SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Realismo
Origem do Realismo O realismo foi um movimento artístico e cultural que se desenvolveu na segunda metade do século XIX.  A característica principal deste movimento foi a abordagem de temas sociais e um tratamento objetivo da realidade do ser humano.  Possuía um forte caráter ideológico, marcado por uma linguagem política e de denúncia dos problemas sociais como, por exemplo,  miséria ,  pobreza ,  exploração ,  corrupção  entre outros. Com uma linguagem clara, os artistas e escritores realistas iam diretamente ao foco da questão, reagindo, desta forma, ao subjetivismo do romantismo. Uma das correntes do realismo foi o  naturalismo , onde a objetividade está presente, porém sem o conteúdo ideológico.
A angústia de um operário em greve éo tema de  OnStrike (Em Greve),  1891 , óleo sobre tela , famoso quadro de  HubertvonHerkomer , um dos maiores nomes da  arte realista .
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Questão Coimbrã  Já havia alguns anos, os meios literários portugueses  tinham  como  principal expressão o  consagrado  Antônio  Feliciano  de  Castilho ,  poeta árcade, idoso e cego, respeitado por  sua vasta cultura e profundo conhecimento dos clássicos. Castilho, representante do academicismo e do tradicionalismo  literários,  reunia  em torno de si  jovens escritores a quem protegia e por quem era tido como mestre. A  Questão Coimbrã  tem início quando Castilho, ao posfácio elogioso ao livro  Poema da mocidade , de seu protegido  Pinheiro Chagas , aproveita para criticar um grupo de poetas de Coimbrã, a quem acusa de exibicionistas e obscurantistas. São citados  no posfácio os escritores  Teófilo Braga   e  Antero de Quental ,  que acabara de publicar obra  Odes modernas . Antero responde a Castilho com uma carta aberta, em forma de panfleto, intitulada  Bom senso e bom gosto .
Para Antero de Quental,  a agressão sofrida não se limitava ao plano estritamente literário ou pessoal; era, na verdade,  uma  reação do velho contra o novo,  do conservadorismo contra o progresso, da literatura de salão contra a literatura viva e atuante exigida pelos  no- vos tempos .  Antero de Quental desejava modernizar o país colocan- do-o ao lado das nações européias mais desenvolvidas .  Na carta ao velho mestre,  Quental  procura demonstrar que  o  atraso em que se encontrava Portugal podia ser creditado,  em parte,  à veneração tipi- camente romântica do passado. A  Questão Coimbrã   durou todo  o segundo semestre de 1865,com publicações e ataques de ambos os lados.Também  participaram dela,  entre outros,  Teófilo Braga ,  Ramalho Ortigão   e  Pinheiro  Chagas .  Eça de Queirós ,  embora fizesse parte do grupo coimbrão, não interveio na polêmica .
As conferências do Cassino e a geração de 70 Por volta de 1870, e tendo já concluído os estudos universitários em Coimbra,  o grupo de amigos se reencontra em Lisboa e passa a travar deb a tes acerca da renovação cultural portuguesa .  A  volta de Antero de Quental ,  que  estivera  na  França,  na América  e  na  ilha de  São Miguel,  dinamiza  essas reuniões,  que  passam  a  contar com leituras sistematizadas  e a ter um objetivo definido .  Como  resultado   desse  esforço,  nasce  a  iniciativa  ambiciosa das  Conferências  Democráticas ,  que  visavam  à  reforma  da  sociedade portuguesa. Essas conferências eram realizadas no Cassino Lisb o nense, provocando escândalo.  Depois  de  proferidas cinco conferências  -  duas de Antero de Quental  e uma de Eça de Querós - ,  o governo proíbe a com- tinuidade do ciclo, alegando que os oradores  susci- tavam “doutrinas e proposições que atacavam a reli- gião e as instituições do Estado” .  Apesar da censu- ra, o  Realismo já era vitorioso em Portugal , e a partir  de então se colheriam seus melhores frutos.
O Realismo é uma reação contra o Romantismo: O Romantismo era a apoteose do sentimento; -o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos -para condenar o que houve de mau na nossa sociedade. (Eça de Queirós)
Lembremo-nos que a literatura, porque se dirige ao coração, à inteligência, à imaginação e até aos sentidos, toma o homem por todos os lados; toca por isso em todos os interesses, todas as ideias, todos os sentimentos; influi no indivíduo como na sociedade, na família como na praça pública; dispõe os espíritos; determina certas correntes de opinião; combate ou abre caminho a certas tendências; e não é muito dizer que é ela quem prepara o berço aonde se há-de receber esse misterioso filho do tempo - o futuro.   (Antero de Quental)
Comparação com o Romantismo
Principais Autores e Obras   Machado de Assis:   A Cartomante, O Alienista, Memórias Póstumas de Brás Cubas Raul Pompéia :  O Ateneu Aluísio Azevedo :  O cortiço, O Mulato, Casa de pensão Inglês de Souza :  O missionário Adolfo Caminha :  A normalista, Bom-Crioulo Honoréde Balzac : Comédia Humana GustaveFlaubert : Madame Bovary Eça de Queiroz : O Crime do padre Amaro, Primo Basílio Antero de Quental : Odes Modernas, Sonetos Guerra Junqueiro : Os Simples
Nas Artes Plásticas   O realismo manifestou-se  principalmente na pintura , onde as obras retratavam cenas do cotidiano das camadas mais pobres da sociedade. O sentimento de tristeza expressa-se claramente através das cores fortes.  Um dos  principais pintores realistas  foi o francês  Gustave Coubert.  Com obras que chocaram o público pelo alto grau de realismo e pelos temas sociais, este artista destacou-se com as seguintes telas :  Os Quebradores de Pedras e Enterro em Ornans.  Outros importantes pintores deste período foram:  Honoré Daumier, Jean-François Millet e Édouard Manet.
Os Quebradores de Pedras Enterro em Ornans Principais Obras de Gustave Coubert
O herói romântico é trocado por pessoas comuns do cotidiano. Os problemas sociais transformam-se em temas para os dramaturgos realistas. A linguagem sofisticada do romantismo é deixada de lado e entra em cena as palavras comuns do povo.  O primeiro representante desta fase é o dramaturgo francês  Alexandre Dumas , autor de  A Dama das Camélias . Também podemos destacar outras importantes peças de teatro do realismo como, por exemplo,  Ralé e Os Pequenos,  Burgueses  de   Gorki ,   Os Tecelões  de   Gerhart Hauptmann  e  Casa de Bonecas  do   norueguês  Henrik Ibsen .  No Teatro
 
Teatro ( No Brasil) As peças retratam a  realidade do povo brasileiro , dando destaque para os principais problemas sociais. Os personagens românticos dão espaço para trabalhadores e pessoas simples.  Machado de Assis  escreve  Quase Ministro  e  José de Alencar  destaca-se com  O Demônio Familiar .  Luxo e Vaidade  de  Joaquim Manuel de Macedo  também merece destaque.  Outros escritores e dramaturgos que podemos destacar:  Artur de Azevedo ,  Quintino Bocaiúva  e  França Júnior
Eduardo – Assim, não amas a tua noiva? Azevedo – Não, decerto. Eduardo – É rica, talvez; casas por conveniências? Azevedo – Ora, meu amigo, um moço de trinta anos, que tem, como eu, uma fortuna independente, não precisa tentar a  chasse au mariage . Com trezentos contos pode-se viver. Eduardo – E viver brilhantemente; porém não compreendo então o motivo... Azevedo – Eu te digo! Estou completamente  blasé , estou gasto para essa vida de  flaneur  dos salões; Paris me saciou.  Mabille  e  Château des Fleurs  embriagaram-me tantas vezes de prazer que me deixaram insensível. O amor é hoje para mim um copo de  Cliqcot  que espuma no cálice, mas já não me tolda o espírito!
Literatura ( No Brasil) Na literatura brasileira o realismo   manifestou-se principalmente na prosa. Os romances realistas tornaram-se instrumentos de crítica ao comportamento burguês e às instituições sociais. Muitos escritores românticos começaram a entrar para a literatura realista. Os especialistas em literatura dizem que o marco inicial do movimento no Brasil é a publicação do livro  Memórias Póstumas de Brás Cubas  de  Machado de Assis . Nesta obra, o escritor fluminense faz duras críticas à sociedade da época.
“ Esta é a grande vantagem da morte, que, se não deixa boca para rir, também não deixa olhos para chorar...”
Colégio Estadual Melchíades Picanço  Grupo: Amanda Batista  Nº: 03 Dayana Borges Nº:09 Marina de Oliveira Nº:22 Raquel Araujo  Nº: 29 Professora: Maria Izabel

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisDina Baptista
 
Nós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário VerdeNós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeMariaVerde1995
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoafromgaliza
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposDina Baptista
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental1103sancho
 

Mais procurados (20)

Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Questão coimbrã
Questão coimbrãQuestão coimbrã
Questão coimbrã
 
Nós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário VerdeNós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário Verde
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verde
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
 
A debil cesario verde
A debil cesario verdeA debil cesario verde
A debil cesario verde
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental
 

Semelhante a Origem do Realismo: movimento artístico do séc. XIX

Semelhante a Origem do Realismo: movimento artístico do séc. XIX (20)

Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
 
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
 

Último

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 

Último (20)

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 

Origem do Realismo: movimento artístico do séc. XIX

  • 2. Origem do Realismo O realismo foi um movimento artístico e cultural que se desenvolveu na segunda metade do século XIX. A característica principal deste movimento foi a abordagem de temas sociais e um tratamento objetivo da realidade do ser humano. Possuía um forte caráter ideológico, marcado por uma linguagem política e de denúncia dos problemas sociais como, por exemplo, miséria , pobreza , exploração , corrupção entre outros. Com uma linguagem clara, os artistas e escritores realistas iam diretamente ao foco da questão, reagindo, desta forma, ao subjetivismo do romantismo. Uma das correntes do realismo foi o naturalismo , onde a objetividade está presente, porém sem o conteúdo ideológico.
  • 3. A angústia de um operário em greve éo tema de OnStrike (Em Greve), 1891 , óleo sobre tela , famoso quadro de HubertvonHerkomer , um dos maiores nomes da arte realista .
  • 4.
  • 5.
  • 6. Questão Coimbrã Já havia alguns anos, os meios literários portugueses tinham como principal expressão o consagrado Antônio Feliciano de Castilho , poeta árcade, idoso e cego, respeitado por sua vasta cultura e profundo conhecimento dos clássicos. Castilho, representante do academicismo e do tradicionalismo literários, reunia em torno de si jovens escritores a quem protegia e por quem era tido como mestre. A Questão Coimbrã tem início quando Castilho, ao posfácio elogioso ao livro Poema da mocidade , de seu protegido Pinheiro Chagas , aproveita para criticar um grupo de poetas de Coimbrã, a quem acusa de exibicionistas e obscurantistas. São citados no posfácio os escritores Teófilo Braga e Antero de Quental , que acabara de publicar obra Odes modernas . Antero responde a Castilho com uma carta aberta, em forma de panfleto, intitulada Bom senso e bom gosto .
  • 7. Para Antero de Quental, a agressão sofrida não se limitava ao plano estritamente literário ou pessoal; era, na verdade, uma reação do velho contra o novo, do conservadorismo contra o progresso, da literatura de salão contra a literatura viva e atuante exigida pelos no- vos tempos . Antero de Quental desejava modernizar o país colocan- do-o ao lado das nações européias mais desenvolvidas . Na carta ao velho mestre, Quental procura demonstrar que o atraso em que se encontrava Portugal podia ser creditado, em parte, à veneração tipi- camente romântica do passado. A Questão Coimbrã durou todo o segundo semestre de 1865,com publicações e ataques de ambos os lados.Também participaram dela, entre outros, Teófilo Braga , Ramalho Ortigão e Pinheiro Chagas . Eça de Queirós , embora fizesse parte do grupo coimbrão, não interveio na polêmica .
  • 8. As conferências do Cassino e a geração de 70 Por volta de 1870, e tendo já concluído os estudos universitários em Coimbra, o grupo de amigos se reencontra em Lisboa e passa a travar deb a tes acerca da renovação cultural portuguesa . A volta de Antero de Quental , que estivera na França, na América e na ilha de São Miguel, dinamiza essas reuniões, que passam a contar com leituras sistematizadas e a ter um objetivo definido . Como resultado desse esforço, nasce a iniciativa ambiciosa das Conferências Democráticas , que visavam à reforma da sociedade portuguesa. Essas conferências eram realizadas no Cassino Lisb o nense, provocando escândalo. Depois de proferidas cinco conferências - duas de Antero de Quental e uma de Eça de Querós - , o governo proíbe a com- tinuidade do ciclo, alegando que os oradores susci- tavam “doutrinas e proposições que atacavam a reli- gião e as instituições do Estado” . Apesar da censu- ra, o Realismo já era vitorioso em Portugal , e a partir de então se colheriam seus melhores frutos.
  • 9. O Realismo é uma reação contra o Romantismo: O Romantismo era a apoteose do sentimento; -o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos -para condenar o que houve de mau na nossa sociedade. (Eça de Queirós)
  • 10. Lembremo-nos que a literatura, porque se dirige ao coração, à inteligência, à imaginação e até aos sentidos, toma o homem por todos os lados; toca por isso em todos os interesses, todas as ideias, todos os sentimentos; influi no indivíduo como na sociedade, na família como na praça pública; dispõe os espíritos; determina certas correntes de opinião; combate ou abre caminho a certas tendências; e não é muito dizer que é ela quem prepara o berço aonde se há-de receber esse misterioso filho do tempo - o futuro. (Antero de Quental)
  • 11. Comparação com o Romantismo
  • 12. Principais Autores e Obras Machado de Assis: A Cartomante, O Alienista, Memórias Póstumas de Brás Cubas Raul Pompéia : O Ateneu Aluísio Azevedo : O cortiço, O Mulato, Casa de pensão Inglês de Souza : O missionário Adolfo Caminha : A normalista, Bom-Crioulo Honoréde Balzac : Comédia Humana GustaveFlaubert : Madame Bovary Eça de Queiroz : O Crime do padre Amaro, Primo Basílio Antero de Quental : Odes Modernas, Sonetos Guerra Junqueiro : Os Simples
  • 13. Nas Artes Plásticas O realismo manifestou-se principalmente na pintura , onde as obras retratavam cenas do cotidiano das camadas mais pobres da sociedade. O sentimento de tristeza expressa-se claramente através das cores fortes. Um dos principais pintores realistas foi o francês Gustave Coubert. Com obras que chocaram o público pelo alto grau de realismo e pelos temas sociais, este artista destacou-se com as seguintes telas : Os Quebradores de Pedras e Enterro em Ornans. Outros importantes pintores deste período foram: Honoré Daumier, Jean-François Millet e Édouard Manet.
  • 14. Os Quebradores de Pedras Enterro em Ornans Principais Obras de Gustave Coubert
  • 15. O herói romântico é trocado por pessoas comuns do cotidiano. Os problemas sociais transformam-se em temas para os dramaturgos realistas. A linguagem sofisticada do romantismo é deixada de lado e entra em cena as palavras comuns do povo. O primeiro representante desta fase é o dramaturgo francês Alexandre Dumas , autor de A Dama das Camélias . Também podemos destacar outras importantes peças de teatro do realismo como, por exemplo, Ralé e Os Pequenos, Burgueses de Gorki ,  Os Tecelões de Gerhart Hauptmann e Casa de Bonecas do norueguês Henrik Ibsen . No Teatro
  • 16.  
  • 17. Teatro ( No Brasil) As peças retratam a realidade do povo brasileiro , dando destaque para os principais problemas sociais. Os personagens românticos dão espaço para trabalhadores e pessoas simples. Machado de Assis escreve Quase Ministro e José de Alencar destaca-se com O Demônio Familiar . Luxo e Vaidade de Joaquim Manuel de Macedo também merece destaque. Outros escritores e dramaturgos que podemos destacar: Artur de Azevedo , Quintino Bocaiúva e França Júnior
  • 18. Eduardo – Assim, não amas a tua noiva? Azevedo – Não, decerto. Eduardo – É rica, talvez; casas por conveniências? Azevedo – Ora, meu amigo, um moço de trinta anos, que tem, como eu, uma fortuna independente, não precisa tentar a chasse au mariage . Com trezentos contos pode-se viver. Eduardo – E viver brilhantemente; porém não compreendo então o motivo... Azevedo – Eu te digo! Estou completamente blasé , estou gasto para essa vida de flaneur dos salões; Paris me saciou. Mabille e Château des Fleurs embriagaram-me tantas vezes de prazer que me deixaram insensível. O amor é hoje para mim um copo de Cliqcot que espuma no cálice, mas já não me tolda o espírito!
  • 19. Literatura ( No Brasil) Na literatura brasileira o realismo manifestou-se principalmente na prosa. Os romances realistas tornaram-se instrumentos de crítica ao comportamento burguês e às instituições sociais. Muitos escritores românticos começaram a entrar para a literatura realista. Os especialistas em literatura dizem que o marco inicial do movimento no Brasil é a publicação do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis . Nesta obra, o escritor fluminense faz duras críticas à sociedade da época.
  • 20. “ Esta é a grande vantagem da morte, que, se não deixa boca para rir, também não deixa olhos para chorar...”
  • 21. Colégio Estadual Melchíades Picanço Grupo: Amanda Batista Nº: 03 Dayana Borges Nº:09 Marina de Oliveira Nº:22 Raquel Araujo Nº: 29 Professora: Maria Izabel