SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Erica Sayuri 
Marco Aurélio
Com grande expressividade no cenário 
mundial, a depressão tem apresentado índices 
alarmantes nos últimos tempos. Já chamada de 
“o mal do século”, deve atingir entre 15% e 20% 
da população mundial, no mínimo uma vez 
na vida. De acordo com a OMS (Organização 
Mundial de Saúde), até o ano de 2020, tende a 
ocupar o 2º lugar entre as causas de ônus 
gerados por doenças degenerativas e mortes 
prematuras.
Depressão é um transtorno mental, 
causado por uma complexa interação 
entre fatores orgânicos, psicológicos, 
ambientais e espirituais, caracterizado por 
angústia, rebaixamento do humor e pela 
perda de interesse, prazer e energia diante 
da vida.
 Podemos agrupar os sintomas em 5 
áreas distintas: 
 humor; 
 cognição ou pensamento; 
 aspectos somáticos; 
 expressão corporal e vida social.
 a) Sintomas relacionados com o 
humor: 
 Tristeza; 
 Emotividade; 
 Angústia; 
 Irritabilidade; 
 Ansiedade; 
 Anedonia; 
 Desmotivação.
 b) Sintomas cognitivos: 
 Baixo rendimento intelectual; 
 Falta de fé (em si, em Deus, na vida, nas pessoas e nos 
tratamentos); 
 Sentimento de abandono e/ou rejeição; 
 Assuntos constantes sobre morte; 
 Sentimento de inferioridade; 
 Falta de sentido na vida;
 b) Sintomas cognitivos: 
 Baixa auto-estima; 
 Auto-imagem negativa; 
 Pessimismo; 
 Desvalorização da vida; 
 Sentimento de culpa; 
 Idéias de suicídio.
 c) Sintomas somáticos: 
 Hipersonia; 
 Insônia; 
 Perda de apetite; 
 Aumento de apetite; 
 Diminuição da libido; 
 Redução do interesse sexual; 
 Baixa no sistema imunológico.
 d) Expressão corporal: 
 Cabeça baixa; 
 Peito embutido; 
 Coluna curvada; 
 Dificuldade em olhar as pessoas nos olhos; 
 Olhar desvitalizado; 
 Despreocupação com a higiene pessoal; 
 Despreocupação com a aparência; 
 Respiração superficial; 
 Movimentos lentos e contidos.
 e) Vida social: 
 Isolamento; 
 Desinteresse pelos estudos; 
 Desinteresse pelo trabalho.
 Entre as pessoas que têm maior probabilidade 
de vir a desenvolver depressão, estão: 
 aquelas que já tiverem episódios depressivos anteriores; 
 aquelas que possuem familiares com histórico de depressão; 
 aquelas que apresentam dificuldades de relacionamento; 
 vítimas de discriminação social; 
 doentes; 
 mulheres no intervalo de 18 meses após o parto; 
 usuários de álcool; 
 usuários de drogas; 
 portadores de outros transtornos mentais.
Estudos revelam que quanto maior o 
número de episódios depressivos que a pessoa já 
teve, maior é a chance de recorrência, ou seja, 
apresentar novamente o quadro clínico. A 
probabilidade de uma pessoa que já teve 
depressão apresentar o segundo episódio é de 
35%, o terceiro é de 65% e o quarto episódio tem 
90% de chance de acontecer.
 80% dos deprimidos tem intenção suicida, (as 
mulheres estão mais propensas a tentar suicídio, 
mas os homens têm mais “êxito” em suas 
tentativas). 
 entre 10% e 15% das pessoas com depressão 
põem fim à própria vida; 
 O suicídio apresenta números mais elevados na 
faixa etária compreendida entre 15 e 44 anos, com 
relevância para os momentos de transição de fases 
(adolescência/fase adulta; meia idade/velhice).
Observações feitas ainda no século XIX por 
psiquiatras europeus como Morel, Griesinger, 
Maudsley e Kraepelin já davam conta que esse 
distúrbio afetivo parecia se concentrar mais em 
determinadas famílias. Portanto, desde essas 
observações clínicas, tem-se procurado 
demonstrar a existência de um componente 
genético para as depressões.
Qual tipo de pessoa estaria mais suscetível a 
desenvolver a depressão? Qual o seu fenótipo? 
Qual o seu genótipo? 
GENÓTIPO + AMBIENTE = FENÓTIPO
1. Estudos com famílias 
2. Estudos com gêmeos 
3. Estudos com adotados 
4. Estudos de genética molecular: 
Estudos de ligação 
Estudos de associação
Angst, em 1966 na Suíça, e Perris, no 
mesmo ano, na Suécia, independentemente, após 
pesquisa com famílias, observaram maior risco de 
incidência da depressão nos indivíduos parentes 
em primeiro grau de pacientes com depressão.
 Em enfermidades determinadas pelo ambiente a concordância entre MZ 
(monozigóticos) e DZ (dizigóticos) seria próxima, ao passo que em 
enfermidades genéticas a concordância nos MZ seria significativamente 
maior que nos DZ e tenderia a se aproximar de 100%. 
Pesquisador país Pares de gêmeos Depressão 
Bertelsen et al Dinamarca 123 
64% para MZ 
24% para DZ 
Torgersen Noruega Não diz 
51% para MZ 
20% para DZ 
McGuffin et al Inglaterra Não diz 
53% para MZ 
28% para DZ 
Kendler et al Suécia Não diz 
69% para MZ 
34% para DZ
Podemos concluir, com base nesses 
dados, que a taxa de concordância para 
depressão em gêmeos MZ é duas a três 
vezes maior do que nos DZ, reforçando a 
hipótese de um componente genético 
nesta enfermidade.
No intuito de separar por completo a influência do ambiente 
da influência do componente genético, utiliza-se a estratégia de 
investigação da doença em adotados. 
Pesquisador País 
Adotados c/ 
Depressão 
Pais 
Biológicos c/ 
Depressão 
Pais Adotivos 
c/ Depressão 
Mendlewicz e 
Rainer 
Bélgica 29 28% 12% 
Cadoret - 6 vezes maior 
Mães c/ 
depressão 
- 
Wender et al - 71 8 vezes maior - 
Von 
Knorring et al 
Suécia 56 
Poucas 
evidências 
-
Concluímos, portanto, que os relatos de 
estudos com adotados na depressão são, em 
sua maioria, consistentes com a presença de 
um componente genético na determinação 
desta enfermidade.
 Estudos de ligação: 
 Investigação buscando a causa a partir de um único gene. O que se 
verifica atualmente é que a depressão não apresenta um padrão de 
transmissão compatível com um modelo de herança mendeliana simples. 
 Estudos de associação: 
 Investigação em que o pesquisador levanta a hipótese de que um 
determinado gene esteja envolvido na fisiopatologia do transtorno (gene 
candidato) e, a partir daí, verifica se a frequência de uma determinada 
variação ou alteração na estrutura desse gene é significativamente maior 
entre a população de afetados do que nos não-afetados.
Um dos principais desafios nos estudos genéticos da 
depressão continua sendo a caracterização precisa do 
fenótipo. Entretanto, mesmo apresentando variações no 
conceito de depressão, pode-se concluir a partir de um 
grande número de investigações que: 
 Estudos com famílias, gêmeos e adotados indicam a 
existência de um componente genético para depressão. 
Estima-se que este componente genético represente 
cerca de 40% da susceptibilidade para desenvolver 
depressão unipolar e 70% para o transtorno bipolar.
 O modo de transmissão genética permanece não definido, 
embora as análises de segregação já sugiram que a depressão 
é provavelmente multifatorial. 
 Os estudos de genética molecular não conseguiram ainda 
identificar um locus gênico específico para a depressão, 
possivelmente por se tratar de uma enfermidade com 
heterogeneidade etiológica. 
 Os estudos neuroquímicos e de neuro-imagem combinados 
com a identificação de genes de vulnerabilidade à doença e a 
pesquisa sobre a interação entre o cérebro e o meio ambiente 
continuam sendo a melhor estratégia no entendimento da 
neurobiologia dos transtornos do humor.
 Depressão: corpo, mente e alma. Disponível 
em:<www.ebooksbrasil.org/adobeebook/depressaocma.pdf>. Acesso em: 8 jun. 
2014. 
 LAFER, Beny and VALLADA FILHO, Homero Pinto. Genética e fisiopatologia 
dos transtornos depressivos. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 1999, vol.21, suppl.1, 
pp. 12-17. ISSN 1516-4446. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1516- 
44461999000500004>. Acesso em 9 jun. 2014. 
 Depressão: Causas. Disponível 
em:http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=56>. Acesso 
em 9 jun. 2014.
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
 
Palestra stress, ansiedade, depressão e suicídio - dezembro 2014 - policia...
Palestra stress, ansiedade, depressão e suicídio -  dezembro 2014 - policia...Palestra stress, ansiedade, depressão e suicídio -  dezembro 2014 - policia...
Palestra stress, ansiedade, depressão e suicídio - dezembro 2014 - policia...
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superação
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Depressão palestra
Depressão   palestraDepressão   palestra
Depressão palestra
 
Trabalho sobre depressão
Trabalho sobre depressãoTrabalho sobre depressão
Trabalho sobre depressão
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Trabalho de grupo (depressão)
Trabalho de grupo (depressão)Trabalho de grupo (depressão)
Trabalho de grupo (depressão)
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Transtornos depressivos
Transtornos depressivosTranstornos depressivos
Transtornos depressivos
 
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo CompulsivoTOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Citologia - Depressao
Citologia - DepressaoCitologia - Depressao
Citologia - Depressao
 
Aula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicosAula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicos
 

Destaque

Depressão - Ansiedade
Depressão - AnsiedadeDepressão - Ansiedade
Depressão - AnsiedadeNovo Tempo
 
Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeMiriam Gorender
 
Depressão corpo; mente e alma
Depressão corpo; mente e almaDepressão corpo; mente e alma
Depressão corpo; mente e almaDr. Walter Cury
 
Saude mental melhoramentos de vida - portugues 2012
Saude mental   melhoramentos de vida - portugues 2012Saude mental   melhoramentos de vida - portugues 2012
Saude mental melhoramentos de vida - portugues 2012Italo Silva
 
Transtorno de pânico ou fobias? Como lidar
Transtorno de pânico ou fobias? Como lidarTranstorno de pânico ou fobias? Como lidar
Transtorno de pânico ou fobias? Como lidarAnissis Ramos
 
O tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tccO tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tccBeatriz Ligabue
 
Depressão infantil 2014
Depressão infantil 2014Depressão infantil 2014
Depressão infantil 2014kmillaalves
 
Tratamento depressao
Tratamento depressaoTratamento depressao
Tratamento depressaogfolive
 
Transtorno de humor - Enfermagem
Transtorno de humor - Enfermagem Transtorno de humor - Enfermagem
Transtorno de humor - Enfermagem Júnior Maidana
 
Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?adglm
 

Destaque (20)

Depressão
Depressão Depressão
Depressão
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
 
Depressão - Ansiedade
Depressão - AnsiedadeDepressão - Ansiedade
Depressão - Ansiedade
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedade
 
Depressão corpo; mente e alma
Depressão corpo; mente e almaDepressão corpo; mente e alma
Depressão corpo; mente e alma
 
Saude mental melhoramentos de vida - portugues 2012
Saude mental   melhoramentos de vida - portugues 2012Saude mental   melhoramentos de vida - portugues 2012
Saude mental melhoramentos de vida - portugues 2012
 
Esquizofrenia 14
Esquizofrenia 14Esquizofrenia 14
Esquizofrenia 14
 
Transtorno de pânico ou fobias? Como lidar
Transtorno de pânico ou fobias? Como lidarTranstorno de pânico ou fobias? Como lidar
Transtorno de pânico ou fobias? Como lidar
 
O tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tccO tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tcc
 
Depressão infantil 2014
Depressão infantil 2014Depressão infantil 2014
Depressão infantil 2014
 
Tratamento depressao
Tratamento depressaoTratamento depressao
Tratamento depressao
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Transtorno de humor - Enfermagem
Transtorno de humor - Enfermagem Transtorno de humor - Enfermagem
Transtorno de humor - Enfermagem
 
Tratamento do transtorno do pânico
Tratamento do transtorno do pânicoTratamento do transtorno do pânico
Tratamento do transtorno do pânico
 
Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?
 
Depressão geriatria
Depressão geriatriaDepressão geriatria
Depressão geriatria
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 

Semelhante a Depressão

Diferentes faces da depressão no suicídio em idosos
Diferentes faces da depressão no suicídio em idososDiferentes faces da depressão no suicídio em idosos
Diferentes faces da depressão no suicídio em idososAryanne Marques
 
Psicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaedi
 
Tra. oti
Tra. otiTra. oti
Tra. oti9589
 
Cancro na adolescencia
Cancro na adolescenciaCancro na adolescencia
Cancro na adolescenciabeatriz9911
 
Psicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docxPsicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docxPatriciaAiresCosta1
 
Depressão na infancia e na adolescencia
Depressão na infancia e na adolescenciaDepressão na infancia e na adolescencia
Depressão na infancia e na adolescenciaeduardo guagliardi
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaLuciana França Cescon
 
DEPRESSÃO: EPIDEMIOLOGIA E ABORDAGEM EM CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE
DEPRESSÃO: EPIDEMIOLOGIA E ABORDAGEM EM CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDEDEPRESSÃO: EPIDEMIOLOGIA E ABORDAGEM EM CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE
DEPRESSÃO: EPIDEMIOLOGIA E ABORDAGEM EM CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDEAbdon Nanhay
 
Depressão infantil
Depressão infantilDepressão infantil
Depressão infantilguesta067b9
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfJooPauloBTom
 
transtornos dissociativos de personalidades multiplas
transtornos dissociativos de personalidades multiplastranstornos dissociativos de personalidades multiplas
transtornos dissociativos de personalidades multiplasNadson Morais
 

Semelhante a Depressão (20)

Diferentes faces da depressão no suicídio em idosos
Diferentes faces da depressão no suicídio em idososDiferentes faces da depressão no suicídio em idosos
Diferentes faces da depressão no suicídio em idosos
 
32
3232
32
 
Psicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adulta
 
Depresao
DepresaoDepresao
Depresao
 
Anxiety disorders
Anxiety disordersAnxiety disorders
Anxiety disorders
 
Aula 5 Depressão.pptx
Aula 5 Depressão.pptxAula 5 Depressão.pptx
Aula 5 Depressão.pptx
 
Tra. oti
Tra. otiTra. oti
Tra. oti
 
Cancro na adolescencia
Cancro na adolescenciaCancro na adolescencia
Cancro na adolescencia
 
Psicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docxPsicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docx
 
Fobia social
Fobia socialFobia social
Fobia social
 
Depressão na infancia e na adolescencia
Depressão na infancia e na adolescenciaDepressão na infancia e na adolescencia
Depressão na infancia e na adolescencia
 
PRIMEIRA AULA.pdf
PRIMEIRA AULA.pdfPRIMEIRA AULA.pdf
PRIMEIRA AULA.pdf
 
Comorbidades.pdf
Comorbidades.pdfComorbidades.pdf
Comorbidades.pdf
 
Genograma
Genograma Genograma
Genograma
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 
DEPRESSÃO: EPIDEMIOLOGIA E ABORDAGEM EM CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE
DEPRESSÃO: EPIDEMIOLOGIA E ABORDAGEM EM CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDEDEPRESSÃO: EPIDEMIOLOGIA E ABORDAGEM EM CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE
DEPRESSÃO: EPIDEMIOLOGIA E ABORDAGEM EM CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE
 
Depressão infantil
Depressão infantilDepressão infantil
Depressão infantil
 
1089 3925-1-pb
1089 3925-1-pb1089 3925-1-pb
1089 3925-1-pb
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdf
 
transtornos dissociativos de personalidades multiplas
transtornos dissociativos de personalidades multiplastranstornos dissociativos de personalidades multiplas
transtornos dissociativos de personalidades multiplas
 

Último

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...LuisCSIssufo
 
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptSistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptMrciaVidigal
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humanajosecavalcante88019
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfVctorJuliao
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoAlessandraRaiolDasNe
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Último (15)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
 
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptSistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 

Depressão

  • 2. Com grande expressividade no cenário mundial, a depressão tem apresentado índices alarmantes nos últimos tempos. Já chamada de “o mal do século”, deve atingir entre 15% e 20% da população mundial, no mínimo uma vez na vida. De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), até o ano de 2020, tende a ocupar o 2º lugar entre as causas de ônus gerados por doenças degenerativas e mortes prematuras.
  • 3. Depressão é um transtorno mental, causado por uma complexa interação entre fatores orgânicos, psicológicos, ambientais e espirituais, caracterizado por angústia, rebaixamento do humor e pela perda de interesse, prazer e energia diante da vida.
  • 4.  Podemos agrupar os sintomas em 5 áreas distintas:  humor;  cognição ou pensamento;  aspectos somáticos;  expressão corporal e vida social.
  • 5.  a) Sintomas relacionados com o humor:  Tristeza;  Emotividade;  Angústia;  Irritabilidade;  Ansiedade;  Anedonia;  Desmotivação.
  • 6.  b) Sintomas cognitivos:  Baixo rendimento intelectual;  Falta de fé (em si, em Deus, na vida, nas pessoas e nos tratamentos);  Sentimento de abandono e/ou rejeição;  Assuntos constantes sobre morte;  Sentimento de inferioridade;  Falta de sentido na vida;
  • 7.  b) Sintomas cognitivos:  Baixa auto-estima;  Auto-imagem negativa;  Pessimismo;  Desvalorização da vida;  Sentimento de culpa;  Idéias de suicídio.
  • 8.  c) Sintomas somáticos:  Hipersonia;  Insônia;  Perda de apetite;  Aumento de apetite;  Diminuição da libido;  Redução do interesse sexual;  Baixa no sistema imunológico.
  • 9.  d) Expressão corporal:  Cabeça baixa;  Peito embutido;  Coluna curvada;  Dificuldade em olhar as pessoas nos olhos;  Olhar desvitalizado;  Despreocupação com a higiene pessoal;  Despreocupação com a aparência;  Respiração superficial;  Movimentos lentos e contidos.
  • 10.  e) Vida social:  Isolamento;  Desinteresse pelos estudos;  Desinteresse pelo trabalho.
  • 11.  Entre as pessoas que têm maior probabilidade de vir a desenvolver depressão, estão:  aquelas que já tiverem episódios depressivos anteriores;  aquelas que possuem familiares com histórico de depressão;  aquelas que apresentam dificuldades de relacionamento;  vítimas de discriminação social;  doentes;  mulheres no intervalo de 18 meses após o parto;  usuários de álcool;  usuários de drogas;  portadores de outros transtornos mentais.
  • 12. Estudos revelam que quanto maior o número de episódios depressivos que a pessoa já teve, maior é a chance de recorrência, ou seja, apresentar novamente o quadro clínico. A probabilidade de uma pessoa que já teve depressão apresentar o segundo episódio é de 35%, o terceiro é de 65% e o quarto episódio tem 90% de chance de acontecer.
  • 13.  80% dos deprimidos tem intenção suicida, (as mulheres estão mais propensas a tentar suicídio, mas os homens têm mais “êxito” em suas tentativas).  entre 10% e 15% das pessoas com depressão põem fim à própria vida;  O suicídio apresenta números mais elevados na faixa etária compreendida entre 15 e 44 anos, com relevância para os momentos de transição de fases (adolescência/fase adulta; meia idade/velhice).
  • 14. Observações feitas ainda no século XIX por psiquiatras europeus como Morel, Griesinger, Maudsley e Kraepelin já davam conta que esse distúrbio afetivo parecia se concentrar mais em determinadas famílias. Portanto, desde essas observações clínicas, tem-se procurado demonstrar a existência de um componente genético para as depressões.
  • 15. Qual tipo de pessoa estaria mais suscetível a desenvolver a depressão? Qual o seu fenótipo? Qual o seu genótipo? GENÓTIPO + AMBIENTE = FENÓTIPO
  • 16. 1. Estudos com famílias 2. Estudos com gêmeos 3. Estudos com adotados 4. Estudos de genética molecular: Estudos de ligação Estudos de associação
  • 17. Angst, em 1966 na Suíça, e Perris, no mesmo ano, na Suécia, independentemente, após pesquisa com famílias, observaram maior risco de incidência da depressão nos indivíduos parentes em primeiro grau de pacientes com depressão.
  • 18.  Em enfermidades determinadas pelo ambiente a concordância entre MZ (monozigóticos) e DZ (dizigóticos) seria próxima, ao passo que em enfermidades genéticas a concordância nos MZ seria significativamente maior que nos DZ e tenderia a se aproximar de 100%. Pesquisador país Pares de gêmeos Depressão Bertelsen et al Dinamarca 123 64% para MZ 24% para DZ Torgersen Noruega Não diz 51% para MZ 20% para DZ McGuffin et al Inglaterra Não diz 53% para MZ 28% para DZ Kendler et al Suécia Não diz 69% para MZ 34% para DZ
  • 19. Podemos concluir, com base nesses dados, que a taxa de concordância para depressão em gêmeos MZ é duas a três vezes maior do que nos DZ, reforçando a hipótese de um componente genético nesta enfermidade.
  • 20. No intuito de separar por completo a influência do ambiente da influência do componente genético, utiliza-se a estratégia de investigação da doença em adotados. Pesquisador País Adotados c/ Depressão Pais Biológicos c/ Depressão Pais Adotivos c/ Depressão Mendlewicz e Rainer Bélgica 29 28% 12% Cadoret - 6 vezes maior Mães c/ depressão - Wender et al - 71 8 vezes maior - Von Knorring et al Suécia 56 Poucas evidências -
  • 21. Concluímos, portanto, que os relatos de estudos com adotados na depressão são, em sua maioria, consistentes com a presença de um componente genético na determinação desta enfermidade.
  • 22.  Estudos de ligação:  Investigação buscando a causa a partir de um único gene. O que se verifica atualmente é que a depressão não apresenta um padrão de transmissão compatível com um modelo de herança mendeliana simples.  Estudos de associação:  Investigação em que o pesquisador levanta a hipótese de que um determinado gene esteja envolvido na fisiopatologia do transtorno (gene candidato) e, a partir daí, verifica se a frequência de uma determinada variação ou alteração na estrutura desse gene é significativamente maior entre a população de afetados do que nos não-afetados.
  • 23. Um dos principais desafios nos estudos genéticos da depressão continua sendo a caracterização precisa do fenótipo. Entretanto, mesmo apresentando variações no conceito de depressão, pode-se concluir a partir de um grande número de investigações que:  Estudos com famílias, gêmeos e adotados indicam a existência de um componente genético para depressão. Estima-se que este componente genético represente cerca de 40% da susceptibilidade para desenvolver depressão unipolar e 70% para o transtorno bipolar.
  • 24.  O modo de transmissão genética permanece não definido, embora as análises de segregação já sugiram que a depressão é provavelmente multifatorial.  Os estudos de genética molecular não conseguiram ainda identificar um locus gênico específico para a depressão, possivelmente por se tratar de uma enfermidade com heterogeneidade etiológica.  Os estudos neuroquímicos e de neuro-imagem combinados com a identificação de genes de vulnerabilidade à doença e a pesquisa sobre a interação entre o cérebro e o meio ambiente continuam sendo a melhor estratégia no entendimento da neurobiologia dos transtornos do humor.
  • 25.  Depressão: corpo, mente e alma. Disponível em:<www.ebooksbrasil.org/adobeebook/depressaocma.pdf>. Acesso em: 8 jun. 2014.  LAFER, Beny and VALLADA FILHO, Homero Pinto. Genética e fisiopatologia dos transtornos depressivos. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 1999, vol.21, suppl.1, pp. 12-17. ISSN 1516-4446. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1516- 44461999000500004>. Acesso em 9 jun. 2014.  Depressão: Causas. Disponível em:http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=56>. Acesso em 9 jun. 2014.