDIDOS (CSV)

Numa empresa de serviços, a sistemática será semelhante à anterior, sendo a fórmula:

                              CSV = Sin + (MO + GDS + GIS) – Sfi

Onde:

CSV = Custo dos Serviços Vendidos
Sin = Saldo Inicial dos Serviços em Andamento
MO = Mão de Obra Direta aplicada nos serviços vendidos
GDS = Gastos Diretos (locação de equipamentos, subcontratações, etc.) aplicados nos serviços
vendidos
GIS = Gastos Indiretos (luz, mão de obra indireta, depreciações de equipamentos, etc.) aplicados
nos serviços vendidos
Sfi = Saldo Final dos Serviços em Andamento




Exemplo:


1 - Calcular o Custo dos Produtos Vendidos de 01 de janeiro a 31 de dezembro de determinada
indústria que apurou os seguintes dados:



                  Estoque Inicial (01 de janeiro)                   110.000,00
                  Compras de Insumos                              1.750.000,00
                  ICMS sobre Compras                                210.000,00
                  Fretes sobre Compras                               70.000,00
                  Mão de Obra Direta                                597.000,00
                  Gastos Gerais de Fabricação                       790.000,00
                  Estoque inventariado (31 de dezembro)             185.000,00


A DEMONSTRAÇÃO DOS CUSTOS DOS PRODUTOS VENDIDOS ficará como segue:

                  Estoque Inicial (01 de janeiro)                   110.000,00
+ Compras de Insumos                         1.750.000,00
                   + Fretes sobre Compras                          70.000,00
                   - ICMS sobre Compras                         (210.000,00)
                   + Mão de Obra Direta                           597.000,00
                   + Gastos Ferais de Fabricação                  790.000,00
                   - Estoque inventariado (31 de dezembro)      (185.000,00)
                   = Custo dos Produtos Vendidos                2.922.000,00




2 - Calcular o Custo dos Produtos Vendidos de 01 de janeiro a 31 de dezembro de determinada
indústria que apurou os seguintes dados:
                   Estoque Inicial (01 de janeiro)              220.000,00
                   Compras de Insumos                         2.150.000,00
                   ICMS sobre Compras                           270.000,00
                   Fretes sobre Compras                          90.000,00
                   Mão de Obra Direta                           737.000,00
                   Gastos Gerais de Fabricação                  940.000,00
                   Estoque inventariado (31 de dezembro)        169.000,00

A DEMONSTRAÇÃO DOS CUSTOS DOS PRODUTOS VENDIDOS ficará como segue:
            Estoque Inicial (01 de janeiro)
            + Compras de Insumos
            + Fretes sobre Compras
            - ICMS sobre Compras
            + Mão de Obra Direta
            + Gastos Ferais de Fabricação
            - Estoque inventariado (31 de dezembro)
                   = Custo dos Produtos Vendidos


01.04 Custos da produção versus despesas do período

Objeto de sistematização por parte da Contabilidade de Custos, freqüentemente confundido por
leigos com o conceito de despesa.

Custos – São gastos, não investimentos, necessários para fabricar os produtos da empresa. Ligados
a produção

Despesas – Bem ou serviço consumidos direta ou indiretamente para a obtenção de receitas. Gastos
ligados a administração




01.05 Objetivos e periodicidade dos custos
Quem elabora ou estrutura um sistema de custos é a contabilidade de custos, e segundo Marion,
uma das finalidades deste ramo de contabilidade é a sua utilidade para o processo dos gestores na
tomada de decisões, como por exemplo: “qual a quantidade mínima que se deve produzir e vender
para não se ter prejuízo? Qual produto é mais rentável para estimular sua produção? Qual produto
devemos cortar para aumentar a rentabilidade? Certos itens, é melhor produzir ou comprar de
terceiros? Qual o preço adequado para cada produto? Sobre qual item de custos devemos exercer
melhor controle? Como reduzir Custos?” (MARION, 1996, p. 60)

Estes são os questionamentos que a contabilidade de custos, através de um bom sistema de custos,
auxilia a resolver. Levando-se em consideração o perfil do usuário destas informações para o
efetivo entendimento e conseqüente utilização.

Na DRE, as despesas correspondem àquelas incorridas nas divisões de Administração e de Vendas,
durante o exercício.

Já o Custo dos Produtos Vendidos, são aqueles incorridos na divisão fabril, correspondente à
quantidade que foi vendida, isto porque nem toda a produção de um período pode ter sido vendida,
e assim ter sido estocada para venda em outro período


01.06 Integração da Contabilidade de Custos a Contabilidade Gerencial e Geral

A Contabilidade gerencial incorpora conceitos econômicos para fins de elaborar Relatórios de
Custos de uso da Gestão Empresarial.
A contabilidade de custos surgiu junto com a revolução industrial, como tentativa de se elaborar um
inventário disponível em um determinado período operacional para identificação de valores de
produtos fabricados e vendidos. Com o seu desenvolvimento, a complexidade dos métodos
contábeis tornou-se maior, e logo, os custos de fabricação eram solucionados cada vez mais rápidos.
Foram estes métodos cada vez mais aperfeiçoados que deram origem a contabilidade de custo.
Atualmente, a contabilidade de custos é um grande sistema de informações gerenciais.


Pode-se definir uma classificação para os objetivos da contabilidade de custo:

- Inventariar os produtos fabricados e vendidos.
- Planejar e controlar as atividades empresariais.
- Servir como instrumento para tomada de decisões.


Contabilidade de custos

Na maioria das organizações industriais e prestadoras de serviços, a contabilidade de custos faz a
apuração de custo da produção para se atingir diversos objetivos como: atendimento de exigências
contábeis, atendimento de exigências fiscais, apuração do custo dos produtos e dos departamentos,
controle dos custos de produção, melhoria de processos e eliminação de desperdícios, auxílio na
tomada de decisões gerenciais e otimização de resultados.

Para se alcançar estes objetivos, Perez Júnior (2001) indica sistemas de custeio, em sua opinião
mais adequados, listados a seguir:

a) Apuração do custo dos produtos e dos departamentos: o sistema de custos fornece informações
que possibilita a identificação dos responsáveis pelo consumo dos gastos dentro das organizações.
b) Atendimento de exigências contábeis: a lei nº 6.404/76 determina que a escrituração contábil seja
elaborada segundo os princípios contábeis. A metodologia indicada por este autor para atender os
princípios contábeis é o denominado custeio por absorção.
c) Atendimento de exigências fiscais: O único método aceito pela legislação de imposto de renda é
o custeio por absorção.
d) Controle dos custos de produção: para efeito do controle é indicado o custeio-padrão.
e) Custos para melhoria de processos: o método de custeio baseado em atividades, este método
identifica as atividades que não adicionam valor ao custo dos produtos e como se proceder para a
sua eliminação.
f) Auxílio na tomada de decisões gerenciais: neste caso o autor sugere que seja utilizado o método
de custo direto ou variável, por ser capaz de gerar informações de forma mais rápida.
g) Custos para otimização de resultados: o conceito de Teoria das Restrições que oferece
informações sobre a superação de metas e resultados.

Exercícios - Questões para Discutir

1. O que é uma despesa?
2. O que é um investimento?
3. Quando uma empresa gasta com propaganda, ela incorre em custos?
4. Quando uma empresa compra matéria-prima, ela tem gasto, custo, despesa ou
investimento?Explique.
5. Quando uma empresa compra um equipamento para a divisão de fábrica, ela tem gasto, custo,
despesa ou investimento? Explique.
6. Como os gastos são separados em custos e em despesas?
7. A depreciação é custo ou despesa?
8. Liste 10 contas que representem despesas.
9. Liste 10 contas que representem custos.
10. Como se classificam os custos quanto aos produtos fabricados?
11. Como se classificam os custos quanto ao volume produzido?
12. Explique por que a produção em andamento é considerada estoque para fins de
balanço.
13. O que é custo direto? Dê exemplos.
14. O que é custo indireto? Dê exemplos.
15. O que é custo variável? Dê exemplos.
16. O que é custo fixo? Dê exemplos.
17. O que é custo semivariável? Dê exemplos.
18. O que é custo semifixo? Dê exemplos.
19. Por que o aumento da produção até o limite da capacidade instalada de uma empresa provoca
redução dos custos unitários?
20. Ao implantar a Contabilidade de Custos, quais os objetivos que a empresa pretende atingir?
21. Cite e explique três tipos de informações geradas na Contabilidade de Custos.
22. Cite e explique dois tipos de problemas que o conhecimento de custos ajuda a solucionar.
23. O que é a Demonstração de Resultados do Exercício?
24. Porque as despesas não integram o Custo dos Produtos Vendidos?
25. Como se calcula o Custo dos Produtos Vendidos quando a quantidade produzida for superior à
quantidade vendida? Considere que não haja estoque inicial.
26. Qual a diferença entre custos e despesas?
27. Descreva a forma de apuração do CPV e das Despesas constantes da DRE.
28. Quando uma empresa compra matéria-prima, ela incorre em custos mesmo que esta compra seja
feita a prazo?
29. Qual a diferença entre Custos e Preço de Venda? Quando você vai adquirir um bem, • você
pergunta ao vendedor qual o custo desse bem ou qual é o seu preço?
30. Classifique as contas abaixo em Custos de Produção, Despesas Administrativas e Despesas de
Vendas:
- propaganda
- água consumida no resfriamento de peças
- aluguel do galpão da fábrica
- aluguel mensal do ônibus que transporta o pessoal da contabilidade
- prêmios dos vendedores
- refeitório dos funcionários da fábrica
- manutenção do computador do departamento financeiro
- imposto predial da fábrica
- salários dos gerentes da fábrica
- honorários dos diretores administrativo e comercial
- energia elétrica do prédio da administração da empresa
- madeira aplicada na produção de mesas
- salário do supervisor da montagem
31. Ao final de 20x8 havia 20 unidades do produto X no estoque de produtos acabados, com custo
de $ 20.000,00. Em 20x9 foram produzidas 800 unidades desse produto e vendidas 810 unidades
por $1.100,00 cada. Nesse ano de 20x9 os custos totalizaram $ 800.000,00 e as despesas, $
50.000,00.
Pede-se:
O custo dos produtos vendidos.
O saldo do estoque de produtos acabados.
O lucro de 20x9.
32. Uma empresa inicia suas atividades em 01/0l/x9. Neste mês ocorre o seguinte:
         Compra de matéria-prima $ 30.000,00
         Aluguel da fábrica 10.000,00
         Mão-de-obra da fábrica        20.000,00
         Despesas administrativas      30.000,00
         Despesas de vendas 20.000,00
         Custos diversos       15.000,00
         Consumo de matéria-prima 25.000,00
Foram fabricadas 100 unidades do produto X e vendidas 80 unidades por $ 1.625,00 cada.
Determine:
a) O custo dos produtos vendidos.
b) O saldo do estoque de produtos acabados.
c) O lucro operacional. Para isso elabore a DRE.


UNIDADE 02
ESTRUTURA DAS EMPRESAS PARA EFEITO DE CUSTO

02.01 Importância do custo nas empresas

Sistema de custos

Dentro de qualquer organização, no processo de tomada de decisões, existem ferramentas que
auxiliam os gestores a tornar as organizações mais competitivas em seu segmento de atuação. O
sistema de custos, no ponto de vista de Perez Júnior (2001), é uma ferramenta que fornece
informações sobre a estrutura de custos das organizações.
Trata-se de uma ferramenta que pode ser utilizada no âmbito interno de uma organização nos
níveis: estratégico, tático e operacional. No nível operacional ocorre a coleta dos dados, no tático a
diferenciação e classificação destes dados, transformando-os em informações que provavelmente
serão utilizadas pelo nível estratégico para a tomada de decisões estratégicas como: decidir qual o
melhor mix de produtos, cortar ou não um produto, controle ou redução dos custos.
O sistema de custos é um sistema que coleta, classifica e organiza os dados referentes aos custos
dos produtos ou serviços, assim transformando-os em informações. Confirmando este conceito,
Martins comenta que “O sistema representa um conduto que recolhe dados em diversos pontos,
processa-os e emite, com base neles, relatórios na outra extremidade.” (MARTINS, 2001, p.28).
Complementando o conceito de sistema de custos, Crepaldi o define como um sistema capaz de
gerenciar os custos e monitorar o desempenho. As empresas mais expressivas e competitivas do
mercado estão utilizando sistemas de custeio para diversas finalidades como:
• projetar produtos e serviços que correspondam às expectativas dos clientes e possam ser
produzidos e oferecidos com lucro;
• sinalizar onde é necessário realizar aprimoramentos contínuos e descontínuos (reengenharia) em
qualidade, eficiência e rapidez;
• auxiliar os funcionários ligados à produção nas atividades de aprendizado e aprimoramento
contínuo;
• orientar o mix de produtos e decidir sobre investimentos;
• escolher fornecedores;
• negociar preços, características dos produtos, qualidade, entrega e serviço com clientes;
• estruturar processos eficientes e eficazes de distribuição e serviços para os mercados e público-
alvo. (CREPALDI, 2004, p. 24)

02.02 Organização das empresas para apropriação e apuração de custo

O administrador exerce papel fundamental nas organizações e que é recomendável que além do
sistema de custos, deve utilizar outras ferramentas de gestão em conjunto para estar em sintonia
com o mercado.

02.03 Sistema de informações

Informação
As informações são importantes quanto são úteis, Marion (1996) comenta que os principais
objetivos de um sistema de custos estão relacionados com o auxilio a administração, pois fornece
informações sobre as atividades mais lucrativas, ou com menor ou maior custo.
A informação no ponto de vista de Beuren (1998) possibilita a elaboração de estratégias
empresariais e tem grande utilidade no controle das diversas operações nas organizações. No
entanto, o maior desafio da informação “é o de habilitar os gestores a alcançar os objetivos
propostos para a organização, por meio de do uso eficiente dos recursos disponíveis.” (BEUREN,
1998, p. 43)
Normalmente ocorre certa confusão entre a conceituação de dados e informação, estas se
diferenciam quanto ao tratamento que recebem. Beuren (1998) comenta que a coleta de dados será
feita considerando-se o perfil do tomador de decisão e suas necessidades. Após coletados os dados,
são organizados e classificados, transformando-se em informação.
Neste sentido, a informação mostra-se capaz de auxiliar na definição do tipo de estratégia que a
empresa deseja adotar. Porter (1992) quando se refere à definição da estratégia que a organização
pode adotar, como por exemplo, se ela optou pela liderança em custos, terá que ter um maior
controle de seus custos para oferecer preços menores que os praticados pela concorrência.
A interface que a informação mantém com o tipo de estratégia que a organização escolheu, definirá
o tipo, quantidade e direcionamento das informações. Numa posição estratégica de custos menores,
obviamente a organização necessitará de informações mais detalhadas e precisas relativas à sua
estrutura de custos.

02.04 Fluxo contábil de produção e distribuição dos custos

Para muitos gestores, a função da Escrituração é o Controle Contábil. Na verdade o controle
contábil, que historicamente originou até uma corrente científica chamada de Controlismo, é aquele
que se baseia nas Contas, ou seja em um Plano de Contas direcionado para a Análise contábil e no
chamado "contas contra contas": Por exemplo, no período em que há movimentação na conta de
"custos sobre produtos vendidos", deverá haver igual movimentação na conta de "receita de
produtos vendidos".
02.05 Departamentalização - centros de custos e centros administrativos

ERP (Enterprise Resource Planning) ou SIGE (Sistemas Integrados de Gestão Empresarial, no
Brasil) são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em
um único sistema (Laudon, Padoveze). A integração pode ser vista sob a perspectiva funcional
(sistemas de: finanças, contabilidade, recursos humanos, fabricação, marketing, vendas, compras,
etc) e sob a perspectiva sistêmica (sistema de processamento de transações, sistemas de informações
gerenciais, sistemas de apoio a decisão, etc).

Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos
departamentos de uma empresa, possibilitando a automação e armazenamento de todas as
informações de negócios.

UNIDADE 03

CUSTOS DOS MATERIAIS

03.01 Conceito dos materiais

É o custo de qualquer material diretamente ou indiretamente identificado com o produto e que se
torne parte integrante dele. E seu custo é obtido por meio da seguinte formula;
Custos ou Consumo dos Períodos dos Materiais = Estoque Inicial de Materiais + Compras do
Período – Estoque Final de Materiais

É óbvio, antes de se iniciar o ciclo produtivo, a empresa já deve ter armazenado todo o material que
vai necessitar para a elaboração do produto.
Um dos principais requisitos na instalação de um sistema de contabilidade de custo é o
planejamento de um controle apropriado para materiais e suprimentos desde o momento da
autorização de compras, emitido por qualquer setor das empresas, até o consumo.

No entanto, controles e práticas comuns pertencem a todos os sistemas de controle de custo. Em
geral, a principal função de qualquer sistema de controle de custo é manter os gastos dentro dos
limites de um plano preconcebido. O sistema de controle também deve encorajar reduções de custos
ao eliminar o desperdício e ineficiências operacionais.

A contabilidade por responsabilidade é uma parte integrante do sistema de controle de custos,
porque focaliza a sua atenção em indivíduos específicos que foram designados para atingir as metas
estabelecidas. Dos três principais objetivos da contabilidade de custos — controle de custos, custeio
do produto e determinação do preço de venda — o controle de custos é frequentemente o mais
difícil de alcançar.

Em geral, o processo relativo aos materiais envolve as seguintes fases principais:
1-Compra;                            4- Controle;
2- Estocagem ;                       5- Consumo ;
3- Registro ;

03.02 Classificação dos materiais

CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS

        Na conta materiais são classificados os materiais utilizados no processo de produção, e sua
composição varia de empresa para empresa. Podemos classificar os materiais em uma empresa
industrial da seguinte maneira;

Diretos
.- Matéria-prima principal
.-Matéria-prima secundaria. - Materiais auxiliares
.-Peças e Componentes. - Material de Embalagem

Indiretos
.- Material de Manutenção
.- Limpeza e Conservação
.- Material de Consumo
.- Combustíveis e Lubrificantes
.- Outros

Classificação e Codificação dos materiais Um sistema de classificação e codificação de materiais é
fundamental para que existam procedimentos de armazenagem adequados, um controle eficiente
dos estoques e uma operacionalização correta do almoxarifado.
Classificar um material significa agrupá-lo segundo sua forma, dimensão, peso, tipo e uso. Em
outras palavras, classificar um material significa ordená-lo segundo critérios adotados, agrupando-
os de acordo com as suas semelhanças. Classificar os bens dentro de suas peculiaridades e funções
tem como finalidade facilitar o processo de posteriormente dar-lhes um código que os identifique
quanto aos seus tipos, usos, finalidades, datas de aquisição, propriedades e seqüência de aquisição.
Por exemplo, com a codificação do bem passamos a ter, além das informações acima mencionadas,
um registro que nos informará todo o seu histórico, tais como preço inicial, localização, vida útil
esperada, valor depreciado, valor residual, manutenção realizada e previsão de sua substituição.
Codificar um material significa representar todas as informações necessárias, suficientes e desejadas
por meio de números e/ou letras, com base na classificação obtida do material. A tecnologia de
computadores está revolucionando a identificação de materiais e acelerando o seu manuseio. A
chave para a rápida identificação do produto, das quantidades e fornecedor é o código de barras
lineares ou código de distribuição. Esse código pode ser lido com leitores óticos (scanners) . Os
fabricantes codificam esse símbolo em seus produtos e o computador no depósito decodifica a
marca, convertendo-a em informação utilizável para a operação dos sistemas de movimentação
interna, principalmente os automatizados.

03.03 Sistema de controle de material (compra ,armazenagem e saída)

SISTEMA DE CONTROLE DE MATERIAL

Normalmente, exige-se de cada sistema de controle de materiais.

Coordenação apropriada de todos os setores envolvidos: na compra, recebimento, teste, aprovação e
estocagem de materiais, e desembolso de fundos.
Centralização de aquisições em um Setor de Compras sob a direção e responsabilidade de um
especialista.
Uso de impressos padrões para formalização das instruções dadas.
Uso de orçamento para materiais, suprimentos e equipamentos de maneira a possibilitar a maior
economia possível na aquisição e no consumo.
Criar um sistema interno de conferência, de forma que todas as operações envolvendo aquisição de
materiais, suprimentos e equipamentos sejam verificados e aprovados por um número razoável de
pessoas autorizadas.
Estocagem de todos os materiais em locais previamente designados, sujeitos à supervisão direta.
Estabelecimento de um sistema de inventário possibilitando a qualquer tempo à determinação do
valor de cada item e o montante dos materiais em estoque.
Determinação de uma quantidade mínima para cada item em estoque, abaixo da qual o estoque não
deve baixar e de uma quantidade máxima acima da qual o estoque não deve ultrapassar.
Elaboração de um sistema de controle de estoque – “entrega –saída”, de maneira que os
fornecimentos se realizem sob requisição dos setores, conforme as quantidades pedidas e no tempo
devido.
Relatórios regulares de materiais comprados entreguem saldos, itens obsoletos, devoluções a
fornecedores e unidades deterioradas e defeituosas.

3.1-Compras
Manter o equilíbrio apropriado de materiais em mãos é um dos objetivos mais importantes no
controle de materiais. Um estoque de tamanho e diversidade suficientes para uma operação eficiente
precisa ser mantido, mas o tamanho não deve ser excessivo com relação às necessidades
programadas de produção. Além disso, níveis de estoque maiores do que os necessários podem
aumentar a possibilidade de perdas por danos, deterioração e obsolescência. O planejamento e o
controle do investimento em estoque de materiais requer que todos esses fatores sejam
cuidadosamente estudados para determinar;
quando os pedidos devem ser feitos e;
quantas unidades devem ser pedidas.

3.1.2. Requisição de compra
O formulário conhecido como “requisição de compra” é comumente usada como uma solicitação
formal ao Setor de Compras para aquisição de bens e serviços. A “requisição de compra” serve ao
duplo propósito de autorizar ao Setor de Compra fazer aquisições e prover um documento escrito
discriminando quantidade, especificações e a data em que a compra deve ser entregue.

 Pedido de compras
Ponto de Pedido. Um nível mínimo de estoque deve ser determinado para cada artigo de matéria-
prima, e os registros de estoque devem indicar quanto de cada artigo está em mãos. O cálculo do
ponto de pedido é baseado nos seguintes dados:

Uso – a taxa prevista que dirá quanto de material será usado.

Prazo de entrega — o intervalo estimado, em tempo, entre a colocação de um pedido e o
recebimento, do material.

Estoque de segurança — o nível mínimo estimado de estoque necessário para proteger contra
faltas de estoque (esgotamento de estoque) As faltas de estoque pode ocorrer devido às estimativas
imprecisas de uso ou de prazo de entrega, ou várias outros eventos não previstos, como o
recebimento de materiais danificados ou materiais inferiores de um fornecedor.

Quantidade Econômica de Pedido
Modelos quantitativos, ou fórmulas, foram desenvolvidas para calcular a Quantidade Econômica
de Pedido (EOQ). Uma fórmula que pode ser usada é a seguinte:
                     onde
                     EOQ = Raiz ²2CN
                                   K
                     EOQ=            quantidade           econômica          do        pedido
                     C                =               custo              de             pedir
                     N      =     número       de      unidades     necessárias    anualmente
                     K = custo de manter estoque por unidade

Para ilustrar essa fórmula, suponha que os seguintes dados tenham sido determinados ao analisar
os 5(cinco) fatores relevantes para o estoque de materiais:

Número de unidades de material necessárias anualmente 10.000
Custo de pedir$10,00
Custo anual de manter por unidade de estoque    $ 0,80

Usando a fórmula EOQ:
EOQ = Raiz² (2 (custo de pedir) x (número de unidades necessárias anualmente))
      (custo unitário de manter)

 EOQ    = Raiz² 2($10).(10.000)
                     $0,80
      EOQ = Raiz² $200.000 =             Raiz² = 250.000 = 500 unidades
                             $                                                                 0,80


3.1.3. Recebimento de Materiais
O setor de recebimento desempenha a função de desembalar os bens recebidos, verificar as
quantidades e condições, e emitir um relatório de recebimento de materiais.
O “relatório do recebimento ”é, pois, uma descrição dos materiais recebidos, suas quantidades,
fornecedor, o número de “pedido de compra”, grau e condições dos materiais e outras informações
julgadas importante. O “relatório de inspeção e teste de materiais” pode, em alguns casos, ser feito
no mesmo impresso do “relatório de recebimento”.

3.1.4. Inspeção e Teste de Materiais
Em algumas empresas industriais há necessidade de verificação completa e precisa dos materiais
por ela usados no processo produtivo. Para tanto organizando-se os serviços de Inspeção e Testes de
Materiais (subordinando ao Setor de Controle de Qualidade), cuja principal atribuição é verificar se
os bens recebidos estão de acordos com as especificações técnicas, desenhos e outras informações
passadas aos fornecedores. Muitas vezes, essa conferência exige testes de laboratório feitos em
amostras do material recebido.
3.1.5. Processo de Conferência e Pagamento
As notas fiscais e faturas dos fornecedores devem ser recebidas diretamente pelo Setor de Contas a
Pagar da Contadoria.

3.1.6. Ajustamento de Faturas.
Quando um recebimento é devolvido ao fornecedor, em todo ou em parte, o Setor de Compras
providenciará a sua devolução. Isso é feito através de uma cópia da nota fiscal de devolução, a ser
enviada ao setor de Contas a Pagar para o ajustamento da fatura e devida contabilização.

3.1.7. Aprovação das faturas e elaboração do controle de contas a pagar.
Ao terminar o processo de entrada dos materiais, o setor de Contas a Pagar terá em suas mãos os
seguintes documentos, relativos às diversas fases desse processo:
Pedido de compra;
Relatório de recebimento e inspeção;
Nota fiscal de devolução (se houver)

Por outro lado, terão recebido dos fornecedores as notas fiscais e fatura correspondentes aos seus
suprimentos, estando, portanto, em condições de proceder à verificação da exatidão e cálculos da
fatura do fornecedor, além dos preços e condições de pagamento.
Verificada a obrigação da empresa, o Setor de Contas a Pagar deve preparar um documento que
será utilizado como reconhecimento da obrigação aprovada, contabilização e controle de
vencimentos.

3.1.8. Registros para materiais
Os registros geralmente usados para manter um sistema de inventário contínuo e de controle
apropriado das entregas de materiais, consistem de: ficha especifica (registro físico) e/ou sistema
integrado (contabilidade de custos) através de programas espeficificos.
Os almoxarifes usualmente controlam os materiais em estoque através de fichas. Estas fichas são
mantidas em arquivos especiais em ordem numérica ou alfabética. Também são usados cartões de
materiais/fichas de prateleira dos respectivos materiais pelo sistema manual. Quando o sistema de
materiais é feito por programa de computadores, normalmente são dispensados muitos destes
documentos.
As fichas de registros de materiais (manual e computadorizado) são também, mantidas para cada
item ou tipo de material, e devem localizar-se na Contabilidade de Custos para fins de controle dos
itens em estoque (físico e financeiro).
Os lançamentos são feitos através das notas fiscais, relatório de recebimento e inspeção de
materiais, requisições (consumo) e devoluções de requisições.

3.2 - SAÍDA DE MATERIAIS

3.2.1. PROCEDIMENTO PARA A ENTREGA E REGISTRO DE MATERIAL
Em algumas empresas as “requisições de materiais” são autorizadas e preparadas pelo Setor de
Planejamento, enquanto que, em outras, pelo Setor de Produção através do chefe ou supervisor ou
pelo próprio departamento requisitante.
 O procedimento completo é o seguinte:
*as duas vias da “requisição de material” são entregues ao Almoxarifado, que entrega o material e
dá baixa nos seus controles (fichas ou outro sistema de controle) pela quantidade saída;
*Uma das vias da requisição é enviada à Contabilidade de Custos para apresamento e lançamento
na “ficha de registro de materiais”. Em várias
empresas industriais já existe o sistema de controle em on-line ou off-line de materiais, eliminando
o fluxo de papeis.

3.2.2. Materiais devolvidos ao Almoxarifado
Os materiais requisitados que, por qualquer razão, deixaram de ser utilizados no processo de
produção, devem ser devolvidos ao estoque. Para esse fim é usado o impresso “devolução de
materiais ao Almoxarifado” que é emitido pelo estoquista no momento do recebimento do material
em devolução.

3.3. Apropriação dos materiais - armazenagem

Todos os materiais usados na produção são entregues com base em requisições. Naturalmente, as
requisições devem ser planejadas de forma a fornecerem todas as informações necessárias para
correta apropriação do custo dos materiais, como: setor requisitante, conta que irá absorver os
custos, ordem de produção ou centro de custo, quantidades requisitadas e fornecidas, identificações
do material, custo unitário e total, assinaturas etc.
A apropriação dos custos dos materiais se processa pela leitura, classificação e acumulação das
requisições, em conformidade com os fins para os quais os materiais foram utilizados.

Histórico dos Almoxarifados Primitivos O almoxarifado se constituía em um depósito, quase
sempre o pior e mais inadequado local da empresa, onde os materiais eram acumulados de qualquer
forma, utilizando mão-de-obra desqualificada. Com o tempo surgiram sistemas de manuseio e de
armazenagem bastante sofisticados, o que acarretou aumento da produtividade, maior segurança nas
operações de controle e rapidez na obtenção das informações. O termo Almoxarifado é derivado de
um vocábulo árabe que significa " depositar".
Conceituação Almoxarifado é o local destinado à guarda e conservação de materiais, em recinto
coberto ou não, adequado à sua natureza, tendo a função de destinar espaços onde permanecerá
cada item aguardando a necessidade do seu uso, ficando sua localização, equipamentos e disposição
interna acondicionados à política geral de estoques da empresa.
O almoxarifado deverá: 1.assegurar que o material adequado esteja, na quantidade devida, no local
certo, quando necessário;
2.impedir que haja divergências de inventário e perdas de qualquer natureza;
3.preservar a qualidade e as quantidades exatas;
4.possuir instalações adequadas e recursos de movimentação e distribuição suficientes a um
atendimento rápido e eficiente;
Depositar materiais em um almoxarifado é o mesmo que depositar dinheiro em um banco Portanto
pode-se comparar o esquema de funcionamento do almoxarifado ao de um banco, conforme
esquema abaixo :

BANCO ALMOXARIFADO Entrada para estoque Ficha de depósito bancário Nota fiscal de
compra Saída do estoque Cheque Requisição de material
Eficiência do Almoxarifado
A eficiência de um almoxarifado depende fundamentalmente :
1.da redução das distâncias internas percorridas pela carga e do conseqüente aumento do número
das viagens de ida e volta;
2.do aumento do tamanho médio das unidades armazenadas; 3.da melhor utilização de sua
capacidade volumétrica;

Organização do Almoxarifado

Podemos resumir as suas principais atribuições

1.Receber para guarda e proteção os materiais adquiridos pela empresa;
2.Entregar os materiais mediante requisições autorizadas aos usuários da empresa; 3.Manter
atualizados os registros necessários;

Vamos analisar os setores componentes da estrutura funcional do almoxarifado

CONTROLE : Embora não haja menção na estrutura organizacional do almoxarifado, o controle
deve fazer parte do conjunto de atribuições de cada setor envolvido, qual seja, recebimento,
armazenagem e distribuição. O controle deve fornecer a qualquer momento as quantidades que se
encontram à disposição em processo de recebimento, as devoluções ao fornecedor e as compras
recebidas e aceitas.
RECEBIMENTO As atividades de recebimento abrangem desde a recepção do material na entrega
pelo fornecedor até a entrada nos estoques. A função de recebimento de materiais é módulo de um
sistema global integrado com as áreas de contabilidade, compras e transportes e é caracterizada
como uma interface entre o atendimento do pedido pelo fornecedor e os estoques físico e contábil.
O recebimento compreende quatro fases :
a)1a fase : Entrada de materiais;
b)2a fase : Conferência quantitativa;
c)3a fase : Conferência qualitativa;
d)4a fase : Regularização
ARMAZENAGEM
A guarda dos materiais no Almoxarifado obedece a cuidados especiais, que devem ser definidos no
sistema de instalação e no layout adotado, proporcionando condições físicas que preservem a
qualidade dos materiais, objetivando a ocupação plena do edifício e a ordenação da arrumação.
FASES DESCRIÇÃO 1A FASE Verificação das condições de recebimento do material; 2A FASE
Identificação do material; 3A FASE Guarda na localização adotada; 4A FASE Informação da
localização física de guarda ao controle; 5A FASE Verificação periódica das condições de proteção
e armazenamento; 6A FASE Separação para distribuição;
DISTRIBUIÇÃO Os materiais devem ser distribuídos aos interessados mediante programação de
pleno conhecimento entre as partes envolvidas.

DOCUMENTOS UTILIZADOS Os seguintes documentos são utilizados no Almoxarifado para
atendimento das diversas rotinas de trabalho :
a)Ficha de controle de estoque (para empresas ainda não informatizadas) : documento destinado a
controlar manualmente o estoque, por meio da anotação das quantidades de entradas e saídas,
visando o seu ressuprimento;
b)Ficha de Localização (também para empresas ainda não informatizadas) : documento utilizado
para indicar as localizações, através de códigos, onde o material está guardado; c)Comunicação de
Irregularidades : documento utilizado para esclarecer ao fornecedor os motivos da devolução,
quanto os aspectos qualitativo e quantitativo;
d)Relatório técnico de inspeção : documento utilizado para definir, sob o aspecto qualitativo, o
aceite ou a recusa do material comprado do fornecedor;
e)Requisição de material : documento utilizado para a retirada de materiais do almoxarifado;
f)Devolução de material : documento utilizado para devolver ao estoque do almoxarifado as
quantidades de material porventura requisitadas além do necessário;

PERFIL DO ALMOXARIFE
O material humano escolhido deve possuir alto grau de sentimento de honestidade, lealdade,
confiança e disciplina.

RECEBIMENTO
Conceituação Recebimento é a atividade intermediária entre as tarefas de compra e pagamento ao
fornecedor, sendo de sua responsabilidade a conferência dos materiais destinados à empresa. As
atribuições básicas do Recebimento são :
1.coordenar e controlar as atividades de recebimento e devolução de materiais; 2.analisar a
documentação recebida, verificando se a compra está autorizada;
3.controlar os volumes declarados na Nota Fiscal e no Manifesto de Transporte com os volumes a
serem efetivamente recebidos;
4.proceder a conferência visual, verificando as condições de embalagem quanto a possíveis avarias
na carga transportada e, se for o caso, apontando as ressalvas de praxe nos respectivos documentos;
5.proceder a conferência quantitativa e qualitativa dos materiais recebidos;
6.decidir pela recusa, aceite ou devolução, conforme o caso;
7.providenciar a regularização da recusa, devolução ou da liberação de pagamento ao fornecedor;
8.liberar o material desembaraçado para estoque no almoxarifado;

A análise do Fluxo de Recebimento de Materiais permite dividir a função em quatro fases :
1a fase - entrada de materiais ;
2a fase - conferência quantitativa;
3a fase - conferência qualitativa;
4a fase - regularização;

1a fase - Entrada de Materiais : A recepção dos veículos transportadores efetuada na portaria da
empresa representa o início do processo de Recebimento e tem os seguintes objetivos : a recepção
dos veículos transportadores; a triagem da documentação suporte do recebimento; constatação se a
compra, objeto da Nota Fiscal em análise, está autorizada pela empresa; constatação se a compra
autorizada está no prazo de entrega contratual; constatação se o número do documento de compra
consta na Nota Fiscal; cadastramento no sistema das informações referentes a compras autorizadas,
para as quais se inicia o processo de recebimento; o encaminhamento desses veículos para a
descarga;
As compras não autorizadas ou em desacordo com a programação de entrega devem ser recusadas,
transcrevendo-se os motivos no verso da Nota Fiscal. Outro documento que serve para as operações
de análise de avarias e conferência de volumes é o "Conhecimento de Transporte Rodoviário de
Carga", que é emitido quando do recebimento da mercadoria a ser transportada. As divergências e
irregularidades insanáveis constatadas em relação às condições de contrato devem motivar a recusa
do recebimento, anotando-se no verso da 1a via da Nota Fiscal as circunstâncias que motivaram a
recusa, bem como nos documentos do transportador. O exame para constatação das avarias é feito
através da análise da disposição das cargas, da observação das embalagens, quanto a evidências de
quebras, umidade e amassados.
Os materiais que passaram por essa primeira etapa devem ser encaminhados ao Almoxarifado. Para
efeito de descarga do material no Almoxarifado, a recepção é voltada para a conferência de
volumes, confrontando-se a Nota Fiscal com os respectivos registros e controles de compra. Para a
descarga do veículo transportador é necessária a utilização de equipamentos especiais, quais sejam :
paleteiras, talhas, empilhadeiras e pontes rolantes.
O cadastramento dos dados necessários ao registro do recebimento do material compreende a
atualização dos seguintes sistemas : Sistema de Administração de Materiais e gestão de estoques:
dados necessários à entrada dos materiais em estoque, visando ao seu controle; Sistema de Contas a
pagar : dados referentes à liberação de pendências com fornecedores, dados necessários à
atualização da posição de fornecedores; Sistema de Compras : dados necessários à atualização de
saldos e baixa dos processos de compras;
2a fase - Conferência Quantitativa; É a atividade que verifica se a quantidade declarada pelo
fornecedor na Nota Fiscal corresponde efetivamente à recebida. A conferência por acusação
também conhecida como " contagem cega " é aquela no qual o conferente aponta a quantidade
recebida, desconhecendo a quantidade faturada pelo fornecedor. A confrontação do recebido versus
faturado é efetuada a posteriori por meio do Regularizador que analisa as distorções e providencia a
recontagem.
Dependendo da natureza dos materiais envolvidos, estes podem ser contados utilizando os seguintes
métodos : Manual : para o caso de pequenas quantidades; Por meio de cálculos : para o caso que
envolvem embalagens padronizadas com grandes quantidades; Por meio de balanças contadoras
pesadoras: para casos que envolvem grande quantidade de pequenas peças como parafusos , porcas,
arruelas; Pesagem : para materiais de maior peso ou volume, a pesagem pode ser feita através de
balanças rodoviárias ou ferroviárias; Medição : em geral as medições são feitas por meio de trenas;
CONFERÊNCIA QUALITATIVA Visa garantir a adequação do material ao fim que se destina. A
análise de qualidade efetuada pela inspeção técnica, por meio da confrontação das condições
contratadas na Autorização de Fornecimento com as consignadas na Nota Fiscal pelo Fornecedor,
visa garantir o recebimento adequado do material contratado pelo exame dos seguintes itens:
a)Características dimensionais;
b)Características específicas;
c)Restrições de especificação;
MODALIDADES DE INSPEÇÃO DE MATERIAIS São selecionadas a depender do tipo de
material que se está adquirindo, quais sejam :
1.Acompanhamento durante a fabricação : torna-se conveniente acompanhar in loco todas as fases
de produção, por questão de segurança operacional;
2.Inspeção do produto acabado no fornecedor : por interesse do comprador, a inspeção do P. A. será
feita em cada fornecedor;
3.Inspeção por ocasião do fornecimento : a inspeção será feita pôr ocasião dos respectivos
recebimentos.

DOCUMENTOS UTILIZADOS NO PROCESSO DE INSPEÇÃO :
a)especificação de compra do material e alternativas aprovadas;
b)desenhos e catálogos técnicos;
c)padrão de inspeção, instrumento que norteia os parâmetros que o inspetor deve seguir para
auxiliá-lo a decidir pela recusa ou aceitação do material.

SELEÇÃO DO TIPO DE INSPEÇÃO A depender da quantidade, a inspeção pode ser total ou por
amostragem, utilizando-se de conceitos estatísticos. A análise visual tem por finalidade verificar o
acabamento do material, possíveis defeitos, danos à pintura, amassamentos. A análise dimensional
tem por objetivo verificar as dimensões dos materiais, tais como largura, comprimento, altura,
espessura, diâmetros. Os ensaios específicos para materiais mecânicos e elétricos comprovam a
qualidade, a resistência mecânica, o balanceamento e o desempenho de materiais e/ou
equipamentos. Testes não destrutivos de ultra-som, radiografia, líquido penetrante, dureza,
rugosidade, hidráulicos, pneumáticos também podem ser realizados a depender do tipo de material.
REGULARIZAÇÃO Caracteriza-se pelo controle do processo de recebimento, pela confirmação da
conferência qualitativa e quantitativa, respectivamente por meio do laudo de inspeção técnica e pela
confrontação das quantidades conferidas versus faturadas. O processo de Regularização poderá dar
origem a uma das seguintes situações :
a)liberação de pagamento ao fornecedor ( material recebido sem ressalvas);
b)liberação parcial de pagamento ao fornecedor;
c)devolução de material ao fornecedor;
d)reclamação de falta ao fornecedor; e)entrada do material no estoque;

Documentos envolvidos na Regularização : Os procedimentos de Regularização, visando à
confrontação dos dados, objetivando recontagem e aceite ou não de quantidades remetidas em
excesso pelo fornecedor, envolvem os seguintes documentos :
1.nota Fiscal;
2.conhecimento de transporte rodoviário de carga;
3.documento de contagem efetuada;
4.relatório técnico da inspeção inspeção;
5.especificação de compra; 6.catálogos técnicos; 7.desenhos; Devolução ao Fornecedor O material
em excesso ou com defeito será devolvido ao Fornecedor, dentro de um prazo de 10 dias a contar da
data do recebimento, acompanhado da Nota Fiscal de Devolução, emitida pela empresa
compradora.

INTERFACES DO SISTEMA DE RECEBIMENTO DE MATERIAIS
ARMAZENAGEM
A correta utilização do espaço disponível demanda estudo exaustivo das cargas a armazenar, dos
níveis de armazenamento, das estruturas para armazenagem e dos meios mecânicos a utilizar.
Indica-se a real ocupação do espaço por meio do indicador " taxa de ocupação volumétrica", que
leva em consideração o espaço disponível versus o espaço ocupado. Para entendermos plenamente a
utilização do espaço vertical, há que se analisar a utilidade de paletes para a movimentação,
manuseio e armazenagem de materiais. A paletização vem sendo utilizada em empresas que
demandam manipulação rápida e armazenagem racional, envolvendo grandes quantidades. A
paletização tem como objetivo realizar, de uma só vez, a movimentação de um número maior de
unidades. Ao pallet é atribuído o aumento da capacidade de estocagem, economia de mão-de-obra,
tempo e redução de custos. O emprego de empilhadeiras e pallets já proporcionou a muitas
empresas economia de até 80 % do capital despendido com o sistema de transporte interno.
Inicialmente os pallets eram empregados na manipulação interna de armazéns e depósitos e hoje
acompanham a carga, da linha de produção à estocagem, embarque e distribuição. Em razão da
padronização das medidas do pallet pelos países como Estados Unidos e Inglaterra, eles passaram a
ser utilizados através dos continentes em caminhões, vagões ferroviários e embarcações marítimas.
E o que é um palete ? Trata-se de uma plataforma disposta horizontalmente para carregamento,
constituída de vigas, blocos ou uma simples face sobre os apoios, cuja altura é compatível com a
introdução dos garfos da emplilhadeira, e que permite o agrupamento de materiais, possibilitando o
manuseio, a estocagem, a movimentação e o transporte num único carregamento.
Os pallets são plataformas, nas quais as mercadorias são empilhadas, servindo para unitizar, ou seja,
transformar a carga numa única unidade de movimentação.
Os materiais sujeitos à armazenagem não obedecem regras taxativas que regulem o modo como os
materiais devem ser dispostos no Almoxarifado. Por essa razão, deve-se analisar, em conjunto, os
parâmetros citados anteriormente, para depois decidir pelo tipo de arranjo físico mais conveniente,
selecionando a alternativa que melhor atenda ao fluxo de materiais:
1.armazenagem por tamanho : esse critério permite bom aproveitamento do espaço;
2.armazenamento por freqüência : esse critério implica armazenar próximo da saída do
almoxarifado os materiais que tenham maior freqüência de movimento;
3.armazenagem especial, onde destacam-se :
a)os ambientes climatizados;
b)os produtos inflamáveis, que são armazenados sob rígidas normas de segurança; c)os produtos
perecíveis ( método FIFO)
4.Armazenagem em área externa : devido à sua natureza, muitos materiais podem ser armazenados
em áreas externas, o que diminui os custos e amplia o espaço interno para materiais que necessitam
de proteção em área coberta. Podem ser colocados nos pátios externos os materiais a granel,
tambores e “containers” , peças fundidas e chapas metálicas.
5.Coberturas alternativas : não sendo possível a expansão do almoxarifado, a solução é a utilização
de galpões plásticos, que dispensam fundações, permitindo a armazenagem a um menor custo.
Independentemente do critério ou método de armazenamento adotado é oportuno observar as
indicações contidas nas embalagens em geral,

03.04 Sistema de avaliação dos estoques (Peps, Ueps e MMP)

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES (PEPS, UEPS E MMP)

Um método de determinação de custos reais é a identificação específica de materiais em estoque
com os preços efetivamente pagos por eles. Estes custos constam na Nota Fiscal ou na fatura do
fornecedor, ou qualquer registro de custo. A determinação do custo correto de bens é um problema
complexo. A menos que todos tenham sido adquiridos sob contrato de longa duração a preço fixo,
os preços de mercado estão sujeitos a flutuações constantes e, em vista disso, cada fatura recebida
pode ter um preço mais alto ou mais baixo (quase sempre mais alto) por unidade de material que a
precede.

Como a empresa compra várias unidades em períodos diferentes com diferentes valores, e nem
sempre consome na mesma proporção, elas acabam misturando-se no almoxarifado. Para atribuir
custo as unidades consumidas, são usadas os critérios do sistema de Inventários-Periódico ou
Permanente.

Periódico - quando não existe o controle de estoque. O consumo será determinado através da
contagem física dos materiais, assim o consumo de materiais é determinado através da fórmula:
Consumo =Inventario Inicial + Compras do Período – Inventario Final.

Permanente – quando existe um controle continuo dos materiais por meio de fichas de estoques. O
consumo e os custos são calculados a qualquer momento pela contabilidade. A contagem física é
feita freqüentemente pelos controles internos da Contabilidade de Custos e conferida pela Auditoria
Interna. Para que possamos calcular os valores de materiais em estoque e seus custos e consumo,
são usados três sistemas básicos de avaliação.
 Para isto usamos Métodos de Avaliação de Estoque;

FIFO ou PEPS – “first-in, first-out” (primeiro a entrar, primeiro a sair);
M.M.P. – “media móvel ponderada”.
LIFO ou UEPS– “last-in, first-out” (último a entrar, primeiro a sair).

MÉTODO “FIFO OU PEPS“
       Nesse sistema, as saídas do estoque obedecem ao critério de que as primeiras unidades a sair
receberão o custo correspondente às primeiras entradas no estoque e assim sucessivamente.

Método da Média Móvel Ponderada – M.M.P.
É o critério mais utilizado no Brasil para avaliação dos estoques. Assim chamado de média
ponderada, como controle constante de seus estoques e por atualizar os seus custos após cada
aquisição. A média ponderada é calculada pela divisão do saldo em valor (R$) pelo saldo em
quantidades.

 Método “LIFO ou UEPS”
Também é conhecido como método do “custo de substituição” e baseia-se na argumentação que os
lotes são consumidos na ordem inversa ao recebimento, isto é, o último é consumido primeiro, em
seguida o penúltimo, posteriormente o antepenúltimo e assim por diante.
Na realidade esta prática não é inteiramente observada, isto é não há a distinção do lotes de
conformidade com a sua idade (tempo em estoque), mas sim, uma distinção nos registros contábeis
para fins de avaliação.

03.05 Fluxo contábil
FLUXO CONTÁBIL

Há dois problemas principais em contabilidade de custos com relação a materiais;
como deve ser contabilizado seu custo de aquisição;
como devem ser avaliadas as saídas de materiais para produção

O custo de aquisição compreende todos os gastos efetivamente incorridos para colocação da
matéria-prima em condições de uso, ou seja:
a) o valor de aquisição de matérias; neste valor devem ser incluídos todos os impostos incidentes
sobre as compras e excluídos os recuperáveis.
b)as despesas/custos com fretes seguros, se cobrados em separados do valor de materiais e arcadas
pelo comprador.

Devem ser deduzidos do custo de aquisição, os descontos incondicionais obtidos a abatimentos
sobre compras concedidos pelos fornecedores e as devoluções de compras (liquidas dos impostos
recuperáveis).
as despesas financeiras com aquisição de materiais (matéria-prima, embalagens e outros) e os
descontos financeiros eventualmente obtidos neste tipo de operação nunca são considerados como
custos ou deduções de custos e sim como despesas financeiras e receitas financeiras
(contabilizadas diretamente no demonstrativo de resultado).
o custo de armazenagem dos materiais e os valores gastos com departamento de compras,
almoxarifado e outros deveriam ser apropriados como custos de materiais, mas geralmente na
prática são tratados como Custos Indiretos de Fabricação.

COMPOSIÇÃO DO CUSTO DE MATERIAL
Conforme Eliseu Martins, a regra é “Todos os gastos incorridos para a colocação do ativo em
condições de uso (equipamentos, matérias-primas, ferramentas etc.) ou em condições de venda
(mercadorias etc.) incorporam o valor desse mesmo ativo.”.
Assim, o valor de um material pode ser obtido mediante a aplicação da seguinte seqüência de
cálculo:

  Valor total da Nota Fiscal
(-)     IPI (se houver recuperação)
(-)     ICMs (se houver recuperação)
(+)     Frete (se houver)
(+)     Seguro (se houver)
(+)     Armazenagem e outros gastos (?)
(=)     Valor do material de entrada no estoque
               * Nota
a) se forem materiais integrantes da política de estoques da empresa, esse resultado será ativado
para posterior consumo.
b) se o material for adquirido para aplicação especifica em um produto, será este o valor de
material a ser apropriado ao produto.

LANÇAMENTOS CONTÁBEIS
Compras   Debita – Estoque de Matéria-prima
          Debita – Impostos a Recuperar (IPI e ICMs.)
          Credita – Fornecedores / Caixa
          Credita – Fretes a pagar

Saída -           Debita – Custos da Matéria-prima (Produtos em Processo)
                  Credita – Estoque de Matéria-prima.
UNIDADE 04

CUSTO DE MÃO DE OBRA

04.01 Conceito da Mão de Obra

O conceito de custo de mão-de-obra e os elementos componentes desse custo são os mais diversos
possíveis.

O custo de mão-de-obra se traduz na soma dos seguintes itens:
- Taxa básica estabelecida em negociação individual ou coletiva (horária, diária etc);
- Ajuda de custo;
- Bônus de incentivo (abonos);
- Gratificação por mérito;

04.02 Classificação

2. Classificação

Identificam-se quatro fases da Administração de Pessoal ou da Mão-de-obra, a saber:

1) Fase da Procura
Nesta fase, a tarefa a ser executada é contratar gente para preencher as vagas atuais e futuras. Para
que isto ocorra e necessário verificar:
• os requisitos dos cargos a preencher
• que espécie e quanto de pessoal devem ser procurados
• em que fonte se deve procurar
• os procedimentos que devem ser usados para fazer a triagem dos candidatos
• o uso de instrumentos como entrevistas e testes
• o lugar das transferências e promoção na função de procura
Etc.
2) Fase de Desenvolvimento
Esta é a fase de Treinamento e Educação de Pessoal. Assim as aptidões, perícias e capacidades dos
empregados na execução dos trabalhos específicos devem ser aumentados através do processo de
Treinamento. Por outro lado, a melhoria do conhecimento, compreensão ou atitude dos empregados
com relação a seu ambiente de trabalho, de modo que fiquem mais bem ajustados, é realizada com a
Educação.
3) Fase de Manutenção
Nesta fase identificam-se os seguintes itens para manter a mão-de-obra:
• Remuneração
• Benefícios extras. São exemplos os programas de seguros, direitos de pensão, férias e
licença remunerada por motivo de doença, e indenizações por demissão.
• Outros benefícios e participação dos empregados, como por exemplo os programas
recreativos, sociais e esportivos, programas de participação através de publicações da empresa,
serviços de conveniência, como instalações de restaurantes, lojas de empresas, cooperativas de
crédito etc.
• Segurança Física, ou seja, a sensação que cerca o trabalhador, sendo particularmente
importantes as condições de trabalho.
4) Fase da utilização
Nesta fase procura-se criar maior cooperação, reduzir conflitos e proporcionar adaptação a
mudanças, ou seja, procura-se a utilização de uma força de trabalho eficaz.
A pesquisa de pessoal e sua avaliação são os instrumentos de que a administração se utiliza para
atingir este objetivo.

Os custos de mão-de-obra são classificados sob os seguintes enfoques:
a) Quanto à função orgânica principal:
- produção
- vendas
- administração geral
b) Quanto à atividade departamental
- solda
- cozinha
- compras
- etc.
c) Quanto ao tipo de trabalho
- supervisão
- mão-de-obra direta
- manuseio de materiais
- etc.
d) Quanto a relação com os produtos elaborados
- direta
- indireta

“Quando o tempo de trabalho do operário pode ser identificado com o produto, lote de produtos,
processo fabril ou centro de custos, o salário correspondente é considerado como mão-de obra
direta. Para efeitos práticos, então, considera-se como mão-de-obra direta, ou simplesmente MCD,
o salário do operário cuja ocupação estiver diretamente relacionada ao produto que está sendo
fabricado. Os demais operários (. . .) embora imprescindíveis à tarefa de produzir, não se encontram
diretamente identificados com um determinado produto ou centro de custos. Nesse caso, serão
considerados como mãode-obra indireta (MOI)”.

No entender de Eliseu Martins , a mão-de-obra direta é definida como “aquela relativa ao pessoal
que trabalha diretamente sobre o produto em elaboração, sendo possível a averiguação de qual o
tempo despendido e de quem executou o trabalho, sem necessidade de qualquer apropriação indireta
ou rateio”

No que tange à mão-de-obra indireta, Eliseu Martins comenta que esta só é apropriada por meio de
fatores de rateio, com alto grau de arbitrariedade, e que pode, com menor grau de erro e
arbitrariedade, ser alocada ao produto.
Outra classificação possível dos custos de mão-de-obra é quanto à sua variabilidade em relação à
produção.

“a mão-de-obra direta e teoricamente considerada como um custo variável. Todavia, isso somente
se verifica quando os operários recebem por unidade produzida. Uma vez que a força de trabalho é
difícil de ser reduzida ou aumentada como decorrência de reduções ou aumentos ligeiros na
produção, o custo de mão-de-obra direta permanece sempre o mesmo, salvo quando houver
alterações drásticas ou prolongadas no ritmo de funcionamento da atividade fabril. Mesmo assim, o
custo será considerado fixo, embora variando por degraus”.

Porém, segundo Eliseu Martins, “Mão-de-obra Direta não se confunde com o total pago a produção,
mesmo aos operários diretos. Só se caracteriza como tal a utilizada diretamente sobre o produto.
Portanto, a Mão-de-obra Direta varia com a produção, enquanto a Folha relativa ao pessoal da
própria produção é fixa”.

Eliseu Martins acrescenta porém: “Uma exceção pode existir, entretanto, e podemos ter Mão-de-
obra Direta Fixa. Tal ocorre quando existe um equipamento que tem o seu volume de produção
ditado por regulagem. Aumenta ou diminui o volume da produção, mas continua o mesmo número
de homens diretos trabalhando, pelo menos dentro de certos limites. Neste caso , assume a Mão-de-
obra Direta o comportamento de custo fixo”.
Do exposto concluímos que os custos de mão-de-obra podem ser classificados sob os seguintes
aspectos:
• quanto ao ciclo de vida
• quanto à relação com os produtos elaborados
• quanto à variabilidade em relação à produção
Quanto ao Ciclo de Vida
a) Gastos para atrair (contratar) mão-de-obra
• Recrutamento
• Entrevistas de admissão
• Procedimentos de teste e seleção
• Exames médicos admissionais
• Contratação
• Etc.
b) Gastos para adaptar a mão-de-obra
• Integração
• Aprendizagem e Treinamento
• Etc.
c) Gastos para reter (manter) mão-de-obra
• Remuneração Básica
• Remuneração Suplementar
• Gastos com bem-estar dos empregados (remuneração indireta)
• Gastos com Desenvolvimento
Contribuições Sociais
• Etc.
d) Gastos para desligar (demitir) mão-de-obra
• Entrevista de desligamento
• Aviso-prévio
• Indenizações
• Cálculo/Pagamento/Homologação da rescisão
• Etc.

04.03 Composição da Mão de Obra (salários, encargos e outros)

Acreditamos que o conceito de “custo de mão-de-obra” compreende todos os gastos relacionados ao
“ciclo de vida da mão-de-obra”:
ADMISSÃO---------------> MANUTENÇAO----------------> DESLIGAMENTO

Seus elementos componentes são:

Gastos com admissão;
- Gastos com aprendizagem, treinamento, desenvolvimento e formação profissional.
- Remuneração indireta (benefícios adicionais);
- Contribuições sociais;
- Gastos com desligamento.

Custo de Mão-De-Obra e Encargos Sociais
- Pagamentos por horas extras;
• Feriados pagos
• Pensões por aposentadoria
• Pagamento de faltas por doença
• Participação nos lucros
• Participação societária
• Serviços subsidiados em restaurantes, recreação etc.
- Seguro contra acidentes do trabalho;
- Contribuições sociais sobre salários.

Também se acrescenta ao custo da mãode-obra alguns gastos, a saber:
- Creches;
- Transporte;
- Assistência médica, hospitalar e dentária;
- Escola;
- Formação profissional.

Definição de custo de mão-de-obra como sendo o custo de manter um empregado no trabalho por
uma hora ou dia. Se amplia ainda mais os elementos do custo da mão-de-obra, acrescentando:
- Bônus por não acidente;
- Férias;
- Pagamento por serviço em júri;
- Gastos com treinamento;
- Gastos com desligamento na demissão;
- Compensação para desempenho;
- Benefícios aos idosos;
- Seguro de vida;
- Seguro-saúde;
- Etc.

04.04 Sistema de controle dos custos de mão de obra

Remuneração Básica
É todo e qualquer pagamento efetuado aos empregados em retribuição aos serviços prestados, por
força de lei, negociação individual ou coletiva, ou ainda por liberdade do empregador. Compõe-se
de três
parcelas:
-Remuneração do tempo a disposição do empregador;
-Remuneração complementar
-Ausências remuneradas
a) Remuneração do tempo á disposição do empregador
É todo pagamento e efetuado aos empregados em retribuição aos serviços efetivamente prestados
ou ao
período em que o empregado
permaneceu à disposição do empregador. Pode ser estipulada:
1) Com base no tempo
• Hora
• Dia
• Semana
• Quinzena
• Mês
• Etc.
2) Com base na produção efetiva ou na tarefa executada:
• Peças produzidas
• Metros fabricados
• Unidades vendidas
• Aulas ministradas
• Valores de vendas
• Etc.
3) Mista.
É aquela baseada parte no tempo, parte na produção.
b) Remuneração Complementar
Custo de Mão-De-Obra e Encargos Sociais
É todo e qualquer pagamento efetuado aos empregados, porém não em contraprestação a serviços
prestados, e sim por força da lei, negociação individual ou coletiva, ou por liberdade do
empregador, como complementação da remuneração do tempo a disposição do empregador.
Pertencem a este grupo:
1) Prêmios:
• Assiduidade
• Pontualidade
• Produção e produtividade
• Por não ocorrência de acidentes
• Etc.
2) Adicionais
• Horas extras
• Noturno
• Periculosidade
• Insalubridade
• Por tempo de serviço: anuênios, qüinqüênios, etc.
• Etc.
3) Ajuda de custo
4) Diárias para viagens
5) Outras Gratificações
6) Bonificações de turno (penosidade)
7) Etc.
c) Ausências Remuneradas
São obrigações devidas pelos empregadores relativamente a períodos em que os empregados não
tenham permanecido à sua disposição. São as seguintes:
1) Repouso semanal remunerado
2) Feriados
3) Ausências por motivos pessoais
4) Ausências por motivos cívicos: para votar, para satisfazer às exigências do serviço militar etc.
5) Auxilio-doença (15 primeiros dias)
6) Auxilio-acidente (15 primeiros dias)
7) Etc.
Remuneração Suplementar
É todo e qualquer pagamento efetuado aos empregados, porém não em contraprestação a serviços
prestados, e sim por força de lei, negociação individual ou coletiva, ou por liberdade do
empregador, como
ampliação da remuneração básica. Exemplos:
- Décimo-terceiro salário
- Férias
- Adicional constitucional de férias
- Etc.
Custo de Mão-De-Obra e Encargos Sociais

Remuneração Indireta (benefícios adicionais)
São gastos efetuados pelas entidades, seja por força da lei, de negociação individual ou coletiva, ou
ainda por liberdade do empregador, com o objetivo de constituir fundos ou custear necessidades
vitais ou atividades sociais para os empregados e seus dependentes. São os seguintes, entre outros:
Cessão de uso de automóvel
Serviços médicos, cirúrgicos, hospitalares e odontológicos
Serviços de alimentação: refeições gratuitas ou subsidiadas
Creches
Seguro de vida
Seguro-saúde
Auxilio –desemprego
Auxílio-velhice
Serviço no júri e depoimento em juízo
Planos de aposentadoria complementar
Transporte gratuito ou subsidiado
Cesta básica
Serviços sociais e recreacionais
Educação (pré-escola, lº e 2º graus etc.) gratuita ou subsidiada.
Empréstimos subsidiados
Viagens
Complementação de auxílio-doença e de auxilio-acidente
Etc.
Contribuições Sociais
São ônus impostos pelo governo ás entidades em geral, com base nas suas folhas de salários, com o
objetivo de constituir fundos destinados ao financiamento de atividades sociais estatais ou
paraestatais.
Exemplos:
- Contribuições à Previdência Social
- Depósitos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço
- Seguro contra acidentes de trabalho
- Programa de Integração Social - PIS sobre a folha de salários
- Etc.
Com base nesses elementos, podemos definir custo de mão-de-obra como sendo:
O sacrifício de ativos da entidade para contratar, treinar, manter, remunerar e desligar a
contribuição humana ao processo de produção de bens e serviços.
Em outras palavras, entendemos que o custo de mão-de-obra compreende todos os gastos
realizados, direta ou indiretamente, a titulo de remuneração por contribuições fornecidas pelos
empregados

Entendemos que as contribuições sociais que têm como fato gerador outros eventos que não a folha
de salários (PIS sobre faturamento, FINSOCIAL, Contribuição Social sobre o Lucro etc) não fazem
parte do custo da mão-de-obra, por não estarem diretamente relacionados à força de trabalho.

Custo de Mão-De-Obra e Encargos Sociais entidade ao processo de produção de bens e serviços,
incluindo todos os tributos dela decorrentes, bem como os benefícios adicionais a eles concedidos e
ainda todos os gastos necessários para atrair, contratar, manter e desligar os empregados.

04.05 Fluxo contábil
UNIDADE 05 - Trabalho em Grupo
CUSTO DE CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO

05.01 Conceito dos Custos Indiretos de Fabricação

05.02 Classificação e os Componentes dos Custos Indiretos

05.03 Processo de distribuição dos Custos Indiretos por centro / departamento e por produtos
(rateios)

05.04 Controle dos Custos Indiretos de Fabricação

05.05 Tratamento das Despesas Operacionais no processo de produção

05.06 Tratamento contábil dos custos indiretos e despesas operacionais

UNIDADE 06
SISTEMA DE CUSTOS E DE CUSTEAMENTOS

06.01 Conceito e Tipos de Sistemas - por Processo e Ordem de Produção

06.02 Sistema de Custeamento - Conceitos e tipos (Absorção, Direto e ABC)

Custeio Direto (ou Variável): É um método de custeio usado para alocação apenas dos custos
variáveis ao produto. Segundo Leoni "o sistema de custeio variável ou direto é um método que
considera apenas os custos variáveis de apropriação direta como custo do produto ou serviço".
Segundo Lopes de Sá (1990, p. 108) diz que o custeio variável é "o processo de apuração de custo
que exclui os custos fixos". Segundo Meglioni "enquanto no custeio por absorção eles são rateados
aos produtos, no custeio variável, são tratados como custos do período, indo diretamente para o
resultado igualmente as despesas". A diminuição da necessidade de rateio deve-se ao fato de que no
sistema de custeio variável, são alocados aos produtos e/ou serviços, somente os custos variáveis e,
como na maioria dos casos, os custos variáveis também são diretos, não alocando os rateios dos
custos indiretos. Ele é usado para eliminar qualquer distorção na apuração dos custos oriundos de
problemas com rateios pois os custos fixos são tratados como despesas.

Custeio por absorção (ou integral): O sistema de custeio por absorção é o sistema que apura o valor
dos custos dos bens ou serviços, tomando como base todos os custos da produção incluindo os
custos diretos, indiretos, fixos e variáveis. Segundo Meglioni, "o custeio por absorção é o método
que consiste em atribuir aos produtos fabricados todos os custos de produção, quer de forma direta
ou indireta. Assim todos os custos, sejam eles fixos ou variáveis, são absorvidos pelos produtos."

Custo-padrão: são custos predeterminados, porém, diferentemente dos custos estimados, são
calculados com base em parâmetros operacionais, e utilizados em operações repetitivas de
produção, onde não compensaria calcular o custo individual de cada repetição.

 Sistema de Custo Padrão
O termo padrão possui inúmeros significados e várias implicações. Todos os custos padrões são
oriundos de uma pré determinação, porém nem todos os custos pré orçados podem ser classificados
como tal. Os custos padrões são estabelecidos segundo estudos de engenharia e são cuidadosamente
apurados, levando-se em conta o presente e o passado. Para determinação dos custos padrões, há
necessidade de seguir alguns critérios:
- Seleção minuciosa do material utilizado na produção;
- Estudos de tempo e desempenho das operações produtivas;
- Estudos de engenharia sobre equipamentos e operações fabris.
Custos históricos obtidos através de gastos médios ou que não levem em conta uma base científica
do método de produção, não podem ser classificados como custos estimados. O custo padrão
sintetiza em seu valor o custo para se produzir um bem ou serviço. A seguir são colocadas algumas
definições que servirão para um melhor entendimento do assunto.
- Padrão: Medida de quantidade, peso, valor e qualidade, estabelecida por uma autoridade.
- Custo padrão: Valor do material, mão de obra ou gastos gerais de fabricação cuidadosamente
apurados, necessários a elaboração de um produto ou serviço.
- Método do custo padrão: No ramo contábil, compara os custos atuais com o custo padrão,
testando as justificativas possíveis para as variações ocorridas.
Dentre as vantagens deste sistema, considerou-se apenas as mais importantes:
- Controle e redução de custos;
- Promover e medir a eficiência do sistema produtivo;
- Simplificação dos processos de custo;
- Avaliação dos inventários.

Esta área científica é muito polêmica, por não se tratar, em geral de discussões e controvérsias sobre
critérios empíricos e não científicos, tendo assim uma elevada margem de contestação. Os
problemas econômicos se assemelham mais a medicina, onde paralelamente ao empirismo
consciente e experiente, são utilizadas técnicas científicas.

Custeio ABC: A alocação dos custos indiretos são baseadas nas atividades relacionadas.

Sistema de Custeio Baseado em Atividades (ABC)
ABC é um sistema de custos que visa quantificar as atividades realizadas por uma empresa,
utilizando vetores (direcionadores), para alocar as despesas de uma forma mais realista aos produtos
e serviços. O princípio básico do ABC é que as atividades são as causas dos custos, e os produtos
incorrem nestes mesmos custos através das atividades que eles exigem. O ABC, na prática, leva a
um rastreamento de dados que habitualmente não são considerados nos sistemas de custeio
tradicionais, por extensão, ele ajuda a redimensionar a mentalidade gerencial das empresas onde é
aplicado. Este método de custeio visa basicamente detectar os custos "ocultos" existentes para
produzir bens e serviços, porém auxilia no descobrimento de custos reais dos produtos e processos,
na análise mais precisa dos custos de administração e na aferição de propostas mais competitivas
em relação aos concorrentes.
Os sistemas convencionais de gerenciamento de custeio não permitem análises mais consistentes
quanto a problemas graves das empresas como retrabalhos de produtos defeituosos ou gargalos de
produção. Medir passo a passo o processo produtivo permite a gerentes e supervisores a
quantificação econômica de atrasos e ineficiências do processo produtivo.

GECON: GECON ou modelo Gestão Econômica é um modelo de mensuração de custos baseado
em gestão por resultados econômicos. Também conhecido por Grid Economics and Business
Models Work.

Custo-meta: O custo-meta, também conhecido como Target Costing, é uma estratégia de gestão de
custos que, a partir do preço de mercado e de uma margem de lucro desejada, estabelece um teto de
custo para os produtos ou serviços.


06.03 Sistema de Custo Por Processo

06.03.01 Forma de apropriação dos custos

Sistema de Custo por Processo

O sistema de custeio por processo, adapta-se a empresas que possuam um sistema de produção
contínua, com processos consecutivos para produção de produtos padronizados. Pode-se citar como
exemplos, as empresas do ramo de eletrodomésticos, produtos químicos, hospitais, etc.
Este processo difere muito do Sistema de Custo Por Ordem de Produção no que tange a acumulação
de custos. No Sistema de Custo Por Ordem de Produção, os custos são acumulados previamente em
ordens de produção, para posteriormente serem aglutinados em seus departamentos produtivos. No
sistema de custeio por processo, a metodologia é inversa, pois primeiramente chega-se aos custos
por processo ou departamento, para posteriormente distribuí-los aos produtos que passam por estes
processos. Com isto, o cerne deste sistema passa a ser os centros de custo e não o produto elaborado
através de uma ordem de produção.

06.03.02 Tipo de atividade


06.03.03 Caracteristica,vantagens e desvantagens do Sistema

Características do Sistema

A seguir, apresenta-se as características mais relevantes deste sistema de custeio.
- Aplicação: São aplicados em empresas que possuam produção contínua e seriada, com lotes de
produtos padronizados.
- Acumulação: Os custos com material de consumo, mão de obra direta e custos indiretos de
fabricação são acumulados durante o processo produtivo nos departamentos ou centros de custo.
- Custo de produção: Originam-se na acumulação dos custos dos diversos processos produtivos,
através de cinco etapas seqüenciais: fluxo físico (produtivo), unidades equivalentes, fluxo
monetário, custo total dos procedimentos e custo médio unitário. O custo total de cada centro de
custo ou departamento, dividido pela sua respectiva produção, dará o custo médio unitário.
- Transferência de custos: Cada unidade produzida que passa de um processo anterior para um
seguinte ou para o estoque de unidades acabadas, leva consigo uma parcela do custo total dos
processos precedentes.
- Freqüência das apurações: Estas podem ser mensais, bimestrais ou trimestrais, porém
recomenda-se serem o mais freqüentes possíveis, pois proporcionam um perfil atualizado da
estrutura de custos, e permite uma tomada de decisão a nível gerencial mais rápida e segura.
- Custo operacional do sistema: É um sistema de custeio menos burocrático do o que apresentado
anteriormente, devido ao menor número de detalhamentos e registros. Com isto, ganha-se em tempo
e economia de custos.


06.03.04 Fluxo Contábil


06.04 Sistema de Custo Por Ordem de Produção

Sistema de Custeio por Ordem de Produção
Este sistema, é característico de empresas que produzem sob encomenda, sejam estas unitárias ou
em lotes. Podemos citar como exemplos as empresas de construção civil, tipografias, setor
imobiliário, estaleiros e produtoras de filmes.

06.04.01 Forma de apropriação dos custos

Existem duas filosofias que norteiam os sistemas de custeio, que são:

A) Custear a produção por absorção;

O custo por absorção parte do princípio de que os custos e as despesas indiretas fixas são
adicionadas aos estoques e ao custo dos produtos vendidos.

B) Considerar somente os custos diretos.

Por sua vez, os princípios que norteiam a metodologia do custo direto não consideram os custos
indiretos como custos de produção. Estes custos são lançados nas planilhas de produção como
custos inaplicáveis ao processo produtivo, qualquer que seja o volume.

06.04.02 Tipo de atividade

Na verdade as duas filosofias utilizam-se de princípios diferentes para fazer os custos indiretos
chegarem ao produto. Uma agrega-os ao custo de produção, enquanto a outra debita da receita de
vendas estes custos, obviamente apresentando resultados distintos nos balancetes de receitas e
despesas.

06.04.03 Característica, vantagens e desvantagens do Sistema

Os sistemas de custeio podem ser classificados:
 A) Quanto a natureza do processo produtivo
- Ordens específicas de produção: baseia-se na agregação dos custos
específicos de cada produto fabricado.
- Por série de produção : Tipo de produção baseada na fabricação de vários
produtos.
B) Quanto ao tipo de custo escolhido
- Históricos: tem como pressuposto principal a simplificação e contabilização
dos valores tais como ocorreram.
- Pré Determinados: Estes custos são estabelecidos antes de realizar a
produção, através de estudos de engenharia ou valores escolhidos como
amostra de um período.

06.04.04 Fluxo Contábil
Os custos acumulados de matérias-primas, mão-de-obra e custos indiretos de fabricação, são
computados a partir da emissão de uma ordem para produção de lotes de um bem ou serviço.
Os resultados (lucro ou prejuízo) são rapidamente diagnosticados. Para isto, basta subtrair do preço
de venda os custos acumulados naquela ordem, não havendo necessidade de ser feita uma apuração
periódica dos resultados.
Os custos primários que incidem diretamente ao produto poderão ser obtidos logo que a ordem
esteja completamente concluída. Já os custos indiretos, só poderão ser incorporados ao produto
quando terminar o período contábil.

Todo esse processo de detectação e apropriação que caracteriza o sistema requer frequentemente
um grande número de pessoas dedicadas a este fim, fazendo com que os fluxos de informações
sejam inúmeros, principalmente na detectação do custo da mão-de-obra, aumentando
consideravelmente o seu custo operacional.
Neste sistema o formulário de ordem de produção é o centro nevrálgico, tendo como objetivo
principal apresentar e registrar os gastos com material direto, mão de obra direta e uma estimativa
dos custos indiretos relativos a unidade produzida. Devem estar contidas no formulário de ordem de
produção:
- Modelo e características do produto a ser fabricado;
- Data de emissão e término esperado, bem como estimativa dos custos indiretos de fabricação;
- Locais distintos para registrar material direto e mão de obra direta;
- Resumo dos custos.


Outros Sistemas de Custeio

Os sistemas descritos anteriormente são os mais utilizados e comentados, porém existem outros
métodos de apuração de custos que merecem ser citados.

Estes serão apresentados a seguir porém não serão analisados em profundidade, o que poderá ser
feito junto a bibliografia citada, caso haja interesse.
A) Método das percentagens: É o mais antigo que se conhece. Parte da premissa que atribui
percentagens de algumas despesas sobre outras.
Exemplos: 1-Percentual de despesas gerais de fabricação sobre mão-de-obra.
2-Percentual de despesas gerais de fabricação somente sobre
mão-de-obra direta.
B) Método da hora/máquina: Este método parte do princípio "de baixo para cima", não baseado
em elementos contábeis e escriturais a serem distribuídos entre os produtos fabricados. Calcula-se o
custo horário de cada operação produtiva em cada máquina e o tempo necessário para cada produto
fabricado. Somando-se todos os elementos básicos, a medida que os produtos passam pelas
diferentes fases de produção, chega-se ao custo total.
C) Método das equivalências: este método possui origem francesa, e está fundamentado na
quantificação da produção diversificada, porém similar, em uma única unidade homogenizadora e
equivalente que expresse toda a produção como sendo um único produto. Os cálculos levam ao
"coeficiente de equivalência", obtendo uma produção total equivalente.
D) Método da unidade padrão de esforço (UEPs): Este método identifica a empresa como
concebida, com o objetivo básico de transformar matéria-prima e em produto final. Para tanto, as
unidades produtivas realizam um esforço de produção nesta transformação. Este esforço, por sua
vez, está associado a uma série de outros esforços parciais, que são, esforço das máquinas e
equipamentos, esforço material, esforço humano e esforço utilidade.


UNIDADE 07
POLÍTICA E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

07.01 Introdução e Objetivo na formação do Preço de Venda
07.02 Estrutura de Custos versus Preço de Mercado
07.03 Formação do Preço de Venda
07.04 Análise do Preço de Venda e Retorno de Investimento

UNIDADE 08
ANALISE - CUSTOS - VOLUME - LUCRO (PONTO DE EQUILÍBRIO)

08.01 Introdução e Conceito do Ponto de Equilíbrio
08.02 Ponto de Equilíbrio Econômico e Financeiro
08.03 Abordagem Matemática
08.04 Aplicação do Ponto de Equilíbrio no gerenciamento dos custos
08.05 Analise e Viabilidade de Produto através do Ponto de Equilíbrio
08.06 Demonstrativos de Resultado e Analise do Ponto Critico
08.07 Análise e viabilidade de produtos através do Ponto de Equilíbrio



BIBLIOGRAFIA BÁSICA

COGAN, Samuel, - ABC - poderosa estratégica empresarial, São Paulo: Pioneira, 1994
Crepaldi, Silvio Aparecido -Curso Básico de Contabilidade de Custos - Editora Atlas, 1999

BIBLIOGRAFIA DE APOIO

lnstítuto Brasileiro de Contadores Curso sobre Contabilidade de Custos - Editora Atlas - 1992
ludicibus, Sérgio de Analise de Custos - Editora Atlas.1988
Leone,George Sebastião Guerra -Custos com Enfoque Administrativo - 2 volumes - Editora
Fundação Getulio Vargas.-1998
Leone,George Sebastião Guerra Custos - Planejamento, Implantação e Controle - Editora Atlas.-
1996
Leone,George Sebastião Guerra Contabilidade de Custos (Abordagem do Sistema ABC) - 2
volumes - Editora Atlas.-1997
Lima, José Geraldo de Custos (Calculo, Sistemas e Analises) - Editora Atlas.
NAKAGAWA, Masayuku- Custeio Baseado em Atividades, São Paulo: Atlas, 1994
Matz, Adolfo,Othel J. Curry e George W. Frank Contabilidade de Custos - 3 volumes- Editora
Atlas.-1978
Martins, Eliseu Contabilidadede Custos - (Abordagem do Sistema ABC) - Editora Atlas.-1996
Kaplan, Roberto S. e Cooper, Robin Custo e Desempenho - Editora Futura - 1998
Araújo, Carlos Roberto Vieira Matemática Financeira - Editora Atlas.1991
Cordeiro, José Bernardo Filho Estrutura e Analise Demonstrações Contábeis - Editora Record.1989
Guia da Ernst & Youg - Gestão Total dos Custos - Editora Record .1993
Santos, Joel José dos Santos Formação de Preços e Lucro Empresarial - Editora Atlas.1992
Valter, Milton Augusto Demonstrações Financeiras - Enfoque Gerencial-2 volumes - Editora
Saraiva.1981

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
Milton Henrique do Couto Neto
 
Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1
Mayara Maciel
 
Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
Filipe Mello
 
Questoes respondidas custos
Questoes respondidas custosQuestoes respondidas custos
Questoes respondidas custos
simuladocontabil
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
contacontabil
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Daniel Moura
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
Dayane Dias
 
Exercicios contabilidade da dre
Exercicios contabilidade  da dreExercicios contabilidade  da dre
Exercicios contabilidade da dre
capitulocontabil
 
Escrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbilEscrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbil
Jesus Bandeira
 
Exercicios contabilidade estoques inventario
Exercicios contabilidade  estoques inventarioExercicios contabilidade  estoques inventario
Exercicios contabilidade estoques inventario
capitulocontabil
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
Cristiano Rodrigues Barcellos
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Sonia Maria Malheiros Soares
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Wandick Rocha de Aquino
 
Exercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonialExercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonial
capitulocontabil
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Diego Lopes
 
DRE
DREDRE
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornadaAula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Renan Kaltenegger
 
Cap 5 gestão de tesouraria
Cap 5   gestão de tesourariaCap 5   gestão de tesouraria
Cap 5 gestão de tesouraria
FEARP/USP
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
Eliseu Fortolan
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Eliseu Fortolan
 

Mais procurados (20)

Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1
 
Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
 
Questoes respondidas custos
Questoes respondidas custosQuestoes respondidas custos
Questoes respondidas custos
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
 
Exercicios contabilidade da dre
Exercicios contabilidade  da dreExercicios contabilidade  da dre
Exercicios contabilidade da dre
 
Escrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbilEscrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbil
 
Exercicios contabilidade estoques inventario
Exercicios contabilidade  estoques inventarioExercicios contabilidade  estoques inventario
Exercicios contabilidade estoques inventario
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
 
Exercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonialExercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonial
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
DRE
DREDRE
DRE
 
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornadaAula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
 
Cap 5 gestão de tesouraria
Cap 5   gestão de tesourariaCap 5   gestão de tesouraria
Cap 5 gestão de tesouraria
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
 

Destaque

Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
zeramento contabil
 
Classifique os custos
Classifique os custosClassifique os custos
Classifique os custos
zeramento contabil
 
Contabilidade custos gasto, investimento, custo, despesa, perda, desembolso
Contabilidade custos gasto, investimento, custo, despesa, perda, desembolsoContabilidade custos gasto, investimento, custo, despesa, perda, desembolso
Contabilidade custos gasto, investimento, custo, despesa, perda, desembolso
custos contabil
 
Apostila de contabilidade de custos
Apostila de contabilidade de custosApostila de contabilidade de custos
Apostila de contabilidade de custos
simuladocontabil
 
Classifique os custos 01
Classifique os custos 01Classifique os custos 01
Classifique os custos 01
zeramento contabil
 
Contabilidade de custos material prova 01
Contabilidade de custos   material prova 01Contabilidade de custos   material prova 01
Contabilidade de custos material prova 01
simuladocontabil
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
Neli Chastinet
 
A postila contabilidade de custos
A postila contabilidade de custosA postila contabilidade de custos
A postila contabilidade de custos
simuladocontabil
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
Nilo Sampaio
 
Apresentação 1 planilha mágica
Apresentação 1 planilha mágicaApresentação 1 planilha mágica
Apresentação 1 planilha mágica
Patrícia Soares
 
A Arte da Administração do Caixa - A Gestão Integrada da Tesouraria e Fluxo d...
A Arte da Administração do Caixa - A Gestão Integrada da Tesouraria e Fluxo d...A Arte da Administração do Caixa - A Gestão Integrada da Tesouraria e Fluxo d...
A Arte da Administração do Caixa - A Gestão Integrada da Tesouraria e Fluxo d...
gesplan
 
Oficina de Lógica
Oficina de LógicaOficina de Lógica
Oficina de Lógica
Curisnho Popular Comunitário
 
METODOLOGIA I.O.S.S.E. DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA
METODOLOGIA I.O.S.S.E. DE EDUCAÇÃO FINANCEIRAMETODOLOGIA I.O.S.S.E. DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA
METODOLOGIA I.O.S.S.E. DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA
IOSSENIR NUNES SILVA
 
GPA - Gestão de Passivos e Ativos Financeiros
GPA - Gestão de Passivos e Ativos FinanceirosGPA - Gestão de Passivos e Ativos Financeiros
GPA - Gestão de Passivos e Ativos Financeiros
Márcio Gonçalez
 
Planejamento financeiro
Planejamento financeiroPlanejamento financeiro
Planejamento financeiro
Daisy Marschalk
 
Custos conceitos e classificacoes
Custos conceitos e classificacoesCustos conceitos e classificacoes
Custos conceitos e classificacoes
custos contabil
 
Exercício 1 custos
Exercício 1 custosExercício 1 custos
Exercício 1 custos
Priscilla Couto
 
Apostila 07 ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
Apostila 07   ponto de equilíbrio e grau de alavancagemApostila 07   ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
Apostila 07 ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
zeramento contabil
 
Ações em tesouraria
Ações em tesourariaAções em tesouraria
Ações em tesouraria
Ellen Cristina de Matos
 
Unidade 3 custo
Unidade 3 custoUnidade 3 custo
Unidade 3 custo
custos contabil
 

Destaque (20)

Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
 
Classifique os custos
Classifique os custosClassifique os custos
Classifique os custos
 
Contabilidade custos gasto, investimento, custo, despesa, perda, desembolso
Contabilidade custos gasto, investimento, custo, despesa, perda, desembolsoContabilidade custos gasto, investimento, custo, despesa, perda, desembolso
Contabilidade custos gasto, investimento, custo, despesa, perda, desembolso
 
Apostila de contabilidade de custos
Apostila de contabilidade de custosApostila de contabilidade de custos
Apostila de contabilidade de custos
 
Classifique os custos 01
Classifique os custos 01Classifique os custos 01
Classifique os custos 01
 
Contabilidade de custos material prova 01
Contabilidade de custos   material prova 01Contabilidade de custos   material prova 01
Contabilidade de custos material prova 01
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
A postila contabilidade de custos
A postila contabilidade de custosA postila contabilidade de custos
A postila contabilidade de custos
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
 
Apresentação 1 planilha mágica
Apresentação 1 planilha mágicaApresentação 1 planilha mágica
Apresentação 1 planilha mágica
 
A Arte da Administração do Caixa - A Gestão Integrada da Tesouraria e Fluxo d...
A Arte da Administração do Caixa - A Gestão Integrada da Tesouraria e Fluxo d...A Arte da Administração do Caixa - A Gestão Integrada da Tesouraria e Fluxo d...
A Arte da Administração do Caixa - A Gestão Integrada da Tesouraria e Fluxo d...
 
Oficina de Lógica
Oficina de LógicaOficina de Lógica
Oficina de Lógica
 
METODOLOGIA I.O.S.S.E. DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA
METODOLOGIA I.O.S.S.E. DE EDUCAÇÃO FINANCEIRAMETODOLOGIA I.O.S.S.E. DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA
METODOLOGIA I.O.S.S.E. DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA
 
GPA - Gestão de Passivos e Ativos Financeiros
GPA - Gestão de Passivos e Ativos FinanceirosGPA - Gestão de Passivos e Ativos Financeiros
GPA - Gestão de Passivos e Ativos Financeiros
 
Planejamento financeiro
Planejamento financeiroPlanejamento financeiro
Planejamento financeiro
 
Custos conceitos e classificacoes
Custos conceitos e classificacoesCustos conceitos e classificacoes
Custos conceitos e classificacoes
 
Exercício 1 custos
Exercício 1 custosExercício 1 custos
Exercício 1 custos
 
Apostila 07 ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
Apostila 07   ponto de equilíbrio e grau de alavancagemApostila 07   ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
Apostila 07 ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
 
Ações em tesouraria
Ações em tesourariaAções em tesouraria
Ações em tesouraria
 
Unidade 3 custo
Unidade 3 custoUnidade 3 custo
Unidade 3 custo
 

Semelhante a Apostila gestao de custos

Unidade 1 custo
Unidade 1 custoUnidade 1 custo
Unidade 1 custo
custos contabil
 
Custos diretos indiretos
Custos diretos indiretosCustos diretos indiretos
Custos diretos indiretos
simuladocontabil
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Wandick Rocha de Aquino
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
Ana Paula Nascimento
 
departamentalização
 departamentalização departamentalização
departamentalização
Apolinário Holanda
 
Contabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custosContabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custos
custos contabil
 
Apresentação custos
Apresentação custosApresentação custos
Apresentação custos
Rafhael Sena
 
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custos
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custosContabilidade custos introducao a contabilidade de custos
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custos
custos contabil
 
Apostila iii nocoes de custos
Apostila iii   nocoes de custosApostila iii   nocoes de custos
Apostila iii nocoes de custos
zeramento contabil
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
simuladocontabil
 
Custos professor danilo pires
Custos professor danilo piresCustos professor danilo pires
Custos professor danilo pires
Danilo Pires
 
Material+de+custos+aluno
Material+de+custos+alunoMaterial+de+custos+aluno
Material+de+custos+aluno
zeramento contabil
 
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptxContabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
RogerLevidosSantosRo
 
Aula dia 26 03 18
Aula dia 26 03 18Aula dia 26 03 18
Aula dia 26 03 18
Danielle Da Silva Batista
 
Custos na pequena industria
Custos na pequena industriaCustos na pequena industria
Custos na pequena industria
claudio moreno
 
SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptxSLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
JoaraSantos3
 
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.pptGestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
ZanardLuciano
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
Marilene Benites
 
Conceitos e classificacoes de custos
Conceitos e classificacoes de custosConceitos e classificacoes de custos
Conceitos e classificacoes de custos
Universidade Pedagogica
 
3110161 apostila-contabilidade-de-custos
3110161 apostila-contabilidade-de-custos3110161 apostila-contabilidade-de-custos
3110161 apostila-contabilidade-de-custos
jarara
 

Semelhante a Apostila gestao de custos (20)

Unidade 1 custo
Unidade 1 custoUnidade 1 custo
Unidade 1 custo
 
Custos diretos indiretos
Custos diretos indiretosCustos diretos indiretos
Custos diretos indiretos
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
 
departamentalização
 departamentalização departamentalização
departamentalização
 
Contabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custosContabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custos
 
Apresentação custos
Apresentação custosApresentação custos
Apresentação custos
 
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custos
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custosContabilidade custos introducao a contabilidade de custos
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custos
 
Apostila iii nocoes de custos
Apostila iii   nocoes de custosApostila iii   nocoes de custos
Apostila iii nocoes de custos
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
 
Custos professor danilo pires
Custos professor danilo piresCustos professor danilo pires
Custos professor danilo pires
 
Material+de+custos+aluno
Material+de+custos+alunoMaterial+de+custos+aluno
Material+de+custos+aluno
 
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptxContabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
 
Aula dia 26 03 18
Aula dia 26 03 18Aula dia 26 03 18
Aula dia 26 03 18
 
Custos na pequena industria
Custos na pequena industriaCustos na pequena industria
Custos na pequena industria
 
SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptxSLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
 
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.pptGestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
 
Conceitos e classificacoes de custos
Conceitos e classificacoes de custosConceitos e classificacoes de custos
Conceitos e classificacoes de custos
 
3110161 apostila-contabilidade-de-custos
3110161 apostila-contabilidade-de-custos3110161 apostila-contabilidade-de-custos
3110161 apostila-contabilidade-de-custos
 

Mais de custos contabil

Planejamento orç publico
Planejamento orç publicoPlanejamento orç publico
Planejamento orç publico
custos contabil
 
Resumo contabilidade tributaria 05
Resumo contabilidade tributaria 05Resumo contabilidade tributaria 05
Resumo contabilidade tributaria 05
custos contabil
 
Unidade ii contabilidade de custos
Unidade ii   contabilidade de custosUnidade ii   contabilidade de custos
Unidade ii contabilidade de custos
custos contabil
 
Unidade i contabilidade de custos
Unidade i   contabilidade de custosUnidade i   contabilidade de custos
Unidade i contabilidade de custos
custos contabil
 
Custos abc
Custos abcCustos abc
Custos abc
custos contabil
 
Contabilidade custos gestao de custos aula custeio
Contabilidade custos gestao de custos aula custeioContabilidade custos gestao de custos aula custeio
Contabilidade custos gestao de custos aula custeio
custos contabil
 
Unidade iii contabilidade de custos
Unidade iii   contabilidade de custosUnidade iii   contabilidade de custos
Unidade iii contabilidade de custos
custos contabil
 
Unidade iv contabilidade de custos
Unidade iv   contabilidade de custosUnidade iv   contabilidade de custos
Unidade iv contabilidade de custos
custos contabil
 
Custos 01
Custos 01Custos 01
Custos 01
custos contabil
 
Unidade vi contabilidade de custos
Unidade vi   contabilidade de custosUnidade vi   contabilidade de custos
Unidade vi contabilidade de custos
custos contabil
 
Apostila financ i
Apostila financ iApostila financ i
Apostila financ i
custos contabil
 
Unidade vii contabilidade de custos
Unidade vii   contabilidade de custosUnidade vii   contabilidade de custos
Unidade vii contabilidade de custos
custos contabil
 
Unidade v contabilidade de custos
Unidade v   contabilidade de custosUnidade v   contabilidade de custos
Unidade v contabilidade de custos
custos contabil
 
Ee analise investimento
Ee analise investimentoEe analise investimento
Ee analise investimento
custos contabil
 
Livros fiscais eletronicos
Livros fiscais eletronicosLivros fiscais eletronicos
Livros fiscais eletronicos
custos contabil
 
Contabiliando tributos
Contabiliando tributosContabiliando tributos
Contabiliando tributos
custos contabil
 
Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01
custos contabil
 
Unidade 2 custo
Unidade 2 custoUnidade 2 custo
Unidade 2 custo
custos contabil
 
Apostila custos industriais b
Apostila custos industriais bApostila custos industriais b
Apostila custos industriais b
custos contabil
 
Unidade viii demonstracoes contabeis
Unidade viii   demonstracoes contabeisUnidade viii   demonstracoes contabeis
Unidade viii demonstracoes contabeis
custos contabil
 

Mais de custos contabil (20)

Planejamento orç publico
Planejamento orç publicoPlanejamento orç publico
Planejamento orç publico
 
Resumo contabilidade tributaria 05
Resumo contabilidade tributaria 05Resumo contabilidade tributaria 05
Resumo contabilidade tributaria 05
 
Unidade ii contabilidade de custos
Unidade ii   contabilidade de custosUnidade ii   contabilidade de custos
Unidade ii contabilidade de custos
 
Unidade i contabilidade de custos
Unidade i   contabilidade de custosUnidade i   contabilidade de custos
Unidade i contabilidade de custos
 
Custos abc
Custos abcCustos abc
Custos abc
 
Contabilidade custos gestao de custos aula custeio
Contabilidade custos gestao de custos aula custeioContabilidade custos gestao de custos aula custeio
Contabilidade custos gestao de custos aula custeio
 
Unidade iii contabilidade de custos
Unidade iii   contabilidade de custosUnidade iii   contabilidade de custos
Unidade iii contabilidade de custos
 
Unidade iv contabilidade de custos
Unidade iv   contabilidade de custosUnidade iv   contabilidade de custos
Unidade iv contabilidade de custos
 
Custos 01
Custos 01Custos 01
Custos 01
 
Unidade vi contabilidade de custos
Unidade vi   contabilidade de custosUnidade vi   contabilidade de custos
Unidade vi contabilidade de custos
 
Apostila financ i
Apostila financ iApostila financ i
Apostila financ i
 
Unidade vii contabilidade de custos
Unidade vii   contabilidade de custosUnidade vii   contabilidade de custos
Unidade vii contabilidade de custos
 
Unidade v contabilidade de custos
Unidade v   contabilidade de custosUnidade v   contabilidade de custos
Unidade v contabilidade de custos
 
Ee analise investimento
Ee analise investimentoEe analise investimento
Ee analise investimento
 
Livros fiscais eletronicos
Livros fiscais eletronicosLivros fiscais eletronicos
Livros fiscais eletronicos
 
Contabiliando tributos
Contabiliando tributosContabiliando tributos
Contabiliando tributos
 
Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01
 
Unidade 2 custo
Unidade 2 custoUnidade 2 custo
Unidade 2 custo
 
Apostila custos industriais b
Apostila custos industriais bApostila custos industriais b
Apostila custos industriais b
 
Unidade viii demonstracoes contabeis
Unidade viii   demonstracoes contabeisUnidade viii   demonstracoes contabeis
Unidade viii demonstracoes contabeis
 

Apostila gestao de custos

  • 1. GESTÃO DE CUSTOS UNIDADE 01 INTRODUÇÃO ADMINSTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE CUSTOS Observar a MP 449/08 e Lei 11.941/09 Ativo Circulante Ativo Não Circulante – Realizável LP, Investimento, Imobilizado, Intangível Passivo Circulante Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido Não existe mais Ativo Permanente, nem Ativo Diferido 01.01 Conceitos e campo de ação Custos são medidas monetárias dos sacrifícios financeiros com os quais uma organização, uma pessoa ou um governo, têm de arcar a fim de atingir seus objetivos, sendo considerados esses ditos objetivos, a utilização de um produto ou serviço qualquer, utilizados na obtenção de outros bens ou serviços. Custos Conceitos: Afim de se aprofundar no assunto se faz necessário ressaltar alguns conceitos, tais como: - Custo: É o valor de bens e serviços consumidos na produção de outros bens e serviços. São os gastos relacionados aos produtos. - Despesa: É o valor dos bens ou serviços não relacionados diretamente com a produção de outros bens ou serviços consumidos em um determinado período. Valores gastos para obter receita - Gasto: É o valor dos bens ou serviços adquiridos. Pode se converter em custo ou despesas - Desembolso: É o pagamento resultante das aquisições de bens ou serviços. - Perda: É o valor dos bens ou serviços consumidos de forma anormal e involuntária. - Desperdício: É o consumo intencional, e não direcionado à produção de um bem ou serviço. - Investimento: bens e direitos registrados no ativo das empresas.
  • 2. 01.02 Classificação e as fases dos custos Podemos dividir os custos em dois grupos: 1) Custos primários (voluntários). 1.1)”Custo dos Fatores”: pagamento aos fornecedores dos fatores da produção. 1.2)”Custo de Uso”: a) Utilização de bens adquiridos de outros empresários. b) Depreciação do capital fixo (equipamentos). 2) Custos suplementares (involuntários). 2.1)”Custo de Obsolescência”: O equipamento com o passar do tempo perde seu valor, devido ao desgaste natural das máquinas ou á existência de equipamentos mais modernos. Isso diminui o capital, porém é previsto pelo empresário, o que provoca nas indústrias um aumento de custos com equipamentos obsoletos. Com isso há um “desinvestimento”, que é quando a empresa desativa os equipamentos de produção danificados ou ultrapassados. 2.2)”Custo Fortuito” (involuntário): O capital pode ser reduzido por uma série de fatores. Por isso deve-se reconhecer a redução do capital e do patrimônio da empresa. Nossa legislação prevê o acontecimento de tais ocorrências, permitindo a regularização de seus registros contábeis, para que seja retratada a verdadeira situação econômico-financeira da empresa. Custos de Produção Viabilidade financeira: A análise financeira inicia-se pela definição do volume de produção que a empresa pretende fabricar; Depois, calcula-se o investimento físico; definem-se e calculam-se os custos fixos; estimam-se os custos variáveis; projetam-se os custos totais; identificam-se os custos de comercialização e a margem de lucro; calcula-se o preço de venda; apuram-se as receitas e os resultados operacionais; projeta-se o investimento inicial; e, para finalmente, analisar a viabilidade financeira do empreendimento. Tem por objetivos a análise financeira: *Identificar o investimento físico e financeiro; *Estimar o volume de produção; *Definir os custos dos materiais diretos e da mão-de-obra; *Calcular os custos fixos e de produção; *Projetar as receitas operacionais; *Montar a tabela de resultados operacionais; *Conhecer o valor do investimento inicial;
  • 3. Para realizar uma análise é importante *Conhecer o tamanho do mercado consumidor para projetar o volume de produção; *Ter noção clara dos preços, prazos de entrega e de pagamento dos insumos a serem utilizados no processo produtivo, para determinar o custo médio de processamento e comercialização dos produtos; *Concepção clara do negócio para determinar e orçar o montante de investimentos físicos e financeiros; *Fazer o mapeamento do mercado e quais os preços médios dos concorrentes potenciais; Volume de produção e investimento fixo é o ponto de partida do planejamento financeiro é a definição de quanto irá ser produzido, não sendo uma definição aleatória, - depende do mercado que se pretende atingir, - da disponibilidade de matéria-prima - da concorrência, - também avaliando com cuidado a disponibilidade de capital próprio e de terceiros, - calcular, custo de investimento quanto será preciso gastar na montagem da empresa, ou seja, custo das máquinas, equipamentos, ferramentas, veículos, móveis, utensílios, imóveis tudo que compõem o investimento fixo. O que e quanto produzir Para definir o volume de produção é preciso considerar: *A capacidade nominal de produção das máquinas, equipamentos e instalações além dos recursos financeiros; *Disponibilidade de matérias- primas, materiais secundários e embalagens; *Mão-de-obra disponível; Custos diretos estão relacionados com a produção e a venda, Os custos da empresa envolvem materiais diretos, esses materiais são: - as matérias-primas, - materiais secundários, - embalagens, - mão- de- obra direta, - salários e encargos sociais destes ligados diretamente a produção. Mão- de obra direta são os operários que estão diretamente ligados ao volume de produção, já que o administrativo não interfere a produtividade se sua jornada de trabalho for diferente do operário. Custos Fixos Os custos fixos são aqueles que ocorrem independentemente da produção ou das vendas. Os custos fixos anuais da empresa são as despesas de manutenção necessárias para manter o funcionamento da mesma. Sendo denominados também de custos de funcionamento ou custos de estrutura. Geralmente estes custos são compostos pelos salários e encargos sociais do pessoal administrativo, aluguéis, pró-labore dos sócios, materiais de limpeza e profissionais como contadores, advogados etc. Gastos com depreciação, seguro e manutenção e seguros são calculados utilizando-se percentuais definidos em lei que incidem sobre o valor de cada bem. Custos finais de produção (CP) O custo de produção é, portanto, igual a soma dos custos dos materiais diretos como o rateio dos custos fixos e dos custos da mão- de obra. Assim para saber o quanto realmente vai custar produzir basta somar três itens: materiais diretos (MD), mão–de–obra direta (MO) e custo fixo (CF) e dividir o volume de produção (VP), ou seja:CP = (MD+ MO+ CF) /
  • 4. VP Os rateios são calculados proporcionalmente ás quantidades fabricadas de cada produto. O custo anual de produção ocorre da soma do custo dos materiais diretos para o mesmo produto com o rateio do custo de mão-de-obra direta e o rateio do custo fixo. E, finalmente, para calcular o custo unitário de produção, basta dividir o custo anual de produção pela quantidade fabricada de cada produto, assim o custo unitário de produção é obtido pelo custo mensal de produção dividido pela quantidade anual de produção. 01.03 Composição dos custos de produção e dos produtos - mercadoria - serviços vendidos (CPV,CMV e CSV) APURAÇÃO DO CUSTO DAS VENDAS SÓ SE APURA OS CUSTOS DOS PRODUTOS EFETIVAMENTE VENDIDOS 1. CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS – CMV A apuração do custo das mercadorias vendidas está diretamente relacionada aos estoques da empresa, pois representa a baixa efetuada nas contas dos estoques por vendas realizadas no período. O custo das mercadorias vendidas pode ser apurado através da equação: CMV = EI + C - EF Onde: CMV = Custo das Mercadorias Vendidas EI = Estoque Inicial C = Compras EF = Estoque Final (inventário final) Exercícios; 1- Calcular o valor de compras, sabendo-se que o Estoque em x1 é R$ 200.000,00 o Estoque final é R$ 170.000,00 e o custo da mercadoria vendida é de R$ 86.000,00. 2- Calcular o custo de mercadoria vendida, onde o estoque inicial é R$50.000,00, e o estoque final é de R$ 60.000,00 e foi efetuado R$ 30.000,00 de compras. 2. CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS – CPV No caso de produtos (bens produzidos por uma indústria), a fórmula é semelhante ao CMV: CPV = EI + (In + MO + GGF) – EF Onde: CPV = Custo dos Produtos Vendidos EI = Estoque Inicial In = Insumos (matérias primas, materiais de embalagem e outros materiais) aplicados nos produtos vendidos MO = Mão de Obra Direta aplicada nos produtos vendidos GGF = Gastos Gerais de Fabricação (aluguéis, energia, depreciações, mão de obra indireta, etc.) aplicada nos produtos vendidos EF = Estoque Final (inventário final)
  • 5. COMPOSIÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO O § 1º do art. 13 do Decreto-Lei 1.598/77 dispõe que o custo de produção dos bens ou serviços vendidos compreenderá, obrigatoriamente: 1) o custo de aquisição de matérias-primas e quaisquer outros bens ou serviços aplicados ou consumidos na produção, observado o disposto neste artigo; 2) o custo do pessoal aplicado na produção, inclusive de supervisão direta, manutenção e guarda das instalações de produção; 3) os custos de locação, manutenção e reparo e os encargos de depreciação dos bens aplicados na produção; 4) os encargos de amortização diretamente relacionados com a produção; 5) os encargos de exaustão dos recursos naturais utilizados na produção. 3. CUSTO DOS SERVIÇOS VENDIDOS (CSV) Numa empresa de serviços, a sistemática será semelhante à anterior, sendo a fórmula: CSV = Sin + (MO + GDS + GIS) – Sfi Onde: CSV = Custo dos Serviços Vendidos Sin = Saldo Inicial dos Serviços em Andamento MO = Mão de Obra Direta aplicada nos serviços vendidos GDS = Gastos Diretos (locação de equipamentos, subcontratações, etc.) aplicados nos serviços vendidos GIS = Gastos Indiretos (luz, mão de obra indireta, depreciações de equipamentos, etc.) aplicados nos serviços vendidos Sfi = Saldo Final dos Serviços em Andamento Exemplo: 1 - Calcular o Custo dos Produtos Vendidos de 01 de janeiro a 31 de dezembro de determinada indústria que apurou os seguintes dados: Estoque Inicial (01 de janeiro) 110.000,00 Compras de Insumos 1.750.000,00 ICMS sobre Compras 210.000,00 Fretes sobre Compras 70.000,00 Mão de Obra Direta 597.000,00 Gastos Gerais de Fabricação 790.000,00 Estoque inventariado (31 de dezembro) 185.000,00 A DEMONSTRAÇÃO DOS CUSTOS DOS PRODUTOS VENDIDOS ficará como segue: Estoque Inicial (01 de janeiro) 110.000,00
  • 6. + Compras de Insumos 1.750.000,00 + Fretes sobre Compras 70.000,00 - ICMS sobre Compras (210.000,00) + Mão de Obra Direta 597.000,00 + Gastos Ferais de Fabricação 790.000,00 - Estoque inventariado (31 de dezembro) (185.000,00) = Custo dos Produtos Vendidos 2.922.000,00 2 - Calcular o Custo dos Produtos Vendidos de 01 de janeiro a 31 de dezembro de determinada indústria que apurou os seguintes dados: Estoque Inicial (01 de janeiro) 220.000,00 Compras de Insumos 2.150.000,00 ICMS sobre Compras 270.000,00 Fretes sobre Compras 90.000,00 Mão de Obra Direta 737.000,00 Gastos Gerais de Fabricação 940.000,00 Estoque inventariado (31 de dezembro) 169.000,00 A DEMONSTRAÇÃO DOS CUSTOS DOS PRODUTOS VENDIDOS ficará como segue: Estoque Inicial (01 de janeiro) + Compras de Insumos + Fretes sobre Compras - ICMS sobre Compras + Mão de Obra Direta + Gastos Ferais de Fabricação - Estoque inventariado (31 de dezembro) = Custo dos Produtos Vendidos 01.04 Custos da produção versus despesas do período Objeto de sistematização por parte da Contabilidade de Custos, freqüentemente confundido por leigos com o conceito de despesa. Custos – São gastos, não investimentos, necessários para fabricar os produtos da empresa. Ligados a produção Despesas – Bem ou serviço consumidos direta ou indiretamente para a obtenção de receitas. Gastos ligados a administração 01.05 Objetivos e periodicidade dos custos
  • 7. Quem elabora ou estrutura um sistema de custos é a contabilidade de custos, e segundo Marion, uma das finalidades deste ramo de contabilidade é a sua utilidade para o processo dos gestores na tomada de decisões, como por exemplo: “qual a quantidade mínima que se deve produzir e vender para não se ter prejuízo? Qual produto é mais rentável para estimular sua produção? Qual produto devemos cortar para aumentar a rentabilidade? Certos itens, é melhor produzir ou comprar de terceiros? Qual o preço adequado para cada produto? Sobre qual item de custos devemos exercer melhor controle? Como reduzir Custos?” (MARION, 1996, p. 60) Estes são os questionamentos que a contabilidade de custos, através de um bom sistema de custos, auxilia a resolver. Levando-se em consideração o perfil do usuário destas informações para o efetivo entendimento e conseqüente utilização. Na DRE, as despesas correspondem àquelas incorridas nas divisões de Administração e de Vendas, durante o exercício. Já o Custo dos Produtos Vendidos, são aqueles incorridos na divisão fabril, correspondente à quantidade que foi vendida, isto porque nem toda a produção de um período pode ter sido vendida, e assim ter sido estocada para venda em outro período 01.06 Integração da Contabilidade de Custos a Contabilidade Gerencial e Geral A Contabilidade gerencial incorpora conceitos econômicos para fins de elaborar Relatórios de Custos de uso da Gestão Empresarial. A contabilidade de custos surgiu junto com a revolução industrial, como tentativa de se elaborar um inventário disponível em um determinado período operacional para identificação de valores de produtos fabricados e vendidos. Com o seu desenvolvimento, a complexidade dos métodos contábeis tornou-se maior, e logo, os custos de fabricação eram solucionados cada vez mais rápidos. Foram estes métodos cada vez mais aperfeiçoados que deram origem a contabilidade de custo. Atualmente, a contabilidade de custos é um grande sistema de informações gerenciais. Pode-se definir uma classificação para os objetivos da contabilidade de custo: - Inventariar os produtos fabricados e vendidos. - Planejar e controlar as atividades empresariais. - Servir como instrumento para tomada de decisões. Contabilidade de custos Na maioria das organizações industriais e prestadoras de serviços, a contabilidade de custos faz a apuração de custo da produção para se atingir diversos objetivos como: atendimento de exigências contábeis, atendimento de exigências fiscais, apuração do custo dos produtos e dos departamentos, controle dos custos de produção, melhoria de processos e eliminação de desperdícios, auxílio na tomada de decisões gerenciais e otimização de resultados. Para se alcançar estes objetivos, Perez Júnior (2001) indica sistemas de custeio, em sua opinião mais adequados, listados a seguir: a) Apuração do custo dos produtos e dos departamentos: o sistema de custos fornece informações que possibilita a identificação dos responsáveis pelo consumo dos gastos dentro das organizações.
  • 8. b) Atendimento de exigências contábeis: a lei nº 6.404/76 determina que a escrituração contábil seja elaborada segundo os princípios contábeis. A metodologia indicada por este autor para atender os princípios contábeis é o denominado custeio por absorção. c) Atendimento de exigências fiscais: O único método aceito pela legislação de imposto de renda é o custeio por absorção. d) Controle dos custos de produção: para efeito do controle é indicado o custeio-padrão. e) Custos para melhoria de processos: o método de custeio baseado em atividades, este método identifica as atividades que não adicionam valor ao custo dos produtos e como se proceder para a sua eliminação. f) Auxílio na tomada de decisões gerenciais: neste caso o autor sugere que seja utilizado o método de custo direto ou variável, por ser capaz de gerar informações de forma mais rápida. g) Custos para otimização de resultados: o conceito de Teoria das Restrições que oferece informações sobre a superação de metas e resultados. Exercícios - Questões para Discutir 1. O que é uma despesa? 2. O que é um investimento? 3. Quando uma empresa gasta com propaganda, ela incorre em custos? 4. Quando uma empresa compra matéria-prima, ela tem gasto, custo, despesa ou investimento?Explique. 5. Quando uma empresa compra um equipamento para a divisão de fábrica, ela tem gasto, custo, despesa ou investimento? Explique. 6. Como os gastos são separados em custos e em despesas? 7. A depreciação é custo ou despesa? 8. Liste 10 contas que representem despesas. 9. Liste 10 contas que representem custos. 10. Como se classificam os custos quanto aos produtos fabricados? 11. Como se classificam os custos quanto ao volume produzido? 12. Explique por que a produção em andamento é considerada estoque para fins de balanço. 13. O que é custo direto? Dê exemplos. 14. O que é custo indireto? Dê exemplos. 15. O que é custo variável? Dê exemplos. 16. O que é custo fixo? Dê exemplos. 17. O que é custo semivariável? Dê exemplos. 18. O que é custo semifixo? Dê exemplos. 19. Por que o aumento da produção até o limite da capacidade instalada de uma empresa provoca redução dos custos unitários? 20. Ao implantar a Contabilidade de Custos, quais os objetivos que a empresa pretende atingir? 21. Cite e explique três tipos de informações geradas na Contabilidade de Custos. 22. Cite e explique dois tipos de problemas que o conhecimento de custos ajuda a solucionar. 23. O que é a Demonstração de Resultados do Exercício? 24. Porque as despesas não integram o Custo dos Produtos Vendidos? 25. Como se calcula o Custo dos Produtos Vendidos quando a quantidade produzida for superior à quantidade vendida? Considere que não haja estoque inicial. 26. Qual a diferença entre custos e despesas? 27. Descreva a forma de apuração do CPV e das Despesas constantes da DRE. 28. Quando uma empresa compra matéria-prima, ela incorre em custos mesmo que esta compra seja feita a prazo? 29. Qual a diferença entre Custos e Preço de Venda? Quando você vai adquirir um bem, • você pergunta ao vendedor qual o custo desse bem ou qual é o seu preço? 30. Classifique as contas abaixo em Custos de Produção, Despesas Administrativas e Despesas de Vendas: - propaganda
  • 9. - água consumida no resfriamento de peças - aluguel do galpão da fábrica - aluguel mensal do ônibus que transporta o pessoal da contabilidade - prêmios dos vendedores - refeitório dos funcionários da fábrica - manutenção do computador do departamento financeiro - imposto predial da fábrica - salários dos gerentes da fábrica - honorários dos diretores administrativo e comercial - energia elétrica do prédio da administração da empresa - madeira aplicada na produção de mesas - salário do supervisor da montagem 31. Ao final de 20x8 havia 20 unidades do produto X no estoque de produtos acabados, com custo de $ 20.000,00. Em 20x9 foram produzidas 800 unidades desse produto e vendidas 810 unidades por $1.100,00 cada. Nesse ano de 20x9 os custos totalizaram $ 800.000,00 e as despesas, $ 50.000,00. Pede-se: O custo dos produtos vendidos. O saldo do estoque de produtos acabados. O lucro de 20x9. 32. Uma empresa inicia suas atividades em 01/0l/x9. Neste mês ocorre o seguinte: Compra de matéria-prima $ 30.000,00 Aluguel da fábrica 10.000,00 Mão-de-obra da fábrica 20.000,00 Despesas administrativas 30.000,00 Despesas de vendas 20.000,00 Custos diversos 15.000,00 Consumo de matéria-prima 25.000,00 Foram fabricadas 100 unidades do produto X e vendidas 80 unidades por $ 1.625,00 cada. Determine: a) O custo dos produtos vendidos. b) O saldo do estoque de produtos acabados. c) O lucro operacional. Para isso elabore a DRE. UNIDADE 02 ESTRUTURA DAS EMPRESAS PARA EFEITO DE CUSTO 02.01 Importância do custo nas empresas Sistema de custos Dentro de qualquer organização, no processo de tomada de decisões, existem ferramentas que auxiliam os gestores a tornar as organizações mais competitivas em seu segmento de atuação. O sistema de custos, no ponto de vista de Perez Júnior (2001), é uma ferramenta que fornece informações sobre a estrutura de custos das organizações. Trata-se de uma ferramenta que pode ser utilizada no âmbito interno de uma organização nos níveis: estratégico, tático e operacional. No nível operacional ocorre a coleta dos dados, no tático a diferenciação e classificação destes dados, transformando-os em informações que provavelmente serão utilizadas pelo nível estratégico para a tomada de decisões estratégicas como: decidir qual o melhor mix de produtos, cortar ou não um produto, controle ou redução dos custos. O sistema de custos é um sistema que coleta, classifica e organiza os dados referentes aos custos dos produtos ou serviços, assim transformando-os em informações. Confirmando este conceito, Martins comenta que “O sistema representa um conduto que recolhe dados em diversos pontos, processa-os e emite, com base neles, relatórios na outra extremidade.” (MARTINS, 2001, p.28).
  • 10. Complementando o conceito de sistema de custos, Crepaldi o define como um sistema capaz de gerenciar os custos e monitorar o desempenho. As empresas mais expressivas e competitivas do mercado estão utilizando sistemas de custeio para diversas finalidades como: • projetar produtos e serviços que correspondam às expectativas dos clientes e possam ser produzidos e oferecidos com lucro; • sinalizar onde é necessário realizar aprimoramentos contínuos e descontínuos (reengenharia) em qualidade, eficiência e rapidez; • auxiliar os funcionários ligados à produção nas atividades de aprendizado e aprimoramento contínuo; • orientar o mix de produtos e decidir sobre investimentos; • escolher fornecedores; • negociar preços, características dos produtos, qualidade, entrega e serviço com clientes; • estruturar processos eficientes e eficazes de distribuição e serviços para os mercados e público- alvo. (CREPALDI, 2004, p. 24) 02.02 Organização das empresas para apropriação e apuração de custo O administrador exerce papel fundamental nas organizações e que é recomendável que além do sistema de custos, deve utilizar outras ferramentas de gestão em conjunto para estar em sintonia com o mercado. 02.03 Sistema de informações Informação As informações são importantes quanto são úteis, Marion (1996) comenta que os principais objetivos de um sistema de custos estão relacionados com o auxilio a administração, pois fornece informações sobre as atividades mais lucrativas, ou com menor ou maior custo. A informação no ponto de vista de Beuren (1998) possibilita a elaboração de estratégias empresariais e tem grande utilidade no controle das diversas operações nas organizações. No entanto, o maior desafio da informação “é o de habilitar os gestores a alcançar os objetivos propostos para a organização, por meio de do uso eficiente dos recursos disponíveis.” (BEUREN, 1998, p. 43) Normalmente ocorre certa confusão entre a conceituação de dados e informação, estas se diferenciam quanto ao tratamento que recebem. Beuren (1998) comenta que a coleta de dados será feita considerando-se o perfil do tomador de decisão e suas necessidades. Após coletados os dados, são organizados e classificados, transformando-se em informação. Neste sentido, a informação mostra-se capaz de auxiliar na definição do tipo de estratégia que a empresa deseja adotar. Porter (1992) quando se refere à definição da estratégia que a organização pode adotar, como por exemplo, se ela optou pela liderança em custos, terá que ter um maior controle de seus custos para oferecer preços menores que os praticados pela concorrência. A interface que a informação mantém com o tipo de estratégia que a organização escolheu, definirá o tipo, quantidade e direcionamento das informações. Numa posição estratégica de custos menores, obviamente a organização necessitará de informações mais detalhadas e precisas relativas à sua estrutura de custos. 02.04 Fluxo contábil de produção e distribuição dos custos Para muitos gestores, a função da Escrituração é o Controle Contábil. Na verdade o controle contábil, que historicamente originou até uma corrente científica chamada de Controlismo, é aquele que se baseia nas Contas, ou seja em um Plano de Contas direcionado para a Análise contábil e no chamado "contas contra contas": Por exemplo, no período em que há movimentação na conta de "custos sobre produtos vendidos", deverá haver igual movimentação na conta de "receita de produtos vendidos".
  • 11. 02.05 Departamentalização - centros de custos e centros administrativos ERP (Enterprise Resource Planning) ou SIGE (Sistemas Integrados de Gestão Empresarial, no Brasil) são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema (Laudon, Padoveze). A integração pode ser vista sob a perspectiva funcional (sistemas de: finanças, contabilidade, recursos humanos, fabricação, marketing, vendas, compras, etc) e sob a perspectiva sistêmica (sistema de processamento de transações, sistemas de informações gerenciais, sistemas de apoio a decisão, etc). Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa, possibilitando a automação e armazenamento de todas as informações de negócios. UNIDADE 03 CUSTOS DOS MATERIAIS 03.01 Conceito dos materiais É o custo de qualquer material diretamente ou indiretamente identificado com o produto e que se torne parte integrante dele. E seu custo é obtido por meio da seguinte formula; Custos ou Consumo dos Períodos dos Materiais = Estoque Inicial de Materiais + Compras do Período – Estoque Final de Materiais É óbvio, antes de se iniciar o ciclo produtivo, a empresa já deve ter armazenado todo o material que vai necessitar para a elaboração do produto. Um dos principais requisitos na instalação de um sistema de contabilidade de custo é o planejamento de um controle apropriado para materiais e suprimentos desde o momento da autorização de compras, emitido por qualquer setor das empresas, até o consumo. No entanto, controles e práticas comuns pertencem a todos os sistemas de controle de custo. Em geral, a principal função de qualquer sistema de controle de custo é manter os gastos dentro dos limites de um plano preconcebido. O sistema de controle também deve encorajar reduções de custos ao eliminar o desperdício e ineficiências operacionais. A contabilidade por responsabilidade é uma parte integrante do sistema de controle de custos, porque focaliza a sua atenção em indivíduos específicos que foram designados para atingir as metas estabelecidas. Dos três principais objetivos da contabilidade de custos — controle de custos, custeio do produto e determinação do preço de venda — o controle de custos é frequentemente o mais difícil de alcançar. Em geral, o processo relativo aos materiais envolve as seguintes fases principais: 1-Compra; 4- Controle; 2- Estocagem ; 5- Consumo ; 3- Registro ; 03.02 Classificação dos materiais CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS Na conta materiais são classificados os materiais utilizados no processo de produção, e sua composição varia de empresa para empresa. Podemos classificar os materiais em uma empresa industrial da seguinte maneira; Diretos
  • 12. .- Matéria-prima principal .-Matéria-prima secundaria. - Materiais auxiliares .-Peças e Componentes. - Material de Embalagem Indiretos .- Material de Manutenção .- Limpeza e Conservação .- Material de Consumo .- Combustíveis e Lubrificantes .- Outros Classificação e Codificação dos materiais Um sistema de classificação e codificação de materiais é fundamental para que existam procedimentos de armazenagem adequados, um controle eficiente dos estoques e uma operacionalização correta do almoxarifado. Classificar um material significa agrupá-lo segundo sua forma, dimensão, peso, tipo e uso. Em outras palavras, classificar um material significa ordená-lo segundo critérios adotados, agrupando- os de acordo com as suas semelhanças. Classificar os bens dentro de suas peculiaridades e funções tem como finalidade facilitar o processo de posteriormente dar-lhes um código que os identifique quanto aos seus tipos, usos, finalidades, datas de aquisição, propriedades e seqüência de aquisição. Por exemplo, com a codificação do bem passamos a ter, além das informações acima mencionadas, um registro que nos informará todo o seu histórico, tais como preço inicial, localização, vida útil esperada, valor depreciado, valor residual, manutenção realizada e previsão de sua substituição. Codificar um material significa representar todas as informações necessárias, suficientes e desejadas por meio de números e/ou letras, com base na classificação obtida do material. A tecnologia de computadores está revolucionando a identificação de materiais e acelerando o seu manuseio. A chave para a rápida identificação do produto, das quantidades e fornecedor é o código de barras lineares ou código de distribuição. Esse código pode ser lido com leitores óticos (scanners) . Os fabricantes codificam esse símbolo em seus produtos e o computador no depósito decodifica a marca, convertendo-a em informação utilizável para a operação dos sistemas de movimentação interna, principalmente os automatizados. 03.03 Sistema de controle de material (compra ,armazenagem e saída) SISTEMA DE CONTROLE DE MATERIAL Normalmente, exige-se de cada sistema de controle de materiais. Coordenação apropriada de todos os setores envolvidos: na compra, recebimento, teste, aprovação e estocagem de materiais, e desembolso de fundos. Centralização de aquisições em um Setor de Compras sob a direção e responsabilidade de um especialista. Uso de impressos padrões para formalização das instruções dadas. Uso de orçamento para materiais, suprimentos e equipamentos de maneira a possibilitar a maior economia possível na aquisição e no consumo. Criar um sistema interno de conferência, de forma que todas as operações envolvendo aquisição de materiais, suprimentos e equipamentos sejam verificados e aprovados por um número razoável de pessoas autorizadas. Estocagem de todos os materiais em locais previamente designados, sujeitos à supervisão direta. Estabelecimento de um sistema de inventário possibilitando a qualquer tempo à determinação do valor de cada item e o montante dos materiais em estoque. Determinação de uma quantidade mínima para cada item em estoque, abaixo da qual o estoque não deve baixar e de uma quantidade máxima acima da qual o estoque não deve ultrapassar. Elaboração de um sistema de controle de estoque – “entrega –saída”, de maneira que os fornecimentos se realizem sob requisição dos setores, conforme as quantidades pedidas e no tempo devido.
  • 13. Relatórios regulares de materiais comprados entreguem saldos, itens obsoletos, devoluções a fornecedores e unidades deterioradas e defeituosas. 3.1-Compras Manter o equilíbrio apropriado de materiais em mãos é um dos objetivos mais importantes no controle de materiais. Um estoque de tamanho e diversidade suficientes para uma operação eficiente precisa ser mantido, mas o tamanho não deve ser excessivo com relação às necessidades programadas de produção. Além disso, níveis de estoque maiores do que os necessários podem aumentar a possibilidade de perdas por danos, deterioração e obsolescência. O planejamento e o controle do investimento em estoque de materiais requer que todos esses fatores sejam cuidadosamente estudados para determinar; quando os pedidos devem ser feitos e; quantas unidades devem ser pedidas. 3.1.2. Requisição de compra O formulário conhecido como “requisição de compra” é comumente usada como uma solicitação formal ao Setor de Compras para aquisição de bens e serviços. A “requisição de compra” serve ao duplo propósito de autorizar ao Setor de Compra fazer aquisições e prover um documento escrito discriminando quantidade, especificações e a data em que a compra deve ser entregue. Pedido de compras Ponto de Pedido. Um nível mínimo de estoque deve ser determinado para cada artigo de matéria- prima, e os registros de estoque devem indicar quanto de cada artigo está em mãos. O cálculo do ponto de pedido é baseado nos seguintes dados: Uso – a taxa prevista que dirá quanto de material será usado. Prazo de entrega — o intervalo estimado, em tempo, entre a colocação de um pedido e o recebimento, do material. Estoque de segurança — o nível mínimo estimado de estoque necessário para proteger contra faltas de estoque (esgotamento de estoque) As faltas de estoque pode ocorrer devido às estimativas imprecisas de uso ou de prazo de entrega, ou várias outros eventos não previstos, como o recebimento de materiais danificados ou materiais inferiores de um fornecedor. Quantidade Econômica de Pedido Modelos quantitativos, ou fórmulas, foram desenvolvidas para calcular a Quantidade Econômica de Pedido (EOQ). Uma fórmula que pode ser usada é a seguinte: onde EOQ = Raiz ²2CN K EOQ= quantidade econômica do pedido C = custo de pedir N = número de unidades necessárias anualmente K = custo de manter estoque por unidade Para ilustrar essa fórmula, suponha que os seguintes dados tenham sido determinados ao analisar os 5(cinco) fatores relevantes para o estoque de materiais: Número de unidades de material necessárias anualmente 10.000 Custo de pedir$10,00 Custo anual de manter por unidade de estoque $ 0,80 Usando a fórmula EOQ:
  • 14. EOQ = Raiz² (2 (custo de pedir) x (número de unidades necessárias anualmente)) (custo unitário de manter) EOQ = Raiz² 2($10).(10.000) $0,80 EOQ = Raiz² $200.000 = Raiz² = 250.000 = 500 unidades $ 0,80 3.1.3. Recebimento de Materiais O setor de recebimento desempenha a função de desembalar os bens recebidos, verificar as quantidades e condições, e emitir um relatório de recebimento de materiais. O “relatório do recebimento ”é, pois, uma descrição dos materiais recebidos, suas quantidades, fornecedor, o número de “pedido de compra”, grau e condições dos materiais e outras informações julgadas importante. O “relatório de inspeção e teste de materiais” pode, em alguns casos, ser feito no mesmo impresso do “relatório de recebimento”. 3.1.4. Inspeção e Teste de Materiais Em algumas empresas industriais há necessidade de verificação completa e precisa dos materiais por ela usados no processo produtivo. Para tanto organizando-se os serviços de Inspeção e Testes de Materiais (subordinando ao Setor de Controle de Qualidade), cuja principal atribuição é verificar se os bens recebidos estão de acordos com as especificações técnicas, desenhos e outras informações passadas aos fornecedores. Muitas vezes, essa conferência exige testes de laboratório feitos em amostras do material recebido. 3.1.5. Processo de Conferência e Pagamento As notas fiscais e faturas dos fornecedores devem ser recebidas diretamente pelo Setor de Contas a Pagar da Contadoria. 3.1.6. Ajustamento de Faturas. Quando um recebimento é devolvido ao fornecedor, em todo ou em parte, o Setor de Compras providenciará a sua devolução. Isso é feito através de uma cópia da nota fiscal de devolução, a ser enviada ao setor de Contas a Pagar para o ajustamento da fatura e devida contabilização. 3.1.7. Aprovação das faturas e elaboração do controle de contas a pagar. Ao terminar o processo de entrada dos materiais, o setor de Contas a Pagar terá em suas mãos os seguintes documentos, relativos às diversas fases desse processo: Pedido de compra; Relatório de recebimento e inspeção; Nota fiscal de devolução (se houver) Por outro lado, terão recebido dos fornecedores as notas fiscais e fatura correspondentes aos seus suprimentos, estando, portanto, em condições de proceder à verificação da exatidão e cálculos da fatura do fornecedor, além dos preços e condições de pagamento. Verificada a obrigação da empresa, o Setor de Contas a Pagar deve preparar um documento que será utilizado como reconhecimento da obrigação aprovada, contabilização e controle de vencimentos. 3.1.8. Registros para materiais Os registros geralmente usados para manter um sistema de inventário contínuo e de controle apropriado das entregas de materiais, consistem de: ficha especifica (registro físico) e/ou sistema integrado (contabilidade de custos) através de programas espeficificos. Os almoxarifes usualmente controlam os materiais em estoque através de fichas. Estas fichas são mantidas em arquivos especiais em ordem numérica ou alfabética. Também são usados cartões de materiais/fichas de prateleira dos respectivos materiais pelo sistema manual. Quando o sistema de
  • 15. materiais é feito por programa de computadores, normalmente são dispensados muitos destes documentos. As fichas de registros de materiais (manual e computadorizado) são também, mantidas para cada item ou tipo de material, e devem localizar-se na Contabilidade de Custos para fins de controle dos itens em estoque (físico e financeiro). Os lançamentos são feitos através das notas fiscais, relatório de recebimento e inspeção de materiais, requisições (consumo) e devoluções de requisições. 3.2 - SAÍDA DE MATERIAIS 3.2.1. PROCEDIMENTO PARA A ENTREGA E REGISTRO DE MATERIAL Em algumas empresas as “requisições de materiais” são autorizadas e preparadas pelo Setor de Planejamento, enquanto que, em outras, pelo Setor de Produção através do chefe ou supervisor ou pelo próprio departamento requisitante. O procedimento completo é o seguinte: *as duas vias da “requisição de material” são entregues ao Almoxarifado, que entrega o material e dá baixa nos seus controles (fichas ou outro sistema de controle) pela quantidade saída; *Uma das vias da requisição é enviada à Contabilidade de Custos para apresamento e lançamento na “ficha de registro de materiais”. Em várias empresas industriais já existe o sistema de controle em on-line ou off-line de materiais, eliminando o fluxo de papeis. 3.2.2. Materiais devolvidos ao Almoxarifado Os materiais requisitados que, por qualquer razão, deixaram de ser utilizados no processo de produção, devem ser devolvidos ao estoque. Para esse fim é usado o impresso “devolução de materiais ao Almoxarifado” que é emitido pelo estoquista no momento do recebimento do material em devolução. 3.3. Apropriação dos materiais - armazenagem Todos os materiais usados na produção são entregues com base em requisições. Naturalmente, as requisições devem ser planejadas de forma a fornecerem todas as informações necessárias para correta apropriação do custo dos materiais, como: setor requisitante, conta que irá absorver os custos, ordem de produção ou centro de custo, quantidades requisitadas e fornecidas, identificações do material, custo unitário e total, assinaturas etc. A apropriação dos custos dos materiais se processa pela leitura, classificação e acumulação das requisições, em conformidade com os fins para os quais os materiais foram utilizados. Histórico dos Almoxarifados Primitivos O almoxarifado se constituía em um depósito, quase sempre o pior e mais inadequado local da empresa, onde os materiais eram acumulados de qualquer forma, utilizando mão-de-obra desqualificada. Com o tempo surgiram sistemas de manuseio e de armazenagem bastante sofisticados, o que acarretou aumento da produtividade, maior segurança nas operações de controle e rapidez na obtenção das informações. O termo Almoxarifado é derivado de um vocábulo árabe que significa " depositar". Conceituação Almoxarifado é o local destinado à guarda e conservação de materiais, em recinto coberto ou não, adequado à sua natureza, tendo a função de destinar espaços onde permanecerá cada item aguardando a necessidade do seu uso, ficando sua localização, equipamentos e disposição interna acondicionados à política geral de estoques da empresa. O almoxarifado deverá: 1.assegurar que o material adequado esteja, na quantidade devida, no local certo, quando necessário; 2.impedir que haja divergências de inventário e perdas de qualquer natureza; 3.preservar a qualidade e as quantidades exatas; 4.possuir instalações adequadas e recursos de movimentação e distribuição suficientes a um atendimento rápido e eficiente;
  • 16. Depositar materiais em um almoxarifado é o mesmo que depositar dinheiro em um banco Portanto pode-se comparar o esquema de funcionamento do almoxarifado ao de um banco, conforme esquema abaixo : BANCO ALMOXARIFADO Entrada para estoque Ficha de depósito bancário Nota fiscal de compra Saída do estoque Cheque Requisição de material Eficiência do Almoxarifado A eficiência de um almoxarifado depende fundamentalmente : 1.da redução das distâncias internas percorridas pela carga e do conseqüente aumento do número das viagens de ida e volta; 2.do aumento do tamanho médio das unidades armazenadas; 3.da melhor utilização de sua capacidade volumétrica; Organização do Almoxarifado Podemos resumir as suas principais atribuições 1.Receber para guarda e proteção os materiais adquiridos pela empresa; 2.Entregar os materiais mediante requisições autorizadas aos usuários da empresa; 3.Manter atualizados os registros necessários; Vamos analisar os setores componentes da estrutura funcional do almoxarifado CONTROLE : Embora não haja menção na estrutura organizacional do almoxarifado, o controle deve fazer parte do conjunto de atribuições de cada setor envolvido, qual seja, recebimento, armazenagem e distribuição. O controle deve fornecer a qualquer momento as quantidades que se encontram à disposição em processo de recebimento, as devoluções ao fornecedor e as compras recebidas e aceitas. RECEBIMENTO As atividades de recebimento abrangem desde a recepção do material na entrega pelo fornecedor até a entrada nos estoques. A função de recebimento de materiais é módulo de um sistema global integrado com as áreas de contabilidade, compras e transportes e é caracterizada como uma interface entre o atendimento do pedido pelo fornecedor e os estoques físico e contábil. O recebimento compreende quatro fases : a)1a fase : Entrada de materiais; b)2a fase : Conferência quantitativa; c)3a fase : Conferência qualitativa; d)4a fase : Regularização ARMAZENAGEM A guarda dos materiais no Almoxarifado obedece a cuidados especiais, que devem ser definidos no sistema de instalação e no layout adotado, proporcionando condições físicas que preservem a qualidade dos materiais, objetivando a ocupação plena do edifício e a ordenação da arrumação. FASES DESCRIÇÃO 1A FASE Verificação das condições de recebimento do material; 2A FASE Identificação do material; 3A FASE Guarda na localização adotada; 4A FASE Informação da localização física de guarda ao controle; 5A FASE Verificação periódica das condições de proteção e armazenamento; 6A FASE Separação para distribuição; DISTRIBUIÇÃO Os materiais devem ser distribuídos aos interessados mediante programação de pleno conhecimento entre as partes envolvidas. DOCUMENTOS UTILIZADOS Os seguintes documentos são utilizados no Almoxarifado para atendimento das diversas rotinas de trabalho : a)Ficha de controle de estoque (para empresas ainda não informatizadas) : documento destinado a controlar manualmente o estoque, por meio da anotação das quantidades de entradas e saídas, visando o seu ressuprimento; b)Ficha de Localização (também para empresas ainda não informatizadas) : documento utilizado para indicar as localizações, através de códigos, onde o material está guardado; c)Comunicação de
  • 17. Irregularidades : documento utilizado para esclarecer ao fornecedor os motivos da devolução, quanto os aspectos qualitativo e quantitativo; d)Relatório técnico de inspeção : documento utilizado para definir, sob o aspecto qualitativo, o aceite ou a recusa do material comprado do fornecedor; e)Requisição de material : documento utilizado para a retirada de materiais do almoxarifado; f)Devolução de material : documento utilizado para devolver ao estoque do almoxarifado as quantidades de material porventura requisitadas além do necessário; PERFIL DO ALMOXARIFE O material humano escolhido deve possuir alto grau de sentimento de honestidade, lealdade, confiança e disciplina. RECEBIMENTO Conceituação Recebimento é a atividade intermediária entre as tarefas de compra e pagamento ao fornecedor, sendo de sua responsabilidade a conferência dos materiais destinados à empresa. As atribuições básicas do Recebimento são : 1.coordenar e controlar as atividades de recebimento e devolução de materiais; 2.analisar a documentação recebida, verificando se a compra está autorizada; 3.controlar os volumes declarados na Nota Fiscal e no Manifesto de Transporte com os volumes a serem efetivamente recebidos; 4.proceder a conferência visual, verificando as condições de embalagem quanto a possíveis avarias na carga transportada e, se for o caso, apontando as ressalvas de praxe nos respectivos documentos; 5.proceder a conferência quantitativa e qualitativa dos materiais recebidos; 6.decidir pela recusa, aceite ou devolução, conforme o caso; 7.providenciar a regularização da recusa, devolução ou da liberação de pagamento ao fornecedor; 8.liberar o material desembaraçado para estoque no almoxarifado; A análise do Fluxo de Recebimento de Materiais permite dividir a função em quatro fases : 1a fase - entrada de materiais ; 2a fase - conferência quantitativa; 3a fase - conferência qualitativa; 4a fase - regularização; 1a fase - Entrada de Materiais : A recepção dos veículos transportadores efetuada na portaria da empresa representa o início do processo de Recebimento e tem os seguintes objetivos : a recepção dos veículos transportadores; a triagem da documentação suporte do recebimento; constatação se a compra, objeto da Nota Fiscal em análise, está autorizada pela empresa; constatação se a compra autorizada está no prazo de entrega contratual; constatação se o número do documento de compra consta na Nota Fiscal; cadastramento no sistema das informações referentes a compras autorizadas, para as quais se inicia o processo de recebimento; o encaminhamento desses veículos para a descarga; As compras não autorizadas ou em desacordo com a programação de entrega devem ser recusadas, transcrevendo-se os motivos no verso da Nota Fiscal. Outro documento que serve para as operações de análise de avarias e conferência de volumes é o "Conhecimento de Transporte Rodoviário de Carga", que é emitido quando do recebimento da mercadoria a ser transportada. As divergências e irregularidades insanáveis constatadas em relação às condições de contrato devem motivar a recusa do recebimento, anotando-se no verso da 1a via da Nota Fiscal as circunstâncias que motivaram a recusa, bem como nos documentos do transportador. O exame para constatação das avarias é feito através da análise da disposição das cargas, da observação das embalagens, quanto a evidências de quebras, umidade e amassados. Os materiais que passaram por essa primeira etapa devem ser encaminhados ao Almoxarifado. Para efeito de descarga do material no Almoxarifado, a recepção é voltada para a conferência de volumes, confrontando-se a Nota Fiscal com os respectivos registros e controles de compra. Para a descarga do veículo transportador é necessária a utilização de equipamentos especiais, quais sejam : paleteiras, talhas, empilhadeiras e pontes rolantes.
  • 18. O cadastramento dos dados necessários ao registro do recebimento do material compreende a atualização dos seguintes sistemas : Sistema de Administração de Materiais e gestão de estoques: dados necessários à entrada dos materiais em estoque, visando ao seu controle; Sistema de Contas a pagar : dados referentes à liberação de pendências com fornecedores, dados necessários à atualização da posição de fornecedores; Sistema de Compras : dados necessários à atualização de saldos e baixa dos processos de compras; 2a fase - Conferência Quantitativa; É a atividade que verifica se a quantidade declarada pelo fornecedor na Nota Fiscal corresponde efetivamente à recebida. A conferência por acusação também conhecida como " contagem cega " é aquela no qual o conferente aponta a quantidade recebida, desconhecendo a quantidade faturada pelo fornecedor. A confrontação do recebido versus faturado é efetuada a posteriori por meio do Regularizador que analisa as distorções e providencia a recontagem. Dependendo da natureza dos materiais envolvidos, estes podem ser contados utilizando os seguintes métodos : Manual : para o caso de pequenas quantidades; Por meio de cálculos : para o caso que envolvem embalagens padronizadas com grandes quantidades; Por meio de balanças contadoras pesadoras: para casos que envolvem grande quantidade de pequenas peças como parafusos , porcas, arruelas; Pesagem : para materiais de maior peso ou volume, a pesagem pode ser feita através de balanças rodoviárias ou ferroviárias; Medição : em geral as medições são feitas por meio de trenas; CONFERÊNCIA QUALITATIVA Visa garantir a adequação do material ao fim que se destina. A análise de qualidade efetuada pela inspeção técnica, por meio da confrontação das condições contratadas na Autorização de Fornecimento com as consignadas na Nota Fiscal pelo Fornecedor, visa garantir o recebimento adequado do material contratado pelo exame dos seguintes itens: a)Características dimensionais; b)Características específicas; c)Restrições de especificação; MODALIDADES DE INSPEÇÃO DE MATERIAIS São selecionadas a depender do tipo de material que se está adquirindo, quais sejam : 1.Acompanhamento durante a fabricação : torna-se conveniente acompanhar in loco todas as fases de produção, por questão de segurança operacional; 2.Inspeção do produto acabado no fornecedor : por interesse do comprador, a inspeção do P. A. será feita em cada fornecedor; 3.Inspeção por ocasião do fornecimento : a inspeção será feita pôr ocasião dos respectivos recebimentos. DOCUMENTOS UTILIZADOS NO PROCESSO DE INSPEÇÃO : a)especificação de compra do material e alternativas aprovadas; b)desenhos e catálogos técnicos; c)padrão de inspeção, instrumento que norteia os parâmetros que o inspetor deve seguir para auxiliá-lo a decidir pela recusa ou aceitação do material. SELEÇÃO DO TIPO DE INSPEÇÃO A depender da quantidade, a inspeção pode ser total ou por amostragem, utilizando-se de conceitos estatísticos. A análise visual tem por finalidade verificar o acabamento do material, possíveis defeitos, danos à pintura, amassamentos. A análise dimensional tem por objetivo verificar as dimensões dos materiais, tais como largura, comprimento, altura, espessura, diâmetros. Os ensaios específicos para materiais mecânicos e elétricos comprovam a qualidade, a resistência mecânica, o balanceamento e o desempenho de materiais e/ou equipamentos. Testes não destrutivos de ultra-som, radiografia, líquido penetrante, dureza, rugosidade, hidráulicos, pneumáticos também podem ser realizados a depender do tipo de material. REGULARIZAÇÃO Caracteriza-se pelo controle do processo de recebimento, pela confirmação da conferência qualitativa e quantitativa, respectivamente por meio do laudo de inspeção técnica e pela confrontação das quantidades conferidas versus faturadas. O processo de Regularização poderá dar origem a uma das seguintes situações : a)liberação de pagamento ao fornecedor ( material recebido sem ressalvas); b)liberação parcial de pagamento ao fornecedor; c)devolução de material ao fornecedor;
  • 19. d)reclamação de falta ao fornecedor; e)entrada do material no estoque; Documentos envolvidos na Regularização : Os procedimentos de Regularização, visando à confrontação dos dados, objetivando recontagem e aceite ou não de quantidades remetidas em excesso pelo fornecedor, envolvem os seguintes documentos : 1.nota Fiscal; 2.conhecimento de transporte rodoviário de carga; 3.documento de contagem efetuada; 4.relatório técnico da inspeção inspeção; 5.especificação de compra; 6.catálogos técnicos; 7.desenhos; Devolução ao Fornecedor O material em excesso ou com defeito será devolvido ao Fornecedor, dentro de um prazo de 10 dias a contar da data do recebimento, acompanhado da Nota Fiscal de Devolução, emitida pela empresa compradora. INTERFACES DO SISTEMA DE RECEBIMENTO DE MATERIAIS ARMAZENAGEM A correta utilização do espaço disponível demanda estudo exaustivo das cargas a armazenar, dos níveis de armazenamento, das estruturas para armazenagem e dos meios mecânicos a utilizar. Indica-se a real ocupação do espaço por meio do indicador " taxa de ocupação volumétrica", que leva em consideração o espaço disponível versus o espaço ocupado. Para entendermos plenamente a utilização do espaço vertical, há que se analisar a utilidade de paletes para a movimentação, manuseio e armazenagem de materiais. A paletização vem sendo utilizada em empresas que demandam manipulação rápida e armazenagem racional, envolvendo grandes quantidades. A paletização tem como objetivo realizar, de uma só vez, a movimentação de um número maior de unidades. Ao pallet é atribuído o aumento da capacidade de estocagem, economia de mão-de-obra, tempo e redução de custos. O emprego de empilhadeiras e pallets já proporcionou a muitas empresas economia de até 80 % do capital despendido com o sistema de transporte interno. Inicialmente os pallets eram empregados na manipulação interna de armazéns e depósitos e hoje acompanham a carga, da linha de produção à estocagem, embarque e distribuição. Em razão da padronização das medidas do pallet pelos países como Estados Unidos e Inglaterra, eles passaram a ser utilizados através dos continentes em caminhões, vagões ferroviários e embarcações marítimas. E o que é um palete ? Trata-se de uma plataforma disposta horizontalmente para carregamento, constituída de vigas, blocos ou uma simples face sobre os apoios, cuja altura é compatível com a introdução dos garfos da emplilhadeira, e que permite o agrupamento de materiais, possibilitando o manuseio, a estocagem, a movimentação e o transporte num único carregamento. Os pallets são plataformas, nas quais as mercadorias são empilhadas, servindo para unitizar, ou seja, transformar a carga numa única unidade de movimentação. Os materiais sujeitos à armazenagem não obedecem regras taxativas que regulem o modo como os materiais devem ser dispostos no Almoxarifado. Por essa razão, deve-se analisar, em conjunto, os parâmetros citados anteriormente, para depois decidir pelo tipo de arranjo físico mais conveniente, selecionando a alternativa que melhor atenda ao fluxo de materiais: 1.armazenagem por tamanho : esse critério permite bom aproveitamento do espaço; 2.armazenamento por freqüência : esse critério implica armazenar próximo da saída do almoxarifado os materiais que tenham maior freqüência de movimento; 3.armazenagem especial, onde destacam-se : a)os ambientes climatizados; b)os produtos inflamáveis, que são armazenados sob rígidas normas de segurança; c)os produtos perecíveis ( método FIFO) 4.Armazenagem em área externa : devido à sua natureza, muitos materiais podem ser armazenados em áreas externas, o que diminui os custos e amplia o espaço interno para materiais que necessitam de proteção em área coberta. Podem ser colocados nos pátios externos os materiais a granel, tambores e “containers” , peças fundidas e chapas metálicas. 5.Coberturas alternativas : não sendo possível a expansão do almoxarifado, a solução é a utilização de galpões plásticos, que dispensam fundações, permitindo a armazenagem a um menor custo.
  • 20. Independentemente do critério ou método de armazenamento adotado é oportuno observar as indicações contidas nas embalagens em geral, 03.04 Sistema de avaliação dos estoques (Peps, Ueps e MMP) SISTEMA DE AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES (PEPS, UEPS E MMP) Um método de determinação de custos reais é a identificação específica de materiais em estoque com os preços efetivamente pagos por eles. Estes custos constam na Nota Fiscal ou na fatura do fornecedor, ou qualquer registro de custo. A determinação do custo correto de bens é um problema complexo. A menos que todos tenham sido adquiridos sob contrato de longa duração a preço fixo, os preços de mercado estão sujeitos a flutuações constantes e, em vista disso, cada fatura recebida pode ter um preço mais alto ou mais baixo (quase sempre mais alto) por unidade de material que a precede. Como a empresa compra várias unidades em períodos diferentes com diferentes valores, e nem sempre consome na mesma proporção, elas acabam misturando-se no almoxarifado. Para atribuir custo as unidades consumidas, são usadas os critérios do sistema de Inventários-Periódico ou Permanente. Periódico - quando não existe o controle de estoque. O consumo será determinado através da contagem física dos materiais, assim o consumo de materiais é determinado através da fórmula: Consumo =Inventario Inicial + Compras do Período – Inventario Final. Permanente – quando existe um controle continuo dos materiais por meio de fichas de estoques. O consumo e os custos são calculados a qualquer momento pela contabilidade. A contagem física é feita freqüentemente pelos controles internos da Contabilidade de Custos e conferida pela Auditoria Interna. Para que possamos calcular os valores de materiais em estoque e seus custos e consumo, são usados três sistemas básicos de avaliação. Para isto usamos Métodos de Avaliação de Estoque; FIFO ou PEPS – “first-in, first-out” (primeiro a entrar, primeiro a sair); M.M.P. – “media móvel ponderada”. LIFO ou UEPS– “last-in, first-out” (último a entrar, primeiro a sair). MÉTODO “FIFO OU PEPS“ Nesse sistema, as saídas do estoque obedecem ao critério de que as primeiras unidades a sair receberão o custo correspondente às primeiras entradas no estoque e assim sucessivamente. Método da Média Móvel Ponderada – M.M.P. É o critério mais utilizado no Brasil para avaliação dos estoques. Assim chamado de média ponderada, como controle constante de seus estoques e por atualizar os seus custos após cada aquisição. A média ponderada é calculada pela divisão do saldo em valor (R$) pelo saldo em quantidades. Método “LIFO ou UEPS” Também é conhecido como método do “custo de substituição” e baseia-se na argumentação que os lotes são consumidos na ordem inversa ao recebimento, isto é, o último é consumido primeiro, em seguida o penúltimo, posteriormente o antepenúltimo e assim por diante. Na realidade esta prática não é inteiramente observada, isto é não há a distinção do lotes de conformidade com a sua idade (tempo em estoque), mas sim, uma distinção nos registros contábeis para fins de avaliação. 03.05 Fluxo contábil
  • 21. FLUXO CONTÁBIL Há dois problemas principais em contabilidade de custos com relação a materiais; como deve ser contabilizado seu custo de aquisição; como devem ser avaliadas as saídas de materiais para produção O custo de aquisição compreende todos os gastos efetivamente incorridos para colocação da matéria-prima em condições de uso, ou seja: a) o valor de aquisição de matérias; neste valor devem ser incluídos todos os impostos incidentes sobre as compras e excluídos os recuperáveis. b)as despesas/custos com fretes seguros, se cobrados em separados do valor de materiais e arcadas pelo comprador. Devem ser deduzidos do custo de aquisição, os descontos incondicionais obtidos a abatimentos sobre compras concedidos pelos fornecedores e as devoluções de compras (liquidas dos impostos recuperáveis). as despesas financeiras com aquisição de materiais (matéria-prima, embalagens e outros) e os descontos financeiros eventualmente obtidos neste tipo de operação nunca são considerados como custos ou deduções de custos e sim como despesas financeiras e receitas financeiras (contabilizadas diretamente no demonstrativo de resultado). o custo de armazenagem dos materiais e os valores gastos com departamento de compras, almoxarifado e outros deveriam ser apropriados como custos de materiais, mas geralmente na prática são tratados como Custos Indiretos de Fabricação. COMPOSIÇÃO DO CUSTO DE MATERIAL Conforme Eliseu Martins, a regra é “Todos os gastos incorridos para a colocação do ativo em condições de uso (equipamentos, matérias-primas, ferramentas etc.) ou em condições de venda (mercadorias etc.) incorporam o valor desse mesmo ativo.”. Assim, o valor de um material pode ser obtido mediante a aplicação da seguinte seqüência de cálculo: Valor total da Nota Fiscal (-) IPI (se houver recuperação) (-) ICMs (se houver recuperação) (+) Frete (se houver) (+) Seguro (se houver) (+) Armazenagem e outros gastos (?) (=) Valor do material de entrada no estoque * Nota a) se forem materiais integrantes da política de estoques da empresa, esse resultado será ativado para posterior consumo. b) se o material for adquirido para aplicação especifica em um produto, será este o valor de material a ser apropriado ao produto. LANÇAMENTOS CONTÁBEIS Compras Debita – Estoque de Matéria-prima Debita – Impostos a Recuperar (IPI e ICMs.) Credita – Fornecedores / Caixa Credita – Fretes a pagar Saída - Debita – Custos da Matéria-prima (Produtos em Processo) Credita – Estoque de Matéria-prima.
  • 22. UNIDADE 04 CUSTO DE MÃO DE OBRA 04.01 Conceito da Mão de Obra O conceito de custo de mão-de-obra e os elementos componentes desse custo são os mais diversos possíveis. O custo de mão-de-obra se traduz na soma dos seguintes itens: - Taxa básica estabelecida em negociação individual ou coletiva (horária, diária etc); - Ajuda de custo; - Bônus de incentivo (abonos); - Gratificação por mérito; 04.02 Classificação 2. Classificação Identificam-se quatro fases da Administração de Pessoal ou da Mão-de-obra, a saber: 1) Fase da Procura Nesta fase, a tarefa a ser executada é contratar gente para preencher as vagas atuais e futuras. Para que isto ocorra e necessário verificar: • os requisitos dos cargos a preencher • que espécie e quanto de pessoal devem ser procurados • em que fonte se deve procurar • os procedimentos que devem ser usados para fazer a triagem dos candidatos • o uso de instrumentos como entrevistas e testes • o lugar das transferências e promoção na função de procura Etc. 2) Fase de Desenvolvimento Esta é a fase de Treinamento e Educação de Pessoal. Assim as aptidões, perícias e capacidades dos empregados na execução dos trabalhos específicos devem ser aumentados através do processo de Treinamento. Por outro lado, a melhoria do conhecimento, compreensão ou atitude dos empregados com relação a seu ambiente de trabalho, de modo que fiquem mais bem ajustados, é realizada com a Educação. 3) Fase de Manutenção Nesta fase identificam-se os seguintes itens para manter a mão-de-obra: • Remuneração • Benefícios extras. São exemplos os programas de seguros, direitos de pensão, férias e licença remunerada por motivo de doença, e indenizações por demissão. • Outros benefícios e participação dos empregados, como por exemplo os programas recreativos, sociais e esportivos, programas de participação através de publicações da empresa, serviços de conveniência, como instalações de restaurantes, lojas de empresas, cooperativas de crédito etc. • Segurança Física, ou seja, a sensação que cerca o trabalhador, sendo particularmente importantes as condições de trabalho. 4) Fase da utilização Nesta fase procura-se criar maior cooperação, reduzir conflitos e proporcionar adaptação a mudanças, ou seja, procura-se a utilização de uma força de trabalho eficaz.
  • 23. A pesquisa de pessoal e sua avaliação são os instrumentos de que a administração se utiliza para atingir este objetivo. Os custos de mão-de-obra são classificados sob os seguintes enfoques: a) Quanto à função orgânica principal: - produção - vendas - administração geral b) Quanto à atividade departamental - solda - cozinha - compras - etc. c) Quanto ao tipo de trabalho - supervisão - mão-de-obra direta - manuseio de materiais - etc. d) Quanto a relação com os produtos elaborados - direta - indireta “Quando o tempo de trabalho do operário pode ser identificado com o produto, lote de produtos, processo fabril ou centro de custos, o salário correspondente é considerado como mão-de obra direta. Para efeitos práticos, então, considera-se como mão-de-obra direta, ou simplesmente MCD, o salário do operário cuja ocupação estiver diretamente relacionada ao produto que está sendo fabricado. Os demais operários (. . .) embora imprescindíveis à tarefa de produzir, não se encontram diretamente identificados com um determinado produto ou centro de custos. Nesse caso, serão considerados como mãode-obra indireta (MOI)”. No entender de Eliseu Martins , a mão-de-obra direta é definida como “aquela relativa ao pessoal que trabalha diretamente sobre o produto em elaboração, sendo possível a averiguação de qual o tempo despendido e de quem executou o trabalho, sem necessidade de qualquer apropriação indireta ou rateio” No que tange à mão-de-obra indireta, Eliseu Martins comenta que esta só é apropriada por meio de fatores de rateio, com alto grau de arbitrariedade, e que pode, com menor grau de erro e arbitrariedade, ser alocada ao produto. Outra classificação possível dos custos de mão-de-obra é quanto à sua variabilidade em relação à produção. “a mão-de-obra direta e teoricamente considerada como um custo variável. Todavia, isso somente se verifica quando os operários recebem por unidade produzida. Uma vez que a força de trabalho é difícil de ser reduzida ou aumentada como decorrência de reduções ou aumentos ligeiros na produção, o custo de mão-de-obra direta permanece sempre o mesmo, salvo quando houver alterações drásticas ou prolongadas no ritmo de funcionamento da atividade fabril. Mesmo assim, o custo será considerado fixo, embora variando por degraus”. Porém, segundo Eliseu Martins, “Mão-de-obra Direta não se confunde com o total pago a produção, mesmo aos operários diretos. Só se caracteriza como tal a utilizada diretamente sobre o produto. Portanto, a Mão-de-obra Direta varia com a produção, enquanto a Folha relativa ao pessoal da própria produção é fixa”. Eliseu Martins acrescenta porém: “Uma exceção pode existir, entretanto, e podemos ter Mão-de- obra Direta Fixa. Tal ocorre quando existe um equipamento que tem o seu volume de produção
  • 24. ditado por regulagem. Aumenta ou diminui o volume da produção, mas continua o mesmo número de homens diretos trabalhando, pelo menos dentro de certos limites. Neste caso , assume a Mão-de- obra Direta o comportamento de custo fixo”. Do exposto concluímos que os custos de mão-de-obra podem ser classificados sob os seguintes aspectos: • quanto ao ciclo de vida • quanto à relação com os produtos elaborados • quanto à variabilidade em relação à produção Quanto ao Ciclo de Vida a) Gastos para atrair (contratar) mão-de-obra • Recrutamento • Entrevistas de admissão • Procedimentos de teste e seleção • Exames médicos admissionais • Contratação • Etc. b) Gastos para adaptar a mão-de-obra • Integração • Aprendizagem e Treinamento • Etc. c) Gastos para reter (manter) mão-de-obra • Remuneração Básica • Remuneração Suplementar • Gastos com bem-estar dos empregados (remuneração indireta) • Gastos com Desenvolvimento Contribuições Sociais • Etc. d) Gastos para desligar (demitir) mão-de-obra • Entrevista de desligamento • Aviso-prévio • Indenizações • Cálculo/Pagamento/Homologação da rescisão • Etc. 04.03 Composição da Mão de Obra (salários, encargos e outros) Acreditamos que o conceito de “custo de mão-de-obra” compreende todos os gastos relacionados ao “ciclo de vida da mão-de-obra”: ADMISSÃO---------------> MANUTENÇAO----------------> DESLIGAMENTO Seus elementos componentes são: Gastos com admissão; - Gastos com aprendizagem, treinamento, desenvolvimento e formação profissional. - Remuneração indireta (benefícios adicionais); - Contribuições sociais; - Gastos com desligamento. Custo de Mão-De-Obra e Encargos Sociais - Pagamentos por horas extras; • Feriados pagos • Pensões por aposentadoria • Pagamento de faltas por doença • Participação nos lucros • Participação societária
  • 25. • Serviços subsidiados em restaurantes, recreação etc. - Seguro contra acidentes do trabalho; - Contribuições sociais sobre salários. Também se acrescenta ao custo da mãode-obra alguns gastos, a saber: - Creches; - Transporte; - Assistência médica, hospitalar e dentária; - Escola; - Formação profissional. Definição de custo de mão-de-obra como sendo o custo de manter um empregado no trabalho por uma hora ou dia. Se amplia ainda mais os elementos do custo da mão-de-obra, acrescentando: - Bônus por não acidente; - Férias; - Pagamento por serviço em júri; - Gastos com treinamento; - Gastos com desligamento na demissão; - Compensação para desempenho; - Benefícios aos idosos; - Seguro de vida; - Seguro-saúde; - Etc. 04.04 Sistema de controle dos custos de mão de obra Remuneração Básica É todo e qualquer pagamento efetuado aos empregados em retribuição aos serviços prestados, por força de lei, negociação individual ou coletiva, ou ainda por liberdade do empregador. Compõe-se de três parcelas: -Remuneração do tempo a disposição do empregador; -Remuneração complementar -Ausências remuneradas a) Remuneração do tempo á disposição do empregador É todo pagamento e efetuado aos empregados em retribuição aos serviços efetivamente prestados ou ao período em que o empregado permaneceu à disposição do empregador. Pode ser estipulada: 1) Com base no tempo • Hora • Dia • Semana • Quinzena • Mês • Etc. 2) Com base na produção efetiva ou na tarefa executada: • Peças produzidas • Metros fabricados • Unidades vendidas • Aulas ministradas • Valores de vendas • Etc. 3) Mista. É aquela baseada parte no tempo, parte na produção.
  • 26. b) Remuneração Complementar Custo de Mão-De-Obra e Encargos Sociais É todo e qualquer pagamento efetuado aos empregados, porém não em contraprestação a serviços prestados, e sim por força da lei, negociação individual ou coletiva, ou por liberdade do empregador, como complementação da remuneração do tempo a disposição do empregador. Pertencem a este grupo: 1) Prêmios: • Assiduidade • Pontualidade • Produção e produtividade • Por não ocorrência de acidentes • Etc. 2) Adicionais • Horas extras • Noturno • Periculosidade • Insalubridade • Por tempo de serviço: anuênios, qüinqüênios, etc. • Etc. 3) Ajuda de custo 4) Diárias para viagens 5) Outras Gratificações 6) Bonificações de turno (penosidade) 7) Etc. c) Ausências Remuneradas São obrigações devidas pelos empregadores relativamente a períodos em que os empregados não tenham permanecido à sua disposição. São as seguintes: 1) Repouso semanal remunerado 2) Feriados 3) Ausências por motivos pessoais 4) Ausências por motivos cívicos: para votar, para satisfazer às exigências do serviço militar etc. 5) Auxilio-doença (15 primeiros dias) 6) Auxilio-acidente (15 primeiros dias) 7) Etc. Remuneração Suplementar É todo e qualquer pagamento efetuado aos empregados, porém não em contraprestação a serviços prestados, e sim por força de lei, negociação individual ou coletiva, ou por liberdade do empregador, como ampliação da remuneração básica. Exemplos: - Décimo-terceiro salário - Férias - Adicional constitucional de férias - Etc. Custo de Mão-De-Obra e Encargos Sociais Remuneração Indireta (benefícios adicionais) São gastos efetuados pelas entidades, seja por força da lei, de negociação individual ou coletiva, ou ainda por liberdade do empregador, com o objetivo de constituir fundos ou custear necessidades vitais ou atividades sociais para os empregados e seus dependentes. São os seguintes, entre outros: Cessão de uso de automóvel Serviços médicos, cirúrgicos, hospitalares e odontológicos Serviços de alimentação: refeições gratuitas ou subsidiadas Creches Seguro de vida Seguro-saúde
  • 27. Auxilio –desemprego Auxílio-velhice Serviço no júri e depoimento em juízo Planos de aposentadoria complementar Transporte gratuito ou subsidiado Cesta básica Serviços sociais e recreacionais Educação (pré-escola, lº e 2º graus etc.) gratuita ou subsidiada. Empréstimos subsidiados Viagens Complementação de auxílio-doença e de auxilio-acidente Etc. Contribuições Sociais São ônus impostos pelo governo ás entidades em geral, com base nas suas folhas de salários, com o objetivo de constituir fundos destinados ao financiamento de atividades sociais estatais ou paraestatais. Exemplos: - Contribuições à Previdência Social - Depósitos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - Seguro contra acidentes de trabalho - Programa de Integração Social - PIS sobre a folha de salários - Etc. Com base nesses elementos, podemos definir custo de mão-de-obra como sendo: O sacrifício de ativos da entidade para contratar, treinar, manter, remunerar e desligar a contribuição humana ao processo de produção de bens e serviços. Em outras palavras, entendemos que o custo de mão-de-obra compreende todos os gastos realizados, direta ou indiretamente, a titulo de remuneração por contribuições fornecidas pelos empregados Entendemos que as contribuições sociais que têm como fato gerador outros eventos que não a folha de salários (PIS sobre faturamento, FINSOCIAL, Contribuição Social sobre o Lucro etc) não fazem parte do custo da mão-de-obra, por não estarem diretamente relacionados à força de trabalho. Custo de Mão-De-Obra e Encargos Sociais entidade ao processo de produção de bens e serviços, incluindo todos os tributos dela decorrentes, bem como os benefícios adicionais a eles concedidos e ainda todos os gastos necessários para atrair, contratar, manter e desligar os empregados. 04.05 Fluxo contábil
  • 28. UNIDADE 05 - Trabalho em Grupo CUSTO DE CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO 05.01 Conceito dos Custos Indiretos de Fabricação 05.02 Classificação e os Componentes dos Custos Indiretos 05.03 Processo de distribuição dos Custos Indiretos por centro / departamento e por produtos (rateios) 05.04 Controle dos Custos Indiretos de Fabricação 05.05 Tratamento das Despesas Operacionais no processo de produção 05.06 Tratamento contábil dos custos indiretos e despesas operacionais UNIDADE 06 SISTEMA DE CUSTOS E DE CUSTEAMENTOS 06.01 Conceito e Tipos de Sistemas - por Processo e Ordem de Produção 06.02 Sistema de Custeamento - Conceitos e tipos (Absorção, Direto e ABC) Custeio Direto (ou Variável): É um método de custeio usado para alocação apenas dos custos variáveis ao produto. Segundo Leoni "o sistema de custeio variável ou direto é um método que considera apenas os custos variáveis de apropriação direta como custo do produto ou serviço". Segundo Lopes de Sá (1990, p. 108) diz que o custeio variável é "o processo de apuração de custo que exclui os custos fixos". Segundo Meglioni "enquanto no custeio por absorção eles são rateados aos produtos, no custeio variável, são tratados como custos do período, indo diretamente para o resultado igualmente as despesas". A diminuição da necessidade de rateio deve-se ao fato de que no sistema de custeio variável, são alocados aos produtos e/ou serviços, somente os custos variáveis e,
  • 29. como na maioria dos casos, os custos variáveis também são diretos, não alocando os rateios dos custos indiretos. Ele é usado para eliminar qualquer distorção na apuração dos custos oriundos de problemas com rateios pois os custos fixos são tratados como despesas. Custeio por absorção (ou integral): O sistema de custeio por absorção é o sistema que apura o valor dos custos dos bens ou serviços, tomando como base todos os custos da produção incluindo os custos diretos, indiretos, fixos e variáveis. Segundo Meglioni, "o custeio por absorção é o método que consiste em atribuir aos produtos fabricados todos os custos de produção, quer de forma direta ou indireta. Assim todos os custos, sejam eles fixos ou variáveis, são absorvidos pelos produtos." Custo-padrão: são custos predeterminados, porém, diferentemente dos custos estimados, são calculados com base em parâmetros operacionais, e utilizados em operações repetitivas de produção, onde não compensaria calcular o custo individual de cada repetição. Sistema de Custo Padrão O termo padrão possui inúmeros significados e várias implicações. Todos os custos padrões são oriundos de uma pré determinação, porém nem todos os custos pré orçados podem ser classificados como tal. Os custos padrões são estabelecidos segundo estudos de engenharia e são cuidadosamente apurados, levando-se em conta o presente e o passado. Para determinação dos custos padrões, há necessidade de seguir alguns critérios: - Seleção minuciosa do material utilizado na produção; - Estudos de tempo e desempenho das operações produtivas; - Estudos de engenharia sobre equipamentos e operações fabris. Custos históricos obtidos através de gastos médios ou que não levem em conta uma base científica do método de produção, não podem ser classificados como custos estimados. O custo padrão sintetiza em seu valor o custo para se produzir um bem ou serviço. A seguir são colocadas algumas definições que servirão para um melhor entendimento do assunto. - Padrão: Medida de quantidade, peso, valor e qualidade, estabelecida por uma autoridade. - Custo padrão: Valor do material, mão de obra ou gastos gerais de fabricação cuidadosamente apurados, necessários a elaboração de um produto ou serviço. - Método do custo padrão: No ramo contábil, compara os custos atuais com o custo padrão, testando as justificativas possíveis para as variações ocorridas. Dentre as vantagens deste sistema, considerou-se apenas as mais importantes: - Controle e redução de custos; - Promover e medir a eficiência do sistema produtivo; - Simplificação dos processos de custo; - Avaliação dos inventários. Esta área científica é muito polêmica, por não se tratar, em geral de discussões e controvérsias sobre critérios empíricos e não científicos, tendo assim uma elevada margem de contestação. Os problemas econômicos se assemelham mais a medicina, onde paralelamente ao empirismo consciente e experiente, são utilizadas técnicas científicas. Custeio ABC: A alocação dos custos indiretos são baseadas nas atividades relacionadas. Sistema de Custeio Baseado em Atividades (ABC) ABC é um sistema de custos que visa quantificar as atividades realizadas por uma empresa, utilizando vetores (direcionadores), para alocar as despesas de uma forma mais realista aos produtos e serviços. O princípio básico do ABC é que as atividades são as causas dos custos, e os produtos incorrem nestes mesmos custos através das atividades que eles exigem. O ABC, na prática, leva a um rastreamento de dados que habitualmente não são considerados nos sistemas de custeio tradicionais, por extensão, ele ajuda a redimensionar a mentalidade gerencial das empresas onde é aplicado. Este método de custeio visa basicamente detectar os custos "ocultos" existentes para produzir bens e serviços, porém auxilia no descobrimento de custos reais dos produtos e processos,
  • 30. na análise mais precisa dos custos de administração e na aferição de propostas mais competitivas em relação aos concorrentes. Os sistemas convencionais de gerenciamento de custeio não permitem análises mais consistentes quanto a problemas graves das empresas como retrabalhos de produtos defeituosos ou gargalos de produção. Medir passo a passo o processo produtivo permite a gerentes e supervisores a quantificação econômica de atrasos e ineficiências do processo produtivo. GECON: GECON ou modelo Gestão Econômica é um modelo de mensuração de custos baseado em gestão por resultados econômicos. Também conhecido por Grid Economics and Business Models Work. Custo-meta: O custo-meta, também conhecido como Target Costing, é uma estratégia de gestão de custos que, a partir do preço de mercado e de uma margem de lucro desejada, estabelece um teto de custo para os produtos ou serviços. 06.03 Sistema de Custo Por Processo 06.03.01 Forma de apropriação dos custos Sistema de Custo por Processo O sistema de custeio por processo, adapta-se a empresas que possuam um sistema de produção contínua, com processos consecutivos para produção de produtos padronizados. Pode-se citar como exemplos, as empresas do ramo de eletrodomésticos, produtos químicos, hospitais, etc. Este processo difere muito do Sistema de Custo Por Ordem de Produção no que tange a acumulação de custos. No Sistema de Custo Por Ordem de Produção, os custos são acumulados previamente em ordens de produção, para posteriormente serem aglutinados em seus departamentos produtivos. No sistema de custeio por processo, a metodologia é inversa, pois primeiramente chega-se aos custos por processo ou departamento, para posteriormente distribuí-los aos produtos que passam por estes processos. Com isto, o cerne deste sistema passa a ser os centros de custo e não o produto elaborado através de uma ordem de produção. 06.03.02 Tipo de atividade 06.03.03 Caracteristica,vantagens e desvantagens do Sistema Características do Sistema A seguir, apresenta-se as características mais relevantes deste sistema de custeio. - Aplicação: São aplicados em empresas que possuam produção contínua e seriada, com lotes de produtos padronizados. - Acumulação: Os custos com material de consumo, mão de obra direta e custos indiretos de fabricação são acumulados durante o processo produtivo nos departamentos ou centros de custo. - Custo de produção: Originam-se na acumulação dos custos dos diversos processos produtivos, através de cinco etapas seqüenciais: fluxo físico (produtivo), unidades equivalentes, fluxo monetário, custo total dos procedimentos e custo médio unitário. O custo total de cada centro de custo ou departamento, dividido pela sua respectiva produção, dará o custo médio unitário. - Transferência de custos: Cada unidade produzida que passa de um processo anterior para um seguinte ou para o estoque de unidades acabadas, leva consigo uma parcela do custo total dos processos precedentes. - Freqüência das apurações: Estas podem ser mensais, bimestrais ou trimestrais, porém recomenda-se serem o mais freqüentes possíveis, pois proporcionam um perfil atualizado da estrutura de custos, e permite uma tomada de decisão a nível gerencial mais rápida e segura.
  • 31. - Custo operacional do sistema: É um sistema de custeio menos burocrático do o que apresentado anteriormente, devido ao menor número de detalhamentos e registros. Com isto, ganha-se em tempo e economia de custos. 06.03.04 Fluxo Contábil 06.04 Sistema de Custo Por Ordem de Produção Sistema de Custeio por Ordem de Produção Este sistema, é característico de empresas que produzem sob encomenda, sejam estas unitárias ou em lotes. Podemos citar como exemplos as empresas de construção civil, tipografias, setor imobiliário, estaleiros e produtoras de filmes. 06.04.01 Forma de apropriação dos custos Existem duas filosofias que norteiam os sistemas de custeio, que são: A) Custear a produção por absorção; O custo por absorção parte do princípio de que os custos e as despesas indiretas fixas são adicionadas aos estoques e ao custo dos produtos vendidos. B) Considerar somente os custos diretos. Por sua vez, os princípios que norteiam a metodologia do custo direto não consideram os custos indiretos como custos de produção. Estes custos são lançados nas planilhas de produção como custos inaplicáveis ao processo produtivo, qualquer que seja o volume. 06.04.02 Tipo de atividade Na verdade as duas filosofias utilizam-se de princípios diferentes para fazer os custos indiretos chegarem ao produto. Uma agrega-os ao custo de produção, enquanto a outra debita da receita de vendas estes custos, obviamente apresentando resultados distintos nos balancetes de receitas e despesas. 06.04.03 Característica, vantagens e desvantagens do Sistema Os sistemas de custeio podem ser classificados: A) Quanto a natureza do processo produtivo - Ordens específicas de produção: baseia-se na agregação dos custos específicos de cada produto fabricado. - Por série de produção : Tipo de produção baseada na fabricação de vários produtos. B) Quanto ao tipo de custo escolhido - Históricos: tem como pressuposto principal a simplificação e contabilização dos valores tais como ocorreram. - Pré Determinados: Estes custos são estabelecidos antes de realizar a produção, através de estudos de engenharia ou valores escolhidos como amostra de um período. 06.04.04 Fluxo Contábil
  • 32. Os custos acumulados de matérias-primas, mão-de-obra e custos indiretos de fabricação, são computados a partir da emissão de uma ordem para produção de lotes de um bem ou serviço. Os resultados (lucro ou prejuízo) são rapidamente diagnosticados. Para isto, basta subtrair do preço de venda os custos acumulados naquela ordem, não havendo necessidade de ser feita uma apuração periódica dos resultados. Os custos primários que incidem diretamente ao produto poderão ser obtidos logo que a ordem esteja completamente concluída. Já os custos indiretos, só poderão ser incorporados ao produto quando terminar o período contábil. Todo esse processo de detectação e apropriação que caracteriza o sistema requer frequentemente um grande número de pessoas dedicadas a este fim, fazendo com que os fluxos de informações sejam inúmeros, principalmente na detectação do custo da mão-de-obra, aumentando consideravelmente o seu custo operacional. Neste sistema o formulário de ordem de produção é o centro nevrálgico, tendo como objetivo principal apresentar e registrar os gastos com material direto, mão de obra direta e uma estimativa dos custos indiretos relativos a unidade produzida. Devem estar contidas no formulário de ordem de produção: - Modelo e características do produto a ser fabricado; - Data de emissão e término esperado, bem como estimativa dos custos indiretos de fabricação; - Locais distintos para registrar material direto e mão de obra direta; - Resumo dos custos. Outros Sistemas de Custeio Os sistemas descritos anteriormente são os mais utilizados e comentados, porém existem outros métodos de apuração de custos que merecem ser citados. Estes serão apresentados a seguir porém não serão analisados em profundidade, o que poderá ser feito junto a bibliografia citada, caso haja interesse. A) Método das percentagens: É o mais antigo que se conhece. Parte da premissa que atribui percentagens de algumas despesas sobre outras. Exemplos: 1-Percentual de despesas gerais de fabricação sobre mão-de-obra. 2-Percentual de despesas gerais de fabricação somente sobre mão-de-obra direta. B) Método da hora/máquina: Este método parte do princípio "de baixo para cima", não baseado em elementos contábeis e escriturais a serem distribuídos entre os produtos fabricados. Calcula-se o custo horário de cada operação produtiva em cada máquina e o tempo necessário para cada produto fabricado. Somando-se todos os elementos básicos, a medida que os produtos passam pelas diferentes fases de produção, chega-se ao custo total. C) Método das equivalências: este método possui origem francesa, e está fundamentado na quantificação da produção diversificada, porém similar, em uma única unidade homogenizadora e equivalente que expresse toda a produção como sendo um único produto. Os cálculos levam ao "coeficiente de equivalência", obtendo uma produção total equivalente. D) Método da unidade padrão de esforço (UEPs): Este método identifica a empresa como concebida, com o objetivo básico de transformar matéria-prima e em produto final. Para tanto, as unidades produtivas realizam um esforço de produção nesta transformação. Este esforço, por sua vez, está associado a uma série de outros esforços parciais, que são, esforço das máquinas e equipamentos, esforço material, esforço humano e esforço utilidade. UNIDADE 07 POLÍTICA E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 07.01 Introdução e Objetivo na formação do Preço de Venda
  • 33. 07.02 Estrutura de Custos versus Preço de Mercado 07.03 Formação do Preço de Venda 07.04 Análise do Preço de Venda e Retorno de Investimento UNIDADE 08 ANALISE - CUSTOS - VOLUME - LUCRO (PONTO DE EQUILÍBRIO) 08.01 Introdução e Conceito do Ponto de Equilíbrio 08.02 Ponto de Equilíbrio Econômico e Financeiro 08.03 Abordagem Matemática 08.04 Aplicação do Ponto de Equilíbrio no gerenciamento dos custos 08.05 Analise e Viabilidade de Produto através do Ponto de Equilíbrio 08.06 Demonstrativos de Resultado e Analise do Ponto Critico 08.07 Análise e viabilidade de produtos através do Ponto de Equilíbrio BIBLIOGRAFIA BÁSICA COGAN, Samuel, - ABC - poderosa estratégica empresarial, São Paulo: Pioneira, 1994 Crepaldi, Silvio Aparecido -Curso Básico de Contabilidade de Custos - Editora Atlas, 1999 BIBLIOGRAFIA DE APOIO lnstítuto Brasileiro de Contadores Curso sobre Contabilidade de Custos - Editora Atlas - 1992 ludicibus, Sérgio de Analise de Custos - Editora Atlas.1988 Leone,George Sebastião Guerra -Custos com Enfoque Administrativo - 2 volumes - Editora Fundação Getulio Vargas.-1998 Leone,George Sebastião Guerra Custos - Planejamento, Implantação e Controle - Editora Atlas.- 1996 Leone,George Sebastião Guerra Contabilidade de Custos (Abordagem do Sistema ABC) - 2 volumes - Editora Atlas.-1997 Lima, José Geraldo de Custos (Calculo, Sistemas e Analises) - Editora Atlas. NAKAGAWA, Masayuku- Custeio Baseado em Atividades, São Paulo: Atlas, 1994 Matz, Adolfo,Othel J. Curry e George W. Frank Contabilidade de Custos - 3 volumes- Editora Atlas.-1978 Martins, Eliseu Contabilidadede Custos - (Abordagem do Sistema ABC) - Editora Atlas.-1996 Kaplan, Roberto S. e Cooper, Robin Custo e Desempenho - Editora Futura - 1998 Araújo, Carlos Roberto Vieira Matemática Financeira - Editora Atlas.1991 Cordeiro, José Bernardo Filho Estrutura e Analise Demonstrações Contábeis - Editora Record.1989 Guia da Ernst & Youg - Gestão Total dos Custos - Editora Record .1993 Santos, Joel José dos Santos Formação de Preços e Lucro Empresarial - Editora Atlas.1992 Valter, Milton Augusto Demonstrações Financeiras - Enfoque Gerencial-2 volumes - Editora Saraiva.1981