SlideShare uma empresa Scribd logo
Práticas Financeiras 
e Contábeis 
Prof. Wandick Rocha 
wandickrocha@yahoo.com.br 
http://contabilidademais.blogspot.com.br/
AULA 5 
a) Custo por Absorção 
b) Custeio Direto; 
c) Custos Diretos; 
d) Custos Indiretos; 
e) Custos Fixos; 
f) Custos Variáveis.
O que significa custos?
Conceito de Custo 
 Custo é o gasto financeiro que a empresa arca 
no momento da utilização dos fatores de 
produção para a realização de um bem ou 
serviço. 
 Desta forma, custo é o valor gasto com bens e 
serviços para a produção de outros bens e 
serviços. 
 Exemplos: matéria-prima, energia elétrica 
gasta na produção, salários e encargos do 
pessoal da produção. 
 Ver vídeo neste link: 
http://www.youtube.com/watch?v=cfUx3br_8Fk
Custo de Mercadorias e Serviços 
• Considerar todos os valores: 
Indústria: materiais, insumos, mão de obra 
direta; 
Comércio: valor de aquisição das 
mercadorias; 
Serviços: mão de obra direta, material 
aplicado.
Gestão de Custos 
 A gestão de custos tem como finalidade 
tornar a empresa mais sólida e 
competitiva, estudando quais custos são 
controláveis e os componentes que 
contribuem nas despesas. 
 Objetivos do estudo da Gestão de Custos: 
Informações sobre a rentabilidade e 
desempenho das atividades da empresa; 
Planejamento, controle e desenvolvimento 
das operações; 
Tomada de decisões.
Contabilidade de Custos 
 É o ramo da contabilidade que utiliza 
métodos específicos para identificar, 
classificar e registrar os custos ligados 
diretamente à produção ou venda de bens e 
serviços. 
 Utiliza a gestão dos custos para determinar 
o desempenho, o planejamento e o controle 
das operações para alocação mais 
criteriosa dos custos aos produtos ou 
serviços.
Método de Custeio 
 Método de custeio é a forma como as 
empresas agregam seus custos de 
fabricação ao preço de venda. 
 O principal objetivo é a separação de custos 
variáveis e custos fixos, definindo qual o 
peso deles na formação do preço de venda 
do produto. 
 Existem dois métodos de custeio: 
Custeio por absorção; 
Custeio variável.
Custeio por Absorção 
 É o método contábil de atribuir ou apropriar 
a um produto ou serviço todos os custos 
diretos e indiretos, fixos e variáveis, 
necessários à sua fabricação. 
 O resultado do custo sofre influência direta 
do volume produzido. 
 Está de acordo com os Princípios 
Fundamentais de Contabilidade e com as 
leis tributárias.
Custeio por Absorção 
PRODUÇÃO DO MÊS DE JANEIRO 
Custos diretos e indiretos de fabricação .................. 2.000,00 
Quantidade produzidas (unidades) ............................. 400 un. 
Matéria-prima por unidade ............................................ 20,00 
Rateio custos diretos/indiretos (2.000,00 : 400) .............. 5,00 
Total (20,00 + 5,00) ........................................................ 25,00 
PRODUÇÃO DO MÊS DE FEVEREIRO 
Custos diretos e indiretos de fabricação .................. 2.000,00 
Quantidade produzidas (unidades) ............................. 500 un. 
Matéria-prima por unidade ............................................ 20,00 
Rateio custos diretos/indiretos (2.000,00 : 500) .............. 4,00 
Total (20,00 + 4,00) ........................................................ 24,00
Custos Diretos 
 São os correlacionados diretamente aos 
objetos de custeio (produtos ou serviços), 
não necessitando de rateios. 
 São diretamente relacionados aos produtos 
fabricados ou serviços porque há uma forma 
fácil e objetiva de medir seu consumo. 
 Compreendem os gastos com materiais, 
mão de obra e gastos gerais de fabricação 
diretamente aplicados aos objetos de 
custeio.
Custos Diretos 
 Podem ser diretamente apropriados aos 
produtos, bastando haver uma medida de 
consumo: 
Peso Embalagens 
Horas de 
mão de obra 
Matéria 
prima
Custos Indiretos 
 São os custos não plenamente identificados 
com os objetivos de custeio. 
 Compreendem os gastos com materiais, 
mão de obra e gastos gerais de fabricação 
indiretamente aplicados aos objetos de 
custeio. 
 São todos os recursos consumidos pela 
empresa que não estão diretamente 
relacionados com o produto, porém são 
realizados para possibilitar a sua produção.
Custos Indiretos 
 Não apresentam condições de uma medida 
objetiva e qualquer tentativa de alocação 
tem de ser feita de maneira estimada e 
muitas vezes arbitrária como: 
Aluguel; 
Energia elétrica; 
Salário da supervisão.
Custos Fixos 
 São os custos que não variam 
independentemente dos níveis de produção, 
ou seja, não sofrem alteração de valor em 
caso de aumento ou diminuição da 
produção. 
 Exemplos: 
Limpeza e Conservação; 
Aluguel; 
Depreciação de equipamentos; 
Salários da Administração; 
Segurança e Vigilância.
Custos Variáveis 
 São os custos que variam, proporcionalmente, 
de acordo com o nível de produção ou 
atividades. 
 Quanto maior a produção, maiores serão os 
custos variáveis. 
 Exemplos: 
Matéria-Prima; 
Mão de obra; 
Comissão sobre Vendas; 
Água; 
Energia elétrica; 
Impostos. 
 Ver vídeo neste lnk: 
http://www.youtube.com/watch?v=NEVLaYd9pXE
Custeio Direto ou Variável 
 É o método de custeio em que somente os 
custos claramente identificados com os 
produtos devem ser apropriados. 
 No processo de seleção e produção, no 
sistema de custeio variável, o fluxo dos 
componentes dos custos de produção são 
separados em dois grupos: os custos fixos e 
os custos variáveis. 
 Os custos variáveis tomam a direção dos 
estoques e o fixos são direcionados para 
resultado do exercício.
Preço de venda: R$ 40,00 
Matéria-prima e materiais secundários: R$ 15,00 
ICMS: 25% 
PIS e COFINS: 3,65% 
Comissão dos vendedores: 5% 
Custos Variáveis de Produção: 
Matéria-prima e materiais secundários: R$ 15,00 
Subtotal: R$ 15,00 
Despesas Variáveis de Vendas: 
ICMS  40,00 x 25% = R$ 10,00 
PIS e COFINS  40,00 x 3,65% = R$ 1,46 
Comissão dos vendedores  40,00 x 5% = R$ 2,00 
Subtotal: R$ 13,46 
Custo unitário do produto vendido: 
Total  15,00 + 13,46 = R$ 28,46
Custeio por Absorção X Custeio Variável 
Representação gráfica do fluxo no custeio por Absorção 
Representação gráfica do fluxo no custeio variável 
 Mão obra direta 
 Materiais diretos 
 Gastos gerais de 
Fabricação 
Processo 
Produtivo 
Custos Fixos 
Custos Variáveis 
Resultado 
do 
Período 
Estoques 
 Mão obra direta 
 Materiais diretos 
 Gastos gerais de 
Fabricação 
Processo 
Produtivo 
Custos Fixos 
Custos Variáveis 
Estoques
Custos variáveis totais: R$ 10.500,00 
Custos fixos totais: R$ 3.500,00 
Despesas administrativas: R$ 2.000,00 
Despesas de vendas: R$ 1.500,00 
Receita total: R$ 30.000,00 
Vendeu toda a produção. 
DRE 
CUSTEIO POR 
ABSORÇÃO 
CUSTEIO 
VARIÁVEL 
Venda bruta 30.000,00 30.000,00 
(-) CPV (14.000,00) (10.500,00) 
(=) Lucro bruto 16.000,00 19.500,00 
(-) Despesas administrativas (2.000,00) (2.000,00) 
(-) Despesas de vendas (1.500,00) (1.500,00) 
(-) Custos Fixos 0,00 (3.500,00) 
(=) Lucro líquido 12.500,00 12.500,00
Custos variáveis totais: R$ 14.000,00 
Custos fixos totais: R$ 4.500,00 
Despesas administrativas: R$ 2.500,00 
Despesas de vendas: R$ 2.000,00 
Receita total: R$ 40.000,00 
Vendeu 70% da produção. 
DRE 
CUSTEIO POR 
ABSORÇÃO 
CUSTEIO 
VARIÁVEL 
Venda bruta 28.000,00 28.000,00 
(-) CPV (12.950,00) (9.800,00) 
(=) Lucro bruto 15.050,00 18.200,00 
(-) Despesas administrativas (2.500,00) (2.500,00) 
(-) Despesas de vendas (2.000,00) (2.000,00) 
(-) Custos Fixos 0,00 (4.500,00) 
(=) Lucro líquido 10.550,00 9.200,00
Por que as empresas 
devem controlar os custos?
Necessidade de 
Controlar os Custos 
 Mercado competitivo. 
 Aumento do lucro. 
 Formação do preço de venda. 
 Informações atualizadas. 
 Tomada de decisão com rapidez. 
 Crescimento da empresa.
Ponto de Equilíbrio 
 Ponto de equilíbrio é o valor ou a 
quantidade que a empresa precisa vender 
para cobrir o custo das mercadorias 
vendidas, as despesas variáveis e as 
despesas fixas. 
 A empresa atinge o ponto de equilíbrio 
quando as vendas igualam-se ao total dos 
custos e despesas. 
 No Ponto de Equilíbrio, a empresa não tem 
lucro e nem prejuízo.
Custos 
Variáveis 
Ponto de 
Equilíbrio 
(PE) 
Custos 
Fixos 
0 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 
Valor 
(em mil R$) 
160,00 
140,00 
120,00 
100,00 
80,00 
60,00 
40,00 
20,00 
Quantidade 
(em mil unidades) 
Prejuízo 
Lucro 
GRÁFICO DO 
PONTO DE EQUILÍBRIO
Ponto de Equilíbrio 
DESCRIÇÃO PREJUÍZO 
PONTO DE 
EQUILÍBRIO 
LUCRO 
Quantidade 
Menor que 
10.000 un. 
Igual a 
10.000 un. 
Maior que 
10.000 un. 
Valor 
Menor que 
R$ 100.000,00 
Igual a 
R$ 100.000,00 
Maior que 
R$ 100.000,00
Custos, Despesas 
e Investimento 
 Custos: valores gastos diretamente na 
aquisição ou elaboração do produto e (ou) 
na execução de serviços. 
 Despesas: valores gastos na 
comercialização de produtos ou serviços e 
administração das atividades empresariais. 
 Investimentos: valores aplicados na 
aquisição de bens utilizados nas atividades 
operacionais por vários períodos.
AULA 6 
a) Formação do Preço de Vendas; 
b) Preço.
Qual é a importância 
do preço de vendas?
Preço de Venda 
 Para fixar o preço de venda dos produtos, 
para ter lucro, o empresário deverá 
conhecer a importância da formação 
criteriosa de preços e compreender sua 
estrutura. 
 O preço de venda é um fator que influencia 
o cliente em suas decisões de compra, 
pois, em mercados com um grande número 
de concorrentes, as empresas precisam ter 
certeza de que estão oferecendo a melhor 
oferta sem perder a lucratividade.
Definição de Preço 
 Preço é a quantidade de dinheiro que o 
consumidor paga para adquirir um produto e 
que a empresa recebe em troca da venda 
desse produto. 
 Determinar o preço de venda é uma das 
peças fundamentais do planejamento 
empresarial, pois proporcionará 
rentabilidade, competitividade, crescimento 
e retorno do capital investido.
Importância do Preço 
 Influencia a decisão de compra; 
 Ganhar da concorrência; 
 Aumentar a lucratividade; 
 Capital de giro mais rápido; 
 Rotatividade maior dos estoques; 
 Crescimento da empresa.
Preço – Um dos 4 P’s Marketing 
Produto Preço 
MERCADO 
Praça Promoção
Decisão de Compra 
 Produto: qualidade, marca, design, 
embalagem, disponibilização e serviços 
agregados. 
 Praça / Ponto: localização da loja e o layout 
(disposição e arrumação física da empresa e 
das mercadorias). 
 Promoção: oferta, comunicação, 
persuasão, preferência, fidelização. 
 Preço: valor, descontos, prazos, condições 
de pagamentos.
Fatores internos e Externos 
 Preço tem que buscar o equilíbrio entre os 
fatores internos e externos relativos à 
empresa para atingir o lucro desejado. 
EXTERNO INTERNO 
CONCORRÊNCIA 
CUSTOS 
PREÇO 
LUCRO
Triângulo do Preço 
PRODUTO 
CUSTO
Como elaborar o 
preço de Vendas?
Custos e Despesas 
 Custos: gastos efetuados pela empresa na 
elaboração ou na aquisição de produtos ou 
na prestação de serviços. 
 Despesas: gastos que servem como apoio 
para que as empresas atinjam seus 
objetivos. 
 É importante entender como se comportam 
os custos e as despesas para determinar 
estratégias na formação de preços de 
venda.
Elementos para Formação de Preço 
 Fatores financeiros e mercadológicos; 
 Apuração correta dos custos; 
 Particularidades do segmento do mercado; 
 Analisar a concorrência; 
 Expectativas do consumidor.
Custos 
 Indústria: materiais diretos + mão de obra + 
custos indiretos de produção. 
 Comércio: valor da mercadoria + outros 
gastos (impostos, fretes). 
 Serviços: mão de obra + (outros custos) 
energia, gás, transporte, combustível).
Mark-up 
 Mark-Up é um índice aplicado sobre o custo 
de um produto ou serviço para a formação 
do preço de venda,ou seja, é a margem para 
cobrir os gastos não incluídos nos custos. 
 O preço deve ser suficiente para cobrir todos 
os custos, despesas, impostos e no final 
gerar um lucro na venda para manter a 
empresa ativa. 
 Exemplos:comissões, impostos, margem de 
lucro, despesas administrativas.
Cálculo do Preço de Venda 
Preço de Venda = Custo + Murk-up 
Matéria Prima 20,00 
Custos Diretos e Indiretos 2.000,00 
Unidades Produzidas 400 
Custo Unitário (2.000,00 / 400) 5,00 
Total do Custo Unitário (20,00 + 5,00) 25,00 
Despesas Gerais Administrativas 10% 
Comissões dos Vendedores 5% 
Tributos sobre Vendas 20% 
Margem de Lucro Desejada 5% 
Mark-up 40%
Cálculo do Preço de Venda 
Preço de Venda = Custo + Murk-up (PV) 
1PV = 25,00 + 40% (PV) 
1PV = 25,00 + 40 / 100 (PV) 
1PV = 25,00 + 0,40 PV 
1PV – 0,4PV = 25,00 
0,6PV = 25,00 
PV = 25,00 / 0,6 
PV = R$ 41,66
Preço de Venda Ideal 
• Preço de venda ideal é aquele que cobre 
todos os custos e despesas e ainda sobra o 
Lucro Líquido. 
• Preço de venda ideal tem de ser 
competitivo, ser melhor do que o preço da 
concorrência. 
• Será determinante para os resultados da 
empresa: 
- Estratégias x Volume
Margem de Contribuição 
 É a diferença entre o preço de venda e os 
gastos variáveis (custos e despesas). 
MC = Preço de venda - (Cv + Dv) 
 Representa quanto cada produto ou serviço 
contribui para cobrir as despesas fixas e 
formar o lucro da empresa.
Margem de Contribuição 
DESCRIÇÃO VALOR (R$) % 
(+) Preço de Venda 22,50 100% 
(-) Despesas Variáveis 2,36 10,49% 
(-) Custo Variável 15,00 66,67% 
(=) Margem de Contribuição 5,14 22,84% 
Veja que a Margem de Contribuição, isto é, a 
contribuição deste preço de venda para 
pagar as despesas fixas e gerar lucro, é de 
R$ 5,14 por unidade ou 22,84% do preço de 
venda. 
Ver vídeo neste link: 
http://www.youtube.com/watch?v=q-JRlgrAiEA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontalAula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Reginaldo Santana
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Diego Lopes
 
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Adriano Bruni
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Daniel Moura
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
custos contabil
 
Métodos de formação de preços
Métodos de formação de preçosMétodos de formação de preços
Métodos de formação de preços
Roberty Pires Teixeira
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Wandick Rocha de Aquino
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
Luciano Pires
 
Orçamento
OrçamentoOrçamento
Aula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado GlobalAula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado Global
Luciano Cavalcante
 
Noções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de ContabilidadeNoções Básicas de Contabilidade
Capítulo 1 introdução a contabilidade gerencial
Capítulo 1   introdução a contabilidade gerencialCapítulo 1   introdução a contabilidade gerencial
Capítulo 1 introdução a contabilidade gerencial
LIVIA SANTOS DE MIRANDA
 
Planejamento orçamentário
Planejamento orçamentárioPlanejamento orçamentário
Planejamento orçamentário
fevechi
 
04 Introdução à Microeconomia
04   Introdução à Microeconomia04   Introdução à Microeconomia
04 Introdução à Microeconomia
Ricardo Barbosa
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
smalheiros
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
Celso Frederico Lago
 
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacionalCiclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Maick William Oliveira Costa
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
Denis Carlos Sodré
 
Capitulo 5 custo padrão
Capitulo 5   custo padrãoCapitulo 5   custo padrão
Capitulo 5 custo padrão
Daniel Moura
 

Mais procurados (20)

Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontalAula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
 
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
 
Métodos de formação de preços
Métodos de formação de preçosMétodos de formação de preços
Métodos de formação de preços
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
Orçamento
OrçamentoOrçamento
Orçamento
 
Aula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado GlobalAula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado Global
 
Noções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de ContabilidadeNoções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de Contabilidade
 
Capítulo 1 introdução a contabilidade gerencial
Capítulo 1   introdução a contabilidade gerencialCapítulo 1   introdução a contabilidade gerencial
Capítulo 1 introdução a contabilidade gerencial
 
Planejamento orçamentário
Planejamento orçamentárioPlanejamento orçamentário
Planejamento orçamentário
 
04 Introdução à Microeconomia
04   Introdução à Microeconomia04   Introdução à Microeconomia
04 Introdução à Microeconomia
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
 
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacionalCiclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacional
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
 
Capitulo 5 custo padrão
Capitulo 5   custo padrãoCapitulo 5   custo padrão
Capitulo 5 custo padrão
 

Semelhante a Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6

Contabilidade de Custo EADUSP.pdf
Contabilidade de Custo EADUSP.pdfContabilidade de Custo EADUSP.pdf
Contabilidade de Custo EADUSP.pdf
LuizCarlosdeAndrade
 
Unidade 1 custo
Unidade 1 custoUnidade 1 custo
Unidade 1 custo
custos contabil
 
SISTEMAS DE CUSTEIO.pptx
SISTEMAS DE CUSTEIO.pptxSISTEMAS DE CUSTEIO.pptx
SISTEMAS DE CUSTEIO.pptx
JefersonCarvalho49
 
QUALIPOLO PRECIFICAÇÃO.pptx
QUALIPOLO PRECIFICAÇÃO.pptxQUALIPOLO PRECIFICAÇÃO.pptx
QUALIPOLO PRECIFICAÇÃO.pptx
HellitonRikson1
 
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptxContabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
RogerLevidosSantosRo
 
Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
zeramento contabil
 
Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1
Mayara Maciel
 
Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
custos contabil
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
Ana Paula Nascimento
 
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
FABIO MORAES OLIVEIRA
 
Apresentação custos
Apresentação custosApresentação custos
Apresentação custos
Rafhael Sena
 
Contabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custosContabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custos
custos contabil
 
Custos na pequena industria
Custos na pequena industriaCustos na pequena industria
Custos na pequena industria
claudio moreno
 
departamentalização
 departamentalização departamentalização
departamentalização
Apolinário Holanda
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
gerenciamnto de custos
gerenciamnto de custosgerenciamnto de custos
gerenciamnto de custos
tania mendes
 
Adm5 contabilidade de_custos_teleaula_7_tema_8
Adm5 contabilidade de_custos_teleaula_7_tema_8Adm5 contabilidade de_custos_teleaula_7_tema_8
Adm5 contabilidade de_custos_teleaula_7_tema_8
Sheyanne Silva
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
simuladocontabil
 
Palestra Pricing - Formação do Preço de Venda
Palestra Pricing - Formação do Preço de VendaPalestra Pricing - Formação do Preço de Venda
Palestra Pricing - Formação do Preço de Venda
ADVB
 
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.pptGestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
ZanardLuciano
 

Semelhante a Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6 (20)

Contabilidade de Custo EADUSP.pdf
Contabilidade de Custo EADUSP.pdfContabilidade de Custo EADUSP.pdf
Contabilidade de Custo EADUSP.pdf
 
Unidade 1 custo
Unidade 1 custoUnidade 1 custo
Unidade 1 custo
 
SISTEMAS DE CUSTEIO.pptx
SISTEMAS DE CUSTEIO.pptxSISTEMAS DE CUSTEIO.pptx
SISTEMAS DE CUSTEIO.pptx
 
QUALIPOLO PRECIFICAÇÃO.pptx
QUALIPOLO PRECIFICAÇÃO.pptxQUALIPOLO PRECIFICAÇÃO.pptx
QUALIPOLO PRECIFICAÇÃO.pptx
 
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptxContabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
 
Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
 
Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1
 
Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
 
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
 
Apresentação custos
Apresentação custosApresentação custos
Apresentação custos
 
Contabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custosContabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custos
 
Custos na pequena industria
Custos na pequena industriaCustos na pequena industria
Custos na pequena industria
 
departamentalização
 departamentalização departamentalização
departamentalização
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
 
gerenciamnto de custos
gerenciamnto de custosgerenciamnto de custos
gerenciamnto de custos
 
Adm5 contabilidade de_custos_teleaula_7_tema_8
Adm5 contabilidade de_custos_teleaula_7_tema_8Adm5 contabilidade de_custos_teleaula_7_tema_8
Adm5 contabilidade de_custos_teleaula_7_tema_8
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
 
Palestra Pricing - Formação do Preço de Venda
Palestra Pricing - Formação do Preço de VendaPalestra Pricing - Formação do Preço de Venda
Palestra Pricing - Formação do Preço de Venda
 
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.pptGestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
 

Mais de Wandick Rocha de Aquino

Parte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do LíderParte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do Líder
Wandick Rocha de Aquino
 
Processo Seletivo
Processo Seletivo Processo Seletivo
Processo Seletivo
Wandick Rocha de Aquino
 
Sped
SpedSped
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
Wandick Rocha de Aquino
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
Wandick Rocha de Aquino
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
Wandick Rocha de Aquino
 
Qualidade no Trabalho
Qualidade no TrabalhoQualidade no Trabalho
Qualidade no Trabalho
Wandick Rocha de Aquino
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Noções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura OrganizacionalNoções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura Organizacional
Wandick Rocha de Aquino
 
Reforma Trabalhista
Reforma TrabalhistaReforma Trabalhista
Reforma Trabalhista
Wandick Rocha de Aquino
 
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivaçãoQualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Wandick Rocha de Aquino
 
Liderança
LiderançaLiderança
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Wandick Rocha de Aquino
 
Novo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planosNovo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planos
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Wandick Rocha de Aquino
 
Manual do Novo Empregado
Manual do Novo EmpregadoManual do Novo Empregado
Manual do Novo Empregado
Wandick Rocha de Aquino
 
Trabalho da Mulher
Trabalho da MulherTrabalho da Mulher
Trabalho da Mulher
Wandick Rocha de Aquino
 
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de TrabalhoCurrículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Wandick Rocha de Aquino
 
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações CríticasResiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Wandick Rocha de Aquino
 

Mais de Wandick Rocha de Aquino (20)

Parte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do LíderParte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do Líder
 
Processo Seletivo
Processo Seletivo Processo Seletivo
Processo Seletivo
 
Sped
SpedSped
Sped
 
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
 
Qualidade no Trabalho
Qualidade no TrabalhoQualidade no Trabalho
Qualidade no Trabalho
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
 
Noções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura OrganizacionalNoções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura Organizacional
 
Reforma Trabalhista
Reforma TrabalhistaReforma Trabalhista
Reforma Trabalhista
 
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivaçãoQualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Novo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planosNovo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planos
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
 
Manual do Novo Empregado
Manual do Novo EmpregadoManual do Novo Empregado
Manual do Novo Empregado
 
Trabalho da Mulher
Trabalho da MulherTrabalho da Mulher
Trabalho da Mulher
 
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de TrabalhoCurrículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
 
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações CríticasResiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6

  • 1. Práticas Financeiras e Contábeis Prof. Wandick Rocha wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/
  • 2. AULA 5 a) Custo por Absorção b) Custeio Direto; c) Custos Diretos; d) Custos Indiretos; e) Custos Fixos; f) Custos Variáveis.
  • 3. O que significa custos?
  • 4. Conceito de Custo  Custo é o gasto financeiro que a empresa arca no momento da utilização dos fatores de produção para a realização de um bem ou serviço.  Desta forma, custo é o valor gasto com bens e serviços para a produção de outros bens e serviços.  Exemplos: matéria-prima, energia elétrica gasta na produção, salários e encargos do pessoal da produção.  Ver vídeo neste link: http://www.youtube.com/watch?v=cfUx3br_8Fk
  • 5. Custo de Mercadorias e Serviços • Considerar todos os valores: Indústria: materiais, insumos, mão de obra direta; Comércio: valor de aquisição das mercadorias; Serviços: mão de obra direta, material aplicado.
  • 6. Gestão de Custos  A gestão de custos tem como finalidade tornar a empresa mais sólida e competitiva, estudando quais custos são controláveis e os componentes que contribuem nas despesas.  Objetivos do estudo da Gestão de Custos: Informações sobre a rentabilidade e desempenho das atividades da empresa; Planejamento, controle e desenvolvimento das operações; Tomada de decisões.
  • 7. Contabilidade de Custos  É o ramo da contabilidade que utiliza métodos específicos para identificar, classificar e registrar os custos ligados diretamente à produção ou venda de bens e serviços.  Utiliza a gestão dos custos para determinar o desempenho, o planejamento e o controle das operações para alocação mais criteriosa dos custos aos produtos ou serviços.
  • 8. Método de Custeio  Método de custeio é a forma como as empresas agregam seus custos de fabricação ao preço de venda.  O principal objetivo é a separação de custos variáveis e custos fixos, definindo qual o peso deles na formação do preço de venda do produto.  Existem dois métodos de custeio: Custeio por absorção; Custeio variável.
  • 9. Custeio por Absorção  É o método contábil de atribuir ou apropriar a um produto ou serviço todos os custos diretos e indiretos, fixos e variáveis, necessários à sua fabricação.  O resultado do custo sofre influência direta do volume produzido.  Está de acordo com os Princípios Fundamentais de Contabilidade e com as leis tributárias.
  • 10. Custeio por Absorção PRODUÇÃO DO MÊS DE JANEIRO Custos diretos e indiretos de fabricação .................. 2.000,00 Quantidade produzidas (unidades) ............................. 400 un. Matéria-prima por unidade ............................................ 20,00 Rateio custos diretos/indiretos (2.000,00 : 400) .............. 5,00 Total (20,00 + 5,00) ........................................................ 25,00 PRODUÇÃO DO MÊS DE FEVEREIRO Custos diretos e indiretos de fabricação .................. 2.000,00 Quantidade produzidas (unidades) ............................. 500 un. Matéria-prima por unidade ............................................ 20,00 Rateio custos diretos/indiretos (2.000,00 : 500) .............. 4,00 Total (20,00 + 4,00) ........................................................ 24,00
  • 11. Custos Diretos  São os correlacionados diretamente aos objetos de custeio (produtos ou serviços), não necessitando de rateios.  São diretamente relacionados aos produtos fabricados ou serviços porque há uma forma fácil e objetiva de medir seu consumo.  Compreendem os gastos com materiais, mão de obra e gastos gerais de fabricação diretamente aplicados aos objetos de custeio.
  • 12. Custos Diretos  Podem ser diretamente apropriados aos produtos, bastando haver uma medida de consumo: Peso Embalagens Horas de mão de obra Matéria prima
  • 13. Custos Indiretos  São os custos não plenamente identificados com os objetivos de custeio.  Compreendem os gastos com materiais, mão de obra e gastos gerais de fabricação indiretamente aplicados aos objetos de custeio.  São todos os recursos consumidos pela empresa que não estão diretamente relacionados com o produto, porém são realizados para possibilitar a sua produção.
  • 14. Custos Indiretos  Não apresentam condições de uma medida objetiva e qualquer tentativa de alocação tem de ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária como: Aluguel; Energia elétrica; Salário da supervisão.
  • 15. Custos Fixos  São os custos que não variam independentemente dos níveis de produção, ou seja, não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção.  Exemplos: Limpeza e Conservação; Aluguel; Depreciação de equipamentos; Salários da Administração; Segurança e Vigilância.
  • 16. Custos Variáveis  São os custos que variam, proporcionalmente, de acordo com o nível de produção ou atividades.  Quanto maior a produção, maiores serão os custos variáveis.  Exemplos: Matéria-Prima; Mão de obra; Comissão sobre Vendas; Água; Energia elétrica; Impostos.  Ver vídeo neste lnk: http://www.youtube.com/watch?v=NEVLaYd9pXE
  • 17. Custeio Direto ou Variável  É o método de custeio em que somente os custos claramente identificados com os produtos devem ser apropriados.  No processo de seleção e produção, no sistema de custeio variável, o fluxo dos componentes dos custos de produção são separados em dois grupos: os custos fixos e os custos variáveis.  Os custos variáveis tomam a direção dos estoques e o fixos são direcionados para resultado do exercício.
  • 18. Preço de venda: R$ 40,00 Matéria-prima e materiais secundários: R$ 15,00 ICMS: 25% PIS e COFINS: 3,65% Comissão dos vendedores: 5% Custos Variáveis de Produção: Matéria-prima e materiais secundários: R$ 15,00 Subtotal: R$ 15,00 Despesas Variáveis de Vendas: ICMS  40,00 x 25% = R$ 10,00 PIS e COFINS  40,00 x 3,65% = R$ 1,46 Comissão dos vendedores  40,00 x 5% = R$ 2,00 Subtotal: R$ 13,46 Custo unitário do produto vendido: Total  15,00 + 13,46 = R$ 28,46
  • 19. Custeio por Absorção X Custeio Variável Representação gráfica do fluxo no custeio por Absorção Representação gráfica do fluxo no custeio variável  Mão obra direta  Materiais diretos  Gastos gerais de Fabricação Processo Produtivo Custos Fixos Custos Variáveis Resultado do Período Estoques  Mão obra direta  Materiais diretos  Gastos gerais de Fabricação Processo Produtivo Custos Fixos Custos Variáveis Estoques
  • 20. Custos variáveis totais: R$ 10.500,00 Custos fixos totais: R$ 3.500,00 Despesas administrativas: R$ 2.000,00 Despesas de vendas: R$ 1.500,00 Receita total: R$ 30.000,00 Vendeu toda a produção. DRE CUSTEIO POR ABSORÇÃO CUSTEIO VARIÁVEL Venda bruta 30.000,00 30.000,00 (-) CPV (14.000,00) (10.500,00) (=) Lucro bruto 16.000,00 19.500,00 (-) Despesas administrativas (2.000,00) (2.000,00) (-) Despesas de vendas (1.500,00) (1.500,00) (-) Custos Fixos 0,00 (3.500,00) (=) Lucro líquido 12.500,00 12.500,00
  • 21. Custos variáveis totais: R$ 14.000,00 Custos fixos totais: R$ 4.500,00 Despesas administrativas: R$ 2.500,00 Despesas de vendas: R$ 2.000,00 Receita total: R$ 40.000,00 Vendeu 70% da produção. DRE CUSTEIO POR ABSORÇÃO CUSTEIO VARIÁVEL Venda bruta 28.000,00 28.000,00 (-) CPV (12.950,00) (9.800,00) (=) Lucro bruto 15.050,00 18.200,00 (-) Despesas administrativas (2.500,00) (2.500,00) (-) Despesas de vendas (2.000,00) (2.000,00) (-) Custos Fixos 0,00 (4.500,00) (=) Lucro líquido 10.550,00 9.200,00
  • 22. Por que as empresas devem controlar os custos?
  • 23. Necessidade de Controlar os Custos  Mercado competitivo.  Aumento do lucro.  Formação do preço de venda.  Informações atualizadas.  Tomada de decisão com rapidez.  Crescimento da empresa.
  • 24. Ponto de Equilíbrio  Ponto de equilíbrio é o valor ou a quantidade que a empresa precisa vender para cobrir o custo das mercadorias vendidas, as despesas variáveis e as despesas fixas.  A empresa atinge o ponto de equilíbrio quando as vendas igualam-se ao total dos custos e despesas.  No Ponto de Equilíbrio, a empresa não tem lucro e nem prejuízo.
  • 25. Custos Variáveis Ponto de Equilíbrio (PE) Custos Fixos 0 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Valor (em mil R$) 160,00 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 Quantidade (em mil unidades) Prejuízo Lucro GRÁFICO DO PONTO DE EQUILÍBRIO
  • 26. Ponto de Equilíbrio DESCRIÇÃO PREJUÍZO PONTO DE EQUILÍBRIO LUCRO Quantidade Menor que 10.000 un. Igual a 10.000 un. Maior que 10.000 un. Valor Menor que R$ 100.000,00 Igual a R$ 100.000,00 Maior que R$ 100.000,00
  • 27. Custos, Despesas e Investimento  Custos: valores gastos diretamente na aquisição ou elaboração do produto e (ou) na execução de serviços.  Despesas: valores gastos na comercialização de produtos ou serviços e administração das atividades empresariais.  Investimentos: valores aplicados na aquisição de bens utilizados nas atividades operacionais por vários períodos.
  • 28. AULA 6 a) Formação do Preço de Vendas; b) Preço.
  • 29. Qual é a importância do preço de vendas?
  • 30. Preço de Venda  Para fixar o preço de venda dos produtos, para ter lucro, o empresário deverá conhecer a importância da formação criteriosa de preços e compreender sua estrutura.  O preço de venda é um fator que influencia o cliente em suas decisões de compra, pois, em mercados com um grande número de concorrentes, as empresas precisam ter certeza de que estão oferecendo a melhor oferta sem perder a lucratividade.
  • 31. Definição de Preço  Preço é a quantidade de dinheiro que o consumidor paga para adquirir um produto e que a empresa recebe em troca da venda desse produto.  Determinar o preço de venda é uma das peças fundamentais do planejamento empresarial, pois proporcionará rentabilidade, competitividade, crescimento e retorno do capital investido.
  • 32. Importância do Preço  Influencia a decisão de compra;  Ganhar da concorrência;  Aumentar a lucratividade;  Capital de giro mais rápido;  Rotatividade maior dos estoques;  Crescimento da empresa.
  • 33. Preço – Um dos 4 P’s Marketing Produto Preço MERCADO Praça Promoção
  • 34. Decisão de Compra  Produto: qualidade, marca, design, embalagem, disponibilização e serviços agregados.  Praça / Ponto: localização da loja e o layout (disposição e arrumação física da empresa e das mercadorias).  Promoção: oferta, comunicação, persuasão, preferência, fidelização.  Preço: valor, descontos, prazos, condições de pagamentos.
  • 35. Fatores internos e Externos  Preço tem que buscar o equilíbrio entre os fatores internos e externos relativos à empresa para atingir o lucro desejado. EXTERNO INTERNO CONCORRÊNCIA CUSTOS PREÇO LUCRO
  • 36. Triângulo do Preço PRODUTO CUSTO
  • 37. Como elaborar o preço de Vendas?
  • 38. Custos e Despesas  Custos: gastos efetuados pela empresa na elaboração ou na aquisição de produtos ou na prestação de serviços.  Despesas: gastos que servem como apoio para que as empresas atinjam seus objetivos.  É importante entender como se comportam os custos e as despesas para determinar estratégias na formação de preços de venda.
  • 39. Elementos para Formação de Preço  Fatores financeiros e mercadológicos;  Apuração correta dos custos;  Particularidades do segmento do mercado;  Analisar a concorrência;  Expectativas do consumidor.
  • 40. Custos  Indústria: materiais diretos + mão de obra + custos indiretos de produção.  Comércio: valor da mercadoria + outros gastos (impostos, fretes).  Serviços: mão de obra + (outros custos) energia, gás, transporte, combustível).
  • 41. Mark-up  Mark-Up é um índice aplicado sobre o custo de um produto ou serviço para a formação do preço de venda,ou seja, é a margem para cobrir os gastos não incluídos nos custos.  O preço deve ser suficiente para cobrir todos os custos, despesas, impostos e no final gerar um lucro na venda para manter a empresa ativa.  Exemplos:comissões, impostos, margem de lucro, despesas administrativas.
  • 42. Cálculo do Preço de Venda Preço de Venda = Custo + Murk-up Matéria Prima 20,00 Custos Diretos e Indiretos 2.000,00 Unidades Produzidas 400 Custo Unitário (2.000,00 / 400) 5,00 Total do Custo Unitário (20,00 + 5,00) 25,00 Despesas Gerais Administrativas 10% Comissões dos Vendedores 5% Tributos sobre Vendas 20% Margem de Lucro Desejada 5% Mark-up 40%
  • 43. Cálculo do Preço de Venda Preço de Venda = Custo + Murk-up (PV) 1PV = 25,00 + 40% (PV) 1PV = 25,00 + 40 / 100 (PV) 1PV = 25,00 + 0,40 PV 1PV – 0,4PV = 25,00 0,6PV = 25,00 PV = 25,00 / 0,6 PV = R$ 41,66
  • 44. Preço de Venda Ideal • Preço de venda ideal é aquele que cobre todos os custos e despesas e ainda sobra o Lucro Líquido. • Preço de venda ideal tem de ser competitivo, ser melhor do que o preço da concorrência. • Será determinante para os resultados da empresa: - Estratégias x Volume
  • 45. Margem de Contribuição  É a diferença entre o preço de venda e os gastos variáveis (custos e despesas). MC = Preço de venda - (Cv + Dv)  Representa quanto cada produto ou serviço contribui para cobrir as despesas fixas e formar o lucro da empresa.
  • 46. Margem de Contribuição DESCRIÇÃO VALOR (R$) % (+) Preço de Venda 22,50 100% (-) Despesas Variáveis 2,36 10,49% (-) Custo Variável 15,00 66,67% (=) Margem de Contribuição 5,14 22,84% Veja que a Margem de Contribuição, isto é, a contribuição deste preço de venda para pagar as despesas fixas e gerar lucro, é de R$ 5,14 por unidade ou 22,84% do preço de venda. Ver vídeo neste link: http://www.youtube.com/watch?v=q-JRlgrAiEA