SlideShare uma empresa Scribd logo
OS ANOS REBELDESOS ANOS REBELDES
(no Brasil e no Mundo)(no Brasil e no Mundo)
III- Estratégias de contestação:III- Estratégias de contestação:
““Luta Armada” e Contracultura (“Paz e Amor”)Luta Armada” e Contracultura (“Paz e Amor”)
I- Geral:I- Geral:
• Década de 1960 e parte da de 1970: período de sonhos e utopias, onde
os jovens da época contestavam, das mais variadas formas, a ordem
social, econômica (capitalismo), política e cultural então vigentes,
propondo, em seu lugar, novas formas de se comportar, de se relacionar e
de intervir no mundo.
 Busca de soluções para mudar o mundo.Busca de soluções para mudar o mundo.
II.a) “Luta Armada”:II.a) “Luta Armada”:
• Ideal:Ideal: sonho com o fim do Capitalismo e elaboração de sociedades
igualitárias e fraternas.
• Métodos:Métodos:
- passeatas;
- jornais alternativos;
- conscientização popular;
- militantes de partidos políticos;
- grupos guerrilheiros.
• Influência:Influência: Revolução Cubana de 1959.
Revolução Cubana (1959):
• Definição: movimento armado de aspiração socialista liderado por FidelFidel
CastroCastro e Che GuevaraChe Guevara que acabou com a dependência cubana em relação
os EUA e com o poder das elites agroexportadoras cubanas.
• Alinhamento: com o Bloco Socialista/Comunista (URSS).
• Conseqüências da Revolução:
• melhorias sociais para a população da ilha;
• histeria anticomunista nos demais países americanos;
• bloqueio econômico do Bloco Capitalista à Cuba, agravando a crise
do país pós o fim da URSS;
• experiência revolucionária cubana influenciou outros
movimentos na América.
http://www.youtube.com/watch?v=sLuRr4lOsXs
II.b) Contracultura (“Paz e Amor”):II.b) Contracultura (“Paz e Amor”):
• HIPPIE:HIPPIE: movimento que pretendia mudar o mundo através da alteração demovimento que pretendia mudar o mundo através da alteração de
valores, das mentalidades e das atitudes cotidianasvalores, das mentalidades e das atitudes cotidianas.
• Influências: - Guerra do Vietnã;
- Guerra Fria (militarismo);
- Era nuclear;
http://www.youtube.com/watch?v=gM5dU-oKFes
Proposta dos hippes:
Trocar: o acúmulo de capital e de propriedades privadas, o domínio do
homem pelas máquinas, armas e pela sociedade de consumo.
Para: a vida simples, privilegiando a busca do prazer, a alegria, a
integração com a natureza, desprezando todos os meios de dominação
e controle. Trocar a força das armas pelo poder da flor.
Lema: “PAZ e AMOR”“PAZ e AMOR”
http://www.youtube.com/watch?v=gM5dU-oKFes
• WOODSTOCK FESTIVALWOODSTOCK FESTIVAL:: emblema dos anos 60 e do movimento de
contracultura. Aristas participantes:Aristas participantes: Jimi Hendrix, Santana, Joe Cocker, Janis Joplin, etc.
http://br.youtube.com/watch?v=MFLy8eGtSYo
- Hino dos anos 60: Blowin’ in the windBlowin’ in the wind, de Bob Dylan, de Bob Dylan
“música de protesto” Before they're allowed to be free?
Antes de poderem ser livres?
Yes and how many times can a man turn his head,
Sim e quantas vezes um homem pode virar a cabeça
Pretend that he just doesn't see?
Fingir que ele não vê
The answer, my friend, is blowin' in the wind
A resposta, meu amigo, está voando no vento
The answer is blowin' in the wind.
A resposta está voando no vento
Yes and how many times must a man look up,
Sim e quantas vezes um homem deve olhar pra cima
Before he can see the sky?
Antes de conseguir ver o céu?
Yes and how many ears must one man have,
Sim e quantos ouvidos um homem deve ter
Before he can hear people cry?
Pra poder conseguir ouvir as pessoas chorarem?
Yes and how many deaths will it take till he knows
Sim e quantas mortes serão necessárias até ele
saber
That too many people have died?
Que pessoas demais morreram?
The answer, my friend, is blowin' in the wind
A resposta, meu amigo, está voando no vento
The answer is blowin' in the wind
A resposta está voando no vento
Blowin’ in the windBlowin’ in the wind
Soprando o ventoSoprando o vento
How many roads must a man walk down,
Quantas estradas um homem deve percorrer
Before you call him a man?
Pra poder ser chamado de homem?
How many seas must a white dove sail,
Quantos oceanos uma pomba branca deve navegar
Before she sleeps in the sand?
Pra poder dormir na areia?
Yes and how many times must cannonballs fly,
Sim e quantas vezes as bolas de canhão devem voar
Before they're forever banned?
Antes de serem banidas pra sempre?
The answer, my friend, is blowin' in the wind
A resposta, meu amigo, está voando no vento
The answer is blowin' in the wind
A resposta está voando no vento
Yes and how many years can a mountain exist,
Sim e por quantos anos uma montanha pode existir
Before it's washed to the seas (sea)
Antes de ser lavada pelos oceanos?
Yes and how many years can some people exist,
Sim e por quantos anos algumas pessoas devem existir
• ““I have a dream”:I have a dream”: a luta contra o preconceito raciala luta contra o preconceito racial
líder: Martin Luther KingMartin Luther King.
Objetivo: buscar a igualdade racial nos EUA.
Resultado: aprovação da Lei dos Diretos Civis, proibindo a
segregação social em lugares públicos, prática antes legal nos EUA.
Assassinato de Luther King.
http://www.youtube.com/watch?v=yCLCyvF9p7g&feature=related
''Eu estou contente em unir-me com vocês no dia que entrará para
a história como a maior demonstração pela liberdade na história de
nossa nação. (...)
Eu tenho um sonho que um dia esta nação se levantará e viverá o
verdadeiro significado de sua crença - nós celebraremos estas
verdades e elas serão claras para todos, que os homens são
criados iguais. Eu tenho um sonho que um dia nas colinas
vermelhas da Geórgia os filhos dos descendentes de escravos e os
filhos dos desdentes dos donos de escravos poderão se sentar
junto à mesa da fraternidade. (...). Eu tenho um sonho que minhas
quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde
elas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu
caráter. Eu tenho um sonho hoje! Eu tenho um sonho que um dia,
no Alabama, com seus racistas malignos, com seu governador que
tem os lábios gotejando palavras de intervenção e negação; nesse
justo dia no Alabama meninos negros e meninas negras poderão
unir as mãos com meninos brancos e meninas brancas como irmãs
e irmãos. Eu tenho um sonho (...).”
(28 de agosto de 1963)
• Maio de 1968 na França:Maio de 1968 na França:
- estudantes criticam o sistema
educacional e político francês.
- operários e estudantes se uniram
para protestar nas ruas de Paris.
• Primavera de Praga:Primavera de Praga:
- estudantes da Tchecoslováquia
protestam contra a dominação
soviética.
- demonstração de que a
opressão não era apenas do
Bloco Capitalista.
III- Cultura brasileira nos anos 1960 e 1970:III- Cultura brasileira nos anos 1960 e 1970: trevas e luzestrevas e luzes
III.a) Contexto interno:
• 1964: início da Ditadura Militar
• 1968  - 28/03: morte do estudante Edson Luis
- 26/06: “Passeata dos Cem Mil”
- 03/09: discurso do deputado Marcio Moreira Alves (MDB)
- 02/10: conflito entre os estudantes da USP e do Mackenzie
- 12/10: prisões de estudantes no Congresso da UNE em Ibiúna/SP
- 13/12: decretado o Ato Institucional n.º 5 (AI-5)
O movimento de contracultura ganha força no
Brasil como uma forma de reação a repressão
e ao endurecimento do Regime Militar.
III.b) Formas de Contracultura no Brasil:III.b) Formas de Contracultura no Brasil:
• Cinema Novo:
Objetivo: tentar revolucionar o cinema brasileiro (estética e conteúdo).
Cineastas mais famosos: Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Santos e Ruy Guerra.
Características: antiimperialista; anticapitalista; denuncia do
subdesenvolvimento e da miséria de país; e defesa da justiça social e do
nacionalismo.
Filmes: Terra em Transe (1967) e Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), de Glauber
Rocha, Vidas Secas (1963), de Pereira dos Santos.
http://www.youtube.com/watch?v=DzhHDRHGBkI&feature=related
• Música na décadas de 1960 e 1970:Música na décadas de 1960 e 1970:
Jovem Guarda:
- movimento profundamente influenciado pelo
rock e pelo pop internacional.
- principal cantor: Roberto Carlos.
- canções apolitizadas e alienadas, como:
Entrei na Rua Augusta
A 120 por hora
Toquei a turma toda
Do passeio prá fora
Com 3 pneus carecas
Sem usar a buzina
Parei a quatro dedos
Da esquina
Falou!
Vai! Vai! Johnny
Vai! Vai! Alfredo
Quem é da nossa gangue
Não tem medo...(2x)
Meu carro não tem breque
Não tem luz
Não tem buzina
Tem 3 carburadores
Todos os 3 envenenados
Só pára na subida
Quando falta a gasolina
Só passa se tiver
Sinal fechado
Tremendão!
Vai! Vai! Johnny
Vai! Vai! Alfredo
Quem é da nossa gangue
Não tem medo...(2x)
Toquei a 130
Com destino a cidade
No Anhangabaú
Botei mais velocidade
Com três pneus carecas
Derrapando na raia
Subi a Galeria Prestes Maia
Tremendão!
Vai! Vai! Johnny
Vai! Vai! Alfredo
Quem é da nossa gangue
Não tem medo...(2x)
Bossa Nova:Bossa Nova:
- movimento surgido na década de 1950.
- cantores: Tom Jobim, Vinícius de Moraes,
etc.
- canções apolitizadas e alienadas, como:
Olha que coisa mais linda
Mais cheia de graça
É ela menina
Que vem e que passa
Num doce balanço, a caminho do mar
Moça do corpo dourado
Do sol de Ipanema
O seu balançado é mais que um poema
É a coisa mais linda que eu já vi passar
Ah, porque estou tão sozinho
Ah, porque tudo é tão triste
Ah, a beleza que existe
A beleza que não é só minha
E também passa sozinha
Ah, se ela soubesse
Que quando ela passa
O mundo interinho se enche de graça
E fica mais lindo
Por causa do amor
Tropicalismo:Tropicalismo: movimento musical que propunha a fusão da música “de
raiz” com estilos estrangeiros.
• Temas não se restringiam a política.
• Cantores: Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Nara Leão, Os Mutantes
(Rita Lee) e o maestro Rogério Druprat.
Viva a mata
Ta, ta
Viva a mulata
Ta, ta, ta, ta...(2x)
No pátio interno há uma piscina
Com água azul de Amaralina
Coqueiro, brisa
E fala nordestina
E faróis
Na mão direita tem uma roseira
Autenticando eterna primavera
E no jardim os urubus passeiam
A tarde inteira
Entre os girassóis...
Viva Maria
Ia, ia
Viva a Bahia
Ia, ia, ia, ia...(2x)
No pulso esquerdo o bang-bang
Em suas veias corre
Muito pouco sangue
Mas seu coração
Balança um samba de tamborim
Emite acordes dissonantes
Pelos cinco mil alto-falantes
Senhoras e senhores
Ele põe os olhos grandes
Sobre mim...
Viva Iracema
Ma, ma
Viva Ipanema
Ma, ma, ma, ma...(2x)
Domingo é o fino-da-bossa
Segunda-feira está na fossa
Terça-feira vai à roça
Porém!
O monumento é bem moderno
Não disse nada do modelo
Do meu terno
Que tudo mais vá pro inferno
Meu bem!
Que tudo mais vá pro inferno
Meu bem!...
Viva a banda
Da, da
Carmem Miranda
Da, da, da, da...(3x)
(Caetano Veloso)
Tropicália:
Sobre a cabeça os aviões
Sob os meus pés os caminhões
Aponta contra os chapadões
Meu nariz
Eu organizo o movimento
Eu oriento o carnaval
Eu inauguro o monumento
No planalto central do país...
Viva a bossa
Sa, sa
Viva a palhoça
Ca, ça, ça, ça...(2x)
O monumento
É de papel crepom e prata
Os olhos verdes da mulata
A cabeleira esconde
Atrás da verde mata
O luar do sertão
O monumento não tem porta
A entrada é uma rua antiga
Estreita e torta
E no joelho uma criança
Sorridente, feia e morta
Estende a mão...
Alegria, Alegria
Caetano Veloso
Caminhando contra o vento
Sem lenço e sem documento
No sol de quase dezembro
Eu vou...
O sol se reparte em crimes
Espaçonaves, guerrilhas
Em cardinales bonitas
Eu vou...
Em caras de presidentes
Em grandes beijos de amor
Em dentes, pernas, bandeiras
Bomba e Brigitte Bardot...
O sol nas bancas de revista
Me enche de alegria e preguiça
Quem lê tanta notícia
Eu vou...
Por entre fotos e nomes
Os olhos cheios de cores
O peito cheio de amores vãos
Eu vou
Por que não, por que não...
Ela pensa em casamento
E eu nunca mais fui à escola
Sem lenço e sem documento,
Eu vou...
Eu tomo uma coca-cola
Ela pensa em casamento
E uma canção me consola
Eu vou...
Por entre fotos e nomes
Sem livros e sem fuzil
Sem fome, sem telefone
No coração do Brasil...
Ela nem sabe até pensei
Em cantar na televisão
O sol é tão bonito
Eu vou...
Sem lenço, sem documento
Nada no bolso ou nas mãos
Eu quero seguir vivendo, amor
Eu vou...
Por que não, por que não...
Por que não, por que não...
Por que não, por que não...
Por que não, por que não...
Músicas de protesto:Músicas de protesto:
- cantadas principalmente nos Festivais.
- grande engajamento político.
http://www.youtube.com/watch?v=D_cQz6IElgc
Pra não dizer que não falei de Flores
Geraldo Vandré
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção...
Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...(2x)
Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão...
Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...(2x)
Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição:
De morrer pela pátria
E viver sem razão...
Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...(2x)
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados
Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não...
Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição...
Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...(4x)
Metáforas para driblar a Ditadura Militar:Metáforas para driblar a Ditadura Militar:
- muitos artistas utilizaram pseudônimos e metáforas em suas letras para enganar a censura.
Exemplo: Chico Buarque vira Julinho de Adelaide
Cálice
Chico Buarque
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue...(2x)
Como beber
Dessa bebida amarga
Tragar a dor
Engolir a labuta
Mesmo calada a boca
Resta o peito
Silêncio na cidade
Não se escuta
De que me vale
Ser filho da santa
Melhor seria
Ser filho da outra
Outra realidade
Menos morta
Tanta mentira
Tanta força bruta...
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue...
Como é difícil
Acordar calado
Se na calada da noite
Eu me dano
Quero lançar
Um grito desumano
Que é uma maneira
De ser escutado
Esse silêncio todo
Me atordoa
Atordoado
Eu permaneço atento
Na arquibancada
Prá a qualquer momento
Ver emergir
O monstro da lagoa...
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue...
De muito gorda
A porca já não anda
(Cálice!)
De muito usada
A faca já não corta
Como é difícil
Pai, abrir a porta
(Cálice!)
Essa palavra
Presa na garganta
Esse pileque
Homérico no mundo
De que adianta
Ter boa vontade
Mesmo calado o peito
Resta a cuca
Dos bêbados
Do centro da cidade...
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue...
Talvez o mundo
Não seja pequeno
(Cálice!)
Nem seja a vida
Um fato consumado
(Cálice!)
Quero inventar
O meu próprio pecado
(Cálice!)
Quero morrer
Do meu próprio veneno
(Pai! Cálice!)
Quero perder de vez
Tua cabeça
(Cálice!)
Minha cabeça
Perder teu juízo
(Cálice!)
Quero cheirar fumaça
De óleo diesel
(Cálice!)
Me embriagar
Até que alguém me esqueça
(Cálice!)
Acorda Amor
Chico Buarque
Acorda amor
Eu tive um pesadelo agora
Sonhei que tinha gente lá fora
Batendo no portão, que aflição
Era a dura, numa muito escura viatura
Minha nossa santa criatura
Chame, chame, chame lá
Chame, chame o ladrão, chame o ladrão
Acorda amor
Não é mais pesadelo nada
Tem gente já no vão de escada
Fazendo confusão, que aflição
São os homens
E eu aqui parado de pijama
Eu não gosto de passar vexame
Chame, chame, chame
Chame o ladrão, chame o ladrão
Se eu demorar uns meses
Convém, às vezes, você sofrer
Mas depois de um ano eu não vindo
Ponha a roupa de domingo
E pode me esquecer
Acorda amor
Que o bicho é brabo e não sossega
Se você corre o bicho pega
Se fica não sei não
Atenção
Não demora
Dia desses chega a sua hora
Não discuta à toa não reclame
Clame, chame lá, chame, chame
Chame o ladrão, chame o ladrão, chame o ladrão
(Não esqueça a escova, o sabonete e o violão)
IV- A aldeia global:IV- A aldeia global:
Anos 60: popularização da TV no Brasil.
Conseqüências: - mudanças de hábitos entre os brasileiros.
- difusão do estilo de vida paulista e carioca (sede das transmissoras de TV).
- impressionante crescimento da Rede Globo, uma das aliadas da Ditadura.
“Eu acredito muito nas formas culturais de
educação política. Imagino que muitas vezes uma
música educa muito mais do que trinta aulas de
história, quarenta discursos, dez passeatas.”
(Hebert de Souza, sociólogo)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Fatima Freitas
 
O golpe de 1964
O golpe de 1964O golpe de 1964
O golpe de 1964
Edenilson Morais
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
Rodrigo Luiz
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
O Governo JK
O Governo JKO Governo JK
O Governo JK
liveofwarrior
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
Edenilson Morais
 
resumo: Era vargas
resumo: Era vargasresumo: Era vargas
resumo: Era vargas
Lucas Reis
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
rsaloes
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
Rodrigo Luiz
 
Ditaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - ResumoDitaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - Resumo
Alinnie Moreira
 
Revolta da vacina
Revolta da vacinaRevolta da vacina
Revolta da vacina
poxalivs
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
Prof. Noe Assunção
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Elaine Bogo Pavani
 
Década de 60
Década de 60Década de 60
Década de 60
dinicmax
 
Guerra do Vietnã
Guerra do VietnãGuerra do Vietnã
Guerra do Vietnã
Isaquel Silva
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
Daniel Alves Bronstrup
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
Isaquel Silva
 

Mais procurados (20)

Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
O golpe de 1964
O golpe de 1964O golpe de 1964
O golpe de 1964
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
 
O Governo JK
O Governo JKO Governo JK
O Governo JK
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 
resumo: Era vargas
resumo: Era vargasresumo: Era vargas
resumo: Era vargas
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 
Ditaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - ResumoDitaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - Resumo
 
Revolta da vacina
Revolta da vacinaRevolta da vacina
Revolta da vacina
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Década de 60
Década de 60Década de 60
Década de 60
 
Guerra do Vietnã
Guerra do VietnãGuerra do Vietnã
Guerra do Vietnã
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
 

Semelhante a Anos rebeldes 1960 e 1970

Anos rebeldes
Anos rebeldesAnos rebeldes
Anos rebeldes
margosanta
 
Módulo 6 TEATRO -DITADURA MILITAR
Módulo 6 TEATRO -DITADURA MILITARMódulo 6 TEATRO -DITADURA MILITAR
Módulo 6 TEATRO -DITADURA MILITAR
Priscila Santana
 
Módulo 6 teatro ditadura militar
Módulo 6 teatro ditadura militarMódulo 6 teatro ditadura militar
Módulo 6 teatro ditadura militar
stuff5678
 
Módulo 5 teatro ditadura militar
Módulo  5  teatro ditadura militarMódulo  5  teatro ditadura militar
Módulo 5 teatro ditadura militar
Priscila Santana
 
Módulo 5 teatro ditadura militar
Módulo  5  teatro ditadura militarMódulo  5  teatro ditadura militar
Módulo 5 teatro ditadura militar
stuff5678
 
Prova 3 ano 3 bimestre historia
Prova 3 ano 3 bimestre historiaProva 3 ano 3 bimestre historia
Prova 3 ano 3 bimestre historia
Atividades Diversas Cláudia
 
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
Curso Livre Redação-Eliani Martins
 
Ebook as melhores listas de história
Ebook as melhores listas de históriaEbook as melhores listas de história
Ebook as melhores listas de história
Raquel Tavares
 
Regime militar
Regime militarRegime militar
Regime militar
Ramiro Bicca
 
Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)
Rose Vital
 
Fiquei pensando como o mundo estava quando eu nasci
Fiquei pensando como o mundo estava quando eu nasciFiquei pensando como o mundo estava quando eu nasci
Fiquei pensando como o mundo estava quando eu nasci
Escola Estadual
 
Usos e costumes da ditadura militar
Usos e costumes da ditadura militar Usos e costumes da ditadura militar
Usos e costumes da ditadura militar
Renata Cabral
 
Usos e costumes da ditadura militar
Usos e costumes da ditadura militarUsos e costumes da ditadura militar
Usos e costumes da ditadura militar
Danilovaldivia
 
Revista Blogs Edição 006/2013
Revista Blogs Edição 006/2013Revista Blogs Edição 006/2013
Revista Blogs Edição 006/2013
RevistaBlogs
 
A ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasilA ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasil
jefersonsd
 
Ditadura Militar no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
Ditadura Militar no Brasil - Prof.Altair Aguilar.Ditadura Militar no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
Ditadura Militar no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Jb news informativo nr. 1092
Jb news   informativo nr. 1092Jb news   informativo nr. 1092
Jb news informativo nr. 1092
JBNews
 
6c o papel_dos_movimentos_culturais
6c o papel_dos_movimentos_culturais6c o papel_dos_movimentos_culturais
6c o papel_dos_movimentos_culturais
der-nader-777
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
angelamoliveira
 
Change is gonna come
Change is gonna comeChange is gonna come
Change is gonna come
Bruno Rodrigues
 

Semelhante a Anos rebeldes 1960 e 1970 (20)

Anos rebeldes
Anos rebeldesAnos rebeldes
Anos rebeldes
 
Módulo 6 TEATRO -DITADURA MILITAR
Módulo 6 TEATRO -DITADURA MILITARMódulo 6 TEATRO -DITADURA MILITAR
Módulo 6 TEATRO -DITADURA MILITAR
 
Módulo 6 teatro ditadura militar
Módulo 6 teatro ditadura militarMódulo 6 teatro ditadura militar
Módulo 6 teatro ditadura militar
 
Módulo 5 teatro ditadura militar
Módulo  5  teatro ditadura militarMódulo  5  teatro ditadura militar
Módulo 5 teatro ditadura militar
 
Módulo 5 teatro ditadura militar
Módulo  5  teatro ditadura militarMódulo  5  teatro ditadura militar
Módulo 5 teatro ditadura militar
 
Prova 3 ano 3 bimestre historia
Prova 3 ano 3 bimestre historiaProva 3 ano 3 bimestre historia
Prova 3 ano 3 bimestre historia
 
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
 
Ebook as melhores listas de história
Ebook as melhores listas de históriaEbook as melhores listas de história
Ebook as melhores listas de história
 
Regime militar
Regime militarRegime militar
Regime militar
 
Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)
 
Fiquei pensando como o mundo estava quando eu nasci
Fiquei pensando como o mundo estava quando eu nasciFiquei pensando como o mundo estava quando eu nasci
Fiquei pensando como o mundo estava quando eu nasci
 
Usos e costumes da ditadura militar
Usos e costumes da ditadura militar Usos e costumes da ditadura militar
Usos e costumes da ditadura militar
 
Usos e costumes da ditadura militar
Usos e costumes da ditadura militarUsos e costumes da ditadura militar
Usos e costumes da ditadura militar
 
Revista Blogs Edição 006/2013
Revista Blogs Edição 006/2013Revista Blogs Edição 006/2013
Revista Blogs Edição 006/2013
 
A ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasilA ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasil
 
Ditadura Militar no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
Ditadura Militar no Brasil - Prof.Altair Aguilar.Ditadura Militar no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
Ditadura Militar no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
 
Jb news informativo nr. 1092
Jb news   informativo nr. 1092Jb news   informativo nr. 1092
Jb news informativo nr. 1092
 
6c o papel_dos_movimentos_culturais
6c o papel_dos_movimentos_culturais6c o papel_dos_movimentos_culturais
6c o papel_dos_movimentos_culturais
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
 
Change is gonna come
Change is gonna comeChange is gonna come
Change is gonna come
 

Mais de secretaria estadual de educação

O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.
secretaria estadual de educação
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Sociedade mineradora - Brasil Colonial
Sociedade mineradora - Brasil ColonialSociedade mineradora - Brasil Colonial
Sociedade mineradora - Brasil Colonial
secretaria estadual de educação
 
Feudalismo (1)
Feudalismo (1)Feudalismo (1)
Revisão do conteúdo do 7º ano.
Revisão do conteúdo do 7º ano.Revisão do conteúdo do 7º ano.
Revisão do conteúdo do 7º ano.
secretaria estadual de educação
 
Nova ordem mundial
Nova ordem mundialNova ordem mundial
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
secretaria estadual de educação
 
A Crise do Feudalismo
A Crise do FeudalismoA Crise do Feudalismo
A Crise do Feudalismo
secretaria estadual de educação
 
Nazifascismo
NazifascismoNazifascismo
Crise do capitalismo liberal
Crise do capitalismo liberalCrise do capitalismo liberal
Crise do capitalismo liberal
secretaria estadual de educação
 
Imperialismo aulas 31 e 32
Imperialismo   aulas 31 e 32Imperialismo   aulas 31 e 32
Imperialismo aulas 31 e 32
secretaria estadual de educação
 
República velha
República velhaRepública velha
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
secretaria estadual de educação
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)
secretaria estadual de educação
 
Crise do império romano
Crise do império romanoCrise do império romano
Crise do império romano
secretaria estadual de educação
 
Revisão 8º ano
Revisão 8º anoRevisão 8º ano
Do regime militar_a_nova_republica
Do regime militar_a_nova_republicaDo regime militar_a_nova_republica
Do regime militar_a_nova_republica
secretaria estadual de educação
 
O período democrático
O período democráticoO período democrático
O período democrático
secretaria estadual de educação
 
Era vargas
Era vargasEra vargas

Mais de secretaria estadual de educação (20)

O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Sociedade mineradora - Brasil Colonial
Sociedade mineradora - Brasil ColonialSociedade mineradora - Brasil Colonial
Sociedade mineradora - Brasil Colonial
 
Feudalismo (1)
Feudalismo (1)Feudalismo (1)
Feudalismo (1)
 
Revisão do conteúdo do 7º ano.
Revisão do conteúdo do 7º ano.Revisão do conteúdo do 7º ano.
Revisão do conteúdo do 7º ano.
 
Nova ordem mundial
Nova ordem mundialNova ordem mundial
Nova ordem mundial
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
A Crise do Feudalismo
A Crise do FeudalismoA Crise do Feudalismo
A Crise do Feudalismo
 
Nazifascismo
NazifascismoNazifascismo
Nazifascismo
 
Crise do capitalismo liberal
Crise do capitalismo liberalCrise do capitalismo liberal
Crise do capitalismo liberal
 
Imperialismo aulas 31 e 32
Imperialismo   aulas 31 e 32Imperialismo   aulas 31 e 32
Imperialismo aulas 31 e 32
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)
 
Crise do império romano
Crise do império romanoCrise do império romano
Crise do império romano
 
Revisão 8º ano
Revisão 8º anoRevisão 8º ano
Revisão 8º ano
 
Do regime militar_a_nova_republica
Do regime militar_a_nova_republicaDo regime militar_a_nova_republica
Do regime militar_a_nova_republica
 
O período democrático
O período democráticoO período democrático
O período democrático
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 

Anos rebeldes 1960 e 1970

  • 1. OS ANOS REBELDESOS ANOS REBELDES (no Brasil e no Mundo)(no Brasil e no Mundo)
  • 2. III- Estratégias de contestação:III- Estratégias de contestação: ““Luta Armada” e Contracultura (“Paz e Amor”)Luta Armada” e Contracultura (“Paz e Amor”) I- Geral:I- Geral: • Década de 1960 e parte da de 1970: período de sonhos e utopias, onde os jovens da época contestavam, das mais variadas formas, a ordem social, econômica (capitalismo), política e cultural então vigentes, propondo, em seu lugar, novas formas de se comportar, de se relacionar e de intervir no mundo.  Busca de soluções para mudar o mundo.Busca de soluções para mudar o mundo.
  • 3. II.a) “Luta Armada”:II.a) “Luta Armada”: • Ideal:Ideal: sonho com o fim do Capitalismo e elaboração de sociedades igualitárias e fraternas. • Métodos:Métodos: - passeatas; - jornais alternativos; - conscientização popular; - militantes de partidos políticos; - grupos guerrilheiros. • Influência:Influência: Revolução Cubana de 1959.
  • 4. Revolução Cubana (1959): • Definição: movimento armado de aspiração socialista liderado por FidelFidel CastroCastro e Che GuevaraChe Guevara que acabou com a dependência cubana em relação os EUA e com o poder das elites agroexportadoras cubanas. • Alinhamento: com o Bloco Socialista/Comunista (URSS). • Conseqüências da Revolução: • melhorias sociais para a população da ilha; • histeria anticomunista nos demais países americanos; • bloqueio econômico do Bloco Capitalista à Cuba, agravando a crise do país pós o fim da URSS; • experiência revolucionária cubana influenciou outros movimentos na América. http://www.youtube.com/watch?v=sLuRr4lOsXs
  • 5. II.b) Contracultura (“Paz e Amor”):II.b) Contracultura (“Paz e Amor”): • HIPPIE:HIPPIE: movimento que pretendia mudar o mundo através da alteração demovimento que pretendia mudar o mundo através da alteração de valores, das mentalidades e das atitudes cotidianasvalores, das mentalidades e das atitudes cotidianas. • Influências: - Guerra do Vietnã; - Guerra Fria (militarismo); - Era nuclear; http://www.youtube.com/watch?v=gM5dU-oKFes
  • 6. Proposta dos hippes: Trocar: o acúmulo de capital e de propriedades privadas, o domínio do homem pelas máquinas, armas e pela sociedade de consumo. Para: a vida simples, privilegiando a busca do prazer, a alegria, a integração com a natureza, desprezando todos os meios de dominação e controle. Trocar a força das armas pelo poder da flor. Lema: “PAZ e AMOR”“PAZ e AMOR” http://www.youtube.com/watch?v=gM5dU-oKFes
  • 7. • WOODSTOCK FESTIVALWOODSTOCK FESTIVAL:: emblema dos anos 60 e do movimento de contracultura. Aristas participantes:Aristas participantes: Jimi Hendrix, Santana, Joe Cocker, Janis Joplin, etc. http://br.youtube.com/watch?v=MFLy8eGtSYo
  • 8. - Hino dos anos 60: Blowin’ in the windBlowin’ in the wind, de Bob Dylan, de Bob Dylan “música de protesto” Before they're allowed to be free? Antes de poderem ser livres? Yes and how many times can a man turn his head, Sim e quantas vezes um homem pode virar a cabeça Pretend that he just doesn't see? Fingir que ele não vê The answer, my friend, is blowin' in the wind A resposta, meu amigo, está voando no vento The answer is blowin' in the wind. A resposta está voando no vento Yes and how many times must a man look up, Sim e quantas vezes um homem deve olhar pra cima Before he can see the sky? Antes de conseguir ver o céu? Yes and how many ears must one man have, Sim e quantos ouvidos um homem deve ter Before he can hear people cry? Pra poder conseguir ouvir as pessoas chorarem? Yes and how many deaths will it take till he knows Sim e quantas mortes serão necessárias até ele saber That too many people have died? Que pessoas demais morreram? The answer, my friend, is blowin' in the wind A resposta, meu amigo, está voando no vento The answer is blowin' in the wind A resposta está voando no vento Blowin’ in the windBlowin’ in the wind Soprando o ventoSoprando o vento How many roads must a man walk down, Quantas estradas um homem deve percorrer Before you call him a man? Pra poder ser chamado de homem? How many seas must a white dove sail, Quantos oceanos uma pomba branca deve navegar Before she sleeps in the sand? Pra poder dormir na areia? Yes and how many times must cannonballs fly, Sim e quantas vezes as bolas de canhão devem voar Before they're forever banned? Antes de serem banidas pra sempre? The answer, my friend, is blowin' in the wind A resposta, meu amigo, está voando no vento The answer is blowin' in the wind A resposta está voando no vento Yes and how many years can a mountain exist, Sim e por quantos anos uma montanha pode existir Before it's washed to the seas (sea) Antes de ser lavada pelos oceanos? Yes and how many years can some people exist, Sim e por quantos anos algumas pessoas devem existir
  • 9. • ““I have a dream”:I have a dream”: a luta contra o preconceito raciala luta contra o preconceito racial líder: Martin Luther KingMartin Luther King. Objetivo: buscar a igualdade racial nos EUA. Resultado: aprovação da Lei dos Diretos Civis, proibindo a segregação social em lugares públicos, prática antes legal nos EUA. Assassinato de Luther King. http://www.youtube.com/watch?v=yCLCyvF9p7g&feature=related
  • 10. ''Eu estou contente em unir-me com vocês no dia que entrará para a história como a maior demonstração pela liberdade na história de nossa nação. (...) Eu tenho um sonho que um dia esta nação se levantará e viverá o verdadeiro significado de sua crença - nós celebraremos estas verdades e elas serão claras para todos, que os homens são criados iguais. Eu tenho um sonho que um dia nas colinas vermelhas da Geórgia os filhos dos descendentes de escravos e os filhos dos desdentes dos donos de escravos poderão se sentar junto à mesa da fraternidade. (...). Eu tenho um sonho que minhas quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde elas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter. Eu tenho um sonho hoje! Eu tenho um sonho que um dia, no Alabama, com seus racistas malignos, com seu governador que tem os lábios gotejando palavras de intervenção e negação; nesse justo dia no Alabama meninos negros e meninas negras poderão unir as mãos com meninos brancos e meninas brancas como irmãs e irmãos. Eu tenho um sonho (...).” (28 de agosto de 1963)
  • 11.
  • 12. • Maio de 1968 na França:Maio de 1968 na França: - estudantes criticam o sistema educacional e político francês. - operários e estudantes se uniram para protestar nas ruas de Paris. • Primavera de Praga:Primavera de Praga: - estudantes da Tchecoslováquia protestam contra a dominação soviética. - demonstração de que a opressão não era apenas do Bloco Capitalista.
  • 13. III- Cultura brasileira nos anos 1960 e 1970:III- Cultura brasileira nos anos 1960 e 1970: trevas e luzestrevas e luzes III.a) Contexto interno: • 1964: início da Ditadura Militar • 1968  - 28/03: morte do estudante Edson Luis - 26/06: “Passeata dos Cem Mil” - 03/09: discurso do deputado Marcio Moreira Alves (MDB) - 02/10: conflito entre os estudantes da USP e do Mackenzie - 12/10: prisões de estudantes no Congresso da UNE em Ibiúna/SP - 13/12: decretado o Ato Institucional n.º 5 (AI-5) O movimento de contracultura ganha força no Brasil como uma forma de reação a repressão e ao endurecimento do Regime Militar.
  • 14. III.b) Formas de Contracultura no Brasil:III.b) Formas de Contracultura no Brasil: • Cinema Novo: Objetivo: tentar revolucionar o cinema brasileiro (estética e conteúdo). Cineastas mais famosos: Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Santos e Ruy Guerra. Características: antiimperialista; anticapitalista; denuncia do subdesenvolvimento e da miséria de país; e defesa da justiça social e do nacionalismo. Filmes: Terra em Transe (1967) e Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), de Glauber Rocha, Vidas Secas (1963), de Pereira dos Santos. http://www.youtube.com/watch?v=DzhHDRHGBkI&feature=related
  • 15.
  • 16. • Música na décadas de 1960 e 1970:Música na décadas de 1960 e 1970: Jovem Guarda: - movimento profundamente influenciado pelo rock e pelo pop internacional. - principal cantor: Roberto Carlos. - canções apolitizadas e alienadas, como: Entrei na Rua Augusta A 120 por hora Toquei a turma toda Do passeio prá fora Com 3 pneus carecas Sem usar a buzina Parei a quatro dedos Da esquina Falou! Vai! Vai! Johnny Vai! Vai! Alfredo Quem é da nossa gangue Não tem medo...(2x) Meu carro não tem breque Não tem luz Não tem buzina Tem 3 carburadores Todos os 3 envenenados Só pára na subida Quando falta a gasolina Só passa se tiver Sinal fechado Tremendão! Vai! Vai! Johnny Vai! Vai! Alfredo Quem é da nossa gangue Não tem medo...(2x) Toquei a 130 Com destino a cidade No Anhangabaú Botei mais velocidade Com três pneus carecas Derrapando na raia Subi a Galeria Prestes Maia Tremendão! Vai! Vai! Johnny Vai! Vai! Alfredo Quem é da nossa gangue Não tem medo...(2x) Bossa Nova:Bossa Nova: - movimento surgido na década de 1950. - cantores: Tom Jobim, Vinícius de Moraes, etc. - canções apolitizadas e alienadas, como: Olha que coisa mais linda Mais cheia de graça É ela menina Que vem e que passa Num doce balanço, a caminho do mar Moça do corpo dourado Do sol de Ipanema O seu balançado é mais que um poema É a coisa mais linda que eu já vi passar Ah, porque estou tão sozinho Ah, porque tudo é tão triste Ah, a beleza que existe A beleza que não é só minha E também passa sozinha Ah, se ela soubesse Que quando ela passa O mundo interinho se enche de graça E fica mais lindo Por causa do amor
  • 17. Tropicalismo:Tropicalismo: movimento musical que propunha a fusão da música “de raiz” com estilos estrangeiros. • Temas não se restringiam a política. • Cantores: Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Nara Leão, Os Mutantes (Rita Lee) e o maestro Rogério Druprat. Viva a mata Ta, ta Viva a mulata Ta, ta, ta, ta...(2x) No pátio interno há uma piscina Com água azul de Amaralina Coqueiro, brisa E fala nordestina E faróis Na mão direita tem uma roseira Autenticando eterna primavera E no jardim os urubus passeiam A tarde inteira Entre os girassóis... Viva Maria Ia, ia Viva a Bahia Ia, ia, ia, ia...(2x) No pulso esquerdo o bang-bang Em suas veias corre Muito pouco sangue Mas seu coração Balança um samba de tamborim Emite acordes dissonantes Pelos cinco mil alto-falantes Senhoras e senhores Ele põe os olhos grandes Sobre mim... Viva Iracema Ma, ma Viva Ipanema Ma, ma, ma, ma...(2x) Domingo é o fino-da-bossa Segunda-feira está na fossa Terça-feira vai à roça Porém! O monumento é bem moderno Não disse nada do modelo Do meu terno Que tudo mais vá pro inferno Meu bem! Que tudo mais vá pro inferno Meu bem!... Viva a banda Da, da Carmem Miranda Da, da, da, da...(3x) (Caetano Veloso) Tropicália: Sobre a cabeça os aviões Sob os meus pés os caminhões Aponta contra os chapadões Meu nariz Eu organizo o movimento Eu oriento o carnaval Eu inauguro o monumento No planalto central do país... Viva a bossa Sa, sa Viva a palhoça Ca, ça, ça, ça...(2x) O monumento É de papel crepom e prata Os olhos verdes da mulata A cabeleira esconde Atrás da verde mata O luar do sertão O monumento não tem porta A entrada é uma rua antiga Estreita e torta E no joelho uma criança Sorridente, feia e morta Estende a mão...
  • 18. Alegria, Alegria Caetano Veloso Caminhando contra o vento Sem lenço e sem documento No sol de quase dezembro Eu vou... O sol se reparte em crimes Espaçonaves, guerrilhas Em cardinales bonitas Eu vou... Em caras de presidentes Em grandes beijos de amor Em dentes, pernas, bandeiras Bomba e Brigitte Bardot... O sol nas bancas de revista Me enche de alegria e preguiça Quem lê tanta notícia Eu vou... Por entre fotos e nomes Os olhos cheios de cores O peito cheio de amores vãos Eu vou Por que não, por que não... Ela pensa em casamento E eu nunca mais fui à escola Sem lenço e sem documento, Eu vou... Eu tomo uma coca-cola Ela pensa em casamento E uma canção me consola Eu vou... Por entre fotos e nomes Sem livros e sem fuzil Sem fome, sem telefone No coração do Brasil... Ela nem sabe até pensei Em cantar na televisão O sol é tão bonito Eu vou... Sem lenço, sem documento Nada no bolso ou nas mãos Eu quero seguir vivendo, amor Eu vou... Por que não, por que não... Por que não, por que não... Por que não, por que não... Por que não, por que não...
  • 19. Músicas de protesto:Músicas de protesto: - cantadas principalmente nos Festivais. - grande engajamento político. http://www.youtube.com/watch?v=D_cQz6IElgc Pra não dizer que não falei de Flores Geraldo Vandré Caminhando e cantando E seguindo a canção Somos todos iguais Braços dados ou não Nas escolas, nas ruas Campos, construções Caminhando e cantando E seguindo a canção... Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer...(2x) Pelos campos há fome Em grandes plantações Pelas ruas marchando Indecisos cordões Ainda fazem da flor Seu mais forte refrão E acreditam nas flores Vencendo o canhão... Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer...(2x) Há soldados armados Amados ou não Quase todos perdidos De armas na mão Nos quartéis lhes ensinam Uma antiga lição: De morrer pela pátria E viver sem razão... Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer...(2x) Nas escolas, nas ruas Campos, construções Somos todos soldados Armados ou não Caminhando e cantando E seguindo a canção Somos todos iguais Braços dados ou não... Os amores na mente As flores no chão A certeza na frente A história na mão Caminhando e cantando E seguindo a canção Aprendendo e ensinando Uma nova lição... Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer...(4x)
  • 20. Metáforas para driblar a Ditadura Militar:Metáforas para driblar a Ditadura Militar: - muitos artistas utilizaram pseudônimos e metáforas em suas letras para enganar a censura. Exemplo: Chico Buarque vira Julinho de Adelaide Cálice Chico Buarque Pai! Afasta de mim esse cálice Pai! Afasta de mim esse cálice Pai! Afasta de mim esse cálice De vinho tinto de sangue...(2x) Como beber Dessa bebida amarga Tragar a dor Engolir a labuta Mesmo calada a boca Resta o peito Silêncio na cidade Não se escuta De que me vale Ser filho da santa Melhor seria Ser filho da outra Outra realidade Menos morta Tanta mentira Tanta força bruta... Pai! Afasta de mim esse cálice Pai! Afasta de mim esse cálice Pai! Afasta de mim esse cálice De vinho tinto de sangue... Como é difícil Acordar calado Se na calada da noite Eu me dano Quero lançar Um grito desumano Que é uma maneira De ser escutado Esse silêncio todo Me atordoa Atordoado Eu permaneço atento Na arquibancada Prá a qualquer momento Ver emergir O monstro da lagoa... Pai! Afasta de mim esse cálice Pai! Afasta de mim esse cálice Pai! Afasta de mim esse cálice De vinho tinto de sangue... De muito gorda A porca já não anda (Cálice!) De muito usada A faca já não corta Como é difícil Pai, abrir a porta (Cálice!) Essa palavra Presa na garganta Esse pileque Homérico no mundo De que adianta Ter boa vontade Mesmo calado o peito Resta a cuca Dos bêbados Do centro da cidade... Pai! Afasta de mim esse cálice Pai! Afasta de mim esse cálice Pai! Afasta de mim esse cálice De vinho tinto de sangue... Talvez o mundo Não seja pequeno (Cálice!) Nem seja a vida Um fato consumado (Cálice!) Quero inventar O meu próprio pecado (Cálice!) Quero morrer Do meu próprio veneno (Pai! Cálice!) Quero perder de vez Tua cabeça (Cálice!) Minha cabeça Perder teu juízo (Cálice!) Quero cheirar fumaça De óleo diesel (Cálice!) Me embriagar Até que alguém me esqueça (Cálice!)
  • 21. Acorda Amor Chico Buarque Acorda amor Eu tive um pesadelo agora Sonhei que tinha gente lá fora Batendo no portão, que aflição Era a dura, numa muito escura viatura Minha nossa santa criatura Chame, chame, chame lá Chame, chame o ladrão, chame o ladrão Acorda amor Não é mais pesadelo nada Tem gente já no vão de escada Fazendo confusão, que aflição São os homens E eu aqui parado de pijama Eu não gosto de passar vexame Chame, chame, chame Chame o ladrão, chame o ladrão Se eu demorar uns meses Convém, às vezes, você sofrer Mas depois de um ano eu não vindo Ponha a roupa de domingo E pode me esquecer Acorda amor Que o bicho é brabo e não sossega Se você corre o bicho pega Se fica não sei não Atenção Não demora Dia desses chega a sua hora Não discuta à toa não reclame Clame, chame lá, chame, chame Chame o ladrão, chame o ladrão, chame o ladrão (Não esqueça a escova, o sabonete e o violão)
  • 22. IV- A aldeia global:IV- A aldeia global: Anos 60: popularização da TV no Brasil. Conseqüências: - mudanças de hábitos entre os brasileiros. - difusão do estilo de vida paulista e carioca (sede das transmissoras de TV). - impressionante crescimento da Rede Globo, uma das aliadas da Ditadura.
  • 23. “Eu acredito muito nas formas culturais de educação política. Imagino que muitas vezes uma música educa muito mais do que trinta aulas de história, quarenta discursos, dez passeatas.” (Hebert de Souza, sociólogo)