SlideShare uma empresa Scribd logo
REFORMAS RELIGIOSAS
Prof.ª Valéria Fernandes
                           HISTÓRIA GERAL   1
PRÉ-REFORMA
                      RELIGIOSA
• John Wyclif e os lolardos –
  Inglaterra.
• Jan Huss – Boêmia.
• O Concílio de Constança
  (1414-1418).
• Rainha Isabel, a Católica e o
  Cardeal Cisneros – Espanha.
• Humanistas como Erasmo
  de Roterdã.                     Jan Huss
   Prof.ª Valéria Fernandes                  2
Europa em 1500




        Prof.ª Valéria Fernandes   3
“Gostaria que a mais fraca mulher lesse os
Evangelhos e as Epístolas de São Paulo [...]
Gostaria que essas palavras fossem traduzidas
para todas as línguas, afim de que não só os
escoceses e irlandeses, como também turcos e
sarracenos pudessem lê-las. Anseio que o
lavrador as cante para si mesmo quando
acompanha o arado, o tecelão as murmure ao
som de sua lançadeira, que o viajante iluda
com elas a monotonia da jornada.”

Novum Testamentum omne de Erasmo de Roterdã

  Prof.ª Valéria Fernandes                    4
MOTIVAÇÕES DA
          REFORMA RELIGIOSA
• Corrupção e despreparo do clero.
• Papas que se comportavam como príncipes
  seculares e, não, como líderes da igreja.
• Sentimentos nacionais, associados, ou não, a
  existência de um Estado.
• As críticas dos humanistas.
• Uma maior difusão da Bíblia e textos
  teológicos graças à invenção da imprensa.
   Prof.ª Valéria Fernandes                  5
REFORMA LUTERANA
• Em 15 de março de 1517,
  o papa Leão X ofereceu
  indulgência aos que
  contribuíssem para a
  construção da basílica de
  São Pedro em Roma.
• Lutero e outros teólogos
  questionam a validade
  das indulgências.
 Prof.ª Valéria Fernandes     6
REFORMA LUTERANA
• Lutero, professor na Universidade
  de Wittenberg, se insurge contra a
  cobrança das indulgências.
• Em a 31/10/1517, Lutero pregou
  (*ou não*) as 95 Teses na porta da
  Igreja do Castelo de Wittenberg.
• As conciliações fracassaram e o
  Papa Leão X excomungou Lutero
  em 03/01/1521, na bula "Decet
  Romanum Pontificem".
   Prof.ª Valéria Fernandes            7
REFORMA LUTERANA
• A reforma de Lutero está ligada a ao processo
  de afirmação nacional alemã.
• Foi apoiada por parte da nobreza e havia o
  interesse pelas terras da Igreja Católica.
• Lutero não era o único a propor uma reforma,
  mas seu caso terminou por iniciar a
  fragmentação da Cristandade.
• Confissão de Augsburgo (1530) → Melanchton.
• Paz de Augsburgo (1555) → “A religião do
  príncipe é a religião do povo”.
  Prof.ª Valéria Fernandes                   8
REFORMA LUTERANA
• A Guerra dos Camponeses fomentada pelas idéias
  anabatistas de Thomas Müntzer tinha por base a
  idéia de que “os pobres são demasiado infelizes para
  ter tempo de conhecer a Bíblia e rezar. Nenhuma
  reforma religiosa é possível sem revolução social”.
• Müntzer e seus discípulos compuseram os 12 Artigos
  e defendiam entre outras coisas: a livre escolha dos
  pastores, a abolição da corvéia e dos pequenos
  dízimos, que os grandes dízimos fossem usados em
  benefício da comunidade, e que a servidão fosse
  abolida.
   Prof.ª Valéria Fernandes                         9
REFORMA LUTERANA
• Lutero termina por defender:
       Salvação pela graça mediante a fé.
       A Bíblia na língua do povo → alemão.
       Comunhão nas duas espécies → pão e vinho.
       Cabia ao príncipe escolher os pastores.
       Sacerdócio universal.
       Fim do celibato obrigatório.
       A veneração aos santos não foi abolida.
       Manteve o batismo infantil.
Prof.ª Valéria Fernandes                        10
REFORMA NA SUÍÇA
• A Reforma religiosa na Suíça
  começou quase ao mesmo tempo
  que na Alemanha.
• A região também não tinha uma
  unidade     nacional    e    estava
  obrigada a enviar soldados para
  os exércitos de vários países.
• O padre Ulrich Zwinglio começa
  a pregar em Zurique contra as
  indulgências     e o chamado
  “evangelho puro” em 1519.             Zwinglio
   Prof.ª Valéria Fernandes                        11
REFORMA NA SUÍÇA
• Se a pergunta de Lutero era “como eu posso ser
  salvo?”, a de Zwinglio era “como salvar o meu
  povo?”.
• Zwinglio era humanista, admirador de Erasmo de
  Roterdã e pregava que a Bíblia deveria pautar todas
  as ações das pessoas.
• Ele e Lutero discordavam em vários pontos,
  especialmente em relação à Eucaristia.
• Zwinglio era contra o envio de soldados suíços para
  guerras que não eram suas. Isso fez com que Zurique
  fosse atacada e o reformador morreu em batalha.
   Prof.ª Valéria Fernandes                        12
OS ANABATISTAS
• Chamados de reformadores
radicais em alguns livros.
• Defendiam      o     batismo
somente os adultos.
• Alguns eram pacifistas.
• Com as perseguições de
católicos e protestantes, o
movimento assumiu posturas
místicas e participaram de
revoltas populares.
• Seus descendentes são os       Anabatista recebendo o
atuais menonitas.                 “terceiro” batismo.
  Prof.ª Valéria Fernandes                                13
JOÃO CALVINO
• Calvino nasceu na França
  (1509) e recebeu uma sólida
  formação humanista.
• Sua educação foi patrocinada
  pelo bispo de sua cidade
  (Noyon), patrão de seu pai.
• A Reforma na França já estava
  em andamento quando Calvino
  nasceu e o reformador teve
  contato com idéias luteranas e   João Calvino
  de outros reformistas.
   Prof.ª Valéria Fernandes                       14
JOÃO CALVINO
• Diferentemente de Lutero, não se sabe quando
  Calvino rompeu com a Igreja Católica, mas em 1534,
  ele voltou a sua cidade e abriu mão do dinheiro
  dado pelo bispo para patrocinar-lhe os estudos.
• A Reforma na França estava condicionada pela
  vontade do Rei → Se o monarca se sentisse
  ameaçado em seu poder, havia perseguição.
• Não havia um “perfil” protestante na França.
  Nobres, burgueses (*como Calvino*), camponeses,
  todos aderiram à Reforma e eram chamados de
  huguenotes.
   Prof.ª Valéria Fernandes                        15
SIGNIFICADO DA PALAVRA
       HUGUENOTE
 A origem da palavra não é clara. Há quem defenda que o
  termo vem do nome de Besançon Hugues, líder da revolta
  protestante de Genebra. Bernard Cottret diz que o termo
  vem de “confederados”, em francês "eidguenot", derivado
  do suíço-alemão “eidgenossen”, ou “partidário da
  Reforma”. Já Owen I.A. Roche diz que “huguenote” era
  uma combinação de dois termos, um flamengo e outro
  alemão, “eid Genossen” (colegas de juramento), já que as
  reuniões protestantes eram secretas. Outros afirmam que
  o termo derive do nome de um lugar no qual os
  protestantes franceses celebravam o próprio culto; esse
  lugar era chamado "Torre de Hugon" e se encontra em
  Tours.
  Prof.ª Valéria Fernandes                             16
JOÃO CALVINO
• Em março de 1536, Calvino publica a 1ª versão da
  sua obra mais importante Institutas da Religião
  Cristã em latim, com dedicatória ao rei da França.
• Com a perseguição, Calvino parte para Estrasbugo,
  cidade de língua francesa reformada e liderada por
  Bucero. Chegando em Genebra e é instado por
  Gulherme Farel a permanecer.
• Genebra nem sempre foi acolhedora para com
  Calvino, mas foi ali que ele desenvolveu sua reforma
  religiosa e a cidade se tornou a Jerusalém ou Roma
  do Protestantismo.
   Prof.ª Valéria Fernandes                          17
MURO DA REFORMA




Calvino fundou a Universidade de Genebra e o homenageou no
Muro da Reforma junto com Theodore Beza, Guilherme Farel e
  Prof.ª Valéria Fernandes                               18
                           John Knox.
JOÃO CALVINO
• “Por decreto de Deus, para manifestação de sua
  glória, alguns homens são predestinados à vida
  eterna e outros são predestinados à morte eterna.”
  → A predestinação é fundamental ao Calvinismo.
• Justificação do trabalho e do lucro; ênfase na
  auteridade e disciplina;       preocupação com a
  educação.
• A burguesia adere mais ao calvinismo →
  identificação de classe X identificação nacional.
• Espalhou-se por toda a Europa.             Puritanos,
  presbiterianos, reformados, todos são calvinistas.
   Prof.ª Valéria Fernandes                          19
REFORMA NA FRANÇA




• Massacre da Noite de São Bartolomeu em 23 e 24 de agosto de
  1572.
    Prof.ª Valéria Fernandes                               20
REFORMA NA FRANÇA
• Houve 8 guerras de religião entre 1562 e 1598.
• O Massacre de São Bartolomeu foi somente o maior
  (*entre 30 mil e 100 mil mortos*) de vários.
• A nobreza protestante e católica disputava o poder e
  o apoio do rei.
• A ascensão de Henrique de Navarra e o Edito de
  Nantes (1598) colocou fim ao conflito.
• Mais tarde, o Cardeal Richilieu fez guerra aos
  protestantes e diminuiu-lhe os direitos como forma
  de fortalecer o poder real.
• Por fim, Luís XIV suspendeu o Edito de Nantes.
   Prof.ª Valéria Fernandes                         21
REFORMA NA INGLATERRA
• Henrique VIII era um dos reis
  mais católicos da Europa.
• Em 1521, publicou um livro em
  que atacava as idéias de Lutero,
  recebendo do papa o título de
  Defensor Fidei.
• Por questões pessoais (relação com
  Ana Bolena, a esperança de um
  herdeiro do sexo masculino), o rei
  pleiteou junto à Roma a anulação
  de seu casamento com Catarina de       Evangelho de João
                                       traduzido por William
  Aragão.                                     Tyndale.
   Prof.ª Valéria Fernandes                                22
REFORMA NA INGLATERRA
• O rompimento com Roma foi um
  processo que se estendeu de 1525
  até 1534.
• No continente, a ruptura com o
  catolicismo foi feita por razões
  teológicas e levada adiante por
  homens comuns.
• Na Inglaterra, a Reforma esteve
  condicionada por motivos pessoais
  e políticos e foi forçada de cima
  para baixo pelo rei.
  Prof.ª Valéria Fernandes            23
Prof.ª Valéria Fernandes   24
REFORMA NA INGLATERRA
• Em 1531, Henrique VIII exigiu ser reconhecido pela
  Igreja como Protetor e único chefe supremo da
  Igreja e do clero da Inglaterra.
• Pelo Ato de Supremacia, novembro de 1534, o
  Parlamento reconheceu Henrique VIII como "o
  único chefe supremo na Terra da Igreja na
  Inglaterra".
• Durante o governo de Henrique VIII, mosteiros
  foram destruídos e os bens da Igreja Católica
  confiscados. Já em termos de teologia e doutrina, a
  Igreja permaneceu próxima do Catolicismo.
   Prof.ª Valéria Fernandes                        25
REFORMA NA INGLATERRA
• Eduardo VI (1537-1553) consolidou aproximou a
  Igreja da Inglaterra do Calvinismo → Livro de
  Oração Comum (1549).
• Mary I (1553-1558) forçou o retorno ao Catolicismo e
  a Inquisição se estabeleceu na Inglaterra.
• Elizabeth I (1558 -1603) governou como protestante,
  mas levou adiante uma política de conciliação,
  excluindo somente católicos radicais e puritanos. Em
  1559, foi reconhecida como Governante Suprema da
  Igreja e em 1552 foi publicado um novo Livro de
  Oração Comum.
   Prof.ª Valéria Fernandes                        26
• A Invencível Armada foi lançada sobre a Inglaterra por Filipe
   Prof.ª Valéria Fernandes II, rei da Espanha, em 1588.    27
REFORMA CATÓLICA
• Convocado por Paulo III, o Concílio de Trento (1545-
  1563) teve existência tumultuada e interrompido
  diversas vezes.
• Os protestantes participaram de parte do Concílio,
  pois havia o desejo de conciliação.
• Foi aceito em parte da Itália, em Sabóia, na Polônia,
  em Portugal, na Espanha, nos Países-Baixos, e na
  Suíça católica, depois, com reticências, em Veneza. Só
  foram aceitos na França em 1615. Na Alemanha, o
  imperador, ligado pelas decisões da dieta de
  Augsburgo, só ratifica os decretos sobre a fé e o culto.
   Prof.ª Valéria Fernandes                            28
REFORMA CATÓLICA
• Inácio de Loyola
  fundou em 1534 a
  ordem dos jesuítas.
• O lema da ordem é
  "Ad maiorem Dei
  gloriam" ("Para a
  maior glória de
  Deus").
• Em 1540, a Ordem foi reconhecida pelo papa.
• Combateram a reforma protestante dentro da Europa
  e dedicaram-se ao trabalho missionário pelo mundo.
   Prof.ª Valéria Fernandes                      29
REFORMA CATÓLICA
• Decisões do Concílio de Trento:
     Salvação pela fé e pelas obras.
     Tradição tinha o mesmo status que a Bíblia.
     Bíblia e Missa deveriam permanecer em Latim.
     Criação do Index → Lista dos livros proibidos.
     Manutenção do celibato dos padres.
     Proibida a comunhão nas duas espécies.
     Criação de seminários para a formação de padres.
     Bispos deveriam residir nas dioceses.
     Reativação da Inquisição.
     Proibição da venda de indulgências.
   Prof.ª Valéria Fernandes                              30
PONTOS COMUNS A TODOS
    OS PROTESTANTES
• Sola fide (somente a fé);
• Sola scriptura (somente a
  Escritura);
• Solus    Christus    (somente
  Cristo);
• Sola gratia (somente a graça);
• Soli Deo gloria (glória
  somente a Deus).
  Prof.ª Valéria Fernandes         31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
Kerol Brombal
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
Edenilson Morais
 
A colonização portuguesa
A colonização portuguesaA colonização portuguesa
A colonização portuguesa
Marcela Marangon Ribeiro
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
Privada
 
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.pptHis-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
Gisele Finatti Baraglio
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
harlissoncarvalho
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
Edenilson Morais
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
isameucci
 
Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da América
Elton Zanoni
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Napoleão
NapoleãoNapoleão
Napoleão
Dhenis Maciel
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
Douglas Barraqui
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
 
A colonização portuguesa
A colonização portuguesaA colonização portuguesa
A colonização portuguesa
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.pptHis-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
His-8o-semana1-O Iluminismo e a ilustração.ppt
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da América
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Tempo e história
 
Napoleão
NapoleãoNapoleão
Napoleão
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 

Destaque

Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Valeria Kosicki
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
Carlos Vieira
 
reformas religiosas na europa
   reformas religiosas na europa   reformas religiosas na europa
reformas religiosas na europa
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Nelson Faustino
 
Reforma protestante slide
Reforma protestante slideReforma protestante slide
Reforma protestante slide
Eduardo Gomes
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
vr1a2011
 
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma ReligiosaReforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
baianinhohistoriador
 
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreformaLuteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Guilherme Cardozo
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Douglas Barraqui
 
Renascimento - História Geral
Renascimento - História GeralRenascimento - História Geral
Renascimento - História Geral
Valéria Shoujofan
 
Reforma religiosa contrarreforma
Reforma religiosa contrarreformaReforma religiosa contrarreforma
Reforma religiosa contrarreforma
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma CatólicaA Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
Maria Gomes
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
josepinho
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
secretaria estadual de educação
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reforma
Fatima Freitas
 
A Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma CatólicaA Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma Católica
profhistoria
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
Carlos Pinheiro
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
João Lima
 
A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
O Calvinismo
O CalvinismoO Calvinismo
O Calvinismo
Petedanis
 

Destaque (20)

Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
 
reformas religiosas na europa
   reformas religiosas na europa   reformas religiosas na europa
reformas religiosas na europa
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Reforma protestante slide
Reforma protestante slideReforma protestante slide
Reforma protestante slide
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma ReligiosaReforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
 
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreformaLuteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Renascimento - História Geral
Renascimento - História GeralRenascimento - História Geral
Renascimento - História Geral
 
Reforma religiosa contrarreforma
Reforma religiosa contrarreformaReforma religiosa contrarreforma
Reforma religiosa contrarreforma
 
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma CatólicaA Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reforma
 
A Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma CatólicaA Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma Católica
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
 
O Calvinismo
O CalvinismoO Calvinismo
O Calvinismo
 

Semelhante a Reformas Religiosas - Século XVI

Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
Marcelo Ferreira Boia
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
Valéria Shoujofan
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
Valéria Shoujofan
 
A reforma religiosa
A reforma religiosaA reforma religiosa
A reforma religiosa
historiando
 
Reforma protestante (1) rafael
Reforma protestante (1) rafaelReforma protestante (1) rafael
Reforma protestante (1) rafael
Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes
 
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.pptReforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
varjaomelo
 
A Reforma Protestante-180214001905.pdf
A Reforma Protestante-180214001905.pdfA Reforma Protestante-180214001905.pdf
A Reforma Protestante-180214001905.pdf
GilvanBarretoSantos
 
A reforma protestante
A reforma protestanteA reforma protestante
A reforma protestante
Romulo Roosemberg
 
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento modernoA reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
Debora Barros
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Alexandre Guanaes Buongermino
 
18° reforma e contra-reforma
18° reforma e contra-reforma18° reforma e contra-reforma
18° reforma e contra-reforma
Ajudar Pessoas
 
Reforma religiosa 2
Reforma religiosa 2Reforma religiosa 2
Reforma religiosa 2
Fatima Freitas
 
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
Ciências Humanas e Suas Tecnologias
 
08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante
Naira Oliveira
 
Reforma protestante ok
Reforma protestante okReforma protestante ok
Reforma protestante ok
arthuroliveigo
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Thamires Bragança
 
Resumo tempo de reformas
Resumo tempo de reformas Resumo tempo de reformas
Resumo tempo de reformas
Coronel Mateus Mateus1966
 
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da ReformaHistória da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
Luciana Evangelista
 
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreformaHh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
Luisa Jesus
 

Semelhante a Reformas Religiosas - Século XVI (20)

Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
A reforma religiosa
A reforma religiosaA reforma religiosa
A reforma religiosa
 
Reforma protestante (1) rafael
Reforma protestante (1) rafaelReforma protestante (1) rafael
Reforma protestante (1) rafael
 
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.pptReforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
 
A Reforma Protestante-180214001905.pdf
A Reforma Protestante-180214001905.pdfA Reforma Protestante-180214001905.pdf
A Reforma Protestante-180214001905.pdf
 
A reforma protestante
A reforma protestanteA reforma protestante
A reforma protestante
 
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento modernoA reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
18° reforma e contra-reforma
18° reforma e contra-reforma18° reforma e contra-reforma
18° reforma e contra-reforma
 
Reforma religiosa 2
Reforma religiosa 2Reforma religiosa 2
Reforma religiosa 2
 
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
 
08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante
 
Reforma protestante ok
Reforma protestante okReforma protestante ok
Reforma protestante ok
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Resumo tempo de reformas
Resumo tempo de reformas Resumo tempo de reformas
Resumo tempo de reformas
 
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da ReformaHistória da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
 
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreformaHh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
 

Mais de Valéria Shoujofan

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
Valéria Shoujofan
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Valéria Shoujofan
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Valéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
Valéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Valéria Shoujofan
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Valéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
Valéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Valéria Shoujofan
 
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
 

Último

O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Reformas Religiosas - Século XVI

  • 1. REFORMAS RELIGIOSAS Prof.ª Valéria Fernandes HISTÓRIA GERAL 1
  • 2. PRÉ-REFORMA RELIGIOSA • John Wyclif e os lolardos – Inglaterra. • Jan Huss – Boêmia. • O Concílio de Constança (1414-1418). • Rainha Isabel, a Católica e o Cardeal Cisneros – Espanha. • Humanistas como Erasmo de Roterdã. Jan Huss Prof.ª Valéria Fernandes 2
  • 3. Europa em 1500 Prof.ª Valéria Fernandes 3
  • 4. “Gostaria que a mais fraca mulher lesse os Evangelhos e as Epístolas de São Paulo [...] Gostaria que essas palavras fossem traduzidas para todas as línguas, afim de que não só os escoceses e irlandeses, como também turcos e sarracenos pudessem lê-las. Anseio que o lavrador as cante para si mesmo quando acompanha o arado, o tecelão as murmure ao som de sua lançadeira, que o viajante iluda com elas a monotonia da jornada.” Novum Testamentum omne de Erasmo de Roterdã Prof.ª Valéria Fernandes 4
  • 5. MOTIVAÇÕES DA REFORMA RELIGIOSA • Corrupção e despreparo do clero. • Papas que se comportavam como príncipes seculares e, não, como líderes da igreja. • Sentimentos nacionais, associados, ou não, a existência de um Estado. • As críticas dos humanistas. • Uma maior difusão da Bíblia e textos teológicos graças à invenção da imprensa. Prof.ª Valéria Fernandes 5
  • 6. REFORMA LUTERANA • Em 15 de março de 1517, o papa Leão X ofereceu indulgência aos que contribuíssem para a construção da basílica de São Pedro em Roma. • Lutero e outros teólogos questionam a validade das indulgências. Prof.ª Valéria Fernandes 6
  • 7. REFORMA LUTERANA • Lutero, professor na Universidade de Wittenberg, se insurge contra a cobrança das indulgências. • Em a 31/10/1517, Lutero pregou (*ou não*) as 95 Teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg. • As conciliações fracassaram e o Papa Leão X excomungou Lutero em 03/01/1521, na bula "Decet Romanum Pontificem". Prof.ª Valéria Fernandes 7
  • 8. REFORMA LUTERANA • A reforma de Lutero está ligada a ao processo de afirmação nacional alemã. • Foi apoiada por parte da nobreza e havia o interesse pelas terras da Igreja Católica. • Lutero não era o único a propor uma reforma, mas seu caso terminou por iniciar a fragmentação da Cristandade. • Confissão de Augsburgo (1530) → Melanchton. • Paz de Augsburgo (1555) → “A religião do príncipe é a religião do povo”. Prof.ª Valéria Fernandes 8
  • 9. REFORMA LUTERANA • A Guerra dos Camponeses fomentada pelas idéias anabatistas de Thomas Müntzer tinha por base a idéia de que “os pobres são demasiado infelizes para ter tempo de conhecer a Bíblia e rezar. Nenhuma reforma religiosa é possível sem revolução social”. • Müntzer e seus discípulos compuseram os 12 Artigos e defendiam entre outras coisas: a livre escolha dos pastores, a abolição da corvéia e dos pequenos dízimos, que os grandes dízimos fossem usados em benefício da comunidade, e que a servidão fosse abolida. Prof.ª Valéria Fernandes 9
  • 10. REFORMA LUTERANA • Lutero termina por defender:  Salvação pela graça mediante a fé.  A Bíblia na língua do povo → alemão.  Comunhão nas duas espécies → pão e vinho.  Cabia ao príncipe escolher os pastores.  Sacerdócio universal.  Fim do celibato obrigatório.  A veneração aos santos não foi abolida.  Manteve o batismo infantil. Prof.ª Valéria Fernandes 10
  • 11. REFORMA NA SUÍÇA • A Reforma religiosa na Suíça começou quase ao mesmo tempo que na Alemanha. • A região também não tinha uma unidade nacional e estava obrigada a enviar soldados para os exércitos de vários países. • O padre Ulrich Zwinglio começa a pregar em Zurique contra as indulgências e o chamado “evangelho puro” em 1519. Zwinglio Prof.ª Valéria Fernandes 11
  • 12. REFORMA NA SUÍÇA • Se a pergunta de Lutero era “como eu posso ser salvo?”, a de Zwinglio era “como salvar o meu povo?”. • Zwinglio era humanista, admirador de Erasmo de Roterdã e pregava que a Bíblia deveria pautar todas as ações das pessoas. • Ele e Lutero discordavam em vários pontos, especialmente em relação à Eucaristia. • Zwinglio era contra o envio de soldados suíços para guerras que não eram suas. Isso fez com que Zurique fosse atacada e o reformador morreu em batalha. Prof.ª Valéria Fernandes 12
  • 13. OS ANABATISTAS • Chamados de reformadores radicais em alguns livros. • Defendiam o batismo somente os adultos. • Alguns eram pacifistas. • Com as perseguições de católicos e protestantes, o movimento assumiu posturas místicas e participaram de revoltas populares. • Seus descendentes são os Anabatista recebendo o atuais menonitas. “terceiro” batismo. Prof.ª Valéria Fernandes 13
  • 14. JOÃO CALVINO • Calvino nasceu na França (1509) e recebeu uma sólida formação humanista. • Sua educação foi patrocinada pelo bispo de sua cidade (Noyon), patrão de seu pai. • A Reforma na França já estava em andamento quando Calvino nasceu e o reformador teve contato com idéias luteranas e João Calvino de outros reformistas. Prof.ª Valéria Fernandes 14
  • 15. JOÃO CALVINO • Diferentemente de Lutero, não se sabe quando Calvino rompeu com a Igreja Católica, mas em 1534, ele voltou a sua cidade e abriu mão do dinheiro dado pelo bispo para patrocinar-lhe os estudos. • A Reforma na França estava condicionada pela vontade do Rei → Se o monarca se sentisse ameaçado em seu poder, havia perseguição. • Não havia um “perfil” protestante na França. Nobres, burgueses (*como Calvino*), camponeses, todos aderiram à Reforma e eram chamados de huguenotes. Prof.ª Valéria Fernandes 15
  • 16. SIGNIFICADO DA PALAVRA HUGUENOTE  A origem da palavra não é clara. Há quem defenda que o termo vem do nome de Besançon Hugues, líder da revolta protestante de Genebra. Bernard Cottret diz que o termo vem de “confederados”, em francês "eidguenot", derivado do suíço-alemão “eidgenossen”, ou “partidário da Reforma”. Já Owen I.A. Roche diz que “huguenote” era uma combinação de dois termos, um flamengo e outro alemão, “eid Genossen” (colegas de juramento), já que as reuniões protestantes eram secretas. Outros afirmam que o termo derive do nome de um lugar no qual os protestantes franceses celebravam o próprio culto; esse lugar era chamado "Torre de Hugon" e se encontra em Tours. Prof.ª Valéria Fernandes 16
  • 17. JOÃO CALVINO • Em março de 1536, Calvino publica a 1ª versão da sua obra mais importante Institutas da Religião Cristã em latim, com dedicatória ao rei da França. • Com a perseguição, Calvino parte para Estrasbugo, cidade de língua francesa reformada e liderada por Bucero. Chegando em Genebra e é instado por Gulherme Farel a permanecer. • Genebra nem sempre foi acolhedora para com Calvino, mas foi ali que ele desenvolveu sua reforma religiosa e a cidade se tornou a Jerusalém ou Roma do Protestantismo. Prof.ª Valéria Fernandes 17
  • 18. MURO DA REFORMA Calvino fundou a Universidade de Genebra e o homenageou no Muro da Reforma junto com Theodore Beza, Guilherme Farel e Prof.ª Valéria Fernandes 18 John Knox.
  • 19. JOÃO CALVINO • “Por decreto de Deus, para manifestação de sua glória, alguns homens são predestinados à vida eterna e outros são predestinados à morte eterna.” → A predestinação é fundamental ao Calvinismo. • Justificação do trabalho e do lucro; ênfase na auteridade e disciplina; preocupação com a educação. • A burguesia adere mais ao calvinismo → identificação de classe X identificação nacional. • Espalhou-se por toda a Europa. Puritanos, presbiterianos, reformados, todos são calvinistas. Prof.ª Valéria Fernandes 19
  • 20. REFORMA NA FRANÇA • Massacre da Noite de São Bartolomeu em 23 e 24 de agosto de 1572. Prof.ª Valéria Fernandes 20
  • 21. REFORMA NA FRANÇA • Houve 8 guerras de religião entre 1562 e 1598. • O Massacre de São Bartolomeu foi somente o maior (*entre 30 mil e 100 mil mortos*) de vários. • A nobreza protestante e católica disputava o poder e o apoio do rei. • A ascensão de Henrique de Navarra e o Edito de Nantes (1598) colocou fim ao conflito. • Mais tarde, o Cardeal Richilieu fez guerra aos protestantes e diminuiu-lhe os direitos como forma de fortalecer o poder real. • Por fim, Luís XIV suspendeu o Edito de Nantes. Prof.ª Valéria Fernandes 21
  • 22. REFORMA NA INGLATERRA • Henrique VIII era um dos reis mais católicos da Europa. • Em 1521, publicou um livro em que atacava as idéias de Lutero, recebendo do papa o título de Defensor Fidei. • Por questões pessoais (relação com Ana Bolena, a esperança de um herdeiro do sexo masculino), o rei pleiteou junto à Roma a anulação de seu casamento com Catarina de Evangelho de João traduzido por William Aragão. Tyndale. Prof.ª Valéria Fernandes 22
  • 23. REFORMA NA INGLATERRA • O rompimento com Roma foi um processo que se estendeu de 1525 até 1534. • No continente, a ruptura com o catolicismo foi feita por razões teológicas e levada adiante por homens comuns. • Na Inglaterra, a Reforma esteve condicionada por motivos pessoais e políticos e foi forçada de cima para baixo pelo rei. Prof.ª Valéria Fernandes 23
  • 25. REFORMA NA INGLATERRA • Em 1531, Henrique VIII exigiu ser reconhecido pela Igreja como Protetor e único chefe supremo da Igreja e do clero da Inglaterra. • Pelo Ato de Supremacia, novembro de 1534, o Parlamento reconheceu Henrique VIII como "o único chefe supremo na Terra da Igreja na Inglaterra". • Durante o governo de Henrique VIII, mosteiros foram destruídos e os bens da Igreja Católica confiscados. Já em termos de teologia e doutrina, a Igreja permaneceu próxima do Catolicismo. Prof.ª Valéria Fernandes 25
  • 26. REFORMA NA INGLATERRA • Eduardo VI (1537-1553) consolidou aproximou a Igreja da Inglaterra do Calvinismo → Livro de Oração Comum (1549). • Mary I (1553-1558) forçou o retorno ao Catolicismo e a Inquisição se estabeleceu na Inglaterra. • Elizabeth I (1558 -1603) governou como protestante, mas levou adiante uma política de conciliação, excluindo somente católicos radicais e puritanos. Em 1559, foi reconhecida como Governante Suprema da Igreja e em 1552 foi publicado um novo Livro de Oração Comum. Prof.ª Valéria Fernandes 26
  • 27. • A Invencível Armada foi lançada sobre a Inglaterra por Filipe Prof.ª Valéria Fernandes II, rei da Espanha, em 1588. 27
  • 28. REFORMA CATÓLICA • Convocado por Paulo III, o Concílio de Trento (1545- 1563) teve existência tumultuada e interrompido diversas vezes. • Os protestantes participaram de parte do Concílio, pois havia o desejo de conciliação. • Foi aceito em parte da Itália, em Sabóia, na Polônia, em Portugal, na Espanha, nos Países-Baixos, e na Suíça católica, depois, com reticências, em Veneza. Só foram aceitos na França em 1615. Na Alemanha, o imperador, ligado pelas decisões da dieta de Augsburgo, só ratifica os decretos sobre a fé e o culto. Prof.ª Valéria Fernandes 28
  • 29. REFORMA CATÓLICA • Inácio de Loyola fundou em 1534 a ordem dos jesuítas. • O lema da ordem é "Ad maiorem Dei gloriam" ("Para a maior glória de Deus"). • Em 1540, a Ordem foi reconhecida pelo papa. • Combateram a reforma protestante dentro da Europa e dedicaram-se ao trabalho missionário pelo mundo. Prof.ª Valéria Fernandes 29
  • 30. REFORMA CATÓLICA • Decisões do Concílio de Trento:  Salvação pela fé e pelas obras.  Tradição tinha o mesmo status que a Bíblia.  Bíblia e Missa deveriam permanecer em Latim.  Criação do Index → Lista dos livros proibidos.  Manutenção do celibato dos padres.  Proibida a comunhão nas duas espécies.  Criação de seminários para a formação de padres.  Bispos deveriam residir nas dioceses.  Reativação da Inquisição.  Proibição da venda de indulgências. Prof.ª Valéria Fernandes 30
  • 31. PONTOS COMUNS A TODOS OS PROTESTANTES • Sola fide (somente a fé); • Sola scriptura (somente a Escritura); • Solus Christus (somente Cristo); • Sola gratia (somente a graça); • Soli Deo gloria (glória somente a Deus). Prof.ª Valéria Fernandes 31