SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
REFORMAS RELIGIOSAS:movimento de carater religioso e político, surgido
na Europa a partir do século XVI, originando as Igrejas Protestantes e pondo fim à
hegemonia e universalidade da Igreja Católica.
O Brasil é um país majoritariamente cristão entre Católicos e Protestantes. Estes chamados
de “crentes” dividem-se em tres correntes: Histórico tradicionais( presbiterianos); os
pentecostais (Assembleia de Deus) e neopentecostais (Igreja Universal do Reino de Deus ,
Igreja da Graça, Igreja Renascer em Cristo)
ORIGEM DO MOVIMENTO
John Wycliff (1320 -1384) Sacerdote e Professor da Universidade de
Oxford (Inglaterra) criticava a corrupção e arrogância na hierarquia
eclesiás eclesiástica
 John Huss (1371-1415) Sacerdote e Reitor da Universidade de Praga
(República Tcheca) além da corrupção denunciava a venda de indulgências.
CAUSAS / ANTECEDENTES
 Desenvolvimento dos Estados Nacionais gerando conflito entre o poder
espiritual(Igreja/Papa) e o poder temporal (Estado/reis)
 Conflito econômico – insatisfação da burguesia mercantil e financeira com
a ética cristã:limitava os lucros (preço justo) e condenava a usura (juros)
 Despreparo intelectual do clero
 Crescente influência humanista
 Invenção da imprensa
 Críticas à Igreja: abusos do Clero, simonia, venda de indulgências,
 Confronto teológico: Tomismo X Agostiniana
Livre-arbítrio e
boas obras para
salvação
Salvação pela fé
e predestinação
REFORMA LUTERANA - ALEMANHA
Em 1517, um monge chamado Martinho Lutero ousou discordar profundamente da
doutrina católica e, em vez de ser queimado vivo como John Huss e outros,
conseguiu provocar a maior ruptura já ocorrida no interior da Igreja. Este
movimento iniciado por Lutero ficou conhecido como Reforma Protestante
LUTERO- 1483-1546) A vida de Lutero é povoada de
fantasias, fIlho de camponeses, teve um a educação
severa obteve o bacharelado em 1502 e a
licenciatura em filosofia em 1505, ano que foi pego
por uma tempestade forte com muitos raios e fez
uma promessa a Santana se sobrevivesse se
tornaria monge, então ingressou na Ordem dos
Eremitas de Santo Agostinho de Erfurt.
LUTERO era professor de teologia na cidade de Wittenberg. No ano de 1517,
insatisfeito com a situação da Igreja de sua época, publicou na porta da catedral as
suas 95 teses. Entre outros pontos estabelecidos por esse documento, Lutero
criticava a venda de indulgências e a negociação de cargos eclesiásticos feitas pela
Santa Igreja. Além disso, Lutero estipulava uma nova forma de relação religiosa onde,
entre outras coisas, afirmava-se que o indivíduo obtinha a salvação pela fé, e não
pelos seus atos.
86ª
Tese
Ainda: Por que o papa, cuja fortuna hoje é mais principesca
do que a de qualquer Credo, não prefere edificar a catedral
de S. Pedro de seu próprio bolso em vez de o fazer com o
dinheiro de fiéis pobres?
87ª
Tese
Ainda: Quê ou que parte concede o papa do dinheiro
proveniente de indulgências aos que pela penitência
completa assiste o direito à indulgência plenária?
88ª
Tese
Afinal: Que maior bem poderia receber a Igreja, se o papa,
como Já O faz, cem vezes ao dia, concedesse a cada fiel
semelhante dispensa e participação da indulgência a título
gratuito.
75ª Tese Considerar as indulgências do papa tão poderosas, a
ponto de poderem absolver alguém dos pecados, mesmo que (cousa
impossível) tivesse desonrado a mãe de Deus, significa ser demente.
31ª
Tese
Tão raro como existe alguém que possui
arrependimento e, pesar verdadeiros, tão raro também
é aquele que verdadeiramente alcança indulgência,
sendo bem poucos os que se encontram.
32ª
Tese
Irão para o diabo juntamente com os seus mestres
aqueles que julgam obter certeza de sua salvação
mediante breves de indulgência.
Assembleia na qual Lutero confirma
suas críticas à Igreja Católica
Porta onde foram fixadas as 95 teses
r
Igreja do Castelo - Wittenberg
-O Papa Leão X condenou Lutero e exigiu retratação
-1520 exconmunhão – foi acolhido pelos nobres
-1521 Dieta de Worms - condenação
Traduziu a Bíblia para o alemão
-INFLUENCIADOS PELA PREGAÇÃO DE LUTERO, OS CAMPONESES
DO SACRO IMPÉRIO ROMANO GERMÂNICO (LIDERADOS POR
THOMAS MUNZER) REVOLTAM-SE CONTRA SEUS SENHORES
• LUTERO CONDENA AS REBELIÕES CAMPONESAS E SOLICITA
QUE OS SENHORES FEUDAIS REPRIMAM A MESMA
-Entre 1524 e 1525 – revoltas camponesas – Lutero fica
a favor dos príncipes
-1529 - Dieta de Spira – deter o avanço protestante, estes
protestaram contra atitudes de Carlos V – foram chamados
de protestantes
-1530 – Confissão de Augsburgo – fundamentos do
luteranismo
-1555 Paz de Augsburgo – cada príncipe com sua religião
Lutero organiza o Luteranismo – Igreja Luterana
REFORMA CALVINISTA - SUIÇA
 João Calvino (1509/1564) estabeleceu sua doutrina princípios de uma
vida de trabalho e austeridade para a salvação
 Levar uma vida regrada, longe do ócio e da ostentação
 O sucesso material seria a confirmação para a salvação
 Condenou o teatro e a dança , jogos, bebidas alcoólicas
e músicas profanas mas, aprovou a cobrança de juros
 Livre interpretação da Bíblia e uso das línguas nacionais
 Fim do celibato clerical
 Dois sacramentos: batismo e Eucaristia
 Teoria da predestinação
 Expandiu rapidamente pela Europa: Holanda, Inglaterra
puritanos), na França (huguenotes), na escócia (presbiterianos)
A riqueza é uma virtude – apoio da burguesia -
REFORMA ANGLICANA - INGLATERRA
 Reinado de Henrique VIII- 1509/1547
 Rompe com a Igreja Católica – Clemente VII não
anulou seu casamento com Catarina de Aragão.
Catarina era espanhola e a disputa entre as duas
potencias navais enfraqueceu a união
 1534- Ato de Supremacia – Rei torna-se chefe da
Igreja Anglicana
 Ruptura com Roma visando o confisco dos bens
da Igreja católica
 Consolidou-se com Elizabeth I
( 1558/1603)- Religião Oficial
A CONTRA-REFORMA OU REFORMA CATÓLICA
 Ação da Igreja Católica com o objetivo de deter o avanço protestante
 1545 /1563– Paulo III convocou um Concílio (reunião) de bispos, na cidade
de Trento, na ITÁLIA.
 Decisões do Concílio de Trento: - Aceitação da Compahia de Jesus por
Inácio de Loyola
 Confirmação dos sete sacramentos
 Reafirmação da autoridade papal
 Preservação da hierarquia eclesiástica
e do celibato
 Criação de seminários e do catecismo
 Instituição do Index
 Reorganização do Tribunal do Santo
Ofício
 Boas obras e fé para salvação
COMPANHIA DE JESUS
 Companhia de Jesus – Ordem criada na Espanha em 1534,
por Inácio de Loyola, com o objetivo de divulgar a fé católica,
evangelizar.
 Atuou em Portugal a partir de 1540 e em suas colônias na
Ásia, África e América.
 Padres Jesuítas
CONSEQUÊNCIAS DO MOVIMENTO REFORMISTA
 Fim da unidade da Igreja Católica
 Fortalecimento do poder dos Reis
 Enfraquecimento do poder político do Papa
 Intolerância religiosa- 24/08/1572 - A Noite de São
Bartolomeu (Paris) Católicas massacraram protestantes
 Fim dos obstáculos à expansão capitalista
PROFESSORA MARLENE - 2010

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Refoma Religiosa ou Reforma Protestante
Refoma Religiosa ou Reforma ProtestanteRefoma Religiosa ou Reforma Protestante
Refoma Religiosa ou Reforma ProtestanteAlan
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaprofdu
 
28 reforma protestante e contra reforma
28   reforma protestante e contra reforma28   reforma protestante e contra reforma
28 reforma protestante e contra reformaCarla Freitas
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3adalbertovha
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteAlberto Simonton
 
A reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católicaA reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católicaMarcela Marangon Ribeiro
 
Reforma e contra reforma da igreja
Reforma e contra reforma da igrejaReforma e contra reforma da igreja
Reforma e contra reforma da igrejahuguex99
 
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de Lutero
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de LuteroHistória da Igreja II: Aula 2: A Reforma de Lutero
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de LuteroAndre Nascimento
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaFabiana Tonsis
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma ProtestanteRui Nobre
 
O Tempo Das Reformas Religiosas
O Tempo Das Reformas ReligiosasO Tempo Das Reformas Religiosas
O Tempo Das Reformas ReligiosasAna Batista
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)Nefer19
 

Mais procurados (20)

Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Refoma Religiosa ou Reforma Protestante
Refoma Religiosa ou Reforma ProtestanteRefoma Religiosa ou Reforma Protestante
Refoma Religiosa ou Reforma Protestante
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reforma
 
28 reforma protestante e contra reforma
28   reforma protestante e contra reforma28   reforma protestante e contra reforma
28 reforma protestante e contra reforma
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
 
A reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católicaA reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católica
 
Reformas religiosasppt
Reformas religiosaspptReformas religiosasppt
Reformas religiosasppt
 
Reforma e contra reforma da igreja
Reforma e contra reforma da igrejaReforma e contra reforma da igreja
Reforma e contra reforma da igreja
 
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de Lutero
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de LuteroHistória da Igreja II: Aula 2: A Reforma de Lutero
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de Lutero
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
O Tempo Das Reformas Religiosas
O Tempo Das Reformas ReligiosasO Tempo Das Reformas Religiosas
O Tempo Das Reformas Religiosas
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
Reforma Protestante
Reforma  ProtestanteReforma  Protestante
Reforma Protestante
 
A Reforma Protestante
A Reforma Protestante A Reforma Protestante
A Reforma Protestante
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
A reforma protestante
A reforma protestanteA reforma protestante
A reforma protestante
 
8. reforma e contra reforma
8. reforma e contra reforma8. reforma e contra reforma
8. reforma e contra reforma
 

Destaque

A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreformahistoriando
 
Reforma Protestante, João Calvino
Reforma Protestante, João CalvinoReforma Protestante, João Calvino
Reforma Protestante, João CalvinoLeandro Couto
 
Protestantismo
ProtestantismoProtestantismo
ProtestantismoLuisMagina
 
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o BrasilHistória dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o BrasilDjalma C. Filho
 
Arte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaArte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaCarlos Vieira
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalCarlos Vieira
 

Destaque (6)

A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
 
Reforma Protestante, João Calvino
Reforma Protestante, João CalvinoReforma Protestante, João Calvino
Reforma Protestante, João Calvino
 
Protestantismo
ProtestantismoProtestantismo
Protestantismo
 
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o BrasilHistória dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
 
Arte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaArte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquitetura
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em Portugal
 

Semelhante a Reformas religiosas 2010

18° reforma e contra-reforma
18° reforma e contra-reforma18° reforma e contra-reforma
18° reforma e contra-reformaAjudar Pessoas
 
Aula 11 reformas e reformadores
Aula 11   reformas e reformadoresAula 11   reformas e reformadores
Aula 11 reformas e reformadoresProfdaltonjunior
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdfVítor Santos
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reformaMaida Marciano
 
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreformaHh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreformaLuisa Jesus
 
As reformas religiosas do séc.XVI e sua implicações atuais.
As reformas religiosas do séc.XVI e sua implicações atuais.As reformas religiosas do séc.XVI e sua implicações atuais.
As reformas religiosas do séc.XVI e sua implicações atuais.Jose Ribamar Santos
 
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidadeVítor Santos
 
a reforma religiosa. - temas de História
a reforma religiosa. - temas de Históriaa reforma religiosa. - temas de História
a reforma religiosa. - temas de HistóriaRuiMeireles15
 
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºanoO tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºanoZé Mário
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadecattonia
 
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reformaReforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reformarakeloliveiraborges
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestantejosepinho
 

Semelhante a Reformas religiosas 2010 (20)

18° reforma e contra-reforma
18° reforma e contra-reforma18° reforma e contra-reforma
18° reforma e contra-reforma
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
Reformas e Reformadores
Reformas e ReformadoresReformas e Reformadores
Reformas e Reformadores
 
Aula 11 reformas e reformadores
Aula 11   reformas e reformadoresAula 11   reformas e reformadores
Aula 11 reformas e reformadores
 
Cpm his 2 ano - reforma e contra reforma
Cpm   his 2 ano - reforma e contra reformaCpm   his 2 ano - reforma e contra reforma
Cpm his 2 ano - reforma e contra reforma
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreformaHh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
Hh8 powerpoint e2_reforma_contrarreforma
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
As reformas religiosas do séc.XVI e sua implicações atuais.
As reformas religiosas do séc.XVI e sua implicações atuais.As reformas religiosas do séc.XVI e sua implicações atuais.
As reformas religiosas do séc.XVI e sua implicações atuais.
 
Reforma Protestante
Reforma Protestante Reforma Protestante
Reforma Protestante
 
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
 
a reforma religiosa. - temas de História
a reforma religiosa. - temas de Históriaa reforma religiosa. - temas de História
a reforma religiosa. - temas de História
 
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºanoO tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
O tempo das Reformas Religiosas - 8ºano
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
 
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reformaReforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma   Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
 

Mais de BriefCase

White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack LondonBriefCase
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileiraBriefCase
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010BriefCase
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
TotalitarismoBriefCase
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoBriefCase
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão PalestinaBriefCase
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosBriefCase
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organicaBriefCase
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisBriefCase
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroBriefCase
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República OligárquicaBriefCase
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaBriefCase
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBriefCase
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosasBriefCase
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade MédiaBriefCase
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradoraBriefCase
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaBriefCase
 

Mais de BriefCase (20)

Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Biomas
Biomas Biomas
Biomas
 
White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 

Reformas religiosas 2010

  • 1. REFORMAS RELIGIOSAS:movimento de carater religioso e político, surgido na Europa a partir do século XVI, originando as Igrejas Protestantes e pondo fim à hegemonia e universalidade da Igreja Católica. O Brasil é um país majoritariamente cristão entre Católicos e Protestantes. Estes chamados de “crentes” dividem-se em tres correntes: Histórico tradicionais( presbiterianos); os pentecostais (Assembleia de Deus) e neopentecostais (Igreja Universal do Reino de Deus , Igreja da Graça, Igreja Renascer em Cristo)
  • 2. ORIGEM DO MOVIMENTO John Wycliff (1320 -1384) Sacerdote e Professor da Universidade de Oxford (Inglaterra) criticava a corrupção e arrogância na hierarquia eclesiás eclesiástica  John Huss (1371-1415) Sacerdote e Reitor da Universidade de Praga (República Tcheca) além da corrupção denunciava a venda de indulgências.
  • 3. CAUSAS / ANTECEDENTES  Desenvolvimento dos Estados Nacionais gerando conflito entre o poder espiritual(Igreja/Papa) e o poder temporal (Estado/reis)  Conflito econômico – insatisfação da burguesia mercantil e financeira com a ética cristã:limitava os lucros (preço justo) e condenava a usura (juros)  Despreparo intelectual do clero  Crescente influência humanista  Invenção da imprensa  Críticas à Igreja: abusos do Clero, simonia, venda de indulgências,  Confronto teológico: Tomismo X Agostiniana Livre-arbítrio e boas obras para salvação Salvação pela fé e predestinação
  • 4. REFORMA LUTERANA - ALEMANHA Em 1517, um monge chamado Martinho Lutero ousou discordar profundamente da doutrina católica e, em vez de ser queimado vivo como John Huss e outros, conseguiu provocar a maior ruptura já ocorrida no interior da Igreja. Este movimento iniciado por Lutero ficou conhecido como Reforma Protestante LUTERO- 1483-1546) A vida de Lutero é povoada de fantasias, fIlho de camponeses, teve um a educação severa obteve o bacharelado em 1502 e a licenciatura em filosofia em 1505, ano que foi pego por uma tempestade forte com muitos raios e fez uma promessa a Santana se sobrevivesse se tornaria monge, então ingressou na Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho de Erfurt.
  • 5. LUTERO era professor de teologia na cidade de Wittenberg. No ano de 1517, insatisfeito com a situação da Igreja de sua época, publicou na porta da catedral as suas 95 teses. Entre outros pontos estabelecidos por esse documento, Lutero criticava a venda de indulgências e a negociação de cargos eclesiásticos feitas pela Santa Igreja. Além disso, Lutero estipulava uma nova forma de relação religiosa onde, entre outras coisas, afirmava-se que o indivíduo obtinha a salvação pela fé, e não pelos seus atos.
  • 6. 86ª Tese Ainda: Por que o papa, cuja fortuna hoje é mais principesca do que a de qualquer Credo, não prefere edificar a catedral de S. Pedro de seu próprio bolso em vez de o fazer com o dinheiro de fiéis pobres? 87ª Tese Ainda: Quê ou que parte concede o papa do dinheiro proveniente de indulgências aos que pela penitência completa assiste o direito à indulgência plenária? 88ª Tese Afinal: Que maior bem poderia receber a Igreja, se o papa, como Já O faz, cem vezes ao dia, concedesse a cada fiel semelhante dispensa e participação da indulgência a título gratuito. 75ª Tese Considerar as indulgências do papa tão poderosas, a ponto de poderem absolver alguém dos pecados, mesmo que (cousa impossível) tivesse desonrado a mãe de Deus, significa ser demente. 31ª Tese Tão raro como existe alguém que possui arrependimento e, pesar verdadeiros, tão raro também é aquele que verdadeiramente alcança indulgência, sendo bem poucos os que se encontram. 32ª Tese Irão para o diabo juntamente com os seus mestres aqueles que julgam obter certeza de sua salvação mediante breves de indulgência.
  • 7. Assembleia na qual Lutero confirma suas críticas à Igreja Católica Porta onde foram fixadas as 95 teses r Igreja do Castelo - Wittenberg
  • 8. -O Papa Leão X condenou Lutero e exigiu retratação -1520 exconmunhão – foi acolhido pelos nobres -1521 Dieta de Worms - condenação Traduziu a Bíblia para o alemão -INFLUENCIADOS PELA PREGAÇÃO DE LUTERO, OS CAMPONESES DO SACRO IMPÉRIO ROMANO GERMÂNICO (LIDERADOS POR THOMAS MUNZER) REVOLTAM-SE CONTRA SEUS SENHORES • LUTERO CONDENA AS REBELIÕES CAMPONESAS E SOLICITA QUE OS SENHORES FEUDAIS REPRIMAM A MESMA -Entre 1524 e 1525 – revoltas camponesas – Lutero fica a favor dos príncipes -1529 - Dieta de Spira – deter o avanço protestante, estes protestaram contra atitudes de Carlos V – foram chamados de protestantes -1530 – Confissão de Augsburgo – fundamentos do luteranismo -1555 Paz de Augsburgo – cada príncipe com sua religião Lutero organiza o Luteranismo – Igreja Luterana
  • 9. REFORMA CALVINISTA - SUIÇA  João Calvino (1509/1564) estabeleceu sua doutrina princípios de uma vida de trabalho e austeridade para a salvação  Levar uma vida regrada, longe do ócio e da ostentação  O sucesso material seria a confirmação para a salvação  Condenou o teatro e a dança , jogos, bebidas alcoólicas e músicas profanas mas, aprovou a cobrança de juros  Livre interpretação da Bíblia e uso das línguas nacionais  Fim do celibato clerical  Dois sacramentos: batismo e Eucaristia  Teoria da predestinação  Expandiu rapidamente pela Europa: Holanda, Inglaterra puritanos), na França (huguenotes), na escócia (presbiterianos) A riqueza é uma virtude – apoio da burguesia -
  • 10. REFORMA ANGLICANA - INGLATERRA  Reinado de Henrique VIII- 1509/1547  Rompe com a Igreja Católica – Clemente VII não anulou seu casamento com Catarina de Aragão. Catarina era espanhola e a disputa entre as duas potencias navais enfraqueceu a união  1534- Ato de Supremacia – Rei torna-se chefe da Igreja Anglicana  Ruptura com Roma visando o confisco dos bens da Igreja católica  Consolidou-se com Elizabeth I ( 1558/1603)- Religião Oficial
  • 11. A CONTRA-REFORMA OU REFORMA CATÓLICA  Ação da Igreja Católica com o objetivo de deter o avanço protestante  1545 /1563– Paulo III convocou um Concílio (reunião) de bispos, na cidade de Trento, na ITÁLIA.  Decisões do Concílio de Trento: - Aceitação da Compahia de Jesus por Inácio de Loyola  Confirmação dos sete sacramentos  Reafirmação da autoridade papal  Preservação da hierarquia eclesiástica e do celibato  Criação de seminários e do catecismo  Instituição do Index  Reorganização do Tribunal do Santo Ofício  Boas obras e fé para salvação
  • 12. COMPANHIA DE JESUS  Companhia de Jesus – Ordem criada na Espanha em 1534, por Inácio de Loyola, com o objetivo de divulgar a fé católica, evangelizar.  Atuou em Portugal a partir de 1540 e em suas colônias na Ásia, África e América.  Padres Jesuítas
  • 13. CONSEQUÊNCIAS DO MOVIMENTO REFORMISTA  Fim da unidade da Igreja Católica  Fortalecimento do poder dos Reis  Enfraquecimento do poder político do Papa  Intolerância religiosa- 24/08/1572 - A Noite de São Bartolomeu (Paris) Católicas massacraram protestantes  Fim dos obstáculos à expansão capitalista