SlideShare uma empresa Scribd logo

Cesário Verde

Lurdes Augusto
Lurdes Augusto
Lurdes AugustoMinistério da Educação

Cesário Verde

1 de 15
Baixar para ler offline
De… Eça de Queirós (1845 -1900) 
a… Cesário Verde (1855-1886).
“EstavamnoLoreto;eCarlosparara,olhando,reentrandonaintimidadedaquelevelhocoraçãodacapital.Nadamudara.AmesmasentinelasonolentarodavaemtornoàestátuadeCamões.Osmesmosreposteiros,combrasõeseclesiásticos,pendiamdeduasigrejas.OHotelAliançaconservavaomesmoarmudoedeserto.Umlindosoldouravaolajedo;batedoresdechapéuàfaiafustigavamaspilecas;trêsvarinas,decanastraàcabeça,maneavamosquadris,forteseágeisnaplenaluz.Aumaesquina,osvadiosemfarraposfumavam;enaesquinadefronte,naHavanesa,fumavamtambémoutrosdesobrecasaca,politicando. 
-Istoéhorrível,quandosevemdefora!–exclamouCarlos.-Nãoéacidade,éagente.Umagentefeiíssima,encardida,molenga,reles, amarela,acabrunhada! 
-TodaviaLisboafazdiferença–afirmouEga,muitosério.–Ohfazmuitadiferença!Hás-deveraAvenida…(…) 
ForamdescendooChiado.Dooutrolado,ostoldosdaslojasestendiamnochãoumasombraforteedentada.ECarlosreconhecia, encostadosàsmesmasportas,sujeitosqueládeixarahaviadezanos,jáassimencostados,jáassimmelancólicos.Tinhamrugas,tinhambrancas. Masláestacionavamainda,apagadosemurchos,rentedasmesmasombreiras,comcolarinhosàmoda.” 
Ainda … Eça de Queirós (1845-1900), Os Maias
Decadência 
“–Falhámosavida,menino!–creioquesim.Mastodoomundomaisoumenosafalha” 
Impossível,desgraçado,parolo,poltrão,torpe–eisalgunsdostermosqueirosianosacrimoniososparaachincalharopaís.OqueosMaiasfundamentalmenteintentamémostrarumacomunidadequeperdeu, precisamenteaconsciênciadasuaprópriadignidaderestando-lheapenasmorrer,apagar-sedofirmamentodasnaçõesvivasefortes–oucontinuararir-sedolorosamentedesimesma 
JoãoMedina,EçadeQueiróseaGeraçãode70 
Ler“Osentimentodumocidental”equivalealerEçadeQueiróstransformadoempoeta,significaentraremcontactocomumapoesiarealista. 
GeorgRudolfLind,Orealeaanálise–OmundopoéticodeCesárioVerde”
Cesário Verde O poeta do quotidiano E TANGEM-ME EXCITADOS, SACUDIDOS, O TACTO, A VISTA, O OUVIDO, O GOSTO, O OLFACTO... 
Cesário 1855 –1886
-1855: A 23 de Fevereiro, num prédio da Rua da Padaria (junto à Sé de Lisboa), nasce José Joaquim CESÁRIO VERDE, filho de Maria da Piedade dos Santos Verde e de José Anastácio Verde. 
–1857: Peste em Lisboa; a família Verde refugia-se na sua quinta de Linda-a-Pastora. 
–1865: Os Verde passam a morar na Rua do Salitre (Lisboa). Cesário conclui a instrução primária e começa a estudar inglês e francês. 
–1872: Cesário começa a trabalhar na loja de ferragens do pai, na Rua dos Fanqueiros. Com 19 anos, tuberculosa, morre Maria Julia, irmã de Cesário. 
Unicamente, a minha doce irmã, Como uma ténue e imaculada rosa, Dava a nota galante e melindrosaNa trabalheira rústica, aldeã. 
E foi num ano pródigo, excelente, Cuja amargura nada sei que adoce, Que nós perdemos essa flor precoce, Que cresceu e morreu rapidamente! 
Ai daqueles que nascem neste caos, E, sendo fracos, sejam generosos! As doenças assaltam os bondososE -custa a crer -deixam viver os maus! 
A Biografia
–1873: Cesário matricula-se no Curso Superior de Letras, onde conhece e se torna grande amigo do escritor Silva Pinto. Publica os seus primeiros poemas no Diário de Notícias. –1874: Publica mais poemas no Diário de Notícias(Lisboa) e nos jornais do Porto Diário da Tardee A Tribuna. Ramalho Ortigão crava-lhe uma Farpaa propósito do poema Esplêndida. Boémia revolucionária no “Martinho”. –1875: Cesário conhece e faz amizade com Macedo Papança (futuro conde de Monsaraz). Continua a publicar poemas no Mosaico(Coimbra), n’A Tribunae n’O Porto. Começa a dirigir a loja da Rua dos Fanqueiros e a quinta de Linda-a-Pastora.
Anúncio

Recomendados

Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroDina Baptista
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoalenaeira
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiroguest155834
 
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosAlberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosBruno Meirim
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeMariaVerde1995
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradeAnaGomes40
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa HeterónimosESVieira do Minho
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposAline Araújo
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposDina Baptista
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Iga Almeida
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeRaffaella Ergün
 
Resumo Alvaro de Campos.pdf
Resumo Alvaro de Campos.pdfResumo Alvaro de Campos.pdf
Resumo Alvaro de Campos.pdfRodrigo Roxo
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de camposAna Teresa
 
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaFernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaSamuel Neves
 
A mulher em Cesario Verde
A mulher em Cesario VerdeA mulher em Cesario Verde
A mulher em Cesario VerdeMariaVerde1995
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoRaffaella Ergün
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasAna Tapadas
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de CamposAna Isabel
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental1103sancho
 

Mais procurados (20)

Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Resumo Alvaro de Campos.pdf
Resumo Alvaro de Campos.pdfResumo Alvaro de Campos.pdf
Resumo Alvaro de Campos.pdf
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaFernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
 
A mulher em Cesario Verde
A mulher em Cesario VerdeA mulher em Cesario Verde
A mulher em Cesario Verde
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
 
Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental
 

Destaque

10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte BLurdes Augusto
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte ALurdes Augusto
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoLurdes Augusto
 
10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte CLurdes Augusto
 
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasGrupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasLurdes Augusto
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensLurdes Augusto
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica AristotélicaJorge Barbosa
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Lurdes Augusto
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasLurdes Augusto
 

Destaque (12)

10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao Realismo
 
10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte C
 
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasGrupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavras
 

Semelhante a Cesário Verde

Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSíntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSANDRAMARLENEBARBOSA1
 
Machado Soraya
Machado SorayaMachado Soraya
Machado Sorayalucario
 
Pre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptxPre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptxNunaMedeiros
 
Trabalho Portugues Ppt (((Editado)))
Trabalho Portugues Ppt  (((Editado)))Trabalho Portugues Ppt  (((Editado)))
Trabalho Portugues Ppt (((Editado)))Klelson Krieger
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o anojasonrplima
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte modernaAna Batista
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verdecnlx
 
Aluísio azevedo o mulato
Aluísio azevedo   o mulatoAluísio azevedo   o mulato
Aluísio azevedo o mulatothiagofm
 
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºCPortugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºCliceuterceiroc
 

Semelhante a Cesário Verde (20)

Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSíntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
 
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
Machado Soraya
Machado SorayaMachado Soraya
Machado Soraya
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Pre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptxPre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptx
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Trabalho Portugues Ppt (((Editado)))
Trabalho Portugues Ppt  (((Editado)))Trabalho Portugues Ppt  (((Editado)))
Trabalho Portugues Ppt (((Editado)))
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
 
Aluísio azevedo o mulato
Aluísio azevedo   o mulatoAluísio azevedo   o mulato
Aluísio azevedo o mulato
 
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºCPortugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
 

Mais de Lurdes Augusto

A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)Lurdes Augusto
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosLurdes Augusto
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoLurdes Augusto
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - característicasLurdes Augusto
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettLurdes Augusto
 
Texto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoTexto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoLurdes Augusto
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettLurdes Augusto
 
Texto dramático, Falar verdade a Mentir
Texto dramático, Falar verdade a MentirTexto dramático, Falar verdade a Mentir
Texto dramático, Falar verdade a MentirLurdes Augusto
 
José Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaJosé Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaLurdes Augusto
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteLurdes Augusto
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis SepúlvedaHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis SepúlvedaLurdes Augusto
 
Funcionamento da Língua
Funcionamento da Língua Funcionamento da Língua
Funcionamento da Língua Lurdes Augusto
 
Cavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da DinamarcaCavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da DinamarcaLurdes Augusto
 
Ficha de trabalho + resolução
Ficha de trabalho + resoluçãoFicha de trabalho + resolução
Ficha de trabalho + resoluçãoLurdes Augusto
 

Mais de Lurdes Augusto (19)

Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostos
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
 
Texto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoTexto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicação
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
 
Texto dramático, Falar verdade a Mentir
Texto dramático, Falar verdade a MentirTexto dramático, Falar verdade a Mentir
Texto dramático, Falar verdade a Mentir
 
José Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaJosé Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografia
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis SepúlvedaHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
 
Os Grandes Temas
Os Grandes TemasOs Grandes Temas
Os Grandes Temas
 
A Lua de Joana
A Lua de JoanaA Lua de Joana
A Lua de Joana
 
Escrita Criativa
Escrita Criativa Escrita Criativa
Escrita Criativa
 
Funcionamento da Língua
Funcionamento da Língua Funcionamento da Língua
Funcionamento da Língua
 
Modelos de Texto
Modelos de Texto Modelos de Texto
Modelos de Texto
 
Cavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da DinamarcaCavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da Dinamarca
 
Ficha de trabalho + resolução
Ficha de trabalho + resoluçãoFicha de trabalho + resolução
Ficha de trabalho + resolução
 

Cesário Verde

  • 1. De… Eça de Queirós (1845 -1900) a… Cesário Verde (1855-1886).
  • 2. “EstavamnoLoreto;eCarlosparara,olhando,reentrandonaintimidadedaquelevelhocoraçãodacapital.Nadamudara.AmesmasentinelasonolentarodavaemtornoàestátuadeCamões.Osmesmosreposteiros,combrasõeseclesiásticos,pendiamdeduasigrejas.OHotelAliançaconservavaomesmoarmudoedeserto.Umlindosoldouravaolajedo;batedoresdechapéuàfaiafustigavamaspilecas;trêsvarinas,decanastraàcabeça,maneavamosquadris,forteseágeisnaplenaluz.Aumaesquina,osvadiosemfarraposfumavam;enaesquinadefronte,naHavanesa,fumavamtambémoutrosdesobrecasaca,politicando. -Istoéhorrível,quandosevemdefora!–exclamouCarlos.-Nãoéacidade,éagente.Umagentefeiíssima,encardida,molenga,reles, amarela,acabrunhada! -TodaviaLisboafazdiferença–afirmouEga,muitosério.–Ohfazmuitadiferença!Hás-deveraAvenida…(…) ForamdescendooChiado.Dooutrolado,ostoldosdaslojasestendiamnochãoumasombraforteedentada.ECarlosreconhecia, encostadosàsmesmasportas,sujeitosqueládeixarahaviadezanos,jáassimencostados,jáassimmelancólicos.Tinhamrugas,tinhambrancas. Masláestacionavamainda,apagadosemurchos,rentedasmesmasombreiras,comcolarinhosàmoda.” Ainda … Eça de Queirós (1845-1900), Os Maias
  • 3. Decadência “–Falhámosavida,menino!–creioquesim.Mastodoomundomaisoumenosafalha” Impossível,desgraçado,parolo,poltrão,torpe–eisalgunsdostermosqueirosianosacrimoniososparaachincalharopaís.OqueosMaiasfundamentalmenteintentamémostrarumacomunidadequeperdeu, precisamenteaconsciênciadasuaprópriadignidaderestando-lheapenasmorrer,apagar-sedofirmamentodasnaçõesvivasefortes–oucontinuararir-sedolorosamentedesimesma JoãoMedina,EçadeQueiróseaGeraçãode70 Ler“Osentimentodumocidental”equivalealerEçadeQueiróstransformadoempoeta,significaentraremcontactocomumapoesiarealista. GeorgRudolfLind,Orealeaanálise–OmundopoéticodeCesárioVerde”
  • 4. Cesário Verde O poeta do quotidiano E TANGEM-ME EXCITADOS, SACUDIDOS, O TACTO, A VISTA, O OUVIDO, O GOSTO, O OLFACTO... Cesário 1855 –1886
  • 5. -1855: A 23 de Fevereiro, num prédio da Rua da Padaria (junto à Sé de Lisboa), nasce José Joaquim CESÁRIO VERDE, filho de Maria da Piedade dos Santos Verde e de José Anastácio Verde. –1857: Peste em Lisboa; a família Verde refugia-se na sua quinta de Linda-a-Pastora. –1865: Os Verde passam a morar na Rua do Salitre (Lisboa). Cesário conclui a instrução primária e começa a estudar inglês e francês. –1872: Cesário começa a trabalhar na loja de ferragens do pai, na Rua dos Fanqueiros. Com 19 anos, tuberculosa, morre Maria Julia, irmã de Cesário. Unicamente, a minha doce irmã, Como uma ténue e imaculada rosa, Dava a nota galante e melindrosaNa trabalheira rústica, aldeã. E foi num ano pródigo, excelente, Cuja amargura nada sei que adoce, Que nós perdemos essa flor precoce, Que cresceu e morreu rapidamente! Ai daqueles que nascem neste caos, E, sendo fracos, sejam generosos! As doenças assaltam os bondososE -custa a crer -deixam viver os maus! A Biografia
  • 6. –1873: Cesário matricula-se no Curso Superior de Letras, onde conhece e se torna grande amigo do escritor Silva Pinto. Publica os seus primeiros poemas no Diário de Notícias. –1874: Publica mais poemas no Diário de Notícias(Lisboa) e nos jornais do Porto Diário da Tardee A Tribuna. Ramalho Ortigão crava-lhe uma Farpaa propósito do poema Esplêndida. Boémia revolucionária no “Martinho”. –1875: Cesário conhece e faz amizade com Macedo Papança (futuro conde de Monsaraz). Continua a publicar poemas no Mosaico(Coimbra), n’A Tribunae n’O Porto. Começa a dirigir a loja da Rua dos Fanqueiros e a quinta de Linda-a-Pastora.
  • 7. –1876: Desenvolve negócios. Frequenta a casa de Papança, na Travessa da Assunção, onde se cruza com Guerra Junqueiro, Gomes Leal e João de Deus. Os Verde mudam-se para a Rua das Trinas. –1877: Volta a colaborar no Diário de Notícias. Queixa-se dos primeiros sintomas de tuberculose. –1878: Passa a viver em Linda-a-Pastora. Nos jornais publica Noitada, Manhãs Brumosas, Em Petiz. –1879: Publica Cristalizaçõesno primeiro número da Revista de Coimbra. É atacado pela republicana Angelina Vidal n’A Tribuna do Povoe pelo monárquicoDiário Ilustrado –1880: Publica O Sentimento dum Ocidentalno número do Jornal de Viagens(Porto) dedicado ao tricentenário de Camões. Os Verde exportam maçãs para Inglaterra, Alemanha e Brasil. –1881: Cesário participa no “Grupo do Leão” e convive com Abel Botelho, Alberto de Oliveira, Fialho de Almeida, Gualdino Gomes e com os pintores José Malhoa, Silva Porto, Columbano e Rafael Bordalo Pinheiro.
  • 8. –1882: Morre, tuberculoso, Joaquim Tomás, irmão de Cesário. –1883: Cesário viaja para França, numa tentativa malograda de exportar vinhos portugueses. –1884: Publica Nós. Deixa de frequentar os meios literários. Activa negócios, produz, compra e exporta frutas. Recolhe-se a Linda-a- Pastora. –1885: Agrava-se o seu estado de saúde mas regressa a Lisboa e continua a trabalhar na loja da Rua dos Fanqueiros. –1886 (31 anos): Extremamente doente, instala-se em Caneças. Vai depois para casa de um amigo, no Lumiar (às portas de Lisboa), onde vem a morrer a 19 de Julho. -Curo-me? Sim, talvez. Mas como ficou eu? Um cangalho, um canastrão, um grande cesto roto, entra-me a chuva, entra-me o vento no corpo escangalhado... -Queres alguma coisa? -Não quero nada. Deixa-me dormir. São as últimas palavras do poeta. –1887: Silva Pinto edita O Livro de Cesário Verde.
  • 9. A época –Lisboa do final de séc. XIX . As pessoas do campo rumavam para as grandes cidades, nomeadamente Lisboa, na tentativa de melhorar as condições de vida. O que provocou o crescimento da cidade. Estes homens ocupavam-se de trabalhos pesados, eram estivadores, pedreiros… . Os laços com o campo e os hábitos rurais permaneciam fortes e a cidade parecia asfixiante aos novos habitantes. . Lisboa tinha os primeiros candeeiros a gás (1848) e chegavam também ao Chiado os primeiros candeeiros eléctricos (1878) . Grande parte das ruas eram de terra, malcheirosas e escuras. A muitas das vielas e escadinhas a civilização não chegara. . Nos bairros antigos a higiene era deplorável, havia animais domésticos e as casas estavam cheias de parasitas. . A rede de água não chegava a todas as casas. . Os contrastes entre ricos e pobres eram enormes. . No centro da cidade entre portais e vãos de escada, amontoavam-se cegos estropiados, crianças abandonadas e velhos paralíticos. .
  • 10. . Os albergues nocturnos abarrotavam de gente suja e esfarrapada. . Os trabalhadores ganhavam salários irrisórios e estavam sempre à beira do desemprego. . A sua ementa era insuficiente o que sustenta as altas taxas de mortalidade de Lisboa e Porto. A tuberculose e as pneumonias eram as doenças mais frequentes. . As condições de vida eram atrozes: sem condições de trabalho, sem dignidade, sem segurança… . Foi-se generalizando a ideia de que o Estado tinha de intervir na defesa dos mais desfavorecidos.
  • 12. A obra . A recepção dos poemas de Cesário Verde publicados na Imprensa foi péssima . Os leitores estavam habituados ao sentimentalismo romântico e detestaram aqueles versos que traziam para a poesia a realidade quotidiana da cidade e do campo, através de uma linguagem que lhes parecia pouco poética e demasiado prosaica. . Poeta do quotidiano e do banal, inebriado pela cor, prendeu-se ao imediato da natureza luminosa e às pessoas recortadas na paisagem. Deve-se-lhe a renovação impressionista da linguagem poética, depois prosseguida pelo movimento modernista. . Ele fornece-nos fotografias verbais que são verdadeiras imagens da época: as ruas, a iluminação, o gás, os quartéis, as tipóias e a fauna humana: militares e peixeiras, padeiros e dentistas. . Transparecem também as simpatias e antipatias ideológicas daquela época
  • 13. Cidade de contrastes : a cidade carregando o peso aristocrático do passado, ou a cidade dos novos bairros da jovem burguesia, ou ainda a “outra cidade”, a dos bairros de trabalhadores com origem camponesa. O poeta deambula, desvendando para si e para o leitor os bairros pobres que circundam o centro cosmopolita da cidade. . São ainda descritas personagens que se situam entre um e outro mundo: o criado, caixeiros, lojistas e a “actrizita” . Em Cesário “ver é conhecer”, é descobrir o que se esconde atrás das aparências, daí a percepção acutilante e minuciosa da cidade, revelando todas as zonas mais sombrias do retrato impressionista que faz da cidade. . Toda esta construção realista tem por detrás uma consciência social e uma inteligência que filtra as sensações. Este “eu” cosmopolita conhece/vê a cidade e vê-se a si no espelho que ela é. A poesia nasceria da impressão que o “fora” deixa no “dentro” do artista.
  • 14. . O sujeito poético projecta-se nas coisas exteriores com o peso da sua vida interior, a fim de apreender a imagem fugaz das coisas, em perpétuo dinamismo. . A dicotomia cidade/campo A nível pessoal a cidade significa a ausência, a impossibilidade ou a perversão do amor e o campo a sua expressão idílica A cidade significa opressão e o campo a liberdade. Assim o poeta assume o campo como uma realidade a ser descrita: Um campo de que o trabalho e os trabalhadores são parte integrante e com os quais o poeta se identifica A mulher . Dois tipos de mulher: a mulher esplêndida, madura, destrutiva associada à cidade e ao Norte; e a jovem simples, terna e vulnerável, associada ao campo
  • 15. Fim Prof. Maria de Lurdes Augusto