SlideShare uma empresa Scribd logo
REFORMA
RELIGIOSA!!
Terras Americanas...
   Invadidas por muitos padres da
    Igreja Católica.
    ◦ Objetivo: novos fiéis.


   Na Europa:
    ◦ Várias mudanças profundas na
      mentalidade das pessoas.
    ◦ Passaram a analisar,          de   forma
      crítica, a sua religiosidade.
MOTIVO DAS
CRÍTICAS:
    Postura do Clero desde o final da Idade
     Média.
     ◦ Envolvidos em inúmeros escândalos (por
       exemplo: sexuais).
     ◦ Comprometia seriamente a postura da
       Igreja.

    Quem era o Clero?
     ◦ Formado na maioria por indivíduos ricos
       (que compravam cargos como bispo e
       arcebispo).
     ◦ Os Padres possuíam pouca instrução e
       eram despreparados para o exercício do
Práticas que provocavam
    críticas..
   Simonia:
    ◦ Venda de relíquias supostamente sagradas.
    ◦ Exemplo: Pedaço da Cruz que Cristo foi
      crucificado. Pedaços do manto da Virgem
      Maria.
   Indulgências:
    ◦ Venda do perdão dos Pecados.
    ◦ Comprando as indulgências, segundo os
      religiosos, livrava a alma do
      purgatório e guardava um
       lugar no céu.
Na doutrina católica, Indulgência (do latim indulgentia, que provém de
indulgeo, “para ser gentil”) é a eliminação total ou parcial das penas
temporais do cristão devidas a Deus pelos pecados cometidos, mas já
perdoados pelo sacramento da Confissão, na vida terrena.
Inventadas no século XI, as indulgências foram dadas aos cruzados como
recompensa pela conquista da Terra Santa; a quem pagasse um soldado
para aquela tarefa e, finalmente "vendidas" a quem ajudasse a igreja
financeiramente.
Capitalismo em expansão...
   Através das trocas comerciais.

   Choque com a Doutrina econômica da Igreja:
    ◦ Condenava:
      LUCRO
      RIQUEZA
      USURA = nome dado a prática de se
       cobrar juros excessivos pelo empréstimo de uma
       determinada quantia de dinheiro.


   Isso tudo impedia o avanço das práticas
    capitalistas = atividades dos comerciantes.
Martinho Lutero

   Monge Agostiniano, discípulo da Igreja
    Católica passa a questioná-la.
    ◦ Nasceu em 1483, na Alemanha. Lecionou na
      Universidade de Winttenberg.

   Em 1510 viajou para Roma e voltou
    indignado com a vida Luxuosa, desregrada
    e Corrupta do alto Clero e do Papa.

   Em 1517 um monge dominicano chamado
    Tetzel passa a vender indulgências para a
    construção da basílica de São Pedro.
Basílica de São Pedro,
      no Vaticano
Manifestação Pública de
    Lutero!
   Publicação das 95 teses fixadas na
    porta da Igreja de Wittenberg.
    ◦ Condenava: indulgências, o Papa e outros
      escândalos da Igreja Católica.

   Papa Leão X:
    ◦ Pediu para que Lutero se retratasse, fato
      que não ocorreu.
    ◦ Martinho Lutero foi excomungado (Dieta de
      Worms – 1521).
As 95 Teses de Lutero.




          A Igreja do Castelo, onde Lutero
                    pregou suas 95 Teses.
"Que se me convençam mediante testemunho das Escrituras e claros
argumentos da razão, porque não acredito nem no Papa nem
nos     concíliosjá  que    está    provado   amiúde   que   estão
errados, contradizendo-se a si mesmos - pelos textos da Sagrada
Escritura que citei, estou submetido a minha consciência e unido à
palavra de Deus. Por isto, não posso nem quero retratar-me de
nada, porque fazer algo contra a consciência não é seguro nem
saudável.“ Martinho Lutero, Dieta de Worms,1521.




                             Vídeo.
Síntese da doutrina Luterana:
 Negou a autoridade do papa e toda a
  estrutura de poder da Igreja;
 Defendeu a supremacia do poder civil sobre
  o religioso (Igreja deveria se subordinar ao
  Estado);
 Substituiu a língua latina pela alemã nos
  cultos religiosos;
 Traduziu a Bíblia para o alemão;
 Defendeu a liberdade de interpretação da
  Bíblia pelos fiéis.
Reforma Religiosa...
   A partir desta ação, surgiu a Religião Luterana.

   Em diversas partes da Europa surgiram novas
    religiões.

    ◦ Calvinismo
     de João Calvino
     na França.

    ◦ Anglicanismo
    do rei Henrique VIII
    na Inglaterra.
                           Lutero (de batina escura) é ouvido por Carlos V, Dieta
                           de Spira: religião como assunto de Estado. Agora cada
                           Estado tinha liberdade de seguir o curso religioso que a
                           sua consciência ditasse.
REFORMA CALVINISTA.
      João Calvino (1509-1564) também
       criticou o predomínio do catolicismo.

       ◦ Os calvinistas também são denominados
         de huguenotes (França), presbiterianos
         (Escócia) e puritanos (Inglaterra).

      Teoria da Predestinação: a salvação era
       atribuída por Deus somente aos homens
       escolhidos (predestinados).
       ◦ O trabalho aproximava o homem de Deus e
         o ócio era totalmente condenável.
       ◦ Calvino defendeu o enriquecimento do
         homem por meio do trabalho e da
         poupança.
Reforma Anglicana: Catolicismo
               sem Roma.
 Está Relacionada com fatores políticos.
 Henrique VIII (casado com Catarina de
  Aragão), pediu autorização ao papa
  Clemente VII a anulação de seu
  casamento.

    ◦ Pretendia contrair núpcias com Ana
      Bolena, para que pudesse ter um herdeiro
      do sexo masculino.

   O papa recusou-se a          conceder o
    Divórcio.

   Henrique VIII rompeu com a Igreja
    Católica e criou uma nova religião Oficial
    do Estado comandada por ele. (Ato de
Reforma Anglicana: Catolicismo
            sem Roma.
      O rei tinha fortes interesses em
       apropriar-se das inúmeras terras da
       Igreja e de diminuir, ou eliminar de
       vez, a influência da Igreja Católica na
       Inglaterra.

Os Nobres e os burgueses    que
foram beneficiados com       as
ações     de     Henrique   VIII
tornaram-se defensores       da
nova religião e inimigos     da
Igreja Católica.
CONTRAREFORMA
              ou
       REFORMA CATÓLICA
 Era urgente reconquistar o rebanho de fiéis e
  impedir o avanço das novas religiões.
 Recuperando     também o prestígio e a
  autoridade.
 Início durante o pontificado do papa Paulo III
  (1534-1550).

    ◦ Realização do Concílio de Trento (1545-1563), para
      moralizar o comportamento do Clero.

    ◦ Pouco mudou no que se refere à doutrina católica.
      Apenas reafirmou seus dogmas.
Concílio de Trento (1545-1563)
            determinações:

   Manutenção do culto aos santos e a veneração das
    imagens.
   Manutenção da exigência do celibato.
   Crença nas boas ações são tão necessárias para a
    salvação quanto a fé.
   Manutenção dos sacramentos e a crença na
    transubstanciação (presença do corpo de Cristo na
    Eucaristia).
   Interpretação da Bíblia segundo as tradições e
    ensinamentos transmitidos exclusivamente pela Igreja.
   Manutenção do latim como lígua oficial na liturgia católica.
   Criação do Index Librorum Proibitorum (índice de livros
    considerados ofensivos e cuja leitura era proibida).
Resgate de instrumentos de
     repressão:
     • Retomada do Tribunal de Inquisição (ou
     Tribunal do Santo Ofício) para combater as
     Heresias ocorridas.
     Punição através do auto de Fé.
     • Queriam deter o avanço do protestantismo e a
     difusão das novas descobertas científicas e
     filosóficas.




Galileu    diante   do     Santo
Ofício, pintura do século XIX
de Joseph-Nicolas Robert-Fleury.
Criação da Companhia de
          Jesus.
• Em 1534 pelo espanhol Inácio de Loyola.

• Objetivo: combater as heresias e os
  protestantes, propagar o Cristianismo para
  os outros povos e outras regiões do mundo.

• Na América: difundir o cristianismo nas
  colônias e ampliar o número de católicos na
  América.

• A Igreja transformou a conversão dos
  nativos numa justificativa para a dominação
  espanhola.

• Fundaram    missões    com    objetivo    de
Prof. Msc. Daniel Alves Bronstrup
       BLOG: profhistdaniel.blogspot.com
            @danielbronstrup
       facebook.com/daniel.alvesbronstrup

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Daniel Alves Bronstrup
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
Paulo Alexandre
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
Luiz Henrique Ferreira
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
cattonia
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
alinemaiahistoria
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
Edenilson Morais
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
ElvisJohnR
 
A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
Fatima Freitas
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
Isabel Aguiar
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Professor de História
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
 

Destaque

Reformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIReformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVI
Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Valeria Kosicki
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
Carlos Vieira
 
reformas religiosas na europa
   reformas religiosas na europa   reformas religiosas na europa
reformas religiosas na europa
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Reforma religiosa contrarreforma
Reforma religiosa contrarreformaReforma religiosa contrarreforma
Reforma religiosa contrarreforma
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Reforma protestante slide
Reforma protestante slideReforma protestante slide
Reforma protestante slide
Eduardo Gomes
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Nelson Faustino
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
vr1a2011
 
2º ano - Primeira Guerra Mundial
2º ano - Primeira Guerra Mundial2º ano - Primeira Guerra Mundial
2º ano - Primeira Guerra Mundial
Daniel Alves Bronstrup
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - InglaterraRevoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Daniel Alves Bronstrup
 
1º ano expansão marítima européia e absolutismo
1º ano   expansão marítima européia e absolutismo1º ano   expansão marítima européia e absolutismo
1º ano expansão marítima européia e absolutismo
Daniel Alves Bronstrup
 
2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha
Daniel Alves Bronstrup
 
Refoma Religiosa ou Reforma Protestante
Refoma Religiosa ou Reforma ProtestanteRefoma Religiosa ou Reforma Protestante
Refoma Religiosa ou Reforma Protestante
Alan
 
Capítulo 16 reforma religiosa
Capítulo 16 reforma religiosaCapítulo 16 reforma religiosa
Capítulo 16 reforma religiosa
Auxiliadora
 
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma ReligiosaReforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
baianinhohistoriador
 
Polo centro reforma religiosa - ppt
Polo centro   reforma religiosa - pptPolo centro   reforma religiosa - ppt
Polo centro reforma religiosa - ppt
Jorge Marcos Oliveira
 
1ºano - Renascimento Cultural
1ºano - Renascimento Cultural1ºano - Renascimento Cultural
1ºano - Renascimento Cultural
Daniel Alves Bronstrup
 
2º ano revolução francesa - parte 1
2º ano   revolução francesa - parte 12º ano   revolução francesa - parte 1
2º ano revolução francesa - parte 1
Daniel Alves Bronstrup
 
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
Daniel Alves Bronstrup
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
Daniel Alves Bronstrup
 

Destaque (20)

Reformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIReformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVI
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
 
reformas religiosas na europa
   reformas religiosas na europa   reformas religiosas na europa
reformas religiosas na europa
 
Reforma religiosa contrarreforma
Reforma religiosa contrarreformaReforma religiosa contrarreforma
Reforma religiosa contrarreforma
 
Reforma protestante slide
Reforma protestante slideReforma protestante slide
Reforma protestante slide
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
2º ano - Primeira Guerra Mundial
2º ano - Primeira Guerra Mundial2º ano - Primeira Guerra Mundial
2º ano - Primeira Guerra Mundial
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - InglaterraRevoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
 
1º ano expansão marítima européia e absolutismo
1º ano   expansão marítima européia e absolutismo1º ano   expansão marítima européia e absolutismo
1º ano expansão marítima européia e absolutismo
 
2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha
 
Refoma Religiosa ou Reforma Protestante
Refoma Religiosa ou Reforma ProtestanteRefoma Religiosa ou Reforma Protestante
Refoma Religiosa ou Reforma Protestante
 
Capítulo 16 reforma religiosa
Capítulo 16 reforma religiosaCapítulo 16 reforma religiosa
Capítulo 16 reforma religiosa
 
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma ReligiosaReforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
 
Polo centro reforma religiosa - ppt
Polo centro   reforma religiosa - pptPolo centro   reforma religiosa - ppt
Polo centro reforma religiosa - ppt
 
1ºano - Renascimento Cultural
1ºano - Renascimento Cultural1ºano - Renascimento Cultural
1ºano - Renascimento Cultural
 
2º ano revolução francesa - parte 1
2º ano   revolução francesa - parte 12º ano   revolução francesa - parte 1
2º ano revolução francesa - parte 1
 
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
 

Semelhante a 1º ano - Reforma Religiosa

Reforma Protestante 1° Ano
Reforma Protestante 1° AnoReforma Protestante 1° Ano
Reforma Protestante 1° Ano
danibronstrup
 
Reforma Protestante - 1° ano - EM
Reforma Protestante - 1° ano - EMReforma Protestante - 1° ano - EM
Reforma Protestante - 1° ano - EM
danibronstrup
 
Reforma e contrarreforma1
Reforma e contrarreforma1Reforma e contrarreforma1
Reforma e contrarreforma1
Valkuiria Andrade
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma   Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
Valkuiria Andrade
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Jordana Pereira
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
harlissoncarvalho
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
harlissoncarvalho
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
cattonia
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
Gilbert Patsayev
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
adalbertovha
 
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
Ciências Humanas e Suas Tecnologias
 
Reforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e ContrarreformaReforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e Contrarreforma
Frederico Marques Sodré
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Rui Nobre
 
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Aula  reforma e contra-reforma religiosa2Aula  reforma e contra-reforma religiosa2
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Janete Garcia de Freitas
 
Reformas 1 serie
Reformas   1 serieReformas   1 serie
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reformaReforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
rakeloliveiraborges
 
A reforma religiosa
A reforma religiosaA reforma religiosa
A reforma religiosa
historiando
 
Reforma Protestante
Reforma Protestante Reforma Protestante
Reforma Protestante
Allan Almeida de Araújo
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosa
Grazi Oliveira
 

Semelhante a 1º ano - Reforma Religiosa (20)

Reforma Protestante 1° Ano
Reforma Protestante 1° AnoReforma Protestante 1° Ano
Reforma Protestante 1° Ano
 
Reforma Protestante - 1° ano - EM
Reforma Protestante - 1° ano - EMReforma Protestante - 1° ano - EM
Reforma Protestante - 1° ano - EM
 
Reforma e contrarreforma1
Reforma e contrarreforma1Reforma e contrarreforma1
Reforma e contrarreforma1
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma   Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
 
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
 
Reforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e ContrarreformaReforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e Contrarreforma
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Aula  reforma e contra-reforma religiosa2Aula  reforma e contra-reforma religiosa2
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
 
Reformas 1 serie
Reformas   1 serieReformas   1 serie
Reformas 1 serie
 
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reformaReforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
 
A reforma religiosa
A reforma religiosaA reforma religiosa
A reforma religiosa
 
Reforma Protestante
Reforma Protestante Reforma Protestante
Reforma Protestante
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosa
 

Mais de Daniel Alves Bronstrup

Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
Daniel Alves Bronstrup
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
Daniel Alves Bronstrup
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
Daniel Alves Bronstrup
 
2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa
Daniel Alves Bronstrup
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
Daniel Alves Bronstrup
 
2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Daniel Alves Bronstrup
 
2º ano - iluminismo
2º ano -  iluminismo2º ano -  iluminismo
2º ano - iluminismo
Daniel Alves Bronstrup
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
Resumão do 3ão -  Alta Idade MédiaResumão do 3ão -  Alta Idade Média
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
Daniel Alves Bronstrup
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
Daniel Alves Bronstrup
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
Daniel Alves Bronstrup
 
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana 3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais de Daniel Alves Bronstrup (20)

Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
 
2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
 
2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira
 
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
 
2º ano - iluminismo
2º ano -  iluminismo2º ano -  iluminismo
2º ano - iluminismo
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
 
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
Resumão do 3ão -  Alta Idade MédiaResumão do 3ão -  Alta Idade Média
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
 
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
 
3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana 3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana
 

1º ano - Reforma Religiosa

  • 2. Terras Americanas...  Invadidas por muitos padres da Igreja Católica. ◦ Objetivo: novos fiéis.  Na Europa: ◦ Várias mudanças profundas na mentalidade das pessoas. ◦ Passaram a analisar, de forma crítica, a sua religiosidade.
  • 3. MOTIVO DAS CRÍTICAS:  Postura do Clero desde o final da Idade Média. ◦ Envolvidos em inúmeros escândalos (por exemplo: sexuais). ◦ Comprometia seriamente a postura da Igreja.  Quem era o Clero? ◦ Formado na maioria por indivíduos ricos (que compravam cargos como bispo e arcebispo). ◦ Os Padres possuíam pouca instrução e eram despreparados para o exercício do
  • 4. Práticas que provocavam críticas..  Simonia: ◦ Venda de relíquias supostamente sagradas. ◦ Exemplo: Pedaço da Cruz que Cristo foi crucificado. Pedaços do manto da Virgem Maria.  Indulgências: ◦ Venda do perdão dos Pecados. ◦ Comprando as indulgências, segundo os religiosos, livrava a alma do purgatório e guardava um lugar no céu.
  • 5. Na doutrina católica, Indulgência (do latim indulgentia, que provém de indulgeo, “para ser gentil”) é a eliminação total ou parcial das penas temporais do cristão devidas a Deus pelos pecados cometidos, mas já perdoados pelo sacramento da Confissão, na vida terrena. Inventadas no século XI, as indulgências foram dadas aos cruzados como recompensa pela conquista da Terra Santa; a quem pagasse um soldado para aquela tarefa e, finalmente "vendidas" a quem ajudasse a igreja financeiramente.
  • 6. Capitalismo em expansão...  Através das trocas comerciais.  Choque com a Doutrina econômica da Igreja: ◦ Condenava:  LUCRO  RIQUEZA  USURA = nome dado a prática de se cobrar juros excessivos pelo empréstimo de uma determinada quantia de dinheiro.  Isso tudo impedia o avanço das práticas capitalistas = atividades dos comerciantes.
  • 7. Martinho Lutero  Monge Agostiniano, discípulo da Igreja Católica passa a questioná-la. ◦ Nasceu em 1483, na Alemanha. Lecionou na Universidade de Winttenberg.  Em 1510 viajou para Roma e voltou indignado com a vida Luxuosa, desregrada e Corrupta do alto Clero e do Papa.  Em 1517 um monge dominicano chamado Tetzel passa a vender indulgências para a construção da basílica de São Pedro.
  • 8. Basílica de São Pedro, no Vaticano
  • 9. Manifestação Pública de Lutero!  Publicação das 95 teses fixadas na porta da Igreja de Wittenberg. ◦ Condenava: indulgências, o Papa e outros escândalos da Igreja Católica.  Papa Leão X: ◦ Pediu para que Lutero se retratasse, fato que não ocorreu. ◦ Martinho Lutero foi excomungado (Dieta de Worms – 1521).
  • 10. As 95 Teses de Lutero. A Igreja do Castelo, onde Lutero pregou suas 95 Teses.
  • 11. "Que se me convençam mediante testemunho das Escrituras e claros argumentos da razão, porque não acredito nem no Papa nem nos concíliosjá que está provado amiúde que estão errados, contradizendo-se a si mesmos - pelos textos da Sagrada Escritura que citei, estou submetido a minha consciência e unido à palavra de Deus. Por isto, não posso nem quero retratar-me de nada, porque fazer algo contra a consciência não é seguro nem saudável.“ Martinho Lutero, Dieta de Worms,1521. Vídeo.
  • 12. Síntese da doutrina Luterana:  Negou a autoridade do papa e toda a estrutura de poder da Igreja;  Defendeu a supremacia do poder civil sobre o religioso (Igreja deveria se subordinar ao Estado);  Substituiu a língua latina pela alemã nos cultos religiosos;  Traduziu a Bíblia para o alemão;  Defendeu a liberdade de interpretação da Bíblia pelos fiéis.
  • 13. Reforma Religiosa...  A partir desta ação, surgiu a Religião Luterana.  Em diversas partes da Europa surgiram novas religiões. ◦ Calvinismo de João Calvino na França. ◦ Anglicanismo do rei Henrique VIII na Inglaterra. Lutero (de batina escura) é ouvido por Carlos V, Dieta de Spira: religião como assunto de Estado. Agora cada Estado tinha liberdade de seguir o curso religioso que a sua consciência ditasse.
  • 14. REFORMA CALVINISTA.  João Calvino (1509-1564) também criticou o predomínio do catolicismo. ◦ Os calvinistas também são denominados de huguenotes (França), presbiterianos (Escócia) e puritanos (Inglaterra).  Teoria da Predestinação: a salvação era atribuída por Deus somente aos homens escolhidos (predestinados). ◦ O trabalho aproximava o homem de Deus e o ócio era totalmente condenável. ◦ Calvino defendeu o enriquecimento do homem por meio do trabalho e da poupança.
  • 15. Reforma Anglicana: Catolicismo sem Roma.  Está Relacionada com fatores políticos.  Henrique VIII (casado com Catarina de Aragão), pediu autorização ao papa Clemente VII a anulação de seu casamento. ◦ Pretendia contrair núpcias com Ana Bolena, para que pudesse ter um herdeiro do sexo masculino.  O papa recusou-se a conceder o Divórcio.  Henrique VIII rompeu com a Igreja Católica e criou uma nova religião Oficial do Estado comandada por ele. (Ato de
  • 16. Reforma Anglicana: Catolicismo sem Roma.  O rei tinha fortes interesses em apropriar-se das inúmeras terras da Igreja e de diminuir, ou eliminar de vez, a influência da Igreja Católica na Inglaterra. Os Nobres e os burgueses que foram beneficiados com as ações de Henrique VIII tornaram-se defensores da nova religião e inimigos da Igreja Católica.
  • 17. CONTRAREFORMA ou REFORMA CATÓLICA  Era urgente reconquistar o rebanho de fiéis e impedir o avanço das novas religiões.  Recuperando também o prestígio e a autoridade.  Início durante o pontificado do papa Paulo III (1534-1550). ◦ Realização do Concílio de Trento (1545-1563), para moralizar o comportamento do Clero. ◦ Pouco mudou no que se refere à doutrina católica. Apenas reafirmou seus dogmas.
  • 18. Concílio de Trento (1545-1563) determinações:  Manutenção do culto aos santos e a veneração das imagens.  Manutenção da exigência do celibato.  Crença nas boas ações são tão necessárias para a salvação quanto a fé.  Manutenção dos sacramentos e a crença na transubstanciação (presença do corpo de Cristo na Eucaristia).  Interpretação da Bíblia segundo as tradições e ensinamentos transmitidos exclusivamente pela Igreja.  Manutenção do latim como lígua oficial na liturgia católica.  Criação do Index Librorum Proibitorum (índice de livros considerados ofensivos e cuja leitura era proibida).
  • 19. Resgate de instrumentos de repressão: • Retomada do Tribunal de Inquisição (ou Tribunal do Santo Ofício) para combater as Heresias ocorridas. Punição através do auto de Fé. • Queriam deter o avanço do protestantismo e a difusão das novas descobertas científicas e filosóficas. Galileu diante do Santo Ofício, pintura do século XIX de Joseph-Nicolas Robert-Fleury.
  • 20. Criação da Companhia de Jesus. • Em 1534 pelo espanhol Inácio de Loyola. • Objetivo: combater as heresias e os protestantes, propagar o Cristianismo para os outros povos e outras regiões do mundo. • Na América: difundir o cristianismo nas colônias e ampliar o número de católicos na América. • A Igreja transformou a conversão dos nativos numa justificativa para a dominação espanhola. • Fundaram missões com objetivo de
  • 21. Prof. Msc. Daniel Alves Bronstrup BLOG: profhistdaniel.blogspot.com @danielbronstrup facebook.com/daniel.alvesbronstrup