SlideShare uma empresa Scribd logo
Temas desenvolvidos:


 Crises e revolução no século XIV




    O expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV
• Caracteriza a crise do século XIV
     O século XIV foi uma época de dificuldade, ao contrário dos séculos
  anteriores que tinham sido períodos de grande desenvolvimento
  económico e muito próspero. Instalou-se a fome nos campos e cidades
  pois a população estava em rápido crescimento e a produção agrícola
  não aumentava ao mesmo ritmo por não ter continuado o processo de
  inovações técnicas e também devido às alterações climatéricas (mais
  frio e húmido). Vieram as doenças epidémicas (em que não havia
  resistência ao contágio), de todas as doenças a mais grave foi a Peste
  Negra que se espalhou por todos os países da Europa, atingindo um
  terço dos habitantes europeus.
      Como se isto não chegasse, houve a guerra que originou grande
  destruição, o mais grave e prolongado confronto foi entre a França e a
  Inglaterra (Guerra dos Cem Anos). Na Península Ibérica houve guerras
  entre Portugal e Castela.
Crises e revolução no século XIV
• Consequências da crise do século XIV
    A fome, as doenças e a guerra originaram graves consequências.
    A mais grave e catastrófica consequência foi a quebra demográfica
  devida à mortalidade provocada pela escassez de alimentos e pela Peste
  Negra. Instalou-se uma forte crise económica: o desenvolvimento foi
  interrompido, a produção diminuiu e muitas terras foram abandonadas.
    Nos campos houve uma subida de salários, pois havia muito menos
  camponeses que exigiam aos seus proprietários melhores condições de
  vida e melhores pagamentos. Por vezes, estes começaram com motins e
  revoltas contra os seus senhores.
Crises e revolução no século XIV


• Intervenção régia numa tentativa de
  solucionar a crise
    Os reis para satisfazer os grandes senhores estabeleceram leis de
  tabelamento de salários, isto é, D. Afonso IV e D. Fernando, através da
  Lei das Sesmarias, tentaram fixar os salários e obrigar a trabalhar nos
  campos quem tinha essa ocupação antes da peste.
    Estas leis de fixação de salários, o aumento dos impostos e outras
  formas de exploração que os grandes senhores procuravam impor aos
  camponeses provocaram grande descontentamento, assim os
  camponeses fixaram-se, deixando de procuram proprietários que
  pagassem melhor, permitindo melhor produção agrícola.
Crises e revolução no século XIV


• Descreve os acontecimentos que marcam a
  crise de 1383 a 1385
      O reinado de D. Fernando foi um período de muitas dificuldades e de
  agitação popular. A grave crise económica foi agravada por causa da
  guerra com Castela.
      D. Fernando morreu, em 1383, ficando D. Beatriz (sua filha), apenas
  com 11 anos de idade e casada com o rei de Castela. Por esta razão, D.
  Leonor Teles, mulher de D. Fernando, ficou como regente até que um
  filho de D. Beatriz atingisse a maioridade.
      A maior parte do povo e a baixa nobreza, aceitaram mal a nova
  situação política. Considerando que D. Leonor Teles representava os
  interesses de Castela e da grande nobreza.
     Por esta razão, alguns burgueses e elementos da baixa nobreza
  prepararam uma conspiração. Decidiram matar o Conde João Fernandes
  Andeiro, nobre galego e amante da rainha, que era o responsável pela
  política em vigor. Quem “matou” o Conde Andeiro foi D. João Mestre de
  Avis, filho ilegítimo de D. Pedro I. Em Lisboa, a arraia-miúda (artesão e
  assalariados) apoiaram a morte do Conde Andeiro e proclamaram o
  Mestre de Avis “regedor e defensor do reino” e os burgueses ricos
  aceitaram-no nesse cargo.
     A revolta popular manifestou-se contra os proprietários rurais e foi um
  grande conflito de trabalho. Estas revoltas, ao contrário de outros
  países, não foram reprimidas pela força, pois começou a guerra com
  Castela.
Crises e revolução no século XIV
• Descreve os acontecimentos que marcam a
  crise de 1383 a 1385
      Portanto, Portugal encontrava-se com um problema de sucessão ao
  trono. D. Beatriz era apoiada pela grande nobreza enquanto a pequena
  nobreza, a burguesia e as classes populares apoiavam D. João Mestre de
  Avis. A pedido de D. Leonor Teles, no início de 1384, o rei de Castela
  invadiu Portugal para defender o direito ao trono da sua mulher, D.
  Beatriz. Cercou a cidade com um grande exército, mas os habitantes de
  Portugal resistiram. No entanto, os castelhanos que faziam parte do
  exército foram vitimas de uma epidemia de peste, obrigando o rei de
  Castela a levantar o cerco.
     Durante o cerco, Nuno Álvares Pereira, à frente de um exército
  composto de camponeses conseguiu sair vitorioso contra os castelhanos
  na Batalha dos Atoleiros. Em Março de 1385 reuniram-se as cortes em
  Coimbra para discutir o direito ao trono. Os direitos do Mestre de Avis
  foram defendidos pelo doutor João das Regras e apesar da oposição da
  grande nobreza, D. João Mestre de Avis foi aclamado rei de Portugal,
  como D. João I.
      Mais tarde, Castela voltou a invadir Portugal com um poderoso
  exército. Esta batalha, a Batalha de Aljubarrota, foi vencida pelos
  portugueses comandados por D. João I que garantiu a independência de
  Portugal. Começando agora uma nova dinastia, a dinastia de Avis em
  que uma nobreza substituía a alta nobreza que apoiara o partido de
  Castela.
O expansionismo europeu
• Caracteriza o dinamismo económico do século
  XV
    Depois da grave crise do século XIV, Portugal entrou em meados do
  século XV num período de recuperação económica: deu-se, de novo, um
  crescimento da população e aumentou a produção agrícola e artesanal.
     As principais áreas comerciais continuavam a ser Flandres e cidades
  hanseáticas, assim como os portos do Mediterrâneo. As cidades
  italianas, principalmente Génova e Veneza adquiriram grande
  prosperidade pois contactavam com o mundo muçulmano conhecendo
  as especiarias, perfumes, tecidos de luxo da Índia e da China que eram
  trazidos para a Europa através das rotas do Levante. No início deste
  século o resto do mundo (para além da Europa), era desconhecido,
  ignorando o continente americano e tendo informações erradas de
  outras áreas, cheias de fantasia e de imprecisões de relatos de antigas
  viagens. Imaginava-se que nas regiões desconhecidas existiam inúmeros
  perigos , nascendo o mito do “mar tenebroso”. Os mitos surgiam
  quando não se conseguia justificar cientificamente qualquer coisa.
     Os mapas medievais apresentavam uma grande falta de rigor:
  ignorando a América e representando a África e a Ásia incorretamente.
  Prolongavam o continente africano muito para Sul, consideravam que o
  Atlântico e o Índico eram incomunicáveis e que este último formava uma
  espécie de lago.
O expansionismo europeu

• Indica as necessidades de expansão da Europa
  e as Portuguesas
        Como no mundo havia poucos contactos entre si, iniciou-se a
     expansão por iniciativa da Europa. Com os objetivos de:
    Encontrar ouro, pois devido ao crescimento das trocas comerciais era
     necessário maior quantidade de moeda. Este metal precioso não havia
     em abundância na Europa ao contrário da África.
    A necessidade de encontrar um acesso direto às especiarias e aos
     produtos de luxo do Oriente, que só se conseguia obter na Europa
     através dos muçulmanos, por isso procurava-se o caminho marítimo.
        Motivações específicas portuguesas (de caráter socioeconómico):
    Interesse nas atividades mercantis (burguesia e parte da nobreza) queria
     ter acesso a:
1.   Ouro africano, especiarias, açúcar e plantas tintureiras, assim como
     outras mercadorias caras e com grande procura na Europa;
2.   Escravos necessários após o período de crise em que faltava mão-de-
     obra;
3.   Cereais.

 A nobreza ambicionava continuar a guerra para aumentar os seus
  domínios senhoriais e obter novos cargos.
 O clero considerava ser a sua obrigação combater os muçulmanos e
  expandir a fé cristã.
O expansionismo europeu
• Caracteriza as condições de prioridade
  Portuguesa
   Portugal, tal como os outros países, sentia grande necessidade de se
  expandir e no início do século XV era Portugal que reunia as condições
  adequadas para a concretização desse desejo: condições geográficas,
  políticas, humanas, técnicas e científicas.
  Condições geográficas: Portugal fica situado no extremo ocidental da
  Europa, perto da costa de África e dos arquipélagos atlânticos,
  possuindo também uma longa fachada marítima e bons portos naturais.
  Condições políticas: estava em vigor uma nova dinastia (dinastia de
  Avis), com um reforço do poder régio e uma renovação de quadros
  dirigentes, abertos a novos desafios.
  Condições humanas: devido ao comércio a longa distância e à atividade
  de pesca existiam em Portugal marinheiros experientes.
  Condições técnicas: os portugueses dominavam a construção naval, foi
  aperfeiçoado o navio das viagens de descoberta: a caravela, uma
  embarcação com o leme fixo à popa e velas triangulares (velas latinas)
  que permitiam navegar com ventos contrários – bolinar.
  Condições científicas: como Portugal não expulsara os muçulmanos e os
  judeus do país, estes ensinaram aos portugueses a navegação
  astronómica, isto é, navegar no mar alto orientando-se pelos astros,
  utilizando alguns instrumentos como a bússola, o astrolábio e o
  quadrante.
O expansionismo europeu

• Porquê Ceuta?
   A expansão começou em 1415 com a conquista de Ceuta. Os
  portugueses escolheram-na pois esta cidade marroquina está localizada
  à entrada do estreito de Gibraltar, numa posição estratégica entre o mar
  Mediterrâneo e o Oceano Atlântico onde era intenso o corso
  muçulmano. Ceuta era um ativo centro de comércio, sendo um dos
  pontos de chegadas de rotas de caravanas que traziam ouro da região
  do deserto do Sara e situava-se numa zona rica em cereais.
    Esses aspetos atraíram os portugueses que queriam enfraquecer o
  poder militar dos muçulmanos e expandir a fé cristã.
O expansionismo europeu

• Ceuta, fracasso ou sucesso?
  A conquista de Ceuta fez-se com grande facilidade.
  Ceuta tornou-se num enorme fracasso económico, contudo foi um
  sucesso político. Em termos económicos tudo aquilo que era desejado
  desapareceu. As rotas caravaneiras foram desviadas, os campos de
  cereais foram queimados, o ouro africano nunca aí chegou e os ataques
  eram constantes. Em termos políticos esta conquista trouxe a afirmação
  de uma nova dinastia perante os seus pares europeus e perante o Papa,
  pois esta foi a primeira conquista em solo africano.
O expansionismo europeu


• Caracteriza o processo de exploração das ilhas
  atlânticas (Açores e Madeira)
    Nas primeiras viagens em direção à costa africana os portugueses
  chegaram aos arquipélagos da Madeira e Açores. Algumas ilhas destes
  arquipélagos já estavam representadas em mapas, portanto não foi a
  descoberta mas sim o reconhecimento ou redescoberta. Antes dos
  portugueses lá chegarem estes arquipélagos eram desabitados, deu-se
  então a colonização. Colonizar é desbravar, povoar e promover o
  desenvolvimento do local.
     D. Henrique, filho de D. João I, entregou a sua colonização a capitães
  donatários, isto é, elementos da pequena nobreza a quem eram doadas
  grandes extensões de território (uma ilha, ou parte dela). Tinha imenso
  poderes, entre eles incluía-se o direito de administrar a justiça, de
  cobrar impostos e distribuir terras aos povoadores que quisessem
  explorá-las. Os primeiros capitães-donatários da Madeira foram João
  Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, nos Açores foi Gonçalo Velho.
O expansionismo europeu

• Descreve a política africana de D. Afonso V
   O rei D. Afonso V, sucessor ao trono após a morte de D. Henrique, não
  sentia qualquer interesse pelas viagens de descoberta.
   Pressionado pelos nobres, o rei D. Afonso V promoveu várias
  expedições militares ao Norte de África, conquistando novas cidades
  marroquinas: Alcácer Ceguer e de Arzila e Tânger.
    A expansão marítima foi deixada à iniciativa particular. O comércio na
  costa de África foi arrendado, por cinco anos a Fernão Gomes, um rico
  mercador de Lisboa. Em troca, Fernão Gomes comprometia-se a
  descobrir em cada anos, cem léguas de costa e daria 200 mil reais ao rei.
    Durante o seu contrato explorou todo o Golfo da Guiné incluindo a
  costa da Mina, onde havia ouro em grande quantidade.
    descobriu-se também as ilhas de São Tomé, Príncipe, Fernando Pó e
  Ano Bom.
O expansionismo europeu

• Relaciona o objetivo de D. João II com as
  viagens por este patrocinadas
     Quando o poder passou para D. João II, este tinha um grande objetivo:
    atingir a Índia – e ele dispunha as condições necessárias para isso, o
    comércio da costa africana, sobretudo o ouro fornecia-lhe meios para
    financiar as expedições de descoberta assim como possuía os
    conhecimentos de geografia, astronomia e de cartografia essenciais para
    as viagens.
    Patrocinou portanto as seguintes viagens:
•   As viagens de Diogo Cão que explorou o litoral da Angola e chegou até
    Namíbia;
•   A expedição de Pêro da Covilhã e Afonso Paiva, enviados ao Oriente, por
    terra, para recolherem informações sobre a navegação e o comércio no
    oceano Índico;
•   A viagem de Bartolomeu Dias que ultrapassou o limite sul do continente
    africano, o Cabo da Boa Esperança.
     Assim, o objetivo de D. João II já estava quase conseguido graças às
    viagens que patrocinara, pois acabara de ligar o Oceano Atlântico e
    Índico e ficava quase certa a esperança de chegar à Índia.
O expansionismo europeu
• Descreve o Tratado de Tordesilhas
     A competição entre Portugal e Castela começou logo no início do século XVI,
  com a disputa acerca do arquipélago das Canárias. Com o tratado de Alcáçovas os
  portugueses desistiam de quaisquer pretensões sobre as Canárias, pois Castela
  reconhecia aos portugueses o domínio exclusivo dos territórios a sul daquelas
  ilhas. No entanto, com a descoberta da América por Cristóvão Colombo, houve
  complicações.
     Cristóvão Colombo ofereceu os seus serviços a D. João II, com o plano de
  atingir a Índia navegando para Ocidente, mas este recusou pois já tinha as suas
  informações e já sabia como lá chegar, por isso Cristóvão ofereceu os seus
  serviços a Espanha. Estes aceitaram e navegaram para ocidente, chegando a
  terras desconhecidas. Pensavam que tinham chegado á Índia, mas afinal era o
  continente americano.
     Mas aqui surgiu um problema, pois essas terras estavam a sul das ilhas
  Canárias, ou seja, fazendo a interpretação do tratado de Alcáçovas pertenciam
  aos portugueses. No entanto, os espanhóis tinham uma opinião diferente.
     O Papa, a única autoridade reconhecida internacionalmente, confirmou um
  acordo: Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494, que estabelecia a divisão do
  mundo em dois hemisférios, a partir de um meridiano que passava 370 léguas a
  ocidente das ilhas de Cabo Verde. Para oriente dessa linha as terras passavam a
  pertencer a Portugal; os que estivessem para ocidente pertenciam a Espanha.
  Esse acordo teve um lado positivo para Portugal, pois o território português
  incluía o Brasil.
O expansionismo europeu

• Como foi feita a exploração da costa africana e
  do oriente
    O objetivo dos portugueses não era conquistar nenhum estado,
  fixando-se apenas na zona litoral. Dedicavam-se ao comércio dos
  escravos, marfim e especiarias africanas. Estabelecendo feitorias, isto é,
  postos comerciais, em certos locais estratégicos da costa. A principal
  feitoria na África ocidental foi a de S. Jorge da Mina, no Golfo da Guiné,
  onde os portugueses compravam ouro, em troca de outras mercadorias.
    Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe eram completamente despovoados
  até à data da sua descoberta (pelos portugueses)
    A colonização de Cabo Verde foi lenta, onde se desenvolveu a criação
  de gado e agricultura, com o trabalho dos escravos.
    O clima de São Tomé e Príncipe é quente e húmido e o solo bastante
  fértil. Devido às doenças tropicais como a malária, a produção do açúcar
  fez-se devido ao trabalho de escravos.
    Os dois arquipélagos tornaram-se portanto, entrepostos do tráfico de
  escravos que eram adquiridos no litoral da África. Que depois eram
  também levados para a América e Europa.
     Nos arquipélagos atlânticos africanos a população foi cristianizada.
O expansionismo europeu
• Distingue a política dos vice-reis
    Os portugueses não tinham como objetivo fundar no Oriente um
  império territorial mas apenas um império comercial, assente no
  domínio dos mares. A principal oposição desse domínio veio dos
  muçulmanos, que controlavam o comércio asiático, através do mar
  Vermelho e do Golfo Pérsico. Com eles, os portugueses travaram no mar
  combates decisivos.
   O primeiro vice-rei da Índia, ou seja alguém que é governador da Índia,
  pertencente à alta nobreza, que recebe um título, foi D. Francisco de
  Almeida. (que dominava os mares)
    O segundo vice-rei da Índia foi Afonso de Albuquerque que procurou
  dominar algumas cidades, escolhidas estrategicamente. Foram, assim,
  conquistados três pontos-chave do comércio Oriental: Goa, Ormuz e
  Malaca.
    Portanto, a diferença política dos dois vice-reis é que enquanto um
  domina os mares, o outro domina a terra. Apesar de ambos terem o
  mesmo objetivo: pretendem estabelecer no Oceano Índico, durante
  quase um século, um regime de monopólio comercial, isto é, de domínio
  exclusivo do comércio.
O expansionismo europeu

• Elabora uma cronologia com as viagens mais
  marcantes no processo de exploração da costa
  africana, asiática e americana

  CONQUISTA              ANO             CONQUISTADOR/
                                         REINADO DE
  Ceuta                  1415            D. Henrique

  Madeira                Cerca de 1419   D. Henrique


  Açores                 Cerca de 1427   D. Henrique


  Alcácer Ceguer         1458            D. Afonso V
  Argila e Tânger        1471            D. Afonso V
  América                1492            Cristóvão Colombo
  Índia                  1498            Vasco da Gama

  Brasil                 1500            Pedro Álvares Cabral

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
Maria Gomes
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕESFicha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
ensinovirtual3ciclo
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
Ana Barreiros
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
Hist8
 
A crise do século XIV
A crise do século XIVA crise do século XIV
A crise do século XIV
Maria Gomes
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
Carla Teixeira
 
Uniao iberica
Uniao ibericaUniao iberica
Uniao iberica
cattonia
 
18 reconquista cristã e a formação de portugal
18   reconquista cristã e a formação de portugal18   reconquista cristã e a formação de portugal
18 reconquista cristã e a formação de portugal
Carla Freitas
 
A Reconquista
A ReconquistaA Reconquista
A Reconquista
Professores História
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
Anabela Sobral
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Zé Mário
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
CatarinaTavares28
 
As condições da expansão portuguesa
As condições da expansão portuguesaAs condições da expansão portuguesa
As condições da expansão portuguesa
Maria Gomes
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Nelson Faustino
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
Maria Gomes
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
helder33701
 

Mais procurados (20)

Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕESFicha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
 
A crise do século XIV
A crise do século XIVA crise do século XIV
A crise do século XIV
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
 
Uniao iberica
Uniao ibericaUniao iberica
Uniao iberica
 
18 reconquista cristã e a formação de portugal
18   reconquista cristã e a formação de portugal18   reconquista cristã e a formação de portugal
18 reconquista cristã e a formação de portugal
 
A Reconquista
A ReconquistaA Reconquista
A Reconquista
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
 
As condições da expansão portuguesa
As condições da expansão portuguesaAs condições da expansão portuguesa
As condições da expansão portuguesa
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
 

Destaque

Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
Vítor Santos
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
Susana Simões
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
borgia
 
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
Maria Gomes
 
Ensino virtual 3º ciclo - HISTÓRIA 8º ANO
Ensino virtual 3º ciclo - HISTÓRIA 8º ANOEnsino virtual 3º ciclo - HISTÓRIA 8º ANO
Ensino virtual 3º ciclo - HISTÓRIA 8º ANO
ensinovirtual3ciclo
 
A conquista de ceuta
A conquista de ceuta A conquista de ceuta
A conquista de ceuta
Maria Gomes
 
A Expansão Portuguesa
A Expansão PortuguesaA Expansão Portuguesa
A Expansão Portuguesa
guestd7ff71
 

Destaque (7)

Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
 
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
 
Ensino virtual 3º ciclo - HISTÓRIA 8º ANO
Ensino virtual 3º ciclo - HISTÓRIA 8º ANOEnsino virtual 3º ciclo - HISTÓRIA 8º ANO
Ensino virtual 3º ciclo - HISTÓRIA 8º ANO
 
A conquista de ceuta
A conquista de ceuta A conquista de ceuta
A conquista de ceuta
 
A Expansão Portuguesa
A Expansão PortuguesaA Expansão Portuguesa
A Expansão Portuguesa
 

Semelhante a Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu

História resumos
História resumosHistória resumos
História resumos
meggytoscano
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
Catarina Sequeira
 
Revisão de história 1º ano
Revisão de história 1º anoRevisão de história 1º ano
Revisão de história 1º ano
eunamahcado
 
Expansão Marítima e Comercial-2021
Expansão Marítima e Comercial-2021Expansão Marítima e Comercial-2021
Expansão Marítima e Comercial-2021
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Expansão marítima e comercial 2021
Expansão marítima e comercial 2021Expansão marítima e comercial 2021
Expansão marítima e comercial 2021
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
História de portugal1
História de portugal1História de portugal1
História de portugal1
EB Foros de Amora
 
História de Portugal
História de PortugalHistória de Portugal
História de Portugal
Vitor Matias
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
davidetavares
 
O Expansionismo Europeu
O Expansionismo EuropeuO Expansionismo Europeu
O Expansionismo Europeu
danielafirmino3
 
Expansão maritima e comercial europeia
Expansão maritima e comercial europeiaExpansão maritima e comercial europeia
Expansão maritima e comercial europeia
Adriana Gomes Messias
 
As Grandes Navegações
As Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações
As Grandes Navegações
Henrique Tobal Jr.
 
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Annarrocha
 
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Sandra Madeira
 
Apostila complementar módulo 1. ação 1 vs. história do Brasil
Apostila complementar módulo 1. ação 1 vs. história do BrasilApostila complementar módulo 1. ação 1 vs. história do Brasil
Apostila complementar módulo 1. ação 1 vs. história do Brasil
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Apontamentos de história
Apontamentos de históriaApontamentos de história
Apontamentos de história
meggy20
 
Expansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdfExpansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugal
gracindacasais
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
Henrique Tobal Jr.
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
ana2643232
 
CenáRio Europeu
CenáRio EuropeuCenáRio Europeu
CenáRio Europeu
bloghist
 

Semelhante a Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu (20)

História resumos
História resumosHistória resumos
História resumos
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
 
Revisão de história 1º ano
Revisão de história 1º anoRevisão de história 1º ano
Revisão de história 1º ano
 
Expansão Marítima e Comercial-2021
Expansão Marítima e Comercial-2021Expansão Marítima e Comercial-2021
Expansão Marítima e Comercial-2021
 
Expansão marítima e comercial 2021
Expansão marítima e comercial 2021Expansão marítima e comercial 2021
Expansão marítima e comercial 2021
 
História de portugal1
História de portugal1História de portugal1
História de portugal1
 
História de Portugal
História de PortugalHistória de Portugal
História de Portugal
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
O Expansionismo Europeu
O Expansionismo EuropeuO Expansionismo Europeu
O Expansionismo Europeu
 
Expansão maritima e comercial europeia
Expansão maritima e comercial europeiaExpansão maritima e comercial europeia
Expansão maritima e comercial europeia
 
As Grandes Navegações
As Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações
As Grandes Navegações
 
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9
 
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9
 
Apostila complementar módulo 1. ação 1 vs. história do Brasil
Apostila complementar módulo 1. ação 1 vs. história do BrasilApostila complementar módulo 1. ação 1 vs. história do Brasil
Apostila complementar módulo 1. ação 1 vs. história do Brasil
 
Apontamentos de história
Apontamentos de históriaApontamentos de história
Apontamentos de história
 
Expansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdfExpansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdf
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugal
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
CenáRio Europeu
CenáRio EuropeuCenáRio Europeu
CenáRio Europeu
 

Mais de inessalgado

Lírica de Camões
Lírica de CamõesLírica de Camões
Lírica de Camões
inessalgado
 
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasSegurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
inessalgado
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadas
inessalgado
 
Texto poético: características
Texto poético: característicasTexto poético: características
Texto poético: características
inessalgado
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
inessalgado
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursos
inessalgado
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
inessalgado
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
inessalgado
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
inessalgado
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
inessalgado
 
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
inessalgado
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
inessalgado
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
inessalgado
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
inessalgado
 
Célula, unidade de vida
Célula, unidade de vidaCélula, unidade de vida
Célula, unidade de vida
inessalgado
 
A publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciaA publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notícia
inessalgado
 
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioEspañol: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
inessalgado
 
Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)
inessalgado
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
inessalgado
 
Erosão fluvial
 Erosão fluvial Erosão fluvial
Erosão fluvial
inessalgado
 

Mais de inessalgado (20)

Lírica de Camões
Lírica de CamõesLírica de Camões
Lírica de Camões
 
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasSegurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadas
 
Texto poético: características
Texto poético: característicasTexto poético: características
Texto poético: características
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursos
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
 
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Célula, unidade de vida
Célula, unidade de vidaCélula, unidade de vida
Célula, unidade de vida
 
A publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciaA publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notícia
 
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioEspañol: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
 
Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 
Erosão fluvial
 Erosão fluvial Erosão fluvial
Erosão fluvial
 

Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu

  • 1. Temas desenvolvidos: Crises e revolução no século XIV O expansionismo europeu
  • 2. Crises e revolução no século XIV • Caracteriza a crise do século XIV O século XIV foi uma época de dificuldade, ao contrário dos séculos anteriores que tinham sido períodos de grande desenvolvimento económico e muito próspero. Instalou-se a fome nos campos e cidades pois a população estava em rápido crescimento e a produção agrícola não aumentava ao mesmo ritmo por não ter continuado o processo de inovações técnicas e também devido às alterações climatéricas (mais frio e húmido). Vieram as doenças epidémicas (em que não havia resistência ao contágio), de todas as doenças a mais grave foi a Peste Negra que se espalhou por todos os países da Europa, atingindo um terço dos habitantes europeus. Como se isto não chegasse, houve a guerra que originou grande destruição, o mais grave e prolongado confronto foi entre a França e a Inglaterra (Guerra dos Cem Anos). Na Península Ibérica houve guerras entre Portugal e Castela.
  • 3. Crises e revolução no século XIV • Consequências da crise do século XIV A fome, as doenças e a guerra originaram graves consequências. A mais grave e catastrófica consequência foi a quebra demográfica devida à mortalidade provocada pela escassez de alimentos e pela Peste Negra. Instalou-se uma forte crise económica: o desenvolvimento foi interrompido, a produção diminuiu e muitas terras foram abandonadas. Nos campos houve uma subida de salários, pois havia muito menos camponeses que exigiam aos seus proprietários melhores condições de vida e melhores pagamentos. Por vezes, estes começaram com motins e revoltas contra os seus senhores.
  • 4. Crises e revolução no século XIV • Intervenção régia numa tentativa de solucionar a crise Os reis para satisfazer os grandes senhores estabeleceram leis de tabelamento de salários, isto é, D. Afonso IV e D. Fernando, através da Lei das Sesmarias, tentaram fixar os salários e obrigar a trabalhar nos campos quem tinha essa ocupação antes da peste. Estas leis de fixação de salários, o aumento dos impostos e outras formas de exploração que os grandes senhores procuravam impor aos camponeses provocaram grande descontentamento, assim os camponeses fixaram-se, deixando de procuram proprietários que pagassem melhor, permitindo melhor produção agrícola.
  • 5. Crises e revolução no século XIV • Descreve os acontecimentos que marcam a crise de 1383 a 1385 O reinado de D. Fernando foi um período de muitas dificuldades e de agitação popular. A grave crise económica foi agravada por causa da guerra com Castela. D. Fernando morreu, em 1383, ficando D. Beatriz (sua filha), apenas com 11 anos de idade e casada com o rei de Castela. Por esta razão, D. Leonor Teles, mulher de D. Fernando, ficou como regente até que um filho de D. Beatriz atingisse a maioridade. A maior parte do povo e a baixa nobreza, aceitaram mal a nova situação política. Considerando que D. Leonor Teles representava os interesses de Castela e da grande nobreza. Por esta razão, alguns burgueses e elementos da baixa nobreza prepararam uma conspiração. Decidiram matar o Conde João Fernandes Andeiro, nobre galego e amante da rainha, que era o responsável pela política em vigor. Quem “matou” o Conde Andeiro foi D. João Mestre de Avis, filho ilegítimo de D. Pedro I. Em Lisboa, a arraia-miúda (artesão e assalariados) apoiaram a morte do Conde Andeiro e proclamaram o Mestre de Avis “regedor e defensor do reino” e os burgueses ricos aceitaram-no nesse cargo. A revolta popular manifestou-se contra os proprietários rurais e foi um grande conflito de trabalho. Estas revoltas, ao contrário de outros países, não foram reprimidas pela força, pois começou a guerra com Castela.
  • 6. Crises e revolução no século XIV • Descreve os acontecimentos que marcam a crise de 1383 a 1385 Portanto, Portugal encontrava-se com um problema de sucessão ao trono. D. Beatriz era apoiada pela grande nobreza enquanto a pequena nobreza, a burguesia e as classes populares apoiavam D. João Mestre de Avis. A pedido de D. Leonor Teles, no início de 1384, o rei de Castela invadiu Portugal para defender o direito ao trono da sua mulher, D. Beatriz. Cercou a cidade com um grande exército, mas os habitantes de Portugal resistiram. No entanto, os castelhanos que faziam parte do exército foram vitimas de uma epidemia de peste, obrigando o rei de Castela a levantar o cerco. Durante o cerco, Nuno Álvares Pereira, à frente de um exército composto de camponeses conseguiu sair vitorioso contra os castelhanos na Batalha dos Atoleiros. Em Março de 1385 reuniram-se as cortes em Coimbra para discutir o direito ao trono. Os direitos do Mestre de Avis foram defendidos pelo doutor João das Regras e apesar da oposição da grande nobreza, D. João Mestre de Avis foi aclamado rei de Portugal, como D. João I. Mais tarde, Castela voltou a invadir Portugal com um poderoso exército. Esta batalha, a Batalha de Aljubarrota, foi vencida pelos portugueses comandados por D. João I que garantiu a independência de Portugal. Começando agora uma nova dinastia, a dinastia de Avis em que uma nobreza substituía a alta nobreza que apoiara o partido de Castela.
  • 7. O expansionismo europeu • Caracteriza o dinamismo económico do século XV Depois da grave crise do século XIV, Portugal entrou em meados do século XV num período de recuperação económica: deu-se, de novo, um crescimento da população e aumentou a produção agrícola e artesanal. As principais áreas comerciais continuavam a ser Flandres e cidades hanseáticas, assim como os portos do Mediterrâneo. As cidades italianas, principalmente Génova e Veneza adquiriram grande prosperidade pois contactavam com o mundo muçulmano conhecendo as especiarias, perfumes, tecidos de luxo da Índia e da China que eram trazidos para a Europa através das rotas do Levante. No início deste século o resto do mundo (para além da Europa), era desconhecido, ignorando o continente americano e tendo informações erradas de outras áreas, cheias de fantasia e de imprecisões de relatos de antigas viagens. Imaginava-se que nas regiões desconhecidas existiam inúmeros perigos , nascendo o mito do “mar tenebroso”. Os mitos surgiam quando não se conseguia justificar cientificamente qualquer coisa. Os mapas medievais apresentavam uma grande falta de rigor: ignorando a América e representando a África e a Ásia incorretamente. Prolongavam o continente africano muito para Sul, consideravam que o Atlântico e o Índico eram incomunicáveis e que este último formava uma espécie de lago.
  • 8. O expansionismo europeu • Indica as necessidades de expansão da Europa e as Portuguesas Como no mundo havia poucos contactos entre si, iniciou-se a expansão por iniciativa da Europa. Com os objetivos de:  Encontrar ouro, pois devido ao crescimento das trocas comerciais era necessário maior quantidade de moeda. Este metal precioso não havia em abundância na Europa ao contrário da África.  A necessidade de encontrar um acesso direto às especiarias e aos produtos de luxo do Oriente, que só se conseguia obter na Europa através dos muçulmanos, por isso procurava-se o caminho marítimo. Motivações específicas portuguesas (de caráter socioeconómico):  Interesse nas atividades mercantis (burguesia e parte da nobreza) queria ter acesso a: 1. Ouro africano, especiarias, açúcar e plantas tintureiras, assim como outras mercadorias caras e com grande procura na Europa; 2. Escravos necessários após o período de crise em que faltava mão-de- obra; 3. Cereais.  A nobreza ambicionava continuar a guerra para aumentar os seus domínios senhoriais e obter novos cargos.  O clero considerava ser a sua obrigação combater os muçulmanos e expandir a fé cristã.
  • 9. O expansionismo europeu • Caracteriza as condições de prioridade Portuguesa Portugal, tal como os outros países, sentia grande necessidade de se expandir e no início do século XV era Portugal que reunia as condições adequadas para a concretização desse desejo: condições geográficas, políticas, humanas, técnicas e científicas. Condições geográficas: Portugal fica situado no extremo ocidental da Europa, perto da costa de África e dos arquipélagos atlânticos, possuindo também uma longa fachada marítima e bons portos naturais. Condições políticas: estava em vigor uma nova dinastia (dinastia de Avis), com um reforço do poder régio e uma renovação de quadros dirigentes, abertos a novos desafios. Condições humanas: devido ao comércio a longa distância e à atividade de pesca existiam em Portugal marinheiros experientes. Condições técnicas: os portugueses dominavam a construção naval, foi aperfeiçoado o navio das viagens de descoberta: a caravela, uma embarcação com o leme fixo à popa e velas triangulares (velas latinas) que permitiam navegar com ventos contrários – bolinar. Condições científicas: como Portugal não expulsara os muçulmanos e os judeus do país, estes ensinaram aos portugueses a navegação astronómica, isto é, navegar no mar alto orientando-se pelos astros, utilizando alguns instrumentos como a bússola, o astrolábio e o quadrante.
  • 10. O expansionismo europeu • Porquê Ceuta? A expansão começou em 1415 com a conquista de Ceuta. Os portugueses escolheram-na pois esta cidade marroquina está localizada à entrada do estreito de Gibraltar, numa posição estratégica entre o mar Mediterrâneo e o Oceano Atlântico onde era intenso o corso muçulmano. Ceuta era um ativo centro de comércio, sendo um dos pontos de chegadas de rotas de caravanas que traziam ouro da região do deserto do Sara e situava-se numa zona rica em cereais. Esses aspetos atraíram os portugueses que queriam enfraquecer o poder militar dos muçulmanos e expandir a fé cristã.
  • 11. O expansionismo europeu • Ceuta, fracasso ou sucesso? A conquista de Ceuta fez-se com grande facilidade. Ceuta tornou-se num enorme fracasso económico, contudo foi um sucesso político. Em termos económicos tudo aquilo que era desejado desapareceu. As rotas caravaneiras foram desviadas, os campos de cereais foram queimados, o ouro africano nunca aí chegou e os ataques eram constantes. Em termos políticos esta conquista trouxe a afirmação de uma nova dinastia perante os seus pares europeus e perante o Papa, pois esta foi a primeira conquista em solo africano.
  • 12. O expansionismo europeu • Caracteriza o processo de exploração das ilhas atlânticas (Açores e Madeira) Nas primeiras viagens em direção à costa africana os portugueses chegaram aos arquipélagos da Madeira e Açores. Algumas ilhas destes arquipélagos já estavam representadas em mapas, portanto não foi a descoberta mas sim o reconhecimento ou redescoberta. Antes dos portugueses lá chegarem estes arquipélagos eram desabitados, deu-se então a colonização. Colonizar é desbravar, povoar e promover o desenvolvimento do local. D. Henrique, filho de D. João I, entregou a sua colonização a capitães donatários, isto é, elementos da pequena nobreza a quem eram doadas grandes extensões de território (uma ilha, ou parte dela). Tinha imenso poderes, entre eles incluía-se o direito de administrar a justiça, de cobrar impostos e distribuir terras aos povoadores que quisessem explorá-las. Os primeiros capitães-donatários da Madeira foram João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, nos Açores foi Gonçalo Velho.
  • 13. O expansionismo europeu • Descreve a política africana de D. Afonso V O rei D. Afonso V, sucessor ao trono após a morte de D. Henrique, não sentia qualquer interesse pelas viagens de descoberta. Pressionado pelos nobres, o rei D. Afonso V promoveu várias expedições militares ao Norte de África, conquistando novas cidades marroquinas: Alcácer Ceguer e de Arzila e Tânger. A expansão marítima foi deixada à iniciativa particular. O comércio na costa de África foi arrendado, por cinco anos a Fernão Gomes, um rico mercador de Lisboa. Em troca, Fernão Gomes comprometia-se a descobrir em cada anos, cem léguas de costa e daria 200 mil reais ao rei. Durante o seu contrato explorou todo o Golfo da Guiné incluindo a costa da Mina, onde havia ouro em grande quantidade. descobriu-se também as ilhas de São Tomé, Príncipe, Fernando Pó e Ano Bom.
  • 14. O expansionismo europeu • Relaciona o objetivo de D. João II com as viagens por este patrocinadas Quando o poder passou para D. João II, este tinha um grande objetivo: atingir a Índia – e ele dispunha as condições necessárias para isso, o comércio da costa africana, sobretudo o ouro fornecia-lhe meios para financiar as expedições de descoberta assim como possuía os conhecimentos de geografia, astronomia e de cartografia essenciais para as viagens. Patrocinou portanto as seguintes viagens: • As viagens de Diogo Cão que explorou o litoral da Angola e chegou até Namíbia; • A expedição de Pêro da Covilhã e Afonso Paiva, enviados ao Oriente, por terra, para recolherem informações sobre a navegação e o comércio no oceano Índico; • A viagem de Bartolomeu Dias que ultrapassou o limite sul do continente africano, o Cabo da Boa Esperança. Assim, o objetivo de D. João II já estava quase conseguido graças às viagens que patrocinara, pois acabara de ligar o Oceano Atlântico e Índico e ficava quase certa a esperança de chegar à Índia.
  • 15. O expansionismo europeu • Descreve o Tratado de Tordesilhas A competição entre Portugal e Castela começou logo no início do século XVI, com a disputa acerca do arquipélago das Canárias. Com o tratado de Alcáçovas os portugueses desistiam de quaisquer pretensões sobre as Canárias, pois Castela reconhecia aos portugueses o domínio exclusivo dos territórios a sul daquelas ilhas. No entanto, com a descoberta da América por Cristóvão Colombo, houve complicações. Cristóvão Colombo ofereceu os seus serviços a D. João II, com o plano de atingir a Índia navegando para Ocidente, mas este recusou pois já tinha as suas informações e já sabia como lá chegar, por isso Cristóvão ofereceu os seus serviços a Espanha. Estes aceitaram e navegaram para ocidente, chegando a terras desconhecidas. Pensavam que tinham chegado á Índia, mas afinal era o continente americano. Mas aqui surgiu um problema, pois essas terras estavam a sul das ilhas Canárias, ou seja, fazendo a interpretação do tratado de Alcáçovas pertenciam aos portugueses. No entanto, os espanhóis tinham uma opinião diferente. O Papa, a única autoridade reconhecida internacionalmente, confirmou um acordo: Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494, que estabelecia a divisão do mundo em dois hemisférios, a partir de um meridiano que passava 370 léguas a ocidente das ilhas de Cabo Verde. Para oriente dessa linha as terras passavam a pertencer a Portugal; os que estivessem para ocidente pertenciam a Espanha. Esse acordo teve um lado positivo para Portugal, pois o território português incluía o Brasil.
  • 16. O expansionismo europeu • Como foi feita a exploração da costa africana e do oriente O objetivo dos portugueses não era conquistar nenhum estado, fixando-se apenas na zona litoral. Dedicavam-se ao comércio dos escravos, marfim e especiarias africanas. Estabelecendo feitorias, isto é, postos comerciais, em certos locais estratégicos da costa. A principal feitoria na África ocidental foi a de S. Jorge da Mina, no Golfo da Guiné, onde os portugueses compravam ouro, em troca de outras mercadorias. Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe eram completamente despovoados até à data da sua descoberta (pelos portugueses) A colonização de Cabo Verde foi lenta, onde se desenvolveu a criação de gado e agricultura, com o trabalho dos escravos. O clima de São Tomé e Príncipe é quente e húmido e o solo bastante fértil. Devido às doenças tropicais como a malária, a produção do açúcar fez-se devido ao trabalho de escravos. Os dois arquipélagos tornaram-se portanto, entrepostos do tráfico de escravos que eram adquiridos no litoral da África. Que depois eram também levados para a América e Europa. Nos arquipélagos atlânticos africanos a população foi cristianizada.
  • 17. O expansionismo europeu • Distingue a política dos vice-reis Os portugueses não tinham como objetivo fundar no Oriente um império territorial mas apenas um império comercial, assente no domínio dos mares. A principal oposição desse domínio veio dos muçulmanos, que controlavam o comércio asiático, através do mar Vermelho e do Golfo Pérsico. Com eles, os portugueses travaram no mar combates decisivos. O primeiro vice-rei da Índia, ou seja alguém que é governador da Índia, pertencente à alta nobreza, que recebe um título, foi D. Francisco de Almeida. (que dominava os mares) O segundo vice-rei da Índia foi Afonso de Albuquerque que procurou dominar algumas cidades, escolhidas estrategicamente. Foram, assim, conquistados três pontos-chave do comércio Oriental: Goa, Ormuz e Malaca. Portanto, a diferença política dos dois vice-reis é que enquanto um domina os mares, o outro domina a terra. Apesar de ambos terem o mesmo objetivo: pretendem estabelecer no Oceano Índico, durante quase um século, um regime de monopólio comercial, isto é, de domínio exclusivo do comércio.
  • 18. O expansionismo europeu • Elabora uma cronologia com as viagens mais marcantes no processo de exploração da costa africana, asiática e americana CONQUISTA ANO CONQUISTADOR/ REINADO DE Ceuta 1415 D. Henrique Madeira Cerca de 1419 D. Henrique Açores Cerca de 1427 D. Henrique Alcácer Ceguer 1458 D. Afonso V Argila e Tânger 1471 D. Afonso V América 1492 Cristóvão Colombo Índia 1498 Vasco da Gama Brasil 1500 Pedro Álvares Cabral