SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
Síntese a partir da publicação do
De seis países fundadores aos atuais 28
Estados-Membros
O que concluímos da publicação do INE?
q O essencial da evolução da sociedade portuguesa entre
1986 e a atualidade.
q Que, de um modo geral, o país registou melhorias no bem-
estar dos cidadãos em áreas como a saúde, a educação e
as condições de habitação.
q Que se verificaram dois períodos de desenvolvimento
económico:
q1986 a 2000 – crescimento elevado da economia nacional;
queda do Muro de Berlim; unificação alemã; preparação da
Moeda única ...
q2001 a 2014 – estagnação da economia nacional;
estabilização das economias de Leste; integração da República
Popular da China na Organização Mundial do Comércio ...
O que mudou na
demografia do país em
30 anos de integração?
Desde a década de 60 do
século XX:
- Quebra generalizada da natalidade
- Forte surto emigratório
- Redução real da população
- Afluxo de retornados das ex-colónias e
regresso de emigrantes europeus
A partir de 1986:
- Tendência para maior descida da
natalidade
- Incapacidade de renovação de gerações
- Aumento da emigração, mais a
temporária do que a definitiva
- Aumento significativo da imigração nos
anos 90
- Crescimento ligeiro garantido pelos
saldos migratórios
- Novo surto emigratório
- Crescimento demográfico negativo
generalizado
Em todas as NUTS II
registou-se redução de
habitantes nos últimos anos
Em termos comparativos, o ritmo de crescimento populacional foi mais elevado
em Portugal entre 1982 e 1988 e entre 2001 e 2006. Na UE28 e na Zona Euro, o
ritmo de crescimento foi sempre positivo e intensificou-se neste século. Pelo
contrário, Portugal, desde 2011, perde população.
Entre 1993 e 2009 crescemos à custa do
contributo dos saldos migratórios positivos
Em 1986 e 1992 o crescimento foi ténue; 2010 registou crescimento nulo.
2000 foi o ano de máximo crescimento efetivo: 0,8%
O crescimento global denuncia uma forte irregularidade com vários “picos” e
quebras acentuadas. 1988, 90, 92 e 99; 2000, 02, 03, 04, 07 e 2013 foram os anos
de maior crescimento populacional na União Europeia.
Em 1991, a estrutura etária da
população portuguesa já indiciava
tendência para o envelhecimento:
a base da pirâmide estreita cada
vez mais com o decorrer dos
anos.
População residente, segundo o sexo e por idades, 1991 e 2014
“Entre 1991 e 2014 o peso
da população com idade até aos 34
anos diminuiu em 13,8 p.p., tendo
aumentado em cerca de 6,7 p.p. o
peso da população com mais 65
anos de idade.
INE
De um modo geral, o país acompanha a tendência para uma baixa fertilidade dos
seus parceiros europeus. Todavia, nos anos mais recentes a quebra foi mais
acentuada: 12 nascimentos por cada 1 000 mulheres em 2014.
A Irlanda, pelo peso da religião católica, e a França, devido às medidas pró-
natalistas, são os dois Estados-Membros mais natalistas.
Desde o ano de adesão,
Portugal tem evidenciado uma
tendência persistente de
diminuição da taxa de fertilidade.
Mudanças nos modos de
integração urbana, nas
condições de integração dos
jovens na vida ativa, no estatuto
socioeconómico da mulher,
impondo novos padrões quanto
à idade no casamento e ao
nascimento do primeiro filho,
são alguns dos motivos
justificativos.
Dos países considerados e em
relação às médias da UE25 e
UE28, Portugal é o país que
apresenta o valor mais baixo.
Espanha, França e Irlanda apresentam valores mais elevados do
que o nosso país. A média da UE28 revela valores inferiores
consequência das piores condições socioeconómicas dos Estados-
Membros oriundos do Leste europeu
Tal como com a taxa de
fertilidade, o país acompanha
as tendências europeias com
uma cada vez maior esperança
média de vida à nascença
A melhoria das condições de
vida (alimentação, habitação,
higiene) e dos cuidados de
saúde (vacinação,atendimento
médico, medicina preventiva)
explicam a progressão revelada
pelo gráfico.
Todavia, a média nacional é
mais elevada do que a
Eslovénia mas inferior à de
países como Espanha ou
Irlanda, numa tradução do grau
de desenvolvimento de cada
Estado-Membro.
Portugal é o país “campeão” da descida da taxa de mortalidade
infantil, um sucesso que assenta nas melhorias verificadas na saúde,
nomeadamente, com a implementação do plano nacional de vacinas,
na alimentação e na habitação. É um dado estatístico
frequentemente utilizado como medida do grau de desenvolvimento
de um país/região.
Os casos turbulentos
ocorridos com os
processos de
independência nas ex-
colónias, o fim do
comunismo na Europa
Oriental e as
dificuldades económicas
e sociais no Brasil
justificaram a atração
exercida por Portugal
nos anos 90 e no início
do século atual. A
aplicação de elevados
montantes dos Fundos
Estruturais em obras
públicas proporcionou
ofertas de trabalho,
muitas delas, ocupadas
por oriundos de África,
Leste europeu, Brasil e
China.
O que mudou na
economia e no
território em 30 anos
de integração?
A evolução do PIB nacional iniciou-se, em 1986, com um valor bastante
inferior à média do PIB da UE15. Em 2014, a diferença acentuou-se.
O Produto Interno Bruto por
habitante, medido à paridade do
poder de compra, aumentou
significativamente em Portugal
desde a adesão, verificando-se
uma convergência de Portugal face
à UE. Partindo de um nível inferior
a 7 mil euros por habitante em
1986, Portugal chega a 2014 com
um valor de cerca de 21 mil euros
por habitante, representando 78%
da média da UE28 (72% para a
média da UE15 que compara com
58% em 1986). Recentemente, faz-
se notar que a relativa estagnação
da economia portuguesa pós 2008
por comparação à evolução
positiva na UE28 provocou uma
tendência de divergência ligeira de
Portugal face à UE no indicador em
análise.
O posicionamento dos países selecionados
revela as diferenças de riqueza entre eles e,
portanto, o grau de desenvolvimento
económico
Em 2014, a região de Lisboa era a única a apresentar
um nível de rendimento claramente superior à média
nacional. Em 2004, a Madeira e o Algarve atingiram,
também, um PIB per capita superior à média.
Os Açores e o Norte são as
NUTS II com mais baixo PIB
per capita
Apesar de serem estatísticas podemos estabelecer uma relação direta
entre baixa produtividade e baixo PIB per capita. Portugal tem que
melhorar o seu desempenho económico para criar riqueza e
aproximar-se das médias europeias.
Menor produtividade e baixa
qualificação estão,
normalmente, em relação
direta.
Pelo gráfico, temos
progredido na percentagem
de estudantes no ensino
secundário e superior. Mas,
inquestionavelmente, será
preciso, apostar muito mais
na formação para que
possamos criar as
qualificações necessárias
para o mercado de trabalho.
Há um grande desfasamento
entre os conteúdos
escolares e o que as
empresas precisam.
No acesso à Internet acompanhámos a tendência europeia mas,
sinal do nosso poder de compra e da iliteracia de parte da
população, estamos abaixo da própria Eslovénia.
É notório o desfasamento do IDH nacional comparativamente com os
Estados-Membros selecionados. Depois de anos de um ritmo
acelerado (1980-2000) segue-se um tendência de estagnação, tal
como nos restantes países.
Outra razão para o atraso do país relativamente às médias europeias: gastamos muito
menos em investigação e desenvolvimento. A aposta no conhecimento é a via para um
território crescer e desenvolver-se. Desde 2009, nos anos da crise financeira, diminuímos
o investimento nesta área o que não tem favorecido a sociedade portuguesa.
A comparação entre o mapa do
território nacional continental e o
diagrama de deformação virtual
(mapa mais claro), elaborado a
partir dos tempos de percurso com
origem em Lisboa e com destino
nas restantes capitais de distrito,
bem como nas
principais fronteiras terrestres,
leva-nos a concluir que, entre 1986
e 2016, se obteve
uma melhoria muito significativa e
generalizada da acessibilidade
territorial. Com a chegada dos
Fundos Comunitários, o Estado
criou um conjunto de
infraestruturas rodoviárias
fundamentais para facilitar, quer a
mobilidade interna, quer o acesso
à Europa por estrada.
Entre 1986 e 2006,
os tempos de percurso entre Lisboa e
algumas capitais de distrito encurtaram
em cerca de metade do tempo, por
exemplo, a ligação entre Lisboa e Porto
(de 5h13 em 1986 para 2h38 em 2016).
A leitura da
densidade
populacionalpor
NUTS II evidencia
que, à escala
nacional, há
contraste entre
Lisboa e Norte, as
mais densas, e o
Alentejo, a mais
despovoada,e que,
à escala
comunitária, o país
é bastante
periférico. As
maiores densidades
concentram-se na
“Banana Azul”, isto
é, onde a economia
e as finanças têm
melhor
desempenho.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalIdalina Leite
 
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Idalina Leite
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialIdalina Leite
 
Análise Demográfica de Portugal
Análise Demográfica de PortugalAnálise Demográfica de Portugal
Análise Demográfica de PortugalAna Vale Costa
 
Números de Portugal
Números de PortugalNúmeros de Portugal
Números de PortugalIdalina Leite
 
GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1Idalina Leite
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Idalina Leite
 
Evoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugalEvoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugalRita Ribeiro
 
Desequilíbrios regionais
Desequilíbrios regionaisDesequilíbrios regionais
Desequilíbrios regionaisAna Helena
 
Testes geografia a
Testes geografia aTestes geografia a
Testes geografia aAidaCunha73
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)Idalina Leite
 
A sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisA sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisMaria Teixiera
 
Economia de portugal na atualidade
Economia de portugal na atualidadeEconomia de portugal na atualidade
Economia de portugal na atualidadeTiago Filipe
 
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População PortuguesaFicha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesaabarros
 
As estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosAs estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosIlda Bicacro
 
Desequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-CoimbraDesequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-CoimbraJoana Aguamel
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017Idalina Leite
 
Desequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicasDesequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicasbruno oliveira
 
MigraçõEs Causadas Pelas AlteraçõEs ClimáTicas
MigraçõEs Causadas Pelas AlteraçõEs ClimáTicasMigraçõEs Causadas Pelas AlteraçõEs ClimáTicas
MigraçõEs Causadas Pelas AlteraçõEs ClimáTicasguest39a281
 
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015Idalina Leite
 

Mais procurados (20)

Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
 
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
 
Análise Demográfica de Portugal
Análise Demográfica de PortugalAnálise Demográfica de Portugal
Análise Demográfica de Portugal
 
Números de Portugal
Números de PortugalNúmeros de Portugal
Números de Portugal
 
GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
 
Evoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugalEvoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugal
 
Desequilíbrios regionais
Desequilíbrios regionaisDesequilíbrios regionais
Desequilíbrios regionais
 
Testes geografia a
Testes geografia aTestes geografia a
Testes geografia a
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
 
A sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisA sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionais
 
Economia de portugal na atualidade
Economia de portugal na atualidadeEconomia de portugal na atualidade
Economia de portugal na atualidade
 
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População PortuguesaFicha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesa
 
As estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosAs estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficos
 
Desequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-CoimbraDesequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-Coimbra
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
 
Desequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicasDesequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicas
 
MigraçõEs Causadas Pelas AlteraçõEs ClimáTicas
MigraçõEs Causadas Pelas AlteraçõEs ClimáTicasMigraçõEs Causadas Pelas AlteraçõEs ClimáTicas
MigraçõEs Causadas Pelas AlteraçõEs ClimáTicas
 
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
 

Destaque

Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturaisEuropa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturaisIdalina Leite
 
Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008Idalina Leite
 
Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
 Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaçoIdalina Leite
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de TransportesIdalina Leite
 
Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1Idalina Leite
 
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Idalina Leite
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Rosária Zamith
 
Economia 11º ano - Fundos Estruturais & Fundos De Coesão
Economia 11º ano - Fundos Estruturais & Fundos De CoesãoEconomia 11º ano - Fundos Estruturais & Fundos De Coesão
Economia 11º ano - Fundos Estruturais & Fundos De CoesãoMulato Dos BD
 
Política regional europeia
Política regional europeiaPolítica regional europeia
Política regional europeiaIdalina Leite
 
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Idalina Leite
 
Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008Idalina Leite
 
População portuguesa_Estatísticas Demográficas
População portuguesa_Estatísticas DemográficasPopulação portuguesa_Estatísticas Demográficas
População portuguesa_Estatísticas DemográficasIdalina Leite
 
Estrutura da população
Estrutura da populaçãoEstrutura da população
Estrutura da populaçãoteixeira142
 
Planeamento, planos e PDM´s
Planeamento, planos e PDM´sPlaneamento, planos e PDM´s
Planeamento, planos e PDM´sIdalina Leite
 
Organização interna das cidades
Organização interna das cidadesOrganização interna das cidades
Organização interna das cidadesIdalina Leite
 
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVD
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVDContrastes de desenvolvimento: PD e PVD
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVDIdalina Leite
 

Destaque (20)

Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturaisEuropa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
 
Geo imagens 1
Geo imagens 1Geo imagens 1
Geo imagens 1
 
Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008
 
Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
 Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
 
Rte t2014.20
Rte t2014.20Rte t2014.20
Rte t2014.20
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
 
Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1
 
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
 
Economia 11º ano - Fundos Estruturais & Fundos De Coesão
Economia 11º ano - Fundos Estruturais & Fundos De CoesãoEconomia 11º ano - Fundos Estruturais & Fundos De Coesão
Economia 11º ano - Fundos Estruturais & Fundos De Coesão
 
Política regional europeia
Política regional europeiaPolítica regional europeia
Política regional europeia
 
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
 
Leader+
Leader+Leader+
Leader+
 
Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008
 
População portuguesa_Estatísticas Demográficas
População portuguesa_Estatísticas DemográficasPopulação portuguesa_Estatísticas Demográficas
População portuguesa_Estatísticas Demográficas
 
Mobilidade 3
Mobilidade 3Mobilidade 3
Mobilidade 3
 
Estrutura da população
Estrutura da populaçãoEstrutura da população
Estrutura da população
 
Planeamento, planos e PDM´s
Planeamento, planos e PDM´sPlaneamento, planos e PDM´s
Planeamento, planos e PDM´s
 
Organização interna das cidades
Organização interna das cidadesOrganização interna das cidades
Organização interna das cidades
 
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVD
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVDContrastes de desenvolvimento: PD e PVD
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVD
 

Semelhante a Como mudou Portugal em 30 anos de integração europeia

Geografia A - 10º ano (2).pdf
Geografia A - 10º ano (2).pdfGeografia A - 10º ano (2).pdf
Geografia A - 10º ano (2).pdfAida Cunha
 
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periférico
1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periféricoGRAZIA TANTA
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoRaffaella Ergün
 
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdfEscola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)GRAZIA TANTA
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaCatarina Castro
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaAna Pais
 
Concurso pordata2014 aejm_chaves_1703358
Concurso pordata2014 aejm_chaves_1703358Concurso pordata2014 aejm_chaves_1703358
Concurso pordata2014 aejm_chaves_1703358bibliotecasjuliomartins
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentolidia76
 
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...Pedro Tomé
 
Portugal e frança
Portugal e françaPortugal e frança
Portugal e françaTiago Filipe
 
Atualização de dados estatísticos (fevereiro 2016).pptx
Atualização de dados estatísticos (fevereiro 2016).pptxAtualização de dados estatísticos (fevereiro 2016).pptx
Atualização de dados estatísticos (fevereiro 2016).pptxSandraM2013
 
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibéricaCentro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibéricaGRAZIA TANTA
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Idalina Leite
 
10º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v110º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v1beonline5
 
10º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v110º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v1maria goncalves
 

Semelhante a Como mudou Portugal em 30 anos de integração europeia (20)

Geografia A - 10º ano (2).pdf
Geografia A - 10º ano (2).pdfGeografia A - 10º ano (2).pdf
Geografia A - 10º ano (2).pdf
 
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periférico
1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periférico
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
 
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Concurso Pordata 2014 - 11.ºD
Concurso Pordata 2014 - 11.ºDConcurso Pordata 2014 - 11.ºD
Concurso Pordata 2014 - 11.ºD
 
Concurso pordata2014 aejm_chaves_1703358
Concurso pordata2014 aejm_chaves_1703358Concurso pordata2014 aejm_chaves_1703358
Concurso pordata2014 aejm_chaves_1703358
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
 
Relatorio natalidade
Relatorio natalidadeRelatorio natalidade
Relatorio natalidade
 
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
 
Portugal e frança
Portugal e françaPortugal e frança
Portugal e frança
 
Atualização de dados estatísticos (fevereiro 2016).pptx
Atualização de dados estatísticos (fevereiro 2016).pptxAtualização de dados estatísticos (fevereiro 2016).pptx
Atualização de dados estatísticos (fevereiro 2016).pptx
 
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibéricaCentro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
 
10º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v110º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v1
 
10º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v110º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v1
 

Mais de Idalina Leite

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030Idalina Leite
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosIdalina Leite
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaIdalina Leite
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoIdalina Leite
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Idalina Leite
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Idalina Leite
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalIdalina Leite
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Idalina Leite
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºIdalina Leite
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesIdalina Leite
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Idalina Leite
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...Idalina Leite
 
Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017Idalina Leite
 
Agricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOTAgricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOTIdalina Leite
 
Princípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeiaPrincípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeiaIdalina Leite
 
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Idalina Leite
 
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoAgricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoIdalina Leite
 

Mais de Idalina Leite (20)

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
 
Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017
 
Agricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOTAgricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOT
 
Princípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeiaPrincípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeia
 
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
 
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoAgricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
 

Último

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 

Último (20)

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 

Como mudou Portugal em 30 anos de integração europeia

  • 1. Síntese a partir da publicação do
  • 2. De seis países fundadores aos atuais 28 Estados-Membros
  • 3. O que concluímos da publicação do INE? q O essencial da evolução da sociedade portuguesa entre 1986 e a atualidade. q Que, de um modo geral, o país registou melhorias no bem- estar dos cidadãos em áreas como a saúde, a educação e as condições de habitação. q Que se verificaram dois períodos de desenvolvimento económico: q1986 a 2000 – crescimento elevado da economia nacional; queda do Muro de Berlim; unificação alemã; preparação da Moeda única ... q2001 a 2014 – estagnação da economia nacional; estabilização das economias de Leste; integração da República Popular da China na Organização Mundial do Comércio ...
  • 4. O que mudou na demografia do país em 30 anos de integração?
  • 5. Desde a década de 60 do século XX: - Quebra generalizada da natalidade - Forte surto emigratório - Redução real da população - Afluxo de retornados das ex-colónias e regresso de emigrantes europeus A partir de 1986: - Tendência para maior descida da natalidade - Incapacidade de renovação de gerações - Aumento da emigração, mais a temporária do que a definitiva - Aumento significativo da imigração nos anos 90 - Crescimento ligeiro garantido pelos saldos migratórios - Novo surto emigratório - Crescimento demográfico negativo generalizado Em todas as NUTS II registou-se redução de habitantes nos últimos anos
  • 6. Em termos comparativos, o ritmo de crescimento populacional foi mais elevado em Portugal entre 1982 e 1988 e entre 2001 e 2006. Na UE28 e na Zona Euro, o ritmo de crescimento foi sempre positivo e intensificou-se neste século. Pelo contrário, Portugal, desde 2011, perde população.
  • 7. Entre 1993 e 2009 crescemos à custa do contributo dos saldos migratórios positivos Em 1986 e 1992 o crescimento foi ténue; 2010 registou crescimento nulo. 2000 foi o ano de máximo crescimento efetivo: 0,8%
  • 8. O crescimento global denuncia uma forte irregularidade com vários “picos” e quebras acentuadas. 1988, 90, 92 e 99; 2000, 02, 03, 04, 07 e 2013 foram os anos de maior crescimento populacional na União Europeia.
  • 9. Em 1991, a estrutura etária da população portuguesa já indiciava tendência para o envelhecimento: a base da pirâmide estreita cada vez mais com o decorrer dos anos. População residente, segundo o sexo e por idades, 1991 e 2014 “Entre 1991 e 2014 o peso da população com idade até aos 34 anos diminuiu em 13,8 p.p., tendo aumentado em cerca de 6,7 p.p. o peso da população com mais 65 anos de idade. INE
  • 10. De um modo geral, o país acompanha a tendência para uma baixa fertilidade dos seus parceiros europeus. Todavia, nos anos mais recentes a quebra foi mais acentuada: 12 nascimentos por cada 1 000 mulheres em 2014. A Irlanda, pelo peso da religião católica, e a França, devido às medidas pró- natalistas, são os dois Estados-Membros mais natalistas.
  • 11. Desde o ano de adesão, Portugal tem evidenciado uma tendência persistente de diminuição da taxa de fertilidade. Mudanças nos modos de integração urbana, nas condições de integração dos jovens na vida ativa, no estatuto socioeconómico da mulher, impondo novos padrões quanto à idade no casamento e ao nascimento do primeiro filho, são alguns dos motivos justificativos. Dos países considerados e em relação às médias da UE25 e UE28, Portugal é o país que apresenta o valor mais baixo.
  • 12. Espanha, França e Irlanda apresentam valores mais elevados do que o nosso país. A média da UE28 revela valores inferiores consequência das piores condições socioeconómicas dos Estados- Membros oriundos do Leste europeu
  • 13. Tal como com a taxa de fertilidade, o país acompanha as tendências europeias com uma cada vez maior esperança média de vida à nascença A melhoria das condições de vida (alimentação, habitação, higiene) e dos cuidados de saúde (vacinação,atendimento médico, medicina preventiva) explicam a progressão revelada pelo gráfico. Todavia, a média nacional é mais elevada do que a Eslovénia mas inferior à de países como Espanha ou Irlanda, numa tradução do grau de desenvolvimento de cada Estado-Membro.
  • 14. Portugal é o país “campeão” da descida da taxa de mortalidade infantil, um sucesso que assenta nas melhorias verificadas na saúde, nomeadamente, com a implementação do plano nacional de vacinas, na alimentação e na habitação. É um dado estatístico frequentemente utilizado como medida do grau de desenvolvimento de um país/região.
  • 15. Os casos turbulentos ocorridos com os processos de independência nas ex- colónias, o fim do comunismo na Europa Oriental e as dificuldades económicas e sociais no Brasil justificaram a atração exercida por Portugal nos anos 90 e no início do século atual. A aplicação de elevados montantes dos Fundos Estruturais em obras públicas proporcionou ofertas de trabalho, muitas delas, ocupadas por oriundos de África, Leste europeu, Brasil e China.
  • 16. O que mudou na economia e no território em 30 anos de integração?
  • 17. A evolução do PIB nacional iniciou-se, em 1986, com um valor bastante inferior à média do PIB da UE15. Em 2014, a diferença acentuou-se.
  • 18. O Produto Interno Bruto por habitante, medido à paridade do poder de compra, aumentou significativamente em Portugal desde a adesão, verificando-se uma convergência de Portugal face à UE. Partindo de um nível inferior a 7 mil euros por habitante em 1986, Portugal chega a 2014 com um valor de cerca de 21 mil euros por habitante, representando 78% da média da UE28 (72% para a média da UE15 que compara com 58% em 1986). Recentemente, faz- se notar que a relativa estagnação da economia portuguesa pós 2008 por comparação à evolução positiva na UE28 provocou uma tendência de divergência ligeira de Portugal face à UE no indicador em análise.
  • 19. O posicionamento dos países selecionados revela as diferenças de riqueza entre eles e, portanto, o grau de desenvolvimento económico
  • 20. Em 2014, a região de Lisboa era a única a apresentar um nível de rendimento claramente superior à média nacional. Em 2004, a Madeira e o Algarve atingiram, também, um PIB per capita superior à média. Os Açores e o Norte são as NUTS II com mais baixo PIB per capita
  • 21. Apesar de serem estatísticas podemos estabelecer uma relação direta entre baixa produtividade e baixo PIB per capita. Portugal tem que melhorar o seu desempenho económico para criar riqueza e aproximar-se das médias europeias.
  • 22.
  • 23. Menor produtividade e baixa qualificação estão, normalmente, em relação direta. Pelo gráfico, temos progredido na percentagem de estudantes no ensino secundário e superior. Mas, inquestionavelmente, será preciso, apostar muito mais na formação para que possamos criar as qualificações necessárias para o mercado de trabalho. Há um grande desfasamento entre os conteúdos escolares e o que as empresas precisam.
  • 24. No acesso à Internet acompanhámos a tendência europeia mas, sinal do nosso poder de compra e da iliteracia de parte da população, estamos abaixo da própria Eslovénia.
  • 25. É notório o desfasamento do IDH nacional comparativamente com os Estados-Membros selecionados. Depois de anos de um ritmo acelerado (1980-2000) segue-se um tendência de estagnação, tal como nos restantes países.
  • 26. Outra razão para o atraso do país relativamente às médias europeias: gastamos muito menos em investigação e desenvolvimento. A aposta no conhecimento é a via para um território crescer e desenvolver-se. Desde 2009, nos anos da crise financeira, diminuímos o investimento nesta área o que não tem favorecido a sociedade portuguesa.
  • 27. A comparação entre o mapa do território nacional continental e o diagrama de deformação virtual (mapa mais claro), elaborado a partir dos tempos de percurso com origem em Lisboa e com destino nas restantes capitais de distrito, bem como nas principais fronteiras terrestres, leva-nos a concluir que, entre 1986 e 2016, se obteve uma melhoria muito significativa e generalizada da acessibilidade territorial. Com a chegada dos Fundos Comunitários, o Estado criou um conjunto de infraestruturas rodoviárias fundamentais para facilitar, quer a mobilidade interna, quer o acesso à Europa por estrada.
  • 28. Entre 1986 e 2006, os tempos de percurso entre Lisboa e algumas capitais de distrito encurtaram em cerca de metade do tempo, por exemplo, a ligação entre Lisboa e Porto (de 5h13 em 1986 para 2h38 em 2016).
  • 29. A leitura da densidade populacionalpor NUTS II evidencia que, à escala nacional, há contraste entre Lisboa e Norte, as mais densas, e o Alentejo, a mais despovoada,e que, à escala comunitária, o país é bastante periférico. As maiores densidades concentram-se na “Banana Azul”, isto é, onde a economia e as finanças têm melhor desempenho.