SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
EMERGÊNCIAS
OBSTÉTRICAS
Enfermeira obstétrica e itensevista
suellen Alves
Mulher dá a luz em avenida da orla de
Salvador
 O nascimento é historicamente um evento
natural. As primeiras civilizações agregaram a
este acontecimento, inúmeros significados
culturais que através de gerações sofreram
transformações, porém até hoje o nascimento
é comemorado como um dos fatos marcante
da vida.
 O parto é o estágio resolutivo da gestação, o
nascimento do ser que se formou nos meses
anteriores
Conceitos e termos relacionados ao
Parto
 Em condições normais, o parto deverá
acontecer apenas quando o bebê estiver
maduro, ou seja, com idade gestacional entre
37 semanas completas e 42 semanas
incompletas.- Parto a Termo
 Quando o feto nasce antes da sua maturidade
(antes de completar 37 semanas de gestação),
porém após 20-22 semanas é chamado de
Parto Pré-Termo ou Prematuro
 Se a gestação prossegue e ultrapassa as 42
semanas, é considerada Pós-Termo
Períodos do Parto Normal
 1- Dilatação
 2- Expulsão
 3- Dequitação da placenta
PERÍODOS CLÍNICOS DO PARTO
1. DILATAÇÃO (1º estágio do parto)
O sinal mais importante neste período de dilatação são as contrações do útero,
que fazem com que o colo se dilate de O (zero) a 10 (dez) centímetros.
As contrações uterinas são reconhecidas pela dor tipo cólica referida pela
gestante e pelo endurecimento do útero, perceptível à palpação do abdômen.
Estágio longo e variável
. Multíparas 1h
. Primíparas, até 20h
Fase latente (domicílio): nesta etapa as contrações uterinas tornam-se mais
coordenadas e eficientes.
Primigestas: tem duração média de 6 a 7 horas.
Multíparas: tem duração média de 4 a 5 horas.
Cuidados de Emergência
 Tranqüilize a gestante. Demonstre uma atitude alegre, simpática e
encorajadora para com ela.
 Observe e anote as características das contrações: freqüência, duração e
intensidade.
 A presença do "sinal" (tampão muco sanguinolento, sem sangramento vivo
em quantidade substancial) sugere estar havendo rápido desenvolvimento
para o parto, particularmente se associado a freqüentes e fortes
contrações.
 Insista para que a paciente não faça força e, em vez disso, encoraje-a para
que respire ofegantemente durante as contrações (respiração de
"cachorrinho cansado").
 Durante o primeiro período do trabalho, as contrações uterinas são
involuntárias e destinam-se a dilatar o colo uterino e não a expulsar o feto.
Fazer força, além de ser inútil, leva à exaustão e pode rasgar (dilacerar)
partes do canal do parto. Se você reconhecer que a mulher está no primeiro
período do trabalho de parto, prepare-a para transporte ao hospital.
Cuidados no Transporte
 Inclinar a gestante para a
esquerda
 o decúbito lateral esquerdo deixa
livre a veia cava, que devolve o
sangue da parte inferior do corpo
para o coração. Conforme sua
barriga vai aumentado, o útero
pressiona mais e mais essa veia
quando você se deita do lado
direito, o que pode trazer falta de
ar.
 Monitorar sinais vitais
 Avaliar respiração
Procedimentos Gerais
 A parturiente deverá ser transportada deitada
ou semi-reclinada de modo a sentir-se
confortável;
 Sem expor a parturiente, ela deverá estar livre
de todas as vestimentas que possam obstruir
o canal do nascimento;
 Por hipótese alguma o processo de
nascimento do bebê, poderá ser impedido,
retardado ou acelerado;
Tem início com a dilatação completa e progressão fetal
e termina com a expulsão do feto.
Duração média de 57 min na 1ª gestação e de 14 min
nas subseqüentes.
Varia com:
paridade,
tamanho do feto,
variedade de posição,
qualidade das contrações (puxo),
etc.
2. EXPULSÃO (2º estágio do parto)
Sinais sugestivos de início do 2º estágio (expulsão):
 Súbito aparecimento suor no buço
 Um episódio de vômito
 Aumento sinal de sangue
 Tremor das extremidades
 Agitação crescente
 Verbalização “ Eu não agüento mais”
 Esforço de expulsão involuntário
 paciente tem a sensação de necessidade de evacuar,
sintoma decorrente da pressão exercida pela cabeça do feto
no períneo e, conseqüentemente, contra o reto.
 As membranas rompem-se e extravasam líquido amniótico.
Embora a "bolsa“ possa romper se a qualquer hora, é mais
freqüente seu rompimento no começo do segundo período.
 Episódios de vômito a essa altura são freqüentes. Caso haja
vômito, cuide para não ocorrer aspiração e obstrução da via
aérea.
 Coroamento: a abertura vaginal ficará abaulada e o pólo
cefálico da criança poderá ser visto. Isso é o coroamento, o
último sintoma antes que a cabeça e o resto da criança
nasçam.
Reconhecimento do Parto
próximo
 Contrações regulares a cada 2 minutos;
 Visualização da cabeça do bebê no canal do
nascimento;
 Rompimento da bolsa;
COROAMENTO
 Sempre o marido, pais ou outro parente próximo
deverá acompanhar durante todo o tempo a
parturiente;
 Não permita a presença de curiosos, sendo o
mais discreto possível e mantendo ao máximo a
privacidade da gestante;
 Não permita que a gestante vá ao banheiro, se
constatar que o parto esta próximo;
 Observe o estado geral da gestante, verificando
se não apresenta intercorrências, como:
convulsões, hemorragias, choque.
Procedimentos para o Parto
 Posicione a parturiente deitada de costas em
posição ginecológica e faça higiene da área
genital com água e sabão (se possível).
Conduta Geral
 Cubra a gestante com lençóis limpos;
 Oriente a parturiente para respirar pela boca e
fazer força durante as contrações,
descansando no período de relaxamento;
 Durante a saída, apóie a cabeça do bebê com
as mãos, evitando que ele saia violentamente;
 Verifique se o cordão envolve o pescoço do
bebê, retirando-o com o dedo.
 Segure firmemente o bebê, apoiando seu
corpo, evitando que ele caia.
 Anote o horário do nascimento, quando todo o
bebê sair da mãe.
Cuidados com o Bebê
 Após a saída, envolva o bebê em um pano
limpo, colocando-o com a cabeça mais baixa
que o corpo.
 Limpe com um pano sua boca e nariz e
observe sua respiração.
Cuidados com o Bebê
 Deite o bebê sobre o abdômen
da mãe, em decúbito lateral,
com a cabeça rebaixada, para
drenar fluidos contidos nas
vias aéreas.
 Limpeza das vias aéreas:
limpe a boca por fora, com
compressas de gaze; enrole a
gaze no dedo indicador para
limpar por dentro a boca do
recém-nascido (RN), sempre
delicadamente, tentando
retirar corpos estranhos e
muco.
Cuidados com o Bebê
 Estimule a criança, friccionando-a com a mão.
Não bata na criança. Pode fazer cócegas nas
plantas dos pés, com o dedo indicador.
 Manter a criança em decúbito lateral esquerdo
para as manobras de estimulação.
 Quando a criança começar a respirar, volte
sua atenção para a mãe e o cordão umbilical.
 Observar o pulsar do cordão umbilical, se ele
parar de pulsar, realizar o seguinte
procedimento:
 Medir cerca de quatro dedos a partir da barriga do
bebê e fazer uma amarração,
 Medir mais quatro dedos a partir da primeira
amarração e realizar outra amarração,
 Em seguida corte entre as amarrações.
Cuidados com o Bebê
 Envolva a criança em lençol limpo e
cobertores e passe-a ao cuidado de outra
pessoa (pode ser o acompanhante da mulher).
A criança deve ser mantida em decúbito
lateral, com a cabeça levemente mais baixa
que o resto do corpo e aquecida.
3. Dequitação da Placenta
(3º estágio do parto)
 O terceiro período estende-se desde a hora em
que a criança nasce até a eliminação da placenta,
que normalmente acontece em até 30 minutos.
Junto com ela vem uma a duas xícaras de
sangue. Não se alarme, porque é normal. Não
puxe a placenta: aguarde sua expulsão natural.
 Retirada, guardar a placenta em um saco plástico
e leve junto para o hospital, juntamente com a
mãe e a criança, para ser examinada quanto à
possibilidade de algum pedaço ter ficado na
cavidade uterina.
 Registre o horário de saída da placenta
Controle de hemorragia após o
parto
 Coloque um lençol limpo na vagina da mãe;
 Mantenha suas pernas unidas e elevadas;
 Mantenha a mãe em repouso absoluto;
 Faça massagens externas no útero e peça
para que ela continue fazendo durante alguns
minutos;
 Se permanecer restos da placenta no interior
do útero, a hemorragia não será controlada e
a mulher poderá entrar em choque;
Passos Finais no Parto de
Emergência
Leve a mãe a um hospital pelas seguintes razões:
 A criança deve passar por exame médico geral.
 A mãe também deve ser examinada por médico, que se
encarregará de verificar possíveis lace rações no canal do
parto.
 Os olhos do RN devem ser bem cuidados para prevenir
infecção. Colírio de nitrato de prata é aplicado após o
nascimento.
 O cordão umbilical deve ser examinado por especialista.
 Mãe e filho devem ser observados por um período de tempo.
Partos com Dificuldades
Criança invertida (sentada)
Criança invertida (sentada)
 A criança apresenta-se "invertida", surgindo as nádegas antes da
cabeça. Em parto normal, a criança começa a respirar tão logo o
tórax nasça ou dentro de breve espaço de tempo. No parto de
nádegas, o tórax sai primeiro que a cabeça, sendo impossível a
inspiração, pois as vias aéreas estão bloqueadas dentro do canal
vaginal.
 Imediatamente após perceber que se trata de parto em posição
"invertida", prepare- se para segurar a criança, deixando-a
descansar sobre sua mão e antebraço, de barriga para baixo. Em
determinado momento, pernas, quadril, abdômen e tórax estarão
fora da vagina, faltando apenas a exteriorização da cabeça, o que
pode ser, às vezes, demorado. Se isso acontecer, não puxe a
cabeça da criança.
 Neste caso, deve-se transportar a grávida para o hospital, com as
pernas e as nádegas elevadas.
Apresentação Inicial de
Pé ou Mão ou Cordão Umbilical
Apresentação Inicial de
Pé ou Mão ou Cordão Umbilical
 Transporte rapidamente a mãe para um serviço de
emergência, tomando especial cuidado para não machucar a
parte exteriorizada. Não tente repor a parte exteriorizada
para dentro do canal.
 Se um pé, ou mão, ou o cordão estiver para fora, cubra com
algo (gaze, compressa ou toalha). No caso do cordão fora,
seja ágil: a criança pode estar em perigo, causado pela
compressão do cordão entre a cabeça e o canal de parto.
Enquanto o cordão estiver comprimido, a criança não
receberá quantidades adequadas de sangue e oxigênio.
 Transporte a mãe em decúbito dorsal, com os quadris
elevados sobre dois ou três travesseiros ou cobertores
dobrados. Isso fará com que a criança escorregue um pouco
para dentro do útero e receba mais oxigênio.
Partos Múltiplos
Partos Múltiplos
 O parto de gêmeos (dois ou mais bebês) não
deve ser considerado, em princípio, uma
complicação; em partos normais, será como
fazer o de uma só criança a cada vez.
 Os partos sucessivos podem ocorrer com
alguns ou muitos minutos de diferença.
Depois que a primeira criança nasceu, amarre
o cordão como faria no parto simples. Faça o
mesmo na(s) outra(s) criança(s).
Abortamento
Abortamento
 O abortamento é a expulsão das membranas e do feto antes que ele tenha
condições de sobrevivência por si só. Geralmente isso ocorre antes de 22 semanas
de gestação.
 A gestação normal (ou a termo) dura 38 a 40 semanas.
 Sinais e Sintomas
 Pulso rápido
 Transpiração (sudorese)
 Palidez
 Fraqueza
 Cólicas abdominais
 Sangramento vaginal moderado ou abundante
 Saída de partículas de pequeno ou grande tamanho pelo canal vaginal.
 Em outras palavras, poderão estar presentes todos os sintomas de choque
somados ao sangramento vaginal e cólicas abdominais.
Hipertensão na Gestação
 Eclâmpsia:
 É a ocorrência de:
 CEFALÉIA,
 VERTIGEM,
 TORPOR,
 SONOLÊNCIA,
 DOR EPIGÁSTRICA,
 NAÚSEAS ,
 VÔMITOS;
 PA  160 X 110 mmHg
Diabetes na gestação
 A diabetes mellitus é uma alteração dos valores sanguíneos de glicose
(açúcar simples) devido o organismo não liberar insulina ou utiliza-la de
forma errada.
Tipo 1 - Insulino-dependentes (Desde o nascimento até <30 anos
Tipo 2 - Medicação (Surge em Adultos > 40 anos).
Diabetes gestacional - ocorre durante a gravidez
Sinais e sintomas:
- Náuseas e vômitos;
- Fraqueza muscular e tonturas;
- Pele avermelhada e seca;
- Sensação de sede;
- Sonolência, confusão mental;
- Desorientação.
Trauma na Gestação
 As prioridades do tratamento da gestante
traumatizada são as mesmas que a da
não-gestante (ABCDE). Os socorristas
devem lembrar que estão diante de duas
vítimas, devendo dispensar o melhor
tratamento à mãe.
 Transporte
 Como no final da gestação o peso que o
útero exerce sobre a veia cava inferior
promove redução de 30 a 40% do débito
cardíaco, a grávida deverá ser
transportada em decúbito lateral
esquerdo sempre que possível, a menos
que tenha alguma contra-indicação,
como, por exemplo, suspeita de fratura
de coluna ou bacia. Transportá-Ia, então,
em decúbito dorsal, mas empurrar
manualmente o útero para o lado
esquerdo.
 Esse cuidado no transporte é um dos
OBRIGADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Juliana Maciel
 

Mais procurados (20)

AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda GástricaCuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da Criança
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalização
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Assistência materno infantil
Assistência materno infantilAssistência materno infantil
Assistência materno infantil
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 

Semelhante a Aula 8 emergencias obstétricas

0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion
laiscarlini
 
Aula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdfAula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdf
Gladys126266
 
Aula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdfAula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdf
Gladys126266
 
Cél.sex.desenv.embrionário,parto
Cél.sex.desenv.embrionário,partoCél.sex.desenv.embrionário,parto
Cél.sex.desenv.embrionário,parto
Rosa Pereira
 
Pai presente é_pai_informado_validacao_avasus
Pai presente é_pai_informado_validacao_avasusPai presente é_pai_informado_validacao_avasus
Pai presente é_pai_informado_validacao_avasus
sedis-suporte
 

Semelhante a Aula 8 emergencias obstétricas (20)

AULA EMERGENCIA OBSTETRICA SAMU.pptx
AULA EMERGENCIA OBSTETRICA SAMU.pptxAULA EMERGENCIA OBSTETRICA SAMU.pptx
AULA EMERGENCIA OBSTETRICA SAMU.pptx
 
Cap 19 emerg_obstetricas
Cap 19 emerg_obstetricasCap 19 emerg_obstetricas
Cap 19 emerg_obstetricas
 
_19_emerg_obstetricas.pdf
_19_emerg_obstetricas.pdf_19_emerg_obstetricas.pdf
_19_emerg_obstetricas.pdf
 
merg_obstetricas.pdf
merg_obstetricas.pdfmerg_obstetricas.pdf
merg_obstetricas.pdf
 
0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion
 
Parto de emergência
Parto de emergênciaParto de emergência
Parto de emergência
 
sinaisdoparto-191023013720.pdf
sinaisdoparto-191023013720.pdfsinaisdoparto-191023013720.pdf
sinaisdoparto-191023013720.pdf
 
materno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptxmaterno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptx
 
CordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
CordVida - Apresentação curso cuidados com o BebêCordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
CordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
 
Tipos de Parto - Saúde Materna
Tipos de Parto - Saúde MaternaTipos de Parto - Saúde Materna
Tipos de Parto - Saúde Materna
 
Sinais do parto
Sinais do partoSinais do parto
Sinais do parto
 
Aula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdfAula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdf
 
Aula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdfAula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdf
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
 
6. parto
6. parto6. parto
6. parto
 
Cél.sex.desenv.embrionário,parto
Cél.sex.desenv.embrionário,partoCél.sex.desenv.embrionário,parto
Cél.sex.desenv.embrionário,parto
 
Asistencia clinica ao parto vaginal
Asistencia clinica ao parto  vaginalAsistencia clinica ao parto  vaginal
Asistencia clinica ao parto vaginal
 
Pai presente é_pai_informado_validacao_avasus
Pai presente é_pai_informado_validacao_avasusPai presente é_pai_informado_validacao_avasus
Pai presente é_pai_informado_validacao_avasus
 
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperioAssistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
 
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperioAssistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
 

Último

CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
wilkaccb
 

Último (10)

aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdfAtenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 

Aula 8 emergencias obstétricas

  • 2. Mulher dá a luz em avenida da orla de Salvador
  • 3.  O nascimento é historicamente um evento natural. As primeiras civilizações agregaram a este acontecimento, inúmeros significados culturais que através de gerações sofreram transformações, porém até hoje o nascimento é comemorado como um dos fatos marcante da vida.  O parto é o estágio resolutivo da gestação, o nascimento do ser que se formou nos meses anteriores
  • 4. Conceitos e termos relacionados ao Parto  Em condições normais, o parto deverá acontecer apenas quando o bebê estiver maduro, ou seja, com idade gestacional entre 37 semanas completas e 42 semanas incompletas.- Parto a Termo  Quando o feto nasce antes da sua maturidade (antes de completar 37 semanas de gestação), porém após 20-22 semanas é chamado de Parto Pré-Termo ou Prematuro  Se a gestação prossegue e ultrapassa as 42 semanas, é considerada Pós-Termo
  • 5. Períodos do Parto Normal  1- Dilatação  2- Expulsão  3- Dequitação da placenta
  • 6. PERÍODOS CLÍNICOS DO PARTO 1. DILATAÇÃO (1º estágio do parto) O sinal mais importante neste período de dilatação são as contrações do útero, que fazem com que o colo se dilate de O (zero) a 10 (dez) centímetros. As contrações uterinas são reconhecidas pela dor tipo cólica referida pela gestante e pelo endurecimento do útero, perceptível à palpação do abdômen. Estágio longo e variável . Multíparas 1h . Primíparas, até 20h Fase latente (domicílio): nesta etapa as contrações uterinas tornam-se mais coordenadas e eficientes. Primigestas: tem duração média de 6 a 7 horas. Multíparas: tem duração média de 4 a 5 horas.
  • 7. Cuidados de Emergência  Tranqüilize a gestante. Demonstre uma atitude alegre, simpática e encorajadora para com ela.  Observe e anote as características das contrações: freqüência, duração e intensidade.  A presença do "sinal" (tampão muco sanguinolento, sem sangramento vivo em quantidade substancial) sugere estar havendo rápido desenvolvimento para o parto, particularmente se associado a freqüentes e fortes contrações.  Insista para que a paciente não faça força e, em vez disso, encoraje-a para que respire ofegantemente durante as contrações (respiração de "cachorrinho cansado").  Durante o primeiro período do trabalho, as contrações uterinas são involuntárias e destinam-se a dilatar o colo uterino e não a expulsar o feto. Fazer força, além de ser inútil, leva à exaustão e pode rasgar (dilacerar) partes do canal do parto. Se você reconhecer que a mulher está no primeiro período do trabalho de parto, prepare-a para transporte ao hospital.
  • 8. Cuidados no Transporte  Inclinar a gestante para a esquerda  o decúbito lateral esquerdo deixa livre a veia cava, que devolve o sangue da parte inferior do corpo para o coração. Conforme sua barriga vai aumentado, o útero pressiona mais e mais essa veia quando você se deita do lado direito, o que pode trazer falta de ar.  Monitorar sinais vitais  Avaliar respiração
  • 9. Procedimentos Gerais  A parturiente deverá ser transportada deitada ou semi-reclinada de modo a sentir-se confortável;  Sem expor a parturiente, ela deverá estar livre de todas as vestimentas que possam obstruir o canal do nascimento;  Por hipótese alguma o processo de nascimento do bebê, poderá ser impedido, retardado ou acelerado;
  • 10. Tem início com a dilatação completa e progressão fetal e termina com a expulsão do feto. Duração média de 57 min na 1ª gestação e de 14 min nas subseqüentes. Varia com: paridade, tamanho do feto, variedade de posição, qualidade das contrações (puxo), etc. 2. EXPULSÃO (2º estágio do parto)
  • 11. Sinais sugestivos de início do 2º estágio (expulsão):  Súbito aparecimento suor no buço  Um episódio de vômito  Aumento sinal de sangue  Tremor das extremidades  Agitação crescente  Verbalização “ Eu não agüento mais”  Esforço de expulsão involuntário
  • 12.  paciente tem a sensação de necessidade de evacuar, sintoma decorrente da pressão exercida pela cabeça do feto no períneo e, conseqüentemente, contra o reto.  As membranas rompem-se e extravasam líquido amniótico. Embora a "bolsa“ possa romper se a qualquer hora, é mais freqüente seu rompimento no começo do segundo período.  Episódios de vômito a essa altura são freqüentes. Caso haja vômito, cuide para não ocorrer aspiração e obstrução da via aérea.  Coroamento: a abertura vaginal ficará abaulada e o pólo cefálico da criança poderá ser visto. Isso é o coroamento, o último sintoma antes que a cabeça e o resto da criança nasçam.
  • 13. Reconhecimento do Parto próximo  Contrações regulares a cada 2 minutos;  Visualização da cabeça do bebê no canal do nascimento;  Rompimento da bolsa;
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.  Sempre o marido, pais ou outro parente próximo deverá acompanhar durante todo o tempo a parturiente;  Não permita a presença de curiosos, sendo o mais discreto possível e mantendo ao máximo a privacidade da gestante;  Não permita que a gestante vá ao banheiro, se constatar que o parto esta próximo;  Observe o estado geral da gestante, verificando se não apresenta intercorrências, como: convulsões, hemorragias, choque.
  • 19. Procedimentos para o Parto  Posicione a parturiente deitada de costas em posição ginecológica e faça higiene da área genital com água e sabão (se possível).
  • 20. Conduta Geral  Cubra a gestante com lençóis limpos;  Oriente a parturiente para respirar pela boca e fazer força durante as contrações, descansando no período de relaxamento;  Durante a saída, apóie a cabeça do bebê com as mãos, evitando que ele saia violentamente;  Verifique se o cordão envolve o pescoço do bebê, retirando-o com o dedo.
  • 21.
  • 22.  Segure firmemente o bebê, apoiando seu corpo, evitando que ele caia.  Anote o horário do nascimento, quando todo o bebê sair da mãe.
  • 23. Cuidados com o Bebê  Após a saída, envolva o bebê em um pano limpo, colocando-o com a cabeça mais baixa que o corpo.  Limpe com um pano sua boca e nariz e observe sua respiração.
  • 24. Cuidados com o Bebê  Deite o bebê sobre o abdômen da mãe, em decúbito lateral, com a cabeça rebaixada, para drenar fluidos contidos nas vias aéreas.  Limpeza das vias aéreas: limpe a boca por fora, com compressas de gaze; enrole a gaze no dedo indicador para limpar por dentro a boca do recém-nascido (RN), sempre delicadamente, tentando retirar corpos estranhos e muco.
  • 25. Cuidados com o Bebê  Estimule a criança, friccionando-a com a mão. Não bata na criança. Pode fazer cócegas nas plantas dos pés, com o dedo indicador.  Manter a criança em decúbito lateral esquerdo para as manobras de estimulação.  Quando a criança começar a respirar, volte sua atenção para a mãe e o cordão umbilical.
  • 26.  Observar o pulsar do cordão umbilical, se ele parar de pulsar, realizar o seguinte procedimento:  Medir cerca de quatro dedos a partir da barriga do bebê e fazer uma amarração,  Medir mais quatro dedos a partir da primeira amarração e realizar outra amarração,  Em seguida corte entre as amarrações.
  • 27. Cuidados com o Bebê  Envolva a criança em lençol limpo e cobertores e passe-a ao cuidado de outra pessoa (pode ser o acompanhante da mulher). A criança deve ser mantida em decúbito lateral, com a cabeça levemente mais baixa que o resto do corpo e aquecida.
  • 28. 3. Dequitação da Placenta (3º estágio do parto)  O terceiro período estende-se desde a hora em que a criança nasce até a eliminação da placenta, que normalmente acontece em até 30 minutos. Junto com ela vem uma a duas xícaras de sangue. Não se alarme, porque é normal. Não puxe a placenta: aguarde sua expulsão natural.  Retirada, guardar a placenta em um saco plástico e leve junto para o hospital, juntamente com a mãe e a criança, para ser examinada quanto à possibilidade de algum pedaço ter ficado na cavidade uterina.  Registre o horário de saída da placenta
  • 29. Controle de hemorragia após o parto  Coloque um lençol limpo na vagina da mãe;  Mantenha suas pernas unidas e elevadas;  Mantenha a mãe em repouso absoluto;  Faça massagens externas no útero e peça para que ela continue fazendo durante alguns minutos;  Se permanecer restos da placenta no interior do útero, a hemorragia não será controlada e a mulher poderá entrar em choque;
  • 30. Passos Finais no Parto de Emergência Leve a mãe a um hospital pelas seguintes razões:  A criança deve passar por exame médico geral.  A mãe também deve ser examinada por médico, que se encarregará de verificar possíveis lace rações no canal do parto.  Os olhos do RN devem ser bem cuidados para prevenir infecção. Colírio de nitrato de prata é aplicado após o nascimento.  O cordão umbilical deve ser examinado por especialista.  Mãe e filho devem ser observados por um período de tempo.
  • 33. Criança invertida (sentada)  A criança apresenta-se "invertida", surgindo as nádegas antes da cabeça. Em parto normal, a criança começa a respirar tão logo o tórax nasça ou dentro de breve espaço de tempo. No parto de nádegas, o tórax sai primeiro que a cabeça, sendo impossível a inspiração, pois as vias aéreas estão bloqueadas dentro do canal vaginal.  Imediatamente após perceber que se trata de parto em posição "invertida", prepare- se para segurar a criança, deixando-a descansar sobre sua mão e antebraço, de barriga para baixo. Em determinado momento, pernas, quadril, abdômen e tórax estarão fora da vagina, faltando apenas a exteriorização da cabeça, o que pode ser, às vezes, demorado. Se isso acontecer, não puxe a cabeça da criança.  Neste caso, deve-se transportar a grávida para o hospital, com as pernas e as nádegas elevadas.
  • 34. Apresentação Inicial de Pé ou Mão ou Cordão Umbilical
  • 35. Apresentação Inicial de Pé ou Mão ou Cordão Umbilical  Transporte rapidamente a mãe para um serviço de emergência, tomando especial cuidado para não machucar a parte exteriorizada. Não tente repor a parte exteriorizada para dentro do canal.  Se um pé, ou mão, ou o cordão estiver para fora, cubra com algo (gaze, compressa ou toalha). No caso do cordão fora, seja ágil: a criança pode estar em perigo, causado pela compressão do cordão entre a cabeça e o canal de parto. Enquanto o cordão estiver comprimido, a criança não receberá quantidades adequadas de sangue e oxigênio.  Transporte a mãe em decúbito dorsal, com os quadris elevados sobre dois ou três travesseiros ou cobertores dobrados. Isso fará com que a criança escorregue um pouco para dentro do útero e receba mais oxigênio.
  • 37. Partos Múltiplos  O parto de gêmeos (dois ou mais bebês) não deve ser considerado, em princípio, uma complicação; em partos normais, será como fazer o de uma só criança a cada vez.  Os partos sucessivos podem ocorrer com alguns ou muitos minutos de diferença. Depois que a primeira criança nasceu, amarre o cordão como faria no parto simples. Faça o mesmo na(s) outra(s) criança(s).
  • 39. Abortamento  O abortamento é a expulsão das membranas e do feto antes que ele tenha condições de sobrevivência por si só. Geralmente isso ocorre antes de 22 semanas de gestação.  A gestação normal (ou a termo) dura 38 a 40 semanas.  Sinais e Sintomas  Pulso rápido  Transpiração (sudorese)  Palidez  Fraqueza  Cólicas abdominais  Sangramento vaginal moderado ou abundante  Saída de partículas de pequeno ou grande tamanho pelo canal vaginal.  Em outras palavras, poderão estar presentes todos os sintomas de choque somados ao sangramento vaginal e cólicas abdominais.
  • 40. Hipertensão na Gestação  Eclâmpsia:  É a ocorrência de:  CEFALÉIA,  VERTIGEM,  TORPOR,  SONOLÊNCIA,  DOR EPIGÁSTRICA,  NAÚSEAS ,  VÔMITOS;  PA  160 X 110 mmHg
  • 41. Diabetes na gestação  A diabetes mellitus é uma alteração dos valores sanguíneos de glicose (açúcar simples) devido o organismo não liberar insulina ou utiliza-la de forma errada. Tipo 1 - Insulino-dependentes (Desde o nascimento até <30 anos Tipo 2 - Medicação (Surge em Adultos > 40 anos). Diabetes gestacional - ocorre durante a gravidez Sinais e sintomas: - Náuseas e vômitos; - Fraqueza muscular e tonturas; - Pele avermelhada e seca; - Sensação de sede; - Sonolência, confusão mental; - Desorientação.
  • 42. Trauma na Gestação  As prioridades do tratamento da gestante traumatizada são as mesmas que a da não-gestante (ABCDE). Os socorristas devem lembrar que estão diante de duas vítimas, devendo dispensar o melhor tratamento à mãe.  Transporte  Como no final da gestação o peso que o útero exerce sobre a veia cava inferior promove redução de 30 a 40% do débito cardíaco, a grávida deverá ser transportada em decúbito lateral esquerdo sempre que possível, a menos que tenha alguma contra-indicação, como, por exemplo, suspeita de fratura de coluna ou bacia. Transportá-Ia, então, em decúbito dorsal, mas empurrar manualmente o útero para o lado esquerdo.  Esse cuidado no transporte é um dos