SlideShare uma empresa Scribd logo
Crescimento económico relaciona-se com a quantidade de
bens produzidos.
Desenvolvimento inclui a economia e elementos
qualitativos da vida humana, como o acesso da população e
social equilibrado.
O Instituto Nacional de Estatística em Portugal recolhe
dados estatísticos, estes dados organizados por assuntos
constituem os indicadores com os quais se pode medir o
grau de desenvolvimento dos países ou das regiões.
Os indicadores compostos são muito utilizados em
estudos comparativos de desenvolvimento entre os países e
regiões do Mundo.
Representação de um mesmo fenómeno (PIB) no período 1960-
2002
A população ativa inclui todas as pessoas que se
encontram na situação de empregadas. São consideradas
empregadas todas as pessoas que desempenham qualquer
função remunerada ou que apesar de terem emprego estão
ausentes por motivos de doença, greve ou férias.
No arquipélago da Madeira, o setor terciário predomina
igualmente devido à importância das atividades turísticas.
Estrutura da população empregada nos diversos
setores de atividade por NUT II, em 2004
0
1000
2000
3000
4000
5000
6000
1ºT-2012 2ºT-2012
População Ativa e Empregada
População Ativa
Homens
Mulheres
Sistema urbano – Centralidades de
comércio e serviços
Distribuição da população empregada por
setores de atividade, em Portugal, por NUT
II, em 2004
A atividade económica nacional é sustentada por uma
elevada predominância de pequenas e médias empresas,
estas, referem-se a empresas com sedes em Portugal,
constituídas sob a forma da sociedade, e com pelo menos
uma pessoa ao serviço.
Tecido empresarial por
concelho, em 2004
O melhor desenvolvimento assenta numa economia
dinâmica e igualmente equilibrada da riqueza, esta, é
distribuída em serviços variados e reflecte-se no nível de
vida da população.
Um adequado desenvolvimento implica a diminuição das
desigualdades de acesso aos serviços e entre regiões.
Níveis de vida e consumo Consumo de energia eléctrica por NUT III
em Portugal Continental, em 2003
O nível de vida da população é medido pelos níveis de
rendimento e de consumo. Apenas alguns concelhos do
Litoral Norte, Centro e Sul têm níveis de rendimento e
consumo razoáveis ou altos, o que se justifica pela
existência de empregados mais bem renumerados.
A qualidade de vida e bem-estar incluem diversos
componentes que tornam a vida melhor. Apesar do espaço
rural apresentar melhores condições ambientais naturais, o
espaço urbano oferecem melhor qualidade de vida. É nestes
locais que existem numerosos serviços públicos,
nomeadamente a educação, lazer, saúde e cultura.
Centralidades e áreas de influência, a partir
dos fluxos entre a residências dos utentes e
o hospital que oferece serviços mais
especializados
Qualidade de vida e bem-estar por concelho, em
2004
Densidade demográfica,
densidade populacional ou
população relativa é a
medida expressa pela
relação entre a população e
a superfície do território, É
geralmente expressa em
habitantes por quilómetro
quadrado. Nos arquipélagos,
a densidade populacional
apresenta valores elevados
devido ao maior
crescimento populacional e
à reduzida área das ilhas.
Densidade populacional por concelho,
em 2001
População urbana, taxa de
urbanização por concelho, em
2001
A taxa de mortalidade é um
dado demográfico do número de óbitos
registados, em média por mil habitantes, numa
dada região num período de tempo.
Pode ser vista como um forte indicador social,
porque quanto pior for as condições de vida, a
taxa de mortalidade aumenta e diminui a
A natalidade tem diminuindo desde o séc.
XX. A grande emigração externa dos
portugueses em busca dos empregos mais bem
pagos na Europa e a recusa dos jovens em
participar na guerra colonial são umas das
razões da diminuição da natalidade.
1981
2012
0.00
2.00
4.00
6.00
8.00
10.00
12.00
14.00
16.00
18.00
20.00
%
Nascimento
Taxa de Natalidade
O valor do crescimento natural nacional é negativo ou
próximo do 0, em zonas do interior.
O valor do crescimento efetivo é muito elevado em toda
a faixa litoral, o que leva a uma maior atração de
emigrantes estrangeiros.
Distribuição geográfica da taxa de crescimento
natural por NUT II, em 2004
Distribuição geográfica da taxa de
crescimento efetivo por NUT II, em
2004
 Físicos: Instalações; Zonas Industriais; Auto-estradas; Meios de
Transportes.
 Humanos: Pessoal Especializado; Trabalhadores.
Níveis de acessibilidade e contrastes territórios resultantes
da implantação não homogénea das redes de transportes
Conjunto de Desequilíbrios de desenvolvimento entre as
regiões nacionais em que a faixa litoral concentra a maior
parte:
- da população;
- da atividade económica;
- do maior rendimento e melhor qualidade de vida;
- das acessibilidades (diversidade dos meios de transporte).
Exemplo de Causa-Efeito: A falta de infraestruturas no
interior, como escolas superiores, serviços de saúde e de
mão de obra qualificada, torna difícil a atração das
empresas.
A diversidade de espaços em Portugal Continental – Concelhos
profundamente rurais, agroindustriais, não agrícolas e urbanos
Distribuição dos fundos do
QCA-I, 1993-1999, no setor
dos transportes e do
ambiente
A evolução do índice de
desenvolvimento humano
em Portugal: 1970, 1981 e
2001
Os países que fazem parte da União Europeia beneficiam
de ajudas financeiras para a redução das desigualdades de
desenvolvimento.
Essas ajudas financeiras servem para diminuir as
diferenças entre os Estados-membros, e entre as regiões
dentro de cada país, sendo canalizadas prioritariamente
para quem delas mais necessita.
 Melhoria das redes de transporte e comunicações;
 Aumento da população das cidades do interior;
 Melhoria das condições de vida da população;
 Incentivo à natalidade;
 Descentralização do poder;
 Construção de escolas superiores e universidades;
 Potencializar os recursos locais.
Apoios da União Europeia
FSE  Educação, qualificação e
formação profissional
FEDER  Vários fins como a construção de vias
de comunicação, modernização dos portos e da
industria, construção e equipamento de
instalações escolares, recuperação do património
FEOGA  Modernização da agricultura
IFOP  Setor da pesca
BEI  Financia projetos a juro baixo e a longo
prazo, desde que sejam cumpridas as normas de
preservação ambiental
Desequilíbrios regionais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoResumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoLia Treacy
 
Areas urbanas
Areas urbanasAreas urbanas
Areas urbanasmanjosp
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteIlda Bicacro
 
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano713773
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesIdalina Leite
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasRaffaella Ergün
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Rosária Zamith
 
Identidade regional
Identidade regionalIdentidade regional
Identidade regionalcattonia
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaIlda Bicacro
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano713773
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoHneves
 
áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionaisPocarolas
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...713773
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansãoIdalina Leite
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaAntónio Aragão
 

Mais procurados (20)

Resumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoResumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodo
 
FunçõEs Urbanas
FunçõEs UrbanasFunçõEs Urbanas
FunçõEs Urbanas
 
2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais
 
Areas urbanas
Areas urbanasAreas urbanas
Areas urbanas
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
 
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
 
Identidade regional
Identidade regionalIdentidade regional
Identidade regional
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionais
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 

Semelhante a Desequilíbrios regionais

As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).pptAs estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).pptIlda Bicacro
 
Desequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-CoimbraDesequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-CoimbraJoana Aguamel
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017Idalina Leite
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Idalina Leite
 
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.Conceição Fontolan
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaIdalina Leite
 
Resumo 11º-ano-geografia-a
Resumo 11º-ano-geografia-aResumo 11º-ano-geografia-a
Resumo 11º-ano-geografia-aESJEA
 
Desequilibrios regionais
Desequilibrios regionaisDesequilibrios regionais
Desequilibrios regionaisKaryn XP
 
Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011Ilda Bicacro
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaCatarina Castro
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaAna Pais
 
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A PopulapdffbnucjjfvoMódulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvosdpx652fwz
 
Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxcattonia
 
280896673-FT-AI-4-1-Identidade-Reginal.pdf
280896673-FT-AI-4-1-Identidade-Reginal.pdf280896673-FT-AI-4-1-Identidade-Reginal.pdf
280896673-FT-AI-4-1-Identidade-Reginal.pdfMarleneRicardo2
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Idalina Leite
 
Estrutura da população ativa portuguesa
Estrutura da população ativa portuguesaEstrutura da população ativa portuguesa
Estrutura da população ativa portuguesaFILIPEBatista33
 

Semelhante a Desequilíbrios regionais (20)

As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).pptAs estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
 
Desequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-CoimbraDesequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-Coimbra
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
 
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
 
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
 
Resumo 11º-ano-geografia-a
Resumo 11º-ano-geografia-aResumo 11º-ano-geografia-a
Resumo 11º-ano-geografia-a
 
Desequilibrios regionais
Desequilibrios regionaisDesequilibrios regionais
Desequilibrios regionais
 
Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A PopulapdffbnucjjfvoMódulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
 
Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
 
As desigualdades Mundiais.pptx
As desigualdades Mundiais.pptxAs desigualdades Mundiais.pptx
As desigualdades Mundiais.pptx
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
280896673-FT-AI-4-1-Identidade-Reginal.pdf
280896673-FT-AI-4-1-Identidade-Reginal.pdf280896673-FT-AI-4-1-Identidade-Reginal.pdf
280896673-FT-AI-4-1-Identidade-Reginal.pdf
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
 
Estrutura da população ativa portuguesa
Estrutura da população ativa portuguesaEstrutura da população ativa portuguesa
Estrutura da população ativa portuguesa
 

Mais de Ana Helena

Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteAna Helena
 
Luís de camões
Luís de camõesLuís de camões
Luís de camõesAna Helena
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luarAna Helena
 
Sedimentação power point
Sedimentação power  pointSedimentação power  point
Sedimentação power pointAna Helena
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidosAna Helena
 
Consumers rights
Consumers rightsConsumers rights
Consumers rightsAna Helena
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência domésticaAna Helena
 

Mais de Ana Helena (10)

Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e Ambiente
 
Luís de camões
Luís de camõesLuís de camões
Luís de camões
 
A mensagem
A mensagemA mensagem
A mensagem
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
 
Sedimentação power point
Sedimentação power  pointSedimentação power  point
Sedimentação power point
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Glícidos
GlícidosGlícidos
Glícidos
 
áCido nucleico
áCido nucleicoáCido nucleico
áCido nucleico
 
Consumers rights
Consumers rightsConsumers rights
Consumers rights
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
 

Desequilíbrios regionais

  • 1.
  • 2. Crescimento económico relaciona-se com a quantidade de bens produzidos. Desenvolvimento inclui a economia e elementos qualitativos da vida humana, como o acesso da população e social equilibrado.
  • 3. O Instituto Nacional de Estatística em Portugal recolhe dados estatísticos, estes dados organizados por assuntos constituem os indicadores com os quais se pode medir o grau de desenvolvimento dos países ou das regiões. Os indicadores compostos são muito utilizados em estudos comparativos de desenvolvimento entre os países e regiões do Mundo.
  • 4. Representação de um mesmo fenómeno (PIB) no período 1960- 2002
  • 5.
  • 6. A população ativa inclui todas as pessoas que se encontram na situação de empregadas. São consideradas empregadas todas as pessoas que desempenham qualquer função remunerada ou que apesar de terem emprego estão ausentes por motivos de doença, greve ou férias. No arquipélago da Madeira, o setor terciário predomina igualmente devido à importância das atividades turísticas.
  • 7. Estrutura da população empregada nos diversos setores de atividade por NUT II, em 2004 0 1000 2000 3000 4000 5000 6000 1ºT-2012 2ºT-2012 População Ativa e Empregada População Ativa Homens Mulheres
  • 8. Sistema urbano – Centralidades de comércio e serviços Distribuição da população empregada por setores de atividade, em Portugal, por NUT II, em 2004
  • 9. A atividade económica nacional é sustentada por uma elevada predominância de pequenas e médias empresas, estas, referem-se a empresas com sedes em Portugal, constituídas sob a forma da sociedade, e com pelo menos uma pessoa ao serviço.
  • 11. O melhor desenvolvimento assenta numa economia dinâmica e igualmente equilibrada da riqueza, esta, é distribuída em serviços variados e reflecte-se no nível de vida da população. Um adequado desenvolvimento implica a diminuição das desigualdades de acesso aos serviços e entre regiões.
  • 12. Níveis de vida e consumo Consumo de energia eléctrica por NUT III em Portugal Continental, em 2003
  • 13. O nível de vida da população é medido pelos níveis de rendimento e de consumo. Apenas alguns concelhos do Litoral Norte, Centro e Sul têm níveis de rendimento e consumo razoáveis ou altos, o que se justifica pela existência de empregados mais bem renumerados.
  • 14. A qualidade de vida e bem-estar incluem diversos componentes que tornam a vida melhor. Apesar do espaço rural apresentar melhores condições ambientais naturais, o espaço urbano oferecem melhor qualidade de vida. É nestes locais que existem numerosos serviços públicos, nomeadamente a educação, lazer, saúde e cultura.
  • 15. Centralidades e áreas de influência, a partir dos fluxos entre a residências dos utentes e o hospital que oferece serviços mais especializados Qualidade de vida e bem-estar por concelho, em 2004
  • 16. Densidade demográfica, densidade populacional ou população relativa é a medida expressa pela relação entre a população e a superfície do território, É geralmente expressa em habitantes por quilómetro quadrado. Nos arquipélagos, a densidade populacional apresenta valores elevados devido ao maior crescimento populacional e à reduzida área das ilhas. Densidade populacional por concelho, em 2001 População urbana, taxa de urbanização por concelho, em 2001
  • 17. A taxa de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos registados, em média por mil habitantes, numa dada região num período de tempo. Pode ser vista como um forte indicador social, porque quanto pior for as condições de vida, a taxa de mortalidade aumenta e diminui a A natalidade tem diminuindo desde o séc. XX. A grande emigração externa dos portugueses em busca dos empregos mais bem pagos na Europa e a recusa dos jovens em participar na guerra colonial são umas das razões da diminuição da natalidade.
  • 19.
  • 20. O valor do crescimento natural nacional é negativo ou próximo do 0, em zonas do interior. O valor do crescimento efetivo é muito elevado em toda a faixa litoral, o que leva a uma maior atração de emigrantes estrangeiros.
  • 21. Distribuição geográfica da taxa de crescimento natural por NUT II, em 2004 Distribuição geográfica da taxa de crescimento efetivo por NUT II, em 2004
  • 22.  Físicos: Instalações; Zonas Industriais; Auto-estradas; Meios de Transportes.  Humanos: Pessoal Especializado; Trabalhadores.
  • 23. Níveis de acessibilidade e contrastes territórios resultantes da implantação não homogénea das redes de transportes
  • 24. Conjunto de Desequilíbrios de desenvolvimento entre as regiões nacionais em que a faixa litoral concentra a maior parte: - da população; - da atividade económica; - do maior rendimento e melhor qualidade de vida; - das acessibilidades (diversidade dos meios de transporte). Exemplo de Causa-Efeito: A falta de infraestruturas no interior, como escolas superiores, serviços de saúde e de mão de obra qualificada, torna difícil a atração das empresas.
  • 25. A diversidade de espaços em Portugal Continental – Concelhos profundamente rurais, agroindustriais, não agrícolas e urbanos
  • 26. Distribuição dos fundos do QCA-I, 1993-1999, no setor dos transportes e do ambiente A evolução do índice de desenvolvimento humano em Portugal: 1970, 1981 e 2001
  • 27. Os países que fazem parte da União Europeia beneficiam de ajudas financeiras para a redução das desigualdades de desenvolvimento. Essas ajudas financeiras servem para diminuir as diferenças entre os Estados-membros, e entre as regiões dentro de cada país, sendo canalizadas prioritariamente para quem delas mais necessita.
  • 28.  Melhoria das redes de transporte e comunicações;  Aumento da população das cidades do interior;  Melhoria das condições de vida da população;  Incentivo à natalidade;  Descentralização do poder;  Construção de escolas superiores e universidades;  Potencializar os recursos locais.
  • 29.
  • 30. Apoios da União Europeia FSE  Educação, qualificação e formação profissional FEDER  Vários fins como a construção de vias de comunicação, modernização dos portos e da industria, construção e equipamento de instalações escolares, recuperação do património FEOGA  Modernização da agricultura IFOP  Setor da pesca BEI  Financia projetos a juro baixo e a longo prazo, desde que sejam cumpridas as normas de preservação ambiental