SlideShare uma empresa Scribd logo

Empresa responsavel

Autor: Sergio Alfredo Macore / Helldriver Rapper

1 de 14
Baixar para ler offline
2
ÍNDICE
INTRODUÇÃO .............................................................................................................................. 3
1.OBJECTIVOS DO TRABALHO ................................................................................................ 4
1.1.Objectivo geral...................................................................................................................... 4
1.2.Objectivos específicos........................................................................................................... 4
2.Metodologia ................................................................................................................................. 4
3.REVISÃO DE LITERATURA.................................................................................................... 5
3.1.Empresa................................................................................................................................. 5
3.1.1.Noções económicas e jurídicas de empresa.................................................................... 6
3.1.2.A Empresa Socialmente Responsável ............................................................................ 6
3.1.3.Indicadores de uma empresa responsável....................................................................... 8
3.1.4.A abstracção da empresa ................................................................................................ 9
3.2.Empresa versus Sociedade .................................................................................................. 10
3.3.Responsabilidade social ...................................................................................................... 10
3.4.Críticas em relação ao papel das empresas na responsabilidade social .............................. 11
3.5.Características de uma empresa socialmente responsável .................................................. 12
3.6.Certificações sócio ambientais............................................................................................ 12
Conclusão...................................................................................................................................... 14
Bibliografia ................................................................................................................................... 15
3
INTRODUÇÃO
O presente trabalho de pesquisa fala sobre ‘’Empresa socialmente responsável’’. Diante do
tema, vimos que a temática “Responsabilidade Social” tem sido alvo constante de análises no
mundo corporativo. E para além da expressão de compromisso com as causas sociais,
incorporou-se como opção de um modelo de gestão. Modelo já adoptado, principalmente, pelas
grandes empresas sintonizadas com um mundo globalizado cada vez mais exigente em relação à
dinâmica de seus negócios e à sustentabilidade empresarial.
Dentro do universo corporativo conceitos sobre “responsabilidade social” têm sido vários e
flexíveis, de acordo com a capacidade de compreensão de seus profissionais, não poucas vezes
directamente vinculada à cultura institucional prevalente na empresa.
Se formos, entretanto, buscar elementos de identidade para uma empresa “socialmente
responsável”, tem havido certo consenso ressaltar as que adoptam processos que incorporam
escuta e negociação com seus parceiros de negócios – internos e externos – fortalecendo uma
cultura institucional voltada à democratização das relações de trabalho. Nesta linha e através
destes parceiros, as empresas estabelecem relações de comprometimento com uma agenda social
consolidada por projectos de carácter sustentável, que apontam para a crucial questão da
desigualdade de renda em Moçambique.
O modelo de gestão da Responsabilidade Social Corporativa tem sido adoptado por empresas
competitivas, na linha da modernidade, empresas sintonizadas com um mundo globalizado cada
vez mais exigente em relação à dinâmica de seus negócios e à sustentabilidade de sua marca
empresarial.
4
1.OBJECTIVOS DO TRABALHO
1.1.Objectivo geral
 Fazer um estudo sobre as empresas em termos da responsabilidade social.
1.2.Objectivos específicos
 Fazer um esboço teórico sobre a responsabilidade social;
 Destacar a importância das empresas no seio das comunidades;
 Propor mecanismos para uma responsabilidade eficaz as empresas.
2.Metodologia
Para elaboração deste trabalho foi feito uma revisão bibliográfica. Também, foi usado o método
indutivo, que é um método responsável pela generalização, isto é, partimos de algo particular
para uma questão mais ampla, mais geral. Para Lakatos e Marconi (2007:86), Indução é um
processo mental por intermédio do qual, partindo de dados particulares, suficientemente
constatados, infere-se uma verdade geral ou universal, não contida nas partes examinadas.
Portanto, o objectivo dos argumentos indutivos é levar a conclusões cujo conteúdo é muito mais
amplo do que o das premissas nas quais me baseei.
5
3.REVISÃO DE LITERATURA
3.1.Empresa
Segundo Kinlaw (1998), a empresa é a força contemporânea mais poderosa de que se dispõe para
estabelecer o curso dos eventos da humanidade. Ela transcende as fronteiras e os limites do
nacionalismo, exercendo influência predominante nas decisões políticas e sociais.
Para Crepaldi (1998), uma empresa é uma associação de pessoas para a exploração de um
negócio que produz e/ou oferece bens e serviços, com vistas, em geral, à obtenção de lucros.
Cassarro (1999) coloca que uma empresa é uma entidade jurídica que tem como obrigação
apresentar lucro, e este deve ser suficiente para permitir sua expansão e o atendimento das
necessidades sociais.
De acordo com Franco (1991), empresa é toda entidade constituída sob qualquer forma jurídica
para exploração de uma actividade económica, seja mercantil, industrial, agrícola ou de
prestação de serviços. Segundo Rocha (1995), o processo de organização de uma empresa dá-se
em diversas etapas que se iniciam nas pesquisas dos problemas existentes na empresa, até a
implementação das possíveis soluções encontradas.
Harrington (1997) corrobora essa ideia, comentando que as organizações entraram em uma era
de grandes desafios e incertezas sem precedentes, pois cada vez mais os empresários estão
buscando alternativas, visto que os modelos funcionais e tradicionais não parecem ser eficazes.
As empresas podem ser classificadas de acordo com a actividade económica que desenvolvem.
Deste modo, deparamo-nos com as empresas do sector primário (que obtêm os recursos a partir
da natureza, como é o caso das agrícolas, pesqueiras ou pecuárias), as empresas do sector
secundário (dedicadas à transformação de matérias-primas, como acontece com as industriais e
as da construção civil) e as empresas do sector terciário (empresas que se dedicam à prestação de
serviços ou ao comércio).
6
3.1.1.Noções económicas e jurídicas de empresa
A economia política considera com relevância o papel da empresa como uma organização dos
factores de produção. A empresa é, portanto, um organismo económico, ou seja, se assenta sobre
uma organização fundada em princípios técnicos e leis económicas.
A empresa é uma combinação de elementos pessoais e reais que são colocados em função de um
resultado económico realizado sob o intento especulativo de um empresário.
Já o conceito económico de empresa é transportado para o âmbito jurídico por ser a maneira mais
correta de definir uma empresa. O conceito jurídico deve ser aplicado a um duplo trabalho com a
análise dos elementos constitutivos da empresa e o examinado com as regras em seu interior,
bem como deve-se considerar a empresa na sua síntese de elementos constitutivos, sendo
necessária a verificação da natureza jurídica.
Para o direito nem todos os elementos do direito comercial é relevante, por exemplo, a produção
em si, a técnica de transformação da matéria-prima em produto manufacturado pronto para
consumo. Contudo, alguns aspectos, como o Registro e condições de funcionamento de uma
empresa interessam e muito para o âmbito jurídico. As relações com os dependentes em função
dos princípios hierárquicos e disciplinares nas relações de emprego são de interesse do direito do
trabalho, deixando de interessar ao direito comercial. Importante lembrar que a disciplina
jurídica da empresa é orientada pela actividade do empresário, da mesma forma que a tutela
jurídica da empresa é a tutela jurídica da actividade dela.
3.1.2.A Empresa Socialmente Responsável
Missão, Visão e Valores são os pressupostos que norteiam a razão da existência de uma empresa,
os objectivos que pretende atingir e os princípios de sua cultura organizacional, sendo que o
lucro é a meta de toda a empresa privada com fins lucrativos, mas não deve ser a única, pois a
organização também precisa atender a demandas sociais direccionando estes pressupostos para
solucionar os problemas da sociedade.
As teorias da Administração, de Taylor a Drucker, não consistiram em resolver apenas os
problemas das empresas, mas também em solucionar as questões da própria sociedade, por isso,
7
para a empresa atingir o seu objectivo social, suas metas precisam ser alinhadas aos problemas
da sociedade.
Os gestores precisam entender que tornar a empresa em uma entidade socialmente responsável,
aproxima a empresa da sociedade e do seu próprio público-alvo, construindo uma imagem
positiva de sua marca.
Uma empresa que se preocupa em minimizar a emissão de resíduos, que utiliza papel reciclado,
que promove acções sociais, que promove o apoio à educação, à cultura e aos desportos, que
recolhe material para reciclagem e reutilização, entre tantas outras práticas, se antecipa às
demandas sociais e à própria fiscalização, eximindo-se de problemas futuros, além de
permanecer próxima daqueles que irão consumir os seus produtos e serviços.
Mas a empresa não deve fazer isso apenas para garantir o lucro, mas também para realmente se
converter em uma fonte de soluções para os problemas da sociedade, pois o objectivo de um
produto é justamente atender às necessidades do cliente e isso significa resolver o seu problema.
Uma empresa em actividade é responsável por gerar empregos, pagar salários, recolher tributos,
girar a economia e produzir riquezas, motivos estes que por si só já tornam a empresa em uma
fonte de soluções para os problemas sociais, mas ela não deve parar por aí, pois há outras
questões igualmente importantes.
As questões ambientais também precisam estar em pauta nas reuniões executivas, com a tomada
de decisões sobre como o atendimento a uma questão ambiental é importante para a sociedade e
também para a geração do lucro.
A responsabilidade social precisa estar embutida nos pressupostos da Missão, Visão e Valores de
uma organização, minimizando os impactos sociais causados pela presença da empresa e do
próprio homem no ambiente.
Seguem abaixo alguns exemplos de práticas de responsabilidade social:
 Uma fábrica de móveis pode utilizar madeira de reflorestamento como matéria-prima;
 Uma empresa que comercializa produtos esportivos pode doar bolas de futebol para um
orfanato ou uma escola pública;

Recomendados

Empreededoriismo e inova
Empreededoriismo e inovaEmpreededoriismo e inova
Empreededoriismo e inovaMercio Arcanjo
 
CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR MET...
CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR MET...CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR MET...
CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR MET...Carlos A. K. Hoffmann
 
Endomarketing Artigo Academico
Endomarketing Artigo AcademicoEndomarketing Artigo Academico
Endomarketing Artigo AcademicoJozelena
 
ÉTICA, UM MOMENTO DE REFLEXÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS
ÉTICA, UM MOMENTO DE REFLEXÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESASÉTICA, UM MOMENTO DE REFLEXÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS
ÉTICA, UM MOMENTO DE REFLEXÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESASyokoigawa
 
Relatório estágio tópicos 1 e 2.
Relatório estágio tópicos 1 e 2.Relatório estágio tópicos 1 e 2.
Relatório estágio tópicos 1 e 2.Edcléia Ferreira
 
Trabalho individual 1° SEMESTRE UNOPAR
Trabalho individual 1° SEMESTRE UNOPARTrabalho individual 1° SEMESTRE UNOPAR
Trabalho individual 1° SEMESTRE UNOPARTonyAlbertRibeiro
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Politicas públicas e o seu impacto na atracção e expansão de novas empresas e...
Politicas públicas e o seu impacto na atracção e expansão de novas empresas e...Politicas públicas e o seu impacto na atracção e expansão de novas empresas e...
Politicas públicas e o seu impacto na atracção e expansão de novas empresas e...Universidade Pedagogica
 
A melhor e mais completa definição de marketing
A melhor e mais completa definição de marketingA melhor e mais completa definição de marketing
A melhor e mais completa definição de marketingSylvio Ribeiro
 
4[1]empreendedorismo
4[1]empreendedorismo4[1]empreendedorismo
4[1]empreendedorismoSANDRALAMEU
 
Artigo Interdisciplinar
Artigo InterdisciplinarArtigo Interdisciplinar
Artigo InterdisciplinarDorca Alves
 
Análise fofa como factor influente da gestão e governação participativa eficaz
Análise fofa como factor influente da gestão e governação participativa eficazAnálise fofa como factor influente da gestão e governação participativa eficaz
Análise fofa como factor influente da gestão e governação participativa eficazUniversidade Pedagogica
 
Projeto de dissertação
Projeto de dissertaçãoProjeto de dissertação
Projeto de dissertaçãoDaniel Neves
 
O papel do controlo interno na prevenção de erros nas instituições públicas d...
O papel do controlo interno na prevenção de erros nas instituições públicas d...O papel do controlo interno na prevenção de erros nas instituições públicas d...
O papel do controlo interno na prevenção de erros nas instituições públicas d...Universidade Pedagogica
 
A conquista de consumidores através da responsabilidade social
A conquista de consumidores através da responsabilidade socialA conquista de consumidores através da responsabilidade social
A conquista de consumidores através da responsabilidade socialexpand Marketing
 
Responsabilidade Social
Responsabilidade SocialResponsabilidade Social
Responsabilidade SocialIzabel Mayr
 
Anteprojeto Doutorado_Alexandre Bentes
Anteprojeto Doutorado_Alexandre BentesAnteprojeto Doutorado_Alexandre Bentes
Anteprojeto Doutorado_Alexandre BentesAlexandre Bentes
 
Manual de Constituição e Administração de Empresas Juniores - Concentro
Manual de Constituição e Administração de Empresas Juniores - ConcentroManual de Constituição e Administração de Empresas Juniores - Concentro
Manual de Constituição e Administração de Empresas Juniores - ConcentroFelipe Guedes Pinheiro
 
013 manual de_criacao_de_empresas_juniores i
013 manual de_criacao_de_empresas_juniores i013 manual de_criacao_de_empresas_juniores i
013 manual de_criacao_de_empresas_juniores iLauro Gelbcke
 
Gestão e Organização de Empresas parte 2
Gestão e Organização de Empresas parte 2Gestão e Organização de Empresas parte 2
Gestão e Organização de Empresas parte 2André Silva
 
Governança corporativa trabalho_conclusão_mba_2006
Governança corporativa trabalho_conclusão_mba_2006Governança corporativa trabalho_conclusão_mba_2006
Governança corporativa trabalho_conclusão_mba_2006Sergio Bonfantti
 

Mais procurados (20)

cbceeg1ºano
cbceeg1ºanocbceeg1ºano
cbceeg1ºano
 
Politicas públicas e o seu impacto na atracção e expansão de novas empresas e...
Politicas públicas e o seu impacto na atracção e expansão de novas empresas e...Politicas públicas e o seu impacto na atracção e expansão de novas empresas e...
Politicas públicas e o seu impacto na atracção e expansão de novas empresas e...
 
Gestão Empresarial
Gestão EmpresarialGestão Empresarial
Gestão Empresarial
 
A melhor e mais completa definição de marketing
A melhor e mais completa definição de marketingA melhor e mais completa definição de marketing
A melhor e mais completa definição de marketing
 
Rseestratégia
RseestratégiaRseestratégia
Rseestratégia
 
Planear
PlanearPlanear
Planear
 
71 questoes de hpa ii
71 questoes de hpa ii71 questoes de hpa ii
71 questoes de hpa ii
 
4[1]empreendedorismo
4[1]empreendedorismo4[1]empreendedorismo
4[1]empreendedorismo
 
Artigo Interdisciplinar
Artigo InterdisciplinarArtigo Interdisciplinar
Artigo Interdisciplinar
 
Análise fofa como factor influente da gestão e governação participativa eficaz
Análise fofa como factor influente da gestão e governação participativa eficazAnálise fofa como factor influente da gestão e governação participativa eficaz
Análise fofa como factor influente da gestão e governação participativa eficaz
 
Projeto de dissertação
Projeto de dissertaçãoProjeto de dissertação
Projeto de dissertação
 
O papel do controlo interno na prevenção de erros nas instituições públicas d...
O papel do controlo interno na prevenção de erros nas instituições públicas d...O papel do controlo interno na prevenção de erros nas instituições públicas d...
O papel do controlo interno na prevenção de erros nas instituições públicas d...
 
A conquista de consumidores através da responsabilidade social
A conquista de consumidores através da responsabilidade socialA conquista de consumidores através da responsabilidade social
A conquista de consumidores através da responsabilidade social
 
Responsabilidade Social
Responsabilidade SocialResponsabilidade Social
Responsabilidade Social
 
Anteprojeto Doutorado_Alexandre Bentes
Anteprojeto Doutorado_Alexandre BentesAnteprojeto Doutorado_Alexandre Bentes
Anteprojeto Doutorado_Alexandre Bentes
 
Manual de Constituição e Administração de Empresas Juniores - Concentro
Manual de Constituição e Administração de Empresas Juniores - ConcentroManual de Constituição e Administração de Empresas Juniores - Concentro
Manual de Constituição e Administração de Empresas Juniores - Concentro
 
013 manual de_criacao_de_empresas_juniores i
013 manual de_criacao_de_empresas_juniores i013 manual de_criacao_de_empresas_juniores i
013 manual de_criacao_de_empresas_juniores i
 
Gestão Empresarial.pdf
Gestão Empresarial.pdfGestão Empresarial.pdf
Gestão Empresarial.pdf
 
Gestão e Organização de Empresas parte 2
Gestão e Organização de Empresas parte 2Gestão e Organização de Empresas parte 2
Gestão e Organização de Empresas parte 2
 
Governança corporativa trabalho_conclusão_mba_2006
Governança corporativa trabalho_conclusão_mba_2006Governança corporativa trabalho_conclusão_mba_2006
Governança corporativa trabalho_conclusão_mba_2006
 

Semelhante a Empresa responsavel

empresa e gestão de força de vendas
empresa e gestão de força de vendasempresa e gestão de força de vendas
empresa e gestão de força de vendasJoão Costa
 
Responsabilidade social como imperativo ético
Responsabilidade social como imperativo éticoResponsabilidade social como imperativo ético
Responsabilidade social como imperativo éticoUniversidade Pedagogica
 
RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO IMPERATIVO ETICO
RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO IMPERATIVO ETICORESPONSABILIDADE SOCIAL COMO IMPERATIVO ETICO
RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO IMPERATIVO ETICOUniversidade Pedagogica
 
Trabalho da cadeira de gestao de prevencao
Trabalho da cadeira de gestao de prevencao Trabalho da cadeira de gestao de prevencao
Trabalho da cadeira de gestao de prevencao Inacio Tembe
 
Manual do empreendedor 2016
Manual do empreendedor 2016Manual do empreendedor 2016
Manual do empreendedor 2016sdeajma
 
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasilCarta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasilfellowsocialgoodbrasil
 
Aula 5 secretariado
Aula 5 secretariadoAula 5 secretariado
Aula 5 secretariadoRASC EAD
 
Caracteristicas das empresas, plano financeiro e mercado financeiro
Caracteristicas das empresas, plano financeiro e mercado financeiroCaracteristicas das empresas, plano financeiro e mercado financeiro
Caracteristicas das empresas, plano financeiro e mercado financeiroUniversidade Pedagogica
 
Direito empresaral e tributário1
Direito empresaral e tributário1Direito empresaral e tributário1
Direito empresaral e tributário1iolanda1924
 
1256637878 manual de_cidadania_e_profissionalidade
1256637878 manual de_cidadania_e_profissionalidade1256637878 manual de_cidadania_e_profissionalidade
1256637878 manual de_cidadania_e_profissionalidadeLena Nabais
 
E-Book Sustentabilidade na Competitividade dos Negócios DOM Strategy Partner...
 E-Book Sustentabilidade na Competitividade dos Negócios DOM Strategy Partner... E-Book Sustentabilidade na Competitividade dos Negócios DOM Strategy Partner...
E-Book Sustentabilidade na Competitividade dos Negócios DOM Strategy Partner...DOM Strategy Partners
 
Constituicao e legalizacao_negocios
Constituicao e legalizacao_negociosConstituicao e legalizacao_negocios
Constituicao e legalizacao_negociosBianca0304
 
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptxUFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptxScribd917701
 
Projecto sobre desenvolvimento sustentável
Projecto  sobre desenvolvimento sustentávelProjecto  sobre desenvolvimento sustentável
Projecto sobre desenvolvimento sustentávelUniversidade Pedagogica
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade socialAline Corso
 
GestãO Do Conhecimento Ed Consulting Pdf
GestãO Do Conhecimento Ed Consulting PdfGestãO Do Conhecimento Ed Consulting Pdf
GestãO Do Conhecimento Ed Consulting PdfED Consulting
 

Semelhante a Empresa responsavel (20)

empresa e gestão de força de vendas
empresa e gestão de força de vendasempresa e gestão de força de vendas
empresa e gestão de força de vendas
 
Responsabilidade social como imperativo ético
Responsabilidade social como imperativo éticoResponsabilidade social como imperativo ético
Responsabilidade social como imperativo ético
 
RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO IMPERATIVO ETICO
RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO IMPERATIVO ETICORESPONSABILIDADE SOCIAL COMO IMPERATIVO ETICO
RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO IMPERATIVO ETICO
 
Trabalho da cadeira de gestao de prevencao
Trabalho da cadeira de gestao de prevencao Trabalho da cadeira de gestao de prevencao
Trabalho da cadeira de gestao de prevencao
 
Manual do empreendedor 2016
Manual do empreendedor 2016Manual do empreendedor 2016
Manual do empreendedor 2016
 
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasilCarta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
 
1AULASRS_1.ppt
1AULASRS_1.ppt1AULASRS_1.ppt
1AULASRS_1.ppt
 
Aula 5 secretariado
Aula 5 secretariadoAula 5 secretariado
Aula 5 secretariado
 
Contrato de sociedade
Contrato de sociedadeContrato de sociedade
Contrato de sociedade
 
Caracteristicas das empresas, plano financeiro e mercado financeiro
Caracteristicas das empresas, plano financeiro e mercado financeiroCaracteristicas das empresas, plano financeiro e mercado financeiro
Caracteristicas das empresas, plano financeiro e mercado financeiro
 
Direito empresaral e tributário1
Direito empresaral e tributário1Direito empresaral e tributário1
Direito empresaral e tributário1
 
1256637878 manual de_cidadania_e_profissionalidade
1256637878 manual de_cidadania_e_profissionalidade1256637878 manual de_cidadania_e_profissionalidade
1256637878 manual de_cidadania_e_profissionalidade
 
E-Book Sustentabilidade na Competitividade dos Negócios DOM Strategy Partner...
 E-Book Sustentabilidade na Competitividade dos Negócios DOM Strategy Partner... E-Book Sustentabilidade na Competitividade dos Negócios DOM Strategy Partner...
E-Book Sustentabilidade na Competitividade dos Negócios DOM Strategy Partner...
 
Constituicao e legalizacao_negocios
Constituicao e legalizacao_negociosConstituicao e legalizacao_negocios
Constituicao e legalizacao_negocios
 
Aula 001 Empresarial
Aula 001 EmpresarialAula 001 Empresarial
Aula 001 Empresarial
 
Aula 001 Empresarial
Aula 001 EmpresarialAula 001 Empresarial
Aula 001 Empresarial
 
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptxUFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
 
Projecto sobre desenvolvimento sustentável
Projecto  sobre desenvolvimento sustentávelProjecto  sobre desenvolvimento sustentável
Projecto sobre desenvolvimento sustentável
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade social
 
GestãO Do Conhecimento Ed Consulting Pdf
GestãO Do Conhecimento Ed Consulting PdfGestãO Do Conhecimento Ed Consulting Pdf
GestãO Do Conhecimento Ed Consulting Pdf
 

Mais de Universidade Pedagogica

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Universidade Pedagogica
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Universidade Pedagogica
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Universidade Pedagogica
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxUniversidade Pedagogica
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxUniversidade Pedagogica
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxUniversidade Pedagogica
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdfUniversidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfUniversidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfUniversidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxUniversidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docxUniversidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxUniversidade Pedagogica
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoUniversidade Pedagogica
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Universidade Pedagogica
 

Mais de Universidade Pedagogica (20)

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
 

Último

Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdfPlanejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdfJanielleCristina1
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 

Último (20)

Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdfPlanejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 

Empresa responsavel

  • 1. 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO .............................................................................................................................. 3 1.OBJECTIVOS DO TRABALHO ................................................................................................ 4 1.1.Objectivo geral...................................................................................................................... 4 1.2.Objectivos específicos........................................................................................................... 4 2.Metodologia ................................................................................................................................. 4 3.REVISÃO DE LITERATURA.................................................................................................... 5 3.1.Empresa................................................................................................................................. 5 3.1.1.Noções económicas e jurídicas de empresa.................................................................... 6 3.1.2.A Empresa Socialmente Responsável ............................................................................ 6 3.1.3.Indicadores de uma empresa responsável....................................................................... 8 3.1.4.A abstracção da empresa ................................................................................................ 9 3.2.Empresa versus Sociedade .................................................................................................. 10 3.3.Responsabilidade social ...................................................................................................... 10 3.4.Críticas em relação ao papel das empresas na responsabilidade social .............................. 11 3.5.Características de uma empresa socialmente responsável .................................................. 12 3.6.Certificações sócio ambientais............................................................................................ 12 Conclusão...................................................................................................................................... 14 Bibliografia ................................................................................................................................... 15
  • 2. 3 INTRODUÇÃO O presente trabalho de pesquisa fala sobre ‘’Empresa socialmente responsável’’. Diante do tema, vimos que a temática “Responsabilidade Social” tem sido alvo constante de análises no mundo corporativo. E para além da expressão de compromisso com as causas sociais, incorporou-se como opção de um modelo de gestão. Modelo já adoptado, principalmente, pelas grandes empresas sintonizadas com um mundo globalizado cada vez mais exigente em relação à dinâmica de seus negócios e à sustentabilidade empresarial. Dentro do universo corporativo conceitos sobre “responsabilidade social” têm sido vários e flexíveis, de acordo com a capacidade de compreensão de seus profissionais, não poucas vezes directamente vinculada à cultura institucional prevalente na empresa. Se formos, entretanto, buscar elementos de identidade para uma empresa “socialmente responsável”, tem havido certo consenso ressaltar as que adoptam processos que incorporam escuta e negociação com seus parceiros de negócios – internos e externos – fortalecendo uma cultura institucional voltada à democratização das relações de trabalho. Nesta linha e através destes parceiros, as empresas estabelecem relações de comprometimento com uma agenda social consolidada por projectos de carácter sustentável, que apontam para a crucial questão da desigualdade de renda em Moçambique. O modelo de gestão da Responsabilidade Social Corporativa tem sido adoptado por empresas competitivas, na linha da modernidade, empresas sintonizadas com um mundo globalizado cada vez mais exigente em relação à dinâmica de seus negócios e à sustentabilidade de sua marca empresarial.
  • 3. 4 1.OBJECTIVOS DO TRABALHO 1.1.Objectivo geral  Fazer um estudo sobre as empresas em termos da responsabilidade social. 1.2.Objectivos específicos  Fazer um esboço teórico sobre a responsabilidade social;  Destacar a importância das empresas no seio das comunidades;  Propor mecanismos para uma responsabilidade eficaz as empresas. 2.Metodologia Para elaboração deste trabalho foi feito uma revisão bibliográfica. Também, foi usado o método indutivo, que é um método responsável pela generalização, isto é, partimos de algo particular para uma questão mais ampla, mais geral. Para Lakatos e Marconi (2007:86), Indução é um processo mental por intermédio do qual, partindo de dados particulares, suficientemente constatados, infere-se uma verdade geral ou universal, não contida nas partes examinadas. Portanto, o objectivo dos argumentos indutivos é levar a conclusões cujo conteúdo é muito mais amplo do que o das premissas nas quais me baseei.
  • 4. 5 3.REVISÃO DE LITERATURA 3.1.Empresa Segundo Kinlaw (1998), a empresa é a força contemporânea mais poderosa de que se dispõe para estabelecer o curso dos eventos da humanidade. Ela transcende as fronteiras e os limites do nacionalismo, exercendo influência predominante nas decisões políticas e sociais. Para Crepaldi (1998), uma empresa é uma associação de pessoas para a exploração de um negócio que produz e/ou oferece bens e serviços, com vistas, em geral, à obtenção de lucros. Cassarro (1999) coloca que uma empresa é uma entidade jurídica que tem como obrigação apresentar lucro, e este deve ser suficiente para permitir sua expansão e o atendimento das necessidades sociais. De acordo com Franco (1991), empresa é toda entidade constituída sob qualquer forma jurídica para exploração de uma actividade económica, seja mercantil, industrial, agrícola ou de prestação de serviços. Segundo Rocha (1995), o processo de organização de uma empresa dá-se em diversas etapas que se iniciam nas pesquisas dos problemas existentes na empresa, até a implementação das possíveis soluções encontradas. Harrington (1997) corrobora essa ideia, comentando que as organizações entraram em uma era de grandes desafios e incertezas sem precedentes, pois cada vez mais os empresários estão buscando alternativas, visto que os modelos funcionais e tradicionais não parecem ser eficazes. As empresas podem ser classificadas de acordo com a actividade económica que desenvolvem. Deste modo, deparamo-nos com as empresas do sector primário (que obtêm os recursos a partir da natureza, como é o caso das agrícolas, pesqueiras ou pecuárias), as empresas do sector secundário (dedicadas à transformação de matérias-primas, como acontece com as industriais e as da construção civil) e as empresas do sector terciário (empresas que se dedicam à prestação de serviços ou ao comércio).
  • 5. 6 3.1.1.Noções económicas e jurídicas de empresa A economia política considera com relevância o papel da empresa como uma organização dos factores de produção. A empresa é, portanto, um organismo económico, ou seja, se assenta sobre uma organização fundada em princípios técnicos e leis económicas. A empresa é uma combinação de elementos pessoais e reais que são colocados em função de um resultado económico realizado sob o intento especulativo de um empresário. Já o conceito económico de empresa é transportado para o âmbito jurídico por ser a maneira mais correta de definir uma empresa. O conceito jurídico deve ser aplicado a um duplo trabalho com a análise dos elementos constitutivos da empresa e o examinado com as regras em seu interior, bem como deve-se considerar a empresa na sua síntese de elementos constitutivos, sendo necessária a verificação da natureza jurídica. Para o direito nem todos os elementos do direito comercial é relevante, por exemplo, a produção em si, a técnica de transformação da matéria-prima em produto manufacturado pronto para consumo. Contudo, alguns aspectos, como o Registro e condições de funcionamento de uma empresa interessam e muito para o âmbito jurídico. As relações com os dependentes em função dos princípios hierárquicos e disciplinares nas relações de emprego são de interesse do direito do trabalho, deixando de interessar ao direito comercial. Importante lembrar que a disciplina jurídica da empresa é orientada pela actividade do empresário, da mesma forma que a tutela jurídica da empresa é a tutela jurídica da actividade dela. 3.1.2.A Empresa Socialmente Responsável Missão, Visão e Valores são os pressupostos que norteiam a razão da existência de uma empresa, os objectivos que pretende atingir e os princípios de sua cultura organizacional, sendo que o lucro é a meta de toda a empresa privada com fins lucrativos, mas não deve ser a única, pois a organização também precisa atender a demandas sociais direccionando estes pressupostos para solucionar os problemas da sociedade. As teorias da Administração, de Taylor a Drucker, não consistiram em resolver apenas os problemas das empresas, mas também em solucionar as questões da própria sociedade, por isso,
  • 6. 7 para a empresa atingir o seu objectivo social, suas metas precisam ser alinhadas aos problemas da sociedade. Os gestores precisam entender que tornar a empresa em uma entidade socialmente responsável, aproxima a empresa da sociedade e do seu próprio público-alvo, construindo uma imagem positiva de sua marca. Uma empresa que se preocupa em minimizar a emissão de resíduos, que utiliza papel reciclado, que promove acções sociais, que promove o apoio à educação, à cultura e aos desportos, que recolhe material para reciclagem e reutilização, entre tantas outras práticas, se antecipa às demandas sociais e à própria fiscalização, eximindo-se de problemas futuros, além de permanecer próxima daqueles que irão consumir os seus produtos e serviços. Mas a empresa não deve fazer isso apenas para garantir o lucro, mas também para realmente se converter em uma fonte de soluções para os problemas da sociedade, pois o objectivo de um produto é justamente atender às necessidades do cliente e isso significa resolver o seu problema. Uma empresa em actividade é responsável por gerar empregos, pagar salários, recolher tributos, girar a economia e produzir riquezas, motivos estes que por si só já tornam a empresa em uma fonte de soluções para os problemas sociais, mas ela não deve parar por aí, pois há outras questões igualmente importantes. As questões ambientais também precisam estar em pauta nas reuniões executivas, com a tomada de decisões sobre como o atendimento a uma questão ambiental é importante para a sociedade e também para a geração do lucro. A responsabilidade social precisa estar embutida nos pressupostos da Missão, Visão e Valores de uma organização, minimizando os impactos sociais causados pela presença da empresa e do próprio homem no ambiente. Seguem abaixo alguns exemplos de práticas de responsabilidade social:  Uma fábrica de móveis pode utilizar madeira de reflorestamento como matéria-prima;  Uma empresa que comercializa produtos esportivos pode doar bolas de futebol para um orfanato ou uma escola pública;
  • 7. 8  Uma empresa pode doar uma pequena percentagem de seu lucro anual para ajudar um hospital público ou uma entidade beneficente;  Uma empresa pode se tornar mantenedora de algum projecto social ou de alguma entidade filantrópica ou desenvolver e executar os seus próprios projectos sociais. Enfim, são tantas as medidas que uma empresa pode adoptar para ajudar o desenvolvimento da sociedade que o objectivo da empresa não deixará de ser o lucro, mas a responsabilidade social será um caminho para atingi-lo. 3.1.3.Indicadores de uma empresa responsável Ao contrário do que se possa pensar, uma empresa socialmente responsável não realiza apenas trabalhos focados para quem está do lado de fora dos seus portões. Lógico que desenvolver acções para comunidades vizinhas, adoptar instituições como asilos, creches, colégios públicos, criar programas educacionais para menores carentes, preservar o meio ambiente, entre outras, são atitudes de suma importância. Contudo, também é preciso olhar para as pessoas que estão dentro da corporação, ou seja, para os colaboradores. Seguem algumas acções que podem ser desenvolvidas internamente e que também caracterizam uma empresa socialmente responsável. 1. Desenvolvimento de uma cultura corporativa, com foco para o fortalecimento das relações de trabalho. Quando uma empresa está preparada para dialogar com os representantes das classes sindicais abre espaço, para que se chegue a denominadores comuns que atendam tantos às suas expectativas quanto às dos trabalhadores. 2. Estabelecer uma campanha interna de conscientização, a fim de que os profissionais abracem a ideia e entendam que uma empresa socialmente responsável não se faz apenas com boa vontade da directoria. Mas, que cada integrante precisa ter ciência de que ele pode contribuir para a responsabilidade social. 3. Programar actividades que visem à melhoria contínua da qualidade de vida do trabalho. 4. Transparência na comunicação interna/externa é fundamental para que a empresa conquiste a credibilidade junto aos seus profissionais e, consequentemente, os stackholders e a sociedade como um todo.
  • 8. 9 5. Enfatizar nas campanhas internas que acções socialmente responsáveis não correspondem a actividades filantrópicas. 6. Abrir espaço para ouvir aquilo que os funcionários têm a dizer. Uma organização que apenas acredita que sua "voz" tem vez, não imagina o estrago que pode produzir à sua própria sobrevivência. Não são raros os casos de empresas que pararam para ouvir seus colaboradores e resolveram ou evitaram problemas relacionados directamente ao negócio. 7. Oferecer segurança para que os colaboradores possam manifestar sugestões, como também apresentar denúncias relacionadas ao ambiente de trabalho. Nesse sentido, a criação de uma Audição estimulará e tranquilizará aqueles que desejam ser ouvidos, mas que temem sofrer algum tipo de retaliação. 3.1.4.A abstracção da empresa A empresa não se confunde com o empresário e nem com o estabelecimento empresarial. A empresa como entidade jurídica é uma abstracção. Um doutrinador italiano chamado de Brunetti, mencionado por Rubens Requião, chegou a abstratividade da empresa ao observar que "a empresa, se do lado político-económico é uma realidade, do jurídico é un'astrazione, porque, reconhecendo-se como organização de trabalho formada das pessoas e dos bens componentes da azienda, a relação entre a pessoa e os meios de exercício não pode conduzir senão a uma entidade abstracta, devendo-se na verdade ligar à pessoa do titular, isto é, ao empresário". A acção intenção do empresário com o fim de exercitar a actividade económica é elemento abstracto e é dele que surge a empresa. Para ser empresa não basta os elementos organizados, é necessário o exercício da organização. Nesse sentido, organização é um complexo de bens e um conjunto de pessoal inactivo, ou seja, existem aí dois elementos, os bens e o pessoal, os quais não se juntam em si mas, para que isto ocorra, faz-se precisa a actividade do empresário, actuando na organização e determinando a actividade que o levará à produção. Desta forma, verifica-se que sem a organização feita pelo empresário sobre os bens e pessoal não existe empresa. Daí é que surge a ideia de que empresa é o exercício de actividade produtiva e a actividade é uma ideia abstracta.
  • 9. 10 3.2.Empresa versus Sociedade A empresa é um objecto de direito e sociedade é um sujeito de direitos. Esta é a principal distinção entre ambos os institutos. Diante desta afirmação, sabe-se que a sociedade comercial quando devidamente constituída nos termos da lei adquire categoria de pessoa jurídica e, portanto, passa a ter capacidade de direitos e de obrigações. O mais importante é que a sociedade comercial é o empresário em sim e nunca uma empresa. É a sociedade empresarial que irá exercitar a actividade produtiva como um empresário. Outro ponto de distinção entre empresa e sociedade está no fato de a empresa poder ser o exercício da actividade individual de uma pessoa natural, física. Desta forma, verifica-se que a empresa não requer necessariamente o exercício por sociedade comercial, podendo existir a empresa individual. Por fim, é possível existir sociedade comercial sem empresa. É o caso de duas pessoas que se unem fazendo um contrato social registando-o na Junta Comercial. Eis aí a sociedade e, enquanto estiver inactiva, a empresa não surge. 3.3.Responsabilidade social A responsabilidade social é quando empresas, de forma voluntária, adoptam posturas, comportamentos e acções que promovam o bem-estar dos seus públicos interno e externo. É uma prática voluntária pois não deve ser confundida exclusivamente por acções compulsórias impostas pelo governo ou por quaisquer incentivos externos (como fiscais, por exemplo). O conceito, nessa visão, envolve o benefício da colectividade, seja ela relativa ao público interno (funcionários, accionistas, etc) ou atores externos (comunidade, parceiros, meio ambiente, etc.). Com o passar do tempo, tal concepção originou algumas variantes. Assim, conceitos novos – muitas vezes complementares, distintos ou redundantes – são usados para definir responsabilidade social, entre eles Responsabilidade Social Corporativa (RSC), Responsabilidade Social Empresarial (RSE) e Responsabilidade Social Ambiental (RSA). A chamada RSC é, na maioria dos casos, conceito usado na literatura especializada sobretudo para empresas, principalmente de grande porte, com preocupações sociais voltadas ao seu ambiente de negócios ou ao seu quadro de funcionários. O conceito de RSE, ainda que muitos
  • 10. 11 vejam como sinónimo de RS, tende a envolver um espectro mais amplo de beneficiários (stakeholders), envolvendo aí a qualidade de vida e bem-estar do público interno da empresa, mas também a redução de impactos negativos de sua actividade na comunidade e meio ambiente. Na maioria das vezes tais acções são acompanhadas pela adopção de uma mudança comportamental e de gestão que envolve maior transparência, ética e valores na relação com seus parceiros. 3.4.Críticas em relação ao papel das empresas na responsabilidade social É importante frisar que o conceito não deve ser confundido com filantropia ou simples assistência social. Aqui, na lógica do “é melhor ensinar a pescar, do que dar o peixe”, entende-se responsabilidade social como um processo contínuo e de melhoria da empresa na sua relação com seus funcionários, comunidades e parceiros. Não há viés assistencialista uma vez que há uma lógica embutida de desenvolvimento sustentável e crescimento responsável. A maior parte das empresas que adoptam posturas socialmente responsáveis auferem um crescimento mais sustentável, ganhos de imagem e visibilidade e são menos propícias a litígios ou problemas judiciais. Apesar disso, não são poucos os críticos ou cépticos desse movimento, que ganhou força principalmente nos anos 70 e 80 após uma série de escândalos de imagem e uma sucessão de problemas corporativos num ambiente de capitalismo predatório e desumanizado. Um dos maiores críticos a esse engajamento crescente das empresas em causas sociais foi o economista Milton Friedman o qual sempre defendeu que o propósito de qualquer empresa é a “maximização do lucro” e geração de empregos, não devendo portanto substituir atribuições do Estado. Se é bem verdade que o conceito foi excessivamente explorado em campanhas publicitárias ou em projectos de questionável impacto social, é fato que as empresas ainda necessitam aprimorar sua relação com a sociedade de maneira a promover um desenvolvimento baseado na ideia do “triple bottom line”, ou seja, calcado em um tripé que envolve o meio ambiente, a economia e o social.
  • 11. 12 3.5.Características de uma empresa socialmente responsável A empresa socialmente responsável adopta processos que incorporam escuta e negociação com seus parceiros de negócios, internos e externos, fortalecendo uma cultura institucional voltada à democratização das relações de trabalho. E também estabelece relações de comprometimento, através dessas parcerias, com uma agenda social voltada à sustentabilidade, através de projectos de interesse público que apontam para a crucial questão da desigualdade de renda em Moçambique. Embora muitas organizações, em todo o mundo, considerem-se socialmente responsáveis há várias décadas, a verdade é que o assunto responsabilidade social só ganhou maior destaque a partir dos anos 90, período em que ocorreu uma maior pressão da sociedade, dos meios de comunicação e de ONG's sobre o mundo organizacional. A partir disso, as empresas sentiram a necessidade de passar uma imagem corporativa positiva e o resultado foi uma corrida para recuperar o tempo perdido. Apesar do tema ser amplamente debatido, há ainda que confunda filantropia com responsabilidade social. De acordo com o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social - entidade não-governamental, a diferença ocorre porque a primeira é basicamente uma acção social externa da empresa, que tem como beneficiária principal a comunidade em suas diversas formas e organizações. Enquanto isso, a responsabilidade social é focada na cadeia de negócios da empresa e engloba preocupações com um público maior. Por ser considerado um parceiro estratégico, o profissional de Recursos Humanos também é convido para colaborar com essa realidade vivida pelas organizações. 3.6.Certificações sócio ambientais No intuito de estimular a responsabilidade social empresarial, uma série de instrumentos de certificação foram criadas nos últimos anos. O apelo relacionado a esses selos ou certificados é de fácil compreensão. Num mundo cada vez mais competitivo, empresas vêm vantagens comparativas em adquirir certificações que atestem sua boa prática empresarial. A pressão por produtos e serviços socialmente correctos faz com que empresas adoptem processos de reformulação interna para se adequarem às normas impostas pelas entidades
  • 12. 13 certificadoras. Entre algumas das certificações mais cobiçadas actualmente enumeramos as seguintes:  Selo Empresa Amiga da Criança: Selo criado pela Fundação Abrinq para empresas que não utilizem mão-de-obra infantil e contribuam para a melhoria das condições de vida de crianças e adolescentes.  ISO 14000: A ISO 14000 é apenas mais uma das certificações criadas pela Internacional Organization for Standardization (ISO). A ISO 14000, parente do ISO 9000, dá destaque às acções ambientais da empresa merecedora da certificação.  AA1000: O AA1000 foi criado em 1996 pelo Institute of Social and Ethical Accountability. Esta certificação de cunho social enfoca principalmente a relação da empresa com seus diversos parceiros, ou “stakeholders”. Uma de suas principais características é o carácter evolutivo já que é uma avaliação regular (anual).  SA8000: A “Social Accountability 8000” é uma das normas internacionais mais conhecidas. Criada em 1997 pelo Council on Economic Priorities Accreditation Agency (CEPAA), o SA8000 enfoca, primordialmente, relações trabalhistas e visa assegurar que não existam acções anti-sociais ao longo da cadeia produtiva, como trabalho infantil, trabalho escravo ou discriminação.  ABNT-ISO 26000: No dia 1º de Novembro de 2010, foi publicada a Norma Internacional ISO 26000 – Directrizes sobre Responsabilidade Social, cujo lançamento foi em Genebra, Suíça. No Brasil, no dia 8 de Dezembro de 2010, a versão em português da norma, a ABNT NBR ISO 26000, foi lançada em São Paulo. A norma é de grande utilidade a empresas interessadas em adoptar programas de RSE uma vez que oferece orientações relacionadas a sete princípios norteadores de responsabilidade social.
  • 13. 14 Conclusão Neste trabalho, constatou-se que as melhores empresas para se trabalhar que possuem práticas mais consolidadas em RS não necessariamente são reconhecidas como tais pelos seus empregados. Tal constatação levanta ao questionamento se as acções de RS são concebidas e executadas com algum fim de que sejam reconhecidas pelo público interno das organizações. Dado que muitos autores defendem um maior conhecimento por parte dos funcionários em relação às práticas de RS das organizações, bem como que a empresa busque engajar esse público em suas acções de RS. Sugere-se que estudos futuros contemplem esse questionamento, em especial com metodologias qualitativas. Pesquisas com gestores e pessoas responsáveis pela área que cuida da RS nas organizações, bem como com aqueles que tomam as decisões estratégicas, seriam de grande valia. Assim, buscaria constatar se as empresas estão preocupadas com essa perspectiva para a RS e como esta preocupação está inserida em suas agendas. Também não se deve abrir mão de pesquisas quantitativas que busquem levantar a percepção do público interno em relação à RS, haja vista que essa pesquisa se valeu de uma amostra não probabilística, limitada à lista das Melhores Empresas para Você Trabalha. Dessa forma, entende-se que a academia deve prosseguir e tentar averiguar se os resultados encontrados aqui se aplicariam a uma amostra de cunho probabilístico, que representasse todo o cenário Moçambicano.
  • 14. 15 Bibliografia BARRETO, T, S. et al. Temas emergentes em gestão de pessoas: uma análise da produção académica. Revista de Administração da UFSM, v.4, n.1, p.215-232, mai./Ago. 2011. BARROS, R. P. M.; TENÓRIO, F. G. Responsabilidade Social: valor corporativo ou individual? O caso do consórcio de alumínio do Maranhão. RGSA – Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 1, n. 1, p. 46-65, 2007. BOFF, M. L.; BEUREN, I. S. Tendência dos termos na evidenciação ambiental e social nos relatórios da administração de empresas familiares. Revista de Economia e Administração, v.8, n.2, 2009. REQUIÃO, Rubens. Curso de Direito Comercial. 26. ed. 2005. São Paulo: Saraiva, pp. 40 a 49. http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/a-empresa-socialmente responsavel/28666/. Acessado 19/03/2016. http://www.rh.com.br/Portal/Responsabilidade_Social/Dicas/6722/10-indicadores-de-uma- empresa-socialmente-responsavel.html#. Acessado 21/03/2016 http://www.liberosocial.com.br/2013/03/saiba-quais-sao-as-empresas-socialmente responsaveis.html. Acessado 20/03/2016.