SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
2
INDICE
1.Introdução .................................................................................................................................... 3
1.1.Objectivos da pesquisa.......................................................................................................... 3
2.Revisão de Literatura................................................................................................................... 4
2.1.Sistema Respiratório ............................................................................................................. 4
2.2.Órgãos do sistema respiratório.............................................................................................. 5
2.3.Movimentos respiratórios...................................................................................................... 7
Conclusão........................................................................................................................................ 8
Bibliografias.................................................................................................................................... 9
3
1.Introdução
O presente trabalho aborda sobre ‘’Sistema respiratório humano’’. Na verdade, o corpo humano
é formado por milhares de células, as quais estão unidas formando tecidos, órgãos e sistemas. Os
vários sistemas do corpo humano trabalham de maneira conjunta para garantir o funcionamento
do organismo como um todo e, consequentemente, nossa sobrevivência.
De uma maneira geral, considerando a célula como unidade funcional e estrutural dos seres vivos
e o primeiro nível de organização do organismo, temos os seguintes níveis de organização do corpo
humano.
Neste processo, o corpo precisa produzir energia o suficiente para se manter vivo. A energia é
produzida pela combustão das moléculas dos alimentos, por meio do processo de oxidação (em
que as moléculas dos alimentos são combinadas com o oxigênio). A oxidação ocorre quando o
carbono e o hidrogênio se misturam com o oxigênio para formar dióxido de carbono e água. O
consumo de oxigênio e a produção de dióxido de carbono são, portanto, indispensáveis para a vida.
Consequentemente, o corpo humano precisa de um sistema orgânico com a função de eliminar o
dióxido de carbono do sangue circulante e absorver oxigênio da atmosfera a uma velocidade rápida
o suficiente para suprir as necessidades do corpo, mesmo durante momentos de exercício intenso.
1.1.Objectivos da pesquisa
 Descrever as principais funções do sistema respiratório;
 Descrever a participação do sangue/hemoglobina no transporte CO2 e O2 e outros
componentes;
 Estudar e entender quais são os componentes do SNC e como é efetuado o controle da
respiração.
4
2.Revisão de Literatura
2.1.Sistema Respiratório
O sistema respiratório começa no nariz e na boca e continua pelas vias aéreas e pulmões. O ar
entra no sistema respiratório pelo nariz e boca, passando pela garganta (faringe) e caixa de voz ou
laringe. A entrada da laringe é coberta por uma pequena aba de tecido, a epiglote, que se fecha
automaticamente durante a deglutição, impedindo a entrada de alimentos ou líquidos nas vias
aéreas, SOROKIN, (1981).
A traqueia é a maior via aérea. A traqueia se ramifica em duas vias aéreas menores: os brônquios
principais esquerdo e direito. Cada pulmão é dividido em seções (lobos): três no pulmão direito e
dois no pulmão esquerdo. O pulmão esquerdo é um pouco menor que o pulmão direito, uma vez
que ele divide o espaço ao lado esquerdo do tórax com o coração, ROSS, (2012) .
Os próprios brônquios se ramificam várias vezes em vias aéreas menores, terminando nas vias
aéreas mais estreitas (os bronquíolos), que têm apenas meio milímetro de diâmetro. As vias aéreas
se assemelham a uma árvore invertida, fazendo com que esta parte do sistema respiratório seja
também chamada de árvore brônquica. As grandes vias aéreas se mantêm abertas por um tecido
conjuntivo fibroso semiflexível, chamado de cartilagem. As vias aéreas menores são sustentadas
pelo tecido do pulmão, que as envolve e ao qual estão ligadas. As paredes das vias aéreas menores
têm uma camada circular e fina de músculos lisos. Os músculos das vias aéreas podem relaxar ou
contrair, mudando assim o tamanho das vias aéreas, ROSS (2012).
Milhares de alvéolos (pequenos sacos de ar) se encontram na extremidade de cada bronquíolo.
Juntos, os milhões de alvéolos pulmonares formam uma superfície de mais de 100 metros
quadrados. Dentro das paredes alveolares existe uma densa rede de minúsculos vasos sanguíneos
chamados de vasos capilares. A barreira extremamente fina entre o ar e os vasos capilares permite
que o oxigênio passe dos alvéolos para o sangue e o dióxido de carbono do sangue nos vasos
capilares passe para o ar nos alvéolos, OVALLE (2008).
5
Figura 1: Sistema respitaratório humano
Fonte: SOROKIN, S. P. O sistema respiratório. O. Histologia. 1981.
2.2.Órgãos do sistema respiratório
O sistema respiratório é formado pelo pulmão e uma série de tubos que permitem a comunicação
entre esse órgão e o meio externo. Os tubos permitem que o ar chegue até as unidades funcionais
dos pulmões, os alvéolos pulmonares, nos quais ocorrerá o processo de trocas gasosas, com o
oxigênio presente no interior dos alvéolos se difundindo para o sangue presente nos capilares e o
gás carbônico presente no sangue passando para o interior dos alvéolos pulmonares.
O sistema respiratório pode ser dividido em porção condutora e porção respiratória. A porção
condutora é formada pelas fossas nasais, faringe, laringe, traqueia, brônquios e bronquíolos. A
porção respiratória, por sua vez, é formada pelos bronquíolos respiratórios, ductos alveolares e
alvéolos, LOWE (2015).
6
1. Fossas nasais
O processo de respiração se inicia com a entrada de ar pelas fossas nasais. Ao passar por essa
região, o ar será aquecido, umedecido e filtrado.
2. Faringe
Após passar pelas fossas nasais, o ar segue em direção à faringe, órgão musculomembranoso
comum ao sistema respiratório e ao sistema digestório.
3. Laringe
Logo após passar pela faringe, o ar segue em direção à laringe, órgão que promove a comunicação
entre a faringe e a traqueia.
4. Traqueia
Após a laringe, está situada a traqueia, um tubo cilíndrico que contém um número variável de
cartilagens com formato de C e que garante a passagem de ar em direção aos pulmões. A traqueia
se ramifica, na sua porção final, em dois brônquios.
5. Brônquios
Os dois brônquios, que surgem da traqueia, adentram nos pulmões. Eles são chamados de
brônquios primários. O brônquio direito caracteriza-se por ser mais curto e mais largo que o
brônquio esquerdo; também apresenta um trajeto mais vertical.
6. Bronquíolos
Os bronquíolos são tubos finos que apresentam diâmetro de 1 mm ou menos e que não possuem
cartilagem.
7. Alvéolos pulmonares
Os ductos alveolares terminam em um único alvéolo ou nos chamados sacos alveolares, formados
por vários alvéolos. Os alvéolos constituem a maior parte do parênquima pulmonar e dão a
consistência esponjosa ao órgão. O oxigênio presente no ar, ao chegar nos alvéolos, difunde-se
para dentro dos capilares que circundam essa estrutura. No sentido oposto, ocorre a difusão de gás
carbônico, o qual passa do interior dos capilares para dentro dos alvéolos, LOWE (2015).
7
Figura 2: Órgãos do sistema respiratório
Fonte: JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, J. Histologia básica, 2013.
2.3.Movimentos respiratórios
Para que a inspiração e a expiração ocorram, é necessária a ação do diafragma e dos músculos
intercostais externos. A entrada e a saída de ar dos pulmões ocorre graças aos movimentos de
inspiração e expiração. Esses dois movimentos acontecem devido à ação coordenada do diafragma
e dos músculos intercostais externos, SOROKIN (1981).
A inspiração ocorre pela contração do diafragma e dos músculos intercostais externos. Quando o
diafragma contrai, ele abaixa e promove o alongamento da cavidade torácica. A contração dos
músculos intercostais externos levanta as costelas e força o esterno para fora, aumentando o
diâmetro do tórax. Essas ações fazem com que a pressão intrapulmonar diminua-se, levando à
entrada de ar nos pulmões, OVALLE(2008).
A expiração, por sua vez, ocorre quando os músculos intercostais externos e o diafragma relaxam.
Essa ação faz com que a cavidade torácica retorne ao tamanho de repouso e a pressão
intrapulmonar aumente, forçando o ar para fora dos pulmões.
8
Conclusão
Para finalizar, dizer que o sistema respiratório é formado por uma série de ductos ramificados que
permitem a comunicação entre os pulmões e o meio externo. É graças ao sistema respiratório que
somos capazes de captar o oxigênio presente na atmosfera, essencial para o metabolismo das
células.
Na verdade, o sistema respiratório pode ser dividido em porção condutora e porção respiratória. A
porção condutora é constituída pelas fossas nasais, faringe, laringe, traqueia, brônquios e
bronquíolos. Enquanto a porção respiratória é formada por bronquíolos respiratórios, ductos
alveolares e alvéolos.
9
Bibliografias
1. LOWE, J. S.; ANDERSON, P. G. Stevens & Lowe´s Human Histology. 4.ed. Philadelphia:
Elsevier, Mosby, 2015.
2. OVALLE, W. K.; NAHIRNEY, P. C. Netter Bases da Histologia. Rio de Janeiro: Elsevier,
2008.
3. ROSS, M. H.; PAWLINA, W. Histologia: texto e atlas, em correlação com Biologia celular
e molecular. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.
4. SOROKIN, S. P. O sistema respiratório. In: WEISS, L.; GREEP, R. O. Histologia. 4.ed.
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1981.
5. JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, J. Histologia básica: texto e atlas. 12.ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2013.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Sistema respiratório humano

Sist resp(2)
Sist resp(2)Sist resp(2)
Sist resp(2)zaquel
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pptx
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pptxSISTEMA RESPIRATÓRIO.pptx
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pptxMatheus Sousa
 
Sistema Respirat�rio
Sistema Respirat�rioSistema Respirat�rio
Sistema Respirat�rioDigux
 
Trabalho202 110816190049-phpapp02
Trabalho202 110816190049-phpapp02Trabalho202 110816190049-phpapp02
Trabalho202 110816190049-phpapp02Simone Alvarenga
 
O sistema respiratório h
O sistema respiratório hO sistema respiratório h
O sistema respiratório hJoao Ferreira
 
O sistema respiratório h
O sistema respiratório hO sistema respiratório h
O sistema respiratório hJoao Ferreira
 
O sistema respiratório h
O sistema respiratório hO sistema respiratório h
O sistema respiratório hJoao Ferreira
 
Sistema respiratório pulmonar
Sistema respiratório pulmonarSistema respiratório pulmonar
Sistema respiratório pulmonarBriefCase
 
ANATOMIA RESPIRATÓRIA WLGLIMA.pptx
ANATOMIA RESPIRATÓRIA WLGLIMA.pptxANATOMIA RESPIRATÓRIA WLGLIMA.pptx
ANATOMIA RESPIRATÓRIA WLGLIMA.pptxWashington Luiz Lima
 
Sistema RespiratóRio ApresentaçãO 3 Ano
Sistema RespiratóRio   ApresentaçãO 3 AnoSistema RespiratóRio   ApresentaçãO 3 Ano
Sistema RespiratóRio ApresentaçãO 3 Anoguestdb5b7a
 
Sistema Respiratorio
Sistema RespiratorioSistema Respiratorio
Sistema RespiratorioEunice Palma
 
Anatomia e Fisiologia do Sistema Respiratório literatus.pptx
Anatomia e Fisiologia do Sistema Respiratório literatus.pptxAnatomia e Fisiologia do Sistema Respiratório literatus.pptx
Anatomia e Fisiologia do Sistema Respiratório literatus.pptxRodrigoCruz105787
 

Semelhante a Sistema respiratório humano (20)

Sist resp(2)
Sist resp(2)Sist resp(2)
Sist resp(2)
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pptx
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pptxSISTEMA RESPIRATÓRIO.pptx
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pptx
 
Fisiologia humana
Fisiologia humana Fisiologia humana
Fisiologia humana
 
Pulmões
PulmõesPulmões
Pulmões
 
Sistema Respirat�rio
Sistema Respirat�rioSistema Respirat�rio
Sistema Respirat�rio
 
Trabalho202 110816190049-phpapp02
Trabalho202 110816190049-phpapp02Trabalho202 110816190049-phpapp02
Trabalho202 110816190049-phpapp02
 
O sistema respiratório h
O sistema respiratório hO sistema respiratório h
O sistema respiratório h
 
O sistema respiratório h
O sistema respiratório hO sistema respiratório h
O sistema respiratório h
 
O sistema respiratório h
O sistema respiratório hO sistema respiratório h
O sistema respiratório h
 
Sistema Respiratório
Sistema RespiratórioSistema Respiratório
Sistema Respiratório
 
Sistema respiratório pulmonar
Sistema respiratório pulmonarSistema respiratório pulmonar
Sistema respiratório pulmonar
 
7 respiracao
7 respiracao7 respiracao
7 respiracao
 
ANATOMIA RESPIRATÓRIA WLGLIMA.pptx
ANATOMIA RESPIRATÓRIA WLGLIMA.pptxANATOMIA RESPIRATÓRIA WLGLIMA.pptx
ANATOMIA RESPIRATÓRIA WLGLIMA.pptx
 
12 respiratorio
12 respiratorio12 respiratorio
12 respiratorio
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Sistema RespiratóRio
Sistema RespiratóRioSistema RespiratóRio
Sistema RespiratóRio
 
Sistema RespiratóRio ApresentaçãO 3 Ano
Sistema RespiratóRio   ApresentaçãO 3 AnoSistema RespiratóRio   ApresentaçãO 3 Ano
Sistema RespiratóRio ApresentaçãO 3 Ano
 
Sistema Respiratorio
Sistema RespiratorioSistema Respiratorio
Sistema Respiratorio
 
Anatomia e Fisiologia do Sistema Respiratório literatus.pptx
Anatomia e Fisiologia do Sistema Respiratório literatus.pptxAnatomia e Fisiologia do Sistema Respiratório literatus.pptx
Anatomia e Fisiologia do Sistema Respiratório literatus.pptx
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 

Mais de Universidade Pedagogica

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Universidade Pedagogica
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Universidade Pedagogica
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Universidade Pedagogica
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxUniversidade Pedagogica
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxUniversidade Pedagogica
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxUniversidade Pedagogica
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdfUniversidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfUniversidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfUniversidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxUniversidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docxUniversidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxUniversidade Pedagogica
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoUniversidade Pedagogica
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Universidade Pedagogica
 
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...Universidade Pedagogica
 

Mais de Universidade Pedagogica (20)

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
 
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
 

Último

aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (15)

aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 

Sistema respiratório humano

  • 1. 2 INDICE 1.Introdução .................................................................................................................................... 3 1.1.Objectivos da pesquisa.......................................................................................................... 3 2.Revisão de Literatura................................................................................................................... 4 2.1.Sistema Respiratório ............................................................................................................. 4 2.2.Órgãos do sistema respiratório.............................................................................................. 5 2.3.Movimentos respiratórios...................................................................................................... 7 Conclusão........................................................................................................................................ 8 Bibliografias.................................................................................................................................... 9
  • 2. 3 1.Introdução O presente trabalho aborda sobre ‘’Sistema respiratório humano’’. Na verdade, o corpo humano é formado por milhares de células, as quais estão unidas formando tecidos, órgãos e sistemas. Os vários sistemas do corpo humano trabalham de maneira conjunta para garantir o funcionamento do organismo como um todo e, consequentemente, nossa sobrevivência. De uma maneira geral, considerando a célula como unidade funcional e estrutural dos seres vivos e o primeiro nível de organização do organismo, temos os seguintes níveis de organização do corpo humano. Neste processo, o corpo precisa produzir energia o suficiente para se manter vivo. A energia é produzida pela combustão das moléculas dos alimentos, por meio do processo de oxidação (em que as moléculas dos alimentos são combinadas com o oxigênio). A oxidação ocorre quando o carbono e o hidrogênio se misturam com o oxigênio para formar dióxido de carbono e água. O consumo de oxigênio e a produção de dióxido de carbono são, portanto, indispensáveis para a vida. Consequentemente, o corpo humano precisa de um sistema orgânico com a função de eliminar o dióxido de carbono do sangue circulante e absorver oxigênio da atmosfera a uma velocidade rápida o suficiente para suprir as necessidades do corpo, mesmo durante momentos de exercício intenso. 1.1.Objectivos da pesquisa  Descrever as principais funções do sistema respiratório;  Descrever a participação do sangue/hemoglobina no transporte CO2 e O2 e outros componentes;  Estudar e entender quais são os componentes do SNC e como é efetuado o controle da respiração.
  • 3. 4 2.Revisão de Literatura 2.1.Sistema Respiratório O sistema respiratório começa no nariz e na boca e continua pelas vias aéreas e pulmões. O ar entra no sistema respiratório pelo nariz e boca, passando pela garganta (faringe) e caixa de voz ou laringe. A entrada da laringe é coberta por uma pequena aba de tecido, a epiglote, que se fecha automaticamente durante a deglutição, impedindo a entrada de alimentos ou líquidos nas vias aéreas, SOROKIN, (1981). A traqueia é a maior via aérea. A traqueia se ramifica em duas vias aéreas menores: os brônquios principais esquerdo e direito. Cada pulmão é dividido em seções (lobos): três no pulmão direito e dois no pulmão esquerdo. O pulmão esquerdo é um pouco menor que o pulmão direito, uma vez que ele divide o espaço ao lado esquerdo do tórax com o coração, ROSS, (2012) . Os próprios brônquios se ramificam várias vezes em vias aéreas menores, terminando nas vias aéreas mais estreitas (os bronquíolos), que têm apenas meio milímetro de diâmetro. As vias aéreas se assemelham a uma árvore invertida, fazendo com que esta parte do sistema respiratório seja também chamada de árvore brônquica. As grandes vias aéreas se mantêm abertas por um tecido conjuntivo fibroso semiflexível, chamado de cartilagem. As vias aéreas menores são sustentadas pelo tecido do pulmão, que as envolve e ao qual estão ligadas. As paredes das vias aéreas menores têm uma camada circular e fina de músculos lisos. Os músculos das vias aéreas podem relaxar ou contrair, mudando assim o tamanho das vias aéreas, ROSS (2012). Milhares de alvéolos (pequenos sacos de ar) se encontram na extremidade de cada bronquíolo. Juntos, os milhões de alvéolos pulmonares formam uma superfície de mais de 100 metros quadrados. Dentro das paredes alveolares existe uma densa rede de minúsculos vasos sanguíneos chamados de vasos capilares. A barreira extremamente fina entre o ar e os vasos capilares permite que o oxigênio passe dos alvéolos para o sangue e o dióxido de carbono do sangue nos vasos capilares passe para o ar nos alvéolos, OVALLE (2008).
  • 4. 5 Figura 1: Sistema respitaratório humano Fonte: SOROKIN, S. P. O sistema respiratório. O. Histologia. 1981. 2.2.Órgãos do sistema respiratório O sistema respiratório é formado pelo pulmão e uma série de tubos que permitem a comunicação entre esse órgão e o meio externo. Os tubos permitem que o ar chegue até as unidades funcionais dos pulmões, os alvéolos pulmonares, nos quais ocorrerá o processo de trocas gasosas, com o oxigênio presente no interior dos alvéolos se difundindo para o sangue presente nos capilares e o gás carbônico presente no sangue passando para o interior dos alvéolos pulmonares. O sistema respiratório pode ser dividido em porção condutora e porção respiratória. A porção condutora é formada pelas fossas nasais, faringe, laringe, traqueia, brônquios e bronquíolos. A porção respiratória, por sua vez, é formada pelos bronquíolos respiratórios, ductos alveolares e alvéolos, LOWE (2015).
  • 5. 6 1. Fossas nasais O processo de respiração se inicia com a entrada de ar pelas fossas nasais. Ao passar por essa região, o ar será aquecido, umedecido e filtrado. 2. Faringe Após passar pelas fossas nasais, o ar segue em direção à faringe, órgão musculomembranoso comum ao sistema respiratório e ao sistema digestório. 3. Laringe Logo após passar pela faringe, o ar segue em direção à laringe, órgão que promove a comunicação entre a faringe e a traqueia. 4. Traqueia Após a laringe, está situada a traqueia, um tubo cilíndrico que contém um número variável de cartilagens com formato de C e que garante a passagem de ar em direção aos pulmões. A traqueia se ramifica, na sua porção final, em dois brônquios. 5. Brônquios Os dois brônquios, que surgem da traqueia, adentram nos pulmões. Eles são chamados de brônquios primários. O brônquio direito caracteriza-se por ser mais curto e mais largo que o brônquio esquerdo; também apresenta um trajeto mais vertical. 6. Bronquíolos Os bronquíolos são tubos finos que apresentam diâmetro de 1 mm ou menos e que não possuem cartilagem. 7. Alvéolos pulmonares Os ductos alveolares terminam em um único alvéolo ou nos chamados sacos alveolares, formados por vários alvéolos. Os alvéolos constituem a maior parte do parênquima pulmonar e dão a consistência esponjosa ao órgão. O oxigênio presente no ar, ao chegar nos alvéolos, difunde-se para dentro dos capilares que circundam essa estrutura. No sentido oposto, ocorre a difusão de gás carbônico, o qual passa do interior dos capilares para dentro dos alvéolos, LOWE (2015).
  • 6. 7 Figura 2: Órgãos do sistema respiratório Fonte: JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, J. Histologia básica, 2013. 2.3.Movimentos respiratórios Para que a inspiração e a expiração ocorram, é necessária a ação do diafragma e dos músculos intercostais externos. A entrada e a saída de ar dos pulmões ocorre graças aos movimentos de inspiração e expiração. Esses dois movimentos acontecem devido à ação coordenada do diafragma e dos músculos intercostais externos, SOROKIN (1981). A inspiração ocorre pela contração do diafragma e dos músculos intercostais externos. Quando o diafragma contrai, ele abaixa e promove o alongamento da cavidade torácica. A contração dos músculos intercostais externos levanta as costelas e força o esterno para fora, aumentando o diâmetro do tórax. Essas ações fazem com que a pressão intrapulmonar diminua-se, levando à entrada de ar nos pulmões, OVALLE(2008). A expiração, por sua vez, ocorre quando os músculos intercostais externos e o diafragma relaxam. Essa ação faz com que a cavidade torácica retorne ao tamanho de repouso e a pressão intrapulmonar aumente, forçando o ar para fora dos pulmões.
  • 7. 8 Conclusão Para finalizar, dizer que o sistema respiratório é formado por uma série de ductos ramificados que permitem a comunicação entre os pulmões e o meio externo. É graças ao sistema respiratório que somos capazes de captar o oxigênio presente na atmosfera, essencial para o metabolismo das células. Na verdade, o sistema respiratório pode ser dividido em porção condutora e porção respiratória. A porção condutora é constituída pelas fossas nasais, faringe, laringe, traqueia, brônquios e bronquíolos. Enquanto a porção respiratória é formada por bronquíolos respiratórios, ductos alveolares e alvéolos.
  • 8. 9 Bibliografias 1. LOWE, J. S.; ANDERSON, P. G. Stevens & Lowe´s Human Histology. 4.ed. Philadelphia: Elsevier, Mosby, 2015. 2. OVALLE, W. K.; NAHIRNEY, P. C. Netter Bases da Histologia. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. 3. ROSS, M. H.; PAWLINA, W. Histologia: texto e atlas, em correlação com Biologia celular e molecular. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012. 4. SOROKIN, S. P. O sistema respiratório. In: WEISS, L.; GREEP, R. O. Histologia. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1981. 5. JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, J. Histologia básica: texto e atlas. 12.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.