SlideShare uma empresa Scribd logo
REVOLUÇÃO RUSSA
1. Introdução:
o Inspiração na utopia marxista.
o Sonho da sociedade igualitária.
o Expressão da luta de classes.
o Alternativa ao Capitalismo.
o Fase 1 – Março/1917 – Burguesa.
o Fase 2 – Outubro/1917 – Popular.
2. Contexto:
A – Político Czarismo (Dinastia Romanov)
o Absolutismo.
o Autocracia.
o Despotismo.
o Repressão.
o Tirania.
Czar Nicolau II
B – Social:
o Estrutura feudal.
o Concentração de terras.
o Privilégios para a nobreza feudal
(Alto Clero, Militares, Burocratas).
o Exploração dos camponeses.
o Desemprego generalizado.
o Operários explorados.
Burguesia X Proletariado
o Burguesia desejava estruturas
capitalistas para industrialização.
o Operários explorados exigiam
direitos trabalhistas.
“Não nos é possível ser instruídos porque não há escolas
e, desde a infância, devemos trabalhar por um salário
ínfimo...Desde os nove anos somos obrigados a ir para a
usina...nós nos vendemos ao capitalista por um pedaço de
pão preto, guardas nos agridem a socos e cacetadas, nos
alimentamos mal, nos sufocamos com a poeira e o ar
viciado, dormimos no chão atormentados pelos vermes...”
(Um trabalhador russo – Início do séc. XX.)
C – Econômico:
o Industrialização tardia.
o Capitalismo dependente.
o Estrutura feudal inviabilizava a
Revolução Industrial burguesa.
o Participação da Rússia na 1ª
Guerra agravava o caos social e
econômico.
Grigori Rasputin (1869 – 1916):
o Monge e místico, salvou o filho do
Czar (Alexei) de hemofilia.
o Devasso, adorava orgias.
o Adorado pela Czarina Alexandra
passou a ter grande influência
política, o que gerou revolta e
oposição até a sua morte.
3. Estrutura Partidária:
Partido Socialista Revolucionário
o Várias correntes de oposição.
Partido Constitucional Democrata Kadete:
o Burguesia liberal.
o Monarquia Parlamentarista.
Partido Operário Socialista Democrático Russo
o Tendência marxista.
o Dissolvido e líderes banidos.
o Oposição ao Czarismo.
o No II Congresso ocorreu a divisão
em duas correntes (1903).
Mencheviques (Minoria)
o Líder: Martov.
o A Revolução Socialista só depois de uma
Revolução Democrática e Burguesa.
o Modernização com o Liberalismo depois
implantariam o Socialismo.
Bolcheviques (Maioria)
o Líder: Lênin.
o Revolução Proletária.
o Luta armada.
o Aliança: operários e camponeses.
o Burguesia incapaz de assumir a
liderança da Revolução.
Lev Davidovich Bronstein (Leon Trotsky) defendia a ditadura
do proletariado e a revolução permanente. A partir de 1917
tornou –se um dos principais líderes do Partido bolchevique.
VLADIMIR LÊNIN
LÍDER BOLCHEVIQUE
4. Revolução de 1905: Guerra Russo – Japonesa
O ensaio geral da Revolução
o Guerra Russo – Japonesa pelo domínio da Coréia e
Manchúria.
o Meta: ampliar domínios russos.
o Rússia foi derrotada.
o Fracasso militar e oposição.
Encouraçado Potemkim
A Revolta dos Marinheiros
o Marinheiros famintos batiam em
seus pratos exigindo comida e
melhores condições de vida.
O Czar apressou – se em assinar um tratado de
paz com o Japão, reconhecendo a derrota russa e
entregando ao Japão parte da Ilha Sakalina, a
Península de Laotung e reconhecendo a posse
japonesa sobre a Coréia.
Domingo Sangrento:
o Multidão dirigiu – se ao Palácio
de Inverno reivindicando melhores
condições de vida e trabalho.
o Um ato pacífico foi transformado
em massacre, tingindo a neve de
vermelho.
o Estopim para novas revoltas.
DOMINGO SANGRENTO/ MASSACRE DE OPERÁRIOS
5. Manifesto de Outubro:
A manobra política de Nicolau II
o Instalar a Duma (Parlamento).
o Acatar Monarquia Constitucional Parlamentarista.
o A Assembleia Constituinte faria a Constituição para
limitar o Czar.
Absolutismo em ação:
o Duma simbólica e fraca.
o Repressão e violência mantidas.
o Voto censitário excluía os pobres.
o Os Sovietes (Conselhos) eram a esperança Socialista
dos pobres.
o Rússia persiste na 1ª Guerra.
Crise insustentável:
o Sovietes reivindicam participação política.
o Stolypin (1º Ministro) foi morto por um anarquista.
o O clima era de radicalização.
o A repressão só aumentava e os Sovietes foram
dissolvidos.
o A situação levou à Revolução.
6 – Revoluções de 1917:
A – Menchevique:
o Fase burguesa – Março/1917.
o Nicolau II forçado a renunciar.
o Kerensky apoiado pela burguesia.
Governo Provisório – oposição:
o Não fez reforma agrária.
o Manteve a Rússia na 1ª Guerra.
B – Bolchevique – Outubro/1917:
Fase Popular – o povo no poder
Teses de Abril
“Paz, Terra e Pão.”
“Todo poder aos sovietes”.
o A Guarda Vermelha de Trotsky
depôs o Governo Provisório e os
bolcheviques tomaram o poder.
LÊNIN FALA AO POVO
“PAZ, TERRA, PÃO”
7 – Governo de Lênin – 1917/1924
o Afastamento da burguesia.
o Sovietes fortalecidos.
o Medidas socialistas.
Tratado Brest – Litovsky
o Paz com a Alemanha.
o Rússia sai da 1ª Guerra Mundial.
Comunismo de Guerra:
o Confisco de bens privados.
o Reforma agrária.
o Estatização de empresas.
o Congelamento de preços.
o Fim da moeda.
o Fim da economia de mercado.
OS TRÊS “CAMARADAS”
STÁLIN, LÊNIN, TROTSKY
Contra – Revolução:
Guerra Civil – 1918 a 1920
o Liberais e Czaristas se opõem às reformas
comunistas.
o A contra – revolução conta com o apoio de Inglaterra –
Japão – EUA e França (Exército Branco).
o O Exército Vermelho vence.
NEP – Nova Política Econômica:
“Dar um passo atrás para dar dois à frente.” (Lênin)
o Medidas Socialistas e Capitalistas para garantir a
transição gradual ao Socialismo e Comunismo.
o Polônia: um “cordão sanitário” imposto pelos vizinhos
isolando a Rússia do restante da Europa.
Medidas da N.E.P.
o Fim dos confiscos.
o Planejamento Estatal.
o Liberdade comercial.
o Escala de salários.
o Capitais estrangeiros.
o Estado: indústrias de base, saúde, educação, bancos,
comércio, etc.
A RÚSSIA SE TRANSFORMA EM URSS - 1922
X
STÁLIN TROTSKY
APÓS A MORTE DE LÊNIN (1924) DISPUTA E MORTE
Projetos antagônicos:
Stálin
o Consolidar internamente o
Socialismo e expandi – lo depois.
Trotsky
o Defendia Revolução Permanente
para levá – la à Europa.
Trotsky foi derrotado e fugiu para o México, onde
foi assassinado em 1940, a mando de Stálin.
7 – Stálin – 1924 a 1953.
o Eliminou a oposição.
o Implantou a Ditadura de Estado.
o Outorgou a Constituição.
o Seu lema: “todo poder ao P.C.”.
o Governou usando repressão e
violência.
o Implantou a Planificação.
Planificação Econômica:
o Gosbank: Banco Estatal.
o Gosplan: Planejamento Estatal.
o Criou planos quinquenais.
o Metas: aço, petróleo, ferro.
o Modernizou o Estado.
o Militarizou o Estado.
Kolkhoses:
o Fazendas coletivas.
Sovkhoses:
o Fazendas estatais.
STALINISMO
Transformou – se em sinônimo de personalismo e ditadura. Tirano, perseguiu e eliminou
seus adversários. Transformou a URSS numa potência econômica e militar. Foi em seu
governo que Hitler mandou invadir a Rússia e forçou a sua entrada na 2ª Guerra Mundial.
Morreu em 1953 após grave derrame cerebral e longa agonia.
STÁLIN E HITLER : CASAMENTO QUASE PERFEITO
“O AMOR QUE TU ME TINHAS ERA VIDRO E SE QUEBROU”
POTÊNCIA ECONÔMICA, MILITAR E POLÍTICA
NADA COMO UM DIA APÓS O OUTRO I
NADA COMO UM DIA APÓS O OUTRO II

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
Rodrigo Luiz
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
Isabel Aguiar
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Valéria Shoujofan
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
Isaquel Silva
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
Edenilson Morais
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.
Privada
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
Paulo Alexandre
 
Ascensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismoAscensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismo
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferentePPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
josafaslima
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
Isabel Aguiar
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
josafaslima
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
Fabiana Tonsis
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
Eduard Henry
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
Isabel Aguiar
 
Ditaduras na america latina
Ditaduras na america latinaDitaduras na america latina
Ditaduras na america latina
Isabel Aguiar
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Douglas Barraqui
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
Ascensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismoAscensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismo
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferentePPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
 
Ditaduras na america latina
Ditaduras na america latinaDitaduras na america latina
Ditaduras na america latina
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 

Semelhante a Revolucao russa

Revolução russa de 1917 pdf
Revolução russa de 1917 pdfRevolução russa de 1917 pdf
Revolução russa de 1917 pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revoluçao Russa
Revoluçao RussaRevoluçao Russa
Revoluçao Russa
Terceirao1
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
Janayna Lira
 
Revolucao russa22
Revolucao russa22Revolucao russa22
Revolucao russa22
Bruno-machado Bruno
 
Revolucao russa
Revolucao russaRevolucao russa
Revolucao russa
Edenilson Morais
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
Janayna Lira
 
Revolução russa chinesa e cubana.filé
Revolução russa chinesa e cubana.filéRevolução russa chinesa e cubana.filé
Revolução russa chinesa e cubana.filé
mundica broda
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
Rose Vital
 
21
2121
Revolução Russa.pptx
Revolução Russa.pptxRevolução Russa.pptx
Revolução Russa.pptx
JacksonFrigotto
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
Cristina Soares
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
winterverno
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolucão Russa
Revolucão RussaRevolucão Russa
Revolucão Russa
Edenilson Morais
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Joao Victor Soares Gusmão
 
Russia
RussiaRussia
Revolução Russa.pptx
Revolução Russa.pptxRevolução Russa.pptx
Revolução Russa.pptx
Andrea Silva
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviética
Carlos Vieira
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
dmflores21
 

Semelhante a Revolucao russa (20)

Revolução russa de 1917 pdf
Revolução russa de 1917 pdfRevolução russa de 1917 pdf
Revolução russa de 1917 pdf
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
 
Revoluçao Russa
Revoluçao RussaRevoluçao Russa
Revoluçao Russa
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Revolucao russa22
Revolucao russa22Revolucao russa22
Revolucao russa22
 
Revolucao russa
Revolucao russaRevolucao russa
Revolucao russa
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Revolução russa chinesa e cubana.filé
Revolução russa chinesa e cubana.filéRevolução russa chinesa e cubana.filé
Revolução russa chinesa e cubana.filé
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
 
21
2121
21
 
Revolução Russa.pptx
Revolução Russa.pptxRevolução Russa.pptx
Revolução Russa.pptx
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolucão Russa
Revolucão RussaRevolucão Russa
Revolucão Russa
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Russia
RussiaRussia
Russia
 
Revolução Russa.pptx
Revolução Russa.pptxRevolução Russa.pptx
Revolução Russa.pptx
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviética
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 

Mais de Paulo Alexandre

Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Paulo Alexandre
 
El idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de BrasilEl idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de Brasil
Paulo Alexandre
 
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
Paulo Alexandre
 
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBESNATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
Paulo Alexandre
 
Saludos en Quéchua
Saludos en QuéchuaSaludos en Quéchua
Saludos en Quéchua
Paulo Alexandre
 
El Guarani en Paraguay
El Guarani en ParaguayEl Guarani en Paraguay
El Guarani en Paraguay
Paulo Alexandre
 
Espelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricosEspelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricos
Paulo Alexandre
 
Conectaaí
ConectaaíConectaaí
Conectaaí
Paulo Alexandre
 
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2
Paulo Alexandre
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
Paulo Alexandre
 
Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2
Paulo Alexandre
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade social
Paulo Alexandre
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
Paulo Alexandre
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Comunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadaniaComunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadania
Paulo Alexandre
 

Mais de Paulo Alexandre (20)

Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1
 
El idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de BrasilEl idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de Brasil
 
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBESNATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
 
Saludos en Quéchua
Saludos en QuéchuaSaludos en Quéchua
Saludos en Quéchua
 
El Guarani en Paraguay
El Guarani en ParaguayEl Guarani en Paraguay
El Guarani en Paraguay
 
Espelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricosEspelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricos
 
Conectaaí
ConectaaíConectaaí
Conectaaí
 
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
 
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
 
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
 
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
 
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
 
Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade social
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Comunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadaniaComunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadania
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Revolucao russa

  • 2. 1. Introdução: o Inspiração na utopia marxista. o Sonho da sociedade igualitária. o Expressão da luta de classes. o Alternativa ao Capitalismo. o Fase 1 – Março/1917 – Burguesa. o Fase 2 – Outubro/1917 – Popular.
  • 3. 2. Contexto: A – Político Czarismo (Dinastia Romanov) o Absolutismo. o Autocracia. o Despotismo. o Repressão. o Tirania.
  • 5. B – Social: o Estrutura feudal. o Concentração de terras. o Privilégios para a nobreza feudal (Alto Clero, Militares, Burocratas). o Exploração dos camponeses. o Desemprego generalizado. o Operários explorados.
  • 6. Burguesia X Proletariado o Burguesia desejava estruturas capitalistas para industrialização. o Operários explorados exigiam direitos trabalhistas. “Não nos é possível ser instruídos porque não há escolas e, desde a infância, devemos trabalhar por um salário ínfimo...Desde os nove anos somos obrigados a ir para a usina...nós nos vendemos ao capitalista por um pedaço de pão preto, guardas nos agridem a socos e cacetadas, nos alimentamos mal, nos sufocamos com a poeira e o ar viciado, dormimos no chão atormentados pelos vermes...” (Um trabalhador russo – Início do séc. XX.)
  • 7.
  • 8. C – Econômico: o Industrialização tardia. o Capitalismo dependente. o Estrutura feudal inviabilizava a Revolução Industrial burguesa. o Participação da Rússia na 1ª Guerra agravava o caos social e econômico.
  • 9. Grigori Rasputin (1869 – 1916): o Monge e místico, salvou o filho do Czar (Alexei) de hemofilia. o Devasso, adorava orgias. o Adorado pela Czarina Alexandra passou a ter grande influência política, o que gerou revolta e oposição até a sua morte. 3. Estrutura Partidária: Partido Socialista Revolucionário o Várias correntes de oposição. Partido Constitucional Democrata Kadete: o Burguesia liberal. o Monarquia Parlamentarista.
  • 10. Partido Operário Socialista Democrático Russo o Tendência marxista. o Dissolvido e líderes banidos. o Oposição ao Czarismo. o No II Congresso ocorreu a divisão em duas correntes (1903). Mencheviques (Minoria) o Líder: Martov. o A Revolução Socialista só depois de uma Revolução Democrática e Burguesa. o Modernização com o Liberalismo depois implantariam o Socialismo.
  • 11. Bolcheviques (Maioria) o Líder: Lênin. o Revolução Proletária. o Luta armada. o Aliança: operários e camponeses. o Burguesia incapaz de assumir a liderança da Revolução. Lev Davidovich Bronstein (Leon Trotsky) defendia a ditadura do proletariado e a revolução permanente. A partir de 1917 tornou –se um dos principais líderes do Partido bolchevique.
  • 12. VLADIMIR LÊNIN LÍDER BOLCHEVIQUE 4. Revolução de 1905: Guerra Russo – Japonesa O ensaio geral da Revolução o Guerra Russo – Japonesa pelo domínio da Coréia e Manchúria. o Meta: ampliar domínios russos. o Rússia foi derrotada. o Fracasso militar e oposição.
  • 13. Encouraçado Potemkim A Revolta dos Marinheiros o Marinheiros famintos batiam em seus pratos exigindo comida e melhores condições de vida. O Czar apressou – se em assinar um tratado de paz com o Japão, reconhecendo a derrota russa e entregando ao Japão parte da Ilha Sakalina, a Península de Laotung e reconhecendo a posse japonesa sobre a Coréia.
  • 14. Domingo Sangrento: o Multidão dirigiu – se ao Palácio de Inverno reivindicando melhores condições de vida e trabalho. o Um ato pacífico foi transformado em massacre, tingindo a neve de vermelho. o Estopim para novas revoltas.
  • 16. 5. Manifesto de Outubro: A manobra política de Nicolau II o Instalar a Duma (Parlamento). o Acatar Monarquia Constitucional Parlamentarista. o A Assembleia Constituinte faria a Constituição para limitar o Czar. Absolutismo em ação: o Duma simbólica e fraca. o Repressão e violência mantidas. o Voto censitário excluía os pobres. o Os Sovietes (Conselhos) eram a esperança Socialista dos pobres. o Rússia persiste na 1ª Guerra.
  • 17. Crise insustentável: o Sovietes reivindicam participação política. o Stolypin (1º Ministro) foi morto por um anarquista. o O clima era de radicalização. o A repressão só aumentava e os Sovietes foram dissolvidos. o A situação levou à Revolução. 6 – Revoluções de 1917: A – Menchevique: o Fase burguesa – Março/1917. o Nicolau II forçado a renunciar. o Kerensky apoiado pela burguesia. Governo Provisório – oposição: o Não fez reforma agrária. o Manteve a Rússia na 1ª Guerra.
  • 18. B – Bolchevique – Outubro/1917: Fase Popular – o povo no poder Teses de Abril “Paz, Terra e Pão.” “Todo poder aos sovietes”. o A Guarda Vermelha de Trotsky depôs o Governo Provisório e os bolcheviques tomaram o poder. LÊNIN FALA AO POVO “PAZ, TERRA, PÃO”
  • 19. 7 – Governo de Lênin – 1917/1924 o Afastamento da burguesia. o Sovietes fortalecidos. o Medidas socialistas. Tratado Brest – Litovsky o Paz com a Alemanha. o Rússia sai da 1ª Guerra Mundial. Comunismo de Guerra: o Confisco de bens privados. o Reforma agrária. o Estatização de empresas. o Congelamento de preços. o Fim da moeda. o Fim da economia de mercado.
  • 21. Contra – Revolução: Guerra Civil – 1918 a 1920 o Liberais e Czaristas se opõem às reformas comunistas. o A contra – revolução conta com o apoio de Inglaterra – Japão – EUA e França (Exército Branco). o O Exército Vermelho vence. NEP – Nova Política Econômica: “Dar um passo atrás para dar dois à frente.” (Lênin) o Medidas Socialistas e Capitalistas para garantir a transição gradual ao Socialismo e Comunismo. o Polônia: um “cordão sanitário” imposto pelos vizinhos isolando a Rússia do restante da Europa.
  • 22. Medidas da N.E.P. o Fim dos confiscos. o Planejamento Estatal. o Liberdade comercial. o Escala de salários. o Capitais estrangeiros. o Estado: indústrias de base, saúde, educação, bancos, comércio, etc. A RÚSSIA SE TRANSFORMA EM URSS - 1922
  • 23. X STÁLIN TROTSKY APÓS A MORTE DE LÊNIN (1924) DISPUTA E MORTE
  • 24. Projetos antagônicos: Stálin o Consolidar internamente o Socialismo e expandi – lo depois. Trotsky o Defendia Revolução Permanente para levá – la à Europa. Trotsky foi derrotado e fugiu para o México, onde foi assassinado em 1940, a mando de Stálin.
  • 25. 7 – Stálin – 1924 a 1953. o Eliminou a oposição. o Implantou a Ditadura de Estado. o Outorgou a Constituição. o Seu lema: “todo poder ao P.C.”. o Governou usando repressão e violência. o Implantou a Planificação.
  • 26. Planificação Econômica: o Gosbank: Banco Estatal. o Gosplan: Planejamento Estatal. o Criou planos quinquenais. o Metas: aço, petróleo, ferro. o Modernizou o Estado. o Militarizou o Estado. Kolkhoses: o Fazendas coletivas. Sovkhoses: o Fazendas estatais. STALINISMO Transformou – se em sinônimo de personalismo e ditadura. Tirano, perseguiu e eliminou seus adversários. Transformou a URSS numa potência econômica e militar. Foi em seu governo que Hitler mandou invadir a Rússia e forçou a sua entrada na 2ª Guerra Mundial. Morreu em 1953 após grave derrame cerebral e longa agonia.
  • 27. STÁLIN E HITLER : CASAMENTO QUASE PERFEITO
  • 28. “O AMOR QUE TU ME TINHAS ERA VIDRO E SE QUEBROU”
  • 29.
  • 31. NADA COMO UM DIA APÓS O OUTRO I
  • 32. NADA COMO UM DIA APÓS O OUTRO II