SlideShare uma empresa Scribd logo
ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO FINANCEIRA I
                         rodrigo@fesppr.br
 PROFESSOR: RODRIGO OTÁVIO DAS CHAGAS LIMA, msc


 O QUE É REALMENTE IMPORTANTE SABER PARA UMA
         BOA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA?

                         ESTRATÉGIA

  CAPTAÇÃO DE RECURSOS               APLICAÇÃO DE RECURSOS
     CUSTO DO CAPITAL              REMUNERAÇÃO DO CAPITAL

                ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA
              TESOURARIA: ENTRADA E SAÍDA
                  CICLO OPERACIONAL


UNIDADES PROGRAMÁTICAS

                         INTRODUÇÃO
     O DILEMA DO ADMINISTRADOR: LIQUIDEZ vs RENTABILIDADE
                ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRO
                   PLANEJAMENTO FINANCEIRO
                        ARRENDAMENTO
                   ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS
                  ORÇAMENTOS EMPRESARIAIS
   DEMONSTRATIVO DE FONTES E USOS DE LEVERAGEM FINANCEIRO


AVALIAÇÃO

                       PROVA MISTA
              TRABALHOS E SEMINÁRIOS EM GRUPO
SUMÁRIO

1 - Módulo: Objetivos e a Função da Administração Financeira na Empresa;
1.1 - Principais áreas de decisões em Administração Financeira;
1.2 - Atribuições do Administrador Financeiro;
1.3 - Estrutura Organizacional Típica da Função Financeira;
1.3 - Definições e Problemas de Administração Financeira;

2 - Módulo: Origens e Aplicações de Recursos:
2.1 - Operações Financeiras.
2.2 - Política Financeira;
2.3 - Demonstrações de Valores.

3 - Módulo: Administração do Capital de Giro:
3.1 - Conceitos Básicos;
3.2 - Ciclo de classificação de operações;
3.3 - Princípios básicos da Adm. do Capital de Giro.

4 - Módulo: Estrutura Financeira da Empresa:
4.1 - Risco Econômico e Risco Financeiro
4.2 - Exemplos Gráficos (RE x RF)
4.3 - Princípios da Alavancagem Financeira
4.4 - Análise LPA.

5 - Módulo: Administração de Caixa:
5.1 - Administração de Recebimentos e Pagamentos;
5.2 - Concentração de Saldos;
5.3 - Aceleração de Recebimentos;
5.4 - Tempo de Cobrança no Sistema Bancário;
5.5 - Controle de Pagamento;
5.6 - Sistemas Integrados de Adm. de Caixa;
5.7 - Determinação do Saldo Operacional Apropriado;
5.8 - Exigência de Saldo Médio
5.9 - Determinação do saldo operacional Ótimo;
5.10-Emprego de Modelos Matemáticos;
5.11-Planejamento de Exigência de Caixa;
5.12-Investimentos de Excedentes de Caixa;
5.13-Taxa de Retorno.

6 - Módulo: Administração de Contas a Receber:
6.1 - Volume de Vendas e Investimentos e Contas a Receber;
6.2 - Políticas de Concessão de Crédito;
6.3 - Políticas de Cobrança
6.4 - Descontos para Pagamentos Antecipados.
Referências Bibliográficas

ROSS, Stepnhen . Princípios de Administração financeira. São Paulo: Atlas, 1998.

GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira, São Paulo,
Editora Harbra, 1987.


SANVICENTE, Antônio Zoratto. Administração Financeira. São Paulo: Atlas, 1997.


MARTINS & ASSAF NETO, Eliseu, Alexandre. Administração Financeira. São Paulo:
Atlas, 1986.


ROSS, Stepnhen . Administração financeira corporate finance. São Paulo: Atlas, 1995.

KOPITTKE e FILHO, Bruno Nelson. Análise de Investimentos. São Paulo: Atlas, 1996.


GROPPELLI & NIKBAKHT, A A Ehsan. Administração Financeira. São Paulo: Saraiva,
1998.

ASSAF NETO, Alexandre. Mercado de Capitais. São Paulo: Atlas, 2001.
I - Objetivos da Administração Financeira:

a-manter a empresa em permanente situação de liquidez, como condição básica ao
desenvolvimento normal de suas atividades;

b-obter novos recursos para planos de expansão, com base em estudos de viabilidade
econômico-financeira e com os menores custos possíveis;

c-assegurar o equilíbrio entre os objetivos de lucro e os de liquidez financeira,
quantificando os planos de expansão de acordo com as possibilidades de obtenção de
recursos, próprios ou de terceiros.

       II - Funções da Administração Financeira:

A-PREVER; fluxo monetário - custos, receitas e resultados; invetimentos e obtenção de
recursos;

B-PLANEJAR; operações de caixa para diferentes períodos, considerando as previsões de
entradas, os compromissos certos e prováveis, as programações especiais, os
financiamentos;

C-ORGANIZAR; os serviços financeiros, adotando sistemas e métodos de trabalho
adequados às características e necessidades da empresa;

D-COORDENAR E EXECUTAR; as operações e serviços financeiros;

E-CONTROLAR; a execução das operações e serviços; contas e disponibilidades;
documentos e valores; execução de orçamentos; custos financeiros.

1.1 - Principais áreas de decisão em Administração Financeira;
a- Investimentos;
b- Financiamento de Clientes;
c- Utilização de Lucro Líquido;
d- Obtenção de Recursos Financeiros;
e- Análise de Utilização e Capitação de Recursos Externos e Próprios.

1.2 - Atribuições do Administrador Financeiro:
a- Análise de registros e informações contábeis;
b- Projeção dos movimentos de fundos;
c- Aplicações de fundos excedentes;
d- Fornecimento à alta administração de informações e pespectivas futuras;
e- Elaboração de planos para a fonte e uso de fundos a curto e longo prazo.
1.3 - Estrutura Organizacional Típica da Função Financeira:

                                GERENTE FINANCEIRO

                                                                      CONTROLADOR
TESOUREIRO

Caixa e Banco                                                   Contabilidade Geral
Contas a Receber                                                Contabilidade de Custos
Contas a Pagar                                                  Elaboração;
Relações Bancárias                                             -Controle e
                                                              elaboração de orçamento
Preparação do Orçamento de Caixa                                Auditoria Interna
                                                              Elaboração de
                                                              relatórios internos etc.

1.4 - Definições e Problemas de Administração Financeira:

1.4.1 - Definições;
                 A Função Financeira compreende os esforços dispensados, objetivando a
formulação de um esquema que seja adequado à maximização dos retornos (lucro) aos
proprietários das ações ou cotas da empresa, proporcionando a liquidez da mesma perante
seus creedores.A primícia está acentada no equilíbrio entre Rentabilidade (lucro) e
Liquidez.

1.4.2 - Problemas de Administração Financeira;

a- Problema de Mercado;

a.1 - Mercado Comprador;
- preço, prazo, e outras condições de venda;
- manutenção e ampliação da quota da empresa no mercado;
- efeitos da concorrência;
- vendas cíclicas ou de época.

a.2 - Mercado Fornecedor;
- preços, prazos e outras condições de compra;
- compras cíclicas ou de época;
- necessidade de importação.

b- Problema de Aplicação do Capital;

- renovação e ampliação de máquinas, equipamentos e instalações;
- manutenção de estoques e produção em andamento;
- concessão de crédito a clientes; vendas a prazo;
- adiantamento a fornecedores.

c- Problema do Capital Alheio;
- limites para compra a prazo;
- limites para operações bancárias;
- custo do capital alheio;
- financiamentos especiais.

d- Problema do Capital Próprio;

- capitalização de lucros;
- distribuição de lucros;
- destinação das reservas e provisões;
- entrada de capital novo.

e- Problema de Expansão;

- expansão em pequena escala;
- expansão em grande escala.

A percepção desses e de outros problemas só serà possível às empresas que mantém
adequado sistema de processamento e análise de dados, determinando as diversas situações
de solvência, liquidez e rentabilidade.

A maioria das empresas concentra suas atenções apenas no propósito de obter recursos,
para cubrir a falta de numerário, não se preocupando com os meios que ocasionaram esta
deficiencia.

Causas mais comuns da falta de numerário:

a- expansão descontrolada das vendas, implicando em maior volume de compras e de
gastos;
b- ampliação dos prazos de vendas, para a conquista de mercados;
c- diferenças acentuadas na velocidade dos ciclos de pagamentos e de recebimentos, em
função dos prazos de compra e de vendas;
d- insuficiência do capital próprio e utilização do capital alheio em proporções excessivas;
e- baixa velocidade na rotação dos estoques e nos processos de produção;
f- necessidade de compras de vultos de caráter cíclico ou para reserva, exigindo maiores
disponibilidades;
g- distribuição de lucros, além das possibilidades de caixa;
h- imobilização excessiva, diminuindo o capital criculante ou utilizando capital de terceiros.
As empresas financeiramentes equilibradas apresentam as seguintes características:

a- há permanente equilíbrio entre os recursos e os encargos financeiros;
b- o capital próprio tende a aumentar em relação ao capital alheio;
c- a rentabilidade do capital é satisfatória, não a prejudicando as vendas forçadas para a
obtenção de numerário, nem pesadas parcelas de juros;
d- há tendencia para aumentar a rotatividade dos estoques, cujo valor não se eleva na
mesma proporção em que cresce o valor das vendas, e maior frequencia de vendas para um
número cada vez maior de produtos.
e- há tendência para estabilizar-se o prazo médio de recebimento das vendas;
f- não há imobilização excessiva de capital, nem ela é insuficiente para o volume necessário
de produção.
g- não há falta de mercadoria para atendimento das vendas.

                                         2 - Módulo
                              Origens e Aplicações de Recursos:

2.1 - Capital Investido - Usos e Fontes:

       O capital investido numa empresa apresenta-se sob múltiplas formas e segue um processo
cíclico cujo final é a sua forma monetária. A administração financeira compreende a gerência do
conjunto de operações destinadas à formação de recursos monetários indispensáveis ao pagamento
dos fatores da produção (ou serviços) e sua distribuição, bem como as dívidas consequentes das
transações comerciais e de financiamento.
      A visão do fluxo monetário de uma empresa industrial obedece, em linhas gerais, ao seguinte
ciclo:
                                          Dinheiro
                            (Capital Próprio mais Capital Alheio)

                                    Fatores de Produção
Imóveis e equipamentos            Matérias-primas e Materiais       Mão-de-obra e seguro
                                                                 Social, Impostos, Juros,
                                                                 Custos em Geral
                                           Produção

                                       Vendas a Receber

                                  Administração Financeira

                                           Dinheiro

                                    Pagamentos de Dívidas

                                Dinheiro (mais Capital Alheio)

                                     Fatores de Produção
(Reinicia-se o ciclo)

        De acordo com o esquema e sob o aspecto exclusivamente financeiro, podemos
dizer que o capital investido tem duas destinações fundamentais:

a- Capital Aplicado em Caráter Permanente:

- no aparelhamento técnico-industrial;
- nos estoques de máterias-primas e materiais que devem suprir a produção;
- nos estoques de produção acabados e em fabricação;
- nos créditos concedidos a clientes;
- nas disponibilidades de caixa, que devem atender aos pagamentos.

b- Capital Aplicado na Produção:

- no consumo de matérias-primas e materiais;
- no pagamento dos demais fatores de produção: mão-de-obra e seguro social, imposto,
juros, dividendos, custos em geral.

       O capital aplicado na produção retorna à empresa no final do ciclo de vendas e de seu
recebimento. Todavia no custo da produção deve-se incluir uma parcela destinada a amortizar o
capital empregado no aparelhamento técnico-industrial e correspondente à sua progressiva
depreciação a fim de manter a capacidade produtiva. Sem prejuízo dos conceitos, de ordem
contábil ou econômica.

 As origens do Capital investido são as seguintes:

a- Capital Próprio;

- Capital dos sócios ou acionistas;
- reservas de capital, formadas com lucros retidos;
- lucros não-distribuidos;
- parcelas da receita bruta, retida como previsões, para compensar a perda de valor a que
estão sujeitos certos componentes do capital ou os riscos implícitos nas atividades da
empresa.

b- Capital Alheio;

- créditos concedidos por fornecedores;
- créditos bancários - curto prazo;
- empréstimos e operações a médio e a longo prazo;
- empréstimos por meio de debêntures;
- financiamentos pelos clientes (financiamentos pelos usuários de serviços)

          O capital aplicado representa o ATIVO da empresa, dividindo-se em CAPITAL
FIXO (ou Imobilizado) e CAPITAL DE GIRO (ou Circulante, ou de Trabalho).
2.2 -Operações Financeiras:

Classificação:

a) Características;
                  - Operações bancárias Comuns; desconto de duplicatas e outros títulos,
adiantamentos com garantia de duplicatas e outras garantias, cobrança de duplicatas.
                  - Operações bancárias especiais; operações de financiamento de vendas a
prestações, empréstimos a prazo médio e longo, para aquisição de máquinas e matérias-primas,
empréstimos especiais para projetos de investimentos.
                  - Operações de financiamento específico; empréstimos sob a forma de debêntures,
financiamento feitos pelos próprios clientes ou usuários de serviços (pagamentos antecipados,
adiantamentos), vendas a prazo em geral (transferência da capacidade operacional, cessão de
capital circulante).

b) Prazo de Liquidação;
                   - Varia de acordo com o tipo de operação.

c) Permanência do Capital na Empresa:
                 - Capital Social; Indefinidamente.
                 - Financiamento; Temporário.

2.3 - Política Financeira:
                       Nas empresas onde o capital próprio é insuficiente- fenômeno que ocorre
com muita frequência - torna-se indispensável estudar não só a possibilidade de crédito, mas,
também, a conveniência de se recorrer a le, dado ao custo.
                        O capital fixo constitui-se de imóveis, máquinas e equipamentos, mobiliário,
instalações, veículos e outros componentes instrumentais do Ativo. O capital circulante compõe-se
de estoques destinados à produção ou à venda, de dívidas a receber de compradores e de outros e de
disponibilidades financeiras.
                         A avaliação da medida em que o capital deve ser investido nesses diversos
componentes requer o conhecimento do grau de aproveitamento que cada um possa oferecer, tanto
na função de produzir lucro como na de converter-se em valor monetário.
                         Via de regra a fixação das diretrizes financeiras está intimamente ligada às
características dos mercados em que a empresa opera, bem como à proporção do seu capital em
relação ao volume dos negócios.

a) Reservas;
            São partes de lucros líquidos retidos na empresa e destinadas a fins gerais ou
específicos. Constituem direito dos sócios ou acionistas, pois correspondem a um capital
complementar.Exemplo; reserva legal (inespecífica, obrigatória para as sociedades anônimas),
reservas para aumento de capital, reservas para ampliações.

b) Provisões;
          São partes de lucro bruto retidos na empresa e destinadas a manter a integridade de
certos componentes do Ativo, suscetíveis de perda de valor, bem como a cobrir riscos a que os
negócios se acham sujeitos.Exemplo; provisão para depreciações do capital fixo, provisões para
devedores duvidosos, provisões para indenizações a empregados.
2.4 - Demonstrações de Valores
                  As demonstrações de valores aplicados e suas origens fazem-se,
contabilmente, através dos balanços, analisados para a tomada de decisões sobre plano de
investimentos.

ATIVO (aplicações)                            1 Balanço           2 Balanço    Diferenças
1 - CAPITAL DE GIRO
     Disponibilidades                          10                   5         -    5
     Contas a Receber                          80                  100        20   -
     Estoques                                  30                   40        10   -
                     Subtotal                 120                  145        30    5
2 - CAPITAL FIXO
      Imobilizações Técnicas                    28                   32        4    -
      Imobilizações Financeiras                  2                    3        1    -
                     Subtotal                   30                   35        5     -
                                               150                  180       35    5

PASSIVO (origens)
3 - CAPITAL ALHEIO
      Contas e outros débitos
       a pagar                                80                    95        15         -
4 - CAPITAL PRÓPRIO
      Capital Social e Reservas             70                      85        15         -
                                           150                     180        30

Situação Demonstrada no 1 balanço:
a- Aplicações 80% em capital de giro e 20% em capital fixo
b- Origens: 53,3% de capital alheio e 46,7% de capital próprio

Situação no 2 balanço
a- Aplicação: 80,5 em capital de giro e 19,5% em capital fixo
b- Origens: 52,8% de capital alheio e 47,2% de capital próprio.

Alterações de Capital de Giro
a- Redução nas Disponibilidades      50,0%
b- Aumento nas contas a Receber      25,0%
c- Aumento nos Estoques               33,3%

Alterações no Capital Fixo
a- Aumento nas imobilizações técnicas 14,3%
b- Aumento nas imobilizações financeiras 50,0%

Alterações nas Origens
a- Aumento no Capital Alheio      18,7%
b- Aumento no Capital Próprio     21,4%
o aumento do capital próprio corresponde ao lucro do 2 balanço retido na empresa.

             INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
                        CONTEMPORÂNEA


                        Finanças é a aplicação de uma série de princípios econômicos para
maximizar a riqueza ou valor total de um negócio. Significa obter o maior lucro com o
menor risco.
                        Até décadas passadas, a ênfase caía sobre as novas formas de
melhoria efetiva na administração do capital de giro, incrementando métodos para a
manutenção de registros financeiros e para a interpretação dos demonstrativos financeiros.
Finanças, nos últimos anos, tem ampliado seus horizontes e agora a ênfase é sobre as
formas de orçamentar os recursos escassos efetivamente e investir os fundos em ativos ou
projetos que rendam a melhor compensação entre o risco e retorno. Maior atenção ainda
tem sido dada à determinação da proporção adequada entre os financiamentos através de
obrigações e de ações bem como a utilização de novos instrumentos financeiros.

                          A análise financeira fornece os meios para tornar flexível e
corretas as decisões de investimento no momento apropriado e mais vantajoso. Uma parte
crucial da administração financeira, inclui a tomada diária de decisões para auxiliar a
empresa nas suas necessidades de caixa. Ele requer atenção redobrada nas mudanças
intermediárias das atividades comerciais. A análise do ciclo operacional ajuda o
administrador financeiro a manter baixos os custos de financiamento e a evitar elevados
estoques e excesso da capacidade produtiva. Em geral, os administradores devem usar
sólidas políticas de investimento que minimizem o risco.

                    A maximização do lucro é um objetivo a curto prazo e é menos
importante que a maximização da riqueza da empresa.

                      A Administração Financeira relaciona varias teorias e conceitos de
outras cadeiras, tais como microeconomia; que considera os efeitos de alterações nas
condições de demanda, oferta e preço ou na macroeconomia com o aumento ou declínio da
atividade comercial interna ou externa do País. A importância da Contabilidade que
preparam os demonstrativos financeiros e a Estatística que fornece a base para a previsão e
para comparar a saúde financeira e a lucratividade de uma empresa.


                     Em finanças, os riscos mais elevados estão associados aos ganhos
mais altos possíveis - porém, as chance de perdas também aumentam. O dilema esta em
escolher os projetos mais lucrativos sem comprometer a solvência da empresa. Devemos
levar em consideração os aspectos sociais, morais, ambientais e éticos no processo de
tomada de decisão.
TEORIA ECONÔMICA
                           Princípios, Leis, Modelos e Teorias


     Análise
  Microeconomia
     Agentes
   Individuais

Teoria do Consumidor: procura apurar como o consumidor se comporta perante o
mercado em busca da satisfação de suas necessidades, quando há alteração na sua renda,
nos preços dos bens e serviços. Interpreta as reações perante o desejo de consumo, avalia a
restrição de consumo e num terceiro momento, analisa conjuntamente as restrições e os
desejos de consumo.

Teoria da Produção: Se preocupa em analisar a forma pela qual as empresas podem
combinar seus fatores de produção a fim de maximizar seu nível de produção e minimizar
seus custos.

Teoria das Firmas: analisa a forma pela qual pode-se conciliar os interesses de quem está
oferecendo os bens e serviços com os daqueles que desejam consumi-los ( oferta e
demanda).

Teoria da Repartição e Mercado: Destaca as características as diversas formas de
mercado e suas estruturas.


     Análise
  Macroeconômica
     Estudos
    Agregados



Teoria do Equilíbrio e do Crescimento - História do Pensamento Econômico - Teoria
Monetária - Teoria Econômica do Setor Público - Teoria das Relações Econômicas
Internacionais - Teoria do desenvolvimento e da Repartição.


                                POLÍTICA ECONÔMICA
                           Utilização dos Instrumentos Básicos
Das Teorias Econômicas




                                   RISCO E RETORNO

                               Risco e retorno são a base sobre a qual são tomadas decisões
racionais e inteligentes de investimentos. De modo geral, risco é uma medida da
volatilidade ou incerteza dos retornos, e retornos são receitas esperadas ou fluxos de caixa
antecipados de qualquer investimento (caderneta de poupança e aposta em corrida de
cavalos). Os investimentos devem ser adequadamente recompensados pelos riscos que eles
assumem.
                              Em finanças, o risco é mensurado pelo grau de volatilidade
associado aos retornos esperados. Volatilidade é a quantidade de flutuações que ocorrem
com uma série de números quando eles se desviam de uma série representativa.
Outro fator que aumenta o risco é o prazo.
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
                         Prof. Rodrigo O. das Chagas Lima, Meg

                                       Exercícios


1 - Quais são os objetivos dos administradores financeiros?

2 - O que a empresa ignora quando está tentando obter lucros ótimos?

3 - Cite alguns fatores micro e macroeconômicos que influenciam as decisões de uma
empresa.

4 - Quais são os dois demonstrativos financeiros que auxiliam o administrador a monitorar
a monitorar o desempenho da empresa?

5 - Quais são alguns dos aspectos não-financeiros do papel do administrador na sociedade,
tais como responsabilidade concernente aos trabalhadores, tratamento às minorias e atenção
dada à questão da convivência entre homens e mulheres no trabalho?
3 - MÓDULO:

               Administração do Capital de Giro:

3.1 - Conceitos:

               I - Também conhecido com - Ativo Corrente;
                                       - Ativo Circulante.

             II - Em Geral - Capital de Giro; Disponobilidade.
                                            Investimentos Temporários;
                                            Contas a Receber
                                             Estoques de Matérias Primas
                                             Mercadorias para Vendas
                                             Produção em andamento
                                             Produtos acabados.

a somatória destes, itens representam o montante investido pela empresa em Capital de Giro.


          III - Capital de Giro Bruto X Capital de Giro Líquido:

                            - Capital de Giro Bruto: Disponibilidade
                                                   Investimentos Temporários
                                                    Contas a Receber e Estoques

                            - Capital de Giro Líquido: Capital de Giro Bruto (-)
                                                   todos os compromissos a curto prazo
                                                  (fornecedores, fisco, funcionários, etc).



Conceito de Curto Prazo:


                      É o tempo exigido para que uma aplicação de dinheiro em insumos variáveis
gire inteiramente, desde a compra de materia-prima até o recebimento correspondente à venda do
produto ou do serviço pelo cliente.


                     Circular do banco Central n'179 de 11 de maio de 1972; curto prazo é
definido como sendo um período de 180 dias.

                      Lei n'6.404 de 15 de dezembro de 1976; curto prazo é definido por um
período igual ao de um ano social (exercício - 360 dias).
Verificamos que a definição de curto prazo poderá variar de acordo com a natureza das operações
(ciclo do produto, operações financeira, registros contábeis).


Exercício:


1º - Etapa: Uma Empresa é constituida com capital de 100.000,00, 50% em dinheiro 50%
em bens e equipamentos;

ATIVO                                                PASSIVO
Disponibilidade   ................
Bens e Equipamentos ...............                  Capital ................
Total             ................                         ..................


2º - Etapa: A empresa recebe um pedido e para atendo-lo adquire matéria-prima a prazo no
valor de 30.000 a pagar em 30 dias, também contrata mão-de-obra com a qual gasta a vista
15.000 e um saldo a pagar de 5.000.

ATIVO                                                PASSIVO




* Ativo Circulante e Passivo Circulante

3º - Etapa; A empresa gasta mais 30.000 com mão-de-obra e 5.000 com serviços, como o
saldo de dinheiro é exatamente igual a 35.000 e a empresa deseja manter um saldo mínimo
de 5.000 para imprevistos recorre a um banco para obter esses fundos, através da emissão
de Nota Promissória.

ATIVO                                                PASSIVO
4º - Etapa: Entrega da encomenda ao cliente com um prazo de faturamento de 30 dias no
valor de 120.000. Neste momento a empresa salda seus compromissos com fornecedores e
paga salarios. Todavia o dinheiro levará 30 dias para ser recebido e o saldo a pagar é de
35.000, sendo o saldo de caixa de 5.000, novamente será feito um emprestimo bancário.

ATIVO                                              PASSIVO




5º - Etapa: Completa-se o ciclo com o recebimento do valor da venda e o pagamento do
empréstimo.

ATIVO                                              PASSIVO




- Representação Gráfica de um ciclo normal:

Compra de matéria-prima ------ estoque de matéria-prima------ produção------produtos
acabados--------- vendas a prazo------contas a receber-------recebimento do cliente---compra
de matéria-prima.
3.2 - Princípios Básicos da Administração de capital de Giro;

      Há tres dimensões da tomada de decisão sobre os ativos correntes;

a) LIQUIDEZ; capacidade da empresa em saldar seus compromissos. Visto que os ativos
   correntes da empresa tem além de um prazo para transformarem-se em dinheiro um
   risco de recebimento e esse risco aumenta conforma a natureza das operações, clientes,
   concorrência, ocilações da econômia e desequilíbrio entre os recebimentos e
   pagamentos a creedores (fluxo de caixa).

b) RENTABILIDADE; as aplicações e investimentos em ativos correntes são necessario
   para a sustentação dos níveis de vendas elevados, no intuíto de maior lucro, criando um
   número maior de operações.

c) DISPONIBILIDADE: na administração de ativos corrente, devemos encontrar o
equilíbrio entre termos maior disponibiliades de recursos para fazer frente aos
compromissos, atingindo um alto grau de liquidez e sacrificando a rentabilidade, visto que
se investemos mais no ciclo produtivo operacional aumentamos nossa rentabilidade ao
passo que diminuiremos nossa liquidez, em decorrência dos prazos de transformação do
produto em numerário.


3.3 - Financiamento do Capital de Giro:

4º - Módulo:

Estrutura Financeira da Empresa:

4.1 - Risco Econômico (aspecto operacional)

a) Incerteza e variabilidade relativa dos resultados da empresa nos seus setores de
   atividade.

b) tipo de operação da empresa - ambiente

c) natureza do produto

d) característica de sua procura - demanda


O risco econômico é inerente às atividades da empresa setor em que atua, concorrencia,
produto, tecnologia, porder aquisitivo, estabilidade política, canais de distribuição, etc...
Vinculado ao resultado operacional.


4.2 - Risco Financeiro:


a) Conhecido como variabilidade de retorno para o acionista. Inerente a remuneração do
capital, ou custo do mesmo. Vinculado ao resultado líquido.

b) é determinado pelo uso relativo de capital de terceiros, ou seja, pelo uso de recursos que
exigem uma remuneração fixa (taxa de juros) prioritária, em face da remuneração do capital
próprio.

c) quanto mais elevada for a proporçào de recursos de terceiros, maior será o risco
assumido pelos proprietários, pois menores serão as suas possiblidades de obter
remuneraçào para o seu investimento.

d) associada á estrutura das fontes de recursos principalmente em termos de endividamento.



Apêndice:


            Acionistas Ordinários;

                              O acionista ordinário é o proprietário da empresa. São os
que aprovam os balanços e as demonstrações financeiras, elaboram e aprovam os estatutos
sociais, elegem os membros do conselho fiscal e conselho administrativo. Normalmente os
acionistas perfazem um terço do total das ações da empresa.




            Acionistas Preferêncial;

                            É um investidor, podendo eleger parte dos membros de orgãos
administrativo. Tem prioridade no recebimento de dividendos, podendo ser fixa a
remuneração, todavia não é um creedor, sim um sócio.
4.3 - Exemplo Gráfico:




a - necessidade de remuneração de Cap. de Terceiros;
b - resultado operacional da empresa (Dinheiro - endividamentos - empréstimos)


1- A empresa A possui um grau de risco econômico baixo, pois a ocilação de seus
resultados é pequena e em nenhum momento os recursos gerados pelas operações ficaram a
quem dos fundos exigidos por terceiros.

2 - com exigencias semelhantes à da empresa A, porém apresentando um risco financeiro
muito maior em virtude da maior ocilação de seus resultados operacionais, este por
sazonalidade ou problema com as vendas (risco econômico).


Duas empresas com grau de risco economico iguais, mais níveis de endividamento
diferente;




1 - Recursos gerados pelas operações; (risco econômico).

2 - Exigências de remuneração de capital de terceiros (risco financeiro).
4.4 - Princípio da Alavancagem Financeira "LEVERAGE":

     É inerente a captação de recursos de terceiros com uma remuneração inferior aos
lucros obtidos nas operações da empresa. Com o intuito de ampliar os negócios e desse
modo aumentar a remuneração do capital próprio. Todavia esta alavancagem gera um risco
financeiro se não bem administrado poderá em virtude do risco econômico ou por
sazonalidade do produto gerar prejuizos, em virtude dos custos de remuneração do capital
de terceiros serem maiores do que a remuneração obtida com estes recursos.

EXPLICANDO A ALAVANCAGEM FINANCEIRA:

                                    Diz respeito à prática de usar títulos de dívida para
financiar investimentos e consiste na relação entre LAJIR (lucro antes do pagamento do
juro e do IR) e o LPA (lucro por ação). Quando a obrigação é emitida, a empresa
compromete-se a pagar os juros e a amortizar o principal em alguma data no futuro. Devido
os juros serem despesas dedutíveis do cálculo do IR, uma maior parcela do lucro
operacional sobra para os acionistas.
                                    Entretanto, quanto mais dívidas uma empresa tiver em
sua estrutura de capital, maior será o risco financeiro. Isso significa que, independente do
seu nível de lucro operacional, a empresa deve continuar a efetuar os pagamentos fixos de
juros e principal. Se as atividades comerciais declinam em função de uma contração no
nível econômico, o LAJIR também declinará, aumentando a probabilidade de a empresa
não ser capaz de efetuar os pagamentos de juros com os lucros operacionais existentes.
PORTANTO, A ALAVANCAGEM FINANCEIRA É UMA FACA DE DOIS GUMES.
EMBORA ELA POSSA SER BENÉFICA EM UM PERÍODO CÍCLICO DE EXPANSÃO,
ELA É DANOSA NUMA FASE CÍCLICA DE CONTRAÇÃO.
                                   Comparando uma empresa alavancada com uma
empresa não alavancada. A empresa não alavancada é financiada pela emissão de ações
ordinárias e não tem nenhuma dívida em sua contabilidade. Uma empresa alavancada
financia parte de suas operações através de dívidas. Como resultado, ela possui uma
combinação de capital de terceiros e de capital próprio em sua estrutrura de capital.

                       Empresa A - Não Alavancada              Empresa B - Alavancada
                               D/C = 0                                 D/C = 50%
                         2004            2005                     2004           2005
LAJIR                   $100.000       $140.000                 $100.000 $140.000
Juros (10%)                       0              0                 10.000         10.000
                       ------------ ------------            ----------- -----------
LAIR                    $100.000       $140.000                  $ 90.000 $130.000
IR (40%)                   40.000         56.000                   36.000        52.000
                       ------------   ------------            ----------- -----------
Lucro Líquido            $ 60.000       $ 84.000                   $ 54.000 $ 78.000
Ações Existentes           10.000         10.000                      5.000        5.000
LPA (lucro p/ ação)        $    6,00        $ 8,40                      $ 10,80   $ 15,60

Capital Total da Empresa não Alavancada = $200.000
Capital Total da Empresa Alavancada = $200.000 ($ 100.000 de dívidas + 100.000 de
ações). D/C índice de endividamento


                                         LAJIR
Grau de alavancagem financeira (GAF) = ---------------------
                                        LAJIR - J




LAJIR = lucro antes dos juros e do IR
J = despesas de juros
Para o ano de 2005, uma mudança no LAJIR produz a mesma mudança no lucro, porque a
Empresa A não tem dívidas. A Empresa B tem um índice D/C de 50%. Para qualquer
mudança em seu LAJIR, o lucro líquido varia por 1,11 vezes, para mais ou para menos.

                                 % de alteração no LPA
  GAF ( de 2004 a 2005) = -------------------------------------------
                                  % de alteração no LAJIR


                                    0,40
GAF da empresa não alavancada = --------------- = 1,0
                                    0,40

                                 0,44
GAF da empresa alavancada = -------------------- = 1,1
                                 0,40

Taxa Média de Retorno

                                   Lucro líquido
              TMR = -----------------------------------------------
                                 Investimento Inicial

A alavancagem financeira aumenta quando uma empresa emite obrigações para financiar
parte de suas operações. Quanto maior o índice de endividamneto D/C, maior o grau de
alavancagem financeira. Entretanto, enquanto a alavancagem financeira produz LPAs
maiores, ela também torna LPAs mais voláteis. Isso significa que o risco aumenta.

obs.:a quantidade e o preço de venda determinam a receita total; diminuindo aquela, sem
aumento deste, decresce o lucro ou ocorre prejuízo.
4.4.1 - Exemplo de Alavancagem Financeira Favorável:

       Demonstração de Resultados ( em $ mil); 3 alternativas de endividamento para
compor o capital da empresa.

Contas                   *                  A               B                   C
Receita de Vendas                       3.000             3.000               3.000
Custo Produtos Vendidos -               (1.200)           (1.200)             (1.200)
Margem Bruta               =              ..........       ............       .............
Outras Desp.Operacional -               (1.500)            (1.500)             (1.500)
Resltado Operacional       =             ............     ..............     .............
Custo do Endividamnto      -              .............    ..............     ..............
Lucro Líquido antes do IR =               ............      .............      ..............
IR (35%)                 -              ............      ..............      ..............

Lucro Líquido                =          ..............     ..............     ..............


Alternativas:
A - sem endividamento = 100% de Cap. Próprio
B- uso de 30% de Cap. de terceiros -> custo financeiro 20% a.a. (300.000)
C- uso de 50% de Cap. de terceiros -> custo financeiro 20% a.a. (500.000)

Capital Total $ 1.000.000,00

Embora nos casos das empresas B e C o lucro líquido tenha sido inferior da empresa A, o
uso de capital de terceiros mais barato (custo inferior a 30% que é a taxa de retorno sobre o
ativo total, isto é o resultado operacional obtido 300 sob um ativo total de 1.000)
favorecendo aos acionistas.

- Analise das tres alternativas do ponto de vista do acionista ordinário: em $ mil.

Contas                                  A                      B                      C
I - Resultado Operacional            ..........              ..........            ..........
II - Ativo Total                     ..........              ..........            ..........
III - Taxa de Retorno s/Ativo Total ..........                ..........            .......... %
IV - Capital de terceiros            ..........              ..........            ............
V - Capital Próprio                   ..........              ..........             ...........
VI - Lucro Líquido dep.IR             ..........              ...........            ...........
VII - Taxa de Retorno s/ investimento ..........               ...........            ........... %
       do acionista ( VI : V).
4.4.2 - Alavancagem Financeira Desfavorável:

Ativo Total 1.000.000,00

Conta                                 *            A              B            C         D
Receita de Vendas                                1.500          1.500        1.500      1.500
Custo dos Produtos Vendidos           -           (600)          (600)        (600)     (600)
Margem Bruta                          =
Outras Desp. Operacionais              -           (750)         (750)        (750)      (750)
Resultado Operacional Líquido           =
Custo de Endividamento                  -
Lucro Líquido antes do IR              =
IR ( 35%)                             -
Lucro Líquido                          =
Taxa de Retorno                        =
lucro líquido : Cap. próprio

na empresa A o cap. próprio é 1.000.000
na empresa B o cap. próprio é 700.000
na empresa C o cap. próprio é 500.000
na empresa D o cap. Próprio é 250.000

obs.: nesta nova situação os resultados e retornos operacionais reduziram-se a metade. O
favorecimento para os acionistas esta na empresa A. cujo capital é formado apenas com
recursoso próprios. O desfavorecimento da alavancagem é em virtude do risco econômico,
visto que os resultados com as vendas cairam pela metade, bem como seus custos, todavia o
custo do capital de terceiro se manteve, mas a taxa de retorno sob o ATIVO TOTAL (15%)
ficou inferior ao custo do capital de terceiros (20%) desfavorecendo aos acionistas.

4.5 Fatores que Influênciam a composição da Estrutura Financeira:

a) Característica do setor de atividade:
- taxa de crescimento das vendas futuras, dentro das condições de desenvolvimento do setor, como
elemento condicionante da possibilidade de multiplicação de lucros com uso de capital de
terceiros(leverage);
- estabilidade relativa das vendas como fonte de recursos para cumprir compromissos assumidos,
compatibilidade entre os prazos de geração de recursos e os prazos de vencimento das obrigações.
- estrutura e condições da concorrência enfrentada pela empresa;
- estrutura do ativo total adequada ao tipo de operação a que se destina a empresa.

b) Características alheia ao setor de atividade;
- Risco econômico em virtude da sazonalidade, política nacional e medidas monetárias (recessão do
consumo).
- Risco financeiro, adequar o custo de financiamento a contribuição gerada pelo resultado
operacional.
- Maior ou menor facilidade de acesso a fontes de recurso quando necessário.

4.6 - Análise LPA:
                        É a análise que proporciona um detalhamento através da
comparação do lucro líquido em relação ao capital próprio.

Exemplo:
         Projeção dos cálculos futuros do lucro por ação de uma empresa, com duas
situações de endividamento;

a - financiamneto de 40% de cap. de terceiros;
b - financiamento de 60% de cap. de terceiros.

Dados: Ativo Total -> 3.000.000
      Cotação das Ações -> 10,00
       Taxa de juros -> 30% a.a.

DRE
Contas                                         A                         B
Receitas esperada sob Vendas                 2.500                     2.500
CPV                                          (400)                     (400)
Custo Fixo e Custo Variável                    (800)                     (800)
Resultado Operacional
Despesas Financeiras
Resultado antes do IR
IR 35%
Resultado Líquido


Número de Ações                               ............               ............
Lucro p/Ações                                 ............               .............


Cálculo do número de ações: Ativo Total - Cap. de Terceiros
                          ----------------------------------
                                 Cotação das Ações

a - número de ações =
                         ------------------------ =


b - número de ações =
                         ------------------------- =
Lucro p/ ação = Resultado Líquido
               -------------------
                  N'de ações



a - lucro p/ ação =    ---------- =




b - lucrop/ ação = ---------- =




Formulário

                   ( Resultado Operacional - Despesas Financeiras) x ( 1- alíquota do IR )
             LPA = ---------------------------------------------------------------------------
                                             Número de ações



LPA =      --------------------------------------- =




LPA =      ----------------------------------------- =



                                 Resultado Operacional
Taxa de Retorno s/ ativo total = ---------------------------
                                     Ativo Total


                            Lucro Líquido
Retorno s/Investimento = -------------------------
                           Capital Próprio
DRE

Contas                                         A              B              C
Receita de Vendas                           5.000           5.000          5.000
CPV                                        (1.500)         (1.500)        (1.500)
Margem Bruta
Desp. Operacionais                         (1.500)         (1.500)         (1.500)
Resultado Operacional
Custo de Endividamento
Lucro Líquido antes do IR
IR (35%)
Lucro Líquido

Estrutura das Empresas
    A- sem endividamento = 100% cap. Próprio
    B- 40% de cap. de terceiros, custo financeiro de 18%a.a.
    C- 50% de cap. de terceiros, custo financeiro de 30%a.a.
GAF do Setor = 1,5
Ativo Total = !0.000 e a Cotação das Ações = 10,00

Pergunta-se:
   a) Quais as empresas que estão alavancadas financeiramente? Por que?
   b) Qual empresa que possui o maior risco econômico e qual a que possui o maior risco
       financeiro, por que?
   c) As empresas que por ventura estão alavancadas financeiramente, está é favorável ou
       não? Explique.
   d) Qual o Capital Próprio de cada empresa?
   e) Qual é o GAF das empresas? Explicar se o GAF encontrado é viável ou não em
       relação ao setor.
   f) Qual é o lucro por ação das empresas?
   g) Qual é a taxa de retorno s/o ativo?
   h) Qual é a taxa de retorno para o investidor?
   i) Do ponto de vista dos acionistas qual é a empresa mais rentável e qual a mais
       lucrativa?
DRE

Contas                                         A              B               C
Receita de Vendas                           2.000           2.000          2.000
CPV                                          (500)          (500)           (500)
Margem Bruta
Desp. Operacionais                           (650)              (650)      (650)
Resultado Operacional
Custo de Endividamento
Lucro Líquido antes do IR
IR (35%)
Lucro Líquido

Estrutura das Empresas
    A- sem endividamento = 100% cap. Próprio
    B- 40% de cap. de terceiros, custo financeiro de 8,5%a.a.
    C- 40% de cap. de terceiros, custo financeiro de 30%a.a.
GAF do Setor = 1,4
Ativo Total = !0.000 e a Cotação das Ações = 10,00

Pergunta-se:
   a) Quais as empresas que estão alavancadas financeiramente? Por que?
   b) Qual empresa que possui o maior risco econômico e qual a que possui o maior risco
       financeiro, por que?
   c) As empresas que por ventura estão alavancadas financeiramente, está é favorável ou
       não? Explique.
   d) Qual o Capital Próprio de cada empresa?
   e) Qual é o GAF das empresas? Explicar se o GAF encontrado é viável ou não em
       relação ao setor.
   f) Qual é o lucro por ação das empresas?
   g) Qual é a taxa de retorno s/o ativo?
   h) Qual é a taxa de retorno para o investidor?
   i) Do ponto de vista dos acionistas qual é a empresa mais rentável e qual a mais
       lucrativa?
DRE

Contas                                        A              B         C           D
Receita de Vendas                           50.000        50.000     50.000     50.000
CPV                                        (10.000)      (10.000)   (10.000)   (10.000)
Margem Bruta
Desp. Operacionais                         (10.000)      (10.000)   (10.000) (10.000)
Resultado Operacional
Custo de Endividamento
Lucro Líquido antes do IR
IR (35%)
Lucro Líquido

Estrutura das Empresas
    A- sem endividamento = 100% cap. Próprio
    B- 30% de cap. de terceiros, custo financeiro de 35%a.a.
    C- 50% de cap. de terceiros, custo financeiro de 20%a.a.
    D- 80% de cap. de terceiros, custo financeiro de 10%a.a.

GAF do Setor = 2
Ativo Total = !00.000 e a Cotação das Ações = 10,00

Pergunta-se:
   a) Quais as empresas que estão alavancadas financeiramente? Por que?
   b) Qual empresa que possui o maior risco econômico e qual a que possui o maior risco
       financeiro, por que?
   c) As empresas que por ventura estão alavancadas financeiramente, está é favorável ou
       não? Explique.
   d) Qual o Capital Próprio de cada empresa?
   e) Qual é o GAF das empresas? Explicar se o GAF encontrado é viável ou não em
       relação ao setor.
   f) Qual é o lucro por ação das empresas?
   g) Qual é a taxa de retorno s/o ativo?
   h) Qual é a taxa de retorno para o investidor?
   i) Do ponto de vista dos acionistas qual é a empresa mais rentável e qual a mais
       lucrativa?
FINANCIAMENTO DO CAPITAL DE
                GIRO

CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO = ATIVO CIRCULANTE - PASSIVO CIRCULANTE




obs.: o capital circulante líquido pode também ser pensado como a porção dos ativos
circulantes que deve ser financiada através do exigível a longo prazo ou patrimônio líquido.




                                    Máximos

Níveis                                                    Porção Sazonal
Ativos Circulantes



                                    Mínimos
                                     parte permanente
               permanece na contabilidade por um período de tempo maior
                deve ser financiada como o ativo imobilizado,
                            através de Exigível de L.P. ou P.L.
Risco e Lucro

                        Escolhendo a Mistura Certa

A decisão de financiar os ativos com empréstimos de curto ou de longo prazo
        é uma escolha entre minimizar o risco e maximizar os lucros



Condições Normais:

Longo Prazo -> mais caro; devido as incertezas, inflação, inadimplência,
compensado pelo risco. Não há necessidade de renovações periódicas.
Abordagem conservadora, manter a liquidez da empresa.



ABORDAGEM CONSERVADORA

Os empréstimos de LP. E PL. são usados para financiar os ativos imobilizados
e pequena parte dos ativos circulantes. As necessidades sazonais são
financiadas através de empréstimos de CP.


ABORDAGEM AGRESSIVA

Os ativos fixos e apenas parte do nível mínimo dos ativos circulantes são
financiados por dívidas de LP. E PL. Todas as necessidades sazonais, mais
parte do nível mínimo do ativo circulante, são financiadas através de dívidas
de CP. Portanto o custo de financiamento é mínimo, mas o risco de ocorrerem
problemas de liquidez é relativamente alto.
EXERCÍCIOS

           1 - Calcular as necessidades financeiras permanente e sazonal. O valor total do ativo
           circulante da Companhia Dias e Dias Parados flutua: 80.000 em fevereiro; 100.000 em
           abril; 140.000 em junho; 40.000 em agosto; 60.000 em outubro; e 90.000 em dezembro. O
           ativo fixo estimado em 50.000 de janeiro a dezembro e o estoque mínimo em 40.000. Como
           devem ser financiados os ativos da companhia.

           Deve-se separar o financiamento total em duas porções:
           1 - financiamento permanente = nível mínimo de ativos circulantes + Ativos imobilizados
           2 - financiamento sazonal = Ativos circulantes - Nível mínimo de ativos circulantes.




                               fev          Abr         jun         ago         out         dez
 ativo circulante Ac
     nível mínimo M
    Fin. Sazonal Ac-M
  ativo imobilizado Ai
Financ. Permanente M+A


            as necessidades de financiamento sazonal não são permanentes ou estáveis, elas são
         normalmente obtidas através de empréstimos bancários de curto prazo. Em contraste, a
         necessidade permanente de financiamento deve ser atendida através de uma combinação de
         exigível de L.P. e ações. Se a necessidade permanente for financiada a curto prazo, o credor
         poderá não renovar o empréstimo no vencimento e a empresa defrontaria com problema de
         liquidez e possivelmente de falência.
2 - Calcular as necessidades financeiras permanente e sazonal. O valor total do ativo
           circulante da empresa é: 50.000 em fevereiro; 70.000 em abril; 30.000 em junho; 60.000 em
           agosto; 40.000 em outubro; e 80.000 em dezembro. O ativo fixo estimado em 30.000 de
           janeiro a dezembro e o estoque mínimo em 30.000. Como devem ser financiados os ativos
           da companhia.


           a) – Qual o valor do financiamento permanente?

           b)- Qual o valor bimestral do financiamento sazonal?




                               fev          Abr         jun        ago         out         dez
 ativo circulante Ac
     nível mínimo M
    Fin. Sazonal Ac-M
  ativo imobilizado Ai
Financ. Permanente M+A


           3 - Calcular as necessidades financeiras permanente e sazonal. O valor total do ativo
           circulante da empresa é: 18.000 em fevereiro; 37.000 em abril; 26.000 em junho; 42.500 em
           agosto; 30.000 em outubro; e 50.000 em dezembro. O ativo fixo estimado em 28.550 de
           janeiro a dezembro e o estoque mínimo em 18.000. Como devem ser financiados os ativos
           da companhia.

           a) – Qual o valor do financiamento permanente?

           b)- Qual o valor bimestral do financiamento sazonal?



                               fev          Abr         jun        ago         out         dez
 ativo circulante Ac
     nível mínimo M
    Fin. Sazonal Ac-M
  ativo imobilizado Ai
Financ. Permanente M+A
5 - MÓDULO

                           ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA


Uma boa administração de caixa favorece a lucratividade de uma empresa, ao reduzir o
período de cobrança e os custos de transação relacionados aos processos de cobranças e
pagamentos.

a - Através das projeções das expectativas de vendas e planos de operação da empresa que
determinam as necessidades de capital de giro e financiamento externo da empresa.

b - cabe ao administrador ou gerente financeiro garantir o volume exigido de financiamento
ao menor custo possível assim como também é responsável pela avaliação do próprio plano
de operação em especial com relação as exigencias, intenções e procedimentos em relação à
caixa, contas a receber e estoques.

c - o termo caixa refere-se a dinheiro mais saldos de c/c a às vezes inclui os ativos quase
monetários (aplicações a curto prazo, títulos);

d - o termo saldo operacional de caixa refere-se ao conjunto dinheiro + saldo em c/c;

e - as empresas tem três motivos para manter caixa ou ativos de elevada liquidez;
           1º - Transação: refere-se aos saldos de caixas exigidos pelo andamento normal
das operações, sendo uma reserva da qual a empresa efetua pagamentos a fornecedores,
credores, empregados, sendo realimentada atraves dos recebimentos de clientes. Esses
recebimentos e pagamentos constituem fluxo constante gerando o saldo operacional de
caixa.
            2º - Precaução; refere-se ao saldo de caixa mantido para situações de emergência
ou oportunidades que exigem fundos a curtíssimo prazo, esses saldos geralmente são
mantidos em ativos quase monetários de modo que rendam juros, etc...

          3º - Especulação ou Oportunidade; aproveitar oportunidades inesperadas.

5.1 - Administração de Recebimento e Pagamentos:

              O Ciclo de Caixa:
                              É interessante imaginar o processo como um ciclo durante o
qual o saldo de caixa é usado para comprar materiais com os quais serão produzidos bens
que posteriormente serão vendidos a clientes que mais tarde irão saldar suas obrigações,
renovando o ciclo.
Visualização de um ciclo de Caixa:




Detalhamento de um Ciclo de Caixa, sob o enfoque do Produto:

Situação;

a) A empresa encomenda matéria-prima (A), com recebimento da mesma em 14 dias (B).

b) As condições de compra são 2/10,30 dias líquidos sendo que a empresa opta pela
primeira alternativa (C);

c) O cheque utilizado para pagamento leva dois dias para compensar (D);

d) O giro de estoque da empresa é de 6x ao ano e, portanto o produto é vendido e a conta é
enviada ao cliente 60 dias após o recebimento das matérias-primas (E);

e) O período de cobrança é de 30 dias, sendo 28 até o cliente pagar (F) e dois dias para
compensar o cheque(G).




Obs:o período total do ciclo operacional de caixa é de......dias. E o ciclo de caixa é de....dias
As necessidades totais de financiamento da empresa compreende um intervalo de B até
G ( poderá haver).
     Os períodos B a D e E a G são de responsabilidade da Administração de Caixa.
     O intervalo de A a B representado no exemplo refere-se a um período além do alcance
da empresa, porém poderá afetar diretamente o processo produtivo.
     O intervalo de E a F é determinado pela política de crédito da empresa.
     O intervalo de B a E compreende o processo produtivo da empresa.

Exercícios
1- Detalhamento de um ciclo operacional do produto sob o enfoque do caixa.
a) A empresa encomenda matéria-prima, com recebimento em 10 dias;
b) As condições de pagamento é de 30 dias após o recebimento da matéria-prima;
c) Não considerar a compensação dos cheques;
d) O giro de estoque da empresa é de 4x ao ano e portanto o produto é vendido e a conta
enviada ao cliente em.........dias após o recebimento da matéria-prima.
e) O periríodo de cobrança é de 15 dias, não onsiderar a compensação dos cheques.




Pergunta-se:
1- Qual é o período do ciclo de caixa?
2- Qual é o período do ciclo operacional?
3- Em qual período haverá necessidade financeira?
4- Qual o período que determina as Política de Crédito?
5 – Qual o período que determina o processo produtivo da empresa?

2- Detalhamento de um ciclo operacional do produto sob o enfoque do caixa.
a) A empresa encomenda matéria-prima, com recebimento em 15 dias;
b) As condições de pagamento é de 45 dias após o recebimento da matéria-prima;
c) Não considerar a compensação dos cheques;
d) O giro de estoque da empresa é de 8x ao ano e portanto o produto é vendido e a conta
enviada ao cliente em.........dias após o recebimento da matéria-prima.
e) O periríodo de cobrança é de 10 dias, não onsiderar a compensação dos cheques.




Pergunta-se:
1- Qual é o período do ciclo de caixa?
2- Qual é o período do ciclo operacional?
3- Em qual período haverá necessidade financeira?
4- Qual o período que determina as Política de Crédito?
5 – Qual o período que determina o processo produtivo da empresa?

5.2 - Concentração de Saldo:

                           1 - A concentração de saldo em contas bancárias pode ser
utilizada quando existe a exigência de saldo médio, como reciprocidade a fim de facilitar
os financiamentos quando houver necessidades de suprir o caixa.
                           2 - Quanto mais variável os fluxos de caixa de uma empresa,
maior a necessidades de saldos operacionais de caixa, para fazer frente às obrigações sem
onerar a estrutura financeira da empresa.
                           3 - A concentração permite a empresa "armazenar" seu dinheiro
mais eficientemente.

5 . 3 - Aceleração de Recebimentos:

   É uma técnica de se conservar saldos operacionais de caixa. Através da redução do
prazo entre o momento de processamento de recebimento e o efetivo recebimento.

Exemplo:
       a) Vendas a prazo igual a R$ 5.000.000,00 por ano;
       b) 250 dias úteis por ano;
       c) Qual é a média de recebimento por dia? R$ 20.000,00 por dia.

Se nós reduzir o tempo de processamento de 2 dias para 1 dia, na liberação dos créditos das
contas a receber, bem como a entrega dos cheques recebidos ao banco um dia mais cedo, o
saldo de conta a receber em um ano reduzirá em R$ 20.000,00, desta maneira estaremos
reduzindo as necessidades de financiamento. Se tivermos como custo do dinheiro ou de
oportunidade em 9% a.a. a empresa economizará R$ 1.800,00 ao ano.

Vantagens da Aceleração de Recebimento:

1 - Liberação de parcelas do saldo de caixa e, portanto redução das exigências totais de
financiamento da empresa;
2 - A transferência de funções burocráticas ao banco, diminuindo seus custos melhorando
seu controle e reduzindo a possibilidade de fraudes.
3 - Diminuição da incidência de cheques sem fundos.
4 - Menores taxas em virtude de um risco menor.



5.4 - Tempo de Cobrança no Sistema Bancário:
No ramo da compensação de cheques os bancos são especialistas e as empresas
normalmente recorrem a eles no que se refere à minimização dos períodos e liquidação dos
mesmos. No caso dos títulos em cobrança o mercado financeiro oferece vários sistemas de
controle e liquidação, havendo margem de negociação que devemos considerar, como por
exemplo, o D0 (de zero).

5.5 - Controle de Pagamentos;

      Com a aceleração de recebimentos transformamos contas a receber em dinheiro
reduzindo deste modo à necessidade de financiamento da empresa.
      A política apropriada é a de pagar dentro dos prazos estabelecidos, bem como
aproveitar os descontos oferecidos, evitando o pagamento de juros, correções e multas,
transformando contas a receber em fonte de recursos a custo baixo.

5.6 - Sistemas Integrados de Administração de Caixa.

      Muitos bancos oferecem sistemas integrados de administração de caixa, projetados
para controlar intensas atividades de pagamentos e recebimentos, utilizando a computação e
transmitindo dados em alta velocidade.

5.7 -Determinação do Saldo Operacional Apropriado: Método Baumol e Método Miller-Orr




Teoria:
      O nosso problema é determinar quanto dinheiro uma empresa deve manter como saldo
operacional de caixa. O saldo operacional é mantido para fins de transação e para pagar contas
obtidas atráves dos recebimentos de contas a receber.
      Se a empresa mantiver um saldo operacional muito reduzido acabará ficando sem dinheiro.
Deverá então liquidar títulos negociáveis se os possuir, ou tomar empréstimos o que causará o
surgimento de custos de transação. Se a empresa conservar um saldo operacional excessivamente
elevado estará sacrificando a oportunidade de ganhos, estará encorrendo nos que os economistas
chamam de custo de oportunidade. O que procuramos é a determinação do sal, do operacional
ótimo e não saldo mínimo. A determinação do saldo operacional ótimo envolve compensação entre
custo de transação e custo de oportunidade. Os custos de transação diminuem à medida que o saldo
operacional aumenta, já o custo de oportunidade aumenta à medida que o nível de saldo
operacional se eleva.
Conclusão:
       O ponto ideal é no qual a soma dos dois custos sejam mínimas. Este é o ponto que
uma administração eficiente deve tentar atingir.

5.8 - Exigência de Saldo Médio:
                           Se uma empresa utilizar o crédito bancário como fonte de
financiamento a determinação do saldo operacional de caixa ótimo, pode ser simples; será
ditado pelas exigências de saldo médio. Como já vimos anteriormente os bancos solicitam
retribuições para concederem certos privilégios em forma de serviços tais como
processamento de dados, processamento de cheques, compromissos de créditos, etc...
                        Em certos casos uma empresa pode determinar sem análise
complicadas que o saldo operacional de caixa ótimo é inferior que o saldo médio exigido
pelo banco. Em tais casos esta ultima sifra possa a ser o saldo mínimo de conta corrente da
empresa, em outros casos nos quais a solução não é tão fácil devemos fazer uma análise
para determinarmos o saldo operacional de caixa apropriado.

5.9 - Determinação do Saldo Operacional Apropriado.

       Passamos agora a tomar o comportamento dos recebimentos de pagamentos como
um dado. Em qualquer período os saldos inicial e final da caixa estão relacionados da
seguinte maneira;

Saldo Final = Saldo Inicial + Recebimentos - Pagamentos

Se os recebimentos e pagamentos fossem constantes dia a dia, saberiamos com certeza o
valor diário de cada um e nossos problemas seriam bastante simples.
Com os recebimentos superiores aos pagamentos poderiamos retirar o saldo final de cada
dia e usa-lo para outro fim.

Na prática há dois problemas:

Variabilidade e Incerteza:
                       Na maioria das empresas os recebimentos e pagamentos variam
tanto durante o mes quanto durante ao ano. Num mes os recebimentos e pagamentos de
despesas operacionais correntes tendem a apresentar variações regulares.

Variabilidades - Suponham os recebimentos e pagamentos variáveis e não sincronizados,
mas as variações previsíveis. A determinação do saldo operacional apropriado é um
problema de minimização de custos totais.
- saldo muito baixo = elevados custos de transação
- saldo muito alto = custos de oportunidade.
Incerteza - Poucas vezes os pagamentos e recebimentos são perfeitamentes previsíveis. Se
passarmos para o extremo oposto e fizermos a suposição de que os recebimentos e os
pagamentos são completamente aleatórios pode-se elaborar um modelo usandoa técnica da
teoria de limites de controle. Além das informações sobre custo de transação e taxas de
juros precisamos dispor de uma medida de variabilidade dos fluxos líquidos de caixa.


Usando esses dados podemos determinar os saldos mínimos e máximos na conta corrente
indicados pelas letras X e Y no gráfico a seguir.




O Saldo operacional de caixa oscila aleatoriamente em resposta a entradas e saídas.
No momento T1 atinge-se o limite máximo (superior) de controle(Y). No momento T1 ( Y-
X) reais são transferidos da conta corrente para aplicação em curto prazo. Continuando a
oscilação de recebimentos e pagamentos caindo a saldo a zero no momento T2 quando X
reais são resgatados das aplicações em curto prazo e transferidos p/ c/c onde continuaram
ocorrendo recebimentos e pagamentos.

5.10 - Investimento de Excedente de Caixa:

Critério de Investimento;
1 - Risco de Inadiplencia; é a possibilidade de que os juros ou o principal não sejam pagos
no momento previsto e na quantia prometida.
2 - Prazo de Vencimento; é o período durante o qual devem ser feitos os pagamentos de
juros e principal.
3 - Negociabilidade; é a possibilidade com a qual um ativo pode ser convertido em
dinheiro.

5.11 - Taxa de Retorno:

       Quanto mais baixo o risco e maior a negociabilidade menor será a taxa de
remuneração. Títulos com essas características apresentam preços elevados e como preços e
taxas de retorno estão inversamente relacionados suas taxas serão baixas.
       Outra relação que existe para fixar a taxa de retorno é o prazo de vencimento.
Quanto maior o prazo maior a taxa, visto que será afetada pelos ciclos econômicos e
monetários, bem como as tendências políticas do Estado, que em curto prazo podemos
mensurar, já em longo prazo se tornam mais incertas.
6 - Administração de Contas a Receber:

                     O volume de contas a receber é, basicamente, determinado pelos
padrões de crédito. Se esses padrões forem rigorosos, muito poucos clientes estarão
qualificados, as vendas cairão, e as contas a receber encolherão. Se os padrões de créditos
forem relaxados, mais clientes serão atraídos, as vendas crescerão e mais contas a receber
serão geradas.

Vantagens: aumento nas vendas e nos lucros;
Desvantagens: maior probabilidade de contas incobráveis e nos custo do financiamento
adicional de contas a receber.

6.1 - Causas da Existência de Contas a Receber;

a) Crédito Fornecido ou Concedido;
- É um método de vendas e pagamentos.
- Arma da concorrência entre empresas.

b) Crédito Recebido;
- É a utilização dos fatores de produção (matéria-prima, mão-de-obra, equipamentos, etc..)
sem contra partida imediata.

6.2 - Preocupação da Administração Financeira de Contas a Receber;

1- Crédito a funcionários (adiantamentos)

2- Concessão de crédito aos clientes que consomem bens e ou serviços;

3- Interação com a área de Marketind.

6.3 - Conceito de Política de Crédito;

      São as diretrizes e procedimentos de;

-   Seleção de clientes, cobrança, e descontos. Constitui um importante elemento para
    execução dos objetivos de venda, como instrumento de atração de procura para o que a
    empresa oferece no mercado.
-   O benefício de reduzir os padrões de crédito é o lucro das vendas adicionais; os custos
    são os débitos incobráveis adicionais e o custo do financiamento adicional das novas
    contas a receber.
-   Os benefícios de se elevarem os padrões de crédito são as reduções das dívidas
    incobráveis e do menor custo de financiamento das contas a reber; o custo é a redução
    dos lucros sobre as vendas.
6.4 - Contas a Receber Compreende:

a) Conta Corrente; aplica-se a clientes permanentes com pagamentos periódicos. A
   empresa acredita haver uma relativa constância nas compras do cliente.

b) Crédito Parcelado; vendas de produtos e ou serviços com pagamentos em diversos
   planos com faturamento dividido em prestações.


c) Contratos de Vendas a prazo e Vendas Condicionais; Utilizados principalmente nas
vendas de bens e ou serviços previamente encomendados e de execução ou instalação
demorada, com pagamentos parciais que podem ocorrer antes durante e ou após a entrega.


6.5 - Política de Crédito como Arma de Concorrência:

Elementos da Política de Crédito:

a) Prazo: concedido para pagamentos;

b) Cadastro; critérios para aceitação dos pedidos;

c) Limite; critérios para fixação de limites de créditos.


6.6 - Fatores condicionantes de Investimento em Contas a Receber:

a) Volume de vendas a prazo da empresa;

b) Proporção entre custo direto do produto e ou serviços à vista e o valor faturado.

c) Sazonalidade das Vendas;

d) Regras do ramo de atividade, quanto aos limites de crédito.

e) Políticas de Prazo de Crédito da Empresa.

f) Políticas de Cobrança da Empresa.(agrecividade);

f) Políticas de Desconto da Empresa.(acelerar o recebimento);

g) Critério para aceitação de clientes (seleção);
6.7 - Políticas de Concessão de Crédito e Cobrança

Política de Crédito:

                 Determinação do prazo geral de crédito, ou seja, delimitar quanto tempo
disporá o cliente para efetuar seus pagamentos, e a empresa com esses dados criarão seu
fluxo de caixa. O prazo concedido determina não só a rotação dos investimentos em contas
a receber como também o valor aproximado do investimento.
                 Aceitação ou não de um cliente em potencial trata-se de avaliar o risco que
este cliente produz.

Obs: os 5 C's do Crédito ( Weston, Brigham)

1 - Character - o caráter do cliente, se ele procura cumprir suas obrigações;
2 - Capacity - a capacidade financeira, se terá condições de gerar recursos para pagamentos.
3 - Capital - o cliente possui bens e outros recursos disponíveis para cobrir as transações
4 - Collateral - o cliente pode oferecer garantias reais
5 - Conditions - quais os efeitos externos que poderá afetar a capacidade do cliente em
pagar as suas dívidas.


6.8 - Modelo de Avaliação de um pedido de Crédito:

a) Coleta de Demonstrações Financeiras para avaliar os aspectos de;
- Capacidade de Pagamento;
- Capital;
- Possibilidades de Garantias.

b) Consultar empresas especializadas em informação de crédito;

c) Consultar os departamentos de créditos dos bancos com os quais a empresa trabalha em
   busca de dados sobre hábitos de pagamentos e outras condutas;

d) Trocar informações com outros fornecedores do solicitante;

e) Proceder à análise dos elementos de decisão apoiada em índices financeiros e
   estimativas de risco de não pagamento;

f) Visitar as instalações do solicitante;

i) Estabelecer limite de Crédito, e proceder ao mais rápido possível todo este levantamento.
6.9 - Política de Cobrança:

        Existe para assegurar que as vendas sejam transformadas em recebimentos. A ideia
que se tem é de que a política de cobrança é mais rígida do que a de crédito, mas isto não é
verdade, visto que se houver uma boa análise de crédito dificilmente teremos problemas
com a cobrança.


Princípios Básicos da Política de Cobrança;


1 - Não se deve gastar mais com esforços de cobrança do que se tenha a receber.

2 - A atividade de cobrança não levará um cliente incapaz de pagar suas dívidas a saldá-las.

3 - A agrecividade excessiva de cobrança pode prejudicar as vendas em geral, pois a
cobrança é vista como parte do conjunto de concessão de crédito e da política da empresa.

4 - Identificar o nível de inadiplencia e a capacidade da empresa em suportar, e se possível
agregar ao custo do produto.


6.10 - Avaliação das Políticas de Crédito e Cobrança:

         Na elaboração da política de crédito e cobrança poderá ocorrer dois erros graves;

a) Adotar uma política liberal enfatizando aumentar os níveis de vendas, sem precauções a
fim de elevar a rentabilidade pelo volume de negócios.

b) Ou adotar uma política de crédito muito recessiva em termos de prazo, limite de crédito,
critério de seleção de cliente, cobrança.
Defendendo os interesses de contas a receber ao nível de perder em vendas.

Conclusão; para avaliarmos uma política de concessão de crédito devemos comparar a taxa
de inadiplencia ao volume de vendas a prazo e compara-la aos índices do setor, bem como a
situação económica do Pais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides módulo3.3
Slides módulo3.3Slides módulo3.3
Slides módulo3.3
Eva Gomes
 
Módulo 2.1 - O Balanço
Módulo 2.1 - O BalançoMódulo 2.1 - O Balanço
Módulo 2.1 - O Balanço
Eva Gomes
 
Slides módulo 2.2 - Análise das Conts do Balanço - Passivo e Cap. Próprio
Slides módulo 2.2 - Análise das Conts do Balanço - Passivo e Cap. PróprioSlides módulo 2.2 - Análise das Conts do Balanço - Passivo e Cap. Próprio
Slides módulo 2.2 - Análise das Conts do Balanço - Passivo e Cap. Próprio
Eva Gomes
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
IFMG e COLTEC
 
Slides módulo4
Slides módulo4Slides módulo4
Slides módulo4
Eva Gomes
 
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRAADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
Raissa Gomes dos Santos
 
Departamento financeiro 1
Departamento financeiro 1Departamento financeiro 1
Departamento financeiro 1
Hellen Almeida
 
Financas corporativas exercicios cap01
Financas corporativas exercicios cap01Financas corporativas exercicios cap01
Financas corporativas exercicios cap01
simuladocontabil
 
Curso de Gestão Financeira.
Curso de Gestão Financeira.Curso de Gestão Financeira.
Curso de Gestão Financeira.
B&R Consultoria Empresarial
 
Administração financeira apostila
Administração financeira   apostilaAdministração financeira   apostila
Administração financeira apostila
Renan Miranda
 
Apostila fluxo-de-caixa
Apostila fluxo-de-caixaApostila fluxo-de-caixa
Apostila fluxo-de-caixa
NicoleKrisleyAlvesNo
 
Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILA
Roger Guimarães
 
Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000
albumina
 
Treinamento de gestão de contas a pagar
Treinamento de gestão de contas a pagarTreinamento de gestão de contas a pagar
Treinamento de gestão de contas a pagar
B&R Consultoria Empresarial
 
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão FinanceiraModelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
Alex Felix Nepomuceno
 
Visão geral sobre a gestão financeira
Visão geral sobre a gestão financeira Visão geral sobre a gestão financeira
Visão geral sobre a gestão financeira
Helder Cangovi
 
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Universidade Pedagogica
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
Eliseu Fortolan
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
Administracao financeira
Administracao financeiraAdministracao financeira
Administracao financeira
Universal.org.mx
 

Mais procurados (20)

Slides módulo3.3
Slides módulo3.3Slides módulo3.3
Slides módulo3.3
 
Módulo 2.1 - O Balanço
Módulo 2.1 - O BalançoMódulo 2.1 - O Balanço
Módulo 2.1 - O Balanço
 
Slides módulo 2.2 - Análise das Conts do Balanço - Passivo e Cap. Próprio
Slides módulo 2.2 - Análise das Conts do Balanço - Passivo e Cap. PróprioSlides módulo 2.2 - Análise das Conts do Balanço - Passivo e Cap. Próprio
Slides módulo 2.2 - Análise das Conts do Balanço - Passivo e Cap. Próprio
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
 
Slides módulo4
Slides módulo4Slides módulo4
Slides módulo4
 
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRAADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
 
Departamento financeiro 1
Departamento financeiro 1Departamento financeiro 1
Departamento financeiro 1
 
Financas corporativas exercicios cap01
Financas corporativas exercicios cap01Financas corporativas exercicios cap01
Financas corporativas exercicios cap01
 
Curso de Gestão Financeira.
Curso de Gestão Financeira.Curso de Gestão Financeira.
Curso de Gestão Financeira.
 
Administração financeira apostila
Administração financeira   apostilaAdministração financeira   apostila
Administração financeira apostila
 
Apostila fluxo-de-caixa
Apostila fluxo-de-caixaApostila fluxo-de-caixa
Apostila fluxo-de-caixa
 
Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILA
 
Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000
 
Treinamento de gestão de contas a pagar
Treinamento de gestão de contas a pagarTreinamento de gestão de contas a pagar
Treinamento de gestão de contas a pagar
 
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão FinanceiraModelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
 
Visão geral sobre a gestão financeira
Visão geral sobre a gestão financeira Visão geral sobre a gestão financeira
Visão geral sobre a gestão financeira
 
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Administracao financeira
Administracao financeiraAdministracao financeira
Administracao financeira
 

Destaque

Hemp Genix CBD Oil
Hemp Genix CBD OilHemp Genix CBD Oil
Hemp Genix CBD Oil
Hemp Genix CBD Oil
 
Manifestação agu
Manifestação aguManifestação agu
Manifestação agu
Guy Valerio Barros dos Santos
 
La danza
La danzaLa danza
La danza
sharon
 
Table Guy - Civilekonomen
Table Guy - CivilekonomenTable Guy - Civilekonomen
Table Guy - Civilekonomen
Robin Nilsmark
 
Presentación de Softeng Portal Builder en IDC Cloud Forum 2013
Presentación de Softeng Portal Builder en IDC Cloud Forum 2013Presentación de Softeng Portal Builder en IDC Cloud Forum 2013
Presentación de Softeng Portal Builder en IDC Cloud Forum 2013
SOFTENG
 
Office 365 y azure en la mediana y gran empresa
Office 365 y azure en la mediana y gran empresaOffice 365 y azure en la mediana y gran empresa
Office 365 y azure en la mediana y gran empresa
SOFTENG
 
Analisis personal alix diaz
Analisis personal alix diazAnalisis personal alix diaz
Analisis personal alix diaz
ALIX MARINA DIAZ MOLANO
 
Autumn term 2016 12 23rd sept.
Autumn term 2016 12 23rd sept.Autumn term 2016 12 23rd sept.
Autumn term 2016 12 23rd sept.
mbcpreschool
 
Livros fiscais eletronicos
Livros fiscais eletronicosLivros fiscais eletronicos
Livros fiscais eletronicos
custos contabil
 
AXELOS
AXELOSAXELOS
AXELOS
rcastrovera
 
Generaciones pc2
Generaciones pc2Generaciones pc2
Generaciones pc2
cayitadm
 
Criação x evolução
Criação x evoluçãoCriação x evolução
Criação x evolução
Construtora Tenda S.A.
 
A divisão dos eleitores
A divisão dos eleitoresA divisão dos eleitores
A divisão dos eleitores
Guy Valerio Barros dos Santos
 
Legislacao tributaria comercial aula 12
Legislacao tributaria comercial    aula 12Legislacao tributaria comercial    aula 12
Legislacao tributaria comercial aula 12
custos contabil
 
Adjuster's License
Adjuster's LicenseAdjuster's License
Adjuster's License
Shelley Hard
 
Decisão direito de resposta deferido - facebook Rui Costa - limpeza social ...
Decisão direito de resposta   deferido - facebook Rui Costa - limpeza social ...Decisão direito de resposta   deferido - facebook Rui Costa - limpeza social ...
Decisão direito de resposta deferido - facebook Rui Costa - limpeza social ...
Guy Valerio Barros dos Santos
 
Portfólio Virtual
Portfólio VirtualPortfólio Virtual
Portfólio Virtual
Sheila Pedrina
 
Unidade v contabilidade custos - exercicios
Unidade v   contabilidade custos - exerciciosUnidade v   contabilidade custos - exercicios
Unidade v contabilidade custos - exercicios
custos contabil
 
A farsa do sucesso chinês
A farsa do sucesso chinêsA farsa do sucesso chinês
A farsa do sucesso chinês
Guy Valerio Barros dos Santos
 

Destaque (20)

Hemp Genix CBD Oil
Hemp Genix CBD OilHemp Genix CBD Oil
Hemp Genix CBD Oil
 
Manifestação agu
Manifestação aguManifestação agu
Manifestação agu
 
La danza
La danzaLa danza
La danza
 
Table Guy - Civilekonomen
Table Guy - CivilekonomenTable Guy - Civilekonomen
Table Guy - Civilekonomen
 
Presentación de Softeng Portal Builder en IDC Cloud Forum 2013
Presentación de Softeng Portal Builder en IDC Cloud Forum 2013Presentación de Softeng Portal Builder en IDC Cloud Forum 2013
Presentación de Softeng Portal Builder en IDC Cloud Forum 2013
 
Office 365 y azure en la mediana y gran empresa
Office 365 y azure en la mediana y gran empresaOffice 365 y azure en la mediana y gran empresa
Office 365 y azure en la mediana y gran empresa
 
Analisis personal alix diaz
Analisis personal alix diazAnalisis personal alix diaz
Analisis personal alix diaz
 
Autumn term 2016 12 23rd sept.
Autumn term 2016 12 23rd sept.Autumn term 2016 12 23rd sept.
Autumn term 2016 12 23rd sept.
 
Livros fiscais eletronicos
Livros fiscais eletronicosLivros fiscais eletronicos
Livros fiscais eletronicos
 
AXELOS
AXELOSAXELOS
AXELOS
 
Generaciones pc2
Generaciones pc2Generaciones pc2
Generaciones pc2
 
Criação x evolução
Criação x evoluçãoCriação x evolução
Criação x evolução
 
Relatório comissão sas
Relatório comissão sasRelatório comissão sas
Relatório comissão sas
 
A divisão dos eleitores
A divisão dos eleitoresA divisão dos eleitores
A divisão dos eleitores
 
Legislacao tributaria comercial aula 12
Legislacao tributaria comercial    aula 12Legislacao tributaria comercial    aula 12
Legislacao tributaria comercial aula 12
 
Adjuster's License
Adjuster's LicenseAdjuster's License
Adjuster's License
 
Decisão direito de resposta deferido - facebook Rui Costa - limpeza social ...
Decisão direito de resposta   deferido - facebook Rui Costa - limpeza social ...Decisão direito de resposta   deferido - facebook Rui Costa - limpeza social ...
Decisão direito de resposta deferido - facebook Rui Costa - limpeza social ...
 
Portfólio Virtual
Portfólio VirtualPortfólio Virtual
Portfólio Virtual
 
Unidade v contabilidade custos - exercicios
Unidade v   contabilidade custos - exerciciosUnidade v   contabilidade custos - exercicios
Unidade v contabilidade custos - exercicios
 
A farsa do sucesso chinês
A farsa do sucesso chinêsA farsa do sucesso chinês
A farsa do sucesso chinês
 

Semelhante a Apostila financ i

A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Apresentação do Curso de Gestao financeira
Apresentação do Curso de Gestao financeiraApresentação do Curso de Gestao financeira
Apresentação do Curso de Gestao financeira
IG CONSULTORIA
 
Apostila financeira
Apostila financeiraApostila financeira
Apostila financeira
Evandro Willians Wicher
 
Adm financeira
Adm financeiraAdm financeira
Adm financeira
Aline Avelar
 
Aula 01- Gestão Financeira- finanças e orçamento empresarial.
Aula 01- Gestão Financeira-  finanças e orçamento empresarial.Aula 01- Gestão Financeira-  finanças e orçamento empresarial.
Aula 01- Gestão Financeira- finanças e orçamento empresarial.
RafaelaSantos372830
 
Fluxo introdução
Fluxo introduçãoFluxo introdução
Fluxo introdução
bruna5151bruna
 
Gestão de fluxo de caixa
Gestão de fluxo de caixaGestão de fluxo de caixa
Gestão de fluxo de caixa
Roberto Toledo
 
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IVPortfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
Andréia Cruz
 
Apostila afoe cont
Apostila afoe contApostila afoe cont
Apostila afoe cont
Carolina França
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
clubeamadorey
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
clubeamadorey
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
IFMG e COLTEC
 
Projetos de avaliação de empresas
Projetos de avaliação de empresasProjetos de avaliação de empresas
Projetos de avaliação de empresas
Carvalhosa & Consultores Associados
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
Théo Ferreira
 
Investimento de capital
Investimento de capitalInvestimento de capital
Investimento de capital
Universidade Pedagogica
 
Material de Estudo - DAF
Material de Estudo - DAFMaterial de Estudo - DAF
Material de Estudo - DAF
Gabriela Almeida
 
MiniBA - Gestão de MicroEmpresas - Financeiro
MiniBA - Gestão de MicroEmpresas - FinanceiroMiniBA - Gestão de MicroEmpresas - Financeiro
MiniBA - Gestão de MicroEmpresas - Financeiro
Diego T. Budemberg
 
Manual do Mestre.pdf
Manual do Mestre.pdfManual do Mestre.pdf
Manual do Mestre.pdf
Magna Flores Mota
 
Apostila afo
Apostila afoApostila afo
Apostila afo
zeramento contabil
 
05-Gestao de Tesourariagestãodo_2015.ppt
05-Gestao de Tesourariagestãodo_2015.ppt05-Gestao de Tesourariagestãodo_2015.ppt
05-Gestao de Tesourariagestãodo_2015.ppt
fernado24
 

Semelhante a Apostila financ i (20)

A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
 
Apresentação do Curso de Gestao financeira
Apresentação do Curso de Gestao financeiraApresentação do Curso de Gestao financeira
Apresentação do Curso de Gestao financeira
 
Apostila financeira
Apostila financeiraApostila financeira
Apostila financeira
 
Adm financeira
Adm financeiraAdm financeira
Adm financeira
 
Aula 01- Gestão Financeira- finanças e orçamento empresarial.
Aula 01- Gestão Financeira-  finanças e orçamento empresarial.Aula 01- Gestão Financeira-  finanças e orçamento empresarial.
Aula 01- Gestão Financeira- finanças e orçamento empresarial.
 
Fluxo introdução
Fluxo introduçãoFluxo introdução
Fluxo introdução
 
Gestão de fluxo de caixa
Gestão de fluxo de caixaGestão de fluxo de caixa
Gestão de fluxo de caixa
 
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IVPortfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
 
Apostila afoe cont
Apostila afoe contApostila afoe cont
Apostila afoe cont
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
 
Projetos de avaliação de empresas
Projetos de avaliação de empresasProjetos de avaliação de empresas
Projetos de avaliação de empresas
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Investimento de capital
Investimento de capitalInvestimento de capital
Investimento de capital
 
Material de Estudo - DAF
Material de Estudo - DAFMaterial de Estudo - DAF
Material de Estudo - DAF
 
MiniBA - Gestão de MicroEmpresas - Financeiro
MiniBA - Gestão de MicroEmpresas - FinanceiroMiniBA - Gestão de MicroEmpresas - Financeiro
MiniBA - Gestão de MicroEmpresas - Financeiro
 
Manual do Mestre.pdf
Manual do Mestre.pdfManual do Mestre.pdf
Manual do Mestre.pdf
 
Apostila afo
Apostila afoApostila afo
Apostila afo
 
05-Gestao de Tesourariagestãodo_2015.ppt
05-Gestao de Tesourariagestãodo_2015.ppt05-Gestao de Tesourariagestãodo_2015.ppt
05-Gestao de Tesourariagestãodo_2015.ppt
 

Mais de custos contabil

Planejamento orç publico
Planejamento orç publicoPlanejamento orç publico
Planejamento orç publico
custos contabil
 
Resumo contabilidade tributaria 05
Resumo contabilidade tributaria 05Resumo contabilidade tributaria 05
Resumo contabilidade tributaria 05
custos contabil
 
Unidade ii contabilidade de custos
Unidade ii   contabilidade de custosUnidade ii   contabilidade de custos
Unidade ii contabilidade de custos
custos contabil
 
Unidade i contabilidade de custos
Unidade i   contabilidade de custosUnidade i   contabilidade de custos
Unidade i contabilidade de custos
custos contabil
 
Custos abc
Custos abcCustos abc
Custos abc
custos contabil
 
Contabilidade custos gestao de custos aula custeio
Contabilidade custos gestao de custos aula custeioContabilidade custos gestao de custos aula custeio
Contabilidade custos gestao de custos aula custeio
custos contabil
 
Unidade iii contabilidade de custos
Unidade iii   contabilidade de custosUnidade iii   contabilidade de custos
Unidade iii contabilidade de custos
custos contabil
 
Unidade iv contabilidade de custos
Unidade iv   contabilidade de custosUnidade iv   contabilidade de custos
Unidade iv contabilidade de custos
custos contabil
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
custos contabil
 
Custos 01
Custos 01Custos 01
Custos 01
custos contabil
 
Unidade vi contabilidade de custos
Unidade vi   contabilidade de custosUnidade vi   contabilidade de custos
Unidade vi contabilidade de custos
custos contabil
 
Unidade vii contabilidade de custos
Unidade vii   contabilidade de custosUnidade vii   contabilidade de custos
Unidade vii contabilidade de custos
custos contabil
 
Unidade v contabilidade de custos
Unidade v   contabilidade de custosUnidade v   contabilidade de custos
Unidade v contabilidade de custos
custos contabil
 
Ee analise investimento
Ee analise investimentoEe analise investimento
Ee analise investimento
custos contabil
 
Contabiliando tributos
Contabiliando tributosContabiliando tributos
Contabiliando tributos
custos contabil
 
Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01
custos contabil
 
Unidade 2 custo
Unidade 2 custoUnidade 2 custo
Unidade 2 custo
custos contabil
 
Apostila custos industriais b
Apostila custos industriais bApostila custos industriais b
Apostila custos industriais b
custos contabil
 
Unidade 3 custo
Unidade 3 custoUnidade 3 custo
Unidade 3 custo
custos contabil
 
Unidade viii demonstracoes contabeis
Unidade viii   demonstracoes contabeisUnidade viii   demonstracoes contabeis
Unidade viii demonstracoes contabeis
custos contabil
 

Mais de custos contabil (20)

Planejamento orç publico
Planejamento orç publicoPlanejamento orç publico
Planejamento orç publico
 
Resumo contabilidade tributaria 05
Resumo contabilidade tributaria 05Resumo contabilidade tributaria 05
Resumo contabilidade tributaria 05
 
Unidade ii contabilidade de custos
Unidade ii   contabilidade de custosUnidade ii   contabilidade de custos
Unidade ii contabilidade de custos
 
Unidade i contabilidade de custos
Unidade i   contabilidade de custosUnidade i   contabilidade de custos
Unidade i contabilidade de custos
 
Custos abc
Custos abcCustos abc
Custos abc
 
Contabilidade custos gestao de custos aula custeio
Contabilidade custos gestao de custos aula custeioContabilidade custos gestao de custos aula custeio
Contabilidade custos gestao de custos aula custeio
 
Unidade iii contabilidade de custos
Unidade iii   contabilidade de custosUnidade iii   contabilidade de custos
Unidade iii contabilidade de custos
 
Unidade iv contabilidade de custos
Unidade iv   contabilidade de custosUnidade iv   contabilidade de custos
Unidade iv contabilidade de custos
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
 
Custos 01
Custos 01Custos 01
Custos 01
 
Unidade vi contabilidade de custos
Unidade vi   contabilidade de custosUnidade vi   contabilidade de custos
Unidade vi contabilidade de custos
 
Unidade vii contabilidade de custos
Unidade vii   contabilidade de custosUnidade vii   contabilidade de custos
Unidade vii contabilidade de custos
 
Unidade v contabilidade de custos
Unidade v   contabilidade de custosUnidade v   contabilidade de custos
Unidade v contabilidade de custos
 
Ee analise investimento
Ee analise investimentoEe analise investimento
Ee analise investimento
 
Contabiliando tributos
Contabiliando tributosContabiliando tributos
Contabiliando tributos
 
Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01
 
Unidade 2 custo
Unidade 2 custoUnidade 2 custo
Unidade 2 custo
 
Apostila custos industriais b
Apostila custos industriais bApostila custos industriais b
Apostila custos industriais b
 
Unidade 3 custo
Unidade 3 custoUnidade 3 custo
Unidade 3 custo
 
Unidade viii demonstracoes contabeis
Unidade viii   demonstracoes contabeisUnidade viii   demonstracoes contabeis
Unidade viii demonstracoes contabeis
 

Apostila financ i

  • 1. ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO FINANCEIRA I rodrigo@fesppr.br PROFESSOR: RODRIGO OTÁVIO DAS CHAGAS LIMA, msc O QUE É REALMENTE IMPORTANTE SABER PARA UMA BOA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA? ESTRATÉGIA CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS CUSTO DO CAPITAL REMUNERAÇÃO DO CAPITAL ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA TESOURARIA: ENTRADA E SAÍDA CICLO OPERACIONAL UNIDADES PROGRAMÁTICAS INTRODUÇÃO O DILEMA DO ADMINISTRADOR: LIQUIDEZ vs RENTABILIDADE ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRO PLANEJAMENTO FINANCEIRO ARRENDAMENTO ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS ORÇAMENTOS EMPRESARIAIS DEMONSTRATIVO DE FONTES E USOS DE LEVERAGEM FINANCEIRO AVALIAÇÃO PROVA MISTA TRABALHOS E SEMINÁRIOS EM GRUPO
  • 2. SUMÁRIO 1 - Módulo: Objetivos e a Função da Administração Financeira na Empresa; 1.1 - Principais áreas de decisões em Administração Financeira; 1.2 - Atribuições do Administrador Financeiro; 1.3 - Estrutura Organizacional Típica da Função Financeira; 1.3 - Definições e Problemas de Administração Financeira; 2 - Módulo: Origens e Aplicações de Recursos: 2.1 - Operações Financeiras. 2.2 - Política Financeira; 2.3 - Demonstrações de Valores. 3 - Módulo: Administração do Capital de Giro: 3.1 - Conceitos Básicos; 3.2 - Ciclo de classificação de operações; 3.3 - Princípios básicos da Adm. do Capital de Giro. 4 - Módulo: Estrutura Financeira da Empresa: 4.1 - Risco Econômico e Risco Financeiro 4.2 - Exemplos Gráficos (RE x RF) 4.3 - Princípios da Alavancagem Financeira 4.4 - Análise LPA. 5 - Módulo: Administração de Caixa: 5.1 - Administração de Recebimentos e Pagamentos; 5.2 - Concentração de Saldos; 5.3 - Aceleração de Recebimentos; 5.4 - Tempo de Cobrança no Sistema Bancário; 5.5 - Controle de Pagamento; 5.6 - Sistemas Integrados de Adm. de Caixa; 5.7 - Determinação do Saldo Operacional Apropriado; 5.8 - Exigência de Saldo Médio 5.9 - Determinação do saldo operacional Ótimo; 5.10-Emprego de Modelos Matemáticos; 5.11-Planejamento de Exigência de Caixa; 5.12-Investimentos de Excedentes de Caixa; 5.13-Taxa de Retorno. 6 - Módulo: Administração de Contas a Receber: 6.1 - Volume de Vendas e Investimentos e Contas a Receber; 6.2 - Políticas de Concessão de Crédito; 6.3 - Políticas de Cobrança 6.4 - Descontos para Pagamentos Antecipados.
  • 3. Referências Bibliográficas ROSS, Stepnhen . Princípios de Administração financeira. São Paulo: Atlas, 1998. GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira, São Paulo, Editora Harbra, 1987. SANVICENTE, Antônio Zoratto. Administração Financeira. São Paulo: Atlas, 1997. MARTINS & ASSAF NETO, Eliseu, Alexandre. Administração Financeira. São Paulo: Atlas, 1986. ROSS, Stepnhen . Administração financeira corporate finance. São Paulo: Atlas, 1995. KOPITTKE e FILHO, Bruno Nelson. Análise de Investimentos. São Paulo: Atlas, 1996. GROPPELLI & NIKBAKHT, A A Ehsan. Administração Financeira. São Paulo: Saraiva, 1998. ASSAF NETO, Alexandre. Mercado de Capitais. São Paulo: Atlas, 2001.
  • 4. I - Objetivos da Administração Financeira: a-manter a empresa em permanente situação de liquidez, como condição básica ao desenvolvimento normal de suas atividades; b-obter novos recursos para planos de expansão, com base em estudos de viabilidade econômico-financeira e com os menores custos possíveis; c-assegurar o equilíbrio entre os objetivos de lucro e os de liquidez financeira, quantificando os planos de expansão de acordo com as possibilidades de obtenção de recursos, próprios ou de terceiros. II - Funções da Administração Financeira: A-PREVER; fluxo monetário - custos, receitas e resultados; invetimentos e obtenção de recursos; B-PLANEJAR; operações de caixa para diferentes períodos, considerando as previsões de entradas, os compromissos certos e prováveis, as programações especiais, os financiamentos; C-ORGANIZAR; os serviços financeiros, adotando sistemas e métodos de trabalho adequados às características e necessidades da empresa; D-COORDENAR E EXECUTAR; as operações e serviços financeiros; E-CONTROLAR; a execução das operações e serviços; contas e disponibilidades; documentos e valores; execução de orçamentos; custos financeiros. 1.1 - Principais áreas de decisão em Administração Financeira; a- Investimentos; b- Financiamento de Clientes; c- Utilização de Lucro Líquido; d- Obtenção de Recursos Financeiros; e- Análise de Utilização e Capitação de Recursos Externos e Próprios. 1.2 - Atribuições do Administrador Financeiro: a- Análise de registros e informações contábeis; b- Projeção dos movimentos de fundos; c- Aplicações de fundos excedentes; d- Fornecimento à alta administração de informações e pespectivas futuras; e- Elaboração de planos para a fonte e uso de fundos a curto e longo prazo.
  • 5. 1.3 - Estrutura Organizacional Típica da Função Financeira: GERENTE FINANCEIRO CONTROLADOR TESOUREIRO Caixa e Banco Contabilidade Geral Contas a Receber Contabilidade de Custos Contas a Pagar Elaboração; Relações Bancárias -Controle e elaboração de orçamento Preparação do Orçamento de Caixa Auditoria Interna Elaboração de relatórios internos etc. 1.4 - Definições e Problemas de Administração Financeira: 1.4.1 - Definições; A Função Financeira compreende os esforços dispensados, objetivando a formulação de um esquema que seja adequado à maximização dos retornos (lucro) aos proprietários das ações ou cotas da empresa, proporcionando a liquidez da mesma perante seus creedores.A primícia está acentada no equilíbrio entre Rentabilidade (lucro) e Liquidez. 1.4.2 - Problemas de Administração Financeira; a- Problema de Mercado; a.1 - Mercado Comprador; - preço, prazo, e outras condições de venda; - manutenção e ampliação da quota da empresa no mercado; - efeitos da concorrência; - vendas cíclicas ou de época. a.2 - Mercado Fornecedor; - preços, prazos e outras condições de compra; - compras cíclicas ou de época; - necessidade de importação. b- Problema de Aplicação do Capital; - renovação e ampliação de máquinas, equipamentos e instalações; - manutenção de estoques e produção em andamento; - concessão de crédito a clientes; vendas a prazo;
  • 6. - adiantamento a fornecedores. c- Problema do Capital Alheio; - limites para compra a prazo; - limites para operações bancárias; - custo do capital alheio; - financiamentos especiais. d- Problema do Capital Próprio; - capitalização de lucros; - distribuição de lucros; - destinação das reservas e provisões; - entrada de capital novo. e- Problema de Expansão; - expansão em pequena escala; - expansão em grande escala. A percepção desses e de outros problemas só serà possível às empresas que mantém adequado sistema de processamento e análise de dados, determinando as diversas situações de solvência, liquidez e rentabilidade. A maioria das empresas concentra suas atenções apenas no propósito de obter recursos, para cubrir a falta de numerário, não se preocupando com os meios que ocasionaram esta deficiencia. Causas mais comuns da falta de numerário: a- expansão descontrolada das vendas, implicando em maior volume de compras e de gastos; b- ampliação dos prazos de vendas, para a conquista de mercados; c- diferenças acentuadas na velocidade dos ciclos de pagamentos e de recebimentos, em função dos prazos de compra e de vendas; d- insuficiência do capital próprio e utilização do capital alheio em proporções excessivas; e- baixa velocidade na rotação dos estoques e nos processos de produção; f- necessidade de compras de vultos de caráter cíclico ou para reserva, exigindo maiores disponibilidades; g- distribuição de lucros, além das possibilidades de caixa; h- imobilização excessiva, diminuindo o capital criculante ou utilizando capital de terceiros.
  • 7. As empresas financeiramentes equilibradas apresentam as seguintes características: a- há permanente equilíbrio entre os recursos e os encargos financeiros; b- o capital próprio tende a aumentar em relação ao capital alheio; c- a rentabilidade do capital é satisfatória, não a prejudicando as vendas forçadas para a obtenção de numerário, nem pesadas parcelas de juros; d- há tendencia para aumentar a rotatividade dos estoques, cujo valor não se eleva na mesma proporção em que cresce o valor das vendas, e maior frequencia de vendas para um número cada vez maior de produtos. e- há tendência para estabilizar-se o prazo médio de recebimento das vendas; f- não há imobilização excessiva de capital, nem ela é insuficiente para o volume necessário de produção. g- não há falta de mercadoria para atendimento das vendas. 2 - Módulo Origens e Aplicações de Recursos: 2.1 - Capital Investido - Usos e Fontes: O capital investido numa empresa apresenta-se sob múltiplas formas e segue um processo cíclico cujo final é a sua forma monetária. A administração financeira compreende a gerência do conjunto de operações destinadas à formação de recursos monetários indispensáveis ao pagamento dos fatores da produção (ou serviços) e sua distribuição, bem como as dívidas consequentes das transações comerciais e de financiamento. A visão do fluxo monetário de uma empresa industrial obedece, em linhas gerais, ao seguinte ciclo: Dinheiro (Capital Próprio mais Capital Alheio) Fatores de Produção Imóveis e equipamentos Matérias-primas e Materiais Mão-de-obra e seguro Social, Impostos, Juros, Custos em Geral Produção Vendas a Receber Administração Financeira Dinheiro Pagamentos de Dívidas Dinheiro (mais Capital Alheio) Fatores de Produção
  • 8. (Reinicia-se o ciclo) De acordo com o esquema e sob o aspecto exclusivamente financeiro, podemos dizer que o capital investido tem duas destinações fundamentais: a- Capital Aplicado em Caráter Permanente: - no aparelhamento técnico-industrial; - nos estoques de máterias-primas e materiais que devem suprir a produção; - nos estoques de produção acabados e em fabricação; - nos créditos concedidos a clientes; - nas disponibilidades de caixa, que devem atender aos pagamentos. b- Capital Aplicado na Produção: - no consumo de matérias-primas e materiais; - no pagamento dos demais fatores de produção: mão-de-obra e seguro social, imposto, juros, dividendos, custos em geral. O capital aplicado na produção retorna à empresa no final do ciclo de vendas e de seu recebimento. Todavia no custo da produção deve-se incluir uma parcela destinada a amortizar o capital empregado no aparelhamento técnico-industrial e correspondente à sua progressiva depreciação a fim de manter a capacidade produtiva. Sem prejuízo dos conceitos, de ordem contábil ou econômica. As origens do Capital investido são as seguintes: a- Capital Próprio; - Capital dos sócios ou acionistas; - reservas de capital, formadas com lucros retidos; - lucros não-distribuidos; - parcelas da receita bruta, retida como previsões, para compensar a perda de valor a que estão sujeitos certos componentes do capital ou os riscos implícitos nas atividades da empresa. b- Capital Alheio; - créditos concedidos por fornecedores; - créditos bancários - curto prazo; - empréstimos e operações a médio e a longo prazo; - empréstimos por meio de debêntures; - financiamentos pelos clientes (financiamentos pelos usuários de serviços) O capital aplicado representa o ATIVO da empresa, dividindo-se em CAPITAL FIXO (ou Imobilizado) e CAPITAL DE GIRO (ou Circulante, ou de Trabalho).
  • 9. 2.2 -Operações Financeiras: Classificação: a) Características; - Operações bancárias Comuns; desconto de duplicatas e outros títulos, adiantamentos com garantia de duplicatas e outras garantias, cobrança de duplicatas. - Operações bancárias especiais; operações de financiamento de vendas a prestações, empréstimos a prazo médio e longo, para aquisição de máquinas e matérias-primas, empréstimos especiais para projetos de investimentos. - Operações de financiamento específico; empréstimos sob a forma de debêntures, financiamento feitos pelos próprios clientes ou usuários de serviços (pagamentos antecipados, adiantamentos), vendas a prazo em geral (transferência da capacidade operacional, cessão de capital circulante). b) Prazo de Liquidação; - Varia de acordo com o tipo de operação. c) Permanência do Capital na Empresa: - Capital Social; Indefinidamente. - Financiamento; Temporário. 2.3 - Política Financeira: Nas empresas onde o capital próprio é insuficiente- fenômeno que ocorre com muita frequência - torna-se indispensável estudar não só a possibilidade de crédito, mas, também, a conveniência de se recorrer a le, dado ao custo. O capital fixo constitui-se de imóveis, máquinas e equipamentos, mobiliário, instalações, veículos e outros componentes instrumentais do Ativo. O capital circulante compõe-se de estoques destinados à produção ou à venda, de dívidas a receber de compradores e de outros e de disponibilidades financeiras. A avaliação da medida em que o capital deve ser investido nesses diversos componentes requer o conhecimento do grau de aproveitamento que cada um possa oferecer, tanto na função de produzir lucro como na de converter-se em valor monetário. Via de regra a fixação das diretrizes financeiras está intimamente ligada às características dos mercados em que a empresa opera, bem como à proporção do seu capital em relação ao volume dos negócios. a) Reservas; São partes de lucros líquidos retidos na empresa e destinadas a fins gerais ou específicos. Constituem direito dos sócios ou acionistas, pois correspondem a um capital complementar.Exemplo; reserva legal (inespecífica, obrigatória para as sociedades anônimas), reservas para aumento de capital, reservas para ampliações. b) Provisões; São partes de lucro bruto retidos na empresa e destinadas a manter a integridade de certos componentes do Ativo, suscetíveis de perda de valor, bem como a cobrir riscos a que os negócios se acham sujeitos.Exemplo; provisão para depreciações do capital fixo, provisões para devedores duvidosos, provisões para indenizações a empregados.
  • 10. 2.4 - Demonstrações de Valores As demonstrações de valores aplicados e suas origens fazem-se, contabilmente, através dos balanços, analisados para a tomada de decisões sobre plano de investimentos. ATIVO (aplicações) 1 Balanço 2 Balanço Diferenças 1 - CAPITAL DE GIRO Disponibilidades 10 5 - 5 Contas a Receber 80 100 20 - Estoques 30 40 10 - Subtotal 120 145 30 5 2 - CAPITAL FIXO Imobilizações Técnicas 28 32 4 - Imobilizações Financeiras 2 3 1 - Subtotal 30 35 5 - 150 180 35 5 PASSIVO (origens) 3 - CAPITAL ALHEIO Contas e outros débitos a pagar 80 95 15 - 4 - CAPITAL PRÓPRIO Capital Social e Reservas 70 85 15 - 150 180 30 Situação Demonstrada no 1 balanço: a- Aplicações 80% em capital de giro e 20% em capital fixo b- Origens: 53,3% de capital alheio e 46,7% de capital próprio Situação no 2 balanço a- Aplicação: 80,5 em capital de giro e 19,5% em capital fixo b- Origens: 52,8% de capital alheio e 47,2% de capital próprio. Alterações de Capital de Giro a- Redução nas Disponibilidades 50,0% b- Aumento nas contas a Receber 25,0% c- Aumento nos Estoques 33,3% Alterações no Capital Fixo a- Aumento nas imobilizações técnicas 14,3% b- Aumento nas imobilizações financeiras 50,0% Alterações nas Origens a- Aumento no Capital Alheio 18,7% b- Aumento no Capital Próprio 21,4%
  • 11. o aumento do capital próprio corresponde ao lucro do 2 balanço retido na empresa. INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA CONTEMPORÂNEA Finanças é a aplicação de uma série de princípios econômicos para maximizar a riqueza ou valor total de um negócio. Significa obter o maior lucro com o menor risco. Até décadas passadas, a ênfase caía sobre as novas formas de melhoria efetiva na administração do capital de giro, incrementando métodos para a manutenção de registros financeiros e para a interpretação dos demonstrativos financeiros. Finanças, nos últimos anos, tem ampliado seus horizontes e agora a ênfase é sobre as formas de orçamentar os recursos escassos efetivamente e investir os fundos em ativos ou projetos que rendam a melhor compensação entre o risco e retorno. Maior atenção ainda tem sido dada à determinação da proporção adequada entre os financiamentos através de obrigações e de ações bem como a utilização de novos instrumentos financeiros. A análise financeira fornece os meios para tornar flexível e corretas as decisões de investimento no momento apropriado e mais vantajoso. Uma parte crucial da administração financeira, inclui a tomada diária de decisões para auxiliar a empresa nas suas necessidades de caixa. Ele requer atenção redobrada nas mudanças intermediárias das atividades comerciais. A análise do ciclo operacional ajuda o administrador financeiro a manter baixos os custos de financiamento e a evitar elevados estoques e excesso da capacidade produtiva. Em geral, os administradores devem usar sólidas políticas de investimento que minimizem o risco. A maximização do lucro é um objetivo a curto prazo e é menos importante que a maximização da riqueza da empresa. A Administração Financeira relaciona varias teorias e conceitos de outras cadeiras, tais como microeconomia; que considera os efeitos de alterações nas condições de demanda, oferta e preço ou na macroeconomia com o aumento ou declínio da atividade comercial interna ou externa do País. A importância da Contabilidade que preparam os demonstrativos financeiros e a Estatística que fornece a base para a previsão e para comparar a saúde financeira e a lucratividade de uma empresa. Em finanças, os riscos mais elevados estão associados aos ganhos mais altos possíveis - porém, as chance de perdas também aumentam. O dilema esta em escolher os projetos mais lucrativos sem comprometer a solvência da empresa. Devemos levar em consideração os aspectos sociais, morais, ambientais e éticos no processo de tomada de decisão.
  • 12. TEORIA ECONÔMICA Princípios, Leis, Modelos e Teorias Análise Microeconomia Agentes Individuais Teoria do Consumidor: procura apurar como o consumidor se comporta perante o mercado em busca da satisfação de suas necessidades, quando há alteração na sua renda, nos preços dos bens e serviços. Interpreta as reações perante o desejo de consumo, avalia a restrição de consumo e num terceiro momento, analisa conjuntamente as restrições e os desejos de consumo. Teoria da Produção: Se preocupa em analisar a forma pela qual as empresas podem combinar seus fatores de produção a fim de maximizar seu nível de produção e minimizar seus custos. Teoria das Firmas: analisa a forma pela qual pode-se conciliar os interesses de quem está oferecendo os bens e serviços com os daqueles que desejam consumi-los ( oferta e demanda). Teoria da Repartição e Mercado: Destaca as características as diversas formas de mercado e suas estruturas. Análise Macroeconômica Estudos Agregados Teoria do Equilíbrio e do Crescimento - História do Pensamento Econômico - Teoria Monetária - Teoria Econômica do Setor Público - Teoria das Relações Econômicas Internacionais - Teoria do desenvolvimento e da Repartição. POLÍTICA ECONÔMICA Utilização dos Instrumentos Básicos
  • 13. Das Teorias Econômicas RISCO E RETORNO Risco e retorno são a base sobre a qual são tomadas decisões racionais e inteligentes de investimentos. De modo geral, risco é uma medida da volatilidade ou incerteza dos retornos, e retornos são receitas esperadas ou fluxos de caixa antecipados de qualquer investimento (caderneta de poupança e aposta em corrida de cavalos). Os investimentos devem ser adequadamente recompensados pelos riscos que eles assumem. Em finanças, o risco é mensurado pelo grau de volatilidade associado aos retornos esperados. Volatilidade é a quantidade de flutuações que ocorrem com uma série de números quando eles se desviam de uma série representativa. Outro fator que aumenta o risco é o prazo.
  • 14. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. Rodrigo O. das Chagas Lima, Meg Exercícios 1 - Quais são os objetivos dos administradores financeiros? 2 - O que a empresa ignora quando está tentando obter lucros ótimos? 3 - Cite alguns fatores micro e macroeconômicos que influenciam as decisões de uma empresa. 4 - Quais são os dois demonstrativos financeiros que auxiliam o administrador a monitorar a monitorar o desempenho da empresa? 5 - Quais são alguns dos aspectos não-financeiros do papel do administrador na sociedade, tais como responsabilidade concernente aos trabalhadores, tratamento às minorias e atenção dada à questão da convivência entre homens e mulheres no trabalho?
  • 15. 3 - MÓDULO: Administração do Capital de Giro: 3.1 - Conceitos: I - Também conhecido com - Ativo Corrente; - Ativo Circulante. II - Em Geral - Capital de Giro; Disponobilidade. Investimentos Temporários; Contas a Receber Estoques de Matérias Primas Mercadorias para Vendas Produção em andamento Produtos acabados. a somatória destes, itens representam o montante investido pela empresa em Capital de Giro. III - Capital de Giro Bruto X Capital de Giro Líquido: - Capital de Giro Bruto: Disponibilidade Investimentos Temporários Contas a Receber e Estoques - Capital de Giro Líquido: Capital de Giro Bruto (-) todos os compromissos a curto prazo (fornecedores, fisco, funcionários, etc). Conceito de Curto Prazo: É o tempo exigido para que uma aplicação de dinheiro em insumos variáveis gire inteiramente, desde a compra de materia-prima até o recebimento correspondente à venda do produto ou do serviço pelo cliente. Circular do banco Central n'179 de 11 de maio de 1972; curto prazo é definido como sendo um período de 180 dias. Lei n'6.404 de 15 de dezembro de 1976; curto prazo é definido por um período igual ao de um ano social (exercício - 360 dias).
  • 16. Verificamos que a definição de curto prazo poderá variar de acordo com a natureza das operações (ciclo do produto, operações financeira, registros contábeis). Exercício: 1º - Etapa: Uma Empresa é constituida com capital de 100.000,00, 50% em dinheiro 50% em bens e equipamentos; ATIVO PASSIVO Disponibilidade ................ Bens e Equipamentos ............... Capital ................ Total ................ .................. 2º - Etapa: A empresa recebe um pedido e para atendo-lo adquire matéria-prima a prazo no valor de 30.000 a pagar em 30 dias, também contrata mão-de-obra com a qual gasta a vista 15.000 e um saldo a pagar de 5.000. ATIVO PASSIVO * Ativo Circulante e Passivo Circulante 3º - Etapa; A empresa gasta mais 30.000 com mão-de-obra e 5.000 com serviços, como o saldo de dinheiro é exatamente igual a 35.000 e a empresa deseja manter um saldo mínimo de 5.000 para imprevistos recorre a um banco para obter esses fundos, através da emissão de Nota Promissória. ATIVO PASSIVO
  • 17. 4º - Etapa: Entrega da encomenda ao cliente com um prazo de faturamento de 30 dias no valor de 120.000. Neste momento a empresa salda seus compromissos com fornecedores e paga salarios. Todavia o dinheiro levará 30 dias para ser recebido e o saldo a pagar é de 35.000, sendo o saldo de caixa de 5.000, novamente será feito um emprestimo bancário. ATIVO PASSIVO 5º - Etapa: Completa-se o ciclo com o recebimento do valor da venda e o pagamento do empréstimo. ATIVO PASSIVO - Representação Gráfica de um ciclo normal: Compra de matéria-prima ------ estoque de matéria-prima------ produção------produtos acabados--------- vendas a prazo------contas a receber-------recebimento do cliente---compra de matéria-prima.
  • 18. 3.2 - Princípios Básicos da Administração de capital de Giro; Há tres dimensões da tomada de decisão sobre os ativos correntes; a) LIQUIDEZ; capacidade da empresa em saldar seus compromissos. Visto que os ativos correntes da empresa tem além de um prazo para transformarem-se em dinheiro um risco de recebimento e esse risco aumenta conforma a natureza das operações, clientes, concorrência, ocilações da econômia e desequilíbrio entre os recebimentos e pagamentos a creedores (fluxo de caixa). b) RENTABILIDADE; as aplicações e investimentos em ativos correntes são necessario para a sustentação dos níveis de vendas elevados, no intuíto de maior lucro, criando um número maior de operações. c) DISPONIBILIDADE: na administração de ativos corrente, devemos encontrar o equilíbrio entre termos maior disponibiliades de recursos para fazer frente aos compromissos, atingindo um alto grau de liquidez e sacrificando a rentabilidade, visto que se investemos mais no ciclo produtivo operacional aumentamos nossa rentabilidade ao passo que diminuiremos nossa liquidez, em decorrência dos prazos de transformação do produto em numerário. 3.3 - Financiamento do Capital de Giro: 4º - Módulo: Estrutura Financeira da Empresa: 4.1 - Risco Econômico (aspecto operacional) a) Incerteza e variabilidade relativa dos resultados da empresa nos seus setores de atividade. b) tipo de operação da empresa - ambiente c) natureza do produto d) característica de sua procura - demanda O risco econômico é inerente às atividades da empresa setor em que atua, concorrencia, produto, tecnologia, porder aquisitivo, estabilidade política, canais de distribuição, etc...
  • 19. Vinculado ao resultado operacional. 4.2 - Risco Financeiro: a) Conhecido como variabilidade de retorno para o acionista. Inerente a remuneração do capital, ou custo do mesmo. Vinculado ao resultado líquido. b) é determinado pelo uso relativo de capital de terceiros, ou seja, pelo uso de recursos que exigem uma remuneração fixa (taxa de juros) prioritária, em face da remuneração do capital próprio. c) quanto mais elevada for a proporçào de recursos de terceiros, maior será o risco assumido pelos proprietários, pois menores serão as suas possiblidades de obter remuneraçào para o seu investimento. d) associada á estrutura das fontes de recursos principalmente em termos de endividamento. Apêndice: Acionistas Ordinários; O acionista ordinário é o proprietário da empresa. São os que aprovam os balanços e as demonstrações financeiras, elaboram e aprovam os estatutos sociais, elegem os membros do conselho fiscal e conselho administrativo. Normalmente os acionistas perfazem um terço do total das ações da empresa. Acionistas Preferêncial; É um investidor, podendo eleger parte dos membros de orgãos administrativo. Tem prioridade no recebimento de dividendos, podendo ser fixa a remuneração, todavia não é um creedor, sim um sócio.
  • 20. 4.3 - Exemplo Gráfico: a - necessidade de remuneração de Cap. de Terceiros; b - resultado operacional da empresa (Dinheiro - endividamentos - empréstimos) 1- A empresa A possui um grau de risco econômico baixo, pois a ocilação de seus resultados é pequena e em nenhum momento os recursos gerados pelas operações ficaram a quem dos fundos exigidos por terceiros. 2 - com exigencias semelhantes à da empresa A, porém apresentando um risco financeiro muito maior em virtude da maior ocilação de seus resultados operacionais, este por sazonalidade ou problema com as vendas (risco econômico). Duas empresas com grau de risco economico iguais, mais níveis de endividamento diferente; 1 - Recursos gerados pelas operações; (risco econômico). 2 - Exigências de remuneração de capital de terceiros (risco financeiro).
  • 21. 4.4 - Princípio da Alavancagem Financeira "LEVERAGE": É inerente a captação de recursos de terceiros com uma remuneração inferior aos lucros obtidos nas operações da empresa. Com o intuito de ampliar os negócios e desse modo aumentar a remuneração do capital próprio. Todavia esta alavancagem gera um risco financeiro se não bem administrado poderá em virtude do risco econômico ou por sazonalidade do produto gerar prejuizos, em virtude dos custos de remuneração do capital de terceiros serem maiores do que a remuneração obtida com estes recursos. EXPLICANDO A ALAVANCAGEM FINANCEIRA: Diz respeito à prática de usar títulos de dívida para financiar investimentos e consiste na relação entre LAJIR (lucro antes do pagamento do juro e do IR) e o LPA (lucro por ação). Quando a obrigação é emitida, a empresa compromete-se a pagar os juros e a amortizar o principal em alguma data no futuro. Devido os juros serem despesas dedutíveis do cálculo do IR, uma maior parcela do lucro operacional sobra para os acionistas. Entretanto, quanto mais dívidas uma empresa tiver em sua estrutura de capital, maior será o risco financeiro. Isso significa que, independente do seu nível de lucro operacional, a empresa deve continuar a efetuar os pagamentos fixos de juros e principal. Se as atividades comerciais declinam em função de uma contração no nível econômico, o LAJIR também declinará, aumentando a probabilidade de a empresa não ser capaz de efetuar os pagamentos de juros com os lucros operacionais existentes. PORTANTO, A ALAVANCAGEM FINANCEIRA É UMA FACA DE DOIS GUMES. EMBORA ELA POSSA SER BENÉFICA EM UM PERÍODO CÍCLICO DE EXPANSÃO, ELA É DANOSA NUMA FASE CÍCLICA DE CONTRAÇÃO. Comparando uma empresa alavancada com uma empresa não alavancada. A empresa não alavancada é financiada pela emissão de ações ordinárias e não tem nenhuma dívida em sua contabilidade. Uma empresa alavancada financia parte de suas operações através de dívidas. Como resultado, ela possui uma combinação de capital de terceiros e de capital próprio em sua estrutrura de capital. Empresa A - Não Alavancada Empresa B - Alavancada D/C = 0 D/C = 50% 2004 2005 2004 2005 LAJIR $100.000 $140.000 $100.000 $140.000 Juros (10%) 0 0 10.000 10.000 ------------ ------------ ----------- ----------- LAIR $100.000 $140.000 $ 90.000 $130.000 IR (40%) 40.000 56.000 36.000 52.000 ------------ ------------ ----------- ----------- Lucro Líquido $ 60.000 $ 84.000 $ 54.000 $ 78.000 Ações Existentes 10.000 10.000 5.000 5.000
  • 22. LPA (lucro p/ ação) $ 6,00 $ 8,40 $ 10,80 $ 15,60 Capital Total da Empresa não Alavancada = $200.000 Capital Total da Empresa Alavancada = $200.000 ($ 100.000 de dívidas + 100.000 de ações). D/C índice de endividamento LAJIR Grau de alavancagem financeira (GAF) = --------------------- LAJIR - J LAJIR = lucro antes dos juros e do IR J = despesas de juros Para o ano de 2005, uma mudança no LAJIR produz a mesma mudança no lucro, porque a Empresa A não tem dívidas. A Empresa B tem um índice D/C de 50%. Para qualquer mudança em seu LAJIR, o lucro líquido varia por 1,11 vezes, para mais ou para menos. % de alteração no LPA GAF ( de 2004 a 2005) = ------------------------------------------- % de alteração no LAJIR 0,40 GAF da empresa não alavancada = --------------- = 1,0 0,40 0,44 GAF da empresa alavancada = -------------------- = 1,1 0,40 Taxa Média de Retorno Lucro líquido TMR = ----------------------------------------------- Investimento Inicial A alavancagem financeira aumenta quando uma empresa emite obrigações para financiar parte de suas operações. Quanto maior o índice de endividamneto D/C, maior o grau de alavancagem financeira. Entretanto, enquanto a alavancagem financeira produz LPAs maiores, ela também torna LPAs mais voláteis. Isso significa que o risco aumenta. obs.:a quantidade e o preço de venda determinam a receita total; diminuindo aquela, sem aumento deste, decresce o lucro ou ocorre prejuízo.
  • 23. 4.4.1 - Exemplo de Alavancagem Financeira Favorável: Demonstração de Resultados ( em $ mil); 3 alternativas de endividamento para compor o capital da empresa. Contas * A B C Receita de Vendas 3.000 3.000 3.000 Custo Produtos Vendidos - (1.200) (1.200) (1.200) Margem Bruta = .......... ............ ............. Outras Desp.Operacional - (1.500) (1.500) (1.500) Resltado Operacional = ............ .............. ............. Custo do Endividamnto - ............. .............. .............. Lucro Líquido antes do IR = ............ ............. .............. IR (35%) - ............ .............. .............. Lucro Líquido = .............. .............. .............. Alternativas: A - sem endividamento = 100% de Cap. Próprio B- uso de 30% de Cap. de terceiros -> custo financeiro 20% a.a. (300.000) C- uso de 50% de Cap. de terceiros -> custo financeiro 20% a.a. (500.000) Capital Total $ 1.000.000,00 Embora nos casos das empresas B e C o lucro líquido tenha sido inferior da empresa A, o uso de capital de terceiros mais barato (custo inferior a 30% que é a taxa de retorno sobre o ativo total, isto é o resultado operacional obtido 300 sob um ativo total de 1.000) favorecendo aos acionistas. - Analise das tres alternativas do ponto de vista do acionista ordinário: em $ mil. Contas A B C I - Resultado Operacional .......... .......... .......... II - Ativo Total .......... .......... .......... III - Taxa de Retorno s/Ativo Total .......... .......... .......... % IV - Capital de terceiros .......... .......... ............ V - Capital Próprio .......... .......... ........... VI - Lucro Líquido dep.IR .......... ........... ........... VII - Taxa de Retorno s/ investimento .......... ........... ........... % do acionista ( VI : V).
  • 24. 4.4.2 - Alavancagem Financeira Desfavorável: Ativo Total 1.000.000,00 Conta * A B C D Receita de Vendas 1.500 1.500 1.500 1.500 Custo dos Produtos Vendidos - (600) (600) (600) (600) Margem Bruta = Outras Desp. Operacionais - (750) (750) (750) (750) Resultado Operacional Líquido = Custo de Endividamento - Lucro Líquido antes do IR = IR ( 35%) - Lucro Líquido = Taxa de Retorno = lucro líquido : Cap. próprio na empresa A o cap. próprio é 1.000.000 na empresa B o cap. próprio é 700.000 na empresa C o cap. próprio é 500.000 na empresa D o cap. Próprio é 250.000 obs.: nesta nova situação os resultados e retornos operacionais reduziram-se a metade. O favorecimento para os acionistas esta na empresa A. cujo capital é formado apenas com recursoso próprios. O desfavorecimento da alavancagem é em virtude do risco econômico, visto que os resultados com as vendas cairam pela metade, bem como seus custos, todavia o custo do capital de terceiro se manteve, mas a taxa de retorno sob o ATIVO TOTAL (15%) ficou inferior ao custo do capital de terceiros (20%) desfavorecendo aos acionistas. 4.5 Fatores que Influênciam a composição da Estrutura Financeira: a) Característica do setor de atividade: - taxa de crescimento das vendas futuras, dentro das condições de desenvolvimento do setor, como elemento condicionante da possibilidade de multiplicação de lucros com uso de capital de terceiros(leverage); - estabilidade relativa das vendas como fonte de recursos para cumprir compromissos assumidos, compatibilidade entre os prazos de geração de recursos e os prazos de vencimento das obrigações. - estrutura e condições da concorrência enfrentada pela empresa; - estrutura do ativo total adequada ao tipo de operação a que se destina a empresa. b) Características alheia ao setor de atividade; - Risco econômico em virtude da sazonalidade, política nacional e medidas monetárias (recessão do consumo). - Risco financeiro, adequar o custo de financiamento a contribuição gerada pelo resultado operacional.
  • 25. - Maior ou menor facilidade de acesso a fontes de recurso quando necessário. 4.6 - Análise LPA: É a análise que proporciona um detalhamento através da comparação do lucro líquido em relação ao capital próprio. Exemplo: Projeção dos cálculos futuros do lucro por ação de uma empresa, com duas situações de endividamento; a - financiamneto de 40% de cap. de terceiros; b - financiamento de 60% de cap. de terceiros. Dados: Ativo Total -> 3.000.000 Cotação das Ações -> 10,00 Taxa de juros -> 30% a.a. DRE Contas A B Receitas esperada sob Vendas 2.500 2.500 CPV (400) (400) Custo Fixo e Custo Variável (800) (800) Resultado Operacional Despesas Financeiras Resultado antes do IR IR 35% Resultado Líquido Número de Ações ............ ............ Lucro p/Ações ............ ............. Cálculo do número de ações: Ativo Total - Cap. de Terceiros ---------------------------------- Cotação das Ações a - número de ações = ------------------------ = b - número de ações = ------------------------- =
  • 26. Lucro p/ ação = Resultado Líquido ------------------- N'de ações a - lucro p/ ação = ---------- = b - lucrop/ ação = ---------- = Formulário ( Resultado Operacional - Despesas Financeiras) x ( 1- alíquota do IR ) LPA = --------------------------------------------------------------------------- Número de ações LPA = --------------------------------------- = LPA = ----------------------------------------- = Resultado Operacional Taxa de Retorno s/ ativo total = --------------------------- Ativo Total Lucro Líquido Retorno s/Investimento = ------------------------- Capital Próprio
  • 27. DRE Contas A B C Receita de Vendas 5.000 5.000 5.000 CPV (1.500) (1.500) (1.500) Margem Bruta Desp. Operacionais (1.500) (1.500) (1.500) Resultado Operacional Custo de Endividamento Lucro Líquido antes do IR IR (35%) Lucro Líquido Estrutura das Empresas A- sem endividamento = 100% cap. Próprio B- 40% de cap. de terceiros, custo financeiro de 18%a.a. C- 50% de cap. de terceiros, custo financeiro de 30%a.a. GAF do Setor = 1,5 Ativo Total = !0.000 e a Cotação das Ações = 10,00 Pergunta-se: a) Quais as empresas que estão alavancadas financeiramente? Por que? b) Qual empresa que possui o maior risco econômico e qual a que possui o maior risco financeiro, por que? c) As empresas que por ventura estão alavancadas financeiramente, está é favorável ou não? Explique. d) Qual o Capital Próprio de cada empresa? e) Qual é o GAF das empresas? Explicar se o GAF encontrado é viável ou não em relação ao setor. f) Qual é o lucro por ação das empresas? g) Qual é a taxa de retorno s/o ativo? h) Qual é a taxa de retorno para o investidor? i) Do ponto de vista dos acionistas qual é a empresa mais rentável e qual a mais lucrativa?
  • 28. DRE Contas A B C Receita de Vendas 2.000 2.000 2.000 CPV (500) (500) (500) Margem Bruta Desp. Operacionais (650) (650) (650) Resultado Operacional Custo de Endividamento Lucro Líquido antes do IR IR (35%) Lucro Líquido Estrutura das Empresas A- sem endividamento = 100% cap. Próprio B- 40% de cap. de terceiros, custo financeiro de 8,5%a.a. C- 40% de cap. de terceiros, custo financeiro de 30%a.a. GAF do Setor = 1,4 Ativo Total = !0.000 e a Cotação das Ações = 10,00 Pergunta-se: a) Quais as empresas que estão alavancadas financeiramente? Por que? b) Qual empresa que possui o maior risco econômico e qual a que possui o maior risco financeiro, por que? c) As empresas que por ventura estão alavancadas financeiramente, está é favorável ou não? Explique. d) Qual o Capital Próprio de cada empresa? e) Qual é o GAF das empresas? Explicar se o GAF encontrado é viável ou não em relação ao setor. f) Qual é o lucro por ação das empresas? g) Qual é a taxa de retorno s/o ativo? h) Qual é a taxa de retorno para o investidor? i) Do ponto de vista dos acionistas qual é a empresa mais rentável e qual a mais lucrativa?
  • 29. DRE Contas A B C D Receita de Vendas 50.000 50.000 50.000 50.000 CPV (10.000) (10.000) (10.000) (10.000) Margem Bruta Desp. Operacionais (10.000) (10.000) (10.000) (10.000) Resultado Operacional Custo de Endividamento Lucro Líquido antes do IR IR (35%) Lucro Líquido Estrutura das Empresas A- sem endividamento = 100% cap. Próprio B- 30% de cap. de terceiros, custo financeiro de 35%a.a. C- 50% de cap. de terceiros, custo financeiro de 20%a.a. D- 80% de cap. de terceiros, custo financeiro de 10%a.a. GAF do Setor = 2 Ativo Total = !00.000 e a Cotação das Ações = 10,00 Pergunta-se: a) Quais as empresas que estão alavancadas financeiramente? Por que? b) Qual empresa que possui o maior risco econômico e qual a que possui o maior risco financeiro, por que? c) As empresas que por ventura estão alavancadas financeiramente, está é favorável ou não? Explique. d) Qual o Capital Próprio de cada empresa? e) Qual é o GAF das empresas? Explicar se o GAF encontrado é viável ou não em relação ao setor. f) Qual é o lucro por ação das empresas? g) Qual é a taxa de retorno s/o ativo? h) Qual é a taxa de retorno para o investidor? i) Do ponto de vista dos acionistas qual é a empresa mais rentável e qual a mais lucrativa?
  • 30. FINANCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO = ATIVO CIRCULANTE - PASSIVO CIRCULANTE obs.: o capital circulante líquido pode também ser pensado como a porção dos ativos circulantes que deve ser financiada através do exigível a longo prazo ou patrimônio líquido. Máximos Níveis Porção Sazonal Ativos Circulantes Mínimos parte permanente permanece na contabilidade por um período de tempo maior deve ser financiada como o ativo imobilizado, através de Exigível de L.P. ou P.L.
  • 31. Risco e Lucro Escolhendo a Mistura Certa A decisão de financiar os ativos com empréstimos de curto ou de longo prazo é uma escolha entre minimizar o risco e maximizar os lucros Condições Normais: Longo Prazo -> mais caro; devido as incertezas, inflação, inadimplência, compensado pelo risco. Não há necessidade de renovações periódicas. Abordagem conservadora, manter a liquidez da empresa. ABORDAGEM CONSERVADORA Os empréstimos de LP. E PL. são usados para financiar os ativos imobilizados e pequena parte dos ativos circulantes. As necessidades sazonais são financiadas através de empréstimos de CP. ABORDAGEM AGRESSIVA Os ativos fixos e apenas parte do nível mínimo dos ativos circulantes são financiados por dívidas de LP. E PL. Todas as necessidades sazonais, mais parte do nível mínimo do ativo circulante, são financiadas através de dívidas de CP. Portanto o custo de financiamento é mínimo, mas o risco de ocorrerem problemas de liquidez é relativamente alto.
  • 32. EXERCÍCIOS 1 - Calcular as necessidades financeiras permanente e sazonal. O valor total do ativo circulante da Companhia Dias e Dias Parados flutua: 80.000 em fevereiro; 100.000 em abril; 140.000 em junho; 40.000 em agosto; 60.000 em outubro; e 90.000 em dezembro. O ativo fixo estimado em 50.000 de janeiro a dezembro e o estoque mínimo em 40.000. Como devem ser financiados os ativos da companhia. Deve-se separar o financiamento total em duas porções: 1 - financiamento permanente = nível mínimo de ativos circulantes + Ativos imobilizados 2 - financiamento sazonal = Ativos circulantes - Nível mínimo de ativos circulantes. fev Abr jun ago out dez ativo circulante Ac nível mínimo M Fin. Sazonal Ac-M ativo imobilizado Ai Financ. Permanente M+A as necessidades de financiamento sazonal não são permanentes ou estáveis, elas são normalmente obtidas através de empréstimos bancários de curto prazo. Em contraste, a necessidade permanente de financiamento deve ser atendida através de uma combinação de exigível de L.P. e ações. Se a necessidade permanente for financiada a curto prazo, o credor poderá não renovar o empréstimo no vencimento e a empresa defrontaria com problema de liquidez e possivelmente de falência.
  • 33. 2 - Calcular as necessidades financeiras permanente e sazonal. O valor total do ativo circulante da empresa é: 50.000 em fevereiro; 70.000 em abril; 30.000 em junho; 60.000 em agosto; 40.000 em outubro; e 80.000 em dezembro. O ativo fixo estimado em 30.000 de janeiro a dezembro e o estoque mínimo em 30.000. Como devem ser financiados os ativos da companhia. a) – Qual o valor do financiamento permanente? b)- Qual o valor bimestral do financiamento sazonal? fev Abr jun ago out dez ativo circulante Ac nível mínimo M Fin. Sazonal Ac-M ativo imobilizado Ai Financ. Permanente M+A 3 - Calcular as necessidades financeiras permanente e sazonal. O valor total do ativo circulante da empresa é: 18.000 em fevereiro; 37.000 em abril; 26.000 em junho; 42.500 em agosto; 30.000 em outubro; e 50.000 em dezembro. O ativo fixo estimado em 28.550 de janeiro a dezembro e o estoque mínimo em 18.000. Como devem ser financiados os ativos da companhia. a) – Qual o valor do financiamento permanente? b)- Qual o valor bimestral do financiamento sazonal? fev Abr jun ago out dez ativo circulante Ac nível mínimo M Fin. Sazonal Ac-M ativo imobilizado Ai Financ. Permanente M+A
  • 34. 5 - MÓDULO ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA Uma boa administração de caixa favorece a lucratividade de uma empresa, ao reduzir o período de cobrança e os custos de transação relacionados aos processos de cobranças e pagamentos. a - Através das projeções das expectativas de vendas e planos de operação da empresa que determinam as necessidades de capital de giro e financiamento externo da empresa. b - cabe ao administrador ou gerente financeiro garantir o volume exigido de financiamento ao menor custo possível assim como também é responsável pela avaliação do próprio plano de operação em especial com relação as exigencias, intenções e procedimentos em relação à caixa, contas a receber e estoques. c - o termo caixa refere-se a dinheiro mais saldos de c/c a às vezes inclui os ativos quase monetários (aplicações a curto prazo, títulos); d - o termo saldo operacional de caixa refere-se ao conjunto dinheiro + saldo em c/c; e - as empresas tem três motivos para manter caixa ou ativos de elevada liquidez; 1º - Transação: refere-se aos saldos de caixas exigidos pelo andamento normal das operações, sendo uma reserva da qual a empresa efetua pagamentos a fornecedores, credores, empregados, sendo realimentada atraves dos recebimentos de clientes. Esses recebimentos e pagamentos constituem fluxo constante gerando o saldo operacional de caixa. 2º - Precaução; refere-se ao saldo de caixa mantido para situações de emergência ou oportunidades que exigem fundos a curtíssimo prazo, esses saldos geralmente são mantidos em ativos quase monetários de modo que rendam juros, etc... 3º - Especulação ou Oportunidade; aproveitar oportunidades inesperadas. 5.1 - Administração de Recebimento e Pagamentos: O Ciclo de Caixa: É interessante imaginar o processo como um ciclo durante o qual o saldo de caixa é usado para comprar materiais com os quais serão produzidos bens que posteriormente serão vendidos a clientes que mais tarde irão saldar suas obrigações, renovando o ciclo.
  • 35. Visualização de um ciclo de Caixa: Detalhamento de um Ciclo de Caixa, sob o enfoque do Produto: Situação; a) A empresa encomenda matéria-prima (A), com recebimento da mesma em 14 dias (B). b) As condições de compra são 2/10,30 dias líquidos sendo que a empresa opta pela primeira alternativa (C); c) O cheque utilizado para pagamento leva dois dias para compensar (D); d) O giro de estoque da empresa é de 6x ao ano e, portanto o produto é vendido e a conta é enviada ao cliente 60 dias após o recebimento das matérias-primas (E); e) O período de cobrança é de 30 dias, sendo 28 até o cliente pagar (F) e dois dias para compensar o cheque(G). Obs:o período total do ciclo operacional de caixa é de......dias. E o ciclo de caixa é de....dias
  • 36. As necessidades totais de financiamento da empresa compreende um intervalo de B até G ( poderá haver). Os períodos B a D e E a G são de responsabilidade da Administração de Caixa. O intervalo de A a B representado no exemplo refere-se a um período além do alcance da empresa, porém poderá afetar diretamente o processo produtivo. O intervalo de E a F é determinado pela política de crédito da empresa. O intervalo de B a E compreende o processo produtivo da empresa. Exercícios 1- Detalhamento de um ciclo operacional do produto sob o enfoque do caixa. a) A empresa encomenda matéria-prima, com recebimento em 10 dias; b) As condições de pagamento é de 30 dias após o recebimento da matéria-prima; c) Não considerar a compensação dos cheques; d) O giro de estoque da empresa é de 4x ao ano e portanto o produto é vendido e a conta enviada ao cliente em.........dias após o recebimento da matéria-prima. e) O periríodo de cobrança é de 15 dias, não onsiderar a compensação dos cheques. Pergunta-se: 1- Qual é o período do ciclo de caixa? 2- Qual é o período do ciclo operacional? 3- Em qual período haverá necessidade financeira? 4- Qual o período que determina as Política de Crédito? 5 – Qual o período que determina o processo produtivo da empresa? 2- Detalhamento de um ciclo operacional do produto sob o enfoque do caixa. a) A empresa encomenda matéria-prima, com recebimento em 15 dias; b) As condições de pagamento é de 45 dias após o recebimento da matéria-prima; c) Não considerar a compensação dos cheques; d) O giro de estoque da empresa é de 8x ao ano e portanto o produto é vendido e a conta enviada ao cliente em.........dias após o recebimento da matéria-prima. e) O periríodo de cobrança é de 10 dias, não onsiderar a compensação dos cheques. Pergunta-se:
  • 37. 1- Qual é o período do ciclo de caixa? 2- Qual é o período do ciclo operacional? 3- Em qual período haverá necessidade financeira? 4- Qual o período que determina as Política de Crédito? 5 – Qual o período que determina o processo produtivo da empresa? 5.2 - Concentração de Saldo: 1 - A concentração de saldo em contas bancárias pode ser utilizada quando existe a exigência de saldo médio, como reciprocidade a fim de facilitar os financiamentos quando houver necessidades de suprir o caixa. 2 - Quanto mais variável os fluxos de caixa de uma empresa, maior a necessidades de saldos operacionais de caixa, para fazer frente às obrigações sem onerar a estrutura financeira da empresa. 3 - A concentração permite a empresa "armazenar" seu dinheiro mais eficientemente. 5 . 3 - Aceleração de Recebimentos: É uma técnica de se conservar saldos operacionais de caixa. Através da redução do prazo entre o momento de processamento de recebimento e o efetivo recebimento. Exemplo: a) Vendas a prazo igual a R$ 5.000.000,00 por ano; b) 250 dias úteis por ano; c) Qual é a média de recebimento por dia? R$ 20.000,00 por dia. Se nós reduzir o tempo de processamento de 2 dias para 1 dia, na liberação dos créditos das contas a receber, bem como a entrega dos cheques recebidos ao banco um dia mais cedo, o saldo de conta a receber em um ano reduzirá em R$ 20.000,00, desta maneira estaremos reduzindo as necessidades de financiamento. Se tivermos como custo do dinheiro ou de oportunidade em 9% a.a. a empresa economizará R$ 1.800,00 ao ano. Vantagens da Aceleração de Recebimento: 1 - Liberação de parcelas do saldo de caixa e, portanto redução das exigências totais de financiamento da empresa; 2 - A transferência de funções burocráticas ao banco, diminuindo seus custos melhorando seu controle e reduzindo a possibilidade de fraudes. 3 - Diminuição da incidência de cheques sem fundos. 4 - Menores taxas em virtude de um risco menor. 5.4 - Tempo de Cobrança no Sistema Bancário:
  • 38. No ramo da compensação de cheques os bancos são especialistas e as empresas normalmente recorrem a eles no que se refere à minimização dos períodos e liquidação dos mesmos. No caso dos títulos em cobrança o mercado financeiro oferece vários sistemas de controle e liquidação, havendo margem de negociação que devemos considerar, como por exemplo, o D0 (de zero). 5.5 - Controle de Pagamentos; Com a aceleração de recebimentos transformamos contas a receber em dinheiro reduzindo deste modo à necessidade de financiamento da empresa. A política apropriada é a de pagar dentro dos prazos estabelecidos, bem como aproveitar os descontos oferecidos, evitando o pagamento de juros, correções e multas, transformando contas a receber em fonte de recursos a custo baixo. 5.6 - Sistemas Integrados de Administração de Caixa. Muitos bancos oferecem sistemas integrados de administração de caixa, projetados para controlar intensas atividades de pagamentos e recebimentos, utilizando a computação e transmitindo dados em alta velocidade. 5.7 -Determinação do Saldo Operacional Apropriado: Método Baumol e Método Miller-Orr Teoria: O nosso problema é determinar quanto dinheiro uma empresa deve manter como saldo operacional de caixa. O saldo operacional é mantido para fins de transação e para pagar contas obtidas atráves dos recebimentos de contas a receber. Se a empresa mantiver um saldo operacional muito reduzido acabará ficando sem dinheiro. Deverá então liquidar títulos negociáveis se os possuir, ou tomar empréstimos o que causará o surgimento de custos de transação. Se a empresa conservar um saldo operacional excessivamente elevado estará sacrificando a oportunidade de ganhos, estará encorrendo nos que os economistas chamam de custo de oportunidade. O que procuramos é a determinação do sal, do operacional ótimo e não saldo mínimo. A determinação do saldo operacional ótimo envolve compensação entre custo de transação e custo de oportunidade. Os custos de transação diminuem à medida que o saldo operacional aumenta, já o custo de oportunidade aumenta à medida que o nível de saldo operacional se eleva.
  • 39. Conclusão: O ponto ideal é no qual a soma dos dois custos sejam mínimas. Este é o ponto que uma administração eficiente deve tentar atingir. 5.8 - Exigência de Saldo Médio: Se uma empresa utilizar o crédito bancário como fonte de financiamento a determinação do saldo operacional de caixa ótimo, pode ser simples; será ditado pelas exigências de saldo médio. Como já vimos anteriormente os bancos solicitam retribuições para concederem certos privilégios em forma de serviços tais como processamento de dados, processamento de cheques, compromissos de créditos, etc... Em certos casos uma empresa pode determinar sem análise complicadas que o saldo operacional de caixa ótimo é inferior que o saldo médio exigido pelo banco. Em tais casos esta ultima sifra possa a ser o saldo mínimo de conta corrente da empresa, em outros casos nos quais a solução não é tão fácil devemos fazer uma análise para determinarmos o saldo operacional de caixa apropriado. 5.9 - Determinação do Saldo Operacional Apropriado. Passamos agora a tomar o comportamento dos recebimentos de pagamentos como um dado. Em qualquer período os saldos inicial e final da caixa estão relacionados da seguinte maneira; Saldo Final = Saldo Inicial + Recebimentos - Pagamentos Se os recebimentos e pagamentos fossem constantes dia a dia, saberiamos com certeza o valor diário de cada um e nossos problemas seriam bastante simples. Com os recebimentos superiores aos pagamentos poderiamos retirar o saldo final de cada dia e usa-lo para outro fim. Na prática há dois problemas: Variabilidade e Incerteza: Na maioria das empresas os recebimentos e pagamentos variam tanto durante o mes quanto durante ao ano. Num mes os recebimentos e pagamentos de despesas operacionais correntes tendem a apresentar variações regulares. Variabilidades - Suponham os recebimentos e pagamentos variáveis e não sincronizados, mas as variações previsíveis. A determinação do saldo operacional apropriado é um problema de minimização de custos totais. - saldo muito baixo = elevados custos de transação - saldo muito alto = custos de oportunidade.
  • 40. Incerteza - Poucas vezes os pagamentos e recebimentos são perfeitamentes previsíveis. Se passarmos para o extremo oposto e fizermos a suposição de que os recebimentos e os pagamentos são completamente aleatórios pode-se elaborar um modelo usandoa técnica da teoria de limites de controle. Além das informações sobre custo de transação e taxas de juros precisamos dispor de uma medida de variabilidade dos fluxos líquidos de caixa. Usando esses dados podemos determinar os saldos mínimos e máximos na conta corrente indicados pelas letras X e Y no gráfico a seguir. O Saldo operacional de caixa oscila aleatoriamente em resposta a entradas e saídas. No momento T1 atinge-se o limite máximo (superior) de controle(Y). No momento T1 ( Y- X) reais são transferidos da conta corrente para aplicação em curto prazo. Continuando a oscilação de recebimentos e pagamentos caindo a saldo a zero no momento T2 quando X reais são resgatados das aplicações em curto prazo e transferidos p/ c/c onde continuaram ocorrendo recebimentos e pagamentos. 5.10 - Investimento de Excedente de Caixa: Critério de Investimento; 1 - Risco de Inadiplencia; é a possibilidade de que os juros ou o principal não sejam pagos no momento previsto e na quantia prometida. 2 - Prazo de Vencimento; é o período durante o qual devem ser feitos os pagamentos de juros e principal. 3 - Negociabilidade; é a possibilidade com a qual um ativo pode ser convertido em dinheiro. 5.11 - Taxa de Retorno: Quanto mais baixo o risco e maior a negociabilidade menor será a taxa de remuneração. Títulos com essas características apresentam preços elevados e como preços e taxas de retorno estão inversamente relacionados suas taxas serão baixas. Outra relação que existe para fixar a taxa de retorno é o prazo de vencimento. Quanto maior o prazo maior a taxa, visto que será afetada pelos ciclos econômicos e monetários, bem como as tendências políticas do Estado, que em curto prazo podemos mensurar, já em longo prazo se tornam mais incertas.
  • 41. 6 - Administração de Contas a Receber: O volume de contas a receber é, basicamente, determinado pelos padrões de crédito. Se esses padrões forem rigorosos, muito poucos clientes estarão qualificados, as vendas cairão, e as contas a receber encolherão. Se os padrões de créditos forem relaxados, mais clientes serão atraídos, as vendas crescerão e mais contas a receber serão geradas. Vantagens: aumento nas vendas e nos lucros; Desvantagens: maior probabilidade de contas incobráveis e nos custo do financiamento adicional de contas a receber. 6.1 - Causas da Existência de Contas a Receber; a) Crédito Fornecido ou Concedido; - É um método de vendas e pagamentos. - Arma da concorrência entre empresas. b) Crédito Recebido; - É a utilização dos fatores de produção (matéria-prima, mão-de-obra, equipamentos, etc..) sem contra partida imediata. 6.2 - Preocupação da Administração Financeira de Contas a Receber; 1- Crédito a funcionários (adiantamentos) 2- Concessão de crédito aos clientes que consomem bens e ou serviços; 3- Interação com a área de Marketind. 6.3 - Conceito de Política de Crédito; São as diretrizes e procedimentos de; - Seleção de clientes, cobrança, e descontos. Constitui um importante elemento para execução dos objetivos de venda, como instrumento de atração de procura para o que a empresa oferece no mercado. - O benefício de reduzir os padrões de crédito é o lucro das vendas adicionais; os custos são os débitos incobráveis adicionais e o custo do financiamento adicional das novas contas a receber. - Os benefícios de se elevarem os padrões de crédito são as reduções das dívidas incobráveis e do menor custo de financiamento das contas a reber; o custo é a redução dos lucros sobre as vendas.
  • 42. 6.4 - Contas a Receber Compreende: a) Conta Corrente; aplica-se a clientes permanentes com pagamentos periódicos. A empresa acredita haver uma relativa constância nas compras do cliente. b) Crédito Parcelado; vendas de produtos e ou serviços com pagamentos em diversos planos com faturamento dividido em prestações. c) Contratos de Vendas a prazo e Vendas Condicionais; Utilizados principalmente nas vendas de bens e ou serviços previamente encomendados e de execução ou instalação demorada, com pagamentos parciais que podem ocorrer antes durante e ou após a entrega. 6.5 - Política de Crédito como Arma de Concorrência: Elementos da Política de Crédito: a) Prazo: concedido para pagamentos; b) Cadastro; critérios para aceitação dos pedidos; c) Limite; critérios para fixação de limites de créditos. 6.6 - Fatores condicionantes de Investimento em Contas a Receber: a) Volume de vendas a prazo da empresa; b) Proporção entre custo direto do produto e ou serviços à vista e o valor faturado. c) Sazonalidade das Vendas; d) Regras do ramo de atividade, quanto aos limites de crédito. e) Políticas de Prazo de Crédito da Empresa. f) Políticas de Cobrança da Empresa.(agrecividade); f) Políticas de Desconto da Empresa.(acelerar o recebimento); g) Critério para aceitação de clientes (seleção);
  • 43. 6.7 - Políticas de Concessão de Crédito e Cobrança Política de Crédito: Determinação do prazo geral de crédito, ou seja, delimitar quanto tempo disporá o cliente para efetuar seus pagamentos, e a empresa com esses dados criarão seu fluxo de caixa. O prazo concedido determina não só a rotação dos investimentos em contas a receber como também o valor aproximado do investimento. Aceitação ou não de um cliente em potencial trata-se de avaliar o risco que este cliente produz. Obs: os 5 C's do Crédito ( Weston, Brigham) 1 - Character - o caráter do cliente, se ele procura cumprir suas obrigações; 2 - Capacity - a capacidade financeira, se terá condições de gerar recursos para pagamentos. 3 - Capital - o cliente possui bens e outros recursos disponíveis para cobrir as transações 4 - Collateral - o cliente pode oferecer garantias reais 5 - Conditions - quais os efeitos externos que poderá afetar a capacidade do cliente em pagar as suas dívidas. 6.8 - Modelo de Avaliação de um pedido de Crédito: a) Coleta de Demonstrações Financeiras para avaliar os aspectos de; - Capacidade de Pagamento; - Capital; - Possibilidades de Garantias. b) Consultar empresas especializadas em informação de crédito; c) Consultar os departamentos de créditos dos bancos com os quais a empresa trabalha em busca de dados sobre hábitos de pagamentos e outras condutas; d) Trocar informações com outros fornecedores do solicitante; e) Proceder à análise dos elementos de decisão apoiada em índices financeiros e estimativas de risco de não pagamento; f) Visitar as instalações do solicitante; i) Estabelecer limite de Crédito, e proceder ao mais rápido possível todo este levantamento.
  • 44. 6.9 - Política de Cobrança: Existe para assegurar que as vendas sejam transformadas em recebimentos. A ideia que se tem é de que a política de cobrança é mais rígida do que a de crédito, mas isto não é verdade, visto que se houver uma boa análise de crédito dificilmente teremos problemas com a cobrança. Princípios Básicos da Política de Cobrança; 1 - Não se deve gastar mais com esforços de cobrança do que se tenha a receber. 2 - A atividade de cobrança não levará um cliente incapaz de pagar suas dívidas a saldá-las. 3 - A agrecividade excessiva de cobrança pode prejudicar as vendas em geral, pois a cobrança é vista como parte do conjunto de concessão de crédito e da política da empresa. 4 - Identificar o nível de inadiplencia e a capacidade da empresa em suportar, e se possível agregar ao custo do produto. 6.10 - Avaliação das Políticas de Crédito e Cobrança: Na elaboração da política de crédito e cobrança poderá ocorrer dois erros graves; a) Adotar uma política liberal enfatizando aumentar os níveis de vendas, sem precauções a fim de elevar a rentabilidade pelo volume de negócios. b) Ou adotar uma política de crédito muito recessiva em termos de prazo, limite de crédito, critério de seleção de cliente, cobrança. Defendendo os interesses de contas a receber ao nível de perder em vendas. Conclusão; para avaliarmos uma política de concessão de crédito devemos comparar a taxa de inadiplencia ao volume de vendas a prazo e compara-la aos índices do setor, bem como a situação económica do Pais.