SlideShare uma empresa Scribd logo
A RECONSTRUÇÃO DO PÓS-GUERRA
1. A DEFINIÇÃO DE ÁREAS DE INFLUÊNCIA
Com o fim da Segunda Guerra Mundial a Alemanha e o Japão, que sonhavam com grandes
domínios territoriais, saíram da guerra totalmente vencidos e humilhados.
O Reino Unido e a Franca, embora vencedores, estavam empobrecidos e dependentes da
ajuda externa.
Perante a ruína do pós-guerra só duas potências permaneciam fortes:
- URSS: escudada na força do Exército Vermelho e na sua imensa extensão geográfica;
-EUA: indiscutivelmente a primeira potência mundial.
A construção de uma nova ordem internacional: as conferências de paz
Com o aproximar do fim da Segunda Guerra Mundial os Aliados (vencedores) começam a
delinear estratégias para o período de paz que viria.
Entre 4 e 11 de fevereiro de 1945, Roosevelt (presidente americano), Churchill (primeiro
ministro inglês) e Estaline (secretário geral do partido comunista – URSS) reúnem-se nas
termas de Ialta (nas margens do Mar Negro), com o objetivo de estabelecerem as regras que
devem sustentar a nova ordem internacional do pós-guerra.
Conferência de Ialta:
- Definiram-se as fronteiras da Polónia, ponto de discórdia entre os ocidentais – que não
esqueciam ter sido a violação das fronteiras polacas a causa imediata da guerra – e os
soviéticos – que não desistiam de ocupar a parte oriental do país;
- Estabeleceu-se a divisão provisória da Alemanha em quatro áreas de ocupação, geridas pelas
três potências conferencistas e pela França, sob a coordenação de um Conselho Aliado;
- Marcação da reunião da conferência preparatória da ONU;
- Supervisão dos três grandes na futura constituição dos países de Leste, ocupadas pelo eixo;
- Estabelecimento de 20.000 milhões de dólares como base das reparações da guerra devidas
pela Alemanha.
Alguns meses mais tarde, em finais de julho de 1945, reuniu-se em Potsdam (perto de Berlim)
uma nova conferência com o fim de consolidar os alicerces da paz.
Decorreu num clima mais tenso que a de Ialta.
Vencida a Alemanha, renasciam as desconfianças face ao regime comunista que Estaline
representava e às suas pretensões expansionistas na Europa.
Deste modo, a conferência encerrou sem alcançar uma solução definitiva para os países
vencidos, limitando-se a ratificar e a pormenorizar os aspetos já acordados em Ialta.
Conferência de Potsdam:
- Perda provisória da soberania alemã e sua divisão em quatro zonas de influências;
- Administração conjunta da cidade de Berlim, igualmente dividida em quatro zonas de
ocupação;
- Montante e tipo de indemnizações a pagar pela Alemanha;
- Julgamento dos criminosos de guerra nazis, através da criação do Tribunal Internacional de
Nuremberga;
- Divisão, ocupação e desnazificação da Áustria, em moldes semelhantes aos estabelecidos
para a Alemanha.
Um novo quadro político
Nó pós-guerra aumenta a importância da URSS a nível internacional. No último ano do
conflito, na sua marcha vitoriosa até Berlim, coubera ao Exército Vermelho a libertação dos
países da Europa Ocidental. Na Polónia, Checoslováquia, Hungria, Roménia e Bulgária, os
soldados russos substituíram os ocupantes nazis.
Entre 1946 e 1948, estes países encaminharam-se para o socialismo, constituindo as
democracias liberais.
Este rápido processo de sovietização foi, de imediato, contestado pelos ocidentais. Churchill
denunciou a criação, por parte da URSS, de uma área de influência impenetrável, isolada do
ocidente por uma “cortina de ferro”1
.
1 Expressão utilizada para a divisão em dois da Europa: Europa Ocidental e Europa
Oriental.
2. A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS
Após o fracasso da SDN a ideia de uma organização internacional que assegurasse a paz e a
segurança permaneceu.
Deste modo, Franklin Roosevelt, nas cimeiras da “Grande Aliança” criou uma organização mais
consistente – a ONU.
Este projeto ficou acordado em 1943 na Conferência de Teerão e foi ratificado em Ialta onde
se decidiu a convocação de uma conferência para redigir e aprovar a carta fundadora das
nações unidas.
Esta, iniciou-se no dia 25 de Abril de 1945 em São Francisco, tendo como princípios
fundamentais:
- Manter a paz e reprimir os atos de agressão, utilizando meios pacíficos, de acordo com os
princípios da justiça e o direito internacional;
- Desenvolver relações de amizade entre os países do mundo, baseadas na igualdade entre os
povos e no seu direito à autodeterminação;
- Desenvolver a cooperação internacional no âmbito económico, social e cultural e promover a
defesa dos Direitos Humanos;
- Funcionar como centro harmonizador das ações tomadas para alcançar estes propósitos.
A defesa dos Direitos do Homem
Após as atrocidades cometidas durante a Segunda Guerra Mundial com o holocausto e
disposta a impedi-las no futuro, a ONU tomou uma feição profundamente humanista, através
do reforço, em 1948, da Declaração Universal dos Direitos do Homem substituindo a
Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, que passou a integrar os documentos
fundamentais das Nações Unidas.
Este documento definia os direitos e as liberdades fundamentais (direito à vida, liberdade de
reunião, expressão, etc.) e também tivera sido atribuído um papel importante às questões
económico-sociais (direito ao trabalho, ao descanso, ao ensino…).
Órgãos de funcionamento
A Carta das Nações Unidades definiu também os órgãos básicos do funcionamento da
instituição:
- Assembleia Geral: formada pela generalidade dos Estados-membros, funciona como um
parlamento;
- Conselho de Segurança: formado por 15 membros (cinco dos quais permanentes – EUA,
URSS, Reino Unido, França e República Popular da China) e 10 flutuantes eleitos pela
Assembleia-Geral por dois anos. É o órgão diretamente responsável pela manutenção da paz e
da segurança: atua como mediador, decreta sanções económicas e em último caso decide a
intervenção das forças militares;
- Secretariado-Geral: representa a ONU e, com ela, praticamente todos os povos do mundo;
- Conselho Económico-Social: encarregado de promover a cooperação a nível económico,
social e cultural entre as nações. Atua através de instituições especializadas e outros órgãos
específicos que se encontram sob a sua tutela: BIRD, FAO, OIT, OMS. É um dos órgãos mais
ativos e importantes da ONU.
- Tribunal Internacional da Justiça: é o órgão máximo da justiça internacional;
- Conselho de Tutela: órgão criado com o fim principal de administrar os territórios que
outrora se encontravam sob a alçada da SDN;
A ONU tem sede em Nova Iorque desde 1952, contando com 192 países.
3. AS NOVAS REGRAS DA ECONOMIA INTERNACIONAL
O ideal de cooperação económica
O planeamento do pós-guerra não se processou somente a nível político. Em julho de 1944,
um grupo de economistas (dos quais um deles era Keynes, ligado ao intervencionismo) reuniu-
se em Bretton Woods (EUA) a fim de prever e estruturar a situação monetária e financeira do
período de paz.
Com o fim da guerra tornava-se essencial regularizar o comércio mundial, os pagamentos e a
circulação de capitais, evitando o círculo vicioso de desvalorizações monetárias e a
instabilidade das taxas de câmbio dos anos 20 e 30.
Assim, para garantir a estabilidade das moedas criou-se um novo sistema monetário
internacional: o dólar era a moeda-padrão e as restantes moedas tiveram sido convertidas em
ouro ou dólar.
Na mesma conferência e com o objetivo de operacionalizar o sistema criaram-se dois
organismos importantes:
- FMI (Fundo Monetário Internacional) ao qual recorreriam os bancos centrais dos países com
dificuldades em manter a paridade fixa da moeda ou equilibrar a sua balança de pagamentos;
- Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BIRD) também conhecido
como Banco Mundial, destinado a financiar projetos de fomento económico a longo prazo.
Em 1947, na Conferência Internacional de Genebra, assina-se um Acordo Geral de Tarifas e
Comércio (GATT) onde 23 países se comprometeram a negociar a redução dos direitos
alfandegários e outras restrições comerciais. Isto permitia melhorar as condições de vida,
garantia o emprego, permitia o crescimento da produção e do consumo e a expansão das
trocas de mercadorias.
Esta ideia de um espaço económico alargado deu origem, nesse mesmo ano, à BENELUX:
aliança entre a Bélgica, Holanda e Luxemburgo, prevendo a abolição das tarifas alfandegárias
entre os três países.
O TEMPO DA GUERRA FRIA – A CONSOLIDAÇÃO DE UM MUNDO
BIPOLAR
1. UM MUNDO BIPOLAR
A rutura
Quando em 1946, Churchill afirmou que uma “cortina de ferro” dividia a Europa, o processo de
sovietização dos países de Leste era já irreversível. Sob a tutela diplomática e militar da URSS,
os partidos comunistas ganhavam forças e, progressivamente, tomavam o poder. Para
coordenar a sua atuação, tornando-se mais eficiente, criou-se, em 1947, o Kominform
(Secretariado de Informação Comunista) que se tornou um importante organismo de controlo
por parte da URSS.
Um ano passado sobre o alerta de Churchill, os EUA assumem a liderança da oposição aos
avanços do socialismo2
.
É neste contexto que o presidente Truman alarga a divisão europeia ao mundo que está
dividido em dois sistemas antagónicos: um baseado na liberdade e outro na opressão. Aos
americanos cabe a liderança do undo livre na contenção do comunismo.
À doutrina Truman opõe-se a doutrina Jdanov, que segundo o dirigente soviético afirma que o
mundo se divide, de facto, em dois sistemas contrários: um, imperialista e antidemocrático –
liderado pelos EUA – e outro em que reina a democracia e a fraternidade entre os povos,
correspondente ao mundo socialista – liderado pela URSS.
Para além de formalizar a divisão do mundo em duas forças opostas, a doutrina Truman
deixava também clara a necessidade de ajudar a Europa a reerguer-se economicamente.
2
Esta posição inverte a tradicional postura de isolamentos dos EUA que olharam
sempre com relutância a interferência direta na política internacional.
As perdas humanas e materiais tinham sido pesadíssimas e os EUA tiveram ajudado a Europa.
É neste contexto que o secretário de Estado americano Marshall anuncia, em junho de 1947,
um plano de ajuda económica à Europa.
Este plano foi oferecido a toda a Europa, incluindo os países que se encontravam já sob
influência soviética, mas esta ténue tentativa de aproximação não teve êxito. Moscovo
classifica a ajuda americana de “manobra imperialista” e impede os países sob sua influência
de a aceitaram.
Em janeiro de 1959, Moscovo lança o plano Molotov, que estabelece as estruturas de
cooperação económica da Europa Oriental.
Foi no âmbito deste plano que se criou o COMECON (Conselho de Assistência Económica
Mútua), instituição destinada a promover o desenvolvimento integrado dos países comunistas,
sob proteção da União Soviética.
Os países abrangidos pelo Plano Marshall e os países do COMECON funcionaram como áreas
transnacionais, coesas e distintas uma da outra.
A divisão do mundo em dois blocos antagónicos consolidou-se, tal como a liderança das duas
superpotências.
O primeiro conflito: a questão alemã
Este clima de desentendimento e confrontação refletiu-se de imediato na gestão conjunta do
território alemão, que na sequência da Conferência de Potsdam se encontrava dividido e
ocupado pelas quatro potências vencedoras.
A expansão do comunismo no primeiro ano da paz fez com que ingleses e americanos
olhassem a Alemanha, não já como o inimigo vencido, mas como um aliado imprescindível à
contenção do avanço soviético.
O renascimento alemão tornou-se uma prioridade para os americanos, que intensificaram os
esforços para a criação de uma república federal constituída pelos territórios sob ocupação das
três potências ocidentais – República Federal Alemã (RFA).
A União Soviética protestou vivamente contra aquilo que considerava uma violação dos
acordos estabelecidos, mas acabou por desenvolver uma atuação semelhante na sua própria
zona que conduziu à criação de um Estado paralelo, sob a alçada soviética – República
Democrática Alemã (RDA).
Esta divisão fez com que houvessem discórdias quanto a Berlim, uma vez que ainda lá estavam
as forças militares das três potências ocidentais.
Numa tentativa de forçar a retirada dessas forças, Estaline bloqueia aos três aliados todos os
acessos terrestres à cidade.
O Bloqueio de Berlim, que se prolongou de junho de 1948 a maio de 1949, foi o primeiro medir
de forças entre as duas superpotências.
Assim, três anos passados sobre o fim da Segunda Guerra, os antigos aliados tinham-se
tornado rivais e a sua rivalidade dividia o mundo, pondo em risco os esforços da paz.
Nas décadas que se seguiram, as relações internacionais refletiram esta instabilidade e
impregnaram-se de um clima de forte tensão: foi o tempo da Guerra Fria.
A Guerra Fria
O afrontamento entre as duas superpotências e os seus aliados prolongou-se até meados dos
anos 80, altura em que o bloco soviético mostrou os primeiros sinais de fraqueza.
Durante este longo período, os EUA e a URSS intimidaram-se mutuamente gerando um clima
de hostilidade e insegurança que deixou o mundo num permanente sobressalto. É este clima
de tensão internacional que se designa por Guerra Fria.
A Guerra fria caracterizou-se por cada bloco se procurar superiorizar ao outro, quer em
armamento como na ampliação das suas áreas de influência. Enquanto isso, a propaganda
incutia nas populações a ideia da superioridade do seu sistema e a rejeição e o temor do lado
contrário, ao qual se atribuíam as intenções mais sinistras e os planos mais diabólicos.
As duas superpotências defendiam conceções opostas de organização política, vida económica
e estruturação social: de um lado, o liberalismo assente sobre o princípio da liberdade
individual; do outro, o marxismo, que subordina o indivíduo ao interesse da coletividade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
Susana Cardoso Simões
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
Vítor Santos
 
China de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-TungChina de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-Tung
home
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
Carlos Vieira
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
home
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
home
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
Carlos Vieira
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
Vítor Santos
 
2 Um novo equilíbrio global
2   Um novo equilíbrio global2   Um novo equilíbrio global
2 Um novo equilíbrio global
Núria Inácio
 
Um mundo policêntrico
Um mundo policêntricoUm mundo policêntrico
Um mundo policêntrico
Morgangie Das Fadas
 
2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização
Carlos Vieira
 
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9  Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
nanasimao
 
A Oposição Democrática
A Oposição DemocráticaA Oposição Democrática
A Oposição Democrática
Sónia Cruz
 
Japão - Geografia C
Japão - Geografia CJapão - Geografia C
Japão - Geografia C
Drew Mello
 
Geografia c 12
Geografia c 12Geografia c 12
Geografia c 12
Ilda Bicacro
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
Vítor Santos
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
home
 
A ascensão da Europa
A ascensão da EuropaA ascensão da Europa
A ascensão da Europa
pcsanto
 
Frentes populares
Frentes popularesFrentes populares
Frentes populares
Mariana Marques
 
Portugal PóS 25 De Abril
Portugal PóS 25 De AbrilPortugal PóS 25 De Abril
Portugal PóS 25 De Abril
Inês
 

Mais procurados (20)

O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
China de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-TungChina de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-Tung
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 
2 Um novo equilíbrio global
2   Um novo equilíbrio global2   Um novo equilíbrio global
2 Um novo equilíbrio global
 
Um mundo policêntrico
Um mundo policêntricoUm mundo policêntrico
Um mundo policêntrico
 
2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização
 
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9  Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 
A Oposição Democrática
A Oposição DemocráticaA Oposição Democrática
A Oposição Democrática
 
Japão - Geografia C
Japão - Geografia CJapão - Geografia C
Japão - Geografia C
 
Geografia c 12
Geografia c 12Geografia c 12
Geografia c 12
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
A ascensão da Europa
A ascensão da EuropaA ascensão da Europa
A ascensão da Europa
 
Frentes populares
Frentes popularesFrentes populares
Frentes populares
 
Portugal PóS 25 De Abril
Portugal PóS 25 De AbrilPortugal PóS 25 De Abril
Portugal PóS 25 De Abril
 

Destaque

O mundo após a II guerra mundial
O mundo após a II guerra mundialO mundo após a II guerra mundial
O mundo após a II guerra mundial
fabiofatudatrabalhos
 
O mundo pós guerra
O mundo pós guerraO mundo pós guerra
O mundo pós guerra
Carla Teixeira
 
A 2ª Guerra Mundial
A 2ª Guerra MundialA 2ª Guerra Mundial
A 2ª Guerra Mundial
Sílvia Mendonça
 
Da 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
Da 2 Guerra Mundial à Guerra FriaDa 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
Da 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
AEDFL
 
Mundo PóS Guerra
Mundo PóS GuerraMundo PóS Guerra
Mundo PóS Guerra
Lucileida Castro
 
Pós guerra e impactos da guerra fria
Pós guerra e impactos da guerra friaPós guerra e impactos da guerra fria
Pós guerra e impactos da guerra fria
carlosbidu
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Valéria Shoujofan
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
Escoladocs
 
História
HistóriaHistória
História
Patriiicia44
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Kéliton Ferreira
 
Slide aula da segunda guerra mundial
Slide aula da segunda guerra mundialSlide aula da segunda guerra mundial
Slide aula da segunda guerra mundial
AllexEleuterio
 
Mapas de Colombia y América politica para trabajar en clase.
Mapas de Colombia y América politica para trabajar en clase.Mapas de Colombia y América politica para trabajar en clase.
Mapas de Colombia y América politica para trabajar en clase.
Demys Lara
 
Museums Australasia Conference 2016
Museums Australasia Conference 2016Museums Australasia Conference 2016
Museums Australasia Conference 2016
Linda Barron
 
Conferencia de potsdam
Conferencia de potsdamConferencia de potsdam
Conferencia de potsdam
Andres Stevez
 
2
22
O BalançO Da 2ª Guerra Mundial
O BalançO Da 2ª Guerra MundialO BalançO Da 2ª Guerra Mundial
O BalançO Da 2ª Guerra Mundial
Deolinda Estêvão
 
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novoMódulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
Escoladocs
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
Jorge Almeida
 
Nazismo,fascismo e salazar
Nazismo,fascismo e salazarNazismo,fascismo e salazar
Nazismo,fascismo e salazar
kyzinha
 
arte contemporânea - reprodução de uma obra
arte contemporânea - reprodução de uma obraarte contemporânea - reprodução de uma obra
arte contemporânea - reprodução de uma obra
Fernando Mendes
 

Destaque (20)

O mundo após a II guerra mundial
O mundo após a II guerra mundialO mundo após a II guerra mundial
O mundo após a II guerra mundial
 
O mundo pós guerra
O mundo pós guerraO mundo pós guerra
O mundo pós guerra
 
A 2ª Guerra Mundial
A 2ª Guerra MundialA 2ª Guerra Mundial
A 2ª Guerra Mundial
 
Da 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
Da 2 Guerra Mundial à Guerra FriaDa 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
Da 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
 
Mundo PóS Guerra
Mundo PóS GuerraMundo PóS Guerra
Mundo PóS Guerra
 
Pós guerra e impactos da guerra fria
Pós guerra e impactos da guerra friaPós guerra e impactos da guerra fria
Pós guerra e impactos da guerra fria
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 
História
HistóriaHistória
História
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
Slide aula da segunda guerra mundial
Slide aula da segunda guerra mundialSlide aula da segunda guerra mundial
Slide aula da segunda guerra mundial
 
Mapas de Colombia y América politica para trabajar en clase.
Mapas de Colombia y América politica para trabajar en clase.Mapas de Colombia y América politica para trabajar en clase.
Mapas de Colombia y América politica para trabajar en clase.
 
Museums Australasia Conference 2016
Museums Australasia Conference 2016Museums Australasia Conference 2016
Museums Australasia Conference 2016
 
Conferencia de potsdam
Conferencia de potsdamConferencia de potsdam
Conferencia de potsdam
 
2
22
2
 
O BalançO Da 2ª Guerra Mundial
O BalançO Da 2ª Guerra MundialO BalançO Da 2ª Guerra Mundial
O BalançO Da 2ª Guerra Mundial
 
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novoMódulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Nazismo,fascismo e salazar
Nazismo,fascismo e salazarNazismo,fascismo e salazar
Nazismo,fascismo e salazar
 
arte contemporânea - reprodução de uma obra
arte contemporânea - reprodução de uma obraarte contemporânea - reprodução de uma obra
arte contemporânea - reprodução de uma obra
 

Semelhante a O mundo após a 2ª guerra mundial

Guerra Fria
Guerra Fria Guerra Fria
Guerra Fria
Magda Silva
 
O Mundo saído da II Guerra Mundial.pdf..
O Mundo saído da II Guerra Mundial.pdf..O Mundo saído da II Guerra Mundial.pdf..
O Mundo saído da II Guerra Mundial.pdf..
JoelFernandes95
 
Os acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & aOs acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & a
ana paula santos molina
 
Os acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & aOs acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & a
ana paula santos molina
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Ana Catarina Borges
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
Ana Felizardo
 
A Guerra Fria: Um conflito Indireto.pptx
A Guerra Fria: Um conflito Indireto.pptxA Guerra Fria: Um conflito Indireto.pptx
A Guerra Fria: Um conflito Indireto.pptx
WirlanPaje2
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Maria Rebelo
 
Guerra Fria.pdf
Guerra Fria.pdfGuerra Fria.pdf
Guerra Fria.pdf
ANA CLÁUDIA OLIVEIRA
 
2 Período - Portugal e o Mundo da WW2 ao início da década de 80.pdf
2 Período - Portugal e o Mundo da WW2 ao início da década de 80.pdf2 Período - Portugal e o Mundo da WW2 ao início da década de 80.pdf
2 Período - Portugal e o Mundo da WW2 ao início da década de 80.pdf
MisBenevides
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
Ordem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômicaOrdem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômica
Oberlania Alves
 
Bárbara
BárbaraBárbara
Bárbara
Élida Maia
 
As ordens mundiais
As ordens mundiaisAs ordens mundiais
As ordens mundiais
Colégio Nova Geração COC
 
Criação da Organização das Nações Unidas
Criação da Organização das Nações UnidasCriação da Organização das Nações Unidas
Criação da Organização das Nações Unidas
Neldimiro Fialho Vieira Dias
 
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptx
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptxGuerra Fria e seus impactos políticos.pptx
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptx
RafaelWilianDaSilva
 
II GERRA MUNDIAL
II GERRA MUNDIALII GERRA MUNDIAL
II GERRA MUNDIAL
Ócio do Ofício
 
A ordem internacional
A ordem internacionalA ordem internacional
A ordem internacional
Luiz Carvalheira Junior
 
Apontamentos de direito internacional público
Apontamentos de direito internacional públicoApontamentos de direito internacional público
Apontamentos de direito internacional público
Sara Afonso
 
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
Nivea Neves
 

Semelhante a O mundo após a 2ª guerra mundial (20)

Guerra Fria
Guerra Fria Guerra Fria
Guerra Fria
 
O Mundo saído da II Guerra Mundial.pdf..
O Mundo saído da II Guerra Mundial.pdf..O Mundo saído da II Guerra Mundial.pdf..
O Mundo saído da II Guerra Mundial.pdf..
 
Os acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & aOs acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & a
 
Os acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & aOs acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & a
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 
A Guerra Fria: Um conflito Indireto.pptx
A Guerra Fria: Um conflito Indireto.pptxA Guerra Fria: Um conflito Indireto.pptx
A Guerra Fria: Um conflito Indireto.pptx
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
 
Guerra Fria.pdf
Guerra Fria.pdfGuerra Fria.pdf
Guerra Fria.pdf
 
2 Período - Portugal e o Mundo da WW2 ao início da década de 80.pdf
2 Período - Portugal e o Mundo da WW2 ao início da década de 80.pdf2 Período - Portugal e o Mundo da WW2 ao início da década de 80.pdf
2 Período - Portugal e o Mundo da WW2 ao início da década de 80.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
Ordem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômicaOrdem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômica
 
Bárbara
BárbaraBárbara
Bárbara
 
As ordens mundiais
As ordens mundiaisAs ordens mundiais
As ordens mundiais
 
Criação da Organização das Nações Unidas
Criação da Organização das Nações UnidasCriação da Organização das Nações Unidas
Criação da Organização das Nações Unidas
 
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptx
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptxGuerra Fria e seus impactos políticos.pptx
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptx
 
II GERRA MUNDIAL
II GERRA MUNDIALII GERRA MUNDIAL
II GERRA MUNDIAL
 
A ordem internacional
A ordem internacionalA ordem internacional
A ordem internacional
 
Apontamentos de direito internacional público
Apontamentos de direito internacional públicoApontamentos de direito internacional público
Apontamentos de direito internacional público
 
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
 

O mundo após a 2ª guerra mundial

  • 1. A RECONSTRUÇÃO DO PÓS-GUERRA 1. A DEFINIÇÃO DE ÁREAS DE INFLUÊNCIA Com o fim da Segunda Guerra Mundial a Alemanha e o Japão, que sonhavam com grandes domínios territoriais, saíram da guerra totalmente vencidos e humilhados. O Reino Unido e a Franca, embora vencedores, estavam empobrecidos e dependentes da ajuda externa. Perante a ruína do pós-guerra só duas potências permaneciam fortes: - URSS: escudada na força do Exército Vermelho e na sua imensa extensão geográfica; -EUA: indiscutivelmente a primeira potência mundial. A construção de uma nova ordem internacional: as conferências de paz Com o aproximar do fim da Segunda Guerra Mundial os Aliados (vencedores) começam a delinear estratégias para o período de paz que viria. Entre 4 e 11 de fevereiro de 1945, Roosevelt (presidente americano), Churchill (primeiro ministro inglês) e Estaline (secretário geral do partido comunista – URSS) reúnem-se nas termas de Ialta (nas margens do Mar Negro), com o objetivo de estabelecerem as regras que devem sustentar a nova ordem internacional do pós-guerra. Conferência de Ialta: - Definiram-se as fronteiras da Polónia, ponto de discórdia entre os ocidentais – que não esqueciam ter sido a violação das fronteiras polacas a causa imediata da guerra – e os soviéticos – que não desistiam de ocupar a parte oriental do país; - Estabeleceu-se a divisão provisória da Alemanha em quatro áreas de ocupação, geridas pelas três potências conferencistas e pela França, sob a coordenação de um Conselho Aliado; - Marcação da reunião da conferência preparatória da ONU; - Supervisão dos três grandes na futura constituição dos países de Leste, ocupadas pelo eixo; - Estabelecimento de 20.000 milhões de dólares como base das reparações da guerra devidas pela Alemanha.
  • 2. Alguns meses mais tarde, em finais de julho de 1945, reuniu-se em Potsdam (perto de Berlim) uma nova conferência com o fim de consolidar os alicerces da paz. Decorreu num clima mais tenso que a de Ialta. Vencida a Alemanha, renasciam as desconfianças face ao regime comunista que Estaline representava e às suas pretensões expansionistas na Europa. Deste modo, a conferência encerrou sem alcançar uma solução definitiva para os países vencidos, limitando-se a ratificar e a pormenorizar os aspetos já acordados em Ialta. Conferência de Potsdam: - Perda provisória da soberania alemã e sua divisão em quatro zonas de influências; - Administração conjunta da cidade de Berlim, igualmente dividida em quatro zonas de ocupação; - Montante e tipo de indemnizações a pagar pela Alemanha; - Julgamento dos criminosos de guerra nazis, através da criação do Tribunal Internacional de Nuremberga; - Divisão, ocupação e desnazificação da Áustria, em moldes semelhantes aos estabelecidos para a Alemanha. Um novo quadro político Nó pós-guerra aumenta a importância da URSS a nível internacional. No último ano do conflito, na sua marcha vitoriosa até Berlim, coubera ao Exército Vermelho a libertação dos países da Europa Ocidental. Na Polónia, Checoslováquia, Hungria, Roménia e Bulgária, os soldados russos substituíram os ocupantes nazis. Entre 1946 e 1948, estes países encaminharam-se para o socialismo, constituindo as democracias liberais. Este rápido processo de sovietização foi, de imediato, contestado pelos ocidentais. Churchill denunciou a criação, por parte da URSS, de uma área de influência impenetrável, isolada do ocidente por uma “cortina de ferro”1 . 1 Expressão utilizada para a divisão em dois da Europa: Europa Ocidental e Europa Oriental.
  • 3. 2. A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS Após o fracasso da SDN a ideia de uma organização internacional que assegurasse a paz e a segurança permaneceu. Deste modo, Franklin Roosevelt, nas cimeiras da “Grande Aliança” criou uma organização mais consistente – a ONU. Este projeto ficou acordado em 1943 na Conferência de Teerão e foi ratificado em Ialta onde se decidiu a convocação de uma conferência para redigir e aprovar a carta fundadora das nações unidas. Esta, iniciou-se no dia 25 de Abril de 1945 em São Francisco, tendo como princípios fundamentais: - Manter a paz e reprimir os atos de agressão, utilizando meios pacíficos, de acordo com os princípios da justiça e o direito internacional; - Desenvolver relações de amizade entre os países do mundo, baseadas na igualdade entre os povos e no seu direito à autodeterminação; - Desenvolver a cooperação internacional no âmbito económico, social e cultural e promover a defesa dos Direitos Humanos; - Funcionar como centro harmonizador das ações tomadas para alcançar estes propósitos. A defesa dos Direitos do Homem Após as atrocidades cometidas durante a Segunda Guerra Mundial com o holocausto e disposta a impedi-las no futuro, a ONU tomou uma feição profundamente humanista, através do reforço, em 1948, da Declaração Universal dos Direitos do Homem substituindo a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, que passou a integrar os documentos fundamentais das Nações Unidas. Este documento definia os direitos e as liberdades fundamentais (direito à vida, liberdade de reunião, expressão, etc.) e também tivera sido atribuído um papel importante às questões económico-sociais (direito ao trabalho, ao descanso, ao ensino…). Órgãos de funcionamento A Carta das Nações Unidades definiu também os órgãos básicos do funcionamento da instituição: - Assembleia Geral: formada pela generalidade dos Estados-membros, funciona como um parlamento;
  • 4. - Conselho de Segurança: formado por 15 membros (cinco dos quais permanentes – EUA, URSS, Reino Unido, França e República Popular da China) e 10 flutuantes eleitos pela Assembleia-Geral por dois anos. É o órgão diretamente responsável pela manutenção da paz e da segurança: atua como mediador, decreta sanções económicas e em último caso decide a intervenção das forças militares; - Secretariado-Geral: representa a ONU e, com ela, praticamente todos os povos do mundo; - Conselho Económico-Social: encarregado de promover a cooperação a nível económico, social e cultural entre as nações. Atua através de instituições especializadas e outros órgãos específicos que se encontram sob a sua tutela: BIRD, FAO, OIT, OMS. É um dos órgãos mais ativos e importantes da ONU. - Tribunal Internacional da Justiça: é o órgão máximo da justiça internacional; - Conselho de Tutela: órgão criado com o fim principal de administrar os territórios que outrora se encontravam sob a alçada da SDN; A ONU tem sede em Nova Iorque desde 1952, contando com 192 países. 3. AS NOVAS REGRAS DA ECONOMIA INTERNACIONAL O ideal de cooperação económica O planeamento do pós-guerra não se processou somente a nível político. Em julho de 1944, um grupo de economistas (dos quais um deles era Keynes, ligado ao intervencionismo) reuniu- se em Bretton Woods (EUA) a fim de prever e estruturar a situação monetária e financeira do período de paz. Com o fim da guerra tornava-se essencial regularizar o comércio mundial, os pagamentos e a circulação de capitais, evitando o círculo vicioso de desvalorizações monetárias e a instabilidade das taxas de câmbio dos anos 20 e 30. Assim, para garantir a estabilidade das moedas criou-se um novo sistema monetário internacional: o dólar era a moeda-padrão e as restantes moedas tiveram sido convertidas em ouro ou dólar. Na mesma conferência e com o objetivo de operacionalizar o sistema criaram-se dois organismos importantes: - FMI (Fundo Monetário Internacional) ao qual recorreriam os bancos centrais dos países com dificuldades em manter a paridade fixa da moeda ou equilibrar a sua balança de pagamentos;
  • 5. - Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BIRD) também conhecido como Banco Mundial, destinado a financiar projetos de fomento económico a longo prazo. Em 1947, na Conferência Internacional de Genebra, assina-se um Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT) onde 23 países se comprometeram a negociar a redução dos direitos alfandegários e outras restrições comerciais. Isto permitia melhorar as condições de vida, garantia o emprego, permitia o crescimento da produção e do consumo e a expansão das trocas de mercadorias. Esta ideia de um espaço económico alargado deu origem, nesse mesmo ano, à BENELUX: aliança entre a Bélgica, Holanda e Luxemburgo, prevendo a abolição das tarifas alfandegárias entre os três países. O TEMPO DA GUERRA FRIA – A CONSOLIDAÇÃO DE UM MUNDO BIPOLAR 1. UM MUNDO BIPOLAR A rutura Quando em 1946, Churchill afirmou que uma “cortina de ferro” dividia a Europa, o processo de sovietização dos países de Leste era já irreversível. Sob a tutela diplomática e militar da URSS, os partidos comunistas ganhavam forças e, progressivamente, tomavam o poder. Para coordenar a sua atuação, tornando-se mais eficiente, criou-se, em 1947, o Kominform (Secretariado de Informação Comunista) que se tornou um importante organismo de controlo por parte da URSS. Um ano passado sobre o alerta de Churchill, os EUA assumem a liderança da oposição aos avanços do socialismo2 . É neste contexto que o presidente Truman alarga a divisão europeia ao mundo que está dividido em dois sistemas antagónicos: um baseado na liberdade e outro na opressão. Aos americanos cabe a liderança do undo livre na contenção do comunismo. À doutrina Truman opõe-se a doutrina Jdanov, que segundo o dirigente soviético afirma que o mundo se divide, de facto, em dois sistemas contrários: um, imperialista e antidemocrático – liderado pelos EUA – e outro em que reina a democracia e a fraternidade entre os povos, correspondente ao mundo socialista – liderado pela URSS. Para além de formalizar a divisão do mundo em duas forças opostas, a doutrina Truman deixava também clara a necessidade de ajudar a Europa a reerguer-se economicamente. 2 Esta posição inverte a tradicional postura de isolamentos dos EUA que olharam sempre com relutância a interferência direta na política internacional.
  • 6. As perdas humanas e materiais tinham sido pesadíssimas e os EUA tiveram ajudado a Europa. É neste contexto que o secretário de Estado americano Marshall anuncia, em junho de 1947, um plano de ajuda económica à Europa. Este plano foi oferecido a toda a Europa, incluindo os países que se encontravam já sob influência soviética, mas esta ténue tentativa de aproximação não teve êxito. Moscovo classifica a ajuda americana de “manobra imperialista” e impede os países sob sua influência de a aceitaram. Em janeiro de 1959, Moscovo lança o plano Molotov, que estabelece as estruturas de cooperação económica da Europa Oriental. Foi no âmbito deste plano que se criou o COMECON (Conselho de Assistência Económica Mútua), instituição destinada a promover o desenvolvimento integrado dos países comunistas, sob proteção da União Soviética. Os países abrangidos pelo Plano Marshall e os países do COMECON funcionaram como áreas transnacionais, coesas e distintas uma da outra. A divisão do mundo em dois blocos antagónicos consolidou-se, tal como a liderança das duas superpotências. O primeiro conflito: a questão alemã Este clima de desentendimento e confrontação refletiu-se de imediato na gestão conjunta do território alemão, que na sequência da Conferência de Potsdam se encontrava dividido e ocupado pelas quatro potências vencedoras. A expansão do comunismo no primeiro ano da paz fez com que ingleses e americanos olhassem a Alemanha, não já como o inimigo vencido, mas como um aliado imprescindível à contenção do avanço soviético. O renascimento alemão tornou-se uma prioridade para os americanos, que intensificaram os esforços para a criação de uma república federal constituída pelos territórios sob ocupação das três potências ocidentais – República Federal Alemã (RFA). A União Soviética protestou vivamente contra aquilo que considerava uma violação dos acordos estabelecidos, mas acabou por desenvolver uma atuação semelhante na sua própria zona que conduziu à criação de um Estado paralelo, sob a alçada soviética – República Democrática Alemã (RDA). Esta divisão fez com que houvessem discórdias quanto a Berlim, uma vez que ainda lá estavam as forças militares das três potências ocidentais.
  • 7. Numa tentativa de forçar a retirada dessas forças, Estaline bloqueia aos três aliados todos os acessos terrestres à cidade. O Bloqueio de Berlim, que se prolongou de junho de 1948 a maio de 1949, foi o primeiro medir de forças entre as duas superpotências. Assim, três anos passados sobre o fim da Segunda Guerra, os antigos aliados tinham-se tornado rivais e a sua rivalidade dividia o mundo, pondo em risco os esforços da paz. Nas décadas que se seguiram, as relações internacionais refletiram esta instabilidade e impregnaram-se de um clima de forte tensão: foi o tempo da Guerra Fria. A Guerra Fria O afrontamento entre as duas superpotências e os seus aliados prolongou-se até meados dos anos 80, altura em que o bloco soviético mostrou os primeiros sinais de fraqueza. Durante este longo período, os EUA e a URSS intimidaram-se mutuamente gerando um clima de hostilidade e insegurança que deixou o mundo num permanente sobressalto. É este clima de tensão internacional que se designa por Guerra Fria. A Guerra fria caracterizou-se por cada bloco se procurar superiorizar ao outro, quer em armamento como na ampliação das suas áreas de influência. Enquanto isso, a propaganda incutia nas populações a ideia da superioridade do seu sistema e a rejeição e o temor do lado contrário, ao qual se atribuíam as intenções mais sinistras e os planos mais diabólicos. As duas superpotências defendiam conceções opostas de organização política, vida económica e estruturação social: de um lado, o liberalismo assente sobre o princípio da liberdade individual; do outro, o marxismo, que subordina o indivíduo ao interesse da coletividade.