SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
ÍNDICE
1.INTRODUÇÃO ............................................................................................................. 4
1.1.Objectivo Geral....................................................................................................... 4
1.2.Objectivos específicos............................................................................................. 4
1.3.Metodologias........................................................................................................... 4
2.Revisão de Literatura..................................................................................................... 5
2.1.Principais aspectos do desenvolvimento da leitura................................................. 5
2.1.1.Objectivos e factores que influenciam o desenvolvimento da leitura .............. 5
2.2.Factores que inibem o desenvolvimento da leitura................................................. 7
2.3.Métodos para despertar o interesse na leitura ......................................................... 8
2.3.1.Observação Individual e Discussão em Todas as Oportunidades .................... 8
2.3.2.Notas Sobre o Curso Individual da Leitura ...................................................... 8
2.3.3.Estudos Sobre a Recepção e/ou a Influência da Leitura................................... 8
2.3.4.Testes de Interesse Geral.................................................................................. 9
3.Utilizando Ilustrações como Material Temático............................................................ 9
4.A importância da leitura em sala de aula ..................................................................... 10
5.As principais teorias da leitura. ................................................................................... 10
5.1.Psicolinguística Vygotskiana ................................................................................ 10
5.2.Modelo do Monitor ............................................................................................... 10
5.3.Teoria dos Universais Linguísticos....................................................................... 11
5.4.Teoria do Discurso................................................................................................ 11
5.5.Teoria Cognitiva, segundo Castro......................................................................... 11
Conclusão ....................................................................................................................... 12
Bibliografias ................................................................................................................... 13
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
1.INTRODUÇÃO
Este trabalho possui como tema ‘’Teorias de Desenvolvimento da Leitura’’,
considerando que a leitura revelasse como uma condição essencial para que o cidadão
participe efectivamente da construção de uma sociedade mais justa, igualitária, crítica e
solidária. Em sua delimitação, a pesquisa discorre sobre a leitura nas séries iniciais. A
realização deste trabalho justifica-se por considerar importante que o leitor realmente
compreenda o que está lendo e o que está escrevendo, e pelo fato da leitura possibilitar
o desenvolvimento de suas habilidades e melhor constituição da personalidade.
A realidade mostra que muitos leitores não se interessarem pela leitura nas séries finais,
comprometendo, assim, sua escrita ortográfica, argumentação e vocabulário. A pesquisa
sustenta a necessidade de reforçar a ideia de que a formação de leitores tem como
finalidade aproximar os alunos dos livros, oferecendo-lhes recursos para que possam
interpretar e compreender os textos lidos; ampliar a capacidade expressiva através de
actividades literárias e artísticas em que possam manifestar sentimentos e opiniões e
desenvolver a capacidade crítica estimulando-os a reflexão sobre o que lêem,
confrontando diferentes pontos de vista, principalmente quando estiverem envolvidos
temas polémicos que expressem anseios e preocupações da comunidade em que estão
inseridos.
1.1.Objectivo Geral
 Como objectivo geral, pretende-se confirmar e, também, promover uma reflexão
acerca da importância da leitura nas séries iniciais.
1.2.Objectivos específicos
 Investigar os aspectos que envolvem o desenvolvimento da leitura;
 Discorrer sobre a importância da leitura em sala de aula para desenvolver nas
crianças o gosto pela leitura; sugerir actividades de incentivo à leitura.
1.3.Metodologias
A metodologia adoptada para a realização da pesquisa consta de amplo levantamento
bibliográfico, com consultas a materiais como livros, artigos e textos com informações
consideradas relevantes para a composição do trabalho.
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
2.Revisão de Literatura
2.1.Principais aspectos do desenvolvimento da leitura
No século passado, muitos educadores consideraram que o ensino formal da leitura
tinha início na primeira série do Ensino Fundamental, fase esta em que a Educação
Infantil já preparou o aluno para a futura escolaridade.
Hoje, porém, o enfoque denominado leitura emergente, valoriza as actividades típicas
da noção de preparação como, por exemplo, o desenvolvimento das funções básicas. Tal
enfoque supõe que a aprendizagem da leitura não tem uma sequência definitiva, assim
como não possui um ponto real de partida (Alliende & Condemarín, 2005).
2.1.1.Objectivos e factores que influenciam o desenvolvimento da leitura
Alliende & Condemarín (2005) elencam as principais proposições da leitura emergente:
 O conceito do letramento evolutivo é mais apropriado para descrever o que
tradicionalmente se denominou preparação para a leitura, já que a criança não se
envolve meramente como leitor, mas como leitor/escritor.
 A leitura se desenvolve dentro do contexto das actividades da vida real;
 As crianças aprendem a linguagem escrita por meio de actividades que o
comprometem com seu mundo;
 As crianças se tornam letradas por meio de um nível muito amplo de
conhecimentos, de disposições e de estratégias;
 Mesmo que a aquisição da leitura possa ser descrita por meios de etapas gerais,
as crianças adquirem a leitura e a escrita com diferentes ritmos e mediante uma
variedade de caminhos.
Alliende & Condemarín (2005) afirmam que é importante envolver as crianças, desde
cedo, em um ambiente letrado, oportunizando à criança a possibilidade de abstrair a
linguagem escrita de seu contexto.
Pode-se afirmar que a leitura tem melhor desenvolvimento quando ocorre numa sala de
aula com variedade de estímulos para a linguagem oral e escrita, que possibilite
experiências informativas que permitam às crianças escutar, olhar e descrever,
expressando sentimentos e pensamentos.
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
Alliende & Condemarín (2005) consideram que a utilização de textos autênticos da sala
de aula e do ambiente próximo, estimula sensivelmente a habilidade natural das crianças
de formular perguntas relacionadas ao mundo que a cerca. Sendo assim, é recomendável
o uso de catálogos, cartazes, anúncios comerciais, receitas, embalagens, cartas, entre
outros.
Importante frisar que os alunos precisam de um espaço para a selecção de suas leituras,
considerando suas necessidades, interesses pessoais e o nível de leitura. Além disso,
eles devem dispor de um horário onde possam realizar suas leituras sem serem
interrompidos.
Betts apud Alliende & Condemarín (2005) classifica a competência na leitura do aluno
em três níveis, com seus correspondentes critérios:
 Nível independente, onde a criança pode ler o material de forma independente
com fluência, precisão e compreensão;
 Nível institucional, onde a criança pode ler o material com leitura guiada ou
apoiada;
 Nível de frustração, onde a criança não está pronta para ler o material e mostra
um padrão de frustração quando tenta fazê-lo.
Na visão de Alliende & Condemarín (2005), o principal objectivo da leitura é conduzir
à compreensão da linguagem escrita, implicando um processo de pensamento
multidimensional existente na interacção entre o leitor, o texto e o contexto. Nessa
direcção, é essencial que o leitor interligue seus conhecimentos prévios com as novas
informações fornecidas pelo texto. Para eles, é primordial que a criança tenha
consciência das interacções que ela faz em sua comunicação com a linguagem escrita,
assim como também é importante como ela desenvolve estratégias naturais para
trabalhar com informações gráfica, fonética, semântica e sintáctica.
Jolibert et al. (1994) ressaltam que não é por acaso que o processo de aprendizado da
leitura constitui-se dos pontos de cristalização dessas preocupações: os pais sabem
muito bem que o domínio do ler/escrever é um dos factores determinantes do sucesso
ou do fracasso escolar. Além disso, muitos consideram como sendo ao mesmo tempo
sua obrigação e seu prazer “fazer ler” seus filhos, à noite, em casa. Paralelamente, é
preciso reconhecer que os docentes que tentam transformar suas práticas às vezes não
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
têm segurança e hesitam ao enfrentarem o que eles vivem primeiramente como sendo as
críticas dos pais, adoptando posturas tensas ou defensivas.
Jolibert et al. (1994) instruem que muito significativo que os pais leiam histórias para
seus filhos ou folheiem com eles um álbum de literatura infantil, levando-os a dizerem o
que imaginam que irá acontecer na página seguinte depois de virada.
Assim:
Os pais são também correspondentes privilegiados, nossos parceiros
regulares enquanto destinatários dos escritos da aula ou da escola: cartas
ou cartazes informativos, convites, jornal escolar, pedidos de receitas, de
material ou manuais de uso lhes são endereçados: inversamente, pedimos
a eles, sempre que possível, e desde que não seja artificial, que nos
respondam por escrito, que ponham à nossa disposição qualquer
documentação suscetível de nos interessar, etc. (JOLIBERT et al., 1994).
Entretanto, sabe-se que nem todos os pais participam da mesma forma na escola e no
sucesso escolar de seus filhos, cabendo aos professores procurar métodos que permitam
que cada um encontre um lugar onde se sinta à vontade e envolvido.
Bamberger (1987) orienta que nos primeiros anos de leitura todos os livros devem ser
impressos em letras grandes, o que garante movimentos fáceis e correctos dos olhos. De
forma semelhante, um espacejamento maior entre as linhas e as divisões do texto exerce
efeito positivo sobre o desejo de ler.
Segundo Bamberger (1987, p. 50) as ilustrações nos livros infantis exercem atracão
redobrada sobre os principiantes e os maus leitores: “elas ornamentam o texto,
estimulam o interesse e dividem o livro de modo que a criança possa virar as páginas
com frequência e ter a impressão de estar lendo depressa”.
2.2.Factores que inibem o desenvolvimento da leitura
No que diz respeito aos factores que inibem o desenvolvimento dos interesses de leitura,
Bamberger (1987) destaca que os factores que quase não se podem influenciar, como a
inteligência e o status social, não são considerados. A ênfase recai, especialmente, a
problemas cuja responsabilidade cabe a seres humanos, capazes de limitar o
desenvolvimento natural e dificultar ou tornar ineficazes medidas destinadas a
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
desenvolver o interesse pela leitura. Dessa forma, é preciso evitar qualquer influência
que atalhe o desenvolvimento natural da leitura, como suas motivações e interesses,
atentando para alguns pontos relevantes, tais como:
1. As crianças não são “adultos em miniatura” e, por isso mesmo, as motivações
baseadas na razão são quase todas ineficazes. Entretanto, não se leva em
consideração, muitas vezes, a predominância do “impulso para brincar” nos
primeiros anos de escola. Aqui se cometem erros principalmente pela ênfase
excessiva dada aos exercícios de habilidade na leitura.
2. A ideia fundamental de que é necessário treinar especialmente aspectos isolados
da técnica de leitura pode prejudicar o desenvolvimento do interesse pela leitura.
3. Os hábitos tradicionais na metodologia do ensino da leitura na Europa Central e
Meridional afastam a criança do conteúdo do texto e, portanto, do interesse pela
leitura.
2.3.Métodos para despertar o interesse na leitura
Quanto aos métodos para determinar interesses individuais de leitura, Bamberger (1987)
sugere:
2.3.1.Observação Individual e Discussão em Todas as Oportunidades
No recreio, em passeios, mas, sobretudo, nas conversas pessoais com os estudantes
isoladamente, quando a classe está empenhada em leitura silenciosa, o professor pode
inteirar-se das opiniões da criança, do que ela procura nos livros e do que mais a atrai.
2.3.2.Notas Sobre o Curso Individual da Leitura
Faz-se uma tentativa para obter uma visão de todo o material de leitura da criança e do
modo como ela o vê. O melhor método é o “diário de leitura”, mantido pelo próprio
leitor, que regista todos os livros que lê, anotando o nome do autor, o título, a editora, o
número de páginas, seguidos de breve caracterização e avaliação do livro.
2.3.3.Estudos Sobre a Recepção e/ou a Influência da Leitura
Cada leitor lê de modo diferente e tira do livro especialmente aquilo que o atrai e o que
corresponde aos seus interesses. A discussão sobre o que mais o impressionou e da sua
interpretação pode ser altamente informativa.
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
O educador deve tentar apreender de forma objectiva os elementos do livro: os aspectos
que despertam a imaginação, os que excitam o espírito de aventura, os que são
socialmente importantes, etc. Confrontando as diferenças de análises, fica sabendo mais
a respeito do leitor e do que este acrescentou ao livro e dele assimilou.
2.3.4.Testes de Interesse Geral
Os livros, todavia, não devem ser sempre o ponto de partida, já que os interesses por
eles não satisfeitos passam despercebidos. Vários testes de interesse têm seu lugar neste
contexto, uma área desenvolvida em primeiro lugar por psicólogos norte-americanos.
Nessa direcção, Harris apud Bamberger (1987) cita os “Testes projectivos das sentenças
incompletas”, que consistem em 42 começos de sentenças que têm de ser completadas
pelo estudante. Alguns deles:
1. Hoje sinto...
2. Se fosse ler, eu ...
3. Fico zangado quando ...
4. Quando eu crescer ...
5. Minha ocupação favorita é ...
3.Utilizando Ilustrações como Material Temático
Jan-Tausch discute as possibilidades oferecidas pelas ilustrações na determinação dos
interesses de leitura. Ela utilizou, em sua pesquisa, 36 ilustrações dispostas em doze
grupos de assuntos e descobriu, ao compará-las com a leitura da criança, que a
preferência por um grupo de estampas corre paralelamente à literatura preferida.
Pelo até aqui exposto, extrai-se que o objectivo do ensino da leitura, ou seja, o
desenvolvimento do gosto literário e da capacidade crítica, somente é alcançado quando
se começa com os interesses existentes, tentando continuamente ampliarlhes o
horizonte. No capítulo seguinte será analisada a importância da leitura em sala de aula,
considerando que favorecem a fluência leitora, bem como a compreensão dos textos.
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
4.A importância da leitura em sala de aula
Kriegl apud Souza (2007) assinala que quando alguém lê algo, aplica determinado
esquema alterando-o ou confirmando-o, mas, sobretudo, entendendo mensagens
diferentes de seus esquemas cognitivos, ou seja, as capacidades já internalizadas e o
conhecimento de mundo de cada um são diferentes. “O leitor usa, simultaneamente, seu
conhecimento de mundo e seu conhecimento de texto para construir uma interpretação
sobre o que se lê” (Souza, 2007, p. 03).
Porém, salienta Souza (2007), não basta apenas ler, é importante analisar, interpretar,
conhecer para agregar valor à actividade ou necessidade que se tem. No entender de
Kriegl apud Souza (2007) deve-se observar a forma, o comportamento do professor no
processo de motivação:
[...] não consiste em que o professor diga: Fantástico! Vamos ler! Mas que elas mesmas
o digam ou pensem. Isso se consegue planejando bem atarefa de leitura e seleccionando
com critério os materiais que nela serão trabalhados, tomando decisões sobre as ajudas
prévias de que alguns alunos possam necessitar evitando situações de concorrência [...]
e promovendo, sempre que possível, aquelas situações que abordem contextos de uso
real, incentivem o gosto pela leitura e façam o leitor avançar em seu próprio ritmo para
ir elaborando sua própria interpretação – situações de leitura silenciosa (Kriegl apud
Souza, 2007).
5.As principais teorias da leitura.
5.1.Psicolinguística Vygotskiana
Para Vygotsky o pensamento verbal não é uma forma de comportamento natural e
inata, mas é determinado por um processo histórico-cultural e tem propriedades e leis
específicas que não podem ser encontradas nas formas naturais de pensamento e fala.
Uma vez admitido o carácter histórico do pensamento verbal, devemos considerá-lo
sujeito a todas as premissas do materialismo histórico, que são válidas para qualquer
fenómeno histórico na sociedade humana (Brito, 2006).
5.2.Modelo do Monitor
Existem sentimentos os quais muitas vezes determinam o bom desempenho ou não de
um sujeito em determinadas actividades. Aqui identificaremos que factores emocionais
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
podem contribuir para o bom desempenho no processo de aprendizagem de uma
segunda língua.
Dentre as investigações realizadas no campo da aquisição de L2 e LE que consideram o
aluno, as suas diferenças individuais e a importância do domínio afectivo, o modelo de
Stephen Krashen ocupa um lugar de destaque.
Brito (2006) formulou sua teoria de aquisição da LE composta por cinco hipóteses: a
distinção entre aquisição e aprendizagem, a ordem natural, o monitor, o insumo e o
filtro afectivo, sendo as duas últimas hipóteses consideradas por ele como responsáveis
para que a aquisição ocorra.
5.3.Teoria dos Universais Linguísticos
Segundo essa teoria ao nascermos já possuímos de forma inatos traços comuns
referentes a todas as línguas; aqui os chamaremos de características universais da fala.
Esses traços são adquiridos geneticamente como explica Chomsky em sua teoria
inatista.
Todas as crianças, na visão de Chomsky, nasceriam biologicamente preparadas para
adquirir a linguagem, dependendo apenas do ambiente físico para accionar a língua que
será falada. “(...) para que o processo se inicie, não basta essa capacidade inata, é
preciso que a criança esteja em um determinado meio (social, cultural, etc.)...” (Brito,
2006).
5.4.Teoria do Discurso
Dentro dessa óptica entende-se o domínio de uma segunda língua só acontecerá através
do envolvimento do aprendiz em uma acção recíproca com a língua. Eless resume em
três situações o processo de aquisição segundo a teoria do discurso.
5.5.Teoria Cognitiva, segundo Castro
O processo de desenvolvimento e aprendizagem da L2 é dado através de um processo
mental assim como todas as demais habilidades como escrever, por exemplo. Para
Castro as habilidades se tornarão automáticas ou rotineiras após processos analíticos.
Esses processos analíticos são o domínio dos conteúdos gramaticais bem como da
escrita, fala, etc. Tendo pleno domínio das habilidades linguísticas dentro da língua
estudada os processos automáticos ocorrerão naturalmente.
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
Conclusão
No processo de aprendizagem do ser humano a leitura se faz essencial, uma vez que
contribui, efectivamente, para o enriquecimento do vocabulário, ampliação do
conhecimento, agilizar o raciocínio e aprimorar a interpretação. Ela promove no homem
o desenvolvimento de sua intelectualidade, proporcionando-lhe um equilíbrio moral e
psicológico, assim como uma maior integração com a realidade que o cerca.
A leitura e a escrita fazem parte do quotidiano das crianças, pois elas estão sempre
envolvidas com desenhos, livros, cartazes, folhetos, histórias, enfim, uma infinidade de
situações que envolvem essas habilidades.
Na formação de crianças leitoras evidencia-se que o papel dos pais e da escola é
fundamental, considerando que não há necessidade de aguardar para que a criança esteja
alfabetizada para envolvê-las com atividades de leitura.
Foi possível constatar que é muito importante incentivar a leitura desde a infância, para
que, assim, a criança conscientize-se de que a leitura, além de prazerosa, contribui para
que ela seja um adulto culto e dinâmico. É fundamental que toda escola forneça uma
educação de qualidade incentivando a leitura, pois, assim, os cidadãos se tornam mais
informados e críticos. E, para a formação de leitores, é preciso oferecer livros e,
também, apresentar respostas e alternativas para determinadas questões que dizem
respeito à concepção de sociedade, educação, linguagem, leitura e literatura escolhidas
pelo indivíduo.
Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba
Bibliografias
Alliende, F, (2005). Condemarín, M. A leitura: teoria, avaliação e desenvolvimento. 8.
ed. Porto Alegre – Portugal.
Bamberger, R, (1987). Como incentivar o hábito de leitura. 3. ed. São Paulo – Brasil.
Brasil, (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Secretaria de
Educação Fundamental. Brasília.
Brito, E. O, (2006). A importância da leitura para o desenvolvimento da criança. Artigo
publicado em 2006.
Foucambert, J, (1994). A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas – Portugal.
Jolibert, J. et al, (1994). Formando crianças leitoras. Vol. I. Porto Alegre: Artes Médicas
– Portugal.
Kleiman, A, (1998). Oficina de leitura: teoria & prática. 6. ed. Campinas: Pontes –
Brasil.
Magnani, M. R. M, (1989). Leitura, literatura e escola: sobre a formação do gosto. São
Paulo: Martins Fontes – Brasil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no BrasilConceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no BrasilLivia Rodrigues
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasJessica Nuvens
 
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).wilkerfilipel
 
Projecto de pesquisa
Projecto de pesquisaProjecto de pesquisa
Projecto de pesquisaBruno Gurué
 
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)humberto145
 
O Papel Do Professor
O Papel Do ProfessorO Papel Do Professor
O Papel Do Professorpaula lopes
 
Relação entre a didáctica com outras ciências
Relação entre a didáctica com outras ciênciasRelação entre a didáctica com outras ciências
Relação entre a didáctica com outras ciênciasJoao Papelo
 
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-pFormar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-pQueite Lima
 
Os quatro pilares da educação apresentação
Os quatro pilares da educação apresentaçãoOs quatro pilares da educação apresentação
Os quatro pilares da educação apresentaçãoJoyce Leon
 
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)Tais Valéria Angelo
 
Bourdieu: Educação e cultura (Resumo)
Bourdieu: Educação e cultura (Resumo)Bourdieu: Educação e cultura (Resumo)
Bourdieu: Educação e cultura (Resumo)Israel serique
 
As actividades de cada fase de aula
As actividades de cada fase de aulaAs actividades de cada fase de aula
As actividades de cada fase de aulaJoao Papelo
 
Slide Didática
Slide DidáticaSlide Didática
Slide Didáticamurilobsk8
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemMarcelo Assis
 
Teorias Da Aprendizagem Material Para Alunos
Teorias Da Aprendizagem Material Para AlunosTeorias Da Aprendizagem Material Para Alunos
Teorias Da Aprendizagem Material Para Alunosneliane frança
 
As principais tendências pedagógicas na prática escolar brasileira e seus pre...
As principais tendências pedagógicas na prática escolar brasileira e seus pre...As principais tendências pedagógicas na prática escolar brasileira e seus pre...
As principais tendências pedagógicas na prática escolar brasileira e seus pre...Lorena Rebonato
 
FORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADAFORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADAlucavao2010
 

Mais procurados (20)

Conceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no BrasilConceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no Brasil
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
 
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
 
Projecto de pesquisa
Projecto de pesquisaProjecto de pesquisa
Projecto de pesquisa
 
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
 
O Papel Do Professor
O Papel Do ProfessorO Papel Do Professor
O Papel Do Professor
 
Relação entre a didáctica com outras ciências
Relação entre a didáctica com outras ciênciasRelação entre a didáctica com outras ciências
Relação entre a didáctica com outras ciências
 
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-pFormar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
 
Os quatro pilares da educação apresentação
Os quatro pilares da educação apresentaçãoOs quatro pilares da educação apresentação
Os quatro pilares da educação apresentação
 
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
 
Bourdieu: Educação e cultura (Resumo)
Bourdieu: Educação e cultura (Resumo)Bourdieu: Educação e cultura (Resumo)
Bourdieu: Educação e cultura (Resumo)
 
As actividades de cada fase de aula
As actividades de cada fase de aulaAs actividades de cada fase de aula
As actividades de cada fase de aula
 
Slide Didática
Slide DidáticaSlide Didática
Slide Didática
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Teorias Da Aprendizagem Material Para Alunos
Teorias Da Aprendizagem Material Para AlunosTeorias Da Aprendizagem Material Para Alunos
Teorias Da Aprendizagem Material Para Alunos
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
 
O curriculo
O curriculoO curriculo
O curriculo
 
Didatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendênciasDidatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendências
 
As principais tendências pedagógicas na prática escolar brasileira e seus pre...
As principais tendências pedagógicas na prática escolar brasileira e seus pre...As principais tendências pedagógicas na prática escolar brasileira e seus pre...
As principais tendências pedagógicas na prática escolar brasileira e seus pre...
 
FORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADAFORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADA
 

Semelhante a Teorias de desenvolvimento da leitura

Segunda reunião de coordenadores
Segunda reunião de coordenadoresSegunda reunião de coordenadores
Segunda reunião de coordenadoresRosemary Batista
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolarAnanda Lima
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagenshelio123456
 
Projeto Carta do Leitor
Projeto Carta do LeitorProjeto Carta do Leitor
Projeto Carta do LeitorAna Luiza Lima
 
Material impresso na educação ana
Material impresso na educação anaMaterial impresso na educação ana
Material impresso na educação anaCristiane Trindade
 
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdfNa Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdfAdelaideGonalves2
 
Seleção e produção de materiais didáticos
Seleção e produção de materiais didáticosSeleção e produção de materiais didáticos
Seleção e produção de materiais didáticosloja5deabril
 
Explorando práticas de leitura na e.i
Explorando práticas de leitura na e.iExplorando práticas de leitura na e.i
Explorando práticas de leitura na e.iAna Rufino
 
Formação de leitores críticos lucimeire cavalcanti dias.docx
Formação de leitores críticos lucimeire cavalcanti dias.docxFormação de leitores críticos lucimeire cavalcanti dias.docx
Formação de leitores críticos lucimeire cavalcanti dias.docxLucimeire Cavalcanti
 
Bloco9 organizacao temposespaco
Bloco9 organizacao temposespacoBloco9 organizacao temposespaco
Bloco9 organizacao temposespacoLucimar Veiga
 
Alfabetização nas escolas públicas o grande desafio
Alfabetização nas escolas públicas   o grande desafioAlfabetização nas escolas públicas   o grande desafio
Alfabetização nas escolas públicas o grande desafioAna Cristina Farias
 
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfNatalia384006
 
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdfprojeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdfKelianeCastro3
 

Semelhante a Teorias de desenvolvimento da leitura (20)

Segunda reunião de coordenadores
Segunda reunião de coordenadoresSegunda reunião de coordenadores
Segunda reunião de coordenadores
 
Dez importantes questoes a considerar
Dez importantes questoes a considerarDez importantes questoes a considerar
Dez importantes questoes a considerar
 
Projeto proinfo
Projeto proinfoProjeto proinfo
Projeto proinfo
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Apresentação unidade 5
Apresentação unidade 5Apresentação unidade 5
Apresentação unidade 5
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
 
Projeto Carta do Leitor
Projeto Carta do LeitorProjeto Carta do Leitor
Projeto Carta do Leitor
 
Projeto de leitura
Projeto de leituraProjeto de leitura
Projeto de leitura
 
Material impresso na educação ana
Material impresso na educação anaMaterial impresso na educação ana
Material impresso na educação ana
 
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdfNa Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
 
Caderno 3 ano lp vol 1
Caderno 3 ano lp   vol 1Caderno 3 ano lp   vol 1
Caderno 3 ano lp vol 1
 
Seleção e produção de materiais didáticos
Seleção e produção de materiais didáticosSeleção e produção de materiais didáticos
Seleção e produção de materiais didáticos
 
Explorando práticas de leitura na e.i
Explorando práticas de leitura na e.iExplorando práticas de leitura na e.i
Explorando práticas de leitura na e.i
 
Unidade 7
Unidade 7Unidade 7
Unidade 7
 
Formação de leitores críticos lucimeire cavalcanti dias.docx
Formação de leitores críticos lucimeire cavalcanti dias.docxFormação de leitores críticos lucimeire cavalcanti dias.docx
Formação de leitores críticos lucimeire cavalcanti dias.docx
 
Bloco9 organizacao temposespaco
Bloco9 organizacao temposespacoBloco9 organizacao temposespaco
Bloco9 organizacao temposespaco
 
Alfabetização nas escolas públicas o grande desafio
Alfabetização nas escolas públicas   o grande desafioAlfabetização nas escolas públicas   o grande desafio
Alfabetização nas escolas públicas o grande desafio
 
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
 
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdfprojeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
 
Jogo leitura
Jogo leituraJogo leitura
Jogo leitura
 

Mais de Universidade Pedagogica

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Universidade Pedagogica
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Universidade Pedagogica
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Universidade Pedagogica
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxUniversidade Pedagogica
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxUniversidade Pedagogica
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxUniversidade Pedagogica
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdfUniversidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfUniversidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfUniversidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxUniversidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docxUniversidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxUniversidade Pedagogica
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoUniversidade Pedagogica
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Universidade Pedagogica
 
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...Universidade Pedagogica
 

Mais de Universidade Pedagogica (20)

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
 
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 

Último (20)

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 

Teorias de desenvolvimento da leitura

  • 1. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO ............................................................................................................. 4 1.1.Objectivo Geral....................................................................................................... 4 1.2.Objectivos específicos............................................................................................. 4 1.3.Metodologias........................................................................................................... 4 2.Revisão de Literatura..................................................................................................... 5 2.1.Principais aspectos do desenvolvimento da leitura................................................. 5 2.1.1.Objectivos e factores que influenciam o desenvolvimento da leitura .............. 5 2.2.Factores que inibem o desenvolvimento da leitura................................................. 7 2.3.Métodos para despertar o interesse na leitura ......................................................... 8 2.3.1.Observação Individual e Discussão em Todas as Oportunidades .................... 8 2.3.2.Notas Sobre o Curso Individual da Leitura ...................................................... 8 2.3.3.Estudos Sobre a Recepção e/ou a Influência da Leitura................................... 8 2.3.4.Testes de Interesse Geral.................................................................................. 9 3.Utilizando Ilustrações como Material Temático............................................................ 9 4.A importância da leitura em sala de aula ..................................................................... 10 5.As principais teorias da leitura. ................................................................................... 10 5.1.Psicolinguística Vygotskiana ................................................................................ 10 5.2.Modelo do Monitor ............................................................................................... 10 5.3.Teoria dos Universais Linguísticos....................................................................... 11 5.4.Teoria do Discurso................................................................................................ 11 5.5.Teoria Cognitiva, segundo Castro......................................................................... 11 Conclusão ....................................................................................................................... 12 Bibliografias ................................................................................................................... 13
  • 2. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba 1.INTRODUÇÃO Este trabalho possui como tema ‘’Teorias de Desenvolvimento da Leitura’’, considerando que a leitura revelasse como uma condição essencial para que o cidadão participe efectivamente da construção de uma sociedade mais justa, igualitária, crítica e solidária. Em sua delimitação, a pesquisa discorre sobre a leitura nas séries iniciais. A realização deste trabalho justifica-se por considerar importante que o leitor realmente compreenda o que está lendo e o que está escrevendo, e pelo fato da leitura possibilitar o desenvolvimento de suas habilidades e melhor constituição da personalidade. A realidade mostra que muitos leitores não se interessarem pela leitura nas séries finais, comprometendo, assim, sua escrita ortográfica, argumentação e vocabulário. A pesquisa sustenta a necessidade de reforçar a ideia de que a formação de leitores tem como finalidade aproximar os alunos dos livros, oferecendo-lhes recursos para que possam interpretar e compreender os textos lidos; ampliar a capacidade expressiva através de actividades literárias e artísticas em que possam manifestar sentimentos e opiniões e desenvolver a capacidade crítica estimulando-os a reflexão sobre o que lêem, confrontando diferentes pontos de vista, principalmente quando estiverem envolvidos temas polémicos que expressem anseios e preocupações da comunidade em que estão inseridos. 1.1.Objectivo Geral  Como objectivo geral, pretende-se confirmar e, também, promover uma reflexão acerca da importância da leitura nas séries iniciais. 1.2.Objectivos específicos  Investigar os aspectos que envolvem o desenvolvimento da leitura;  Discorrer sobre a importância da leitura em sala de aula para desenvolver nas crianças o gosto pela leitura; sugerir actividades de incentivo à leitura. 1.3.Metodologias A metodologia adoptada para a realização da pesquisa consta de amplo levantamento bibliográfico, com consultas a materiais como livros, artigos e textos com informações consideradas relevantes para a composição do trabalho.
  • 3. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba 2.Revisão de Literatura 2.1.Principais aspectos do desenvolvimento da leitura No século passado, muitos educadores consideraram que o ensino formal da leitura tinha início na primeira série do Ensino Fundamental, fase esta em que a Educação Infantil já preparou o aluno para a futura escolaridade. Hoje, porém, o enfoque denominado leitura emergente, valoriza as actividades típicas da noção de preparação como, por exemplo, o desenvolvimento das funções básicas. Tal enfoque supõe que a aprendizagem da leitura não tem uma sequência definitiva, assim como não possui um ponto real de partida (Alliende & Condemarín, 2005). 2.1.1.Objectivos e factores que influenciam o desenvolvimento da leitura Alliende & Condemarín (2005) elencam as principais proposições da leitura emergente:  O conceito do letramento evolutivo é mais apropriado para descrever o que tradicionalmente se denominou preparação para a leitura, já que a criança não se envolve meramente como leitor, mas como leitor/escritor.  A leitura se desenvolve dentro do contexto das actividades da vida real;  As crianças aprendem a linguagem escrita por meio de actividades que o comprometem com seu mundo;  As crianças se tornam letradas por meio de um nível muito amplo de conhecimentos, de disposições e de estratégias;  Mesmo que a aquisição da leitura possa ser descrita por meios de etapas gerais, as crianças adquirem a leitura e a escrita com diferentes ritmos e mediante uma variedade de caminhos. Alliende & Condemarín (2005) afirmam que é importante envolver as crianças, desde cedo, em um ambiente letrado, oportunizando à criança a possibilidade de abstrair a linguagem escrita de seu contexto. Pode-se afirmar que a leitura tem melhor desenvolvimento quando ocorre numa sala de aula com variedade de estímulos para a linguagem oral e escrita, que possibilite experiências informativas que permitam às crianças escutar, olhar e descrever, expressando sentimentos e pensamentos.
  • 4. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba Alliende & Condemarín (2005) consideram que a utilização de textos autênticos da sala de aula e do ambiente próximo, estimula sensivelmente a habilidade natural das crianças de formular perguntas relacionadas ao mundo que a cerca. Sendo assim, é recomendável o uso de catálogos, cartazes, anúncios comerciais, receitas, embalagens, cartas, entre outros. Importante frisar que os alunos precisam de um espaço para a selecção de suas leituras, considerando suas necessidades, interesses pessoais e o nível de leitura. Além disso, eles devem dispor de um horário onde possam realizar suas leituras sem serem interrompidos. Betts apud Alliende & Condemarín (2005) classifica a competência na leitura do aluno em três níveis, com seus correspondentes critérios:  Nível independente, onde a criança pode ler o material de forma independente com fluência, precisão e compreensão;  Nível institucional, onde a criança pode ler o material com leitura guiada ou apoiada;  Nível de frustração, onde a criança não está pronta para ler o material e mostra um padrão de frustração quando tenta fazê-lo. Na visão de Alliende & Condemarín (2005), o principal objectivo da leitura é conduzir à compreensão da linguagem escrita, implicando um processo de pensamento multidimensional existente na interacção entre o leitor, o texto e o contexto. Nessa direcção, é essencial que o leitor interligue seus conhecimentos prévios com as novas informações fornecidas pelo texto. Para eles, é primordial que a criança tenha consciência das interacções que ela faz em sua comunicação com a linguagem escrita, assim como também é importante como ela desenvolve estratégias naturais para trabalhar com informações gráfica, fonética, semântica e sintáctica. Jolibert et al. (1994) ressaltam que não é por acaso que o processo de aprendizado da leitura constitui-se dos pontos de cristalização dessas preocupações: os pais sabem muito bem que o domínio do ler/escrever é um dos factores determinantes do sucesso ou do fracasso escolar. Além disso, muitos consideram como sendo ao mesmo tempo sua obrigação e seu prazer “fazer ler” seus filhos, à noite, em casa. Paralelamente, é preciso reconhecer que os docentes que tentam transformar suas práticas às vezes não
  • 5. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba têm segurança e hesitam ao enfrentarem o que eles vivem primeiramente como sendo as críticas dos pais, adoptando posturas tensas ou defensivas. Jolibert et al. (1994) instruem que muito significativo que os pais leiam histórias para seus filhos ou folheiem com eles um álbum de literatura infantil, levando-os a dizerem o que imaginam que irá acontecer na página seguinte depois de virada. Assim: Os pais são também correspondentes privilegiados, nossos parceiros regulares enquanto destinatários dos escritos da aula ou da escola: cartas ou cartazes informativos, convites, jornal escolar, pedidos de receitas, de material ou manuais de uso lhes são endereçados: inversamente, pedimos a eles, sempre que possível, e desde que não seja artificial, que nos respondam por escrito, que ponham à nossa disposição qualquer documentação suscetível de nos interessar, etc. (JOLIBERT et al., 1994). Entretanto, sabe-se que nem todos os pais participam da mesma forma na escola e no sucesso escolar de seus filhos, cabendo aos professores procurar métodos que permitam que cada um encontre um lugar onde se sinta à vontade e envolvido. Bamberger (1987) orienta que nos primeiros anos de leitura todos os livros devem ser impressos em letras grandes, o que garante movimentos fáceis e correctos dos olhos. De forma semelhante, um espacejamento maior entre as linhas e as divisões do texto exerce efeito positivo sobre o desejo de ler. Segundo Bamberger (1987, p. 50) as ilustrações nos livros infantis exercem atracão redobrada sobre os principiantes e os maus leitores: “elas ornamentam o texto, estimulam o interesse e dividem o livro de modo que a criança possa virar as páginas com frequência e ter a impressão de estar lendo depressa”. 2.2.Factores que inibem o desenvolvimento da leitura No que diz respeito aos factores que inibem o desenvolvimento dos interesses de leitura, Bamberger (1987) destaca que os factores que quase não se podem influenciar, como a inteligência e o status social, não são considerados. A ênfase recai, especialmente, a problemas cuja responsabilidade cabe a seres humanos, capazes de limitar o desenvolvimento natural e dificultar ou tornar ineficazes medidas destinadas a
  • 6. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba desenvolver o interesse pela leitura. Dessa forma, é preciso evitar qualquer influência que atalhe o desenvolvimento natural da leitura, como suas motivações e interesses, atentando para alguns pontos relevantes, tais como: 1. As crianças não são “adultos em miniatura” e, por isso mesmo, as motivações baseadas na razão são quase todas ineficazes. Entretanto, não se leva em consideração, muitas vezes, a predominância do “impulso para brincar” nos primeiros anos de escola. Aqui se cometem erros principalmente pela ênfase excessiva dada aos exercícios de habilidade na leitura. 2. A ideia fundamental de que é necessário treinar especialmente aspectos isolados da técnica de leitura pode prejudicar o desenvolvimento do interesse pela leitura. 3. Os hábitos tradicionais na metodologia do ensino da leitura na Europa Central e Meridional afastam a criança do conteúdo do texto e, portanto, do interesse pela leitura. 2.3.Métodos para despertar o interesse na leitura Quanto aos métodos para determinar interesses individuais de leitura, Bamberger (1987) sugere: 2.3.1.Observação Individual e Discussão em Todas as Oportunidades No recreio, em passeios, mas, sobretudo, nas conversas pessoais com os estudantes isoladamente, quando a classe está empenhada em leitura silenciosa, o professor pode inteirar-se das opiniões da criança, do que ela procura nos livros e do que mais a atrai. 2.3.2.Notas Sobre o Curso Individual da Leitura Faz-se uma tentativa para obter uma visão de todo o material de leitura da criança e do modo como ela o vê. O melhor método é o “diário de leitura”, mantido pelo próprio leitor, que regista todos os livros que lê, anotando o nome do autor, o título, a editora, o número de páginas, seguidos de breve caracterização e avaliação do livro. 2.3.3.Estudos Sobre a Recepção e/ou a Influência da Leitura Cada leitor lê de modo diferente e tira do livro especialmente aquilo que o atrai e o que corresponde aos seus interesses. A discussão sobre o que mais o impressionou e da sua interpretação pode ser altamente informativa.
  • 7. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba O educador deve tentar apreender de forma objectiva os elementos do livro: os aspectos que despertam a imaginação, os que excitam o espírito de aventura, os que são socialmente importantes, etc. Confrontando as diferenças de análises, fica sabendo mais a respeito do leitor e do que este acrescentou ao livro e dele assimilou. 2.3.4.Testes de Interesse Geral Os livros, todavia, não devem ser sempre o ponto de partida, já que os interesses por eles não satisfeitos passam despercebidos. Vários testes de interesse têm seu lugar neste contexto, uma área desenvolvida em primeiro lugar por psicólogos norte-americanos. Nessa direcção, Harris apud Bamberger (1987) cita os “Testes projectivos das sentenças incompletas”, que consistem em 42 começos de sentenças que têm de ser completadas pelo estudante. Alguns deles: 1. Hoje sinto... 2. Se fosse ler, eu ... 3. Fico zangado quando ... 4. Quando eu crescer ... 5. Minha ocupação favorita é ... 3.Utilizando Ilustrações como Material Temático Jan-Tausch discute as possibilidades oferecidas pelas ilustrações na determinação dos interesses de leitura. Ela utilizou, em sua pesquisa, 36 ilustrações dispostas em doze grupos de assuntos e descobriu, ao compará-las com a leitura da criança, que a preferência por um grupo de estampas corre paralelamente à literatura preferida. Pelo até aqui exposto, extrai-se que o objectivo do ensino da leitura, ou seja, o desenvolvimento do gosto literário e da capacidade crítica, somente é alcançado quando se começa com os interesses existentes, tentando continuamente ampliarlhes o horizonte. No capítulo seguinte será analisada a importância da leitura em sala de aula, considerando que favorecem a fluência leitora, bem como a compreensão dos textos.
  • 8. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba 4.A importância da leitura em sala de aula Kriegl apud Souza (2007) assinala que quando alguém lê algo, aplica determinado esquema alterando-o ou confirmando-o, mas, sobretudo, entendendo mensagens diferentes de seus esquemas cognitivos, ou seja, as capacidades já internalizadas e o conhecimento de mundo de cada um são diferentes. “O leitor usa, simultaneamente, seu conhecimento de mundo e seu conhecimento de texto para construir uma interpretação sobre o que se lê” (Souza, 2007, p. 03). Porém, salienta Souza (2007), não basta apenas ler, é importante analisar, interpretar, conhecer para agregar valor à actividade ou necessidade que se tem. No entender de Kriegl apud Souza (2007) deve-se observar a forma, o comportamento do professor no processo de motivação: [...] não consiste em que o professor diga: Fantástico! Vamos ler! Mas que elas mesmas o digam ou pensem. Isso se consegue planejando bem atarefa de leitura e seleccionando com critério os materiais que nela serão trabalhados, tomando decisões sobre as ajudas prévias de que alguns alunos possam necessitar evitando situações de concorrência [...] e promovendo, sempre que possível, aquelas situações que abordem contextos de uso real, incentivem o gosto pela leitura e façam o leitor avançar em seu próprio ritmo para ir elaborando sua própria interpretação – situações de leitura silenciosa (Kriegl apud Souza, 2007). 5.As principais teorias da leitura. 5.1.Psicolinguística Vygotskiana Para Vygotsky o pensamento verbal não é uma forma de comportamento natural e inata, mas é determinado por um processo histórico-cultural e tem propriedades e leis específicas que não podem ser encontradas nas formas naturais de pensamento e fala. Uma vez admitido o carácter histórico do pensamento verbal, devemos considerá-lo sujeito a todas as premissas do materialismo histórico, que são válidas para qualquer fenómeno histórico na sociedade humana (Brito, 2006). 5.2.Modelo do Monitor Existem sentimentos os quais muitas vezes determinam o bom desempenho ou não de um sujeito em determinadas actividades. Aqui identificaremos que factores emocionais
  • 9. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba podem contribuir para o bom desempenho no processo de aprendizagem de uma segunda língua. Dentre as investigações realizadas no campo da aquisição de L2 e LE que consideram o aluno, as suas diferenças individuais e a importância do domínio afectivo, o modelo de Stephen Krashen ocupa um lugar de destaque. Brito (2006) formulou sua teoria de aquisição da LE composta por cinco hipóteses: a distinção entre aquisição e aprendizagem, a ordem natural, o monitor, o insumo e o filtro afectivo, sendo as duas últimas hipóteses consideradas por ele como responsáveis para que a aquisição ocorra. 5.3.Teoria dos Universais Linguísticos Segundo essa teoria ao nascermos já possuímos de forma inatos traços comuns referentes a todas as línguas; aqui os chamaremos de características universais da fala. Esses traços são adquiridos geneticamente como explica Chomsky em sua teoria inatista. Todas as crianças, na visão de Chomsky, nasceriam biologicamente preparadas para adquirir a linguagem, dependendo apenas do ambiente físico para accionar a língua que será falada. “(...) para que o processo se inicie, não basta essa capacidade inata, é preciso que a criança esteja em um determinado meio (social, cultural, etc.)...” (Brito, 2006). 5.4.Teoria do Discurso Dentro dessa óptica entende-se o domínio de uma segunda língua só acontecerá através do envolvimento do aprendiz em uma acção recíproca com a língua. Eless resume em três situações o processo de aquisição segundo a teoria do discurso. 5.5.Teoria Cognitiva, segundo Castro O processo de desenvolvimento e aprendizagem da L2 é dado através de um processo mental assim como todas as demais habilidades como escrever, por exemplo. Para Castro as habilidades se tornarão automáticas ou rotineiras após processos analíticos. Esses processos analíticos são o domínio dos conteúdos gramaticais bem como da escrita, fala, etc. Tendo pleno domínio das habilidades linguísticas dentro da língua estudada os processos automáticos ocorrerão naturalmente.
  • 10. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba Conclusão No processo de aprendizagem do ser humano a leitura se faz essencial, uma vez que contribui, efectivamente, para o enriquecimento do vocabulário, ampliação do conhecimento, agilizar o raciocínio e aprimorar a interpretação. Ela promove no homem o desenvolvimento de sua intelectualidade, proporcionando-lhe um equilíbrio moral e psicológico, assim como uma maior integração com a realidade que o cerca. A leitura e a escrita fazem parte do quotidiano das crianças, pois elas estão sempre envolvidas com desenhos, livros, cartazes, folhetos, histórias, enfim, uma infinidade de situações que envolvem essas habilidades. Na formação de crianças leitoras evidencia-se que o papel dos pais e da escola é fundamental, considerando que não há necessidade de aguardar para que a criança esteja alfabetizada para envolvê-las com atividades de leitura. Foi possível constatar que é muito importante incentivar a leitura desde a infância, para que, assim, a criança conscientize-se de que a leitura, além de prazerosa, contribui para que ela seja um adulto culto e dinâmico. É fundamental que toda escola forneça uma educação de qualidade incentivando a leitura, pois, assim, os cidadãos se tornam mais informados e críticos. E, para a formação de leitores, é preciso oferecer livros e, também, apresentar respostas e alternativas para determinadas questões que dizem respeito à concepção de sociedade, educação, linguagem, leitura e literatura escolhidas pelo indivíduo.
  • 11. Autor: Sergio A. Macore sergio.macore@gmail.com 846458829 - Pemba Bibliografias Alliende, F, (2005). Condemarín, M. A leitura: teoria, avaliação e desenvolvimento. 8. ed. Porto Alegre – Portugal. Bamberger, R, (1987). Como incentivar o hábito de leitura. 3. ed. São Paulo – Brasil. Brasil, (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília. Brito, E. O, (2006). A importância da leitura para o desenvolvimento da criança. Artigo publicado em 2006. Foucambert, J, (1994). A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas – Portugal. Jolibert, J. et al, (1994). Formando crianças leitoras. Vol. I. Porto Alegre: Artes Médicas – Portugal. Kleiman, A, (1998). Oficina de leitura: teoria & prática. 6. ed. Campinas: Pontes – Brasil. Magnani, M. R. M, (1989). Leitura, literatura e escola: sobre a formação do gosto. São Paulo: Martins Fontes – Brasil.