SlideShare uma empresa Scribd logo
FeudalismoFeudalismo
O que foi o Feudalismo?
O feudalismo foi o sistema socioeconômico
dominante na Idade Média.
Qual Período?
• Séc. III - VIII - formação do Feudalismo tem
início com as primeiras invasões bárbaras;
• Séc. VIII - XI - apogeu do Feudalismo;
• Séc. XI - XV - decadência.
Como se tornar um Senhor FeudalComo se tornar um Senhor Feudal??
Na Idade Média, com vários povos bárbaros dominando a
Europa Medieval, foi impossível unirem-se entre si e entre os
descendentes de nobres romanos, que eram donos de
pequenos agrupamentos de terra (feudo). Esses, com a
permissão do Rei, tornaram-se Senhores Feudais.
E como surgem os VassalosE como surgem os Vassalos??
Os camponeses cuidavam da agropecuária dos feudos e, em
troca, recebiam o direito a uma gleba de terra para morar,
além da proteção contra ataques bárbaros.
Como se iniciou o FeudalismoComo se iniciou o Feudalismo??
Com a decadência do Império Romano e as invasões bárbaras, os
nobres romanos começaram a se afastar das cidades levando
consigo camponeses (esses com medo de serem saqueados ou
escravizados).
Já na Idade MédiaIdade Média, com vários povos bárbaros dominando a Europa
Medieval, foi impossível unirem-se entre si e entre os descendentes
de nobres romanos, que eram donos de pequenos agrupamentos de
terra.
E com as reformas culturais ocorridas nesse meio-tempo, começou a
surgir uma nova organização econômica e política: o feudalismofeudalismo.
CaracterísticasCaracterísticas
As características gerais do feudalismo são: poder
descentralizado, economia baseada na agricultura de
subsistência, trabalho servil e economia amonetária e
sem comércio, onde predomina a troca (escambo).
A sociedade feudalsociedade feudal era composta por três
estamentosestamentos (grupos sociais): os NobresNobres (guerreiros,
bellatores), o CleroClero (religiosos, oratores), e os servosservos
(mão de obra, laboratores). O que determinava o
status social era o nascimento.
Feudalismo
NobrezaNobreza
(também chamados de senhores feudais)
CleroClero
ServosServos
NobrezaNobreza (também chamados de senhores feudais)
Tinha como principal função a de guerrear, além de exercer considerável poder
político sobre as demais classes. O Rei lhes cedia terras e estes lhe juravam ajuda
militar (relações de suserania e vassalagem).
CleroClero
Tinha como função oficial rezar. Na prática, exercia grande poder político sobre
uma sociedade bastante religiosa, onde o conceito de separação entre a religião e a
política era desconhecido. Mantinham a ordem da sociedade evitando, por meio de
persuasão e criação de justificativas religiosas, revoltas e contratações camponesas.
ServosServos
Constituíam a maior parte da população camponesa: estavam presos à terra,
sofriam intensa exploração, eram obrigados a prestarem serviços à nobreza e a pagar-
lhes diversos tributos em troca da permissão de uso da terra e de proteção militar.
Havia também a relação de SuseraniaSuserania entre os NobresNobres, onde um nobre
(suserano) doa um feudo para outro nobre (vassalovassalo). Apresentava pouca
ascensão social e quase não existia mobilidade social (a Igreja foi uma forma de
promoção de mobilidade).
Embora geralmente se considere que a vida dos camponeses fosse miserável,
a palavra "escravo" seria imprópria. Para receberem direito à moradia nas terras
de seus senhores, juravam-lhe fidelidade e trabalho.
Por sua vez, os nobresnobres, para obterem a posse do feudo faziam o mesmo
juramento aos reis.
Os VassalosVassalos oferecem ao Senhor ou Suserano, fidelidade e trabalho em
troca de proteção e um lugar no sistema de produção. As redes de vassalagem
estendiam-se por várias regiões, sendo o rei o suserano mais poderoso.
Tributos e ImpostosTributos e Impostos
As principais obrigações dos servos consistiam em:
CorveiaCorveia: trabalho compulsório nas terras do senhor (manso senhorial)
em alguns dias da semana;
TalhaTalha: parte da produção do servo deveria ser entregue ao nobre,
geralmente um terço da produção;
BanalidadeBanalidade: tributo cobrado pelo uso de instrumentos ou bens do
feudo, como o moinho, o forno, o celeiro, as pontes;
CapitaçãoCapitação: imposto pago por cada membro da família (por cabeça);
Tostão de Pedro ou dízimoTostão de Pedro ou dízimo: 10% da produção do servo eram pago à
Igreja, utilizado para a manutenção da capela local;
CensoCenso: tributo que os vilões (pessoas livres, vila) deviam pagar, em dinheiro, para a
nobreza;
Taxa de JustiçaTaxa de Justiça: os servos e os vilões deviam pagar para serem julgados no tribunal
do nobre;
FormariageFormariage: quando o nobre resolvia se casar, todo servo era obrigado a pagar uma
taxa para ajudar no casamento, regra também válida para quando um parente do nobre iria
casar. Todo casamento que ocorresse entre servos deveria ser aceito pelo suserano. No sul
da França, especificamente, o Senhor poderia ou não determinar que a noite de núpcias de
uma serva seria para o usufruto dele próprio e não do marido oficial. Tal fato era incomum
no restante da Europa, pois a igreja o combatia com veemência;
Mão MortaMão Morta: era o pagamento de uma taxa para permanecer no feudo da família servil,
em caso do falecimento do pai ou da família;
AlbergagemAlbergagem: obrigação do servo em hospedar o senhor feudal caso fosse necessário.
Muitas cidades europeias da Idade MédiaIdade Média
tornaram-se livres das relações servis e do
predomínio dos nobres. Essas cidades chamavam-
se burgosburgos. Por motivos políticos, os "burguesesburgueses"
(habitantes dos burgos) recebiam frequentemente o
apoio dos reis que, muitas vezes, estavam em
conflito com os Nobres.
Crise do FeudalismoCrise do Feudalismo
O feudalismo europeu apresenta, portanto, fases bem
diversas entre o século IX, quando os pequenos agricultores são
impelidos a se proteger dos inimigos junto aos castelos, e o século
XIII, quando o mundo feudal conhece seu apogeu, para declinar
a seguir.
No século X, o sistema ainda está em formação e os laços
feudais unem apenas os proprietários rurais e os antigos altos
funcionários ou MinisteriaisMinisteriais (administradores da propriedade
feudal em nome de um senhor), dos quais destacamos os BailiosBailios
(tomavam conta de uma propriedade menor) e os SenescaisSenescais
(supervisionavam os vários domínios de um mesmo senhor).
Entre os camponeses existiam homens livres - os VilõesVilões -
com propriedades menores independentes. A monarquia feudal
não apresenta a rigidez que caracterizaria o regime monárquico
posteriormente e a ética feudal não está plenamente estabelecida.
Entretanto, a partir do ano 1000 até cerca de 1150, o Feudalismo
entra em transformação: a exploraçãoexploração camponesa torna-se
intensa, concentrada em certas regiões superpovoadas, deixando
áreas extensas de espaços vazios;
TecnologiaTecnologia: surgem novas técnicas de cultivo, novas formas de
utilização dos animais e das carroças, o que permitiu a produção
agrícola garantir um aumento significativo, surgindo, assim, a
necessidade de comercialização dos produtos excedentes.
Esse renascimento do comércio e o consequente aumento da
circulação monetária, reabilita a importância social das cidades e
suas comunas.
Com as CruzadasCruzadas, esboça-se uma abertura
para o mundo, quebrando-se o isolamento do
feudo.
O restabelecimento do comércio com o OrienteOriente
próximopróximo e o desenvolvimento das grandes
cidades, começam a fraquejar as bases da
organização feudal, na medida em que aumenta a
demanda de produtos agrícolas para o
abastecimento da população urbana.
Isso eleva o preço dessas mercadorias, permitindo aos
camponeses maiores fundos para a compra de sua liberdade.
Não que os servos fossem escravos; com o excedente produzido,
poderiam comprar de seus senhores lotes de terras e, assim, deixar
de cumprir suas obrigações junto ao senhor feudal.
É claro que esta situação poderia gerar problemas já que, bem ou
mal, o servo vivia protegido dentro do feudo e, para evitá-los,
tornavam-se comerciantes ou iam morar em BurgosBurgos, dominados
por outros tipos de senhores, desta vez, comerciais.
Ao mesmo tempo, a expansão do comércio cria novas
oportunidades de trabalho, atraindo os camponeses para as cidades.
Tais acontecimentos, aliados à formação dos
exércitos profissionais — o Rei, agora, não
dependeria mais dos serviços militares
prestados por seus vassalos —, à insurreição
camponesa, à Peste Negra, à falta de
alimentos decorrente do aumento
populacional e baixa produtividade agrária,
contribuíram para o declínio do feudalismo
europeu.
Resuminho
• Rei tem seus próprios exércitos;
• Peste Negra
• baixa produtividade agrária;
• Falta de alimentos;
• Aumento da População vassala.
... E o fim...
• Na FrançaFrança, nos Países BaixosPaíses Baixos e na ItáliaItália,
seu desaparecimento começa a se manifestar
no final do século XIII.
• Na AlemanhaAlemanha e na InglaterraInglaterra, entretanto,
ele ainda permanece mais tempo,
extinguindo-se totalmente na Europa
ocidental por volta de 1500.
• Em partes da Europa central e oriental,
porém, alguns remanescentes resistiram até
meados do século XX, como, por exemplo, a
RússiaRússia, que só viria a se libertar dos
resquícios feudais com a Revolução de 1917.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Eduard Henry
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Republica Romana -  Prof.Altair AguilarRepublica Romana -  Prof.Altair Aguilar
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Elaine Bogo Pavani
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
Patrícia Costa Grigório
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
joana71
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Munis Pedro
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 
Antiguidade Clássica
Antiguidade ClássicaAntiguidade Clássica
Antiguidade Clássica
eiprofessor
 
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Douglas Barraqui
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
Daniel Alves Bronstrup
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
ElvisJohnR
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
Isabel Aguiar
 

Mais procurados (20)

Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Republica Romana -  Prof.Altair AguilarRepublica Romana -  Prof.Altair Aguilar
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
Antiguidade Clássica
Antiguidade ClássicaAntiguidade Clássica
Antiguidade Clássica
 
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 

Semelhante a Feudalismo

Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Feudalismo   trabalho  michelle, carol e curioniFeudalismo   trabalho  michelle, carol e curioni
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Patrícia Lima
 
Sistema Feudal
Sistema FeudalSistema Feudal
Sistema Feudal
DesconFiles
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
Nivea Neves
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
Nivea Neves
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Cristiane Freitas
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
RafaelyLeite1
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Valeria Kosicki
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
Elizeu filho
 
Slide
SlideSlide
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
SAMUELNASCIMENTO80
 
O Feudalismo.ppt
O Feudalismo.pptO Feudalismo.ppt
O Feudalismo.ppt
DanielKlimrothSoares1
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
Pré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudalPré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudal
Jorge Marcos Oliveira
 
Pré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudalPré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudal
Jorge Marcos Oliveira
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Laah Almeida
 
Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)
Munis Pedro
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
CEF Arapoanga
 
Classes sociais 19
Classes sociais 19Classes sociais 19
Classes sociais 19
Alexandre Misturini
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
João Medeiros
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Larissa Rocha
 

Semelhante a Feudalismo (20)

Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Feudalismo   trabalho  michelle, carol e curioniFeudalismo   trabalho  michelle, carol e curioni
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
 
Sistema Feudal
Sistema FeudalSistema Feudal
Sistema Feudal
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
 
Slide
SlideSlide
Slide
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
 
O Feudalismo.ppt
O Feudalismo.pptO Feudalismo.ppt
O Feudalismo.ppt
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Pré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudalPré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudal
 
Pré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudalPré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudal
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Classes sociais 19
Classes sociais 19Classes sociais 19
Classes sociais 19
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 

Mais de Alê Maldonado

Ideias de mortalidade
Ideias de mortalidadeIdeias de mortalidade
Ideias de mortalidade
Alê Maldonado
 
Conhecimento
ConhecimentoConhecimento
Conhecimento
Alê Maldonado
 
Lugares sagrados
Lugares sagradosLugares sagrados
Lugares sagrados
Alê Maldonado
 
Lugares Sagrados
Lugares SagradosLugares Sagrados
Lugares Sagrados
Alê Maldonado
 
Karl Marx - Frases
Karl Marx - FrasesKarl Marx - Frases
Karl Marx - Frases
Alê Maldonado
 
Karl Marx - Pequena biografia
Karl Marx - Pequena biografiaKarl Marx - Pequena biografia
Karl Marx - Pequena biografia
Alê Maldonado
 
Período Pré Colonial
Período Pré ColonialPeríodo Pré Colonial
Período Pré Colonial
Alê Maldonado
 
Os Portugueses na África negra
Os Portugueses na África negraOs Portugueses na África negra
Os Portugueses na África negra
Alê Maldonado
 
O pioneirismo da península Ibérica
O pioneirismo da península IbéricaO pioneirismo da península Ibérica
O pioneirismo da península Ibérica
Alê Maldonado
 
As colonizações inglesa, francesa e holandesa
As colonizações inglesa, francesa e holandesaAs colonizações inglesa, francesa e holandesa
As colonizações inglesa, francesa e holandesa
Alê Maldonado
 
As capitanias hereditárias
As capitanias hereditáriasAs capitanias hereditárias
As capitanias hereditárias
Alê Maldonado
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
Alê Maldonado
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
Alê Maldonado
 
Governo Juscelino (1955 1960)
Governo Juscelino (1955 1960)Governo Juscelino (1955 1960)
Governo Juscelino (1955 1960)
Alê Maldonado
 
Governo Dutra (1946 1951)
Governo Dutra (1946   1951)Governo Dutra (1946   1951)
Governo Dutra (1946 1951)
Alê Maldonado
 
A Era Vargas – Governo Democrático
A Era Vargas – Governo DemocráticoA Era Vargas – Governo Democrático
A Era Vargas – Governo Democrático
Alê Maldonado
 
A era Vargas
A era VargasA era Vargas
A era Vargas
Alê Maldonado
 

Mais de Alê Maldonado (17)

Ideias de mortalidade
Ideias de mortalidadeIdeias de mortalidade
Ideias de mortalidade
 
Conhecimento
ConhecimentoConhecimento
Conhecimento
 
Lugares sagrados
Lugares sagradosLugares sagrados
Lugares sagrados
 
Lugares Sagrados
Lugares SagradosLugares Sagrados
Lugares Sagrados
 
Karl Marx - Frases
Karl Marx - FrasesKarl Marx - Frases
Karl Marx - Frases
 
Karl Marx - Pequena biografia
Karl Marx - Pequena biografiaKarl Marx - Pequena biografia
Karl Marx - Pequena biografia
 
Período Pré Colonial
Período Pré ColonialPeríodo Pré Colonial
Período Pré Colonial
 
Os Portugueses na África negra
Os Portugueses na África negraOs Portugueses na África negra
Os Portugueses na África negra
 
O pioneirismo da península Ibérica
O pioneirismo da península IbéricaO pioneirismo da península Ibérica
O pioneirismo da península Ibérica
 
As colonizações inglesa, francesa e holandesa
As colonizações inglesa, francesa e holandesaAs colonizações inglesa, francesa e holandesa
As colonizações inglesa, francesa e holandesa
 
As capitanias hereditárias
As capitanias hereditáriasAs capitanias hereditárias
As capitanias hereditárias
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
 
Governo Juscelino (1955 1960)
Governo Juscelino (1955 1960)Governo Juscelino (1955 1960)
Governo Juscelino (1955 1960)
 
Governo Dutra (1946 1951)
Governo Dutra (1946   1951)Governo Dutra (1946   1951)
Governo Dutra (1946 1951)
 
A Era Vargas – Governo Democrático
A Era Vargas – Governo DemocráticoA Era Vargas – Governo Democrático
A Era Vargas – Governo Democrático
 
A era Vargas
A era VargasA era Vargas
A era Vargas
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 

Feudalismo

  • 2. O que foi o Feudalismo? O feudalismo foi o sistema socioeconômico dominante na Idade Média. Qual Período? • Séc. III - VIII - formação do Feudalismo tem início com as primeiras invasões bárbaras; • Séc. VIII - XI - apogeu do Feudalismo; • Séc. XI - XV - decadência.
  • 3. Como se tornar um Senhor FeudalComo se tornar um Senhor Feudal?? Na Idade Média, com vários povos bárbaros dominando a Europa Medieval, foi impossível unirem-se entre si e entre os descendentes de nobres romanos, que eram donos de pequenos agrupamentos de terra (feudo). Esses, com a permissão do Rei, tornaram-se Senhores Feudais. E como surgem os VassalosE como surgem os Vassalos?? Os camponeses cuidavam da agropecuária dos feudos e, em troca, recebiam o direito a uma gleba de terra para morar, além da proteção contra ataques bárbaros.
  • 4. Como se iniciou o FeudalismoComo se iniciou o Feudalismo?? Com a decadência do Império Romano e as invasões bárbaras, os nobres romanos começaram a se afastar das cidades levando consigo camponeses (esses com medo de serem saqueados ou escravizados). Já na Idade MédiaIdade Média, com vários povos bárbaros dominando a Europa Medieval, foi impossível unirem-se entre si e entre os descendentes de nobres romanos, que eram donos de pequenos agrupamentos de terra. E com as reformas culturais ocorridas nesse meio-tempo, começou a surgir uma nova organização econômica e política: o feudalismofeudalismo.
  • 5. CaracterísticasCaracterísticas As características gerais do feudalismo são: poder descentralizado, economia baseada na agricultura de subsistência, trabalho servil e economia amonetária e sem comércio, onde predomina a troca (escambo). A sociedade feudalsociedade feudal era composta por três estamentosestamentos (grupos sociais): os NobresNobres (guerreiros, bellatores), o CleroClero (religiosos, oratores), e os servosservos (mão de obra, laboratores). O que determinava o status social era o nascimento.
  • 10. NobrezaNobreza (também chamados de senhores feudais) Tinha como principal função a de guerrear, além de exercer considerável poder político sobre as demais classes. O Rei lhes cedia terras e estes lhe juravam ajuda militar (relações de suserania e vassalagem). CleroClero Tinha como função oficial rezar. Na prática, exercia grande poder político sobre uma sociedade bastante religiosa, onde o conceito de separação entre a religião e a política era desconhecido. Mantinham a ordem da sociedade evitando, por meio de persuasão e criação de justificativas religiosas, revoltas e contratações camponesas. ServosServos Constituíam a maior parte da população camponesa: estavam presos à terra, sofriam intensa exploração, eram obrigados a prestarem serviços à nobreza e a pagar- lhes diversos tributos em troca da permissão de uso da terra e de proteção militar.
  • 11. Havia também a relação de SuseraniaSuserania entre os NobresNobres, onde um nobre (suserano) doa um feudo para outro nobre (vassalovassalo). Apresentava pouca ascensão social e quase não existia mobilidade social (a Igreja foi uma forma de promoção de mobilidade). Embora geralmente se considere que a vida dos camponeses fosse miserável, a palavra "escravo" seria imprópria. Para receberem direito à moradia nas terras de seus senhores, juravam-lhe fidelidade e trabalho. Por sua vez, os nobresnobres, para obterem a posse do feudo faziam o mesmo juramento aos reis. Os VassalosVassalos oferecem ao Senhor ou Suserano, fidelidade e trabalho em troca de proteção e um lugar no sistema de produção. As redes de vassalagem estendiam-se por várias regiões, sendo o rei o suserano mais poderoso.
  • 12. Tributos e ImpostosTributos e Impostos As principais obrigações dos servos consistiam em: CorveiaCorveia: trabalho compulsório nas terras do senhor (manso senhorial) em alguns dias da semana; TalhaTalha: parte da produção do servo deveria ser entregue ao nobre, geralmente um terço da produção; BanalidadeBanalidade: tributo cobrado pelo uso de instrumentos ou bens do feudo, como o moinho, o forno, o celeiro, as pontes; CapitaçãoCapitação: imposto pago por cada membro da família (por cabeça); Tostão de Pedro ou dízimoTostão de Pedro ou dízimo: 10% da produção do servo eram pago à Igreja, utilizado para a manutenção da capela local;
  • 13. CensoCenso: tributo que os vilões (pessoas livres, vila) deviam pagar, em dinheiro, para a nobreza; Taxa de JustiçaTaxa de Justiça: os servos e os vilões deviam pagar para serem julgados no tribunal do nobre; FormariageFormariage: quando o nobre resolvia se casar, todo servo era obrigado a pagar uma taxa para ajudar no casamento, regra também válida para quando um parente do nobre iria casar. Todo casamento que ocorresse entre servos deveria ser aceito pelo suserano. No sul da França, especificamente, o Senhor poderia ou não determinar que a noite de núpcias de uma serva seria para o usufruto dele próprio e não do marido oficial. Tal fato era incomum no restante da Europa, pois a igreja o combatia com veemência; Mão MortaMão Morta: era o pagamento de uma taxa para permanecer no feudo da família servil, em caso do falecimento do pai ou da família; AlbergagemAlbergagem: obrigação do servo em hospedar o senhor feudal caso fosse necessário.
  • 14. Muitas cidades europeias da Idade MédiaIdade Média tornaram-se livres das relações servis e do predomínio dos nobres. Essas cidades chamavam- se burgosburgos. Por motivos políticos, os "burguesesburgueses" (habitantes dos burgos) recebiam frequentemente o apoio dos reis que, muitas vezes, estavam em conflito com os Nobres.
  • 15. Crise do FeudalismoCrise do Feudalismo O feudalismo europeu apresenta, portanto, fases bem diversas entre o século IX, quando os pequenos agricultores são impelidos a se proteger dos inimigos junto aos castelos, e o século XIII, quando o mundo feudal conhece seu apogeu, para declinar a seguir. No século X, o sistema ainda está em formação e os laços feudais unem apenas os proprietários rurais e os antigos altos funcionários ou MinisteriaisMinisteriais (administradores da propriedade feudal em nome de um senhor), dos quais destacamos os BailiosBailios (tomavam conta de uma propriedade menor) e os SenescaisSenescais (supervisionavam os vários domínios de um mesmo senhor). Entre os camponeses existiam homens livres - os VilõesVilões - com propriedades menores independentes. A monarquia feudal não apresenta a rigidez que caracterizaria o regime monárquico posteriormente e a ética feudal não está plenamente estabelecida.
  • 16. Entretanto, a partir do ano 1000 até cerca de 1150, o Feudalismo entra em transformação: a exploraçãoexploração camponesa torna-se intensa, concentrada em certas regiões superpovoadas, deixando áreas extensas de espaços vazios; TecnologiaTecnologia: surgem novas técnicas de cultivo, novas formas de utilização dos animais e das carroças, o que permitiu a produção agrícola garantir um aumento significativo, surgindo, assim, a necessidade de comercialização dos produtos excedentes. Esse renascimento do comércio e o consequente aumento da circulação monetária, reabilita a importância social das cidades e suas comunas.
  • 17. Com as CruzadasCruzadas, esboça-se uma abertura para o mundo, quebrando-se o isolamento do feudo. O restabelecimento do comércio com o OrienteOriente próximopróximo e o desenvolvimento das grandes cidades, começam a fraquejar as bases da organização feudal, na medida em que aumenta a demanda de produtos agrícolas para o abastecimento da população urbana.
  • 18. Isso eleva o preço dessas mercadorias, permitindo aos camponeses maiores fundos para a compra de sua liberdade. Não que os servos fossem escravos; com o excedente produzido, poderiam comprar de seus senhores lotes de terras e, assim, deixar de cumprir suas obrigações junto ao senhor feudal. É claro que esta situação poderia gerar problemas já que, bem ou mal, o servo vivia protegido dentro do feudo e, para evitá-los, tornavam-se comerciantes ou iam morar em BurgosBurgos, dominados por outros tipos de senhores, desta vez, comerciais. Ao mesmo tempo, a expansão do comércio cria novas oportunidades de trabalho, atraindo os camponeses para as cidades.
  • 19. Tais acontecimentos, aliados à formação dos exércitos profissionais — o Rei, agora, não dependeria mais dos serviços militares prestados por seus vassalos —, à insurreição camponesa, à Peste Negra, à falta de alimentos decorrente do aumento populacional e baixa produtividade agrária, contribuíram para o declínio do feudalismo europeu.
  • 20. Resuminho • Rei tem seus próprios exércitos; • Peste Negra • baixa produtividade agrária; • Falta de alimentos; • Aumento da População vassala.
  • 21. ... E o fim... • Na FrançaFrança, nos Países BaixosPaíses Baixos e na ItáliaItália, seu desaparecimento começa a se manifestar no final do século XIII. • Na AlemanhaAlemanha e na InglaterraInglaterra, entretanto, ele ainda permanece mais tempo, extinguindo-se totalmente na Europa ocidental por volta de 1500. • Em partes da Europa central e oriental, porém, alguns remanescentes resistiram até meados do século XX, como, por exemplo, a RússiaRússia, que só viria a se libertar dos resquícios feudais com a Revolução de 1917.