SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 59
Enfermagem em Terapia Intensiva
Neonato-Pediátrica
Profª. Regiane Ribeiro
Estrutura e Organização da UTI
Neonatal e Pediátrica
• O pediatra plantonista do Centro Obstétrico
chega a Unidade de Terapia Intensiva
Neonatal e solicita a enfermeira e o médico de
plantão um leito para um recém-nascido de
28 semanas de gestação. A enfermeira
comunica a sua equipe, que prepara o leito
para o neonato que nascerá dentro de alguns
minutos.
• Uma criança de 6 anos encontra-se no bloco
cirúrgico inserindo um cateter de PIC, após
sofrer um traumatismo craniano
desencadeado por um atropelamento. A
enfermeira do bloco cirúrgico entra em
contato com a enfermeira da UTI pediátrica
para solicitar um leito. Após a liberação do
leito, a equipe de enfermagem prepara –o
para receber essa criança.
UTI
Unidade de Terapia Intensiva
• Admite pacientes críticos
• Sistema de monitorização contínua
• Recursos humanos e materiais especializados
• Suporte e tratamento intensivos
• Instabilidade hemodinâmica ou das funções vitais
• Alto risco de mortalidade ou com a necessidade de
vigilância clínica
• Podem ocasionar morte ou gerar sequelas
• Possibilidade de se recuperar
Classificação das UTI
RESOLUÇÃO-RDC Nº 7, DE 24 DE FEVEREIRO
DE 2010
• Neonatal: 0 a 28 dias (Período Neonatal)
• Pediátrico: 29 dias a 14 (18 anos de acordo com
as rotinas hospitalares internas)
• Infantil ou Pediátrica Mista: neonatal e pediátrica
UTI Neonatal
• Recém-nascido grave
• Recém-nascido com malformação
• Recém-nascido muitíssimo baixo peso
UTI Pediátrica
Admite-se pacientes a partir de 29 dias até 18
anos (de acordo com as normas da
instituição).
• Insuficiência respiratória aguda
• Choque
• Trauma
• Infecções
Estrutura e Organização
• Atender essa população altamente susceptível
a riscos.
• Recém-nascidos que influenciam nos elevados
índices de morbidade e mortalidade na
infância.
Planejamento da Área
- Admissão de pacientes
- Fluxo de visitantes e funcionários
- Instalações das área de apoio (Ex: postinho de
enfermagem, expurgo, recepção, sala de
reuniões, etc.).
• Proporcionar condições de internação de
pacientes graves;
• Permitir a assistência médica e de enfermagem;
• Prestar apoio diagnóstico durante 24h;
• Manter monitoramento e assistência respiratória
24h;
• Prestar assistência nutricional;
• Manter pacientes com morte encefálica em
condições viáveis para doação de órgãos.
Localização
• Acesso controlado, sem trânsito para outros
departamentos;
• Localização permitindo acesso direto e estar
próximo aos recursos de apoio diagnóstico e
terapêutico.
Número de Leitos
• 10% dos leitos para UTI
• Desse 10% dos leitos, calcula-se a quantidade
de leitos pediátricos.
Unidade Neonatal (Berçário)
• Local com recursos humanos, físicos e
materiais destinados a prestar cuidados ao
recém-nascido e sua família.
• O berçário é o local destinado ao neonato
com o objetivo de proporcionar melhores
condições de adaptação à vida extra-uterina.
Leitos da UTI Neonatal
• Número de partos anuais;
• Número de leitos obstétricos;
• Estimativa de nascidos vivos de uma região ou hospital;
• Média de permanência hospitalar;
• Taxa de mortalidade neonatal;
• Índice de prematuridade;
• 10% dos leitos da maternidade;
• 1 leito de UTI para 6 de cuidados intermediários.
Localização
• Próximo ao Centro Obstétrico ou Bloco
Cirúrgico;
• Próximo a Unidade de Puerpério
(Maternidade);
• Distante do Pronto-Socorro, UTI, ou setores
que atendam pacientes com doenças
transmissíveis ou apresentem processos
sépticos.
Divisão
• Sala de Admissão
• Setor de Cuidados Intermediários e Cuidados
Especiais
• Unidade de Terapia Intensiva (UTI)
Alojamento Conjunto
• É o conceito aplicado ao local em que o
recém-nascido permanece com a mãe desde o
nascimento até a alta.
• Cuidados ao binômio mãe-filho
• Educação em saúde à mãe
Neonatal
• Taxa de ocupação 85%
• Área mínima de 5m² por leito;
• Distância de 2,0m entre as incubadoras
Recursos Humanos
• Intermediária Neonatal ou Pediátrica:
- Diarista 1/15 leitos
- Plantonista: 1/15 leitos
- Enfermeiro Coordenador
- Enfermeira: 1/15 leitos
- Auxiliar de enfermagem: 1/4 leitos
UTI Neonatal / Pediátrica / Infantil
• Pediatras com formação em UTI Neonatal e
Pediátrica:
a)- Diarista (4h/dia): 1/10 leitos;
b)- Plantonistas (24/h): 1/10 leitos;
• Enfermagem com formação em UTI Neonatal
e Pediátrica:
a)-Enfermeiro Coordenador;
b)-Enfermeira (24h/dia): 1/8 leitos;
c)-Técnico (24/dia): 1/1 a 2 leitos;
d)-Técnico (24/dia): apoio assistencial na
unidade.
Fisioterapia:
1/10 leitos em todos os turnos
Equipe Multidisciplinar:
• Fonoaudióloga
• Terapeuta Ocupacional
• Fisioterapeuta
- UTI e Infantil: 1/10 leitos (manhã, tarde e noite)
- Intermediária: 1/15 leitos (manhã e tarde)
• Nutricionista
• Cirurgião Pediatra
Ruídos
• Sobre carga de ruídos nas UTIs;
• Nos recém-nascido os altos níveis de ruídos
pode ser causa de perda auditiva
sensorioneural.
• Ruído não deverá exceder a 75 db.
Ventilação
• Ar-condicionado
Troca de ar:
• Mínimo 6/hora;
• 2 dessas trocas devem ser com o ar externo;
Temperatura
• Temperatura ambiente: 24 a 26ºC
• Umidade relativa: 40% a 60%
Posto de Enfermagem
• Confortável;
• Proporcionar a visualização de todos os leitos;
• Permitir a realização de todas a funções de
trabalho
Outros
• Expurgo
• Sala de Material limpo
• Sala de serviços gerais
• Sala de procedimentos especiais
• Armazenamento de equipamentos: equipamentos
operados a bateria devem estar conectados 24h
• Laboratório: 24h
• Sala de reuniões
• Áreas destinadas a funcionários
• Conforto Médico
• Sala de Estudos
• Recepção da UTI
• Sala de espera de visitantes
• Secretaria Administrativa
• Banheiros para pacientes
• Copa de pacientes
• Sala de Amamentação
Utilidades
• Energia Elétrica
• Iluminação
• Abastecimento de água
• Sistema de Gases e vácuo
- 02 saídas de O2, vácuo, ar comprimido
- 12 a 16 saídas elétricas
- 01 saída elétrica para raio X
Lei 7498/86
• Os cuidados diretos a pacientes graves com
risco de vida, bem como cuidados de
enfermagem de maior complexidade técnica,
e que exijam conhecimentos científicos, são
atribuições privativas do profissional
enfermeiro.
Perfil do Enfermeiro
• Capacidade de reconhecer e
compreender as necessidades da criança
e da sua família.
• Conhecimentos e iniciativa para atuar
em situações de emergência.
• Alto senso de observação,
discernimento e raciocínio objetivo.
• Capacidade de lidar com sobrecarga
emocional.
“Essas características são essenciais para
liderar um grupo que deve estar bem
treinado, apto a atender o paciente e a
manejar os equipamentos com segurança.”
Recursos Diagnóstico e Terapêutico
• Glicemia
• Gasometria
• ECG
• Laboratório
• Radiologia
• Farmácia
• Banco de Sangue
• Setor de Nutrição
• Ecografia
• Tomografia
• EEG
• Endoscopia
• Cintilografia
UTI Neonatal e Pediátrica
• Incubadora/ Berço Aquecido – 5m² por leito
• Leito– 12m²por leito
• Fototerapia
• Umidificador aquecido
• Ventilador e circuito neonatal/ pediátrico
• Capacete (hood)
• Balão com reservatório e máscara
• Bomba de Infusão
• CPAP
• Umidificador, fluxômetro, máscara de
nebulização, conexão
• Monitor Cardíaco + Oxímetro de Pulso + PA
• Aspirador
• Carrinho de Emergência
• Cilindro de O2 e Ar comprimido
• Estetoscópio, otoscópio, negatoscópio
• Foco de Luz
• Geladeira (medicação/ exclusiva para leite
materno)
• Oftalmoscópio
• RX portátil
• http://www.sobrati.com.br/
Referência Bibliográfica
• BARBOSA, A.P.; D’ELIA, C. Condutas de urgência em pediatria. 1 ed. São Paulo: Atheneu,
2006.
• BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 3432/98, de 13 de agosto de 1998. Estabelece
critérios para a classificação das unidades de tratamento intensivo. Brasília, 1998.
• BRASIL. Anvisa. RDC 7, de 24 de fevereiro de 2010. Requisitos mínimos para o funcionamento
da Unidade de Terapia Intensiva. Brasília, 2010.
• CARVALHO, W.B.; SOUZA, N.; SOUZA, R.L.; Emergência e Terapia Intensiva Pediátrica. 2ª ed.
São Paulo: Atheneu, 2004.
• KNOBEL, E. Terapia Intensiva: enfermagem. São Paulo: Editora Atheneu, 2006.
• LEONE, C.R. Assistência Integrada ao Recém-nascido. São Paulo: Atheneu.
• RUGOLO, L. M. S. Manual de neonatologia. 2 ed. São Paulo: Revinter, 2000.
• TAMEZ, R.N.; SILVA, M.J.P. Enfermagem na UTI neonatal. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hospitalização infantil
Hospitalização infantilHospitalização infantil
Hospitalização infantilWAGNER OLIVEIRA
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoHIAGO SANTOS
 
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemAs reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemuniversitária
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anosMichelle Santos
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoEnayad
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxWellingtonTeixeira24
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilAlexandre Donha
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemBeatriz Cordeiro
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppttuttitutti1
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxNaraLcia2
 
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaCuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaRenato Bach
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemDanilo Nunes Anunciação
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroJuliana Maciel
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergênciaresenfe2013
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaRenato Bach
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Will Nunes
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaCândida Mirna
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaAmanda Thaysa
 

Mais procurados (20)

Hospitalização infantil
Hospitalização infantilHospitalização infantil
Hospitalização infantil
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalização
 
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemAs reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda GástricaCuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaCuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da Criança
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericultura
 

Semelhante a Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica

Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdfOrganização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdfrogerioxavier22
 
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxAULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxEduardoFatdukbrGonal
 
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da MulherProjeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da MulherJosé Luiz Montañola
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptxssuser51d27c1
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxDokiNorkis
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptgizaraposo
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso FonsecaOncoguia
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjElainneChrisFerreira
 
Rede Cegonha Carmem.ppt
Rede Cegonha  Carmem.pptRede Cegonha  Carmem.ppt
Rede Cegonha Carmem.pptDonCorleone22
 
Aula 6_Organização e Funcionamento de Hospitais.pdf
Aula 6_Organização e Funcionamento de Hospitais.pdfAula 6_Organização e Funcionamento de Hospitais.pdf
Aula 6_Organização e Funcionamento de Hospitais.pdfDaylaSoeiroHomem1
 
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptxALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptxssuser51d27c1
 
Atuação do enfermeiro em unidade neonatal
Atuação do enfermeiro em unidade neonatalAtuação do enfermeiro em unidade neonatal
Atuação do enfermeiro em unidade neonatalDanielle Carneiro
 

Semelhante a Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica (20)

Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdfOrganização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
 
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxAULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
 
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da MulherProjeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Uti
UtiUti
Uti
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca
 
Rede Cegonha SP
Rede Cegonha SPRede Cegonha SP
Rede Cegonha SP
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
 
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatalSegurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
 
Rede Cegonha Carmem.ppt
Rede Cegonha  Carmem.pptRede Cegonha  Carmem.ppt
Rede Cegonha Carmem.ppt
 
Aula 6_Organização e Funcionamento de Hospitais.pdf
Aula 6_Organização e Funcionamento de Hospitais.pdfAula 6_Organização e Funcionamento de Hospitais.pdf
Aula 6_Organização e Funcionamento de Hospitais.pdf
 
Relatorio 1
Relatorio 1Relatorio 1
Relatorio 1
 
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptxALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
 
Atuação do enfermeiro em unidade neonatal
Atuação do enfermeiro em unidade neonatalAtuação do enfermeiro em unidade neonatal
Atuação do enfermeiro em unidade neonatal
 

Último

SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfJorge Filho
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxsaraferraz09
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxLanaMonteiro8
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...wilkaccb
 

Último (12)

SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 

Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica

  • 1. Enfermagem em Terapia Intensiva Neonato-Pediátrica Profª. Regiane Ribeiro
  • 2. Estrutura e Organização da UTI Neonatal e Pediátrica
  • 3. • O pediatra plantonista do Centro Obstétrico chega a Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e solicita a enfermeira e o médico de plantão um leito para um recém-nascido de 28 semanas de gestação. A enfermeira comunica a sua equipe, que prepara o leito para o neonato que nascerá dentro de alguns minutos.
  • 4. • Uma criança de 6 anos encontra-se no bloco cirúrgico inserindo um cateter de PIC, após sofrer um traumatismo craniano desencadeado por um atropelamento. A enfermeira do bloco cirúrgico entra em contato com a enfermeira da UTI pediátrica para solicitar um leito. Após a liberação do leito, a equipe de enfermagem prepara –o para receber essa criança.
  • 5. UTI Unidade de Terapia Intensiva • Admite pacientes críticos • Sistema de monitorização contínua • Recursos humanos e materiais especializados • Suporte e tratamento intensivos • Instabilidade hemodinâmica ou das funções vitais • Alto risco de mortalidade ou com a necessidade de vigilância clínica • Podem ocasionar morte ou gerar sequelas • Possibilidade de se recuperar
  • 6.
  • 7. Classificação das UTI RESOLUÇÃO-RDC Nº 7, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010 • Neonatal: 0 a 28 dias (Período Neonatal) • Pediátrico: 29 dias a 14 (18 anos de acordo com as rotinas hospitalares internas) • Infantil ou Pediátrica Mista: neonatal e pediátrica
  • 8. UTI Neonatal • Recém-nascido grave • Recém-nascido com malformação • Recém-nascido muitíssimo baixo peso
  • 9.
  • 10. UTI Pediátrica Admite-se pacientes a partir de 29 dias até 18 anos (de acordo com as normas da instituição). • Insuficiência respiratória aguda • Choque • Trauma • Infecções
  • 11. Estrutura e Organização • Atender essa população altamente susceptível a riscos. • Recém-nascidos que influenciam nos elevados índices de morbidade e mortalidade na infância.
  • 12. Planejamento da Área - Admissão de pacientes - Fluxo de visitantes e funcionários - Instalações das área de apoio (Ex: postinho de enfermagem, expurgo, recepção, sala de reuniões, etc.).
  • 13. • Proporcionar condições de internação de pacientes graves; • Permitir a assistência médica e de enfermagem; • Prestar apoio diagnóstico durante 24h; • Manter monitoramento e assistência respiratória 24h; • Prestar assistência nutricional; • Manter pacientes com morte encefálica em condições viáveis para doação de órgãos.
  • 14. Localização • Acesso controlado, sem trânsito para outros departamentos; • Localização permitindo acesso direto e estar próximo aos recursos de apoio diagnóstico e terapêutico.
  • 15. Número de Leitos • 10% dos leitos para UTI • Desse 10% dos leitos, calcula-se a quantidade de leitos pediátricos.
  • 16. Unidade Neonatal (Berçário) • Local com recursos humanos, físicos e materiais destinados a prestar cuidados ao recém-nascido e sua família. • O berçário é o local destinado ao neonato com o objetivo de proporcionar melhores condições de adaptação à vida extra-uterina.
  • 17. Leitos da UTI Neonatal • Número de partos anuais; • Número de leitos obstétricos; • Estimativa de nascidos vivos de uma região ou hospital; • Média de permanência hospitalar; • Taxa de mortalidade neonatal; • Índice de prematuridade; • 10% dos leitos da maternidade; • 1 leito de UTI para 6 de cuidados intermediários.
  • 18. Localização • Próximo ao Centro Obstétrico ou Bloco Cirúrgico; • Próximo a Unidade de Puerpério (Maternidade); • Distante do Pronto-Socorro, UTI, ou setores que atendam pacientes com doenças transmissíveis ou apresentem processos sépticos.
  • 19. Divisão • Sala de Admissão • Setor de Cuidados Intermediários e Cuidados Especiais • Unidade de Terapia Intensiva (UTI)
  • 20. Alojamento Conjunto • É o conceito aplicado ao local em que o recém-nascido permanece com a mãe desde o nascimento até a alta. • Cuidados ao binômio mãe-filho • Educação em saúde à mãe
  • 21. Neonatal • Taxa de ocupação 85% • Área mínima de 5m² por leito; • Distância de 2,0m entre as incubadoras
  • 22. Recursos Humanos • Intermediária Neonatal ou Pediátrica: - Diarista 1/15 leitos - Plantonista: 1/15 leitos - Enfermeiro Coordenador - Enfermeira: 1/15 leitos - Auxiliar de enfermagem: 1/4 leitos
  • 23. UTI Neonatal / Pediátrica / Infantil • Pediatras com formação em UTI Neonatal e Pediátrica: a)- Diarista (4h/dia): 1/10 leitos; b)- Plantonistas (24/h): 1/10 leitos;
  • 24. • Enfermagem com formação em UTI Neonatal e Pediátrica: a)-Enfermeiro Coordenador; b)-Enfermeira (24h/dia): 1/8 leitos; c)-Técnico (24/dia): 1/1 a 2 leitos; d)-Técnico (24/dia): apoio assistencial na unidade. Fisioterapia: 1/10 leitos em todos os turnos
  • 25. Equipe Multidisciplinar: • Fonoaudióloga • Terapeuta Ocupacional • Fisioterapeuta - UTI e Infantil: 1/10 leitos (manhã, tarde e noite) - Intermediária: 1/15 leitos (manhã e tarde) • Nutricionista • Cirurgião Pediatra
  • 26. Ruídos • Sobre carga de ruídos nas UTIs; • Nos recém-nascido os altos níveis de ruídos pode ser causa de perda auditiva sensorioneural. • Ruído não deverá exceder a 75 db.
  • 27. Ventilação • Ar-condicionado Troca de ar: • Mínimo 6/hora; • 2 dessas trocas devem ser com o ar externo;
  • 28. Temperatura • Temperatura ambiente: 24 a 26ºC • Umidade relativa: 40% a 60%
  • 29. Posto de Enfermagem • Confortável; • Proporcionar a visualização de todos os leitos; • Permitir a realização de todas a funções de trabalho
  • 30. Outros • Expurgo • Sala de Material limpo • Sala de serviços gerais • Sala de procedimentos especiais • Armazenamento de equipamentos: equipamentos operados a bateria devem estar conectados 24h • Laboratório: 24h • Sala de reuniões
  • 31. • Áreas destinadas a funcionários • Conforto Médico • Sala de Estudos • Recepção da UTI • Sala de espera de visitantes • Secretaria Administrativa • Banheiros para pacientes • Copa de pacientes • Sala de Amamentação
  • 32. Utilidades • Energia Elétrica • Iluminação • Abastecimento de água • Sistema de Gases e vácuo - 02 saídas de O2, vácuo, ar comprimido - 12 a 16 saídas elétricas - 01 saída elétrica para raio X
  • 33. Lei 7498/86 • Os cuidados diretos a pacientes graves com risco de vida, bem como cuidados de enfermagem de maior complexidade técnica, e que exijam conhecimentos científicos, são atribuições privativas do profissional enfermeiro.
  • 34. Perfil do Enfermeiro • Capacidade de reconhecer e compreender as necessidades da criança e da sua família. • Conhecimentos e iniciativa para atuar em situações de emergência. • Alto senso de observação, discernimento e raciocínio objetivo. • Capacidade de lidar com sobrecarga emocional.
  • 35. “Essas características são essenciais para liderar um grupo que deve estar bem treinado, apto a atender o paciente e a manejar os equipamentos com segurança.”
  • 36. Recursos Diagnóstico e Terapêutico • Glicemia • Gasometria • ECG • Laboratório • Radiologia • Farmácia • Banco de Sangue • Setor de Nutrição • Ecografia • Tomografia • EEG • Endoscopia • Cintilografia
  • 37. UTI Neonatal e Pediátrica • Incubadora/ Berço Aquecido – 5m² por leito
  • 38.
  • 40.
  • 42.
  • 44. • Ventilador e circuito neonatal/ pediátrico
  • 46. • Balão com reservatório e máscara
  • 47. • Bomba de Infusão
  • 49. • Umidificador, fluxômetro, máscara de nebulização, conexão
  • 50. • Monitor Cardíaco + Oxímetro de Pulso + PA
  • 52. • Carrinho de Emergência
  • 53. • Cilindro de O2 e Ar comprimido
  • 55. • Foco de Luz • Geladeira (medicação/ exclusiva para leite materno)
  • 59. Referência Bibliográfica • BARBOSA, A.P.; D’ELIA, C. Condutas de urgência em pediatria. 1 ed. São Paulo: Atheneu, 2006. • BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 3432/98, de 13 de agosto de 1998. Estabelece critérios para a classificação das unidades de tratamento intensivo. Brasília, 1998. • BRASIL. Anvisa. RDC 7, de 24 de fevereiro de 2010. Requisitos mínimos para o funcionamento da Unidade de Terapia Intensiva. Brasília, 2010. • CARVALHO, W.B.; SOUZA, N.; SOUZA, R.L.; Emergência e Terapia Intensiva Pediátrica. 2ª ed. São Paulo: Atheneu, 2004. • KNOBEL, E. Terapia Intensiva: enfermagem. São Paulo: Editora Atheneu, 2006. • LEONE, C.R. Assistência Integrada ao Recém-nascido. São Paulo: Atheneu. • RUGOLO, L. M. S. Manual de neonatologia. 2 ed. São Paulo: Revinter, 2000. • TAMEZ, R.N.; SILVA, M.J.P. Enfermagem na UTI neonatal. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.