SlideShare uma empresa Scribd logo
REFORMA E CONTRARREFORMA
Professor: Frederico Sodré
O Cristianismo, dividido em 3 grandes
ramos – católicos, ortodoxos e protestantes -, é
a religião que reúne, atualmente, o maior
número de seguidores: cerca de 34% da
população mundial.
Os católicos formam o grupo mais
numeroso dos cristãos (51%), seguidos pelos
protestantes (35%), que se dividem em
luteranos, anglicanos, calvinistas etc.
Que razões levaram à divisão do
cristianismo ocidental entre católicos e
protestantes?
Motivações da Reforma
• Novas Interpretações da Bíblia.
 Invenção da Imprensa (Gutenberg) =
difusão da Bíblia, surgindo novas
interpretações.
Correntes de pensamentos diferentes.
Santo Agostinho X São Tomás de Aquino
Santo Agostinho = “A salvação do
homem é alcançada pela fé”.
(1225-1274)
São Tomás de Aquino = “A
salvação do homem é alcançada
pela fé e pelas boas ações”.
(354-430)
Crítica ao comportamento do clero.
Simonia = Para ganhar dinheiro, o alto clero
iludia a boa-fé de milhares de cristãos
comercializando relíquias religiosas, em geral
falsas.
Indulgências = Venda do perdão dos pecados.
Mediante pagamento, destinado a financiar
obras da Igreja, os fiéis poderiam comprar a
“salvação eterna”.
Para piorar, boa parte dos sacerdotes desconhecia a
própria doutrina católica e demonstrava falta de
preparo para funções religiosas.
Nova ética religiosa.
A Igreja censurava a usura e o lucro
excessivo e defendia o preço justo. Os
comerciantes ficavam divididos entre a busca
do lucro e as obrigações morais.
Os defensores dos lucros desejavam uma
nova ética religiosa. Essa necessidade foi
atendida, em grande parte, pela ética
protestante (Calvino), que surgiu com a
Reforma.
Sentimento nacionalista.
Havia conflitos políticos entre autoridades
da Igreja e alguns governantes das monarquias
européias.
Os reis passaram a considerar a Igreja uma
entidade estrangeira, enquanto esta, insistia
ser uma entidade universal.
Os países procuravam afirmar sua
independência em relação à Igreja, para que
esta não interferisse mais em seus assuntos.
REFORMA LUTERANA
Martinho Lutero (1483-1546)
Nasceu na Alemanha e estudo
direito por influência do pai. Sua
forte inclinação para a vida
religiosa o fez ingressar na
Ordem dos Agostinianos
(1505).
Em 1510 viajou a Roma e regressou
profundamente decepcionado com o clima
de avareza e corrupção do alto clero.
Entre 1511 e 1513, Lutero aprofundou-se nos
estudos bíblicos e amadureceu novas idéias
teológicas. Encontrou uma frase que considerou
muito importante nas epístolas de São Paulo: “o justo
se salvará pela fé”. Interpretou então que a fé, e não
as obras, seria o único instrumento de salvação,
graças à misericórdia divina.
Em 1517, com o objetivo de arrecadar dinheiro
para a reconstrução da Basílica de São Pedro, o papa
Leão X autorizou a concessão de indulgências para
os fiéis que contribuíssem financeiramente para a
obra. Lutero, em protesto, afixou um manifesto
público (as 95 teses) na Catedral de Wittenberg
contrário a essa atitude e expondo alguns elementos
de sua doutrina religiosa.
Em 1520 foi excomungado.
Vejamos algumas teses de Lutero:
• 21 – estão errados os pregadores de indulgências que
dizem que um homem é libertado e salvo de todo
castigo dos pecados pelas indulgências papais.
• 27 – Ele pregam que a alma voa para fora do
Purgatório tão logo tilinte o dinheiro jogado na caixa.
• 45 – Os cristãos deveriam aprender que todo aquele
que vê um homem necessitado e não o socorre, e
depois dá dinheiro para perdões, não está comprando
para si a indulgência do papa, mas a cólera de Deus.
• 82 – Por que o papa não esvazia o Purgatório apenas
por caridade, se o faz através do dinheiro que
emprega na construção de uma basílica?
Martinho Lutero em frente a Igreja de
Wittenberg, após ter afixado as 95 teses
Principais pontos do Luteranismo
• A fé cristã é o único caminho para a salvação eterna.
• A Bíblia é a única fonte para a fé.
• O livre exame é uma porta legítima para o
entendimento da Bíblia.
• Não aceita o culto aos santos católicos.
• Não adora imagens religiosas.
• Nega a autoridade do papa.
Em 1529, nobres alemães protestaram contra a
Igreja em prol da liberdade de crença. A partir desse
protesto os cristãos não-católicos passaram a ser
chamados de protestantes.
REFORMA CALVINISTA
João Calvino (1509-1564) nasceu
na França, onde estudou teologia.
Aderindo às idéias dos protestantes foi
considerado herege e perseguido
pelas autoridades francesas.
Em 1534, fugiu para a Suiça, onde o
movimento reformista já se desenvolvia.
Em 1536, Calvino publicou sua principal
obra, onde defendia que o ser humano estava
“predestinado” a merecer o céu ou o inferno,
ou seja, algumas pessoas haviam sido eleitas
por Deus para serem salvas, enquanto outras
seriam condenadas à maldição eterna.
Governou a cidade de Genebra (1541-
1560), se mostrando extremamente intolerante.
Obrigava as pessoas a seguirem um governo
que mesclava religião e política.
Chegou a queimar vivo o espanhol Miguel
de Servet (que dissecava os mortos) por negar
o “pecado original”.
Principais pontos do Calvinismo
• A salvação eterna é predestinada por Deus.
• Pregava o estímulo ao trabalho e a legitimidade do
lucro, condenando o desperdício.
• A prosperidade econômica é um sinal de salvação.
• Condenava o jogo, o culto às imagens de santos, as
danças e o uso de roupas luxuosas.
Segundo o Calvinismo, as obras não interferiam
na salvação eterna, sendo uma vontade divina. Não
podendo interferi nessa vontade, cada pessoa deveria
viver de acordo com as suas possibilidades. Embora
o luxo fosse censurado, a acumulação de riquezas e o
lucro não eram imorais. Fez muito sucesso com a
burguesia.
Obra de Rembrandt retratando a
burguesia calvinista.
REFORMA ANGLICANA
Henrique VIII, rei da
Inglaterra de 1509 a 1547, fora
um fiel aliado do papa, recebendo
o título de “defensor da fé”.
Entretanto, uma série de
questões o levaram a romper
com a Igreja católica e a fundar uma
Igreja nacional: a Igreja Anglicana.
A Igreja era proprietária de muitas terras e
monopolizava o comércio de “relíquias
sagradas”. Setores da nobreza queriam
apossar-se das terras e dos bens da Igreja e,
para isso, era preciso apoiar o rei, a fim de
enfraquecer o poder das autoridades católicas.
Além disso, Henrique VIII teve seu pedido
de anulação de casamento com Catarina de
Aragão negado. Queria essa anulação pelo
fato de Catarina ter origem espanhola, por não
ter dado um filho do sexo masculino a
Henrique e para pode se casar com sua
amante, Ana Bolena.
Henrique conseguiu que o alto clero inglês
e o Parlamento reconhecessem seu divórcio.
Em 1534, o Parlamento votou o Ato de
Supremacia, pelo qual Henrique VIII tornava-
se chefe supremo da Igreja da Inglaterra
(Anglicana), sem grandes modificações em
termos de doutrina e culto em relação à
católica.
Ocorreram nos governos dos sucessores
de Henrique VIII, tentativas de implantar o
Calvinismo e também uma reação católica.
Somente com o governo de Elizabeth I (1558-
1603) a Igreja Anglicana consolidou-se.
Catarina de Aragão X Ana Bolena
X
CONTRA-REFORMA
Diante do avanço protestante, a primeira
reação das autoridades da Igreja foi punir os
principais reformadores. Esperavam que as
idéias dos reformadores fossem sufocadas e o
mundo cristão recuperasse a unidade perdida.
A tática, entretanto, não deu certo e em
aproximadamente 50 anos, as igrejas
protestantes tiveram a adesão de cerca de
40% dos europeus ocidentais.
Vejamos algumas das principais atitudes
tomadas pelas lideranças da Igreja que
caracterizaram a Contra-Reforma.
Ordem dos Jesuítas
Em 1534, o militar e
religioso Ignácio de
Loyola fundou a Companhia
de Jesus. Os Jesuítas
consideravam- se os “soldados de
Cristo” e tinham por missão, inicialmente,
combater a expansão do protestantismo.
Sua principal estratégia foi investir na
criação de escolas religiosas. Também se
empenharam na catequese dos não-cristãos.
Concílio de Trento
Em 1545, o papa Paulo III convocou um concílio na cidade
de Trento. Em 1563, a Igreja apresentou um conjunto de
decisões que procuraram garantir a unidade da fé católica e a
disciplina eclesiástica:
• Reafirmação dos sete sacramentos .
• A crença na infalibilidade do papa.
• Monopólio do clero católico na interpretação correta da Bíblia.
• A salvação da fé depende da fé e das boas obras, negando a
doutrina da predestinação.
• O dogma religioso tem como fonte a Bíblia e a tradição
religiosa.
• Cristo se faz presente no ato da eucaristia.
• Elaboração de um catecismo, a criação de seminários para a
formação dos sacerdotes e a manutenção do celibato
sacerdotal.
O Concílio de Trento
A Volta da Inquisição
Os Tribunais da Santa Inquisição foram
criados em 1231 para investigar e punir “crimes
contra a fé católica”, foram, com o tempo,
reduzindo suas atividades em diversos países.
Com o avanço do protestantismo, o Tribunal
foi reativado em meados do século XVI. Uma
de suas atribuições foi criar uma lista de livros
proibidos aos católicos, o Index librorum
prohibitorum. Além disso, receberam do papa
autorização para utilizar até mesmo a tortura
como forma de obter a confissão dos
acusados.
O Index
Torturas da Inquisição

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A reforma protestante
A reforma protestanteA reforma protestante
A reforma protestante
Marcela Marangon Ribeiro
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Rui Nobre
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
Maida Marciano
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reforma
Fatima Freitas
 
A Reforma Protestante
A Reforma Protestante A Reforma Protestante
A Reforma Protestante
Isabella Neves Silva
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
seixasmarianas
 
Protestantismo
ProtestantismoProtestantismo
Protestantismo
fespiritacrista
 
27 historia-reforma-protestante-e-contrarreforma-v01
27   historia-reforma-protestante-e-contrarreforma-v0127   historia-reforma-protestante-e-contrarreforma-v01
27 historia-reforma-protestante-e-contrarreforma-v01
João Victor Sacramento
 
A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
Marcela Marangon Ribeiro
 
A reforma protestante
A reforma protestanteA reforma protestante
A reforma protestante
Rev. Giovanni Guimarães
 
A reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católicaA reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católica
Marcela Marangon Ribeiro
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Alexandre Guanaes Buongermino
 
28 reforma protestante e contra reforma
28   reforma protestante e contra reforma28   reforma protestante e contra reforma
28 reforma protestante e contra reforma
Carla Freitas
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
A reforma protestante
A reforma protestante A reforma protestante
A reforma protestante
Professorinha Fernanda Alves
 
Luteranismo
LuteranismoLuteranismo
Luteranismo
nanasimao
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
Nefer19
 
Capítulo 16 reforma religiosa
Capítulo 16 reforma religiosaCapítulo 16 reforma religiosa
Capítulo 16 reforma religiosa
Auxiliadora
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair AguilarMartinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 

Mais procurados (20)

A reforma protestante
A reforma protestanteA reforma protestante
A reforma protestante
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reforma
 
A Reforma Protestante
A Reforma Protestante A Reforma Protestante
A Reforma Protestante
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Protestantismo
ProtestantismoProtestantismo
Protestantismo
 
27 historia-reforma-protestante-e-contrarreforma-v01
27   historia-reforma-protestante-e-contrarreforma-v0127   historia-reforma-protestante-e-contrarreforma-v01
27 historia-reforma-protestante-e-contrarreforma-v01
 
A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
 
A reforma protestante
A reforma protestanteA reforma protestante
A reforma protestante
 
A reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católicaA reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católica
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
28 reforma protestante e contra reforma
28   reforma protestante e contra reforma28   reforma protestante e contra reforma
28 reforma protestante e contra reforma
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
A reforma protestante
A reforma protestante A reforma protestante
A reforma protestante
 
Luteranismo
LuteranismoLuteranismo
Luteranismo
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
Capítulo 16 reforma religiosa
Capítulo 16 reforma religiosaCapítulo 16 reforma religiosa
Capítulo 16 reforma religiosa
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
 
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair AguilarMartinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
 

Semelhante a Reforma Protestante e Contrarreforma

Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
Fabiana Tonsis
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
vr1a2011
 
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
Ciências Humanas e Suas Tecnologias
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Aula  reforma e contra-reforma religiosa2Aula  reforma e contra-reforma religiosa2
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Janete Garcia de Freitas
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Manuel Pereira Gonçalves
 
A reforma protestante h.c.a.
A reforma protestante   h.c.a.A reforma protestante   h.c.a.
A reforma protestante h.c.a.
luis reis
 
A reforma protestante h.c.a.
A reforma protestante   h.c.a.A reforma protestante   h.c.a.
A reforma protestante h.c.a.
luis reis
 
Apresentação de hist (1)
Apresentação de hist (1)Apresentação de hist (1)
Apresentação de hist (1)
Gustavo Cuin
 
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reformaReforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
rakeloliveiraborges
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
josepinho
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
Rui Neto
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Jordana Pereira
 
Renascimento da Isaura IBS Thalles Oi Oi
Renascimento da Isaura IBS Thalles Oi OiRenascimento da Isaura IBS Thalles Oi Oi
Renascimento da Isaura IBS Thalles Oi Oi
Thalles Rodrigues
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
adalbertovha
 
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugalA renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
Cecília Gomes
 
Reformas 1 serie
Reformas   1 serieReformas   1 serie
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
harlissoncarvalho
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
harlissoncarvalho
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
Nuno Faustino
 

Semelhante a Reforma Protestante e Contrarreforma (20)

Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Aula  reforma e contra-reforma religiosa2Aula  reforma e contra-reforma religiosa2
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
A reforma protestante h.c.a.
A reforma protestante   h.c.a.A reforma protestante   h.c.a.
A reforma protestante h.c.a.
 
A reforma protestante h.c.a.
A reforma protestante   h.c.a.A reforma protestante   h.c.a.
A reforma protestante h.c.a.
 
Apresentação de hist (1)
Apresentação de hist (1)Apresentação de hist (1)
Apresentação de hist (1)
 
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reformaReforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Renascimento da Isaura IBS Thalles Oi Oi
Renascimento da Isaura IBS Thalles Oi OiRenascimento da Isaura IBS Thalles Oi Oi
Renascimento da Isaura IBS Thalles Oi Oi
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
 
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugalA renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
 
Reformas 1 serie
Reformas   1 serieReformas   1 serie
Reformas 1 serie
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
 

Mais de Frederico Marques Sodré

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptxINTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
Frederico Marques Sodré
 
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxBIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
Frederico Marques Sodré
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
Frederico Marques Sodré
 
Slide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo DestinoSlide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo Destino
Frederico Marques Sodré
 
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Frederico Marques Sodré
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Frederico Marques Sodré
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Frederico Marques Sodré
 
Mapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República VelhaMapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República Velha
Frederico Marques Sodré
 
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIIIMapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Frederico Marques Sodré
 
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e MercantilismoMapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Frederico Marques Sodré
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
Frederico Marques Sodré
 
A origem da filosofia
A origem da filosofiaA origem da filosofia
A origem da filosofia
Frederico Marques Sodré
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Populismo no Brasil
O Populismo no BrasilO Populismo no Brasil
O Populismo no Brasil
Frederico Marques Sodré
 
O Feudalismo
O FeudalismoO Feudalismo

Mais de Frederico Marques Sodré (20)

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptxINTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
 
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxBIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
 
Slide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo DestinoSlide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo Destino
 
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
 
Mapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República VelhaMapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República Velha
 
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIIIMapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
 
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e MercantilismoMapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
A origem da filosofia
A origem da filosofiaA origem da filosofia
A origem da filosofia
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O Populismo no Brasil
O Populismo no BrasilO Populismo no Brasil
O Populismo no Brasil
 
O Feudalismo
O FeudalismoO Feudalismo
O Feudalismo
 

Último

said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 

Último (20)

said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 

Reforma Protestante e Contrarreforma

  • 2. O Cristianismo, dividido em 3 grandes ramos – católicos, ortodoxos e protestantes -, é a religião que reúne, atualmente, o maior número de seguidores: cerca de 34% da população mundial. Os católicos formam o grupo mais numeroso dos cristãos (51%), seguidos pelos protestantes (35%), que se dividem em luteranos, anglicanos, calvinistas etc. Que razões levaram à divisão do cristianismo ocidental entre católicos e protestantes?
  • 3. Motivações da Reforma • Novas Interpretações da Bíblia.  Invenção da Imprensa (Gutenberg) = difusão da Bíblia, surgindo novas interpretações.
  • 4. Correntes de pensamentos diferentes. Santo Agostinho X São Tomás de Aquino Santo Agostinho = “A salvação do homem é alcançada pela fé”. (1225-1274) São Tomás de Aquino = “A salvação do homem é alcançada pela fé e pelas boas ações”. (354-430)
  • 5. Crítica ao comportamento do clero. Simonia = Para ganhar dinheiro, o alto clero iludia a boa-fé de milhares de cristãos comercializando relíquias religiosas, em geral falsas. Indulgências = Venda do perdão dos pecados. Mediante pagamento, destinado a financiar obras da Igreja, os fiéis poderiam comprar a “salvação eterna”. Para piorar, boa parte dos sacerdotes desconhecia a própria doutrina católica e demonstrava falta de preparo para funções religiosas.
  • 6. Nova ética religiosa. A Igreja censurava a usura e o lucro excessivo e defendia o preço justo. Os comerciantes ficavam divididos entre a busca do lucro e as obrigações morais. Os defensores dos lucros desejavam uma nova ética religiosa. Essa necessidade foi atendida, em grande parte, pela ética protestante (Calvino), que surgiu com a Reforma.
  • 7. Sentimento nacionalista. Havia conflitos políticos entre autoridades da Igreja e alguns governantes das monarquias européias. Os reis passaram a considerar a Igreja uma entidade estrangeira, enquanto esta, insistia ser uma entidade universal. Os países procuravam afirmar sua independência em relação à Igreja, para que esta não interferisse mais em seus assuntos.
  • 8. REFORMA LUTERANA Martinho Lutero (1483-1546) Nasceu na Alemanha e estudo direito por influência do pai. Sua forte inclinação para a vida religiosa o fez ingressar na Ordem dos Agostinianos (1505). Em 1510 viajou a Roma e regressou profundamente decepcionado com o clima de avareza e corrupção do alto clero.
  • 9. Entre 1511 e 1513, Lutero aprofundou-se nos estudos bíblicos e amadureceu novas idéias teológicas. Encontrou uma frase que considerou muito importante nas epístolas de São Paulo: “o justo se salvará pela fé”. Interpretou então que a fé, e não as obras, seria o único instrumento de salvação, graças à misericórdia divina. Em 1517, com o objetivo de arrecadar dinheiro para a reconstrução da Basílica de São Pedro, o papa Leão X autorizou a concessão de indulgências para os fiéis que contribuíssem financeiramente para a obra. Lutero, em protesto, afixou um manifesto público (as 95 teses) na Catedral de Wittenberg contrário a essa atitude e expondo alguns elementos de sua doutrina religiosa. Em 1520 foi excomungado.
  • 10. Vejamos algumas teses de Lutero: • 21 – estão errados os pregadores de indulgências que dizem que um homem é libertado e salvo de todo castigo dos pecados pelas indulgências papais. • 27 – Ele pregam que a alma voa para fora do Purgatório tão logo tilinte o dinheiro jogado na caixa. • 45 – Os cristãos deveriam aprender que todo aquele que vê um homem necessitado e não o socorre, e depois dá dinheiro para perdões, não está comprando para si a indulgência do papa, mas a cólera de Deus. • 82 – Por que o papa não esvazia o Purgatório apenas por caridade, se o faz através do dinheiro que emprega na construção de uma basílica?
  • 11. Martinho Lutero em frente a Igreja de Wittenberg, após ter afixado as 95 teses
  • 12. Principais pontos do Luteranismo • A fé cristã é o único caminho para a salvação eterna. • A Bíblia é a única fonte para a fé. • O livre exame é uma porta legítima para o entendimento da Bíblia. • Não aceita o culto aos santos católicos. • Não adora imagens religiosas. • Nega a autoridade do papa. Em 1529, nobres alemães protestaram contra a Igreja em prol da liberdade de crença. A partir desse protesto os cristãos não-católicos passaram a ser chamados de protestantes.
  • 13. REFORMA CALVINISTA João Calvino (1509-1564) nasceu na França, onde estudou teologia. Aderindo às idéias dos protestantes foi considerado herege e perseguido pelas autoridades francesas. Em 1534, fugiu para a Suiça, onde o movimento reformista já se desenvolvia.
  • 14. Em 1536, Calvino publicou sua principal obra, onde defendia que o ser humano estava “predestinado” a merecer o céu ou o inferno, ou seja, algumas pessoas haviam sido eleitas por Deus para serem salvas, enquanto outras seriam condenadas à maldição eterna. Governou a cidade de Genebra (1541- 1560), se mostrando extremamente intolerante. Obrigava as pessoas a seguirem um governo que mesclava religião e política. Chegou a queimar vivo o espanhol Miguel de Servet (que dissecava os mortos) por negar o “pecado original”.
  • 15. Principais pontos do Calvinismo • A salvação eterna é predestinada por Deus. • Pregava o estímulo ao trabalho e a legitimidade do lucro, condenando o desperdício. • A prosperidade econômica é um sinal de salvação. • Condenava o jogo, o culto às imagens de santos, as danças e o uso de roupas luxuosas. Segundo o Calvinismo, as obras não interferiam na salvação eterna, sendo uma vontade divina. Não podendo interferi nessa vontade, cada pessoa deveria viver de acordo com as suas possibilidades. Embora o luxo fosse censurado, a acumulação de riquezas e o lucro não eram imorais. Fez muito sucesso com a burguesia.
  • 16. Obra de Rembrandt retratando a burguesia calvinista.
  • 17. REFORMA ANGLICANA Henrique VIII, rei da Inglaterra de 1509 a 1547, fora um fiel aliado do papa, recebendo o título de “defensor da fé”. Entretanto, uma série de questões o levaram a romper com a Igreja católica e a fundar uma Igreja nacional: a Igreja Anglicana.
  • 18. A Igreja era proprietária de muitas terras e monopolizava o comércio de “relíquias sagradas”. Setores da nobreza queriam apossar-se das terras e dos bens da Igreja e, para isso, era preciso apoiar o rei, a fim de enfraquecer o poder das autoridades católicas. Além disso, Henrique VIII teve seu pedido de anulação de casamento com Catarina de Aragão negado. Queria essa anulação pelo fato de Catarina ter origem espanhola, por não ter dado um filho do sexo masculino a Henrique e para pode se casar com sua amante, Ana Bolena.
  • 19. Henrique conseguiu que o alto clero inglês e o Parlamento reconhecessem seu divórcio. Em 1534, o Parlamento votou o Ato de Supremacia, pelo qual Henrique VIII tornava- se chefe supremo da Igreja da Inglaterra (Anglicana), sem grandes modificações em termos de doutrina e culto em relação à católica. Ocorreram nos governos dos sucessores de Henrique VIII, tentativas de implantar o Calvinismo e também uma reação católica. Somente com o governo de Elizabeth I (1558- 1603) a Igreja Anglicana consolidou-se.
  • 20. Catarina de Aragão X Ana Bolena X
  • 21.
  • 22. CONTRA-REFORMA Diante do avanço protestante, a primeira reação das autoridades da Igreja foi punir os principais reformadores. Esperavam que as idéias dos reformadores fossem sufocadas e o mundo cristão recuperasse a unidade perdida. A tática, entretanto, não deu certo e em aproximadamente 50 anos, as igrejas protestantes tiveram a adesão de cerca de 40% dos europeus ocidentais. Vejamos algumas das principais atitudes tomadas pelas lideranças da Igreja que caracterizaram a Contra-Reforma.
  • 23. Ordem dos Jesuítas Em 1534, o militar e religioso Ignácio de Loyola fundou a Companhia de Jesus. Os Jesuítas consideravam- se os “soldados de Cristo” e tinham por missão, inicialmente, combater a expansão do protestantismo. Sua principal estratégia foi investir na criação de escolas religiosas. Também se empenharam na catequese dos não-cristãos.
  • 24. Concílio de Trento Em 1545, o papa Paulo III convocou um concílio na cidade de Trento. Em 1563, a Igreja apresentou um conjunto de decisões que procuraram garantir a unidade da fé católica e a disciplina eclesiástica: • Reafirmação dos sete sacramentos . • A crença na infalibilidade do papa. • Monopólio do clero católico na interpretação correta da Bíblia. • A salvação da fé depende da fé e das boas obras, negando a doutrina da predestinação. • O dogma religioso tem como fonte a Bíblia e a tradição religiosa. • Cristo se faz presente no ato da eucaristia. • Elaboração de um catecismo, a criação de seminários para a formação dos sacerdotes e a manutenção do celibato sacerdotal.
  • 25. O Concílio de Trento
  • 26. A Volta da Inquisição Os Tribunais da Santa Inquisição foram criados em 1231 para investigar e punir “crimes contra a fé católica”, foram, com o tempo, reduzindo suas atividades em diversos países. Com o avanço do protestantismo, o Tribunal foi reativado em meados do século XVI. Uma de suas atribuições foi criar uma lista de livros proibidos aos católicos, o Index librorum prohibitorum. Além disso, receberam do papa autorização para utilizar até mesmo a tortura como forma de obter a confissão dos acusados.

Notas do Editor

  1. Sete sacramentos: batismo, crisma, eucaristia, matrimônio, penitência, ordem e extrema-unção.