As viagens na idade média

9.690 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Turismo
1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.690
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
169
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
174
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As viagens na idade média

  1. 1. A Difusão do Gosto e Prática das Viagens
  2. 2. Introdução Nos séculos XIII e XIV, os Europeus adquirem uma nova visão do Mundo. Por causa do comércio, abriram-se barreiras para novas regiões. Neste trabalho vamos falar sobre os motivos que levaram à difusão e à prática das viagens na Idade Média, e como eram estas mesmas.
  3. 3. Motivos : Económicos Políticos Religiosos <ul><li>Curta duração </li></ul><ul><li>- Locais </li></ul><ul><li>- Regionais </li></ul><ul><li>Longa duração </li></ul><ul><li>- Internacionais </li></ul>Viagens na Idade Média
  4. 4. <ul><li>Os viajantes da idade média: </li></ul><ul><li>Mercadores </li></ul><ul><li>Missionários </li></ul><ul><li>Diplomatas </li></ul><ul><li>Cavaleiros andantes </li></ul><ul><li>Desenraizados em busca de uma vida melhor </li></ul>Viagens na Idade Média
  5. 5. Miniatura do século XIII, retratando um mercador mediaval. Viagens de Negócios
  6. 7. <ul><li>Giovanni Frescobaldi </li></ul>Viagens de Negócios
  7. 8. Os irmãos Polo receberam as tábuas de ouro. ( Iluminura do Livro das Maravilhas ) <ul><li>Niccolò, Matteo e Marco Polo apresentam-se a Kubilai Khan na primavera de 1275, depois de aproximadamente três anos de viagem. </li></ul>Expedições
  8. 9. Viagens de Marco Polo
  9. 11. O desenvolvimento dos mercadores criou laços e os governantes, que àqueles recorriam frequentemente para financiamento das suas empresas militares. Assim, não admira que muitas viagens aliassem ao negócio muitas vezes missões político-diplomáticas e que afamados comerciantes tivessem desempenhando o papel de embaixadores das cortes da Europa. Missões político-diplomáticas
  10. 12. <ul><li>Era em Roma que se cruzavam os </li></ul><ul><li>embaixadores. </li></ul>O Papa desempenhava, nesta época, o papel de medianeiro entre os Estados e , muitas vezes, de Juiz em matéria de Direito Internacional . Missões político-diplomáticas
  11. 13. <ul><li>Celebrações organizadas em honra de um santo, numa data fixa todos os anos. </li></ul><ul><li>Atraíram numerosos fiéis das zonas circundantes. </li></ul><ul><li>Esta jornada, relativamente curta, assumia muita vezes um carácter lúdico e folião. </li></ul>Festa de S.João, Porto. Romarias
  12. 14. <ul><li>Actos rituais: </li></ul><ul><li>a oração nas horas canónicas </li></ul><ul><li>A assistência aos ofícios religiosos </li></ul><ul><li>a confissão e penitência </li></ul><ul><li>os jejuns </li></ul><ul><li>As peregrinações </li></ul>Práticas Religiosas
  13. 15. Imagem de S.Tiago, Santuário de Compostela Práticas Religiosas
  14. 16. Detalhe do tímpano da catedral de Autun ( séc. XII) que representa o cortejo dos eleitos, no dia do Juízo Final. Entre os homens que saem dos seus túmulos e caminham em direcção à vida reconhecem-se, pela sua sacola dos peregrinos. O da frente peregrinou até Santiago , como indica a vieira, símbolo deste santuário. Práticas Religiosas
  15. 17. <ul><li>Chegando ao santuário, os romeiros pagavam as suas promessas e participavam das cerimónias religiosas que incluíam sempre : </li></ul><ul><li>uma missa </li></ul><ul><li>uma procissão. </li></ul><ul><li>Depois, aproveitava-se a ocasião para realizar negócios, trocar notícias, cantar e bailar ao som dos instrumentos tradicionais. </li></ul>Imagem de uma procissão Romarias
  16. 18. Cantar e bailar, ao som de instrumentos de sopro e “de tanger” era uma das distracções mais apreciadas na Idade Média. As romarias, que proporcionavam encontros e namoros entre os jovens, que aliavam, como ainda hoje, a “folgança” à devoção religiosa. Embora enquadrados na poesia trovadoresca , de índole cortesã, as “cantigas de romaria” ilustram bem esta forma de expressão popular. Romarias
  17. 19. Peregrinações
  18. 20. Basílica de SãoPedro , Roma Catedral de Santiago de Compustela <ul><li>Entre muitos locais de peregrinação da Cristandade ocidental, havia três que ocupavam um lugar de destaque: </li></ul><ul><li>Jerusalém , cenário da paixão e da morte de Jesus. </li></ul><ul><li>Roma , sede do papado e local de martírio de S.Pedro, que aí repousava. </li></ul><ul><li>Santiago de Compustela onde, em meados do século IX, se encontrou um túmulo identificado como sendo do apóstolo S.Tiago. </li></ul>Peregrinações
  19. 21. Peregrinos visitam o túmulo de Cristo, em Jerusalém (manuscrito francês). Peregrinações
  20. 22. São Tiago de Compostela O Ocidente da Europa afluía a Santiago de Compostela, confiante nas curas milagrosas do apóstolo e na força sobrenatural que emanava do seu túmulo. Ao longo dos trilhos seguidos pelos peregrinos multiplicaram-se os mosteiros, as albergarias e os hospitais que ofereciam aos caminhantes exaustos uma cama, bom fogo, água limpa e uma refeição frugal. Multiplicaram-se também os santuários, de visita obrigatória, cujas relíquias, iam alimentando o fervor dos viajantes.
  21. 23. São Tiago de Compostela Chegando ao destino, dos peregrinos recebiam a bênção e as indulgências próprias do local e ouviam uma missa votiva pro peregrínatibus . Passavam , em seguida, muito tempo na Igreja, o mais próximo passível das relíquias ou túmulo do santo, para melhor receberem a sua força sobrenatural. No regresso os devotos com as promessas e penitências cumpridas, tinham o corpo cansado mas a alma renovada, sentindo-se agradecidos e contentes por tudo o que tinham visto .
  22. 24. O poder das relíquias
  23. 25. Principais vias de peregrinação a Santiago na Idade Média .
  24. 26. Conclusão Concluímos que as viagens na Idade Média tinham um carácter político com a expansão do território (terras desconhecidas passaram a ser conhecidas), económico (desenvolvimento e exploração do comércio) , e religioso com a prática de rituais, construção de Igrejas ,capelas , ermidas.
  25. 27. Bibliografia <ul><li>- Couto, Célia Pinto, O tempo da história, vol.2, Porto Editora </li></ul><ul><li>Sites e outros recursos </li></ul><ul><li>- http :// pt.wikipedia.org </li></ul><ul><li>http://10descobreahistoria.blogspot.com/2011/03/5-valores-vivencias-e-quotidiano4.html </li></ul>
  26. 28. Trabalho realizado por: Bianca Teixeira nº8 Joana Barbosa nº15 Raquel Marques nº3 Sarah Brandão nº 25

×