SlideShare uma empresa Scribd logo
A CRISE DO SÉC. XIV
O séc. XIV foi um período marcado por sucessivas crises que, por toda a Europa,
semearam a fome, a doença, a guerra e a revolta. Mas foi também um período
prenunciador de grandes mudanças políticas, económicas e sociais.
   Em Portugal, esta crise manifestou-se principalmente a partir de finais de 1348 , ano em
que a Peste Negra atinge e devasta o reino, matando em menos de um ano mais de um
terço da população portuguesa.
A Peste, doença contraída pelos
Cruzados no cerco a Jerusalém,
espalhou-se rapidamente por toda a
Europa, matando aproximadamente um
terço da sua população .A Peste negra
transmitia-se pelas pulgas que
infestavam o pelo dos ratos. Estes em
contacto com os alimentos propagavam
facilmente a doença entre os humanos.
O contágio das populações foi
alastrando à medida que os soldados,
gravemente doentes e em número cada
vez maior, regressavam aos seus reinos
de origem. As constantes viagens entre
o mediterrâneo ocidental e oriental,
feitas pelos mercadores venezianos
agravou o problema.
► A primeira consequência, a nível económico, foi uma
  diminuição acentuada da mão de obra disponível, que
  atingiu sobretudo e em primeiro lugar, a agricultura e os
  que dela viviam.
Pouco antes da Peste atingir
a Europa, secas e
inundações sucessivas tinham
arruinado, por vários anos, as
colheitas de extensas regiões,
diminuindo drasticamente os
rendimentos da Nobreza e do
Clero, e condenando à fome
grande parte dos
camponeses.
►   Assim, os campos, outrora férteis, estavam agora ao abandono,
    pois os que tinham sobrevivido à fome e à Peste eram poucos e
    exigiam melhores salários e condições de arrendamento, para
    continuarem a trabalhar as terras da Nobreza e do Clero
Muitos foram, assim, os que
fugindo à miséria abandonaram os
campos, procurando nas cidades
ocupação no comércio e nos
ofícios.
 Mas, apesar da prosperidade da
cidade, nem todos o conseguiam.
Ao excesso de oferta de mão de
obra, somava-se a falta de
experiência ou conhecimentos
desta gente do campo para se
adaptar a novas actividades como
o comércio ou o artesanato.
As consequências
não demoraram a
fazer-se sentir com
o aumento do
desemprego,
mendicidade e
insegurança.
Esta fuga em massa do campo para
a cidade, onde as condições de
higiene eram muito más, contribuiu
também para que a Peste se
espalhasse aí de forma
extremamente rápida.
Foi, de facto, nas cidades e junto dos
mosteiros e abadias que a Peste fez
mais vítimas. Assistiu-se então a um
movimento no sentido contrário.
Agora eram os ricos, que fugiam da
cidade e procuravam protecção nas
suas propriedades rurais .
Mas a peste estava por todo o lado…
A fé, o consolo dos
familiares e a ajuda dos
monges eram o único
alívio dos que adoeciam
vítimas da Peste.
 Quanto ao resto da
população, protegia-se
evitando o contacto com
os infectados e marcando
com uma cruz a morada
destes.
Desta forma, enquanto a cidade crescia
desordenadamente e a burguesia se
afirmava cada vez mais, os campos
desertificavam-se e a produção agrícola
diminuía.
E assim diminuíam também os
rendimentos, o poder e a influência da
Nobreza.

Lentamente, o dinheiro ganhava terreno
aos privilégios de nascimento, e o centro
da riqueza deslocava-se das actividades
tradicionais ligadas ao campo para as
novas actividades mais ligadas às
cidades, como o comércio externo e o
artesanato.
Sonhando com os tempos da
Reconquista, da ocupação
territorial e da pilhagem, a Nobreza
assistia à queda lenta do seu
mundo e dos seus valores.

Alguns nobres arruinados e mais
realistas , os fidalgos - mercadores,
tentavam adaptar-se aos novos
tempos competindo com a
Burguesia, em actividades que a
tradição lhes vedava, como o
comércio.
►   O Clero, entretanto,
    aumentava significativamente
    a sua riqueza, beneficiando
    das dádivas dos que
    atingidos pela Peste,
    esperavam às portas da
    morte, poder comprar com
    donativos à Igreja, a
    salvação das suas almas.

     E como as terras e outros
    bens do Clero não pagavam
    impostos, com estas
    “doações” diminuíam os
    rendimentos da Coroa e dos
    Concelhos.
► As catedrais que por esta altura se construíram por toda a Europa,
  reflectindo o crescente poder da Igreja, foram em grande parte
  financiadas com o “comércio de Indulgências”. A venda de perdões.
► O Céu estava agora à disposição de quem o pudesse comprar.



    A CONStRUçãO                                  BULA PAPAL DE
    DAS CAtEDRAIS                                  INDULGÈNCIA
►   O clima de paz que perdurou durante a primeira metade
    do séc. XIV em Portugal permitiu um desenvolvimento
    considerável a nível económico, sobretudo nas
    actividades ligadas à cidade.
►   As cidades ou burgos
    cresceram muito, graças à
    protecção e aos benefícios
    que, desde cedo, os reis
    portugueses concederam
    aos seus moradores e às
    actividades que
    desenvolviam.
►   A crescente importância do
    comércio, tanto interno
    como externo, para a
    economia do país explica a
    generosidade dos decretos
    reais neste domínio.
Assim:
  Feiras, mercados
  continuaram a
  espalhar-se por todo o
  país, gozando de
  protecção real.
  A construção de
  navios mercantes de
  médio e grande porte
  foi estimulada,
  plantando-se pinhais,
  reduzindo-se o preço
  da madeira e os
  impostos.
Os incentivos concedidos à
criação de bolsas ( bancos )
de mercadores ( D. Dinis ),
e seguros que cobriam os
negócios de grande risco,
tinham como objectivo não
só aumentar as exportações
portuguesas, mas também
assegurar, pela importação,
de forma mais duradoura, o
acesso aos produtos de que
o país mais precisava,
principalmente os cereais.
Foram-se , então, multiplicando os contactos dos mercadores
portugueses com o estrangeiro. A norte, através do Atlântico e a sul
cruzando o Mediterrâneo, tornou-se habitual a presença de
negociantes portugueses nas grandes feiras internacionais.
►   Mas estas medidas de apoio à
    Burguesia se, por um lado,
    respondiam a necessidades reais
    de um país em desenvolvimento,
    tinham também um outro
    objectivo

►   Fortalecer um grupo social - a
    Burguesia, e por arrastamento o
    Povo - em que o rei se pudesse
    apoiar, para mais facilmente
    afirmar o seu poder face à
    crescente importância das
    principais famílias nobres.
►   Entretanto, nos campos durante
    os séculos XIII e XIV, a política
    dos reis portugueses tentou
    promover e intensificar a
    produção de cereais,
    aumentando a área cultivada,
    através de arroteamentos e
    queimadas de bosques e
    matas , secando pântanos, e
    publicando leis que puniam o
    abandono ou
    subaproveitamento dos terrenos
    agrícolas.
►   D. Fernando, para combater o
    abandono dos campos que se
    verificou durante o seu reinado,
    publicou em 1375, a chamada “
    Lei das Sesmarias” que, entre
    outras medidas, obrigava os
    camponeses a aceitar os salários
    fixados pelos Terratenentes e
    Homens-Bons da região.

►   Pretendia-se, assim, impedir a
    súbita subida dos salários exigidos
    pelos camponeses que agora
    queriam ser pagos como na cidade,
    em dinheiro e não em géneros,
    lutando por escolher livremente o
    seu empregador, ofício ou tarefa.
►   A progressiva quebra dos laços
    feudais, assentes na servidão e na
    dependência, acentua-se nesta altura
    e está na origem da criação de uma
    nova mão de obra livre, desenraizada
    e não especializada que trabalha à
    tarefa, conforme as ofertas lhe vão ou
    não surgindo.

►   A estes trabalhadores podemos
    chamar os primeiros “proletários”.

►   Serão os descendentes destes
    jornaleiros do campo e dos
    construtores das igrejas e catedrais
    da época que, mais tarde,
    assegurarão o funcionamento das
    fábricas e máquinas durante a
    revolução industrial.
A ARtE GÓtICA
► O estilo Gótico, que se afirma na
  Europa entre os séculos XII e XV,
  marca uma evolução significativa em
  termos do domínio das formas e das
  técnicas por parte dos artistas da
  época face ao período românico.
► No novo gosto tudo é diferente.


►   Se a Arquitectura Românica com o
    seu ar sólido e rústico, com as suas
    figuras toscas e ingénuas tinha sido
    erguida à escala humana, a
    Arquitectura Gótica pela sua altura,
    pela elegância das suas proporções e
    pela sua verticalidade parecia querer
    atingir o céu e aproximar-se de Deus.
►   O interior das igrejas góticas,
    com as suas altas e
    elegantes naves separadas
    por colunas e arcos em
    forma de ogiva, cobre-se de
    cúpulas e abóbadas de
    nervuras.
►   Pelas rosáceas e vitrais
    entram focos de luz que se
    cruzam e provocam a
    admiração dos presentes.
► No exterior, as esculturas do pórtico
  afirmavam a supremacia de Deus
  perante os homens e os demónios que
  com eles viviam.
► Mas agora não se confinam ao tímpano
  e capiteis. A parte esculpida distribui-se
  por toda a fachada e, por vezes, nem
  os arcos nem as colunas escapavam a
  tanta liturgia.
► Anjos, santos, homens, demónios, as
  gárgulas que do alto espreitam e o
  próprio Satanás parecem seres
  animados pelo realismo e pela
  perfeição das formas e efeitos de luz e
  sombra.
►   Os elegantes pináculos apontam
    o caminho dos céus, mas a sua
    altura sublinha também a
    pequenez dos que os observam.

►   Este é de resto um dos objectivos
    das suas imponentes fachadas e
    da exuberância dos seus
    elementos arquitectónicos e
    decorativos :

►   Promover o pasmo e a
    consciência da sua insignificância
    nos homens, assegurando a sua
    obediência e passividade.
►   Mais do que locais de oração
     e recolhimento, as igrejas
    góticas foram construídas
    para intimidar as
    populações face ao poder
    quer religioso quer
    temporal.

►   A grandiosidade e riqueza
    do estilo gótico assinalam
    um tempo em que a igreja
    se afasta cada vez mais do
    povo, exibindo pela
    ostentação uma riqueza e
    um poder que não parava
    de crescer.
No entanto, a construção das
catedrais góticas constituía para
a igreja um pesado encargo. E
encargos, sobretudo
económicos, eram coisa a que o
Clero não estava habituado.

   Exibir o poder ficava caro e,
quando se tratava de construir
catedrais significava pagar em
dinheiro a trabalhadores livres
que através da suas
organizações ( as Guildas ou
corporações ) ditavam o preço
por tarefa e dia de trabalho.
Apesar de toda a influência,
prestígio e poder de que a
Igreja gozava, a construção
destas catedrais só se tornou
possível graças a uma
generosa política de doações
por parte dos reis e dos
senhores feudais.

 E, claro, a venda de
indulgências a que então
recorreu, ajudou muito.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
Daniel Alves Bronstrup
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
Vagner Roberto
 
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIXRevoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Marcos Mamute
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Aulas de História
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
Marilia Pimentel
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Edenilson Morais
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj
Rafael Noronha
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Nívia Sales
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
Daniel Alves Bronstrup
 
A crise no império romano
A crise no império romanoA crise no império romano
A crise no império romano
Nilton Silva Jardim Junior
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Janaína Tavares
 
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o anoSegunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Lucas Degiovani
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Daniel Alves Bronstrup
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 

Mais procurados (20)

1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
 
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIXRevoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
A crise no império romano
A crise no império romanoA crise no império romano
A crise no império romano
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o anoSegunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 

Destaque

Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Douglas Barraqui
 
Aula 2 - A crise do feudalismo
Aula 2 -  A crise do feudalismoAula 2 -  A crise do feudalismo
Aula 2 - A crise do feudalismo
profnelton
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
seixasmarianas
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Elaine Bogo Pavani
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Douglas Barraqui
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Carolina Medeiros
 
Mudança na europa feudal
Mudança na europa feudalMudança na europa feudal
Mudança na europa feudal
PROFºWILTONREIS
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
Claudenilson da Silva
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Alê Maldonado
 
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º anoCap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
MyMariane
 
Idade média feudalismo
Idade média   feudalismoIdade média   feudalismo
Idade média feudalismo
Fatima Freitas
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
João Medeiros
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
marcos ursi
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
Feudalismo final
Feudalismo finalFeudalismo final
Feudalismo final
Patrícia Lima
 
Feudalismo capitalismo renascimento
Feudalismo capitalismo renascimentoFeudalismo capitalismo renascimento
Feudalismo capitalismo renascimento
Tavinho Koneski Westphal
 
Crise do feudalismo
Crise do feudalismoCrise do feudalismo
Crise do feudalismo
Adriana Gomes Messias
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Cristiane Freitas
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
Annalu Jannuzzi
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
cecilianoclaro
 

Destaque (20)

Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
 
Aula 2 - A crise do feudalismo
Aula 2 -  A crise do feudalismoAula 2 -  A crise do feudalismo
Aula 2 - A crise do feudalismo
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Mudança na europa feudal
Mudança na europa feudalMudança na europa feudal
Mudança na europa feudal
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º anoCap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
 
Idade média feudalismo
Idade média   feudalismoIdade média   feudalismo
Idade média feudalismo
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Feudalismo final
Feudalismo finalFeudalismo final
Feudalismo final
 
Feudalismo capitalismo renascimento
Feudalismo capitalismo renascimentoFeudalismo capitalismo renascimento
Feudalismo capitalismo renascimento
 
Crise do feudalismo
Crise do feudalismoCrise do feudalismo
Crise do feudalismo
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
 

Semelhante a A Crise do Feudalismo

A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
HistN
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
guest2d1e86
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
guestf792101
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
guestf792101
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
José Fernando Rodrigues
 
Feudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade MédiaFeudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade Média
Valeria Kosicki
 
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02 (3)
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02 (3)10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02 (3)
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02 (3)
goncalo13
 
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp0210 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02
goncalo13
 
O renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbanoO renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbano
Nelia Salles Nantes
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
cattonia
 
Baixa idade média
Baixa idade média  Baixa idade média
Baixa idade média
hillary2011
 
Cap.3
Cap.3Cap.3
Cap.3
biarabighi
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
Carla Cristina
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu inessalgado
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
Carina Vale
 
Feudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaFeudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade Média
Edenilson Morais
 
Aula de historia
Aula de historiaAula de historia
Aula de historia
Rose chaves
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
filomena morais
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 

Semelhante a A Crise do Feudalismo (20)

A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
 
Feudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade MédiaFeudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade Média
 
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02 (3)
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02 (3)10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02 (3)
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02 (3)
 
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp0210 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02
10 acrisedoscxiv-090227100353-phpapp02
 
O renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbanoO renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbano
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
Baixa idade média
Baixa idade média  Baixa idade média
Baixa idade média
 
Cap.3
Cap.3Cap.3
Cap.3
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
 
Feudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaFeudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade Média
 
Aula de historia
Aula de historiaAula de historia
Aula de historia
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 

Mais de secretaria estadual de educação

Anos rebeldes 1960 e 1970
Anos rebeldes 1960 e 1970Anos rebeldes 1960 e 1970
Anos rebeldes 1960 e 1970
secretaria estadual de educação
 
O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.
secretaria estadual de educação
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Sociedade mineradora - Brasil Colonial
Sociedade mineradora - Brasil ColonialSociedade mineradora - Brasil Colonial
Sociedade mineradora - Brasil Colonial
secretaria estadual de educação
 
Feudalismo (1)
Feudalismo (1)Feudalismo (1)
Revisão do conteúdo do 7º ano.
Revisão do conteúdo do 7º ano.Revisão do conteúdo do 7º ano.
Revisão do conteúdo do 7º ano.
secretaria estadual de educação
 
Nova ordem mundial
Nova ordem mundialNova ordem mundial
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
secretaria estadual de educação
 
Nazifascismo
NazifascismoNazifascismo
Crise do capitalismo liberal
Crise do capitalismo liberalCrise do capitalismo liberal
Crise do capitalismo liberal
secretaria estadual de educação
 
Imperialismo aulas 31 e 32
Imperialismo   aulas 31 e 32Imperialismo   aulas 31 e 32
Imperialismo aulas 31 e 32
secretaria estadual de educação
 
República velha
República velhaRepública velha
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
secretaria estadual de educação
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)
secretaria estadual de educação
 
Crise do império romano
Crise do império romanoCrise do império romano
Crise do império romano
secretaria estadual de educação
 
Revisão 8º ano
Revisão 8º anoRevisão 8º ano
Do regime militar_a_nova_republica
Do regime militar_a_nova_republicaDo regime militar_a_nova_republica
Do regime militar_a_nova_republica
secretaria estadual de educação
 
O período democrático
O período democráticoO período democrático
O período democrático
secretaria estadual de educação
 
Era vargas
Era vargasEra vargas

Mais de secretaria estadual de educação (20)

Anos rebeldes 1960 e 1970
Anos rebeldes 1960 e 1970Anos rebeldes 1960 e 1970
Anos rebeldes 1960 e 1970
 
O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Sociedade mineradora - Brasil Colonial
Sociedade mineradora - Brasil ColonialSociedade mineradora - Brasil Colonial
Sociedade mineradora - Brasil Colonial
 
Feudalismo (1)
Feudalismo (1)Feudalismo (1)
Feudalismo (1)
 
Revisão do conteúdo do 7º ano.
Revisão do conteúdo do 7º ano.Revisão do conteúdo do 7º ano.
Revisão do conteúdo do 7º ano.
 
Nova ordem mundial
Nova ordem mundialNova ordem mundial
Nova ordem mundial
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Nazifascismo
NazifascismoNazifascismo
Nazifascismo
 
Crise do capitalismo liberal
Crise do capitalismo liberalCrise do capitalismo liberal
Crise do capitalismo liberal
 
Imperialismo aulas 31 e 32
Imperialismo   aulas 31 e 32Imperialismo   aulas 31 e 32
Imperialismo aulas 31 e 32
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)
 
Crise do império romano
Crise do império romanoCrise do império romano
Crise do império romano
 
Revisão 8º ano
Revisão 8º anoRevisão 8º ano
Revisão 8º ano
 
Do regime militar_a_nova_republica
Do regime militar_a_nova_republicaDo regime militar_a_nova_republica
Do regime militar_a_nova_republica
 
O período democrático
O período democráticoO período democrático
O período democrático
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 

A Crise do Feudalismo

  • 1. A CRISE DO SÉC. XIV
  • 2. O séc. XIV foi um período marcado por sucessivas crises que, por toda a Europa, semearam a fome, a doença, a guerra e a revolta. Mas foi também um período prenunciador de grandes mudanças políticas, económicas e sociais. Em Portugal, esta crise manifestou-se principalmente a partir de finais de 1348 , ano em que a Peste Negra atinge e devasta o reino, matando em menos de um ano mais de um terço da população portuguesa.
  • 3. A Peste, doença contraída pelos Cruzados no cerco a Jerusalém, espalhou-se rapidamente por toda a Europa, matando aproximadamente um terço da sua população .A Peste negra transmitia-se pelas pulgas que infestavam o pelo dos ratos. Estes em contacto com os alimentos propagavam facilmente a doença entre os humanos. O contágio das populações foi alastrando à medida que os soldados, gravemente doentes e em número cada vez maior, regressavam aos seus reinos de origem. As constantes viagens entre o mediterrâneo ocidental e oriental, feitas pelos mercadores venezianos agravou o problema.
  • 4. ► A primeira consequência, a nível económico, foi uma diminuição acentuada da mão de obra disponível, que atingiu sobretudo e em primeiro lugar, a agricultura e os que dela viviam.
  • 5. Pouco antes da Peste atingir a Europa, secas e inundações sucessivas tinham arruinado, por vários anos, as colheitas de extensas regiões, diminuindo drasticamente os rendimentos da Nobreza e do Clero, e condenando à fome grande parte dos camponeses.
  • 6. Assim, os campos, outrora férteis, estavam agora ao abandono, pois os que tinham sobrevivido à fome e à Peste eram poucos e exigiam melhores salários e condições de arrendamento, para continuarem a trabalhar as terras da Nobreza e do Clero
  • 7. Muitos foram, assim, os que fugindo à miséria abandonaram os campos, procurando nas cidades ocupação no comércio e nos ofícios. Mas, apesar da prosperidade da cidade, nem todos o conseguiam. Ao excesso de oferta de mão de obra, somava-se a falta de experiência ou conhecimentos desta gente do campo para se adaptar a novas actividades como o comércio ou o artesanato.
  • 8. As consequências não demoraram a fazer-se sentir com o aumento do desemprego, mendicidade e insegurança.
  • 9. Esta fuga em massa do campo para a cidade, onde as condições de higiene eram muito más, contribuiu também para que a Peste se espalhasse aí de forma extremamente rápida. Foi, de facto, nas cidades e junto dos mosteiros e abadias que a Peste fez mais vítimas. Assistiu-se então a um movimento no sentido contrário. Agora eram os ricos, que fugiam da cidade e procuravam protecção nas suas propriedades rurais . Mas a peste estava por todo o lado…
  • 10. A fé, o consolo dos familiares e a ajuda dos monges eram o único alívio dos que adoeciam vítimas da Peste. Quanto ao resto da população, protegia-se evitando o contacto com os infectados e marcando com uma cruz a morada destes.
  • 11. Desta forma, enquanto a cidade crescia desordenadamente e a burguesia se afirmava cada vez mais, os campos desertificavam-se e a produção agrícola diminuía. E assim diminuíam também os rendimentos, o poder e a influência da Nobreza. Lentamente, o dinheiro ganhava terreno aos privilégios de nascimento, e o centro da riqueza deslocava-se das actividades tradicionais ligadas ao campo para as novas actividades mais ligadas às cidades, como o comércio externo e o artesanato.
  • 12. Sonhando com os tempos da Reconquista, da ocupação territorial e da pilhagem, a Nobreza assistia à queda lenta do seu mundo e dos seus valores. Alguns nobres arruinados e mais realistas , os fidalgos - mercadores, tentavam adaptar-se aos novos tempos competindo com a Burguesia, em actividades que a tradição lhes vedava, como o comércio.
  • 13. O Clero, entretanto, aumentava significativamente a sua riqueza, beneficiando das dádivas dos que atingidos pela Peste, esperavam às portas da morte, poder comprar com donativos à Igreja, a salvação das suas almas. E como as terras e outros bens do Clero não pagavam impostos, com estas “doações” diminuíam os rendimentos da Coroa e dos Concelhos.
  • 14. ► As catedrais que por esta altura se construíram por toda a Europa, reflectindo o crescente poder da Igreja, foram em grande parte financiadas com o “comércio de Indulgências”. A venda de perdões. ► O Céu estava agora à disposição de quem o pudesse comprar. A CONStRUçãO BULA PAPAL DE DAS CAtEDRAIS INDULGÈNCIA
  • 15. O clima de paz que perdurou durante a primeira metade do séc. XIV em Portugal permitiu um desenvolvimento considerável a nível económico, sobretudo nas actividades ligadas à cidade.
  • 16. As cidades ou burgos cresceram muito, graças à protecção e aos benefícios que, desde cedo, os reis portugueses concederam aos seus moradores e às actividades que desenvolviam. ► A crescente importância do comércio, tanto interno como externo, para a economia do país explica a generosidade dos decretos reais neste domínio.
  • 17. Assim: Feiras, mercados continuaram a espalhar-se por todo o país, gozando de protecção real. A construção de navios mercantes de médio e grande porte foi estimulada, plantando-se pinhais, reduzindo-se o preço da madeira e os impostos.
  • 18. Os incentivos concedidos à criação de bolsas ( bancos ) de mercadores ( D. Dinis ), e seguros que cobriam os negócios de grande risco, tinham como objectivo não só aumentar as exportações portuguesas, mas também assegurar, pela importação, de forma mais duradoura, o acesso aos produtos de que o país mais precisava, principalmente os cereais.
  • 19. Foram-se , então, multiplicando os contactos dos mercadores portugueses com o estrangeiro. A norte, através do Atlântico e a sul cruzando o Mediterrâneo, tornou-se habitual a presença de negociantes portugueses nas grandes feiras internacionais.
  • 20. Mas estas medidas de apoio à Burguesia se, por um lado, respondiam a necessidades reais de um país em desenvolvimento, tinham também um outro objectivo ► Fortalecer um grupo social - a Burguesia, e por arrastamento o Povo - em que o rei se pudesse apoiar, para mais facilmente afirmar o seu poder face à crescente importância das principais famílias nobres.
  • 21. Entretanto, nos campos durante os séculos XIII e XIV, a política dos reis portugueses tentou promover e intensificar a produção de cereais, aumentando a área cultivada, através de arroteamentos e queimadas de bosques e matas , secando pântanos, e publicando leis que puniam o abandono ou subaproveitamento dos terrenos agrícolas.
  • 22. D. Fernando, para combater o abandono dos campos que se verificou durante o seu reinado, publicou em 1375, a chamada “ Lei das Sesmarias” que, entre outras medidas, obrigava os camponeses a aceitar os salários fixados pelos Terratenentes e Homens-Bons da região. ► Pretendia-se, assim, impedir a súbita subida dos salários exigidos pelos camponeses que agora queriam ser pagos como na cidade, em dinheiro e não em géneros, lutando por escolher livremente o seu empregador, ofício ou tarefa.
  • 23. A progressiva quebra dos laços feudais, assentes na servidão e na dependência, acentua-se nesta altura e está na origem da criação de uma nova mão de obra livre, desenraizada e não especializada que trabalha à tarefa, conforme as ofertas lhe vão ou não surgindo. ► A estes trabalhadores podemos chamar os primeiros “proletários”. ► Serão os descendentes destes jornaleiros do campo e dos construtores das igrejas e catedrais da época que, mais tarde, assegurarão o funcionamento das fábricas e máquinas durante a revolução industrial.
  • 25. ► O estilo Gótico, que se afirma na Europa entre os séculos XII e XV, marca uma evolução significativa em termos do domínio das formas e das técnicas por parte dos artistas da época face ao período românico. ► No novo gosto tudo é diferente. ► Se a Arquitectura Românica com o seu ar sólido e rústico, com as suas figuras toscas e ingénuas tinha sido erguida à escala humana, a Arquitectura Gótica pela sua altura, pela elegância das suas proporções e pela sua verticalidade parecia querer atingir o céu e aproximar-se de Deus.
  • 26. O interior das igrejas góticas, com as suas altas e elegantes naves separadas por colunas e arcos em forma de ogiva, cobre-se de cúpulas e abóbadas de nervuras. ► Pelas rosáceas e vitrais entram focos de luz que se cruzam e provocam a admiração dos presentes.
  • 27. ► No exterior, as esculturas do pórtico afirmavam a supremacia de Deus perante os homens e os demónios que com eles viviam. ► Mas agora não se confinam ao tímpano e capiteis. A parte esculpida distribui-se por toda a fachada e, por vezes, nem os arcos nem as colunas escapavam a tanta liturgia. ► Anjos, santos, homens, demónios, as gárgulas que do alto espreitam e o próprio Satanás parecem seres animados pelo realismo e pela perfeição das formas e efeitos de luz e sombra.
  • 28. Os elegantes pináculos apontam o caminho dos céus, mas a sua altura sublinha também a pequenez dos que os observam. ► Este é de resto um dos objectivos das suas imponentes fachadas e da exuberância dos seus elementos arquitectónicos e decorativos : ► Promover o pasmo e a consciência da sua insignificância nos homens, assegurando a sua obediência e passividade.
  • 29. Mais do que locais de oração e recolhimento, as igrejas góticas foram construídas para intimidar as populações face ao poder quer religioso quer temporal. ► A grandiosidade e riqueza do estilo gótico assinalam um tempo em que a igreja se afasta cada vez mais do povo, exibindo pela ostentação uma riqueza e um poder que não parava de crescer.
  • 30. No entanto, a construção das catedrais góticas constituía para a igreja um pesado encargo. E encargos, sobretudo económicos, eram coisa a que o Clero não estava habituado. Exibir o poder ficava caro e, quando se tratava de construir catedrais significava pagar em dinheiro a trabalhadores livres que através da suas organizações ( as Guildas ou corporações ) ditavam o preço por tarefa e dia de trabalho.
  • 31. Apesar de toda a influência, prestígio e poder de que a Igreja gozava, a construção destas catedrais só se tornou possível graças a uma generosa política de doações por parte dos reis e dos senhores feudais. E, claro, a venda de indulgências a que então recorreu, ajudou muito.