SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Texto Dramático



    Características
ESTRUTURA INTERNA E EXTERNA

Estrutura externa
o teatro tradicional e clássico pressupunha divisões em:
- actos, correspondentes à mudança de cenários,
- cenas , equivalentes à entrada ou saída de personagens em cena.
O teatro moderno, narrativo ou épico, põe de parte estas regras tradicionais de divisão
na estrutura externa.



Estrutura interna
Uma peça de teatro divide-se em:
• Exposição – apresentação das personagens e dos antecedentes da acção.
• Conflito – conjunto de peripécias que fazem a ação progredir.
• Desenlace – desfecho da acção dramática
Modalidades do discurso
Texto Principal - Refere-se às falas dos actores. Pode ser constituído por:
• Monólogo – uma personagem, falando consigo mesma, expõe perante o público os
seus pensamentos e/ou sentimentos;
• Diálogo – falas entre duas ou mais personagens;
• Apartes – comentários de uma personagem para o público, pressupondo que não
são ouvidos pelo seu interlocutor.

Texto Secundário (ou didascálias, ou indicações cénicas) destina-se ao leitor, ao
encenador da peça ou aos actores.
O texto secundário é composto:
- pela listagem inicial das personagens ( que ocorre habitualmente antes de cada
cena)
- pela indicação do nome das personagens no início de cada fala;
- pelas informações sobre a estrutura externa da peça (divisão em actos, cenas ou
quadros);
- pelas indicações sobre o cenário e guarda roupa das personagens;
- pelas indicações sobre a movimentação das personagens em palco, as atitudes que
devem tomar, os gestos que devem fazer ou a entoação de voz com que devem
proferir as palavras.
Categorias do texto dramático – algumas particularidades
AÇÃO – desenrolar dos acontecimentos, através do diálogo e da movimentação das
personagens
PERSONAGENS – agentes da ação

ESPAÇO
Espaço – o espaço cénico é caracterizado nas didascálias, onde surgem indicações
sobre pormenores do cenário, efeitos de luz e som.
       - Coexistem normalmente dois tipos de espaço:
               • Espaço representado – constituído pelos cenários onde se desenrola
a acção e que equivalem ao espaço físico que se pretende recriar em palco;
               • Espaço aludido – corresponde às referências a outros espaços que
não o representado.
 TEMPO
 • Tempo da representação – duração do conflito em palco;

 • Tempo da acção ou da história – o(s) ano(s) ou a época em que se desenrola o
 conflito dramático;

 • Tempo da escrita ou da produção da obra – altura em que o autor concebeu a peça.
INTENÇÕES DO AUTOR

Quando escreve uma peça de teatro, o dramaturgo pode ter uma intenção:
• Moralizadora (distinguir o Bem do Mal);
• Lúdica ou de evasão (entretenimento, diversão, riso);
• Crítica em relação à sociedade do seu tempo;
• Didáctica (transmitir um ensinamento).



PROCESSOS DE CÓMICO

• Situação – o que a personagem faz é cómico e inesperado.

• Caráter – desadequação do perfil da personagem.

• Linguagem – recurso à ironia, ao calão… resultado num efeito cómico ou
ridículo.
FORMAS DO GÉNERO DRAMÁTICO

• Tragédia
• Comédia
• Drama
• Teatro Épico.




                  OUTROS INTERVENIENTES NO TEXTO DRAMÁTICO
                  • dramaturgo – autor
                  • encenador – prepara e orienta os atores
                  • cenógrafo – prepara o cenário
                  • sonoplastia – efeitos sonoros
                  • luminotecnia – efeitos luminosos
                  • ator – representa as personagens
Falar Verdade a Mentir,
          de Almeida Garrett




  Almeida Garrett, quem foi ??
  Romantismo, o que foi ??
João Baptista da Silva Leitão de Almeida      Garrett
  Escritor e Dramaturgo romântico, foi o responsável pela
  edificação do Teatro Nacional de D. Maria II e pela criação
  do Conservatório.
  Nasceu no Porto, em 4 de Fevereiro de 1799;
  morreu em Lisboa em 9 de Dezembro de 1854.
Outros aspetos da crítica social:




                                    Com base no trabalho de Maria José Nogueira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transformação ativa-passiva
Transformação ativa-passivaTransformação ativa-passiva
Transformação ativa-passivaAntónio Mateus
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticasrijcp
 
Correcao do teste aia net
Correcao  do teste aia netCorrecao  do teste aia net
Correcao do teste aia netostrapaula
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaHelena Coutinho
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Inês Moreira
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraMargarida Santos
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadoresgracacruz
 
Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia AMLDRP
 
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docxteste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docxIsabelVieira2093
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteLurdes Augusto
 
Texto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasTexto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasElsa Maximiano
 
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo LusiadasFt24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo LusiadasFernanda Soares
 
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadassin3stesia
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cenaHelena Coutinho
 

Mais procurados (20)

Transformação ativa-passiva
Transformação ativa-passivaTransformação ativa-passiva
Transformação ativa-passiva
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 
Correcao do teste aia net
Correcao  do teste aia netCorrecao  do teste aia net
Correcao do teste aia net
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
De tarde - Cesário Verde
De tarde - Cesário VerdeDe tarde - Cesário Verde
De tarde - Cesário Verde
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
Complemento oblíquo
Complemento oblíquoComplemento oblíquo
Complemento oblíquo
 
Figuras de estilo
Figuras de estiloFiguras de estilo
Figuras de estilo
 
Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia
 
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docxteste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
 
Viagens na minha terra
Viagens na minha terraViagens na minha terra
Viagens na minha terra
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Texto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasTexto Narrativo Categorias
Texto Narrativo Categorias
 
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo LusiadasFt24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
 
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
 

Semelhante a Estrutura e categorias do texto dramático

Apontamentos do texto dramatico
Apontamentos do texto dramaticoApontamentos do texto dramatico
Apontamentos do texto dramaticomariananunes1998
 
Características do texto dramático
Características do texto dramáticoCaracterísticas do texto dramático
Características do texto dramáticoVanda Marques
 
Características do texto dramático
Características do texto dramáticoCaracterísticas do texto dramático
Características do texto dramáticoErnesto Ananias
 
Texto dramatico caracteristicas
Texto dramatico caracteristicasTexto dramatico caracteristicas
Texto dramatico caracteristicas3634
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
EstruturatextoteatralCarla Souto
 
Texto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriasTexto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriassin3stesia
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettLurdes Augusto
 
Texto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoTexto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoLurdes Augusto
 
Estrutura e constituição do texto dramático
Estrutura e constituição do texto dramáticoEstrutura e constituição do texto dramático
Estrutura e constituição do texto dramáticotrizfernandes
 
Gêneros Teatrais -Tragédia e Comédia.pdf
Gêneros Teatrais -Tragédia e Comédia.pdfGêneros Teatrais -Tragédia e Comédia.pdf
Gêneros Teatrais -Tragédia e Comédia.pdfverassousaelias
 
LP: Glossário Teatro
LP: Glossário TeatroLP: Glossário Teatro
LP: Glossário Teatro7F
 
_caractersticas_do_texto_dramtico
  _caractersticas_do_texto_dramtico  _caractersticas_do_texto_dramtico
_caractersticas_do_texto_dramticoTeresa Oliveira
 
caractersticas_do_texto_dramatico
 caractersticas_do_texto_dramatico caractersticas_do_texto_dramatico
caractersticas_do_texto_dramaticowerweruiuiuiui
 

Semelhante a Estrutura e categorias do texto dramático (20)

Apontamentos do texto dramatico
Apontamentos do texto dramaticoApontamentos do texto dramatico
Apontamentos do texto dramatico
 
Características do texto dramático
Características do texto dramáticoCaracterísticas do texto dramático
Características do texto dramático
 
Características do texto dramático
Características do texto dramáticoCaracterísticas do texto dramático
Características do texto dramático
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
 
Texto dramatico caracteristicas
Texto dramatico caracteristicasTexto dramatico caracteristicas
Texto dramatico caracteristicas
 
LITERATURA
 LITERATURA  LITERATURA
LITERATURA
 
Texto teatral 2
Texto teatral 2Texto teatral 2
Texto teatral 2
 
Texto dramatico
Texto dramaticoTexto dramatico
Texto dramatico
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
 
Texto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriasTexto dramático história e categorias
Texto dramático história e categorias
 
O texto dramático
O texto dramáticoO texto dramático
O texto dramático
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
 
Texto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoTexto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicação
 
Estrutura e constituição do texto dramático
Estrutura e constituição do texto dramáticoEstrutura e constituição do texto dramático
Estrutura e constituição do texto dramático
 
Gêneros Teatrais -Tragédia e Comédia.pdf
Gêneros Teatrais -Tragédia e Comédia.pdfGêneros Teatrais -Tragédia e Comédia.pdf
Gêneros Teatrais -Tragédia e Comédia.pdf
 
LP: Glossário Teatro
LP: Glossário TeatroLP: Glossário Teatro
LP: Glossário Teatro
 
_caractersticas_do_texto_dramtico
  _caractersticas_do_texto_dramtico  _caractersticas_do_texto_dramtico
_caractersticas_do_texto_dramtico
 
caractersticas_do_texto_dramatico
 caractersticas_do_texto_dramatico caractersticas_do_texto_dramatico
caractersticas_do_texto_dramatico
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
 

Mais de Lurdes Augusto

10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte CLurdes Augusto
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte BLurdes Augusto
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte ALurdes Augusto
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Lurdes Augusto
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensLurdes Augusto
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoLurdes Augusto
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasGrupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasLurdes Augusto
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasLurdes Augusto
 
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)Lurdes Augusto
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosLurdes Augusto
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoLurdes Augusto
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettLurdes Augusto
 
José Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaJosé Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaLurdes Augusto
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis SepúlvedaHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis SepúlvedaLurdes Augusto
 

Mais de Lurdes Augusto (20)

10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte C
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao Realismo
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasGrupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavras
 
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostos
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
 
José Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaJosé Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografia
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis SepúlvedaHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
 
Os Grandes Temas
Os Grandes TemasOs Grandes Temas
Os Grandes Temas
 

Estrutura e categorias do texto dramático

  • 1. Texto Dramático Características
  • 2. ESTRUTURA INTERNA E EXTERNA Estrutura externa o teatro tradicional e clássico pressupunha divisões em: - actos, correspondentes à mudança de cenários, - cenas , equivalentes à entrada ou saída de personagens em cena. O teatro moderno, narrativo ou épico, põe de parte estas regras tradicionais de divisão na estrutura externa. Estrutura interna Uma peça de teatro divide-se em: • Exposição – apresentação das personagens e dos antecedentes da acção. • Conflito – conjunto de peripécias que fazem a ação progredir. • Desenlace – desfecho da acção dramática
  • 3. Modalidades do discurso Texto Principal - Refere-se às falas dos actores. Pode ser constituído por: • Monólogo – uma personagem, falando consigo mesma, expõe perante o público os seus pensamentos e/ou sentimentos; • Diálogo – falas entre duas ou mais personagens; • Apartes – comentários de uma personagem para o público, pressupondo que não são ouvidos pelo seu interlocutor. Texto Secundário (ou didascálias, ou indicações cénicas) destina-se ao leitor, ao encenador da peça ou aos actores. O texto secundário é composto: - pela listagem inicial das personagens ( que ocorre habitualmente antes de cada cena) - pela indicação do nome das personagens no início de cada fala; - pelas informações sobre a estrutura externa da peça (divisão em actos, cenas ou quadros); - pelas indicações sobre o cenário e guarda roupa das personagens; - pelas indicações sobre a movimentação das personagens em palco, as atitudes que devem tomar, os gestos que devem fazer ou a entoação de voz com que devem proferir as palavras.
  • 4. Categorias do texto dramático – algumas particularidades AÇÃO – desenrolar dos acontecimentos, através do diálogo e da movimentação das personagens PERSONAGENS – agentes da ação ESPAÇO Espaço – o espaço cénico é caracterizado nas didascálias, onde surgem indicações sobre pormenores do cenário, efeitos de luz e som. - Coexistem normalmente dois tipos de espaço: • Espaço representado – constituído pelos cenários onde se desenrola a acção e que equivalem ao espaço físico que se pretende recriar em palco; • Espaço aludido – corresponde às referências a outros espaços que não o representado. TEMPO • Tempo da representação – duração do conflito em palco; • Tempo da acção ou da história – o(s) ano(s) ou a época em que se desenrola o conflito dramático; • Tempo da escrita ou da produção da obra – altura em que o autor concebeu a peça.
  • 5. INTENÇÕES DO AUTOR Quando escreve uma peça de teatro, o dramaturgo pode ter uma intenção: • Moralizadora (distinguir o Bem do Mal); • Lúdica ou de evasão (entretenimento, diversão, riso); • Crítica em relação à sociedade do seu tempo; • Didáctica (transmitir um ensinamento). PROCESSOS DE CÓMICO • Situação – o que a personagem faz é cómico e inesperado. • Caráter – desadequação do perfil da personagem. • Linguagem – recurso à ironia, ao calão… resultado num efeito cómico ou ridículo.
  • 6. FORMAS DO GÉNERO DRAMÁTICO • Tragédia • Comédia • Drama • Teatro Épico. OUTROS INTERVENIENTES NO TEXTO DRAMÁTICO • dramaturgo – autor • encenador – prepara e orienta os atores • cenógrafo – prepara o cenário • sonoplastia – efeitos sonoros • luminotecnia – efeitos luminosos • ator – representa as personagens
  • 7. Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett Almeida Garrett, quem foi ?? Romantismo, o que foi ??
  • 8. João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett Escritor e Dramaturgo romântico, foi o responsável pela edificação do Teatro Nacional de D. Maria II e pela criação do Conservatório. Nasceu no Porto, em 4 de Fevereiro de 1799; morreu em Lisboa em 9 de Dezembro de 1854.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. Outros aspetos da crítica social: Com base no trabalho de Maria José Nogueira