SlideShare uma empresa Scribd logo
M8_ Unid.1_ Nascimento e afirmação de um
novo quadro geopolítico
1.2 – O TEMPO DA “GUERRA FRIA”- A CONSOLIDAÇÃO DO MUNDO
BIPOLAR
Mundo Bipolar
EUA ( MUNDO CAPITALISTA) URSS (MUNDO COMUNISTA)
Doutrina Truman Doutrina Jdanov
Plano Marshall Plano Molotov COMECON
1º Conflito: a questão alemã
GUERRA FRIA
DOUTRINA TRUMAN
(MARÇO DE 1947)
Pressão soviética sobre a Turquia e a
Grécia.
Truman adota a política de contenção
do avanço soviético ( doutrina Truman)
-apela à luta de todos os países ocidentais
contra o totalitarismo soviético.
-comprometeu-se a prestar auxílio a todos
os estados cuja liberdade e soberania
fosse ameaçada
DOUTRINA JDANOV
( SETEMBRO DE 1947)
 Resposta soviética à doutrina Truman.
Defendia que o mundo deveria se
dividido em duas grandes áreas opostas: a
área “imperialista”, liderada pelos EUA e
a área “ democrática”, liderada pela URSS
Reivindicava o direito à extensão da área
soviética até ao centro da Europa,
transformando os países que libertou da
dominação nazi em satélites políticos da
URSS.
As alianças económicas
PLANO MARSHALL
 Os EUA defendiam que a
recuperação económica da Europa
poderia travar o avanço comunista
para o Ocidente
Os EUA lançaram o Plano Marshall
(1947), programa de ajuda económica
e técnica aos países europeus, para
relançar as suas economias e criar a
estabilidade política.
Os países que aceitaram o plano,
aceitaram o controlo e a fiscalização
das suas economias, por parte dos EUA
PLANO MOLOTOV COMECON
A URSS respondeu com a criação do
COMECON
O COMECON coordenava as
economias dos países de Leste através
da ajuda financeira da URSS aos seus
aliados
Os países que aceitaram a ajuda
económica da URSS, ficaram sob a sua
esfera política.
A questão alemã (1947-49)
 Após a 2ª Guerra a Alemanha ficou dividida
em quatro zonas de influência.
Os ingleses, franceses e americanos
procederam à unificação administrativa e
monetária das zonas que ocupavam e atribuíram
ajudas financeiras à população.
A URSS decretou o bloqueio à cidade de Berlim,
como retaliação.
 O bloqueio ( que durou 11 meses), originou uma grave crise política , que :
- dividiu a Alemanha em dois estados: A República Federal Alemã ( RFA) e a
República Democrática Alemã ( RDA)
- consolidou a divisão do mundo em dois blocos antagónicos: o Bloco
Ocidental ( capitalista) e o Bloco de Leste ( socialista)
- iniciou o período da Guerra Fria ( período de grande tensão política,
ideológica e militar entre as duas superpotências: URSS e EUA)
Focos de Tensão durante a Guerra Fria
Divisão da Coreia em dois estados após a 2ª guerra: República
Popular da Coreia ( a Norte e sob a influência da URSS) e a
República Democrática da Coreia ( a Sul, sob a influência dos
EUA)
A invasão da Coreia do Sul pela Coreia do Norte, com vista à
unificação do país, sob a bandeira comunista, desencadeou uma
violenta guerra, apoiada pelas duas superpotências.
O conflito resolveu-se com a reposição da divisão entre as duas
Coreias.
O conflito permanece latente até hoje.
GUERRA
DA COREIA
( 1950-53)
Construção do muro
de Berlim ( 1961)
Símbolo da Guerra
Fria, foi construído
pelos soviéticos, como
forma de travar a fuga
da população para o
mundo capitalista.
Crise dos mísseis
de Cuba
(1962)
- Fidel Castro, líder cubano, segue
a ideologia soviética, pelo que se
torna hostilizado pelos EUA.
- Fidel Castro aceita a instalação
de mísseis nucleares russos em
Cuba, capazes de destruírem o
território americano.
- Os EUA decretam um bloqueio
económico a Cuba.
- A eminência de um conflito
nuclear levou a cedências de
ambas as partes: a URSS retirou
os mísseis e os EUA
comprometeram-se a não
derrubarem o regime cubano.
 Corrida aos armamentos : “ equilíbrio pelo Terror” – cada bloco tenta, pelo
poder de destruição criado, dissuadir o opositor de qualquer ataque.
O MUNDO CAPITALISTA
A política de alianças : as alianças económicas
O Plano Marshall impunha a criação de um organismo que coordenasse a ajuda
financeira prestada pelos EUA à Europa.
 1948 - Foi criada a primeira aliança económica : Organização Europeia de
Cooperação Económica ( OECE), mais tarde ( 1961) chamada Organização para a
Cooperação e Desenvolvimento Económico ( OCDE)
1950 – Criação da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço ( CECA)
1957 – Criação da Comunidade Económica Europeia ( CEE), pelo Tratado de Roma
1958 – Criação do BENELUX ( união aduaneira da Bélgica, Países Baixos e
Luxemburgo)
1960 – Criação da EFTA ( European Free Trade Association), área de comércio
livre.
A política de alianças : as alianças militares (pactomania)
 1949 – Criação da OTAN – Organização do Tratado do Atlântico Norte ( NATO), pacto
para defesa mútua entre os países situados nas costas do Atlântico norte e os países da
Europa Ocidental.
 Outras alianças militares:
- TIAR ( Pacto do Rio) – as nações latino-americanas acordaram a defesa coletiva
do continente americano
- OEA – Organização dos Estados Americanos – pacto de ajuda mútua entre os
países do continente americano
- ANZUS- ( Pacto do Pacífico) entre EUA, Nova Zelândia e Austrália
- OTASE – Organização do Tratado da Ásia do Sudeste (SEATO), celebrado entre os
países do sudeste asiático e os seus antigos colonizadores ( França e Inglaterra)
- CENTO –( Pacto de Bagdade) – Grã-Bretanha, Turquia, Paquistão, Irão e Iraque
Prosperidade económica (1945-1973)
Deu-se um crescimento de forma contínua nestas 3 décadas- “os trinta gloriosos”
e nalguns países de forma muito acentuada- “milagre económico” (RFA, França e
Japão)
- aumento da produção de bens e serviços
- aumento da produtividade agrícola
- decuplicou (x 10) a produção de energia e a produção industrial.
- grandes progressos tecnológicos
- desenvolvimento dos transportes e das trocas comerciais
Fatores do crescimento económico
INTENSIFICAÇÃO DA PROCURA
 Surto demográfico ( baby-boom),
devido ao aumento da natalidade, que
se traduz no aumento do consumo.
A liberalização das trocas comerciais
levou à sua internacionalização.
Afirmação do Estado-Providência
INTENSIFICAÇÃO DA RESPOSTA DO
SETOR PRODUTIVO
 a mão de obra disponível cresceu, quer
em quantidade, quer em qualidade
(aumento dos níveis de qualificação e do
espírito inovador)
Disponibilidade de capitais, os quais
eram reinvestidos em indústrias.
Aumento das concentrações
empresariais
Aceleração do progresso científico e
tecnológico.
Sociedade de consumo
Sociedade de consumo é o tipo de sociedade que se caracteriza por elevados
níveis de consumo necessários e supérfluos.
Pleno emprego, aumento de salários, aumento da produção a preços
acessíveis;
Diferentes eletrodomésticos e automóveis fazem parte do quotidiano das
famílias;
Grandes espaços comerciais, campanhas de publicidade e vendas a crédito
Consumismo
(emblema da 2ª metade do século XX)
Socialismo Reformista
SOCIAL DEMOCRACIA
 Tem por base o Revisionismo de Bernstein (
séc. XIX), que defendia a construção de uma
sociedade socialista através do reformismo
democrático.
Propõe a conciliação entre a livre
concorrência ( liberalismo económico) e a
intervenção do Estado na economia
( intervencionismo)
O Estado deve controlar a economia e adotar
políticas fiscais para melhor distribuição da
riqueza.
DEMOCRACIA CRISTÃ
 Tem por base a “ doutrina social da Igreja”,
que defende princípios humanistas.
Defende que o exercício do poder
democrático passa pelo dever dos governantes
de promoverem o bem estar dos cidadãos e
maior justiça social.
O Estado- Providência
O Estado: equilibrador, regulador e promotor de justiça social
É elemento
equilibrador quando se
constitui empresa
empregadora e
concorre com as
empresas privadas na
criação de postos de
trabalho
É elemento regulador
quando toma medidas
legislativas no sentido
de submeter as
diferentes atividades
da vida económica aos
seus objetivos
É elemento promotor
de justiça social
quando implementa
sistemas de
redistribuição mais
equitativa da riqueza
nacional ou quando
promove a qualidade
de vida dos mais
desfavorecidos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
Carlos Vieira
 
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
Susana Cardoso Simões
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Susana Simões
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
Escoladocs
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Rainha Maga
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
Milagre japones
Milagre japonesMilagre japones
Milagre japones
Carlos Vieira
 
Frentes populares
Frentes popularesFrentes populares
Frentes populares
Mariana Marques
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria
Vítor Santos
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
João Lima
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
Ilda Bicacro
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
Vítor Santos
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Margarida Moreira
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
cattonia
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
CludiaBelluschiCosta
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
Rui Neto
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à Democracia
Carlos Vieira
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
Anabelafernandes
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
Carlos Vieira
 

Mais procurados (20)

As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
 
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
Milagre japones
Milagre japonesMilagre japones
Milagre japones
 
Frentes populares
Frentes popularesFrentes populares
Frentes populares
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à Democracia
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
 

Destaque

Plano marshall - Helen
Plano marshall - HelenPlano marshall - Helen
Plano marshall - Helen
Helenfary
 
Plano Marshall & COMECON
Plano Marshall & COMECONPlano Marshall & COMECON
Plano Marshall & COMECON
Renata Kugler
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Elaine Bogo Pavani
 
Guerra Fria I
Guerra Fria IGuerra Fria I
Guerra Fria I
Aulas de História
 
Plano Marshall e Portugal
Plano Marshall e PortugalPlano Marshall e Portugal
Plano Marshall e Portugal
Nuno Câmara
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Kéliton Ferreira
 
História guerra fria - conceitos
História   guerra fria - conceitosHistória   guerra fria - conceitos
História guerra fria - conceitos
Maria Rebelo
 
Expansão do mundo comunista
Expansão do mundo comunistaExpansão do mundo comunista
Expansão do mundo comunista
guestfe54e6
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
Valéria Shoujofan
 
Pacto de varsovia
Pacto de varsoviaPacto de varsovia
Pacto de varsovia
Andrés Rojas
 
A Guerra Fria (ppt)
A Guerra Fria (ppt)A Guerra Fria (ppt)
A Guerra Fria (ppt)
Janayna Lira
 
A Guerra Fria (1945-1989)
A Guerra Fria (1945-1989)A Guerra Fria (1945-1989)
A Guerra Fria (1945-1989)
Edenilson Morais
 
História
HistóriaHistória
História
Patriiicia44
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
Láyla Vieira
 
Charges da Guerra Fria
Charges da Guerra FriaCharges da Guerra Fria
Charges da Guerra Fria
Elton Zanoni
 
Vitrine
VitrineVitrine
A guerra fria
A  guerra friaA  guerra fria
Vitrinismo 1
Vitrinismo 1Vitrinismo 1
Vitrinismo 1
Andrespineda26
 
A Política Externa e de Segurança Comum (PESC)
A Política Externa e de Segurança Comum (PESC)A Política Externa e de Segurança Comum (PESC)
A Política Externa e de Segurança Comum (PESC)
GeografiaC
 
Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
valdeck1
 

Destaque (20)

Plano marshall - Helen
Plano marshall - HelenPlano marshall - Helen
Plano marshall - Helen
 
Plano Marshall & COMECON
Plano Marshall & COMECONPlano Marshall & COMECON
Plano Marshall & COMECON
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra Fria I
Guerra Fria IGuerra Fria I
Guerra Fria I
 
Plano Marshall e Portugal
Plano Marshall e PortugalPlano Marshall e Portugal
Plano Marshall e Portugal
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
História guerra fria - conceitos
História   guerra fria - conceitosHistória   guerra fria - conceitos
História guerra fria - conceitos
 
Expansão do mundo comunista
Expansão do mundo comunistaExpansão do mundo comunista
Expansão do mundo comunista
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Pacto de varsovia
Pacto de varsoviaPacto de varsovia
Pacto de varsovia
 
A Guerra Fria (ppt)
A Guerra Fria (ppt)A Guerra Fria (ppt)
A Guerra Fria (ppt)
 
A Guerra Fria (1945-1989)
A Guerra Fria (1945-1989)A Guerra Fria (1945-1989)
A Guerra Fria (1945-1989)
 
História
HistóriaHistória
História
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Charges da Guerra Fria
Charges da Guerra FriaCharges da Guerra Fria
Charges da Guerra Fria
 
Vitrine
VitrineVitrine
Vitrine
 
A guerra fria
A  guerra friaA  guerra fria
A guerra fria
 
Vitrinismo 1
Vitrinismo 1Vitrinismo 1
Vitrinismo 1
 
A Política Externa e de Segurança Comum (PESC)
A Política Externa e de Segurança Comum (PESC)A Política Externa e de Segurança Comum (PESC)
A Política Externa e de Segurança Comum (PESC)
 
Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
 

Semelhante a A Guerra Fria

Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
alunosbertoni
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
Teresa Maia
 
Geopolítica do mundo contemporâneo
Geopolítica do mundo contemporâneoGeopolítica do mundo contemporâneo
Geopolítica do mundo contemporâneo
Roberto Costa
 
Guerra fria completo
Guerra fria completoGuerra fria completo
Guerra fria completo
Jose Luiz de Oliveira
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
2
22
O mundo bipolar
O mundo bipolarO mundo bipolar
O mundo bipolar
Vitor Pereira Rodrigues
 
As ordens mundiais
As ordens mundiaisAs ordens mundiais
As ordens mundiais
Colégio Nova Geração COC
 
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra FriaDo mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Charles Santos
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
recoba27
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
Gilmar Rodrigues
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundialSegunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
Edenilson Morais
 
Geop geopolítica no mundo conteporâneo
Geop geopolítica no mundo conteporâneoGeop geopolítica no mundo conteporâneo
Geop geopolítica no mundo conteporâneo
Zito Monteiro
 
Resumo a guerra fria
Resumo   a guerra friaResumo   a guerra fria
Resumo a guerra fria
historiando
 
GUERRA FRIA.pptx
GUERRA FRIA.pptxGUERRA FRIA.pptx
GUERRA FRIA.pptx
MiSink1
 
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneoO capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
polyanabritto35
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
RafaelBLW
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
echechurry
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
echechurry
 
O mundo após 1945
O mundo após 1945O mundo após 1945
O mundo após 1945
Hélio Santos
 

Semelhante a A Guerra Fria (20)

Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
 
Geopolítica do mundo contemporâneo
Geopolítica do mundo contemporâneoGeopolítica do mundo contemporâneo
Geopolítica do mundo contemporâneo
 
Guerra fria completo
Guerra fria completoGuerra fria completo
Guerra fria completo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
2
22
2
 
O mundo bipolar
O mundo bipolarO mundo bipolar
O mundo bipolar
 
As ordens mundiais
As ordens mundiaisAs ordens mundiais
As ordens mundiais
 
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra FriaDo mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundialSegunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
 
Geop geopolítica no mundo conteporâneo
Geop geopolítica no mundo conteporâneoGeop geopolítica no mundo conteporâneo
Geop geopolítica no mundo conteporâneo
 
Resumo a guerra fria
Resumo   a guerra friaResumo   a guerra fria
Resumo a guerra fria
 
GUERRA FRIA.pptx
GUERRA FRIA.pptxGUERRA FRIA.pptx
GUERRA FRIA.pptx
 
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneoO capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
O mundo após 1945
O mundo após 1945O mundo após 1945
O mundo após 1945
 

Mais de nanasimao

Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JCHábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
nanasimao
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
nanasimao
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
nanasimao
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
nanasimao
 
Gótico Europeu
Gótico EuropeuGótico Europeu
Gótico Europeu
nanasimao
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
nanasimao
 
Breve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e FilândiaBreve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e Filândia
nanasimao
 
Freedom House
Freedom HouseFreedom House
Freedom House
nanasimao
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
nanasimao
 
Operação Lex
Operação LexOperação Lex
Operação Lex
nanasimao
 
Os telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneoOs telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneo
nanasimao
 
13 Reasons Why
13 Reasons Why 13 Reasons Why
13 Reasons Why
nanasimao
 
Rede Globo
Rede GloboRede Globo
Rede Globo
nanasimao
 
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolarAmeaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
nanasimao
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
nanasimao
 
A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas
nanasimao
 
Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre  Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre
nanasimao
 
A propaganda Nazi
A propaganda Nazi A propaganda Nazi
A propaganda Nazi
nanasimao
 
Karl Blossfeldt
Karl BlossfeldtKarl Blossfeldt
Karl Blossfeldt
nanasimao
 
A publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e ManipulaçãoA publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e Manipulação
nanasimao
 

Mais de nanasimao (20)

Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JCHábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
 
Gótico Europeu
Gótico EuropeuGótico Europeu
Gótico Europeu
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
 
Breve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e FilândiaBreve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e Filândia
 
Freedom House
Freedom HouseFreedom House
Freedom House
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
 
Operação Lex
Operação LexOperação Lex
Operação Lex
 
Os telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneoOs telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneo
 
13 Reasons Why
13 Reasons Why 13 Reasons Why
13 Reasons Why
 
Rede Globo
Rede GloboRede Globo
Rede Globo
 
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolarAmeaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
 
A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas
 
Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre  Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre
 
A propaganda Nazi
A propaganda Nazi A propaganda Nazi
A propaganda Nazi
 
Karl Blossfeldt
Karl BlossfeldtKarl Blossfeldt
Karl Blossfeldt
 
A publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e ManipulaçãoA publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e Manipulação
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

A Guerra Fria

  • 1. M8_ Unid.1_ Nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico 1.2 – O TEMPO DA “GUERRA FRIA”- A CONSOLIDAÇÃO DO MUNDO BIPOLAR
  • 2. Mundo Bipolar EUA ( MUNDO CAPITALISTA) URSS (MUNDO COMUNISTA) Doutrina Truman Doutrina Jdanov Plano Marshall Plano Molotov COMECON 1º Conflito: a questão alemã GUERRA FRIA
  • 3. DOUTRINA TRUMAN (MARÇO DE 1947) Pressão soviética sobre a Turquia e a Grécia. Truman adota a política de contenção do avanço soviético ( doutrina Truman) -apela à luta de todos os países ocidentais contra o totalitarismo soviético. -comprometeu-se a prestar auxílio a todos os estados cuja liberdade e soberania fosse ameaçada DOUTRINA JDANOV ( SETEMBRO DE 1947)  Resposta soviética à doutrina Truman. Defendia que o mundo deveria se dividido em duas grandes áreas opostas: a área “imperialista”, liderada pelos EUA e a área “ democrática”, liderada pela URSS Reivindicava o direito à extensão da área soviética até ao centro da Europa, transformando os países que libertou da dominação nazi em satélites políticos da URSS.
  • 4. As alianças económicas PLANO MARSHALL  Os EUA defendiam que a recuperação económica da Europa poderia travar o avanço comunista para o Ocidente Os EUA lançaram o Plano Marshall (1947), programa de ajuda económica e técnica aos países europeus, para relançar as suas economias e criar a estabilidade política. Os países que aceitaram o plano, aceitaram o controlo e a fiscalização das suas economias, por parte dos EUA PLANO MOLOTOV COMECON A URSS respondeu com a criação do COMECON O COMECON coordenava as economias dos países de Leste através da ajuda financeira da URSS aos seus aliados Os países que aceitaram a ajuda económica da URSS, ficaram sob a sua esfera política.
  • 5. A questão alemã (1947-49)  Após a 2ª Guerra a Alemanha ficou dividida em quatro zonas de influência. Os ingleses, franceses e americanos procederam à unificação administrativa e monetária das zonas que ocupavam e atribuíram ajudas financeiras à população. A URSS decretou o bloqueio à cidade de Berlim, como retaliação.
  • 6.  O bloqueio ( que durou 11 meses), originou uma grave crise política , que : - dividiu a Alemanha em dois estados: A República Federal Alemã ( RFA) e a República Democrática Alemã ( RDA) - consolidou a divisão do mundo em dois blocos antagónicos: o Bloco Ocidental ( capitalista) e o Bloco de Leste ( socialista) - iniciou o período da Guerra Fria ( período de grande tensão política, ideológica e militar entre as duas superpotências: URSS e EUA)
  • 7. Focos de Tensão durante a Guerra Fria Divisão da Coreia em dois estados após a 2ª guerra: República Popular da Coreia ( a Norte e sob a influência da URSS) e a República Democrática da Coreia ( a Sul, sob a influência dos EUA) A invasão da Coreia do Sul pela Coreia do Norte, com vista à unificação do país, sob a bandeira comunista, desencadeou uma violenta guerra, apoiada pelas duas superpotências. O conflito resolveu-se com a reposição da divisão entre as duas Coreias. O conflito permanece latente até hoje. GUERRA DA COREIA ( 1950-53)
  • 8. Construção do muro de Berlim ( 1961) Símbolo da Guerra Fria, foi construído pelos soviéticos, como forma de travar a fuga da população para o mundo capitalista.
  • 9. Crise dos mísseis de Cuba (1962) - Fidel Castro, líder cubano, segue a ideologia soviética, pelo que se torna hostilizado pelos EUA. - Fidel Castro aceita a instalação de mísseis nucleares russos em Cuba, capazes de destruírem o território americano. - Os EUA decretam um bloqueio económico a Cuba. - A eminência de um conflito nuclear levou a cedências de ambas as partes: a URSS retirou os mísseis e os EUA comprometeram-se a não derrubarem o regime cubano.
  • 10.  Corrida aos armamentos : “ equilíbrio pelo Terror” – cada bloco tenta, pelo poder de destruição criado, dissuadir o opositor de qualquer ataque.
  • 12. A política de alianças : as alianças económicas O Plano Marshall impunha a criação de um organismo que coordenasse a ajuda financeira prestada pelos EUA à Europa.  1948 - Foi criada a primeira aliança económica : Organização Europeia de Cooperação Económica ( OECE), mais tarde ( 1961) chamada Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico ( OCDE) 1950 – Criação da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço ( CECA) 1957 – Criação da Comunidade Económica Europeia ( CEE), pelo Tratado de Roma 1958 – Criação do BENELUX ( união aduaneira da Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo) 1960 – Criação da EFTA ( European Free Trade Association), área de comércio livre.
  • 13. A política de alianças : as alianças militares (pactomania)  1949 – Criação da OTAN – Organização do Tratado do Atlântico Norte ( NATO), pacto para defesa mútua entre os países situados nas costas do Atlântico norte e os países da Europa Ocidental.  Outras alianças militares: - TIAR ( Pacto do Rio) – as nações latino-americanas acordaram a defesa coletiva do continente americano - OEA – Organização dos Estados Americanos – pacto de ajuda mútua entre os países do continente americano - ANZUS- ( Pacto do Pacífico) entre EUA, Nova Zelândia e Austrália - OTASE – Organização do Tratado da Ásia do Sudeste (SEATO), celebrado entre os países do sudeste asiático e os seus antigos colonizadores ( França e Inglaterra) - CENTO –( Pacto de Bagdade) – Grã-Bretanha, Turquia, Paquistão, Irão e Iraque
  • 14. Prosperidade económica (1945-1973) Deu-se um crescimento de forma contínua nestas 3 décadas- “os trinta gloriosos” e nalguns países de forma muito acentuada- “milagre económico” (RFA, França e Japão) - aumento da produção de bens e serviços - aumento da produtividade agrícola - decuplicou (x 10) a produção de energia e a produção industrial. - grandes progressos tecnológicos - desenvolvimento dos transportes e das trocas comerciais
  • 15. Fatores do crescimento económico INTENSIFICAÇÃO DA PROCURA  Surto demográfico ( baby-boom), devido ao aumento da natalidade, que se traduz no aumento do consumo. A liberalização das trocas comerciais levou à sua internacionalização. Afirmação do Estado-Providência INTENSIFICAÇÃO DA RESPOSTA DO SETOR PRODUTIVO  a mão de obra disponível cresceu, quer em quantidade, quer em qualidade (aumento dos níveis de qualificação e do espírito inovador) Disponibilidade de capitais, os quais eram reinvestidos em indústrias. Aumento das concentrações empresariais Aceleração do progresso científico e tecnológico.
  • 16. Sociedade de consumo Sociedade de consumo é o tipo de sociedade que se caracteriza por elevados níveis de consumo necessários e supérfluos. Pleno emprego, aumento de salários, aumento da produção a preços acessíveis; Diferentes eletrodomésticos e automóveis fazem parte do quotidiano das famílias; Grandes espaços comerciais, campanhas de publicidade e vendas a crédito Consumismo (emblema da 2ª metade do século XX)
  • 17. Socialismo Reformista SOCIAL DEMOCRACIA  Tem por base o Revisionismo de Bernstein ( séc. XIX), que defendia a construção de uma sociedade socialista através do reformismo democrático. Propõe a conciliação entre a livre concorrência ( liberalismo económico) e a intervenção do Estado na economia ( intervencionismo) O Estado deve controlar a economia e adotar políticas fiscais para melhor distribuição da riqueza. DEMOCRACIA CRISTÃ  Tem por base a “ doutrina social da Igreja”, que defende princípios humanistas. Defende que o exercício do poder democrático passa pelo dever dos governantes de promoverem o bem estar dos cidadãos e maior justiça social.
  • 18. O Estado- Providência O Estado: equilibrador, regulador e promotor de justiça social É elemento equilibrador quando se constitui empresa empregadora e concorre com as empresas privadas na criação de postos de trabalho É elemento regulador quando toma medidas legislativas no sentido de submeter as diferentes atividades da vida económica aos seus objetivos É elemento promotor de justiça social quando implementa sistemas de redistribuição mais equitativa da riqueza nacional ou quando promove a qualidade de vida dos mais desfavorecidos.