SlideShare uma empresa Scribd logo
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
COLÉGIO ESTADUAL TÉCNICO DR. ZENO PEREIRA LUZ
DISCIPLINA DE AGRICULTURA GERAL

Aluna: Denifer Teixeira Silveira
Turma: 101a

Professor José Francisco Santos de Moura
12 de dezembro de 2013

CULTIVO DA MANDIOCA
Nome vulgar: Mandioca, Aipim, Macaxeira...
Nome científico. Manihot esculenta Crantz
Local de origem: Brasil
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes comestíveis: Raiz. Talos e folhas são excelente matéria prima de silagens para
todos os animais de produção inclusive aves e peixes.
Formas de plantio e de multiplicação:
De maneira geral, recomenda-se os espaçamentos de 0,80 a 1,50 m entre linhas e 0,50 a
1,00 m entre plantas em fileiras simples, e 2,00 0,60 x 0,60 m, em fileiras duplas. Em solos
mais férteis deve-se aumentar a distância entre fileiras simples para 1,20 m,
proporcionando uma maior área de exploração por planta. Enquanto que nas áreas de
menor fertilidade a tendência é reduzir o espaçamento, proporcionado uma maior
população, compensando a menor produção por planta com um maior número de plantas.
Em plantios destinados à produção de ramas para ração animal recomenda-se um
espaçamento mais estreito, com 0,80 a 1,00 m entre linhas e 0,50 m entre plantas. Com
essa redução no espaçamento as plantas apresentam uma tendência a desenvolver uma
parte aérea mais tenra, facilitando seu uso na alimentação de animais tanto na forma
fresca como seca ao sol. Quando o plantio e/ou a colheita for mecanizada, a distância
entre as linhas deve apresentar um afastamento que permita a movimentação das
máquinas.
Pode ser produzido na nossa região? Sim
O Brasil produz em média 24.906.707 toneladas/ano, o RS 1.286.828 toneladas e 3.600
toneladas em Encruzilhada do Sul.
Qual período mais indicado para o plantio? A época de plantio ideal é de 20 de
setembro a 10 de outubro podendo se estender até 15 de novembro. É importante a
presença de umidade no solo, necessária para brotação das manivas e enraizamento.
Que tipo de solo é mais indicado? Como o principal produto da mandioca são as raízes,
ela necessita de solos profundos e friáveis (soltos), sendo ideais os solos arenosos ou de
textura média, por possibilitarem um fácil crescimento das raízes. A faixa favorável de pH
é de 5,5 a 7, sendo 6,5 o ideal.
Principais Manejos, cuidados e tratos culturais.
As plantas daninhas concorrem com a cultura da mandioca, pelos fatores de produção,
principalmente por água e nutrientes, diminuindo consideravelmente a produtividade da
cultura. O grau dessa competição depende das espécies, da densidade populacional e,
principalmente, do período que permanecem vegetando juntas, podendo causar perdas de
até 90% na produtividade.
Dentre os custos de produção, o mais elevado é o da mão-de-obra para o controle de
plantas daninhas, demandando em média 50% de toda aquela requerida no ano agrícola,
devido ao crescimento inicial muito lento da mandioca, demorando para a cultura “fechar” e
cobrir o solo, e representando 35 a 40 % do custo total de produção.
Como é feito o preparo do solo? O preparo do solo deve ser o mínimo possível, apenas
o suficiente para a instalação da cultura e para o bom desenvolvimento do sistema
radicular, e sempre executado em curvas de nível, orientação esta que também deve ser
seguida no plantio. A aração deve ser na profundidade de 15 a 20 centímetros e, 30 dias
depois, executar-se duas gradagens em sentido cruzado, a segunda em curva de nível,
deixando-se o solo bem destorroado.
É possível de ser consorciado com outra cultura? Sim; com plantas baixas como batata
doce, hortaliças e feijão. Sistema de plantio em fileiras duplas tem a vantagem de
racionalizar o consórcio, pelo uso dos espaços livres que existem entre cada fileira dupla
da mandioca, nos quais é possível se fazer até dois plantios de culturas de ciclo curto
durante o ciclo da mandioca. O melhor espaçamento em fileiras duplas é de 2,00 x 0,60 x
0,60 m.
Como é feito o plantio?Quanto ao plantio da mandioca, em solos não sujeitos a
encharcamento pode ser feito em covas preparadas com enxada ou em sulcos construídos
com enxada, sulcador a tração animal ou motomecanizados. Tanto as covas quanto os
sulcos devem ter aproximadamente 10 cm de profundidade. As plantadeiras mecanizadas
disponíveis no mercado fazem de uma só vez as operações de sulcamento, adubação,
plantio e cobertura das manivas. Em solos argilosos recomenda-se o plantio em cova alta
ou matumbo, que são pequenas elevações de terra, de forma cônica, construídas com
enxada, ou em leirões, que são elevações contínuas de terra, que podem ser construídos
com enxada ou arados.
As manivas-semente, estacas ou rebolos podem ser plantadas em três posições:
vertical, inclinada ou horizontal. A maneira mais adotada é a horizontal, porque facilita a
colheita das raízes por apresentar um desenvolvimento superficial, colocando-se as
manivas no fundo das covas ou dos sulcos.
Quais períodos são críticos para a boa produtividade? O fator que vai determinar uma
boa produtividade é a chuva. Resiste a longos períodos de estiagem, mas perde em sabor
quando o objetivo é o consumo das raízes.
Como é colhido? A colheita se inicia em abril e se estende até agosto. Sendo ideal fazê-la
entre julho e agosto quando o teor de água na raiz está reduzido e o cozimento fica mais
fácil. É primordialmente manual e/ou com auxílio de implementos constando de duas
etapas: a) poda das ramas, efetuada a uma altura de 20 a 30 cm acima do nível do solo; e
b) arranquio das raízes, com a ajuda de ferramentas, a depender das condições de
umidade e/ou características do solo.
Quanto custa a semente, muda, exemplar? O feixe de manívas com capacidade de
gerar 150 pés custa R$ 9,00. Cada planta é capaz de produzir de 1,2kg até 10kg de
mandioca dependendo da variedade, tipo de solo e clima.
Como é processado e a que indústria se destina? A mandioca é considerada a mais
versátil das tuberosas tropicais por seus múltiplos usos culinários: minimamente
processada, congelada ou refrigerada, pré-cozida e chips. O processamento industrial da
mandioca, no Brasil, concentra-se na produção de farinha, com cerca de 80%, 3% na
extração de fécula e o restante utilizado na alimentação animal.
Quanto custa o produto final no comércio? É vendida a R$ 2,00 o kg.

Quanto produz por hectare?Aproximadamente 2 kg por pé. Tem alta produtividade, com
rendimento médio de 16 mil quilos por hectare e possibilidade de chegar a até 30
toneladas.
Qual é o custo de implantar por hectare? Custa aproximadamente R$ 1.200,00 com
tração animal e R$ 2.500,00 a mecanizada. A produção da mandioca é de fácil
implantação e, na maioria dos casos, não requer o uso de agrotóxicos. Por ser uma planta
rústica, adapta-se a quase todos os tipos de solo. Indicada a qualquer nível de produtor.
Quanto tempo para ter retorno financeiro? Aproximadamente seis meses.
Fontes: www.cnpmf.embrapa.br
www.emater.tche.br
Eng°. Agr°. Luiz Fernando Gerhard – Emater / RS - ASCAR - Vera Cruz (51) 3718 1250

Nutrição animal através da silagem de mandioca:
35vitaminas e Minerais: Superior ao da raiz

Vitamina A-Folhas Maior conversão nas aves (100%) Suínos (30%) Bovinos (25% ).
Funções da Vitamina A:
•Favorece o crescimento
•Aumenta a produção de leite e ovos
•Fortalece a defesa do pulmão contra pneumonia e outras moléstias.
•Melhora a fertilidade dos reprodutores
•Diminui os abortos e nascimentos mortos.
ANIMAL ALIMENTADO COM MANDIOCA TEM MAIOR RESISTÊNCIA AO CARRAPATO.
Métodos de desintoxicação:
•Desidratação artificial c/ T °C > 40°
•Cocção na água
•Radiação solar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura da Mandioca
Cultura da MandiocaCultura da Mandioca
Cultura da Mandioca
João Felix
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
Rafael Soares Dias
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
Denifer Teixeira
 
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03   manejo de plantas ornamentais - copiaAula 03   manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
CETEP, FTC, FASA..
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Ediney Dias
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
CETEP, FTC, FASA..
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
CETEP, FTC, FASA..
 
Cultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptxCultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptx
ValderlandiaOliveira1
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
MateusGonalves85
 
Slide da cultura de alho e Cebola
Slide da cultura de alho e CebolaSlide da cultura de alho e Cebola
Slide da cultura de alho e Cebola
Marcelo99858999
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassol
Geagra UFG
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa)   edneiUmbuzeiro (spondias tuberosa)   ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
CETEP, FTC, FASA..
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
Geagra UFG
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
James Nascimento
 
Couve
CouveCouve
Couve
keylogg
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Geagra UFG
 
Café do plantio a colheita
Café do plantio a colheitaCafé do plantio a colheita
Café do plantio a colheita
GETA - UFG
 

Mais procurados (20)

Cultura da Mandioca
Cultura da MandiocaCultura da Mandioca
Cultura da Mandioca
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
 
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03   manejo de plantas ornamentais - copiaAula 03   manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
Cultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptxCultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptx
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
 
Slide da cultura de alho e Cebola
Slide da cultura de alho e CebolaSlide da cultura de alho e Cebola
Slide da cultura de alho e Cebola
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassol
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa)   edneiUmbuzeiro (spondias tuberosa)   ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
 
Couve
CouveCouve
Couve
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 
Café do plantio a colheita
Café do plantio a colheitaCafé do plantio a colheita
Café do plantio a colheita
 

Semelhante a Cultivo da mandioca.

GR junho2018
GR junho2018GR junho2018
GR junho2018
Agricultura Sao Paulo
 
Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol
Az. O.
 
Amendoim
AmendoimAmendoim
Amendoim
wagcher
 
97a64e07.pptx
97a64e07.pptx97a64e07.pptx
97a64e07.pptx
JosGuilhermeNogueira1
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
CarlosEvaristo5
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
delvairluiz
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
Desireé Alvarez
 
O Plantio da Batata-Doce
O Plantio da Batata-DoceO Plantio da Batata-Doce
O Plantio da Batata-Doce
Rural Pecuária
 
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
Marcio Claro de Oliveira
 
TRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptx
TRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptxTRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptx
TRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptx
JosenildoAlvesdaSilv1
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Limão tahiti
Limão tahitiLimão tahiti
Limão tahiti
Geraldomresende
 
Apresentação boletim
Apresentação boletimApresentação boletim
Apresentação boletim
Anderson Gallo
 
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens TropicaisFormação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
Sérgio Amaral
 
Cocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentaçãoCocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentação
Evangela Gielow
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
Rural Pecuária
 
Cultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptxCultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptx
ValderlandiaOliveira1
 
Cultura do amendoim na Guiné
Cultura do amendoim na GuinéCultura do amendoim na Guiné
Cultura do amendoim na Guiné
Cantacunda
 
Cultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na GuinéCultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na Guiné
Cantacunda
 

Semelhante a Cultivo da mandioca. (20)

GR junho2018
GR junho2018GR junho2018
GR junho2018
 
Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol
 
Amendoim
AmendoimAmendoim
Amendoim
 
97a64e07.pptx
97a64e07.pptx97a64e07.pptx
97a64e07.pptx
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Pessegueiro
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
 
O Plantio da Batata-Doce
O Plantio da Batata-DoceO Plantio da Batata-Doce
O Plantio da Batata-Doce
 
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
 
TRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptx
TRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptxTRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptx
TRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptx
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do Umbuzeiro
 
Limão tahiti
Limão tahitiLimão tahiti
Limão tahiti
 
Apresentação boletim
Apresentação boletimApresentação boletim
Apresentação boletim
 
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens TropicaisFormação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
 
Cocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentaçãoCocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentação
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Cultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptxCultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptx
 
Cultura do amendoim na Guiné
Cultura do amendoim na GuinéCultura do amendoim na Guiné
Cultura do amendoim na Guiné
 
Cultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na GuinéCultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na Guiné
 

Último

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 

Último (20)

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 

Cultivo da mandioca.

  • 1. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO ESTADUAL TÉCNICO DR. ZENO PEREIRA LUZ DISCIPLINA DE AGRICULTURA GERAL Aluna: Denifer Teixeira Silveira Turma: 101a Professor José Francisco Santos de Moura 12 de dezembro de 2013 CULTIVO DA MANDIOCA Nome vulgar: Mandioca, Aipim, Macaxeira... Nome científico. Manihot esculenta Crantz Local de origem: Brasil Família botânica: Euphorbiaceae Partes comestíveis: Raiz. Talos e folhas são excelente matéria prima de silagens para todos os animais de produção inclusive aves e peixes. Formas de plantio e de multiplicação: De maneira geral, recomenda-se os espaçamentos de 0,80 a 1,50 m entre linhas e 0,50 a 1,00 m entre plantas em fileiras simples, e 2,00 0,60 x 0,60 m, em fileiras duplas. Em solos mais férteis deve-se aumentar a distância entre fileiras simples para 1,20 m, proporcionando uma maior área de exploração por planta. Enquanto que nas áreas de menor fertilidade a tendência é reduzir o espaçamento, proporcionado uma maior população, compensando a menor produção por planta com um maior número de plantas. Em plantios destinados à produção de ramas para ração animal recomenda-se um espaçamento mais estreito, com 0,80 a 1,00 m entre linhas e 0,50 m entre plantas. Com essa redução no espaçamento as plantas apresentam uma tendência a desenvolver uma parte aérea mais tenra, facilitando seu uso na alimentação de animais tanto na forma fresca como seca ao sol. Quando o plantio e/ou a colheita for mecanizada, a distância entre as linhas deve apresentar um afastamento que permita a movimentação das máquinas. Pode ser produzido na nossa região? Sim O Brasil produz em média 24.906.707 toneladas/ano, o RS 1.286.828 toneladas e 3.600 toneladas em Encruzilhada do Sul. Qual período mais indicado para o plantio? A época de plantio ideal é de 20 de setembro a 10 de outubro podendo se estender até 15 de novembro. É importante a presença de umidade no solo, necessária para brotação das manivas e enraizamento. Que tipo de solo é mais indicado? Como o principal produto da mandioca são as raízes, ela necessita de solos profundos e friáveis (soltos), sendo ideais os solos arenosos ou de textura média, por possibilitarem um fácil crescimento das raízes. A faixa favorável de pH é de 5,5 a 7, sendo 6,5 o ideal. Principais Manejos, cuidados e tratos culturais. As plantas daninhas concorrem com a cultura da mandioca, pelos fatores de produção, principalmente por água e nutrientes, diminuindo consideravelmente a produtividade da cultura. O grau dessa competição depende das espécies, da densidade populacional e, principalmente, do período que permanecem vegetando juntas, podendo causar perdas de até 90% na produtividade.
  • 2. Dentre os custos de produção, o mais elevado é o da mão-de-obra para o controle de plantas daninhas, demandando em média 50% de toda aquela requerida no ano agrícola, devido ao crescimento inicial muito lento da mandioca, demorando para a cultura “fechar” e cobrir o solo, e representando 35 a 40 % do custo total de produção. Como é feito o preparo do solo? O preparo do solo deve ser o mínimo possível, apenas o suficiente para a instalação da cultura e para o bom desenvolvimento do sistema radicular, e sempre executado em curvas de nível, orientação esta que também deve ser seguida no plantio. A aração deve ser na profundidade de 15 a 20 centímetros e, 30 dias depois, executar-se duas gradagens em sentido cruzado, a segunda em curva de nível, deixando-se o solo bem destorroado. É possível de ser consorciado com outra cultura? Sim; com plantas baixas como batata doce, hortaliças e feijão. Sistema de plantio em fileiras duplas tem a vantagem de racionalizar o consórcio, pelo uso dos espaços livres que existem entre cada fileira dupla da mandioca, nos quais é possível se fazer até dois plantios de culturas de ciclo curto durante o ciclo da mandioca. O melhor espaçamento em fileiras duplas é de 2,00 x 0,60 x 0,60 m. Como é feito o plantio?Quanto ao plantio da mandioca, em solos não sujeitos a encharcamento pode ser feito em covas preparadas com enxada ou em sulcos construídos com enxada, sulcador a tração animal ou motomecanizados. Tanto as covas quanto os sulcos devem ter aproximadamente 10 cm de profundidade. As plantadeiras mecanizadas disponíveis no mercado fazem de uma só vez as operações de sulcamento, adubação, plantio e cobertura das manivas. Em solos argilosos recomenda-se o plantio em cova alta ou matumbo, que são pequenas elevações de terra, de forma cônica, construídas com enxada, ou em leirões, que são elevações contínuas de terra, que podem ser construídos com enxada ou arados. As manivas-semente, estacas ou rebolos podem ser plantadas em três posições: vertical, inclinada ou horizontal. A maneira mais adotada é a horizontal, porque facilita a colheita das raízes por apresentar um desenvolvimento superficial, colocando-se as manivas no fundo das covas ou dos sulcos. Quais períodos são críticos para a boa produtividade? O fator que vai determinar uma boa produtividade é a chuva. Resiste a longos períodos de estiagem, mas perde em sabor quando o objetivo é o consumo das raízes. Como é colhido? A colheita se inicia em abril e se estende até agosto. Sendo ideal fazê-la entre julho e agosto quando o teor de água na raiz está reduzido e o cozimento fica mais fácil. É primordialmente manual e/ou com auxílio de implementos constando de duas etapas: a) poda das ramas, efetuada a uma altura de 20 a 30 cm acima do nível do solo; e b) arranquio das raízes, com a ajuda de ferramentas, a depender das condições de umidade e/ou características do solo. Quanto custa a semente, muda, exemplar? O feixe de manívas com capacidade de gerar 150 pés custa R$ 9,00. Cada planta é capaz de produzir de 1,2kg até 10kg de mandioca dependendo da variedade, tipo de solo e clima.
  • 3. Como é processado e a que indústria se destina? A mandioca é considerada a mais versátil das tuberosas tropicais por seus múltiplos usos culinários: minimamente processada, congelada ou refrigerada, pré-cozida e chips. O processamento industrial da mandioca, no Brasil, concentra-se na produção de farinha, com cerca de 80%, 3% na extração de fécula e o restante utilizado na alimentação animal. Quanto custa o produto final no comércio? É vendida a R$ 2,00 o kg. Quanto produz por hectare?Aproximadamente 2 kg por pé. Tem alta produtividade, com rendimento médio de 16 mil quilos por hectare e possibilidade de chegar a até 30 toneladas. Qual é o custo de implantar por hectare? Custa aproximadamente R$ 1.200,00 com tração animal e R$ 2.500,00 a mecanizada. A produção da mandioca é de fácil implantação e, na maioria dos casos, não requer o uso de agrotóxicos. Por ser uma planta rústica, adapta-se a quase todos os tipos de solo. Indicada a qualquer nível de produtor. Quanto tempo para ter retorno financeiro? Aproximadamente seis meses. Fontes: www.cnpmf.embrapa.br www.emater.tche.br Eng°. Agr°. Luiz Fernando Gerhard – Emater / RS - ASCAR - Vera Cruz (51) 3718 1250 Nutrição animal através da silagem de mandioca: 35vitaminas e Minerais: Superior ao da raiz Vitamina A-Folhas Maior conversão nas aves (100%) Suínos (30%) Bovinos (25% ). Funções da Vitamina A: •Favorece o crescimento •Aumenta a produção de leite e ovos •Fortalece a defesa do pulmão contra pneumonia e outras moléstias. •Melhora a fertilidade dos reprodutores •Diminui os abortos e nascimentos mortos. ANIMAL ALIMENTADO COM MANDIOCA TEM MAIOR RESISTÊNCIA AO CARRAPATO. Métodos de desintoxicação: •Desidratação artificial c/ T °C > 40° •Cocção na água •Radiação solar