SlideShare uma empresa Scribd logo
Cultura do amendoim
(Arachis hypogaea)
Botânica
• Gênero Arachis
• Família Leguminosae
• Subfamília Faboideae
• Gênero Arachis
ORIGEM
• Originário da América do Sul
• A difusão iniciou-se pelos indígenas - regiões da
América Latina, América Central e México
• No século XVIII foi introduzido na Europa
• No século XIX difundiu-se do Brasil para a África
Economia
• Produção mundial - aproxima de 45 milhões de
toneladas
• China é o maior produtor do mundo: 16.685.915
toneladas
• Índia - segundo lugar: 6.857.000 toneladas
• China e Índia - juntas mais de 50% do total mundial
• O Brasil está com 564.785 e está em 11
Economia Brasil
• O Brasil - 265 mil toneladas exportadas 2021
• Segundo a Conab:
• O país cultivou 165 mil hectares e
• Produziu 597 mil toneladas em 2021
• São Paulo - cerca de 95% da produção nacional
• Principal polo de produção - Jaboticabal e vai até
Rancharia
Economia Brasil
• Estados que mais produzem:
• Paraná
• Rio Grande do Sul
• Minas Gerais e
• Mato Grosso
Economia Brasil
• Saca de 25 kg - R$ 94,00
Utilização
• Consumidos em bruto
• Utilizados em receitas
• Solventes e óleos
• Medicamentos,
• Manteiga de amendoim
• Amendoim salgado
• Doces, bolos e biscoitos
• ETC
Importância
Valor nutricional
• Fonte: niacina, ácido fólico, fibras, vitamina E,
magnésio e fósforo
• Livre de gorduras trans e sódio
• Contêm cerca de 25% de proteína
• Carboidratos
• Sais minerais
Morfologia
• Sua vagem se desenvolve dentro do solo
• O pedúnculo floral, após sua polinização, curva-se
para baixo, continua crescer até enterrar o ovário
da flor.
• No solo as vargens se desenvolvem e amadurecem
Raízes
• O sistema radicular é constituído por uma raiz
pivotante
• Raízes laterais - formando um conjunto ramificado
e profundo
Características
• Planta anual, herbácea, com porte rasteiro
• Planta autógama com flores amareladas
Características
• Apresenta frutos do tipo vagem (subterrânea)
ligadas a planta pelo ginóforo.
• Ciclo de 90 a 130 dias.
Fenologia
• E emergência (6 DAS)
• FT – primeiras folhas tetrafoliadas (9 DAS)
• PR– primeiros ramos (14 DAS)
• FL – florescimento (29 DAS)
• AG – aparecimento do ginóforo (36 DAS)
• ALG – alongamento do ginóforo
• FV – formação da vagem (47 DAS)
• FF – final da floração (74 DAS)
• MCV – maturação completa da vagem (99 DAS)
Clima
• Temperatura ideal
• Temperatura diurna 35ºC
• Temperatura noturna 25ºC
• Precipitação
• 300 a 500 mm
• Cultura resistente ao estresse hídrico
• Evitar regiões muito chuvosas
Solo
• Solos bem drenados, soltos, leves, fértil e rico em
matéria orgânica
• pH: 5,5 a 6,5
Época de plantio
• 1ª Safra (Set/Out)
• Obtenção de maiores produtividades
• Pode se usar cultivares tardias
• Temperatura e umidade suficiente
• 2ª Safra (Fev/Mar)
• Produtividade menor
• Umidade insuficiente
• Maior risco
• Uso de cultivares precoces
Plantio
• As sementes são plantadas diretamente no local
• Pode ser plantada também copinhos de jornal com
10 cm de altura
• O transplantio é realizado quando a plantem tem
15 cm
Semeadura
• Semeadura pode ser feita por:
• Manual
• Mecânica
• Tração animal
• Com profundidade de 5 cm
Plantio
• Espaçamento
• 15 a 30 cm entre plantas
• 60 a 80 cm entre linhas
• Gasto de sementes - 70 a 160 kg por há
• Profundidade - 5 a 8 cm (solos argilosos) e (5-6 cm
solos arenosos)
Colheita
• Entre 90 e 120 dias
• Planta com aspecto amarelado
• Vagem com coloração escura no interior (60 a 70%)
• Grãos com coloração desenvolvida
• Colheita – mão de obra -Agricultura familiar
ARMAZENAMENTO
• Armazenar em locais secos e ventilados
• Empilhar os sacos em estrados de madeiras, evitar
contato direto com o solo
• Monitorar a umidade do produto
• Controlar pragas de armazenamento e roedores
• Armazenar sempre que possível em baixas
temperatura
Controle de plantas daninhas
• Controle químico
• Herbicida pré-emergente
• Herbicida pós-emergente
• Controle físico
• Cultivo mecânico
• Capina
PRINCIPAIS PRAGAS
Pragas da Parte Aérea:
Tripes – Enneothrips flavens –
• É considerada a praga mais prejudicial ao
amendoim, causando reduções na produção
que variam de 15 a 75%.
• As fases jovens sugam e raspam os folíolos,
que ao se abrirem apresentam-se com riscas
irregulares branco prateadas ou amareladas e
deformadas.
• Os maiores prejuízos são causados pelo tripes
até aos 60 dias após a emergência.
• Lagarta do Pescoço Vermelho –
• Mede cerca de 6 a 7 cm de coloração branco
esverdeada, com a cabeça preta, com um dos
segmentos próximo a cabeça de cor vermelha.
• Alimenta-se de ponteiros, que quando se abrem,
apresentam perfurações quase simétrica nos
folíolos
• Lagarta da Soja –
• É de coloração verde ou escura e em altas
populações pode provocar desfolha total tanto
do amendoim como da soja.
Doenças
• Cercosporioses: Mancha preta ou pinta preta e
Mancha castanha – São as doenças mais importantes
da cultura do amendoim.
• É comum a ocorrência simultânea de ambas no
mesmo folíolo em condições ambientais favoráveis
(temperatura e umidade altas) o que pode provocar
grande desfolha na planta.
• O controle dessas doenças deve ser preventivo,
quando se observarem os primeiros sintomas,
geralmente aos 50-55 dias.
• Verrugose: Este fungo pode afetar folhas, folíolos,
hastes e esporões, provocando pequenas lesões
com o centro aprofundado e bordos salientes.
• Em alta incidência provoca deformações em todos
os órgãos atingidos da planta.
Pragas de solo
• A praga do solo mais importante é a lagarta elasmo
e ocorre principalmente em períodos de estiagem.
• Provoca a morte das plantas atacadas diminuindo a
população de plantas, por perfurar o colo da planta
e destruir o interior da haste onde provoca galerias
Praga no solo
• Controle
• Tratamento de sementes
• Aplicação de inseticida no sulco
• Aplicação de inseticidas
• Evitar plantio em período seco
• Preparo de solo
• Mancha Barrenta: Esta doença assume maior
importância econômica, em anos que ocorrem
condições de temperatura e umidade favoráveis.
• As lesões da mancha barrenta são observadas
inicialmente na superfície superior da folha,
apresentando-se como se fossem realmente
manchas de barro.
• Ferrugem: Estás doença a poucos anos atrás era de
importância secundária, atualmente vem ocorrendo
de forma generalizada nas culturas de amendoim.
• Os sintomas são facilmente reconhecidos pelas
pequenas pústulas de coloração ferruginosa, que em
grande número na folha se agrupam, tornando-se
mais facilmente visíveis.
Controle
• Tratamento de sementes
• Aplicação de inseticidas no sulco de plantio.
• Aplicações iniciais de inseticidas (evitar piretróides)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdfAula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
ViniciusCavalcante33
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Caracterização do Mercado Agrícola
Caracterização do Mercado AgrícolaCaracterização do Mercado Agrícola
Caracterização do Mercado Agrícola
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
Geagra UFG
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
Geagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
Geagra UFG
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Ariana Francielle
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
Willian Passos
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdfAula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Caracterização do Mercado Agrícola
Caracterização do Mercado AgrícolaCaracterização do Mercado Agrícola
Caracterização do Mercado Agrícola
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 

Semelhante a Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx

Aula_Cultura da manga.pdf
Aula_Cultura da manga.pdfAula_Cultura da manga.pdf
Aula_Cultura da manga.pdf
AntnioPauloRibeiro
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
Killer Max
 
Cultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptxCultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptx
ValderlandiaOliveira1
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
Josimar Oliveira
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
MilenaAlmeida74
 
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptxPRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
JosFranciscoNogueira3
 
Slide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptxSlide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptx
IvanildoCalixto3
 
Pronto
ProntoPronto
aulamaracuja.pdf
aulamaracuja.pdfaulamaracuja.pdf
aulamaracuja.pdf
Cleilton Moreira
 
Apresentação sorgo
Apresentação sorgoApresentação sorgo
Apresentação sorgo
Lily Soares
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
Andre Vinicius
 
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdfAula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
HirlandaBritoFariasd1
 
97a64e07.pptx
97a64e07.pptx97a64e07.pptx
97a64e07.pptx
JosGuilhermeNogueira1
 
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-20132ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
Fattore
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
EduardaAmaral11
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
rickriordan
 
culturas AVEIA.pptx
culturas  AVEIA.pptxculturas  AVEIA.pptx
culturas AVEIA.pptx
Murilo574925
 
Araucária angustifolia
Araucária angustifoliaAraucária angustifolia
Araucária angustifolia
Alyne Regina Ruggiero
 
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuáriaantonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
Caroline Esperança
 

Semelhante a Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx (20)

Aula_Cultura da manga.pdf
Aula_Cultura da manga.pdfAula_Cultura da manga.pdf
Aula_Cultura da manga.pdf
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Cultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptxCultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptx
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
 
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptxPRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
 
Slide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptxSlide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptx
 
Pronto
ProntoPronto
Pronto
 
aulamaracuja.pdf
aulamaracuja.pdfaulamaracuja.pdf
aulamaracuja.pdf
 
Apresentação sorgo
Apresentação sorgoApresentação sorgo
Apresentação sorgo
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
 
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdfAula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
 
97a64e07.pptx
97a64e07.pptx97a64e07.pptx
97a64e07.pptx
 
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-20132ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
 
culturas AVEIA.pptx
culturas  AVEIA.pptxculturas  AVEIA.pptx
culturas AVEIA.pptx
 
Araucária angustifolia
Araucária angustifoliaAraucária angustifolia
Araucária angustifolia
 
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuáriaantonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 

Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx

  • 2. Botânica • Gênero Arachis • Família Leguminosae • Subfamília Faboideae • Gênero Arachis
  • 3. ORIGEM • Originário da América do Sul • A difusão iniciou-se pelos indígenas - regiões da América Latina, América Central e México • No século XVIII foi introduzido na Europa • No século XIX difundiu-se do Brasil para a África
  • 4. Economia • Produção mundial - aproxima de 45 milhões de toneladas • China é o maior produtor do mundo: 16.685.915 toneladas • Índia - segundo lugar: 6.857.000 toneladas • China e Índia - juntas mais de 50% do total mundial • O Brasil está com 564.785 e está em 11
  • 5. Economia Brasil • O Brasil - 265 mil toneladas exportadas 2021 • Segundo a Conab: • O país cultivou 165 mil hectares e • Produziu 597 mil toneladas em 2021 • São Paulo - cerca de 95% da produção nacional • Principal polo de produção - Jaboticabal e vai até Rancharia
  • 6. Economia Brasil • Estados que mais produzem: • Paraná • Rio Grande do Sul • Minas Gerais e • Mato Grosso
  • 7. Economia Brasil • Saca de 25 kg - R$ 94,00
  • 8. Utilização • Consumidos em bruto • Utilizados em receitas • Solventes e óleos • Medicamentos, • Manteiga de amendoim • Amendoim salgado • Doces, bolos e biscoitos • ETC
  • 10. Valor nutricional • Fonte: niacina, ácido fólico, fibras, vitamina E, magnésio e fósforo • Livre de gorduras trans e sódio • Contêm cerca de 25% de proteína • Carboidratos • Sais minerais
  • 11. Morfologia • Sua vagem se desenvolve dentro do solo • O pedúnculo floral, após sua polinização, curva-se para baixo, continua crescer até enterrar o ovário da flor. • No solo as vargens se desenvolvem e amadurecem
  • 12.
  • 13. Raízes • O sistema radicular é constituído por uma raiz pivotante • Raízes laterais - formando um conjunto ramificado e profundo
  • 14. Características • Planta anual, herbácea, com porte rasteiro • Planta autógama com flores amareladas
  • 15.
  • 16. Características • Apresenta frutos do tipo vagem (subterrânea) ligadas a planta pelo ginóforo. • Ciclo de 90 a 130 dias.
  • 17.
  • 18. Fenologia • E emergência (6 DAS) • FT – primeiras folhas tetrafoliadas (9 DAS) • PR– primeiros ramos (14 DAS) • FL – florescimento (29 DAS) • AG – aparecimento do ginóforo (36 DAS) • ALG – alongamento do ginóforo • FV – formação da vagem (47 DAS) • FF – final da floração (74 DAS) • MCV – maturação completa da vagem (99 DAS)
  • 19. Clima • Temperatura ideal • Temperatura diurna 35ºC • Temperatura noturna 25ºC • Precipitação • 300 a 500 mm • Cultura resistente ao estresse hídrico • Evitar regiões muito chuvosas
  • 20. Solo • Solos bem drenados, soltos, leves, fértil e rico em matéria orgânica • pH: 5,5 a 6,5
  • 21. Época de plantio • 1ª Safra (Set/Out) • Obtenção de maiores produtividades • Pode se usar cultivares tardias • Temperatura e umidade suficiente • 2ª Safra (Fev/Mar) • Produtividade menor • Umidade insuficiente • Maior risco • Uso de cultivares precoces
  • 22. Plantio • As sementes são plantadas diretamente no local • Pode ser plantada também copinhos de jornal com 10 cm de altura • O transplantio é realizado quando a plantem tem 15 cm
  • 23. Semeadura • Semeadura pode ser feita por: • Manual • Mecânica • Tração animal • Com profundidade de 5 cm
  • 24. Plantio • Espaçamento • 15 a 30 cm entre plantas • 60 a 80 cm entre linhas • Gasto de sementes - 70 a 160 kg por há • Profundidade - 5 a 8 cm (solos argilosos) e (5-6 cm solos arenosos)
  • 25. Colheita • Entre 90 e 120 dias • Planta com aspecto amarelado • Vagem com coloração escura no interior (60 a 70%) • Grãos com coloração desenvolvida
  • 26. • Colheita – mão de obra -Agricultura familiar
  • 27. ARMAZENAMENTO • Armazenar em locais secos e ventilados • Empilhar os sacos em estrados de madeiras, evitar contato direto com o solo • Monitorar a umidade do produto • Controlar pragas de armazenamento e roedores • Armazenar sempre que possível em baixas temperatura
  • 28. Controle de plantas daninhas • Controle químico • Herbicida pré-emergente • Herbicida pós-emergente • Controle físico • Cultivo mecânico • Capina
  • 29. PRINCIPAIS PRAGAS Pragas da Parte Aérea: Tripes – Enneothrips flavens – • É considerada a praga mais prejudicial ao amendoim, causando reduções na produção que variam de 15 a 75%. • As fases jovens sugam e raspam os folíolos, que ao se abrirem apresentam-se com riscas irregulares branco prateadas ou amareladas e deformadas. • Os maiores prejuízos são causados pelo tripes até aos 60 dias após a emergência.
  • 30. • Lagarta do Pescoço Vermelho – • Mede cerca de 6 a 7 cm de coloração branco esverdeada, com a cabeça preta, com um dos segmentos próximo a cabeça de cor vermelha. • Alimenta-se de ponteiros, que quando se abrem, apresentam perfurações quase simétrica nos folíolos
  • 31. • Lagarta da Soja – • É de coloração verde ou escura e em altas populações pode provocar desfolha total tanto do amendoim como da soja.
  • 32. Doenças • Cercosporioses: Mancha preta ou pinta preta e Mancha castanha – São as doenças mais importantes da cultura do amendoim. • É comum a ocorrência simultânea de ambas no mesmo folíolo em condições ambientais favoráveis (temperatura e umidade altas) o que pode provocar grande desfolha na planta. • O controle dessas doenças deve ser preventivo, quando se observarem os primeiros sintomas, geralmente aos 50-55 dias.
  • 33. • Verrugose: Este fungo pode afetar folhas, folíolos, hastes e esporões, provocando pequenas lesões com o centro aprofundado e bordos salientes. • Em alta incidência provoca deformações em todos os órgãos atingidos da planta.
  • 34. Pragas de solo • A praga do solo mais importante é a lagarta elasmo e ocorre principalmente em períodos de estiagem. • Provoca a morte das plantas atacadas diminuindo a população de plantas, por perfurar o colo da planta e destruir o interior da haste onde provoca galerias
  • 35. Praga no solo • Controle • Tratamento de sementes • Aplicação de inseticida no sulco • Aplicação de inseticidas • Evitar plantio em período seco • Preparo de solo
  • 36. • Mancha Barrenta: Esta doença assume maior importância econômica, em anos que ocorrem condições de temperatura e umidade favoráveis. • As lesões da mancha barrenta são observadas inicialmente na superfície superior da folha, apresentando-se como se fossem realmente manchas de barro.
  • 37. • Ferrugem: Estás doença a poucos anos atrás era de importância secundária, atualmente vem ocorrendo de forma generalizada nas culturas de amendoim. • Os sintomas são facilmente reconhecidos pelas pequenas pústulas de coloração ferruginosa, que em grande número na folha se agrupam, tornando-se mais facilmente visíveis.
  • 38. Controle • Tratamento de sementes • Aplicação de inseticidas no sulco de plantio. • Aplicações iniciais de inseticidas (evitar piretróides)

Notas do Editor

  1. https://ptdocz.com/doc/145969/aula-cultura-do-amendoim https://pt.dreamstime.com/illustration/cotil%C3%A9dones.html
  2. O amendoim é planta originária da América do Sul, na região compreendida entre as latitudes de 10º e 30º sul,com provável centro de origem na região de Gran Chaco, incluindo os vales do Rio Paraná e Paraguai. A difusão do amendoim iniciou-se pelos indígenas para as diversas regiões da América Latina, América Central e México. No século XVIII foi introduzido na Europa. No século XIX difundiu-se do Brasil para a África e do Peru para a s Filipinas,China,Japão e Índia.
  3. A produção mundial de amendoim se aproxima de 45 milhões de toneladas, concentrada na Ásia e África. China e Índia são os dois principais países produtores. A China é o maior produtor de amendoim do mundo, com 16.685.915 toneladas de volume de produção por ano. A Índia vem em segundo lugar, com 6.857.000 toneladas de produção anual. China e Índia produzem juntas mais de 50% do total mundial. O Brasil está com 564.785 e está em 11.
  4. fonte de niacina, ácido fólico , fibras , vitamina E , magnésio e fósforo. Eles também são naturalmente livre de gorduras trans e sódio, e contêm cerca de 25% de proteína (uma proporção maior do que em qualquer porca verdade)
  5. O sistema radicular é constituído por uma raiz pivotante, com raízes laterais, formando um conjunto bastante ramificado e profundo
  6. autógamas são aquelas nas quais a reprodução natural dos indivíduos se dá predominantemente ( > 95% dos cruzamentos) por autofecundação.
  7. https://www.fcav.unesp.br/Home/download/pgtrabs/gmp/m/3464.pdf
  8. https://www.slideshare.net/wagcher/amendoim-61593713
  9. Armazenar em locais secos e ventilados Empilhar os sacos em estrados de madeiras,evitar contato direto com o solo Monitorar constantemente a umidade do produto Controlar pragas de armazenamento e roedores Armazenar sempre que possível em baixas temperatura