SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
1
2
Desde 1960 a população evoluiu de forma irregular refletindo o comportamento das
variáveis de que depende: natalidade, mortalidade (saldo natural), imigração e
emigração (saldo migratório). Desde 2010, houve um decréscimo de cerca de 145
mil pessoas devido a, ambos os saldos, serem negativos: saldo natural de – 47 505
pessoas e saldo migratório de – 97 915 pessoas.
3
De 1941 a 2012, a taxa de crescimento
migratório sofreu grandes oscilações que se
refletiram no crescimento populacional.
À exceção dos períodos entre 1941/50 e
1981/83 nos quais houve predomínio do
crescimento natural, nos restantes anos foi
notória a influência do saldo migratório.
Taxas de crescimento natural, migratório e
efetivo (%), Portugal, 1941 - 2012
4
1960/70: emigração para a Europa e fuga ao serviço militar
(emigração legal e clandestina)
1974/76: imigração de África (Movimento dos Retornados)
(processo de descolonização)
1981/91: novos fluxos de emigração
(incremento da emigração temporária, quebra da emigração
definitiva)
1991/01: aumento da imigração
(queda do Muro de Berlim e colapso da URSS; investimentos
portugueses em infraestruturas: atração de estrangeiros do Leste
Europeu, dos PALOP e do Brasil)
2001/11: redução do saldo migratório de 0,65%, em 2000,
para 0,04% em 2010
(crise económica mundial, europeia e nacional; desemprego;
incremento de emigração definitiva e menor imigração)
2011/12: taxas de crescimento migratório negativas
(permanência da crise económica).
5
6
Como tem evoluído a taxa bruta de natalidade desde 1960?
1960 – 24‰ 2012 - 7,8‰
A um ritmo irregular, verifica-se um decréscimo acentuado
da taxa de natalidade.
Apesar do seu valor ser inferior a 8‰, a tendência parece
apontar para que desça ainda mais.
Fonte – INE e PORDATA
7
Como tem evoluído a taxa bruta de mortalidade e a taxa de
mortalidade infantil desde 1960?
TMI
TBM
1960 – 9,1‰ 2012 - 9 ‰
Ao longo dos últimos 52 anos a taxa bruta de mortalidade
manteve-se estável, com pequenas oscilações.
Já a TMI registou uma evolução excecional, de 77‰ para 3‰
População portuguesa: variação relativa
(1950-2011)
Fonte – Censos da população, INE 8
Causas da variação intercensitária (1960-2011)
1960/1970: -2,6%
 Surto emigratório para os países da Europa Ocidental
em reconstrução
 Mobilização militar para combater os movimentos de
guerrilha nas ex-colónias
 Reforço da emigração clandestina
 Diminuição real ou efetiva da população -2,6%
 Perdas mais acentuadas nos distritos do Interior
 Despovoamento de aldeias do Interior do país
9
Consequências
1970/1981: 13,5%
 Subida acentuada do preço do petróleo
 Revolução dos cravos, 25 de abril de 1974
 Independência das ex-colónias (de África a Timor)
 Crise económica do sistema capitalista
 Regresso de emigrantes da Europa
 Regresso dos militares das ex-colónias
 Movimento dos retornados das ex-colónias
 Aumento acentuado da população efetiva +13,5%
10
1981/1991: 0,34%
 Continuação da tendência decrescente das taxas de
crescimento natural
 Aumento da emigração temporária
 Quebra da emigração definitiva
 Aumento da imigração oriunda, principalmente, de África
(ex-colónias)
 Crescimento real positivo particularmente em distritos
do litoral: Lisboa, Setúbal, Porto, Faro.
 Aumento significativo do saldo migratório (I>E)
 Desaceleração do crescimento efetivo +0,34%
11
1991/2001: 4,95%
 Aumento da imigração, particularmente, dos países do
Leste Europeu (fim dos regimes socialistas, na URSS, desde 1917, e
dos países do Leste Europeu sujeitos ao regime soviético depois de 1945),
do Brasil e das ex-colónias.
 Decréscimo do crescimento natural devido á descida
continuada da taxa de natalidade
 Agravamento da tendência para o envelhecimento da
população
 Acentuação dos contrastes demográficos regionais:
litoral povoado – interior despovoado
 Ligeiro crescimento efetivo +4,95%
12
2001/2011: 1,98%
 Crise económica internacional com reflexos na Zona
Euro
 Decréscimo do número de imigrantes
 Aumento significativo da emigração definitiva
 Saldos naturais negativos
 Saldos migratórios negativos
 Incapacidade de renovação das gerações
 Forte envelhecimento
 Tendência acentuada de perda real da população
absoluta
13
14
2010
2030 2060
2050
Estrutura etária da população
portuguesa, 2010 a 2060
De população adulta em 2010, Portugal
evoluiu no sentido de uma verdadeira
inversão da sua pirâmide etária.
15
Fonte - INE
O que dizem as estatísticas mais recentes
 O número de nados vivos e o de óbitos desceram de 2012 para
2013
 O índice sintético de fecundidade foi de 1,21 filhos (1,28 em
2012)
 O número de emigrantes permanentes (53 786) ultrapassou,
em 2013, o de imigrantes permanentes (17 554).
 Saldos naturais e migratórios negativos contribuem para o
agravamento da tendência de envelhecimento demográfico, da
redução do peso relativo da população jovem e da população
em idade ativa e do aumento da proporção de pessoas idosas.16
2012 2013
Nascimentos 89 841 82 787
Óbitos 107 612 106 543
População 10 487 289 10 427 301
População residente (Nº), Portugal, 2008-2013
17
Entre 2008 e 2010, a população manteve-se praticamente
estável (0,09%).
De 2010 até 2013, a diminuição do número de habitantes é
cada vez mais acentuada (-1,38%).
Variação populacional e suas componentes (Nº),
2008-2013
18
De 2008 a 2010 o saldo migratório compensava o saldo
natural negativo. A partir de 2010, ambos os saldos são
negativos. Portugal perde população!
Nados-vivos (Nº) e Índice sintético de fecundidade
(Nº), Portugal, 2008-2013
19
A incapacidade de renovação das gerações agrava-se de
ano para ano.
Óbitos (Nº) e Taxa de mortalidade (‰), Portugal, 2008-
2013
20
21
Esperança de vida à nascença (anos), Portugal,
2006-2008 a 2011-2013
22
Para além da redução da natalidade, a esperança de vida à
nascença contribui significativamente para o envelhecimento .
Saldo migratório e suas componentes (Nº),
Portugal, 2008-2013
23
Reflexo da crise económica recente, Portugal tornou-se um
país pouco atrativo: a emigração aumentou; a imigração
baixou. Ambas, indiciam uma estagnação em 2012 e 2013.
Estrutura etária da população portuguesa, 2010
24
Estrutura etária da população portuguesa, 2060
25Projeção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
1.1 - A população: evolução e diferenças regionais1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
1.1 - A população: evolução e diferenças regionaisacbaptista
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesacattonia
 
Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1Idalina Leite
 
Politicas Demográficas em Portugal
Politicas Demográficas em PortugalPoliticas Demográficas em Portugal
Politicas Demográficas em PortugalGeografia .
 
MACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionaisMACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionaisJoana Pinto
 
Indústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºseIndústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºsemariajosantos
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasIlda Bicacro
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4Vítor Santos
 
Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoRosária Zamith
 
Estrutura EtáRia Da PopulaçãO
Estrutura EtáRia Da PopulaçãOEstrutura EtáRia Da PopulaçãO
Estrutura EtáRia Da PopulaçãOguest0cc75a5
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalizaçãoIlda Bicacro
 
4 as áreas metropolitanas
4 as áreas metropolitanas4 as áreas metropolitanas
4 as áreas metropolitanasElsa Condeço
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependenteVítor Santos
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoRita Pontes
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoHneves
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentosVítor Santos
 
População Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoPopulação Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoIdalina Leite
 
Modalidades de turismo ter 11 4
Modalidades de turismo ter 11 4Modalidades de turismo ter 11 4
Modalidades de turismo ter 11 4Joao Paulo Curto
 

Mais procurados (20)

1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
1.1 - A população: evolução e diferenças regionais1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
 
10º subsolo
10º subsolo10º subsolo
10º subsolo
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1
 
Politicas Demográficas em Portugal
Politicas Demográficas em PortugalPoliticas Demográficas em Portugal
Politicas Demográficas em Portugal
 
MACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionaisMACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionais
 
Indústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºseIndústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºse
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimento
 
Estrutura EtáRia Da PopulaçãO
Estrutura EtáRia Da PopulaçãOEstrutura EtáRia Da PopulaçãO
Estrutura EtáRia Da PopulaçãO
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
 
4 as áreas metropolitanas
4 as áreas metropolitanas4 as áreas metropolitanas
4 as áreas metropolitanas
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
População Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoPopulação Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evolução
 
Modalidades de turismo ter 11 4
Modalidades de turismo ter 11 4Modalidades de turismo ter 11 4
Modalidades de turismo ter 11 4
 

Semelhante a População portuguesa_Estatísticas Demográficas

1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdfEscola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A PopulapdffbnucjjfvoMódulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvosdpx652fwz
 
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Idalina Leite
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaAna Pais
 
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População PortuguesaFicha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesaabarros
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileiraBruna Azevedo
 
Aljustrel 2014 abril
Aljustrel 2014 abril Aljustrel 2014 abril
Aljustrel 2014 abril DigitEmotions
 
Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011Ilda Bicacro
 
Números de Portugal
Números de PortugalNúmeros de Portugal
Números de PortugalIdalina Leite
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Idalina Leite
 
Evolução da população
Evolução da populaçãoEvolução da população
Evolução da populaçãoelisabarbosa
 
Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008Idalina Leite
 
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularDemografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularArtur Lara
 
12ª classe aula4
12ª classe aula412ª classe aula4
12ª classe aula4Diabzie
 
ae_geo_pt_ppt3.pptx 10 ano os censos e as variaveis demograficas
ae_geo_pt_ppt3.pptx 10 ano os censos e as variaveis demograficasae_geo_pt_ppt3.pptx 10 ano os censos e as variaveis demograficas
ae_geo_pt_ppt3.pptx 10 ano os censos e as variaveis demograficasFrancisco636144
 
Evolução da população mundial
Evolução da população mundialEvolução da população mundial
Evolução da população mundialANAMSIGOT
 

Semelhante a População portuguesa_Estatísticas Demográficas (20)

1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
 
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A PopulapdffbnucjjfvoMódulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
 
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População PortuguesaFicha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesa
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Aljustrel 2014 abril
Aljustrel 2014 abril Aljustrel 2014 abril
Aljustrel 2014 abril
 
Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011
 
Números de Portugal
Números de PortugalNúmeros de Portugal
Números de Portugal
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
 
Evolução da população
Evolução da populaçãoEvolução da população
Evolução da população
 
Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008
 
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularDemografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
 
12ª classe aula4
12ª classe aula412ª classe aula4
12ª classe aula4
 
ae_geo_pt_ppt3.pptx 10 ano os censos e as variaveis demograficas
ae_geo_pt_ppt3.pptx 10 ano os censos e as variaveis demograficasae_geo_pt_ppt3.pptx 10 ano os censos e as variaveis demograficas
ae_geo_pt_ppt3.pptx 10 ano os censos e as variaveis demograficas
 
Portugal 2016
Portugal 2016Portugal 2016
Portugal 2016
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Evolução da população mundial
Evolução da população mundialEvolução da população mundial
Evolução da população mundial
 

Mais de Idalina Leite

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030Idalina Leite
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosIdalina Leite
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaIdalina Leite
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoIdalina Leite
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Idalina Leite
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Idalina Leite
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalIdalina Leite
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017Idalina Leite
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Idalina Leite
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºIdalina Leite
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesIdalina Leite
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)Idalina Leite
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Idalina Leite
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Idalina Leite
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...Idalina Leite
 
Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017Idalina Leite
 

Mais de Idalina Leite (20)

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
 
POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
 
Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017
 

Último

Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 

Último (20)

Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 

População portuguesa_Estatísticas Demográficas

  • 1. 1
  • 2. 2 Desde 1960 a população evoluiu de forma irregular refletindo o comportamento das variáveis de que depende: natalidade, mortalidade (saldo natural), imigração e emigração (saldo migratório). Desde 2010, houve um decréscimo de cerca de 145 mil pessoas devido a, ambos os saldos, serem negativos: saldo natural de – 47 505 pessoas e saldo migratório de – 97 915 pessoas.
  • 3. 3 De 1941 a 2012, a taxa de crescimento migratório sofreu grandes oscilações que se refletiram no crescimento populacional. À exceção dos períodos entre 1941/50 e 1981/83 nos quais houve predomínio do crescimento natural, nos restantes anos foi notória a influência do saldo migratório. Taxas de crescimento natural, migratório e efetivo (%), Portugal, 1941 - 2012
  • 4. 4 1960/70: emigração para a Europa e fuga ao serviço militar (emigração legal e clandestina) 1974/76: imigração de África (Movimento dos Retornados) (processo de descolonização) 1981/91: novos fluxos de emigração (incremento da emigração temporária, quebra da emigração definitiva) 1991/01: aumento da imigração (queda do Muro de Berlim e colapso da URSS; investimentos portugueses em infraestruturas: atração de estrangeiros do Leste Europeu, dos PALOP e do Brasil) 2001/11: redução do saldo migratório de 0,65%, em 2000, para 0,04% em 2010 (crise económica mundial, europeia e nacional; desemprego; incremento de emigração definitiva e menor imigração) 2011/12: taxas de crescimento migratório negativas (permanência da crise económica).
  • 5. 5
  • 6. 6 Como tem evoluído a taxa bruta de natalidade desde 1960? 1960 – 24‰ 2012 - 7,8‰ A um ritmo irregular, verifica-se um decréscimo acentuado da taxa de natalidade. Apesar do seu valor ser inferior a 8‰, a tendência parece apontar para que desça ainda mais. Fonte – INE e PORDATA
  • 7. 7 Como tem evoluído a taxa bruta de mortalidade e a taxa de mortalidade infantil desde 1960? TMI TBM 1960 – 9,1‰ 2012 - 9 ‰ Ao longo dos últimos 52 anos a taxa bruta de mortalidade manteve-se estável, com pequenas oscilações. Já a TMI registou uma evolução excecional, de 77‰ para 3‰
  • 8. População portuguesa: variação relativa (1950-2011) Fonte – Censos da população, INE 8
  • 9. Causas da variação intercensitária (1960-2011) 1960/1970: -2,6%  Surto emigratório para os países da Europa Ocidental em reconstrução  Mobilização militar para combater os movimentos de guerrilha nas ex-colónias  Reforço da emigração clandestina  Diminuição real ou efetiva da população -2,6%  Perdas mais acentuadas nos distritos do Interior  Despovoamento de aldeias do Interior do país 9 Consequências
  • 10. 1970/1981: 13,5%  Subida acentuada do preço do petróleo  Revolução dos cravos, 25 de abril de 1974  Independência das ex-colónias (de África a Timor)  Crise económica do sistema capitalista  Regresso de emigrantes da Europa  Regresso dos militares das ex-colónias  Movimento dos retornados das ex-colónias  Aumento acentuado da população efetiva +13,5% 10
  • 11. 1981/1991: 0,34%  Continuação da tendência decrescente das taxas de crescimento natural  Aumento da emigração temporária  Quebra da emigração definitiva  Aumento da imigração oriunda, principalmente, de África (ex-colónias)  Crescimento real positivo particularmente em distritos do litoral: Lisboa, Setúbal, Porto, Faro.  Aumento significativo do saldo migratório (I>E)  Desaceleração do crescimento efetivo +0,34% 11
  • 12. 1991/2001: 4,95%  Aumento da imigração, particularmente, dos países do Leste Europeu (fim dos regimes socialistas, na URSS, desde 1917, e dos países do Leste Europeu sujeitos ao regime soviético depois de 1945), do Brasil e das ex-colónias.  Decréscimo do crescimento natural devido á descida continuada da taxa de natalidade  Agravamento da tendência para o envelhecimento da população  Acentuação dos contrastes demográficos regionais: litoral povoado – interior despovoado  Ligeiro crescimento efetivo +4,95% 12
  • 13. 2001/2011: 1,98%  Crise económica internacional com reflexos na Zona Euro  Decréscimo do número de imigrantes  Aumento significativo da emigração definitiva  Saldos naturais negativos  Saldos migratórios negativos  Incapacidade de renovação das gerações  Forte envelhecimento  Tendência acentuada de perda real da população absoluta 13
  • 14. 14 2010 2030 2060 2050 Estrutura etária da população portuguesa, 2010 a 2060 De população adulta em 2010, Portugal evoluiu no sentido de uma verdadeira inversão da sua pirâmide etária.
  • 16. O que dizem as estatísticas mais recentes  O número de nados vivos e o de óbitos desceram de 2012 para 2013  O índice sintético de fecundidade foi de 1,21 filhos (1,28 em 2012)  O número de emigrantes permanentes (53 786) ultrapassou, em 2013, o de imigrantes permanentes (17 554).  Saldos naturais e migratórios negativos contribuem para o agravamento da tendência de envelhecimento demográfico, da redução do peso relativo da população jovem e da população em idade ativa e do aumento da proporção de pessoas idosas.16 2012 2013 Nascimentos 89 841 82 787 Óbitos 107 612 106 543 População 10 487 289 10 427 301
  • 17. População residente (Nº), Portugal, 2008-2013 17 Entre 2008 e 2010, a população manteve-se praticamente estável (0,09%). De 2010 até 2013, a diminuição do número de habitantes é cada vez mais acentuada (-1,38%).
  • 18. Variação populacional e suas componentes (Nº), 2008-2013 18 De 2008 a 2010 o saldo migratório compensava o saldo natural negativo. A partir de 2010, ambos os saldos são negativos. Portugal perde população!
  • 19. Nados-vivos (Nº) e Índice sintético de fecundidade (Nº), Portugal, 2008-2013 19 A incapacidade de renovação das gerações agrava-se de ano para ano.
  • 20. Óbitos (Nº) e Taxa de mortalidade (‰), Portugal, 2008- 2013 20
  • 21. 21
  • 22. Esperança de vida à nascença (anos), Portugal, 2006-2008 a 2011-2013 22 Para além da redução da natalidade, a esperança de vida à nascença contribui significativamente para o envelhecimento .
  • 23. Saldo migratório e suas componentes (Nº), Portugal, 2008-2013 23 Reflexo da crise económica recente, Portugal tornou-se um país pouco atrativo: a emigração aumentou; a imigração baixou. Ambas, indiciam uma estagnação em 2012 e 2013.
  • 24. Estrutura etária da população portuguesa, 2010 24
  • 25. Estrutura etária da população portuguesa, 2060 25Projeção