SlideShare uma empresa Scribd logo
Brasil Império: Segundo Reinado (1840 – 1889)
POLÍTICA INTERNA:
• No início do Segundo Reinado, os principais
partidos trocaram seus nomes.
– Partido Regressista  Partido Conservador.
– Proprietários rurais, burocratas do serviço
público e grandes comerciantes
– Partido Progressista  Partido Liberal
– Profissionais liberais urbanos, proprietários
rurais de áreas de colonização mais recente.
Estas duas forças políticas brigaram entre si durante a maior parte
do reinado de D. Pedro II.
• Eleições do Cacete (1840) – Liberais foram acusados
por conservadores de vencer na base da fraude e da
violência.
• D. Pedro II convocou novas eleições.
• 1842 = Políticos Liberais de São Paulo e de Minas
revoltaram-se contra a anulação. Foram presos e
anistiados em 1844.
Parlamentarismo às
avessas.
• 1847 foi introduzido no Brasil o
sistema parlamentarista de
governo.
– Criado para diminuir o atrito entre as
facções da elite.
– Permitia um rodízio entre liberais e
conservadores.
No Brasil: o imperador nomeava o presidente
o primeiro Ministro e depois eram convocadas
eleições parlamentares.
Parlamentarismo às avessas.
Revolta Praiera
(1848-1850)
• Local: Pernambuco.
• Causas: Liberais contrários ao monopólio de portugueses
no comércio e de poucas famílias nas atividades
açucareiras.
• Organizaram o Partido da Praia (1842).
– Ideias revolucionárias influenciadas pelo socialismo utópico.
• 1848 ESTOPIM DA REVOLTA = governador liberal Chichorro
da Gama é substituído pelo conservador Herculano Pena.
A Revolução Praieira foi a maior
insurreição ocorrida no Segundo Reinado.
• Tomaram Olinda e atacaram Recife, mas em
1849 foram derrotados em 1850 o movimento
estava completamente sufocado.
1849 = lançaram o Manifesto ao Mundo que
defendia:
• Voto livre e universal;
• Liberdade de imprensa;
• Extinção do Poder Moderador
• Fim do monopólio português sobre o
comércio;
• Maior autonomia para as províncias.
ECONOMIA: o ciclo do Café.
• Produzido inicialmente no Vale do Paraíba, na
segunda metade do século XIX expande-se
para o Oeste Paulista.
– Inicialmente produzido em sistema plantation,
mas a partir de 1850 com a proibição do tráfico
negreiro, os imigrantes europeus passaram a ser
alternativa .
Imigrantes:
Até 1850 –> sistema de parceria = os
fazendeiros financiavam a vinda e a
instalação dos estrangeiros em troca de
parte da produção.
Após 1850 -> foi adotado o sistema do
colonato = O governo pagava a viagem, o
fazendeiro o primeiro ano da estada no
Brasil e o imigrante recebia um salário
fixo anual e mais um rendimento variável,
conforme a colheita.
• Clima e solo (“terra roxa”) muito favoráveis ao plantio do Café.
• Proprietários paulistas mais inseridos na dinâmica econômica
do capitalismo
• Eram proprietários rurais que voltavam-se para a vida urbana.
1850
1850 = A Lei Eusébio de Queirós
decretou o fim do tráfico negreiro, direcionando os capitais que
antes eram empregados na compra de escravos para a indústria.
1844 = TARIFA ALVES BRANCO
fim do acordo de tarifas reduzidas com a
Inglaterra, o governo elevou
os impostos sobre os produtos ingleses de
30% a 60%.
1850 = Lei de Terras
Esta lei estabelecia a compra como a única forma de acesso à
terra e abolia, em definitivo, o regime de sesmarias.
O surto industrial.
• Na segunda metade do século XIX a indústria
também passa a se desenvolver.
Visconde de Mauá
Visconde de Mauá
• Irineu Evangelista de Sousa
o grande empresário deste período, investiu em:
– Companhias de bonde,
– navegação,
– iluminação urbana, fundição,
– estradas de ferro
– instalação de um telégrafo submarino entre o Brasil e a
Europa.
Sem o apoio do governo e com desentendimentos com
seus sócios ingleses, acabou falindo.
POLÍTICA EXTERNA:
• Foi marcada por desentendimentos com a
Inglaterra e por conflitos com os vizinhos sul-
americanos.
• Questão Christie:
– O embaixador britânico Willian Christie exigiu do
governo brasileiro indenização e pedido de desculpas
pelo naufrágio de uma embarcação inglesa no litoral
brasileiro (1861).
– A corte internacional na Bélgica deu ganho de causa
para o Brasil, levando a Inglaterra a romper relações.
– 1865 os ingleses desculpam-se do ocorrido e reatam
relações.
GUERRA DO PARAGUAI
(1864-1870):
Desde a sua independência (1811),
o Paraguai era um pequeno e
isolado país no interior do
continente.
Não despertava interesse das
potências estrangeiras.
Conseguiu desenvolvimento
econômico e eficiência nos serviços
públicos além de significativa
distribuição da terra.
Os paraguaios, com Solano López,
tinham pretensões de expansão
econômica.
Brasil, Argentina e Uruguai
firmaram o Tratado da Tríplice
Aliança com o apoio inglês.
Lideraram as tropas brasileiras:
Manuel Luís Osório e Luis Alves
de Lima e Silva (Duque de
Caxias).
Em 1869 os Aliados avançaram
sobre o Paraguai e entraram e
Assunção, no ano seguinte
Solano López é assassinado.
Batalha naval do Riachuelo
• Paraguai teve sua economia destruída, cerca de dois
terços de sua população foram dizimados e perdeu
porções de seu território para os aliados.
• O Brasil saiu vencedor e com uma grande dívida com a
Inglaterra.
A CRISE DO IMPÉRIO
• Apesar da prosperidade do Império, a estrutura
socioeconômica brasileira não sofreu mudanças
significativas.
O fim da monarquia foi o resultado
da ruptura das relações do governo
com três setores da sociedade que
lhe davam sustentação:
Igreja Católica;
Exército;
Aristocracia escravista.
QUESTÃO MILITAR:
Após a Guerra do Paraguai, o Exército
brasileiro ganhou grande relevância.
O contato com os aliados (uruguaios e
argentinos) permitiu a difusão, entre os
militares, de ideias republicanas e
abolicionistas.
Tornou-se popular nos quartéis a
corrente filosófica do positivismo, que
defendia a República como um sistema
político superior.
1887 = foi criado o Clube Militar, que
passou a pressionar o governo.
O primeiro presidente do clube foi
Marechal Deodoro da Fonseca.
Vigorava no Brasil o regime do
Padroado.
1864 = Vaticano proibiu as relações
entre a Igreja e a maçonaria. D. Pedro
II foi contrário e rejeitou.
1872 = o governo prendeu os bispos
da cidade de Olinda que estavam
expulsando os maçons de diversas
irmandades religiosas.
Com isso a Igreja deixou de apoiar a
monarquia.
QUESTÃO RELIGIOSA:
Papa Pio IX
Charge de 1870 a respeito da Questão Religiosa.
A legenda diz: "Sua Majestade aproveitou a ocasião para, não
desfazendo do macaroni do Papa, fazer valer as vantagens e excelência
de uma boa feijoada". No prato de macarrão aparece a
palavra Syllabus (título de um documento de Pio IX condenando os erros
da civilização moderna) e, no de feijoada, Constituição.
QUESTÃO
ABOLICIONISTA
.
Após a Lei Eusébio de Queirós
(1850), que proibia o tráfico
negreiro, a pressão passou a ser
para o fim da escravidão.
Pressão externa: Inglaterra.
Pressão interna: Classe Média
urbana, Intelectuais, jornalistas,
militares,latifundiários do Oeste
paulista e negros.
Para ganhar tempo o governo foi
aprovando Leis Protelatórias.
Leis protelatórias:
1871 = Lei do Ventre Livre
(Lei Visconde do Rio Branco).
Tornou livres todos os
filhos de negros escravos.
1885 = Lei dos Sexagenários
(Lei Saraiva Cotagipe).
Determinava a libertação
dos negros com mais de
60 anos.
PRINCIPAIS ABOLICIONISTAS DURANTE O IMPÉRIO
O cearense Francisco José do Nascimento, conhecido como
"Dragão do Mar", foi um dos grandes abolicionistas do nordeste
brasileiro. Recusava-se a transportar escravos em sua jangada e,
em 1881, liderou a greve dos jangadeiros contra a escravidão. No
Ceará a escravidão acabou sendo extinta quatro anos antes da
Lei Áurea.
Castro Alves é célebre por seus poemas engajados, entre os
quais, Vozes d’ África e Navio Negreiro. Fundou em 1869 a
Sociedade Libertadora 7 de Setembro na Bahia. Atuante,
conseguiu alforria para 500 escravos e difundiu a luta em prol
dos ideais de liberdade em um jornal chamado “Abolicionista”.
Morreu aos 24 anos, em 1871 sem ver a Lei Áurea ser assinada.
O engenheiro André Rebouças é uma das grandes vozes da luta
abolicionista brasileira. Participou da criação de algumas
agremiações antiescravistas, como a Sociedade Brasileira
Contra a Escravidão, a Sociedade Abolicionista e a Sociedade
Central de Imigração. Defendia a emancipação do escravo e sua
total integração social por meio da aquisição de terras
Francisco de Paula Brito, tipógrafo, jornalista, editor, tradutor,
dramaturgo, letrista, contista e um dos grandes nomes da
imprensa brasileira. Publicou “O Homem de Cor”, primeiro
jornal antirracista que mais tarde passou a ser chamado de “O
Mulato”. Morreu aos 52 anos, 1861, sem ter visto a abolição da
escravatura no seu país.
Luís Gama, poeta abolicionista nascido em 1830, era filho de mãe
escrava e pai branco. Foi vendido como escravo aos 10 anos de idade
e só aprendeu a ler aos 17. Conquistou sua liberdade provando ser um
homem livre diante da lei. Alistou-se no Exército, foi escrivão de
Polícia, jornalista e advogado atuante em prol da causa abolicionista.
Libertou mais de 500 escravos. É considerado um dos expoentes do
Romancismo no Brasil.
Joaquim Nabuco foi um diplomata, jornalista, político abolicionista e
um dos criadores da Academia Brasileira de Letras. Em 1880 fundou a
Sociedade Brasileira Contra a Escravidão, que contava com a
participação de André Rebouças. Entre suas obras voltadas ao tema
estão O Abolicionismo (1883) e Escravos (1886). Nabuco também era
um fervoroso defensor da total separação entre Estado e Igreja – o tão
debatido estado laico.
Filho de uma quitandeira com um padre, José do Patrocínio foi
um desses abolicionistas que tinham a alma inspirada. Era um
jornalista polêmico e orador eloquente. Com o jornal Gazeta da
Tarde fez ampliar a voz dos ideais abolicionistas. Terminou
exilado por criticar demais o governo e problematizar a questão
da população negra que, após a Lei Áurea, ainda continuava
miserável.
A Abolição:
1887 = o Exército anunciou que não
perseguiria mais negros fugidos. Estado
ficava sem a máquina repressiva que
garantia a escravidão.
1888 = a Câmara aprovou a Lei Áurea (Lei João Alfredo), que foi
assinada pela Princesa Isabel.
Os fazendeiros escravocratas (do Vale do Paraíba) reclamaram mais da falta de
indenização do que da abolição propriamente dita. Por isso os fazendeiros do Vale do
Paraíba abandonaram o Imperador.
Assim acabava a escravidão, mas não o preconceito e a exclusão social dos negros.
O senador João Maurício Wanderley, o Barão de Cotegipe, porta-voz da bancada escravista
no Senado declarou que a abolição mergulharia o país em uma crise econômica, com
consequências políticas. E após a sanção da lei pela princesa Isabel, afirmou que isso
causaria o fim do Império.
“Precisamos dos escravos. A senhora acabou de redimir uma raça e perder o trono!”
2º ano - Brasil segundo reinado
MOVIMENTO REPUBLICANO:
1870 = Fundado no Rio de Janeiro
o Partido Republicano.
1873 = Surgiu o Partido
Republicano Paulista.
Neste mesmo ano, reunidos na
Convenção de Itu, os cafeicultores
de São Paulo aderiram à causa
republicana. Comandante de prestígio, Deodoro
da Fonseca foi convidado a chefiar o
levante.
A PROCLAMAÇÃO DA
REPÚBLICA:
Em 15 de novembro de 1889, no
Rio de Janeiro, à frente de suas
tropas, ele proclamou a República.
o Baile da Ilha Fiscal, um
verdadeiro banquete suntuoso
oferecido pela Família Real para
milhares de convidados, na baía
de Guanabara, no Rio de
Janeiro. Para muitos
historiadores, o Baile,
representou o suspiro final da
agonizante Monarquia
brasileira, a última nas
Américas
Proclamação da República - Benedito Calixto - 1893
• A Família Real foi Desterrada
para a Europa, e Deodoro
assumiu o governo provisório.
Teresa Cristina, sentada, e, de pé, Isabel, dom Pedro, o neto Pedro Augusto, e
o conde d’Eu
“SÓ VEMOS AGORA MAR E CÉU; SÓ
TEMOS NO PENSAMENTO SAUDADES E TRISTEZAS”
“A Pátria”, pintado por Pedro Bruno em 1919.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
Daniel Alves Bronstrup
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
Edenilson Morais
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817
Fabiana Tonsis
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
Edenilson Morais
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
Leonardo Caputo
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistasBrasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Portal do Vestibulando
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
Portal do Vestibulando
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Janaína Tavares
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
Rafael Noronha
 
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
Daniel Alves Bronstrup
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Fabiana Tonsis
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
Daniel Alves Bronstrup
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
Daniel Alves Bronstrup
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistasBrasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
 
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 

Semelhante a 2º ano - Brasil segundo reinado

3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Segundo Reinado Módulo
Segundo Reinado  Módulo Segundo Reinado  Módulo
Segundo Reinado Módulo
CarlosNazar1
 
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Alinnie Moreira
 
Segundo reinado e a república
Segundo reinado e a repúblicaSegundo reinado e a república
Segundo reinado e a república
Francisco Neto
 
O reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro IIO reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro II
Suelen Andreatti
 
Crtl V Crtl C
Crtl V Crtl CCrtl V Crtl C
Crtl V Crtl C
historiaduzentosedois
 
Segundo reinado e a república
Segundo reinado e a repúblicaSegundo reinado e a república
Segundo reinado e a república
ChicoBraun
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
Rodrigo HistóriaGeografia
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Portal do Vestibulando
 
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
linharespedro305
 
Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo
CarlosNazar1
 
Hb hg 3
Hb hg 3Hb hg 3
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Edilene Ruth Pereira
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
AntonioNilson5
 
A abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do impérioA abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do império
Auxiliadora
 
O Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro IIO Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro II
Edilene Ruth Pereira
 
segundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptsegundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.ppt
dawdsoncangussu
 

Semelhante a 2º ano - Brasil segundo reinado (20)

3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
 
Segundo Reinado Módulo
Segundo Reinado  Módulo Segundo Reinado  Módulo
Segundo Reinado Módulo
 
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
 
Segundo reinado e a república
Segundo reinado e a repúblicaSegundo reinado e a república
Segundo reinado e a república
 
O reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro IIO reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro II
 
Crtl V Crtl C
Crtl V Crtl CCrtl V Crtl C
Crtl V Crtl C
 
Segundo reinado e a república
Segundo reinado e a repúblicaSegundo reinado e a república
Segundo reinado e a república
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
 
Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo
 
Hb hg 3
Hb hg 3Hb hg 3
Hb hg 3
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
A abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do impérioA abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do império
 
O Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro IIO Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro II
 
segundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptsegundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.ppt
 

Mais de Daniel Alves Bronstrup

Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
Daniel Alves Bronstrup
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
Daniel Alves Bronstrup
 
2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa
Daniel Alves Bronstrup
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
Daniel Alves Bronstrup
 
2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira
Daniel Alves Bronstrup
 
2º ano - iluminismo
2º ano -  iluminismo2º ano -  iluminismo
2º ano - iluminismo
Daniel Alves Bronstrup
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
Resumão do 3ão -  Alta Idade MédiaResumão do 3ão -  Alta Idade Média
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
Daniel Alves Bronstrup
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
Daniel Alves Bronstrup
 
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana 3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana
Daniel Alves Bronstrup
 
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
Daniel Alves Bronstrup
 
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
Daniel Alves Bronstrup
 
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais de Daniel Alves Bronstrup (20)

Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
 
2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
 
2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira
 
2º ano - iluminismo
2º ano -  iluminismo2º ano -  iluminismo
2º ano - iluminismo
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
 
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
Resumão do 3ão -  Alta Idade MédiaResumão do 3ão -  Alta Idade Média
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
 
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
 
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
 
3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana 3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana
 
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
 
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
 
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 

2º ano - Brasil segundo reinado

  • 1. Brasil Império: Segundo Reinado (1840 – 1889)
  • 2. POLÍTICA INTERNA: • No início do Segundo Reinado, os principais partidos trocaram seus nomes. – Partido Regressista  Partido Conservador. – Proprietários rurais, burocratas do serviço público e grandes comerciantes – Partido Progressista  Partido Liberal – Profissionais liberais urbanos, proprietários rurais de áreas de colonização mais recente. Estas duas forças políticas brigaram entre si durante a maior parte do reinado de D. Pedro II.
  • 3. • Eleições do Cacete (1840) – Liberais foram acusados por conservadores de vencer na base da fraude e da violência. • D. Pedro II convocou novas eleições. • 1842 = Políticos Liberais de São Paulo e de Minas revoltaram-se contra a anulação. Foram presos e anistiados em 1844.
  • 4. Parlamentarismo às avessas. • 1847 foi introduzido no Brasil o sistema parlamentarista de governo. – Criado para diminuir o atrito entre as facções da elite. – Permitia um rodízio entre liberais e conservadores. No Brasil: o imperador nomeava o presidente o primeiro Ministro e depois eram convocadas eleições parlamentares.
  • 6. Revolta Praiera (1848-1850) • Local: Pernambuco. • Causas: Liberais contrários ao monopólio de portugueses no comércio e de poucas famílias nas atividades açucareiras. • Organizaram o Partido da Praia (1842). – Ideias revolucionárias influenciadas pelo socialismo utópico. • 1848 ESTOPIM DA REVOLTA = governador liberal Chichorro da Gama é substituído pelo conservador Herculano Pena. A Revolução Praieira foi a maior insurreição ocorrida no Segundo Reinado.
  • 7. • Tomaram Olinda e atacaram Recife, mas em 1849 foram derrotados em 1850 o movimento estava completamente sufocado. 1849 = lançaram o Manifesto ao Mundo que defendia: • Voto livre e universal; • Liberdade de imprensa; • Extinção do Poder Moderador • Fim do monopólio português sobre o comércio; • Maior autonomia para as províncias.
  • 8. ECONOMIA: o ciclo do Café. • Produzido inicialmente no Vale do Paraíba, na segunda metade do século XIX expande-se para o Oeste Paulista. – Inicialmente produzido em sistema plantation, mas a partir de 1850 com a proibição do tráfico negreiro, os imigrantes europeus passaram a ser alternativa .
  • 9. Imigrantes: Até 1850 –> sistema de parceria = os fazendeiros financiavam a vinda e a instalação dos estrangeiros em troca de parte da produção. Após 1850 -> foi adotado o sistema do colonato = O governo pagava a viagem, o fazendeiro o primeiro ano da estada no Brasil e o imigrante recebia um salário fixo anual e mais um rendimento variável, conforme a colheita.
  • 10. • Clima e solo (“terra roxa”) muito favoráveis ao plantio do Café. • Proprietários paulistas mais inseridos na dinâmica econômica do capitalismo • Eram proprietários rurais que voltavam-se para a vida urbana.
  • 11. 1850 1850 = A Lei Eusébio de Queirós decretou o fim do tráfico negreiro, direcionando os capitais que antes eram empregados na compra de escravos para a indústria. 1844 = TARIFA ALVES BRANCO fim do acordo de tarifas reduzidas com a Inglaterra, o governo elevou os impostos sobre os produtos ingleses de 30% a 60%. 1850 = Lei de Terras Esta lei estabelecia a compra como a única forma de acesso à terra e abolia, em definitivo, o regime de sesmarias.
  • 12. O surto industrial. • Na segunda metade do século XIX a indústria também passa a se desenvolver. Visconde de Mauá
  • 13. Visconde de Mauá • Irineu Evangelista de Sousa o grande empresário deste período, investiu em: – Companhias de bonde, – navegação, – iluminação urbana, fundição, – estradas de ferro – instalação de um telégrafo submarino entre o Brasil e a Europa. Sem o apoio do governo e com desentendimentos com seus sócios ingleses, acabou falindo.
  • 14. POLÍTICA EXTERNA: • Foi marcada por desentendimentos com a Inglaterra e por conflitos com os vizinhos sul- americanos. • Questão Christie: – O embaixador britânico Willian Christie exigiu do governo brasileiro indenização e pedido de desculpas pelo naufrágio de uma embarcação inglesa no litoral brasileiro (1861). – A corte internacional na Bélgica deu ganho de causa para o Brasil, levando a Inglaterra a romper relações. – 1865 os ingleses desculpam-se do ocorrido e reatam relações.
  • 15. GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870): Desde a sua independência (1811), o Paraguai era um pequeno e isolado país no interior do continente. Não despertava interesse das potências estrangeiras. Conseguiu desenvolvimento econômico e eficiência nos serviços públicos além de significativa distribuição da terra. Os paraguaios, com Solano López, tinham pretensões de expansão econômica. Brasil, Argentina e Uruguai firmaram o Tratado da Tríplice Aliança com o apoio inglês. Lideraram as tropas brasileiras: Manuel Luís Osório e Luis Alves de Lima e Silva (Duque de Caxias). Em 1869 os Aliados avançaram sobre o Paraguai e entraram e Assunção, no ano seguinte Solano López é assassinado. Batalha naval do Riachuelo
  • 16. • Paraguai teve sua economia destruída, cerca de dois terços de sua população foram dizimados e perdeu porções de seu território para os aliados. • O Brasil saiu vencedor e com uma grande dívida com a Inglaterra.
  • 17. A CRISE DO IMPÉRIO • Apesar da prosperidade do Império, a estrutura socioeconômica brasileira não sofreu mudanças significativas. O fim da monarquia foi o resultado da ruptura das relações do governo com três setores da sociedade que lhe davam sustentação: Igreja Católica; Exército; Aristocracia escravista.
  • 18. QUESTÃO MILITAR: Após a Guerra do Paraguai, o Exército brasileiro ganhou grande relevância. O contato com os aliados (uruguaios e argentinos) permitiu a difusão, entre os militares, de ideias republicanas e abolicionistas. Tornou-se popular nos quartéis a corrente filosófica do positivismo, que defendia a República como um sistema político superior. 1887 = foi criado o Clube Militar, que passou a pressionar o governo. O primeiro presidente do clube foi Marechal Deodoro da Fonseca. Vigorava no Brasil o regime do Padroado. 1864 = Vaticano proibiu as relações entre a Igreja e a maçonaria. D. Pedro II foi contrário e rejeitou. 1872 = o governo prendeu os bispos da cidade de Olinda que estavam expulsando os maçons de diversas irmandades religiosas. Com isso a Igreja deixou de apoiar a monarquia. QUESTÃO RELIGIOSA: Papa Pio IX
  • 19. Charge de 1870 a respeito da Questão Religiosa. A legenda diz: "Sua Majestade aproveitou a ocasião para, não desfazendo do macaroni do Papa, fazer valer as vantagens e excelência de uma boa feijoada". No prato de macarrão aparece a palavra Syllabus (título de um documento de Pio IX condenando os erros da civilização moderna) e, no de feijoada, Constituição.
  • 20. QUESTÃO ABOLICIONISTA . Após a Lei Eusébio de Queirós (1850), que proibia o tráfico negreiro, a pressão passou a ser para o fim da escravidão. Pressão externa: Inglaterra. Pressão interna: Classe Média urbana, Intelectuais, jornalistas, militares,latifundiários do Oeste paulista e negros. Para ganhar tempo o governo foi aprovando Leis Protelatórias. Leis protelatórias: 1871 = Lei do Ventre Livre (Lei Visconde do Rio Branco). Tornou livres todos os filhos de negros escravos. 1885 = Lei dos Sexagenários (Lei Saraiva Cotagipe). Determinava a libertação dos negros com mais de 60 anos.
  • 21. PRINCIPAIS ABOLICIONISTAS DURANTE O IMPÉRIO O cearense Francisco José do Nascimento, conhecido como "Dragão do Mar", foi um dos grandes abolicionistas do nordeste brasileiro. Recusava-se a transportar escravos em sua jangada e, em 1881, liderou a greve dos jangadeiros contra a escravidão. No Ceará a escravidão acabou sendo extinta quatro anos antes da Lei Áurea. Castro Alves é célebre por seus poemas engajados, entre os quais, Vozes d’ África e Navio Negreiro. Fundou em 1869 a Sociedade Libertadora 7 de Setembro na Bahia. Atuante, conseguiu alforria para 500 escravos e difundiu a luta em prol dos ideais de liberdade em um jornal chamado “Abolicionista”. Morreu aos 24 anos, em 1871 sem ver a Lei Áurea ser assinada. O engenheiro André Rebouças é uma das grandes vozes da luta abolicionista brasileira. Participou da criação de algumas agremiações antiescravistas, como a Sociedade Brasileira Contra a Escravidão, a Sociedade Abolicionista e a Sociedade Central de Imigração. Defendia a emancipação do escravo e sua total integração social por meio da aquisição de terras
  • 22. Francisco de Paula Brito, tipógrafo, jornalista, editor, tradutor, dramaturgo, letrista, contista e um dos grandes nomes da imprensa brasileira. Publicou “O Homem de Cor”, primeiro jornal antirracista que mais tarde passou a ser chamado de “O Mulato”. Morreu aos 52 anos, 1861, sem ter visto a abolição da escravatura no seu país. Luís Gama, poeta abolicionista nascido em 1830, era filho de mãe escrava e pai branco. Foi vendido como escravo aos 10 anos de idade e só aprendeu a ler aos 17. Conquistou sua liberdade provando ser um homem livre diante da lei. Alistou-se no Exército, foi escrivão de Polícia, jornalista e advogado atuante em prol da causa abolicionista. Libertou mais de 500 escravos. É considerado um dos expoentes do Romancismo no Brasil. Joaquim Nabuco foi um diplomata, jornalista, político abolicionista e um dos criadores da Academia Brasileira de Letras. Em 1880 fundou a Sociedade Brasileira Contra a Escravidão, que contava com a participação de André Rebouças. Entre suas obras voltadas ao tema estão O Abolicionismo (1883) e Escravos (1886). Nabuco também era um fervoroso defensor da total separação entre Estado e Igreja – o tão debatido estado laico.
  • 23. Filho de uma quitandeira com um padre, José do Patrocínio foi um desses abolicionistas que tinham a alma inspirada. Era um jornalista polêmico e orador eloquente. Com o jornal Gazeta da Tarde fez ampliar a voz dos ideais abolicionistas. Terminou exilado por criticar demais o governo e problematizar a questão da população negra que, após a Lei Áurea, ainda continuava miserável. A Abolição: 1887 = o Exército anunciou que não perseguiria mais negros fugidos. Estado ficava sem a máquina repressiva que garantia a escravidão. 1888 = a Câmara aprovou a Lei Áurea (Lei João Alfredo), que foi assinada pela Princesa Isabel. Os fazendeiros escravocratas (do Vale do Paraíba) reclamaram mais da falta de indenização do que da abolição propriamente dita. Por isso os fazendeiros do Vale do Paraíba abandonaram o Imperador. Assim acabava a escravidão, mas não o preconceito e a exclusão social dos negros.
  • 24. O senador João Maurício Wanderley, o Barão de Cotegipe, porta-voz da bancada escravista no Senado declarou que a abolição mergulharia o país em uma crise econômica, com consequências políticas. E após a sanção da lei pela princesa Isabel, afirmou que isso causaria o fim do Império. “Precisamos dos escravos. A senhora acabou de redimir uma raça e perder o trono!”
  • 26. MOVIMENTO REPUBLICANO: 1870 = Fundado no Rio de Janeiro o Partido Republicano. 1873 = Surgiu o Partido Republicano Paulista. Neste mesmo ano, reunidos na Convenção de Itu, os cafeicultores de São Paulo aderiram à causa republicana. Comandante de prestígio, Deodoro da Fonseca foi convidado a chefiar o levante.
  • 27. A PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA: Em 15 de novembro de 1889, no Rio de Janeiro, à frente de suas tropas, ele proclamou a República. o Baile da Ilha Fiscal, um verdadeiro banquete suntuoso oferecido pela Família Real para milhares de convidados, na baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. Para muitos historiadores, o Baile, representou o suspiro final da agonizante Monarquia brasileira, a última nas Américas
  • 28. Proclamação da República - Benedito Calixto - 1893
  • 29. • A Família Real foi Desterrada para a Europa, e Deodoro assumiu o governo provisório. Teresa Cristina, sentada, e, de pé, Isabel, dom Pedro, o neto Pedro Augusto, e o conde d’Eu “SÓ VEMOS AGORA MAR E CÉU; SÓ TEMOS NO PENSAMENTO SAUDADES E TRISTEZAS”
  • 30. “A Pátria”, pintado por Pedro Bruno em 1919.