SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
1Gustave Coubert
"Os Britadores de Pedras" (1849
2
Questão Coimbrã
• Antônio Feliciano de
Castilho
• Antero de Quental
3
Em 1865, foi um dos principais
envolvidos na polêmica conhecida por
Questão Coimbrã, em que humilhou
Antônio Feliciano de Castilho, seu antigo
professor e renomado crítico literário que
se tinha por cânone para os escritores
nacionais:
ao livro Odes modernas de Antero,
Castilho respondeu com críticas duras
sobre o aventureirismo de um jovem tolo
que escrevia de forma assaz estranha e
de gosto muito duvidoso.
4
Antero respondeu com o opúsculo
Bom senso e bom gosto, a que definia
a sua literatura por oposição à instituída:
ao Ultrarromantismo decadente, torpe,
beato, estupidificante e moralmente
degradado.
Antero imprimia ao Realismo, a
exposição da vida tal como ela era, das
chagas da sociedade, da pobreza, da
exploração: estas preocupações sociais
levaram-no a co-fundar o
Partido Socialista Português:
5
Antero defendia a poesia como Voz da
Revolução, como forma de alertar as
consciências para as desigualdades
sociais e para os problemas da
humanidade.
6
ANTERO DE QUENTAL
7
Antero de Quental (1842 – 1891)
• “Por mim penso, que, em Antero de Quental,
me foi dado conhecer, neste mundo de
pecado e de escuridade, alguém, filho querido
de Deus, que muito padeceu porque muito
pensou, que muito amou porque muito
compreendeu, e que, simples entre os
simples, pondo a sua vasta alma em curtos
versos – era um Gênio e era um Santo!”
Eça de Queirós, “Antero de Quental” in Memoriam
8
Antero Tarquínio de Quental
Nasceu na ilha de S. Miguel, Açores e
desde de jovem destacou-se pelas suas
opiniões revolucionárias e pela forma de
estar na vida. Lutador e muito
congruente com os seus ideais
socialistas.
Antero espalhou saber pela poesia,
filosofia e política.
Estudou direito em Coimbra, onde brilhou
como líder estudantil.
9
Foi o guia espiritual da geração de 70,
um agitador político a “full-time”, que se
afirmou pelo desejo de intervenção e
renovação da vida política e cultural
portuguesa.
Tinha uma personalidade complexa, que
oscilava entre a euforia e a mais
profunda depressão, acabando em
suicídio.
10
Análisedaobra
A poesia de Antero de Quental apresenta
três faces distintas:
• A das experiências juvenis, em que
coexistem diversas tendências
• A da poesia militante, empenhada em
agir como “voz da revolução”
• E a da poesia de tom metafísico,
voltada para a expressão da angustia de
quem busca um sentido para a existência.
11
 A oscilação entre uma poesia de combate,
dedicada ao elogio da ação e da
capacidade humana, e uma poesia
intimista, direcionada para a análise de
uma individualidade angustiada, parece
ter sido constante na obra madura de
Antero, abandonando a posição que
costumava enxergar uma sequência
cronológica de três fases.
 Antero atinge um maior grau de
elaboração em seus sonetos,
considerados dos melhores da língua e
comparados aos de Camões e aos de
Bocage.
12
Obra
• Sonetos de Antero, 1861,
• Raios de extinta luz 1892
• Primaveras românticas, 1872
• Odes modernas, 1865 (na origem
da polêmica Questão Coimbrã)
• Sonetos, 1886.
• Prosas
13
Contemplação
Sonho de olhos abertos, caminhando
Não entre as formas já e as aparências,
Mas vendo a face imóvel das essências,
Entre ideias e espíritos pairando...
Que é o mundo ante mim? fumo ondeando,
Visões sem ser, fragmentos de
existências...
Uma névoa de enganos e impotências
Sobre vácuo insondável rastejando...
14
E d'entre a névoa e a sombra universais
Só me chega um murmúrio, feito de ais...
É a queixa, o profundíssimo gemido
Das coisas, que procuram cegamente
Na sua noite e dolorosamente
Outra luz, outro fim só presentido...
Antero de Quental, in "Sonetos"
15
CESÁRIO VERDE
16
José Joaquim Cesário
Verde (1855-1886)
Filho do lavrador e comerciante José
Anastácio Verde e de Maria da Piedade
dos Santos Verde, Cesário matriculou-se
no Curso Superior de Letras em 1873,
frequentando por apenas alguns meses
o curso de Letras. Ali conheceu Silva
Pinto, grande amigo pelo resto da vida.
Dividia-se entre a produção de poesias
(publicadas em jornais) e as atividades
de comerciante, herdadas do pai.
17
Em 1877 lhe começou a dar sinais a
tuberculose, doença que já lhe tirara o
irmão e a irmã. Estas mortes servem de
inspiração a um de seus principais
poemas, Nós (1884).
Tenta curar-se da tuberculose, sem
sucesso; vem a falecer no dia 19 de Julho
de 1886. No ano seguinte Silva Pinto
organiza O Livro de Cesário Verde
(disponível ao público em 1901),
compilação de sua poesia.
18
De poesia delicada, Cesário empregou
técnicas impressionistas, com extrema
sensibilidade ao retratar a Cidade e o
Campo, seus cenários prediletos. Evitou o
lirismo tradicional, expressando da forma
mais natural possível.
19
Casa de Cesário Verde
20
Característicasrealistas:
Supremacia do mundo externo, da
materialidade dos objetos; impõe o real
concreto à sua poesia.
Predomínio do cenário urbano (o
favorito dos escritores realistas e
naturalistas).
Situa espaço-temporalmente as cenas
apresentadas (ex: «Num Bairro Moderno»
- «dez horas da manhã»).
Atenção ao pormenor, ao detalhe.
21
A seleção temática: a dureza do
trabalho («Cristalizações» e «Num Bairro
Moderno»); a doença e a injustiça
social («Contrariedades»); a imoralidade
das «impuras», a desonestidade do
«ratoneiro» e a «miséria do velho
professor» em «O Sentimento dum
Ocidental».
A presença do real histórico: a referência
a Camões e o contexto sociopolíticos em
«O Sentimento dum Ocidental».
22
A linguagem burguesa, popular,
coloquial, rica em termos concretos.
Pelo fato da sua poesia ser estimulada
pelo real, que inspira o poeta, que se
deixa absorver pelas formas materiais e
concretas.
23
Características
modernistas:
A realidade é mediatizada pelo olhar
do poeta, que recria, a partir do
concreto, uma super-realidade através
da imaginação transfiguradora,
metamorfoseando o real num
processo de reinvenção ou
recontextualização precursora da
estética surrealista.
24
Abre à poesia as portas da vida e
assim traz o inestético, o vulgar, o
feio, a realidade trivial e quotidiana.
Forte componente sinestésica
(cruzamento de várias sensações na
apreensão do real), de pendor
impressionista, que valoriza a sensação
em detrimento do objeto real.
Um certo interseccionismo entre planos
diferentes, visualismo e memória, real
e imaginário, etc.
25
Características
estilísticas:
A exploração do espaço é feita
através de sucessivas deambulações,
numa perspectiva de câmara de filmar,
em que se vão fixando vários planos
É uma espécie de olhar itinerante e
fragmentário, que reflete o passeio
obsessivo pela cidade (e também no
campo em alguns poemas); uma poesia
transeunte, errante.
26
O olhar seletivo: a descrição/evocação
do espaço é filtrada por um juízo de
valor transfigurador, profundamente
sinestésico.
O poeta é como um espelho em que vem
repercutir-se a diversidade do mundo
citadino.
Automatismo psíquico: associações
desconexas de ideias, visível nas frases
curtas, na sequencia de orações
coordenadas assindéticas, que sugerem
uma acumulação, uma concatenação
aleatória de ideias.
27
Adjetivação particularmente abundante
e expressiva, com dupla e tripla
adjetivação, ao serviço de um
impressionismo pictórico.
Os substantivos presentificadores da
realidade convocada, frequentemente
em enumeração, que sugere uma
acumulação, um compósito de
elementos, característicos da
construção pictórica.
28
Características temáticas:
A questão da inviabilidade do Amor na
cidade.
A humilhação (sentimental, estética,
social).
A preocupação com as injustiças sociais.
O sentimento anti-burguês.
O perpétuo fluir do tempo, que só trará
esperança para as gerações futuras.
Presença obsessiva da figura feminina.
29
Obra
• O Livro de Cesário Verde é a edição póstuma
da coletânea dos poemas do poeta português
Cesário Verde, feita por seu amigo Silva Pinto
em 1887, reunindo os poemas editados em
periódicos Levado pela fraternal amizade pelo
poeta, e ao mesmo tempo pelo desejo de
estudar-lhe criticamente o escasso legado
poético, Silva Pinto organizou o livro segundo
um critério inteiramente pessoal, visto Cesário
não haver deixado nem mesmo um esboço
dele.
30
Outros autores
• Júlio Dinis, pseudônimo
de Joaquim Guilherme
Gomes Coelho (1839 –
1871) foi um médico e
escritor português.. É
por muitos considerado
como um escritor de
transição entre o fim do
Romantismo e o
princípio do Realismo.
Embora tenha escrito
poesia e teatro,
notabilizou-se
principalmente como
romancista.
• Principal Obra:
• As Pupilas Do Senhor
Reitor (1867)
31
• Abílio Manuel Guerra
Junqueiro ( 1850 –
1923 )
• Foi o poeta mais popular
da sua época e o mais
típico representante da
chamada “Escola Nova”.
Poeta panfletário, a sua
poesia ajudou criar o
ambiente revolucionário
que conduziu à
implantação da
República.
Outros autores
32
Ruínas
I 
E é triste ver assim ir desfolhando, 
Vê-las levadas na amplidão do ar, 
As ilusões que andamos levantando 
Sobre o peito das mães, o eterno altar. 
Nem sabe a gente já como, nem quando, 
Há de a nossa alma um dia descansar! 
Que as almas vão perdidas, vão boiando 
Nesta corrente eléctrica do mar!... 
Ó ciência, minha amante, ó sonho belo! 
És fria como a folha dum cutelo... 
Nunca o teu lábio conheceu piedade! 
33
Mas caia embora o velho paraíso, 
Caia a fé, caia Deus! sendo preciso, 
Em nome do Direito e da Verdade.
II 
Morreu-me a luz da crença — alva cecém, 
Pálida virgem de luzentas tranças 
Dorme agora na campa das crianças, 
Onde eu quisera repousar também. 
A graça, as ilusões, o amor, a unção, 
Doiradas catedrais do meu passado, 
Tudo caiu desfeito, escalavrado 
Nos tremendos combates da razão.    
34
Perdida a fé, esse imortal abrigo, 
Fiquei sozinho como herói antigo 
Batalhando sem elmo e sem escudo. 
A implacável, a rígida ciência 
Deixou-me unicamente a Providência, 
Mas, deixando-me Deus, deixou-me tudo. 
Guerra Junqueiro, in 'A Musa em Férias'  
35
É importante ressaltar que:
• O Realismo é um movimento artístico
surgido na França, e cuja influência se
estendeu a numerosos países europeus.
Esta corrente aparece no momento em
que ocorrem as primeiras lutas sociais,
sendo também objeto de ação contra o
capitalismo progressivamente mais
dominador.
• Das influências intelectuais que mais
ajudaram no sucesso do Realismo
denota-se a reação contra as
excentricidades românticas e contra as
suas falsas idealizações da paixão
amorosa, bem como um crescente
respeito pelo fato empiricamente
averiguado, pelas ciências exatas e
experimentais e pelo progresso técnico.
• A passagem do Romantismo para o
Realismo, corresponde uma mudança do
belo e ideal para o real e objetivo.
36
PROSA
37
José Maria Eça de Queirós
38
Eça de Queirós (1845 – 1900)
• Nascimento 25 de
novembro de 1845
em Póvoa de Varzim ,
Portugal
• Falecimento 16 de
agosto de 1900 -
Paris, França
• Nacionalidade
Português
• Ocupação
Romancista, contista
• Escola/tradição:
Romantismo,
Realismo
39
Era filho do Dr. José Maria Teixeira de
Queirós, juiz do Supremo Tribunal de
Justiça, e de sua mulher, D. Carolina de
Eça.
Matriculou-se na faculdade de Direito da
Universidade de Coimbra, completando a
sua formatura em 1866.
Era amigo íntimo de Antero de Quental,
com quem viveu fraternalmente, e com
ele e outros formou uma ligação seleta e
verdadeira agremiação literária para
controvérsias humorísticas e instrutivas.
Nessas assembleias entraram Ramalho
Ortigão, Oliveira Martins, Salomão Saraga
e Lobo de Moura.
40
Estabeleceram-se então, em 1871, as
notáveis Conferências Democráticas no
Cassino Lisbonense (V. Conferência), e Eça
de Queirós, na que lhe competiu, discursou
acerca do "O Realismo como nova
Expressão de Arte", em que obteve ruidoso
triunfo.
Decidindo-se a seguir a carreira
diplomática, foi a um concurso em 21 de
Julho de 1870, sagrando-se o primeiro
colocado e, em 1872, obteve a nomeação
de cônsul geral de Havana, para onde
partiu.
Permaneceu poucos anos em Cuba, no meio
das terríveis repressões do governo
espanhol.
41
Eça de Queirós era casado com a Sr.ª D.
Emília de Castro Pamplona, irmã do conde de
Resende.
Colaborou na Gazeta de Portugal, Revolução
de Setembro, Renascença, Diário Ilustrado,
Diário de Notícias, Ocidente, Correspondência
de Portugal, e em outras publicações.
42
Eça de Queirós, quando faleceu, estava
trabalhando em romances inspirados nas
lendas de S. Cristóvão e de S. Frei Gil, o
celebrado bruxo português.
Devido à iniciativa de amigos dedicados
do falecido escritor, elevou-se uma
estátua em mármore para perpetuar a
sua memória, a qual está situada no
Largo de Quintela.
É uma verdadeira obra artística do
escultor Teixeira Lopes.
Eça de Queirós e o representante
maior da prosa realista em Portugal.
43
44
Grande renovador do romance,
abandonou a linha romântica, e
estabeleceu uma visão critica da
realidade.
Afastou-se do estilo clássico, que
perdurou por muito tempo na obra de
diversos autores românticos, deu a frase
uma maior simplicidade, mudando a
sintaxe e inovando na combinação das
palavras.
Evitou a retórica tradicional e os lugares
comuns, criou novas formas de dizer,
introduziu neologismos e, principalmente
utilizou o adjetivo de maneira inédita e
expressiva.
45
Este novo estilo só teve antecessor em
Almeida Garrett e valeu a Eça a acusação de
galicismo e estabeleceu os fundamentos da
prosa moderna da Língua Portuguesa.
Cenas “grotescas” com linguagem “polida”;
Conteúdo “dolorido” e forma “sofisticada”;
Estoicismo / Ironia fina;
Descritivismo e detalhismo;
Determinismo.
A crítica literária costuma identificar três
fases distintas na obra de Eça de Queirós
Características
46
1ª. fase
 A primeira fase compreende, basicamente,
crônicas jornalísticas reunidas
posteriormente em volume, sob o título de
Prosas bárbaras.
 Escreveu um romance, O mistério da
estrada de Sintra, em parceria com
Ramalho Ortigão.
 Um realismo ainda incipiente convive com
heranças românticas mal disfarçadas.
 O próprio escritor tentou fazer com que
esse início de carreira fosse esquecido.
 Trata-se da parte menos significativa da
sua produção literária .
47
2ª. fase
 A segunda fase tem início com a
publicação do romance, O crime do padre
Amaro, em 1875 .
 Três anos depois, o autor daria
continuidade a ela com O primo Basílio .
 Em 1880, escreve Os Maias, contando
uma história incestuosa, bem ao gosto
naturalista .
 Trata-se da fase mais caracteristicamente
realista-naturalista do autor .
48
 Seus romances estão impregnados de
elementos próprios do estilo,
principalmente porque esboçam um
panorama de crítica social e cultural da vida
portuguesa, notadamente do ambiente
burguês.
 A ironia utilizada nesses romances
desmascara o comportamento hipócrita e
ocioso da burguesia lisboeta.
 Destaque-se, contudo, a originalidade do
estilo de Eça de Queiroz, que dotou a língua
portuguesa de um novo ritmo de fase, com
uma adjetivação surpreendente .
49
50
51
52
53
54
55
3ª. fase
 Escapando da rigidez das normas realistas-
naturalistas, confere lugar de destaque à
fantasia, sem abandonar o registro crítico
realista .
 Em romances como A relíquia ( 1887 ), A
ilustre de Ramires ( 1897 ) e A cidade e as
serras ( 1901 ), o escritor se permite alguns
voos de imaginação.
 Acrescente-se a nota saudosista das
tradições portuguesas Eça, ainda e sempre
um crítico do convencionalismo lusitano,
agora, de longe ( por força de suas missões
56
 diplomáticas ), observa a pátria com mais
complacência.
 Sua linguagem vai assumindo um registro
cada vez mais pessoal, terminando por ser
marcadamente impressionista, muito
distante da objetividade exigida ao
romance realista-naturalista típico .
57
Principais obras
O Crime do Padre Amaro , 1876. Segunda edição
refundida, 1880.
O Primo Basílio, 1878.
O Mandarim, 1880.
Relíquia, 1887.
Os Maias, 1888.
A Ilustre Casa de Ramires, 1900.
Correspondência de Fradique Mendes, 1900.
A Cidade e as Serras, 1901.
Prosas Bárbaras, 1903.
Prof. Claudia Ribeiro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Singularidades de uma rapariga loura
Singularidades de uma rapariga louraSingularidades de uma rapariga loura
Singularidades de uma rapariga louraAline Araújo
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxUFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxNome Sobrenome
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro modernoaramalho340
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimoDina Baptista
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradeAnaGomes40
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de CamposAna Isabel
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obraHelena Coutinho
 
Nós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário VerdeNós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas Paulo Gomes
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereirananasimao
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70inesabento
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiroguest155834
 
Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimosAntónio Fraga
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 

Mais procurados (20)

Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Singularidades de uma rapariga loura
Singularidades de uma rapariga louraSingularidades de uma rapariga loura
Singularidades de uma rapariga loura
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxUFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro moderno
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Nós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário VerdeNós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário Verde
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimos
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 

Semelhante a Antero de Quental e a Questão Coimbrã

Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSíntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSANDRAMARLENEBARBOSA1
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Rita Costa
 
Pré-modernismo - Parte 1.ppt
Pré-modernismo - Parte 1.pptPré-modernismo - Parte 1.ppt
Pré-modernismo - Parte 1.pptValdenirSilva15
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasilJonatas Carlos
 
Realismo e Naturalismo
Realismo  e NaturalismoRealismo  e Naturalismo
Realismo e NaturalismoCrisBiagio
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptANDRESSASILVADESOUSA
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptAliceEmanuelladeOliv
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptCarlos100coliCoimbra
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptLeandroBolivar1
 
valor aspetual antónio alves
valor aspetual antónio alvesvalor aspetual antónio alves
valor aspetual antónio alvesmiovi
 
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCliceuterceiroc
 
Primeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do ModernismoPrimeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do ModernismoCamila Jamyly
 

Semelhante a Antero de Quental e a Questão Coimbrã (20)

Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSíntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
REALISMO.ppt
REALISMO.pptREALISMO.ppt
REALISMO.ppt
 
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Pré-modernismo - Parte 1.ppt
Pré-modernismo - Parte 1.pptPré-modernismo - Parte 1.ppt
Pré-modernismo - Parte 1.ppt
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Realismo e Naturalismo
Realismo  e NaturalismoRealismo  e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
valor aspetual antónio alves
valor aspetual antónio alvesvalor aspetual antónio alves
valor aspetual antónio alves
 
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
 
Primeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do ModernismoPrimeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do Modernismo
 

Mais de Claudia Ribeiro

Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Claudia Ribeiro
 
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Claudia Ribeiro
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalClaudia Ribeiro
 
Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016Claudia Ribeiro
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoClaudia Ribeiro
 
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialAdjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialClaudia Ribeiro
 

Mais de Claudia Ribeiro (10)

Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
 
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
 
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialAdjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 

Último

Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 

Último (20)

Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 

Antero de Quental e a Questão Coimbrã

  • 2. 2 Questão Coimbrã • Antônio Feliciano de Castilho • Antero de Quental
  • 3. 3 Em 1865, foi um dos principais envolvidos na polêmica conhecida por Questão Coimbrã, em que humilhou Antônio Feliciano de Castilho, seu antigo professor e renomado crítico literário que se tinha por cânone para os escritores nacionais: ao livro Odes modernas de Antero, Castilho respondeu com críticas duras sobre o aventureirismo de um jovem tolo que escrevia de forma assaz estranha e de gosto muito duvidoso.
  • 4. 4 Antero respondeu com o opúsculo Bom senso e bom gosto, a que definia a sua literatura por oposição à instituída: ao Ultrarromantismo decadente, torpe, beato, estupidificante e moralmente degradado. Antero imprimia ao Realismo, a exposição da vida tal como ela era, das chagas da sociedade, da pobreza, da exploração: estas preocupações sociais levaram-no a co-fundar o Partido Socialista Português:
  • 5. 5 Antero defendia a poesia como Voz da Revolução, como forma de alertar as consciências para as desigualdades sociais e para os problemas da humanidade.
  • 7. 7 Antero de Quental (1842 – 1891) • “Por mim penso, que, em Antero de Quental, me foi dado conhecer, neste mundo de pecado e de escuridade, alguém, filho querido de Deus, que muito padeceu porque muito pensou, que muito amou porque muito compreendeu, e que, simples entre os simples, pondo a sua vasta alma em curtos versos – era um Gênio e era um Santo!” Eça de Queirós, “Antero de Quental” in Memoriam
  • 8. 8 Antero Tarquínio de Quental Nasceu na ilha de S. Miguel, Açores e desde de jovem destacou-se pelas suas opiniões revolucionárias e pela forma de estar na vida. Lutador e muito congruente com os seus ideais socialistas. Antero espalhou saber pela poesia, filosofia e política. Estudou direito em Coimbra, onde brilhou como líder estudantil.
  • 9. 9 Foi o guia espiritual da geração de 70, um agitador político a “full-time”, que se afirmou pelo desejo de intervenção e renovação da vida política e cultural portuguesa. Tinha uma personalidade complexa, que oscilava entre a euforia e a mais profunda depressão, acabando em suicídio.
  • 10. 10 Análisedaobra A poesia de Antero de Quental apresenta três faces distintas: • A das experiências juvenis, em que coexistem diversas tendências • A da poesia militante, empenhada em agir como “voz da revolução” • E a da poesia de tom metafísico, voltada para a expressão da angustia de quem busca um sentido para a existência.
  • 11. 11  A oscilação entre uma poesia de combate, dedicada ao elogio da ação e da capacidade humana, e uma poesia intimista, direcionada para a análise de uma individualidade angustiada, parece ter sido constante na obra madura de Antero, abandonando a posição que costumava enxergar uma sequência cronológica de três fases.  Antero atinge um maior grau de elaboração em seus sonetos, considerados dos melhores da língua e comparados aos de Camões e aos de Bocage.
  • 12. 12 Obra • Sonetos de Antero, 1861, • Raios de extinta luz 1892 • Primaveras românticas, 1872 • Odes modernas, 1865 (na origem da polêmica Questão Coimbrã) • Sonetos, 1886. • Prosas
  • 13. 13 Contemplação Sonho de olhos abertos, caminhando Não entre as formas já e as aparências, Mas vendo a face imóvel das essências, Entre ideias e espíritos pairando... Que é o mundo ante mim? fumo ondeando, Visões sem ser, fragmentos de existências... Uma névoa de enganos e impotências Sobre vácuo insondável rastejando...
  • 14. 14 E d'entre a névoa e a sombra universais Só me chega um murmúrio, feito de ais... É a queixa, o profundíssimo gemido Das coisas, que procuram cegamente Na sua noite e dolorosamente Outra luz, outro fim só presentido... Antero de Quental, in "Sonetos"
  • 16. 16 José Joaquim Cesário Verde (1855-1886) Filho do lavrador e comerciante José Anastácio Verde e de Maria da Piedade dos Santos Verde, Cesário matriculou-se no Curso Superior de Letras em 1873, frequentando por apenas alguns meses o curso de Letras. Ali conheceu Silva Pinto, grande amigo pelo resto da vida. Dividia-se entre a produção de poesias (publicadas em jornais) e as atividades de comerciante, herdadas do pai.
  • 17. 17 Em 1877 lhe começou a dar sinais a tuberculose, doença que já lhe tirara o irmão e a irmã. Estas mortes servem de inspiração a um de seus principais poemas, Nós (1884). Tenta curar-se da tuberculose, sem sucesso; vem a falecer no dia 19 de Julho de 1886. No ano seguinte Silva Pinto organiza O Livro de Cesário Verde (disponível ao público em 1901), compilação de sua poesia.
  • 18. 18 De poesia delicada, Cesário empregou técnicas impressionistas, com extrema sensibilidade ao retratar a Cidade e o Campo, seus cenários prediletos. Evitou o lirismo tradicional, expressando da forma mais natural possível.
  • 20. 20 Característicasrealistas: Supremacia do mundo externo, da materialidade dos objetos; impõe o real concreto à sua poesia. Predomínio do cenário urbano (o favorito dos escritores realistas e naturalistas). Situa espaço-temporalmente as cenas apresentadas (ex: «Num Bairro Moderno» - «dez horas da manhã»). Atenção ao pormenor, ao detalhe.
  • 21. 21 A seleção temática: a dureza do trabalho («Cristalizações» e «Num Bairro Moderno»); a doença e a injustiça social («Contrariedades»); a imoralidade das «impuras», a desonestidade do «ratoneiro» e a «miséria do velho professor» em «O Sentimento dum Ocidental». A presença do real histórico: a referência a Camões e o contexto sociopolíticos em «O Sentimento dum Ocidental».
  • 22. 22 A linguagem burguesa, popular, coloquial, rica em termos concretos. Pelo fato da sua poesia ser estimulada pelo real, que inspira o poeta, que se deixa absorver pelas formas materiais e concretas.
  • 23. 23 Características modernistas: A realidade é mediatizada pelo olhar do poeta, que recria, a partir do concreto, uma super-realidade através da imaginação transfiguradora, metamorfoseando o real num processo de reinvenção ou recontextualização precursora da estética surrealista.
  • 24. 24 Abre à poesia as portas da vida e assim traz o inestético, o vulgar, o feio, a realidade trivial e quotidiana. Forte componente sinestésica (cruzamento de várias sensações na apreensão do real), de pendor impressionista, que valoriza a sensação em detrimento do objeto real. Um certo interseccionismo entre planos diferentes, visualismo e memória, real e imaginário, etc.
  • 25. 25 Características estilísticas: A exploração do espaço é feita através de sucessivas deambulações, numa perspectiva de câmara de filmar, em que se vão fixando vários planos É uma espécie de olhar itinerante e fragmentário, que reflete o passeio obsessivo pela cidade (e também no campo em alguns poemas); uma poesia transeunte, errante.
  • 26. 26 O olhar seletivo: a descrição/evocação do espaço é filtrada por um juízo de valor transfigurador, profundamente sinestésico. O poeta é como um espelho em que vem repercutir-se a diversidade do mundo citadino. Automatismo psíquico: associações desconexas de ideias, visível nas frases curtas, na sequencia de orações coordenadas assindéticas, que sugerem uma acumulação, uma concatenação aleatória de ideias.
  • 27. 27 Adjetivação particularmente abundante e expressiva, com dupla e tripla adjetivação, ao serviço de um impressionismo pictórico. Os substantivos presentificadores da realidade convocada, frequentemente em enumeração, que sugere uma acumulação, um compósito de elementos, característicos da construção pictórica.
  • 28. 28 Características temáticas: A questão da inviabilidade do Amor na cidade. A humilhação (sentimental, estética, social). A preocupação com as injustiças sociais. O sentimento anti-burguês. O perpétuo fluir do tempo, que só trará esperança para as gerações futuras. Presença obsessiva da figura feminina.
  • 29. 29 Obra • O Livro de Cesário Verde é a edição póstuma da coletânea dos poemas do poeta português Cesário Verde, feita por seu amigo Silva Pinto em 1887, reunindo os poemas editados em periódicos Levado pela fraternal amizade pelo poeta, e ao mesmo tempo pelo desejo de estudar-lhe criticamente o escasso legado poético, Silva Pinto organizou o livro segundo um critério inteiramente pessoal, visto Cesário não haver deixado nem mesmo um esboço dele.
  • 30. 30 Outros autores • Júlio Dinis, pseudônimo de Joaquim Guilherme Gomes Coelho (1839 – 1871) foi um médico e escritor português.. É por muitos considerado como um escritor de transição entre o fim do Romantismo e o princípio do Realismo. Embora tenha escrito poesia e teatro, notabilizou-se principalmente como romancista. • Principal Obra: • As Pupilas Do Senhor Reitor (1867)
  • 31. 31 • Abílio Manuel Guerra Junqueiro ( 1850 – 1923 ) • Foi o poeta mais popular da sua época e o mais típico representante da chamada “Escola Nova”. Poeta panfletário, a sua poesia ajudou criar o ambiente revolucionário que conduziu à implantação da República. Outros autores
  • 35. 35 É importante ressaltar que: • O Realismo é um movimento artístico surgido na França, e cuja influência se estendeu a numerosos países europeus. Esta corrente aparece no momento em que ocorrem as primeiras lutas sociais, sendo também objeto de ação contra o capitalismo progressivamente mais dominador. • Das influências intelectuais que mais ajudaram no sucesso do Realismo denota-se a reação contra as excentricidades românticas e contra as suas falsas idealizações da paixão amorosa, bem como um crescente respeito pelo fato empiricamente averiguado, pelas ciências exatas e experimentais e pelo progresso técnico. • A passagem do Romantismo para o Realismo, corresponde uma mudança do belo e ideal para o real e objetivo.
  • 37. 37 José Maria Eça de Queirós
  • 38. 38 Eça de Queirós (1845 – 1900) • Nascimento 25 de novembro de 1845 em Póvoa de Varzim , Portugal • Falecimento 16 de agosto de 1900 - Paris, França • Nacionalidade Português • Ocupação Romancista, contista • Escola/tradição: Romantismo, Realismo
  • 39. 39 Era filho do Dr. José Maria Teixeira de Queirós, juiz do Supremo Tribunal de Justiça, e de sua mulher, D. Carolina de Eça. Matriculou-se na faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, completando a sua formatura em 1866. Era amigo íntimo de Antero de Quental, com quem viveu fraternalmente, e com ele e outros formou uma ligação seleta e verdadeira agremiação literária para controvérsias humorísticas e instrutivas. Nessas assembleias entraram Ramalho Ortigão, Oliveira Martins, Salomão Saraga e Lobo de Moura.
  • 40. 40 Estabeleceram-se então, em 1871, as notáveis Conferências Democráticas no Cassino Lisbonense (V. Conferência), e Eça de Queirós, na que lhe competiu, discursou acerca do "O Realismo como nova Expressão de Arte", em que obteve ruidoso triunfo. Decidindo-se a seguir a carreira diplomática, foi a um concurso em 21 de Julho de 1870, sagrando-se o primeiro colocado e, em 1872, obteve a nomeação de cônsul geral de Havana, para onde partiu. Permaneceu poucos anos em Cuba, no meio das terríveis repressões do governo espanhol.
  • 41. 41 Eça de Queirós era casado com a Sr.ª D. Emília de Castro Pamplona, irmã do conde de Resende. Colaborou na Gazeta de Portugal, Revolução de Setembro, Renascença, Diário Ilustrado, Diário de Notícias, Ocidente, Correspondência de Portugal, e em outras publicações.
  • 42. 42 Eça de Queirós, quando faleceu, estava trabalhando em romances inspirados nas lendas de S. Cristóvão e de S. Frei Gil, o celebrado bruxo português. Devido à iniciativa de amigos dedicados do falecido escritor, elevou-se uma estátua em mármore para perpetuar a sua memória, a qual está situada no Largo de Quintela. É uma verdadeira obra artística do escultor Teixeira Lopes. Eça de Queirós e o representante maior da prosa realista em Portugal.
  • 43. 43
  • 44. 44 Grande renovador do romance, abandonou a linha romântica, e estabeleceu uma visão critica da realidade. Afastou-se do estilo clássico, que perdurou por muito tempo na obra de diversos autores românticos, deu a frase uma maior simplicidade, mudando a sintaxe e inovando na combinação das palavras. Evitou a retórica tradicional e os lugares comuns, criou novas formas de dizer, introduziu neologismos e, principalmente utilizou o adjetivo de maneira inédita e expressiva.
  • 45. 45 Este novo estilo só teve antecessor em Almeida Garrett e valeu a Eça a acusação de galicismo e estabeleceu os fundamentos da prosa moderna da Língua Portuguesa. Cenas “grotescas” com linguagem “polida”; Conteúdo “dolorido” e forma “sofisticada”; Estoicismo / Ironia fina; Descritivismo e detalhismo; Determinismo. A crítica literária costuma identificar três fases distintas na obra de Eça de Queirós Características
  • 46. 46 1ª. fase  A primeira fase compreende, basicamente, crônicas jornalísticas reunidas posteriormente em volume, sob o título de Prosas bárbaras.  Escreveu um romance, O mistério da estrada de Sintra, em parceria com Ramalho Ortigão.  Um realismo ainda incipiente convive com heranças românticas mal disfarçadas.  O próprio escritor tentou fazer com que esse início de carreira fosse esquecido.  Trata-se da parte menos significativa da sua produção literária .
  • 47. 47 2ª. fase  A segunda fase tem início com a publicação do romance, O crime do padre Amaro, em 1875 .  Três anos depois, o autor daria continuidade a ela com O primo Basílio .  Em 1880, escreve Os Maias, contando uma história incestuosa, bem ao gosto naturalista .  Trata-se da fase mais caracteristicamente realista-naturalista do autor .
  • 48. 48  Seus romances estão impregnados de elementos próprios do estilo, principalmente porque esboçam um panorama de crítica social e cultural da vida portuguesa, notadamente do ambiente burguês.  A ironia utilizada nesses romances desmascara o comportamento hipócrita e ocioso da burguesia lisboeta.  Destaque-se, contudo, a originalidade do estilo de Eça de Queiroz, que dotou a língua portuguesa de um novo ritmo de fase, com uma adjetivação surpreendente .
  • 49. 49
  • 50. 50
  • 51. 51
  • 52. 52
  • 53. 53
  • 54. 54
  • 55. 55 3ª. fase  Escapando da rigidez das normas realistas- naturalistas, confere lugar de destaque à fantasia, sem abandonar o registro crítico realista .  Em romances como A relíquia ( 1887 ), A ilustre de Ramires ( 1897 ) e A cidade e as serras ( 1901 ), o escritor se permite alguns voos de imaginação.  Acrescente-se a nota saudosista das tradições portuguesas Eça, ainda e sempre um crítico do convencionalismo lusitano, agora, de longe ( por força de suas missões
  • 56. 56  diplomáticas ), observa a pátria com mais complacência.  Sua linguagem vai assumindo um registro cada vez mais pessoal, terminando por ser marcadamente impressionista, muito distante da objetividade exigida ao romance realista-naturalista típico .
  • 57. 57 Principais obras O Crime do Padre Amaro , 1876. Segunda edição refundida, 1880. O Primo Basílio, 1878. O Mandarim, 1880. Relíquia, 1887. Os Maias, 1888. A Ilustre Casa de Ramires, 1900. Correspondência de Fradique Mendes, 1900. A Cidade e as Serras, 1901. Prosas Bárbaras, 1903. Prof. Claudia Ribeiro